1. O que é uma rede de distribuição interna para gases combustíveis? O que é Inspeção Periódica de Gás, ou Inspeção de Autovistoria?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. O que é uma rede de distribuição interna para gases combustíveis? 5. 2. O que é Inspeção Periódica de Gás, ou Inspeção de Autovistoria?"

Transcrição

1 Sumário 1. O que é uma rede de distribuição interna para gases combustíveis? 5 2. O que é, ou Inspeção de Autovistoria? 6 3. Qual a diferença entre manutenção e inspeção? 6 4. Quem faz manutenção e quem faz inspeção? 7 5. Por que é obrigatório fazer Inspeções Periódicas de Gás? 7 6. Por que o governo do Estado e a Agenersa regulamentaram esta atividade? 8 7. Quais são os objetivos da Lei n.º 6.890? 8 8. Mas para quê isso agora? 9 9. Quais são os objetivos das IN CODIR 47 e 48, emitidas pela Agenersa? Quais são as vantagens que a Lei n.º oferece ao usuário? Como vou saber quando tenho que fazer essa Inspeção Periódica de Gás? Como funciona o processo da? 12

2 13. O que é um Laudo de Inspeção? Como se entrega o Laudo de Inspeção à Ceg e Ceg Rio ou distribuidora de GLP (botijão)? O que acontece se a rede de distribuição interna de gás não está em boas condições? 20 Introdução 16. A minha instalação é de GLP. Necessito fazer a inspeção periódica de gás? Quem é o responsável por fazer a? Quais são as responsabilidades do usuário com a entrada em vigor da Lei da? A é paga? Quem paga por ela? É obrigatório? E se eu não fizer, o que acontece? Quem pode fazer essa para mim? Onde encontro o endereço de uma empresa dessas? Posso escolher qualquer uma? Então, por enquanto, devo aguardar? Tem algum risco de cortarem meu gás após a inspeção? Quanto custará a? Vou ter que pagar alguma coisa à Ceg? Quando começa a obrigatoriedade da Inspeção Periódica de Gás? 28 Diante da verticalização crescente das cidades que compõem o Estado do Rio de Janeiro, e ainda em função da necessidade de regulamentar as Inspeções Periódicas de Gás, também chamadas de Inspeções de Autovistoria, para as edificações em uso, o governo do Estado expediu a Lei n.º 6.890, de 18 de setembro de Além de responder a essas preocupações, a lei traz para a indústria de distribuição de gases combustíveis do Estado a isonomia técnica com os outros estados da federação, a partir do momento em que seu conteúdo faz referência às normas técnicas emitidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Além disso, complementando a Lei n.º 6.890, a Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico (Agenersa) emitiu as IN CODIR 47 e 48, com o objetivo de regulamentar esses e outros temas relativos à conformidade das redes de distribuição internas para gases combustíveis, no Rio de Janeiro.

3 Neste guia, trataremos exclusivamente das Inspeções Periódicas de Gás das redes de distribuição interna de gases combustíveis, elaboradas sob dois pontos de vistas fundamentais: as Inspeções Periódicas de Gás se darão a cada cinco anos; o cliente ou usuário é o responsável pela execução das inspeções e tem o direito de escolher o Organismo de Inspeção Acreditado que executará as Inspeções Periódicas de Gás. Com o objetivo de que o maior número de pessoas possíveis possa entender o novo processo de Inspeção Periódica de Gás, a Gas Natural Fenosa organizou esta cartilha, que responde às principais e mais frequentes perguntas de clientes e usuários. prumadas 1 O que é uma rede de distribuição interna para gases combustíveis? É um conjunto de tubulações, medidores e válvulas, com os necessários complementos, destinado à condução e ao uso do gás, compreendido entre o limite da propriedade até os pontos de utilização. aparelhos a gás aparelhos a gás 2 pavimento 1 pavimento conjunto de regulagem limite da propriedade medidores térreo calçada rede geral ramal externo ramal interno ramificação interna rede de distribuição interna 5

4 2 O que é, ou Inspeção de Autovistoria? É a inspeção obrigatória e periódica, realizada por um Organismo de Inspeção Acreditado, na rede de distribuição interna de gás e nos aparelhos a gás do usuário, dentro dos prazos máximos definidos, e de acordo com as leis, normas 4 Quem faz manutenção e quem faz inspeção? A manutenção pode ser feita por qualquer empresa do mercado que seja especializada e com técnicos capacitados. A inspeção, conforme a Lei n.º 6.890, só poderá ser feita por uma empresa acreditada pelo Inmetro. e os regulamentos técnicos vigentes. A manutenção pode ser feita por qualquer empresa do mercado, especializada e com técnicos capacitados. 3 Qual a diferença entre manutenção e inspeção? A manutenção é aquela visita destinada à realização de reparos no fogão, aquecedor, na canalização interna, nas conexões, nos rabichos, ou seja, tudo que compõe a instalação interna de gás do imóvel. Deve ser feita sempre que o cliente identificar a necessidade de forma corretiva ou, de maneira preventiva, de dois em dois anos. A inspeção é a visita em que o técnico irá verificar se fogão, aquecedor e canalização estão instalados e funcionando conforme as normas técnicas vigentes. Não é uma visita para realizar reparos, mas para identificar se está tudo funcionando corretamente. 5 Por que é obrigatório fazer Inspeções Periódicas de Gás? 5.1 Por segurança e porque as redes de distribuição internas com defeitos representam um alto risco. Eventualmente podem gerar acidentes que afetam não só o imóvel, mas também o usuário e ainda o sistema geral de fornecimento de gás, além de pessoas que estejam próximas ao local do acidente. 6 7

5 6 Por que o governo do Estado e a Agenersa regulamentaram esta atividade? Para estabelecer regras que possam nivelar tecnicamente as Inspeções Periódicas de Gás no Estado, assim como a forma de agir dos organismos de inspeção acreditados, com relação a: Além disso, a regulamentação possibilita que o usuário escolha o Organismo de Inspeção Acreditado que ofereça um serviço melhor, de tal amaneira que não sejam a Ceg e Ceg Rio ou a distribuidora de GLP (botijão) as únicas a poder executar as inspeções nas redes de distribuição interna de gás. 6.1 tempo entre uma inspeção e outra; custos da 6.2 inspeção; 6.3 custos de adequação duração das redes de distribuição 6.4 de uma interna de gás no caso inspeção; de defeitos; homogeneização dos critérios técnicos por parte de quem executa a inspeção; regulamentar o mercado em termos de responsabilidades sobre as inspeções. 8 Mas para quê isso agora? A Lei n.º objetiva que os usuários tenham a consciência da importância e responsabilidade de se realizar a em suas redes de distribuição interna de gás e mantê-las em ótimas condições técnicas, de acordo com a norma técnica exigida, principalmente nos casos em que se façam modificações nessas redes de distribuição. 7 Quais são os objetivos da Lei n.º 6.890? A nova lei busca ajustar o mercado às normas técnicas existentes, melhorar as condições para o usuário, promover a competição entre os vários Organismos de Inspeção Acreditados, garantindo as condições de segurança requeridas para a prestação eficiente do serviço público domiciliar de distribuição de gás combustível. 9 Quais são os objetivos das IN CODIR 47 e 48, emitidas pela Agenersa? Os dois documentos regulamentam a Lei n.º 6.890, sendo que a IN 48 detalha os critérios contidos na norma técnica ABNT NBR 15923, explicitando riscos, prazos e as ações derivadas da inspeção, além de critérios técnicos. 8 9

