Pedagogia Hospitalar: a inserção do educador no ambiente hospitalar com crianças e adolescentes portadores do câncer

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pedagogia Hospitalar: a inserção do educador no ambiente hospitalar com crianças e adolescentes portadores do câncer"

Transcrição

1 Pedagogia Hospitalar: a inserção do educador no ambiente hospitalar com crianças e adolescentes portadores do câncer Denise Silva Braga 1 Michelle Marques Mendes 2 Cristiany Morais de Queiroz 3 Resumo Este artigo retrata a importância do Pedagogo no ambiente hospitalar, especificamente, no trabalho junto a crianças e adolescentes portadores do câncer do NACC (Núcleo de Apoio à Criança com Câncer), objetivo principal da pesquisa. O problema do nosso trabalho é conhecer como é realizada a admissão dos educadores, os seus critérios e os sentimentos desses profissionais diante deste trabalho, para isso utilizamos entrevistas semi-estruturadas. Crianças e adolescentes, acometidos por uma doença grave não devem interromper a educação escolar e há leis que defendem esse direito educacional, desde que eles se encontrem matriculados em uma escola. O hospital deve apresentar profissionais da área, que estejam preparados para o ensino e que possam oferecer uma educação adequada a cada estudante hospitalizado, respeitando o momento de cada um. Desejamos que este artigo abra as portas para essa nova área que tanto tem a oferecer à educação. Palavras-Chave: Pedagogia Hospitalar, Doença, Crianças/Adolescentes e Câncer. Introdução A partir de leituras e pesquisas, temos como intenção conhecer o papel do educador no âmbito hospitalar no setor de oncologia-pediátrica, auxiliando crianças e adolescentes internados, que, segundo Chiattone (1992), já sofrem devido à sentença de morte, dor, mutilação, deformação, desfiguração, 1 Concluinte de Pedagogia - Centro de Educação - UFPE. 2 Concluinte de Pedagogia - Centro de Educação - UFPE. 3 Professora substituta do Departamento de Psicologia e Orientação Educacionais - Centro de Educação - UFPE (Especialista em Psicologia Clínica, Mestre em Antropologia e Doutoranda em Antropologia pelo Programa em Pós-Graduação de Antropologia da UFPE).

2 2 abandono, contágio, apreensão com a auto-imagem, perda da estima, medo da morte e perda de peso que comunicam ao mundo a realidade da doença. O educador hospitalar pode proporcionar bem-estar e motivação para a educação, fazendo dela algo presente no dia-a-dia, utilizando práticas e métodos incentivadores e lúdicos, para que os educandos hospitalizados não sejam prejudicados no ano letivo. Sendo assim, a nossa pesquisa tem como problema conhecer como é realizada a admissão dos educadores, os seus critérios e os sentimentos deles diante do trabalho realizado no NACC (Núcleo de Apoio à Criança com Câncer). O educador hospitalar tem um papel extremamente significativo, visto que contribui para um aprendizado tanto por parte da escola, que não está apta para o auxílio ao educando hospitalizado, quanto por parte da comunidade, que ainda não se conscientizou da importância de um processo de ensinoaprendizagem nos hospitais, dando ênfase maior à saúde. Esses assuntos, referentes ao educando em estado de hospitalização, começaram em 1998 a partir do momento em que a situação tornou-se algo preocupante na visão de alguns profissionais da educação do Estado do Paraná. Desde então, vem surgindo a necessidade de se buscar os recursos pedagógicos para a resolução do problema em questão, levando em consideração o embasamento legal como referência ao contido nas legislações vigentes que amparam e legitimam o direito à educação de crianças, adolescentes e jovens, garantindo o princípio da universalização. Diante disso, a sociedade em constante mudança e crescentes problemas sociais, busca incessantemente transformações sociais como um todo, principalmente, da universidade como provedora da consciência crítica transformadora. Visto a necessidade da sociedade no alcance de resoluções, percebe-se a importância da formação continuada e de desenvolvimento de novas habilidades para enfrentar tais demandas. Embora, já surta efeito em universidades de outros Estados, falta ainda o despertar desta necessidade no que diz respeito à realidade do nosso Estado, por ausência de interesses econômicos e políticos, apesar de já existirem instituições em fase inicial que se propõem a realizar um trabalho de qualidade. O trabalho desses

3 3 profissionais, ainda restrito, vai além do recurso da brinquedoteca 4, almejando um trabalho completo, inovador e instigante, envolvendo sua melhor forma de atendimento. O Curso de Pedagogia tem muito a acrescentar nesta área, já que tem como objetivo formar educadores críticos e capacitados, e que vêem a educação como um meio conscientizador e humanizador na formação do indivíduo, que através da sua prática, contribui para uma flexível postura, frente a inovações tanto na sua área quanto nas demais, contribuindo com maior rapidez e criatividade, na formação de uma sociedade mais justa, consciente e mais humana. Sobre o enfoque da Pedagogia Hospitalar, poderá oferecer suporte à criança e ao adolescente hospitalizado, ou em longo tratamento hospitalar, a partir não só da sua ajuda, como também de outros profissionais afins, que conta com o assistente social, o psicólogo e toda a equipe médica, que juntos devem visar uma aproximação em benefício do enfermo, proporcionando práticas para o bom desenvolvimento físico, psicológico e cognitivo do escolar hospitalizado em seu processo de tratamento de cura. É importante ressaltar que o escolar hospitalizado tem direito à educação e à saúde ao mesmo tempo, não pode haver separação entre as partes, por isso o seu direito deve ser garantido, frente à disponibilidade, respeito, empenho, mobilização, integração e compromisso dos profissionais envolvidos, que são indispensáveis ingredientes na tão almejada excelência de resultados. O termo Pedagogia Hospitalar muito nos chamou a atenção, primeiro, por ser um assunto novo na área da educação, que vêm se ampliando 5, aos poucos, pelo resto do Brasil e segundo, porque nunca paramos para pensar na situação das crianças, adolescentes e jovens, principalmente, os que estão no setor de oncologia de um hospital e que precisam se ausentar por muito tempo da escola, por motivo de longa internação, prejudicando-se no ano letivo. Devido a tais inquietações, fomos instigadas a nos aprofundarmos no assunto, descobrir o papel do educador hospitalar, no sentido de favorecer a criança e 4 Eficácia das brincadeiras na melhor recuperação de crianças e adolescentes hospitalizados; 5 Existem hoje no Brasil, segundo coletas no IV Encontro Nacional sobre Atendimento Escolar Hospitalar (2003), mais de 70 hospitais com atendimento escolar para crianças e adolescentes em atendimento de saúde.

