Relatório sobre Monitoramento Global de 2010 RESUMO DO RELATÓRIO. ODMs após a crise

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório sobre Monitoramento Global de 2010 RESUMO DO RELATÓRIO. ODMs após a crise"

Transcrição

1 Relatório sobre Monitoramento Global de 2010 RESUMO DO RELATÓRIO ODMs após a crise

2 Este panfleto contém a capa, a visão geral, os mapas e uma lista do conteúdo do livro, Global Monitoring Report 2010: The MDGs after the Crisis (Relatório sobre Monitoramento Global de 2010: Os ODMs após a crise). Para obter exemplares do livro completo publicado pelo Banco Mundial, use o formulário no verso deste panfleto Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento / Banco Mundial 1818 H Street, N.W. Washington DC Telefone: Internet: Todos os direitos reservados. Este volume foi produzido pelo pessoal do Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento/Banco Mundial. As apurações, interpretações e conclusões expressas neste volume não refletem necessariamente a opinião dos Diretores Executivos do Banco Mundial nem dos governos dos países que representam. O Banco Mundial não garante a exatidão dos dados apresentados neste trabalho. As fronteiras, cores, denominações e outras informações apresentadas em qualquer mapa deste trabalho não indicam nenhum julgamento do Banco Mundial sobre a situação legal de qualquer território, nem o endosso ou a aceitação de tais fronteiras. Direitos e Permissões O material desta publicação é protegido por direitos autorais. Sua reprodução e/ou transmissão, total ou parcial, sem permissão pode constituir violação das leis em vigor. O Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento / Banco Mundial estimula a divulgação de seu trabalho e geralmente concede pronta permissão para sua reprodução parcial. Para obter permissão para fazer fotocópias ou reimprimir parte deste trabalho, favor enviar uma solicitação com informações completas para: Copyright Clearance Center Inc., 222 Rosewood Drive, Danvers, MA 01923, USA; telefone: ; fax: ; Internet: Todas as outras consultas sobre direitos e licenças, inclusive direitos subsidiários, devem ser endereçadas a: Office of the Publisher, The World Bank, 1818 H Street, NW, Washington, DC 20433, USA; fax: ; Imagem da capa: Escape Route, foto de Iyke Okenyi, 2006, cortesia do Programa de Artes do Banco Mundial. Design da capa: Debra Naylor da Naylor Design. Fotografias do interior: Yosef Hadar /Banco Mundial (iv), Curt Carnemark / Banco Mundial (x), Curt Carnemark / Banco Mundial (31).

3 Sumário Prefácio v Agradecimentos vii Abreviações e acrônimos ix Visão Geral: ODMs após a crise Mapas Conteúdo do Relatório sobre Monitoramento Global de Relatório sobre Monitoramento Global de 2010 RESUMO DO RELATÓRIO iii

4

5 Prefácio O mundo está a cinco anos do prazo final dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODMs). Ainda estamos nos recuperando de uma crise financeira e econômica histórica. A recuperação é incerta e provavelmente desigual. Aprendemos com as crises passadas que os danos ao desenvolvimento humano durante períodos desfavoráveis são mais profundos do que os ganhos durante o período de recuperação. Nestas condições, é especialmente importante considerar medidas para alcançar os ODMs até Precisamos aprender com as experiências dos ODMs até o momento. O Relatório sobre o Monitoramento Global de 2010 pode contribuir para essa avaliação como parte de uma revisão dos ODMs liderada pelas Nações Unidas. Como o mundo tem se desenvolvido para superar a pobreza e promover o desenvolvimento humano desde o início da crise? O relatório deste ano, The MDGs after the Crisis (Os ODMs após a Crise), pretende responder a esta e a outras questões essenciais. Destaca lições da crise e apresenta previsões sobre a pobreza e outros indicadores-chave. Aprendemos com a crise da década de 1990 que a estabilização macroeconômica não é suficiente. Se não houver sólidas redes de segurança quando formos atingidos pela crise, a desnutrição e a evasão escolar aumentam, levando potencialmente à perda de toda uma geração. Uma lição-chave que aprendemos com essa crise financeira é que o impacto socioeconômico da crise teria sido muito pior se não fossem as respostas eficazes das políticas e geralmente extraordinárias adotadas por muitos países avançados, emergentes e em desenvolvimento, além da assistência rápida e abrangente proporcionada pelas instituições financeiras internacionais e pelos bancos multilaterais de desenvolvimento. As respostas políticas e a cooperação internacional têm sido melhores do que nas crises anteriores. O painel de resultados das ODMs pós-crise está sendo calculado. Os números só podem ser reunidos com períodos de atraso e são geralmente incompletos. Portanto, é difícil conseguir um retrato exato do mundo em desenvolvimento e analisar a eficácia da ajuda internacional em tempo real. Apesar dos desafios de avaliação, veremos certamente o dano significativo aos indicadores de educação, saúde, nutrição e pobreza, especialmente nos países de baixa renda. Este não é um momento para satisfação. É chegado o momento de envidar esforços excepcionais. Por exemplo, programas de transferência monetária condicionada oportunos e bem elaborados não somente aumentam as rendas familiares como também ajudam as crianças meninos e meninas a permanecerem na escola e aprenderem. Para combater as principais doenças e reduzir a mortalidade materna, precisamos aperfeiçoar os sistemas de saúde de um modo holístico. Isso significa solucionar problemas que vão desde financiamento, sistemas de prestação de serviços e regulamentação à governança dos sistemas. Para reduzir os efeitos prejudiciais da crise, devemos garantir um crescimento global inclusivo e sustentável, manter e expandir um sistema financeiro e comercial internacional aberto, realizar compromissos de ajuda e incentivar o setor privado. Para cumprir os ODMs, o mundo em desenvolvimento deve revitalizar seu crescimento e reforçar sua resistência a choques. Os países que semearam em tempos de fatura foram capazes de colher na época do prejuízo. Portanto, será necessário recriar amortecedores Relatório sobre Monitoramento Global de 2010 RESUMO DO RELATÓRIO v

6 vi Prefácio Relatório sobre Monitoramento Global de 2010 RESUMO DO RELATÓRIO de política fiscal para futuras respostas estabilizadoras. Redes de segurança eficazes e eficientes a primeira linha de defesa contra choques adversos para a população pobre devem ser fortalecidas. Progresso do Objetivo 1 reduzir a pobreza extrema e a fome está avançando aos trancos e barrancos. As taxas de pobreza devem continuar a cair no alívio da crise, mas isso acontecerá muito lentamente. A taxa global da pobreza extrema deve ser de 15% em 2015, uma redução significativa em comparação aos 42% em Boa parte do progresso na redução da pobreza extrema tem ocorrido no Leste Asiático, onde a pobreza caiu de 55% em 1990 para 17% em Se essa projeção básica do relatório para a recuperação se confirmar, o mundo em desenvolvimento atingirá a redução da pobreza até Contudo, a crise prejudicou muitas pessoas. Até o final deste ano, estimamos que outros 64 milhões de pessoas estejam em extrema pobreza devido à crise. E até 2015, 53 milhões a menos terão escapado da pobreza. Estimamos que a taxa de pobreza da África Subsaariana seja de 38% até 2015, em comparação aos 36% sem a crise. O continente, portanto, não alcançará o Objetivo 1. O Objetivo 1 também engloba a meta de reduzir a proporção de pessoas que sofrem fome. O mundo em desenvolvimento está longe de alcançar esse objetivo. A redução da desnutrição merece mais atenção, porque a nutrição tem um efeito multiplicador no sucesso de outros ODMs, incluindo mortalidade infantil, mortalidade materna e educação. A desnutrição infantil responde por mais de um terço da carga de doenças de crianças com menos de cinco anos. E a desnutrição durante a gravidez responde por mais de 20% da mortalidade materna. É provável que cumpramos a meta do Objetivo 3 de atingir a paridade de gênero no ensino fundamental e médio até Mais meninas do que nunca na história concluíram o ensino fundamental. Quase dois terços dos países em desenvolvimento atingiram a paridade de gênero no ensino fundamental em Contudo, nos níveis acadêmicos mais altos, a taxa de matrícula de mulheres diminuiu. E a qualidade do ensino de segundo e terceiro graus precisa de uma melhoria significativa. O progresso na redução da mortalidade materna está avançando mais rapidamente do que era inicialmente estimado. Este relatório inclui as novas conclusões recentemente divulgadas no The Lancet, segundo as quais a taxa de morte materna caiu no mundo inteiro de em 1980 para cerca de em 2008, muito além da última estimativa das Nações Unidas de cerca de para o mesmo ano. Esses sinais de melhoria são encorajadores. Mas o progresso é frágil e ainda estamos longe de atingir a meta global de 75% de redução em mortes maternas até 2015 em comparação com a taxa que prevaleceu em À medida que sairmos da crise, devemos também renovar nossos esforços no sentido de alcançar o acesso universal à saúde reprodutiva. O Grupo Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional intensificaram o desafio imposto pela crise. Tomamos várias iniciativas para limitar a queda no crescimento econômico global e evitar o colapso do sistema bancário e dos setores privados em muitos países. Também proporcionamos financiamento para os governos e para o setor privado, ajudando a suavizar o impacto da crise sobre a população pobre. E intensificamos nosso apoio às redes de segurança social. Ao aproximar-se rapidamente o prazo final dos ODMs, devemos reconhecer e superar os obstáculos na realização das metas para combater a pobreza extrema, fome e doença. Não podemos deixar as coisas como estão. Em uma época de incertezas, precisamos estender nossos recursos limitados. Nós devemos aproveitar o progresso obtido na melhoria da igualdade de gênero, educação e sustentabilidade ambiental. As medidas que tomamos hoje moldarão as oportunidades e os desafios futuros. Robert B. Zoellick Presidente Grupo Banco Mundial Dominique Strauss-Kahn Diretor Executivo Fundo Monetário Internacional

