Riscos de inundações fluviais e estuarinas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Riscos de inundações fluviais e estuarinas"

Transcrição

1 Riscos de inundações fluviais e estuarinas Elsa Alves Marta Rodrigues Iniciativa Riscos Ciclo de Encontros Riscos Naturais 20 de Setembro de 2012, Fundação Calouste Gulbenkian

2 Riscos de inundações fluviais e estuarinas Índice Inundações: origem e consequências Cheias históricas Legislação recente Metodologia Inundações fluviais Inundações em estuários e lagunas 2

3 Inundações: origem e consequências maré ventos precipitações caudais pressão atmosférica deslizamentos tsunamis agitação marítima colapsos de estruturas (diques, barragens) 3

4 Inundações: origem e consequências Consequências: humanas sociais económicas ambientais 4

5 Cheias históricas em Portugal Ano Mês Local Mondego, dezembro Douro 1948 janeiro Mondego 1962 janeiro Douro 1967 novembro Região de Lisboa 1978 março Douro, Tejo 1979 fevereiro Douro, Tejo 1983 novembro Região de Lisboa 1989 dezembro Douro, Tejo 1997/1998 novembro - fevereiro 2000/2001 dezembro - março Guadiana Douro 2001 janeiro Mondego 2010 fevereiro Madeira Fonte: INAG Fonte: INAG 5

6 Legislação recente Cheias na Europa Central (cheias recentes de 2002, 2003, 2004, 2005 e 2007) Directiva n.º 2007/60/CE, relativa à avaliação e gestão dos riscos de inundações (DAGRI). Cria um quadro de referência para a gestão do risco de inundações. rio Elbe, Dresden, 2002 Decreto-Lei nº 115/2010, estabelece um quadro para a avaliação e gestão dos riscos de inundações com o objectivo de reduzir as consequências associadas às inundações prejudiciais para a saúde humana, incluindo perdas humanas, o ambiente, o património cultural, as infra-estruturas e as actividades económicas. Outros diplomas DL nº 364/98, Planos Municipais de Ordenamento do Território, Delimitação das áreas sujeitas a risco de inundação (zonas inundáveis, no interior dos perímetros urbanos, áreas atingidas pela maior cheia conhecida ou centenária) Lei da Água (58/2005), Planos de Bacia Hidrográfica (PBH) e Planos de Gestão de Região Hidrográfica (PGRH) 6

7 Metodologia integrada Modelos físicos Modelos matemáticos Dados Abordagens e ferramentas Inundações Abrangência geográfica Mapeamento e dimensão social 7

8 Inundações fluviais Modelação hidrológica e hidráulica Cartografia de zonas inundáveis Investigação 8

9 Modelação hidrológica e hidráulica Estudo hidrológico e hidráulico da Ribeira dos Socorridos (Madeira) Modelo hidrológico caracterização dos caudais afluentes a cada sub-bacia de estudo Modelo hidráulico Determinação dos níveis atingidos pelas cheias com diferentes períodos de retorno nas zonas pretendidas 9

10 Cartas de zonas inundáveis fluviais Rio Mondego Recolha da informação de base Geração do modelo digital do terreno (margens + leito do rio) Obtenção da secções transversais Definição dos cenários de cheias Aplicação do modelo hidráulico Caracterização da ocupação do leito e margens Geração de mapas de inundação ArcGis 10 + HEC-GeoRAS 10

11 Inundações Proteção de pessoas e bens As cheias e as cidades: Master plan urbanístico para a Wilaya de Argel. República Popular Democrática de Argélia Tema 13 Estratégias e planos de prevenção de riscos Mapeamento do Risco de Cheias Estudo de risco de inundação da central térmica de ciclo combinado de Lares 12 Maio

12 Investigação Escoamento em rios com inundação dos leitos de cheia Caracterização experimental e modelação do escoamento em canais de secção composta 12

13 Inundações em estuários e lagunas Avaliação da vulnerabilidade à inundação Cartografia de zonas inundáveis Análise e previsão da vulnerabilidade de praias Slide 13

14 Avaliação da vulnerabilidade à inundação em estuários Cartografia da margem Aplicação ao estuário do Tejo Cartografia do leito Conhecimento do território Cartografia das margens Cartografia do leito Análise das zona edificadas 14

15 Cartas de zonas inundáveis Objectivo: SÉRIES TEMPORAIS DE MARÉ Elaboração de cartas de zonas inundáveis para estuários e lagunas, para diferentes períodos de retorno e cenários de subida do nível médio do mar (SNMM) MARÉ ANÁLISE HARMÓNICA RESÍDUOS Aplicação na Ria de Aveiro, no estuário do Mondego e preliminar no estuário do Tejo ANÁLISE ESTATÍSTICA SÉRIES TEMPORAIS PARA VÁRIOS PERÍODOS DE RETORNO MODELAÇÃO HIDRODINÂMICA ZONAS EDIFICADAS MAPAS DE INUNDAÇÃO 15

16 Cartas de zonas inundáveis Análise estatística de séries históricas Modelação numérica: Validação dos modelos com dados (históricos e campanhas específicas) Simulação dos níveis máximos Malha de cálculo e construções Análise das zonas edificadas (SIG) 16

17 Cartas de zonas inundáveis Inundação no estuário do Tejo Actual SNMM=1m Mapeamento dos níveis máximos no estuário do Mondego Período de retorno = 100 anos Mapeamento dos níveis máximos na Ria de Aveiro

18 Metodologias de análise e previsão da vulnerabilidade de praias Objectivos: Estimar o volume de erosão, o recuo do perfil transversal, os galgamentos e a inundação de praia em condições meteorológicas adversas de curto prazo (vento forte e baixa pressão atmosférica) Estimar variações sazonais e interanuais da morfologia da praia e respectivos balanços sedimentares Evento extremo - Características: Caudal fluvial: 624m 3.s -1 Vento forte NE (> 8m.s -1 ) Ondas Alfeite: Hs=0.64m Maré viva (máx=3.40m acima ZH) Baixa pressão atmosférica: sobrelevação= 0.33m Alfeite, 29/janeiro/

19 Metodologias de análise e previsão da vulnerabilidade de praias Aplicação na praia estuarina do Alfeite (estuário do Tejo) Evento extremo - Previsão de impacte: Modelação da hidrodinâmica, da agitação marítima e da erosão e inundação durante o evento extremo Comparação com dados de monitorização 19

