DIRETRIZES PARA PROJETOS FÍSICOS DE ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE EM ÁREAS INDÍGENAS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIRETRIZES PARA PROJETOS FÍSICOS DE ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE EM ÁREAS INDÍGENAS."

Transcrição

1 FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA DEPARTAMENTO DE SAÚDE INDÍGENA DIRETRIZES PARA PROJETOS FÍSICOS DE ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE EM ÁREAS INDÍGENAS. VERSÃO FINAL AGOSTO DE 2000 DISCUTIDO EM: SEMINÁRIO DE ADEQUAÇÃO TECNOLÓGICA EM SANEAMENTO E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE EM ÁREAS INDÍGENAS. 90 PARTICIPANTES - MACAPÁ/AP - MAIO DE REUNIÃO DE TÉCNICOS QUE ATUAM EM ÁREAS INDÍGENAS. 12 PARTICIPANTES, DO DESAI E DENSP/FUNASA, FUNAI E PACA (ONG) BRASÍLIA /DF - JULHO DE REUNIÃO DE DSEIS E COORDENADORES REGIONAIS DA FUNASA. 70 PARTICIPANTES - CUIABÁ/MT - JULHO DE 2000.

2 1. INTRODUÇÃO 2. REDE FÍSICA E TIPOLOGIA 3. PROGRAMAÇÃO FUNCIONAL DE CADA TIPO ATIVIDADES, AMBIENTES ÁREAS MÍNIMAS 4. OBSERVAÇÕES 5. DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA 1

3 1. INTRODUÇÃO Planejando a assistência à saúde em áreas indígenas, a FUNASA, através do Departamento de Saúde Indígena, concebeu o modelo assistencial, a proposta de rede física e os tipos de estabelecimentos a serem implantados. A partir dessas definições, com o objetivo de orientar a elaboração e a análise de projetos físicos de estabelecimentos de saúde para áreas indígenas, a FUNASA dá continuidade ao trabalho com o envolvimento do Departamento de Engenharia de Saúde Pública. Aplica-se então, método já utilizado nas Normas para Projetos Físicos de Estabelecimentos Assistências de Saúde, do Ministério da Saúde, na elaboração das presentes diretrizes. São detalhadas as atividades de cada tipo de estabelecimento, os ambientes necessários e as áreas mínimas, definindose assim, os programas de necessidades para cada tipo de estabelecimento. Como os projetos deverão ser adequados à realidade cultural e às possibilidades tecnológicas de cada local, não é proposto um projeto padrão. Confirma-se assim, o objetivo do presente documento que é o de orientar a elaboração de projetos, os quais deverão ter características específicas mas, necessariamente, adequar-se ao modelo assistencial proposto. 2

4 2. REDE FISICA E TIPOLOGIA 2.1 REDE FÍSICA O Distrito Sanitário Especial Indígena DSEI é uma unidade organizacional da FUNASA, entendido como uma base territorial e populacional sob responsabilidade sanitária claramente identificada, enfeixando um conjunto de ações de saúde necessárias à atenção básica, articulado com a Rede do Sistema Único de Saúde SUS, para referência e contra-referência. Cada DSEI deverá estar organizado através de uma rede de serviços de saúde, constituída de estabelecimentos em quantidade e localização estratégica. Foram definidos cinco tipos de estabelecimentos para compor a infra-estrutura física da rede. São eles: - Posto de Saúde Indígena Tipo I (PS I); - Posto de Saúde Indígena Tipo II (PS II); - Pólo Base Tipo I; - Polo Base Tipo II; - Casa de Saúde do Índio. A construção da rede de serviços deverá levar em conta a estrutura de serviços de saúde já existente nas terras indígenas e ter como base a organização desses serviços nas aldeias, as quais contarão com atuação de um Agente Indígena de Saúde AIS, que terá suas atividades vinculadas a um Posto de Saúde. 3

5 2.2 TIPOLOGIA POSTO DE SAÚDE INDÍGENA O Posto de Saúde Indígena, de estrutura física simplificada, representa a porta de entrada na rede hierarquizada de serviços de saúde POSTO DE SAÚDE TIPO I COM ATUAÇÃO DE AGENTE INDÍGENA DE SAÚDE - AIS O Agente Indígena de Saúde AIS é um membro da aldeia que será capacitado pela FUNASA para prestar assistência à saúde aos demais integrantes de sua própria aldeia. A base de atuação dos AIS será a família indígena. Através de visitas domiciliares, os AIS promoverão educação sanitária, assistência primária, vigilância à saúde, prevenção e controle de doenças. O Posto de Saúde Tipo I é a infra estrutura física necessária para o desenvolvimento das atividades do AIS, com supervisão da equipe multidisciplinar de saúde indígena, composta por médico, enfermeiro, odontólogo e auxiliares de enfermagem. São atividades do AIS: Acompanhamento do desenvolvimento infantil e de gestantes; Atendimento aos casos de doenças mais freqüentes (infecção respiratória aguda - IRA, diarréia, malária, etc.) Acompanhamento de pacientes crônicos e egressos, bem como, tratamentos de longa duração; Primeiros socorros; Promoção à saúde e prevenção de doenças de maior prevalência; Acompanhamento de Imunização; Ações de educação sanitária; Comunicação via rádio; Atividades de apoio à equipe multidisciplinar; 4

6 POSTO DE SAÚDE INDÍGENA - TIPO II O Posto de Saúde Tipo II deverá está estrategicamente localizado, para servir de referência ao AIS e apoiar a equipe multidisciplinar. Apresenta como característica principal e diferencial, a atuação contínua de um auxiliar de enfermagem. Este Posto Tipo II, poderá possuir uma estrutura física capaz de alojar o auxiliar de enfermagem e a equipe multidisciplinar, bem como permitir a execução das ações que seguem: Acompanhamento do desenvolvimento infantil e de gestantes; Atendimento aos casos de doenças mais freqüentes (IRA, diarréia, malária, etc.) Acompanhamento de pacientes crônicos e egressos, bem como, tratamentos de longa duração; Primeiros socorros; Promoção à saúde e prevenção de doenças de maior prevalência; Acompanhamento de Imunização; Ações de educação sanitária; Comunicação via rádio; Controle de doenças transmissíveis; Coleta de material para exame; Vigilância epidemiológica e nutricional; Informação em saúde; Coleta e análise sistemática de dados; Atividades de apoio à equipe multidisciplinar. 5

