MODELOS DE APOIO À DECISÃO DE PROJETOS DE DISPOSIÇÃO OCEÂNICA DE ESGOTOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELOS DE APOIO À DECISÃO DE PROJETOS DE DISPOSIÇÃO OCEÂNICA DE ESGOTOS"

Transcrição

1 MODELOS DE APOIO À DECISÃO DE PROJETOS DE DISPOSIÇÃO OCEÂNICA DE ESGOTOS Teófilo Carlos do Nascimento Monteiro (1) Professor Doutor do Departamento de Saneamento e Saúde Ambiental da Escola Nacional de Saúde Pública, e da Faculdade de Engenharia Civil da UERJ, Mestre em Hidráulica e Saneamento pela Escola de Engenharia de São Carlos (EESC/USP). PhD em Engenharia Civil pela University of Strathclyde, Glasgow, U.K. André Luiz Ribeiro Valladão Engenheiro, Mestre em Saneamento Ambiental pela Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz. Endereço (1) : Rua Leopoldo Bulhões, sala Manguinhos - Rio de Janeiro - RJ - CEP Brasil - Fax: (021) RESUMO A necessidade de prever os resultados esperados em projetos de disposição de águas residuárias em águas costeiras, anterior a sua execução das obras, com o objetivo de atender as legislações ambientais vigentes, tem resultado no desenvolvimento de metodologias para apoio à decisão a estes projetos. O presente artigo compara os resultados de concentrações de coliformes em uma simulação de lançamento de efluentes domésticos na Baía de Sepetiba com resultados experimentais, obtidos numa campanha de amostragem nas águas da Baía de Sepetiba a fim de validar o uso dos modelos computacionais disponíveis. Os resultados obtidos demostram a viabilidade do uso dos modelos testados, bem como permite o uso do modelos em estudos epidemiológicos, iniciados para avaliar a pertinência do uso dos atuais padrões de balneabilidade conforme a resolução número 20 do CONAMA. PALAVRAS-CHAVE: Circulação Costeira, Dispersão de Poluentes, Emissários, Padrão de Balneabilidade. JUSTIFICATIVA A necessidade e o crescente interesse pela proteção das águas costeiras tem determinado o estabelecimento de legislação nacional e internacional no sentido do planejamento e da gestão dos ambientes costeiros. Tal importância tem levado engenheiros e cientistas a realizar estudos de impacto ambiental para as crescentes atividades neste campo, tais como: estudos de despejos de águas residuárias, descargas acidentais de poluentes, obras de dragagem, erosões e proteção do litoral, projetos de portos e barreiras de proteção. No Brasil a grande extensão do litoral e a alta densidade populacional de nossas cidades litorâneas colocam os estudos desta área em grande prioridade. Com certeza as águas residuárias em regiões costeiras tem como disposição final o oceano, seja através de canais naturais, emissários submarinos, ou diretamente nas praias (Gunnerson, 1987). ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 582

2 ÁREA DE ESTUDO A área de Sepetiba, e a região que a contém, tem sido cogitada como sede de alguns dos grandes projetos nacionais de investimento econômico, como parte de uma estratégia que integraria eixos de desenvolvimento, onde o Complexo Portuário e Industrial de Sepetiba seria um componente fundamental. A implantação desses projetos implica em importantes transformações ambientais, econômicas e socioculturais, que envolvem os mais diferentes aspectos da dinâmica regional e interferem no cotidiano das populações, modificando seus modos de vida e portanto suas condições de saúde e doença, Monteiro, T. C. N. et al., A região analisada pode ser classificada como um sistema estuarino com a entrada de águas oceânicas nos extremos Oeste e Leste da Baía de Ilha Grande e o aporte de água doce oriundo da Bacia de Sepetiba. A região é considerada um ecossistema costeiro complexo com a presença de inúmeras ilhas e estuários, apresentando em sua linha de costa a presença de praias, costões rochosos e extensas áreas de manguezais, figura 1. OBJETIVO Figura 1 - Baía de Sepetiba O uso de emissários para lançamento de despejos domésticos em águas costeiras seguido de um tratamento preliminar ou tratamento primário, conforme artigo 274 da constituição do Estado do Rio de Janeiro, é uma prática nos projetos de saneamento. A necessidade de avaliar o impacto desses projetos à saúde pública pelo atendimento ao padrões de balneabilidade (CONAMA n o 20), bem como ao apoio à decisão eficiente entre as alternativas de projetos, orienta a necessidade de desenvolvimento de metodologias de ação interdisciplinar nos campos da engenharia sanitária ambiental e da epidemiologia. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 583

3 METODOLOGIA O objetivo geral proposto requer o desenvolvimento de uma metodologia baseada em três etapas. A primeira etapa apresenta cenários comparativos de lançamento de efluentes em águas costeiras tendo como padrão de segurança sanitária as concentrações de coliformes totais em pontos estratégicos na área de estudo. A comparação é realizada através dos seguintes processos. Modelagem de sistema de disposição sanitária utilizando-se um emissário cuja localização teve como premissa a otimização da capacidade de autodepuração das águas costeiras em reduzir concentrações de poluentes. Este modelo foi baseado em fundamentos hidrodinâmicos do transporte e dispersão de poluentes em águas costeiras. Modelagem de lançamentos difusos de esgotos sanitários escoando para faixa de areia e atingindo as águas da baía, utilizando-se o modelo do processo anterior. A segunda etapa do estudo compara os resultados de C. Totais, obtidos nas simulações anteriores com valores medidos em 5 (cinco) pontos de coleta numa campanha de amostragem com duração de dois meses. A terceira avalia os efeitos da qualidade das águas na área em estudo, através concentrações de coliformes, comparando estes valores com incidências de soroprevalência da hepatite A em grupos particulares de escolares, Almeida, L. M et al., Esta etapa estará sendo submetida a comissão de ética da Fiocruz para autorização do início dos trabalhos. RESULTADOS Os resultados são apresentados utilizando as concentrações de coliformes totais encontradas em 5 (cinco) pontos a oeste município de Itacuruça (fig. 1). As figuras 2 e 3 são apresentados as concentrações de coliformes totais quando os esgotos são lançados diretamente na costa em 2 momentos da maré, também visualizados nas figuras. Estas demonstram que a solução atual para o destino final dos esgotos não garante segurança sanitária, já que são observados concentrações acima de 1500 coliformes / 100 ml, mesmo no caso de maré alta, que seria a situação mais favorável já que haveria uma maior diluição do poluente. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 584

4 Figura 2 Concentrações de coliformes pelo lançamento de esgotos nos pontos indicados Maré baixa. Figura 3 Concentrações de coliformes pelo lançamento de esgotos nos pontos indicados Maré Alta. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 585

