VULNERABILIDADE DOS COMANDANTES MILITARES DIANTE DO CÓDIGO DE ÉTICA E DISCIPLINA DOS MILITARES DE MINAS GERAIS. Resumo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VULNERABILIDADE DOS COMANDANTES MILITARES DIANTE DO CÓDIGO DE ÉTICA E DISCIPLINA DOS MILITARES DE MINAS GERAIS. Resumo"

Transcrição

1 1 VULNERABILIDADE DOS COMANDANTES MILITARES DIANTE DO CÓDIGO DE ÉTICA E DISCIPLINA DOS MILITARES DE MINAS GERAIS Bruno Simpson de Paula* Edson Tenório Gonçalves Filho** Resumo Em 19 de junho de 2002, foi publicada a Lei nº , instituindo o Código de Ética e Disciplina dos Militares do Estado de Minas Gerais (CEDM), época de grande comoção ainda em razão da greve da Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG) ocorrida em Assim, CEDM constitui o novo ordenamento disciplinar da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar, revogando o Regulamento Disciplinar da Polícia Militar, aprovado pelo Decreto n o , então m vigor desde 10 de outubro de A mudança visava a atender tanto a Polícia Militar quanto o Corpo de Bombeiros Militar, este criado após a greve de 1997 e que recepcionou os militantes anistiados em razão daquele movimento hostil. No caso, para uns foi um duro golpe na disciplina e na hierarquia militares, enquanto para outros foi um avanço na valorização dos policiais militares mineiros. Na verdade, à falta de um consenso entre essas correntes, não ainda se chegou a um acordo sobre as mudanças introduzidas, mormente quanto à extinção das penas disciplinares de detenção e prisão, residindo aí o maior conflito, eis que não se admite, em tese, a higidez de um regime militar em essência sem que os Comandantes disponham da força para controlar a força. Confundiu-se, naquela época, a inconstitucionalidade que poderia viciar os regulamentos impostos por decretos, cujo mérito a Supremo Tribunal Federal ainda não julgou, com a constitucionalidade das punições que foram recepcionadas pela Constituição Federal de 1988, entre elas a prisão e a detenção. PALAVRAS-CHAVE: Regulamento Disciplinar. Código de Ética. Instituição Militar. Hierarquia e Disciplina. Prisão. Detenção. Direitos Constitucionais. * ** Graduando do Curso de Graduação em Direito da Universidade Presidente Antônio Carlos UNIPAC/ Barbacena-MG. Advogado. Mestre em Direito Público, Estado e Cidadania pela Universidade Gama Filho. Professor Titular do Curso de Direito Administrativo da Universidade Presidente Antônio Carlos UNIPAC Barbacena/MG.

2 2 1 Introdução Em 1997, ocorreu um levante dos policiais militares do Estado de Minas Gerais, cuja repercussão assombrou o país, manchando irreversivelmente o nome da Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG), cuja tradição bissecular se sustenta na hierarquia e disciplina, princípios institucionais que são os baluartes de qualquer organização militar. No calor da crise, indubitavelmente mal gerenciada por todos que sobre ela tinham responsabilidades, um gesto político pode ter passado despercebido para a sociedade: a criação do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG), cujo objetivo não foi outro senão abrigar as centenas de militares anistiados daquele movimento que a PMMG não aceitava nas suas fileiras. Assim, criada outra instituição militar no Estado, havia urgência na edição de um regulamento disciplinar que atendesse a ambas, estando aí a motivação política da criação do Código de Ética e Disciplina dos Policiais Militares de Minas Gerais (CEDM), instituído pela Lei nº , de 19/06/2002, com vacatio legis de 45 dias, portanto, com entrada em vigor no dia 02/08/2002. Não obstante as discussões que antecederam o envio do projeto de lei à Assembleia Legislativa de Minas Gerais, em regime de urgência discussão essa durou apenas 45 dias para assunto tão delicado, certo é que muitas propostas foram ignoradas e outras tantas prejudicadas, resultando na conversão em lei de um projeto muito emendado, o que ensejou a edição de vários atos normativos pelo Comando da PMMG para uniformização de procedimentos, bem como de súmulas por parte do Tribunal de Justiça Militar de Minas Gerais (TJMMG). No afã de primar pela valorização profissional dos militares estaduais afastou-se do ordenamento disciplinar as penas disciplinares de detenção e prisão, numa inusitada, ímpar e temerária providência, incluindo, em contrapartida, a pena de suspensão de até dez dias, com danos maiores ao servidor e à sua própria família, subtraindo das mãos dos Comandantes o poder de aplicar imediatamente sanções administrativas privativas de liberdade ante a prática de transgressões disciplinares graves que não configurem crime militar, necessárias à correção de homens que servem a uma polícia militar armada, sustentada nos pilares da hierarquia e da disciplina.

3 3 2 Constitucionalidade da prisão e da detenção disciplinares Uma das discussões que se arrastavam era a de que a prisão e a detenção militares, penas disciplinares em todos os regulamentos disciplinares castrenses, exceto no CEDM, constituía afronta à dignidade do policial militar, funcionando como arma poderosa para que comandantes inábeis delas fizessem uso para denegrir a imagem de seus subordinados e/ou impingir castigos exacerbados para os mais insolentes. Afastando a paixão e trazendo a questão para um debate isento, é público e notório que as penas disciplinares são aplicadas depois do devido processo legal, sob o crivo do contraditório e ampla defesa, sendo que para aquelas imposta de imediato, como a prisão e detenção disciplinares, o respectivo ato gravoso pode ser submetido ao controle judicial quanto à sua forma. E atacando mais a manifestação inconsistente dos apaixonados e pouco comprometida com a hierarquia e a disciplina, cite-se o mandamento constitucional, pouco lembrado nas lides da caserna: Art. 5º, inciso LXI, CF/88: ninguém será preso senão em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada da autoridade judiciária competente, salvo nos casos de transgressão militar ou crime propriamente militar, definidos em lei. Ora, se os regulamentos disciplinares militares foram recepcionados pela Constituição, as sanções disciplinares de prisão e detenção neles previstas são válidas perante a ordem jurídica. Rosa (2007), no artigo intitulado Extinção da prisão administrativa disciplinar militar uma nova visão em face de questões de natureza doutrinária e processual em busca da construção de novos paradigmas em face do Estado Democrático de Direito menciona que: [...] o militar é uma pessoa que deve estar preparada para o exercício de suas funções constitucionais. Segundo a doutrina espanhola, os militares são os responsáveis pela preservação dos direitos e garantias fundamentais do cidadão e por isso merecem a proteção do Estado para que possam desempenhar as suas atividades com independência e responsabilidade. Ainda segundo o predito e eminente magistrado, A punição deve ser uma realidade no sistema para se evitar o senso de impunidade que vem tomando conta de alguns países, como ocorre atualmente com a Colômbia, e porque não se dizer com o Brasil, onde todos os dias a mídia escrita ou falada

