Projeções dos Demonstrativos Contábeis. Prof. Isidro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeções dos Demonstrativos Contábeis. Prof. Isidro"

Transcrição

1 Projeções dos Demonstrativos Contábeis Prof. Isidro

2 Planejamento Financeiro O planejamento financeiro de uma empresa busca determinar suas necessidades de caixa e é feito em dois níveis: Curto prazo (operacional) Longo prazo (estratégico)

3 Planejamento Financeiro de Curto Prazo (Operacional) Os planos financeiros de curto prazo (operacionais) permitem estimar as necessidades de caixa no curto prazo, com atenção especial a superávits e déficits, em período de normalmente um ano É comum serem preparados orçamentos mensais para um período de um ano.

4 Planejamento Financeiro de Longo Prazo (Estratégico) Os planos financeiros de longo prazo (estratégicos) estipulam as medidas financeiras planejadas da empresa para períodos de dois a dez anos Esses planos representam um dos componentes de um plano estratégico integrado de uma empresa (juntamente com planos de produção e marketing) e ajudam a orientá-la na direção de seus objetivos de longo prazo

5 Planejamento Financeiro de Longo Prazo (Estratégico) Os planos financeiros de longo prazo consideram uma variedade de atividades financeiras, incluindo: gastos propostos em ativos não circulantes (investimentos); atividades de pesquisa e desenvolvimento; desenvolvimento de produtos e marketing; estrutura de capital; fontes básicas de financiamento.

6 Principais Usos do Fluxo de Caixa O fluxo de caixa é um dos principais instrumentos de planejamento financeiro. Ele é utilizado para: 1. Identificar as necessidades de caixa no curto e no longo prazo 2. Tomada de decisões de investimento

7 Fluxo de Caixa Apura as entradas e saídas de caixa ao longo de um período. Seu objetivo final é apresentar a geração de caixa do período Ao contrário da DRE, utiliza o regime de caixa, não de competência (ex.: vendas à prazo não gera entrada de caixa imediata, mas só no momento do pagamento da duplicata) Fluxo de Caixa = Entradas de Caixa (-) Saídas de Caixa

8 Fluxo de Caixa: Exemplos de Entradas e Saídas Entradas Saídas Vendas a vista Cobranças Descontos Dupl. Rec. Financeiras Aportes de Cap. Empréstimos Outros CAIXA Fornecedores Pessoal Governo Desp. Financeiras Pgto. Dividendos Pgto. Empréstimos Outros

9 Fluxo de Caixa Exemplos de transações que não afetam imediatamente o caixa: Depreciação, Amortização e Exaustão Provisões para Liquidação de Devedores Duvidosos Venda à Prazo (Contas a Receber) Compras à Prazo (Contas a Pagar) Aquisição de equipamentos financiados

10 Métodos de Projeção do Orçamento de Caixa Método direto Utilizado normalmente para projeções de curto prazo São computadas diretamente todas as entradas (recebimentos) e saídas de caixa (pagamentos) Método indireto Utilizado normalmente para projeções de longo prazo A projeção do fluxo de caixa começa com o lucro líquido do período e os itens da DRE sem efeito caixa são estornados Neste método, é necessário fazer os ajustes das contas de capital de giro

11 Elaboração do Orçamento de Caixa para Planejamento de Curto Prazo: Método Direto

12 Plano Financeiro de Curto Prazo (Orçamento de Caixa): Método Direto No método direto, o orçamento de caixa começa com a previsão de vendas Com base na previsão de vendas, é feita a projeção dos recebimentos mensais Os pagamentos mensais são projetados, com base nas previsões de compras de matérias-primas, salários, despesas, etc

13 Orçamento de Caixa pelo Método Direto JAN FEV... NOV DEZ Total de recebimentos $XXX $XXG $XXM $XXT (-) Total de pagamentos XXA XXH... XXN XXU (=) Fluxo Líquido de Caixa $XXB $XXI $XXO $XXV (+) Saldo Inicial de Caixa XXC XXD $XXJ XXP XXQ (=) Saldo Final de Caixa $XXD $XXJ $XXQ $XXW (-) Saldo Mínimo de Caixa XXE XXK... XXR XXY Financiamento total exigido $XXL $XXS Saldo excedente $XXF $XXZ

14 Exemplos de Entradas de Caixa Recebimentos das vendas Recebimentos à vista de vendas do próprio mês Recebimentos de vendas de outros meses (vendas à prazo) Outros recebimentos: Aluguel para terceiros Venda de ativos etc

15 Exemplos de Saídas de Caixa Pagamento por aquisição de matéria-prima Pagamento de salários Pagamento de impostos Investimentos Pagamento de principal e/ou juros de dívida Pagamentos de aluguel Pagamento de dividendos

16 Método Direto: Exemplo A Indústria Hartmann está elaborando um orçamento de caixa para o período de outubro, novembro e dezembro. As vendas da empresa, em agosto, foram de $ e, em setembro, de $ Vendas de $ , $ e $ foram previstas, respectivamente, para outubro, novembro e dezembro. Historicamente, 20% das vendas têm sido à vista, 50% têm gerado contas a receber cobradas um mês mais tarde e os 30% restantes têm gerado contas a receber cobradas dois meses mais tarde. Em dezembro, a empresa receberá dividendos de $ de ações de uma subsidiária.

