Haztec Investimentos e Participações S.A.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Haztec Investimentos e Participações S.A."

Transcrição

1 Haztec Investimentos e Participações S.A. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes aos Exercícios Findos em 31 de dezembro de 2014 e de 2013 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

2

3

4

5 HAZTEC INVESTIMENTOS E PARTICIPAÇÕES S.A. BALANÇOS PATRIMONIAIS LEVANTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013 E 1 DE JANEIRO DE 2013 (Valores expressos em milhares de reais - R$) Controladora Consolidado ATIVO Nota 31/12/ /12/ /01/ /12/ /12/ /01/2013 CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa Aplicações financeiras Aplicação financeira restrita Contas a receber de clientes Estoques Impostos e contribuições a recuperar 10.a Outros Total do circulante NÃO CIRCULANTE Contas a receber de clientes Partes relacionadas Depósitos judiciais e cauções 20.d Outros Investimentos Imobilizado, líquido Intangível, líquido Total do não circulante TOTAL DO ATIVO (continua) 4

6 HAZTEC INVESTIMENTOS E PARTICIPAÇÕES S.A. BALANÇOS PATRIMONIAIS LEVANTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013 E 1 DE JANEIRO DE 2013 (Valores expressos em milhares de reais - R$) Controladora Consolidado PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 31/12/ /12/ /01/ /12/ /12/ /01/2013 CIRCULANTE Empréstimos e financiamentos Fornecedores Outorgas a pagar Salários e encargos sociais Impostos e contribuições a recolher 10.b Parcelamento de impostos Contas a pagar - Aquisições de empresas Outros passivos circulantes Total do circulante NÃO CIRCULANTE Empréstimos e financiamentos Parcelamento de impostos Provisão para perdas com investimentos Partes relacionadas Provisão para riscos 20.b Imposto de renda e contribuição social diferidos 10.d PIS e COFINS diferidos Contas a pagar - Aquisição de empresas Total do não circulante PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital social integralizado 21.a Instrumentos patrimoniais - debêntures conversíveis 21.b Reservas de capital 21.c Adiantamento para futuro aumento de capital Ajustes de avaliação patrimonial reflexo de controlada 21.d Prejuízos acumulados ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Total do patrimônio líquido TOTAL DO PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras individuais e consolidadas. 5

7 HAZTEC INVESTIMENTOS E PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013 (Valores expressos em milhares de reais - R$, exceto valores por ação) Controladora Consolidado Nota RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA CUSTO DOS SERVIÇOS PRESTADOS ( ) ( ) LUCRO BRUTO RECEITAS (DESPESAS) OPERACIONAIS Gerais e administrativas 23 (79) (55) (33.897) (32.066) Tributárias - - (1.890) (1.424) Depreciações e amortizações - - (1.521) (2.437) Resultado de equivalência patrimonial Provisão para perdas em investimentos 13 (4.596) (94.615) (13.077) (2.600) Reversão (provisão) para créditos de liquidação duvidosa (12.699) Provisão para realização de estoques (4.437) Resultado na venda de segmentos operacionais (23.442) Outras receitas (despesas) operacionais (9.088) (94.670) (38.263) (82.362) RESULTADO FINANCEIRO Receitas financeiras Despesas financeiras 24 (47.843) (37.275) (75.809) (93.015) PREJUÍZO DO EXERCÍCIO DECORRENTE DE OPERAÇÕES CONTINUADAS (26.175) ( ) (30.489) ( ) OPERAÇÕES DESCONTINUADAS LUCRO DO EXERCÍCIO DECORRENTE DE OPERAÇÕES DESCONTINUADAS PREZUÍZO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL (26.175) ( ) (30.489) ( ) Imposto de renda e contribuição social Corrente 10.c - - (3.238) (2.665) Diferido 10.c (92) PREJUÍZO DO EXERCÍCIO (26.175) ( ) (26.175) ( ) Prejuízo do exercício Básico 21.g (5,11) (26,74) (5,11) (26,74) Diluído 21.g (5,11) (26,74) (5,11) (26,74) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras individuais e consolidadas. 6

8 HAZTEC INVESTIMENTOS E PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRAGENTE PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013 (Valores expressos em milhares de reais - R$) Controladora e Consolidado 31/12/ /12/2013 Prejuízo do exercício (26.175) ( ) Outros resultados abrangentes - - Resultado abrangente total do exercício (26.175) ( ) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras individuais e consolidadas. 7

9 HAZTEC INVESTIMENTO E PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013 (Valores expressos em milhares de reais - R$) Nota Capital social integralizado Instrumentos patrimoniais - debêntures conversíveis Controladora e Consolidado Adiantamento Reservas de capital - para futuro ágio na emissão aumento de novas ações de capital Ajuste de avaliação patrimonial reflexo Prejuízos acumulados Total SALDOS EM 1 DE JANEIRO DE ( ) Aumento de capital ( ) - (49.600) Integralização de capital Ágio na emissão de novas ações 21.c Prejuízo do exercício ( ) ( ) SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE ( ) Prejuízo do exercício (26.175) (26.175) SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE ( ) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras individuais e consolidadas. 8

10 HAZTEC INVESTIMENTOS E PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013 (Valores expressos em milhares de reais - R$) Controladora Consolidado Nota FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS (26.175) ( ) (26.175) ( ) Prejuízo do exercício Ajustes para reconciliar o prejuízo do exercício ao caixa gerado pelas (aplicado nas) atividades operacionais: Resultado de equivalência patrimonial 13 (26.343) - (5.560) (5.831) Provisão para perdas em investimentos Resultado de operações descontiuadas - controlada Haztec 26 - (5.246) - (5.246) Provisão para créditos de liquidação duvidosa Provisão para realização de estoques Provisão (reversão) para riscos Baixa de contas a receber incobráveis (Reversão) baixa de adiantamentos no exercício - - (840) Rendimento de aplicações financeiras - - (10.950) (17.395) Depreciações e amortizações Baixa de imobilizado e intangível Imposto de renda diferido (7.552) 92 Juros provisionados Resultado na alienação de investimentos (Constituição) apropriação de custos para emissão de debêntures - - (4.655) Outros (10.282) (Aumento) redução nos ativos operacionais: Contas a receber de clientes - - (5.272) (7.177) Estoques - - (5.461) Impostos a recuperar - (2) (9.659) 492 Outros 13 (20) (14.816) (24.948) Aumento (redução) nos passivos operacionais: Fornecedores 20 5 (7.996) (9.777) Outorgas a pagar Salários e encargos sociais - - (1.408) (5.506) Impostos e contribuições a recolher Imposto de renda e contribuíção social pagos - - (1.301) (644) Juros pagos - - (5.852) (38.800) Outros (442) Caixa líquido gerado pelas (aplicado nas) nas atividades operacionais (3.744) (11.776) (83.331) (continua) 9

