Sérgio Kobayashi Apresentação (sumário)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sérgio Kobayashi Apresentação (sumário)"

Transcrição

1

2 2

3 Prefácio (sumário) Todos os dias, em todas as repartições públicas do Estado dos Poderes Executivo, Legislativo ou Judiciário, um número infinito de funcionários e servidores manuseia o Diário Oficial. Seja para recorte, cópias reprográficas ou anotações nos prontuários de processos funcionais, jurídicos, cíveis ou comerciais, raras são as pessoas que, um dia, não precisaram consultá-lo. É fato notório que só o que nele foi publicado torna-se legal. Sabe-se que o registro nele editado vale como documento. Há quem acredite até que, com a publicação, assuntos de referência duvidosa do ponto de vista legal possam ser revestidos de maior seriedade. Exageros à parte, o fato é que o Diário Oficial imprime hoje cerca de páginas diárias, em seus nove cadernos, o que importa em um consumo médio de 600 toneladas de papel por mês. Esses números permitiriam a sua indicação no livro Guinness, como o maior jornal do planeta. Longe, porém, de ser uma virtude, esse fato é, na verdade, um reconhecimento público da incapacidade do Estado em reduzir a burocracia, que tanto emperra a máquina administrativa. Paralelamente, a Imprensa Oficial desempenha outras tarefas além da edição do jornal, produzindo impressos para a administração pública. Seu parque gráfico se equivale aos maiores do País e a empresa é classificada como a terceira maior gráfica estatal do mundo. Tamanha responsabilidade obrigou a Imprensa Oficial a ampliar suas instalações e equipar-se com o que há de mais moderno no campo das artes gráficas, preparando-se tecnologicamente para atender a essa demanda sempre crescente. Equipada com aparelhos de última geração em computação gráfica, impressoras offset e pessoal altamente especializado, a Imprensa Oficial está preparada para atender com tranqüilidade às funções a que se destina. Entretanto, não bastam homens e máquinas. Há que se cuidar com rigor do patrimônio público. Neste manual está demonstrada esta preocupação, tendo em vista o crescente volume de material veiculado pelo D.O. A ausência de racionalidade em suas publicações implica acentuado desperdício de tempo e de dinheiro, além de não cumprir sua finalidade específica, que é a de informar. Como as matérias veiculadas no D.O. são redigidas por um número incalculável de pessoas, nos diversos níveis, seria impraticável tentar reuni-las de alguma forma para conciliar os melhores métodos de publicação. Com a elaboração deste manual, todos aqueles que são responsáveis pelas publicações do D.O. têm um orientador comum. Levantados os casos mais específicos, frutos de exaustiva pesquisa, procurou-se dirimir as principais dúvidas, esclarecer questões ambíguas e facilitar o trabalho de redatores e leitores, sejam eventuais ou cativos. 3

4 Não é um tratado de Direito nem um compêndio definitivo sobre publicações no D.O. porque nada é estático, mas uma colaboração valiosa para todos aqueles que, dia-a-dia, estão envolvidos com estas publicações. Sérgio Kobayashi Diretor-Presidente da Imprensa Oficial Apresentação (sumário) Quando se fala em Diário Oficial, a primeira lembrança que nos vem à mente é a de um veículo insípido e de difícil digestão. Presume-se que, por tratar-se de órgão oficial, toda a publicação ali inserida deva adotar uma linguagem jurídica, com todo o hermetismo que a caracteriza. É prática comum a algumas autoridades, ainda hoje, utilizarem-se desse expediente, na certeza de que estão cumprindo seu objetivo. Ledo engano, porém. A finalidade do Diário Oficial é tornar públicos os atos da administração, para que o leitor, investido de seu direito de cidadania, possa avaliar o trabalho do administrador. Quando a autoridade torna público um ato administrativo, ela presta contas ao contribuinte, informando a ele como estão sendo utilizados os recursos colocados à sua disposição. Cabe observar que dar publicidade não é o mesmo que fazer publicidade de seus atos. O primeiro refere-se a permitir o conhecimento de, enquanto o segundo visa à promoção pessoal, o que contraria a própria Constituição Federal mais adiante comentada em nossos verbetes. A forma mais apropriada de divulgação, a nosso ver, seria o entendimento correto de sua finalidade, unido à preocupação da clareza e objetividade de suas informações. Se informar é o verbo principal, presume-se que o senso seja coletivo, pluralizado e não particularizado a uma casta de privilegiados. Assim, todo e qualquer cidadão alfabetizado deve estar apto a entender o que está sendo publicado. Há que se esquecer as formas rebuscadas, que dificultam a inteligibilidade do texto. Torná-lo ágil e simplificado, sem fugir à sua essência. Como não podemos, entretanto, escapar às determinações legais que dão origem ao ato, devemos resumir essas especificações ao mínimo necessário. O detalhamento técnico já faz parte do processo, seja funcional ou administrativo, e não precisa ser transcrito em sua totalidade. O que o leitor precisa saber, por exemplo, é que a "Tomada de Preços nº 10, Processo , para aquisição de material de limpeza, foi adjudicada a..." e não que "Reunidos às 19 horas do dia 19 de abril de 1997, no salão nobre da secretaria tal, os senhores Fulano, Beltrano e Sicrano, legalmente constituídos para a Comissão Julgadora de Licitações, criada pela Resolução nº 20, de 10 de abril de 1997, publicada no D.O. de 11 de abril de 1997, decidiram por unanimidade 4

5 classificar a firma... no Processo , da Tomada de Preços nº 10...". Quem necessitar de informações complementares, até possivelmente no intuito de questioná-las em Juízo, pode obtê-las na Mídia Eletrônica - Negócios Públicos, pelo endereço ou ainda pode recorrer ao órgão de origem e, conforme prevê a Constituição Federal, terá acesso a elas. A racionalização das publicações por nós editadas não só simplifica o processo, já que reduz o tempo despendido na elaboração do jornal, como facilita o entendimento do público, o grande interessado pela informação. Mais do que isso, diminui sensivelmente o volume de inserções no Diário Oficial, impedindo o crescimento do número de páginas editadas diariamente, cujo custo também sai do bolso do contribuinte. Dilson Mezzetti da Costa Normas Gerais de Publicação (sumário) Recomenda-se, no entanto, que não se deixe para o final do expediente essa transmissão para evitar o afunilamento das ligações. A maioria dos jornais editados pela Imprensa Oficial era elaborada pelo sistema de aproveitamento direto dos originais para fotografia. Para simplificar esse trabalho, foram criadas as laudas padronizadas, cujas características técnicas permitiam agilizar o processo de montagem dos cadernos. Mais tarde, com o ingresso de computadores na preparação de textos, foi adotada a Lauda Padronizada em Formulário Contínuo, nos mesmos moldes da lauda padronizada antes existente. Desse modo, neste ou no outro modelo, o processo era idêntico. Tendo em vista o volume crescente de material editado hoje em torno de páginas diárias e a permanente evolução tecnológica, a Imprensa Oficial vem se adaptando para acompanhar esse processo de modernidade. Com o advento da era da informática, esse trabalho pode ser extremamente simplificado, com reflexos no fechamento da edição. Mais que isso, pode facilitar não só a elaboração de textos mas, também e principalmente, a recepção on line de matérias, dispensando-se o uso de veículos e funcionários para trazer o material até a redação, na Rua da Mooca. Imagine-se a economia brutal de combustível e horas/homem, se consideradas as centenas de unidades administrativas que publicam suas matérias no Diário Oficial, além, é claro, da vantagem da retirada de circulação desses veículos no horário de pico. Outro fator de considerável importância é a ampliação do universo de leitores do D.O. com a inclusão de suas matérias disponibilizadas no site da Imprensa Oficial na Internet. Nas primeiras horas da manhã, quem acessar o endereço terá à sua disposição toda matéria recebida on line por nossa redação. O prólogo se faz necessário para mostrar aos usuários do D.O. a necessidade de adaptação ao novo decreto, que estabelece normas de 5

6 publicação. Resumindo, não há grandes alterações, a não ser na forma de transmissão do material a ser editado. As instruções que vêm a seguir objetivam orientar os funcionários na preparação dos extratos destinados a publicação e quanto às especificações legais dos casos mais comuns. As matérias a serem publicadas no Diário Oficial deverão ser transmitidas, impreterivelmente, até as 17 horas para inclusão na edição do dia imediato. Recomenda-se, no entanto, que não se deixe para o final do expediente essa transmissão para evitar o afunilamento das ligações. O ideal será a transmissão por etapas ao longo do dia. Desde que identificadas de maneira correta, as matérias serão ordenadas automaticamente pelo sistema. Em caso de necessidade de sustação de uma matéria transmitida, isso poderá ser feito mediante contato com a redação pelos telefones: e ou DIÁRIO OFICIAL - PODER EXECUTIVO SEÇÃO I (sumário) A matéria deve ser transmitida pelo sistema on line para a Imprensa Oficial e sua publicação obedece a legislação específica (Decreto , de 16 de setembro de 1997). A Seção I do Diário Oficial do Estado - Poder Executivo destina-se a publicar os atos administrativos normativos e de interesse geral da Administração Centralizada e Descentralizada. Atende às Secretarias de Estado, bem como às autarquias e fundações a elas interligadas, Universidades e Ministério Público. A matéria desses órgãos e entidades deve ser transmitida pelo sistema on line para a Imprensa Oficial e sua publicação obedece a legislação específica (Decreto , de 16 de setembro de 1997). A Seção I dispõe, ainda, de duas outras divisões nesse caderno: o Diário dos Municípios e a parte destinada a Ministérios e Órgãos Federais. No Diário dos Municípios são publicados Leis e Decretos Municipais, Tomadas de Preços, Concorrências Públicas e demais atos que necessitam de divulgação oficial. Em Ministérios e Órgãos Federais são publicados Comunicados, Notificações, Editais de Leilão, de Citação, Tomadas de Preços e Concorrências (aberturas, adjudicações e homologação), a exemplo do que ocorre com o Diário dos Municípios. Casos excepcionais que fujam à regra acima devem ser consultados na Redação. Orientações Básicas (sumário) O primeiro passo é verificar se o ato está em condições de ser publicado, de acordo com os dispositivos legais do Decreto , de 16 de setembro de 1997, e seu anexo. Os principais pontos a serem observados são os seguintes: 6