6 10 Quais são as vantagens que a Lei n.º oferece ao usuário? 11 Como vou saber quando tenho que fazer essa? 10.1 poder escolher o Organismo de Inspeção Acreditado; A Ceg e Ceg Rio e a distribuidora de GLP (botijão) são obrigadas a avisar ao cliente com noventa, sessenta e trinta dias antes do vencimento do 10.2 não ser induzido a executar as correções e melhorias com empresas determinadas pela Ceg e Ceg Rio ou distribuidora de GLP (botijão); prazo para a realização da Inspeção Periódica de Gás, por meio de um de aviso na conta de gás indicando a necessidade da realização da inspeção poder escolher o melhor preço do mercado para executar as correções e melhorias em função da extensão da sua rede de distribuição interna de gás e o número de aparelhos a gás; Se trinta dias antes do vencimento do prazo o Organismo de Inspeção Acreditado não enviar à Ceg e Ceg Rio ou distribuidora de GLP (botijão) o laudo (de Conformidade, Conformidade com Restrição ou Não Conformidade), essas deverão 10.4 poder programar as Inspeções Periódicas de Gás com os Organismos de Inspeção Acreditados de acordo com a sua disponibilidade de horário. informar outra vez ao cliente sobre a necessidade da realização da e da possível suspensão do fornecimento de gás. A Ceg e a Ceg Rio ou a distribuidora de GLP (botijão) deverão informar outra vez ao cliente sobre a necessidade da realização da e da possível suspensão do fornecimento de gás

7 12 Como funciona o processo da Inspeção Periódica de Gás? No geral, o processo funciona da seguinte forma: 12.3 A Ceg e Ceg Rio ou a distribuidora de GLP (botijão) devem publicar a lista expedida pelo Inmetro dos Organismos de Inspeção Acreditados que estão aptos a executar a Inspeção Periódica de Gás da rede de distribuição interna de gás Noventa dias antes do fim do prazo para se realizar a a Ceg e Ceg Rio ou a distribuidora de GLP (botijão) devem notificar o usuário sobre sua obrigação, por meio da conta de gás. As faturas dos meses anteriores ao prazo máximo para a realização da devem incluir um campo no qual a Ceg e Ceg Rio informam ao usuário a data limite para fazer a inspeção. As distribuidoras de GLP (botijão) que não emitem faturas mensais deverão avisar o consumidor por meio de carta ou outro meio efetivo de comunicação com o cliente O usuário tem a obrigação de realizar a Inspeção Periódica de Gás de sua rede de distribuição interna de gás e obter o laudo de sua instalação de acordo com as normas técnicas vigentes. A Ceg e Ceg Rio ou a distribuidora de GLP (botijão) não podem limitar o número de organismos de inspeção incluídos na base de dados expedida pelo Inmetro, ou se recusarem a incluir um Organismo de Inspeção Acreditado pelo ente acreditador, uma vez que elas não estão autorizadas a favorecer monopólios ou mesmo impedir que pessoas qualificadas possam exercer sua profissão ou ofício. A Ceg e Ceg Rio ou a distribuidora de GLP (botijão) têm a obrigação de divulgar a lista atualizada dos Organismos de Inspeção Acreditados e devem indicar onde o usuário pode dispor da informação quando do envio da carta de notificação do prazo da ou a qualquer momento que se faça necessário É obrigação do usuário informar-se em relação aos Organismos de Inspeção Acreditados para realizar a das redes 12 13

8 de distribuição interna de gás. Para isso, pode consultar a página da web do Inmetro ou a informação disponibilizada pela Ceg e Ceg Rio ou distribuidora de GLP (botijão) Se um mês antes do prazo máximo para a Inspeção Periódica de Gás a Ceg e Ceg Rio ou distribuidora de GLP (botijão) não tiverem recebido o Laudo de Conformidade ou Conformidade com Restrição enviado por um Organismo de Inspeção Acreditado ou ainda cópia do Laudo de Inspeção enviado pelo usuário, elas devem avisar ao cliente, por meio da conta de gás ou de carta, caso não se aplique, que o fornecimento de gás deverá ser suspenso O Organismo de Inspeção Acreditado deve enviar o Laudo de Conformidade, Conformidade com Restrição ou Não Conformidade para a Ceg e Ceg Rio ou distribuidora de GLP (botijão) A Ceg e Ceg Rio ou distribuidora de GLP (botijão) devem assegurar-se de que os documentos, a identificação do Organismo de Inspeção Acreditado que fez a e a informação da rede de distribuição interna estão em uma base de dados que administra. Adicionalmente, deve contar com sistemas de informação que permitam fazer a rastreabilidade necessária à informação do usuário com respeito à revisão Se dez dias antes do prazo máximo da Inspeção Periódica de Gás a Ceg e Ceg Rio ou a distribuidora de GLP (botijão) não tiverem recebido os Laudos de Conformidade ou Conformidade com Restrição, elas deverão informar ao usuário concedendo-lhe cinco dias para o envio da documentação, sob pena da suspensão do fornecimento de gás. Se o usuário enviar diretamente o laudo de inspeção à Ceg e Ceg Rio ou distribuidora de GLP (botijão) pelos meios disponíveis (fax, correio eletrônico, entre outros), elas devem verificar sua autenticidade, ou seja, que foi emitido por um organismo devidamente acreditado para executar a inspeção. Se a Ceg e Ceg Rio ou distribuidora de GLP (botijão) não receberem nem o Laudo de Conformi