11 HAZTEC INVESTIMENTOS E PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013 (Valores expressos em milhares de reais - R$) Controladora Consolidado Nota FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO Depósitos judiciais e cauções - - (974) 52 Aquisições de imobilizado - - (34.170) (43.582) Aquisições de intangível (142) Aplicação financeira - - (13.261) - Aplicaçao financeira restrita (533) Dividendos recebidos Pagamento de aquisições de empresas - S.A. Paulista (8.162) Venda de segmentos operacionais no exercício Caixa líquido gerado pelas (aplicado nas) atividades de investimento (2.800) FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO Empréstimos e financiamentos captados Empréstimos e financiamentos pagos (90.674) ( ) Partes relacionadas ( ) (44.430) Integralizações de capital Parcelamento de impostos - - (3.292) (2.209) Caixa líquido gerado pelas (aplicado nas) das atividades de financiamento (73.217) AUMENTO (REDUÇÃO) NO CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 4 (102) (4.406) Saldo inicial Saldos de caixa e equivalentes de caixa cindidos (731) Saldo final AUMENTO (REDUÇÃO) NO CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 4 (102) (4.406) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras individuais e consolidadas. 10

12 HAZTEC INVESTIMENTOS E PARTICIPAÇÕES S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS E CONSOLIDADAS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013 (Valores expressos em milhares de reais - R$, exceto quando indicado de outra forma) 1. INFORMAÇÕES GERAIS A Haztec Investimentos e Participações S.A. ( Companhia ) foi constituída em novembro de 2009, com sede na Rua Joaquim Palhares, n 40, 1º andar, Cidade Nova - Rio de Janeiro (RJ). A Companhia tem por objeto social a participação em outras sociedades comerciais ou civis como sócia, acionista ou quotista, tanto no país como no exterior e outras atividades afins. Em 31 de dezembro de 2014, o principal ativo da Companhia refere-se ao investimento direto na Haztec Tecnologia e Planejamento Ambiental S.A. ( Haztec ). A Haztec, com sede no Rio de Janeiro (RJ), foi constituída no ano de 1999 e tem como objetivo investir e operar projetos ambientais e prestar serviços ambientais, principalmente, de remediação e consultoria, gerenciamento, tratamento e destinação final de resíduos perigosos e não perigosos. Adicionalmente, a Companhia também detém 100% das ações da Foxx Holding S.A. ( Foxx Holding ), entidade detentora de 67% do aterro de João Pessoa (PB) e das Unidades de Recuperação Energética ( UREs ) de Barueri e Osasco, sendo esses os dois primeiros projetos de geração de energia a partir da queima de resíduos (waste-to-energy) do país. Alienação do Segmento de Águas e Efluentes (Controlada) Venda da unidade Geoplan (HZT Soluções Ambientais S.A.) Em 27 de março de 2013, a controlada direta Haztec passou a deter a totalidade das ações da HZT Soluções Ambientais S.A. ( HZT ), entidade que recebeu os ativos de construção e tratamento de águas e efluentes on-site (em formato BOT - Build-Operate-Transfer), por meio da cisão dos saldos dessa unidade das demonstrações financeiras da Companhia. O acervo líquido cindido foi de R$ (em 27 de março de 2013) e o investimento baixado foi de R$ (1 de julho de 2013). Em 1º de julho de 2013, a Companhia firmou o termo de fechamento da transação de venda da HZT para a Engenharia Indústria e Comércio de Materiais e Equipamentos para Saneamento e Meio Ambiente Ltda. ( ENASA ), pelo montante de R$ Venda da unidade Gaiapan (HAZ Soluções Ambientais S.A.) Em 1 de julho de 2013, a controlada direta Haztec passou a deter a totalidade das ações da HAZ Soluções Ambientais S.A. ( HAZ ), entidade que recebeu os ativos de construção e tratamento de águas e efluentes on-site (em formato BO - Build-Operate), por meio da cisão dos saldos dessa unidade das demonstrações financeiras da Companhia. O acervo líquido cindido foi de R$3.332 (em 1 de julho de 2013) e o investimento baixado foi de R$4.287 (10 de outubro de 2013). 11