5 Gráfico de Coli. Total x Tempo de Simulação Coli. Tot./100ml /06/22 12:00: /06/22 18:00: /06/23 00:00: /06/23 06:00: /06/23 12:00: /06/23 18:00: /06/24 00:00: /06/24 06:00: /06/24 12:00: /06/24 18:00: /06/25 00:00: /06/25 06:00: /06/25 12:00: /06/25 18:00: /06/26 00:00: /06/26 06:00: /06/26 12:00: /06/26 18:00: /06/27 00:00: /06/27 06:00: /06/27 12:00: /06/27 18:00: /06/28 00:00: /06/28 06:00: /06/28 12:00: /06/28 18:00: /06/29 00:00: /06/29 06:00: /06/29 12:00: /06/29 18:00: /06/30 00:00: /06/30 06:00: /06/30 12:00: /06/30 18:00: /07/01 00:00: /07/01 06:00: /07/01 12:00: /07/01 18:00: /07/02 00:00: /07/02 06:00: /07/02 12:00: /07/02 18:00: /07/03 00:00: /07/03 06:00: /07/03 12:00: /07/03 18:00: /07/04 00:00: /07/04 06:00: /07/04 12:00: /07/04 18:00: /07/05 00:00: /07/05 06:00: /07/05 12:00: /07/05 18:00: /07/06 00:00: /07/06 06:00: /07/06 12:00: /07/06 18:00: /07/07 00:00: /07/07 06:00: /07/07 12:00: /07/07 18:00: /07/08 00:00: /07/08 06:00: /07/08 12:00: /07/08 18:00: /07/09 00:00: /07/09 06:00: /07/09 12:00: /07/09 18:00: /07/10 00:00: /07/10 06:00: /07/10 12:00: /07/10 18:00: /07/11 00:00: /07/11 06:00: /07/11 12:00: /07/11 18:00: /07/12 00:00: /07/12 06:00: /07/12 12:00: /07/12 18:00: /07/13 00:00: /07/13 06:00: /07/13 12:00: /07/13 18:00: /07/14 00:00: /07/14 06:00: /07/14 12:00: /07/14 18:00: /07/15 00:00: /07/15 06:00: /07/15 12:00: /07/15 18:00: /07/16 00:00: /07/16 06:00: /07/16 12:00: /07/16 18:00: /07/17 00:00: /07/17 06:00: /07/17 12:00: /07/17 18:00: /07/18 00:00: /07/18 06:00: /07/18 12:00: /07/18 18:00: /07/19 00:00: /07/19 06:00: /07/19 12:00: /07/19 18:00: /07/20 00:00: /07/20 06:00: /07/20 12:00:00 Tempo de Simulação Figura 4 Comparação das concentrações obtidas com a simulação e valores medidos Ponto próximo a Itacuruça. A figura 4 apresenta a comparação das concentrações obtidas com a simulação e valores medidos no ponto de coleta próximo a Itacuruça, nesta figura é observado boa concordância entre os valores medidos e os valores simulados indicando a viabilidade de uso do modelo para auxílio aos projetos de emissários. É ainda observado elevadas concentrações de coliformes com risco de contaminação por agentes causadores de doenças de veiculação hídrica que a população da região estudada esta exposta, quando os esgotos são lançados diretamente nas praias. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Almeida, L. M et al. - Estudo-Piloto da Soroprevalência da Hepatite A: Um possível parâmetro para avaliar efeitos de intervenções ambientais sobre a saúde. - In Saneamento e Saúde - Heller, L et al., Gunnerson, Wastewater Management for Coastal Cities. World Bank Technical Paper Number Monteiro, T.C.N. et al. - Projeto integrado saúde, saneamento ambiental e condições de vida na área do complexo industrial portuário de Sepetiba - In Saneamento e Saúde - Heller, L et al., ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 586

Disposição Oceânica de Esgotos Sanitários e Proposta de Avaliação dos Efeitos à Saúde

Disposição Oceânica de Esgotos Sanitários e Proposta de Avaliação dos Efeitos à Saúde Disposição Oceânica de Esgotos Sanitários e Proposta de Avaliação dos Efeitos à Saúde Teófilo Carlos do Nascimento Monteiro Escola Nacional de Saúde Pública - Fiocruz Faculdade de Engenharia - Uerj Rua

Leia mais

MODELAGEM COMPUTACIONAL DA PLUMA DE CONTAMINANTES DE UM EMISSÁRIO SUBMARINO COM DECAIMENTO BACTERIANO VARIÁVEL

MODELAGEM COMPUTACIONAL DA PLUMA DE CONTAMINANTES DE UM EMISSÁRIO SUBMARINO COM DECAIMENTO BACTERIANO VARIÁVEL MODELAGEM COMPUTACIONAL DA PLUMA DE CONTAMINANTES DE UM EMISSÁRIO SUBMARINO COM DECAIMENTO BACTERIANO VARIÁVEL Osvaldo Moura Rezende, Gustavo Spiegelberg e Paulo Cesar Colonna Rosman COPPE/ UFRJ, Brasil

Leia mais

II-173 A FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO COMO ORIGEM DA POLUIÇÃO DOS CORPOS RECEPTORES: UM ESTUDO DE CASO.

II-173 A FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO COMO ORIGEM DA POLUIÇÃO DOS CORPOS RECEPTORES: UM ESTUDO DE CASO. II-173 A FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO COMO ORIGEM DA POLUIÇÃO DOS CORPOS RECEPTORES: UM ESTUDO DE CASO. Anaxsandra da Costa Lima (1) Graduanda em Engenheira Civil pela Escola Universidade Federal do Rio

Leia mais

21º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

21º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental IV-037 AVALIAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO DE ESGOTO DOMÉSTICO PARA A QUALIDADE DA ÁGUA DA BAÍA DO ESPÍRITO SANTO UTILIZANDO MONITORAMENTO E MODELAGEM DE COLIFORMES FECAIS Mônica de Souza Mendes Castro (*) Engenheira

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil. Ciências do Ambiente. Aula 13 Avaliação de Impactos Ambientais

Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil. Ciências do Ambiente. Aula 13 Avaliação de Impactos Ambientais Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 13 Avaliação de Impactos Ambientais 1 Impacto Ambiental: É a mudança em um parâmetro ambiental, num determinado período e numa

Leia mais

ANÁLISE DE QUALIDADE DA ÁGUA PRODUZIDA DESCARTADA A PARTIR DE PLATAFORMAS PRODUTORAS DE PETRÓLEO

ANÁLISE DE QUALIDADE DA ÁGUA PRODUZIDA DESCARTADA A PARTIR DE PLATAFORMAS PRODUTORAS DE PETRÓLEO ANÁLISE DE QUALIDADE DA ÁGUA PRODUZIDA DESCARTADA A PARTIR DE PLATAFORMAS PRODUTORAS DE PETRÓLEO Daniele Drumond Neves (1) Engenheira Ambiental pela Faculdades Integradas Espirito-Santenses FAESA Gustavo

Leia mais

Valéria Pinho Gomes*, Cauane Amaral*, Luiz Carlos Gonçalves N. Júnior*, Augusto César**, Denis M. S. Abessa***

Valéria Pinho Gomes*, Cauane Amaral*, Luiz Carlos Gonçalves N. Júnior*, Augusto César**, Denis M. S. Abessa*** AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO POR MECÚRIO NOS SEDIMENTOS DO ESTUÁRIO DE SANTOS-SP, BRASIL. Valéria Pinho Gomes*, Cauane Amaral*, Luiz Carlos Gonçalves N. Júnior*, Augusto César**, Denis M. S. Abessa*** *Acadêmicos

Leia mais

Abordagem Integrada para a Otimização da Gestão de Águas e Efluentes

Abordagem Integrada para a Otimização da Gestão de Águas e Efluentes Abordagem Integrada para a Otimização da Gestão de Águas e Efluentes Introdução Antônio Henrique Araújo Freitas (1) A água é um insumo essencial para a maioria das atividades humanas, incluindo agricultura