9 dade ou Conformidade com Restrição enviado pelo Organismo de Inspeção Acreditado, e nem o Laudo da Autovistoria enviado pelo usuário dentro do prazo máximo para a Inspeção Periódica de Gás, ou ainda se receberam um Laudo deve estabelecer um procedimento de reativação do consumo temporário para que o Organismo de Inspeção Acreditado possa revisar e inspecionar a rede interna. O custo com o qual o usuário deve arcar está tarifado pelo organismo competente. de Não Conformidade encaminhado pelo OIA, ou a documentação recebida não for autêntica, a Ceg e Ceg Rio ou a distribuidora de GLP (botijão) deverão proceder à suspensão do fornecimento de gás. 13 O que é um Laudo de Inspeção? É o documento elaborado e emitido de acordo com as regras de um sistema de certificação, no qual se manifesta adequada confiança de 12.9 A Ceg e Ceg Rio ou a distribuidora de GLP (botijão) devem suspender o fornecimento de gás de um usuário quando o Organismo de Inspeção Acreditado informar por meio do Laudo de que um produto, processo ou serviço devidamente identificado está em conformidade com uma norma técnica ou outro documento normativo específico. Não Conformidade que a rede de distribuição interna inspecionada apresenta defeitos críticos definidos pela IN CODIR N 48, que sob o ponto de vista do risco justificam a suspensão do fornecimento de gás até o seu reparo. A norma ABNT NBR e a IN CODIR N 48, que complementam tecnicamente a Lei n.º 6.890, emitida pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro, indicam o conteúdo mínimo que este documento deve ter Quando o fornecimento de gás de um usuário for suspenso como consequência da Inspeção Periódica de Gás da rede de distribuição interna de gás, a Ceg e Ceg Rio ou a distribuidora de GLP (botijão) A norma ABNT NBR e a IN CODIR N 48 indicam o conteúdo mínimo que o laudo de inspeção deve ter

10 14 Como se entrega o Laudo de Inspeção à Ceg e Ceg Rio ou distribuidora de GLP (botijão)? O usuário pode apresentar queixa ao Inmetro quando o Organismo de Inspeção Acreditado não cumprir com a sua obrigação de enviar os laudos à Concessionária ou Distribuidora. A Ceg e Ceg Rio ou distribuidora de GLP (botijão) devem receber os laudos de Conformidade, Conformidade com Restrição ou Não Conformidade emitidos e enviados por Organismos de Inspeção Acreditados, por meios eletrônicos seguros ou outros métodos implementados pela Ceg e Ceg Rio ou distribuidora de GLP (botijão). informando, quando aplicável, o prazo para a correção ou a necessidade da suspensão do fornecimento de gás à edificação inspecionada. Os laudos de Conformidade, Conformidade com Restrição ou Não Conformidade são documentos diferentes do laudo de inspeção, uma vez que este último, entregue pelo Organismo de Inspeção Acreditado ao usuário, é um formulário do tipo check list que aprova a rede de distribuição interna de gás inspecionada ou detalha cada tipo de não conformidade, estabelecendo O usuário pode fazer chegar à Ceg e Ceg Rio ou distribuidora de GLP (botijão) a cópia do laudo de inspeção fornecido pelo Organismo de Inspeção Acreditado com o objetivo de comprovar o cumprimento de sua obrigação e, assim, evitar a suspensão do fornecimento de gás. Nesse caso, a Ceg e Ceg Rio ou distribuidora de GLP (botijão) devem verificar a sua autenticidade. prazos para sua correção ou a necessidade da interrupção do consumo, na pior das hipóteses. O usuário pode apresentar queixa ao Inmetro quando o Organismo de Inspeção Acreditado Já os documentos recebidos pela Ceg e Ceg Rio ou distribuidora de GLP (botijão) são mais simples e atestam a conformidade ou não da rede de distribuição interna inspecionada, não cumprir com a sua obrigação de enviar os laudos de Conformidade, Conformidade com Restrição ou Não Conformidade à Ceg e Ceg Rio ou distribuidora de GLP (botijão)

11 15 O que acontece se a rede de distribuição interna de gás não está em boas condições? O Organismo de Inspeção Acreditado vai expedir para o usuário um laudo de inspeção apontando as não conformidades existentes e um laudo para a Ceg e Ceg Rio ou distribuidora de GLP (botijão), que pode ser: 15.1 Laudo de Conformidade com Restrição Se as não conformidades puderem ser sanadas com a rede de distribuição em carga, esse laudo apontará o prazo máximo para a correção em ambos os documentos, ou seja, o entregue ao usuário e o entregue à Ceg e Ceg Rio ou distribuidora de GLP (botijão). Ao fim do prazo dado, o Organismo de Inspeção Acreditado deve retornar ao endereço e realizar uma nova inspeção. Se todas as não conformidades tiverem sido solucionadas, o Organismo expede um novo laudo de inspeção ao usuário, desta vez sem não conformidades, e emite também um novo laudo de conformidade para a Ceg e Ceg Rio ou distribuidora de GLP (botijão) Laudo de Não Conformidade Se as não conformidades não puderem ser sanadas em carga, o Organismo de Inspeção Acreditado emite o laudo de inspeção ao usuário indicando a suspensão do fornecimento de gás e o laudo de não conformidade com o aviso de corte à Ceg e Ceg Rio ou distribuidora de GLP (botijão) para que estas procedam à suspensão do fornecimento de gás. Assim que as não conformidades forem sanadas o usuário deve solicitar ao Organismo de Inspeção Acreditado a inspeção de retorno. Se for constatado pelo Organismo de Inspeção Acreditado que as não conformidades foram sanadas, ele emite um novo laudo de inspeção ao usuário, desta vez sem não conformidades, e um novo laudo de conformidade para a Ceg e Ceg Rio ou distribuidora de GLP (botijão), para que o fornecimento de gás seja reativado. 16 A minha instalação é de GLP. Necessito fazer a inspeção periódica de gás? Sim. A Lei n.º fala sobre redes de distribuição interna para todos os tipos de gases combustíveis

12 17 Quem é o responsável por fazer a? O responsável pela realização da inspeção periódica é o cliente. Assim, caberá aos condomínios, proprietários ou usuários das unidades prediais, sejam residenciais ou comerciais, supridas por gases combustíveis, providenciar a realização da inspeção periódica. 18 Quais são as responsabilidades do usuário com a entrada em vigor da Lei da? O capítulo de responsabilidades da IN CODIR N 48 estabelece as obrigações do condomínio, proprietário e/ou usuário/consumidor residencial ou comercial, titular na relação de consumo e supridos com gases combustíveis. Algumas delas são: 18.1 tomar consciência da importância de se manter uma rede de distribuição interna de gás em condições adequadas; 18.3 realizar a ou a Autovistoria no prazo estabelecido; 18.4 contratar um Organismo de Inspeção Acreditado e com inspetores certificados para fazer a autovistoria da rede de distribuição interna sob a sua responsabilidade; 18.5 contratar empresas idôneas e profissionais devidamente certificados para realizar os ajustes apontados no laudo da autovistoria; 18.6 solicitar ao Organismo de Inspeção Acreditado o laudo de inspeção e fazê-lo chegar até a Ceg e Ceg Rio ou distribuidora de GLP (botijão) dentro do prazo estabelecido (prazo máximo da autovistoria), quando o Organismo de Inspeção Acreditado não o tenha feito; 18.7 certificar as modificações e reformas feitas na rede de distribuição interna de gás, informando-as à Ceg e Ceg Rio ou distribuidora de GLP (botijão); 18.2 garantir a segurança de sua rede de distribuição interna de gás com a Autovistoria, nos termos estabelecidos; 18.8 ter claro o risco que significa uma rede de distribuição de gás com defeitos, para si mesmo, sua família, seus vizinhos e a população em geral