7 1 Os atos administrativos serão impessoais e obedecerão à denominação específica determinada nos artigos 1º e 2º do Decreto , de 16 de setembro de Não será usado o vocábulo "ato" para designar manifestação de autoridade. 3 Os atos administrativos serão publicados apenas uma vez, salvo aqueles que disponham de determinação legal em contrário. 4 Os editais de concorrência, tomada de preços, concurso e leilão serão publicados conforme legislação própria. (Decreto , de 24 de outubro de 1995, e Lei 8.666, de 21 de junho de 1993.) 5 Os contratos, convênios e ordens de serviço serão publicados em resumo conforme modelo II. 6 Serão suprimidos os vocábulos senhor, senhora, dona, senhorita, douta, egrégia, colenda e outros, bem como os de tratamento a autoridades, tais como excelentíssimo, magnífico, digníssimo etc. 7 A expressão "no uso de suas atribuições legais" só será admitida nos decretos. 8 As referências a disposições legais que atribuem competência a autoridade abaixo do Governador do Estado não serão publicadas. 9 Os números e cifras serão grafados em algarismos, suprimindo-se a repetição por extenso. 10 As listagens de nomes deverão ser elaboradas em ordem alfabética para facilitar a leitura e de maneira corrida para melhor aproveitamento de espaço em cada linha. Normas de Publicação (sumário) Devem-se observar, ainda, os seguintes aspectos nos extratos correspondentes a cada órgão ou unidade administrativa: I - Evitar que sob o título das unidades sejam apresentados atos de autoridade hierarquicamente superior, como acontece nos seguintes casos: 1) GABINETE DO SECRETÁRIO DIVISÃO DE PESSOAL Despachos do Secretário, de... 2) COORDENAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Despacho do Coordenador, de... 3) DIVISÃO REGIONAL DE ENSINO DE XURUPITA DO NORTE SERVIÇO DE ADMINISTRAÇÃO Seção de Material Despacho do Diretor Regional, de... Nos casos 1 e 2, o correto será aparecer o "Despacho do Secretário" apenas sob o título "Gabinete do Secretário". No caso 3, os títulos "Serviço de Administração" e "Seção de Material" são dispensáveis. II - Evitar que apareçam dois títulos seguidos. 7

8 Essa orientação deriva da anterior e objetiva auxiliar a identificação correta da autoridade que expede o ato. Vê-se no exemplo adiante que a colocação seguida de mais um nível hierárquico pode trazer confusão: DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DIVISÃO DE MATERIAL Portaria do Diretor, de A portaria foi expedida por qual diretor? Do Departamento ou da Divisão? Se foi da Divisão, o correto será colocar: DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Portaria do Diretor da Divisão de Material, de... III - Os atos administrativos devem ser impessoais e obedecer à denominação estabelecida nos artigos 1º e 2º do Decreto , de Deverão, ainda, ser dispostos na seqüência, segundo a organização administrativa e a hierarquia dos seus dirigentes. É vedada a colocação genérica de "ato" (Item 3 do anexo do decreto citado). Impessoalidade [Não deve aparecer o nome da autoridade que expede o ato. Essa determinação está contida no parágrafo 1º do artigo 37 da Constituição Federal e no parágrafo 1º do artigo 115 da Constituição do Estado de São Paulo.] Denominação [Dar o nome correto do ato: resolução, portaria, apostila, despacho etc.] Exemplo: Resolução XXX-90, de... O Dr. João das Cobras, Secretário de..., com base no artigo 00 do Decreto... Errado O Secretário de..., com base no artigo 00 do Decreto... Certo IV - Os agrupamentos de atos de cada dirigente devem ser apresentados na seguinte ordem: Resoluções (ou Portarias, conforme o caso) Apostilas Despachos Decisão Atos especiais (Deliberação, Instrução, Recomendação etc.) Comunicados Extratos de Contrato (e afins) Julgamento de Licitações Retificações IX - Atos administrativos de organização interna, tais como regulamentos, regimentos ou assemelhados não são publicados. Isto porque se o ato é interno, de interesse para uma única entidade, não há razão de torná-lo público. Neste caso, deve-se utilizar o quadro de avisos da unidade expedidora do ato, em vez do Diário Oficial. V - Antes de cada agrupamento de atos devem ser colocados a origem da matéria, o assunto e a data do fato. Exemplo: DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO --[ Origem da matéria ]

9 Portaria do Diretor, de [ Assunto e data do fato ] Autorizando [ Ato administrativo ] Como a resolução é um ato de competência exclusiva dos Secretários de Estado (Artigo 1º do Decreto ), torna-se redundante escrever "Resolução do Secretário". Exemplo: GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução do Secretário da Saúde, de Errado Resolução de Certo VI - No mesmo agrupamento, os atos são apresentados em ordem cronológica, vindo antes os mais antigos. Neste caso, o título fica sem a data e esta é colocada antes dos atos correspondentes. Exemplo: Despachos do Secretário De No Processo 222/97 onde o interessado Firmino de Souza pede revisão de nota em processo seletivo. Indefiro. De No Processo 333/97, TP 32/97, da Academia de Polícia, para aquisição de armas especiais. Homologo a adjudicação para que produza seus efeitos legais. VII - O texto resumido de cada ato inicia-se com uma palavra chave, sempre no gerúndio: Declarando - Concedendo - Homologando etc. VIII - Nos despachos é conveniente a transcrição resumida do texto, evitando-se a repetição de informações. Neste caso, é facultativo o emprego do gerúndio (vide item anterior). Utilizar aspas iniciando e terminando as transcrições. IX - Atos administrativos de organização interna, tais como regulamentos, regimentos ou assemelhados não são publicados. Isto porque se o ato é interno, de interesse para uma única entidade, não há razão de torná-lo público. Neste caso, deve-se utilizar o quadro de avisos da unidade expedidora do ato, em vez do Diário Oficial. X - Nos extratos de contrato, ordem de execução de serviços e afins devem-se seguir os modelos apresentados no anexo do Decreto Resumo de Contrato ou de Convênio ou Ordem de Execução de Serviço Processo nº Contrato ou Convênio: nº e Sigla da U.D Parecer Jurídico nº Contratante: Contratado (ou Partícipes): Intervenientes (se for o caso): Objeto: Vigência: Valor total: Valor por exercício: Classificação dos recursos: 9

10 Data da assinatura: Resumo de Alteração de Contrato ou de Convênio ou Ordem de Execução de Serviço Processo nº: Contratante: Contrato (ou Convênio): nº e Sigla da U.D Alteração nº: Parecer Jurídico nº: Contratado (ou Partícipes): Interveniente (se for o caso): Objeto de alteração: Cláusulas retificadas: Classificação dos recursos (se for o caso): Data da assinatura da alteração: As informações devem ser sucintas, evitando-se detalhamentos dos itens abordados, salvo aqueles explicitados no modelo oficial. O título deve ser condensado em apenas uma linha de referência. Não é necessário especificar no título todo o assunto, pois este estará mencionado no Objeto. Exemplo: Extrato de Contrato de Reajuste de Aluguel Errado Extrato de Contrato Certo No item Objeto estará registrado: Reajuste de aluguel do imóvel... Na parte do Contratante, basta citar a unidade envolvida no contrato. Exemplo: Contratante - Centro de Reabilitação de Casa Branca Certo E não: Contratante - Secretaria da Saúde, Coordenadoria de Saúde do Interior, Centro de Reabilitação de Casa Branca. Na verdade, quem está contratando é o Centro de Reabilitação de Casa Branca e não a Secretaria da Saúde ou a Coordenadoria de Saúde do Interior. Do mesmo modo, na parte do Objeto é suficiente esclarecer o motivo do contrato sem entrar em detalhes. Exemplo: Objeto - Reformas nas instalações do prédio-sede do DIR VI de Araçatuba. Certo E não: Objeto - Reforma nas instalações do prédio onde está sediada a Direção Regional de Saúde VI de Araçatuba, com troca de fiação elétrica, remoção da rede hidráulica para reinstalação de novos equipamentos, pintura interna do prédio... XI - Para elaboração de atos administrativos numerados (portarias, resoluções, instruções normativas, comunicados etc.) não há uma forma definitiva estabelecida como correta. Assim, para dar uniformidade às publicações e facilitar o entendimento do leitor, procuramos adotar esta orientação: colocamos a sigla da unidade expedidora, seguida pelo número do ato. Exemplo: 10

11 Resolução Siev-5, de... Portaria DGP-3, de... Instrução Detran-7, de... Comunicado CAT-32, de... Desse modo evitamos a confusão de aplicações que têm sido adotadas até o presente: Resolução SIEV-5, de... Portaria 3-FFCL, de... Instrução 5-CEPJDC-91 Comunicado de DRLV-91 XII - Evitar a utilização da abreviatura DOE para fugir à cacografia (Do DOE) e por desnecessária, já que o ato está inserido no próprio veículo que o divulga. Atualmente não se usa mais colocar pontos em cada letra da sigla, exceto quando esta tiver duas letras apenas, como no caso de D.O. ou de L.C. (Lei Complementar). XIII - Adjudicação, (ina)habilitação e (des)classificação são resultados de julgamento de licitação, procedido por uma comissão destinada para tal fim. Para simplificar o entendimento do leitor, devem-se evitar títulos como Decisão ou Despacho da Comissão Julgadora, Resultado da Licitação etc. Melhor será utilizar sempre a expressão: Julgamento de licitação. Isso facilita a leitura e a busca dos assuntos pesquisados. XIV - Retificações entram no fim do agrupamento correspondente. São feitas de modo a possibilitar a identificação da parte que está sendo corrigida, sem necessidade de reprodução de trechos publicados. Evitar a expressão "e não como constou" por ser desnecessária. Um exemplo: Retificação do D.O. de Na portaria do Diretor, de , onde se lê: na EEPG Francisca Elisa da Silveira, leia-se: EEPG Francisca Elisa da Silva. Outro exemplo: Retificações Do D.O. de No extrato de contrato, Processo CEAS , onde se lê: vigência - a partir de , leia-se: a partir de Do D.O. de No extrato de contrato, Processo CEAS , onde se lê: Valor estimativo - R$ ,00, leia-se: R$ ,00. O que não se publica na Seção I (sumário) 1 Tramitação de processo. Publica-se apenas a abertura do processo e seu resultado final. 2 Homenagens sobre datas comemorativas (Dia do Professor, Dia do Soldado, Dia do Funcionário Público...) 3 Perda ou roubo de carimbos, certificados, diplomas ou documentos em branco. Este tipo de publicação pode ser feita no Diário Oficial - Ineditoriais, mediante pagamento. (Não confundir com comunicado de localização de documentos em tramitação pelas Secretarias de Estado. 11