7 Agradecimentos Este relatório foi preparado em conjunto pelo Banco Mundial e Fundo Monetário Internacional (FMI). Na preparação do relatório, o pessoal também consultou e colaborou com o Banco Africano de Desenvolvimento (AfDB), Banco Asiático de Desenvolvimento (ADB), Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento (EBRD) e Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Agradecemos imensamente a cooperação e apoio do pessoal dessas instituições. Delfin S. Go foi o principal autor e gerente do relatório. Richard Harmsen liderou a equipe do FMI. Os principais autores das várias partes do relatório incluíram Jorge Arbache, Jean- Pierre Christophe Chauffour, Stefano Curto, John Elder, Vijdan Korman, Maureen Lewis, Hans Lofgren, e Mariem Malouche (Banco Mundial); Andrew Berg, Chris Papageorgiou, Catherine Pattillo, e Jarkko Turunen (FMI); Malvina Pollock, Sherman Robinson, William Shaw, e Karen Thierfelder, (consultores). Sachin Shahria e Song Song foram os membros-chave da equipe central e ajudaram na preparação geral e a coordenação do relatório. O trabalho foi realizado sob a orientação geral de Justin Lin, Vice-Presidente Sênior e Economista-Chefe, e Hans Timmer, Diretor do Departamento de Perspectivas de Economia do Desenvolvimento (DEC), ambos do Banco Mundial. O círculo de consultores incluiu Shantayanan Devarajan, Shahrokh Fardoust, Deon Filmer, Ariel Fiszbein, Ann Harrison, Mohammad Zia Qureshi, Martin Ravallion, Augusto de la Torre e Dominique van der Mensbrugghe. Vários membros do pessoal também fizeram contribuições valiosas, incluindo as seguintes pessoas do Banco Mundial: Luca Bandiera, Uranbileg Batjargal, Shaohua Chen, Stacey Tai Sie Chow, Lire Ersado, Elisa Gamberoni, Julien Gourdon, Hiau Looi Kee, Maria Hazel Macadangdang, Andrew Mason, Aaditya Mattoo, Israel Osorio-Rodarte, Claudio Enrique Raddatz Kiefer, Prem Sangraula, Nistha Sinha, Carolyn Turk, Marijn Verhoeven e Hassan Zaman. Outros colaboradores do FMI incluíram John Brondolo e Mario Mansour; a assistência em pesquisas foi fornecida por Emmanuel Hife e Ioana Niculcea. Colaboradores de outras instituições incluíram Gaston Gohou e Timothy Turnere (AfDB); Indu Bhushan, Valerie Reppelin-Hill, Gina Marie Umali, e Edeena Pike (ADB); Yannis Arvanitis, Gary Bond e James Earwicker (EBRD); e Susana Sitja Rubio e Luis F. Diaz (BID). Agradecemos a orientação proporcionada pelos Diretores Executivos do Banco Mundial e do FMI e seu pessoal durante as discussões sobre o relatório preliminar. O relatório também foi auxiliado pelos inúmeros comentários e sugestões úteis recebidos da direção e do pessoal do Banco Mundial e do FMI no curso de sua preparação e revisão. Outras informações e dados adicionais, incluindo documentos sobre antecedentes, estão disponíveis no website dedicado Os websites multilíngues que acompanham o relatório foram produzidos por Roula Yazigi, Rebecca Ong, Swati Priyadarshini Mishra e Mohamed Hassan. Rebecca Ong e Merrell Tuck- Primdahl gerenciaram atividades de divulgação. O processo de tradução foi coordenado por Sheila Keane e Jorge del Rosario. Relatório sobre Monitoramento Global de 2010 RESUMO DO RELATÓRIO vii

8 viii Agradecimentos Relatório sobre Monitoramento Global de 2010 RESUMO DO RELATÓRIO Bruce Ross-Larson foi o editor-chefe. Martha Gottron fez a revisão final. O design, a produção, impressão e distribuição do relatório foram coordenados pelo Escritório da Editora do Banco Mundial, sob a supervisão de Stephen McGroarty, Susan Graham, Aziz Gökdemir e Denise Bergeron.

9 Abreviações e acrônimos ADB Banco Asiático de Desenvolvimento AfDB Banco Africano de Desenvolvimento AIDS Síndrome da Imunodeficiência Adquirida AfDF Fundo Africano de Desenvolvimento AsDF Banco de Desenvolvimento da Ásia CIS Comunidade dos Estados Independentes CPIA Avaliação das Políticas dos Países e das Instituições DAC Comissão de Assistência ao Desenvolvimento da OCDE EBRD Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento UE União Europeia IED Investimento Estrangeiro Direto G-8 Grupo dos Oito G-20 Grupo dos Vinte PIB Produto Interno Bruto RNB Renda Nacional Bruta HIPC Países Pobres Altamente Endividados HIV Vírus da Imunodeficiência Humana BIRD Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento AID Associação Internacional de Desenvolvimento (Grupo Banco Mundial) BID Banco Interamericano de Desenvolvimento IFC Corporação Financeira Internacional (Grupo Banco Mundial) IFI Instituição Financeira Internacional FMI Fundo Monetário Internacional MCI Índice de Condições Monetárias ODMs Objetivos de Desenvolvimento do Milênio MIGA Agência Multilateral de Garantia de Investimentos (Grupo Banco Mundial) ONG Organização Não-Governamental ODA Assistência Oficial para o Desenvolvimento OCDE Organização para a Cooperação Econômica e Desenvolvimento OPEP Organização dos Países Exportadores de Petróleo PEPFAR Plano Presidencial de Emergência para o Alívio da AIDS PPP Paridade de poder aquisitivo SDR Direitos especiais de saque ONU Organização das Nações Unidas OMC Organização Mundial do Comércio Relatório sobre Monitoramento Global de 2010 RESUMO DO RELATÓRIO ix

10

11 Visão geral Qual é o custo humano da crise econômica mundial? Quantas pessoas a crise impedirá de sair da pobreza e quantas continuarão famintas? Quantos recém-nascidos morrerão? As crianças estão sendo retiradas das escolas, não estão recebendo a educação de que precisam para se tornarem adultos mais produtivos, praticamente inviabilizando o alcance da meta de 100% de conclusão do ensino fundamental até 2015? Quais são as dimensões de gênero dos impactos? Essas são algumas das perguntas que surgem quando a economia global sai da sua pior recessão desde a Grande Depressão. Não há respostas imediatas para essas perguntas em parte porque os dados para avaliar os resultados do desenvolvimento são incompletos e raramente são coletados, mas também porque os impactos podem levar vários anos para aparecer. Por exemplo, a deterioração da saúde e da nutrição hoje pode provocar um aumento das taxas de mortalidade nos próximos anos. Investimentos menores prejudicarão o avanço do saneamento e abastecimento de água. Menos crianças nas escolas significam a redução das taxas de conclusão mais tarde. E as rendas domésticas que ficam muito abaixo da linha de pobreza retardarão a saída da pobreza. Este relatório utiliza evidências indiretas para avaliar o impacto da crise sobre vários indicadores, inclusive o número de pessoas que não sairão da pobreza, o aumento da mortalidade infantil, o número de crianças que não terão direito à educação e o aumento da discriminação contra as mulheres. Com base nessa avaliação, o relatório identifica as principais políticas necessárias para os países em desenvolvimento, doadores e instituições financeiras internacionais (IFIs) restabelecerem o avanço em direção aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODMs). Os ODMs oferecem padrões de referência eficazes para medir o progresso global com relação aos principais resultados do desenvolvimento e ressalta os imensos desafios nos países de baixa renda. Os objetivos estão provavelmente contribuindo para o próprio progresso, incentivando governos, doadores, a sociedade civil, órgãos privados e a mídia a apoiarem o desenvolvimento humano. Mas objetivos uniformes de reduzir a pobreza pela metade, a mortalidade infantil em dois terços e a mortalidade materna em três quartos podem subestimar o progresso nos países pobres. Por quê? Porque quanto maior a distância entre os baixos pontos iniciais dos países pobres e os objetivos, maior a melhoria necessária para alcançar tais objetivos. Embora o ponto em que os países se encontram na sua trajetória para alcançar os ODMs em 2015 varie muito, as recentes melhorias têm sido amplas, assim como os prejuízos causados pela crise. Desde 1990 até o início da crise em 2008, os países em desenvolvimento, inclusive os de baixa renda, fizeram avanços significativos em termos de desenvolvimento humano. Contudo, a crise atacou dois impulsores cruciais do avanço em direção aos ODMs: crescimento mais rápido e melhor prestação de serviços. O impacto foi sem dúvida alguma negativo devido à gravidade da recessão e à tendência de os indicadores de desenvolvimento humano caírem muito mais em tempos difíceis do que o que eles aumentam em tempos de prosperidade. Mas esses efeitos assimétricos são calculados com base em crises anteriores, que foram em geral conduzidas por choques internos, tais como fracassos das políticas internas, conflitos e colapsos das instituições. Em contrapartida, a crise atual foi conduzida por um choque externo e as políticas e instituições dos países em desenvolvimento RELATÓRIO SOBRE MONITORAMENTO GLOBAL DE 2010 RESUMO DO RELATÓRIO 1