20 Considerações finais As inundações fluviais e estuarinas podem ter consequências a vários níveis, as quais importa prever e prevenir A utilização de abordagens integradas (abrangência espacial, métodos e ferramentas, dimensão social) é fundamental nesse sentido Slide 20

21 Equipa Departamento de Hidráulica e Ambiente Núcleo de Recursos Hídricos e Estruturas Hidráulicas Núcleo de Estuários e Zonas Costeiras Núcleo de Tecnologias da Informação Obrigada pela atenção Slide 21

Dinâmica de uma bacia hidrográfica

Dinâmica de uma bacia hidrográfica Dinâmica de uma bacia hidrográfica Dinâmica de uma bacia hidrográfica Início A água, na superfície terrestre, está em constante movimento, permitindo uma constante modelação da paisagem. Essa modelação

Leia mais

Relatório Técnico Campanha MOLINES Drenagem Urbana

Relatório Técnico Campanha MOLINES Drenagem Urbana Relatório Técnico Campanha MOLINES Drenagem Urbana Trabalho de campo no Seixal janeiro a março de 2014 Maria Adriana Cardoso, Maria do Céu Almeida MOLINES Modelação da inundação em estuários. Da perigosidade

Leia mais

10º Ano Módulos 1, 2 e 3 Total de horas: 81 ou seja, 54 aulas de 90 minutos MÓDULOS/ CONTEÚDOS

10º Ano Módulos 1, 2 e 3 Total de horas: 81 ou seja, 54 aulas de 90 minutos MÓDULOS/ CONTEÚDOS 10º Ano Módulos 1, 2 e 3 Total de horas: 81 ou seja, 54 aulas de 90 minutos MÓDULOS/ CONTEÚDOS Módulo 1 O Quadro natural de O Relevo COMPETÊNCIAS A - Compreender as grandes características do relevo de

Leia mais

ÁREAS DE ESPECIALIZAÇÃO:

ÁREAS DE ESPECIALIZAÇÃO: MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA DO AMBIENTE ÁREAS DE ESPECIALIZAÇÃO: TERRITÓRIO E GESTÃO DO AMBIENTE E TECNOLOGIA E GESTÃO DO AMBIENTE MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA DO AMBIENTE ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

Hidráulica Fluvial e Marítima

Hidráulica Fluvial e Marítima UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Civil Textos de apoio de Hidráulica Fluvial e Marítima Disciplina de Processos Fluviais e Costeiros Mestrado em Hidráulica,

Leia mais

Capítulo 1 INTRODUÇÃO

Capítulo 1 INTRODUÇÃO Capítulo 1 INTRODUÇÃO Introdução 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS O elevado crescimento urbano verificado nos últimos anos, bem como a necessidade de construção de vias de comunicação, de forma a contribuir

Leia mais

Águas. Superficiais: Disponibilidades Hídricas. Quantidade de Água disponível no Planeta. Dependem de:

Águas. Superficiais: Disponibilidades Hídricas. Quantidade de Água disponível no Planeta. Dependem de: Águas Superficiais: Rios Lagos Lagoas Albufeiras Subterrâneas: Aquíferos Águas do Subsolo até 800 metros de Profundidade Disponibilidades Hídricas Quantidade de Água disponível no Planeta. Dependem de:

Leia mais

ÍNDICE. 1.1 Enquadramento geral 1.2 Enquadramento específico, objectivo e âmbito 1.3 Tipos e regimes de escoamento 1.4 Metodologia

ÍNDICE. 1.1 Enquadramento geral 1.2 Enquadramento específico, objectivo e âmbito 1.3 Tipos e regimes de escoamento 1.4 Metodologia ÍNDICE Prefácio Simbologia IX XI Capítulo 1. Introdução 1.1 Enquadramento geral 1.2 Enquadramento específico, objectivo e âmbito 1.3 Tipos e regimes de escoamento 1.4 Metodologia I 8 10 11 Capítulo 2.

Leia mais

A ZONA COSTEIRA DA REGIÃO CENTRO COMO REGIÃO DE RISCO o risco como oportunidade de valorização territorial

A ZONA COSTEIRA DA REGIÃO CENTRO COMO REGIÃO DE RISCO o risco como oportunidade de valorização territorial A ZONA COSTEIRA DA REGIÃO CENTRO COMO REGIÃO DE RISCO o risco como oportunidade de valorização territorial FÁTIMA LOPES ALVES EDUARDO OLIVEIRA LISA PINTO DE SOUSA TANYA ESTEVES INÊS ANTUNES contacto: malves@ua.pt

Leia mais

SISTEMA DE VIGILÂNCIA E ALERTA DE RECURSOS HÍDRICOS - SVARH

SISTEMA DE VIGILÂNCIA E ALERTA DE RECURSOS HÍDRICOS - SVARH SISTEMA DE VIGILÂNCIA E ALERTA DE RECURSOS HÍDRICOS - SVARH Green Business Week 2016 Felisbina Quadrado Diretora do Departamento de Recursos Hídricos maria.quadrado@apambiente.pt ÍNDICE DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance

Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance Revisão do PDM de Vila Real de Santo António Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance Pedro Bettencourt 1 1 Geólogo, Director-Geral NEMUS, Gestão e Requalificação Ambiental Vila Real de Santo

Leia mais

Enquadramento da estratégia da gestão das inundações com os Planos de Gestão de Região Hidrográfica

Enquadramento da estratégia da gestão das inundações com os Planos de Gestão de Região Hidrográfica Enquadramento da estratégia da gestão das inundações com os Planos de Gestão de Região Hidrográfica ZONAS INUNDÁVEIS E RISCOS DE INUNDAÇÃO PLANOS DE GESTÃO DE RISCO DE INUNDAÇÕES 5 fevereiro 2015, auditório

Leia mais

Determinação da susceptibilidade à inundação e à erosão em praias expostas.