4 4 noticia fatos que depois de algum acabam sem solução, e mais, sem que os cofres do Estado sejam devidamente restituídos. Nenhum estudioso do direito castrense, seja civil ou militar, tem dúvidas que os princípios da hierarquia e disciplina são as bases institucionais das corporações militares. Nos últimos tempos, alguns deles têm apontado a ética como um terceiro princípio a ser observado pelos integrantes das instituições militares. Na verdade, ninguém questiona esses princípios. O que se busca é uma adequação das normas militares aos princípios e valores consagrados pela Constituição Federal de O que se questiona, então, é a prisão administrativa como um instrumento efetivo de controle por parte da Administração. A prisão administrativa pode e deve ser utilizada quando necessário, assim como ocorre com as prisões previstas na seara processual. Porém, questiona-se: será que a prisão administrativa, por si só, melhora o homem ou eventualmente corrige seus defeitos de formação? Não esqueça, ainda, contrariamente ao é afirmado por alguns estudiosos com o intuito de defender paradigmas anteriores ao vigente Estado de Direito, que o Estado de Minas Gerais, o Estado da liberdade, não foi o único a afastar a possibilidade de prisão administrativa na sua essência. Uma leitura atenta e sem tendência ideológica do Regulamento Disciplinar da Polícia Militar do Estado de São Paulo deixa evidenciado que aquela Corporação limitou e bem a possibilidade da prisão administrativa, criando institutos alternativos, entre eles a permanência disciplinar, com o intuito de construir novos paradigmas no âmbito disciplinar, o qual passou e vem passando por transformações em razão do advento da Constituição Federal de Essa citação merece cuidadosa atenção, pois que feita por Paulo Tadeu R. Rosa, um dos juízes de direito do juízo militar de Minas Gerais que mais insiste na atualização das práticas do direito, bem como seus decretos legais, de modo que nem ele condena a desnecessidade de punições mais severas nos quartéis. A disciplina militar pode ser denominada "disciplina qualificada" quando comparada à disciplina exigida de outros servidores, pois é orientada por institutos próprios e com a imposição de comportamentos absolutamente afinados aos imperativos da autoridade, do serviço e dos deveres militares, o que em regra não se exige do serviço público civil (MARTINS, 1996).

5 5 3 A grande impropriedade do CEDM Entre as várias inovações trazidas pelo CEDM acha-se a retirada das penas de detenção e prisão, o que, na opinião de muitos, descaracterizou a instituição, vez que os Comandantes perderam importante instrumento de controle da tropa e dos descomprometidos, descompromissados, indisciplinados contumazes e desordeiros fardados. Nesta ótica, Assis (2006) questiona algumas mudanças promovidas pelo CEDM, especialmente a retirada da pena de prisão disciplinar e a inserção do efeito suspensivo nos recursos disciplinares. O renomado doutrinador pontifica que as medidas adotadas culminaram por subverter os pilares constitucionais da hierarquia e da disciplina, e que o golpe mortal em complemento a tudo isto foi a inserção, no CEDM, do efeito suspensivo para todos os recursos disciplinares, inviabilizando a aplicação da imediata punição. Com recursos sendo decididos após um, dois ou mais anos, e as decisões publicadas em Boletim Reservado (BR), a solução e a eficácia da punição se perderam no tempo e a publicação ficou adstrita ao militar punido, pois a leitura dos BR nem sempre são feitas diante da tropa ou, pelos menos, com a presença dos pares e superiores do transgressor. 4 Confronto entre o regramento anterior e o atual No regramento anterior as punições disciplinares eram especificadas no Regulamento Disciplinar da Polícia Militar (RDPM), aprovado pelo Decreto nº , de 10/10/1983, enumeradas no artigo 24, assim descritas: Art 24. As penas disciplinares a que estão sujeitos os policiais militares, segundo a classificação resultante do julgamento da transgressão, são as seguintes, em ordem de gravidade crescente: I Advertência; II Repreensão; III Detenção; IV Prisão; V Reforma Disciplinar; VI Exclusão Disciplinar. Com o advento do CEDM, as punições disciplinares foram previstas no seu artigo 24 da seguinte forma:

6 6 Art. 24 Conforme a natureza, a gradação e as circunstâncias da transgressão, serão aplicáveis as seguintes sanções disciplinares: I Advertência; II Repreensão; III Prestação de serviços de natureza preferencialmente operacional, correspondente a um turno de serviço semanal, que não exceda a oito horas; IV Suspensão, de até dez dias; V Reforma disciplinar compulsória; VI Demissão; VII Perda do posto, patente ou graduação do militar da reserva. Para uma rápida comparação, considerando, principalmente o fato de que as Polícias Militares são reservas do Exército Brasileiro 1, é prudente mencionar os tipos de punições previstas no regulamento disciplinar daquela Força terrestre 2 : Art. 24. Segundo a classificação resultante do julgamento da transgressão, as punições disciplinares a que estão sujeitos os militares são, em ordem de gravidade crescente: I - a advertência; II - o impedimento disciplinar; III - a repreensão; IV - a detenção disciplinar; V - a prisão disciplinar; e VI - o licenciamento e a exclusão a bem da disciplina. Parágrafo único. As punições disciplinares de detenção e prisão disciplinar não podem ultrapassar trinta dias e a de impedimento disciplinar, dez dias. As mudanças ocorridas no escalonamento das punições disciplinares, entre outras inovações, descaracterizou a Corporação. Nesse sentido, Assis (2006) assevera que: Sem disciplina e hierarquia sólidas, e sem a potestade sancionadora imediata do Comandante, não existe instituição militar verdadeira, descaracterizando, inclusive a sua condição de força auxiliar do Exercito Brasileiro, que é uma imposição constitucional. Como se percebe, a discussão está longe de terminar e não se vislumbra um final de consenso, pois é sabido que a ampla defesa no processo administrativo disciplinar se concretiza com a possibilidade do acusado de se fazer representar por um defensor desde o início do processo, o que afasta qualquer dúvida sobre o devido processo legal no âmbito de uma instituição militar. 1 2 Decreto-Lei 667, de 02 de julho de Decreto nr 4.346, de 26 de agosto de 2002, que Aprova o Regulamento Disciplinar do Exército (R-4) e dá outras providências.

7 7 5 Controle judicial dos atos punitivos disciplinares Como visto, é desarrazoada a alegação de inconstitucionalidade das penas disciplinares de detenção e prisão, sob alegação de sua utilização por superiores para humilhar e prejudicar subordinados, tendo em vista o devido processo legal, com o exercício do contraditório e da ampla defesa que antecedem a decisão da autoridade administrativa disciplinar, a qual está sujeita a recursos internos e mesmo a controle judicial. Não bastassem os mecanismos garantidos pela Constituição 3, a Emenda Constitucional nº 45/2004 incluiu a apreciação judicial dos atos disciplinares pelo Poder Judiciário Militar 4, o que fulmina eventual discussão sobre possíveis abusos intramuros possivelmente existentes. Portanto, diante dessas medidas assecuratórias, não há por que descaracterizar uma instituição militar bicentenária, com disciplina exemplar e que, vitimada pelo movimento grevista de 1997, seguida de medidas e pressões eleitoreiras, sucumbiu, vulnerando toda sua estrutura de comando, deixando líderes e comandantes órfãos de mecanismos oportunos e eficientes para restauração da disciplina. Frise-se que a Constituição Federal assegurou o amplo acesso Judiciário ao dispor no seu art. art. 5º, XXXV, que a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito. Assim, com base no sistema da jurisdição única adotado pelo Brasil desde a instauração da Primeira República, uma garantia fundamental, não subsistem os argumentos de possível abuso para se inviabilizar as punições de prisão e detenção, pois o interessado sempre poderá acionar o Poder Judiciário em defesa de seus interesses. 6 O futuro da disciplina militar Para fazer frente aos problemas que a nova ordem impõe e a contaminação políticoideológica que invade os quartéis país afora, com uma politização duvidosa de seus integrantes, há necessidade de reformas no Código Penal Militar e nos Regulamentos Disciplinares. Tem havido um enfraquecimento gradual e silencioso dos Comandantes, em todos os níveis, sendo que os disciplinados não se levantam contra para não causar problemas para a cúpula de suas instituições, até porque almejam ali estarem no futuro, tanto que prevista uma revisão do CEDM em 2007 ninguém levantou a hipótese de alteração, 3 4 Art 5º, LIV e LV, da CF/88. Art 125, parágrafo 4º, da CF/88.