13 19 A é paga? Quem paga por ela? Sim. Quem paga é o responsável pela rede de distribuição interna, ou seja, condomínios, proprietários ou usuários das unidades prediais, sejam residenciais ou comerciais. 20 É obrigatório? E se eu não fizer, o que acontece? Sim, é obrigatório. O cliente tem até cinco anos para realizar a inspeção periódica de gás, a partir da data de 18 de março de 2015, data limite estabelecida pela Lei n.º Se terminado esse prazo o cliente não tiver feito a inspeção, estará sujeito ao corte do fornecimento de gás. A IN CODIR N 48 definiu que a Ceg e Ceg Rio devem planificar no primeiro ano 5% da base dos clientes, sendo, nos anos subsequentes, 15%, 25%, 25% e 30%. 21 Quem pode fazer essa Inspeção Periódica de Gás para mim? A inspeção periódica deve ser feita por um Organismo de Inspeção Acreditado pelo Inmetro. Lembre-se que um Organismo de Inspeção Acreditado é uma empresa, ou seja, pessoa jurídica, na qual trabalham inspetores com formação mínima de segundo grau técnico, qualificados de acordo com o perfil técnico de inspetor contido na norma brasileira ABNT NBR Onde encontro o endereço de uma empresa dessas? Posso escolher qualquer uma? A inspeção periódica deve ser feita por um Organismo de Inspeção Acreditado pelo Inmetro. Além do próprio Inmetro, as distribuidoras de GLP (botijão) e a Ceg e Ceg Rio devem publicar em seus sites a relação atualizada de todos os Organismos de Inspeção Acreditados. O cliente deve consultar esses sites e escolher um deles

14 23 Então, por enquanto, devo aguardar? Sim, porque ainda não há nenhum Organismo de Inspeção Acreditado pelo Inmetro e, portanto, ainda não há quem faça as inspeções propostas na Lei. 25 Quanto custará a Inspeção Periódica de Gás? O Estado não fixou um preço para a Inspeção Periódica de Gás, entendendo que esta é uma relação entre o responsável pela execução da 24 Tem algum risco de cortarem meu gás após a inspeção? publicada pelo Inmetro ou pelas distribuidoras de GLP (botijão) ou Ceg e Ceg Rio, faça um levantamento de preços e veja a que oferece inspeção e um Organismo de Inspeção Acreditado. Como o preço é livre, procure na relação mais vantagens. Sim. Após a realização da inspeção seu fornecimento pode ser cortado por três motivos: 1- Teste de estanqueidade da rede de distribuição apresentando vazamento. 2- Inexistência de ventilações inferiores e/ou superiores e volume do ambiente abaixo do permitido. 3- Teste de monóxido de carbono (CO) ambiente ou no aparelho fora dos parâmetros estabelecidos pela norma. 26 Vou ter que pagar alguma coisa à Ceg? Não. A Ceg e Ceg Rio possuem algumas obrigações fixadas pela Lei n.º 6.890, dentre elas a de colaborar e divulgar junto aos clientes e à população em geral os aspectos da inspeção O Estado não fixou um preço para a, entendendo que esta é uma relação entre o responsável pela execução da inspeção e um Organismo de Inspeção Acreditado. periódica de gás, mas não é nem um Organismo de Inspeção Acreditado e nem tem participação na Lei, que é estadual e, portanto, aplicável a todos os municípios

15 27 Quando começa a obrigatoriedade da? A iniciou-se em 18 de março de 2015, de acordo com a Lei n.º 6.890, entretanto, a IN CODIR N 48 determina que as Inspeções Periódicas de Gás só iniciarão a partir da publicação, por parte do Inmetro, do primeiro Organismo de Inspeção Acreditado. Apenas a partir dessa data serão expedidos os avisos de Prazo Máximo da Inspeção Periódica de Gás por parte da Ceg e Ceg Rio ou distribuidora de GLP (botijão). 28

Panorama do Mercado de Gás Canalizado e Lei de AutoVistoria. Luiz Felipe Boueri de Amorim Gerente de Revisão Técnica Regulamentar

Panorama do Mercado de Gás Canalizado e Lei de AutoVistoria. Luiz Felipe Boueri de Amorim Gerente de Revisão Técnica Regulamentar Panorama do Mercado de Gás Canalizado e Lei de AutoVistoria Luiz Felipe Boueri de Amorim Gerente de Revisão Técnica Regulamentar 1. O que é a Inspeção Autovistoria Inspeção quinquenal de segurança nas

Leia mais

Panorama do Mercado de Gás Canalizado e Lei de AutoVistoria. Luiz Felipe Amorim

Panorama do Mercado de Gás Canalizado e Lei de AutoVistoria. Luiz Felipe Amorim Panorama do Mercado de Gás Canalizado e Lei de AutoVistoria Luiz Felipe Amorim 1 1. O que é a Inspeção Autovistoria Inspeção quinquenal de segurança nas instalações de gás (rede de distribuição interna

Leia mais

Inspeção Periódica de Gás

Inspeção Periódica de Gás AGENERSA 08000-249040 Crea-RJ Central de relacionamento (21) 2179-2007 Inspeção Periódica de Gás Sumário Introdução 3 1. O que é ou Inspeção de Autovistoria de Gás? 5 2. Como posso saber que uma empresa

Leia mais

Secretaria de Estado da Casa Civil Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico do Estado do Rio de Janeiro

Secretaria de Estado da Casa Civil Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado da Casa Civil Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico do Estado do Rio de Janeiro ATO DO CONSELHO-DIRETOR INSTRUÇÃO NORMATIVA CODIR Nº. 048 DE 20 DE MAIO DE 2015. APROVA

Leia mais

ATO DO CONSELHO DIRETOR INSTRUÇÃO NORMATIVA AGENERSA Nº 47 DE 16 DE MARÇO DE 2015

ATO DO CONSELHO DIRETOR INSTRUÇÃO NORMATIVA AGENERSA Nº 47 DE 16 DE MARÇO DE 2015 ATO DO CONSELHO DIRETOR INSTRUÇÃO NORMATIVA AGENERSA Nº 47 DE 16 DE MARÇO DE 2015 ESTABELECE PROCEDIMENTOS A SEREM ADOTADOS PELAS CONCESSIONÁRIAS CEG E CEG RIO PARA O CUMPRIMENTO DA LEI ESTADUAL Nº. 6.890,