Determinação da susceptibilidade à inundação e à erosão em praias expostas. Determinação da susceptibilidade à inundação e à erosão em praias expostas. Beach susceptibility to flooding and erosion. J. Trindade 1, A. Ramos Pereira 1 1 Centro de Estudos Geográficos da Universidade

Leia mais

ÍNDICE GERAL AGRADECIMENTOS RESUMO ABSTRACT SIMBOLOGIA 1. - INTRODUÇÃO 2. - DEFINIÇÃO DO PROBLEMA

ÍNDICE GERAL AGRADECIMENTOS RESUMO ABSTRACT SIMBOLOGIA 1. - INTRODUÇÃO 2. - DEFINIÇÃO DO PROBLEMA ÍNDICE GERAL AGRADECIMENTOS RESUMO ABSTRACT SIMBOLOGIA 1. - INTRODUÇÃO 2. - DEFINIÇÃO DO PROBLEMA 3. - SISTEMATIZAÇÃO DE CONCEITOS E REVISÃO DA LITERATURA 3.1 - INTERPOLAÇÃO ESPACIAL DE INFORMAÇÃO ASSOCIADA

Leia mais

Livro Interactivo 3D Permite Fazer Anotações e Imprimir. Dúvidas Mais Comuns GEO 11. Flipping Book.

Livro Interactivo 3D Permite Fazer Anotações e Imprimir. Dúvidas Mais Comuns GEO 11. Flipping Book. Livro Interactivo 3D Permite Fazer Anotações e Imprimir Dúvidas Mais Comuns GEO 11 Flipping Book http://netxplica.com DÚVIDAS MAIS COMUNS :: BIOLOGIA E GEOLOGIA 11 http://netxplica.com 1. Ocupação antrópica

Leia mais

AS CHEIAS EM PORTUGAL Estar Informado e Preparado Por um Mundo mais seguro no século XXI

AS CHEIAS EM PORTUGAL Estar Informado e Preparado Por um Mundo mais seguro no século XXI MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO AS CHEIAS EM PORTUGAL Estar Informado e Preparado Por um Mundo mais seguro no século XXI Sessão de Sensibilização Cláudia BRANDÃO, Rui RODRIGUES e

Leia mais

Estruturas Marítimas Utilizando Métodos Probabilísticos de Níveis II e III. Maria Teresa Reis João Alfredo Santos

Estruturas Marítimas Utilizando Métodos Probabilísticos de Níveis II e III. Maria Teresa Reis João Alfredo Santos Verificação da Segurança a de Estruturas Marítimas Utilizando Métodos Probabilísticos de Níveis II e III Maria Teresa Reis João Alfredo Santos SUMÁRIO >Introdução > Conceitos básicos >Software PARASODE-BALI

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DAS DINÂMICAS DO USO DO SOLO NA CIDADE AFRICANA

MONITORIZAÇÃO DAS DINÂMICAS DO USO DO SOLO NA CIDADE AFRICANA MONITORIZAÇÃO DAS DINÂMICAS DO USO DO SOLO NA CIDADE AFRICANA Cristina HENRIQUES Faculdade de Arquitectura Universidade Técnica de Lisboa e-geo Centro de Estudos de Geografia e Planeamento Regional Universidade

Leia mais

I. Analisar a evolução dos recursos hídricos superficiais na bacia do rio Sabor, desde a segunda metade do século XX até aos primórdios do XXI;

I. Analisar a evolução dos recursos hídricos superficiais na bacia do rio Sabor, desde a segunda metade do século XX até aos primórdios do XXI; RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIO SABOR: EVOLUÇÃO RECENTE E RELAÇÕES COM MUDANÇAS AS SÓCIOAMBIENTAIS Adélia NUNES Instituto de Estudos Geográficos, Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Praça da

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE GEOGRAFIA 10º. ANO LECIONAÇÃO DOS

PLANIFICAÇÃO DE GEOGRAFIA 10º. ANO LECIONAÇÃO DOS Direção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas Figueira Mar Código 161366 Contribuinte nº 600 074 978 Escola Secundária Dr. Bernardino Machado PLANIFICAÇÃO DE GEOGRAFIA 10º. ANO 2012 2013

Leia mais

Plano de Gestão das Bacias Hidrográficas dos rios Vouga, Mondego e Lis OBJECTIVOS DO DESENVOLVIMENTO DE CENÁRIOS PROSPECTIVOS.

Plano de Gestão das Bacias Hidrográficas dos rios Vouga, Mondego e Lis OBJECTIVOS DO DESENVOLVIMENTO DE CENÁRIOS PROSPECTIVOS. Plano de Gestão das Bacias Hidrográficas dos rios Vouga, Mondego e Lis Índice da Apresentação OBJECTIVOS DO DESENVOLVIMENTO DE CENÁRIOS PROSPECTIVOS. RAZÕES SOCIO-ECONÓMICAS, ENTRE OUTRAS, QUE JUSTIFIQUEM

Leia mais

É COM VOCÊ. cartilha. Reservatórios: degradação ambiental (?) Meio Ambiente / Série: Água Nº 2 Escassez de chuva ou. Janeiro/ ,00 556,00

É COM VOCÊ. cartilha. Reservatórios: degradação ambiental (?) Meio Ambiente / Série: Água Nº 2 Escassez de chuva ou. Janeiro/ ,00 556,00 cartilha Janeiro/2013 É COM VOCÊ Reservatórios: Meio Ambiente / Série: Água Nº 2 Escassez de chuva ou degradação ambiental (?) 558,00 556,00 Nível máximo operativo 554,00 552,00 550,00 Nível mínimo operativo

Leia mais

PLANO DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA DA ÁREA TERRITORIAL DA ARH DO TEJO, I.P.

PLANO DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA DA ÁREA TERRITORIAL DA ARH DO TEJO, I.P. PLANO DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA DA ÁREA TERRITORIAL DA ARH DO TEJO, I.P. Sessão de Debate - 11 de Setembro de 2009 Mudança e Inovação para os POOC de 2ª Geração Centro de Informação Geográfica e

Leia mais

Apresentação dos Documentos de Referência para Entidades Acreditadas (EA) no Domínio do Ambiente

Apresentação dos Documentos de Referência para Entidades Acreditadas (EA) no Domínio do Ambiente Apresentação dos Documentos de Referência para Entidades Acreditadas (EA) no Domínio do Ambiente EA.G.02.01.00 - Guia Avaliação de Impacte Ambiental (AIA) Cecília Simões APA, 22 de janeiro de 2013 GUIA

Leia mais

Conceito sobre plano de gestão da adaptação Reunião de divulgação de resultados do projeto AdaPT AC:T Hotéis parceiros do projeto

Conceito sobre plano de gestão da adaptação Reunião de divulgação de resultados do projeto AdaPT AC:T Hotéis parceiros do projeto Conceito sobre plano de gestão da adaptação Reunião de divulgação de resultados do projeto AdaPT AC:T Hotéis parceiros do projeto Lisboa, LNEC, 25 de maio de 2016 Divulgação Alterações climáticas Definição

Leia mais

O FENÓMENO DA EROSÃO COSTEIRA

O FENÓMENO DA EROSÃO COSTEIRA O FENÓMENO DA EROSÃO COSTEIRA CONFERÊNCIAS SOBRE O LITORAL PORTUGUÊS Sessão 1 - Ponto de Situação e Experiência Acumulada nas Soluções de Defesa Costeira 30 de abril de 2014 Ordem dos Engenheiros, Lisboa,

Leia mais

Alterações Climáticas e Turismo:! Zonas Costeiras! J. Alveirinho Dias!

Alterações Climáticas e Turismo:! Zonas Costeiras! J. Alveirinho Dias! Alterações Climáticas e Turismo:! Zonas Costeiras! J. Alveirinho Dias! O clima está efectivamente a mudar...! e devemos estar preparados para essa mudança.! Foto A. Dias, 2001 Peniche Portugal Modificações

Leia mais

ESQUEMA NACIONAL DE REFERÊNCIA

ESQUEMA NACIONAL DE REFERÊNCIA RESERVA ECOLÓGICA NACIONAL ESQUEMA NACIONAL DE REFERÊNCIA Nuno Neves (Prof. Auxiliar do Departamento de Paisagem, Ambiente e Ordenamento) Marco Freire (Bolseiro de doutoramento) Nuno Guiomar (Bolseiro

Leia mais

GESTÃO DOS BENS COM FUNÇÃO PATRIMONIAL ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS: MEDIDAS PARA A FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS

GESTÃO DOS BENS COM FUNÇÃO PATRIMONIAL ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS: MEDIDAS PARA A FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS III CONGRESSO DA SOCIEDADE DE ANÁLISE DE RISCO LATINOAMERICANA - SRALA GESTÃO DOS BENS COM FUNÇÃO PATRIMONIAL ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS: MEDIDAS PARA A FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS Silvia Helena Zanirato

Leia mais

Reestruturação Urbanística de Carcavelos- Sul Implicações sobre a evolução sedimentar na Praia de Carcavelos

Reestruturação Urbanística de Carcavelos- Sul Implicações sobre a evolução sedimentar na Praia de Carcavelos Reestruturação Urbanística de Carcavelos- Sul Implicações sobre a evolução sedimentar na Praia de Carcavelos Ramiro Neves, Prof. Associado do IST Resumo A dinâmica sedimentar na praia de Carcavelos depende

Leia mais

Geografia 8º ano. Planificação a longo prazo 2013/2014. Filipe Miguel Botelho TOSHIBA

Geografia 8º ano. Planificação a longo prazo 2013/2014. Filipe Miguel Botelho TOSHIBA 0/04 Geografia 8º ano Planificação a longo prazo Filipe Miguel Botelho TOSHIBA Planificação a longo prazo 8º ano - Geografia º Período Aulas º Período Aulas º Período Aulas TEMA B MEIO NATURAL Tema C População

Leia mais

Perfil de Água Balnear de São Martinho do Porto

Perfil de Água Balnear de São Martinho do Porto Perfil de Água Balnear de São Martinho do Porto Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear S. Martinho do Porto Código da Água Balnear PTCT7M Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear

Leia mais

Seminário técnico Sistema Nacional de Informação Territorial: Presente e Futuro. Direção-Geral do Território, Lisboa, 29 de setembro de 2015

Seminário técnico Sistema Nacional de Informação Territorial: Presente e Futuro. Direção-Geral do Território, Lisboa, 29 de setembro de 2015 Seminário técnico Sistema Nacional de Informação Territorial: Presente e Futuro Direção-Geral do Território, Lisboa, 29 de setembro de 2015 Observatório do Ordenamento do Território e Urbanismo Conhecer

Leia mais

Caracterização do clima de agitação na zona de rebentação nas praias-piloto

Caracterização do clima de agitação na zona de rebentação nas praias-piloto CRIAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO NO LITORAL ABRANGIDO PELA ÁREA DE JURISDIÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO Estudo do litoral na área de intervenção da APA, I.P.

Leia mais

Estudos dos impactos da agricultura na quantidade e qualidade da água no solo e nos rios

Estudos dos impactos da agricultura na quantidade e qualidade da água no solo e nos rios Estudos dos impactos da agricultura na quantidade e qualidade da água no solo e nos rios Universidade Federal de Santa Maria Professores: Jean P.G. Minella, José Miguel Reichert, Dalvan J. Reinert Universidade

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-HIDRO 01/2010 CANDIDATURAS APROVADAS

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-HIDRO 01/2010 CANDIDATURAS APROVADAS 004999.10 GESTÃO DA QUALIDADE E QUANTIDADE DE ÁGUA DE QUATRO MICRO BACIAS HIDROGRÁFICAS REPRESENTATIVAS URBANAS E RURAIS DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO UNIVERSITÁRIO FEEVALE RS R$ 1.000.000,00 004983.10

Leia mais

As Intervenções de Defesa Costeira na Mitigação do Problema da Erosão

As Intervenções de Defesa Costeira na Mitigação do Problema da Erosão ORDEM DOS ENGENHEIROS Auditório da Sede, Lisboa Ponto da Situação e Experiência Acumulada nas Soluções de Defesa Costeira (Ciclo de Conferências sobre o Litoral Português Sessão 1) As Intervenções de Defesa

Leia mais

SUBSIn Utilização do InSAR na detecção e caracterização de subsidência e deslizamentos do solo na região de Lisboa

SUBSIn Utilização do InSAR na detecção e caracterização de subsidência e deslizamentos do solo na região de Lisboa SUBSIn Utilização do InSAR na detecção e caracterização de subsidência e deslizamentos do solo na região de Lisboa Projecto FCT PTDC/CTE-GEX/65261/2006 Financiamento: Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Leia mais

Salinização do Solo: Causas e Prevenção

Salinização do Solo: Causas e Prevenção Salinização do Solo: Causas e Prevenção M. C. Gonçalves, J. C. Martins, T. B. Ramos INIAV UEIS Sistemas Agrários e Florestais e Sanidade Vegetal Laboratório de Solos, Oeiras Av. da República, Quinta do

Leia mais

Plano estratégico para requalificação e valorização da rede hidrográfica da região centro

Plano estratégico para requalificação e valorização da rede hidrográfica da região centro Plano estratégico para requalificação e valorização da rede hidrográfica da região centro Conteúdos A ARH do Centro, I.P. e a nova orgânica da APA, I.P. Reabilitação da rede hidrográfica Fundo de Proteção