12 2 VISÃO GERAL RELATÓRIO SOBRE MONITORAMENTO GLOBAL DE 2010 RESUMO DO RELATÓRIO melhoraram consideravelmente nos últimos 15 anos. Ademais, muitos países mantiveram redes de segurança social diante da diminuição da renda. Por esse motivo, o impacto sobre os ODMs foi mais moderado do que em crises anteriores. Mesmo assim, a análise e as projeções discutidas neste relatório indicam que a deterioração do desenvolvimento humano é grave e que seus efeitos provavelmente perdurarão por vários anos. Esse prognóstico sombrio vem sendo seriamente considerado pela comunidade internacional. O Fundo Monetário Internacional (FMI), o Banco Mundial e os bancos multilaterais e regionais de desenvolvimento aumentaram drasticamente sua assistência aos países em desenvolvimento. Apesar de algum aumento das medidas protecionistas, os países em desenvolvimento estão mantendo, em grande parte, seu acesso aos mercados e o real perigo das políticas generalizadas de empobrecimento dos países vizinhos (beggar-thy-neighbor) está sendo evitado. Embora a ajuda tenha aumentado até 2008, ficou em patamares muito inferiores ao necessário para que os doadores cumprissem seus compromissos com a ajuda total e ajuda à África Subsaariana. As respostas das políticas à crise têm repercussões que precisam ser tratadas. A expansão dos déficits fiscais necessária para manter a demanda nos períodos de recessão mais profunda deve ser controlada, tanto pelos países em desenvolvimento quanto desenvolvidos. Serão necessários recursos adicionais para que a concentração da assistência concessionária e a rápida expansão dos empréstimos concedidos pelos bancos multilaterais de desenvolvimento não produzam uma queda acentuada nos fluxos multilaterais nos próximos anos. E talvez sejam necessárias mudanças na organização e na perícia do pessoal das IFIs para enfrentar os desafios do novo ambiente econômico. Dez anos após a adoção dos ODMs, a comunidade internacional está intensificando seu monitoramento do progresso em direção a esses objetivos. A Organização das Nações Unidas convocou os países membros para uma reunião de cúpula formal sobre os ODMs em 2010 com a finalidade de analisar a implementação do acordo e os líderes do Grupo dos Oito (G 8), reunidos em L Aquila em 2009, renovaram seu compromisso de mitigar o impacto da crise nos países em desenvolvimento. Os indicadores dos ODMs demonstraram progresso significativo antes da crise Quando a crise irrompeu, muitos países já tinham feito um progresso considerável na redução da pobreza extrema. Em termos globais, a pobreza havia caído 40% desde 1990 e o mundo em desenvolvimento estava a caminho de alcançar a meta global de cortar a pobreza de renda pela metade até Graças ao rápido crescimento, especialmente na China, o Leste Asiático já reduziu a extrema pobreza pela metade. Embora a África Subsaariana provavelmente não abastecimento a meta, a pobreza vinha caindo rapidamente desde o final da década de O objetivo era mais ambicioso para a África do que para outras regiões, já que, em 1990, os rendimentos de uma grande parcela da população africana estavam muito abaixo da linha de pobreza. E a África implementou reformas mais tarde do que as outras regiões e, portanto, beneficiou-se mais tarde da aceleração do crescimento da renda. O progresso dos ODMs para sair da pobreza foi desigual. Os países em desenvolvimento estavam caminhando para alcançar a igualdade de gênero no ensino fundamental e médio e no acesso à água potável, embora estivessem atrasados no tocante ao ensino de terceiro grau e ao empoderamento das mulheres. O avanço foi bom em conclusão do ensino fundamental, nutrição, mortalidade materna e (nem tanto) em saneamento, mesmo que a expectativa fosse que os resultados globais ficassem abaixo das metas (Figura 1). Os objetivos para a saúde mostraram-se mais desafiadores. A maioria das regiões estava muito aquém dos objetivos, embora o Leste da Ásia, América Latina e Europa e Ásia Central estivessem melhor do que as outras regiões. A crise interrompeu esse progresso, mas os efeitos só serão percebidos daqui a muitos anos. Os dados necessários para avaliar o grau de deterioração dos indicadores do desenvolvimento só estarão disponíveis daqui a dois anos ou mais e alguns impactos, como por exemplo, nas taxas de mortalidade e de conclusão do ensino, somente se concretizarão daqui a vários anos. Assim, este relatório utiliza exemplos históricos e evidência indireta para

13 RELATÓRIO SOBRE MONITORAMENTO GLOBAL DE 2010 RESUMO DO RELATÓRIO VISÃO GERAL 3 FIGURA 1 Deficiências globais graves ameaçam os ODMs para o desenvolvimento humano percentual MDG 1.a pobreza extrema MDG 1.c fome MDG 2 taxa de conclusão do ensino fundamental MDG 3 paridade de gênero (primária) MDG 3 paridade de gênero (secundária) MDG 4 mortalidade infantil abaixo dos 5 anos de idade MDG 5 mortalidade materna MDG 7.c acesso à água potável MDG 7.c acesso ao saneamento distância alcançada para o objetivo distância do objetivo para estar a caminho de alcançar o objetivo até 2015 Fonte: Cálculos do pessoal do Banco Mundial fundamentados no banco de dados dos Indicadores de Desenvolvimento Mundial. Observação: Baseados em dados disponíveis em 2009, que podem cobrir o período de 2005 a avaliar os efeitos da crise sobre o progresso para alcançar os ODMs. As crises anteriores produziram resultados extremamente insatisfatórios O impacto dos ciclos econômicos sobre os indicadores dos ODMs é extremamente assimétrico. A deterioração em tempos difíceis é muito superior à melhoria em tempos de prosperidade (Figura 2). Grupos vulneráveis recém-nascidos e crianças, especialmente meninas e particularmente em países pobres da África Subsaariana são afetados de forma desproporcional nos períodos de crise. Por exemplo: durante os períodos de recessão, a taxa de matrícula feminina no ensino fundamental e médio cai mais do que a matrícula masculina. E as consequências desse impacto desproporcional persistem por longo tempo no futuro. Quando as crianças são retiradas da escola, o capital humano futuro é reduzido para sempre. Diversos fatores contribuem para a resposta assimétrica. Os indicadores econômicos e a qualidade das instituições e das políticas, como estabilidade política, voz e responsabilização, contexto normativo, regime de direito e eficácia do governo tendem a cair drasticamente nas recessões. É difícil fazer a distinção entre causa e efeito, mas os círculos viciosos durante as crises são mais fortes do que os círculos virtuosos durante os tempos de prosperidade. É muito fácil ocorrer a interrupção dos gastos públicos e privados em serviços sociais durante as crises econômicas, exatamente quando as pessoas mais precisam deles. As redes de segurança eram raras nos países em desenvolvimento nas crises anteriores. O financiamento de doadores também ficava ameaçado se a crise fosse mundial ou se a eficácia da ajuda fosse reduzida durante as crises. Mas há algumas evidências de que a assistência oficial ao desenvolvimento vem fornecendo apoio à estabilização do desenvolvimento econômico desde Por que esta crise pode ser diferente para os países de baixa renda? As políticas e instituições melhoraram antes da crise. O desempenho econômico dos países em desenvolvimento está estreitamente ligado à qualidade das políticas. Muitos países entraram na crise com políticas e posições fiscais melhores do que tinham nos episódios de recessão anteriores.

14 4 VISÃO GERAL RELATÓRIO SOBRE MONITORAMENTO GLOBAL DE 2010 RESUMO DO RELATÓRIO FIGURA 2 Os principais indicadores despencam do seu crescimento médio geral durante desacelerações do crescimento em todos os países anos ganhos/perdidos a. Expectativa de vida ao nascer mulheres homens total aceleração do crescimento desaceleração do crescimento mortes, milhares mortalidade de recém-nascidos (por nascimentos vivos) aceleração do crescimento b. Taxa de mortalidade mortalidade abaixo dos 5 anos (a cada 1000) desaceleração do crescimento alteração em pontos percentuais c. Taxa de conclusão do ensino fundamental d. Igualdade de gêneros, proporção entre meninas e meninos meninas meninos total 45 inscrição no inscrição no inscrição no ensino fundamental ensino médio terceiro grau aceleração do crescimento desaceleração do crescimento alteração em pontos percentuais aceleração do crescimento desaceleração do crescimento Fonte: Cálculos do pessoal do Banco Mundial fundamentados no banco de dados dos Indicadores de Desenvolvimento Mundial. Para obter mais detalhes, consultar Capítulo 2 Observação: Os painéis apresentam diferenças nas médias durante as acelerações e desacelerações do crescimento com relação às médias gerais. Diferentemente de muitas crises anteriores, a atual não foi causada pelo fracasso de políticas internas. Historicamente, quase 90% da volatilidade da produção dos países de baixa renda foram gerados por condições e choques internos, tais como fracassos de políticas e conflitos. Desde a década de 1990, a volatilidade da produção dos países de baixa renda está diminuindo e a frequência relativa dos choques externos está aumentando. Instituições e políticas mais fortes nos países em desenvolvimento significam que eles estão mais preparados para enfrentar os choques. Dessa forma, os impactos sobre os resultados do desenvolvimento humano podem ser menos graves, desde que as condições não se deteriorem, provocando o fracasso generalizado das políticas. Os gastos com as redes de segurança social têm sido relativamente protegidos até agora. Déficits fiscais iniciais mais baixos e maior prioridade ao gasto social têm protegido os gastos com educação e saúde na maioria dos países. As informações atualizadas não são completas, mas informações esporádicas oferecem alguns exemplos. Por exemplo: dos 19 programas iniciados e monitorados pelo FMI e implementados em colaboração com o Banco Mundial em , 16 orçaram