12 Este é publicado.) 4 Deliberações do Conselho Estadual de Educação referentes ao artigo 9º e parágrafos da Lei , de 6 de julho de Estas serão publicadas quando da homologação pelo Secretário da Educação. (Parágrafo 7º do artigo 6º do Decreto ) 5 Comunicados informando que Fulano de Tal assumiu o comando de determinada unidade. Neste caso, se houve uma nomeação ela já saiu publicada na Seção II. 6 Regimentos ou regulamentos internos de uma unidade qualquer. Se o ato diz respeito a uma única entidade não há razão para torná-lo público. Como interessa apenas a uma comunidade fechada, basta divulgá-lo no quadro de avisos. Numeração e articulação de Atos (sumário) Numerar ou não numerar? Com artigos ou sem artigos? Entre as dúvidas apresentadas sobre publicações no Diário Oficial, esta é a que mais levanta polêmicas. A Lei Complementar nº 60, de , que fixa normas técnicas a serem observadas na elaboração de Leis e Decretos, estabelece no parágrafo 2º do artigo 1º: "Artigo 1º... Parágrafo 2º - O decreto não articulado, cujo cumprimento lhe exaura a finalidade específica, não será numerado, identificando-se pela data." (grifo nosso) Para atos administrativos, o artigo 4º do Decreto registra: "Artigo 4º - Aplica-se na elaboração dos atos administrativos, no que couber, o disposto na Lei Complementar nº 60, de 10 de julho de 1972". Assim, quando uma resolução ou portaria é assinada com finalidade específica (designar, promover, aprovar etc.) pode ser simplificada. Exemplo: DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA Portaria DAEE-55, de Errado O Superintendente do Departamento de Águas e Energia Elétrica, nos termos do artigo..., inciso..., resolve: Artigo 1º - Designar João da Silva, Pedro da Silva e Manuel da Silva para, sob a presidência do primeiro, constituírem Comissão de Sindicância destinada a apurar... Artigo 2º - Esta Portaria entrará em vigor na data de sua publicação. O certo será: DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA Portaria do Superintendente, de Designando, nos termos do artigo..., inciso..., João da Silva, Pedro da Silva e Manuel da Silva para, sob a presidência do primeiro, constituírem Comissão de Sindicância destinada a apurar... Esta portaria entrará em vigor na data de sua publicação. Se a finalidade específica da portaria é designar uma comissão, esta não deverá ser numerada nem articulada, conforme define a L.C A referência sobre a vigência ("Esta portaria entrará em vigor na data de sua publicação") não é finalidade mas sim conseqüência. Todo ato 12

13 administrativo, salvo os que contenham data de vigência retroativa ou postergada, entra em vigor na data de sua publicação. Respalda ainda esta argumentação o artigo 112 do Capítulo I da Constituição do Estado de São Paulo ao registrar: "A publicação dos atos não normativos poderá ser resumida". Cuidados na redação dos extratos (sumário) Aqui não se pretende ensinar a redigir; apenas transmitir certas regras, algumas originadas de determinação legal e outras derivadas de experiência. A sua criteriosa observação contribuirá para facilitar o trabalho de todos e tornar uniformes os textos de mesma natureza, ainda que oriundos de órgãos diferentes. I Suprimir os vocábulos senhor, senhora, dona, senhorita, digníssimo, magnífico, douta, colenda, egrégia... II Escrever datas em algarismos arábicos. Exemplo: ; III Escrever números e cifras com algarismos arábicos, suprimindo-se a repetição por extenso: Exemplo: 8.383; RG ; R$ 8.929,00; R$ IV Suprimir o símbolo "nº" ou a expressão "número". Assim: L.C ; Lei 89-72; Decreto ; Res. CC 32-80; Certidão 5.381; RG etc. V Não colocar zero no início de seqüência numérica, exceto nos casos estabelecidos por determinação legal, números de inscrição ou de cadastramento codificados por sistemas computadorizados. Certo Concorrência 1-82 Errado Concorrência Certo Termo de Contrato 2-82 Errado Termo de Contrato VI Empregar, sempre que possível, abreviações e siglas consagradas pelo uso. Exemplo: FGTS Fundo de Garantia do Tempo de Serviço CRJF Certificado de Regularidade Jurídico-Fiscal Proc. Processo CJL Comissão Julgadora de Licitações OAB Ordem dos Advogados do Brasil Crea Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia D.O. Diário Oficial do Estado DOU Diário Oficial da União VII Siglas de quatro letras ou mais, pronunciáveis, deverão ser escritas em caixa alta e baixa. Exemplo: Detran, Ipesp, Consema etc. VIII Não transcrever os dispositivos legais referentes à competência de autoridade (exceção feita aos atos do Governador) porque não serão publicados. (Itens 11 e 12 do anexo do Decreto ) IX Sempre que possível, citar abreviadamente os demais dispositivos legais. 13

14 Exemplo: Lei Federal , Decreto (ou Dec.) Lei Certo E não: Lei 8.666, de 21 de junho de 1993 Decreto , de 30 de dezembro de 1963 Lei , de 28 de outubro de 1968 Listagens (sumário) As listagens de nomes de empresas ou de pessoas deverão ser elaborados em ordem alfabética para facilitar a leitura e de maneira corrida para melhor aproveitamento do espaço em cada linha. Exemplo: João da Silva, Antonio de Almeida, José Dias Camargo, Pedro Mariano Errado Certo Antonio de Almeida, João da Silva, José Dias Camargo, Pedro Mariano Instruções gerais (sumário) A melhor forma para elaboração de um texto, seja ele legal ou convencional, é o conhecimento perfeito do assunto a ser tratado. Sem saber sobre o que se escreve, jamais seremos perfeitamente entendidos, porque não temos idéia do conteúdo da informação. É bem verdade que podemos "copiar" tópicos semelhantes de situações parecidas, mas sempre corremos o risco de desvirtuar o objetivo principal. Não existe ainda uma "rigorosa classificação das fórmulas de redação oficial, de acordo com o aspecto essencial dos atos a quem servem de expediente". Assim, cabe-nos adaptar à nossa legislação, a nomenclatura e a destinação que se aplicam ao Estado de São Paulo. Para simplificar esse entendimento, reunimos nos verbetes adiante, em ordem alfabética, os tipos de publicação mais comuns no Diário Oficial do Estado - Poder Executivo, Seções I e II. As explicações técnicas foram extraídas do livro "Prontuário de Redação Oficial", de João Luiz Ney, editado pela Editora Nova Fronteira, em 1976, 13a. edição. Como explica aquele autor, não existe ainda uma "rigorosa classificação das fórmulas de redação oficial, de acordo com o aspecto essencial dos atos a quem servem de expediente". Assim, cabe-nos adaptar à nossa legislação a nomenclatura e a destinação que se aplicam ao Estado de São Paulo. Os meios de simplificação apontados visam à uniformidade das publicações de modo a facilitar o entendimento, sem fugir a sua essência. 14

15

16 Nota da Redação: A publicação de convites que podem ser "afixados em local apropriado" é desnecessária, além de onerosa ao Diário Oficial. DECISÃO------[ Deliberação de órgão colegiado sobre assunto que, em razão de sua competência regimental, deva examinar, apreciar e decidir. Designa, também, a última fase do processo administrativo, chamada julgamento. Nesta fase, a autoridade competente se pronuncia condenando ou absolvendo o indiciado. DECRETO------[ É a forma pela qual o Chefe do Governo determina observância de regras legais, cuja execução é de competência do Poder Executivo. Destina-se a assegurar ou promover a boa ordem política, social ou administrativa. DESPACHO------[ Decisão que a autoridade profere sobre qualquer requerimento, processo ou pedido submetido à sua deliberação. Sentença interlocutória. Diz-se também do ato ou procedimento em que uma autoridade resolve, em reunião com seus auxiliares, os negócios pertinentes à entidade ou ao órgão que dirige. Não contém artigos nem deve ser numerado. EDITAL------[ É o instrumento de que se utiliza a administração para convocar funcionários ou administrados; dar avisos para conhecimento dos interessados em vários assuntos, como, por exemplo, datas de correição, abertura de concursos, tomadas de preços ou concorrências, correições etc. EMENTA------[ Parte do preâmbulo de lei, decreto, resolução, acórdão, decisão ou parecer, na qual é sintetizado o conteúdo do ato que ela encabeça, em destaque ou em grifo, no respectivo tope. Esse resumo da matéria versada visa a permitir o fácil e imediato conhecimento do conteúdo do ato. INSTRUÇÃO------[ Ato administrativo determinatório ou elucidatório, de caráter específico ou geral, expedido por autoridade competente, consubstanciando normas executivas, detalhando procedimentos ou concorrendo para a inteligência ou entendimento de dispositivo legal ou regulamentar, para a sua fiel execução na respectiva esfera administrativa. Pode ser articulada. LEI------[ É a manifestação da vontade do Estado, no exercício de seu Poder Legislativo. Pode ter conteúdo normativo ou a matéria legislada. LEILÃO------[ É a modalidade de licitação entre quaisquer interessados, para a venda de bens inservíveis para a administração ou de produtos legalmente apreendidos ou penhorados, ou para alienação de bens imóveis, a quem oferecer maior lance, igual ou superior ao da avaliação. Publica-se com antecedência mínima de 15 dias da data do evento. LICITAÇÃO------[ Processo seletivo feito pela Administração entre os concorrentes a prestar-lhe determinado serviço, a executar uma obra ou a fornecer-lhe bens de que ela necessita para efetivar os seus cometimentos, permitindo-se, por esse processo, escolher, entre aqueles, o que lhe ofereça melhor vantagem ou maior proveito, de acordo com a lei. São modalidades de licitação: a concorrência; a tomada de preços; o convite; o concurso e o leilão. 16

17 PORTARIA------[ Ato administrativo por meio do qual a autoridade responsável por órgão ou entidade do Poder Público determina providências de caráter administrativo; dá instruções sobre a execução de ordenamentos legais ou de disposições regulamentares; designa ou dispensa servidores; disciplina procedimentos; aplica penas disciplinares ou, de modo geral, dispõe sobre qualquer assunto de sua competência regimental ou delegada. RESOLUÇÃO------[ É deliberação administrativa de competência exclusiva de Secretários de Estado (Inciso II do Artigo 1º do Decreto ). É o instrumento pelo qual os Secretários de Estado manifestam sua vontade. À semelhança das portarias, pode ou não ser articulada. TOMADA DE PREÇOS------[ É a modalidade de licitação entre interessados previamente cadastrados ou que atenderem a todas as condições exigidas para cadastramento até o terceiro dia anterior à data do recebimento das propostas, observada a necessária qualificação. (Parágrafo 2º do artigo 22 da Lei ). Publica-se com antecedência mínima de 15 dias da data do evento. DIÁRIO OFICIAL - PODER EXECUTIVO SEÇÃO II (sumário) A Seção II foi criada para racionalizar as publicações do Diário Oficial - Poder Executivo. Nela são inseridas apenas as matérias que dizem respeito à vida funcional do servidor, desde que ele inicia no serviço público até o momento em que ele se desliga de suas atividades, seja pela aposentadoria, exoneração ou dispensa. Durante sua vida funcional vão surgindo publicações a seu respeito, tais como mudança de referência na escala de vencimentos, licença-prêmio, promoção etc. Essas publicações podem ser feitas individualmente, quando se referem a um só servidor, ou coletivamente, quando aparecem os nomes de vários servidores. Este é um aspecto principal que caracteriza a matéria destinada à Seção II: sempre aparece o nome do servidor. Orientações básicas (sumário) A exemplo do que ocorre na Seção I, devem-se observar algumas regras especiais para a publicação de atos na Seção II. Aqui as orientações básicas são as seguintes: Verificar se o ato está em condições de ser publicado, de acordo com os dispositivos legais do Decreto , de 16 de setembro de 1997, e seu anexo. Os principais pontos a serem observados são os seguintes: 1 Os atos administrativos obedecerão à denominação específica determinada nos artigos 1º e 2º do Decreto , de 16 de setembro de Não será usado o vocábulo "ato" para designar manifestação de autoridade. 17