8 8 certamente para não criar melindres e expor-se como alvo de manifestações políticoideológicas. Esta vulnerabilidade, expondo as autoridades responsáveis pela disciplina a um julgamento revisor e demorado de seus atos, tende a tornar o futuro ainda mais ameaçador que sonhador. Ameaçador pela desmilitarização da Polícia que sustenta e garante o Estado, e sonhador, pela utopia de se querer uma disciplina militar rígida e ao mesmo tempo que coadune com os princípios constitucionais garantidos e indisponíveis aos homens de bem. A propósito, Rosa (2007) preleciona que: A hierarquia e a disciplina devem ser preservadas por serem princípios essenciais das Corporações Militares, mas os direitos e garantias fundamentais previstos no art. 5º, da CF, são normas de aplicação imediata (art. 5.º, 1.º, da CF), que devem ser asseguradas a todos os cidadãos (civil ou militar, brasileiro ou estrangeiro), sem qualquer distinção na busca do fortalecimento do Estado de Direito, que foi escolhido pela República Federativa do Brasil, art. 1.º, da CF. 7 Conclusão Carta a El - Rei de Portugal - O Militar 5 Senhor, umas casas existem, no vosso reino onde homens vivem em comum, comendo do mesmo alimento, dormindo em leitos iguais. De manhã, a um toque de corneta se levantam para obedecer. De noite, a outro toque de corneta se deitam, obedecendo. Da vontade fizeram renúncia como da vida. Seu nome é Sacrifício. Por ofício desprezam a morte e o sofrimento físico. Seus pecados mesmo são generosos, facilmente esplêndidos. A beleza de suas ações é tão grande que os poetas não se cansam de celebrar. Quando eles passam juntos, fazendo barulho, os corações mais cansados sentem estremecer alguma coisa dentro de si. A gente conhece-os por militares... Militares são diferentes! A proteção da hierarquia e da disciplina exige das instituições militares um controle rígido, orientado por normas e regulamentos internos destinados a moldar a conduta de seus agentes. Nesta perspectiva, se de um lado há a hierarquia e a disciplina como conceitos de valor fundamentados na Constituição, de outro há o agente militar tendo em seu favor garantias constitucionais que lhe permitem questionar os atos da administração militar a que está subordinado. O rigorismo que expressa a diferença entre a disciplina dos servidores civis e a dos militares não pode ser confundido com autoritarismo (MARTINS, 1996). O rigorismo é a 5 Trecho da carta escrita por Moniz Barreto, em 1893, publicada no jornal do exército de Portugal, nº 306.

9 9 rigidez no cumprimento eficiente das tarefas militares. Não significa que a disciplina deve ser utilizada como método de incutir temor na tropa. A disciplina deve ser utilizada como instrumento de comando, visando corrigir o militar e redirecioná-lo para os objetivos da corporação. A interpretação dos princípios da hierarquia e disciplina militares e sua concretização somente é auferida quando desencadeado o processo administrativo disciplinar que leva à sanção ou absolvição do militar infrator. Fora disto é arbitrariedade e abuso de poder, eis que dissociado dos limites de obediência à lei (THOMAZI, 2008). O tema é polêmico e exige maior atenção por parte dos operadores do Direito Militar. As perspectivas são sombrias com a politização das forças policiais militares e não se vê, a princípio, uma preocupação maior com os novos rumos que os policiais estão seguindo, liderados por pessoas, fardadas ou não, que pouco ou nenhum compromisso têm com a história de uma corporação bicentenária e com a satisfação dos anseios sociais. Espero que o CEDM seja revisto e alterado para munir os comandantes com instrumentos disciplinares aptos a coibir o ilícito administrativo de forma efetiva e imediata, pois só assim os princípios da hierarquia e disciplina voltarão a ser plenamente respeitados e cultuados no âmbito dos quartéis.

10 10 VULNERABILITY OF MILITARY COMMANDERS BEFORE THE CODE OF ETHICS AND MILITARY DISCIPLINE OF MINAS GERAIS Abstract On June 19, 2002, was published Law No. 14,310, establishing the Code of Ethics and Discipline of the Military of the State of Minas Gerais (CEDAW), a time of great commotion yet due to the strike of the Military Police of Minas Gerais (PMMG) occurred in Accordingly, CEDAW is the new disciplinary order of the Military Police and the Fire Brigade, repealing the Military Police disciplinary Regulations, approved by Decree No. 23,085, then m force since October 10, changing aimed at meet both the Military Police and the Fire Brigade, this created after the strike of 1997, which welcomed the militants amnesty because that hostile move. In case, for some it was a hard blow in the discipline and military hierarchy, while for others it was a breakthrough in valuing miners military police. In fact, the lack of consensus between these currents, not yet reached an agreement on any changes made, particularly with respect to termination of disciplinary penalties of detention and imprisonment, residing there the greater conflict, behold, there may be, in theory, the healthiness of a military regime in essence without the Commanders are given the "power to control the force." Was confused at that time, the unconstitutionality which could vitiate the regulations imposed by decree, whose merit the Supreme Court has not yet ruled, with the constitutionality of punishments that were approved upon by the Federal Constitution of 1988, including the arrest and detention. KEYWORDS: Disciplinary Regulations. Code of Ethics. Military Institution. Hierarchy and Discipline. Prison. Detention. Constitutional rights. REFERÊNCIAS A Constituição e o Supremo. 2ª ed. Brasília, Distrito Federal, Código Penal Militar Decreto-Lei 1.001, de 21 Out São Paulo: RIDEEL, Decreto n , de 10 de outubro de Aprova o Regulamento Disciplinar da Polícia Militar do Estado de Minas Gerais. Minas Gerais, Belo Horizonte, 10 out Lei n , de 19 de junho de Dispõe sobre o Código de Ética e Disciplina dos Militares do Estado de Minas Gerais. Minas Gerais, Belo Horizonte, 20 jun ASSIS, Jorge César de. O Código de Ética e Disciplina dos Militares de Minas Gerais: Avanço na Valorização dos PMs Mineiros, ou Duro Golpe na Disciplina e Hierarquia? 19 de Julho de Disponível em: Acesso em 14 Out GOMES, Maria Paulina. Curso de Direito Militar: Metodologia da Pesquisa Jurídica. Rio de Janeiro: Fundação Trompowsky, MARTINS, Eliezer Pereira. Direito Administrativo Militar e sua processualidade. Leme: LED Editora do Direito, 1996.

11 11 ROSA, Paulo Tadeu Rodrigues. Extinção da prisão administrativa disciplinar militar uma nova visão em face de questões de natureza doutrinária e processual em busca da construção de novos paradigmas em face do Estado democrático de Direito. Revista Jus Vigilantibus, Segunda-feira, 1º de outubro de Disponível em: Acesso em 20 Out SOUZA, Moisés Francisco de. Revista Estudos e Informações TJMMG, nº 06, de novembro de 2000, página 15. Minas Gerais, Belo Horizonte, THOMAZI, Robson Luis Marques. Hierarquia e a Disciplina Aplicadas às Instituições Militares: Controle e Garantias no Regulamento Disciplinar da Brigada Militar Disponível em: Acesso em 20 Out

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Absolvição criminal e reintegração do militar estadual Paulo Tadeu Rodrigues Rosa * As forças policiais conforme ensina a doutrina, Álvaro Lazzarini, em sua obra Direito Administrativo,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Causas de justificação da transgressão disciplinar militar Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* 1. Introdução O militar (federal ou estadual) no cumprimento de suas funções deve observar

Leia mais

A ENTIDADE QUE LUTA POR VOCÊ

A ENTIDADE QUE LUTA POR VOCÊ A ENTIDADE QUE LUTA POR VOCÊ LEGISLAÇÃO DISCIPLINAR EDUARDO HENRIQUE KNESEBECK ENCONTRO DE ENTIDADES REPRESENTATIVAS CURITIBA, 18 DE MAIO DE 2016 > Interpretação da legislação disciplinar Há necessidade

Leia mais

Direito - Militar. 1. Introdução

Direito - Militar. 1. Introdução Direito - Militar 1. Introdução Com a vinda da Família Real para o Brasil em 1808, nosso país deixou a condição de Colônia para ser elevado a categoria de Reino Unido a Portugal e Algarves o que trouxe