15 RELATÓRIO SOBRE MONITORAMENTO GLOBAL DE 2010 RESUMO DO RELATÓRIO VISÃO GERAL 5 gastos sociais mais elevados para Desses, nove estavam em países da África Subsaariana: Burundi, República do Congo, Costa do Marfim, Libéria, Malawi, Mali, Níger, Togo e Zâmbia. Vários países africanos com estratégias de redução da pobreza estão protegendo seus financiamentos para os setores sociais. E alguns países com espaço fiscal (Quênia e Nigéria) estão protegendo as despesas de capital, principalmente para infraestrutura. Mas existem também exemplos de reduções forçadas de gastos sociais. Países com problemas fiscais e de dívidas anteriores à crise (como Etiópia e Gana) tiveram que adotar o arrocho fiscal. Os recursos financeiros para HIV/AIDS (vírus da imunodeficiência humana/ síndrome da imunodeficiência adquirida) têm sido, em grande parte, mantidos, mas com uma nova preocupação quanto à eficiência do uso de recursos. A comunidade internacional respondeu fortemente à crise Apesar dos medos generalizados, o acesso dos países em desenvolvimento aos mercados não sofreu uma redução significativa. No final de 2009, 350 medidas de restrição comercial haviam sido implementadas em todo o mundo, das quais cerca de 20% constituíam medidas não tarifárias, como restrições quantitativas, licenças de importação, normas, requisitos e subsídios. As soluções para o comércio também estavam em ascensão. Mas, de modo geral, o protecionismo foi contido. As medidas de restrição, ou distorção, do comércio introduzidas desde outubro de 2008 representam apenas 0,5% do comércio mundial de mercadorias. Os governos e as instituições multilaterais de desenvolvimento apoiaram as exportações dos países em desenvolvimento impulsionando o financiamento do comércio. O Grupo dos Vinte líderes prometeu US$ 250 bilhões em apoio ao comércio na sua Reunião de Cúpula em Londres, em abril de E os órgãos de crédito à exportação intervieram para impedir que o financiamento do comércio se extinguisse completamente. Um resgate maciço do FMI foi planejado para limitar a restrição econômica e sua disseminação. A natureza global da crise levou o FMI a agir rapidamente para aumentar os empréstimos e modificar os contextos de condicionalidade. Até o final de fevereiro de 2010, o FMI já havia comprometido uma quantia recorde de US$ 175 bilhões (incluindo financiamento preventivo) para os países emergentes e outros países em desenvolvimento com dificuldades em suas balanças de pagamento; os compromissos incluíam um aumento acentuado nos empréstimos concessionários aos países mais pobres do mundo. O FMI implementou ainda uma alocação geral de direitos especiais de saque equivalente a US$ 250 bilhões, inclusive quase US$ 100 bilhões para as economias de mercado emergentes e países em desenvolvimento, dos quais US$ 18 bilhões para os países de baixa renda. O acesso padrão ao financiamento do FMI foi duplicado, foi adotada uma linha de crédito nova e flexível sem condições ex-post para as políticas de países com históricos muito fortes e foi facilitado o fornecimento de empréstimos excepcionalmente grandes, ao mesmo tempo em que as salvaguardas foram preservadas. As respostas dos bancos multilaterais de desenvolvimento estão procurando proteger os programas de desenvolvimento essenciais, fortalecer o setor privado e auxiliar os domicílios pobres. Mais de US$ 150 bilhões já foram comprometidos desde o início da crise (dois terços provenientes do Grupo Banco Mundial). Os empréstimos do Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD) quase triplicaram no exercício financeiro de 2009 e o primeiro trimestre de 2010 apresenta os compromissos mais fortes da história do BIRD (US$ 19,2 bilhões contra US$ 12,4 bilhões no mesmo período do exercício financeiro de 2009). Os compromissos assumidos pelos bancos multilaterais e regionais de desenvolvimento também aumentaram acentuadamente, em mais de 50%, de 2007 a Os países de baixa renda utilizaram mais os recursos concessionários em 2009, em parte por meio de desembolsos concentrados no início do período de alocações plurianuais. Os doadores aumentaram os volumes da ajuda durante Após um aumento de 11,7% em 2008, a assistência oficial total líquida ao desenvolvimento (ODA) dos países que compõem a Comissão de Assistência ao Desenvolvimento (DAC) da OCDE aumentou ligeiramente, 0,7%, em termos reais em Mas em dólares dos Estados Unidos atuais, ela na verdade caiu de US$ 122,3 bilhões em 2008 para US$ 119,6 em O número relativo a 2009 representa 0,31% da renda nacional bruta dos países membros. A ajuda

16 6 VISÃO GERAL RELATÓRIO SOBRE MONITORAMENTO GLOBAL DE 2010 RESUMO DO RELATÓRIO dos doadores do DAC, liderados pela Arábia Saudita, cresceu 63% em termos reais em 2008 para US$ 9,5 bilhões. A assistência para o desenvolvimento prestada pela China provavelmente mais do que dobrará nos próximos três anos. A ajuda privada, igualmente substancial, está crescendo rapidamente. E o progresso contínuo na redução do ônus da dívida dos países pobres mediante a Iniciativa para os Países Pobres muito Endividados (HIPC) e a Iniciativa Multilateral de Alívio da Dívida. Para 35 países pós-hipc que alcançaram o ponto de conclusão, o ônus da dívida será reduzido em 80%. A recuperação é mais forte do que o esperado, mas o panorama para os ODMs continua preocupante O crescimento do PIB no mercado emergente e economias em desenvolvimento está projetado para acelerar para 6,3% em A maioria das economias apresenta sinais de recuperação (Tabela 1), embora muitos países continuem a depender de incentivos excepcionais às políticas e o crescimento da maioria dos países não seja suficientemente forte para anular o prejuízo causado pela vertiginosa desaceleração das rendas e das condições sociais em Os déficits fiscais nos mercados emergentes e economias em desenvolvimento cresceram quase 3% do PIB em 2009 e deverão permanecer elevados em As condições do mercado financeiro para essas economias estão melhorando e os fluxos de capital estão voltando, embora as projeções digam que o financiamento dos bancos internacionais e os fluxos de investimento direto permanecerão baixos em A recuperação dos preços dos produtos básicos, junto com a recuperação global da produção do setor de manufatura, está beneficiando os exportadores de produtos básicos, mas os preços desses produtos continuam abaixo dos níveis anteriores à crise. O comércio está se recuperando de forma desigual entre as regiões. O comércio mundial sofreu retração de 12% em 2009 e as importações caíram vertiginosamente em todas as regiões. Os sinais de recuperação são evidentes, mas o comércio continua fraco. No final de 2009, o comércio global estava abaixo do seu nível antes da crise. Após quase um ano de recuperação, o valor em dólares do comércio global permanece 20% menor do que era antes da crise. O impacto da crise sobre a pobreza terá longa duração. As taxas de pobreza continuarão a cair após a crise, porém mais lentamente (Tabela 2). 1 Até 2015, a taxa global de pobreza deverá ser de 15% e não de 14,1% como seria se não fosse a crise. A crise deixará mais 64 milhões de pessoas em pobreza extrema até o final de A recuperação não restabelecerá todo o terreno perdido. Em consequência da crise, 71 milhões de pessoas a menos deixarão a pobreza até Para a África Subsaariana, a taxa de pobreza deverá ser de 38% até 2015 e não de 36%, como teria sido sem a crise, tirando da pobreza 20 milhões de pessoas a menos. O impacto de médio prazo sobre os outros ODMs também pode ser considerável. Os resultados ilustrativos e indicativos das análises TABELA 1 Produção global Mudança em percentual Projeções Região Produção mundial 5,2 3,0 0,6 4,2 4,4 Economias avançadas 2,8 0,5 3,2 2,3 2,4 Economias emergentes e em desenvolvimento 8,3 6,1 2,4 6,3 6,6 Europa Central e Oriental 5,5 3,0 3,7 2,8 3,8 Comunidade dos Estados Independentes 8,6 5,5 6,6 4,0 4,1 Ásia em desenvolvimento 10,6 7,9 6,6 8,7 8,6 Oriente Médio e Norte da África 5,6 5,1 2,4 4,5 4,8 África Subsaariana 6,9 5,5 2,1 4,7 5,7 Hemisfério Ocidental 5,8 4,3 1,8 4,0 4,2 Fonte: Perspectiva Econômica Mundial do FMI. Para obter mais detalhes, consulte o Capítulo 3.