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

Parâmetros para o correto uso do gás canalizado

Parâmetros para o correto uso do gás canalizado Parâmetros para o correto uso do gás canalizado 2 Os parâmetros para utilização adequada do gás canalizado encontram-se no Decreto Estadual 23.317/97 que aprova o Regulamento de Instalações Prediais -

Leia mais

NORMA RESSARCIMENTO POR DANO ELÉTRICO

NORMA RESSARCIMENTO POR DANO ELÉTRICO PÁGINA 1 de 7 ÍNDICE DO CONTEÚDO 1. Objetivo 1 2. Norma e Documentos Complementares 1 3. Definições 1/2 4. Condições Gerais 2 5. Procedimentos 3/4/5 6. Anexo 6 7. Ficha de Vida 7 1. Objetivo: Esta norma

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços:

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial- Inmetro Portaria n.º 031, de 24 de fevereiro de 2006. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS DA CEG 1.º PARTES a) CEG: COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE

Leia mais

Se você usa gás natural canalizado, conheça aqui seus direitos e deveres.

Se você usa gás natural canalizado, conheça aqui seus direitos e deveres. Se você usa gás natural canalizado, conheça aqui seus direitos e deveres. PARTICIPAÇÃO A FAVOR DA CIDADANIA A Arsal vem atuando desde 2001 com o objetivo de fiscalizar as agências de serviços públicos

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO REQUISITOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PROF. MARCOS FERGÜTZ ABRIL/14 INTRODUÇÃO - Legislação Portaria no. 51, de 28 de janeiro de 2014, do INMETRO,

Leia mais

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS SUMÁRIO APÊNDICES 1 - Objetivo A - Solicitação de Cadastro de Pessoa Jurídica 2 - Referências normativas B - Solicitação de Cadastro de Pessoa

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98)

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98) Estabelece procedimentos para o credenciamento de laboratórios pelo Ministério do Trabalho

Leia mais

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS Autores: Rita de Cássia Junqueira: Cargo atual: Tecnóloga Sanitarista Formação: Tecnologia Sanitária Universidade de Campinas -

Leia mais

ESCOPO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO DE VISTORIA

ESCOPO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO DE VISTORIA Condomínio do Conjunto Residencial Estoril Sagres e Setúbal Estrada do Galeão 2840, 2800 e 2760 Blocos 1 e 2 - CNPJ: 29.384.609/0001-93 TP 1310-003 ESCOPO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO DE VISTORIA

Leia mais

DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e

DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta a aplicação da Lei Complementar nº 126/13 e da Lei nº 6400/13, que instituem, por AUTOVISTORIA, a obrigatoriedade de realização de vistorias técnicas

Leia mais

Rio de Janeiro: Decreto Regulamentador de Autovistoria

Rio de Janeiro: Decreto Regulamentador de Autovistoria Rio de Janeiro: Decreto Regulamentador de Autovistoria Regulamenta a aplicação da Lei Complementar 126 de 26 de março de 2013 e da Lei 6400 de 05 de março de 2013, que instituem a obrigatoriedade de realização

Leia mais

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica Encontro do Conselho de Consumidores da AES Eletropaulo (Conselpa) e Conselho Coordenador das Associações Amigos de Bairros, Vilas e Cidades de SP (Consabesp). Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTA ALUNO

MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTA ALUNO PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS (PFRH) MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTA ALUNO Versão 04/02/2011 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO 2 INTRODUÇÃO 3 MODALIDADES DE

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS OBRAS EM CONDOMÍNIOS: PRECAUÇÕES E RESPONSABILIDADES

CICLO DE PALESTRAS OBRAS EM CONDOMÍNIOS: PRECAUÇÕES E RESPONSABILIDADES CICLO DE PALESTRAS OBRAS EM CONDOMÍNIOS: PRECAUÇÕES E RESPONSABILIDADES INSPEÇÃO PREDIAL CHECK UP E PREVENÇÃO DE ACIDENTES IBAPE/SP Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia de São Paulo

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU TS01(EC)v09pt PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU 1 Conteúdo 1. ECOCERT: EXPERIÊNCIA EM SERVIÇOS PARA O SETOR DE ORGÂNICOS... 3 2. REGULAMENTOS DA

Leia mais

DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 180, de 08-11-2010

DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 180, de 08-11-2010 LIBERAÇÃO ARSESP Nº 80, de 08--200 Homologa a inclusão de novos serviços na Tabela de preços e prazos de serviços da SABESP, homologada pelas Deliberações ARSESP 53 e 54/200 A Diretoria Colegiada da Agência

Leia mais

Instituto do Meio Ambiente ESTADO DE ALAGOAS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS

Instituto do Meio Ambiente ESTADO DE ALAGOAS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS LICENÇA PRÉVIA - Documentação necessária 1. Requerimento Padrão definido pelo IMA, devidamente preenchido e assinado; 2. Cadastro do empreendimento, definido

Leia mais

ccmed@sms.prefpoa.com.br COM O ENVIO DO PREENCHIMENTO DO ANEXO 1.

ccmed@sms.prefpoa.com.br COM O ENVIO DO PREENCHIMENTO DO ANEXO 1. CADASTRO DE MARCAS DE MEDICAMENTOS HUMANOS DA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE/PMPA A PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE / PMPA, ATRAVÉS DA ÁREA DE AQUISIÇÕES E MATERIAIS DA SECRETARIA MUNICIPAL

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI N o 6.125, DE 2013 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI N o 6.125, DE 2013 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI N o 6.125, DE 2013 Dispõe sobre a obrigatoriedade de conservação e manutenção de elevadores elétricos, esteiras e escadas rolantes instalados em edifícios

Leia mais

Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC)

Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) O texto deste Contrato foi submetido à aprovação da Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL, estando sujeito a

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Sumário 1. OBJETO 2 2. INFORMAÇÕES INICIAIS 2 2.1. Definições 2 2.2. Normas Técnicas Aplicáveis 3 3. DESCRIÇÃO DOS ITENS DA PPU 3 4. DISPOSIÇÕES GERAIS 4 1. OBJETO 1.1 Trata

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC)

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) Pelo presente instrumento particular ( Contrato ), de um lado, ALGAR TELECOM S/A, prestadora de serviços de telecomunicações, inscrita no

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O

E S T A D O D O M A T O G R O S S O Lei n.º 1.383, de 25 de outubro de 2011. INSTITUI O PROGRAMA INTERNET PARA TODOS NO MUNICIPIO DE JACIARA-MT, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. MAX JOEL RUSSI, Prefeito Municipal de Jaciara, Estado de Mato Grosso;

Leia mais

MANUAL DE RASTREABILIDADE

MANUAL DE RASTREABILIDADE MANUAL DE RASTREABILIDADE A.P.C.B.R.H/RASTRECERT CNPJ: 76.607.597/0001-07 Inscrição Estadual: 101.15739-39 Endereço: Rua Professor Francisco Dranka, nº 608 Bairro Orleans - CEP: 81200-560 Curitiba-Paraná

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção...