17 Com essas informações, é possível elaborar a seguinte planilha de programação de recebimentos projetados da Indústria Hartmann. Vendas previstas PROGRAMAÇÃO DE RECEBIMENTOS ($1.000) Meses AGO 100 SET 200 OUT 400 NOV 300 Vendas à vista (0,20) Recebimentos de contas a receber Um mês (0,50) Dois meses (0,30) Outros recebimentos 30 DEZ 200 Total

18 A Hartmann também coletou as seguintes informações relevantes para a elaboração da Planilha de programação de pagamentos : as compras representarão 70% das vendas 10% serão pagos à vista, 70% serão pagos no mês seguinte ao da compra e os 20% restantes serão pagos dois meses após a compra. A empresa também gastará dinheiro pagando aluguel, salários, impostos, comprando ativos fixos, pagando juros, dividendos, bem como uma parte de suas dívidas. Segue-se o quadro resultante de pagamentos projetados.

19 Compras (0,70 vendas) PROGRAMAÇÃO DE PAGAMENTOS ($1.000) Meses AGO 70 SET 140 OUT 280 NOV 210 Compras à vista (0,10) Pagamentos a fornecedores: Um mês (0,70) Dois meses (0,20) Pagamento de aluguel Salários e vencimentos Pagamentos de impostos 25 Gastos com ativos não circulantes 130 Pagamento de juros 10 Pagamento de dividendos 20 Amortização de empréstimo 20 DEZ 140 Total

20 O orçamento de caixa da Indústrias Hartmann pode ser obtido combinando-se as planilhas de programação de recebimentos com o de pagamentos. No final de setembro, o saldo de caixa da Hartmann era de $ A Hartmann também deseja manter um saldo mínimo de caixa de $ Em consequência, terá um saldo superior ao mínimo em outubro, e um saldo insuficiente em novembro e dezembro. Disso tudo resulta o orçamento de caixa a seguir.

21 ORÇAMENTO DE CAIXA ($1.000) OUT NOV DEZ Total de recebimentos (-) Total de pagamentos (=) Fluxo Líquido de Caixa (3) (98) 35 (+) Saldo Inicial de Caixa (51) (=) Saldo Final de Caixa 47 (51) (16) (-) Saldo Mínimo de Caixa Financiamento total exigido (Instituições financeiras a pagar)¹ Saldo excedente (Aplicações em títulos de curto prazo)² ¹São inseridos valores nessa linha quando o saldo final de caixa é inferior o saldo mínimo desejado. Esses valores são financiados no curto prazo e, portanto, correspondem a notas promissórias a pagar a instituições financeiras. ²São inseridos valores nessa linha quando o saldo final de caixa é superior ao saldo mínimo desejado. Esses valores são aplicados no curto prazo e, portanto, correspondem a títulos negociáveis de renda fixa.

22 Lidando com Incerteza no Orçamento de Caixa Uma das maneiras de lidar com a incerteza na elaboração de orçamentos de caixa é preparar orçamentos diferentes para cada cenário (exemplo: pessimista, mais provável, otimista) Com base nesses fluxos, o administrador financeiro pode determinar o volume de financiamento necessário para cobrir a situação mais desfavorável

23 Análise de sensibilidade do Orçamento de Caixa da Indústria Hartmann Outubro ($1.000) Novembro ($ 1.000) Dezembro ($1.000) P MP O P MP O P MP O Total de recebimentos (-) Total de pagamentos (=) Fluxo Líquido de Caixa (40) (3) 37 (170) (98) (57) (5) (+) Saldo Inicial de Caixa (160) (51) 30 (=) Saldo Final de Caixa (160) (51) 30 (165) (16) 132 (-) Saldo Mínimo de Caixa Financiamento total exigido Saldo excedente de Caixa P Cenário Pessimista MP Cenário Mais Provável O Cenário Otimista

24 Projeção do Fluxo de Caixa para Planejamento de Longo Prazo: Método Indireto

25 Elaboração do Orçamento de Caixa para Plano de Longo Prazo: Método Indireto No método indireto, a base para projeção do fluxo de caixa é a Demonstração de Resultados Projetada Com base no lucro líquido estimado pela projeção da DRE anual, é feita a projeção do fluxo de caixa anual

26 Demonstração de Fluxos de Caixa da Hartman Fluxo de caixa de atividades operacionais 210 Lucro líquido após o imposto de renda 213 Exemplo de Fluxo de Caixa pelo Método Indireto Depreciação (3) (Redução de contas a receber 50 Redução de estoques 47 Aumento das contas a pagar - fornecedores 25 Redução da despesa a pagar - Caixa gerado pelas atividades operacionais 22 Fluxo de caixa de atividades de investimento Aumento de ativos não circulantes (valor bruto) Variação de participações acionárias Caixa gerado pelas atividades de investimento Fluxo de caixa de atividades de financiamento Redução de instituições financeiras à pagar Aumento de dívidas de longo prazo Variação do patrimônio líquido Dividendos pagos Caixa gerado pelas atividades de financiamento Aumento líquido dos saldo de caixa e aplicações em títulos de curto prazo