17 RELATÓRIO SOBRE MONITORAMENTO GLOBAL DE 2010 RESUMO DO RELATÓRIO VISÃO GERAL 7 TABLEA 2 Pobreza nos países em desenvolvimento, cenários alternativos, Região e cenário Nível global Percentual da população que vive com menos de US$ 1,25 por dia Após a crise 41,7 25,2 15,0 12,8 Antes da crise 41,7 25,2 14,1 11,7 Baixo crescimento 41,7 25,2 18,5 16,3 Número de pessoas que vivem com menos de US$ 1,25 por dia (em milhões) Após a crise Antes da crise Baixo crescimento Fonte: Cálculos do pessoal do Banco Mundial. FIGURA 3 O efeito de longo prazo do crescimento mais lento sobre determinados ODMs é preocupante percentual ODM 2: taxa de conclusão do ensino fundamental baixo crescimento após a crise antes da crise percentual 98,0 97,0 96,0 95,0 b. ODM 3: igualdade de gênero no ensino fundamental e médio 94, baixo crescimento após a crise antes da crise deaths per c. ODM 4: Mortalidade infantil abaixo dos cinco anos de idade baixo crescimento após a crise antes da crise percentual 17 d. ODM 7c: acesso à água potável segura baixo crescimento após a crise antes da crise Fonte: Cálculos do pessoal do Banco Mundial. do crescimento 2 sugerem lacunas que persistem entre as tendências pré-crise e as tendências pós-crise em 2015 (Figura 3). Mais recém-nascidos poderão morrer até E mais crianças com menos de 5 anos poderiam deixar de morrer até 2015 se a crise não existisse. O total acumulado de 2009 a 2015 pode chegar a e 1,2 milhão, respectivamente. Estima-se que estudantes a mais talvez deixem de concluir o ensino médio em Cerca de 100 milhões de pessoas a mais continuarão sem acesso a uma fonte de água tratada.

18 8 VISÃO GERAL RELATÓRIO SOBRE MONITORAMENTO GLOBAL DE 2010 RESUMO DO RELATÓRIO Os países em desenvolvimento devem manter boas políticas e prestação de serviços eficaz Crescimento e qualidade institucional reforçam-se mutuamente. Antes da crise, as reformas das políticas desencadearam uma expressiva aceleração do crescimento no mundo em desenvolvimento o que, por sua vez, ajudou a fortalecer as instituições e os fundamentos econômicos. Um dos perigos da crise é que as reformas podem ser abandonadas, ocasionando reveses políticos e a deterioração da economia. É importante que todos os países adotem planos de ajuste fiscal de médio prazo verossímeis para reforçar a confiança em políticas macroeconômicas e que adotem reformas políticas para garantir o crescimento de longo prazo. A eficácia das redes de segurança deve ser intensificada devido à importância dessas redes para amortecer os efeitos das crises na redução da pobreza. Os programas de redes de segurança nos países de baixa renda são sempre pequenos e fragmentados, beneficiando apenas uma pequena parcela dos pobres e vulneráveis. Existem preocupações reais sobre sua viabilidade do ponto de vista financeiro e administrativo devido aos diversos incentivos negativos que possam criar. A compreensão sobre que tipo de redes de segurança atenderá melhor à assistência social, quais são os desafios à sua implementação e como desenvolver esses programas de modo a obter o máximo de eficácia, devem informar as reformas políticas nos países em desenvolvimento. Se a recuperação global permanecer fraca, medidas como mudanças nos gastos, mobilização de recursos internos e melhor prestação de serviços podem ajudar, mas essas ferramentas têm limitações. Diante da queda das receitas externas, a modificação dos gastos de modo a proteger os serviços sociais e aumentar o recolhimento de impostos internos pode ajudar a impedir a deterioração dos indicadores de ODMs para o nível de pior caso. Porém, impostos mais elevados também podem retardar o progresso sobre o ODM relativo à pobreza, reduzindo a renda e os gastos dos domicílios. Os efeitos negativos do aumento de impostos precisam ser contrabalançados por melhores políticas e prestação de serviços. Mesmo assim, melhores resultados de desenvolvimento dependem dramaticamente não apenas de um ambiente político melhor, mas também de uma recuperação mundial rápida, que melhore as condições das exportações, os termos do comércio e os fluxos de capital dos países de baixa renda. A comunidade global deve continuar a apoiar os países em desenvolvimento A cooperação multilateral no comércio deve ser fortalecida. A conclusão da Rodada de Doha é importante após a crise porque ajudaria os governos a resistirem às pressões protecionistas e a manter os mercados abertos à medida que se desenrolam as políticas expansionistas. Além de Doha, existe uma necessidade de ampliar a cooperação em questões políticas internacionais que não fazem parte da Agenda do Desenvolvimento de Doha (mudança climática e segurança alimentar e energética). A crise revelou ainda a importância de fortalecer o monitoramento e os relatórios públicos de medidas governamentais para aumentar a transparência do sistema comercial (relatórios de monitoramento da Global Trade Alert, Global Antidumping Database e Organização Mundial do Comércio [OMC]). É necessário um melhor monitoramento do financiamento do comércio. Embora dados recentes indiquem que o financiamento do comércio esteja em recuperação, é preciso haver um mecanismo para coletar dados e monitorar o mercado de forma sistemática e confiável para avaliar de que modo as atuais intervenções influenciam o fornecimento de crédito e os fluxos comerciais e para proporcionar um alerta antecipado útil sobre tensão no crédito ao comércio. A logística comercial dos países em desenvolvimento precisa de mais apoio. A redução dos custos do comércio mediante melhores regulamentações para o comércio, logística de comércio e infraestrutura pode constituir uma contribuição fundamental para o desenvolvimento. A Segunda Revisão Global da Ajuda para o Comércio, realizada em Genebra em julho de 2009, constatou que os doadores estavam oferecendo uma ajuda maior e melhor para o comércio e que a cooperação entre os países em desenvolvimento está envolvendo novos parceiros. A manutenção dos esforços para cumprir os compromissos assumidos na Reunião Ministerial da OMS de 2005 (em Hong Kong, China) para ampliar a ajuda ao comércio deve continuar sendo prioridade. E mais ajuda desse tipo precisa ser direcionada para os

19 RELATÓRIO SOBRE MONITORAMENTO GLOBAL DE 2010 RESUMO DO RELATÓRIO VISÃO GERAL 9 países de baixa renda, que recebem apenas aproximadamente metade do total. A ajuda tem que ser ampliada para cumprir os compromissos anteriores. O impacto de médio prazo esperado da crise sobre os países de baixa renda aumentou a urgência para intensificar a ajuda. Mas os atuais planos de despesas deixam um déficit de US$ 14 bilhões nos compromissos de aumentar a ajuda em US$ 50 bilhões até 2010 (em dólares de 2004). E o compromisso do Grupo dos Oito, assumido em Gleneagles de dobrar a ajuda à África até 2010, ainda não está refletido na ajuda essencial para o desenvolvimento da região. A ajuda à África vem crescendo 5% ao ano desde 2000, mas grande parte dela tem sido na forma de alívio da dívida ou assistência de emergência ou humanitária e não em novo financiamento. Para alcançar a meta de 2010 é necessário um aumento adicional de US$ 20 bilhões. Os planos de despesas dos doadores indicam que estão programados apenas US$ 2 bilhões adicionais, o que deixa uma lacuna de US$ 18 bilhões. Além disso, ainda há uma lacuna considerável para o fortalecimento da eficácia da ajuda tornando-a mais previsível; racionalização da divisão da mão de obra entre os doadores; liberação da ajuda proveniente do fornecimento de bens e serviços no país do doador; aumento da confiança na necessidade e no mérito para orientar a distribuição da ajuda; e tratamento do problema dos países que recebem ajuda insuficiente. Reações necessárias à crise aumentam ainda mais os desafios para as políticas As posições fiscais dos países em desenvolvimento se deterioram. Vários países em desenvolvimento mantiveram os gastos e ampliaram seus déficits fiscais para apoiar a demanda interna durante a crise. Na realidade, mais de um terço desses países introduziu planos de incentivo fiscal arbitrários em Sem esse apoio o impacto sobre o crescimento de cada país e o déficit na demanda global teriam sido ainda maiores do que realmente foram. Mas a rápida expansão dos déficits fiscais e a maior confiança nas finanças internas em muitos países talvez não seja duradoura. A deterioração dos coeficientes de endividamento nos países de baixa renda é particularmente preocupante. As políticas ideais de saída do apoio às políticas dependem das circunstâncias do país. Os países com pouca demanda privada devem continuar com o apoio às políticas se tiverem espaço fiscal. Mas os países que enfrentam restrições ao financiamento não podem retardar o ajuste. Os doadores devem auxiliá-los cumprindo seus compromissos de aumentar a ajuda. Todos os países devem adotar planos de ajuste fiscal de médio prazo confiáveis para reforçar a confiança em políticas macroeconômicas e adotar reformas de políticas para garantir o crescimento de longo prazo. As instituições financeiras internacionais precisam adaptar-se ao novo ambiente global. Na falta de mais recursos dos doadores, a crise induziu desembolsos concentrados no início do período de recursos concessionários por parte da Associação de Desenvolvimento Internacional (AID) e de outros órgãos multilaterais o que indica que os fluxos concessionários dessas instituições devem cair no futuro próximo. Da mesma forma, o grande aumento dos compromissos do BIRD destaca a necessidade de se discutir um aumento de capital para evitar uma eventual queda dos empréstimos. As mudanças de responsabilidades e organização das Instituições Financeiras Internacionais (IFIs) estão a caminho: a maior procura por serviços técnicos alterará os requisitos de aptidão do pessoal; a coordenação entre as IFIs precisará ser fortalecida e as propostas para melhorar a resposta dos bancos multilaterais de desenvolvimento (tais como a descentralização do Banco Mundial) estão sendo estudadas. A resposta rápida da comunidade econômica mundial à recessão ajudou a evitar uma nova Grande Depressão, mas ainda é necessária uma liderança decisiva para garantir uma recuperação rápida e sustentável. Notas 1. Esta projeção baseia-se em pesquisas de domicílios em mais de 100 países e no efeito do crescimento sobre o consumo dos domicílios. 2. Estas análises baseiam-se nos relacionamentos estimados entre o crescimento do PIB e os ODMs, que podem variar de acordo com o país.