18 3 As resoluções, portarias, apostilas e despachos de caráter funcional serão publicados em resumo e sem numeração, identificando-se pela data. 4 Os atos de mesma natureza que abranjam vários servidores serão objeto de um só instrumento, evitando-se a divulgação unitária, principalmente nos casos em que os preâmbulos desses atos sejam idênticos. 5 Os atos administrativos serão publicados apenas uma vez, salvo aqueles que disponham de determinação legal em contrário. 6 Serão suprimidos os vocábulos senhor, senhora, dona, senhorita, douta, egrégia, colenda e outros, bem como os de tratamento a autoridades, tais como excelentíssimo, magnífico, digníssimo etc. 7 A expressão "no uso de suas atribuições legais" só será admitida nos decretos. 8 As referência às disposições legais que atribuem competência a autoridade abaixo do Governador do Estado não serão publicadas. 9 Os números e cifras serão grafados em algarismos, suprimindo-se a repetição por extenso. 10 As listagens de nomes deverão ser elaboradas em ordem alfabética para facilitar a leitura e de maneira corrida para melhor aproveitamento de espaço em cada linha. Na Seção II, todos os atos atinentes a pessoal resoluções, portarias, apostilas, despachos devem ser simplificados, não contendo números nem artigos. Quanto aos tipos de atos, as publicações podem ser denominadas como: A )-- Decreto --[ Quando a expedição do ato é de competência exclusiva do Governador do Estado (artigo 1º do Decreto ). Na Seção II os decretos aparecem agrupados no início do jornal, na parte de Atos do Governador, e são publicados na mesma ordem de secretarias definida no resumo da edição; B )-- Resoluções --[ Quando os atos são expedidos pelos Secretários de Estado, também com competência exclusiva (artigo 1º do Decreto ). C )-- Portarias --[ Quando expedidas pelas demais autoridades com competência para tal; D )-- Apostilas --[ Quando as publicações constituem adendos a outros atos já publicados, como, por exemplo, a apostila ao ato de nomeação para alterar o nome da funcionária que contrai matrimônio; E )-- Despachos --[ Quando são decisões tomadas pelas autoridades em determinadas situações, como, por exemplo, a autorização para gozo de licença-prêmio (artigos 209 a 213 do EFP). Tipos de decretos, resoluções ou portarias (sumário) São listados a seguir os principais tipos de atos, em ordem alfabética, sem a preocupação de classificá-los, pois, de acordo com as circunstâncias, podem aparecer como decreto e, principalmente, como 18

19 resolução ou portaria. Estão colocados no gerúndio na forma como aparecem nos extratos: Admitindo Aplicando penalidade Arbitrando gratificação Autorizando Autorizando a ocupação de residência Cessando Classificando em Concedendo Concedendo licença (com ou sem vencimentos) Concedendo licença-prêmio Convocando para a prestação de serviços extraordinários Designando Designando para posto de trabalho Exonerando Fixando sede de exercício Removendo Transferindo Esta listagem tem apenas efeito exemplificativo, pois os casos são em número muito maior. Exemplos: SECRETARIA DE RELAÇÕES DO TRABALHO Decreto de Nomeando, nos termos do art. 20, I, da L.C , o (s) adiante identificado(s), para exercer(em), em comissão e em Jornada Completa de Trabalho, o(s) cargo(s) a seguir mencionado(s), nas referências da EV-C, a que se refere a L.C do SQC-I-QSRT: CHEFE DE SEÇÃO, referência 4 Departamento de Atividades Regionais Divisão Regional de Relações do Trabalho de Marília Seção de Administração Demóstenes Antero de Tal, RG , vago em decorrência do falecimento de Antonio L. de M. ( ); GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução de Admitindo, à vista do Despacho do governador exarado no processo SCTDE 112/97 e publicado em , em virtude de habilitação em concurso público realizado pela Coordenadoria dos Institutos de Pesquisa da Secretaria da Saúde, regido pelas Instruções Especiais 4, de 1992, homologado em , e prorrogado por 2 anos, conforme Resolução publicada em , os abaixo citados, para, em Jornada Completa de Trabalho, exercerem o cargo de Auxiliar de Serviços do SQF-II, mediante o salário mensal equivalente ao Padrão 1-A, da EVNE. a que se refere a L.C. 712/93, onerando a despesa a verba própria do orçamento, ficando classificadas nas unidades a seguir mencionadas: DIVISÃO DE ADMINISTRAÇÃO DO GABINETE DO SECRETÁRIO João da Silva, RG , em vaga decorrente da dispensa de José dos Santos 19

20 SERVIÇO ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA AOS INVENTORES João Carlos de Souza, RG , em vaga decorrente da dispensa de José Durvalino dos Santos Andrade; Silas Manoel de Almeida, RG , em vaga decorrente da aposentadoria de Antonio Carlos de Carvalho Junior. ASSESSORIA TÉCNICO-LEGISLATIVA Portaria do Procurador do Estado Assessor Chefe Substituto, de Autorizando José Yonaldo, RG , Oficial Administrativo, do SQC-III-OSG-ATL, a fruir 30 dias de licença-prêmio, referente ao período de , concedida por portaria publicada no D.O. de , ficando os 60 dias restantes para gozo oportuno. Tipos de apostilas (sumário) A apostila é uma declaração que se faz, informando que algo foi acrescentado a um documento anterior. Por isso, em grande parte, as apostilas aparecem com a palavra-chave "Declarando". Exemplos: CENTRO DE RECURSOS HUMANOS Apostila da Diretora, de Declarando, nos títulos dos abaixo indicados que, em virtude de decisão judicial transitada em julgado, os interessados fazem jus ao recebimento dos gatilhos salariais referentes ao segundo semestre de 1987, nos termos da L.C. 467/88, e à correção monetária dos gatilhos pagos em atraso, efetuando-se as compensações devidas, em função do art. 17, da L.C. 535/88: Adalberto Aparecido da Silva, RG Américo Rivaldo de Souza, RG Anália de Cássia Sales Pereira, RG PENITENCIÁRIA DO ESTADO Divisão de Administração Apostilas do Diretor, de Concedendo, nos termos do artigo 3º, da L.C. 722/93, aos Agentes de Segurança Penitenciária abaixo, Adicional de Local de Exercício, correspondente ao Local III, na base de 15%, na seguinte conformidade: Rosa M. da Silva - RG , a partir de ; e Gilberto R. Soares - RG , a partir de Tipos de despacho (sumário) O despacho não precisa usar a palavra-chave no gerúndio. Seu uso é facultativo. Ele contém o número do processo, o nome do interessado, o assunto e a transcrição do despacho da autoridade. Exemplos: SERVIÇO DE ADMINISTRAÇÃO Despachos do Diretor, de Concedendo a: Odair José Monteiro, RG , TAAT, 2-D, o 5º qüinqüênio de adicional por tempo de serviço, a partir de , em virtude do 20

21 acerto de contagem de tempo de serviço, ficando retificada a publicação do D.O. de ; Silvio Alves Vieira Filho, RG , AFR, Nível I, o 1º qüinqüênio de adicional por tempo de serviço, a partir de ; Elisabeth de Oliveira, RG , TAAT, 2-C, o 2º qüinqüênio de adicional por tempo de serviço, a partir de , em virtude do acerto de contagem de tempo de serviço, ficando retificada a publicação do D.O. de ; Alcides Alves Teixeira de Moura, RG , TAAT, 2-D, o 3º qüinqüênio adicional por tempo de serviço, ficando retificada a publicação do D.O. de DEPARTAMENTO DE AUDITORIA Despacho do Diretor Técnico da AUDI-2, de SF /93 - Airton Rivaldo da Silveira, RG , Agente de Administração Pública, SQF-II-QSF, Ref. 3, Grau B EV-NS, ocupando cargo de Auditor, SQC-I-QSF, Ref. 18, da EV-C - AUDI-3 - "Nos termos requeridos e à vista das informações, defiro 15 dias de licença-prêmio, para gozo dentro de 30 dias a contar da data de publicação deste despacho." (Referente ao bloco de a a e a ) Tipos especiais de atos: (sumário) Existem pelo menos cinco tipos especiais de atos que não se enquadram nos discriminados. São eles: Demonstrativo da distribuição de conceitos avaliatórios Escala de Substituição Lista de Classificação para Promoção Termos de Contrato de Trabalho Comunicados a que se refere o RGS ou EFP Em geral são colocados após os despachos do órgão referido, antes das retificações. Exemplos: RELAÇÃO DOS CARGOS E FUNÇÕES DE DIREÇÃO, CHEFIA E ENCARREGATURA, COM A INDICAÇÃO DEVIDAMENTE APROVADA DE SEUS SUBSTITUTOS, ORGANIZA-DA DE ACORDO COM O ARTIGO 80 DO "RGS" Nº de ordem - Órgão de lotação - Cargo ou Função-Padrão - Nome do titular do Cargo ou da Função - Substitutos - nome - cargo ou funçãopadrão - Lei ou Decreto que deu Organização ao Órgão que criou a Função Departamento de Assentamento Fundiário - Diretoria - Diretor Técnico de Departamento - (cargo em comissão) - Jorge Eduardo Julio, RG º) João Leonel dos Anjos, RG Diretor Técnico de Divisão - (cargo em comissão) - Decreto /91 - Vigência a partir de 9/12/93. Comunicado a que se refere o artigo 513 RGS Agente de Telecomunicações Policial - José Alves Figueira - RG , classificado no DADG, 15 dias de licença-prêmio, para gozo 21