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção... Página 1 de 8 SUMÁRIO 1. Histórico de mudanças... 2 2. Escopo... 3 3. Manutenção... 3 4. Referências... 3 5. Definições... 3 6. Qualificação da equipe de auditores... 3 7. Condições gerais... 3 7.1 Selo

Leia mais

270 mil. Edificações no Rio de Janeiro. Total de edificações na cidade 875 mil. Edificações sujeitas à autovistoria:

270 mil. Edificações no Rio de Janeiro. Total de edificações na cidade 875 mil. Edificações sujeitas à autovistoria: Edificações no Rio de Janeiro Total de edificações na cidade 875 mil * Edificações sujeitas à autovistoria: 270 mil ** * Fonte: IBGE ** Estimativa com base nas informações do IBGE Riscos das Edificações

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO DADOS DA INSPEÇÃO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências técnicas (Além desta NR)

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA 1 Solicitação de Abertura do Processo de Homologação 1.1 Os fornecedores interessados em ter seus materiais

Leia mais

Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos. Operações Centrais de Rede. Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural

Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos. Operações Centrais de Rede. Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos Operações Centrais de Rede Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural 2 Índice 1. Objetivo 2. Documentos Necessários p/ a Apresentação

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO PORTARIA ANP Nº 29, DE 9 DE FEVEREIRO DE 1999 Estabelece a regulamentação da atividade de distribuição de combustíveis líquidos derivados de petróleo, álcool combustível, mistura

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DE FIAÇÃO INTERNA

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DE FIAÇÃO INTERNA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DE FIAÇÃO INTERNA Pelo presente instrumento particular, a A.TELECOM S.A. inscrita no CNPJ/MF sob o nº 03.498.897/0001-13, com sede na Alameda Campinas, 1070

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS RELACIONADOS COM A IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DAS REDES DE ENERGIA ELÉTRICA EMPREENDIMENTOS HABITACIONAIS

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

ORIENTAÇÕES E RECOMENDAÇÕES AOS SÍNDICOS E ADMINISTRADORES PREDIAIS

ORIENTAÇÕES E RECOMENDAÇÕES AOS SÍNDICOS E ADMINISTRADORES PREDIAIS ORIENTAÇÕES E RECOMENDAÇÕES AOS SÍNDICOS E ADMINISTRADORES PREDIAIS Em virtude do recente acidente ocorrido no centro da cidade do Rio de Janeiro, onde o desabamento de três prédios comerciais levou ao

Leia mais

1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410

1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410 1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410 A segurança sempre está em pauta em nossas vidas e com a eletricidade não deve ser diferente. Durante a utilização normal das instalações elétricas

Leia mais

WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46

WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46 WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46 NORMATIVOS Resolução Normativa nº 356, de 2014 Altera a RN nº 85, de 2004. Altera a RN nº 89, de 2003. Altera a RN nº 309, de

Leia mais

Termo de Referência para Posto de Combustível no Município de Teresina

Termo de Referência para Posto de Combustível no Município de Teresina Termo de Referência para Posto de Combustível no Município de Teresina Requisitos e procedimentos para expedição do Licenciamento Ambiental de postos de combustíveis instalados/localizados e/ou a serem

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação de Norma Regulamentadora sobre Trabalho em Altura

Leia mais

GUIA DO CANDIDATO INSPETORES DE PINTURA INDUSTRIAL

GUIA DO CANDIDATO INSPETORES DE PINTURA INDUSTRIAL 1 de 9 1 OBJETIVO Fornecer as informações necessárias para a qualificação e certificação de Inspetores de Pintura Industrial níveis 1 e 2, segundo os critérios estabelecidos na norma ABNT NBR 15218 e demais

Leia mais

Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios. Marcos Velletri

Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios. Marcos Velletri Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios Marcos Velletri Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios É de extrema importância a conscientização de proprietários e síndicos quanto à responsabilidade

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, acreditado pelo INMETRO para certificação de terceira parte, em conformidade com a norma da Série NBR ISO 9000, a ser usada

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO COMISSÃO TÉCNICA NACIONAL DE BIOSSEGURANÇA RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 9, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2011

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO COMISSÃO TÉCNICA NACIONAL DE BIOSSEGURANÇA RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 9, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2011 Nº 232 05/12/11 Seção 1 - p.47 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO COMISSÃO TÉCNICA NACIONAL DE BIOSSEGURANÇA RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 9, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre as normas de monitoramento

Leia mais

CONTRATO DE LICENÇA DE USO MENSAL E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE LICENÇA DE USO MENSAL E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE LICENÇA DE USO MENSAL E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS JLR SERVIÇOS DE ATENDIMENTO E ORGANIZAÇÃO DE DOCUMENTOS LTDA, com sede a Rua Dona Elisa Fláquer, nº 70-13 º andar - sala 134, Centro - Santo André

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Jefferson Alberto Prestes Analista Executivo de Metrologia e Qualidade Inmetro Inmetro Base de dados: 64,9% das pessoas que já ouviram falar

Leia mais

GÁS NATURAL RESIDENCIAL MANUAL DO CONSUMIDOR

GÁS NATURAL RESIDENCIAL MANUAL DO CONSUMIDOR GÁS NATURAL RESIDENCIAL MANUAL DO CONSUMIDOR 1 MANUAL DO CONSUMIDOR RESIDENCIAL Parabéns por escolher o Gás Natural Residencial. Além de valorizar o seu imóvel, esse energético traz mais comodidade, praticidade

Leia mais

O EXERCÍCIO REGULAR DA ATIVIDADE DA REVENDA VAREJISTA

O EXERCÍCIO REGULAR DA ATIVIDADE DA REVENDA VAREJISTA O EXERCÍCIO REGULAR DA ATIVIDADE DA REVENDA VAREJISTA Diante do elevado número de autuações de postos revendedores pela Agência Nacional do Petróleo ANP, por situações que podem ser evitadas, lembramos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS PORTARIA Nº 118, DE 11.7.2000 - DOU 12.7.2000 Regulamenta as atividades de distribuição de gás natural liqüefeito (GNL) a granel e de construção,

Leia mais

NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN n 042/DAT/CBMSC)

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão 1 de 8 1. OBJETIVO Estabelecer o processo para concessão, manutenção, extensão, suspensão e cancelamento de certificações de Sistema de Gestão da Qualidade, conforme a Norma NBR ISO 9001 e Sistema de Gestão