27 No método indireto, a elaboração do Fluxo de Caixa começa pela projeção da Demonstração de Resultados Demonstração de Resultados da Hartman (Em milhares de R$) Receita de vendas (-) Custo dos produtos vendidos Lucro bruto 700 (-) Despesas operacionais Despesas de venda 70 Despesas gerais e administrativas 120 Aluguéis 40 Despesa de depreciação 100 Total das despesas operacionais 330 Lucro antes de juros e imposto de renda (LAJIR) 370 (-) Despesas financeiras 70 Lucro antes de imposto de renda 300 (-) Imposto de renda 120 Lucro após imposto de renda 180 (-) Dividendo de ações preferenciais 10 Lucro disponível para os acionistas ordinários 170 O lucro líquido do período serve de base para projeção do fluxo de caixa.

28 Projeção do Fluxo de Caixa pelo Método Indireto Após a projeção da DRE, é possível projetar o fluxo de caixa partindo do lucro líquido projetado O fluxo de caixa pelo método indireto se divide em 3 grupos: Fluxo de caixa operacional Fluxo de caixa dos investimentos Fluxo de caixa dos financiamentos

29 Principais Contas de cada Item do Fluxo de Caixa pelo Método Indireto 1) Fluxo de caixa operacional: Lucro líquido + Estorno de itens da DRE sem efeito caixa (ex.: depreciação) +/- Variação nas contas de capital de giro 2) Fluxo de caixa dos investimentos: - Aquisição de ativos + Venda de Ativos 3) Fluxo de caixa dos financiamentos: + Recebimento de novos financiamentos - Pagamento de financiamentos existentes - Pagamento de dividendos +/- Receitas/Despesas financeiras

30 Projeção da Demonstração de Resultados

31 Etapas Os dados necessários para projetar a demonstração de resultados são: demonstração de resultados do ano anterior; previsão de vendas para o ano a ser projetado; premissas básicas a respeito de alguns itens da DRE (ex.: impostos, custos, despesas).

32 Projetar crescimento do volume de vendas sobre ano anterior, para cada linha de produto Estimar preços unitários para cada linha de produto Projetar impostos sobre vendas Projetar custos (variáveis e fixos) Projetar despesas operacionais (variáveis e fixas) Projetar impostos sobre lucro líquido (imposto de renda e contribuição social)

33 Dicas para Projetar a Demonstração de Resultados Volume de vendas: trabalhar com uma taxa de crescimento sobre mês ou ano anterior Impostos sobre vendas: usar alíquota de anos anteriores sobre receita bruta Custos variáveis: trabalhar com % sobre receita bruta com base em anos anteriores Despesas variáveis: trabalhar com % sobre receita bruta com base em anos anteriores Imposto de renda e contribuição social: trabalhar com alíquotas reais

34 Projeção da DRE: Exemplo Suponha uma empresa com a seguinte Demonstração de Resultados realizada em 2010: Demonstração de Resultados da Hartman 2010 $ mil Receita bruta (-) Dedução sobre vendas Receita Líquida (-) Custos dos Produtos Vendidos Variável Fixo Lucro bruto (-) Despesas operacionais (-) Despesas financeiras Lucro antes de imposto de renda (-) Imposto de renda 495 Lucro líquido 1.005

35 Digamos que a empresa deseje projetar a DRE de 2011 em moeda corrente Suponha que a empresa projete as seguintes variações para os itens da receita: Crescimento do volume de vendas em 5,0% em relação à 2010 Aumento nos preços apenas conforme inflação, prevista em 3,5% ao ano (assumindo que não haverá aumento real dos preços)

36 As outras contas podem ser projetadas da seguinte forma: Manter mesma alíquota de impostos sobre vendas de 2010 Variar custo e despesas variáveis conforme variação da receita bruta de 2010 para 2011 Corrigir custos e despesas fixas pela inflação Supondo que o perfil da dívida não mudará, as despesas financeiras podem se manter constantes Aplicar alíquota de imposto de renda e contribuição social sobre lucro tributável (ex.: 33%)

37 Com base na composição da receita da empresa em 2010 (volume e preço), e supondo que a empresa possui a abertura dos custos e despesas fixas e variáveis daquele ano, a projeção da DRE de 2011 poderia ser feita conforme slide a seguir:

38 Projeção da DRE de 2011: Demonstração de Resultados da Hartman (Em $ mil) 2010 Histórico 2011 Projetado Crescimento de 5,0% Volume (em milhares) Preço unitário 15,00 15,53 Receita bruta (-) Dedução sobre vendas Receita Líquida (-) Custos dos Produtos Vendidos Variável Fixo Lucro bruto (-) Despesas operacionais Variáveis Fixas (-) Despesas financeiras Lucro antes de imposto de renda (-) Imposto de renda Lucro líquido Variação de 3,5% (inflação) Supondo em 2011 mesma alíquota de 2010 Crescimento de 8,7% para custos e despesas variáveis (assumido igual à variação da receita bruta) Custos e despesas fixas variando conforme inflação de 3,5% * supondo variação do preço unicamente devido à inflação de 3,5% ao ano (caso se assumisse um aumento real dos preços, este aumento deveria ser adicionado à variação da inflação)

