Riscos de inundações fluviais e estuarinas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Riscos de inundações fluviais e estuarinas"

Transcrição

1 Riscos de inundações fluviais e estuarinas Elsa Alves Marta Rodrigues Iniciativa Riscos Ciclo de Encontros Riscos Naturais 20 de Setembro de 2012, Fundação Calouste Gulbenkian

2 Riscos de inundações fluviais e estuarinas Índice Inundações: origem e consequências Cheias históricas Legislação recente Metodologia Inundações fluviais Inundações em estuários e lagunas 2

3 Inundações: origem e consequências maré ventos precipitações caudais pressão atmosférica deslizamentos tsunamis agitação marítima colapsos de estruturas (diques, barragens) 3

4 Inundações: origem e consequências Consequências: humanas sociais económicas ambientais 4

5 Cheias históricas em Portugal Ano Mês Local Mondego, dezembro Douro 1948 janeiro Mondego 1962 janeiro Douro 1967 novembro Região de Lisboa 1978 março Douro, Tejo 1979 fevereiro Douro, Tejo 1983 novembro Região de Lisboa 1989 dezembro Douro, Tejo 1997/1998 novembro - fevereiro 2000/2001 dezembro - março Guadiana Douro 2001 janeiro Mondego 2010 fevereiro Madeira Fonte: INAG Fonte: INAG 5

6 Legislação recente Cheias na Europa Central (cheias recentes de 2002, 2003, 2004, 2005 e 2007) Directiva n.º 2007/60/CE, relativa à avaliação e gestão dos riscos de inundações (DAGRI). Cria um quadro de referência para a gestão do risco de inundações. rio Elbe, Dresden, 2002 Decreto-Lei nº 115/2010, estabelece um quadro para a avaliação e gestão dos riscos de inundações com o objectivo de reduzir as consequências associadas às inundações prejudiciais para a saúde humana, incluindo perdas humanas, o ambiente, o património cultural, as infra-estruturas e as actividades económicas. Outros diplomas DL nº 364/98, Planos Municipais de Ordenamento do Território, Delimitação das áreas sujeitas a risco de inundação (zonas inundáveis, no interior dos perímetros urbanos, áreas atingidas pela maior cheia conhecida ou centenária) Lei da Água (58/2005), Planos de Bacia Hidrográfica (PBH) e Planos de Gestão de Região Hidrográfica (PGRH) 6

7 Metodologia integrada Modelos físicos Modelos matemáticos Dados Abordagens e ferramentas Inundações Abrangência geográfica Mapeamento e dimensão social 7

8 Inundações fluviais Modelação hidrológica e hidráulica Cartografia de zonas inundáveis Investigação 8

9 Modelação hidrológica e hidráulica Estudo hidrológico e hidráulico da Ribeira dos Socorridos (Madeira) Modelo hidrológico caracterização dos caudais afluentes a cada sub-bacia de estudo Modelo hidráulico Determinação dos níveis atingidos pelas cheias com diferentes períodos de retorno nas zonas pretendidas 9

10 Cartas de zonas inundáveis fluviais Rio Mondego Recolha da informação de base Geração do modelo digital do terreno (margens + leito do rio) Obtenção da secções transversais Definição dos cenários de cheias Aplicação do modelo hidráulico Caracterização da ocupação do leito e margens Geração de mapas de inundação ArcGis 10 + HEC-GeoRAS 10

11 Inundações Proteção de pessoas e bens As cheias e as cidades: Master plan urbanístico para a Wilaya de Argel. República Popular Democrática de Argélia Tema 13 Estratégias e planos de prevenção de riscos Mapeamento do Risco de Cheias Estudo de risco de inundação da central térmica de ciclo combinado de Lares 12 Maio

12 Investigação Escoamento em rios com inundação dos leitos de cheia Caracterização experimental e modelação do escoamento em canais de secção composta 12

13 Inundações em estuários e lagunas Avaliação da vulnerabilidade à inundação Cartografia de zonas inundáveis Análise e previsão da vulnerabilidade de praias Slide 13

14 Avaliação da vulnerabilidade à inundação em estuários Cartografia da margem Aplicação ao estuário do Tejo Cartografia do leito Conhecimento do território Cartografia das margens Cartografia do leito Análise das zona edificadas 14

15 Cartas de zonas inundáveis Objectivo: SÉRIES TEMPORAIS DE MARÉ Elaboração de cartas de zonas inundáveis para estuários e lagunas, para diferentes períodos de retorno e cenários de subida do nível médio do mar (SNMM) MARÉ ANÁLISE HARMÓNICA RESÍDUOS Aplicação na Ria de Aveiro, no estuário do Mondego e preliminar no estuário do Tejo ANÁLISE ESTATÍSTICA SÉRIES TEMPORAIS PARA VÁRIOS PERÍODOS DE RETORNO MODELAÇÃO HIDRODINÂMICA ZONAS EDIFICADAS MAPAS DE INUNDAÇÃO 15

16 Cartas de zonas inundáveis Análise estatística de séries históricas Modelação numérica: Validação dos modelos com dados (históricos e campanhas específicas) Simulação dos níveis máximos Malha de cálculo e construções Análise das zonas edificadas (SIG) 16

17 Cartas de zonas inundáveis Inundação no estuário do Tejo Actual SNMM=1m Mapeamento dos níveis máximos no estuário do Mondego Período de retorno = 100 anos Mapeamento dos níveis máximos na Ria de Aveiro

18 Metodologias de análise e previsão da vulnerabilidade de praias Objectivos: Estimar o volume de erosão, o recuo do perfil transversal, os galgamentos e a inundação de praia em condições meteorológicas adversas de curto prazo (vento forte e baixa pressão atmosférica) Estimar variações sazonais e interanuais da morfologia da praia e respectivos balanços sedimentares Evento extremo - Características: Caudal fluvial: 624m 3.s -1 Vento forte NE (> 8m.s -1 ) Ondas Alfeite: Hs=0.64m Maré viva (máx=3.40m acima ZH) Baixa pressão atmosférica: sobrelevação= 0.33m Alfeite, 29/janeiro/

19 Metodologias de análise e previsão da vulnerabilidade de praias Aplicação na praia estuarina do Alfeite (estuário do Tejo) Evento extremo - Previsão de impacte: Modelação da hidrodinâmica, da agitação marítima e da erosão e inundação durante o evento extremo Comparação com dados de monitorização 19