Leia mais

Raoni de Paula Fernandes

Raoni de Paula Fernandes 19 de Agosto de 2010, Rio de Janeiro ANÁLISE DA QUALIDADE DO EFLUENTE FINAL DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO ETE BREJO COMPRIDO E DE SEU CORPO RECEPTOR, O CÓRREGO BREJO COMPRIDO. Raoni de Paula Fernandes

Leia mais

PRESCRIÇÕES TÉCNICAS

PRESCRIÇÕES TÉCNICAS PRESCRIÇÕES TÉCNICAS Diretoria de Meio Ambiente INTRODUÇÃO A CESAN realizou, no decorrer dos anos de 2007 a 2008, uma modelagem hidrodinâmica utilizando o software SiBaHiA, sendo a área de abrangência

Leia mais

Uso de ferramentas experimentais para o projeto de canais portuários Projeto Vertical

Uso de ferramentas experimentais para o projeto de canais portuários Projeto Vertical ESCOLA POLITÉCNICA DA USP Uso de ferramentas experimentais para o projeto de canais portuários Projeto Vertical Eng. José Carlos de Melo Bernardino Laboratório de Hidráulica da Escola Politécnica da USP

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 22 Meio Aquático I Profª Heloise Knapik 1 Estudo de Caso: Salto, SP 2 Fonte: Departamento de Águas e Energia Elétrica - DAEE 3

Leia mais

CONCESSÃO DE OUTORGA DE LANÇAMENTO DE EFLUENTES, MEDIANTE A APLICAÇÃO DO MODELO MATEMÁTICO DE STREETER-PHELPS

CONCESSÃO DE OUTORGA DE LANÇAMENTO DE EFLUENTES, MEDIANTE A APLICAÇÃO DO MODELO MATEMÁTICO DE STREETER-PHELPS CONCESSÃO DE OUTORGA DE LANÇAMENTO DE EFLUENTES, MEDIANTE A APLICAÇÃO DO MODELO MATEMÁTICO DE STREETER-PHELPS Leila Ivete Teixeira Monteiro 1, Sílvia Helena Lima dos Santos 2, Francisca Valdenuza Almeida

Leia mais

Qualidade da Água em Rios e Lagos Urbanos

Qualidade da Água em Rios e Lagos Urbanos Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária PHD 2537 Água em Ambientes Urbanos Qualidade da Água em Rios e Lagos Urbanos Novembro 2008 Felipe Carvalho

Leia mais

Erosão costeira e a produção de sedimentos do Rio Capibaribe

Erosão costeira e a produção de sedimentos do Rio Capibaribe UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO Programa de Pós - Graduação em Ciência do solo Disciplina: Seminário II Erosão costeira e a produção de sedimentos do Rio Capibaribe Discente do mestrado: Wagner

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DA INFLUÊNCIA DO RIO JOÃO GUALBERTO SOBRE A HIDRODINÂMICA RESIDUAL DA LAGOA DA CONCEIÇÃO FLORIANÓPOLIS. SC.

ANÁLISE NUMÉRICA DA INFLUÊNCIA DO RIO JOÃO GUALBERTO SOBRE A HIDRODINÂMICA RESIDUAL DA LAGOA DA CONCEIÇÃO FLORIANÓPOLIS. SC. ANÁLISE NUMÉRICA DA INFLUÊNCIA DO RIO JOÃO GUALBERTO SOBRE A HIDRODINÂMICA RESIDUAL DA LAGOA DA CONCEIÇÃO FLORIANÓPOLIS. SC. Júlia Costa Silva* Davide Franco** Fábio Bertini Godoy*** Orientador Prof. Dr.

Leia mais

Avaliacao do Corrego Campestre Apos a Implantacao da ETE do Municipio de Lins-SP. Ferreira Rina, Carlos

Avaliacao do Corrego Campestre Apos a Implantacao da ETE do Municipio de Lins-SP. Ferreira Rina, Carlos Avaliacao do Corrego Campestre Apos a Implantacao da ETE do Municipio de Lins-SP Ferreira Rina, Carlos INTRODUÇÃO Município de Lins cerca de 50.000 habitantes mais importante da Bacia Hidrográfica do Rio

Leia mais

O papel da investigação no apoio ao Projeto e Obra de Engenharia Costeira: Estudos de caso

O papel da investigação no apoio ao Projeto e Obra de Engenharia Costeira: Estudos de caso O papel da investigação no apoio ao Projeto e Obra de Engenharia Costeira: Estudos de caso Francisco Sancho + 19 investigadores LNEC Laboratório Nacional de Engenharia Civil CICLO DE CONFERÊNCIAS SOBRE

Leia mais

Questionário do Programa Bandeira Azul Brasil para Praias

Questionário do Programa Bandeira Azul Brasil para Praias Questionário do Programa Bandeira Azul Brasil para Praias 1. Informações sobre a praia candidata: 1.1 Nome da Praia 1.2 Região da Praia 1.3 Localização Geográfica Latitude: Longitude: 1.4 Nome do responsável

Leia mais

1 Introdução 1.1. Zona Costeira

1 Introdução 1.1. Zona Costeira 20 1 Introdução 1.1. Zona Costeira Segundo a Lei 7.661, de 16/05/88 a Zona Costeira abriga um mosaico de ecossistemas de alta relevância ambiental, cuja diversidade é marcada pela transição de ambientes

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE REGULAMENTAÇÕES PARA AVALIAÇÃO DE BALNEABILIDADE

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE REGULAMENTAÇÕES PARA AVALIAÇÃO DE BALNEABILIDADE XI Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste 27 a 30 de novembro de 2012 João Pessoa - PB ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE REGULAMENTAÇÕES PARA AVALIAÇÃO DE BALNEABILIDADE Fabio Muller Hirai - Escola Politécnica

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO REUSO DE ESGOTO DOMÉSTICO NA PRESERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS AGRÁRIOS

IMPORTÂNCIA DO REUSO DE ESGOTO DOMÉSTICO NA PRESERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS AGRÁRIOS IMPORTÂNCIA DO REUSO DE ESGOTO DOMÉSTICO NA PRESERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS AGRÁRIOS Rodrigo M. Sánchez-Román Departamento de Engenharia Rural FCA UNESP - Botucatu IV WINOTEC INOVAGRI Fortaleza, CE - 2012

Leia mais

Poluição Ambiental Indicadores Microbiológicos de Poluição Hídrica. Prof. Dr. Antonio Donizetti G. de Souza UNIFAL-MG Campus Poços de Caldas

Poluição Ambiental Indicadores Microbiológicos de Poluição Hídrica. Prof. Dr. Antonio Donizetti G. de Souza UNIFAL-MG Campus Poços de Caldas Poluição Ambiental Indicadores Microbiológicos de Poluição Hídrica Prof. Dr. Antonio Donizetti G. de Souza UNIFAL-MG Campus Poços de Caldas OMS: cerca de 80% das doenças em países subdesenvolvidos tem

Leia mais

A REPRESENTAÇÃO DA INDÚSTRIA NOS COMITÊS DE BACIA HIDROGRÁFICA A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA LANÇAMENTO DE EFLUENTES/ ENQUADRAMENTO