22 imediato, referente ao período de a a partir de Nada perde. Rescindindo Contrato de Trabalho CLT Nome : Vânia C. de M. RG : Função : Recreacionista Local : ERSA 2 - Butantã - Sede Admissão : 22/4.92 Demissão : Alteração da Relação de Cargos e Funções que comportam substituições, com indicação aprovada pelos substitutos - biênio a , publicada no D.O. de Vigência a partir de Nº DE ORDEM - UNIDADE ADMINISTRATIVA - NOME DO TITULAR - RG - CARGO/FUNÇÃO - FAIXA/NÍVEL - ESCALA DE VENCIMENTOS - NOME DO SUBSTITUTO- RG - CARGO/FUNÇÃO - FAIXA/NÍVEL - ESCALA DE VENCIMENTOS - FUNDAMENTO LEGAL DA CRIAÇÃO DO CARGO/FUNÇÃO. Excluir: 12 - Seção de Biblioteca e Documentação - Terezinha Redoma Lima Bibliotecário Chefe IV - Nível superior Virgílio Lucas Fernandes Bibliotecário III - Nível Superior Maurício Armando Ramos Bibliotecário Nível Superior - Portaria 118/89. Incluir: 12 - Seção referência, Atendimento ao Usuário e Documentação - Temístocles Lima Louro Bibliotecário Chefe IV - Nível Superior Veneranda Lopes Francisco Bibliotecário III - Nível Superior Marcela Melo Ribeiro Bibliotecário II - Nível Superior - Portaria 77/93. O que não se publica do Seção II: (sumário) Para simplificar o entendimento, relacionamos algumas das matérias que em hipótese alguma serão divulgadas neste caderno. 1 Férias, em nenhuma circunstância. Nem mesmo sustação por necessidade de serviço. 2 Elogios a servidores por sua atuação ou aposentadoria, salvo aqueles que dizem respeito aos policiais civis e militares, mencionados na alínea "d" do inciso II do artigo 6º do Decreto Devem ser resumidos, como nos demais atos administrativos. 3 Resoluções, portarias ou apostilas numeradas e com artigos. Todos os atos administrativos nesta seção identificam-se pela data. 4 Nomeação de servidores para constituição de comissão ou grupo de trabalho. Este ato sai na Seção I. 5 Contratos (exceto os de trabalho), convênios e afins. 6 Comunicados e julgamentos de licitação. 7 Despachos de homologação de licitação, concurso ou processo seletivo. 22

23 8 Abertura de editais de Tomadas de Preços e demais modalidades de licitação. 9 Concursos públicos ou processos seletivos. 10 Eventos promocionais de Secretarias ou Departamentos. O que deve ser eliminado: (sumário) 1 As atribuições de competência, não importa a forma como venham redigidas; 2 As expressões de tratamento: Sr., Sra., Dona, Senhorita, Excelentíssimo, Douta, Egrégia... 3 As expressões em extenso, após os números arábicos; 4 As repetições. Como os atos estão agrupados, não é necessário repetir o verbo inicial; 5 As redundâncias (por exemplo: Apostilas do Diretor - Apostilando). Dúvidas mais comuns: (sumário) Para esclarecer as dúvidas mais comuns com referência à Seção em que as matérias devem ser publicadas, selecionamos algumas que, embora mencionem servidores, são divulgadas na Seção I. Deve-se observar o conteúdo do ato. Se este estabelece normas ou regras, é claramente destinado à Seção I. Mas pode acontecer de não "ditarem" normas, embora seu significado se destine mais ao serviço público do que à vida funcional do servidor. São elas: a )---- designação de servidor como responsável pelo julgamento de convites; b )---- designação de membros para a Comissão de Licitação; c )---- designação de pessoa ou grupo para a recepção de materiais adquiridos; d )---- constituição de grupo de trabalho para estudo de determinado assunto, para levantamento de bens etc.; e )---- constituição de comissão especial de sindicância, como se faz na Secretaria da Educação, para apurar irregularidades em escola particular; f )---- constituição de comissão para julgamento de concurso de qualquer tipo; g )---- constituição de comissão para examinar e avaliar um bem, como acontece com obras de arte na Secretaria da Cultura; h )---- constituição de grupos que participarão da campanha de vacinação na Secretaria da Saúde; i )---- classificação de cargos vagos para as unidades administrativas. (Cargos preenchidos ou ocupados saem na Seção II. Cargos vagos saem na Seção I); j )---- despachos referentes a assuntos de interesse geral, como, por exemplo, os relacionados a concursos; l )---- resultado de sindicância, quando há absolvição ou é determinado o arquivamento do processo. Para simplificar o raciocínio e entendermos bem o que se publica na Seção II, poderíamos denominá-la de "pasta de arquivo do servidor". Ou seja, tudo que afete sua vida funcional e possa propiciar avaliação de 23

24 desempenho ou alteração de Escala de Vencimentos. Indicar um servidor para participar de comissões, grupos de trabalho ou equipes técnicas, geralmente, não altera sua vida funcional. Do mesmo modo, servidores sindicados mas absolvidos não devem ter registrados esses apontamentos em suas folhas. Quando a nomeação para grupos de trabalho ou comissões serve para contagem de pontos, esse fato gera um outro tipo de ato administrativo específico para o servidor que, obviamente, é publicado na Seção II. Transferência de cargos: (sumário) Este caso merece atenção especial. Transferência de cargos preenchidos ou ocupados sai na Seção II. Quando o ato se refere só ao cargo sai na Seção I. O primeiro movimenta o cargo e o funcionário. O segundo apenas transfere o cargo de uma unidade para outra. Exemplo 1: SERVIÇO DE RECURSOS HUMANOS Portaria do Diretor, de Transferindo para o Gabinete do Secretário o cargo de Assistente Técnico de Direção III, do SQC-I, Referência 21, Escala de Vencimentos Comissão, da Coordenadoria de Recursos Humanos, vago em decorrência da exoneração de Irene da Silva. A criação de cargos na administração pública só pode ocorrer por meio de lei. Só o Legislativo tem poderes para criar cargo público e isso é um procedimento que envolve ampla discussão. Assim, a administração tem de adaptar-se às circunstâncias imediatas. A exemplo do que ocorre na iniciativa privada, os cargos são movimentados de acordo com o interesse da administração. Quando em uma unidade surge uma vaga que pode ser eliminada, transfere-se essa vaga para outro local. No exemplo 1, o cargo vago foi transferido para o Gabinete do Secretário porque, depois que sua ocupante (Irene Silva) foi exonerada, verificou-se que a atividade por ela exercida poderia ser suprimida ou absorvida por outras pessoas do setor. Desse modo, a razão determina que o cargo não sendo mais necessário em sua unidade-base, pode ser mais bem aproveitado em outra área da administração. Isso significa que o cargo ora vago poderá ser novamente preenchido em outra área de atuação, mediante concurso. O assunto, portanto, é de interesse geral. E sai na Seção I. Exemplo 2: Portaria do Diretor, de Transferindo um cargo de Prof. III SQC II QM SE, classificado na EEPSG Culto à Ciência, 1.a D.E. de Campinas, a partir de , provido por Marlene Villarmosa dos Santos, para a EEPSG São Tomás de Aquino, da 2ª D.E. de Campinas. No exemplo 2, a situação é idêntica, só que a servidora Marlene dos Santos foi transferida junto com o cargo. A servidora passará a exercer sua atividade (que pode ser a mesma ou outra qualquer) em uma 24

25 unidade nova. Isso, portanto, deve ser registrado em seu prontuário. Conseqüentemente, sai na Seção II. Legislação citada CONSTITUIÇÃO FEDERAL (sumário) SEÇÃO I Disposições Gerais Artigo 37 - A administração pública direta, indireta ou fundacional, de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e, também, ao seguinte: (grifos nossos) XXI Parágrafo 1º - A publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, dela não podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos. (grifo nosso) CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO (sumário) CAPÍTULO I Da Administração Pública Artigo As leis e atos administrativos externos deverão ser publicados no órgão oficial do Estado, para que produzam os seus efeitos regulares. A publicação dos atos não-normativos poderá ser resumida. (grifo nosso) Artigo A administração é obrigada a fornecer a qualquer cidadão, para a defesa de seus direitos e esclarecimentos de situações de seu interesse pessoal, no prazo máximo de dez dias úteis, certidão de atos, contratos, decisões ou pareceres, sob pena de responsabilidade da autoridade ou servidor que negar ou retardar a sua expedição. No mesmo prazo deverá atender às requisições judiciais, se outro não for fixado pela autoridade judiciária. LEI COMPLEMENTAR Nº 60, DE 10 DE JULHO DE 1972 (sumário) Fixa normas técnicas a serem observadas na elaboração de leis e decretos. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei complementar: Artigo 1º - As leis e decretos serão numerados em séries distintas, sem renovação anual. Parágrafo 1º - As leis complementares terão numeração própria. Parágrafo 2º - O decreto não-articulado, cujo cumprimento lhe exaura a finalidade específica, não será numerado, identificando-se pela data. 25

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 163, DE 21 DE OUTUBRO DE 2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 163, DE 21 DE OUTUBRO DE 2013 Publicada no Boletim de Serviço, n. 11, p. 6-14 em 13/11/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 163, DE 21 DE OUTUBRO DE 2013 Dispõe sobre a administração de bens móveis patrimoniais no âmbito da Secretaria do Supremo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 265/2009

RESOLUÇÃO Nº 265/2009 RESOLUÇÃO Nº 265/2009 EMENTA: Dispõe sobre a concessão e pagamento de diárias a magistrados e servidores, no âmbito do Poder Judiciário do Estado de Pernambuco, e dá outras providências. A CORTE ESPECIAL

Leia mais

Como prefeituras e câmaras podem criar e gerenciar os seus Diários Oficiais Eletrônicos próprios

Como prefeituras e câmaras podem criar e gerenciar os seus Diários Oficiais Eletrônicos próprios Como prefeituras e câmaras podem criar e gerenciar os seus Diários Oficiais Eletrônicos próprios 1 A maioria dos Prefeitos e Presidentes de Câmaras de Vereadores não sabe que podem criar o Diário Oficial

Leia mais

Redação Oficial. Curso de Secretariado Escolar. Professor: Elir Ferrari

Redação Oficial. Curso de Secretariado Escolar. Professor: Elir Ferrari Curso de Secretariado Escolar Professor: Elir Ferrari Índice 1. Ata... 3 2. Requerimento... 6 3. Declaração / Atestado... 8 4. Recibo... 9 5. Circular... 11 6. Memorando / Correspondência Interna (CI)...

Leia mais

Art. 2º Recebidos os ofícios requisitórios (precatórios) da Autarquia, estes serão remetidos, de imediato, à Procuradoria Jurídica.