13 Em 10 de outubro de 2013, a Companhia firmou o termo de fechamento da transação de venda da HAZ para a ENASA, pelo valor de R$ A alienação dessas unidades objetivou, principalmente, refletir a decisão da Administração em alienar os segmentos que não faziam parte dos projetos de longo prazo da Companhia. A seguir, apresentamos as informações referentes à alienação do segmento operacional de águas e efluentes: HZT HAZ Total Valor de negociação Baixa de investimentos por alienação (39.589) (4.287) (43.876) Baixa de ágios na aquisição dos investimentos (13.586) (14.706) (28.292) Outras baixas na alienação dos investimentos, líquidas (8.959) - (8.959) Resultado na venda do segmento operacional (25.634) (23.442) O contexto operacional das controladas diretas é como segue: a. Haztec A Haztec tem como objetivo investir e operar projetos ambientais e prestar serviços nos seguintes segmentos de atuação: Tratamento e destinação final de resíduos perigosos e não perigosos A Haztec detém, direta ou indiretamente (por meio de suas controladas, controladas em conjunto e coligada), duas plantas para tratamento e destinação de resíduos perigosos e aterros sanitários para resíduos não perigosos. Valorização de resíduos (waste-to-energy, reciclagem, fabricacação de combustível derivado de resíduos, dentre outros) A Haztec vem desenvolvendo projetos de geração de energia a partir da queima de resíduos (waste-to-energy), bem como avaliando projetos de reciclagem e de combustíveis derivados de resíduos. Engenharia ambiental e florestal A Haztec possui diversos contratos de prestação de serviços, tais como: (i) recuperação de áreas degradadas; (ii) remediação de áreas contaminadas; (iii) diagnóstico e monitoramento ambiental; (iv) recuperação e remediação de lixões; (v) gerenciamento de resíduos; (vi) limpeza de tanques da indústria petrolífera; (vii) supressão vegetal; (viii) Programa de Recuperação de Áreas Degradadas ( PRADs ); dentre outros. Fabricação de equipamentos e sistemas para tratamento de águas e efluentes A Haztec conta com uma fábrica localizada no município de Itu, no estado de São Paulo. A Haztec opera em grande parte do território nacional, com projetos distribuidos nas cinco regiões geográficas e ainda conta com plantas de tratamento e disposição final de resíduos em importantes localidades nas regiões Sudeste e Nordeste do país. 12

14 b. Foxx Holding A Foxx Holding (anteriormente denominada Foxx Participações Ltda.), é uma sociedade por ações com sede na Cidade de São Paulo (SP). A Foxx Holding tem como objeto social a participação em outras sociedades comerciais ou civis como sócia, acionista ou quotista, tanto no país como no exterior. A Foxx Inova Ambiental S.A., controlada direta da Foxx Holding, tem como principais atividades a exploração nas áreas de prestação de serviços ambientais, destinação final de resíduos sólidos não perigosos, além de ser detentora de projetos de wasteto-energy; URE Barueri e URE Osasco. O contexto operacional das controladas indiretas é como segue: c. Central de Tratamento de Resíduos Nova Iguaçu S.A. ( CTRNI ) A CTRNI foi constituída em fevereiro de 2003, e tem por objeto social obras de terraplenagem para proteção ambiental, contenção e proteção de talude, drenagem, construção, implantação, operação e manutenção da central de tratamento e de destinação final de resíduos sólidos no município de Nova Iguaçu (RJ), nos termos do Contrato de Concessão de Serviços ( Contrato de Concessão ) celebrado com a Empresa Municipal de Limpeza Urbana ( EMLURB ou Concedente ), do município de Nova Iguaçu; dentre outras atividades afins. A CTRNI passou a ser controlada direta da Companhia por meio da incorporação de sua controladora anterior, Ecobé Participações Ltda. ( Ecobé ), em Conforme descrito na nota explicativa n 9, em função da inadimplência da EMLURB, seu principal cliente, a CTRNI vem avançando nas negociações no que tange ao recebimento de saldos vencidos há longa data. Cabe ressaltar que a EMLURB quitando, no vencimento, as faturas emitidas pela Companhia desde julho de d. Central de Tratamento de Resíduos de Alcântara S.A. ( CTRA ) Em 26 de novembro de 2008, a Companhia efetuou a aquisição da CTRA, concessionária do aterro sanitário do município de São Gonçalo (RJ). Em julho de 2013, a Companhia concluiu o pagamento do valor da transação. A CTRA desempenha, única e exclusivamente, as atividades relacionadas ao encerramento e monitoramento do Aterro de Itaoca e as atividades relacionadas à operação da nova unidade de tratamento de resíduos previstas no Contrato de Concessão PMSG nº 001/2004 e, portanto, qualquer passivo e/ou contingência relativos ao período anterior à data de aquisição é de responsabilidade dos vendedores e da S.A. Paulista de Construções e Comércio (controladora anterior). Atualmente, o aterro do município de São Gonçalo (RJ) recebe cerca de toneladas/dia 1 de resíduos, sendo um dos principais aterros do estado do Rio de Janeiro, recebendo resíduos de importantes municípios, tais como São Gonçalo e Niterói. 1 As informações não financeiras contidas nestas demonstrações financeiras individuais e consolidadas, tais como toneladas, entre outras não foram objeto de auditoria pelos auditores independentes. 13

15 e. Central de Tratamento de Resíduos de Barra Mansa S.A. ( CTRBM ) A Companhia venceu a concorrência para a implantação do aterro sanitário do município de Barra Mansa (RJ). O contrato, assinado em junho de 2011, inclui a recuperação ambiental do lixão que recebeu todo o resíduo desse município durante 24 anos. f. Haztec Argentina Tecnologia e Planejamento Ambiental S.A. ( Haztec Argentina ) A Haztec Argentina, com sede na cidade de Buenos Aires, Argentina, tem como objeto social a prestação de serviços de remediação e consultoria. Atualmente, a Haztec Argentina se encontra sem atividades operacionais e, portanto, a Administração da Companhia estuda o encerramento oficial de suas atividades no exterior. Controladas em conjunto g. SERB - Saneamento e Energia Renovável do Brasil S.A. ( SERB ) A SERB, que tem o nome fantasia de Ciclus Ambiental, tem como objeto social o desenvolvimento do projeto, a implantação e a operação de uma central de tratamento e destinação final de resíduos ( CTR ) no município de Seropédica (RJ) e de Estações de Transferência de Resíduos ( ETR ) no município do Rio de Janeiro (RJ). Adicionalmente, a SERB desenvolverá a captação, o tratamento e a comercialização de biogás, a produção e a comercialização de créditos de carbono, a geração e a comercialização de energia por meio do biogás e da incineração dos resíduos recebidos, além de tratar o chorume proveniente da decomposição dos resíduos. A SERB tem como principal cliente a Companhia Municipal de Limpeza Urbana - COMLURB, da prefeitura do município do Rio de Janeiro, e desenvolveu o CTR de Seropédica para enquadramento desse município na Política Nacional de Resíduos Sólidos, determinado pela Lei n , de 2 de agosto de h. SES Haztec Serviços de Resposta a Emergência Ltda. ( SES Haztec ) A SES Haztec foi constituída no ano de 2006, objetivando a participação em uma licitação específica. Contudo, após o insucesso na referida licitação, a SES Haztec permaneceu sem qualquer atividade operacional desde então. Atualmente, a Administração da Companhia estuda o encerramento oficial de suas atividades. Coligada i. Ecopesa Ambiental Ltda. ( Ecopesa ) A Ecopesa, com sede na cidade de Recife (PE), tem por objeto social a prestação de serviços de implantação e operação do sistema de tratamento e destinação final de resíduos sólidos, líquidos e pastosos, gestão de resíduos, incluindo ainda as atividades de conservação, manutenção, modernização, ampliação, exploração, elaboração de estudos técnicos e obras necessárias à consecução desses serviços, varrições de limpeza pública, coleta, transporte rodoviário e transbordo, destinação final de resíduos sólidos, domiciliares, industriais, comerciais e hospitalares, incineradores, reciclagem, compostagem e outras formas de tratamento de resíduos, desinfecção química, térmica, microondas ou plasma, implantação e operação de tratamento e destinação final de resíduos industriais em aterros das classes I, II- A e II-B e/ou em plantas de tratamento térmico para resíduos industriais. 14