A REPRESENTAÇÃO DA INDÚSTRIA NOS COMITÊS DE BACIA HIDROGRÁFICA A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA LANÇAMENTO DE EFLUENTES/ ENQUADRAMENTO A REPRESENTAÇÃO DA INDÚSTRIA NOS COMITÊS DE BACIA HIDROGRÁFICA A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA LANÇAMENTO DE EFLUENTES/ ENQUADRAMENTO DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE SOROCABA Outubro de 2009 GESTÃO DE RECURSOS

Leia mais

Riscos de inundações fluviais e estuarinas

Riscos de inundações fluviais e estuarinas Riscos de inundações fluviais e estuarinas Elsa Alves Marta Rodrigues Iniciativa Riscos Ciclo de Encontros Riscos Naturais 20 de Setembro de 2012, Fundação Calouste Gulbenkian Riscos de inundações fluviais

Leia mais

As Olimpíadas. e a Conquista da Cidade. e a Conquista da Cidade

As Olimpíadas. e a Conquista da Cidade. e a Conquista da Cidade Legado Urbano e Ambiental Ações Prioritárias: rias: - Reordenamento do espaço o urbano - Integração do sistema de transporte - Despoluição e controle ambiental - Reabilitação de áreas centrais degradadas

Leia mais

Seminário franco-brasileiro sobre saúde ambiental : água, saúde e desenvolvimento. 1ª sessão : Água, saúde e desenvolvimento : que direitos?

Seminário franco-brasileiro sobre saúde ambiental : água, saúde e desenvolvimento. 1ª sessão : Água, saúde e desenvolvimento : que direitos? Seminário franco-brasileiro sobre saúde ambiental : água, saúde e desenvolvimento 28-30 de junho de 2011, Auditório da Fiocruz, Campus Darcy Ribeiro da Universidade de Brasília - Brasília DF 1ª sessão

Leia mais

SISTEMAS PÚBLICOS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO

SISTEMAS PÚBLICOS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO SISTEMAS PÚBLICOS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO dayengcivil@yahoo.com.br https://sites.google.com/site/professoradayanecristina/home ESGOTO A falta de solução adequada para a destinação final do esgoto, gera

Leia mais

RELATÓRIO DE VISTORIA REALIZADA NA PRAIA DE MURIÚ, NO MUNICÍPIO DE CEARÁ MIRIM, NO DIA 20/08/2009

RELATÓRIO DE VISTORIA REALIZADA NA PRAIA DE MURIÚ, NO MUNICÍPIO DE CEARÁ MIRIM, NO DIA 20/08/2009 Projeto Estudo de Balneabilidade das Praias do Estado do Rio Grande do Norte RELATÓRIO DE VISTORIA REALIZADA NA PRAIA DE MURIÚ, NO MUNICÍPIO DE CEARÁ MIRIM, NO DIA 20/08/2009 Natal RN Agosto de 2009 PROJETO

Leia mais

disposição de resíduos, mesmo que tratados.

disposição de resíduos, mesmo que tratados. Usos: Abastecimento para consumo humano, com desinfecção Preservação do equilíbrio natural das comunidades aquáticas Preservação dos ambientes aquáticos em unidades de conservação de proteção integral

Leia mais

TH029 - Saneamento Ambiental II

TH029 - Saneamento Ambiental II Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Hidráulica e Saneamento TH029 - Saneamento Ambiental II 8º Semestre do Curso de Engenharia Civil Prof. Regina Tiemy Kishi Turma B - 3ª

Leia mais

METODOLOGIA DE MAPEAMENTO GEORREFERENCIADO ASSOCIADA A DADOS DE INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA

METODOLOGIA DE MAPEAMENTO GEORREFERENCIADO ASSOCIADA A DADOS DE INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA METODOLOGIA DE MAPEAMENTO GEORREFERENCIADO ASSOCIADA A DADOS DE INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA Teófilo Carlos do Nascimento Monteiro(*) Cassia Regina Alves Pereira Aldo Pacheco Ferreira (*)

Leia mais

Instituto de Engenharia do Paraná ABES-PR Setembro -2016

Instituto de Engenharia do Paraná ABES-PR Setembro -2016 Instituto de Engenharia do Paraná ABES-PR Setembro -2016 Prof. Msc. Pedro Luís Prado Franco Legislação Ambiental e de Recursos Política Nacional de Meio Ambiente (Lei 6.938/1981) Instrumentos: Padrões

Leia mais

MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO BENFICA COM VISTAS À SUA PRESERVAÇÃO

MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO BENFICA COM VISTAS À SUA PRESERVAÇÃO MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO BENFICA COM VISTAS À SUA PRESERVAÇÃO J. S. M. NOGUEIRA 1, L.F. SANTOS 2 1 Escola de Engenharia de Lorena USP 2 Escola de Engenharia de Lorena

Leia mais

V SIMULAÇÃO DO FERRO, DO ALUMÍNIO E DO FÓSFORO NO RIO IBICUÍ UTILIZANDO O MODELO QUAL2E

V SIMULAÇÃO DO FERRO, DO ALUMÍNIO E DO FÓSFORO NO RIO IBICUÍ UTILIZANDO O MODELO QUAL2E V-00 - SIMULAÇÃO DO FERRO, DO ALUMÍNIO E DO FÓSFORO NO RIO IBICUÍ UTILIZANDO O MODELO QUALE Maria do Carmo Cauduro Gastaldini () Engenheira Civil pela Universidade Federal de Santa Maria. Mestre e Doutora

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO LANÇAMENTO DE EFLUENTES DE GALERIAS PLUVIAS NA BALNEABILIDADE DA PRAIA DO FUTURO EM FORTALEZA-CE

A INFLUÊNCIA DO LANÇAMENTO DE EFLUENTES DE GALERIAS PLUVIAS NA BALNEABILIDADE DA PRAIA DO FUTURO EM FORTALEZA-CE A INFLUÊNCIA DO LANÇAMENTO DE EFLUENTES DE GALERIAS PLUVIAS NA BALNEABILIDADE DA PRAIA DO FUTURO EM FORTALEZA-CE KÁSSIA CRISLAYNE DUARTE FERREIRA 1 MARCUS VINICIUS ANDRADE 2 ADRIANA GUIMARÃES COSTA 3 Instituto

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO REUSO DE ESGOTO DOMÉSTICO NA PRESERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS AGRÁRIOS

IMPORTÂNCIA DO REUSO DE ESGOTO DOMÉSTICO NA PRESERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS AGRÁRIOS IMPORTÂNCIA DO REUSO DE ESGOTO DOMÉSTICO NA PRESERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS AGRÁRIOS Prof. Dr. Rodrigo M. Sánchez-Román FCA UNESP - Botucatu IV WINOTEC INOVAGRI Fortaleza, CE - 2012 INTRODUÇÃO Oceano 97,5%

Leia mais

IV BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DA ILHA DE MOSQUEIRO, BELÉM (PA), BRASIL, NO ANO DE 2015/2016.

IV BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DA ILHA DE MOSQUEIRO, BELÉM (PA), BRASIL, NO ANO DE 2015/2016. IV 005 - BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DA ILHA DE MOSQUEIRO, BELÉM (PA), BRASIL, NO ANO DE 2015/2016. Rodrigo Porpino Cunha Rodrigues (1) Discente de Engenharia Ambiental da Faculdade Estácio de Belém IESAM

Leia mais

Tratamento alternativo do corpo hídrico do Ribeirão Vai e Vem no município de Ipameri GO contaminado por efluente doméstico.