Art. 2º Recebidos os ofícios requisitórios (precatórios) da Autarquia, estes serão remetidos, de imediato, à Procuradoria Jurídica. NORMA DE EXECUÇÃO/INCRA/Nº 14, DE 31 DE MAIO DE 2001 (Publicação: Diário Oficial n 110-E, de 7/6/2001, seção 1, pág. 123 e Boletim de Serviço n 24, de 11/6/2001) Estabelece procedimentos técnicos e administrativos

Leia mais

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA A 1 CNPJ 04.214.41910001-05 DECRETO N 3.091, DE 05 DE JANEIRO DE 2014. "Dispõe sobre a estrutura organizacional da Procuradoria Geral do Município ". O PREFEITO MUNICIPAL DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES,, no

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.11.062985-4/001 Númeração 0629854- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Armando Freire Des.(a) Armando Freire 28/10/2014 10/11/2014 EMENTA:

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS EDITAL Nº 35, de 07 de outubro de 2011. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA ADMISSÃO DE GRADUADOS E TRANSFERIDOS

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL Inspetoria 1 DIVISÃO 1

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL Inspetoria 1 DIVISÃO 1 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL Inspetoria 1 DIVISÃO 1 PROCESSO Nº: REP 11/00278840 UNIDADE GESTORA: PREFEITURA MUNICIPAL DE TIJUCAS INTERESSADO:

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO SISTEMA ESTADUAL DE ANÁLISE DE DADOS - SEADE

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO SISTEMA ESTADUAL DE ANÁLISE DE DADOS - SEADE ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO SISTEMA ESTADUAL DE ANÁLISE DE DADOS - SEADE CAPÍTULO I Da Fundação e seus objetivos Artigo 1º - A Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados SEADE, rege-se por estes Estatutos,

Leia mais

MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA/BA

MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA/BA Dispõe sobre o Plano de Carreira e Remuneração dos Servidores da Administração Direta, das Autarquias e Fundações Públicas do Município de Vitória da Conquista, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Ato: Resolução Nº 009/2010- CONSUP

REGIMENTO INTERNO Ato: Resolução Nº 009/2010- CONSUP Pág. 1 de 10 DO PROGRAMA DE PÓS- DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1 o A Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação é o órgão

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO 1 CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PORTO VELHO, POR INTERMÉDIO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES E TRÂNSITO/SEMTRAN, DE UM LADO, E DE OUTRO O ESTADO DE RONDÔNIA, POR INTERMÉDIO DA SECRETARIA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Comunicação Social Secretaria de Gestão, Controle e Normas Departamento de Normas

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Comunicação Social Secretaria de Gestão, Controle e Normas Departamento de Normas PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Comunicação Social Secretaria de Gestão, Controle e Normas Departamento de Normas NOTA TÉCNICA Nº 03/2011/DENOR/SGCN/SECOM-PR Brasília, 09 de maio de 2011. Referência:

Leia mais

DECRETO N.º 19.259, DE 31 DE OUTUBRO DE 1997.

DECRETO N.º 19.259, DE 31 DE OUTUBRO DE 1997. DECRETO N.º 19.259, DE 31 DE OUTUBRO DE 1997. Dispõe sobre o Regulamento e a Estrutura Básica da Secretaria Extraordinária do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e Minerais, e dá outras providências.

Leia mais

LEI Nº 6.371 DE 18 DE MARÇO DE 1992. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 6.371 DE 18 DE MARÇO DE 1992. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Imprimir "Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial do Estado." Revogada pelo art. 29 da Lei nº 7.033, de 06 de fevereiro de 1997. LEI Nº 6.371 DE 18 DE MARÇO DE 1992 Dispõe sobre os Juizados

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA DE OLHO D'ÁGUA DO BORGES - RN

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA DE OLHO D'ÁGUA DO BORGES - RN Orgão/Unidade: 01.001 CAMARA MUNICIPAL 319034000000 - OUTRAS DESPESAS DE PESSOAL DECORRENTES DE CONTRATO 32215 /2013-1 1-ORD 4 01.001.01.031.0001.2001.319034000000 25/03/2013 F. WILTON CAVALCANTE MONTEIRO

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000026 - COMUNICACAO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000026 - COMUNICACAO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000026 - COMUNICACAO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nivel: Superior Area Profissional: COMUNICACAO Area de Atuacao: EDITORACAO/COMUNICACAO

Leia mais

* DECRETO Nº 21.459, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2009. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais,

* DECRETO Nº 21.459, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2009. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais, Governo do Estado do Rio Grande do Norte Gabinete Civil Coordenadoria de Controle dos Atos Governamentais * DECRETO Nº 21.459, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2009. Institui o Programa Estadual de Proteção a Vitimas

Leia mais

ACÓRDÃO. VISTOS, relatados e discutidos estes autos.

ACÓRDÃO. VISTOS, relatados e discutidos estes autos. AC no 200.2010.014.406-8/001 1 jn:idá-j Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL No 200.2010.014.406-8/001

Leia mais

PORTARIA MME Nº 349, DE 28 DE NOVEMBRO DE 1997

PORTARIA MME Nº 349, DE 28 DE NOVEMBRO DE 1997 PORTARIA MME Nº 349, DE 28 DE NOVEMBRO DE 1997 Aprova o regimento interno da Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. (com anexo) O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso da atribuição que lhe

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA UFGD

PLANO DE AÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA UFGD MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS GRUPO DE TRABALHO DE IMPLANTAÇÃO PLANO DE AÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA UFGD AÇÕES EXECUTORES PERÍODO ESTRATÉGIA Resultados/Observações 1. Elaboração

Leia mais

Despachante Aduaneiro

Despachante Aduaneiro Mercadores Despachante Aduaneiro Coletânea (Normas Vigentes) Versão 2.01 - Fevereiro de 2012 Atualizada até: Instrução Normativa RFB nº 1.209, de 7 de novembro de 2011 Paulo Werneck mercadores.blogspot.com

Leia mais

DECRETO Nº 45.992, DE 22 DE JUNHO DE 2005

DECRETO Nº 45.992, DE 22 DE JUNHO DE 2005 DECRETO Nº 45.992, DE 22 DE JUNHO DE 2005 Dispõe sobre o Conselho Municipal de Informática, o Sistema de Tecnologia da Informação, a aquisição e a contratação de bens e serviços de informática. JOSÉ SERRA,

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA REGISTRO DE DIPLOMAS DA PÓS-GRADUAÇÃO

INSTRUÇÕES PARA REGISTRO DE DIPLOMAS DA PÓS-GRADUAÇÃO INSTRUÇÕES PARA REGISTRO DE DIPLOMAS DA PÓS-GRADUAÇÃO Atualizado em novembro de 2012. MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REGISTRO DE DIPLOMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO (MESTRADO E DOUTORADO) REITOR Reinaldo Centoducatte

Leia mais

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 1, DE 15 DE ABRIL DE 2011

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 1, DE 15 DE ABRIL DE 2011 SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 1, DE 15 DE ABRIL DE 2011 O SECRETÁRIO DE RECURSOS HUMANOS DO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, no uso da competência que lhe confere

Leia mais

SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS Equipe de Assistência Técnica MANUAL DRHU/SAP ASSUNTO:

SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS Equipe de Assistência Técnica MANUAL DRHU/SAP ASSUNTO: MANUAL DRHU/SAP ASSUNTO: FOLHA DE PAGAMENTO (Noções básicas) 1 FOLHA DE PAGAMENTO (Noções básicas) SISTEMA DA FOLHA DE PAGAMENTO Objetivando melhorar a eficiência, agilidade e segurança, no processamento

Leia mais

Imprensa Eletrônica. Caderno 02: CONTAS PÚBLICAS

Imprensa Eletrônica. Caderno 02: CONTAS PÚBLICAS Neste veiculo podem ser lidos todos os atos oficiais do Prefeitura de Conceição do Almeida-BA ano vi edição extraordinária Documento assinado digitalmente conforme MP no- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO Nº 06/2015

EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO Nº 06/2015 EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO Nº 06/2015 A FUNPEC Fundação Norte-rio-grandense de Pesquisa e Cultura informa que se encontra aberto o Processo Seletivo 06/2015, destinado a recrutar e selecionar

Leia mais

PORTARIA Nº 60, DE 25 DE JANEIRO DE 2010

PORTARIA Nº 60, DE 25 DE JANEIRO DE 2010 PORTARIA Nº 60, DE 25 DE JANEIRO DE 2010 Estabelece orientações e procedimentos a serem adotados na celebração de Contratos, Termos de Cooperação, Acordos de Cooperação Técnica e outros instrumentos congêneres,

Leia mais

Total (F. corrente + intermediária) 4 - FORMAÇÃO, APERFEIÇOAMENTO, ESPECIALIZAÇÃO 4-1 - CURSOS

Total (F. corrente + intermediária) 4 - FORMAÇÃO, APERFEIÇOAMENTO, ESPECIALIZAÇÃO 4-1 - CURSOS 4 - FORMAÇÃO, APERFEIÇOAMENTO, ESPECIALIZAÇÃO 4-1 - CURSOS A) - Comunicados e informes B) - Material gráfico (cartaz, folder, catálogo) C) - Mala direta (formulário para o cadastro de interessados) D)

Leia mais

PROGRAMA DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL - PLAN-ASSISTE EDITAL DE CREDENCIAMENTO

PROGRAMA DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL - PLAN-ASSISTE EDITAL DE CREDENCIAMENTO PROGRAMA DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL - PLAN-ASSISTE EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 01/2015 Regido pela Lei Nº 8.666/93. Objeto PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA MÉDICA, MÉDICO- HOSPITALAR, PARAMÉDICA,

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Gestão Coordenadoria de Gestão de Pessoas Coordenação de Administração de Pessoas

Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Gestão Coordenadoria de Gestão de Pessoas Coordenação de Administração de Pessoas PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Gestão Coordenadoria de Gestão de Pessoas Coordenação de Administração de Pessoas Cartão de Ponto O

Leia mais

Portaria CAT nº 53, de 12-08-1996 (DOE de 27-08-96 Retificação - DOE de 31-08-96)

Portaria CAT nº 53, de 12-08-1996 (DOE de 27-08-96 Retificação - DOE de 31-08-96) Portaria CAT nº 53, de 12-08-1996 (DOE de 27-08-96 Retificação - DOE de 31-08-96) Dispõe sobre a utilização de crédito acumulado do ICMS. O Coordenador da Administração Tributária, no uso de suas atribuições

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 001844 - TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLV.DE SISTEMAS Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 001844 - TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLV.DE SISTEMAS Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 001844 - TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLV.DE SISTEMAS Nivel: Superior Area Profissional: 0018 - INFORMATICA Area de Atuacao: 0021 - OPERACAO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 16, DE 04 DE SETEMBRO DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 16, DE 04 DE SETEMBRO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 16, DE 04 DE SETEMBRO DE 2015 Publicado no DOE (Pa) de 08.09.15. Revogada pela IN 17/15, efeitos a partir de 11.09.15. Estabelece procedimentos para a fruição do benefício fiscal

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 76, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2014

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 76, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2014 INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 76, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2014 Dispõe sobre os procedimentos complementares relativos à jornada de trabalho e ao controle de assiduidade e pontualidade

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER COGESP/SEORI/AUDIN MPU Nº 1.435/2013