16 A Ecopesa passou a ser coligada da Companhia por meio da incorporação de sua controladora anterior, Ecobé. Atualmente, a Ecopesa possui apenas uma unidade operacional, sendo aterro sanitário localizado em Jaboatão dos Guararapes ( CTR Candeias ), no estado de Pernambuco, que recebe aproximadamente toneladas/dia 2 de resíduos. A Ecopesa está desenvolvendo dois novos projetos de aterros sanitários, sendo um para resíduos perigosos e outro para resíduos não perigosos. Atualmente, ambos os projetos se encontram em fase de licenciamento ambiental. 2. ADOÇÃO DAS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATÓRIO FINANCEIRO (IFRSs) NOVAS E REVISADAS 2.1. Alterações às IFRSs e as novas interpretações de aplicação obrigatória a partir de 1º de janeiro de 2014 Norma ou interpretação Descrição Em vigor para períodos anuais iniciados em ou após Apresentação de Instrumentos Financeiros Ativos IAS 32 (alterada) e Passivos Líquidos 1 de janeiro de 2014 IAS 36 (alterada) Divulgação de Valor Recuperável de Ativos Não Financeiros 1 de janeiro de 2014 Novação de Derivativos e Continuidade de Contabilidade de Hedge 1 de janeiro de 2014 IAS 39 (alterada) IFRIC 21 Tributos 1 de janeiro de 2014 Alterações às IFRS 10, IFRS 12 e IAS 27 Entidades de Investimento 1º de janeiro de 2014 IAS 32 (CPC 39) - Apresentação de Instrumentos Financeiros Ativos e Passivos Líquidos Apresenta esclarecimentos adicionais à orientação de aplicação contida no IAS 32, sobre as exigências para compensar ativos financeiros e passivos financeiros no balanço patrimonial. IAS 36 (CPC 01 (R1)) - Divulgação de Valor Recuperável de Ativos Não Financeiros Adiciona orientações sobre a divulgação de valores recuperáveis de ativos não financeiros. IAS 39 (CPC 38) - Novação de Derivativos e Continuidade de Contabilidade de Hedge Adiciona orientações esclarecendo que não há necessidade de descontinuar hedge accounting se o instrumento derivativo for renovado, desde que certos critérios sejam atingidos. 2 As informações não financeiras contidas nestas demonstrações financeiras individuais e consolidadas, tais como toneladas, entre outras não foram objeto de revisão pelos auditores independentes. 15

17 IFRIC 21 - Tributos Orienta sobre quando reconhecer um passivo para uma taxa imposta pelo governo, tanto para as taxas que são contabilizadas de acordo com o IAS 37 Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes e aqueles nos quais os valores e o período da taxação são claros. Alterações às IFRS 10 (CPC 36), IFRS 12 (CPC 45) e IAS 27(CPC 35 (R2)) - Entidades de Investimento As alterações à IFRS 10 definem uma entidade de investimento e exigem que a entidade que reporta e que se enquadra na definição de uma entidade de investimento não consolide suas controladas, mas, em vez disso, mensure suas controladas pelo valor justo por meio do resultado em suas demonstrações financeiras consolidadas e separadas. Para se caracterizar como entidade de investimento, uma entidade que reporta deve: obter recursos de um ou mais investidores com o objetivo de prestar-lhes serviços profissionais de gestão de investimentos. comprometer-se com seu(s) investidor(es) de que seu objeto social é o investimento de recursos somente para obter retornos sobre a valorização do capital e a receita de investimento, ou os dois. mensurar e avaliar o desempenho de substancialmente todos os seus investimentos com base no valor justo. Foram feitas alterações decorrentes à IFRS 12 e à IAS 27 para introduzir novas exigências de divulgação para entidades de investimento. A Administração não identificou impactos decorrentes das alterações das normas existentes e novas normas acima indicadas Normas e interpretações novas e revisadas já emitidas e ainda não adotadas A Companhia não adotou as IFRSs novas e revisadas a seguir, já emitidas e ainda não adotadas: Norma ou interpretação Descrição Em vigor para períodos anuais iniciados em ou após Modificações à IAS 19/CPC 33 (R1) Plano de Benefício Definido: Contribuição do Empregado 1º de julho de 2014 Modificações as IFRSs Melhorias anuais nas IFRSs ciclo º de julho de 2014 Modificações as IFRSs Melhorias anuais nas IFRSs ciclo º de julho de 2014 Modificações à IFRS 11/CPC 19 (R2) Acordo contratual conjunto 1º de janeiro de 2016 Modificações às IAS 16/CPC 27 e IAS 38/CPC 04 (R1) Esclarecimento dos métodos de depreciação e amortização aceitáveis 1º de janeiro de 2016 Modificações às IAS 16 / CPC 27 e IAS 41 / CPC 29 Agricultura: Plantas produtivas 1º de janeiro de 2016 IFRS 15 Receitas de Contratos com clientes 1º de janeiro de 2017 IFRS 9 (revisada em 2010) Instrumentos financeiros 1 de janeiro de