7 PÓLO BASE Os Pólos Base são estabelecimentos de referência para um conjunto de aldeias. Representam a referência para os auxiliares de enfermagem lotados nos PS II e para os AIS lotados no PS I. Os Pólos Base contarão com a lotação permanente das equipes multidisciplinares de saúde indígena compostas, cada uma, por médico, enfermeiro, odontólogo e auxiliares de enfermagem. Estes estabelecimentos terão como principal missão, promover a saúde das aldeias através de assistência aos casos não solucionados nos postos de saúde. Além da assistência, será responsável pela capacitação e supervisão da atuação dos AIS. Estão definidos dois tipos de Pólos base PÓLO BASE TIPO I O Pólo Base Tipo I caracteriza-se por sua localização em terras indígenas. Além das atividades realizadas também no Posto de Saúde Tipo II (ver item 2.2.2) este Pólo realizará: Capacitação, reciclagem e supervisão dos AIS e auxiliares de enfermagem; Coleta de material para exame; Esterilização; Imunizações (quando se tratar de atividades de rotina); Coleta e análise sistêmica de dados; Investigação epidemiológica; Informações de doenças; Prevenção de câncer ginecológico (exame/coleta/consulta); Outras atividades compatíveis com o estabelecimento. 6

8 PÓLO BASE TIPO II O Pólo Base Tipo II localiza-se no município de referência. Neste caso, a estrutura física é de apoio técnico e administrativo à equipe multidisciplinar, não executando atividades de assistência à saúde. Estas atividades assistências estarão sendo realizadas em um estabelecimento do SUS no município de referência. As seguintes atividades deverão ser desenvolvidas neste Pólo: Armazenamento de medicamentos; Armazenamento de material de deslocamento para outras áreas indígenas; Comunicação via rádio; Investigação epidemiológica; Informações de doenças; Elaboração de relatórios de campo e sistema de informação; Coleta, análise e sistematização de dados; Planejamento das ações das equipes multidisciplinares na área de abrangência; Organização do processo de vacinação na área de abrangência; Administração CASA DE SAÚDE DO ÍNDIO As Casas de Saúde do Índio são estabelecimentos de apoio, localizados em municípios de estratégicos, inclusive nas capitais dos Estados. Sua atribuição é receber e apoiar o índio que vem referenciado de sua aldeia, em busca de assistência na rede do SUS. As principais atividades a serem desenvolvidas são: Recepção e apoio de pacientes e acompanhantes encaminhados pelos Distritos; Estabelecimento dos mecanismos de referência e contra referência com a rede do SUS; Assistência de enfermagem aos pacientes em fase de recuperação; Acompanhamento de pacientes para consultas, exames e internações hospitalares; Alojamento e alimentação de pacientes e acompanhantes durante o tratamento. 7

9 3 PROGRAMAÇÃO FUNCIONAL DE CADA TIPO DE UNIDADE DE SAÚDE DA REDE ASSISTENCIAL (ATIVIDADES, AMBIENTES E ÁREAS MINÍMAS) As planilhas apresentadas a seguir, indicam atividades, ambientes e áreas mínimas necessárias ao desenvolvimento das atividades desenvolvidas em cada tipo de estabelecimento. A aplicação da metodologia já utilizada nas Normas para Projetos Físicos de Estabelecimentos Assistências de Saúde, do Ministério da Saúde, enfatiza a necessidade de elaboração de projetos específicos para cada localidade. Não há a intenção de desenvolvimento de projetos padrão. As diferentes características étnicas, culturais e tecnológicas locais apontam para edificações também diferenciadas. O item 4 contém observações relativas às próprias planilhas. 8

10 4. OBSERVAÇÕES GERAIS Conforme a realidade local, dois tipos de estabelecimentos poderão funcionar no mesmo prédio ou no mesmo terreno. Por exemplo, um Pólo Base Tipo II, em sede de município, poderá se localizar junto à Casa de Saúde do Índio. Atividades como as de espera, educação em saúde, saúde bucal e eventualmente, imunizações poderão se dar num mesmo espaço de múltiplos usos. Este deverá apresentar bancada com pia, escovódromo (para orientação sobre a escovação e prevenção da cárie dentária) e sanitário para uso público. A concepção arquitetônica, particularmente deste espaço, deverá buscar identificação cultural com os usuários indígenas. Um espaço de múltiplo uso deverá ser projetado em todos os cinco tipos de estabelecimentos. Depósitos para as ferramentas utilizadas nas atividades de saneamento deverão ser previstos nos Postos Tipo I e II, e no Pólo Tipo I. Não é necessária a previsão em projeto, de áreas para a confecção das peças pré moldadas utilizadas nas melhorias sanitárias. Essa atividade poderá ser realizada sob pequenas coberturas, até mesmo provisórias. A previsão de alojamento para auxiliar de enfermagem e/ou equipe multidisciplinar, deverá ser justificado em projeto, em função das características locais. Poderá incluir quarto para homens, outro para mulheres, banheiro privativo com chuveiro e pequena copa/cozinha. A previsão de consultórios odontológicos deverá ser plenamente justificada e, ainda assim, somente em Pólos e/ou nas Casas de Saúde do Índio. 9

11 5. DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PROJETO BÁSICO, CONFORME DEFINIÇÃO LEGAL, INCLUINDO: 5.1. SITUAÇÃO LEGAL DO TERRENO Cópia autenticada da certidão de registro do imóvel, ou Anexo III da Portaria 270, devidamente preenchido (cópia anexa) 5.2. MEMORIAL JUSTIFICATIVO Descrição da localidade, com indicação das características da população e número de habitantes a ser atendido pelo estabelecimento Histórico da edificação existente (no caso da ampliação e reforma) e justificativa para o investimento naquele edifício Identificação da fonte de energia disponível, bem como da forma de captação d água Forma de integração da obra proposta na rede de serviços e sistema de referência regional PROJETO DE ARQUITETURA Planta de situação do terreno e locação da obra Planta de cobertura Planta baixa, contendo: Identificação dos compartimentos (atividades) Lay out dos equipamentos Pontos de instalações Legenda de serviços (demolir, construir, existente) Cortes Fachadas Especificações básicas de materiais de acabamento Detalhes necessários à perfeita compreensão do projeto Identificação do projeto Autoria (nome, n.º do registro no CREA, assinatura em todas as pranchas, endereço e telefone para contato.) 10

12 Metragens Área existente.(m 2 ) Área de reforma.(m 2 ) Área de Ampliação.(m 2 ) Área total.(m 2 ) 5.4. PLANILHA ORÇAMENTÁRIA E CRONOGRAMA FÍSICO FINANCEIRO Detalhando os custos unitários e totais de serviços e materiais bem como etapas e prazos previstos para os serviços. 11

13 FUNASA - DENSP - CGEAR Atividades desenvolvidas e ambientes necessários aos Estabelecimentos de Saúde em Áreas Indígenas POSTO DE SAÚDE INDIGENA TIPO I (AIS permanente) Atividades Acompanhamento Desenvolvimento Infantil Acompanhamento Gestante Atendimento doenças frequentes (infecção respiratória/diarréia/malária) Acompanhamento de pacientes crônicos Promoção a Saúde, Prevenção e Controle de Doenças Acompanhamento da Imunização Saúde Bucal Acompanhamento e Supervisão de Tratamentos de Longa Duração Guarda de Ferramentas do Agente indígena de saneamento-aisan Acompanhamento de Pacientes Egressos Vigilância Nutricional Visita Domiciliar Ações de Educ.para a Saúde (palestras/demonst/treinam/campanhas) Comunicação via Rádio / Telefonia rural fixa Apoio à Equipe Multidisciplinar Apoio (opção de projeto em função das características culturais) Primeiro Atendimento: -Curativos -Reidratação oral Ambientes Sala de Atendimento Individualizado, com lavatório Área coberta, também usada para Educação em Saúde, com lavatório Atividade realizada não necessariamente no Posto Pequeno depósito com acesso externo Atividade realizada não necessariamente no Posto Atividade realizada não necessariamente no Posto Atividade realizada não necessariamente no Posto Atividade realizada não necessariamente no Posto Local para Rádio Armadores para redes Espera / Sanitários / Copa / DML / Varanda Sala de Primeiro Atendimento com guarda de material e equipamentos(c/ bancada e pia) 9

14 POSTO DE SAÚDE INDÍGENA TIPO I (AIS PERMANENTE) Área Ambientes Mínima (m2) Sala de Atendimento Individualizado, com lavatório e armadores para rede (*) 9.00 Sala de Primeiro Atendimento com guarda de material e equipamentos(c/ bancada e pia) (**) 9.00 Área Coberta c/ bancada, pia e escovódromo 1 Local para Rádio - Sanitário único para público Sanitário único para funcionário Copa 4.00 Depósito de material de limpeza, com tanque TOTAL Ambientes a serem implantados conforme características locais Pequeno depósito para o Agente indígena de saneamento-aisan, com acesso externo (*) Apesar de não haver previsão de pernoites da equipe multidisciplinar no Posto Tipo I, é conveniente a instalação de armadores (ganchos) para redes nas paredes da Sala de Atendimento Individualizado, para utilização em situações emergenciais. (**) O projeto deverá prever área destinada a múltiplos usos, conforme indicado nas Orientações Gerais (item 5 do presente documento). O projeto poderá adotar uma concepção modular, que permita a ampliação do Posto do Tipo I e consequente transformação em Posto do Tipo II. 10

15 FUNASA - DENSP - CGEAR Atividades desenvolvidas e ambientes necessários aos Estabelecimentos de Saúde em Áreas Indígenas POLO BASE I (na terra indígena com equipe multidisciplinar permanente) Atividades Ambientes Acompanhamento Desenvolvimento Infantil Acompanhamento Gestante Atendimento doenças frequentes (infecção respiratória/diarréia/malária) Acompanhamento de pacientes crônicos Promoção a Saúde, Prevenção e Controle de Doenças Saúde Bucal (consultório odontológico, conforme local) Guarda de Ferramentas do Agente indígena de saneamento-aisan Acompanhamento e Supervisão de Tratamentos de Longa Duração Acompanhamento de Pacientes Egressos Vigilância Nutricional Visita Domiciliar Ações de Educação para a Saúde (palestras/demonst/treinam/campanhas) Comunicação via Rádio /Telefonia rural fixa Apoio à Equipe Multidiciplinar Apoio (opção de projeto em função das características culturais) Imunizações (quando se tratar de atividade de rotina) Coleta e Análise Sistêmica de Dados Investigação Epidemiológica Informação de Doenças Coleta e Análise Sistêmica de Dados Prevenção do Cancer Ginecológico Primeiro Atendimento: -Curativos -Pequenas Suturas -Retirada de Pontos -Esterilização -Medicação Injetável -Reidratação oral -Nebulização -Medicação Oral -Imobilização Espera para encaminhamento Registro de Pacientes Consulta Médica e de Enfermagem Planejamento das Ações das Equipes Multidiciplinares na área de abrangência Organização do Processo de Vacinação na área de abrangência Realização de Exames Laboratoriais (malária/leishmaniose/tuberculose) Sala de Atendimento Individualizado, com lavatório Área coberta também usada para Educação em Saúde, com bancada, pia e escovódromo Pequeno depósito com acesso externo Atividade realizada não necessariamente no Polo Atividade realizada não necessariamente no Polo Atividade realizada não necessariamente no Polo Atividade realizada não necessariamente no Polo Atividade realizada não necessariamente no Polo Local para rádio na sala administrativa Alojamento Masculino, Feminino (conforme localidade) Espera / Sanitários / Copa / DML / Almoxarifado Sala de Imunização com bancada e pia Sala Administrativa Consultório Sala de Primeiro Atendimento com guarda de material e equipamentos (com bancada e pia) Área coberta já descrita ou consultório Recepção, arquivo e dispensação de medicamentos Consultório Sala Administrativa Área para microscopia com bancada e pia 11

16 POLO BASE TIPO I Ambientes Sala de Atendimento Individualizado, com lavatório Consultório Ginecológico Sala de Imunização, com bancada e pia Sala de Primeiro Atendimento, com guarda de material e equipamento com bancada e pia Recepção, arquivo e dispensação de medicamentos Sala Administrativa Local para Rádio na Sala Administrativa Área coberta com bancada, pia e escovódromo (*) Pequeno depósito para o Auxiliar indígena de saneamento-aisan, com acesso externo Sanitário único para funcionário Sanitário único para público Copa Depósito de material de limpeza, com tanque Almoxarifado TOTAL Área Mínima (m2) Ambientes a serem implantados conforme características locais Alojamento Masculino, Feminino com cozinha e banheiro para Equipe Multidisciplinar (onde houver pernoite) Área para tratamento supervisionado (**) Área para microscopia (*) O projeto deverá prever área destinada a múltiplos usos, conforme indicado nas Orientações Gerais (item 5 do presente documento) (**) A Área para tratamento supervisionado poderá ser prevista quando as condições locais indicarem a possibilidade de permanência eventual de pacientes no estabelecimento, aguardando encaminhamento (referência ou contra referência). 12

17 FUNASA - DENSP - CGEAR Atividades desenvolvidas e ambientes necessários aos Estabelecimentos de Saúde Indígenas POLO BASE II ( no município utilizando rede instalada) Atividades Ambientes Armazenamento de medicamentos Armazenamento de material de deslocamento para outras áreas indígenas Comunicação via Rádio Investigação Epidemiológica Informação de Doenças Elaboração de Relatórios de Campo e Sistema de Informação Área para Medicamentos Almoxarifado Local para Rádio na sala administrativa Sala Administrativa Planejamento das Ações das Equipes Multidisciplinares na área de abrangência Organização do Processo de Vacinação na área de abrangência Administração Apoio Espera / Sanitários / Copa / DML / Carga e Descarga 13

18 POLO BASE TIPO II (SE UTILIZA DA REDE DO SUS) Ambientes Área para Medicamentos Almoxarifado (em função do local) Local para Rádio na sala administrativa Sala Administrativa Sanitário único para público Sanitário único para funcionários Depósito de material de limpeza, com tanque Copa Área coberta para carga e descarga Área Mínima (m2)

19 FUNASA - DENSP - CGEAR Atividades desenvolvidas e ambientes necessários aos Estabelecimentos de Saúde em Áreas Indígenas CASA DE SAÚDE DO ÍNDIO Atividades Receber e Apoiar Pacientes e Acompanhantes encaminhados pelos Distritos Prestar Assistência de Enfermagem aos pacientes em fase de recuperação Alojar e Alimentar Pacientes e Acompanhantes durante o tratamento Estabelecer os Mecanismos de Referência e Contra referência com o SUS Apoio Ambientes Enfermarias Posto de enfermagem / Preparo / Utilidades / Esterilização Área coberta para múltiplos usos Quarto plantonista Consultório de Enfermagem, com lavatório Cozinha (com despensa) Refeitório Área Administrativa Sala para Assistente Social (conforme localidade) Área para Medicamentos Almoxarifado Lavanderia Rouparia Área para Guarda de Macas e Cadeiras de Rodas Espera / Sanitários / Banheiros / Copa / DML 15

20 CASA DE SAÚDE DO ÍNDIO Ambientes Área Mínima (m2) Alojamento para leitos 6,00 m2 por leito Alojamento para redes 4,00 m2 por rede Posto de enfermagem / Rouparia / Preparo / Utilidades / Esterilização 8.00 Quarto plantonista 6.00 Consultório de Enfermagem, com lavatório 9.00 Cozinha (com despensa) 2m2/comensal Refeitório (1m2/comensal/turno) 1m2/comensal/turno Almoxarifado conforme demanda Área Administrativa 1 Recepção e arquivo conforme demanda Área para medicamentos 9.00 Área coberta com bancada, pia e escovódromo, para múltiplos usos(*) Lavanderia (avaliar a inclusão de acompanhantes) 1,2m2/paciente Área para Guarda de Maca e Cadeira de Rodas 4.00 Sanitário masculino e outro feminino, para público 4.00 Sanitário masculino e outro feminino, para funcionários 4.00 Copa 4.00 Depósito de material de limpeza, com tanque Área coberta para parada de ambulância TOTAL 8 Ambientes a serem implantados conforme características locais Área para Assistente Social 6.00 Consultório de Odontológico, com lavatório 9.00 (*) O projeto deverá prever área destinada a múltiplos usos, conforme indicado nas Orientações Gerais (item 5 do presente documento). O projeto da Casa do Índio, especialmente das enfermarias, deverá ser concebido de forma a se identificar com os hábitos e as culturas dos usuários indígenas. 16

24/08/2007 034 01. ART. 2º Revogar a Portaria nº 479, de 13 de Agosto de 2001. ART. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

24/08/2007 034 01. ART. 2º Revogar a Portaria nº 479, de 13 de Agosto de 2001. ART. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. 24/08/2007 034 01 PRESIDÊNCIA ATOS DO PRESIDENTE PORTARIA NR. 840, DE 15 DE AGOSTO DE 2007 Estabelece as diretrizes para projetos físicos de estabelecimentos de saúde para povos indígenas. O PRESIDENTE

Leia mais

PROJETOS FÍSICOS DE ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE, ÁGUA, ESGOTAMENTO SANITÁRIO E MELHORIAS SANITÁRIAS EM ÁREAS INDÍGENAS DIRETRIZES

PROJETOS FÍSICOS DE ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE, ÁGUA, ESGOTAMENTO SANITÁRIO E MELHORIAS SANITÁRIAS EM ÁREAS INDÍGENAS DIRETRIZES PROJETOS FÍSICOS DE ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE, ÁGUA, ESGOTAMENTO SANITÁRIO E MELHORIAS SANITÁRIAS EM ÁREAS INDÍGENAS DIRETRIZES Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Saúde Humberto

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE

MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE Proponente: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITATIBA DO SUL Localização: BAIRRO FUNDEC Área da construção: 232,93 m² Resp. Técnica: Marlei Salete Ogrodowski

Leia mais

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO 1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS Médico Clínico 0 Médico Pediatra 1 Médico de Estratégia PSF 3 Psicólogo Clínico 30 horas 0 Psicólogo Clínico 40 horas 1 Cirurgião Dentista 2 Auxiliar de Saúde Bucal 2 Fonoaudiólogo

Leia mais

DATA DA VISITA: 26/11/2013 DATA DA VISITA: 28/04/2015 UNIDADE DE SAÚDE DR MANOEL DA ROCHA COUTINHO

DATA DA VISITA: 26/11/2013 DATA DA VISITA: 28/04/2015 UNIDADE DE SAÚDE DR MANOEL DA ROCHA COUTINHO DATA DA VISITA: 26/11/2013 DATA DA VISITA: 28/04/2015 UNIDADE DE SAÚDE DR MANOEL DA ROCHA COUTINHO Responsável: Adriana dos Santos Leandro Endereço: Rua Fenelon Gomes, 112 Bairro: Ilha do Principe CEP:

Leia mais

SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA: Um sonho que está se tornando realidade. Peru Setembro,2011

SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA: Um sonho que está se tornando realidade. Peru Setembro,2011 : Um sonho que está se tornando realidade Peru Setembro,2011 DEMOGRAFIA DOS POVOS INDÍGENAS DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO INDÍGENA Estão presentes : em 26 Estados e no DF em 438 municípios: 11% de médio porte

Leia mais

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, A Constituição Federal de 1988 reconhece aos povos indígenas suas especificidades étnicas e culturais bem como estabelece seus direitos sociais. Dentre as inúmeras proteções conferidas aos povos indígenas

Leia mais

Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS

Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS Introdução A Secretaria de Estado da Saúde estabeleceu como ação estruturante para a implantação das redes de atenção no Paraná,

Leia mais

1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS

1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS UNIDADE DE SAÚDE - SANTO ANDRÉ Diretora: Juliana da Conceição Fagundes E-mail: dussandre@correio1.vitoria.es.gov.br Endereço: Rua da Coragem, 200 Telefone: (27) 3323-7222 / 3332-7825 Funcionamento: 7h

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Coordenação Regional de santa Catarina ATENÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Coordenação Regional de santa Catarina ATENÇÃO ATENÇÃO Apresentação do Seminário A Lei da Política Nacional do Saneamento Básico (lei 11.445/07) e o Inquérito Civil Público Estadual 04/04/PGJ/MPSC, realizado nos dias 30 e 31 de outubro de 2008. Arquivos

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA)

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) I- Introdução O acompanhamento do crescimento e desenvolvimento, do nascimento até os 5 anos de idade, é de fundamental

Leia mais

ORIENTAÇÕES TECNICAS PARA O PLANEJAMENTO ARQUITETONICO DE UMA CENTRAL DE REGULAÇÃO MÉDICA DE URGÊNCIA SAMU-192

ORIENTAÇÕES TECNICAS PARA O PLANEJAMENTO ARQUITETONICO DE UMA CENTRAL DE REGULAÇÃO MÉDICA DE URGÊNCIA SAMU-192 ORIENTAÇÕES TECNICAS PARA O PLANEJAMENTO ARQUITETONICO DE UMA CENTRAL DE REGULAÇÃO MÉDICA DE URGÊNCIA SAMU-192 (Portaria MS/GM nº. 2.970, 08 de dezembro de 2008) Estas orientações não eximem a obrigatoriedade

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 10

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 10 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU Nota Técnica nº 10 LIBERAÇÃO E SOLICITAÇÃO DE AMBULÂNCIA DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas que realmente

Leia mais

UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA MEMORIAL DESCRITIVO

UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA MEMORIAL DESCRITIVO UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA MEMORIAL DESCRITIVO Nome do estabelecimento: UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA Tipo do estabelecimento: UPA PORTE 02 Proprietária: Fundo Municipal de Saúde de Caicó/RN

Leia mais

Página 1. 1.31 Auxiliar de enfermagem da estratégia de Saúde da Família 0

Página 1. 1.31 Auxiliar de enfermagem da estratégia de Saúde da Família 0 1. FUNCIONÁRIOS EFETIVOS Cirurgião dentista clínico geral 0 1.1 Cirurgião dentista endodontista 6 1.2 Cirurgião dentista periodontista 16h 0 1.3 Cirurgião dentista periodontista 20h 3 1.4 Cirurgião dentista

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002.

LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002. LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002. Cria e extingue cargos na estrutura do Quadro Permanente de Cargos, lei Municipal 1338/98, e dá outras providências. WOLMIR ÂNGELO DALL`AGNOL, Prefeito

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

Centro POP Infraestrutura

Centro POP Infraestrutura CENTRO POP Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua Centro POP Infraestrutura Onde deve ser localizado o Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO ANEXO XI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO 1. OBJETIVOS Esta Norma Técnica estabelece princípios gerais para: a) o levantamento de riscos

Leia mais

MANUAL INSTRUTIVO CADASTRO DE NOVAS PROPOSTAS DE REFORMA, AMPLIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE (UBS)

MANUAL INSTRUTIVO CADASTRO DE NOVAS PROPOSTAS DE REFORMA, AMPLIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE (UBS) MANUAL INSTRUTIVO CADASTRO DE NOVAS PROPOSTAS DE REFORMA, AMPLIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE (UBS) PROGRAMA DE REQUALIFICAÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE (UBS) APRESENTAÇÃO Este Manual

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 202/08 - CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 202/08 - CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 202/08 - CIB/RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: que as ações e serviços de saúde são de relevância pública, estando sujeitos à regulamentação,

Leia mais

Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA

Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA Junho 2014 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO Pg. 03 2. OBJETO Pg. 03 3. ESCOPO DOS PRODUTOS E SERVIÇOS Pg. 03 4. DIRETRIZES PARA

Leia mais

Reformar o Laboratório de Entomologia e reposição de mobiliário e equipamentos;

Reformar o Laboratório de Entomologia e reposição de mobiliário e equipamentos; PLANO DE AÇÃO O presente plano de ação é parte integrante do Ofício 1.407 de 04 de dezembro do corrente ano que solicitou ao Ministério da Saúde recurso financeiro para auxiliar o Estado em decorrência

Leia mais

MORTALIDADE EM POPULAÇÕES INDÍGENAS DO RIO GRANDE DO SUL/BRASIL 2003 A 2007

MORTALIDADE EM POPULAÇÕES INDÍGENAS DO RIO GRANDE DO SUL/BRASIL 2003 A 2007 MORTALIDADE EM POPULAÇÕES INDÍGENAS DO RIO GRANDE DO SUL/BRASIL 2003 A 2007 Autores: Ivone Andreatta Menegolla Ministério da Saúde Inajara Haubert Rodrigues FUNASA/RS POPULAÇÃO INDÍGENA DO RIO GRANDE DO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE-SPAIS Goiânia Agosto/2011 SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE - SPAIS 6. GERÊNCIA DE

Leia mais

Profª Márcia Rendeiro

Profª Márcia Rendeiro Profª Márcia Rendeiro CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA AMBIENTES INSTRUMENTOS MATERIAIS RECURSOS HUMANOS O PROCESSO DE TRABALHO ODONTOLÓGICO VEM SOFRENDO TRANSFORMAÇÕES AO LONGO

Leia mais

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO Disciplina: Saúde da Criança e do Adolescente Código: 106209 Crédito: 04.07.00

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL

GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. N 21/00 GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N 91/93 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Análise e Aprovação dos Projetos dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS junho 2013 RDC ANVISA 51 de 06/10/2011 Dispõe sobre os requisitos mínimos para a análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem Estágio Curricular II - Administração em Enfermagem ÂNGELA BAGATTINI

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem Estágio Curricular II - Administração em Enfermagem ÂNGELA BAGATTINI 0 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem Estágio Curricular II - Administração em Enfermagem ÂNGELA BAGATTINI RELATÓRIO DO ESTÁGIO CURRICULAR II- REDE BÁSICA DE SAÚDE: Unidade básica

Leia mais

Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Saúde Indígena Convênios SPDM-MS/SESAI PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 007/ 2015 DSEI TAPAJÓS

Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Saúde Indígena Convênios SPDM-MS/SESAI PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 007/ 2015 DSEI TAPAJÓS PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 007/ 2015 DSEI TAPAJÓS A SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina, entidade sem fins lucrativos, inscrita no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica do

Leia mais

Distritos Sanitários Especiais Indígenas DSEI

Distritos Sanitários Especiais Indígenas DSEI Distritos Sanitários Especiais Indígenas DSEI O Subsistema de Atenção à Saúde Indígena está organizado na forma de 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI) e como um subsistema em perfeita articulação

Leia mais

Implementação das Notificações dos Agravos e Acidentes Relacionados à Saúde do Trabalhador da Saúde no SINAN no Município de Jaramataia - Alagoas

Implementação das Notificações dos Agravos e Acidentes Relacionados à Saúde do Trabalhador da Saúde no SINAN no Município de Jaramataia - Alagoas CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Implementação das Notificações dos Agravos e Acidentes Relacionados à Saúde do Trabalhador da Saúde no SINAN no

Leia mais

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Gessilene de Sousa Sobecc, julho2011 Agenda Regulamentação Definição: Centro de Material Esterilizado - CME; Estrutura Física: Áreas de composição; Fluxograma

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE APLICAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS

ORIENTAÇÕES SOBRE APLICAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS ORIENTAÇÕES SOBRE APLICAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS 1) PAB FIXO Podem ser custeados com o PAB-FIXO, todos os procedimentos pertinentes à atenção básica da saúde (ambulatorial),

Leia mais

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE 1 Identificação Título Feira da Mata sorrindo para o futuro Área temática Estudos Epidemiológicos / Comunicação, Promoção e Educação em Saúde Lotação Feira

Leia mais

1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde. 1 Projeto Dengue. 1 Consultório na Rua. 1 Central de Ambulâncias

1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde. 1 Projeto Dengue. 1 Consultório na Rua. 1 Central de Ambulâncias Equipamentos de Saúde Gerenciados pelo CEJAM em Embu das Artes 11 Unidades Básicas de Saúde com 25 equipes de Estratégia Saúde da Família 1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde 1 Projeto Dengue

Leia mais

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 1 Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nome fantasia: Projeto de volta prá casa Instituições: Núcleo de Epidemiologia do Serviço de Saúde Comunitária da Gerência de saúde Comunitária

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ - UVA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE ENFERMAGEM. Relatório Pró-Saúde Enfermagem UVA

UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ - UVA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE ENFERMAGEM. Relatório Pró-Saúde Enfermagem UVA UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ - UVA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE ENFERMAGEM Relatório Pró-Saúde Enfermagem UVA Sobral - 2007 Resumo do projeto: Dentre os principais trabalhos referentes

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO RETIFICAÇÃO AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 01/2014

CONCURSO PÚBLICO RETIFICAÇÃO AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 01/2014 CONCURSO PÚBLICO RETIFICAÇÃO AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 01/2014 Dispõe sobre a retificação do edital de abertura de inscrições para o provimento de cargo público do Quadro Permanente de Pessoal do

Leia mais

ANEXO I. Área física mínima para UPA

ANEXO I. Área física mínima para UPA ANEXO I ÁREA FÍSICA DA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA Para o planejamento e a definição da área física mínima e dos ambientes necessários na Unidade de Pronto Atendimento - UPA, foram levados em consideração

Leia mais

Hutukara Associação Yanomami - HAY

Hutukara Associação Yanomami - HAY Hutukara Associação Yanomami - HAY Rua Capitão Bessa, 143 B. São Pedro - CEP 69.306-620 Boa Vista Roraima - Fone/Fax: (95) 3624-1468-3224-6767 CNPJ nº. 07.615.695/0001-65 Site: http://hutukara.org/ E-mail:

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DST/AIDS

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DST/AIDS DATA DA VISITA: 24/04/2015 Coordenador (a): Lauer Marinho Sandenberg E-mail: ddaids@vitoria.es.gov.br Endereço: Rua Cais do São Francisco, nº 54 Bairro: Centro Telefone: (27) 3132-5107 Horário de funcionamento:

Leia mais

Portaria nº 283 GM de 22 de Fevereiro de 2005 (Republicada em 10 de março de 2005)

Portaria nº 283 GM de 22 de Fevereiro de 2005 (Republicada em 10 de março de 2005) Portaria nº 283 GM de 22 de Fevereiro de 2005 (Republicada em 10 de março de 2005) Antecipa do incentivo financeiro para Centros de Especialidades Odontológicas - CEO em fase de implantação, e dá outras

Leia mais

GUIA DE SINALIZAÇÃO DAS UNIDADES E SERVIÇOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS

GUIA DE SINALIZAÇÃO DAS UNIDADES E SERVIÇOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS GUIA DE SINALIZAÇÃO DAS UNIDADES E SERVIÇOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS 1 COR TIPOGRAFIA GOTHAM BLACK PARA NOMES PRINCIPAIS 2 TOTEM ETERNO ESQUEMA Totem externo para sinalização das Unidades de Saúde

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL ANEXOII ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PARA CONCURSO PÚBLICO PARA EMPREGO PÚBLICO Nº. 001/2010 JUNDIAÍ DO SUL PARANÁ 1. Para os cargos do grupo PSF Programa da Saúde da Família, conveniados com o Governo Federal:

Leia mais

A ATENÇÃO PROGRAMADA PARA AS CONDIÇÕES CRÔNICAS

A ATENÇÃO PROGRAMADA PARA AS CONDIÇÕES CRÔNICAS ORGANIZAÇÃO DOS MACROPROCESSOS BÁSICOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE TUTORIA UBS LABORATÓRIO A ATENÇÃO PROGRAMADA PARA AS CONDIÇÕES CRÔNICAS Manaus Novembro, 2013 PAUTA DE TRABALHO PAUTA Programação para

Leia mais

ATENÇÃO A POPULAÇÕES INDÍGENAS EM HOSPITAIS AMIGO DO ÍNDIO EM RONDÔNIA AUTORES: Lucia Rejane Gomes da Silva, Daniel Moreira Leite, Ana Lúcia Escobar, Ari Miguel Teixeira Ott 1 Introdução Em julho de 2005,

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências Decreto Nº 94.406 / 1987 (Regulamentação da Lei nº 7.498 / 1986) Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências O Presidente da

Leia mais

Seminário de Doenças Crônicas

Seminário de Doenças Crônicas Seminário de Doenças Crônicas LINHA DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gabinete SMS Diadema Linha de cuidado de HAS e DM Experiência

Leia mais

Propostas da LDO 2013

Propostas da LDO 2013 Propostas da LDO 2013 Secretaria Municipal de Educação Complementação da Merenda Escolar; Reforma de Escolas; Construção de Escolas; Reparos em Escolas; Construção de Espaços para prática de Educação Física;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Cargo: ENFERMEIRO/ÁREA 1. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Prestar assistência ao paciente e/ou usuário em clínicas, hospitais, ambulatórios, navios, postos de saúde e em domicílio, realizar consultas e procedimentos

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE DISCIPLINA. Enfermagem em Saúde Coletiva da Criança e do Adolescente (1º Semestre / 2013)

PROGRAMAÇÃO DE DISCIPLINA. Enfermagem em Saúde Coletiva da Criança e do Adolescente (1º Semestre / 2013) PROGRAMAÇÃO DE DISCIPLINA Enfermagem em Saúde Coletiva da Criança e do Adolescente (1º Semestre / 2013) Coordenador: Prof ª Aurea Tamami Minagawa Toriyama Carga horária total: 60 horas 30 horas práticas

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO CONTRATO DE GESTÃO

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO CONTRATO DE GESTÃO GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ATENÇÃO À SAÚDE DIRETORIA DE MODERNIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA ASSISTÊNCIA Á SAÚDE UPA ENGENHO VELHO RELATÓRIO

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 30 DE JUNHO DE 2011 Legislações - ANVISA Sex, 01 de Julho de 2011 00:00 RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 30 DE JUNHO DE 2011 Dispõe sobre os requisitos de segurança sanitária para o

Leia mais

ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005

ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005 ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005 FUNÇÃO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Realizar mapeamento de sua área; Cadastrar as famílias

Leia mais

RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE

RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AMBULATÓRIO DE ESPECIALIDADES MUNICÍPIO: DATA: / / IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE: Nome: CGC: Endereço: Bairro: Telefone: Responsável pela unidade (formação): TURNO

Leia mais

Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Saúde Indígena Convênios SPDM-MS/SESAI

Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Saúde Indígena Convênios SPDM-MS/SESAI PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 032/ 2015 DSEI ALTAMIRA CADASTRO DE RESERVA A SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina, entidade sem fins lucrativos, inscrita no Cadastro Nacional

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Adelita Eneide Fiuza. Gustavo Costa de Oliveira

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Adelita Eneide Fiuza. Gustavo Costa de Oliveira UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM Adelita Eneide Fiuza Gustavo Costa de Oliveira RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR II NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE VILA GAÚCHA Porto Alegre

Leia mais

Em resumo, trata-se de seis (6) modalidades de serviços de 24 horas:

Em resumo, trata-se de seis (6) modalidades de serviços de 24 horas: MORADIA ASSISTIDA OBJETIVO GERAL: Garantir o acolhimento institucional de pessoas em situação de rua abordadas pelo projeto Centro Legal, servindo de referência como moradia para os em tratamento de saúde

Leia mais

PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997

PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997 PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997 Aprova as Normas e Diretrizes do Programa de Agentes Comunitários de Saúde e do Programa de Saúde da Família. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ADMINISTRAÇÃO DE ENFERMAGEM AVALIANDO O QUE ESTUDAMOS 1. A Supervisão de Enfermagem é fundamental para o desenvolvimento dos recursos humanos, através da educação

Leia mais

Assessoria de Arquitetura e Engenharia MEMORIAL DESCRITIVO DE PROJETO DE REFORMA E AMPLIAÇÃO CENTRO DE DIAGNÓSTICO E IMAGEM

Assessoria de Arquitetura e Engenharia MEMORIAL DESCRITIVO DE PROJETO DE REFORMA E AMPLIAÇÃO CENTRO DE DIAGNÓSTICO E IMAGEM Assessoria de Arquitetura e Engenharia MEMORIAL DESCRITIVO DE PROJETO DE REFORMA E AMPLIAÇÃO CENTRO DE DIAGNÓSTICO E IMAGEM I INTRODUÇÃO Todo o Complexo da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS I IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome: Endereço: AP: Nome Fantasia: Inscrição Municipal: Nº do Processo: CNPJ: Tipo de Serviço: ( ) Municipal ( ) Filantrópico ( ) Conveniado SUS RJ ( ) Privado ( ) Estadual

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SERVIÇO AUTÔNOMO HOSPITALAR

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SERVIÇO AUTÔNOMO HOSPITALAR PROGRAMA Nº- 125 GESTÃO PELA QUALIDADE - I Código Descrição SUB-FUNÇÃO: 122 ADMINISTRAÇÃO GERAL OBJETIVOS: Implantar um novo modelo de gestão pela qualidade que dinamiza a capacidade de gestão, agilize

Leia mais

Passos para importar CNES no Sistema com CDS

Passos para importar CNES no Sistema com CDS e-sus AB Sistema com Coleta de Dados Simplificada - CDS Passos para importar CNES no Sistema com CDS Maio/2013 1 Por que importar o CNES? A importação do CNES deve ser o primeiro passo a ser realizado

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC: Rodrigues de Abreu Código: 135 Município: Bauru Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível médio de Técnico em Enfermagem

Leia mais

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Ao Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde E-mail: deges@saude.gov.br - prosaude@saude.gov.br CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO FUNÇÃO: 01 - LEGISLATIVA 031 Ação Legislativa 0001 - Execução da Ação Legislativa Manutenção das Atividades Legislativas FUNÇÃO: 02 - JUDICIÁRIA 122 Administração Geral 0006 - Defesa Jurídica do Município

Leia mais

MUNICÍPIO DE CARAPEBUS LDO 2015 ANEXO DE METAS E PRIORIDADES METAS E PRIORIDADES 2015

MUNICÍPIO DE CARAPEBUS LDO 2015 ANEXO DE METAS E PRIORIDADES METAS E PRIORIDADES 2015 - 1350 Página 1 PROGRAMA 0000 ENCARGOS ESPECIAIS OBJETIVO DAR SUPORTE A DIVIDA CONTRATADA ORIUNDA DE PARCELAMENTOS, SUBVENÇÕES E DEMAIS OPERAÇÕES ESPECIAIS. 0010 AMORTIZAÇÃO PARCELAMENTO/ENCARGOS SOBRE

Leia mais

Melhor em Casa Curitiba-PR

Melhor em Casa Curitiba-PR Melhor em Casa Curitiba-PR ATENÇÃO DOMICILIAR Modalidade de Atenção à Saúde, substitutiva ou complementar às já existentes, caracterizada por um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção e tratamento

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP R. R. Chahin a a. Companhia de Saneamento Básico do Estado de

Leia mais

ANEXO I Descrição dos Cargos

ANEXO I Descrição dos Cargos ANEXO I Descrição dos Cargos DESCRIÇÃO: 1. - Auxiliar de Enfermagem: Prestar cuidados diretos de enfermagem ao paciente, por delegação e sob a supervisão do enfermeiro e do médico. Administrar medicação

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Gilberto Alfredo Pucca Júnior Coordenador-Geral de Saúde Bucal Janeiro, 2014 Universalidade Descentralização políticoadministrativa

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE BUCAL

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE BUCAL MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE BUCAL ASS: Cadastro e repasse de recursos para os Laboratórios Regionais de Próteses Dentárias

Leia mais

Página 1 CMEI TEREZINHA VASCONCELLOS SALVADOR. Diretora: Neusa Maria Marinho Soares. Fundação: 01/02/1993. Criação: Lei nº 3.905

Página 1 CMEI TEREZINHA VASCONCELLOS SALVADOR. Diretora: Neusa Maria Marinho Soares. Fundação: 01/02/1993. Criação: Lei nº 3.905 CMEI TEREZINHA VASCONCELLOS SALVADOR Diretora: Neusa Maria Marinho Soares Fundação: 01/02/1993 Criação: Lei nº 3.905 Endereço: Avenida Vitória, s/n Bairro: Romão CEP.: 29040-010 Telefone: (27) 3322-2148

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

CENTRO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA VILA FÁTIMA

CENTRO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA VILA FÁTIMA RELATÓRIO DE 2011 Em 2011, o Vila Fátima deu continuidade aos seus programas de ensino-serviço. Esta unidade acadêmica descentralizada é uma projeção da Universidade ao seu meio, e, como tal, oferece um

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 Art. 196: A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE 1º período Saúde, Trabalho e Meio- Ambiente I 150 10 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE Identificação da relação entre os modos de viver e o processo

Leia mais

ATIVIDADES DE ENSINO

ATIVIDADES DE ENSINO RELATÓRIO DE 2006 Em 2006 o Vila Fátima ampliou suas instalações físicas, possibilitando assim uma melhor organização das atividades de ensino-serviço. Contudo, esta ampliação não será suficiente, caso

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO GHC

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO GHC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO GHC - SUMÁRIO EXECUTIVO - CONSULTORES: César Augusto Tejera De Ré Fernando Bins Luce Luiz Antonio Slongo A FORMULAÇÃO DO PE DO GHC Entrevistas dos consultores com dirigentes

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: SAÚDE DA FAMÍLIA Código: ENF - 217 Pré-requisito: Nenhum Período Letivo:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Especialização Profissional Técnica

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Notas: Aprovada pela Deliberação Ceca nº 868, de 08 de maio de 1986. Publicada no DOERJ de 19 de maio de 1986

Notas: Aprovada pela Deliberação Ceca nº 868, de 08 de maio de 1986. Publicada no DOERJ de 19 de maio de 1986 IT-1815.R-5 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES (PERMANENTES E TRANSITÓRIAS), GRUPAMENTOS DE EDIFICAÇÕES E CLUBES. Notas: Aprovada pela Deliberação

Leia mais