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER COGESP/SEORI/AUDIN MPU Nº 1.435/2013 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER COGESP/SEORI/AUDIN MPU Nº 1.435/2013 Referência : Processo MPF nº 1.33.000.001397/2013-83. Assunto : Vacância.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DA CÂMARA MUNICIPAL DE PAPANDUVA

DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DA CÂMARA MUNICIPAL DE PAPANDUVA DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DA CÂMARA MUNICIPAL DE PAPANDUVA (conforme dispõe a Resolução n. 001/2008, de 27 de junho de 2008) Grau de instrução¹ Da Gratificação por Grau de Instrução

Leia mais

RELATÓRIO. Os documentos obrigatórios de prestação de contas deram entrada dentro do

RELATÓRIO. Os documentos obrigatórios de prestação de contas deram entrada dentro do Processo : Nº630042009-00 Origem : Fundo Municipal de Saúde de Rio Maria Assunto: Prestação de Contas Anuais de Gestão exercício de 2009 Instrução: 6ªControladoria Ordenador: Edimilson Batista Alves Procuradoria:

Leia mais

Exmo. Sr. Delegado Regional do Trabalho em São Paulo

Exmo. Sr. Delegado Regional do Trabalho em São Paulo Exmo. Sr. Delegado Regional do Trabalho em São Paulo SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ESCOVAS E PINCÉIS DE SÃO PAULO e SINDICATO DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS DE JUNCO E VIME E VASSOURAS E DE ESCOVAS

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 1.247/MD, DE 2 DE SETEMBRO DE 2008

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 1.247/MD, DE 2 DE SETEMBRO DE 2008 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 1.247/MD, DE 2 DE SETEMBRO DE 2008 Disciplina a ocupação de cargos e funções militares, a concessão da Gratificação de Exercício em Cargo

Leia mais

SERVIDOR PÚBLICO. Pode-se dizer que são três as categorias de servidor público:

SERVIDOR PÚBLICO. Pode-se dizer que são três as categorias de servidor público: SERVIDOR PÚBLICO São servidores públicos, em sentido amplo, as pessoas físicas que têm vínculo de trabalho com a Administração Municipal, seja direta ou indireta, mediante remuneração paga pelos cofres

Leia mais

BRASÍLIA / DF 21 DE OUTUBRO DE 2013

BRASÍLIA / DF 21 DE OUTUBRO DE 2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA - INEP DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA Coordenação-Geral de Exames de Certificação EDITAL Nº 09/2013

Leia mais

Associação Técnico Científica Ernesto Luiz de Oliveira Junior ATECEL

Associação Técnico Científica Ernesto Luiz de Oliveira Junior ATECEL Associação Técnico Científica Ernesto Luiz de Oliveira Junior ATECEL Entidade declarada de utilidade pública pelas leis municipal n o. 03-B/74-GP de 15.03.74 e estadual no. 3738 de 20.12.74 ESTATUTO Associação

Leia mais

PORTARIA Nº. 93, DE 27 DE JUNHO DE 2008.

PORTARIA Nº. 93, DE 27 DE JUNHO DE 2008. PORTARIA Nº. 93, DE 27 DE JUNHO DE 2008. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso das atribuições legais que lhe confere a Lei Complementar nº. 214, de 23 de junho de 2005, que cria a Secretaria

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 16/2014/CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 16/2014/CM PROVIMENTO N. 16/2014/CM Cria o Serviço Voluntário do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso, sob a denominação Programa Judiciário Voluntário. O Conselho da Magistratura do Estado de Mato Grosso,

Leia mais

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO...

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO... FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO ÍNDICE CAPÍTULO I - DO OBJETO...2 CAPÍTULO II - DA INSCRIÇÃO...3 CAPÍTULO III - DOS

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

Aberta a audiência, por ordem da MMa. Juíza, foram apregoadas as partes, ausentes.

Aberta a audiência, por ordem da MMa. Juíza, foram apregoadas as partes, ausentes. ATA DE AUDIÊNCIA RELATIVA AO PROCESSO N.º 0001234-66.2011.5.19.0005 Aos 12 dias do mês de dezembro do ano de 2011, às 17h00min, realizou-se audiência na sede da 5ª Vara do Trabalho de Maceió, na presença

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000026 - COMUNICACAO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000026 - COMUNICACAO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000026 - COMUNICACAO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nivel: Superior Area Profissional: 0006 - COMUNICACAO Area de Atuacao: 0110 - EDITORACAO/COMUNICACAO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º783/2007. (publicada no DOE nº 194, de 11 de outubro de 2007) Define as políticas para o uso

Leia mais

Portaria " N" Sesc n2536/ 2013

Portaria  N Sesc n2536/ 2013 Portaria " N" Sesc n2536/ 2013 Dispoe sobre comissoes de licitacao, pesquisas de precos, formalizacao dos autos dos processos de contratos em geral, fundo rotativo, fundo de caixa e adiantamento de numerario

Leia mais

MUNICIPAL DA PRODUÇÃO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO 01.019810.98.9.000 - COMISSÃO MUNICIPAL DE SERVIÇOS FUNERÁRIOS

MUNICIPAL DA PRODUÇÃO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO 01.019810.98.9.000 - COMISSÃO MUNICIPAL DE SERVIÇOS FUNERÁRIOS Parecer nº P1032/2001 Processo nº 01.019810.98.9.000 Requerente: SECRETARIA MUNICIPAL DA PRODUÇÃO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO - COMISSÃO MUNICIPAL DE SERVIÇOS FUNERÁRIOS Assunto: Concessão da gratificação do

Leia mais

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: EDUCAÇÃO

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: EDUCAÇÃO CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: EDUCAÇÃO ENTIDADES ABRANGIDAS: Entidades que prestam serviços preponderantemente na área da educação podem requerer a

Leia mais

COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO

COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO-LATO-SENSU DA FACULDADE VINHINHANÇA VALE DO IGUAÇU VIZIVALI/PR DOIS VIZINHOS/PR MARÇO DE 2013 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 4 FINALIDADES

Leia mais

ATESTADO COMO FAZER? A redação de um atestado apresenta a seguinte ordem: ATESTADO

ATESTADO COMO FAZER? A redação de um atestado apresenta a seguinte ordem: ATESTADO ATESTADO É um documento em que se confirma ou assegura a existência ou inexistência de uma situação de direito, de que temos conhecimento, referente a alguém, ou sobre um fato e situação. É dizer por escrito,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 25/2014 Regulamenta a política de afastamento para qualificação e capacitação do Pessoal Técnico- Administrativo,

Leia mais

CENTRO DE ENSINO UNIFICADO DO MARANHÃO - CEUMA CENTRO UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO UNICEUMA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO

CENTRO DE ENSINO UNIFICADO DO MARANHÃO - CEUMA CENTRO UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO UNICEUMA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO ODONTOLOGIA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO Art. 1 º. O Programa de Pós-Graduação Stricto sensu em nível de Mestrado,

Leia mais

CODEVASF MINUTA DA ATA DE REGISTRO DE PRECOS PREGAO ELETRONICO POR REGISTRO DE PRECOS N 2 1/2015 PROCESSO N 2 59500.000117/2014-17

CODEVASF MINUTA DA ATA DE REGISTRO DE PRECOS PREGAO ELETRONICO POR REGISTRO DE PRECOS N 2 1/2015 PROCESSO N 2 59500.000117/2014-17 MINUTA DA ATA DE REGISTRO DE PRECOS PREGAO ELETRONICO POR REGISTRO DE PRECOS N 2 /205 PROCESSO N 2 59500.0007/2047 Aos 2 dias de marco do ano de 205, a COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SAO FRANCISCO

Leia mais

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física)

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física) Lista de Dcuments Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de aliments Dcuments para estabeleciments cmerciais (pessa física) 1) Ficha de Inscriçã Cadastral, preenchida na própria VISA; 2) Cópia

Leia mais

- FACULDADES PROMOVE E INFÓRIUM - MANUAL DE INSTRUÇÕES COLAÇÃO DE GRAU

- FACULDADES PROMOVE E INFÓRIUM - MANUAL DE INSTRUÇÕES COLAÇÃO DE GRAU - FACULDADES PROMOVE E INFÓRIUM - MANUAL DE INSTRUÇÕES COLAÇÃO DE GRAU APRESENTAÇÃO A conclusão de um curso superior é a celebração de uma grande conquista na vida do acadêmico. Tem grande importância;

Leia mais

RG.PROAC.001.10.00 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INTERCÂMBIO ACADÊMICO PIA. Nome Cargo Assinatura PRÓ REITORA ACADÊMICA

RG.PROAC.001.10.00 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INTERCÂMBIO ACADÊMICO PIA. Nome Cargo Assinatura PRÓ REITORA ACADÊMICA DO PROGRAMA DE INTERCÂMBIO ACADÊMICO PIA Etapas Autorização Responsável Nome Cargo Assinatura Proposição MARIANA FREITAS Análise Crítica FLORENCE HEBER MIDIAN GARCIA SILVIO BELLO COORDENADORA DE EDUCAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE RECURSOS HUMANOS

REGIMENTO INTERNO DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO DE RECURSOS HUMANOS Dispõe sobre as Diretrizes de Recursos Humanos da Ong Samaritano São Francisco de Assis e dá outras providencias correlatas. Introdução Artigo 1º - O presente Regimento

Leia mais

ANEXO II Programa Mais Professores FUSVE-USS 2016 Documentos Necessários para Requerimento de Bolsa de Estudos

ANEXO II Programa Mais Professores FUSVE-USS 2016 Documentos Necessários para Requerimento de Bolsa de Estudos ANEXO II Programa Mais Professores FUSVE-USS 2016 Documentos Necessários para Requerimento de Bolsa de Estudos Os estudantes ou responsáveis legais obrigam-se a efetuar a entrega dos seguintes documentos

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI N.º 6.259, DE 31 DE JULHO DE 2001. ALTERA DISPOSITIVOS DA LEI N.º 6.192 DE 29 DE AGOSTO DE 2000, QUE DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA DA SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA,

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL ENSINO EM SAÚDE DA FAMEMA

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL ENSINO EM SAÚDE DA FAMEMA 1 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL ENSINO EM SAÚDE DA FAMEMA (Aprovado pelo Parecer Congregação da FAMEMA, 01de abril de 2013) 2 SUMÁRIO DOS OBJETIVOS...3 DO CONSELHO

Leia mais

LEI Nº 7.543, DE 20 DE JULHO DE 2011

LEI Nº 7.543, DE 20 DE JULHO DE 2011 LEI Nº 7.543, DE 20 DE JULHO DE 2011 Publicada no DOE(Pa) de 21.07.11. Alterada pela Lei 8.096/15. Vide extinção, criação e alterações de denominação de órgãos e entidades do Poder Executivo Estadual na

Leia mais

PORTARIA Nº 486, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 486, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012 Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Gabinete da Presidência PORTARIA Nº 486, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012 Aprova o Regimento Interno do Conselho Consultivo do Patrimônio