18 IAS 19 (CPC 33 (R1)) - Plano de Benefício Definido: Contribuição do Empregado Alteração esclarece os requisitos relacionados a contribuições dos empregados ou de terceiros que estão ligados ao serviço e como deve ser atribuído ao tempo de serviço. Melhorias anuais nas IFRSs ciclo / Pequenas alterações nos pronunciamentos existentes. IFRS 11 (CPC 19) - Acordo contratual conjunto Alteração trata da contabilização para aquisições de participações em operações em conjunto (joint operations). Requer um adquirente de participação de operação em conjunto, onde a atividade seja um negócio, conforme definido no IFRS 3, aplique os princípios contábeis do IFRS 3 e outras normas, exceto quando existir um conflito com o que dita o IFRS 11 e divulgue as informações requeridas pelo IFRS 3 e outros pronunciamentos sobre combinações de negócios. Aplicável tanto para aquisição inicial de participação em operação em conjunto como para aquisição de participação adicional, neste último caso, o investimento mantido anteriormente não é remensurado com efeito prospectivo. IAS 16 (CPC 27) e IAS 38 (CPC 04 (R1)) - Esclarecimento dos métodos de depreciação e amortização aceitáveis Alterações nesses pronunciamentos para clarificar os métodos de depreciação e amortização aceitos. IAS 16 (CPC 27) e IAS 41 (CPC 29) - Agricultura: Plantas produtivas Alterações nesses pronunciamentos para incluir o conceito de bearer plants no escopo do IAS 16, permitindo que tais ativos sejam contabilizados como imobilizado e mensurados depois do reconhecimento inicial pelo custo ou reavaliação de acordo com o que dita o IAS 16. IFRS 15 - Receitas de Contratos com clientes Define 5 passos simples para serem aplicado aos contratos firmados com clientes para fins de reconhecimento de receita e divulgação. Substituirá os pronunciamentos atualmente em vigor sobre o assunto (IAS 18 e IAS 11) e interpretações sobre o tema (IFRIC 13, IFRIC 15 e IFRIC 18). IFRS 9 (CPC 14) - Instrumentos Financeiros Introduz novas exigências para a classificação, mensuração e baixa de ativos e passivos financeiros. O efeito mais significativo decorrente da aplicação da nova norma refere-se à contabilização das variações no valor justo de um passivo financeiro (designado ao valor justo por meio do resultado) atribuíveis a mudanças no risco de crédito daquele passivo. 17

19 Assim, a variação no valor justo do passivo financeiro atribuível a mudanças no risco de crédito daquele passivo é reconhecida em Outros resultados abrangentes, a menos que o reconhecimento dos efeitos das mudanças no risco de crédito do passivo em Outros resultados abrangentes resulte em ou aumente o descasamento contábil no resultado. A Administração da Companhia pretende adotar tais normas quando as mesmas entrarem em vigor e atualmente está em fase de avaliação dos potenciais efeitos desses pronunciamentos e interpretações sobre as suas demonstrações financeiras. No entanto, com base nas avaliações realizadas até o momento, a Administração não espera efeitos significativos decorrentes da adoção dos novos pronunciamentos e interpretações contábeis sobre as suas demonstrações financeiras. 3. PRINCIPAIS POLÍTICAS CONTÁBEIS As principais práticas aplicadas na preparação destas demonstrações financeiras individuais e consolidadas estão definidas a seguir. Essas práticas vêm sendo aplicadas de modo consistente em todos os exercícios apresentados: 3.1. Declaração de conformidade As demonstrações financeiras individuais e consolidadas da Companhia foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil (BR GAAP). As práticas contábeis adotadas no Brasil compreendem aquelas incluídas na legislação societária brasileira e os Pronunciamentos Técnicos, as Orientações e as Interpretações emitidas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) e aprovados pelo Conselho Federal de Contabilidade (CFC), que acompanham as Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS) Base de elaboração As demonstrações financeiras foram elaboradas com base no custo histórico, exceto por determinados instrumentos financeiros mensurados pelos seus valores justos, conforme descrito nas práticas contábeis a seguir. O custo histórico geralmente é baseado no valor justo das contraprestações pagas em troca de ativos (i.e., bens e serviços). O resumo das principais práticas contábeis adotadas é como segue: 3.3. Bases de consolidação e investimentos em controladas As demonstrações financeiras consolidadas incluem as demonstrações financeiras da Companhia e de suas controladas, na mesma data base e de acordo com as mesmas práticas contábeis. O controle é obtido quando a Companhia tem o poder de controlar as políticas financeiras e operacionais de uma entidade para auferir benefícios de suas atividades. 18

20 Desta forma, o processo de consolidação do balanço patrimonial e da demonstração do resultado corresponde à soma dos respectivos ativos, passivos, receitas e despesas, complementado com as seguintes eliminações entre a Controladora e suas controladas diretas: (i) participações no capital social, reservas e lucros ou prejuízos acumulados e investimentos, (ii) saldos de contas correntes e outros ativos e/ou passivos, (iii) efeitos de transações relevantes, (iv) participações de acionistas não controladores nos resultados e nos patrimônios líquidos das controladas. Os resultados das controladas adquiridas ou alienadas durante o exercício estão incluídos nas demonstrações consolidadas do resultado a partir da data da efetiva aquisição até a data da efetiva alienação, conforme aplicável. Quando necessário, as demonstrações financeiras das controladas são ajustadas para adequar suas políticas contábeis àquelas estabelecidas pela Controladora. Todas as transações, saldos, receitas e despesas entre as empresas incluídas nas demonstrações financeiras consolidadas são eliminadas integralmente. Nas controladas em conjunto, as decisões sobre as políticas financeiras e operacionais estratégicas relacionadas às atividades da joint venture requerem a aprovação de todas as partes que compartilham o controle. Nas demonstrações financeiras individuais (Controladora) as informações contábeis das controladas, controladas em conjunto e coligada são reconhecidas por meio do método de equivalência patrimonial. Nas demonstrações financeiras consolidadas (Consolidado) as informações contábeis das controladas em conjunto e coligada também são reconhecidas pelo método de equivalência patrimonial. Em resumo, os investimentos são avaliados pelo método de equivalência patrimonial e deduzidos de provisão para cobrir eventuais perdas na realização desses ativos. Participação em controladas As demonstrações financeiras da Companhia compreendem as informações financeiras de suas controladas diretas, relacionadas a seguir: Participação no capital (%) 31/12/ /12/2013 Controladas diretas Haztec Foxx Holding Controladas indiretas CTRNI CTRA CTRBM Haztec Argentina Foxx Inova

Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL

Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Companhia de Marcas e Controladas

Companhia de Marcas e Controladas Companhia de Marcas e Controladas Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte Touche

Leia mais

Salus Infraestrutura Portuária S.A.