Leia mais

ANEXO I. Ref.: Convite nº. 002/2011 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO I. Ref.: Convite nº. 002/2011 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO I Ref.: ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada para Consultoria para implantação da NBR ISO 10.002 com base

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTAS

MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTAS PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS (PFRH) MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTAS Versão 06/maio/2010 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO 2 INTRODUÇÃO 3 MODALIDADES DE AUXÍLIO

Leia mais

CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015

CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015 CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015 OBJETIVO Estabelecer as regras e procedimentos para concessão de viabilidade técnica, aprovação de projetos e acompanhamento

Leia mais

Mesa Redonda Obrigatoriedade da Inspeção Predial: ASPECTOS POSITIVOS E NEGATIVOS

Mesa Redonda Obrigatoriedade da Inspeção Predial: ASPECTOS POSITIVOS E NEGATIVOS Mesa Redonda Obrigatoriedade da Inspeção Predial: ASPECTOS POSITIVOS E NEGATIVOS Arqª e Urb ª Vanessa Pacola Francisco Coordenadora da Câmara de Inspeção Predial IBAPE/SP HISTÓRICO DA INSPEÇÃO PREDIAL

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS MUNICIPIOS TRANSFERÊNCIA DE ATIVOS DE I. P. APLICAÇÃO DA NOVA RESOLUÇÃO DA ANEEL

ORIENTAÇÕES AOS MUNICIPIOS TRANSFERÊNCIA DE ATIVOS DE I. P. APLICAÇÃO DA NOVA RESOLUÇÃO DA ANEEL ORIENTAÇÕES AOS MUNICIPIOS TRANSFERÊNCIA DE ATIVOS DE I. P. APLICAÇÃO DA NOVA RESOLUÇÃO DA ANEEL 17/12/2013 É preciso se atentar que a nova resolução aprovada pela ANEEL não apenas prorrogou o prazo limite

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum. MERCOSUL/XXXVI SGT Nº11/P. RES. N /11 PROCEDIMENTOS COMUNS PARA AS INSPEÇÕES NOS FABRICANTES DE PRODUTOS MÉDICOS E PRODUTOS PARA DIAGNÓSTICO DE USO IN VITRO NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC Nº

Leia mais

Portaria nº 091, de 12 de março de 2007.

Portaria nº 091, de 12 de março de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria nº 091, de 12 de março de 2007.

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I 1. O presente Regulamento objetiva estabelecer regras gerais de uso do sistema de abastecimento

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA A B C D E OBJETO O presente Termo de Referência tem como objeto o fornecimento parcelado de combustíveis à frota dos veículos oficiais do Conselho Regional de Medicina do

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA CADASTRO DE PAF-ECF - PROGRAMA APLICATIVO FISCAL EMISSOR DE CUPOM FISCAL

ORIENTAÇÕES PARA CADASTRO DE PAF-ECF - PROGRAMA APLICATIVO FISCAL EMISSOR DE CUPOM FISCAL ORIENTAÇÕES PARA CADASTRO DE PAF-ECF - PROGRAMA APLICATIVO FISCAL EMISSOR DE CUPOM FISCAL BASE LEGAL Portaria nº 83, de 18 de março de 2010 (atualizada até a Portaria nº 310, de 26 de setembro de 2013)

Leia mais

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL É proibida a reprodução total ou parcial deste documento por quaisquer meios

Leia mais

AVISO DE CADASTRAMENTO DE INTERESSADOS EM PARTICIPAR DE PESQUISAS DE SATISFAÇÃO JUNTO AOS PROFISSIONAIS INSCRITOS NO COREN/SP

AVISO DE CADASTRAMENTO DE INTERESSADOS EM PARTICIPAR DE PESQUISAS DE SATISFAÇÃO JUNTO AOS PROFISSIONAIS INSCRITOS NO COREN/SP AVISO DE CADASTRAMENTO DE INTERESSADOS EM PARTICIPAR DE PESQUISAS DE SATISFAÇÃO JUNTO AOS PROFISSIONAIS INSCRITOS NO COREN/SP 1. PREÂMBULO 1.1. O Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo, doravante

Leia mais

PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS

PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS Sumário 1. Objetivo... 3 2. Premissas básicas... 3 3. Compromissos da CEEE-D... 3 4. Compromissos da Imobiliária... 3 5. Serviços disponíveis através

Leia mais

Reformas e manutenção. Engº Marcos Velletri Engº Ricardo Gonçalves. Realização:

Reformas e manutenção. Engº Marcos Velletri Engº Ricardo Gonçalves. Realização: Reformas e manutenção Engº Marcos Velletri Engº Ricardo Gonçalves Atualização da normalização nacional ABNT NBR 15575 DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES Eng. Ricardo S. F. Gonçalves ABNT NBR 15575:2013 NORMA DE

Leia mais

NORMATIVA PROVISÓRIA APLICÁVEL À REMOÇÃO DO AMIANTO

NORMATIVA PROVISÓRIA APLICÁVEL À REMOÇÃO DO AMIANTO NORMATIVA PROVISÓRIA APLICÁVEL À REMOÇÃO DO AMIANTO Devido ao fato de que ainda não foi publicada a normativa que regulará os processos de remoção do amianto e dos materiais de amianto, este documento

Leia mais

PAUTA NOVO REGULAMENTO LEGISLAÇÃO CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE PERÍCIA MÉDICA NOVOS FLUXOS

PAUTA NOVO REGULAMENTO LEGISLAÇÃO CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE PERÍCIA MÉDICA NOVOS FLUXOS PERÍCIA MÉDICA PAUTA NOVO REGULAMENTO LEGISLAÇÃO CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE PERÍCIA MÉDICA NOVOS FLUXOS PERÍCIA MÉDICA ADMINISTRATIVA Responsável pelas atividades médico- -periciais inerentes ao sistema

Leia mais

Certificação Digital para condomínios

Certificação Digital para condomínios Certificação Digital para condomínios Saiba porque é importante tirá-la a tempo Desde o começo do ano, a Caixa Econômica Federal avisa: é necessário que os condomínios, entre outros, providenciem certificados

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA

GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA Infomail GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA Índice Prestação do serviço de abastecimento de água Está sujeita a regras especiais? É obrigatória? O que é necessário? Como se processa a ligação à rede pública? Quem

Leia mais

Aviso de Renovação de Licença de Cuidado Infantil Familiar

Aviso de Renovação de Licença de Cuidado Infantil Familiar Aviso de Renovação de Licença de Cuidado Infantil Familiar Sua Licença de Cuidado Infantil Familiar deve ser renovada e o EEC facilitou este processo para você. Basta seguir os passos abaixo: Preencha

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES. Programa Auto Emprego Tecnológico, denominado de PAEtec BOLSA TECNOLÓGICA CIDADÃ 1

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES. Programa Auto Emprego Tecnológico, denominado de PAEtec BOLSA TECNOLÓGICA CIDADÃ 1 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES Programa Auto Emprego Tecnológico, denominado de PAEtec BOLSA TECNOLÓGICA CIDADÃ 1 01. Como posso solicitar o PAEtec BOLSA TECNOLÓGICA CIDADÃ? R: Alunos matriculados no 3º ano

Leia mais

CARTILHA PARA O USO DA MARCA

CARTILHA PARA O USO DA MARCA Página 1 de 11 PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO Este procedimento é parte integrante do Sistema de Gestão da Qualidade da BRICS. Quando disponível em domínio público, está sujeito a alterações sem aviso

Leia mais

Analise das normas: 1) ABNT NBR 5674 - Gestão da manutenção 2) ABNT NBR 12680 - Gestão das reformas. Ronaldo Sá Oliveira

Analise das normas: 1) ABNT NBR 5674 - Gestão da manutenção 2) ABNT NBR 12680 - Gestão das reformas. Ronaldo Sá Oliveira Analise das normas: 1) ABNT NBR 5674 - Gestão da manutenção 2) ABNT NBR 12680 - Gestão das reformas Ronaldo Sá Oliveira ABNT NBR 15575:2013 NORMA DE DESEMPENHO CE-02:140.02 INSPEÇÃO PREDIAL ABNT NBR 14037:2011

Leia mais

ATUALIZAÇÃO CADASTRAL DO SERVIDOR MUNICIPAL

ATUALIZAÇÃO CADASTRAL DO SERVIDOR MUNICIPAL ATUALIZAÇÃO CADASTRAL DO SERVIDOR MUNICIPAL ORIENTAÇÕES SOBRE A ATUALIZAÇÃO CADASTRAL DO SERVIDOR MUNICIPAL Apresentação A Prefeitura Municipal de Goiânia realizará a atualização cadastral dos Servidores

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 15 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 Aprova os Procedimentos Comuns para as Inspeções nos Fabricantes de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso in vitro nos Estados Partes, e dá

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 189,de 17 de novembro de 2004. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

IS Nº 21.181-001 Revisão B

IS Nº 21.181-001 Revisão B s INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 21.181-001 Aprovação: Resolução nº 147, de 17 de março de 2010, publicada no Diário Oficial da União, N 54, Seção 1, p. 16, de 22/03/2010 Assunto: Revalidação de Certificados

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N o 615, DE 6 NOVEMBRO DE 2002 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. Aprova o modelo do Contrato de Prestação de Serviço Público de Energia

Leia mais

O que é o Cadastro Unificado de Fornecedores do Estado - CADFOR? Como posso emitir meu Certificado de Registro Cadastral CRC homologado?

O que é o Cadastro Unificado de Fornecedores do Estado - CADFOR? Como posso emitir meu Certificado de Registro Cadastral CRC homologado? O que é o Cadastro Unificado de Fornecedores do Estado - CADFOR? O Cadastro Unificado de Fornecedores do Estado CADFOR é o registro cadastral de interessados em fornecer produtos, serviço e/ou obras para

Leia mais

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE A) APLICABILIDADE 1. Os presentes termos de uso são aplicáveis aos Usuários da INTERNET POOL COMÉRCIO ELETRONICO LTDA, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 09.491.113/0001-01,

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS MEGA, PLUS E SEM LIMITE. Pelo presente instrumento, de um lado a COMPANHIA DE TELECOMUNICAÇÕES DO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS MEGA, PLUS E SEM LIMITE. Pelo presente instrumento, de um lado a COMPANHIA DE TELECOMUNICAÇÕES DO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS MEGA, PLUS E SEM LIMITE Pelo presente instrumento, de um lado a COMPANHIA DE TELECOMUNICAÇÕES DO BRASIL CENTRAL, prestadora de serviços de telecomunicações, inscrita

Leia mais

DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009.

DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009. DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009. Regulamenta o Capítulo VII da Lei nº 4.257, de 02 de dezembro de 2008 e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PORTARIA N. 2, DE 08 DE MAIO DE 1984 O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Agência Virtual Canal Prefeituras Procedimento Operacional Cadastro de Serviços

Agência Virtual Canal Prefeituras Procedimento Operacional Cadastro de Serviços Procedimento Operacional Prefeituras Documento Público Agência Virtual Canal Prefeituras Procedimento Operacional Cadastro de Serviços Gerência de Relacionamento Comercial com Clientes Especiais do Poder

Leia mais

PORTARIA Nº 116, DE 5 DE JULHO DE 2000. Das Disposições Gerais

PORTARIA Nº 116, DE 5 DE JULHO DE 2000. Das Disposições Gerais AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO PORTARIA Nº 116, DE 5 DE JULHO DE 2000 Regulamenta o exercício da atividade de revenda varejista de combustível automotivo. O DIRETOR-GERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 008, DE 10 DE JULHO DE 2007 (Publicada no Diário Oficial do Espírito Santo em 11 de julho de 2007)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 008, DE 10 DE JULHO DE 2007 (Publicada no Diário Oficial do Espírito Santo em 11 de julho de 2007) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 008, DE 10 DE JULHO DE 2007 (Publicada no Diário Oficial do Espírito Santo em 11 de julho de 2007) Estabelece procedimentos administrativos e critérios técnicos referentes à Declaração

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

Apresentação Câmara dos Deputados. CEG - Gas Natural Fenosa

Apresentação Câmara dos Deputados. CEG - Gas Natural Fenosa Apresentação Câmara dos Deputados CEG - Gas Natural Fenosa Operação e manutenção do Sistema Subterrâneo de Gás Canalizado no RJ 23 de agosto de 2011 1 Um Grupo Mundial presente no Brasil 25 países Mais

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 86, DE 22 DE MAIO DE 2015

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 86, DE 22 DE MAIO DE 2015 RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 86, DE 22 DE MAIO DE 2015 Dispõe sobre a revisão dos valores das Tarifas de Água e Esgoto e dos Preços Públicos dos serviços prestados pelo SAMAE, a serem aplicadas no Município de

Leia mais

Ar Condicionado Split System Hi-Wall

Ar Condicionado Split System Hi-Wall COTAÇÃO ELETRÔNICA: 027/2013 COMPRASNET Termo de Referência Ar Condicionado Split System Hi-Wall Sala dos Administradores Almoxarifado Unidade Pedro de Toledo 1- OBJETO Contratação de empresa especializada

Leia mais

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre recolhimento de alimentos e sua comunicação à Anvisa e aos consumidores. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais