PROGRAMAS DE REUSO DE ÁGUA NAS BACIAS PCJ. Sergio Razera Diretor Presidente Fundação Agência das Bacias PCJ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMAS DE REUSO DE ÁGUA NAS BACIAS PCJ. Sergio Razera Diretor Presidente Fundação Agência das Bacias PCJ"

Transcrição

1 PROGRAMAS DE REUSO DE ÁGUA NAS BACIAS PCJ Sergio Razera Diretor Presidente Fundação Agência das Bacias PCJ 16º Encontro Técnico de Alto Nível: Reúso de Água EPUSP, 07 de novembro de 2016

2 CONTEXTUALIZAÇÃO

3 Territórios de 76 Municípios ~5,6 Milhões de Habitantes ~ km 2 Piracicaba Campinas Fonte: Agência PCJ, 2015 DESAFIOS: PLANO DE BACIAS São Paulo

4 CENÁRIOS SOCIOECONÔMICOS: POPULAÇÃO TOTAL Fonte: AGENCIA PCJ, 2013

5 CENÁRIOS SOCIOECONÔMICOS: DEMANDA TOTAL Fonte: AGENCIA PCJ, 2013

6 BALANÇO HÍDRICO (PROJEÇÃO TENDENCIAL) ESTADO CRÔNICO: REUSO INDIRETO E NÃO PLANEJADO Fonte: COBRAPE, 2011 (Na fonte há notas com maiores esclarecimentos sobre o Q disponível )

7 DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO TOTAL (2014) Cerca de 72% da população possui coleta e tratamento dos esgotos Fonte: CETESB, 2014 & SNIS 2013 apud Agência das Bacias PCJ, 2015

8 COLETA DE ESGOTOS DOMÉSTICOS (2014) Fonte: CETESB, 2014 & SNIS 2013 apud Agência das Bacias PCJ, 2015

9 TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS (2014) Cerca de 72% da população possui coleta e tratamento dos esgotos Fonte: CETESB, 2014 & SNIS 2013 apud Agência das Bacias PCJ, 2015

10 GOVERNANÇA

11 SUPORTE: 12 CÂMARAS TÉCNICAS

12 O CONTEXTO DO PLANEJAMENTO

13 ENQUADRAMENTO DOS CORPOS D ÁGUA

14 DEFINIÇÃO SOBRE OS RIOS QUE QUEREMOS CONSTRUÇÃO DE PROPOSTA NO PLANO DAS BACIAS PCJ Fonte: COBRAPE,

15 CENÁRIO DE SAÍDA 39% de Rios na Classe (OD/DBO) Cenário para Situação de Seca (Q 7,10 ) Fonte: COBRAPE, 2010

16 IMPORTANTE: DEFINIÇÃO DE PREMISSAS DOS CENÁRIOS Cenário socioeconômico tendencial; OD/DBO Vazão de referência: Q 7,10; Vazão liberada pelo Sistema Cantareira: 5 m 3 /s; Alcance da meta de 25% de perdas globais para 2020; Implantação de barragens locais. Fonte: COBRAPE, 2010

17 GESTÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA

18 Dois eixos de análise: 1º - Cenário POSSÍVEL: recursos financeiros possíveis de serem investidos. Verificaram-se as melhorias de qualidade da água possíveis de serem alcançadas; 2º - Cenário DESEJÁVEL: recursos financeiros não limitados, na qual se determina qual o montante necessário para tentar atingir as classe de enquadramento proposto. Fonte: COBRAPE, 2010

19 CENÁRIO POSSÍVEL % de Rios na Classe Cenário para Situação de Seca! Fonte: COBRAPE, 2010

20 CENÁRIO DESEJÁVEL % de Rios na Classe Cenário para Situação de Seca! Obs.: Diversos outros cenários analisados no contexto do Plano Desafios envolvendo alocação de cargas remanescentes Fonte: COBRAPE, 2010

21 GESTÃO DA OFERTA DE ÁGUA

22 OFERTAS E DEMANDAS: TENDÊNCIAS PROPOSTAS FACILITADA - PCJ Demandas (m3/s) SOLUÇÕES LOCAIS E/OU DE VIABILIDADE RENOVAÇÃO DA OUTORGA DO SISTEMA CANTAREIRA SOLUÇÕES INTEGRADAS E/OU COMPLEXAS Barragens (Camanducaia, Jaguari) Aquífero Guarani Barragem Campo Limpo Rev Jaguari -Cantareira Barra Bonita Jurumirim, etc. Reversão Jundiuvira-Piraí: + 0,6 m 3 /s Represa Capivari Mirim: + 0,3 m 3 /s Ampliações das Captações a Fio D Água / Soluções Locais: + 1,7 m 3 /s 21,0 m 3 /s 20,4 m 3 /s 20,1 m 3 /s 18,4 m 3 /s Demanda crescente ,3 m 3 /s 11,9 m 3 /s 11,2 m 3 /s 9,4 m 3 /s Fonte: COBRAPE, 2010

23 GESTÃO DA DEMANDA POR ÁGUA

24 A QUESTÃO DA GESTÃO DAS DEMANDAS Meta de Perdas para 2020 Nível inicial de perdas Ritmo de Redução IPD 40% 20% por ano IPD final = 25% 25% < IPD < 40% 5 % por ano IPD 25% Manutenção Priorização de investimentos conforme situação dos municípios Fonte: COBRAPE, 2010

25 PROGRAMAS DE AÇÕES E INVESTIMENTOS

26 PLANO DAS BACIAS 2010 A 2020 PROGRAMA DE INVESTIMENTOS Fonte: COBRAPE, 2011

27 REVISÃO DO PLANO

28 AVALIAÇÃO Foi apurado que até 2014 a população cresceu habitantes além do esperado no cenário de referência do Plano de Bacias Impactos sobre a demanda por água Impactos sobre a produção de esgotos Evolução no índice médio de tratamento do esgoto gerado: 42% em % em % em 2014 Estudos mais detalhados: revisão do Plano

29 GESTÃO DA OFERTA Vazões à jusante do Sistema Cantareira Reservatórios à jusante do Sistema Cantareira Reuso Recarga (PSA Conservação de Solo, Recomposição Florestal) Educação Ambiental Monitoramento GESTÃO DA DEMANDA Alocação de Água Uso Racional Demanda Per Capita (l/hab./dia) Reuso Educação Ambiental Vazão Insignificante Outorgas/ Licenças Monitoramento GESTÃO DA QUALIDADE Coleta/ Tratamento de efluentes Eficiência de tratamento Poluição Difusa Educação Ambiental Saúde Ambiental Reuso Outorgas/ Licenças Enquadramento Monitoramento

30 DISCUSSÕES IMPORTANTES PARA REVISÃO CONSERVAÇÃO DA ÁGUA NO MEIO RURAL E REFLORESTAMENTO: Pagamento por Serviços Ambientais; Áreas de Proteção e Recuperação de Mananciais de Interesse Regional; Plano Diretor Florestal; Novo código florestal; Racionalização do uso da água na agricultura. Foco na infraestrutura verde.

31 DISCUSSÕES IMPORTANTES PARA REVISÃO RECUPERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS: Avaliação de dificuldades de execução de ações; Ampliação da coleta e tratamento de esgotos; Elevação da eficiência e dos sistemas de tratamento; Efetivação do enquadramento dos corpos d água; Monitoramento; Necessidade de sistemas de altíssima performance. Foco na infraestrutura sanitária.

32 DISCUSSÕES IMPORTANTES PARA REVISÃO ALOCAÇÃO DE ÁGUA: Perspectivas de uso de água por setor (abastecimento, industrial, rural); Monitoramento; Incentivo a Planos de Contingência para eventos extremos; Foco na infraestrutura hidráulica e em sistemas para alocação de água. Encomenda: diretrizes para o Plano diretor de reuso da água

33 EXPERIÊNCIA: UNIDADE PILOTO REUSO DIRETO POTÁVEL

34 CONTEXTO DA UNIDADE PILOTO Oportunidade: cenário de crise hídrica e oportunidade ETE de alta performance (Capivari II) Motivação discutida nos Comitês PCJ Investimento viabilizado em parceria envolvendo SANASA Campinas e Agência das Bacias PCJ Execução do projeto: FUNDESPA e CIRRA

35 DADOS DO CONTRATO OBJETIVOS: Avaliar a viabilidade do aproveitamento dos efluentes tratados: reúso potável direto Garantir, através dos processos de tratamento complementares propostos e da realização de testes e de análises específicas, que os efluentes tratados permitam a sua utilização para o reúso potável (Portaria MS nº 2.914) Apresentar proposta de alteração da legislação vigente Divulgar os resultados do trabalho junto aos Comitês PCJ DADOS DO CONTRATO: Valor: R$ ,00 Previsão de enceramento: dezembro de 2016

36 UNIDADE PILOTO

37 Obrigado! Fonte: UNESCO apud ANA, 2011

SEMINÁRIO FIESP GESTÃO DA ÁGUA A CRISE NÃO ACABOU

SEMINÁRIO FIESP GESTÃO DA ÁGUA A CRISE NÃO ACABOU SEMINÁRIO FIESP GESTÃO DA ÁGUA A CRISE NÃO ACABOU Sergio Razera Diretor Presidente Fundação Agência das Bacias PCJ CONTEXTUALIZAÇÃO Fonte: PLANO DE BACIAS, 2010-2020 3 Área: 15.304km 2 (92,6% SP e 7,4%

Leia mais

Plano das Bacias PCJ 2010 a 2020

Plano das Bacias PCJ 2010 a 2020 Plano das Bacias PCJ 2010 a 2020 Eduardo Cuoco Léo Coordenador de Sistema de Informação Fundação Agência das Bacias PCJ agosto de 2011 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 6 PASSOS 1º Passo: Introdução; 2º Passo:

Leia mais

Planejamento Hídrico para Habitação, Abastecimento e Saneamento

Planejamento Hídrico para Habitação, Abastecimento e Saneamento Planejamento Hídrico para Habitação, Abastecimento e Saneamento ENCOB 2015 Caldas Novas - GO 08.10.2015 BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PIRACICABA Fonte: Agência PCJ BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIVARI Fonte:

Leia mais

4. REVISÃO DAS METAS E AÇÕES DO PLANO DE BACIAS 2000/2003

4. REVISÃO DAS METAS E AÇÕES DO PLANO DE BACIAS 2000/2003 4. REVISÃO DAS METAS E AÇÕES DO PLANO DE BACIAS 2000/2003 4.1. AS METAS DE CURTO PRAZO PQA X PLANO DE BACIAS 2000-2003 Esse capítulo faz uma comparação e explicita ações e metas já definidas nos dois principais

Leia mais

Comitê de Meio Ambiente CTC ÚNICA. "O Setor Sucroenergético e a Crise Hídrica Avanços com Boas Práticas" COMITÊ DE MEIO AMBIENTE (CMA) CTC-UNICA

Comitê de Meio Ambiente CTC ÚNICA. O Setor Sucroenergético e a Crise Hídrica Avanços com Boas Práticas COMITÊ DE MEIO AMBIENTE (CMA) CTC-UNICA Comitê de Meio Ambiente COMITÊ DE MEIO AMBIENTE (CMA) CTC-UNICA CTC ÚNICA "O Setor Sucroenergético e a Crise Hídrica Avanços com Boas Práticas" AS MUDANÇAS DO CLIMA E A CRISE HÍDRICA A Organização das

Leia mais

SEGURANÇA HÍDRICA E DESENVOLVIMENTO REGIONAL NA MACROMETRÓPOLE PAULISTA

SEGURANÇA HÍDRICA E DESENVOLVIMENTO REGIONAL NA MACROMETRÓPOLE PAULISTA SEGURANÇA HÍDRICA E DESENVOLVIMENTO REGIONAL NA MACROMETRÓPOLE PAULISTA I FÓRUM TÉCNICO INTERNACIONAL REÚSO DIRETO E INDIRETO DE EFLUENTES PARA POTABILIZAÇÃO 15 E 16 DE OUTUBRO DE 2014 FACULDADE DE SAÚDE

Leia mais

Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água

Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Assegurar água bruta em quantidade e qualidade para o SAA

Leia mais

PÓS CRISE : REÚSO DE ÁGUA É UMA REALIDADE EM SÃO PAULO?

PÓS CRISE : REÚSO DE ÁGUA É UMA REALIDADE EM SÃO PAULO? CIRRA / IRCWR PÓS CRISE : REÚSO DE ÁGUA É UMA REALIDADE EM SÃO PAULO? IVANILDO HESPANHOL 18/10/2016 23:15 5 ATIVIDADES BÁSICAS DO CIRRA SÍNTESE DE MEMBRANAS PLANAS DE MICRO E ULTRAFILTRAÇÃO SÍNTESE

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS A POLÍTICA DE RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS A POLÍTICA DE RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS A POLÍTICA DE RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO IV Fórum de Recursos Hídricos CRQ IV Região São Paulo, 2016 Cenário dos anos 1970 (Brasil) Rio Piracicaba (Estiagem,)

Leia mais

FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ

FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ Represa Jaguari/Jacareí Reprodução/Sistema Ambiental Paulista/Governo do Estado BOLETIM DE MONITORAMENTO

Leia mais

Capacitação para Captação de Recursos Financeiros do FEHIDRO e Cobranças Estaduais PCJ

Capacitação para Captação de Recursos Financeiros do FEHIDRO e Cobranças Estaduais PCJ Capacitação para Captação de Recursos Financeiros do FEHIDRO e Cobranças Estaduais PCJ A gestão da água nas Bacias PCJ Acervo A PROVINCIA enchente de 1929 Sistema Cantareira COBRANÇAS PCJ Desde 2006, partindo

Leia mais

Painel I - Adaptação às Mudanças do Clima e a Segurança Hídrica. Mario Pino. Março/2017

Painel I - Adaptação às Mudanças do Clima e a Segurança Hídrica. Mario Pino. Março/2017 Painel I - Adaptação às Mudanças do Clima e a Segurança Hídrica Mario Pino Março/2017 Seminário: Mudança do Clima e Segurança Hídrica Reflexos e Impactos para a Sociedade Introdução Passado Presente Futuro

Leia mais

Alceu Segamarchi Junior

Alceu Segamarchi Junior GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE SANEAMENTO E RECURSOS HÍDRICOS DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA Alceu Segamarchi Junior Superintendente do Departamento de Águas e Energia Elétrica

Leia mais

Cenário Futuro do Consumo de Água no Espírito Santo. 15/12/ Vitória/ES

Cenário Futuro do Consumo de Água no Espírito Santo. 15/12/ Vitória/ES Cenário Futuro do Consumo de Água no Espírito Santo 15/12/2015 - Vitória/ES AGENDA A CESAN Principais resultados alcançados Cenário hídrico Ações e projetos futuros 52 municípios atendidos 72 % da população

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ)

AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ) AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ) MARCOS LEGAIS CONSÓRCIO PÚBLICO - CONSTITUIÇÃO FEDERAL (Art. 241 - Emenda nº 19/1998) - LEI FEDERAL

Leia mais

Painel: Desafios e Metas de Abastecimento de Água e Tratamento de Esgoto

Painel: Desafios e Metas de Abastecimento de Água e Tratamento de Esgoto Painel: Desafios e Metas de Abastecimento de Água e Tratamento de Esgoto Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano Sabesp 07/11/2011 Bacia do Alto Tietê Bacia do Sorocaba/ Médio Tietê Bacia do PCJ

Leia mais

GRUPO TÉCNICO DE ASSESSORAMENTO PARA GESTÃO DO SISTEMA CANTAREIRA GTAG - CANTAREIRA COMUNICADO Nº 7-16/05/2014

GRUPO TÉCNICO DE ASSESSORAMENTO PARA GESTÃO DO SISTEMA CANTAREIRA GTAG - CANTAREIRA COMUNICADO Nº 7-16/05/2014 GRUPO TÉCNICO DE ASSESSORAMENTO PARA GESTÃO DO SISTEMA CANTAREIRA GTAG - CANTAREIRA COMUNICADO Nº 7-16/05/2014 DESCRITIVO GERAL DA SITUAÇÃO O conjunto de reservatórios Jaguari-Jacareí, Cachoeira e Atibainha

Leia mais

Qualidade da Água em Rios e Lagos Urbanos

Qualidade da Água em Rios e Lagos Urbanos Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária PHD 2537 Água em Ambientes Urbanos Qualidade da Água em Rios e Lagos Urbanos Novembro 2008 Felipe Carvalho

Leia mais

Sistema Cantareira: RMSP e PCJ escassez hídrica (muita gente: 20 milhões de pessoas só na RMSP e pouca água)

Sistema Cantareira: RMSP e PCJ escassez hídrica (muita gente: 20 milhões de pessoas só na RMSP e pouca água) Sistema Cantareira: RMSP e PCJ escassez hídrica (muita gente: 20 milhões de pessoas só na RMSP e pouca água) Franco da Rocha Bragança Paulista Mairiporã Nazaré Paulista Piracaia São Paulo Escassez hídrica:

Leia mais

GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA. 5 de Dezembro de 2012

GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA. 5 de Dezembro de 2012 GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA 5 de Dezembro de 2012 GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA CONTEÚDO 1. A REGIÃO METROPOLITANA

Leia mais

PREVENÇÃO. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novapdf printer (http://www.novapdf.com)

PREVENÇÃO. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novapdf printer (http://www.novapdf.com) PREVENÇÃO I CONTEXTO II A PRÁTICA III DESAFIOS I CONTEXTO I CONTEXTO 1. LEI Nº 9.433/1997 - Política Nacional de Recursos Hídricos - PNR Art. 1º Fundamentos... Bacia hidrográfica unidade territorial para

Leia mais

VALOR PREVISTO NO PAP (mil R$) PROGRAMAS / PROJETOS DO PAP AÇÕES STATUS INFORMAÇÕES OBJETO ETAPAS ITEM

VALOR PREVISTO NO PAP (mil R$) PROGRAMAS / PROJETOS DO PAP AÇÕES STATUS INFORMAÇÕES OBJETO ETAPAS ITEM INDICADOR 2A PLANEJAMENTO E GESTÃO INDICADOR 2A 2 PLANO DE APLICAÇÃO PLURIANUAL Relatório anual de acompanhamento das ações executadas com recursos da Cobrança Federal PLANO DE APLICAÇÃO PLURIANUAL 2013

Leia mais

PAINEL 2 USO SUSTENTÁVEL DA ÁGUA. São Paulo, 23 de março de 2009

PAINEL 2 USO SUSTENTÁVEL DA ÁGUA. São Paulo, 23 de março de 2009 GESTÃO ESTRATÉGICA DA ÁGUA PAINEL 2 USO SUSTENTÁVEL DA ÁGUA São Paulo, 23 de março de 2009 1200 DISPONIBILIDADE E DEMANDA DE ÁGUA - 2007 Vazão (m 3 /s) 1000 SUBTERRÂNEA 800 600 400 SUPERFICIAL SUBTERRÂNEA

Leia mais

A Crise Hídrica no Estado de São Paulo Políticas Públicas e Programas para Conservação de Água

A Crise Hídrica no Estado de São Paulo Políticas Públicas e Programas para Conservação de Água Workshop ZCAS/MONÇÃO Cachoeira Paulista, 20 a 22/07/2015 A Crise Hídrica no Estado de São Paulo Políticas Públicas e Programas para Conservação de Água Américo de Oliveira Sampaio Coordenador de Saneamento

Leia mais

2a. Conferência Latinoamericana de Saneamento Latinosan Painel 4: Gestão Integrada de Águas Urbanas

2a. Conferência Latinoamericana de Saneamento Latinosan Painel 4: Gestão Integrada de Águas Urbanas Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano 2a. Conferência Latinoamericana de Saneamento Latinosan 2010 Painel 4: Gestão Integrada de Águas Urbanas 16/março/2010 Foz

Leia mais

EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: A CRISE COMO OPORTUNIDADE PARA TRANSFORMAÇÕES NAS BACIAS PCJ PIRACICABA SESC 25/06/2015

EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: A CRISE COMO OPORTUNIDADE PARA TRANSFORMAÇÕES NAS BACIAS PCJ PIRACICABA SESC 25/06/2015 EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: A CRISE COMO OPORTUNIDADE PARA TRANSFORMAÇÕES NAS BACIAS PCJ PIRACICABA SESC 25/06/2015 ALEXANDRA FACCIOLLI MARTINS MP/SP - GAEMA - NÚCLEO PCJ PIRACICABA GESTÃO DOS RECURSOS

Leia mais

Perspectivas do Setor Usuários

Perspectivas do Setor Usuários Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Araguari (CBH Araguari) 1ª Assembleia Geral Extraordinária de 2015 Perspectivas do Setor Usuários Cléber Frederico Ribeiro 1º Secretário Nacional da Assemae e Assessor

Leia mais

A COBRANÇA A PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS H BACIAS PCJ

A COBRANÇA A PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS H BACIAS PCJ A COBRANÇA A PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS H NAS BACIAS PCJ FEDERAÇÃO INDUSTRIAS S C 30/09/2010 EDUARDO L. PASCHOALOTT I C.R.M.A - FIESP 1 Características Físicas das Bacias PCJ Bacias dos Rios Piracicaba,

Leia mais

A REPRESENTAÇÃO DA INDÚSTRIA NOS COMITÊS DE BACIA HIDROGRÁFICA A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA LANÇAMENTO DE EFLUENTES/ ENQUADRAMENTO

A REPRESENTAÇÃO DA INDÚSTRIA NOS COMITÊS DE BACIA HIDROGRÁFICA A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA LANÇAMENTO DE EFLUENTES/ ENQUADRAMENTO A REPRESENTAÇÃO DA INDÚSTRIA NOS COMITÊS DE BACIA HIDROGRÁFICA A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA LANÇAMENTO DE EFLUENTES/ ENQUADRAMENTO DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE SOROCABA Outubro de 2009 GESTÃO DE RECURSOS

Leia mais

O Sistema de Gestão dos Recursos Hídricos Exemplo nas Bacias PCJ. Eduardo Cuoco Léo Gestor Ambiental

O Sistema de Gestão dos Recursos Hídricos Exemplo nas Bacias PCJ. Eduardo Cuoco Léo Gestor Ambiental O Sistema de Gestão dos Recursos Hídricos Exemplo nas Bacias PCJ Eduardo Cuoco Léo Gestor Ambiental Piracicaba, 16 de agosto de 2010 OS FUNDAMENTOS LEGAIS DO SISTEMA OS FUNDAMENTOS LEGAIS DO SISTEMA (BACIAS

Leia mais

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos Devanir Garcia

Leia mais

Política de Recursos Hídricos e Saneamento. Prof. Carlos E. M. Tucci

Política de Recursos Hídricos e Saneamento. Prof. Carlos E. M. Tucci Política de Recursos Hídricos e Saneamento Prof. Carlos E. M. Tucci 1 Precipitação Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento da erosão, sedimentos e resíduos sólidos;

Leia mais

Estresse hídrico na bacia do rio Paraíba do Sul e a segurança hídrica do Estado do Rio de Janeiro

Estresse hídrico na bacia do rio Paraíba do Sul e a segurança hídrica do Estado do Rio de Janeiro Estresse hídrico na bacia do rio Paraíba do Sul e a segurança hídrica do Estado do Rio de Janeiro Diretoria de Gestão das Águas e do Território - Digat Instituto Estadual do Ambiente - INEA 01 de julho

Leia mais

ANÁLISE DA PROPOSTA DE ENQUADRAMENTO DOS CORPOS HÍDRICOS SUPERFICIAIS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARANAÍBA

ANÁLISE DA PROPOSTA DE ENQUADRAMENTO DOS CORPOS HÍDRICOS SUPERFICIAIS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARANAÍBA ANÁLISE DA PROPOSTA DE ENQUADRAMENTO DOS CORPOS HÍDRICOS SUPERFICIAIS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARANAÍBA 35ª Reunião da CTPI do CBH Paranaíba Célio Bartole Pereira Coordenador de Qualidade de Água

Leia mais

COMUNICADO Nº 10 30/6/2014

COMUNICADO Nº 10 30/6/2014 GRUPO TÉCNICO DE ASSESSORAMENTO PARA GESTÃO DO SISTEMA CANTAREIRA GTAG - CANTAREIRA COMUNICADO Nº 10 30/6/2014 DESCRITIVO GERAL DA SITUAÇÃO O conjunto de reservatórios Jaguari-Jacareí, Cachoeira e Atibainha

Leia mais

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA. Adaptado de Devanir Garcia dos Santos Agência Nacional de Águas Gerência de Uso Sustentável de Água e Solo

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA. Adaptado de Devanir Garcia dos Santos Agência Nacional de Águas Gerência de Uso Sustentável de Água e Solo PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA Adaptado de Devanir Garcia dos Santos GESTÃO COMPARTILHADA Harmonizar a relação entre produtor a montante da bacia hidrográfica e usuário a jusante Através do reconhecimento econômico

Leia mais

Saneamento Urbano I TH052

Saneamento Urbano I TH052 Universidade Federal do Paraná Arquitetura e Urbanismo Saneamento Urbano I TH052 Aula 03 Ciclo hidrológico, usos do solo e da água Profª Heloise G. Knapik 1 Surgimento das cidades Planejamento Conflitos

Leia mais

Uso Racional da Água Gestão da Demanda Evolução e Tendências. Eng. MSc. Osvaldo Oliveira Jr

Uso Racional da Água Gestão da Demanda Evolução e Tendências. Eng. MSc. Osvaldo Oliveira Jr Uso Racional da Água Gestão da Demanda Evolução e Tendências Eng. MSc. Osvaldo Oliveira Jr AGENDA - AMBIENTE E CONSTRUÇÃO CIVIL; - DEFINIÇÕES; - CONTEXTUALIZAÇÃO Gestão da Demanda; - OLHAR PARA O PASSADO;

Leia mais

Instituto Trata Brasil - por um Brasil com saneamento básico Cenário do saneamento básico no país, desafios e oportunidades

Instituto Trata Brasil - por um Brasil com saneamento básico Cenário do saneamento básico no país, desafios e oportunidades Instituto Trata Brasil - por um Brasil com saneamento básico Cenário do saneamento básico no país, desafios e oportunidades SANEAMENTO E TRATAMENTO DA ÁGUA nos Processos de Abastecimento Público e Produtivos

Leia mais

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA Rossini Ferreira Matos Sena Especialista em Recursos Hídricos Superintendência de Implementação de Programas e Projetos Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável

Leia mais

SEMINÁRIO GERENCIAMENTO A ESCASSEZ DE ÁGUA NA INDÚSTRIA

SEMINÁRIO GERENCIAMENTO A ESCASSEZ DE ÁGUA NA INDÚSTRIA SEMINÁRIO GERENCIAMENTO A ESCASSEZ DE ÁGUA NA INDÚSTRIA CAMPINAS SP 17 DE JULHO DE 2014 Prof. Dr. Antonio Carlos Zuffo (FEC-UNICAMP) Prof. Dr. José Teixeira Filho (FEAGRI-UNICAMP) Dr. Rafael Mingoti (EMBRAPA)

Leia mais

DIRETRIZES PARA O AUMENTO DA SEGURANÇA HÍDRICA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

DIRETRIZES PARA O AUMENTO DA SEGURANÇA HÍDRICA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO Esta publicação contempla os seguintes temas: Outubro/2015 DIRETRIZES PARA O AUMENTO DA SEGURANÇA HÍDRICA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO A gestão de recursos hídricos é objeto de atuação constante

Leia mais

URBANIZAÇÃO E DRENAGEM URNANA EM PORTO ALEGRE. Joel Avruch Goldenfum - IPH/UFRGS

URBANIZAÇÃO E DRENAGEM URNANA EM PORTO ALEGRE. Joel Avruch Goldenfum - IPH/UFRGS URBANIZAÇÃO E DRENAGEM URNANA EM PORTO ALEGRE Joel Avruch Goldenfum - IPH/UFRGS 1 Impactos da urbanização Cerca de 80% da população brasileira Problemas (Recursos Hídricos): degradação ambiental dos mananciais

Leia mais

GIANCARLO GERLI GOVERNADOR DO CONSELHO MUNDIAL DA ÁGUA São Paulo, 08 de outubro de 2013

GIANCARLO GERLI GOVERNADOR DO CONSELHO MUNDIAL DA ÁGUA São Paulo, 08 de outubro de 2013 GIANCARLO GERLI GOVERNADOR DO CONSELHO MUNDIAL DA ÁGUA São Paulo, 08 de outubro de 2013 DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DOCE NO MUNDO DISTRIBUIÇÃO DA ÁGUA DOCE E SALGADA 97,5 8% 22% 70% 2,5 Indústria Agricultura

Leia mais

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A Junho /2010 PI.034.00000001 Rev. A SUMÁRIO 1. SUSTENTABILIDADE : ESSÊNCIA DA CAB AMBIENTAL 2. MISSÃO 3.VISÃO 4. OBEJTIVO 5. SUSTENTABILIDADE NA PRÁTICA 6. COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO CHAVES PARA O SUCESSO

Leia mais

Tratamento de esgotos na Região Metropolitana de São Paulo. Seminário Saneamento na Rede Rio de Janeiro 19/05/2010

Tratamento de esgotos na Região Metropolitana de São Paulo. Seminário Saneamento na Rede Rio de Janeiro 19/05/2010 Tratamento de esgotos na Região Metropolitana de São Paulo Seminário Saneamento na Rede Rio de Janeiro 19/05/2010 Índice de Atendimento Sabesp Abastecimento de Água 1994 95% 2001 100% 2010 Final de 2010

Leia mais

DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A BACIA DOS RIOS PIRACICABA CAPIVARI E JUNDIAÍ. Crise da água: desafios e soluções

DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A BACIA DOS RIOS PIRACICABA CAPIVARI E JUNDIAÍ. Crise da água: desafios e soluções DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A BACIA DOS RIOS PIRACICABA CAPIVARI E JUNDIAÍ Crise da água: desafios e soluções 03 de Junho de 2014. Água no Mundo LOCAL Volume (km 3 ) Percentagem

Leia mais

COBRANÇA PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS

COBRANÇA PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS COBRANÇA PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS 206 Cachoeira de Diegues (Toledo/MG) - Foto: Bolly Vieira :AUGÁ ALEP SODOT!ezimonocE e ediuc TODOS PELA ÁGUA: Cuide e Economize! COBRANÇA MAPA DAS BACIAS PCJ Desde

Leia mais

Cobrança pelo uso da Água, através da Agência de Água PCJ:

Cobrança pelo uso da Água, através da Agência de Água PCJ: Tema: Retrospectiva de atuação como Entidade Equiparada AGB / PJ Autores: Francisco Carlos Castro Lahóz Coordenador de Projetos do Consórcio PCJ e Coordenador do Contrato de Gestão do Comitê PJ Jussara

Leia mais

Movimento Água para São Paulo

Movimento Água para São Paulo Movimento Água para São Paulo Resumo Executivo do Plano de Negócios Contextualização O Movimento Água para São Paulo é um dos principais projetos dentro da Coalizão Cidades pela Água, uma iniciativa para

Leia mais

Dispõe sobre Procedimentos para o Controle de Efluentes Líquidos Provenientes de Fontes de Poluição Licenciáveis pela CETESB, na UGRHI 6 Alto Tietê.

Dispõe sobre Procedimentos para o Controle de Efluentes Líquidos Provenientes de Fontes de Poluição Licenciáveis pela CETESB, na UGRHI 6 Alto Tietê. DECISÃO CETESB Nº 53, de 24/03/2009 Dispõe sobre Procedimentos para o Controle de Efluentes Líquidos Provenientes de Fontes de Poluição Licenciáveis pela CETESB, na UGRHI 6 Alto Tietê. A Diretoria Plena

Leia mais

CONTRATOS FIRMADOS EM 2015

CONTRATOS FIRMADOS EM 2015 CONTRATOS FIRMADOS EM 2015 Nº DO CONTRATO 001/2015 COLETA DE PREÇOS PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE AUDITORIA CONTÁBIL, FISCAL, TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA VALOR DO CONTRATO R$ 28.000,00 AUDIMAXI AUDITORIA LTDA.

Leia mais

Gestão de Riscos de Inundações na Bacia Matanza Riachuelo, Argentina

Gestão de Riscos de Inundações na Bacia Matanza Riachuelo, Argentina Workshop Internacional sobre Gestão Integral de Aguas Urbanas São Paulo, Brasil. 4-6 Dezembro, 2012 Gestão de Riscos de Inundações na Bacia Matanza Riachuelo, Argentina Juan Carlos Bertoni Coordinador

Leia mais

BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO: Medidas Adicionais de Gestão para enfrentamento da Crise Hídrica

BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO: Medidas Adicionais de Gestão para enfrentamento da Crise Hídrica BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO: Medidas Adicionais de Gestão para enfrentamento da Crise Hídrica Caracterização da bacia Área 639.219 km² Precipitação média anual na Bacia Extensão 2.863 km População 14,3

Leia mais

COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA

COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA 31/07/2014 - Brasília DF SERGIO RAZERA Diretor-Presidente Fundação Agência

Leia mais

OUTORGA. Obtenção da Outorga De Direito de Uso de Recursos, Órgão Responsável pela emissão D.A.E.E. Decreto Nº de 31/10/96

OUTORGA. Obtenção da Outorga De Direito de Uso de Recursos, Órgão Responsável pela emissão D.A.E.E. Decreto Nº de 31/10/96 LEGISLAÇÃO Legislação Federal: Lei Nº 9.433 08/01/1997 Legislação Estadual: Constituição do Estado de São Paulo Lei nº 6.134 02/06/1988 Decreto nº 32.955 07/02/1991 Lei nº 7.663 30/12/1991 Decreto nº 36.787

Leia mais

Estabelece critérios e procedimentos gerais para proteção e conservação das águas subterrâneas no território brasileiro.

Estabelece critérios e procedimentos gerais para proteção e conservação das águas subterrâneas no território brasileiro. RESOLUÇÃO No- 92, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008 Estabelece critérios e procedimentos gerais para proteção e conservação das águas subterrâneas no território brasileiro. O CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS

Leia mais

A Sharewater. Planeta Água. Prêmios

A Sharewater. Planeta Água. Prêmios A Sharewater A Sharewater tem o objetivo de oferecer soluções completas para a conservação da água, através de projetos, consultoria e desenvolvimento de tecnologia própria. Foi fundada em 8 de maio de

Leia mais

A cobrança pelo uso da água na experiência francesa e o papel das agências de bacias hidrográficas

A cobrança pelo uso da água na experiência francesa e o papel das agências de bacias hidrográficas IV Seminário Regional sobre os Usos Múltiplos da Água e Gestão Integrada de Recursos Hídricos A cobrança pelo uso da água na experiência francesa e o papel das agências de bacias hidrográficas Patrick

Leia mais

Termo de Referência Plano de Negócios Coalizão Cidades pela Água Capítulo Curitiba. A. Contexto

Termo de Referência Plano de Negócios Coalizão Cidades pela Água Capítulo Curitiba. A. Contexto A. Contexto Termo de Referência Plano de Negócios Coalizão Cidades pela Água Capítulo Curitiba A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos, que tem como missão preservar as terras

Leia mais

Uso Racional da Água

Uso Racional da Água PHD - Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária PHD 2537 - Água em Ambientes Urbanos Uso Racional da Água Prof. Kamel Zahed Filho Afonso Mariutti Chebib Luiz Dal Sochio Junior Luiz Fernando Simone

Leia mais

Uso Racional e Reúso da Água

Uso Racional e Reúso da Água Escola Politécnica da USP PHD - 2548 Uso Racional e Reúso da Água NECESSIDADES E DESAFIOS Apresentação: José Carlos Mierzwa mierzwa@usp.br http://www.usp.br/cirra cirra@usp.br Programa do Curso 1 - A necessidade

Leia mais

37º ENCONTRO DO GRUPO REGIONAL DE PERDAS HÍDRICAS Consórcio PCJ. Centro do Conhecimento da Água 08/05/2013

37º ENCONTRO DO GRUPO REGIONAL DE PERDAS HÍDRICAS Consórcio PCJ. Centro do Conhecimento da Água 08/05/2013 37º ENCONTRO DO GRUPO REGIONAL DE PERDAS HÍDRICAS Consórcio PCJ Centro do Conhecimento da Água 08/05/2013 Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento OS RESULTADOS E DESAFIOS DA SANASA-CAMPINAS NA

Leia mais

O REÚSO DA ÁGUA NO CONTEXTO DA ECOLOGIA INDUSTRIAL

O REÚSO DA ÁGUA NO CONTEXTO DA ECOLOGIA INDUSTRIAL O REÚSO DA ÁGUA NO CONTEXTO DA ECOLOGIA INDUSTRIAL Fabíola Maria Gonçalves Ribeiro Alcir Vilela Junior Apresentação O Grupo de Ecologia Industrial Aplicada (GEIA) surgiu no programa de pós-graduação do

Leia mais

Gestão de Inundações urbanas. Dr. Carlos E M Tucci Rhama Consultoria e IPH - UFRGS

Gestão de Inundações urbanas. Dr. Carlos E M Tucci Rhama Consultoria e IPH - UFRGS Gestão de Inundações urbanas Dr. Carlos E M Tucci Rhama Consultoria e IPH - UFRGS tucci@rhama.net Tipos de inundações Inundações ribeirinhas: inundações naturais resultado da flutuação dos rios durante

Leia mais

Implantação do PSA na Sabesp

Implantação do PSA na Sabesp Implantação do PSA na Sabesp SABESP A Sabesp STATUS: PATRIMÔNIO LÍQUIDO: R$ 13,9 bilhões* EMPREGADOS: 14.147 Fundada em 1973 como sociedade de participação acionária (Governo do Estado de São Paulo, acionistas

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Marco Antônio Câmara Superintendente da FUNASA SUEST/MG Edicleusa Veloso Moreira Assessora Especial A FUNASA tem por finalidade promover SAÚDE PUBLICA e a

Leia mais

5. SINTESE E RECOMENDAÇÕES

5. SINTESE E RECOMENDAÇÕES 5. SINTESE E RECOMENDAÇÕES Avaliar e acompanhar a evolução quantitativa e qualitativa do estado das águas utilizadas como recurso hídrico nas bacias hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí,

Leia mais

Seminário do Planejamento à Prática: Uso Sustentável dos Recursos Hídricos 10 de novembro de 2015

Seminário do Planejamento à Prática: Uso Sustentável dos Recursos Hídricos 10 de novembro de 2015 Seminário do Planejamento à Prática: Uso Sustentável dos Recursos Hídricos 10 de novembro de 2015 O planejamento dos recursos hídricos no Estado de São Paulo e a crise hídrica Rui Brasil Assis Coordenador

Leia mais

Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico

Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico EIXO3: Desenvolvimento de Projeto Executivo dos sistemas de esgotamento sanitário dos Povoados de Chapada e Manchão do Meio em Xambioá/TO

Leia mais

Recursos Hídricos. Qualidade da água para usos múltiplos. Maurício A. Leite

Recursos Hídricos. Qualidade da água para usos múltiplos. Maurício A. Leite Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira Recursos Hídricos Recursos Hídricos Qualidade da água para usos múltiplos Maurício A. Leite O que são recursos

Leia mais

CC54Z - Hidrologia. Definições, aspectos gerais e o ciclo hidrológico. Universidade Tecnológica Federal do Paraná

CC54Z - Hidrologia. Definições, aspectos gerais e o ciclo hidrológico. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Definições, aspectos gerais e o ciclo hidrológico Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Definir hidrologia e engenharia hidrológica

Leia mais

AÇÕES EM 2013 COMPANHIA ÁGUAS DE JOINVILLE

AÇÕES EM 2013 COMPANHIA ÁGUAS DE JOINVILLE AÇÕES EM 2013 COMPANHIA ÁGUAS DE JOINVILLE CONTEXTUALIZAÇÃO 2013 VISÃO: Ser referência por sua excelência em gestão e qualidade de serviços em saneamento. MISSÃO: Oferecer soluções sustentáveis em saneamento

Leia mais

Apresentação do resultado dos Estudos de Inventário Hidrelétrico do rio Uruguai - trecho binacional entre Argentina e Brasil

Apresentação do resultado dos Estudos de Inventário Hidrelétrico do rio Uruguai - trecho binacional entre Argentina e Brasil Apresentação do resultado dos Estudos de Inventário Hidrelétrico do rio Uruguai - trecho binacional entre Argentina e Brasil Eletrobras Diretoria de Geração Superintendência de Geração Porto Mauá, 11 de

Leia mais

Recuperação da cobertura florestal na bacia do rio Corumbataí

Recuperação da cobertura florestal na bacia do rio Corumbataí SÉRIE TÉCNICA IPEF v. 12, n. 32, p. 121-126, dez. 1998 Recuperação da cobertura florestal na bacia do rio Corumbataí Arlet Maria Almeida Nassif Prefeitura Municipal de Piracicaba Em 1887, a cidade de Piracicaba

Leia mais

Plano Integrado de Recursos Hídricos de Denver (EUA)

Plano Integrado de Recursos Hídricos de Denver (EUA) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária PHD 2537 Água em Ambientes Urbanos Plano Integrado de Recursos Hídricos Evaldo Canova Rossi 5177595 William

Leia mais

MINAS GERAIS Sistema Estadual de Gerenciamento de Recursos Hídricos SEGRH: Desafios da implementação dos Planos de Bacia e Financiamento de projetos

MINAS GERAIS Sistema Estadual de Gerenciamento de Recursos Hídricos SEGRH: Desafios da implementação dos Planos de Bacia e Financiamento de projetos MINAS GERAIS Sistema Estadual de Gerenciamento de Recursos Hídricos SEGRH: Desafios da implementação dos Planos de Bacia e Financiamento de projetos Novembro de 2016 ESTRUTURA DO SINGREH FORMULAÇÃO DA

Leia mais

Recursos Hídricos: situação atual e perspectivas

Recursos Hídricos: situação atual e perspectivas Recursos Hídricos: situação atual e perspectivas IX Simpósio Nacional Cerrado II Simpósio Internacional Savanas Tropicas Desafios e estratégias para o equilíbrio entre sociedade, agronegócio e recursos

Leia mais

SEMINÁRIO COBRANÇA PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS URBANOS E INDUSTRIAIS O QUE É A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA?

SEMINÁRIO COBRANÇA PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS URBANOS E INDUSTRIAIS O QUE É A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA? SEMINÁRIO COBRANÇA PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS URBANOS E INDUSTRIAIS O QUE É A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA? SOROCABA, 10 DE SETEMBRO DE 2010 POLÍTICA ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS LEI 7.663/91 INSTRUMENTOS

Leia mais

ANA e o Uso das Águas Residuárias na Agricultura. Campinas, 22 de junho de 2015

ANA e o Uso das Águas Residuárias na Agricultura. Campinas, 22 de junho de 2015 ANA e o Uso das Águas Residuárias na Agricultura Campinas, 22 de junho de 2015 Índice Porque o recurso hídrico é importante? Quais são os nossos objetivos? Quais ações estamos implementando? Quais são

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E ESGOTAMENTO.

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E ESGOTAMENTO. Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E ESGOTAMENTO. TEMA: IV RECURSOS HÍDRICOS NOME DOS AUTORES: Engª Adriana

Leia mais

Comitês das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí

Comitês das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí 1 997 Paulista "Julio de Mesquita Filho" - Centro de Estudos Ambientais - UNESP/CEA Avaliação da qualidade das águas destinadas ao abastecimento público, visando interferentes endócrinos e outros indicadores

Leia mais

Implementação do Plano de Segurança da Água na SANASA Campinas

Implementação do Plano de Segurança da Água na SANASA Campinas Implementação do Plano de Segurança da Água na SANASA Campinas Bacia Hidrográfica do Piracicaba, Capivari e Jundiaí Plano de Segurança da Água na SANASA Um Breve Histórico A SANASA sempre se preocupou

Leia mais

Painel: GESTÃO TÉCNICA E OPERACIONAL. Título da Palestra: CASE GALEÃO/REUSO. Palestrante: MARCELO STEPHANES

Painel: GESTÃO TÉCNICA E OPERACIONAL. Título da Palestra: CASE GALEÃO/REUSO. Palestrante: MARCELO STEPHANES I ENCONTRO DAS S 13 a 15 de maio de 2009 - Campo Grande MS Realização: SINTERCON Painel: GESTÃO TÉCNICA E OPERACIONAL Título da Palestra: CASE GALEÃO/REUSO Palestrante: MARCELO STEPHANES Empresa: CDN SERVIÇOS

Leia mais

período de 2015 Relatório Final. CONTRATANTE: FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ.

período de 2015 Relatório Final. CONTRATANTE: FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ. Monitoramento e acompanhamento das metas do Plano de Bacias 2010-2020, nas ações relacionadas ao esgotamento sanitário para o período de 2015 Relatório Final. CONTRATANTE: FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS

Leia mais

SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM DIRETORIA DE HIDROLOGIA E GESTÃO TERRITORIAL DHT

SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM DIRETORIA DE HIDROLOGIA E GESTÃO TERRITORIAL DHT SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM DIRETORIA DE HIDROLOGIA E GESTÃO TERRITORIAL DHT Franco Turco Buffon Pesquisador em Geociências Engenheiro Hidrólogo RESIDÊNCIA DE PORTO VELHO - REPO MOTIVAÇÃO: MOTIVAÇÃO:

Leia mais

-> A Bacia Hidrográfica do rio Paraopeba, UPGRH SF3 situa-se a sudeste do estado de Minas Gerais e abrange uma área de km2.

-> A Bacia Hidrográfica do rio Paraopeba, UPGRH SF3 situa-se a sudeste do estado de Minas Gerais e abrange uma área de km2. CBH PARAOPEBA -> A Bacia Hidrográfica do rio Paraopeba, UPGRH SF3 situa-se a sudeste do estado de Minas Gerais e abrange uma área de 13.643 km2. -> O rio Paraopeba, tem como seus principais afluentes o

Leia mais

Prof o. LER IRRIGAÇÃO Dr. Marcos Vinícius Folegatti Aula 02

Prof o. LER IRRIGAÇÃO Dr. Marcos Vinícius Folegatti Aula 02 Prof o LER 1571 - IRRIGAÇÃO Dr. Marcos Vinícius Folegatti Aula 02 LER - 1571 Irrigação DISPONIBILIDADE DE RECURSOS HÍDRICOS E DESENVOLVIMENTO DA IRRIGAÇÃO Marcos Vinícius Folegatti DISTRIBUIÇÃO DAS ÁGUAS

Leia mais

Experiência da TNC em Projetos de PSA hídrico

Experiência da TNC em Projetos de PSA hídrico Scott Warren Experiência da TNC em Projetos de PSA hídrico Programa de Conservação Mata Atlântica e Savanas Centrais Mananciais: uso rural predominante Bacias com cobertura natural nas áreas sensíveis

Leia mais

6 ENCONTRO NACIONAL DO CB27 PALMAS. Tocantins PROGRAMA DE GESTÃO DOS RECURSOS NATURAIS E FLORESTAS URBANAS

6 ENCONTRO NACIONAL DO CB27 PALMAS. Tocantins PROGRAMA DE GESTÃO DOS RECURSOS NATURAIS E FLORESTAS URBANAS PALMAS Tocantins PROGRAMA DE GESTÃO DOS RECURSOS NATURAIS E FLORESTAS URBANAS Natal, Julho de 2015 I INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DO MUNICÍPIO: População: 265.409 Habitantes. Área: 2.218,943 Km². Área verde

Leia mais

Saneamento Urbano TH419 e TH052

Saneamento Urbano TH419 e TH052 Universidade Federal do Paraná Arquitetura e Urbanismo Saneamento Urbano TH419 e TH052 Aula 01 Apresentação da Disciplina Profª Heloise G. Knapik 1 A CIDADE IDEAL DE LEONARDO DA VINCI 2 INFESTAÇÃO DE PESTE

Leia mais

Saneamento Ambiental I. Aula 02 Sistemas de Abastecimento de Água e Consumo

Saneamento Ambiental I. Aula 02 Sistemas de Abastecimento de Água e Consumo Universidade Federal do Paraná Engenharia Ambiental Saneamento Ambiental I Aula 02 Sistemas de Abastecimento de Água e Consumo Profª Heloise G. Knapik 1 Concepção de um Sistema de Abastecimento de Água

Leia mais

O gerenciamento dos recursos hídricos nas grandes cidades: Um olhar sobre a RMRJ

O gerenciamento dos recursos hídricos nas grandes cidades: Um olhar sobre a RMRJ PRÉ-ENCOB, Rio de Janeiro (FIRJAN), 30 de agosto de 2011: A Importância do Uso Racional das Águas e o Fator Água nas Regiões Metropolitanas O gerenciamento dos recursos hídricos nas grandes cidades: Um

Leia mais

Transposição de Águas do Rio São Francisco Seus efeitos sobre o território potiguar: Impacto Ambiental e a População Beneficiada.

Transposição de Águas do Rio São Francisco Seus efeitos sobre o território potiguar: Impacto Ambiental e a População Beneficiada. Transposição de Águas do Rio São Francisco Seus efeitos sobre o território potiguar: Impacto Ambiental e a População Beneficiada. JOSIVAN CARDOSO MORENO DIRETOR PRESIDENTE Mossoró MAIO DE 2015 1 REFLEXO

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº Aproveitamento de água de chuva no meio urbano: aspectos técnicos e legais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº Aproveitamento de água de chuva no meio urbano: aspectos técnicos e legais COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 172692 Aproveitamento de água de chuva no meio urbano: aspectos técnicos e legais Luciano Zanella Trabalho apresentado no Simpósio Brasileiro de Captação e Manejo de Água de Chuva,

Leia mais

Apresentação: Eng. Civil Luiz Alberto Diniz

Apresentação: Eng. Civil Luiz Alberto Diniz Apresentação: Eng. Civil Luiz Alberto Diniz Quem somos Uma empresa brasileira constituída por especialistas nas áreas de infraestrutura, hidrologia e meio-ambiente em conjunto com 3P Technik Filtersysteme

Leia mais

SEMINÁRIO: SANEAMENTO E TRATAMENTO DA ÁGUA NOS PROCESSOS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO E PRODUTIVOS NO BRASIL

SEMINÁRIO: SANEAMENTO E TRATAMENTO DA ÁGUA NOS PROCESSOS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO E PRODUTIVOS NO BRASIL SEMINÁRIO: SANEAMENTO E TRATAMENTO DA ÁGUA NOS PROCESSOS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO E PRODUTIVOS NO BRASIL Políticas Públicas, Financiamento e Regulação JOHNNY FERREIRA DOS SANTOS Diretor Campinas - SP,

Leia mais

MUNICÍPIO DE PORTO FERREIRA Divisão de Compras e Licitações

MUNICÍPIO DE PORTO FERREIRA Divisão de Compras e Licitações 1. OBJETO ANEXO III TERMO DE REFERENCIA CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE PORTO FERREIRA Apresenta-se neste documento os elementos de projeto básico para

Leia mais

U SC/ C PR P O R DE D MA

U SC/ C PR P O R DE D MA Guilhardes de Jesus Júnior MS. Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente UESC/PRODEMA 1 Geleiras: 2% Oceanos e mares: 97% Rios, lagos e lençóis subterrâneos: 1% 2 Distribuição da água no Brasil 3 UTILIZAÇÃO

Leia mais

Pagamento por Serviços Ambientais PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA

Pagamento por Serviços Ambientais PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA Pagamento por Serviços Ambientais PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA Devanir Garcia dos Santos Coordenador de Implementação de Projetos Indutores Agência Nacional de Águas - ANA Devanir Garcia dos

Leia mais