39 Após a projeção da DRE, é possível projetar o primeiro grupo de itens, o fluxo de caixa operacional: Lucro líquido + Estorno de itens da DRE sem efeito caixa (ex.: depreciação) +/- Variação nas contas de capital de giro

40 Supondo que a depreciação embutida na projeção da DRE de 2011 seja de R$5,5 milhões, temos então os seguintes dados para o fluxo operacional (em R$ mil): Lucro líquido projetado Estorno da depreciação /- Variação nas contas de capital de giro???? Sub-total????

41 Para projetar o grupo de itens do fluxo operacional, fica faltando então projetar a variação das contas de capital de giro Apesar da importância de apurar a variação de todas contas de capital de giro, estaremos nos concentrando nas 3 principais: Variação do contas a receber Variação dos estoques Variação do contas a pagar

42 Por quê projetar a variação nas contas de capital de giro? Quando a projeção de fluxo de caixa é feita pelo método indireto, a projeção da variação das contas de capital de giro é necessária para compensar os itens da demonstração de resultados que não têm efeito imediato no caixa (lembre-se que a DRE não é baseada em regime de caixa) Exemplo de ajustes: Vendas à prazo (vendas contabilizadas em determinado ano só serão recebidas no ano seguinte) Pagamentos à prazo (custos e despesas contabilizados em determinado ano só serão pagos no ano seguinte)

43 Variações no Contas a Receber: Exemplo Suponha que a empresa do exemplo anterior demore em média um mês para receber suas vendas Portanto, as vendas de dezembro de 2010 só serão recebidas em janeiro de 2011 Da mesma forma, as vendas de dezembro de 2010 só serão recebidas em 2011 Para ajustar o fluxo de caixa de 2011, teríamos que somar os recebimentos em 2011 referentes à 2010 ( /12=12.500) e subtrair a receita de 2011 que só será recebida em 2012 ( /12=13.584) Neste caso, portanto, seria necessário fazer um ajuste de -R$1.084 (= )

44 Note que estes valores se referem às contas do Balanço Patrimonial: Balanço Patrimonial - 31/12/2005 ATIVO Ativo Circulante Contas a receber PASSIVO + PATR. LÍQUIDO Passivo Circulante Ajuste de contas a receber no fluxo de caixa de 2006 = + Contas a receber em 2005 (-) Contas a receber em 2006 Realizável a Lgo Prazo Exigível a Lgo Prazo Ativo Permanente Patrimônio Líquido Balanço Patrimonial - 31/12/2006 ATIVO PASSIVO + PATR. LÍQUIDO Ativo Circulante Passivo Circulante Contas a receber Realizável a Lgo Prazo Ativo Permanente Exigível a Lgo Prazo Patrimônio Líquido

45 Variações no Estoques: Exemplo Suponha que a empresa do exemplo anterior mantenha 30 dias de CMV em estoque Neste caso, o estoque de 2005 só será vendido em 2006, e o estoque de 2006 só será vendido em 2007 É necessário, portanto, fazer os ajustes de caixa Para calcular o estoque final de 2005, podemos considerar 30 dias do CMV de 2005: /12=8.750 Para calcular o estoque final de 2006, utilizamos o CMV projetado para este ano: /12=9.396

46 O impacto da variação do estoque no fluxo de caixa segue a mesma lógica do contas a receber (somar saldo do início do ano e subtrair saldo do final do ano): = (646)

47 Pelo Balanço Patrimonial: Balanço Patrimonial - 31/12/2005 ATIVO Ativo Circulante Estoques PASSIVO + PATR. LÍQUIDO Passivo Circulante Ajuste de estoques no fluxo de caixa de 2006 = + Estoques em 31/12/2005 (-) Estoques em 31/12/2006 Realizável a Lgo Prazo Exigível a Lgo Prazo Ativo Permanente Patrimônio Líquido Balanço Patrimonial - 31/12/2006 ATIVO PASSIVO + PATR. LÍQUIDO Ativo Circulante Passivo Circulante Estoques Realizável a Lgo Prazo Ativo Permanente Exigível a Lgo Prazo Patrimônio Líquido

48 Variações no Contas a Pagar: Exemplo Suponha que a empresa do exemplo demore em média 45 dias para pagar suas compras de matéria-prima Note que o valor das compras de cada ano não é uma informação disponível na DRE da empresa Mas é possível estimar o valor das compras como um percentual do CMV Digamos que as matérias-primas representem 70% do CMV Neste caso, podemos projetar as compras de cada ano da empresa como sendo 70% do CMV

49 Para 2005, portanto, teríamos que as compras da empresa foram de: E para 2006: 0,7 x = ,7 x = Dado que a empresa demora 45 dias para pagar suas compras, temos que o saldo de contas a pagar a fornecedores no final de 2005 é de: E no final de 2006: / 360 x 45 = / 360 x 45 = 9.866