Leia mais

CIRAC Cartas de Inundação e de Risco em Cenários de Alteração Climática Estoril, 22 de Maio de 2014

CIRAC Cartas de Inundação e de Risco em Cenários de Alteração Climática Estoril, 22 de Maio de 2014 CIRAC Cartas de Inundação e de Risco em Cenários de Alteração Climática Estoril, 22 de Maio de 2014 Conteúdo Enquadramento Principais resultados Próximos passos para o setor segurador 2 Tendência do número

Leia mais

Sobreelevação da superfície do mar devida à variação da pressão atmosférica: esta componente é também identificada como storm surge :

Sobreelevação da superfície do mar devida à variação da pressão atmosférica: esta componente é também identificada como storm surge : 2.1.2. Pressão atmosférica Sobreelevação da superfície do mar devida à variação da pressão atmosférica: esta componente é também identificada como storm surge : η P ρ g P = Variação da pressão atmosférica

Leia mais

Gestão de Riscos de Inundações na Bacia Matanza Riachuelo, Argentina

Gestão de Riscos de Inundações na Bacia Matanza Riachuelo, Argentina Workshop Internacional sobre Gestão Integral de Aguas Urbanas São Paulo, Brasil. 4-6 Dezembro, 2012 Gestão de Riscos de Inundações na Bacia Matanza Riachuelo, Argentina Juan Carlos Bertoni Coordinador

Leia mais

Dr. Mário Jorge de Souza Gonçalves

Dr. Mário Jorge de Souza Gonçalves Avaliação Qualitativa da Porosidade /Permeabilidade de Aquíferos em Função da Dinâmica Sazonal das Precipitações e das Vazões na Bacia Hidrográfica do Rio Verde-BA. Dr. Mário Jorge de Souza Gonçalves Novembro

Leia mais

Perfil de Água Balnear de Peniche de Cima

Perfil de Água Balnear de Peniche de Cima Perfil de Água Balnear de Peniche de Cima Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear PENICHE DE CIMA Código da Água Balnear PTCN3U Ano de Identificação 2008 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa

Leia mais

PROGRAMA POLIS OUTUBRO

PROGRAMA POLIS OUTUBRO OUTUBRO 2008 1 PROGRAMA POLIS OUTUBRO 2008 2 O PROGRAMA POLIS Objectivos Desígnios Tipologias PLANO ESTRATÉGICO MODELO ORGANIZACIONAL GESTÃO DE PROJECTO OUTUBRO 2008 3 Objectivos Desenvolver grandes operações

Leia mais

Sistemas multi-agentespara a modelação e simulação de alterações de ocupação do solo

Sistemas multi-agentespara a modelação e simulação de alterações de ocupação do solo Sistemas multi-agentespara a modelação e simulação de alterações de ocupação do solo EduardoGomes 1,2, Patrícia Abrantes 2, Arnaud Banos 1, Jorge Rocha 2, Inês Fontes 2 1 Géographie-cités, UMR 8504, Université

Leia mais

MODELAÇÃO MATEMÁTICA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DA REGIÃO DE MOURA

MODELAÇÃO MATEMÁTICA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DA REGIÃO DE MOURA 7 CLIMA 7.1 Introdução Para a caracterização do clima de uma região, no que respeita à água, uma das técnicas correntemente utilizadas consiste na realização do balanço sequencial mensal da água no solo.

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DA INFLUÊNCIA DO RIO JOÃO GUALBERTO SOBRE A HIDRODINÂMICA RESIDUAL DA LAGOA DA CONCEIÇÃO FLORIANÓPOLIS. SC.

ANÁLISE NUMÉRICA DA INFLUÊNCIA DO RIO JOÃO GUALBERTO SOBRE A HIDRODINÂMICA RESIDUAL DA LAGOA DA CONCEIÇÃO FLORIANÓPOLIS. SC. ANÁLISE NUMÉRICA DA INFLUÊNCIA DO RIO JOÃO GUALBERTO SOBRE A HIDRODINÂMICA RESIDUAL DA LAGOA DA CONCEIÇÃO FLORIANÓPOLIS. SC. Júlia Costa Silva* Davide Franco** Fábio Bertini Godoy*** Orientador Prof. Dr.

Leia mais

Perfil de Água Balnear da Nazaré

Perfil de Água Balnear da Nazaré Perfil de Água Balnear da Nazaré Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear NAZARE Código da Água Balnear PTCX9F Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica Mesotidal

Leia mais

O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação:

O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação: SUGESTÃO Nº 113 Autor: MÁRCIA O. KAUFFMAN O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação: Art. 22 -... 1º -... 2º - Para a elaboração de Planos de Estruturação Urbana, conforme o estabelecido

Leia mais

Alterações Climáticas os possíveis efeitos no Algarve

Alterações Climáticas os possíveis efeitos no Algarve CCV Faro Março 2013 Alterações Climáticas os possíveis efeitos no Algarve Cristina Veiga-Pires Portugal Espanha Mar Mediterrânico Golfo de Cádiz Alterações climáticas Global? Alterações Climáticas os possíveis

Leia mais

Coruche, 13 de novembro

Coruche, 13 de novembro OS PGRH E OS NOVOS HORIZONTES DE AMPLIAÇÃO DOS REGADIOS EXISTENTES E CRIAÇÃO DE NOVOS REGADIOS REGADIO NO CONTEXTO DA EUROPA 2020 Jornada de estudo e debate Coruche, 13 de novembro Índice da Apresentação

Leia mais

GESTÃO SUSTENTÁVEL DA ORLA COSTEIRA

GESTÃO SUSTENTÁVEL DA ORLA COSTEIRA S e m i n á r i o DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O MAR GESTÃO SUSTENTÁVEL DA ORLA COSTEIRA IST 03 Nov 2004 Quaternaire Portugal http://www.quaternaire.pt Decreto-lei n.º 380/99: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Leia mais

Identificação e mapeamento das áreas vulneráveis da zona costeira de PE e os riscos potenciais decorrentes das alterações as mudanças climáticas!

Identificação e mapeamento das áreas vulneráveis da zona costeira de PE e os riscos potenciais decorrentes das alterações as mudanças climáticas! Identificação e mapeamento das áreas vulneráveis da zona costeira de PE e os riscos potenciais decorrentes das alterações as mudanças climáticas! Pedro S. Pereira, Karoline A. Martins, Antônio V. N. Neto

Leia mais

URBANIZAÇÃO E DRENAGEM URNANA EM PORTO ALEGRE. Joel Avruch Goldenfum - IPH/UFRGS

URBANIZAÇÃO E DRENAGEM URNANA EM PORTO ALEGRE. Joel Avruch Goldenfum - IPH/UFRGS URBANIZAÇÃO E DRENAGEM URNANA EM PORTO ALEGRE Joel Avruch Goldenfum - IPH/UFRGS 1 Impactos da urbanização Cerca de 80% da população brasileira Problemas (Recursos Hídricos): degradação ambiental dos mananciais

Leia mais

Elementos lineares / paisagem a integrar na área útil da parcela

Elementos lineares / paisagem a integrar na área útil da parcela Elementos lineares / paisagem a integrar na área útil da parcela (aplicação do artigo 9.º do Regulamento (UE) n.º 640/2014) 1- Introdução O artigo 9.º do Regulamento (UE) n.º 640/2014 define as regras

Leia mais

2013 Análise ao sistema de drenagem urbana do municipio de Beja com o MIKE Urban da DHI, Portugal.

2013 Análise ao sistema de drenagem urbana do municipio de Beja com o MIKE Urban da DHI, Portugal. Apresenta- se o Por$ólio da empresa hidrapro com alguns dos principais trabalhos realizados directamente ao cliente ou em regime de sub- contratação de serviços: 2013 Análise ao sistema de drenagem urbana

Leia mais

Figura 1 Distribuição espacial do índice de seca meteorológica em 31de Agosto e em 15 de Setembro de 2012.

Figura 1 Distribuição espacial do índice de seca meteorológica em 31de Agosto e em 15 de Setembro de 2012. Situação de Seca Meteorológica em 15 de setembro Contributo do Instituto de Meteorologia, I.P. para o Acompanhamento e Avaliação dos Efeitos da Seca 1. Situação Atual de Seca Meteorológica A situação de

Leia mais

DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO NO CERRADO - PPGIC DISCIPLINAS CRÉDITOS CH MATRIZ CURRICULAR CARACTERÍSTICA

DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO NO CERRADO - PPGIC DISCIPLINAS CRÉDITOS CH MATRIZ CURRICULAR CARACTERÍSTICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO GERÊNCIA DE PÓSGRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO NO CERRADO DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO

Leia mais

Perfil de Água Balnear do Mar

Perfil de Água Balnear do Mar Perfil de Água Balnear do Mar Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear PRAIA DO MAR Código da Água Balnear PTCH3J Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica

Leia mais

QUERCUS- ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA. Relatório de avaliação da implementação da Directiva Quadro da Água

QUERCUS- ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA. Relatório de avaliação da implementação da Directiva Quadro da Água QUERCUS- ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA Janeiro de 2016 Índice Enquadramento... 3 Resultados do de planeamento... 3 RH1... 4 RH2... 4 RH3... 5 RH4... 6 RH5... 6 RH7... 8 RH8... 8 Panorama

Leia mais

Previsão de vazões na bacia do rio Doce. Eber José de Andrade Pinto 21 de setembro de 2007

Previsão de vazões na bacia do rio Doce. Eber José de Andrade Pinto 21 de setembro de 2007 Previsão de vazões na bacia do rio Doce Eber José de Andrade Pinto 21 de setembro de 2007 Caracterização da Região Localização - Região Sudeste Área de drenagem 83.400km² - (86% em MG e 14% no ES) Municípios

Leia mais

ALTERAÇÃO AO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO SUL-NASCENTE DA CIDADE DE SINES JUSTIFICAÇÃO PARA NÃO SUJEIÇÃO A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

ALTERAÇÃO AO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO SUL-NASCENTE DA CIDADE DE SINES JUSTIFICAÇÃO PARA NÃO SUJEIÇÃO A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO ALTERAÇÃO FEVEREIRO DE 2016 Assunto: Alteração ao Plano de Pormenor da Zona de Expansão Sul-Nascente da Cidade de Sines Justificação para não sujeição a avaliação

Leia mais

Gestão da Linha de Costa Com foco na costa Brasileira Seminário

Gestão da Linha de Costa Com foco na costa Brasileira Seminário Gestão da Linha de Costa Com foco na costa Brasileira Seminário Vitória 17 Junho 2008 Fortaleza 18 Junho 2008 Recife 26 Junho 2008 Por Berry Elfrink Depto. De Engenharia Costeira e Estuarina DHI - Water

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA 1. Definição; 2. Antecedentes; 3. Elaboração; 4. Metodologia; 5. Utilidade; Departamento de Gestão de Risco Rural Coordenação-Geral de Zoneamento Agropecuário

Leia mais

Listagem de UC por curso

Listagem de UC por curso Listagem de UC por curso Semestre * 2015-16 Escola Superior de Tecnologia e Gestão Administração Pública Direito Administrativo Contabilidade Financeira Introdução aos Estudos das Organizações Fundamentos

Leia mais

CURSO INTERNACIONAL PARA GERENTES SOBRE SAÚDE, DESASTRES E DESENVOLVIMENTO BRASÍLIA, BRASIL AGOSTO 2008

CURSO INTERNACIONAL PARA GERENTES SOBRE SAÚDE, DESASTRES E DESENVOLVIMENTO BRASÍLIA, BRASIL AGOSTO 2008 CURSO INTERNACIONAL PARA GERENTES SOBRE SAÚDE, DESASTRES E DESENVOLVIMENTO BRASÍLIA, BRASIL AGOSTO 2008 EXPLICITAÇÃO DOS CONCEITOS SOBRE GESTÃO DE RISCO LIC. ALEJANDRA BONADÉ EVOLUÇÃO DOS CONCEITOS COMO

Leia mais

RISCOS CLIMÁTICOS EM PORTUGAL. UMA LEITURA GEOGRÁFICA. LÚCIO CUNHA

RISCOS CLIMÁTICOS EM PORTUGAL. UMA LEITURA GEOGRÁFICA. LÚCIO CUNHA RISCOS CLIMÁTICOS EM PORTUGAL. UMA LEITURA GEOGRÁFICA LÚCIO CUNHA luciogeo@ci.uc.pt ENQUADRAMENTO Riscos Climáticos diretos: - Secas - Ondas de calor e de frio - Tempestades - Geadas - Neve e formação

Leia mais

A Produção Hidroeléctrica em Portugal

A Produção Hidroeléctrica em Portugal A Produção Hidroeléctrica em Portugal Como se desenvolverá o sistema hidroeléctrico futuro em Portugal? Turma: 11MC03_03 Carlos Alexandre Silva Cardoso Dinis de Sá Branco dos Santos Ivan Oliveira de Almeida

Leia mais

NÍVEL MÉDIO DO MAR. Diagrama triangular

NÍVEL MÉDIO DO MAR. Diagrama triangular NÍVEL MÉDIO DO MAR Diagrama triangular Desenvolvimento das marés R M1 M2 De forma a manter-se o equilíbrio (momento da Terra) desenvolvem-se dois lobos em locais opostos da Terra F = g M1 M2 R 2 Desenvolvimento

Leia mais

Regulamentação da DSETRA, suas operações e outros temas. Portaria n.º 55/2010 de 21 de Janeiro; Lei n.º 105/2009 de 14 de Setembro.

Regulamentação da DSETRA, suas operações e outros temas. Portaria n.º 55/2010 de 21 de Janeiro; Lei n.º 105/2009 de 14 de Setembro. Legislação Regulamentação da DSETRA, suas operações e outros temas 1 Orgânica Lei Orgânica da Secretaria Regional dos Recursos Humanos Decreto Regulamentar Regional n.º 1/2009/M D.R. n.º 5 de 8 de Janeiro;

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS ATÉ O MOMENTO

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS ATÉ O MOMENTO 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DO BRASIL PROGRAMA CIÊNCIAS SEM FRONTEIRAS Instituição/Origem: UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Instituição/Destino: UNIVERSIDADE DO MINHO Departamento de Engenharia Civil

Leia mais

Perfil de Água Balnear do Baleal-Campismo

Perfil de Água Balnear do Baleal-Campismo Perfil de Água Balnear do Baleal-Campismo Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear BALEAL-CAMPISMO Código da Água Balnear PTCD7K Ano de Identificação 2008 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa

Leia mais

CURRICULUM VITAE ALBERTO DA MOTA GOMES. Naturalidade Cidade da Praia, Ilha Santiago, República de Cabo Verde.

CURRICULUM VITAE ALBERTO DA MOTA GOMES. Naturalidade Cidade da Praia, Ilha Santiago, República de Cabo Verde. CURRICULUM VITAE ALBERTO DA MOTA GOMES 1. DADOS BIOGRÁFICOS Nome Alberto da Mota Gomes Naturalidade Cidade da Praia, Ilha Santiago, República de Cabo Verde. Data de Nascimento 6 de Março de 1935. Estado

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA (Decreto-Lei 203/2006, de 27 de Outubro) Guarda Nacional Republicana (GNR) Forças de Segurança Polícia de Segurança Pública (PSP) Forças de Segurança Serviço de Estrangeiros

Leia mais

Eficiência energética e Qualidade do Ar Interior

Eficiência energética e Qualidade do Ar Interior A POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DA ARSC IP, E O PLANO ESTRATÉGICO DO BAIXO CARBONO PEBC Eficiência energética e Qualidade do Ar Interior Carlos Borrego e João Ginja Coimbra, 20 de junho de 2013 Consumo

Leia mais

Roteiro. Definição de termos e justificativa do estudo Estado da arte O que está sendo feito

Roteiro. Definição de termos e justificativa do estudo Estado da arte O que está sendo feito Roteiro Definição de termos e justificativa do estudo Estado da arte O que está sendo feito Definição de termos e justificativa do estudo Hidrossedimentologia O que é? Por que estudar? Como pesquisar?

Leia mais

Modelação e Simulação de Mercados de Energia Eléctrica

Modelação e Simulação de Mercados de Energia Eléctrica Curso de Formação em Modelação e Simulação de Mercados de Energia Eléctrica Leccionado por Jorge Alberto Mendes de Sousa para Galp Energia Lisboa Abril 2010 1. Enquadramento O presente curso de formação

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Turismo, Planeamento e Ordenamento do Território no Algarve Dr. Sérgio Palma Brito sergiopalmabrito@gmail.com Faro, 09 de Novembro 1 Estrutura da Apresentação Proposta de Metodologia O Planeamento do Território

Leia mais

Risco a jusante de barragens: da perceção pública à gestão de emergência

Risco a jusante de barragens: da perceção pública à gestão de emergência Risco a jusante de barragens: da perceção pública à gestão de emergência António Tavares de Castro Carlos Oliveira Costa Delta Silva João Marcelino João Palma João Palha Fernandes Sílvia Amaral Teresa

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE SUBDOMÍNIOS. Geografia 7º ANO ANO LETIVO 2015 / 2016

PLANIFICAÇÃO DE SUBDOMÍNIOS. Geografia 7º ANO ANO LETIVO 2015 / 2016 SUBDOMÍNIO: 1 A geografia e o território PLANIFICAÇÃO DE SUBDOMÍNIOS Geografia 7º ANO ANO LETIVO 2015 / 2016 DOMÍNIO: A TERRA: ESTUDOS E REPRESENTAÇÕES 1. Compreender o objeto e o método da Geografia 1.1.

Leia mais

BACIA HIDROGRAFICA. Governo do Estado de São Paulo Secretaria do Meio Ambiente

BACIA HIDROGRAFICA. Governo do Estado de São Paulo Secretaria do Meio Ambiente BACIA HIDROGRAFICA Governo do Estado de São Paulo Secretaria do Meio Ambiente Bacia Hidrográfica Governo do Estado de São Paulo Secretaria do Meio Ambiente Governo do Estado de São Paulo Secretaria do

Leia mais

A Formação do Solo. Nuno Cortez. Seminário LIPOR 4 Novembro Solo: Um recurso a preservar.

A Formação do Solo. Nuno Cortez. Seminário LIPOR 4 Novembro Solo: Um recurso a preservar. 4 Novembro Solo: Um recurso a preservar A Formação do Solo Nuno Cortez nunocortez@isa.ulisboa.pt DRAT Departamento de Recursos Naturais, Ambiente e Território 4 Novembro Solo: Um recurso a preservar Título

Leia mais

2.º CICLO DOS PLANOS DE GESTÃO DE REGIÃO HIDROGRÁFICA Apresentação da Proposta de Plano de Gestão da Região Hidrográfica do Tejo e Oeste

2.º CICLO DOS PLANOS DE GESTÃO DE REGIÃO HIDROGRÁFICA Apresentação da Proposta de Plano de Gestão da Região Hidrográfica do Tejo e Oeste 2.º CICLO DOS PLANOS DE GESTÃO DE REGIÃO HIDROGRÁFICA Apresentação da Proposta de Plano de Gestão da Região Hidrográfica do Tejo e Oeste Reunião 2 de fevereiro de 2016 ARH do Tejo e Oeste Planos de Gestão

Leia mais

Avaliação Ambiental (AAE) - novos desafios -

Avaliação Ambiental (AAE) - novos desafios - 12ª Conferência de Ambiente do Técnico 31 de Maio, 2007 Avaliação Ambiental Estratégica (AAE) - novos desafios - Maria do Rosário Partidário O que é a AAE? Instrumento de política ambiental de apoio à

Leia mais

Plano de Gestão das Bacias Hidrográficas dos rios Vouga, Mondego e Lis

Plano de Gestão das Bacias Hidrográficas dos rios Vouga, Mondego e Lis Plano de Gestão das Bacias Hidrográficas dos rios Vouga, Mondego e Lis CENÁRIOS PROSPECTIVOS Pescas, Aquicultura e Portos 13 de Junho de 2011 Pesca e Aquicultura CONSULTA DE RELATÓRIOS PÚBLICOS, SECTOR

Leia mais

PROCESSO DE CANDIDATURA PARA INSTALAÇÃO NO ECO-PARQUE EMPRESARIAL DE ESTARREJA

PROCESSO DE CANDIDATURA PARA INSTALAÇÃO NO ECO-PARQUE EMPRESARIAL DE ESTARREJA PROCESSO DE CANDIDATURA PARA INSTALAÇÃO NO ECO-PARQUE EMPRESARIAL DE ESTARREJA de: (entidade candidata) (data) Prº / ÍNDICE A - TERMO DE CANDIDATURA B - FORMULÁRIOS DE CANDIDATURA 1. IDENTIFICAÇÃO 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

EROSÃO COSTEIRA E OS DESAFIOS DA GESTÃO COSTEIRA NO BRASIL: REFLEXOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

EROSÃO COSTEIRA E OS DESAFIOS DA GESTÃO COSTEIRA NO BRASIL: REFLEXOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EROSÃO COSTEIRA E OS DESAFIOS DA GESTÃO COSTEIRA NO BRASIL: REFLEXOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS Celia Regina de Gouveia Souza Pesquisadora Científica - Instituto Geológico-SMA/SP Profa. Colaboradora do Programa

Leia mais

Plataforma Tecnológica do Mar. Luís Menezes Pinheiro

Plataforma Tecnológica do Mar. Luís Menezes Pinheiro Plataforma Tecnológica do Mar Luís Menezes Pinheiro Interdisciplinaridade Ciências e Tecnologias do Mar Plataforma multi-departamental Geociências Biologia Química Física Ambiente e Ordenamento GEOBIOTEC

Leia mais

Perfil de Água Balnear de São João da Caparica/Praia do Norte

Perfil de Água Balnear de São João da Caparica/Praia do Norte Perfil de Água Balnear de São João da Caparica/Praia do Norte Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear S. JOAO DA CAPARICA/ PRAIA DO NORTE Código da Água Balnear PTCJ2Q Ano de Identificação 1991

Leia mais

Transporte de nutrientes, clorofila a

Transporte de nutrientes, clorofila a Transporte de nutrientes, clorofila a e sólidos em suspensão na foz do Rio Mira, Vila Nova de Milfontes, ao longo de um ciclo de maré viva, Outubro 2013 A. Rosa, C. Pereira, N. Simões, A. Ovelheiro, A.

Leia mais

18926 Diário da República, 2.ª série N.º de junho de 2013

18926 Diário da República, 2.ª série N.º de junho de 2013 18926 Diário da República, 2.ª série N.º 111 11 de junho de 2013 Unidades Curriculares do Plano de Estudos anterior Unidades Curriculares do Plano de Estudos agora publicado Optativa**......................

Leia mais

Perfil de Água Balnear do Salgado

Perfil de Água Balnear do Salgado Perfil de Água Balnear do Salgado Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear SALGADO Código da Água Balnear PTCP7Q Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica

Leia mais

Proteção Civil e o Ordenamento do Território. Carlos Cruz

Proteção Civil e o Ordenamento do Território. Carlos Cruz Proteção Civil e o Ordenamento do Território Carlos Cruz Proteção Civil e o Ordenamento do Território O território, o risco e as pessoas; A importância do ordenamento para a Proteção Civil; Análise ao

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE ALAGOAS ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÕES I. Prof. MsC. Roberto Monteiro

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE ALAGOAS ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÕES I. Prof. MsC. Roberto Monteiro FACULDADE DE TECNOLOGIA DE ALAGOAS ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÕES I Prof. MsC. Roberto Monteiro CONCEPÇÃO DE OBRAS DE FUNDAÇÕES Pof. Msc. ROBERTO MONTEIRO INTRODUÇÃO Comentário Inial O estudo de concepção

Leia mais

CARTA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO GAIA

CARTA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO GAIA Pág. 1 de 17 CARTA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO GAIA Pág. 2 de 17 I INTRODUÇÃO O ruído é um dos principais factores que afectam o ambiente urbano, contribuindo de modo significativo para a degradação da qualidade

Leia mais

LICENCIAMENTO INDUSTRIAL - Regime de Exercício da Actividade Industrial (REAI)

LICENCIAMENTO INDUSTRIAL - Regime de Exercício da Actividade Industrial (REAI) LICENCIAMENTO INDUSTRIAL - Regime de Exercício da Actividade Industrial (REAI) O Regime para o Exercício da Actividade Industrial, foi aprovado a 29 de Outubro de 2008 pelo Decreto-Lei n.º 209/2008 e alterado

Leia mais

GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS Política Nacional de Recursos Hídricos Lei Federal Nº 9.433/97 A partir da década de 1990: a legislação propõe substituir um sistema centralizador e setorial por outro

Leia mais

Planos Regionais de Ordenamento Florestal

Planos Regionais de Ordenamento Florestal Planos Regionais de Ordenamento Florestal Dia Regional Norte do Engenheiro 2016 José Aranha Eng.º Florestal j_aranha@utad.pt j.aranha.utad@gmail.com Teatro-Cinema Fafe 17 de Setembro de 2016 PROF Planos

Leia mais