20 Considerações finais As inundações fluviais e estuarinas podem ter consequências a vários níveis, as quais importa prever e prevenir A utilização de abordagens integradas (abrangência espacial, métodos e ferramentas, dimensão social) é fundamental nesse sentido Slide 20

21 Equipa Departamento de Hidráulica e Ambiente Núcleo de Recursos Hídricos e Estruturas Hidráulicas Núcleo de Estuários e Zonas Costeiras Núcleo de Tecnologias da Informação Obrigada pela atenção Slide 21

INUNDAÇÃO NA RIA DE AVEIRO E NO ESTUÁRIO DO MONDEGO

INUNDAÇÃO NA RIA DE AVEIRO E NO ESTUÁRIO DO MONDEGO INUNDAÇÃO NA RIA DE AVEIRO E NO ESTUÁRIO DO MONDEGO Relatório 3: Mapas de inundação da Ria de Aveiro RELATÓRIO 51/2012 DHA/NEC/NTI Cofinanciamento INUNDAÇÃO NA RIA DE AVEIRO E NO ESTUÁRIO DO MONDEGO

Leia mais

MIEC MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL 2014/2015 PROPOSTA DE TEMAS PARA DISSERTAÇÃO RAMO DE ESPECIALIZAÇÃO/ ÁREA CIENTÍFICA:

MIEC MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL 2014/2015 PROPOSTA DE TEMAS PARA DISSERTAÇÃO RAMO DE ESPECIALIZAÇÃO/ ÁREA CIENTÍFICA: 1 PROPOSTA DE S PARA DISSERTAÇÃO CO - (H06) SEGURANÇA NO APROVEITAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS QUALIDADE MICROBIOLÓGICA Cristina Maria Monteiro dos Santos Armando Silva Afonso Investigação Pretende-se contribuir

Leia mais

Planos de Ordenamento. Planos de Ordenamento da Orla Costeira e. de Estuários O contínuo nuo desejado. Margarida Cardoso da Silva

Planos de Ordenamento. Planos de Ordenamento da Orla Costeira e. de Estuários O contínuo nuo desejado. Margarida Cardoso da Silva Planos de Ordenamento da Orla Costeira e Planos de Ordenamento de Estuários O contínuo nuo desejado Margarida Cardoso da Silva Lisboa, 11 Setembro 2009 Estrutura da apresentação Zona costeira e estuários

Leia mais

Francisco Sancho, Filipa Oliveira, Paula Freire, João Craveiro. Índice

Francisco Sancho, Filipa Oliveira, Paula Freire, João Craveiro. Índice Avaliação do risco de galgamento, erosão e inundação costeiras Francisco Sancho, Filipa Oliveira, Paula Freire, João Craveiro LNEC Laboratório Nacional de Engenharia Civil Índice 1. Erosão costeira e suas

Leia mais

Faculdade de Letras da Universidade do Porto

Faculdade de Letras da Universidade do Porto Faculdade de Letras da Universidade do Porto Mestrado em Sistemas de Informação Geográficos e Ordenamento do Território P e d r o G o n ç a l v e s A D e l i m i t a ç ã o d e P e r í m e t r o s d e I

Leia mais

Dinâmica de uma bacia hidrográfica

Dinâmica de uma bacia hidrográfica Dinâmica de uma bacia hidrográfica Dinâmica de uma bacia hidrográfica Início A água, na superfície terrestre, está em constante movimento, permitindo uma constante modelação da paisagem. Essa modelação

Leia mais

Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Temas para Dissertação 2015/2016. Hidráulica e Ambiente

Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Temas para Dissertação 2015/2016. Hidráulica e Ambiente Mestrado Integrado em Engenharia Civil Temas para Dissertação 2015/2016 Hidráulica e Ambiente Perfil: Hidráulica e Ambiente Orientador: José Luís da Silva Pinho Dissertação tipo Projecto de Investigação

Leia mais

Relatório Técnico Campanha MOLINES Drenagem Urbana

Relatório Técnico Campanha MOLINES Drenagem Urbana Relatório Técnico Campanha MOLINES Drenagem Urbana Trabalho de campo no Seixal janeiro a março de 2014 Maria Adriana Cardoso, Maria do Céu Almeida MOLINES Modelação da inundação em estuários. Da perigosidade

Leia mais

ÁREAS DE ESPECIALIZAÇÃO:

ÁREAS DE ESPECIALIZAÇÃO: MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA DO AMBIENTE ÁREAS DE ESPECIALIZAÇÃO: TERRITÓRIO E GESTÃO DO AMBIENTE E TECNOLOGIA E GESTÃO DO AMBIENTE MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA DO AMBIENTE ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

13 DOTAÇÕES DE REGA 13.1 Introdução 13.2 Evapotranspiração Cultural 13.3 Dotações de Rega 13.4 Exercícios Bibliografia

13 DOTAÇÕES DE REGA 13.1 Introdução 13.2 Evapotranspiração Cultural 13.3 Dotações de Rega 13.4 Exercícios Bibliografia PREFÁCIO 1 INTRODUÇÃO À HIDROLOGIA E AOS RECURSOS HÍDRICOS 1.1 Conceitos Gerais 1.2 Breve Nota Sobre a Evolução da Ciência da Hidrologia 1.2.1 A hidrologia na Antiguidade Oriental 1.2.2 A hidrologia na

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA DOS DADOS RECOLHIDOS NO ÂMBITO DOS TRABALHOS DE

NOTA EXPLICATIVA DOS DADOS RECOLHIDOS NO ÂMBITO DOS TRABALHOS DE NOTA EXPLICATIVA DOS DADOS RECOLHIDOS NO ÂMBITO DOS TRABALHOS DE IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA A informação disponibilizada na página do Instituto da Água, I.P. (INAG) refere-se aos dados recolhidos

Leia mais

Hidráulica Fluvial e Marítima

Hidráulica Fluvial e Marítima UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Civil Textos de apoio de Hidráulica Fluvial e Marítima Disciplina de Processos Fluviais e Costeiros Mestrado em Hidráulica,

Leia mais

10º Ano Módulos 1, 2 e 3 Total de horas: 81 ou seja, 54 aulas de 90 minutos MÓDULOS/ CONTEÚDOS

10º Ano Módulos 1, 2 e 3 Total de horas: 81 ou seja, 54 aulas de 90 minutos MÓDULOS/ CONTEÚDOS 10º Ano Módulos 1, 2 e 3 Total de horas: 81 ou seja, 54 aulas de 90 minutos MÓDULOS/ CONTEÚDOS Módulo 1 O Quadro natural de O Relevo COMPETÊNCIAS A - Compreender as grandes características do relevo de