Leia mais

TEMAS INTRODUTÓRIOS Vídeo: Prisão Parte I do início até 1:29:58

TEMAS INTRODUTÓRIOS Vídeo: Prisão Parte I do início até 1:29:58 AULA AO VIVO TEMAS INTRODUTÓRIOS Vídeo: Prisão Parte I do início até 1:29:58 Prisão: é a privação da liberdade de locomoção. Pode ser praticado por particular, pode ser provocada por vontade própria e

Leia mais

TESE. Fernando A. N. Galvão da Rocha. Resumo. 1. Introdução. 70 Revista ENM. Associação dos Magistrados Mineiros (Amagis-MG)

TESE. Fernando A. N. Galvão da Rocha. Resumo. 1. Introdução. 70 Revista ENM. Associação dos Magistrados Mineiros (Amagis-MG) TESE Formação dos juízes da Justiça Militar para atuação democrática Fernando A. N. Galvão da Rocha Associação dos Magistrados Mineiros (Amagis-MG) Resumo As escolas judiciais devem capacitar os juízes

Leia mais

O PRINCÍPIO DO NON BIS IN IDEM E SUA APLICABILIDADE NOS PROCESSOS DISCIPLINARES MILITARES

O PRINCÍPIO DO NON BIS IN IDEM E SUA APLICABILIDADE NOS PROCESSOS DISCIPLINARES MILITARES O PRINCÍPIO DO NON BIS IN IDEM E SUA APLICABILIDADE NOS PROCESSOS DISCIPLINARES MILITARES ALEXANDRE HENRIQUES DA COSTA 1º Tenente da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Autor das obras Direito Administrativo

Leia mais

EMENDA Nº PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 287, DE 2016.

EMENDA Nº PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 287, DE 2016. EMENDA Nº PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 287, DE 2016. Altera os arts. 37, 40, 109, 149, 167, 195, 201 e 203 da Constituição, para dispor sobre a seguridade social, estabelece regras de transição

Leia mais

PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE

PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE: R-2353/94 (A6) DATA: 1999-09-30 Assunto: Efeito

Leia mais

Processo Legislativo II. Prof. ª Bruna Vieira

Processo Legislativo II. Prof. ª Bruna Vieira Processo Legislativo II Prof. ª Bruna Vieira 1.4. Espécies normativas (art. 59 da CF) a) emendas à Constituição b) leis complementares c) leis ordinárias d) leis delegadas e) medidas provisórias f) decretos

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Princípios Processuais. Prof. Luiz Dellore

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Princípios Processuais. Prof. Luiz Dellore DIREITO PROCESSUAL CIVIL Princípios Processuais Prof. Luiz Dellore www.dellore.com Twitter: @dellore Facebook: Luiz Dellore II Instagram: @luizdellore LinkedIn: Luiz Dellore 1. NOVIDADES DO NCPC QUANTO

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI Nº 1.277, DE 2015

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI Nº 1.277, DE 2015 COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO. PROJETO DE LEI Nº 1.277, DE 2015 (Apenso: PL 2117/2015) Altera o art. 11 da Lei nº 8.429, de 2 de junho de 1992, para caracterizar como atos

Leia mais

AULA DEMONSTRATIVA ATOS DE OFÍCIO CÍVEIS OFICIAL DE APOIO JUDICIAL TJMG

AULA DEMONSTRATIVA ATOS DE OFÍCIO CÍVEIS OFICIAL DE APOIO JUDICIAL TJMG AULA DEMONSTRATIVA ATOS DE OFÍCIO CÍVEIS OFICIAL DE APOIO JUDICIAL TJMG Prof. Jean Pitter CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ATOS DE OFÍCIO - TJMG OFICIAL DE APOIO JUDICIAL 1. Processos: conceito, espécies, tipos de

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 68/XIII/1.ª

PROJETO DE LEI N.º 68/XIII/1.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 68/XIII/1.ª ALTERA O CÓDIGO DE PROCESSO PENAL, REVOGANDO A POSSIBILIDADE DE JULGAR EM PROCESSO SUMÁRIO CRIMES COM MOLDURA PENAL SUPERIOR A 5 ANOS DE PRISÃO Exposição

Leia mais

20/11/2014. Direito Constitucional Professor Rodrigo Menezes AULÃO DA PREMONIÇÃO TJ-RJ

20/11/2014. Direito Constitucional Professor Rodrigo Menezes AULÃO DA PREMONIÇÃO TJ-RJ Direito Constitucional Professor Rodrigo Menezes AULÃO DA PREMONIÇÃO TJ-RJ 1 01. A Constituição Federal de 1988 consagra diversos princípios, os quais exercem papel extremamente importante no ordenamento

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL PEÇA PROFISSIONAL O governo brasileiro, preocupado com os índices crescentes de ataques terroristas no mundo, vinculou-se à Convenção sobre os Direitos Humanos das Vítimas de Atividades

Leia mais

II. Conceito de Direito Constitucional

II. Conceito de Direito Constitucional DIREITO CONSTITUCIONAL I II. Conceito de Direito Constitucional José Afonso da Silva: É o ramo do Direito Público que expõe, interpreta e sistematiza os princípios e normas fundamentais do Estado. 1. Conteúdo

Leia mais

OFICINA CRIME MILITAR PRÓPRIO CONCLUSÕES

OFICINA CRIME MILITAR PRÓPRIO CONCLUSÕES OFICINA CRIME MILITAR PRÓPRIO CONCLUSÕES Como conclusão dos trabalhos da Oficina Crime Militar Próprio, evento organizado pela Escola Superior do Ministério Público da União, que foi realizado na Procuradoria-Geral

Leia mais

SUMÁRIO. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Publicado no Diário Oficial da União nº 191-A de 5 de outubro de 1988

SUMÁRIO. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Publicado no Diário Oficial da União nº 191-A de 5 de outubro de 1988 SUMÁRIO CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Publicado no Diário Oficial da União nº 191-A de 5 de outubro de 1988 Preâmbulo...1 TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS (Arts. 1º a 4º)...3 TÍTULO

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE As normas elaboradas pelo Poder Constituinte Originário são colocadas acima de todas as outras manifestações de direito. A própria Constituição Federal determina um procedimento

Leia mais

CEM CADERNO DE EXERCÍCIOS MASTER. Organização dos Poderes CESGRANRIO

CEM CADERNO DE EXERCÍCIOS MASTER. Organização dos Poderes CESGRANRIO CEM CADERNO DE EXERCÍCIOS MASTER Organização dos Poderes CESGRANRIO 1) CESGRANRIO PETROBRAS Advogado Júnior - 2015 Sr. X é Deputado Federal e, como uma das primeiras informações que recebe do Congresso,

Leia mais

SUMÁRIO PRISÃO PREVENTIVA: PRINCIPAIS PONTOS CONTROVERTIDOS SURGIDOS COM A LEI /

SUMÁRIO PRISÃO PREVENTIVA: PRINCIPAIS PONTOS CONTROVERTIDOS SURGIDOS COM A LEI / SUMÁRIO CAPÍTULO I PRISÃO PREVENTIVA: PRINCIPAIS PONTOS CONTROVERTIDOS SURGIDOS COM A LEI 12.403/2011...29 1. Prisão preventiva antes da edição da Lei 12.403/2011... 29 2. Espírito das alterações e antecedentes

Leia mais

A União Federal em Juízo. Editora Lumen Juris. 354:347.9(81) S728u 3.ed.