Tratamento alternativo do corpo hídrico do Ribeirão Vai e Vem no município de Ipameri GO contaminado por efluente doméstico. Tratamento alternativo do corpo hídrico do Ribeirão Vai e Vem no município de Ipameri GO contaminado por efluente doméstico. Luciana Maria da Silva 1 (IC)*, Janaína Borges de Azevedo França 2 (PQ) 1 Graduanda

Leia mais

PROGRAMA. Código: CIVL0038 Obrigatória: Sim Eletiva: Carga Horária : 60 HORAS. Número de Créditos: TEÓRICOS 04; PRÁTICOS 00; TOTAL 04

PROGRAMA. Código: CIVL0038 Obrigatória: Sim Eletiva: Carga Horária : 60 HORAS. Número de Créditos: TEÓRICOS 04; PRÁTICOS 00; TOTAL 04 Disciplina: PORTOS PROGRAMA Código: CIVL0038 Obrigatória: Sim Eletiva: Carga Horária : 60 HORAS Número de Créditos: TEÓRICOS 04; PRÁTICOS 00; TOTAL 04 Pré-Requisito: HIDROLOGIA APLICADA Co-Requisito: EMENTA

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS PARÂMETROS DETERMINADOS PELA SUDEMA DO RIO JAGUARIBE COM PADRÕES CONAMA 357/05

ANÁLISE COMPARATIVA DOS PARÂMETROS DETERMINADOS PELA SUDEMA DO RIO JAGUARIBE COM PADRÕES CONAMA 357/05 ANÁLISE COMPARATIVA DOS PARÂMETROS DETERMINADOS PELA SUDEMA DO RIO JAGUARIBE COM PADRÕES CONAMA 357/05 Hélio Teotônio Alves FILHO 1, Kenny Rogers da Silva HENRIQUES ¹, José Ítalo Carneiro RIBEIRO¹, 1 Alunos

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Coliformes Fecais, Balneabilidade, Influência urbana. 1.0 INTRODUÇÃO

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Coliformes Fecais, Balneabilidade, Influência urbana. 1.0 INTRODUÇÃO AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DO CÓRREGO SÃO JOÃO NO APORTE DE CONTAMINAÇÃO FECAL NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS-BRASIL, E A RESPECTIVA INFLUÊNCIA NA BALNEABILIDADE DAS PRAIAS LOCAIS

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE MATADOUROS, ABATEDOUROS, FRIGORÍFICOS, CHARQUEADOS E DERIVADOS DE ORIGEM ANIMAL Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO

Leia mais

O REÚSO DA ÁGUA NO CONTEXTO DA ECOLOGIA INDUSTRIAL

O REÚSO DA ÁGUA NO CONTEXTO DA ECOLOGIA INDUSTRIAL O REÚSO DA ÁGUA NO CONTEXTO DA ECOLOGIA INDUSTRIAL Fabíola Maria Gonçalves Ribeiro Alcir Vilela Junior Apresentação O Grupo de Ecologia Industrial Aplicada (GEIA) surgiu no programa de pós-graduação do

Leia mais

LAMA DE PRAIA CASSINO

LAMA DE PRAIA CASSINO LAMA DE PRAIA CASSINO Publicado no site em 18/09/2014 Euripedes Falcão Vieira* Os estuários são áreas de intensa movimentação de sedimentos produzidas pelas correntes que nelas atuam. A natureza dos sedimentos,

Leia mais

ATUAL SITUAÇÃO DAS CLASSES DOS CORPOS HÍDRICOS DO RIO GRAMAME

ATUAL SITUAÇÃO DAS CLASSES DOS CORPOS HÍDRICOS DO RIO GRAMAME ATUAL SITUAÇÃO DAS CLASSES DOS CORPOS HÍDRICOS DO RIO GRAMAME 1 Jacilândio Adriano de Oliveira Segundo; 2 Breno Pires de Vasconcelos; 3 Lucena Rangel Travassos Filho; 4 Pedro dos Santos Leitão Nunes. 1

Leia mais

MORFODINÂMICA DO ESTUÁRIO DO RIO JUQUERIQUERÊ CARAGUATATUBA, SÃO PAULO. Liziara de Mello Valerio Orientador: Prof. Dr.

MORFODINÂMICA DO ESTUÁRIO DO RIO JUQUERIQUERÊ CARAGUATATUBA, SÃO PAULO. Liziara de Mello Valerio Orientador: Prof. Dr. MORFODINÂMICA DO ESTUÁRIO DO RIO JUQUERIQUERÊ CARAGUATATUBA, SÃO PAULO Liziara de Mello Valerio Orientador: Prof. Dr. Marcos Bernardes Ilha Bela (SP) 2014 APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS

Leia mais

Horário - 1º Semestre de 2017

Horário - 1º Semestre de 2017 1º Período 07:00 08:40 Cálculo I Cálculo I Geografia Geral Cálculo I 08:50 10:30 GAAV GAAV GAAV Laboratório de Programação de computadores I T1 (Lab. DEMAT) 10:40 12:20 Português Instrumental Programação

Leia mais

Gestão Ambiental. Aula 10 Prof. Amilton Jr.

Gestão Ambiental. Aula 10 Prof. Amilton Jr. Gestão Ambiental Aula 10 Prof. Amilton Jr. Estudo de impacto ambiental (EIA) Barbieri, José-Gestão Ambiental Cap 9, pag 299 EIA O que é: Instrumento de gestão ambiental sem o qual não seria possível promover

Leia mais

PORTFÓLIO.

PORTFÓLIO. PORTFÓLIO 2016 www.acquadinamica.com Balneário Camboriú - SC - Brasil Rua Carlos Drumond de Andrade, 539 Praia dos Amores - CEP 88.331-410 +55 (47) 3366.1246 acquadinamica@acquadinamica.com PORTFÓLIO 2016

Leia mais

SUMÁRIO TELEMAC3D... 3 SISYPHE... 4 TOMAWAC... 5 ECOS... 6 TRANSPORTE DE CONTAMINANTES... 7 CONVERSÃO DE ENERGIA DE CORRENTES... 8 ANOTAÇÕES...

SUMÁRIO TELEMAC3D... 3 SISYPHE... 4 TOMAWAC... 5 ECOS... 6 TRANSPORTE DE CONTAMINANTES... 7 CONVERSÃO DE ENERGIA DE CORRENTES... 8 ANOTAÇÕES... SUMÁRIO TELEMAC3D... 3 SISYPHE... 4 TOMAWAC... 5 ECOS... 6 TRANSPORTE DE CONTAMINANTES... 7 CONVERSÃO DE ENERGIA DE CORRENTES... 8 ANOTAÇÕES... 9 2 www.lansd.furg.br TELEMAC3D O LANSD desenvolve pesquisas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE SANTOS/SP NOS ÚLTIMOS DEZ ANOS

AVALIAÇÃO DA BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE SANTOS/SP NOS ÚLTIMOS DEZ ANOS Revista Ceciliana Jun 4(1): 55-59, 2012 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana AVALIAÇÃO DA BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE SANTOS/SP NOS ÚLTIMOS

Leia mais

Simulações numéricas da circulação marítima na região costeira do Estado de São Paulo

Simulações numéricas da circulação marítima na região costeira do Estado de São Paulo Simulações numéricas da circulação marítima na região costeira do Estado de São Paulo Joseph Harari, Ricardo de Camargo, Simone Seixas Picarelli e Hemerson Everaldo Tonin Resumo? O modelo numérico hidrodinâmico

Leia mais

SISTEMA DE DISPOSIÇÃO DE ESGOTOS SANITÁRIOS (SDOES) NA PRAIA DA LESTE-OESTE NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA/CE

SISTEMA DE DISPOSIÇÃO DE ESGOTOS SANITÁRIOS (SDOES) NA PRAIA DA LESTE-OESTE NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA/CE SISTEMA DE DISPOSIÇÃO DE ESGOTOS SANITÁRIOS (SDOES) NA PRAIA DA LESTE-OESTE NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA/CE Alessandra Bastos SOARES01 (1); Mário Sérgio de Oliveira PAZ02 (2); José Cleiton Sousa dos SANTOS03

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-025 - UTILIZAÇÃO DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O PLANEJAMENTO E GESTÃO DE DESCARGAS

Leia mais

Percepção da água pelos moradores do bairro do Buraco Fundo, povoado de Gargaú, São Francisco do Itabapoana

Percepção da água pelos moradores do bairro do Buraco Fundo, povoado de Gargaú, São Francisco do Itabapoana Percepção da água pelos moradores do bairro do Buraco Fundo, povoado de Gargaú, São Francisco do Itabapoana Giselly Leite de Carvalho Palavras-chave: Água. Gargaú. Manguezal. Introdução É de conhecimento

Leia mais

Gestão Ambiental no Baixo Estuário da Lagoa dos Patos-BELP

Gestão Ambiental no Baixo Estuário da Lagoa dos Patos-BELP Gestão Ambiental no Baixo Estuário da Lagoa dos Patos-BELP Iª Semana Acadêmica da Engenharia Sanitária & Ambiental (23-27 NOV 2009) - UFPEL Milton L. Asmus Instituto de Oceanografia - IO FURG Laboratório

Leia mais

*Endereço: Rua Caldas Júnior, n.º 120, 18º andar Centro Porto Alegre RS CEP Brasil Tel: (51)

*Endereço: Rua Caldas Júnior, n.º 120, 18º andar Centro Porto Alegre RS CEP Brasil Tel: (51) RELAÇÃO ENTRE ÁGUAS SUPERFICIAIS E SUBTERRÂNEAS PARA ABASTECIMENTO PÚBLICO DOS MUNICÍPIOS ATENDIDOS PELA CORSAN NA BACIA HIDROGRÁFICA DO LAGO GUAÍBA RS Maria De Fátima Neves Warth 1 1 Engenheira Civil

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PROFUNDIDADE DE FECHAMENTO PARA O LITORAL NORTE DO RIO GRANDE DO SUL

AVALIAÇÃO DA PROFUNDIDADE DE FECHAMENTO PARA O LITORAL NORTE DO RIO GRANDE DO SUL Cópia do artigo publicado em meio digital pela Associação Brasileira de Recursos Hídricos, como caderno da Revista Brasileira de Recursos Hídricos, por ocasião do evento XIII Simpósio Brasileiro de Recursos

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 25 O meio aquático IV: Autodepuração Prof.ª Heloise Knapi Balanço de massa Vazão de diluição Sentido do escoamento Montante Jusante

Leia mais

CONCEITOS GERAIS E CONCEPÇÃO DE ETEs

CONCEITOS GERAIS E CONCEPÇÃO DE ETEs CONCEITOS GERAIS E CONCEPÇÃO DE ETEs PHA 3413 Tratamento de Esgoto Sanitário ESCOLA POLITÉCNICA DA USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA HIDRÁULICA E AMBIENTAL Prof. Tit. Roque Passos Piveli Prof. Dr. Theo Syrto

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Revitalização Sócio Ambiental do Guarujá: Conceitos e avaliações sobre a balneabilidade das praias da Enseada Vinicius Roveri Docente

Leia mais

INCIDÊNCIA DE COLIFORMES TOTAIS E ESCHERICHIA COLI NAS ÁGUAS UTILIZADAS PARA IRRIGAÇÃO PELA COMINIDADE DO MUNICÍPIO DE PAÇO DO LUMIAR- MA

INCIDÊNCIA DE COLIFORMES TOTAIS E ESCHERICHIA COLI NAS ÁGUAS UTILIZADAS PARA IRRIGAÇÃO PELA COMINIDADE DO MUNICÍPIO DE PAÇO DO LUMIAR- MA INCIDÊNCIA DE COLIFORMES TOTAIS E ESCHERICHIA COLI NAS ÁGUAS UTILIZADAS PARA IRRIGAÇÃO PELA COMINIDADE DO MUNICÍPIO DE PAÇO DO LUMIAR- MA SILVA, G.C;¹ BRINGEL, J.M.M² 1 INTRODUÇÃO A disponibilidade de

Leia mais

II DETERMINAÇÃO DAS CARGAS DE NUTRIENTES LANÇADAS NO RIO SALGADO, NA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, REGIÃO DO CARIRI-CEARÁ

II DETERMINAÇÃO DAS CARGAS DE NUTRIENTES LANÇADAS NO RIO SALGADO, NA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, REGIÃO DO CARIRI-CEARÁ II-36 - DETERMINAÇÃO DAS CARGAS DE NUTRIENTES LANÇADAS NO RIO SALGADO, NA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, REGIÃO DO CARIRI-CEARÁ Antonio de Araujo Pereira (1) Graduado em engenharia Civil pela Universidade

Leia mais

SITUAÇÃO DE BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO LITORAL PARAIBANO

SITUAÇÃO DE BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO LITORAL PARAIBANO SITUAÇÃO DE BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO LITORAL PARAIBANO Edmilson Fonseca (1) Engenheiro civil, 1966, Escola de Engenharia da UFPB; mestrado em Saúde Pública, 1967, Escola Nacional de Saúde Pública -

Leia mais

I-158 AUTOMATIZAÇÃO DA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA I DE BRUMADO COM UTILIZAÇÃO DE BOMBA DOSADORA E PH- METRO ON-LINE.

I-158 AUTOMATIZAÇÃO DA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA I DE BRUMADO COM UTILIZAÇÃO DE BOMBA DOSADORA E PH- METRO ON-LINE. I-158 AUTOMATIZAÇÃO DA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA I DE BRUMADO COM UTILIZAÇÃO DE BOMBA DOSADORA E PH- METRO ON-LINE. Luiz Boaventura da Cruz e Silva (1) Químico bacharel graduado pela Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS DO RIO PARAGUAÇU E AFLUENTES, BAHIA, BRASIL

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS DO RIO PARAGUAÇU E AFLUENTES, BAHIA, BRASIL I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS DO RIO PARAGUAÇU E AFLUENTES, BAHIA, BRASIL Márcia de Andrade Macêdo, Esp. (SENAI/CETIND) Charlene

Leia mais

DIAGNÓSTICO ATUAL E SIMULAÇÃO DA FUTURA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO RIO DOS SINOS/RS

DIAGNÓSTICO ATUAL E SIMULAÇÃO DA FUTURA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO RIO DOS SINOS/RS DIAGNÓSTICO ATUAL E SIMULAÇÃO DA FUTURA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO RIO DOS SINOS/RS Stephan Hund Prates (1) Engº Civil - Mestrando no CPG - Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental. Instituto de Pesquisas

Leia mais

Acadêmicas 2 ano do Curso de Ciências Biológicas da Universidade Estadual de Goiás Unidade de Morrinhos.

Acadêmicas 2 ano do Curso de Ciências Biológicas da Universidade Estadual de Goiás Unidade de Morrinhos. AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DO CORRÉGO MARIA LUCINDA À MONTANTE E À JUSANTE DO LANÇAMENTO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NO MUNICÍPIO DE MORRINHOS GOIÁS Patrícia Avelar dos Prazeres1; Gicelia Rabelo Gomes1;

Leia mais

Rede UFF de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. Coordenação: Julio Cesar Wasserman

Rede UFF de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. Coordenação: Julio Cesar Wasserman Rede UFF de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Avaliação Ambiental do Projeto de Dragagem do : Avaliação dos Aporte de Metais para a Coluna d Água Durante a Dragagem Coordenação: Julio Cesar Wasserman

Leia mais

XI Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste

XI Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste XI Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ÁGUA DE RIOS EM REGIÕES SEMIÁRIDAS - ESTUDO DE CASO - BACIA DO RIO SALITRE BAHIA Zúri Bao Pessôa Aníbal

Leia mais

REUSO DE ÁGUA. Otimizando custos e gerando economia

REUSO DE ÁGUA. Otimizando custos e gerando economia REUSO DE ÁGUA Otimizando custos e gerando economia Distribuição da água na natureza Água Subterrânea 1,7% Oceanos 96,5% Calotas Polares e Geleiras 1,8% Rios e Lagos 0,013% Pântanos, Biomassa e Vapor na

Leia mais

0148/2015 INDICAÇÃO N /2015

0148/2015 INDICAÇÃO N /2015 CÂMARA MUNICIPAL DE FORTALEZA 0148/2015 INDICAÇÃO N /2015 Dispõe sobre o funcionamento da estação de pré-condicionamento de esgotos(epc) da Leste-Oeste e dá outras providências. EXMO. SENHOR PRESIDENTE

Leia mais

Factores climáticos e pressões antropogénicas efeitos na qualidade da água da Ria de Aveiro

Factores climáticos e pressões antropogénicas efeitos na qualidade da água da Ria de Aveiro Factores climáticos e pressões antropogénicas efeitos na qualidade da água da Ria de Aveiro Marta Rodrigues* (LNEC/DHA) Anabela Oliveira (LNEC/DHA) Henrique Queiroga (UA) Vanda Brotas (FCUL) André B. Fortunato

Leia mais

MAPEAMENTO COSTEIRO INTEGRADO

MAPEAMENTO COSTEIRO INTEGRADO MAPEAMENTO COSTEIRO INTEGRADO Prof. Gilberto Pessanha Ribeiro Cartografia/Geodésia/Geografia/Geologia do Quaternário gilberto.pessanha@gmail.com Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP Instituto do

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 AUTODEPURAÇÃO EM CORPOS D ÁGUA Gabriela Thais Izidorio da Silva 1 ; Vinícius Arcanjo da Silva 2 ; 1, 2 Universidade de Uberaba gabrielauniube@gmail.com; vinicius.silva@uniube.br Resumo Os rios são atualmente

Leia mais

Eixo Temático ET Gestão Ambiental em Saneamento

Eixo Temático ET Gestão Ambiental em Saneamento 486 Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento IMPACTO AMBIENTAL GERADO NA BACIA DO RIO CUIÁ COM BASE QUALIDADE DO EFLUENTE TRATADO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO DE JOÃO PESSOA - UNIDADE

Leia mais

BALNEABILIDADE DA BARRA DO CHUÍ/RS: UM LEVANTAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA NO BALNEÁRIO DA BARRA DO CHUÍ/RS

BALNEABILIDADE DA BARRA DO CHUÍ/RS: UM LEVANTAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA NO BALNEÁRIO DA BARRA DO CHUÍ/RS BALNEABILIDADE DA BARRA DO CHUÍ/RS: UM LEVANTAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA NO BALNEÁRIO DA BARRA DO CHUÍ/RS Alessandro Pereira Ribeiro RESUMO: Este estudo realizado no Balneário da Barra do Chuí, Santa Vitória

Leia mais

Graduandos em Engenharia Ambiental e Sanitária - Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM. (2)

Graduandos em Engenharia Ambiental e Sanitária - Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM. (2) IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PONTOS DE POLUIÇÃO HÍDRICA NO CÓRREGO DO LIMOEIRO EM CONTATO COM A ÁREA URBANA DE PATOS DE MINAS - MG Gabriel Rosa da Silva (1), Aline Paula Silvério Pacheco (1), Ana Claudia

Leia mais

Hidrografia, correntometria e modelagem numérica em apoio a obras de engenharia costeira no canal de Piaçaguera (Santos SP)

Hidrografia, correntometria e modelagem numérica em apoio a obras de engenharia costeira no canal de Piaçaguera (Santos SP) Hidrografia, correntometria e modelagem numérica em apoio a obras de engenharia costeira no canal de Piaçaguera (Santos SP) Joseph Harari & Luiz Bruner de Miranda & Alessandro Luvizon Bérgamo & Marco Antonio

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 91, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008

RESOLUÇÃO N o 91, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 91, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008 (Publicada no D.O.U em 06/02/2009) Dispõe sobre procedimentos gerais para o enquadramento dos

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil. Ciências do Ambiente. Aula 14 Impactos e Riscos Ambientais

Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil. Ciências do Ambiente. Aula 14 Impactos e Riscos Ambientais Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 14 Impactos e Riscos Ambientais 2º Semestre/ 2015 1 Etapas importantes: Identificação dos impactos Avaliação e análise dos impactos

Leia mais

Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água

Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Assegurar água bruta em quantidade e qualidade para o SAA

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA CIRCULAÇÃO HIDRODINÂMICA BIDIMENSIONAL

CARACTERIZAÇÃO DA CIRCULAÇÃO HIDRODINÂMICA BIDIMENSIONAL CARACTERIZAÇÃO DA CIRCULAÇÃO HIDRODINÂMICA BIDIMENSIONAL DA BAÍA DE SEPETIBA Cynara L. da Nóbrega Cunha 1, Paulo C. C. Rosman 2 e Teófilo C. N. Monteiro 1. RESUMO Um estudo da caracterização da circulação

Leia mais

Atribuições da FATMA no município de Florianópolis

Atribuições da FATMA no município de Florianópolis Seminário de Condicionantes Ambientais e Capacidade de Suporte IPUF / Prefeitura Municipal de Florianópolis Atribuições da FATMA no município de Florianópolis ELAINE ZUCHIWSCHI Analista Técnica em Gestão

Leia mais

Universidade Federal da Bahia - UFBA Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - UFRB

Universidade Federal da Bahia - UFBA Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - UFRB Universidade Federal da Bahia - UFBA Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - UFRB Yvonilde Medeiros Andrea Fontes UFBA - capacidade operacional A Universidade Federal da Bahia tem seu começo em 18

Leia mais

Rua Agostinho Barbalho, nº 77, ap 503, bl 2, Madureira, Rio de Janeiro RJ. cep

Rua Agostinho Barbalho, nº 77, ap 503, bl 2, Madureira, Rio de Janeiro RJ. cep PROPAGAÇÃO DE ONDAS NA BACIA DE CAMPOS, FOZ DO RIO PARAÍBA DO SUL: SUBSÍDIOS PARA ESTUDOS DE INCIDÊNCIA DE ONDAS NAS MARGENS NORTE E SUL DO DELTA E EROSÃO COSTEIRA. Souza, R. D. 1 ; Bulhões, E. M. R. 2

Leia mais

Modelagem Numérica da Hidrodinâmica e da Dispersão de Esgoto na Baía de Santos, SP

Modelagem Numérica da Hidrodinâmica e da Dispersão de Esgoto na Baía de Santos, SP RBRH Revista Brasileira de Recursos Hídricos Volume 18 n.1 Jan/Mar 2013,205 214 Modelagem Numérica da Hidrodinâmica e da Dispersão de Esgoto na Baía de Santos, SP Joseph Harari 1, Fernando Rodrigues Ferreira

Leia mais

Relatório de Vistoria Técnica realizada nos dias 21 e 22/10/2008 nas praias da Região Metropolitana do Natal - RN.

Relatório de Vistoria Técnica realizada nos dias 21 e 22/10/2008 nas praias da Região Metropolitana do Natal - RN. MONITORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Relatório de Vistoria Técnica realizada nos dias 21 e 22/10/2008 nas praias da Região Metropolitana do Natal -

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA E CONTROLE DA POLUIÇÃO

QUALIDADE DA ÁGUA E CONTROLE DA POLUIÇÃO QUALIDADE DA ÁGUA E CONTROLE DA POLUIÇÃO 1º TRABALHO PRÁTICO PLANEAMENTO REGIONAL DE SISTEMAS DE CONTROLE DA POLUIÇÃO (1º SEMESTRE DO ANO LECTIVO 2006/2007) LISBOA, OUTUBRO DE 2006 QUALIDADE DA ÁGUA E

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DE MATRIZES CURRICULARES CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA

ATUALIZAÇÃO DE MATRIZES CURRICULARES CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA ATUALIZAÇÃO DE MATRIZES CURRICULARES CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA Prezado estudante, Em 2018.1, os cursos da UNIFACS passaram por uma atualização de matrizes curriculares. As informações sobre

Leia mais

PROGRAMAS DE REUSO DE ÁGUA NAS BACIAS PCJ. Sergio Razera Diretor Presidente Fundação Agência das Bacias PCJ

PROGRAMAS DE REUSO DE ÁGUA NAS BACIAS PCJ. Sergio Razera Diretor Presidente Fundação Agência das Bacias PCJ PROGRAMAS DE REUSO DE ÁGUA NAS BACIAS PCJ Sergio Razera Diretor Presidente Fundação Agência das Bacias PCJ 16º Encontro Técnico de Alto Nível: Reúso de Água EPUSP, 07 de novembro de 2016 CONTEXTUALIZAÇÃO

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUA DE CORPO HÍDRICO E DE EFLUENTE TRATADO DE ABATEDOURO DE BOVINOS

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUA DE CORPO HÍDRICO E DE EFLUENTE TRATADO DE ABATEDOURO DE BOVINOS CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUA DE CORPO HÍDRICO E DE EFLUENTE TRATADO DE ABATEDOURO DE BOVINOS Marco Sathler da Rocha 1 ; Erlon Alves Ribeiro 1 ; Michael Silveira Thebaldi 2 ; Alberto Batista Felisberto

Leia mais

IV AVALIAÇÃO AMBIENTAL DA BACIA DO RIO TIMBÓ - PE

IV AVALIAÇÃO AMBIENTAL DA BACIA DO RIO TIMBÓ - PE 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina IV-017 - AVALIAÇÃO AMBIENTAL DA BACIA DO RIO TIMBÓ - PE Maria do Rozario Cezar Malheiros

Leia mais

Gilda Vieira de Almeida, Leonardo Duarte Batista da Silva, Alexandre Lioi Nascentes, Camila Pinho de Sousa, Thayza Oliveira Nacena de Santana

Gilda Vieira de Almeida, Leonardo Duarte Batista da Silva, Alexandre Lioi Nascentes, Camila Pinho de Sousa, Thayza Oliveira Nacena de Santana Avaliação da remoção de nitrogênio em água residuária de bovinocultura ao longo da estação piloto de tratamento contendo leitos cultivados Gilda Vieira de Almeida, Leonardo Duarte Batista da Silva, Alexandre

Leia mais

IV YOSHIDA BRASIL 1 REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA E FÓSFORO DE EFLUENTE DE TRATAMENTO ANAERÓBIO POR PROCESSO FÍSICO-QUÍMICO

IV YOSHIDA BRASIL 1 REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA E FÓSFORO DE EFLUENTE DE TRATAMENTO ANAERÓBIO POR PROCESSO FÍSICO-QUÍMICO IV YOSHIDA BRASIL 1 REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA E FÓSFORO DE EFLUENTE DE TRATAMENTO ANAERÓBIO POR PROCESSO FÍSICO-QUÍMICO Flávio Yoshida (1) Companhia de Saneamento do Paraná SANEPAR Engenheiro Civil,

Leia mais

SUMÁRIO 1. Considerações iniciais 2. Bacia do rio Macaé 3. Bacia do rio das Ostras 4. Bacia da lagoa de Imboacica 5.

SUMÁRIO 1. Considerações iniciais 2. Bacia do rio Macaé 3. Bacia do rio das Ostras 4. Bacia da lagoa de Imboacica 5. ESTUDOS E INVENTÁRIO QUALITATIVO DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS SUMÁRIO 1. Considerações iniciais 2. Bacia do rio Macaé 3. Bacia do rio das Ostras 4. Bacia da lagoa de Imboacica 5. Próximas etapas 1 - Considerações

Leia mais

AGOSTO 2017 RELATÓRIO AMBIENTAL PRÉVIO - RAP

AGOSTO 2017 RELATÓRIO AMBIENTAL PRÉVIO - RAP Msc. Tiago Luis Haus Engenheiro Ambiental AGOSTO 2017 RELATÓRIO AMBIENTAL PRÉVIO - RAP Apresentação Pessoal Formação: Engenheiro Ambiental (UFPR) Mestre em Engenharia de Recursos Hídricos (UFPR) Experiência

Leia mais

AVALIAÇÃO ESPAÇO TEMPORAL DA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS DO RIO PARATI, MUNICÍPIO DE ARAQUARI/SC.

AVALIAÇÃO ESPAÇO TEMPORAL DA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS DO RIO PARATI, MUNICÍPIO DE ARAQUARI/SC. AVALIAÇÃO ESPAÇO TEMPORAL DA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS DO RIO PARATI, MUNICÍPIO DE ARAQUARI/SC. SILVA, Filipe Antunes 1 ; LEITZKE, Renata Luisa 2 ; GUERETZ, Juliano Santos 3 ; SOMENSI, Cleder Alexandre

Leia mais

MACEIÓ PARAIBANO DO BESSA-AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA QUALIDADE DA ÁGUA QUANTO AOS PARÂMETROS FÍSICO- QUÍMICOS

MACEIÓ PARAIBANO DO BESSA-AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA QUALIDADE DA ÁGUA QUANTO AOS PARÂMETROS FÍSICO- QUÍMICOS MACEIÓ PARAIBANO DO BESSA-AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA QUALIDADE DA ÁGUA QUANTO AOS PARÂMETROS FÍSICO- QUÍMICOS Ane Josana Dantas Fernandes (1); Edilma Rodrigues Bento Dantas (2); Jailson da Silva Cardoso (3);

Leia mais