Leia mais

A ZONA COSTEIRA DA REGIÃO CENTRO COMO REGIÃO DE RISCO o risco como oportunidade de valorização territorial

A ZONA COSTEIRA DA REGIÃO CENTRO COMO REGIÃO DE RISCO o risco como oportunidade de valorização territorial A ZONA COSTEIRA DA REGIÃO CENTRO COMO REGIÃO DE RISCO o risco como oportunidade de valorização territorial FÁTIMA LOPES ALVES EDUARDO OLIVEIRA LISA PINTO DE SOUSA TANYA ESTEVES INÊS ANTUNES contacto: malves@ua.pt

Leia mais

Águas. Superficiais: Disponibilidades Hídricas. Quantidade de Água disponível no Planeta. Dependem de:

Águas. Superficiais: Disponibilidades Hídricas. Quantidade de Água disponível no Planeta. Dependem de: Águas Superficiais: Rios Lagos Lagoas Albufeiras Subterrâneas: Aquíferos Águas do Subsolo até 800 metros de Profundidade Disponibilidades Hídricas Quantidade de Água disponível no Planeta. Dependem de:

Leia mais

O papel da Protecção Civil na Defesa contra as Cheias

O papel da Protecção Civil na Defesa contra as Cheias O papel da Protecção Civil na Defesa contra as Cheias Núcleo de Riscos e Alerta Autoridade Nacional de Protecção Civil1 Lei de Bases da Protecção Civil (Lei 27/2006, de 3 de Julho): A protecção civil é

Leia mais

PARA A ZONA COSTEIRA DE PORTUGAL EM CENÁRIOS DE ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

PARA A ZONA COSTEIRA DE PORTUGAL EM CENÁRIOS DE ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS ENQUADRAMENTO Sessão: ESTRATÉGIA PARA A ZONA COSTEIRA DE PORTUGAL EM CENÁRIOS DE ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS 20 de fevereiro de 2015 Ordem dos Engenheiros, Lisboa, PT A zona costeira de Portugal continental

Leia mais

SISTEMA DE VIGILÂNCIA E ALERTA DE RECURSOS HÍDRICOS - SVARH

SISTEMA DE VIGILÂNCIA E ALERTA DE RECURSOS HÍDRICOS - SVARH SISTEMA DE VIGILÂNCIA E ALERTA DE RECURSOS HÍDRICOS - SVARH Green Business Week 2016 Felisbina Quadrado Diretora do Departamento de Recursos Hídricos maria.quadrado@apambiente.pt ÍNDICE DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Riscos Naturais em Portugal

Riscos Naturais em Portugal Riscos Naturais em Portugal Lúcio Cunha Anabela Ramos Fernandes Departamento de Geografia - FLUC CEGOT Centro de Estudos de Geografia e Ordenamento do Território Plano das sessões Tema Horas Docente Quarta

Leia mais

Alterações Climáticas e Turismo:! Zonas Costeiras! J. Alveirinho Dias!

Alterações Climáticas e Turismo:! Zonas Costeiras! J. Alveirinho Dias! Alterações Climáticas e Turismo:! Zonas Costeiras! J. Alveirinho Dias! O clima está efectivamente a mudar...! e devemos estar preparados para essa mudança.! Foto A. Dias, 2001 Peniche Portugal Modificações

Leia mais

O valor da água como bem público

O valor da água como bem público Universidade de Lisboa Institituto de Ciências Sociais O valor da água como bem público Anexo III Administração Pública da Água - Orgânica João Howell Pato Doutoramento em Ciências Sociais Especialidade:

Leia mais

Determinação da susceptibilidade à inundação e à erosão em praias expostas.

Determinação da susceptibilidade à inundação e à erosão em praias expostas. Determinação da susceptibilidade à inundação e à erosão em praias expostas. Beach susceptibility to flooding and erosion. J. Trindade 1, A. Ramos Pereira 1 1 Centro de Estudos Geográficos da Universidade

Leia mais

Ocupação Antrópica e problemas de ordenamento

Ocupação Antrópica e problemas de ordenamento Ocupação Antrópica e problemas de ordenamento Bacias Hidrográficas Rios ou Ribeiros cursos de água superficiais e regulares que podem desaguar num outro rio, num lago ou no mar. Bacia hidrográfica área

Leia mais

ÍNDICE. 1.1 Enquadramento geral 1.2 Enquadramento específico, objectivo e âmbito 1.3 Tipos e regimes de escoamento 1.4 Metodologia

ÍNDICE. 1.1 Enquadramento geral 1.2 Enquadramento específico, objectivo e âmbito 1.3 Tipos e regimes de escoamento 1.4 Metodologia ÍNDICE Prefácio Simbologia IX XI Capítulo 1. Introdução 1.1 Enquadramento geral 1.2 Enquadramento específico, objectivo e âmbito 1.3 Tipos e regimes de escoamento 1.4 Metodologia I 8 10 11 Capítulo 2.

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E INSCRIÇÃO

ORGANIZAÇÃO E INSCRIÇÃO FICHA DE INSCRIÇÃO Nome completo: Título: Tel.: e-mail: Residência: Localidade: Naturalidade: Nacionalidade: Data de Nascimento: Local Emissão: Empresa: Endereço: Localidade: Tel.: Recibo em nome de: SIMULAÇÃO

Leia mais

PROJETOS DE PESQUISA VINCULADOS AO MESTRADO PROFISSIONAL EM GEOGRAFIA

PROJETOS DE PESQUISA VINCULADOS AO MESTRADO PROFISSIONAL EM GEOGRAFIA Circuitos da exclusão social e da pobreza urbana Produção do Espaço Urbano (PEU) Raul Borges Guimarães Este projeto tem como objetivos aprofundar o conhecimento sobre os processos de exclusão social no

Leia mais

ESQUEMA NACIONAL DE REFERÊNCIA

ESQUEMA NACIONAL DE REFERÊNCIA RESERVA ECOLÓGICA NACIONAL ESQUEMA NACIONAL DE REFERÊNCIA Nuno Neves (Prof. Auxiliar do Departamento de Paisagem, Ambiente e Ordenamento) Marco Freire (Bolseiro de doutoramento) Nuno Guiomar (Bolseiro

Leia mais

Riscos Naturais e Protecção Civil. 16 de Dezembro de 2010 Escola Secundária de Barcelinhos