4 4 ao adolescente o seu desenvolvimento psicopedagógico, que não deve ser interrompido em função de uma hospitalização. O material sobre este tema ainda é restrito, dificilmente encontrado em livros, documentos científicos e internet, por isso a nossa pesquisa, de caráter qualitativo, para um melhor esclarecimento do processo de ensinoaprendizagem ao escolar hospitalizado e requer paciência, persistência e, além de tudo, a construção de um objeto de pesquisa que se encontra em formação. Através desse estudo, desejamos encontrar soluções mais humanizadas no contexto hospitalar, na medida em que o educando é afastado de todas as suas vivências cotidianas, inclusive a escola, por motivo de doença. De acordo com a nossa leitura geral, observamos o interesse e a intervenção dos profissionais da área de educação para desenvolver atividades lúdico-pedagógicas para as crianças internadas, deixando-as a par do cronograma escolar, o que também permite tranqüilizar a família do paciente, que já está, emocionalmente, tão mobilizada com o estado do seu ente querido. Como objetivo maior deste trabalho, queremos compreender a prática da Pedagogia Hospitalar. Mais especificamente identificar o papel do educador no NACC (Núcleo de Apoio à Criança com Câncer) em que se encontram crianças e adolescentes portadores do câncer. 1 A participação do educador no tratamento de crianças e adolescentes com câncer O futuro tem muitos nomes. Para os fracos, é o inatingível. Para os temerosos, o desconhecido. Para os valentes, é a oportunidade. (Victor Hugo) O momento atual é de significativas transformações. A sociedade está exigindo novas propostas sociopolíticas, com o objetivo de solucionar os problemas emergentes do cotidiano. A área da saúde, a partir de toda a sua história, mostra antigas preocupações que se apresentam ainda hoje, no sentido da sua fragilidade e condições adversas, dificultando o andamento do trabalho hospitalar. O tratamento do paciente é restrito apenas ao lado biológico, ficando a mercê os

5 5 lados psicológico e cognitivo, que geralmente vêm a agravar a moléstia que o acometeu. Ressaltamos, ainda, as doenças psicossomáticas, que geralmente são o trampolim para as doenças do corpo, já que diminuem a resistência do sistema imunológico e que, devido a isso, precisam ser valorizadas. De acordo com Matos e Mugiatti (2006, p. 20): É notória, ainda hoje, na maioria dos hospitais a existência de um clima deveras preocupante, de despersonalização do doente. Este, muitas vezes, é identificado por determinada doença, ou utilizado como simples instrumento de pesquisa. A partir de tal situação, tais autoras afirmam que os hospitais vêm se esforçando no sentido de que sejam realizados trabalhos multi/inter/transdisciplinares, com a intenção de promover aos seus usuários um amplo e qualificado atendimento de forma mais humanizada. Para elas, multidisciplinaridade, corresponde aos diversos saberes fixados num ambiente hospitalar, em prol da vida com mais qualidade, isto é, a vida com saúde; a interdisciplinaridade seria a relação interna de profissionais inseridos no contexto hospitalar; e por sua vez, a transdisciplinaridade, não está centrada apenas em aspectos físicos e biológicos, mas em olhares que vêm revestidos, em essência, de valores e humanização, com afeto, envolvimento, doação, entre outros, que estão envolvidos neste espaço vital. Através das mudanças que estão acontecendo na área da saúde, vê-se a necessidade de ações e comprometimentos que configurem novas responsabilidades, que imponham novos fazer e agir. Daí a necessidade emergencial de transferência do local comum de aprendizagem a escola para o hospital. É a partir deste contexto, que se mostra essencial a participação dos diversos profissionais na área de saúde, educação e os demais profissionais que estejam qualificados para essa tarefa. Dentre os profissionais da saúde, existem os Psicólogos da Saúde, que de acordo com Straub (2005, p. 46): Psicólogos da saúde, que geralmente concentram-se em intervenções visando a promover a saúde, são licenciados para a prática independente em áreas como psicologia clínica e orientação. Como clínicos, eles utilizam ampla variedade de técnicas terapêuticas e de avaliação diagnóstica existentes na psicologia para promover a saúde e auxiliar os doentes físicos. As abordagens de avaliação com freqüência envolvem medidas de funcionamento cognitivo, avaliação psicofisiológica, pesquisas demográficas e avaliações do estilo

6 6 de vida ou da personalidade. As intervenções podem envolver o manejo de estresse, terapias de relaxamento, biofeedback, educação a respeito do papel dos processos psicológicos na doença e intervenções cognitivo-comportamentais. O educador, como integrante da equipe de saúde, não pode ficar como mero espectador diante dos fatos, mas retomar o papel na sociedade como agente de mudanças, trazendo ações pedagógicas integradas, que possibilitem a construção do conhecimento. Para isso, é importante que o educador tenha uma formação técnica e humana para adaptar essas práticas a sua nova realidade. A Pedagogia Hospitalar que é um novo tipo de atendimento vem sendo aplicada por instituições que se preocupam em atender as pessoas que não devem ser excluídas, por estarem ausentes da sala de aula, por motivo de enfermidade, evitando reprovação e evasão escolar. A garantia da universalização da educação, de acordo com o SAREH - Serviço de Atendimento à Rede de Escolarização Hospitalar - (2006, p. 3), é que se discute o atendimento educacional hospitalar e domiciliar a criança, adolescentes, jovens e adultos, a saber: Constituição Federal/88, art. 205; Lei n /90 (Estatuto da Criança e do Adolescente); Decreto Lei n. 1044/69, art. 1º, que dispõe sobre tratamento excepcional para alunos de afecções; Resolução n. 41/95 (Conselho Nacional de Defesa aos Direitos da Criança e do Adolescente); Lei n /96 (LDB); Deliberação n. 02/03 CEE (Normas para Educação Especial); Resolução n. 02/01 CNE/CEB (Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica); Documento Intitulado Classe hospitalar e atendimento pedagógico domiciliar: estratégias e orientações, editado pelo MEC, em Segundo Matos e Mugiatti (2001, p. 49): Verificada a necessidade da existência de uma práxis e uma técnica pedagógica nos hospitais, confirma-se a existência de um saber voltado a criança/adolescente num contexto hospitalar envolvido no processo ensino-aprendizagem,

7 7 instaurando-se aí um corpo de conhecimentos de apoio que justifica a chamada Pedagogia Hospitalar. De acordo com Fonseca (1999, p. 3): O atendimento educacional hospitalar e domiciliar regulamenta uma política voltada para as necessidades pedagógicoeducacionais e os direitos à educação e à saúde da clientela que se encontra em particular estágio de vida, tanto em relação ao crescimento e desenvolvimento, quanto em relação à construção de estratégias sócio-interativas para o viver individual e em coletividade. Há dois procedimentos de escolarização que se realizam no ambiente hospitalar: o primeiro seria a Hospitalização Escolarizada que consiste no atendimento personalizado ao escolar doente. A partir daí desenvolve-se uma proposta pedagógica específica para cada aluno, conforme as suas necessidades e desenvolvendo uma proposta didático-pedagógica de acordo com os padrões a que a sua escola de origem atua. Também é no processo da hospitalização que acontecem momentos integrados entre as crianças de forma lúdica e recreativa. É importante que todo o educando hospitalizado esteja matriculado em uma escola e se por ventura, não estiver, cabe ao assistente social do hospital e família ou responsável realizar este procedimento. O segundo procedimento de escolarização em ambiente hospitalar seria a Classe Hospitalar que oferece atendimento conjunto de forma heterogênea, isto é, atende a diversos escolares em uma classe ou sala de aula no hospital de forma integrada, não atendendo cada educando individualmente. Considerando o exposto acima, entende-se que o atendimento nas classes hospitalares não poderá ser ministrado por voluntários, mas sim, por profissionais vinculados ao sistema de educação, que se encontram em pleno exercício de suas funções docentes e que, no Paraná, submetem-se a concursos públicos, voltados a essa área e quando aprovados, têm todo o direito de desempenharem tal função. Dispor de atendimento educacional no hospital, mesmo que por um tempo mínimo, tem caráter fundamental para a criança hospitalizada, uma vez que este tipo de atendimento possibilita ao aluno sentir-se parte de um sistema estruturado com igualdade de condições para o acesso ao conhecimento,

8 8 mantendo o vínculo com sua realidade fora do hospital, assegurando seu desenvolvimento emocional, social e intelectual. É sabido que este processo de escolarização auxilia na recuperação, diminuindo o estresse causado pela situação da doença, ocupando o tempo ocioso e possibilitando, inclusive, redução no período de internação. Face à multiplicidade de atendimentos pelas equipes de saúde, nas diferentes especialidades, algumas, particularmente, requerem períodos de hospitalização mais prolongados ou atendimentos intermitentes ambulatoriais. São situações referentes às diversas enfermidades como: cardiológicas, ortopédicas, hematológicas, oncológicas, nefrológicas, entre outras. Uma criança com uma doença crônica fatal apresenta estresse especialmente intenso e desafios de enfrentamento para ela e para sua família. Para a criança, há a dor e o medo da quimioterapia, da radiação ou de procedimentos cirúrgicos e, é claro, a ameaça de morte; para os pais, o custo emocional de ter uma criança doente ou terminal muitas vezes já é suficiente para desencadear sérios sintomas psicológicos e fisiológicos em indivíduos que de outra forma seriam saudáveis. (Straub, 2005, p. 535). Diante disso, Chiattone (1992, p. 77) complementa e afirma que: O paciente com câncer adoece como um todo, como uma unidade vital somato-psicológica, apresentando muito mais do que uma doença orgânica com sua sintomatologia, pois junto a ela estão a consciência e os sentimentos frente à enfermidade, com as repercussões próprias e pessoais na maneira de viver, de adaptar-se ao stress vital e delinear seu próprio destino. O fato de crianças e adolescentes internados por muito tempo nos hospitais e associado ao afastamento social, provoca traumas e alteração de conduta, diante das limitações impostas pelo ambiente hospitalar. Portanto, a existência de ressentimentos pela excessiva dependência dos pais e de seu meio social, em especial da escola junto com a acomodação e as doenças somáticas além de outros problemas peculiares às próprias enfermidades, se constituem no somatório de forças contrárias, com inconfundíveis argumentos para o não retorno à escola. Para o educador isso requer uma postura mais ampla que provoque o encontro entre a educação e a saúde. A sua respectiva atuação não pode visar, como ponto principal, o resgate da escolaridade, mas o atendimento da

9 9 criança/adolescente que demanda atendimento pedagógico. Devendo estar de posse de habilidades que o faz capaz de refletir sobre suas ações pedagógicas, oferecendo adequadamente uma atuação sustentada pelas necessidades e peculiaridades de cada criança e adolescente hospitalizado. A Pedagogia Hospitalar necessita de um novo perfil de educador que exerça suas atividades em sistemas integrados, em que as relações multi/inter/transdisciplinares devam ser estreitas, pois ela demanda necessidades de profissionais que tenham uma abordagem progressista, com uma visão íntegra da realidade hospitalar e da realidade do escolar hospitalizado. Seu papel principal não será de resgatar a escolaridade, mas de transformar essas duas realidades, fazendo fluir sistemas que as aproximem e as integrem. As práticas pedagógicas podem ter efeito através de propostas-alvo como briquedotecas, salas de informática, leituras, e entre outros, proporcionando um ambiente capacitado para o desenvolvimento de tais atividades contribuindo para o desempenho educativo, o bem-estar e a promoção social dos seres humanos assegurando o respeito à cidadania. São indispensáveis à dedicação e responsabilidade dos profissionais da educação no sentido de oferecer aos escolares hospitalizados um ambiente propício a atividades oportunas as condições peculiares de cada paciente, respeitando seus limites e vontades, para que o processo de ensinoaprendizagem não seja comprometido. O estudante hospitalizado deve se sentir constantemente estimulado para que não fique reprimido e desencorajado diante da situação de enfermidade. Cada dia deve ser um novo dia tanto para o paciente como para os que o acompanham, já que o entusiasmo do escolar hospitalizado resgata a alegria de familiares, médicos e os assistentes social, psicológico e pedagógico, já que estes têm uma intenção em comum, que é o bem-estar e desenvolvimento do paciente. O trabalho em equipe facilita o andamento do processo de cura e faz com que o paciente não tenha tempo ocioso, o dia deve ser sempre preenchido com diversas atividades, oriundas das diversas áreas. As pesquisas sobre a área da Pedagogia Hospitalar dão origem a um pensamento crítico-reflexivo, que contribui para o cotidiano das pessoas,

10 10 tornando-as mais conscientes a partir dessas iniciativas de formação humana, onde a educação é em prol da saúde e vice-versa, dando o devido valor a vida. O Curso de Pedagogia, por sua vez, pode optar em se desfazer da ideologia dominante e se apoderar dessa visão crítica, que capte a realidade como uma totalidade em permanente movimento e faça da práxis sua filosofia de vida e projeto de trabalho. Esse desafio é lançado aos cursos de Pedagogia para fundamentarem as suas propostas curriculares em contextos hospitalares que já estão acontecendo em cenário nacional e diante da necessidade da existência de uma ação pedagógica nos hospitais. 2 A importância do educador no NACC Metodologia O tipo de pesquisa foi Bibliográfica e Participativa. Bibliográfica porque utilizamos material científico, como livros e Participativa porque fizemos entrevistas semi-estruturadas no Núcleo de Apoio à Criança com Câncer (NACC), onde realizamos a nossa pesquisa de campo. A pesquisa foi de natureza qualitativa, uma vez que, não utilizamos dados estatísticos, mas a análise de cada entrevista. O NACC é uma instituição responsável e competente no tratamento de crianças e adolescentes com câncer, muito conhecida no Recife e muito adequada à realização da nossa pesquisa, atendendo integralmente os objetivos do trabalho. Ao visitarmos o NACC, pela primeira vez, tivemos uma certa dificuldade para começarmos as nossas entrevistas, devido à exigência antecipada, pelas diretoras do NACC, de uma Declaração da nossa orientadora pedindo autorização para visitarmos o NACC (ANEXO 1), a entrega de um projeto que constasse o tema do trabalho e os nossos objetivos durante as visitas e o roteiro das nossas entrevistas (ANEXO 2), para que, os dois últimos, fossem lidos, analisados, modificados, se necessário, e aprovados. O projeto que entregamos foi o TCC1 (Trabalho de Conclusão de Curso 1). As diretoras do NACC leram os documentos e fizeram, apenas, duas observações no nosso projeto, pediram que ao falarmos do NACC escrevêssemos que ele é um albergue e não um hospital e que as crianças não estão internadas e sim

11 11 albergadas. Todas as nossas visitas ao NACC foram com dia e hora marcados, já que as diretoras do NACC queriam estar sempre presentes durante as nossas visitas e gostariam de observar as nossas entrevistas. Depois que fomos autorizadas a começarmos as entrevistas, fizemos, primeiro, uma visita para conhecermos o NACC como um todo, todas as suas instalações, desde o refeitório até a sala de aula, onde fomos apresentadas, por uma das diretoras, a coordenadora e as professoras da sala de aula, com elas marcamos o melhor dia para fazermos as entrevistas. Após três visitas ao NACC, realizamos nossas entrevistas no dia 24 de outubro de 2007 das 15h30min às 18h. Entrevistamos 11 pessoas, sendo três crianças, dois adolescentes, três professoras e três mães. Tiramos algumas fotos da sala de aula, da brinquedoteca, do terraço, onde existem muitos brinquedos para as crianças brincarem nos tempos livres e é nele que são organizadas todas as festinhas (ANEXO 3). Fotografamos a fachada do NACC, onde encontra-se um quiosque com alguns produtos, camisas, por exemplo, que estão à venda e que são produzidos por funcionários do NACC para ajudar a Instituição. O objetivo do NACC é dar suporte às crianças e adolescentes, residentes em Pernambuco e também em outros Estados, que se encontram em tratamento do câncer nos serviços de Oncologia Pediátrica na Região Metropolitana do Recife, sendo considerado a segunda maior Instituição em Filantropia do Estado de Pernambuco. Os seus serviços englobam Hospedagem, Transporte, Alimentação, Auxílio Transporte para Crianças do Interior, Vale-Transporte para Crianças de Periferia, Cesta Básica, Leite e Suplemento Alimentar, Atendimento e Acompanhamento Biopsicossocial, Tratamento de Fisioterapia, Terapia Ocupacional, Sala de Leitura, Fonoaudiologia, Programa de Reabilitação para Pacientes Amputados, Programas Educativos e Terapêuticos, Programas de Orientação Vocacional, Programa de Esclarecimento do Câncer Infantil, Programa Saúde da Mulher, Projeto a Criança com Câncer e a Escola, Projeto Agente de Saúde, Atendimento Odontológico, Cursos de Capacitação, Classe Hospitalar e Projeto de Inclusão Social. Recentemente, em fevereiro de 2007, o Núcleo, através do projeto classe hospitalar, em parceria com o Governo do Estado de Pernambuco,

12 12 conseguiu a entrega de material didático (kits-escolas) 6 para crianças e adolescentes assistidas pelo Núcleo e regularmente matriculadas em instituição de ensino. Além do material didático e apoio pedagógico, a classe hospitalar conseguiu o reconhecimento oficial do Governo do Estado de Pernambuco, tornando-se uma extensão da Escola Estadual Regueira Costa, no bairro do Rosarinho. No NACC há um grupo de funcionários efetivos e voluntários nas mais diversas áreas. Mediante a apresentação do comprovante de matrícula de uma escola do município de origem, a criança e o adolescente do NACC têm à disposição professores cedidos pela Secretaria Estadual de Educação, permitindo um acompanhamento de perto de todo programa do ano letivo em classes hospitalares, enquanto estão em tratamento. Todas as crianças e adolescentes recebem kits-escolas, montados de acordo com a série, estimulando os escolares em processo de internação. Através das visitas e entrevistas para conhecer o dia-a-dia da Instituição com os educadores, com as crianças e os adolescentes albergados e com os pais ou responsáveis, pudemos compreender mais de perto a sensação deles diante de tantos benefícios, que aos poucos vai se ampliando pelo Brasil e que graças a essas iniciativas a educação vai se tornando mais humanizada, garantindo o processo de ensino-aprendizagem as crianças e jovens hospitalizados. Os resultados de iniciativas como essas poderão proporcionar a implantação futura de uma política voltada para os direitos pedagógicoeducacionais desses educandos hospitalizados. Já que as iniciativas das políticas públicas ainda são muito restritas, o desejo de concretização de melhores condições de saúde por parte da sociedade não é restrito. Já que ela está vendo claramente a necessidade de mudanças rápidas diante de tal contexto, possibilitando atitudes que atenderão não só a geração atual como também as gerações futuras, ocasionando um desenvolvimento sustentável referente à saúde. 6 É composto por lápis, borracha, tinta guache, lápis de cera, hidrocor, régua, massa de modelar, apontador, além de vários tipos de cadernos. Os kits são montados de acordo com a série da criança e do adolescente e entregues mediante apresentação do comprovante de matrícula numa escola do município de origem.

13 Análise dos dados Com base nos dados coletados das entrevistas semi-estruturadas realizadas no Núcleo de Apoio à Criança com Câncer (NACC), pudemos perceber que a Instituição apresenta condições favoráveis aos albergados, do ponto de vista físico. No NACC são oferecidos outros espaços, além da sala de aula, como a sala de leitura e a brinquedoteca, que favorecem a leitura, a criatividade, a sociabilidade e o lúdico, de maneira que agradam a todos, principalmente, as crianças, proporcionando-lhes bem-estar e liberdade de escolha que vai desde a visita à sala de aula a uma alteração no cardápio, por exemplo. Entretanto, Lipp (2000) diz que é preciso que ensinem as crianças quais são os seus limites, pois a supertolerância pode trazer consigo insegurança, ansiedade e o stress. Lipp (2000, p. 22) menciona que: A doença e a dor são os fatores condicionantes do stress mais universais para as crianças, pois todas elas passam por inúmeras situações dessa natureza. A hospitalização pode ter efeitos diferenciados dependendo da idade, da causa da hospitalização, da eficiência dos profissionais envolvidos e também da maneira com que os pais a gerenciam. O comparecimento à sala de aula do NACC é um desafio tanto para as crianças quanto para os adolescentes, o que não significa que eles não tenham prazer de estar nesse ambiente. O fato de estarem sempre se ausentando do contexto escolar, às vezes por períodos mais longos devido ao tratamento do câncer, pode causar uma certa resistência em levar uma vida mais estável, com um cotidiano mais organizado. Todo esse ritmo de idas e vindas afeta mais aos adolescentes, talvez pela necessidade de maior autonomia, que é própria dessa fase do desenvolvimento. Fazendo com que eles escolham se devem ir ou não à sala de aula, pois é comum que alguns pensem que vão morrer e que não adianta mais estudar, investir na vida. Sendo assim, trazer os adolescentes para a sala de aula torna-se um desafio para os educadores à medida que a doença vai progredindo de um estágio para outro. Segundo Farias (2005, p. 57)...as crianças internadas acabam presenciando o falecimento de vários companheiros de dormitórios, companheiros estes

14 14 acometidos da mesma doença. Esse fato pode trazer consigo o sentimento e/ou a constatação de que o mesmo poderá acontecer consigo, complementado pelo que elas mesmas sentem em seus corpos, reforçando, assim, a consciência da morte,... As crianças e os adolescentes se identificam 7 tanto com os professores quanto com os voluntários da sala de aula, proporcionando uma aprendizagem mais prazerosa. Para os pais, o NACC é uma grande mãe, pois a maioria vem de longe (do Interior ou de outros Estados) e vêem neste lugar um meio de se hospedar e tratar da enfermidade de seus filhos. Mesmo não tendo condições financeiras, recebem todo apoio gratuitamente, uma vez que, são tratamentos longos e exaustivos. A sala de aula é um suporte importante para as crianças e adolescentes albergados no NACC que por conta da doença perdem muito conteúdo que o ensino pode proporcionar. Além da doença, outro empecilho seria a distância de suas casas para o local onde recebem o tratamento, ficando muitas horas na estrada, contribuindo ainda mais com os obstáculos tão presentes em suas vidas. As crianças e os adolescentes albergados no NACC devem, obrigatoriamente, estar matriculados em uma escola, caso não estejam, a assistente social da instituição conversa com os pais para tomarem uma providência e matricularem o quanto antes. Vejamos os depoimentos de algumas mães em relação à Instituição: Eu acho que a classe é especial porque quando a gente vem pra cá as crianças deixam de estudar lá, quando chega aqui, já estuda aqui. (Mãe 1) Eu acho ótimo porque as crianças vêm pra qui ai ficam sem estudar, ai têm a escola pra ela ser acompanhada. (Mãe 2)...ela faz a continuação (referindo se a escola da sua cidade) de lá né? O conteúdo que ela vai fazer lá, que a professora 7 Laplanche e Pontalis designam no sentido psicanalítico de transferência, o processo pelo qual os desejos inconscientes se atualizam sobre determinados objetos no quadro de um certo tipo de relação estabelecida com eles e, eminentemente, no quadro da relação analítica. Trata-se aqui de uma repetição de protótipos infantis vividas com um sentimento de atualidade acentuada. É a transferência no tratamento que os psicanalistas chamam a maior parte das vezes transferência, sem qualquer outro qualificativo. A transferência é classicamente reconhecida como o terreno em que se dá a problemática de um tratamento psicanalítico, pois são a sua instalação, as suas modalidades, a sua interpretação e a sua resolução que caracterizam este. (1992, p. 514)

15 15 dela lá tá aplicando, ai então a pessoa traz e dá para as professoras daqui e elas continua. (Mãe 3) Existe uma interação entre pais e professores, onde mesmo que os pais não procurem saber o andamento das aulas de seus filhos, os próprios professores buscam sempre mantê-los informados. Os pais acham que apesar da dificuldade que eles enfrentam, a sala de aula é satisfatória, trazendo resultados positivos às crianças e aos adolescentes, desenvolvendo-os e possibilitando uma aprendizagem contínua, amenizando, assim, o atraso escolar. Percebemos na fala de uma das crianças entrevistadas, a vontade de interagir na sala de aula do NACC, embora tenha se afastado, por tempo indeterminado, de sua escola de origem: - Qual é a sua série? R- Era a primeira. - Era a primeira? E agora qual é? R- Eu tive dor de cabeça ai não pude estudar mais. - E você pensa em voltar para a sua escola? R- Não. - Não? Por quê? R- Olha, eu ia quando eu não sentia dor de cabeça. - Você gosta do NACC? R- Gosto. Tem muita coisa pra comer. - E da sala de aula daqui do NACC, você gosta? R- Gosto, sempre venho. - Você prefere o NACC ou a sua escola lá onde você mora? R- Sim. Gosto. - O que os professores do NACC fazem para que você goste mais deles? R- Hum..., me ajudam em muitas coisas. (Criança 3 9 anos). Percebemos que ao se referir a dor de cabeça, a criança revela sua enfermidade, uma vez que, a dor é um dos sintomas que configura o tratamento do câncer. Outros sintomas também marcam suas vidas, deixandoas frágeis e, aparentemente, sentenciadas de morte, comunicando ao mundo a realidade da doença. De acordo com Farias (2005, p. 79): Mas, peculiarmente, uma enfermaria pediátrica parece mais do que qualquer outra se remeter de fato à não-vida, à morte. A morte, no mínimo simbólica, morte de uma infância que, via de regra, em nossa cultura ocidental, não combina com uma vida excessivamente regrada, e, muito menos, com um excesso de mortificações que deixarão, certamente, traços indeléveis em suas personalidades, em suas memórias, em suas vidas.

16 16 Entendemos também que essa criança não possui condições financeiras favoráveis, já que ela menciona a satisfação de encontrar no NACC a possibilidade de ter uma boa alimentação e de forma regular. A sala de aula do NACC é composta por três professoras (pertencentes à Escola Estadual Regueira Costa, no Rosarinho) e alguns voluntários. Dentre a formação das professoras, há Pedagogia, Letras, Fonoaudiologia e Pós- Graduação em Educação Especial e Linguagem. A sala de aula está dividida em Educação Infantil, Alfabetização, Ensino Fundamental l e ll e Ensino Médio, onde o último encontra-se a presença maior dos voluntários. Uma professora é responsável pela educação infantil, a outra pela alfabetização e a terceira é polivalente, ficando sobrecarregada e deixando a desejar em alguns aspectos do ensino-aprendizagem. Eis o discurso de uma das professoras:...nós também atendemos as crianças e os adolescentes nas disciplinas que eles estão precisando mais né? No caso, Língua Portuguesa junto com a Gramática, com Redação, com leitura e Matemática, eventualmente algumas atividades de Matemática da série que eles estão. Só que quando chega um determinado assunto que não é da nossa competência a gente pede auxílio aos voluntários. (Professora 1). Além da escassez de professores, há um outro importante ponto que precisa ser mencionado e que foi muito citado pelas professoras do Núcleo de Apoio à Criança com Câncer, que seria a questão do espaço físico da sala de aula, que além de não atender à demanda de crianças e adolescentes albergados, não existem divisórias dentro da sala de aula, ficando, dessa forma, todos em um mesmo espaço, fazendo com que confunda e dificulte a aprendizagem dos alunos. A sala de aula é composta de um armário, onde são organizados todos os materiais, e duas mesas: uma de madeira e outra de plástico, fazendo com que ocupem uma boa parte da sala. As cadeiras são desproporcionais ao tamanho das crianças, pois são grandes demais para acomodar seus corpos. A sala de aula é pequena, comparando-se ao tamanho das turmas, obrigando as professoras a fazerem um rodízio. Devido a tais limitações físicas e materiais, as crianças se distraem com mais facilidade. Mas, as professoras fazem de

17 17 tudo para que a sala de aula seja um ambiente alegre e encorajador: colam cartazes coloridos nas paredes com assuntos das aulas e com desenhos, assim como organizam murais com as fotos dos alunos (ANEXO 3). Vejamos as fotos abaixo: Outro ponto a mencionar é a rotatividade intensa. Embora exista um planejamento anual elaborado pelo grupo responsável pela sala de aula do NACC, não é possível segui-lo à risca, já que se depara com crianças e adolescentes portadores do câncer e que estão ali para fazer um tratamento,

18 18 muitas vezes, doloroso e exaustivo. As professoras têm que lidar com as idas e vindas dos alunos, já que estes moram distantes do NACC, e com os óbitos. Dessa forma, as professoras preferem trabalhar cada dia intensamente como se fosse o último, deixando o ambiente da sala de aula mais agradável e humano, respeitando o momento de cada jovem. Com base na leitura do livro O Menino do Dedo Verde 8, observamos no diálogo entre Tistu e Dr. Milmales, personagens de Maurice Druon (1973, p. 77 e 78), o cuidado que se deve ter às crianças internadas, seja do ponto de vista da própria organização do espaço físico, como também das palavras que são emitidas a uma criança enferma, da sensibilidade e conforto psicológico que se é capaz de transmitir num momento tão difícil. O Dr. Milmales esperava Tistu atrás de sua grande mesa, niquelada, repleta de livros. - Então, Tistu perguntou ele que foi que você aprendeu? Que sabe de medicina? - Aprendi respondeu Tistu que a medicina não pode quase nada contra um coração muito triste. Aprendi que para a gente sarar é preciso ter vontade de viver. Doutor, será que não existem pílulas de esperança? O Dr. Milmales ficou espantado com tanta sabedoria num garoto tão pequeno. - Você aprendeu sozinho a primeira coisa que um médico deve saber. - E qual é a segunda, Doutor? - É que para cuidar direito dos homens é preciso amá-los bastante. Ele deu um punhado de caramelos a Tistu e pôs uma boa nota em seu caderno. Mas o Dr. Milmales ficou ainda mais espantado no dia seguinte, quando entrou no quarto da menina. Ela sorria: tinha despertado em pleno campo. Narcisos brotavam em torno à mesa de cabeceira, os cobertores eram um edredom de pervincas, a grama crescia no tapete. E finalmente a flor, a flor em que Tistu se desvelara, uma esplêndida rosa, que não parava de se transformar, de 8 Tistu é um menino muito feliz, que nasceu e foi criado com todo o luxo que seus belos pais - donos da maior fábrica de canhões do mundo - podiam dar e o dinheiro podia comprar. Ao completar oito anos, seus pais decidem que já é hora do filho conhecer as coisas da vida e se preparar para, no futuro, assumir e dar continuidade aos negócios da família. No entanto, logo no terceiro dia de aula o menino é expulso do colégio por dormir durante as aulas. Com isso, os pais de Tistu decidem que a educação do menino se fará dentro de casa, sem livros, através de suas próprias experiências e observações. No dia de sua primeira aula com o jardineiro Bigode, Tistu descobre um dom excepcional: ele tem o dedo verde - o que significa que basta um toque de seu polegar para que surjam flores e mudar o mundo.

19 19 abrir uma folha ou um botão, e que subia pela cabeceira da cama, ao longo do travesseiro. A menina já não olhava o teto; ela contemplava a flor. De noite suas pernas começaram a mover-se. A vida era boa. Como mostra a ilustração abaixo, presente no livro de Druon (1973, p. 72): O trabalho da sala de aula é desenvolvido também por meio das capacitações oferecidas pelo próprio Núcleo de Apoio à Criança com Câncer, proporcionando amplo conhecimento sobre a doença e sobre as crianças e adolescentes portadores dessa enfermidade. Também há capacitações oferecidas pelo Estado na área de Educação Inclusiva. O processo seletivo dos conteúdos é feito de acordo com a faixa etária e a série de cada criança e adolescente e além do que eles trazem de bagagem do conhecimento. Em outras palavras, esse processo é, praticamente, individual. Segundo Matos e Mugiatti (2006, p. 167): Na realidade, o que se busca exige soluções que vão, muito além, de uma simples necessidade de escolarização no ambiente hospitalar, mas abrange instâncias que requerem novas alternativas práticas integradas de aprendizagem, com envolvimento de aspectos cognitivos e emocionais que possam, estrategicamente, redefinir novas condições de vida que representem o verdadeiro elo para um viver e conviver com dignidade que cada ser humano merece. Quanto à aplicação dos conteúdos, em síntese, é o mesmo de uma sala de aula regular. A diferença se dá na quantidade de alunos, já que no NACC é bem menor e pela força de vontade desses alunos, já que alguns vão para a

20 20 sala de aula por prazer. Além disso, o método de ensino varia de acordo com as necessidades de cada um. Diante de tudo o que foi visto e ouvido na sala de aula do NACC, o que nos chamou a atenção foi o prazer que as professoras e os voluntários sentem ao trabalhar numa sala de aula não habitual, com crianças e adolescentes portadores de câncer. Segundo as docentes, esses jovens são os verdadeiros e grandes professores, ensinando mais do que aprendendo, tornando-se exemplos de vida, em que a lição estudada é a valorização da vida. Percebemos através de Matos e Mugiatti (2006) em seu livro Pedagogia Hospitalar: a humanização integrando educação e saúde, o quanto o NACC se parece, em parte, com a realidade de alguns setores de oncologia-pediátrica do Paraná. Há a mesma iniciativa de concretizar e dar subsídios para a permanência das salas de aula no ambiente hospitalar, além de outros meios, como brinquedotecas e salas de leitura, para dar continuidade à aprendizagem dos estudantes hospitalizados. Tanto em alguns setores de oncologia-pediátrica do Paraná quanto no NACC há a preocupação de manter os estudantes que estão em tratamento matriculados em uma escola, caso contrário, a(o) assistente social da instituição age rapidamente para matriculá-los, caso os estudantes morem próximos à Instituição, como é o caso do Paraná ou fala com os pais para tomarem a devida providência, como é o caso do NACC, uma vez que, os estudantes moram no Interior de Pernambuco ou em outros estados. A diferença é que as autoras, no livro, falam da realidade de hospitais do Paraná e não de albergues, como o NACC. Os hospitais têm uma estrutura bem maior para receber as crianças e os adolescentes, mas o NACC, apesar de ser um albergue, está se igualando ao tratamento oferecido por hospitais do Paraná e isso é muito bom, já que, em primeiro lugar, se preocupam em oferecer um tratamento adequado para as crianças e os adolescentes portadores do câncer e tentam oferecer a eles bem-estar. Segundo as autoras, os professores de alguns hospitais do Paraná se submetem, algumas vezes, a concursos para trabalharem nos hospitais ou pertencem a outras escolas (como é o caso do NACC) ou começam a função cumprindo estágios curriculares exigidos no programa dos cursos de Pedagogia das universidades ou faculdades do Paraná. De acordo com elas, a

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE EDUCACAO INFANTIL INCLUSIVA EM CURITIBA VEJA COMO SUA EMPRESA PODE TRANSFORMAR ESTA IDEIA EM REALIDADE { Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Tanise Coppetti Universidade Federal de Santa Maria tani_coppetti@hotmail.com Resumo: Este trabalho apresenta uma atividade a respeito de equações

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL João Rodrigues de Souza A PSICOPEDAGOGIA E A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIABÁ- MT JULHO 2015 2 RESUMO

Leia mais

O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR

O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR INTRODUÇÃO O presente estudo busca refletir a respeito da importância do brincar no ambiente hospitalar. A construção desse material foi feita a partir do contato de três

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Cartaz Desenvolvido para a Campanha Leuceminas: Você Faz A Diferença Na Cura Do Câncer. 1

Cartaz Desenvolvido para a Campanha Leuceminas: Você Faz A Diferença Na Cura Do Câncer. 1 Cartaz Desenvolvido para a Campanha Leuceminas: Você Faz A Diferença Na Cura Do Câncer. 1 Marleyde Alves dos SANTOS 2 Daniel Cardoso Pinto COELHO 3 Cláudia CONDÉ 4 Raísa moysés GENTA 5 Bruno César de SOUZA

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

PEDAGOGIA HOSPITALAR: um breve histórico

PEDAGOGIA HOSPITALAR: um breve histórico PEDAGOGIA HOSPITALAR: um breve histórico Cláudia R. Esteves 1 Muito se tem falado sobre Qualidade de Vida, de como aplicá-la aos seus dias de forma a viver sua saúde física e mental em equilíbrio, de estar

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

PEDAGOGIA HOSPITALAR: as politícas públicas que norteiam à implementação das classes hospitalares.

PEDAGOGIA HOSPITALAR: as politícas públicas que norteiam à implementação das classes hospitalares. PEDAGOGIA HOSPITALAR: as politícas públicas que norteiam à implementação das classes hospitalares. Marianna Salgado Cavalcante de Vasconcelos mary_mscv16@hotmail.com Jadiel Djone Alves da Silva jadieldjone@hotmail.com

Leia mais

USANDO O ALFABETO MÓVEL COMO RECUSO DE RECUPERAÇÃO

USANDO O ALFABETO MÓVEL COMO RECUSO DE RECUPERAÇÃO USANDO O ALFABETO MÓVEL COMO RECUSO DE RECUPERAÇÃO Vera Lucia de Souza 1 ; Monique de Campos Ribeiro 2 ; Maria Rosa Leite da Silva 3; Kátia Nakamura 4; Maria de Lourdes dos Santos 5 1Bolsista/PIBID/PEDAGOGIA/UFGD.

Leia mais

ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL

ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL INTRODUÇÃO Amara Holanda Fabiane Romana Fernanda Oliveira Karen Trage Máuren Mássia

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

Centro Educacional Pró-Hope

Centro Educacional Pró-Hope Centro Educacional Pró-Hope A escola da Casa Hope As pessoas que são atendidas pela Instituição sofrem com a carência financeira, a doença e o afastamento da rede familiar e social de apoio. Tudo isso

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração Material pelo Ético Sistema de Ensino Elaborado para Educação Infantil Publicado em 2011 Projetos temáticos EDUCAÇÃO INFANTIL Data: / / Nível: Escola: Nome: Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

CLASSE HOSPITALAR E A PRÁTICA DA PEDAGOGIA

CLASSE HOSPITALAR E A PRÁTICA DA PEDAGOGIA CLASSE HOSPITALAR E A PRÁTICA DA PEDAGOGIA OLIVEIRA, Linda marques de Acadêmica do curso de Pedagogia da ACEG/FAHU-Garça-SP E-MAIL: linda_faculdade@yahoo.com.br FILHO, Vanessa Cristiane de Souza Acadêmico

Leia mais

A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO. Palavras-chave: Inclusão. Pessoas com deficiência. Mercado de trabalho.

A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO. Palavras-chave: Inclusão. Pessoas com deficiência. Mercado de trabalho. 1 A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO Marlene das Graças de Resende 1 RESUMO Este artigo científico de revisão objetiva analisar importância do trabalho na vida das pessoas portadoras

Leia mais

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO A IMPORTÂNCIA DO VOLUNTARIADO NO PROCESSO DO HUMANIZAR FERNANDO BASTOS fernandobastosmoura@yahoo.com.br HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E PROFISSIONAIS DE SAÚDE DIAGNÓSTICO

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

ANÁLISE DOS CURRÍCULOS NAS CLASSES HOSPITALARES DO PROGRAMA SAREH-PARANÁ

ANÁLISE DOS CURRÍCULOS NAS CLASSES HOSPITALARES DO PROGRAMA SAREH-PARANÁ ANÁLISE DOS CURRÍCULOS NAS CLASSES HOSPITALARES DO PROGRAMA SAREH-PARANÁ Elismara Zaias Ercília Maria Angeli Teixeira de Paula Universidade Estadual de Ponta Grossa Programa de Pós Graduação em Educação-Mestrado

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NA ATENÇÃO AO CÂNCER: DESAFIOS PARA OS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM ESPECIALIZAÇÃO DO TÉCNICO

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA GERAL DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA GERAL DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA GERAL DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA RESUMO EXPANDIDO (2011-2012) A REDESCRIÇÃO DA PEDAGOGIA (A redescrição

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização OS MECANISMOS DE ATUALIZAÇÃO DAS EXPLICAÇÕES BIOLÓGICAS PARA JUSTIFICAR AS DIFICULDADES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO: ANÁLISE DO PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO LETRA E VIDA Cristiane Monteiro da Silva 1 ; Aline

Leia mais

AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO

AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO Francelina Elena Oliveira Vasconcelos (france.vasconcelos@gmail.com) Rosilda Teixeira de Freitas (rosildafreitas@farrapo.com.br) Resumo Neste trabalho

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

A ESCOLA MUNICIPAL DE JATAÍ E O DESAFIO NA CONSOLIDAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS

A ESCOLA MUNICIPAL DE JATAÍ E O DESAFIO NA CONSOLIDAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS A ESCOLA MUNICIPAL DE JATAÍ E O DESAFIO NA CONSOLIDAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS SILVA, Thaysa Pereira; RAIMANN, Elizabeth Gottschalg Universidade Federal de Goiás/ Campus Jataí; thaysapsilva@hotmail.com

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

PROJETO ESCOLA DE APOIO A CRIANÇA COM CÂNCER. Denise Soares de Almeida (Pedagoga)

PROJETO ESCOLA DE APOIO A CRIANÇA COM CÂNCER. Denise Soares de Almeida (Pedagoga) PROJETO ESCOLA DE APOIO A CRIANÇA COM CÂNCER. Denise Soares de Almeida (Pedagoga) (31) 3456 1985 Apresentação: Denise Soares de Almeida, é pedagoga formada pela PUC_ Minas com especialização em Educação

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA Camila Nicola Boeri Universidade de Aveiro Portugal camilaboeri@hotmail.com Márcio Tadeu Vione IFMT - Campus Parecis - MT mtvione@gmail.com

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Ementário Relações Interpessoais e Ética Profissional Concepções sobre o Processo Inter-relacional no Trabalho; Competência Interpessoal; Qualidade de Vida no

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

PEDAGOGIA EM ESPAÇOS SOCIAIS: OLHARES E REFLEXÕES EM CAMPOS DE ESTÁGIO¹

PEDAGOGIA EM ESPAÇOS SOCIAIS: OLHARES E REFLEXÕES EM CAMPOS DE ESTÁGIO¹ PEDAGOGIA EM ESPAÇOS SOCIAIS: OLHARES E REFLEXÕES EM CAMPOS DE ESTÁGIO¹ ALVES, T. C.²; RENK, E. F.³; LEÃO, T.J.E. 4 ¹ Trabalho desenvolvido na disciplina de Estágio Curricular Supervisionado II Espaços

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

ATENDIMENTO PEDAGÓGICO DOMICILIAR PARA ENFERMOS: UMA MANEIRA DIFERENTE DE EDUCAR 1

ATENDIMENTO PEDAGÓGICO DOMICILIAR PARA ENFERMOS: UMA MANEIRA DIFERENTE DE EDUCAR 1 ATENDIMENTO PEDAGÓGICO DOMICILIAR PARA ENFERMOS: UMA MANEIRA DIFERENTE DE EDUCAR 1 RIBEIRO, Karina Rafaela karina_ribeiro15@hotmail.com PAULA, Ercília Maria Angeli Teixeira1 (orientador) erciliapaula@terra.com.br

Leia mais

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE ISSN: 1981-3031 O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE Eva Pauliana da Silva Gomes 1. Givanildo da Silva 2. Resumo O presente

Leia mais

Conheça quatro projetos de educação transformadores que foram premiados pelo Sinepe/PR

Conheça quatro projetos de educação transformadores que foram premiados pelo Sinepe/PR Conheça quatro projetos de educação transformadores que foram premiados pelo Sinepe/PR Projetos educacionais transformadores realizados por instituições de ensino particular do Paraná ganharam reconhecimento

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO ISSN 2316-7785 PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO RESUMO Karen Rodrigues Copello Universidade Federal de Santa Maria karen_keruso@hotmail.com Debora Silvana Soares Universidade

Leia mais

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES MARCELA NEIVA SOUSA 1 SAMARA MARIA VIANA DA SILVA 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo investigar

Leia mais

Se você acredita que as escolas são o único e provável destino dos profissionais formados em Pedagogia, então, está na hora de abrir os olhos

Se você acredita que as escolas são o único e provável destino dos profissionais formados em Pedagogia, então, está na hora de abrir os olhos Se você acredita que as escolas são o único e provável destino dos profissionais formados em Pedagogia, então, está na hora de abrir os olhos O pedagogo David Bomfin, 50 anos, deixou, há algum tempo, de

Leia mais

A inclusão das crianças de seis anos no Ensino Fundamental

A inclusão das crianças de seis anos no Ensino Fundamental A inclusão das crianças de seis anos no Ensino Fundamental A inclusão das crianças de seis anos no Ensino Fundamental Nessa idade, em contato com diferentes formas de representação e sendo desafiada a

Leia mais

INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO DE JOVENS PROVINDOS DE PROJETO SOCIAL. Nelson Miguel Betzek 1 (Coordenador da Ação de Extensão)

INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO DE JOVENS PROVINDOS DE PROJETO SOCIAL. Nelson Miguel Betzek 1 (Coordenador da Ação de Extensão) INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO DE JOVENS PROVINDOS DE PROJETO SOCIAL Área Temática: Educação Nelson Miguel Betzek 1 (Coordenador da Ação de Extensão) Nelson Miguel Betzek, Vanderlei Roberto Marques 2,

Leia mais

É com imensa satisfação que iniciamos nossas atividades das aulas 1 e 2 do Módulo IV do Curso, em que iremos tratar dos seguintes assuntos:

É com imensa satisfação que iniciamos nossas atividades das aulas 1 e 2 do Módulo IV do Curso, em que iremos tratar dos seguintes assuntos: EXERCÍCIO ANTECIPADO PARA O ESTUDO DIRIGIDO Módulo IV Aspectos Contemporâneos do Marco legal Profa. Maria José Lacerda Xavier Prezado (a) Aluno (a), É com imensa satisfação que iniciamos nossas atividades

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais. Boas práticas para humanizar o atendimento

BOAS PRÁTICAS. para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais. Boas práticas para humanizar o atendimento BOAS PRÁTICAS para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais ÍNDICE Introdução 3 Explique e difunda a importância do termo 4 A humanização e o ambiente físico 6 Aperfeiçoamento

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 EDUCAÇÃO INCLUSIVA Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 Por que é equivocado dizer que a INCLUSÃO refere se a um processo direcionado aos alunos com necessidades educacionais especiais,

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED

INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED Estabelece critérios para o funcionamento da Classe Especial nas séries iniciais do Ensino Fundamental, na área dos Transtornos Globais do Desenvolvimento. A Superintendente

Leia mais

Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação

Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Os cursos oferecidos pela instituição de Ensino Superior IES devem ter seus projetos pedagógicos construídos

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

A Inclusão do Pedagogo no ambiente hospitalar - ainda uma conquista.

A Inclusão do Pedagogo no ambiente hospitalar - ainda uma conquista. A Inclusão do Pedagogo no ambiente hospitalar - ainda uma conquista. Jacyara Coy Souza Evangelista 1 Faz algum tempo, que os cuidados com os pacientes, não se concentram mais entre os profissionais de

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO Campo Limpo Paulista 2012 1 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Marcos Legais Resolução CNE CES 1 2002 Resolução CNE

Leia mais

Srs Diretores, Coordenadores Pedagógicos e Professores

Srs Diretores, Coordenadores Pedagógicos e Professores Srs Diretores, Coordenadores Pedagógicos e Professores A primeira classe hospitalar do Brasil foi inaugurada em 1950, no Hospital Jesus, levando na época ânimo, esperança e novas possibilidades para os

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS, UMA METODOLOGIA ESPECIAL PARA ALUNOS E PROFESSORES NA PERSPECTIVA DA ESCOLA INCLUSIVA

A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS, UMA METODOLOGIA ESPECIAL PARA ALUNOS E PROFESSORES NA PERSPECTIVA DA ESCOLA INCLUSIVA A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS, UMA METODOLOGIA ESPECIAL PARA ALUNOS E PROFESSORES NA PERSPECTIVA DA ESCOLA INCLUSIVA ROSEMARY BARBEITO PAIS rosebarbeito@hotmail.com ORIENTADORA PEDAGÓGICA - CP2 DOUTORANDA EM

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização Carta pedagógica Ao escrever esta carta pedagógica, veio-me a questão do erro que acontece a todo o momento em minha turma na sala de aula. Lendo textos de autores como Morais, fiquei ciente da sua fala

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO 1 ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO VOGEL, Deise R. 1 BOUFLEUR, Thaís 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 Palavras chave: Espaços adaptados; experiências;

Leia mais

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos Guia de para Dependentes Químicos O que fazer para ajudar um dependente químico? Qual é o melhor procedimento para um bom tratamento? Internação Voluntária ou Involuntária Como decidir? Como fazer? O que

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS COM O LIVRO DE FOLHAS SOLTAS: UMA EXPERIÊNCIA JUNTO A CRIANÇAS EM LEITOS HOSPITALARES

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS COM O LIVRO DE FOLHAS SOLTAS: UMA EXPERIÊNCIA JUNTO A CRIANÇAS EM LEITOS HOSPITALARES A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS COM O LIVRO DE FOLHAS SOLTAS: UMA EXPERIÊNCIA JUNTO A CRIANÇAS EM LEITOS HOSPITALARES Resumo ARAUJO, Ana Maria Cavalcante de - CUFSA anamaria.araujo@uol.com.br POLA, Camila Oshiro

Leia mais

PROJETO. Responsável: Vera Andretta CPF 234.417.989-53 Função: Presidente

PROJETO. Responsável: Vera Andretta CPF 234.417.989-53 Função: Presidente PROJETO 1 IDENTIFICAÇÃO Abrangência do Projeto: ( x ) Estadual ( ) Regional ( ) Intermunicipal (no mínimo três municípios) 1.1 Dados Cadastrais do(s) Proponente(s) Proponente: Associação Paranaense de

Leia mais

Pós-Graduação Especialização em Psicomotricidade e/ou Educação Infantil. Local: Avenida Pereira Rego, 1545, Centro, Candelária

Pós-Graduação Especialização em Psicomotricidade e/ou Educação Infantil. Local: Avenida Pereira Rego, 1545, Centro, Candelária Pós-Graduação Especialização em Psicomotricidade e/ou Educação Infantil Local: Avenida Pereira Rego, 1545, Centro, Candelária Carga horária: 360 horas Resolução 01/2007 CES/CNE/MEC: "Art. 5. Os cursos

Leia mais