Salus Infraestrutura Portuária S.A. Salus Infraestrutura Portuária S.A. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2014 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte

Leia mais

InterCement Brasil S.A.

InterCement Brasil S.A. InterCement Brasil S.A. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras

Leia mais

Officer Distribuidora de Produtos de Informática S.A.

Officer Distribuidora de Produtos de Informática S.A. Officer Distribuidora de Produtos de Informática S.A. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Biosev Bioenergia S.A.

Biosev Bioenergia S.A. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes ao Exercício Findo em 31 de Março de 2015 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte Touche Tohmatsu

Leia mais

Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes Yuny Incorporadora S.A. Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 e 2012

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

Cerradinho Holding S.A. e Controladas

Cerradinho Holding S.A. e Controladas Cerradinho Holding S.A. e Controladas Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes ao Exercício Findo em 30 de Abril de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmatsu

Leia mais

Luz Franquias S.A. Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Luz Franquias S.A. Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2014 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Leia mais

Lorenge S.A. Participações

Lorenge S.A. Participações Lorenge S.A. Participações Demonstrações Financeiras referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Deloitte

Leia mais

Abril S.A. e empresas controladas

Abril S.A. e empresas controladas Abril S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2010 e Relatório dos Auditores Independentes 1 Abril S.A. e empresas controladas

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15 Combinação de Negócios Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 3 (IASB) (parte) Descrição Item Objetivo 1 Alcance e Finalidade

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A. Índice

Raízen Combustíveis S.A. Índice Raízen Combustíveis S.A. Índice Balanço patrimonial...2 Demonstração do resultado...4 Demonstração do resultado abrangente...5 Demonstração das mutações do patrimônio líquido...6 Demonstração dos fluxos

Leia mais

Banco Volkswagen S.A. Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

Banco Volkswagen S.A. Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes Aos administradores Banco Volkswagen S.A. Examinamos as demonstrações

Leia mais

Parque Eólico Assuruá VII. Relatório dos Auditores Independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014

Parque Eólico Assuruá VII. Relatório dos Auditores Independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 Parque Eólico Assuruá VII Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 Parque Eólico Assuruá VII Demonstrações contábeis Referentes aos exercícios findos em 31

Leia mais

Super 25 Comércio Eletrônico de Óculos e Acessórios S.A.

Super 25 Comércio Eletrônico de Óculos e Acessórios S.A. Super 25 Comércio Eletrônico de Óculos e Acessórios S.A. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2014 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2) Investimento em Coligada, em Controlada e em Empreendimento Controlado em Conjunto Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2010

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2010 Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2010 Equipe técnica Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Ed Ruiz Rogério Mota Emerson Ferreira Jonas Dal

Leia mais

Cerradinho Participações S.A. (Anteriormente denominada Cerradinho Holding S.A.) e Controladas

Cerradinho Participações S.A. (Anteriormente denominada Cerradinho Holding S.A.) e Controladas Cerradinho Participações S.A. (Anteriormente denominada Cerradinho Holding S.A.) e Controladas Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes ao Exercício Findo em 31 de Março de 2012

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Leia mais

CYRELA BRAZIL REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES

CYRELA BRAZIL REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES CYRELA BRAZIL REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 (Em milhares de reais - R$, exceto quando mencionado

Leia mais

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009 Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009 2 Demonstrações financeiras para o exercício findo em 31 de dezembro de 2009 As demonstrações financeiras, modelo

Leia mais

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014 Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014 2 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Acionistas e Administradores do Banco Daycoval S.A. São Paulo - SP Examinamos as demonstrações

Leia mais

RBS Participações S.A. e empresas controladas

RBS Participações S.A. e empresas controladas Demonstrações consolidadas do resultado Exercícios findos em 31 de dezembro Em milhares de reais, exceto valor por ação (Tradução livre do original em inglês) Nota 2014 2013 Receita líquida 18 (a) 487.758

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Acionistas HTL

Leia mais

LDC-SEV Bioenergia S.A. e Controladas

LDC-SEV Bioenergia S.A. e Controladas LDC-SEV Bioenergia S.A. e Controladas Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Março de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte

Leia mais

Demonstrações Financeiras. Alpargatas S.A. 31 de dezembro de 2013 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras. Alpargatas S.A. 31 de dezembro de 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Alpargatas S.A. 31 de dezembro de 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 e 2012 Índice Relatório dos auditores independentes...

Leia mais

Demonstrações Financeiras Magazine Luiza S.A.

Demonstrações Financeiras Magazine Luiza S.A. Demonstrações Financeiras Magazine Luiza S.A. e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras...

Leia mais

Salus Empreendimentos Logísticos S.A.

Salus Empreendimentos Logísticos S.A. Salus Empreendimentos Logísticos S.A. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte

Leia mais

Demonstrações Financeiras Azul S.A. 31 de dezembro de 2013, 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Azul S.A. 31 de dezembro de 2013, 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Azul S.A. 2013, 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras 2013, 2012 e 2011 Índice Relatório dos auditores independentes...1 Demonstrações

Leia mais

Aeté Participações S.A.