50 Atenção para o ajuste do impacto da variação do contas a pagar no fluxo de caixa da empresa, pois o critério é o inverso: subtrair o saldo inicial e somar o saldo final Neste caso, temos portanto: (9.188) = 678

51 No caso das contas de passivo circulante, a lógica é inversa (subtrai-se o saldo do ano anterior e soma-se o saldo do final do ano projetado): Balanço Patrimonial - 31/12/2005 ATIVO Ativo Circulante PASSIVO + PATR. LÍQUIDO Passivo Circulante Fornecedores Ajuste de contas a pagar no fluxo de caixa de 2006 = - Contas a pagar de Contas a pagar de 2006 Realizável a Lgo Prazo Ativo Permanente ATIVO Ativo Circulante Exigível a Lgo Prazo Patrimônio Líquido Balanço Patrimonial - 31/12/2006 PASSIVO + PATR. LÍQUIDO Passivo Circulante Fornecedores Realizável a Lgo Prazo Ativo Permanente Exigível a Lgo Prazo Patrimônio Líquido

52 Dicas para Projetar a Variação nas Contas de Capital de Giro O impacto da variação das contas de capital de giro no fluxo de caixa deve ser computado da seguinte forma: Para contas de ativo circulante: + Saldo do início do ano (-) saldo do final do ano Para contas de passivo circulante: (-) Saldo do início do ano + saldo do final do ano

53 Impacto da Variação nas Contas de Capital de Giro no Fluxo de Caixa Aumento Ativo Circulante Diminuição Ativo Circulante Aumento Passivo Circulante Diminuição Passivo Circulante Saída de Caixa Entrada de Caixa Entrada de Caixa Saída de Caixa

54 Temos então como resultado final o seguinte fluxo de caixa operacional para o exemplo: Lucro líquido projetado Estorno da depreciação /- Variação no Contas a Receber (1.084) +/- Variação no Estoque (646) +/- Variação no Contas a Pagar 678 Sub-total 6.769

55 Fica faltando projetar ainda os fluxos dos investimentos e dos financiamentos: 1) Fluxo de caixa operacional: Lucro líquido + Estorno de itens da DRE sem efeito caixa (ex.: depreciação) +/- Variação nas contas de capital de giro 2) Fluxo de caixa dos investimentos: - Aquisição de ativos + Venda de Ativos 3) Fluxo de caixa dos financiamentos: + Recebimento de novos financiamentos - Pagamento de financiamentos existentes - Pagamento de dividendos

56 Fluxo dos Investimentos: Exemplo O principal item do fluxo dos investimentos é a apuração das saídas de caixa referente à compra de ativos (ex.: equipamentos, informática, veículos, móveis, prédios, etc) É possível as saídas de caixa referentes aos investimentos com base no Plano de Investimentos Anual da Empresa

57 Suponha que, com base no Plano de Investimento da empresa, é possível identificar investimentos de R$15 milhões em 2006

58 Suponha que, com base no Plano de Investimento da empresa, é possível identificar investimentos de R$15 milhões em 2006

59 Neste caso, teríamos então o seguinte fluxo de caixa: 1) Fluxo de caixa operacional: Lucro líquido Estorno da depreciação /- Variação nas contas de capital de giro (1.052) Sub-total: ) Fluxo de caixa dos investimentos: - Aquisição de ativos (15.000) 3) Fluxo de caixa dos financiamentos: + Recebimento de novos financiamentos??? - Pagamento de financiamentos existentes??? - Pagamento de dividendos???

60 Os principais itens do fluxo dos financiamentos são: Recebimento de novos financiamentos Pagamento de financiamentos existentes Pagamento de dividendos

61 Os novos financiamentos podem ser projetados como um percentual dos investimentos Suponha que, em média, a empresa do exemplo consiga financiar 70% dos seus investimentos Nesse caso, os recebimentos de novos financiamentos em 2006 seriam de: 0,70 x R$15 milhões = R$10.500

62 Digamos ainda que a empresa tenha que pagar em 2006: R$8,0 milhões referente ao repagamento do principal de financiamentos antigos R$580 mil referente a pagamento de dividendos aos acionistas

63 O fluxo de caixa final ficaria então da seguinte forma: 1) Fluxo de caixa operacional: Lucro líquido Estorno da depreciação /- Variação nas contas de capital de giro (1.052) Sub-total: ) Fluxo de caixa dos investimentos: - Aquisição de ativos (15.000) 3) Fluxo de caixa dos financiamentos: + Recebimento de novos financiamentos Pagamento de financiamentos existentes (8.000) - Pagamento de dividendos (580) Sub-total: Geração (Consumo) de Caixa no Ano (6.311)

64 Fechamento do Fluxo de Caixa: Saldo Inicial e Saldo Final Para encontrar o saldo final de caixa de cada ano, é necessário somar a geração (ou consumo) de caixa do ano projetado ao saldo de caixa inicial Suponha que no início de 2006 a empresa tivesse R$7,0 milhões de saldo inicial de caixa, conforme informação do seu balanço