20 Objetivos e metas da Declaração do Milênio OBJETIVO 1 META 1.A META 1.B META 1.C OBJETIVO 2 META 2.A OBJETIVO 3 META 3.A OBJETIVO 4 META 4.A OBJETIVO 5 META 5.A META 5.B OBJETIVO 6 META 6.A META 6.B META 6.C OBJETIVO 7 META 7.A META 7.B META 7.C META 7.D OBJETIVO 8 META 8.A META 8.B META 8.C META 8.D META 8.E META 8.F ERRADICAR A POBREZA EXTREMA E A FOME Diminuir pela metade, de 1990 a 2015, a proporção de pessoas cuja renda seja inferior a US$ 1,25 por dia. Conseguir emprego pleno e produtivo e trabalho decente para todos, incluindo mulheres e jovens. Diminuir pela metade, de 1990 a 2015, a proporção de pessoas que sofram fome. CONSEGUIR EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSAL Assegurar que até 2015 as crianças do mundo inteiro, tanto meninos como meninas, possam concluir um curso completo de ensino fundamental. PROMOVER A IGUALDADE DE GÊNERO E O EMPODERAMENTO DA MULHER Eliminar a disparidade de gênero no ensino fundamental e médio, preferencialmente até 2005, e em todos os níveis de educação até REDUZIR A MORTALIDADE INFANTIL Reduzir em dois terços, de 1990 a 2015, a taxa de mortalidade de crianças menores de cinco anos. MELHORAR A SAÚDE MATERNA Reduzir em três quartos, de 1990 a 2015, a taxa de mortalidade materna Conseguir até 2015 o acesso universal à saúde reprodutiva COMBATER O HIV/AIDS, A MALÁRIA E OUTRAS DOENÇASS Reduzir pela metade, até 2015, e começar a reverter a disseminação do HIV/AIDS Conseguir, até 2010, o acesso universal ao tratamento do HIV/AIDS para todas as pessoas que necessitarem Reduzir pela metade, até 2015, e começar a reverter a incidência de malária e de outras doenças principais ASSEGURAR A SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Integrar os princípios de desenvolvimento sustentável às políticas e programas dos países, além de reverter a perda dos recursos ambientais Reduzir a perda da biodiversidade, conseguindo até 2010 uma redução significativa da taxa de perda Reduzir pela metade, até 2015, a proporção de pessoas sem acesso sustentável à água potável e ao saneamento básico Conseguir até 2020 uma melhoria significativa na vida de pelo menos 100 milhões de moradores de favelas DESENVOLVER UMA PARCERIA GLOBAL PARA O DESENVOLVIMENTO Avançar no desenvolvimento de um sistema comercial e financeiro aberto, baseado em normas e previsível (incluindo um compromisso com a boa governança, desenvolvimento e redução da pobreza nos âmbitos nacional e internacional). Focar as necessidades especiais dos países menos desenvolvidos (incluindo o acesso livre de tarifas e cotas à exportação dos países menos desenvolvidos; melhorar o alívio da dívida para os países pobres muito endividados e as condições de cancelamento da dívida bilateral oficial; e prestar assistência oficial ao desenvolvimento de forma mais generosa para os países comprometidos a reduzir a pobreza. Focar as necessidades especiais dos países mediterrâneos e dos pequenos Estados insulares (por meio do Programa de Ação para o Desenvolvimento Sustentável dos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento e do resultado da Vigésima Segunda Sessão da Assembleia Geral). Tratar de forma abrangente os problemas da dívida dos países em desenvolvimento por meio de medidas nacionais e internacionais a fim de tornar a dívida sustentável no longo prazo. Em cooperação com a indústria farmacêutica, proporcionar acesso a medicamentos essenciais a preço razoável aos países em desenvolvimento. Em cooperação com o setor privado, disponibilizar os benefícios de novas tecnologias, especialmente informação e comunicação. Fonte: Organização das Nações Unidas Report of the Secretary-General on the Indicators for Monitoring the Millennium Development Goals (Relatório do Secretário-Geral sobre os Indicadores de Monitoramento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio). E/CN.3/2008/29. New York. Nota: Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e suas metas provêm da Declaração do Milênio, assinada por 189 países, incluindo 147 Chefes de Estado e de Governo, em setembro de 2000 (http://www.un.org/millennium/declaration/ares552e.htm) e de outro acordo assinado pelos Estados membros na Cúpula Mundial de 2005 (resolução aprovada pela Assembleia Geral A/RE S/60/1). Os objetivos e metas são inter-relacionados e devem ser considerados como um todo. Representam uma parceria entre os países desenvolvidos e os países em desenvolvimento para criar um ambiente nos níveis tanto nacional como global conducente ao desenvolvimento e à eliminação da pobreza.

Necessidade de visto para. Não

Necessidade de visto para. Não País Necessidade de visto para Turismo Negócios Afeganistão África do Sul Albânia, Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia. Argentina Ingresso permitido com Cédula de Identidade

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil País Afeganistão África do Sul Albânia Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Austrália

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial ONU A ONU (Organização das Nações Unidas) foi fundada no dia 24 de outubro de 1945, em São Francisco, Estados Unidos. O encontro

Leia mais

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil PAÍS Visto de Turismo Visto de Negócios Observação Afeganistão Visto exigido Visto exigido África do Sul Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias Albânia Dispensa de visto,

Leia mais

Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente

Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente P R E S S R E L E A S E Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente Novo relatório do UNAIDS mostra que a epidemia da aids parou de avançar

Leia mais

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro... Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...enquanto os líderes mundiais se preparam para um encontro em Nova York ainda este mês para discutir o progresso dos Objetivos de Desenvolvimento do

Leia mais

Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes. Resenha Desenvolvimento

Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes. Resenha Desenvolvimento Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes Resenha Desenvolvimento Luiz Fernando Neiva Liboreiro 14 de dezembro de 2006 Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes Resenha Desenvolvimento Luiz Fernando

Leia mais

Entrance Visas in Brazil ( Updating on 01/11/2013 )

Entrance Visas in Brazil ( Updating on 01/11/2013 ) Entrance Visas in Brazil ( Updating on 01/11/2013 ) Legend # Entrance allowed by presenting Civil Identity Card * - Maximum stay of 90 days every 180 days For more informations: Phone: +55 11 2090-0970

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADA / PROCESSED,,, 1 de 16 2000 1999 %(2000x1999) Janeiro / January US$ (000) US$/Ton 25.537 9.793 2.608 15.392 4.375 3.518 66% 124% -26% INDUSTRIALIZADA / PROCESSED

Leia mais

L A E R T E J. S I L V A

L A E R T E J. S I L V A MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro ASSUNTO: CLASSIFICAÇÃO DE PAÍSES, BANCOS MULTILATERAIS DE DESENVOLVIMENTO E ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS Havendo necessidade de se estabelecerem critérios de classificação

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/02/2013) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/02/2013) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008

Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008 Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008 1. Nós, os Ministros da Fazenda e Diretores dos Bancos Centrais do G-20, realizamos nossa décima reunião anual

Leia mais

DDI VIA EMBRATEL Relação de países e seus respectivos códigos de acesso

DDI VIA EMBRATEL Relação de países e seus respectivos códigos de acesso PAIS CODIGO ACESSO DDI AFEGANISTAO 93 N AFRICA DO SUL 27 S ALASCA 1 S ALBANIA 355 S ALEMANHA 49 S ANDORRA 376 S ANGOLA 244 S ANGUILLA 1 S ANT.HOLANDESAS 599 S ANTIGUA 1 S ARABIA SAUDITA 966 S ARGELIA 213

Leia mais

ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS)

ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS) ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS) NACIONALIDADES Cód. Afeganistão 101 África do Sul 102 Albânia 103 Alemanha 104 Ando ra 105 Angola 106 Angui la 107 Antigua e Barbuda 108 Antilhas Holandesas

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 14/05/2014) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 14/05/2014) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP)

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) 1ª Conferência Anual de Alto-Nível da Parceria para Governo Aberto - OGP Roberta Solis Ribeiro Assessoria Internacional - CGU Conselho da

Leia mais

PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM

PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM 1 PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM 2 17. TABELA DE VISTOS Apresentamos a seguir uma tabela

Leia mais

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO DA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 24/11/2015) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 24/11/2015) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil PAÍS Visto de Turismo Visto de Negócios Observação Afeganistão Visto exigido Visto exigido África do Sul Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias Albânia Dispensa de visto,

Leia mais

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos MERCOSUL e ALCA Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos Tendência recente, com origens na década de 50, com a CEE Comunidade Econômica Européia Em 2007 fez 50 anos Objetivos Fortalecer

Leia mais

Brasil 2012 SERVIÇOS E TARIFAS

Brasil 2012 SERVIÇOS E TARIFAS SERVIÇOS E TARIFAS Soluções FedEx para o seu negócio Caso você tenha necessidade de enviar documentos urgentes, economizar em remessas regulares ou enviar cargas pesadas, a FedEx tem uma solução de transporte

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Destaques do Education at a Glance 2014 Diretor de Estatísticas Educacionais Carlos Eduardo Moreno Sampaio

Leia mais

Tributação Internacional Junho 2014

Tributação Internacional Junho 2014 www.pwc.pt/tax Tributação Internacional Junho 2014 Perante a aldeia global em que vivemos, atuar apenas no mercado doméstico não é suficiente. De facto, a internacionalização é um requisito obrigatório

Leia mais

Introdução... 14. 1. Brasões de Armas da África... 16 1.1. África do Sul... 16

Introdução... 14. 1. Brasões de Armas da África... 16 1.1. África do Sul... 16 Sumário Introdução... 14 1. Brasões de Armas da África... 16 1.1. África do Sul... 16 1.1.1. Brasões de Armas da África do Sul... 18 1.1.2. Brasão de armas e Botswana... 23 1.1.3. Brasão de armas do Lesoto...

Leia mais

Economia Política Internacional

Economia Política Internacional Economia Política Internacional Reinaldo Gonçalves rgoncalves@alternex.com.br Economia Política Internacional Fundamentos Teóricos e Experiência Brasileira Sumário PARTE I: ECONOMIA POLÍTICA INTERNACIONAL:

Leia mais

Brasil 2015. FedEx International Priority. FedEx International Economy 3

Brasil 2015. FedEx International Priority. FedEx International Economy 3 SERVIÇOS E TARIFAS Soluções FedEx para o seu negócio Caso você tenha necessidade de enviar documentos urgentes, economizar em remessas regulares ou enviar cargas pesadas, a FedEx tem uma solução de transporte

Leia mais

Central de Atos TJMG. Manual Técnico de Informática Versão 1.1

Central de Atos TJMG. Manual Técnico de Informática Versão 1.1 Central de Atos TJMG Manual Técnico de Informática Versão 1.1 Sumário 1 Introdução... 3 2 O modelo de arquivo... 3 3 Tabelas... 5 3.1 PAPEIS DA PARTE... 5 3.2 TIPO DE ATO... 5 3.3 PAÍSES... 6 1 Introdução

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO 2012 (JANEIRO)

COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO 2012 (JANEIRO) Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO 2012 (JANEIRO) MRE-DPR JANEIRO/2012

Leia mais

Quero um empréstimo É uma ordem!

Quero um empréstimo É uma ordem! Quero um empréstimo É uma ordem! 2 de abril de 2014 Por Jesus Gonzalez-Garcia e Francesco Grigoli A participação estatal em bancos ainda é comum no mundo todo, apesar do grande número de privatizações

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Grupo de Trabalho 4: Fortalecendo a educação e o envolvimento da sociedade civil com relação ao vírus HIV, malária

Leia mais

o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais,

o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais, Deliberação 01 de 23 de fevereiro de 2015. o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais, CONSIDERANDO o que dispõe a Lei n." 8.958, de

Leia mais

Como não organizar todos os países do mundo?

Como não organizar todos os países do mundo? Como não organizar todos os países do mundo? A FIFA tem federações de 186 países independentes, de 19 regiões não independentes e das 4 regiões do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte (abreviado

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

A lista que se segue mostra o sistema de definição de televisão standard utilizado na maioria dos Países do Mundo. American Forces Radio.

A lista que se segue mostra o sistema de definição de televisão standard utilizado na maioria dos Países do Mundo. American Forces Radio. SISTEMAS DE TV MUNDIAIS Países diferentes usam sistemas de TV diferentes. A diferença entre estes sistemas reside em parte na forma como a informação do sinal de cor é modulada com a informação de luminosidade

Leia mais

Termos de acordos/blocos DEFINIÇÃO TERMO. Acordo Geral de Comércio de Serviços (GATS)

Termos de acordos/blocos DEFINIÇÃO TERMO. Acordo Geral de Comércio de Serviços (GATS) Termos de acordos/blocos TERMO Acordo Geral de Comércio de Serviços (GATS) Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio (GATT) Acordo Norte-Americano de Livre Comércio (NAFTA) Área de Livre Comércio das Américas

Leia mais

IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de Título de Viagem da RAEM

IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de Título de Viagem da RAEM IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de (países ordenados por continente) Ásia Brunei 14 dias --- Camboja 30 dias c) --- Coreia do Sul 90 dias --- Filipinas 14 dias --- Indonésia

Leia mais

Comerçio exterior. Balança comercial positiva nas ilhas. Importações e exportações (em bilhões de US$)

Comerçio exterior. Balança comercial positiva nas ilhas. Importações e exportações (em bilhões de US$) Comerçio exterior O Comerçio exterior do espaço Caribe 1 representou em 2001 mais de 297 bilhões de dólares 2 em importações e mais de 290 bilhões em exportações, o que indica uma balança comercial deficitária

Leia mais

Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor Patrick Manning, Primeiro-Ministro da República de Trinidad e Tobago

Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor Patrick Manning, Primeiro-Ministro da República de Trinidad e Tobago QUINTA CÚPULA DAS AMÉRICAS OEA/Ser.E 17 a 19 de abril de 2009 CA-V/DP-1/09 Port of Spain, Trinidad e Tobago 19 abril 2009 Original: inglês Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5B. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009.

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5B. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009. Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5B Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA IMAGENS BASE Fonte: IBGE, 2009. Colégio A. LIESSIN Scholem Aleichem - 1 - NANDA/MAIO/2014-488 TEXTO BASE Os blocos

Leia mais

Programa de Estudantes - Convênio de Pós-graduação - PEC-PG - 2006

Programa de Estudantes - Convênio de Pós-graduação - PEC-PG - 2006 Programa de Estudantes - Convênio de Pós-graduação - PEC-PG - 2006 1. Do objeto: O Ministério das Relações Exteriores (MRE), por intermédio do Departamento Cultural (DC), a Coordenação de Aperfeiçoamento

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

Serviços Adicionais. 12400 - Portal de Voz

Serviços Adicionais. 12400 - Portal de Voz Serviços Adicionais 12400 - Portal de Voz Descrição Totoloto, Totobola, Lotarias e Euro Milhões Pode conhecer os números do Euro Milhões meia hora antes do sorteio na TV. Saiba os resultados e o valor

Leia mais

Construindo governos efetivos

Construindo governos efetivos Construindo governos efetivos Sucessos e desafios da gestão pública para resultados na América Latina e no Caribe Resumo executivo EDITORES Jorge Kaufmann, Mario Sanginés, Mauricio García Moreno Construindo

Leia mais

MRE ABC CGRM CGPD CGRB

MRE ABC CGRM CGPD CGRB 1 Organograma da ABC MRE ABC CGRM CGPD CGRB 2 Competências da ABC Coordenar, negociar, aprovar e avaliar a cooperação técnica internacional do país. Coordenar todo o ciclo da cooperação técnica internacional

Leia mais

LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA PAÍSES MEMBROS

LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA PAÍSES MEMBROS 1 LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA ÁFRICA DO SUL ARÁBIA SAUDITA BRASIL CANADÁ COREIA DO SUL EGITO EQUADOR HOLANDA ITÁLIA JORDÂNIA NÍGER SUÉCIA ALEMANHA ARGENTINA

Leia mais

IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país

IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país Material embargado até dia 9 de novembro, às 11h do Brasil IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil

Leia mais

Expectativas para 2015

Expectativas para 2015 Crise Economia Pessimismo Política Otimismo Segurança Saúde Prosperidade Expectativas para 2015 OBJETIVO Medir a expectativa da população mundial para o ano seguinte, por meio de índices de esperança e

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

COOPERAÇÃO SUL-SUL BRASILEIRA

COOPERAÇÃO SUL-SUL BRASILEIRA COOPERAÇÃO SUL-SUL BRASILEIRA Representação organizacional da ABC O Mandato da ABC Negociar, aprovar, coordenar e avaliar a cooperação técnica internacional no Brasil Coordenar e financiar ações de cooperação

Leia mais

DIRETRIZES PARA PAGAMENTO (POR PAÍS)

DIRETRIZES PARA PAGAMENTO (POR PAÍS) PT (115) DIRETRIZES PARA PAGAMENTO (POR PAÍS) Este documento tem o propósito de informar rotarianos sobre opções de pagamento e dados necessários para recebimento de fundos do Rotary. Consulte a lista

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

Pesquisa de Q2 2013. Expectativa de Emprego Manpower Brasil

Pesquisa de Q2 2013. Expectativa de Emprego Manpower Brasil Pesquisa de Q2 213 Expectativa de Emprego Manpower Brasil Pesquisa de Expectativa de Emprego Manpower Brasil Sumário Q2/13 Expectativa de Emprego no Brasil 1 Comparativo por Região Comparativo por Setor

Leia mais

Indicadores de Inovação Tecnológica por Regiões

Indicadores de Inovação Tecnológica por Regiões Indicadores de Inovação Tecnológica por Regiões 215 i Indicadores de Inovação Tecnológica por Regiões 215. Edição: CAF Vice-presidência de Energia da CAF Hamilton Moss, Vice-presidente Corporativo. Mauricio

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO JULHO DE 2013 (DADOS ATÉ JUNHO DE 2013)

COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO JULHO DE 2013 (DADOS ATÉ JUNHO DE 2013) Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO JULHO DE 2013 (DADOS ATÉ JUNHO DE

Leia mais

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006 PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006 Versão: 1.0 Pág.: 1/7 1. ACESSO DIRECTO Chamadas DENTRO DO PAÍS Não Corp Corp Local 0,0201 0,0079 Local Alargado 0,0287 0,0105 Nacional 0,0287 0,0105 FIXO MÓVEL

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Portugal Acordos Bilaterais Celebrados

Mercados. informação regulamentar. Portugal Acordos Bilaterais Celebrados Mercados informação regulamentar Portugal Acordos Bilaterais Celebrados Janeiro 2013 Índice 5 NOTA DE PRÉVIA 6 ENQUADRAMENTO GERAL A 7 ÁFRICA DO SUL 7 ALBÂNIA 7 ALEMANHA 8 ANDORRA 8 ANGOLA 9 ANGUILLA 10

Leia mais

MANUAL PROGRAMA DE ESTÁGIO IAESTE 2009/2010

MANUAL PROGRAMA DE ESTÁGIO IAESTE 2009/2010 MANUAL PROGRAMA DE ESTÁGIO IAESTE 2009/2010 Caro Participante, Seja bem-vindo ao Programa de intercâmbio de estágio oferecido mundialmente pela IAESTE! Leia atentamente este manual. Ele contém todas as

Leia mais

Introdução 1 As tabelas a seguir mostram os cartuchos de jato de tinta HP compatíveis com as impressoras HP Photosmart.

Introdução 1 As tabelas a seguir mostram os cartuchos de jato de tinta HP compatíveis com as impressoras HP Photosmart. Introdução 1 As tabelas a seguir mostram os cartuchos de jato de HP compatíveis com as impressoras HP Photosmart. Impressoras série 100 2 Impressora HP Photosmart 130 HP 57 HP Photosmart 100 HP 57 Impressoras

Leia mais

Pontos principais Antecedentes e contexto Políticas e estratégias para o controle da malária Tratamento

Pontos principais Antecedentes e contexto Políticas e estratégias para o controle da malária Tratamento Resumo O Relatório Mundial da Malária de 2009 resume informação recebida de 108 países com malária endêmica e de outras fontes e atualiza a análise apresentada no Relatório de 2008. Destaca o progresso

Leia mais

Primeiro Ciclo 2004-2005 Formulário de inscrição

Primeiro Ciclo 2004-2005 Formulário de inscrição INICIATIVA DA CEPAL COM O APOIO DA FUNDAÇÃO W.K. KELLOGG Primeiro Ciclo 2004-2005 Formulário de inscrição Os formulários para a inscrição estão disponíveis na página web da CEPAL, www.cepal.cl, e na do

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

COMBATE À EVASÃO FISCAL INTERNACIONAL: A TROCA AUTOMÁTICA DE INFORMAÇÕES FINANCEIRAS

COMBATE À EVASÃO FISCAL INTERNACIONAL: A TROCA AUTOMÁTICA DE INFORMAÇÕES FINANCEIRAS COMBATE À EVASÃO FISCAL INTERNACIONAL: A TROCA AUTOMÁTICA DE INFORMAÇÕES FINANCEIRAS Uma verdadeira revolução está em curso relativamente à troca de informações financeiras em matéria fiscal. Até há muito

Leia mais

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves Economia mundial Perspectivas e incertezas críticas Reinaldo Gonçalves Professor titular UFRJ 19 novembro 2013 Sumário 1. Economia mundial: recuperação 2. Macro-saídas: eficácia 3. Incertezas críticas

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

RIO+10 E ERRADICAÇÃO DA POBREZA

RIO+10 E ERRADICAÇÃO DA POBREZA RIO+10 E ERRADICAÇÃO DA POBREZA SUELY MARA VAZ GUIMARÃES DE ARAÚJO Consultora Legislativo da Área XI Geografia, Desenvolvimento Regional, Ecologia e Direito Ambiental, Urbanismo, Habitação, Saneamento

Leia mais

POLÍTICA TRIBUTÁRIA E DISTRIBUIÇÃO DE RENDA

POLÍTICA TRIBUTÁRIA E DISTRIBUIÇÃO DE RENDA ESTADO, TRIBUTAÇÃO E SEGURIDADE SOCIAL POLÍTICA TRIBUTÁRIA E DISTRIBUIÇÃO DE RENDA Marcelo Lettieri (marlettieri@gmail.com) OVERVIEW Tributação e Distribuição de Renda Modelo Tributário - Tendência histórica

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

NOTA DE INFORMAÇÃO. (12:00 Nova York, 18:00 Genbra, 22:30 Déli, 02:00 26 de novembro de 2015 Tóquio) FATOS E DADOS

NOTA DE INFORMAÇÃO. (12:00 Nova York, 18:00 Genbra, 22:30 Déli, 02:00 26 de novembro de 2015 Tóquio) FATOS E DADOS NOTA DE INFORMAÇÃO EMBARGO O conteúdo deste Nota de Informação e do Relatório a que ela se refere não podem ser reproduzidos ou resumidos na mídia escrita, televisiva, radiofônica ou digital antes do dia

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013)

Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013) Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013) André Medici Congresso Internacional de Serviços de Saúde (CISS) Feira Hospitalar São Paulo (SP) 23 de Maio de 2013

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414

DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414 DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414 Nome da Operação Acre: Fortalecimento de Políticas Públicas para a Melhoria da Prestação de Serviços

Leia mais

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS 1º. Semestre 2013 O Google Analytics é um serviço gratuito oferecido pelo Google que permite analisar as estatísticas de visitação de um site. Este é o primeiro

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/ PPGD/2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/ PPGD/2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/ PPGD/2012 Disciplina a concessão de Recursos do PROEX/CAPES para a participação

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

O BRASIL E A COOPERAÇÃO SUL-SUL

O BRASIL E A COOPERAÇÃO SUL-SUL O BRASIL E A COOPERAÇÃO SUL-SUL Organograma da ABC O Mandato da ABC Coordenar, negociar, aprovar e avaliar a cooperação técnica internacional no Brasil Coordenar e financiar ações de cooperação técnica

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

Inscrição de. Peregrinos. Jornada Mundial da Juventude

Inscrição de. Peregrinos. Jornada Mundial da Juventude Inscrição de Peregrinos Jornada Mundial da Juventude Bem-vindos à JMJ Rio2013 Em breve serão abertas as inscrições para a JMJ Rio2013. Organize seu grupo! A pouco menos de um ano para o início da JMJ Rio2013

Leia mais

50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 27 de setembro a 1º de outubro de 2010 Tema 4.17 da agenda CD50/26

Leia mais

Descubra um mundo de sensações O maior evento de exportação dos produtos agro-alimentares em Portugal. 22/23/24 Fevereiro 2010

Descubra um mundo de sensações O maior evento de exportação dos produtos agro-alimentares em Portugal. 22/23/24 Fevereiro 2010 Lisboa. Portugal International Trade Fair for Portuguese Food and Beverage Salão Internacional do Sector Alimentar e Bebidas 22/23/24 Fevereiro 2010 EDITION EDIÇÃO #1 Descubra um mundo de sensações O maior

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea 7 ECONOMIA MUNDIAL QUADRO GERAL O cenário econômico mundial não apresentou novidades importantes nos primeiros meses de 2013, mantendo, em linhas gerais, as tendências observadas ao longo do ano passado.

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 OBJETIVOS Consolidar a percepção de que a formação de recursos humanos qualificados é essencial para fortalecer

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 2.070. Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas.

CARTA-CIRCULAR N 2.070. Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas. CARTA-CIRCULAR N 2.070 Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas. Divulga relação das missões diplomáticas, repartições consulares de carreira e representações

Leia mais

www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa

www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa Agenda 1. A metodologia do Paying Taxes 2. Resultados de Portugal 3. Resultados da CPLP 4. Reforma

Leia mais

Como Economizar US$ 36 Bilhões em Eletricidade

Como Economizar US$ 36 Bilhões em Eletricidade Como Economizar US$ 36 Bilhões em Eletricidade (sem desligar as luzes) UMA PESQUISA SOBRE A PRODUTIVIDADE ENERGÉTICA NAS AMERICAS CONTINUE POR FAVOR 6 1,9 1 0,1 4 3 14 4 8 O Futuro Sem Eficiência Uma maneira

Leia mais

Valor: Qual a fatia de investidores da América Latina no ESM?

Valor: Qual a fatia de investidores da América Latina no ESM? Entrevista com Klaus Regling, Diretor Executivo do Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM) Valor Econômico, 16 de julho de 2013 Valor: Por que buscar investidores no Brasil agora? Klaus Regling: Visitamos

Leia mais