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 13/11/2009, Seção 1, Pág. 9. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 13/11/2009, Seção 1, Pág. 9. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 13/11/2009, Seção 1, Pág. 9. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Thierry Jacques Lemaire UF: BA ASSUNTO: Solicita

Leia mais

MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS

MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º A FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS -

Leia mais

REGULAMENTO COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO (CPG) Artigo 1º A promoção, a coordenação e a supervisão das atividades de pesquisa e

REGULAMENTO COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO (CPG) Artigo 1º A promoção, a coordenação e a supervisão das atividades de pesquisa e REGULAMENTO COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO (CPG) Artigo 1º A promoção, a coordenação e a supervisão das atividades de pesquisa e ensino na área das Ciências da Saúde, em regime de Pós-Graduação (PG) senso estrito,

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE FORMULÁRIOS DISPONÍVEIS NA INTERNET

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE FORMULÁRIOS DISPONÍVEIS NA INTERNET 0 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA DIRETORIA DE PESSOAL - DIVISÃO DE SELEÇÃO E ALISTAMENTO CONCURSO PÚBLICO SD PM 2ª CLASSE INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE FORMULÁRIOS DISPONÍVEIS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 404, DE 12 DE JUNHO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 404, DE 12 DE JUNHO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 404, DE 12 DE JUNHO DE 2012 Dispõe sobre padronização dos procedimentos administrativos na lavratura de Auto de Infração, na expedição de notificação de autuação e de notificação de penalidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COMISSÃO DE MONITORIA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 03 DE 10 DE NOVEMBRO DE 2014

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COMISSÃO DE MONITORIA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 03 DE 10 DE NOVEMBRO DE 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COMISSÃO DE MONITORIA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 03 DE 10 DE NOVEMBRO DE 2014 EMENTA: Estabelece critérios para a operacionalização do Programa de

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO MANUAL DE FUNÇÕES

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO MANUAL DE FUNÇÕES SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO MANUAL DE FUNÇÕES Responsável: Marco Antônio Ferreira Cópia Controlada - Revisão 16 de 11/02/2011 e Aprovado INTRODUÇÃO

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 001616 - TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA E IMAGEM Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 001616 - TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA E IMAGEM Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 001616 - TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA E IMAGEM Nivel: Superior Area Profissional: 0006 - COMUNICACAO Area de Atuacao: 0110 - EDITORACAO/COMUNICACAO

Leia mais

Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público:

Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público: Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público: Venho à presença de Vossa Excelência, nos termos do Regimento Interno deste Conselho, apresentar

Leia mais

Planejar, administrar, desenvolver e implementar banco de dados e sistemas integrados de informacao.

Planejar, administrar, desenvolver e implementar banco de dados e sistemas integrados de informacao. PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000184 - SISTEMAS DE INFORMACAO Nivel: Superior Area Profissional: 0018 - INFORMATICA Area de Atuacao: 0018 - BANCO DE DADOS/INFORMATICA

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 05-11-09 SEÇAÕ I PAG 42-44 RESOLUÇÃO SMA-078 DE 04 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a nomenclatura e a composição do Colegiado de Capacitação Internacional e institui

Leia mais

SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PARANATINGA SISEMP SISEMP

SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PARANATINGA SISEMP SISEMP SISEMP ESTATUTO ESTATUTO CAPÍTULO I Da denominação, constituição, sede e foro, natureza, jurisdição, duração e fins. Art. 1º - O Sindicato dos Servidores Públicos do Município de Paranatinga MT - SISEMP,

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CONTRATO ESCRIT NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

ELABORAÇÃO DE CONTRATO ESCRIT NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS 46 ELABORAÇÃO DE O CONTRATO ESCRIT NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS 1 A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial,

Leia mais

MUNICÍPIO DE POMBAL PREFEITURA MUNICIPAL DE POMBAL PROCURADORIA JURÍDICA DO MUNICÍPIO

MUNICÍPIO DE POMBAL PREFEITURA MUNICIPAL DE POMBAL PROCURADORIA JURÍDICA DO MUNICÍPIO Pregão Presencial n 003/2015 Processo n 09.084.054.004/2015 Origem: Comissão Permanente de Licitação Assunto: REGISTRO DE PREÇOS PARA LOCAÇÃO DE VEÍCULOS PARA ATENDER AS NECESIDADES DA SECRETARIA DE AGRICULTURA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL MINUTA DE JULGAMENTO FLS. *** SEXTA TURMA ***

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL MINUTA DE JULGAMENTO FLS. *** SEXTA TURMA *** TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL MINUTA DE JULGAMENTO FLS. *** SEXTA TURMA *** 89.03.005998-0 4442 AMS-SP PAUTA: 07/02/2007 JULGADO: 07/02/2007 NUM. PAUTA: 00267 RELATOR: JUIZ CONV. MIGUEL DI PIERRO PRESIDENTE

Leia mais

PROCESSO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDOS PARA O ANO LETIVO DE

PROCESSO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDOS PARA O ANO LETIVO DE EDITAL N 03/2015 PROCESSO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDOS PARA O ANO LETIVO DE 2016 (Em conformidade com a Lei n 12.101/2009, Lei n 12.868/2013 e Decreto n 8.242/2014) O Diretor Geral do Colégio dos

Leia mais

Fonte: http://server01.pge.sc.gov.br/legislacaoestadual/2004/012929-011-0-2004-001.htm

Fonte: http://server01.pge.sc.gov.br/legislacaoestadual/2004/012929-011-0-2004-001.htm Fonte: http://server01.pge.sc.gov.br/legislacaoestadual/2004/012929-011-0-2004-001.htm Leis 12.929/2004 e 13.343/2005 LEI Nº 12.929, DE 04 DE FEVEREIRO DE 2004 Institui o Programa Estadual de Incentivo

Leia mais

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 029 DE 15 a 19/07/13

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 029 DE 15 a 19/07/13 BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 029 DE 15 a 19/07/13 SUMÁRIO DIREÇÃO SUPERIOR...03 DIRETORIAS SETORIAIS...10 SUPERINTENDÊNCIAS REGIONAIS...29 DIREÇÃO SUPERIOR ATOS DO DIRETOR GERAL Em, 15/07/13 PORTARIA Nº 672

Leia mais

EDITAL TOMADA DE PREÇOS SETOR DE LICITAÇÕES PROCESSO Nº 45/2013. TOMADA DE PREÇO Nº

EDITAL TOMADA DE PREÇOS SETOR DE LICITAÇÕES PROCESSO Nº 45/2013. TOMADA DE PREÇO Nº EDITAL TOMADA DE PREÇOS SETOR DE LICITAÇÕES PROCESSO Nº 45/2013. TOMADA DE PREÇO Nº 07/2013. A Prefeitura Municipal de General Salgado, sito à Av: Antonino José de Carvalho, 940, centro, fará realizar

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO - MESTRADO PROFISSIONAL

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO - MESTRADO PROFISSIONAL REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO - MESTRADO PROFISSIONAL CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Mestrado Profissional em Educação da Universidade Federal

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 010/2013

ATO NORMATIVO Nº 010/2013 ATO NORMATIVO Nº 010/2013 Organiza as ações de comunicação social, no âmbito do Ministério Público do Estado da Bahia. OPROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 82/2007 Dispõe sobre o afastamento de magistrados para participar de cursos ou seminários de aperfeiçoamento e estudos.

RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 82/2007 Dispõe sobre o afastamento de magistrados para participar de cursos ou seminários de aperfeiçoamento e estudos. RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 82/2007 Dispõe sobre o afastamento de magistrados para participar de cursos ou seminários de aperfeiçoamento e estudos. CERTIFICO E DOU FÉ que o Pleno do Egrégio Tribunal Regional

Leia mais

ESTUDO DE CASO MULTIGRAF LTDA (Controles Financeiros)

ESTUDO DE CASO MULTIGRAF LTDA (Controles Financeiros) UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA Nº 84/2015 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS PARA ATIVIDADES MEIO DO PODER JUDICIÁRIO DE ALAGOAS

EDITAL DE ABERTURA Nº 84/2015 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS PARA ATIVIDADES MEIO DO PODER JUDICIÁRIO DE ALAGOAS EDITAL DE ABERTURA Nº 84/2015 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS PARA ATIVIDADES MEIO DO PODER JUDICIÁRIO DE ALAGOAS Destinatários: OS ALUNOS DO CURSO DE JORNALISMO DAS FACULDADES CONVENIADAS, QUE TIVEREM CONCLUÍDO

Leia mais

ATO Nº 101/2009. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 101/2009. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 101/2009 Dispõe sobre as normas relativas ao registro eletrônico de ponto, horário de funcionamento do Tribunal, jornada de trabalho, banco de horas, serviço extraordinário, controle e apuração

Leia mais

PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA ADMINISTRATIVA

PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA ADMINISTRATIVA PROCESSO: PARECER INTERESSADO: ASSUNTO: PGE n 18669-197464/2008 PA N 187/2009 MARIA DE LOURDES SILVA FALTA AO SERVIÇO por mais de trinta dias consecutivos. Licença para tratamento de saúde indeferida.

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO. INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 11-2012/SEGPLAN

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO. INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 11-2012/SEGPLAN Publicada no DOE do dia 25/02/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 11-2012/SEGPLAN Regulamenta os procedimentos para abertura de processos, juntada, cópia e demais rotinas de tramitação de processos e documentos

Leia mais

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 01 1 /05/2011 Emissão inicial 03 1º/05/2011 Emissão inicial Elaborado: 1 /05/2011 Revisado: 1 /04/2011 da Qualidade Análise Crítica e Aprovação

Leia mais

REGULAMENTO PARA EMISSÃO, REGISTRO E EXPEDIÇÃO DE DIPLOMA DE CURSO DE GRADUAÇÃO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO PARA EMISSÃO, REGISTRO E EXPEDIÇÃO DE DIPLOMA DE CURSO DE GRADUAÇÃO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO PARA EMISSÃO, REGISTRO E EXPEDIÇÃO DE DIPLOMA DE CURSO DE GRADUAÇÃO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Perfil de Pessoal das Estatais - Folha

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Perfil de Pessoal das Estatais - Folha 19/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1. Prazos de Entrega... 6 4. Conclusão... 7 5. Informações Complementares...

Leia mais

RESOLUÇÃO D.M.E. Nº. 001/2013

RESOLUÇÃO D.M.E. Nº. 001/2013 RESOLUÇÃO D.M.E. Nº. 001/2013 Dispõe sobre o PROCESSO DE INSCRIÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E ATRIBUIÇÃO DE CLASSES E/OU AULAS da REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO DE PIRAPOZINHO/SP, para o ANO LETIVO DE 2013. ORLANDO

Leia mais