65 Neste caso, teríamos então a seguinte apuração do saldo final de caixa em 2006 (em R$ mil): Saldo de caixa no início de Consumo de caixa projetado para 2006 (6.311) Saldo de caixa no final de

66 Vínculo entre Fluxo de Caixa e Balanço Patrimonial O saldo de caixa inicial pode ser encontrado no Balanço Patrimonial da empresa A demonstração de fluxo de caixa relaciona o Balanço Patrimonial do início do período ao Balanço Patrimonial do final do período O aumento (redução) do caixa ao longo do ano deve ser equivalente à diferença entre os saldos de caixa do Balanço Patrimonial no início e no final do ano projetado

67 Vínculo entre Fluxo de Caixa e Balanço Patrimonial: Balanço Patrimonial - 31/12/2005 ATIVO Ativo Circulante Caixa e bancos PASSIVO + PATR. LÍQUIDO Passivo Circulante Variação do caixa = Fluxo de Caixa Projetado Realizável a Lgo Prazo Exigível a Lgo Prazo Ativo Permanente Patrimônio Líquido Balanço Patrimonial - 31/12/2006 ATIVO Ativo Circulante Caixa e bancos 689 Realizável a Lgo Prazo Ativo Permanente PASSIVO + PATR. LÍQUIDO Passivo Circulante Exigível a Lgo Prazo Patrimônio Líquido

68 Referências GITMAN, L. J. Principles of managerial finance, 2 ed., Massachusetts: Addison-Wesley, WELSCH, G. A. et. al Budgeting: profit planning and control, 5 ed., New Jersey: Prentice-Hall, 1988.

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

Fluxo de Caixa método direto e indireto

Fluxo de Caixa método direto e indireto Fluxo de Caixa método direto e indireto A empresa Claudio Zorzo S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000 Capital Social

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DFC A DFC é uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período e que provocaram modificações nas disponibilidades da empresa

Leia mais

Marketing Prof. Sidney Leone. Hoje Você Aprenderá: Ferramentas. Gestão Financeira: Planejamento Financeiro

Marketing Prof. Sidney Leone. Hoje Você Aprenderá: Ferramentas. Gestão Financeira: Planejamento Financeiro Marketing Prof. Sidney Leone Gestão Financeira: Planejamento Financeiro Hoje Você Aprenderá: Demonstrativos financeiros da empresa (Balanço Patrimonial, DRE, DMPL etc...) Análise econômicofinanceira.(fluxo

Leia mais

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro Contabilidade e Balanço Patrimonial Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio

Leia mais

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III

SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III Prof. Marcelo A. Trindade Departamento de Engenharia Mecânica Escola de Engenharia de São Carlos - USP Sala 2º andar Prédio Engenharia Mecatrônica (ramal

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Grupo de contas do Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Grupo de Contas do Ativo. Ativo Circulante Realizável a Longo Prazo Permanente Grupo de Contas do Passivo.

Leia mais

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão FCPERJ UCAM Centro Contabilidade Empresarial DFC Prof. Mônica Brandão DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA É uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos Pessoal, Hoje, disponibilizo a resolução da prova de Contabilidade Geral, de Análise das Demonstrações Contábeis e de Contabilidade de Custos do Concurso para o TCU realizado no último final de semana.

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações:

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: 1) Antecipação do pagamento de uma duplicata de $ 140.000 a um de seus fornecedores, com 2% de desconto. i 2) Efetuou os seguintes

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras BALANÇO PATRIMONIAL - BP Periodo ATIVO Empresa Empresa 2 Empresa Empresa 4 Empresa 5 Empresa 6 Empresa 7 Empresa 8 ATIVO.295.440,88.295.440,88.295.440,88.295.440,88.295.440,88.295.440,88.295.440,88.295.440,88

Leia mais

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ FAF / DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DOAR e DFC Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo Com base nas demonstrações contábeis que seguem,

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

Como Elaborar um Fluxo de Caixa com Base em Demonstrações Encerradas (Parte I)

Como Elaborar um Fluxo de Caixa com Base em Demonstrações Encerradas (Parte I) Como Elaborar um Fluxo de Caixa com Base em Demonstrações Encerradas (Parte I) Procedimentos um guia prático Análise dos procedimentos Método direto e indireto Caso prático Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

Controles financeiros Edição de bolso

Controles financeiros Edição de bolso 03 Controles financeiros Edição de bolso A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE-SP nas seguintes áreas: Organização Empresarial Finanças Marketing

Leia mais

RAZÃO DAS CONTAS CONTÁBEIS E NÃO FINACEIRAS DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO, EXAUSTÃO, REC/DESP. EQUIV. PATRIMONIAL

RAZÃO DAS CONTAS CONTÁBEIS E NÃO FINACEIRAS DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO, EXAUSTÃO, REC/DESP. EQUIV. PATRIMONIAL EXERCÍCIO DE DFC 03 RAZÃO DAS CONTAS DO CAIXA E EQUIVALENTES (DISPONÍVEL) CAIXA, BANCOS, APLICAÇÕES DE CURTÍSSIMO PRAZO (ATÉ 90 DIAS) CONTA BCO C/MOVIM Saldo Inicial: 2.270.700,00 10/01 Pela Aquisição

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

Demonstrativo do Fluxo de Caixa. Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento

Demonstrativo do Fluxo de Caixa. Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento Demonstrativo do Fluxo de Caixa Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento Fluxo de Caixa Caixa = caixa em espécie, dinheiro em banco e investimentos de curto prazo.