A União Federal em Juízo. Editora Lumen Juris. 354:347.9(81) S728u 3.ed. JOÃO CARLOS SOUTO Procurador da Fazenda Nacional. Mestre em Direito Público. Membro do Instituto dos Advogados da Bahia. Professor de Direito Constitucional. Diretor de Publicações e Relações Internacionais

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A ação penal popular no ordenamento jurídico brasileiro Liduina Araujo Batista * O presente estudo trata da discussão acerca da possibilidade, ou não, de existência, em nosso ordenamento

Leia mais

A necessidade de proteção e efetividade aos direitos humanos, em sede internacional, possibilitou o surgimento de uma disciplina autônoma ao Direito

A necessidade de proteção e efetividade aos direitos humanos, em sede internacional, possibilitou o surgimento de uma disciplina autônoma ao Direito Profa. Andrea Wild A necessidade de proteção e efetividade aos direitos humanos, em sede internacional, possibilitou o surgimento de uma disciplina autônoma ao Direito Internacional Público, com denominação

Leia mais

PRINCÍPIO = começo; ideia-síntese

PRINCÍPIO = começo; ideia-síntese PRINCÍPIOS INFORMADORES DO DIREITO PROCESSUAL PENAL PRINCÍPIO = começo; ideia-síntese os princípios da política processual de uma nação não são outra coisa senão os segmentos de sua política (ética) estatal

Leia mais

Tribunal do Júri na Justiça Militar Estadual

Tribunal do Júri na Justiça Militar Estadual Tribunal do Júri na Justiça Militar Estadual Fernando A. N. Galvão da Rocha Juiz Civil do Tribunal de Justiça Militar-MG 1. Introdução Entre as diversas instituições do Processo Penal, o Tribunal do Júri

Leia mais

Organograma do exercício da Jurisdição no ordenamento pátrio segundo os parâmetros vigentes na Constituição Federal

Organograma do exercício da Jurisdição no ordenamento pátrio segundo os parâmetros vigentes na Constituição Federal BuscaLegis.ccj.ufsc.br Organograma do exercício da Jurisdição no ordenamento pátrio segundo os parâmetros vigentes na Constituição Federal João Fernando Vieira da Silva salermolima@hotmail.com O exercício

Leia mais

f ÅâÄtwÉ wx IED / V Çv t céä à vt `öüv t cxä áátü INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA

f ÅâÄtwÉ wx IED / V Çv t céä à vt `öüv t cxä áátü INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA 01) Não se enquadra na subdivisão de "Público" o direito: a) Constitucional b) Administrativo. c) Judiciário / processual. d) Penal. e) Comercial. 02) Não

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2012

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2012 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2012 Altera os arts. 102, 105, 108 e 125 da Constituição Federal para extinguir o foro especial por prerrogativa de função nos casos de crimes comuns. As Mesas

Leia mais

CONTROLE DIFUSO DE CONSTITUCIONALIDADE. O controle de constitucionalidade difuso está presente no ordenamento jurídico

CONTROLE DIFUSO DE CONSTITUCIONALIDADE. O controle de constitucionalidade difuso está presente no ordenamento jurídico CONTROLE DIFUSO DE CONSTITUCIONALIDADE O controle de constitucionalidade difuso está presente no ordenamento jurídico 1 brasileiro desde a Constituição Provisória da República de 1890, tendo como inspiração

Leia mais

I RELATÓRIO. Trata-se de ação direta de inconstitucionalidade, com pedido de medida cautelar, proposta pelo Procurador-Geral da República,

I RELATÓRIO. Trata-se de ação direta de inconstitucionalidade, com pedido de medida cautelar, proposta pelo Procurador-Geral da República, N o 155.389/2016-AsJConst/SAJ/PGR Relatora: Ministra Cármen Lúcia Requerente: Procurador-Geral da República Interessado: Congresso Nacional CONSTITUCIONAL. AÇÃO DIRETA DE INCONSTITU- CIONALIDADE. LEI 10.001/2000.

Leia mais

NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL

NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL 145 QUESTÕES DE PROVAS IBFC POR ASSUNTOS 06 QUESTÕES DE PROVAS FCC 24 QUESTÕES ELABORADAS PELO EMMENTAL Edição Maio 2017 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. É vedada a reprodução

Leia mais

CONSTITUIÇÂO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. (texto integral) Tribunais SECÇÃO V CAPÍTULO I. Princípios gerais. Artigo 202. (Função jurisdicional)

CONSTITUIÇÂO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. (texto integral) Tribunais SECÇÃO V CAPÍTULO I. Princípios gerais. Artigo 202. (Função jurisdicional) CONSTITUIÇÂO DA REPÚBLICA PORTUGUESA (texto integral) Tribunais SECÇÃO V CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 202. (Função jurisdicional) 1. Os tribunais são os órgãos de soberania com competência para

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.379, DE 2006 (MENSAGEM N o 20, de 2006) Aprova o texto do Tratado sobre Extradição entre o Governo da República Federativa

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 95, DE

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 95, DE SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 95, DE 2011 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 8.906, de 04 de julho de 1994, para ampliar o conceito de atividade de advocacia, atividade jurídica

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N 001/2016-CGMP

RECOMENDAÇÃO N 001/2016-CGMP RECOMENDAÇÃO N 001/2016-CGMP O CORREGEDOR-GERAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ, com fundamento nos artigo 17, inciso IV, da Lei Federal n 8.625/93 e no artigo 36, inciso IV, da Lei Complementar

Leia mais

ORLANDO JÚNIOR DIREITO CONSTITUCIONAL

ORLANDO JÚNIOR DIREITO CONSTITUCIONAL ORLANDO JÚNIOR DIREITO CONSTITUCIONAL Ano: 2017 Banca: VUNESP Órgão: UNESP Prova: Assistente Administrativo Considerando o que dispõe a Constituição Federal sobre os direitos e garantias fundamentais,

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO CONSTITUCIONAL

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO CONSTITUCIONAL P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO CONSTITUCIONAL 1. Na Federação Brasileira, os Estados-Membros: I organizam-se e regem-se pelas respectivas Constituições, ainda que contrariem alguns

Leia mais

RESERVA DE ESPAÇO EXCLUSIVO PARA MULHERES EM TRENS E METRÔS.

RESERVA DE ESPAÇO EXCLUSIVO PARA MULHERES EM TRENS E METRÔS. RESERVA DE ESPAÇO EXCLUSIVO PARA MULHERES EM TRENS E METRÔS. A CONSTITUCIONALIDADE DA LEI ESTADUAL Nº 4.733/06 Bruno Barata Magalhães Advogado. Consultor jurídico nas áreas de Direito Administrativo, Direito

Leia mais

LISTA DE ABREVIATURAS UTILIZADAS INTRODUÇÃO Capítulo 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS DO PROCESSO LEGISLATIVO... 25

LISTA DE ABREVIATURAS UTILIZADAS INTRODUÇÃO Capítulo 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS DO PROCESSO LEGISLATIVO... 25 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS UTILIZADAS... 21 INTRODUÇÃO... 23 Capítulo 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS DO PROCESSO LEGISLATIVO... 25 1. Processo e procedimento... 25 1.1. Procedimentos legislativos... 26 2. Princípios

Leia mais

Direito Constitucional

Direito Constitucional Barbara Rosa Direito Constitucional Poder Executivo ATRIBUIÇÕES DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA - Nomear e exonerar os Ministros de Estado; - Exercer, com o auxílio dos Ministros de Estado, a direção superior

Leia mais

Você encontrará vários outros materiais gratuitos em meu site:

Você encontrará vários outros materiais gratuitos em meu site: Você encontrará vários outros materiais gratuitos em meu site: www.legislacaomilitar.com.br DIREITO ADMINSITRATRIVO MILITAR (NORMAS PERTINENTES À PMTO) Prof. Sérgio Nunnes: Especialista em Direito Constitucional,

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 452/XII/3.ª

PROJECTO DE LEI N.º 452/XII/3.ª PROJECTO DE LEI N.º 452/XII/3.ª Altera o Código de Processo Penal, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 78/87, de 17 de Fevereiro, eliminando a possibilidade de julgamentos em processo sumário para crimes puníveis

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS SOBRE OS PRINCÍPIOS REGENTES DA ATIVIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Everaldo Rocha Bezerra Costa Procuradoria Federal junto à UFG

NOÇÕES BÁSICAS SOBRE OS PRINCÍPIOS REGENTES DA ATIVIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Everaldo Rocha Bezerra Costa Procuradoria Federal junto à UFG NOÇÕES BÁSICAS SOBRE OS PRINCÍPIOS REGENTES DA ATIVIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Everaldo Rocha Bezerra Costa Procuradoria Federal junto à UFG I INTRODUÇÃO II PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA A administração

Leia mais

DO ENGESSAMENTO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL ATRAVÉS DA REPERCUSSÃO GERAL

DO ENGESSAMENTO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL ATRAVÉS DA REPERCUSSÃO GERAL DO ENGESSAMENTO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL ATRAVÉS DA REPERCUSSÃO GERAL Muito se tem discutido ao longo dos anos a respeito do papel do Supremo Tribunal Federal em nosso sistema jurídico, ou seja, até

Leia mais

Normas Fundamentais do Novo Código de Processo Civil Fábio Victor da Fonte Monnerat

Normas Fundamentais do Novo Código de Processo Civil Fábio Victor da Fonte Monnerat Normas Fundamentais do Novo Código de Processo Civil Fábio Victor da Fonte Monnerat Procurador Federal Diretor da Escola da Advocacia-Geral da União em São Paulo Coordenador Nacional de Direito Processual

Leia mais

PENAS PRINCIPAIS E ACESSÓRIAS

PENAS PRINCIPAIS E ACESSÓRIAS DIREITO PENAL MILITAR EAP - 2016 Prof. Rogério PENAS PRINCIPAIS E ACESSÓRIAS QUADRO ESQUEMÁTICO PENAS PRINCIPAIS (art. 55) PENAS ACESSÓRIAS (art. 98) Morte Perda do posto e da patente Multa PENAS PREVISTAS

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO A C Ó R D Ã O CSJT VMF/mahe/cp PEDIDO DE PROVIDÊNCIA PEDIDO DE IMPLANTAÇÃO DE JORNADA DE SEIS HORAS EM TURNO ÚNICO PARA OS SERVIDORES DA. Ao Conselho Superior da Justiça do Trabalho compete, por força

Leia mais

Abreviaturas Apresentação PARTE 1 DOUTRINA E LEGISLAÇÃO CAPÍTULO I PODER JUDICIÁRIO

Abreviaturas Apresentação PARTE 1 DOUTRINA E LEGISLAÇÃO CAPÍTULO I PODER JUDICIÁRIO S umário Abreviaturas... 21 Apresentação... 23 PARTE 1 DOUTRINA E LEGISLAÇÃO CAPÍTULO I PODER JUDICIÁRIO 1. Conceito, importância, funções e independência... 27 2. Garantias institucionais ou orgânicas

Leia mais

Juizados Especiais. Aula 8 ( ) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor)

Juizados Especiais. Aula 8 ( ) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor) Juizados Especiais Aula 8 (09.04.13) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor) e-mail: vinipedrosa@uol.com.br Ementa da aula Recursos e embargos de declaração Mandado de segurança, habeas corpus

Leia mais

O PRINCÍPIO DO CONTRADITÓRIO E A GARANTIA DA NÃO SURPRESA NA APLICAÇÃO DA IMPROCEDÊNCIA LIMINAR DO PEDIDO PARA JUÍZOS PRIMA FACIE DE PRECEDENTES

O PRINCÍPIO DO CONTRADITÓRIO E A GARANTIA DA NÃO SURPRESA NA APLICAÇÃO DA IMPROCEDÊNCIA LIMINAR DO PEDIDO PARA JUÍZOS PRIMA FACIE DE PRECEDENTES O PRINCÍPIO DO CONTRADITÓRIO E A GARANTIA DA NÃO SURPRESA NA APLICAÇÃO DA IMPROCEDÊNCIA LIMINAR DO PEDIDO PARA JUÍZOS PRIMA FACIE DE PRECEDENTES Juliana Provedel Cardoso 1 PALAVRAS-CHAVE: Processo Civil.

Leia mais

In:

In: Carta de Curitiba aprovada em 21-06-1986, no 1º Encontro Nacional de Procuradores-Gerais de Justiça e Presidentes de Associações de Ministério Público (Curitiba, Paraná) Do Ministério Público Seção I Das

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL QUORUM PARA RECEBIMENTO DE DENÚNCIA CONTRA PREFEITO INFRAÇÕES POLÍTICO- ADMINISTRATIVAS.

CÂMARA MUNICIPAL QUORUM PARA RECEBIMENTO DE DENÚNCIA CONTRA PREFEITO INFRAÇÕES POLÍTICO- ADMINISTRATIVAS. CÂMARA MUNICIPAL QUORUM PARA RECEBIMENTO DE DENÚNCIA CONTRA PREFEITO INFRAÇÕES POLÍTICO- ADMINISTRATIVAS. É sabido que os Prefeitos Municipais podem ser submetidos a processos de cassação de seus mandatos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Forças policiais e ordem pública. Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* Capítulo 1 Forças policiais e ordem pública. 1.1.Ordem pública e seu alcance O cidadão possui direitos e garantias fundamentais

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A PROFERIR PARECER AO PROJETO DE LEI Nº 4850, DE 2016, DO SR

COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A PROFERIR PARECER AO PROJETO DE LEI Nº 4850, DE 2016, DO SR COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A PROFERIR PARECER AO PROJETO DE LEI Nº 4850, DE 2016, DO SR. ANTONIO CARLOS MENDES THAME E OUTROS, QUE ESTABELECE MEDIAS CONTRA A CORRUPÇÃO E DEMAIS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO

Leia mais

Mini Simulado GRATUITO de Direito Processual Penal. TEMA: Diversos

Mini Simulado GRATUITO de Direito Processual Penal. TEMA: Diversos Mini Simulado GRATUITO de Direito Processual Penal TEMA: Diversos 1. A prisão em flagrante deve: a) ser comunicada apenas à família do preso, sob pena de nulidade. b) ser comunicada ao juiz competente,

Leia mais

CARLOS MENDONÇA DIREITO CONSTITUCIONAL

CARLOS MENDONÇA DIREITO CONSTITUCIONAL CARLOS MENDONÇA DIREITO CONSTITUCIONAL PRINCIPIOS FUNDAMENTAIS EXERCÍCIOS GABARITO 1. (CONSULPLAN 2017 TJ-MG Oficial de Apoio) Na elaboração do processo legislativo, os poderes nele envolvidos podem se

Leia mais

SISTEMA CONSTITUCIONAL DAS CRISES. Profa. Me. Érica Rios

SISTEMA CONSTITUCIONAL DAS CRISES. Profa. Me. Érica Rios SISTEMA CONSTITUCIONAL DAS CRISES Profa. Me. Érica Rios erica.carvalho@ucsal.br Defesa do Estado? A defesa do Estado não tem mais a conotação que tinha na ditadura militar. A associação com as Forças Armadas

Leia mais

REPENSANDO A UNIFICAÇÃO DAS POLÍCIAS

REPENSANDO A UNIFICAÇÃO DAS POLÍCIAS REPENSANDO A UNIFICAÇÃO DAS POLÍCIAS PAULO TADEU RODRIGUES ROSA O terrorismo urbano está se tornando uma realidade no país conforme ficou evidenciado com o ato ocorrido recentemente no Estado do Rio de

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO IV DAS FUNÇÕES ESSENCIAIS À JUSTIÇA Seção I Do Ministério Público Art. 127. O Ministério Público é instituição

Leia mais

SUPREMO TRIBUNALDE JUSTIÇA LEI N.º 10/91

SUPREMO TRIBUNALDE JUSTIÇA LEI N.º 10/91 LEI N.º 10/91 A Assembleia Nacional no uso das atribuições que lhe são conferidas ao abrigo da alínea d) do artigo 87º. Da Constituição, aprova a seguinte Lei: ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO

Leia mais

O PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR E AS GARANTIAS DO CONTRADITÓRIO E DA AMPLA DEFESA NO ATO INAUGURAL

O PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR E AS GARANTIAS DO CONTRADITÓRIO E DA AMPLA DEFESA NO ATO INAUGURAL 1 O PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR E AS GARANTIAS DO CONTRADITÓRIO E DA AMPLA DEFESA NO ATO INAUGURAL O homem não se realiza solitariamente, pois é uma característica da natureza humana conviver em

Leia mais

MEDIDA PRÓVISORIA 657/2014 EMENDA ADITIVA Nº TEXTO/JUSTIFICAÇÃO. Acrescente-se os seguintes artigos ao texto da Medida Provisória:

MEDIDA PRÓVISORIA 657/2014 EMENDA ADITIVA Nº TEXTO/JUSTIFICAÇÃO. Acrescente-se os seguintes artigos ao texto da Medida Provisória: MPV 657 00049 MEDIDA PRÓVISORIA 657/2014 Altera a Lei no 9.266, de 15 de março de 1996, que reorganiza as classes da Carreira Policial Federal, fixa a remuneração dos cargos que as integram e dá outras

Leia mais

O PODER DISCIPLINAR REVISIONAL DELIMITADO NO REGULAMENTO DISCIPLINAR DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO E A

O PODER DISCIPLINAR REVISIONAL DELIMITADO NO REGULAMENTO DISCIPLINAR DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO E A O PODER DISCIPLINAR REVISIONAL DELIMITADO NO REGULAMENTO DISCIPLINAR DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO E A POSSIBILIDADE DA REFORMATIO IN PEJUS ET IN MELLIUS ALEXANDRE HENRIQUES DA COSTA 1º Tenente

Leia mais

CNEF FASE DE FORMAÇÃO INICIAL PROGRAMA DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL E ORGANIZAÇÃO JUDICIÁRIA

CNEF FASE DE FORMAÇÃO INICIAL PROGRAMA DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL E ORGANIZAÇÃO JUDICIÁRIA CNEF FASE DE FORMAÇÃO INICIAL PROGRAMA DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL E ORGANIZAÇÃO JUDICIÁRIA 1º 1. A Deontologia Profissional: noção e análise comparativa com a Deontologia no domínio das demais profissões

Leia mais

Processo Legislativo I. Prof. ª Bruna Vieira

Processo Legislativo I. Prof. ª Bruna Vieira Processo Legislativo I Prof. ª Bruna Vieira 1. Processo legislativo (art. 59 ao 69 da CF) É o procedimento formal que deve ser seguido pelos órgãos e pessoas que têm a função de elaborar as normas jurídicas,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS ESTADO DO PARÁ

MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS ESTADO DO PARÁ A N E X O I I D O E D I T A L N º 0 1 / 2 0 1 2 D O S C O N T E Ú D O S P R O G R A M Á T I C O S CARGO 401: SUBPROCURADOR DE CONTAS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS:

Leia mais

FORÇAS ARMADAS ARTIGOS 42 E 142 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

FORÇAS ARMADAS ARTIGOS 42 E 142 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL FORÇAS ARMADAS ARTIGOS 42 E 142 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Instituições Nacionais Permanentes: Exército (terra); Marinha (água) e Aeronáutica (ar/espaço aéreo). Forças Armadas permanentes e regulares, organizadas

Leia mais

TÉCNICO JUDICIÁRIO ÁREA: ADMINISTRATIVA

TÉCNICO JUDICIÁRIO ÁREA: ADMINISTRATIVA 0 CONHECIMENTOS BÁSICOS Concluído Mapa Mental Revisado Observações PORTUGUÊS: Compreensão e interpretação de textos de gêneros variados Reconhecimento de tipos e gêneros textuais. Domínio da ortografia

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL MILITAR Silvana Dantas Aula 01 MPU 2017 DIREITO PROCESSUAL PENAL MILITAR PROFª SILVANA DANTAS.

DIREITO PROCESSUAL PENAL MILITAR Silvana Dantas Aula 01 MPU 2017 DIREITO PROCESSUAL PENAL MILITAR PROFª SILVANA DANTAS. 01 MPU 2017 DIREITO PROCESSUAL PENAL MILITAR PROFª SILVANA DANTAS 1 APRESENTAÇÃO CURRÍCULO DO PROFESSOR : possui graduação em direito pela Universidade Federal de Campina Grande PB; Pós-graduanda em Direito

Leia mais

Stênio Ribeiro de Oliveira

Stênio Ribeiro de Oliveira UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - UFPE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS MESTRADO EM DOGMÁTICA JURÍDICA E DIREITO PÚBLICO Stênio Ribeiro de Oliveira Controle Jurisdicional das Punições Disciplinares

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL PROFESSOR: Fábio Ramos 2015 FGV TJ/PI Analista Judiciário Escrivão Judicial 1. A Constituição de 1988, ao enunciar os seus princípios fundamentais, fez menção, em seu art. 1º, à

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO E CONSTITUCIONAL 2014

DIREITO ADMINISTRATIVO E CONSTITUCIONAL 2014 DIREITO ADMINISTRATIVO E CONSTITUCIONAL 2014 51. "José da Silva, Senador da República, discursa na tribuna do Senado defendendo a legalização do aborto para mulheres grávidas que não tenham constituído

Leia mais

ARTIGO: O controle incidental e o controle abstrato de normas

ARTIGO: O controle incidental e o controle abstrato de normas ARTIGO: O controle incidental e o controle abstrato de normas Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: Nosso ordenamento jurídico estabelece a supremacia da Constituição Federal e, para que esta supremacia

Leia mais

Colômbia proíbe juízes de citar e usar a Bíblia nos seus julgamentos

Colômbia proíbe juízes de citar e usar a Bíblia nos seus julgamentos Depois de uma recente decisão do Tribunal Constitucional da Colômbia, os funcionários públicos que estão no exercício das suas funções não podem citar passagens da Bíblia. Esta decisão surge quando o supremo

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Os meios de controle da Administração Pública: considerações Marinete Dresch de Moraes* A Administração Pública, visando atender as necessidades sociais e buscando a realização do

Leia mais

LISTA DE ABREVIATURAS UTILIZADAS INTRODUÇÃO Capítulo 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS DO PROCESSO LEGISLATIVO... 25

LISTA DE ABREVIATURAS UTILIZADAS INTRODUÇÃO Capítulo 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS DO PROCESSO LEGISLATIVO... 25 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS UTILIZADAS... 21 INTRODUÇÃO... 23 Capítulo 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS DO PROCESSO LEGISLATIVO... 25 1. Processo e procedimento... 25 1.1. Procedimentos legislativos... 26 2. Princípios

Leia mais

DA INTERVENÇÃO FEDERAL (ARTS. 34 A 36) (vários autores) Disciplina: Direito Constitucional II

DA INTERVENÇÃO FEDERAL (ARTS. 34 A 36) (vários autores) Disciplina: Direito Constitucional II DA INTERVENÇÃO FEDERAL (ARTS. 34 A 36) (vários autores) Disciplina: Direito Constitucional II Prof. Dr. João Miguel da Luz Rivero jmlrivero@gmail.com www.rivero.pro.br O Estado Federal fundamenta-se no

Leia mais

Segurança Pública na Constituição do Estado de SC

Segurança Pública na Constituição do Estado de SC Direito Constitucional Segurança Pública na Constituição do Estado de SC Disposição Geral Art. 105 A segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação

Leia mais

Funções Essenciais à Justiça Arts. 127 a 135, CF/88

Funções Essenciais à Justiça Arts. 127 a 135, CF/88 Direito Constitucional Funções Essenciais à Justiça Arts. 127 a 135, CF/88 Art. 127: O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da

Leia mais

CF. Art. 2º São Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário.

CF. Art. 2º São Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário. JURISDIÇÃO Aspectos gerais Sociedade, lei, desobediência e sanção. Tripartição de Poderes: independência com harmonia. CF. Art. 2º São Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo,

Leia mais

V - REMESSA EX-OFFICIO CRIMINAL RELATÓRIO

V - REMESSA EX-OFFICIO CRIMINAL RELATÓRIO RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL FREDERICO GUEIROS PARTE AUTORA : ANDERSON LUIS DE ALMEIDA PAULINO ADVOGADO : DIOGENES GOMES VIEIRA PARTE RÉ : UNIAO FEDERAL REMETENTE : JUIZO DA 5A. VARA FEDERAL CRIMINAL

Leia mais

DETENÇÃO. - Os actos processuais com detidos são urgentes e os prazos correm em férias (art. 80º CPP).

DETENÇÃO. - Os actos processuais com detidos são urgentes e os prazos correm em férias (art. 80º CPP). DETENÇÃO 1- Definição. Medida cautelar de privação da liberdade pessoal, não dependente de mandato judicial, de natureza precária e excepcional, que visa a prossecução de finalidades taxativamente 1 previstas

Leia mais

SUMÁRIO CURRICULA DOS AUTORES... 9 AGRADECIMENTOS 6.ª EDIÇÃO AGRADECIMENTOS 5.ª EDIÇÃO AGRADECIMENTOS 4.ª EDIÇÃO... 15

SUMÁRIO CURRICULA DOS AUTORES... 9 AGRADECIMENTOS 6.ª EDIÇÃO AGRADECIMENTOS 5.ª EDIÇÃO AGRADECIMENTOS 4.ª EDIÇÃO... 15 SUMÁRIO CURRICULA DOS AUTORES... 9 AGRADECIMENTOS 6.ª EDIÇÃO... 11 AGRADECIMENTOS 5.ª EDIÇÃO... 13 AGRADECIMENTOS 4.ª EDIÇÃO... 15 AGRADECIMENTOS 3.ª EDIÇÃO... 17 AGRADECIMENTOS 2.ª EDIÇÃO... 19 AGRADECIMENTOS

Leia mais

Direito Penal. Curso de. Rogério Greco. Parte Geral. Volume I. Atualização. Arts. 1 o a 120 do CP

Direito Penal. Curso de. Rogério Greco. Parte Geral. Volume I. Atualização. Arts. 1 o a 120 do CP Rogério Greco Curso de Direito Penal Parte Geral Volume I Arts. 1 o a 120 do CP Atualização OBS: As páginas citadas são referentes à 14 a edição. A t u a l i z a ç ã o Página 187 Nota de rodapé n o 13

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL 46. Considere as seguintes assertivas a respeito dos direitos e garantias fundamentais: I. Ninguém será preso senão em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada de autoridade

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC LINHAS DE PESQUISA

CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC LINHAS DE PESQUISA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC LINHAS DE PESQUISA Direito Constitucional e Teoria Geral do Estado *Aspectos de Direito Eleitoral *Controle

Leia mais

PROCESSO ADMINISTRATIVO

PROCESSO ADMINISTRATIVO 1 PROCESSO ADMINISTRATIVO José Carlos de Oliveira Professor de Direito Administrativo na graduação e no Programa de Pós-Graduação do Curso de Direito da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Unesp/Franca

Leia mais

PROGRAMA ESPECÍFICO TJ/CE PONTO 1. Direito Civil e Processual Civil

PROGRAMA ESPECÍFICO TJ/CE PONTO 1. Direito Civil e Processual Civil PROGRAMA ESPECÍFICO TJ/CE PONTO 1 Direito Civil e Processual Civil DIREITO CIVIL 1. Direito das relações de consumo: Reparação dos danos; Práticas comerciais. 2. Locação de imóveis urbanos: locação residencial.

Leia mais

LEGALIDADE EM MATÉRIA PENAL TRIBUNAL DO JÚRI PUNIÇÃO DAS DISCRIMINAÇÕES RETROATIVIDADE DA LEI PENAL BENIGNA RESPONSABILIDADE PESSOAL

LEGALIDADE EM MATÉRIA PENAL TRIBUNAL DO JÚRI PUNIÇÃO DAS DISCRIMINAÇÕES RETROATIVIDADE DA LEI PENAL BENIGNA RESPONSABILIDADE PESSOAL TRIBUNAL DO JÚRI É reconhecida a instituição do júri, com a organização que lhe der a lei, assegurados (VIII): a) a plenitude de defesa; b) o sigilo das votações; c) a soberania dos veredictos; d) a competência

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO MILITAR PROCURADORIA DA JUSTIÇA MILITAR EM PORTO ALEGRE RS

MINISTÉRIO PÚBLICO MILITAR PROCURADORIA DA JUSTIÇA MILITAR EM PORTO ALEGRE RS MINISTÉRIO PÚBLICO MILITAR PROCURADORIA DA JUSTIÇA MILITAR EM PORTO ALEGRE RS Of. n o 110/05-MPM Porto Alegre/RS, 15 de março de 2005. Senhor Comandante, Cumprimentando-o, reporto-me aos casos de ocorrência

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL Prezado (a) candidato (a) Coloque seu número de inscrição e nome no quadro abaixo: Nº de Inscrição Nome DIREITO CONSTITUCIONAL QUESTÃO 01 Considerando as últimas discussões e deliberações na Câmara dos

Leia mais

Evolução da Disciplina. Direito Constitucional CONTEXTUALIZAÇÃO INSTRUMENTALIZAÇÃO

Evolução da Disciplina. Direito Constitucional CONTEXTUALIZAÇÃO INSTRUMENTALIZAÇÃO Evolução da Disciplina Direito Constitucional Aula 1: Evolução histórica das constituições brasileiras Aula 2: Princípios fundamentais Aula 3: Direitos e garantias fundamentais Prof. Silvano Alves Alcantara

Leia mais

MUNICÍPIO DE ROLADOR/RS. Parecer 039/13/PJM

MUNICÍPIO DE ROLADOR/RS. Parecer 039/13/PJM Parecer 039/13/PJM Consulente: Prefeito. Assunto: Controle preventivo de constitucionalidade. Referência: Processo Administrativo nº. 564/2013. Ementa: DIREITO CONSTITUCIONAL. PROCESSO LEGISLATIVO. PROJETO

Leia mais

Direito Processual do Trabalho. Professor Raphael Maia

Direito Processual do Trabalho. Professor Raphael Maia Direito Processual do Trabalho Professor Raphael Maia 2.1 Funções dos Princípios no Processo do Trabalho: a) Função informadora: a) Tem por objetivo é orientar o legislador b) Função Interpretativa: a)

Leia mais

DA COMPETÊNCIA DO PROCON

DA COMPETÊNCIA DO PROCON DA COMPETÊNCIA DO PROCON Os PROCONs são órgãos oficiais locais, podendo ser estaduais, distrital e municipais de defesa do consumidor. Foram criados especificamente para este fim, com competências no âmbito

Leia mais

1. O processo legislativo compreende a elaboração, entre outros, de propostas de emenda à Constituição, projetos de lei complementar, projetos de lei

1. O processo legislativo compreende a elaboração, entre outros, de propostas de emenda à Constituição, projetos de lei complementar, projetos de lei 1. O processo legislativo compreende a elaboração, entre outros, de propostas de emenda à Constituição, projetos de lei complementar, projetos de lei ordinária e projetos de resolução. 2. O processo legislativo

Leia mais

TEORIA GERAL DO DELITO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

TEORIA GERAL DO DELITO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES TEORIA GERAL DO DELITO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES 1 Introdução 1.1 - Infração penal no Brasil O Brasil é adepto do sistema dualista ou dicotômico, ou seja, divide a infração penal em duas espécies:

Leia mais

- LÍNGUA PORTUGUESA -

- LÍNGUA PORTUGUESA - 1. Linguagem: como instrumento de ação e interação presente em todas 1 as atividades humanas; 2 funções da linguagem na comunicação; 3 diversidade linguística (língua padrão, língua não padrão). 4 2. Leitura:

Leia mais