Aeté Participações S.A. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2013 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Leia mais

Foz de Jeceaba Engenharia Ambiental S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2011

Foz de Jeceaba Engenharia Ambiental S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2011 Foz de Jeceaba Engenharia Ambiental S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2011 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Em milhares de reais Ativo

Leia mais

Cielo S.A. (anteriormente denominada Companhia Brasileira de Meios de Pagamento) e Controladas

Cielo S.A. (anteriormente denominada Companhia Brasileira de Meios de Pagamento) e Controladas Cielo S.A. (anteriormente denominada Companhia Brasileira de Meios de Pagamento) e Controladas Demonstrações Financeiras Consolidadas Referentes aos Exercícios Findos em 31 de Dezembro de 2009 e de 2008

Leia mais

Ascenty Data Centers Locação e Serviços S.A.

Ascenty Data Centers Locação e Serviços S.A. Ascenty Data Centers Locação e Serviços S.A. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2014 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmatsu Auditores

Leia mais

RBS Participações S.A. e empresas controladas

RBS Participações S.A. e empresas controladas Balanços patrimoniais consolidados em 31 de dezembro Em milhares de reais (Tradução livre do original em inglês) Ativo Nota 2013 2012 Passivo e patrimônio líquido Nota 2013 2012 Circulante Circulante Caixa

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

Even Construtora e Incorporadora S.A. e Controladas

Even Construtora e Incorporadora S.A. e Controladas Even Construtora e Incorporadora S.A. e Controladas Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2014 e Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas

Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS, em 31 de dezembro de 2013 e Relatório dos

Leia mais

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstração do resultado Exercício/período findo em 31 de dezembro Receita líquida (Nota 14) 13.913 Custo

Leia mais

Demonstrações Contábeis Cimento Tupi S.A. e Empresas Controladas

Demonstrações Contábeis Cimento Tupi S.A. e Empresas Controladas Demonstrações Contábeis Cimento Tupi S.A. e Empresas Controladas 31 de dezembro de 2012 com o Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis Demonstrações contábeis 31 de dezembro

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 81674 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados 6 Demonstrações de resultados abrangentes 7 Demonstrações

Leia mais

T4F Entretenimento S.A.

T4F Entretenimento S.A. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte Touche Tohmatsu

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

Demonstrações Financeiras Concessionária Ecovias dos Imigrantes S.A.

Demonstrações Financeiras Concessionária Ecovias dos Imigrantes S.A. Demonstrações Financeiras Concessionária Ecovias dos Imigrantes S.A. 31 de dezembro de 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Condomínio São Luiz Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 1830 Torre

Leia mais

Comparações entre Práticas Contábeis

Comparações entre Práticas Contábeis IAS 12, SIC-21, SIC-25 SFAS 109, I27, muitas questões EITF NPC 25 do Ibracon, Deliberação CVM 273/98 e Instrução CVM 371/02 Pontos-chave para comparar diferenças D i f e r e n ç a s S i g n i f i c a t

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Demonstrações Financeiras Estácio Participações S.A.

Demonstrações Financeiras Estácio Participações S.A. Demonstrações Financeiras Estácio Participações S.A. 31 de dezembro de 2011 e 2010 com Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Demonstrações financeiras individuais e consolidadas

Leia mais

Qualicorp S.A.(anteriormente QC Holding I Participações S.A). e Controladas

Qualicorp S.A.(anteriormente QC Holding I Participações S.A). e Controladas Qualicorp S.A.(anteriormente QC Holding I Participações S.A). e Controladas Demonstrações Financeiras Intermediárias Individuais e Consolidadas Referentes ao Período de Três Meses Findo em 31 de Março

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

Boa Vista Serviços S.A.

Boa Vista Serviços S.A. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2014 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Leia mais

Salus Empreendimentos Logísticos II S.A.

Salus Empreendimentos Logísticos II S.A. Salus Empreendimentos Logísticos II S.A. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte

Leia mais

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT CPC 15 Combinações de Negócios Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT Agenda Introdução e Objetivos Alcance Definições e Escopo Tipos de Aquisições Aplicação do Método de Aquisição Ativos e Passivos

Leia mais

Prosegur Brasil S.A. Transportadora de Valores e Segurança. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e 2011

Prosegur Brasil S.A. Transportadora de Valores e Segurança. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e 2011 Prosegur Brasil S.A. Transportadora de Valores e Segurança Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e 2011 Prosegur Brasil S.A. Transportadora de Valores e Segurança Balanços Patrimoniais em

Leia mais

Axxiom Soluções Tecnológicas S.A.

Axxiom Soluções Tecnológicas S.A. Axxiom Soluções Tecnológicas S.A. Demonstrações Financeiras referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Prosegur Brasil S.A. Transportadora de Valores e Segurança KPMG Auditores Independentes Abril de 2012 KPDS 42226 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços

Leia mais

Instituto Lina Galvani

Instituto Lina Galvani Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Passivo e patrimônio social 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Demonstrações financeiras individuais e consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras individuais e consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Demonstrações financeiras individuais e consolidadas em KPDS 88296 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados

Leia mais

Aqua-Rio Aquário Marinho do Rio de Janeiro S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de

Aqua-Rio Aquário Marinho do Rio de Janeiro S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de Aqua-Rio Aquário Marinho do Rio de Janeiro S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Relatório

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Prosegur Brasil S.A. Transportadora de Valores e Segurança KPDS 86275 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados

Leia mais

Qualicorp S.A. e Controladas

Qualicorp S.A. e Controladas Qualicorp S.A. e Controladas Informações Contábeis Intermediárias Individuais e Consolidadas Referentes ao Trimestre e Semestre Findos em 30 de Junho de 2012 e Relatório sobre a Revisão de Informações

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 7 Demonstração

Leia mais

A Sede Social da Companhia está localizada na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 1455 Itaim Bibi - Cep:04543-011 São Paulo/SP

A Sede Social da Companhia está localizada na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 1455 Itaim Bibi - Cep:04543-011 São Paulo/SP 1. Contexto operacional A Cyrela Brazil Realty S.A. Empreendimentos e Participações ( Companhia ) é uma sociedade anônima de capital aberto com sede em São Paulo, Estado de São Paulo, tendo suas ações

Leia mais

Abril Comunicações S.A.

Abril Comunicações S.A. Abril Comunicações S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS em 31 de Dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes Abril Comunicações S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

Leia mais

GRUPO VIRGOLINO DE OLIVEIRA AGROPECUÁRIA NOSSA SENHORA DO CARMO S.A.

GRUPO VIRGOLINO DE OLIVEIRA AGROPECUÁRIA NOSSA SENHORA DO CARMO S.A. GRUPO VIRGOLINO DE OLIVEIRA AGROPECUÁRIA NOSSA SENHORA DO CARMO S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS INDIVIDUAIS E CONSOLIDADAS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 30 DE ABRIL DE 2010 E 2009 E PARECER DOS AUDITORES

Leia mais

Ascenty Data Centers Locação e Serviços S.A.

Ascenty Data Centers Locação e Serviços S.A. Ascenty Data Centers Locação e Serviços S.A. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2013 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Brasil Auditores Independentes

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

Lorenge S.A. Participações

Lorenge S.A. Participações Lorenge S.A. Participações Demonstrações Financeiras referente ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Deloitte

Leia mais

Demonstrações Financeiras Azul S.A. 31 de dezembro de 2014, 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Azul S.A. 31 de dezembro de 2014, 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Azul S.A. com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes...1 Demonstrações financeiras auditadas Balanços patrimoniais...3

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA

Leia mais

Demonstrações Financeiras Hortigil Hortifruti S.A.

Demonstrações Financeiras Hortigil Hortifruti S.A. Demonstrações Financeiras Hortigil Hortifruti S.A. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes sobre

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00414-6 KARSTEN S.A. 82.640.558/0001-04 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00414-6 KARSTEN S.A. 82.640.558/0001-04 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/29 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

T4F Entretenimento S.A.

T4F Entretenimento S.A. T4F Entretenimento S.A. Informações Contábeis Intermediárias Individuais e Consolidadas Referentes ao Trimestre Findo em 31 de Março de 2015 e Relatório Sobre a Revisão de Informações Contábeis Intermediárias

Leia mais

Ecopart Investimentos S.A.

Ecopart Investimentos S.A. Ecopart Investimentos S.A. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2013 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte Touche Tohmatsu

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais S.A. BDMG

Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais S.A. BDMG Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais S.A. BDMG 31 de dezembro de 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras consolidadas

Leia mais

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014 Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas Demonstrações financeiras em IFRS e baseadas nos Pronunciamentos Técnicos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC em

Leia mais

Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.)

Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.) Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2013 e Relatório dos Auditores

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 Fevereiro/2011 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

Construtora Aterpa M. Martins S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de 2013

Construtora Aterpa M. Martins S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de 2013 Construtora Aterpa M. Martins S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações

Leia mais

Copobras da Amazônia Industrial de Embalagens Ltda.

Copobras da Amazônia Industrial de Embalagens Ltda. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 7) 1.440 1.112 Fornecedores(Nota 14) 3.537 4.353 Contas a receber

Leia mais

Demonstrações Financeiras Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - Ecosul

Demonstrações Financeiras Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - Ecosul Demonstrações Financeiras Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - Ecosul 31 de dezembro de 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Índice

Leia mais

Exercício 2008. Checklist para elaboração de demonstrações financeiras

Exercício 2008. Checklist para elaboração de demonstrações financeiras Exercício 2008 Checklist para elaboração de demonstrações financeiras 2 Checklist De acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil Este checklist foi desenvolvido com a finalidade de auxiliar na

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda

Rodobens Locação de Imóveis Ltda Rodobens Locação de Imóveis Ltda Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2011 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos auditores

Leia mais

Guararapes Confecções S.A. e Controladas

Guararapes Confecções S.A. e Controladas 1 Informações gerais Atividades operacionais A Guararapes Confecções S.A. ( Companhia ) e suas controladas (conjuntamente, "o Grupo"), constituída em 6 de outubro de 1956, é uma sociedade anônima de capital

Leia mais

Biosev Bioenergia S.A.

Biosev Bioenergia S.A. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes ao Exercício Findo em 31 de Março de 2013 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte Touche Tohmatsu

Leia mais

Conciliação do BR GAAP com o IFRS Resultado e Patrimônio Líquido em 31 de dezembro de 2008

Conciliação do BR GAAP com o IFRS Resultado e Patrimônio Líquido em 31 de dezembro de 2008 Bovespa: TPIS3 www.tpisa.com.br Departamento de RI Diretoria Ana Cristina Carvalho ana.carvalho@tpisa.com.br Gerência Mariana Quintana mariana.quintana@tpisa.com.br Rua Olimpíadas, 205-14º andar Fone +55

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13 Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13 Adoção Inicial da Lei n o 11.638/07 e da Medida Provisória n o 449/08 Observação: Este sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado apenas

Leia mais

AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S.A.

AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S.A. AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S.A. Demonstrações Contábeis com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia, com sede em Gravataí (RS) e unidade industrial em Glorinha (RS), tem por objeto a industrialização, comércio, importação, exportação e beneficiamento de aços e metais,

Leia mais

Alcoa Alumínio S.A. Demonstrações financeiras consolidadas e individuais em 31 de dezembro de 2011 e relatório dos auditores independentes

Alcoa Alumínio S.A. Demonstrações financeiras consolidadas e individuais em 31 de dezembro de 2011 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras consolidadas e individuais em 31 de dezembro de 2011 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras consolidadas

Leia mais

SIFCO S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 ACOMPANHADAS DO RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES

SIFCO S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 ACOMPANHADAS DO RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SIFCO S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 ACOMPANHADAS DO RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SIFCO S.A. CE-0182/14 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012

Leia mais

Demonstrações financeiras. Camil Alimentos S.A.

Demonstrações financeiras. Camil Alimentos S.A. Demonstrações financeiras Camil Alimentos S.A. 28 de fevereiro de 2011, 2010 e 2009 Demonstrações Financeiras Individuais (Controladora) elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil,

Leia mais