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

CONTABILIDADE. Conceito. Campo de Aplicação. Instrumento informações úteis tomada de decisões

CONTABILIDADE. Conceito. Campo de Aplicação. Instrumento informações úteis tomada de decisões Conceito Instrumento informações úteis tomada de decisões Campo de Aplicação Comércio - Indústria - Entidades Públicas - Hospitais Agropecuárias - Seguradoras - etc. Finalidade da Contabilidade Controle

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

DETALHES RELEVANTES NA APRESENTAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ELABORADO COM BASE NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

DETALHES RELEVANTES NA APRESENTAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ELABORADO COM BASE NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DETALHES RELEVANTES NA APRESENTAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ELABORADO COM BASE NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS SEPARAÇÃO DOS EMPRÉSTIMOS ESTRUTURAIS DOS EMPRÉSTIMOS DE CURTO PRAZO PARA FINANCIAR DÉFICITS TEMPORÁRIOS

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS Mostra o fluxo de eventos ocorridos em um determinado período de tempo. Quanto a empresa lucrou no ano passado? BALANÇO PATRIMONIAL Fotografia

Leia mais

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Correção da Prova Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Questão 7 Uma sociedade empresária mantém no seu estoque de mercadorias para revenda três tipos de mercadorias: I, II e III. O valor total

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 1 - A legislação vigente sobre as sociedades anônimas estabelece o que deve ser computado na determinação do resultado do exercício. Diz a lei que devem ser incluídas as receitas e

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Fluxo de Caixa 6 Demonstração das Mutações

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente ADMINISTRAR ----- NÃO É ABSOLUTO. SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... INTEGRAÇÃO = PESSOAS / EMPRESAS = ESSENCIAL SATISFAÇÃO FINANCEIRA RESULTANTE DA SINERGIA Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

Leia mais

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP:

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: 1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: a) Constituição de uma sociedade com capital totalmente integralizado de R$ 30.000 b) Compra à vista de mercadorias para

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) - EXEMPLO PRÁTICO

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) - EXEMPLO PRÁTICO COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) - PRÁTICO! Exemplo prático de conversão de um demonstrativo contábil para moeda estrangeira Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE

COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE! Como calcular o fluxo de caixa! Qual a fórmula para determinar a capacidade de pagamento! Como analisar a liquidez Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAIXA: ORÇAMENTO DE CAIXA

PLANEJAMENTO DE CAIXA: ORÇAMENTO DE CAIXA PLANEJAMENTO DE CAIXA: ORÇAMENTO DE CAIXA O orçamento de caixa, ou projeção de caixa, é uma demonstração das entradas e saídas de caixa previstas da empresa. Serve para estimar as necessidades de caixa

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 18

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 18 UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 18 COMO FAZER RAPIDAMENTE PROJEÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Projeção do Balanço, Resultado e do Caixa integrados Qual o melhor método para uma projeção rápida Finalidades

Leia mais

Banrisul Armazéns Gerais S.A.

Banrisul Armazéns Gerais S.A. Balanços patrimoniais 1 de dezembro de 2012 e 2011 Nota Nota explicativa 1/12/12 1/12/11 explicativa 1/12/12 1/12/11 Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 17.891 18.884 Contas

Leia mais

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO Bertolo Administração Financeira & Análise de Investimentos 6 CAPÍTULO 2 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO No capítulo anterior determinamos que a meta mais

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS NOTA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso: Administração de Empresas Turma: Disciplina: Administração Financeira Professor : Maxwell Lucena / Aluno(a): Maxwe R.A.: Assinatura: Data: / / 1ª. Questão

Leia mais

Fundamentos de Contabilidade. Representação do Patrimônio. Professor Isnard Martins

Fundamentos de Contabilidade. Representação do Patrimônio. Professor Isnard Martins Professor Isnard Martins Representação do Patrimônio Bibliografia Osni Moura Ribeiro, Contabilidade Fundamental 1Saraiva, 2011 1 O Patrimônio Direitos - são valores que a empresa tem para receber de terceiros.

Leia mais

Projeção do Fluxo de Caixa Caso Prático

Projeção do Fluxo de Caixa Caso Prático Projeção do Fluxo de Caixa Caso Prático! Caso Prático envolvendo o Calculo da Depreciação, Investimentos, Capital de Giro e Financiamentos. Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO

18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO 18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO Fluxos de caixa das atividades operacionais: Recebimentos de Clientes (+) Pagamento de Fornecedores (-) Pagamento

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS 1 2 sem/11 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alcides T. Lanzana 2 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Introdução Valuation Métodos de atribuição de valor à empresa 3 USOS DO VALUATION Compra e Venda Fusões e Incorporações

Leia mais

DECIFRANDO O CASH FLOW

DECIFRANDO O CASH FLOW Por: Theodoro Versolato Junior DECIFRANDO O CASH FLOW Para entender melhor o Cash Flow precisamos entender a sua origem: Demonstração do Resultado e Balanço Patrimonial. O Cash Flow é a Demonstração da

Leia mais

Prof. Carlos Barretto

Prof. Carlos Barretto Unidade IV CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto Objetivos gerais Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: consciência ética

Leia mais

Divulgação de Resultados 2014

Divulgação de Resultados 2014 São Paulo - SP, 10 de Fevereiro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity

Leia mais

IESP - MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTROLADORIA ORÇAMENTO EMPRESARIAL - PROF. MANUEL SOARES DA SILVA Aluno (a):...matr.:...