Riscos Naturais e Protecção Civil. 16 de Dezembro de 2010 Escola Secundária de Barcelinhos Riscos Naturais e Protecção Civil 16 de Dezembro de 2010 Escola Secundária de Barcelinhos 1) Riscos naturais a. Erosão / Movimentos de vertente b. Cheias c. Sismos / Falhas geológicas 1) Plano Municipal

Leia mais

Hidrologia Aplicada Carga Horária: 72 horas Prof a Ticiana M. de Carvalho Studart

Hidrologia Aplicada Carga Horária: 72 horas Prof a Ticiana M. de Carvalho Studart Hidrologia Aplicada Pag. 1 Universidade Federal do Ceará Centro de Tecnologia Depto de Engenharia Hidráulica e Ambiental Hidrologia Aplicada Carga Horária: 72 horas Prof a Ticiana M. de Carvalho Studart

Leia mais

sistemas de suporte à decisão para a gestão da água em bacias hidrográficas

sistemas de suporte à decisão para a gestão da água em bacias hidrográficas sistemas de suporte à decisão para a gestão da água em bacias hidrográficas José M. P. VIEIRA resumo Gestão da água: uma tarefa complexa A Directiva Quadro da Água Sistemas de suporte à decisão Casos de

Leia mais

Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte. Prefeitura de Belo Horizonte

Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte. Prefeitura de Belo Horizonte Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte Prefeitura de Belo Horizonte Belo Horizonte, fevereiro/2011 ASPECTOS GERAIS DA CIDADE DE BELO HORIZONTE Área superficial : 330 km 2 População : 2,5 milhões

Leia mais

Livro Interactivo 3D Permite Fazer Anotações e Imprimir. Dúvidas Mais Comuns GEO 11. Flipping Book.

Livro Interactivo 3D Permite Fazer Anotações e Imprimir. Dúvidas Mais Comuns GEO 11. Flipping Book. Livro Interactivo 3D Permite Fazer Anotações e Imprimir Dúvidas Mais Comuns GEO 11 Flipping Book http://netxplica.com DÚVIDAS MAIS COMUNS :: BIOLOGIA E GEOLOGIA 11 http://netxplica.com 1. Ocupação antrópica

Leia mais

CLICURB Qualidade da atmosfera urbana, alterações climáticas e resiliência

CLICURB Qualidade da atmosfera urbana, alterações climáticas e resiliência CLICURB Qualidade da atmosfera urbana, alterações climáticas e resiliência Carlos Borrego C. Pio, A. Rocha, H. Martins, M. Matos, M. Marta-Almeida, S. Freitas, A. Fernandes, A. Miranda, A. Monteiro, C.

Leia mais

Elias Ribeiro de Arruda Junior [1] ; Eymar Silva Sampaio Lopes [2] ; UFF Universidade Federal Fluminense -

Elias Ribeiro de Arruda Junior [1] ; Eymar Silva Sampaio Lopes [2] ; UFF Universidade Federal Fluminense - ANÁLISE MORFOMÉTRICA EM SUB-BACIAS HIDROGRÁFICAS PARA MONITORAMENTO DO RISCO POTENCIAL A CORRIDAS DE MASSA (DEBRIS FLOWS) NA REGIÃO SERRANA DO RIO DE JANEIRO Elias Ribeiro de Arruda Junior [1] ; Eymar

Leia mais

DIRECÇÃO MUNICIPAL DE BOMBEIROS E PROTECÇÃO CIVIL SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL CHEIAS RIO DOURO. Plano Municipal Especial de Cheias V. N.

DIRECÇÃO MUNICIPAL DE BOMBEIROS E PROTECÇÃO CIVIL SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL CHEIAS RIO DOURO. Plano Municipal Especial de Cheias V. N. CHEIAS RIO DOURO Plano Municipal Especial de Cheias V. N. Gaia I CONGRESSO INTERNACIONAL DE RISCOS MAIO 2009 Salvador Almeida Carla Bastos Concelho V. N. Gaia - Plano Municipal Especial de Cheias - PMEC

Leia mais

As Cheias em Portugal. Os locais mais propícios a cheias.

As Cheias em Portugal. Os locais mais propícios a cheias. As Cheias em Portugal Os locais mais propícios a cheias. Em Portugal as situações de cheias encontram-se associadas às condições atmosféricas instáveis que ocorrem, no nosso país,geralmente no Outono,

Leia mais

Jornadas de Investigação e Inovação LNEC. Energias renováveis. Potencial de integração da indústria da construção. Armando Pinto

Jornadas de Investigação e Inovação LNEC. Energias renováveis. Potencial de integração da indústria da construção. Armando Pinto Jornadas de Investigação e Inovação LNEC Energias renováveis Potencial de integração da indústria da construção apinto@lnec.pt LNEC 26 de março de 2012 Objetivos para energia renovável > Diretiva 2009/28/CE

Leia mais

Enquadramento da estratégia da gestão das inundações com os Planos de Gestão de Região Hidrográfica

Enquadramento da estratégia da gestão das inundações com os Planos de Gestão de Região Hidrográfica Enquadramento da estratégia da gestão das inundações com os Planos de Gestão de Região Hidrográfica ZONAS INUNDÁVEIS E RISCOS DE INUNDAÇÃO PLANOS DE GESTÃO DE RISCO DE INUNDAÇÕES 5 fevereiro 2015, auditório

Leia mais

Retrospectiva sobre regimes hidrológicos e importância do planejamento urbano na prevenção quanto a eventos extremos

Retrospectiva sobre regimes hidrológicos e importância do planejamento urbano na prevenção quanto a eventos extremos Retrospectiva sobre regimes hidrológicos e importância do planejamento urbano na prevenção quanto a eventos extremos José Teixeira Filho Faculdade de Engenharia Agrícola Ciência da Terra - Geografia UNICAMP

Leia mais

Perfil de Água Balnear do Rei do Cortiço

Perfil de Água Balnear do Rei do Cortiço Perfil de Água Balnear do Rei do Cortiço Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear REI DO CORTIÇO Código da Água Balnear PTCV8M Ano de Identificação 2010 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa

Leia mais

O desafio de implementar o artigo 5.º do DL 254/2007. Sara Vieira 25 de Maio de 2009

O desafio de implementar o artigo 5.º do DL 254/2007. Sara Vieira 25 de Maio de 2009 O desafio de implementar o artigo 5.º do DL 254/2007 Sara Vieira 25 de Maio de 2009 O desafio de implementar o artigo 5.º Abordagem presente Trabalho em curso Perspectiva futura Artigo 5.º Novos estabelecimentos

Leia mais

SUBDOMÍNIO OBJETIVOS DESCRITORES CONTEÚDOS

SUBDOMÍNIO OBJETIVOS DESCRITORES CONTEÚDOS DISCIPLINA: Geografia ANO DE ESCOLARIDADE: 7.º Ano 2016/2017 METAS CURRICULARES PROGRAMA SUBDOMÍNIO OBJETIVOS DESCRITORES CONTEÚDOS A Terra: Estudos e Representações - A Geografia e o Território - A representação

Leia mais

AS CHEIAS EM PORTUGAL Estar Informado e Preparado Por um Mundo mais seguro no século XXI

AS CHEIAS EM PORTUGAL Estar Informado e Preparado Por um Mundo mais seguro no século XXI MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO AS CHEIAS EM PORTUGAL Estar Informado e Preparado Por um Mundo mais seguro no século XXI Sessão de Sensibilização Cláudia BRANDÃO, Rui RODRIGUES e

Leia mais

As Intervenções de Defesa Costeira na Mitigação do Problema da Erosão

As Intervenções de Defesa Costeira na Mitigação do Problema da Erosão ORDEM DOS ENGENHEIROS Auditório da Sede, Lisboa Ponto da Situação e Experiência Acumulada nas Soluções de Defesa Costeira (Ciclo de Conferências sobre o Litoral Português Sessão 1) As Intervenções de Defesa

Leia mais

Origens do direito da água

Origens do direito da água O Direito Internacional das Águas e a Convenção de Albufeira sobre as Bacias Hidrográficas Luso-Espanholas António Gonçalves Henriques Origens do direito da água Direito costumeiro: prioridade em função

Leia mais

Perfil de Água Balnear das Maçãs

Perfil de Água Balnear das Maçãs Perfil de Água Balnear das Maçãs Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear MACAS Código da Água Balnear PTCT2J Ano de Identificação 1992 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica Mesotidal

Leia mais

SUMÁRIO TELEMAC3D... 3 SISYPHE... 4 TOMAWAC... 5 ECOS... 6 TRANSPORTE DE CONTAMINANTES... 7 CONVERSÃO DE ENERGIA DE CORRENTES... 8 ANOTAÇÕES...

SUMÁRIO TELEMAC3D... 3 SISYPHE... 4 TOMAWAC... 5 ECOS... 6 TRANSPORTE DE CONTAMINANTES... 7 CONVERSÃO DE ENERGIA DE CORRENTES... 8 ANOTAÇÕES... SUMÁRIO TELEMAC3D... 3 SISYPHE... 4 TOMAWAC... 5 ECOS... 6 TRANSPORTE DE CONTAMINANTES... 7 CONVERSÃO DE ENERGIA DE CORRENTES... 8 ANOTAÇÕES... 9 2 www.lansd.furg.br TELEMAC3D O LANSD desenvolve pesquisas

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance

Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance Revisão do PDM de Vila Real de Santo António Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance Pedro Bettencourt 1 1 Geólogo, Director-Geral NEMUS, Gestão e Requalificação Ambiental Vila Real de Santo

Leia mais

Pressão antropogénica sobre o ciclo da água

Pressão antropogénica sobre o ciclo da água O CICLO DA ÁGUA Pressão antropogénica sobre o ciclo da água 2. Poluição difusa 3. Poluição urbana 1. Rega 8. Barragens 7. Erosão do solo 4. Poluição industrial 5. Redução das zonas húmidas Adaptado de:

Leia mais

PLANO DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA DA ÁREA TERRITORIAL DA ARH DO TEJO, I.P.

PLANO DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA DA ÁREA TERRITORIAL DA ARH DO TEJO, I.P. PLANO DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA DA ÁREA TERRITORIAL DA ARH DO TEJO, I.P. Sessão de Debate - 11 de Setembro de 2009 Mudança e Inovação para os POOC de 2ª Geração Centro de Informação Geográfica e

Leia mais

Variação do Nível do MaremCascais. IV Jornadas Engenharia Geográfica IPG- 2012

Variação do Nível do MaremCascais. IV Jornadas Engenharia Geográfica IPG- 2012 Variação do Nível do MaremCascais IV Engenharia Geográfica IPG- Carlos Antunes cmantunes@fc.ul.pt Resumo Introdução Modelação de marés Monitorização em Tempo Real Análise de Pós-Processamento Subida de

Leia mais

Os Recursos Hídricos na Revisão dos PDM

Os Recursos Hídricos na Revisão dos PDM Os Recursos Hídricos na Revisão dos PDM Anadia, 22 de junho de 2012 Dulce Calado Celina Carvalho Objetivos do ordenamento e planeamento dos recursos hídricos Nos termos da Lei da Água o ordenamento e planeamento

Leia mais

Programa de Vigilância e Alerta de Secas 2005/2006

Programa de Vigilância e Alerta de Secas 2005/2006 CARACTERIZAÇÃO DO PERÍODO DE QUATRO MESES DO INÍCIO DO ANO HIDROLÓGICO DE 2005/06 E SEU ENQUADRAMENTO NA SEVERIDADE DA SECA DECORRENTE DO ANO HIDROLÓGICO DE 2004/05 Rui RODRIGUES, Cláudia BRANDÃO, Ana

Leia mais

MODELAÇÃO HIDROLÓGICA DISTRIBUÍDA APLICAÇÃO À BACIA DO RIO GUADIANA.

MODELAÇÃO HIDROLÓGICA DISTRIBUÍDA APLICAÇÃO À BACIA DO RIO GUADIANA. MODELAÇÃO HIDROLÓGICA DISTRIBUÍDA APLICAÇÃO À BACIA DO RIO GUADIANA. Fernanda GOMES ( 1 ) e Rui RODRIGUES ( 2 ) RESUMO A transformação da precipitação em escoamento é um processo extremamente complexo

Leia mais

Geografia 8º ano. Planificação a longo prazo 2013/2014. Filipe Miguel Botelho TOSHIBA

Geografia 8º ano. Planificação a longo prazo 2013/2014. Filipe Miguel Botelho TOSHIBA 0/04 Geografia 8º ano Planificação a longo prazo Filipe Miguel Botelho TOSHIBA Planificação a longo prazo 8º ano - Geografia º Período Aulas º Período Aulas º Período Aulas TEMA B MEIO NATURAL Tema C População

Leia mais

Capítulo 1 INTRODUÇÃO

Capítulo 1 INTRODUÇÃO Capítulo 1 INTRODUÇÃO Introdução 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS O elevado crescimento urbano verificado nos últimos anos, bem como a necessidade de construção de vias de comunicação, de forma a contribuir

Leia mais

O Instituto. Oceanografia

O Instituto. Oceanografia O Instituto O Instituto Hidrográfico, criado pelo Decreto-lei n.º 43177 de 22 de Setembro de 1960, é um Órgão da Marinha de Guerra Portuguesa, que funciona na direta dependência do Chefe do Estado-Maior

Leia mais

1 Introdução. VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010

1 Introdução. VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 Monitorização da morfologia costeira das praias de Quiaios à Leirosa,

Leia mais

Riscos e catástrofes

Riscos e catástrofes Riscos e catástrofes Riscos e catástrofes Riscos e catástrofes Riscos e catástrofes Risco Perigo que pode ameaçar o ser humano ou o ambiente em geral, como é o caso dos sismos, furacões, secas, inundações,

Leia mais

Plano estratégico para requalificação e valorização da rede hidrográfica da região centro

Plano estratégico para requalificação e valorização da rede hidrográfica da região centro Plano estratégico para requalificação e valorização da rede hidrográfica da região centro Conteúdos A ARH do Centro, I.P. e a nova orgânica da APA, I.P. Reabilitação da rede hidrográfica Fundo de Proteção

Leia mais

Plano de Ação de Proteção e Valorização do Litoral (PAPVL)

Plano de Ação de Proteção e Valorização do Litoral (PAPVL) Plano de Ação de Proteção e Valorização do Litoral (PAPVL) 2012-2015 Sustain Conferência Nacional Gabriela Moniz dos Santos Departamento de Ordenamento e Regulação dos Recursos Hídricos Lisboa, 14 de dezembro

Leia mais

C. Andrade, M. C. Freitas, R. Taborda, F. Marques, C. Antunes

C. Andrade, M. C. Freitas, R. Taborda, F. Marques, C. Antunes Projecto RENCOASTAL O risco de erosão em zonas costeiras: territórios resilientes e vulnerabilidades sociais Seminário Final C. Andrade, M. C. Freitas, R. Taborda, F. Marques, C. Antunes Centro de Geologia,

Leia mais

ÍNDICE GERAL AGRADECIMENTOS RESUMO ABSTRACT SIMBOLOGIA 1. - INTRODUÇÃO 2. - DEFINIÇÃO DO PROBLEMA

ÍNDICE GERAL AGRADECIMENTOS RESUMO ABSTRACT SIMBOLOGIA 1. - INTRODUÇÃO 2. - DEFINIÇÃO DO PROBLEMA ÍNDICE GERAL AGRADECIMENTOS RESUMO ABSTRACT SIMBOLOGIA 1. - INTRODUÇÃO 2. - DEFINIÇÃO DO PROBLEMA 3. - SISTEMATIZAÇÃO DE CONCEITOS E REVISÃO DA LITERATURA 3.1 - INTERPOLAÇÃO ESPACIAL DE INFORMAÇÃO ASSOCIADA

Leia mais

A evolução de povoações costeiras no litoral da Região Centro de Portugal o caso de estudo das praias de Esmoriz e Cortegaça

A evolução de povoações costeiras no litoral da Região Centro de Portugal o caso de estudo das praias de Esmoriz e Cortegaça 28 Novembro 2014 Mestrado em Urbanismo e Ordenamento do Território A evolução de povoações costeiras no litoral da Região Centro de Portugal o caso de estudo das praias de Provas Públicas Nuno Rafael Almeida

Leia mais

Trabalho de Campo. Disciplina: Quantificação em Geografia Docente: Profa. Dra. Iara Regina Nocentini André

Trabalho de Campo. Disciplina: Quantificação em Geografia Docente: Profa. Dra. Iara Regina Nocentini André Trabalho de Campo Disciplina: Quantificação em Geografia Docente: Profa. Dra. Iara Regina Nocentini André O IPT Instituto de Pesquisas Tecnológicas é um órgão do governo do Estado de São Paulo que desenvolve

Leia mais

Perfil de Água Balnear da Foz do Lizandro - Rio

Perfil de Água Balnear da Foz do Lizandro - Rio Perfil de Água Balnear da Foz do Lizandro - Rio Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear FOZ DO LIZANDRO - RIO Código da Água Balnear PTCW3M Ano de Identificação 2013 Categoria/Tipo Água balnear

Leia mais

Avaliação de perigos e riscos de inundação em Campos do Jordão (SP) aplicada à gestão local de risco de desastres

Avaliação de perigos e riscos de inundação em Campos do Jordão (SP) aplicada à gestão local de risco de desastres 16, 17 e 18 de setembro de 2014 São Paulo - SP Avaliação de perigos e riscos de inundação em Campos do Jordão (SP) aplicada à gestão local de risco de desastres Eduardo de Andrade; Paulo César Fernandes

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL DAS ÁGUAS E CONVENÇÃO SOBRE AS BACIAS HIDROGRÁFICAS LUSO-ESPANHOLA S. António Gonçalves Henriques 1

DIREITO INTERNACIONAL DAS ÁGUAS E CONVENÇÃO SOBRE AS BACIAS HIDROGRÁFICAS LUSO-ESPANHOLA S. António Gonçalves Henriques 1 O Direito Internacional das Águas e a Convenção de Albufeira sobre as Bacias Hidrográficas Luso-Espanholas António Gonçalves Henriques António Gonçalves Henriques 1 Origens do direito da água Direito costumeiro:

Leia mais

OUTORGA. Obtenção da Outorga De Direito de Uso de Recursos, Órgão Responsável pela emissão D.A.E.E. Decreto Nº de 31/10/96

OUTORGA. Obtenção da Outorga De Direito de Uso de Recursos, Órgão Responsável pela emissão D.A.E.E. Decreto Nº de 31/10/96 LEGISLAÇÃO Legislação Federal: Lei Nº 9.433 08/01/1997 Legislação Estadual: Constituição do Estado de São Paulo Lei nº 6.134 02/06/1988 Decreto nº 32.955 07/02/1991 Lei nº 7.663 30/12/1991 Decreto nº 36.787

Leia mais

Perfil de Água Balnear da Foz do Sizandro - Mar

Perfil de Água Balnear da Foz do Sizandro - Mar Perfil de Água Balnear da Foz do Sizandro - Mar Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear Foz do Sizandro - Mar Código da Água Balnear PTCH9C Ano de Identificação 2013 Categoria/Tipo Água balnear

Leia mais

Perfil de Água Balnear da Foz do Arelho Lagoa

Perfil de Água Balnear da Foz do Arelho Lagoa Perfil de Água Balnear da Foz do Arelho Lagoa Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear FOZ DO ARELHO-LAGOA Código da Água Balnear PTCE7K Ano de Identificação 1993 Categoria/Tipo Água balnear

Leia mais

RIA DE AVEIRO UM TERRITÓRIO EM PERIGO contributos para uma gestão integrada do risco

RIA DE AVEIRO UM TERRITÓRIO EM PERIGO contributos para uma gestão integrada do risco RIA DE AVEIRO UM TERRITÓRIO EM PERIGO contributos para uma gestão integrada do risco FÁTIMA LOPES ALVES CELESTE ALVES COELHO EDUARDO OLIVEIRA BRUNO SILVEIRA LISA PINTO DE SOUSA contacto: malves@ua.pt Departamento

Leia mais

Portugal perde 100 metros

Portugal perde 100 metros LITORAL Portugal perde 100 metros de costa PÁGS.24E2S AMBIENTE ZONA QUE VAI DESDE AVEIRO A PENICHE ÉA MAIS AFETAD/ JOÃO SARAMAGO/ANDRÉ PEREIRA portuguesa representa um dos maio - Acosta res desafios colocados

Leia mais

Perfil de Água Balnear de Peniche de Cima

Perfil de Água Balnear de Peniche de Cima Perfil de Água Balnear de Peniche de Cima Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear PENICHE DE CIMA Código da Água Balnear PTCN3U Ano de Identificação 2008 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa

Leia mais

Lista de Figuras. Figura 1.1 Localização geográfica do estuário do rio Curimataú... 2

Lista de Figuras. Figura 1.1 Localização geográfica do estuário do rio Curimataú... 2 Lista de Figuras CAPÍTULO 1 Introdução Figura 1.1 Localização geográfica do estuário do rio Curimataú... 2 Figura 1.2 Sub-bacia 13 de drenagem do estuário do rio Curimataú no Rio Grande do Norte RN...

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-HIDRO 01/2010 CANDIDATURAS APROVADAS

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-HIDRO 01/2010 CANDIDATURAS APROVADAS 004999.10 GESTÃO DA QUALIDADE E QUANTIDADE DE ÁGUA DE QUATRO MICRO BACIAS HIDROGRÁFICAS REPRESENTATIVAS URBANAS E RURAIS DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO UNIVERSITÁRIO FEEVALE RS R$ 1.000.000,00 004983.10

Leia mais

FORWARD Bacias hidrográficas. João Pedro NUNES 16-Abril-2010

FORWARD Bacias hidrográficas. João Pedro NUNES 16-Abril-2010 FORWARD Bacias hidrográficas João Pedro NUNES 16-Abril-2010 Objectivos Estudar a importância de descargas terrestres para a qualidade da água na Ria Formosa Analizar a descarga de água e nutrientes na

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA AVALIAÇÃO DAS AFLUÊNCIAS DE ÁGUAS INTERIORES À ZONA COSTEIRA DO CONCELHO DE MATOSINHOS

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA AVALIAÇÃO DAS AFLUÊNCIAS DE ÁGUAS INTERIORES À ZONA COSTEIRA DO CONCELHO DE MATOSINHOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA AVALIAÇÃO DAS AFLUÊNCIAS DE ÁGUAS INTERIORES À ZONA COSTEIRA DO CONCELHO DE MATOSINHOS Hugo M. R. RODRIGUES 1 ; José L. S. PINHO 2 ; 1 Aluno de Mestrado hugorodrigues00@io.pt

Leia mais

Impacte das alterações climáticas na qualidade do ar do Porto. H. Martins, E. Sá, S. Freitas, J.H. Amorim, S. Rafael, C. Borrego

Impacte das alterações climáticas na qualidade do ar do Porto. H. Martins, E. Sá, S. Freitas, J.H. Amorim, S. Rafael, C. Borrego Impacte das alterações climáticas na qualidade do ar do Porto H. Martins, E. Sá, S. Freitas, J.H. Amorim, S. Rafael, C. Borrego MODELAÇÃO DA ALTERAÇÃO CLIMÁTICA clicurb metodologia MODELAÇÃO METEORLÓGICA

Leia mais

Praia fluvial de Fernandaires

Praia fluvial de Fernandaires Praia fluvial de Fernandaires Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear FERNANDAIRES Código da Água Balnear PTCE2L Ano de Designação 2006 Categoria/Tipo Água balnear interior em albufeira/ Albufeira

Leia mais

Seminário técnico Sistema Nacional de Informação Territorial: Presente e Futuro. Direção-Geral do Território, Lisboa, 29 de setembro de 2015

Seminário técnico Sistema Nacional de Informação Territorial: Presente e Futuro. Direção-Geral do Território, Lisboa, 29 de setembro de 2015 Seminário técnico Sistema Nacional de Informação Territorial: Presente e Futuro Direção-Geral do Território, Lisboa, 29 de setembro de 2015 Observatório do Ordenamento do Território e Urbanismo Conhecer

Leia mais

Perfil de Água Balnear de São Julião

Perfil de Água Balnear de São Julião Perfil de Água Balnear de São Julião Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear S. JULIAO Código da Água Balnear PTCE9W Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica

Leia mais

Gestão de Riscos de Inundações na Bacia Matanza Riachuelo, Argentina

Gestão de Riscos de Inundações na Bacia Matanza Riachuelo, Argentina Workshop Internacional sobre Gestão Integral de Aguas Urbanas São Paulo, Brasil. 4-6 Dezembro, 2012 Gestão de Riscos de Inundações na Bacia Matanza Riachuelo, Argentina Juan Carlos Bertoni Coordinador

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE GEOGRAFIA 10º. ANO LECIONAÇÃO DOS

PLANIFICAÇÃO DE GEOGRAFIA 10º. ANO LECIONAÇÃO DOS Direção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas Figueira Mar Código 161366 Contribuinte nº 600 074 978 Escola Secundária Dr. Bernardino Machado PLANIFICAÇÃO DE GEOGRAFIA 10º. ANO 2012 2013

Leia mais

Reestruturação Urbanística de Carcavelos- Sul Implicações sobre a evolução sedimentar na Praia de Carcavelos

Reestruturação Urbanística de Carcavelos- Sul Implicações sobre a evolução sedimentar na Praia de Carcavelos Reestruturação Urbanística de Carcavelos- Sul Implicações sobre a evolução sedimentar na Praia de Carcavelos Ramiro Neves, Prof. Associado do IST Resumo A dinâmica sedimentar na praia de Carcavelos depende

Leia mais

Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica. Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva

Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica. Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva 1 Ciclo hidrológico global Energia do sol que atua sobre o sistema terrestre: 36% de toda a energia que chega a terra é utilizada

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DA INFLUÊNCIA DO RIO JOÃO GUALBERTO SOBRE A HIDRODINÂMICA RESIDUAL DA LAGOA DA CONCEIÇÃO FLORIANÓPOLIS. SC.

ANÁLISE NUMÉRICA DA INFLUÊNCIA DO RIO JOÃO GUALBERTO SOBRE A HIDRODINÂMICA RESIDUAL DA LAGOA DA CONCEIÇÃO FLORIANÓPOLIS. SC. ANÁLISE NUMÉRICA DA INFLUÊNCIA DO RIO JOÃO GUALBERTO SOBRE A HIDRODINÂMICA RESIDUAL DA LAGOA DA CONCEIÇÃO FLORIANÓPOLIS. SC. Júlia Costa Silva* Davide Franco** Fábio Bertini Godoy*** Orientador Prof. Dr.

Leia mais

Perfil de Água Balnear de Aldeia do Mato

Perfil de Água Balnear de Aldeia do Mato Perfil de Água Balnear de Aldeia do Mato Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear ALDEIA DO MATO Código da Água Balnear PTCT9H Ano de Identificação 2004 Categoria/Tipo Água balnear interior em

Leia mais

MIEC MIEA. Projectos de investigação. Trabalhos para o exterior ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM HIDRÁULICA, RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE

MIEC MIEA. Projectos de investigação. Trabalhos para o exterior ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM HIDRÁULICA, RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM HIDRÁULICA, RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM HIDRÁULICA, RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE Professor Associado José Simão Antunes do Carmo (com agregação) Professores

Leia mais

Apresentação dos Documentos de Referência para Entidades Acreditadas (EA) no Domínio do Ambiente

Apresentação dos Documentos de Referência para Entidades Acreditadas (EA) no Domínio do Ambiente Apresentação dos Documentos de Referência para Entidades Acreditadas (EA) no Domínio do Ambiente EA.G.02.01.00 - Guia Avaliação de Impacte Ambiental (AIA) Cecília Simões APA, 22 de janeiro de 2013 GUIA

Leia mais

I. Analisar a evolução dos recursos hídricos superficiais na bacia do rio Sabor, desde a segunda metade do século XX até aos primórdios do XXI;

I. Analisar a evolução dos recursos hídricos superficiais na bacia do rio Sabor, desde a segunda metade do século XX até aos primórdios do XXI; RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIO SABOR: EVOLUÇÃO RECENTE E RELAÇÕES COM MUDANÇAS AS SÓCIOAMBIENTAIS Adélia NUNES Instituto de Estudos Geográficos, Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Praça da

Leia mais

Redução do risco de inundação em áreas urbanas consolidadas. Maria do Céu Almeida Vitor Campos

Redução do risco de inundação em áreas urbanas consolidadas. Maria do Céu Almeida Vitor Campos Redução do risco de inundação em áreas urbanas consolidadas Maria do Céu Almeida Vitor Campos SUMÁRIO 1 2 O que entendemos por área urbana consolidada? O valor e o significado das áreas urbanas consolidadas

Leia mais

MEEC / MEM Energias Renováveis Energia Eólica. Energia Eólica. Gestão de Sistemas Eléctricos com Elevada Integração de Geração Eólica

MEEC / MEM Energias Renováveis Energia Eólica. Energia Eólica. Gestão de Sistemas Eléctricos com Elevada Integração de Geração Eólica Gestão de Sistemas Eléctricos com Elevada Integração de Geração Eólica J. A. Peças Lopes Introdução A integração de elevados níveis de geração eólica nos sistemas eléctricos têm impactos na gestão do sistema:

Leia mais

Perfil de Água Balnear da Torre

Perfil de Água Balnear da Torre Perfil de Água Balnear da Torre Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear Código da Água Balnear TORRE PTCE9T Ano de Identificação 1994 Categoria/Tipo Nome da Zona Costeira Fotografia Água balnear

Leia mais

Fontes de Poluição Difusa e as Diretivas no Domínio da Água

Fontes de Poluição Difusa e as Diretivas no Domínio da Água Encontro Técnico: Poluição difusa desafios para o futuro Fontes de Poluição Difusa e as Diretivas no Domínio da Água Ana Rita Lopes 03-06-2013, IPQ Sectores de atividade Diretivas comunitárias Diretivas

Leia mais

Por que falar em Segurança de Barragens?

Por que falar em Segurança de Barragens? Por que falar em Segurança de Barragens? Por que falar em Segurança de Barragens? SEGURANÇA TOTAL Riscos inerentes à construção de uma barragem: NÃO HÁ POSSIBILIDADE DE RISCOS NULOS INEXISTÊNCIA DE RISCO

Leia mais

METODOLOGIA E MEDIDAS PROPOSTAS PARA A REGIÃO NORTE

METODOLOGIA E MEDIDAS PROPOSTAS PARA A REGIÃO NORTE METODOLOGIA E MEDIDAS PROPOSTAS PARA A REGIÃO NORTE Sessão de Participação Pública dos Planos de Gestão dos Riscos de Inundações (PGRI) Casa do Infante - Ribeira Porto, 20 de janeiro de 2016 Cláudia Brandão,

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

DEFINIÇÃO DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES DEFINIÇÃO DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES LAS PALMAS, 7 e 8 JULHO 2003 A DQA estabelece um quadro comum de acção cujo cronograma de implementação determina

Leia mais

MODELAÇÃO MATEMÁTICA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DA REGIÃO DE MOURA

MODELAÇÃO MATEMÁTICA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DA REGIÃO DE MOURA 7 CLIMA 7.1 Introdução Para a caracterização do clima de uma região, no que respeita à água, uma das técnicas correntemente utilizadas consiste na realização do balanço sequencial mensal da água no solo.

Leia mais

CIRAC Cartas de Inundação e de Risco em Cenários de Alteração Climática Estoril, 22 de Maio de 2014

CIRAC Cartas de Inundação e de Risco em Cenários de Alteração Climática Estoril, 22 de Maio de 2014 CIRAC Cartas de Inundação e de Risco em Cenários de Alteração Climática Estoril, 22 de Maio de 2014 Conteúdo Enquadramento Principais resultados Próximos passos para o setor segurador 2 Tendência do número

Leia mais