IESP - MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTROLADORIA ORÇAMENTO EMPRESARIAL - PROF. MANUEL SOARES DA SILVA Aluno (a):...matr.:... IESP - MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTROLADORIA ORÇAMENTO EMPRESARIAL - PROF. MANUEL SOARES DA SILVA Aluno (a):...matr.:... ORÇAMENTO GERAL PARA O ANO DE 2012 EMPRESA: HAMPTON FREEZE, INC. Dados: a partir

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito Conta Nome dado aos componentes patrimoniais (bens, direitos, obrigações e Patrimônio Líquido) e aos elementos de resultado

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 61- De acordo com a 750/93, do Conselho Federal de Contabilidade, foram aprovados os seguintes Princípios Fundamentais de Contabilidade: da Competência; da Prudência; do Denominador

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Prova de Conhecimentos Específicos

Prova de Conhecimentos Específicos Prova de Conhecimentos Específicos Saldos para o Balancete de Verificação em 30/11/98 CONTA SALDO ($) Capital Social 10.000 Financiamentos imobiliários (curto prazo) 2.700 Caixa 250 Fornecedores (curto

Leia mais

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 EXERCÍCIOS EXTRAS 1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 S.DEVEDORES (APLICAÇÕES)............ S.CREDORES (ORIGENS)...... t o t a

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

Introdução l Resumo Exercícios 15 Demonstrações Contábeis

Introdução l Resumo Exercícios 15 Demonstrações Contábeis Introdução l 1. l Um breve histórico l l.2 Definição do termo Contabilidade 2 1.3 O processo contábil 3 1.3.1 Posicionamento do contador em relação à empresa 4 l.4 Ramos de atuação da Contabilidade 5 l.4.

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 54 RELATÓRIO ANUAL GERDAU 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RESUMIDAS Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 GERDAU S.A. e empresas controladas BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS

Leia mais

Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341

Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341 Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341 Seu preço de venda é rentável? Qual a rentabilidade do Patrimônio Líquido de sua empresa? Quais os itens que estão disponíveis

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 10- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof.

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 10- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof. ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 10- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade II. Análise tradicional das demonstrações contábeis 2.5. Índices

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 5 Empréstimos para Capital de Giro As modalidades

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. Esta elevação é reflexo da elevação da Taxa Básica de Juros (Selic)

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade II DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 3 INTRODUÇÃO 1 2 A demonstração dos fluxos de caixa (DFC), a partir de 01/01/08, passou a ser uma demonstração obrigatória, conforme estabeleceu a lei

Leia mais

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Contabilidade Financeira e Gerencial Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Demonstração de Resultados A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa,

Leia mais

A Projeção de Investimento em Capital de Giro na Estimação do Fluxo de Caixa

A Projeção de Investimento em Capital de Giro na Estimação do Fluxo de Caixa A Projeção de Investimento em Capital de Giro! Dimensionamento dos Estoques! Outras Contas do Capital de Giro Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa. Professor: Eduardo José Zanoteli, M.Sc.

DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa. Professor: Eduardo José Zanoteli, M.Sc. DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Regime de Caixa Regime de Competência X DFC: Objetivo/finalidade Permitir que investidores, credores e outros usuários avaliem:

Leia mais

Empresa de Locação. Apresentação de avaliação financeira. São Paulo, Novembro de 2011 Confidencial

Empresa de Locação. Apresentação de avaliação financeira. São Paulo, Novembro de 2011 Confidencial Empresa de Locação Apresentação de avaliação financeira São Paulo, Novembro de 2011 Confidencial A IGC Partners Sobre a empresa Líder em operações de Estrutura local e internacional Fusões e Aquisições

Leia mais

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS 81 Assinale a alternativa que apresente a circunstância em que o Sistema de Custeio por Ordem de Produção é indicado. (A) O montante dos custos fixos é superior ao valor

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0401 01 IDENTIFICAÇÃO Título: CONTABILIDADE E EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DO NEGÓCIO Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: ACOMPANHAMENTO CONTÁBIL O QUE É : Este é

Leia mais

Balanço Patrimonial e DRE

Balanço Patrimonial e DRE Balanço Patrimonial e DRE Administração financeira e orçamentária Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com 2 Demonstrações Financeiras (Contábeis) Dados Dados Coletados Coletados

Leia mais

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em outubro/2013, sendo esta a sexta elevação no ano. Esta elevação pode ser atribuída à última elevação da Taxa de Juros

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais