Colóquio Tratados internacionais em matéria ambiental, boas práticas de implementação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "http://www.pic.int Colóquio Tratados internacionais em matéria ambiental, boas práticas de implementação"

Transcrição

1 CONVENÇÃO DE ROTERDÃ SOBRE O PROCEDIMENTO DE CONSENTIMENTO PRÉVIO INFORMADO APLICADO A CERTOS AGROTÓXICOS E SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS PERIGOSAS OBJETO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL - PIC Colóquio Tratados internacionais em matéria ambiental, boas práticas de implementação Brasília, 14 de julho de 2010

2 Objetivo Controle do movimento transfonteiriço de produtos químicos perigosos, baseado no princípio do consentimento prévio do país importador e na responsabilidade compartilhada no comércio internacional desses produtos.

3 Atividades Notificação de ação regulamentadora final que restrinja ou proíba o uso de determinada substância (Art. 5); Inclusão de formulações de agrotóxicos severamente perigosas no Anexo III (Art. 6); Notificação de exportação de substância restrita ou proibida no país exportador (Art. 15).

4 Estrutura Secretariado Diretor Executivo do PNUMA e Diretor Geral da FAO Conferência das Partes (COP) Manter sob contínua revisão e avaliação a implementação da Convenção

5 Estrutura Comitê de Revisão Química (CRC) Recomendar a inclusão, ou não, da substância no Anexo III da Convenção; Recomendar a exclusão de substâncias do Anexo III; Elaborar o Documento Orientador de Decisão (DGD), que é submetido à COP.

6 Base legal : Adoção da Convenção de Roterdã : Entrada em vigor Brasil: 2004: aprova texto - Decreto Legislativo nº : promulga a Convenção - Decreto nº Atualmente: Partes - 39 substâncias selecionadas são abrangidas pela lista PIC - maioria de uso agrícola (Anexo I)

7 Autoridades Nacionais Designadas

8 Foi elaborado Plano Nacional de Implementação da Convenção? Planejamento de atividades Atendimento de demandas da Convenção Levantamento de informações sobre quadros legais e regulatórios referentes aos critérios para importação e exportação de substâncias e produtos químicos Elaboração de Sistema de Informação: promover a difusão de informação ao público em geral e a troca de informação entre exportadores, importadores e instituições governamentais.

9 Resposta às Notificações de Exportação Recebimento da solicitação Triagem de informação (resposta anterior, legislação restritiva/proibitiva) Resposta à notificação Inclusão de informação no Banco de Dados

10 Implementação Nacional Ação Revisão da estrutura legislativa, regulatória e diretrizes referentes substâncias proibidas ou severamente restritas no Brasil Atividade - Realizar inventário da legislação referente à proibição e restrição severa de produtos químicos, com relação às questões de saúde e meio ambientes - Propor instrumento legal definindo os procedimentos de importação e exportação dos produtos do Anexo III, e de outros produtos que são proibidos ou severamente restrito - Manter atualizada relação das substâncias do Anexo III, com as suas respectivas NCM e respostas de importação (ação permanente) - Emitir uma notícia SISCOMEX sempre que ocorrerem quaisquer alterações relativas à Convenção de Roterdã (ação permanente) - Mecanismo de bloqueio automático de exportação pelo sistema SISCOMEX para substâncias do anexo III. - Disponibilização em sites as decisões de importação - tanto no site da AND quanto nos links do MDIC relativos à orientação para os exportadores - Identificar e comunicar a lista de produtos, com a sua NCM específica, com restrição ou proibição no Brasil ao MDIC/SECEX, com a finalidade de obter a lista de exportadores desses produtos - Utilização da página das ADN para divulgação de informações - Manter comunicação permanente com os órgãos que atuam junto às aduanas (RFB) - MAPA, MS/ANVISA, IBAMA (ação permanente)

11 Foi criado órgão específico na estrutura governamental para implementação? Comissão Nacional de Segurança Química CONASQ Mecanismo de articulação intersetorial de integração para a promoção da adequada gestão das substâncias químicas, que visa criar oportunidades para o fortalecimento, a divulgação e o desenvolvimento de ações intersetoriais relacionadas à segurança química, promovendo a transversalidade. Portaria MMA nº 352/2003

12 Mecanismo de comunicação Secretariado das Convenções MRE MMA CONASQ Sociedade Civil (ONGs, setor privado, universidades, etc.) Outros Ministérios

13 Composição Atual CONASQ MMA MS MTE MRE MME MAPA MDIC MCT MT MI IBAMA ANVISA FIOCRUZ FUNDACENTRO USP UnB ABIQUIM ABEMA CUT ONG s OPAS/OMS Ministério do Meio Ambiente Ministério da Saúde Ministério do Trabalho e Emprego Ministério das Relações Exteriores Ministério de Minas e Energia Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério dos Transportes Ministério da Integração Nacional Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Agência Nacional de Vigilância Sanitária Fundação Osvaldo Cruz Fundação Jorge Duprat Figueiredo, de Segurança e Medicina do Trabalho Universidade de São Paulo Universidade de Brasília Associação Brasileira da Indústria Química Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Meio Ambiente Central Única dos Trabalhadores Organizações Não-Governamentais Organização Pan-Americana de Saúde / Organização Mundial da Saúde

14 Foram feitas campanhas de conscientização pública sobre os efeitos à saúde e meio ambiente? Foram realizadas treinamentos de servidores públicos? Tradução para o português, publicação e divulgação da Convenção Seminário Nacional de Capacitação para a Convenção de Roterdã sobre o Procedimento de Consentimento Prévio Informado - PIC Aplicado a Certos Agrotóxicos e Substâncias Químicas Perigosas Objeto de Comércio Internacional Apresentação da Convenção na Câmara de Assuntos Internacionais do CONAMA Curso de formação da Polícia Federal Curso de Formação de Especialista em Meio Ambiente para Analista Ambiental do IBAMA Planejamento de atividades

15 Ações que podem ser destacadas como exemplo para outros países? A criação da CONASQ impõe um diferencial no processo de implementação, vários países não possuem este mecanismo de interlocução intersetorial. O MMA é o ponto focal das três convenções sobre produtos químicos Estocolmo, Basiléia e Roterdã. Este fato propicia a integração e a sinergia das ações relacionadas às convenções

16 Obrigada pela atenção! Ana Paula Pinho Rodrigues Leal Gerente de Segurança Química

31 de julho de 2014. Gerente da Coordenação de Educação da Fundacentro

31 de julho de 2014. Gerente da Coordenação de Educação da Fundacentro 31 de julho de 2014 Gerente da Coordenação de Educação da Fundacentro Decreto Nº 7.602, de 7 de Novembro De 2011 Objetivos I - A Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho PNSST tem por objetivos

Leia mais

Silvia do Amaral Rigon DNUT/UFPR CONSEA CORESAN - RMC

Silvia do Amaral Rigon DNUT/UFPR CONSEA CORESAN - RMC Silvia do Amaral Rigon DNUT/UFPR CONSEA CORESAN - RMC Lei federal 11.346 de 2006 (LOSAN): assessoria à Presidência da República Controle Social Monitoramento das políticas/ controle social com base nas

Leia mais

DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011

DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho PNSST. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH Objetivo Geral PROPOR PROGRAMAS, AÇÕES E ESTRATÉGIAS, INTERSETORIAIS E INTERINSTITUCIONAIS, VISANDO ASSEGURAR O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO E SUSTENTÁVEL DOS USOS

Leia mais

Seminário Emergência Ambiental

Seminário Emergência Ambiental Seminário Emergência Ambiental Plano Diego Henrique Costa Pereira Analista Ambiental Departamento de Qualidade Ambiental na Indústria Ministério do Meio Ambiente 02 e 03 de Outubro de 2013 Belo Horizonte

Leia mais

Workshop do GHS. Propostas dos Grupos de Trabalho

Workshop do GHS. Propostas dos Grupos de Trabalho Workshop do GHS Propostas dos Grupos de Trabalho Esta é uma compilação dos resultados dos Grupos de Trabalho do Workshop sobre o Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Produtos

Leia mais

Convenção de Basiléia sobre o Controle dos Movimentos Transfronteiriços de Resíduos Perigosos e seu Depósito

Convenção de Basiléia sobre o Controle dos Movimentos Transfronteiriços de Resíduos Perigosos e seu Depósito Convenção de Basiléia sobre o Controle dos Movimentos Transfronteiriços de Resíduos Perigosos e seu Depósito Maria Thereza Fadel Gracioso SMCQ/GRP/MMA 15 de julho de 2010 Colóquio Tratados internacionais

Leia mais

Resolução n o 01, de 6 de abril de 2011

Resolução n o 01, de 6 de abril de 2011 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR CONSELHO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL CONMETRO Resolução n o 01, de 6 de abril de 2011

Leia mais

Ap r e s e n ta ç ã o

Ap r e s e n ta ç ã o Brasília, 2009 1 Ap r e s e n ta ç ã o Convenção de Roterdã sobre o Procedimento de Consentimento Prévio Informado (PIC) Aplicado a Certos Agrotóxicos e Substâncias Químicas Perigosas Objeto de Comércio

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.813, DE 22 DE JUNHO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências.

Leia mais

CONVENÇÃO DE ROTERDÃ

CONVENÇÃO DE ROTERDÃ CONVENÇÃO DE ROTERDÃ Seminário Nacional de Capacitação para a Convenção de Roterdã sobre o Procedimento de Consentimento Prévio Informado PIC Aplicado a Certos Agrotóxicos e Substâncias Químicas Perigosas

Leia mais

2º SIBRADEN - Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos

2º SIBRADEN - Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos Plano Nacional de Prevenção, Preparação e Resposta Rápida R a Emergências Ambientais com Produtos Químicos Perigosos 2º SIBRADEN - Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos Santos-SP, 9

Leia mais

Composição: MS, MPS, MTE, Centrais Sindicais Confederações de empregadores. Constituída por meio da Portaria Interministerial nº 152

Composição: MS, MPS, MTE, Centrais Sindicais Confederações de empregadores. Constituída por meio da Portaria Interministerial nº 152 Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Saúde do Trabalhador Política Nacional de Segurança e Saúde

Leia mais

ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS QUE AFETAM A SAÚDE HUMANA MECANISMOS DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS QUE AFETAM A SAÚDE HUMANA

ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS QUE AFETAM A SAÚDE HUMANA MECANISMOS DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS QUE AFETAM A SAÚDE HUMANA FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS QUE AFETAM A SAÚDE HUMANA MECANISMOS DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS QUE AFETAM A SAÚDE HUMANA Espécie Exótica Invasora - EEI Espécies

Leia mais

Senado Federal. Mecanismos de Regulação e Controle de Agrotóxicos no Brasil

Senado Federal. Mecanismos de Regulação e Controle de Agrotóxicos no Brasil Diretoria José Agenor Álvares - DIAGE Gerência Geral de Toxicologia Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária ria Mecanismos de Regulação e Controle de Agrotóxicos no Brasil Luiz Claúdio

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DAS AÇÕES INSTITUCIONAIS RELACIONADAS À SEGURANÇA QUÍMICA

SISTEMATIZAÇÃO DAS AÇÕES INSTITUCIONAIS RELACIONADAS À SEGURANÇA QUÍMICA SISTEMATIZAÇÃO DAS AÇÕES INSTITUCIONAIS RELACIONADAS À SEGURANÇA QUÍMICA Instituição Ação Descrição Linha de Ação informada ABEMA PR (IAP) Atendimento a acidentes ambientais com produtos perigosos Sistema

Leia mais

Plano Nacional de. Emergências Ambientais com Produtos Químicos Perigosos. Curso LíderesL

Plano Nacional de. Emergências Ambientais com Produtos Químicos Perigosos. Curso LíderesL Plano Nacional de Prevenção, Preparação e Resposta Rápida R a Emergências Ambientais com Produtos Químicos Perigosos Curso LíderesL Brasília, 20 de agosto de 2008 1 Como surgiu o P2R2 Histórico de ocorrência

Leia mais

Mesa Redonda: Mecanismos de Controle de Entrada e Saída de Bens Sensíveis no Brasil

Mesa Redonda: Mecanismos de Controle de Entrada e Saída de Bens Sensíveis no Brasil 8º Seminário de Ciência, Tecnologia e Inovação do Ministério da Defesa Os Bens Sensíveis e sua Importância Estratégica para a Defesa Nacional Mesa Redonda: Mecanismos de Controle de Entrada e Saída de

Leia mais

Comissão Nacional de Segurança Química - CONASQ -

Comissão Nacional de Segurança Química - CONASQ - Desenvolvimento do Plano Nacional de Implementação no Brasil como primeira etapa da Implementação da Convenção de Estocolmo sobre Poluentes Orgânicos Persistentes Comissão Nacional de Segurança Química

Leia mais

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações Página 144 VIII/11. Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações A Conferência das Partes, Informando-se sobre o relatório do Secretário Executivo sobre as atividades do

Leia mais

Plano Nacional de Prevenção, Preparação e Resposta Rápida a Emergências Ambientais com Produtos Químicos Perigosos

Plano Nacional de Prevenção, Preparação e Resposta Rápida a Emergências Ambientais com Produtos Químicos Perigosos Plano Nacional de Prevenção, Preparação e Resposta Rápida a Emergências Ambientais com Produtos Químicos Perigosos Curso Líderes: L Curso Internacional sobre Saúde, Desastres e Desenvolvimento 1 Estrutura

Leia mais

Estruturação da Implementação do Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos GHS no Brasil

Estruturação da Implementação do Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos GHS no Brasil 1 Estruturação da Implementação do Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos GHS no Brasil GT GHS Brasil 2 1. Sumário 1. Sumário i 2. Apresentação 2.1. Resumo do

Leia mais

GRUPO DE MONITORAMENTO PERMANENTE - GMP da Resolução CONAMA nº 362/2005

GRUPO DE MONITORAMENTO PERMANENTE - GMP da Resolução CONAMA nº 362/2005 GRUPO DE MONITORAMENTO PERMANENTE - GMP da Resolução CONAMA nº 362/2005 Artigo11: o Ministério do Meio Ambiente Coordenação Institucional o Representantes da ANP, IBAMA, ABEMA, ANAMMA o Produtores e importadores,

Leia mais

AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL

AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL 1. Conceito Por Aramis Cardoso A Vigilância em Saúde Ambiental é definida como o conjunto de ações que proporcionam o conhecimento e a detecção de qualquer

Leia mais

Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS

Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS N o 152 Abril/2015 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

órgão nacional interveniente no comércio internacional

órgão nacional interveniente no comércio internacional MDIC órgão nacional interveniente no comércio internacional CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: KEEDI, Samir. ABC DO COMÉRCIO EXTERIOR. São Paulo: Aduaneiras, 2007. www.desenvolvimento.gov.br

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1.Objetivo geral: Apoiar tecnicamente a gestão e implementação das atividades dos Projetos de Fortalecimento da Assistência Farmacêutica (Termo de Cooperação

Leia mais

Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis

Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis http://www.peixeurbano.com.br/convite/fscpeixeurbano br/convite/fsc V Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Secretaria de Articulação Institucional

Leia mais

Programa de Atração de Investimentos

Programa de Atração de Investimentos 1 Programa de Atração de Investimentos Oficina de Trabalho da RENAI - Rede Nacional de Informação sobre o Investimento Brasília, 08 de Junho de. Antecedentes 2 O Governo Brasileiro quer dar prioridade

Leia mais

Manual de Construção de Vitrine Virtual

Manual de Construção de Vitrine Virtual Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Ministério das Relações Exteriores MRE Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA Manual de Construção de Vitrine Virtual

Leia mais

Interface Saúde: Animal/Humana Plano de Ação Global sobre Resistência aos Antimicrobianos - GAP/OMS. MAPA: situação atual

Interface Saúde: Animal/Humana Plano de Ação Global sobre Resistência aos Antimicrobianos - GAP/OMS. MAPA: situação atual Interface Saúde: Animal/Humana Plano de Ação Global sobre Resistência aos Antimicrobianos - GAP/OMS MAPA: situação atual Suzana Bresslau Médica Veterinária Fiscal Federal Agropecuário - DFIP/SDA ENDESA

Leia mais

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 Reunião ILSI São Paulo, 5 de dezembro de 2013 ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 William Cesar Latorre Gerente de Inspeção e Controle de Riscos em Alimentos Gerência Geral

Leia mais

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE.

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE. PROJETO DE LEI N o, DE 2011 (Do Sr. Wellington Fagundes) Institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBASAE, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

Art. 1 A Convenção sobre Procedimento de Consentimento Prévio Informado para o Comércio

Art. 1 A Convenção sobre Procedimento de Consentimento Prévio Informado para o Comércio Convenção de Roterdã sobre o Procedimento de Consentimento Prévio Informado para o Comércio Internacional de Certas Substâncias Químicas e Agrotóxicos Perigosos (PIC) DECRETO N 5.360 DE 31 DE JANEIRO DE

Leia mais

PARTICIPANTES ALCINÉIA MEIGIKOS A. SANTOS - FUNDACENTRO ARMAND F

PARTICIPANTES ALCINÉIA MEIGIKOS A. SANTOS - FUNDACENTRO ARMAND F 1 RESULTADO DA REUNIÃO REALIZADA NO ESCRITÓRIO DA OIT EM BRASÍLIA, NO DIA 26 DE MARÇO, PARA DEFINIR OS NOMES DOS ÓRGÃOS RESPONSÁVEIS PELA IMPLEMENTAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE EXECUÇÃO DO PNES, QUE, A SEU TURNO,

Leia mais

Política de Software e Serviços

Política de Software e Serviços Política de Software e Serviços Encontro de Qualidade e Produtividade em Software - Brasília Dezembro / 2003 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Tecnologia Antenor

Leia mais

Memória 1ª Reunião do GT Agricultura com Segurança Química

Memória 1ª Reunião do GT Agricultura com Segurança Química Memória 1ª Reunião do GT Agricultura com Segurança Química Data: 10 de outubro de 2006. Local: Ministério do Meio Ambiente Esplanada dos Ministérios, Bloco B, 5º andar. LISTA DE PARTICIPANTES Nome Alberto

Leia mais

MEMÓRIA DE REUNIÃO GT-GHS Brasil

MEMÓRIA DE REUNIÃO GT-GHS Brasil MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR DEPARTAMENTO DE NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS Esplanada dos Ministérios - Bloco " J " - 7º andar CEP 70.056-900

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORES

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORES PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORES O Projeto de Cooperação Internacional do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), BRA/07/002 Modernização Institucional para Fortalecimento

Leia mais

Transparência no BNDES Mauro Figueiredo 1 e Jennifer Gleason 2

Transparência no BNDES Mauro Figueiredo 1 e Jennifer Gleason 2 Transparência no BNDES Mauro Figueiredo 1 e Jennifer Gleason 2 O Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) é um banco estatal 3, fundado em 1952, que opera sob a supervisão do ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS LEI Nº 14.830, de 11 de agosto de 2009 Dispõe sobre a criação do Conselho Estadual do Artesanato e da Economia Solidária - CEAES, e adota outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA,

Leia mais

Permanente e os Fóruns F Regionais das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte

Permanente e os Fóruns F Regionais das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria do Desenvolvimento da Produção Departamento de Micro, Pequenas e Médias M Empresas O Fórum F Permanente e os Fóruns F Regionais das

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

Acordos e Protocolos sem Repasse - Vigentes

Acordos e Protocolos sem Repasse - Vigentes Página 1 de 5 19/7/2015 Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN 20/7/2010 Desenvolver trabalhos e de ações de capacitação no âmbito científico, acadêmico e técnico de interesse comum às suas

Leia mais

V Feira Internacional da Amazônia - FIAM Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA

V Feira Internacional da Amazônia - FIAM Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR A CAMEX e a Facilitação de Comércio V Feira Internacional da Amazônia - FIAM Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA 27 de novembro de 2009, Manaus - AM ALEXANDRE

Leia mais

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente)

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) COM APOIO DO: Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (UN-HABITAT) e o Programa

Leia mais

Inventário de PCB. Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Departamento de Qualidade Ambiental na Indústria

Inventário de PCB. Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Departamento de Qualidade Ambiental na Indústria Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Departamento de Qualidade Ambiental na Indústria Inventário de PCB Brasília, 28 de novembro de 2014. Legalmente amparado Convenção

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOSS LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 TRAMITAÇÃO DA PNRS 1989 Projeto de Lei Nº N 354/89 do Senado 1991 Projeto de Lei Nº N 203/91

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Seminário Valor Econômico Complexo Industrial da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Regulação em Saúde

Seminário Valor Econômico Complexo Industrial da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Regulação em Saúde Seminário Valor Econômico Complexo Industrial da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Regulação em Saúde Dirceu Raposo de Mello Diretor-Presidente São Paulo, 1º de março de 2010 Vigilância Sanitária

Leia mais

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Curitiba, 18 de março de 2015. 1 SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Sumário APRESENTAÇÃO... 3 JUSTIFICATIVAS E BENEFÍCIOS... 3 COMO OBTER O SELO...

Leia mais

REGISTRO DE PRODUTOS NO BRASIL: AVANÇOS E DESAFIOS

REGISTRO DE PRODUTOS NO BRASIL: AVANÇOS E DESAFIOS Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação REGISTRO DE PRODUTOS NO BRASIL: AVANÇOS E DESAFIOS I Reunião Anual da Vigilância Sanitária de Alimentos 15 a 17 de maio/2007 João Pessoa Amanda Poldi

Leia mais

Of. nº 387/GP. Paço dos Açorianos, 13 de abril de 2011. Senhora Presidente:

Of. nº 387/GP. Paço dos Açorianos, 13 de abril de 2011. Senhora Presidente: Of. nº 387/GP. Paço dos Açorianos, 13 de abril de 2011. Senhora Presidente: Submeto à apreciação de Vossa Excelência e seus dignos Pares o presente Projeto de Lei que Cria a Secretaria Especial dos Direitos

Leia mais

37ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Cachaça Brasília, 25 de fevereiro de 2014

37ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Cachaça Brasília, 25 de fevereiro de 2014 37ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Cachaça Brasília, 25 de fevereiro de 2014 PAUTA DA REUNIÃO Indicação Geográfica Cachaça Decreto nº 4.062, de 21 de dezembro de 2001 Art. 1o O nome

Leia mais

FÓRUM LIXO&CIDADANIA: extemporâneo face a PNRS?

FÓRUM LIXO&CIDADANIA: extemporâneo face a PNRS? ---------------------------------------- FÓRUM LIXO&CIDADANIA: extemporâneo face a PNRS? Emília Wanda Rutkowski a motivação inicial Diário de Pernambuco, 16.04.1994. 1998 PARCEIROS [17] * ABES - Associação

Leia mais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais PROGRAMA Brasil, Gênero e Raça Orientações Gerais Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Luiz Marinho Secretário-Executivo Marco Antonio de Oliveira Secretário

Leia mais

IV Reunião das Administradoras de ZPE. Brasília, 15 de abril de 2015

IV Reunião das Administradoras de ZPE. Brasília, 15 de abril de 2015 IV Reunião das Administradoras de ZPE Brasília, 15 de abril de 2015 I. Atuação da RENAI Roteiro: II. Possibilidades de parceria RENAI - ZPEs Parte I RENAI O que é a RENAI? Rede Nacional de Informações

Leia mais

Aduana Brasileira. Seminário Internacional sobre Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Recife, 22 a 24 de fevereiro de 2011

Aduana Brasileira. Seminário Internacional sobre Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Recife, 22 a 24 de fevereiro de 2011 Aduana Brasileira Seminário Internacional sobre Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Recife, 22 a 24 de fevereiro de 2011 Exportação de Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos - REEE EUA exportam

Leia mais

PREÇOS X CUSTOS CUSTO PREÇO. t C TEMPO. Globalização => vantagem para compradores => quedas nos preços (também provocadas pela ampliação do comércio)

PREÇOS X CUSTOS CUSTO PREÇO. t C TEMPO. Globalização => vantagem para compradores => quedas nos preços (também provocadas pela ampliação do comércio) $ PREÇOS X CUSTOS Globalização => vantagem para compradores => quedas nos preços (também provocadas pela ampliação do comércio) CUSTO PREÇO Sobrevivência das empresas depende de redução de custos t C TEMPO

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 32, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 32, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 32, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

A Parceria Apex-Brasil e RENAI

A Parceria Apex-Brasil e RENAI A Parceria Apex-Brasil e RENAI Mário Neves Coordenador-Geral da Rede Nacional de Informações sobre o Investimento Alexandre Petry Gerente de Promoção e Facilitação de Investimentos da Apex-Brasil Ciclo

Leia mais

Roterdã, 10 e 11 de setembro de 1998.

Roterdã, 10 e 11 de setembro de 1998. CONFERÊNCIA DE PLENIPOTENCIÁRIOS EM TORNO DA CONVENÇÃO SOBRE O PROCEDIMENTO DE CONSENTIMENTO PRÉVIO INFORMADO PARA O COMÉRCIO INTERNACIONAL DE CERTOS PRODUTOS QUÍMICOS E PESTICIDAS PERIGOSOS Roterdã, 10

Leia mais

GRUPO TÉCNICO SOBRE RESÍDUOS DE PESTICIDAS - GT PR CODEX ALIMENTARIUS - BRASIL REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I

GRUPO TÉCNICO SOBRE RESÍDUOS DE PESTICIDAS - GT PR CODEX ALIMENTARIUS - BRASIL REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I GRUPO TÉCNICO SOBRE RESÍDUOS DE PESTICIDAS - GT PR CODEX ALIMENTARIUS - BRASIL REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º - O Grupo Técnico sobre Resíduos de Pesticidas GT-PR, instituído

Leia mais

COORDENAÇÃO. ABES-SP, Instituto PÓLIS, CAIXA, ANAMMA, UNICAMP, Projeto Pares(Poli-USP), OAF, Sindicato dos Engenheiros, Fórum Recicla São Paulo, CRUMA

COORDENAÇÃO. ABES-SP, Instituto PÓLIS, CAIXA, ANAMMA, UNICAMP, Projeto Pares(Poli-USP), OAF, Sindicato dos Engenheiros, Fórum Recicla São Paulo, CRUMA COORDENAÇÃO ABES-SP, Instituto PÓLIS, CAIXA, ANAMMA, UNICAMP, Projeto Pares(Poli-USP), OAF, Sindicato dos Engenheiros, Fórum Recicla São Paulo, CRUMA Ministério Público - Procuradoria Regional dos Direitos

Leia mais

Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental. Ivo Neves Gerente de Consultoria. For the benefit of business and people

Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental. Ivo Neves Gerente de Consultoria. For the benefit of business and people Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental Ivo Neves Gerente de Consultoria For the benefit of business and people UNICAMP, Outubro 2005 1 Módulo I MÓDULO I VISÃO GERAL DE TEMAS AMBIENTAIS 2 1 Módulo I Conceitos

Leia mais

Seminário Preparatório da 3ª CEST A Política Nacional de Saúde do Trabalhador e os seus desafios para a garantia do direito à Saúde

Seminário Preparatório da 3ª CEST A Política Nacional de Saúde do Trabalhador e os seus desafios para a garantia do direito à Saúde Seminário Preparatório da 3ª CEST A Política Nacional de Saúde do Trabalhador e os seus desafios para a garantia do direito à Saúde Profª Dolores Sanches Wünsch NEST/UFRGS 1 Questões Iniciais Papel das

Leia mais

PBACV Avaliação do Ciclo de Vida UNEP/SETAC Norma ABNT NBR ISO 14040:2009

PBACV Avaliação do Ciclo de Vida UNEP/SETAC Norma ABNT NBR ISO 14040:2009 PROGRAMA BRASILEIRO DE AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA PBACV OBJETIVO Estabelecer diretrizes, no âmbito do SINMETRO, para dar continuidade e sustentabilidade às ações de ACV no Brasil com vistas a apoiar o

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1. Objetivo geral: Apoiar tecnicamente a gestão e a implementação das atividades do TC 50 - Qualidade do Sistema Único de Saúde - QUALISUS,

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e no Decreto nº 6.101,

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

WORKSHOP SOBRE EDUCAÇÃO EM SEGURANÇA QUÍMICA

WORKSHOP SOBRE EDUCAÇÃO EM SEGURANÇA QUÍMICA WORKSHOP SOBRE EDUCAÇÃO EM SEGURANÇA QUÍMICA Angela Monteiro Assessora da Área Química - CGBE Brasília - 31 / julho / 2014 O Ministério da Ciência, - MCTI é a agência responsável pela aplicação da Convenção

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência-Geral de Medicamentos Unidade de Produtos Controlados - UPROC Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados - HISTÓRICO O controle de substâncias

Leia mais

PROTOCOLO DE MONTREAL. CONTROLE DAS SUBSTÂNCIAS QUE DESTROEM A CAMADA DE OZÔNIO - SDOs IBAMA

PROTOCOLO DE MONTREAL. CONTROLE DAS SUBSTÂNCIAS QUE DESTROEM A CAMADA DE OZÔNIO - SDOs IBAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA PROTOCOLO DE MONTREAL CONTROLE DAS SUBSTÂNCIAS QUE DESTROEM A CAMADA DE OZÔNIO - SDOs IBAMA

Leia mais

25/06/2015 PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Câmpus de Jaboticabal DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO. Sinonímias: Agrotóxicos

25/06/2015 PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Câmpus de Jaboticabal DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO. Sinonímias: Agrotóxicos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Câmpus de Jaboticabal Depto. Fitossanidade Tecnologia de Aplicação Introdução Cultivo de plantas graníferas (culturas anuais) na safra 2014/15: Área de 57,21 milhões de ha

Leia mais

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior O governo brasileiro possui definida uma política voltada para o comércio internacional, onde defende os interesses das empresas nacionais envolvidas,

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS 1 Setor de Brinquedos Estratégias: Ampliação de Acesso e Conquista de Mercado Objetivos: 1 - Aumentar a competitividade; 2 - consolidar o

Leia mais

A CAMEX e a Facilitação de Comércio

A CAMEX e a Facilitação de Comércio CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria-Executiva A CAMEX e a Facilitação de Comércio Ministério das Comunicações 18 de novembro 2009, São Paulo SP. MARIA FÁTIMA B. ARRAES DE OLIVEIRA Assessora Especial

Leia mais

VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE

VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE PETROBRAS - REGAP Contagem 19 de outubro de 2011 Iniciativas de Qualificação - PROMINP PROMINP O PROMINP (Programa de Mobilização da Indústria Nacional do Petróleo e

Leia mais

Departamento de Relações Internacionais. CSC - Centro de Serviços de Carreiras. Pesquisa Egressos 2007

Departamento de Relações Internacionais. CSC - Centro de Serviços de Carreiras. Pesquisa Egressos 2007 Departamento de Relações Internacionais CSC - Centro de Serviços de Carreiras Pesquisa Egressos 2007 Caracterização dos entrevistados Idade Casos % de 22 a 25 anos 94 47,2% de 26 a 28 anos 79 39,7% mais

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

Registro de Agrotóxicos e Afins

Registro de Agrotóxicos e Afins MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA Registro de Agrotóxicos e Afins 5ª ª Reunião do GT/CONAMA-agrotóxicos Brasília, 29 de

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

DIRETRIZES SOBRE COMBATE À FALSIFICAÇÃO E FRAUDE DE MEDICAMENTOS E PRODUTOS MÉDICOS NO MERCOSUL

DIRETRIZES SOBRE COMBATE À FALSIFICAÇÃO E FRAUDE DE MEDICAMENTOS E PRODUTOS MÉDICOS NO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 13/08 DIRETRIZES SOBRE COMBATE À FALSIFICAÇÃO E FRAUDE DE MEDICAMENTOS E PRODUTOS MÉDICOS NO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções

Leia mais

PRÊMIO AMBIENTAL É INCENTIVO ÀS BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS E AO DESENVOLVIMENTO TÉCNICO-GERENCIAL

PRÊMIO AMBIENTAL É INCENTIVO ÀS BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS E AO DESENVOLVIMENTO TÉCNICO-GERENCIAL PRÊMIO AMBIENTAL É INCENTIVO ÀS BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS E AO DESENVOLVIMENTO TÉCNICO-GERENCIAL Já estão abertas as inscrições para o 2º Benchmarking Ambiental Brasileiro no site: www.maisprojetos.com.br/bench.

Leia mais

Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento Unidade de Apoio a Projetos Especiais. durante o Estágio Probatório.

Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento Unidade de Apoio a Projetos Especiais. durante o Estágio Probatório. Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento Unidade de Apoio a Projetos Especiais REGULAMENTO 001, DE 10 DE OUTUBRO DE 2013. Regula o Monitoramento da Inserção e das Atividades

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ Governador do Estado do Piauí: Dr. Francisco de Assis de Moraes Souza Vice- Governador do Estado do Piauí: Dr. Osmar Ribeiro de Almeida Júnior Secretário

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

FENASAN XXI Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente XXI Encontro Técnico AESABESP 11.08.10

FENASAN XXI Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente XXI Encontro Técnico AESABESP 11.08.10 FENASAN XXI Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente XXI Encontro Técnico AESABESP 11.08.10 Gustavo Justino de Oliveira Pós Doutor em Direito Administrativo Universidade de Coimbra Professor de Direito

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS

PROGRAMA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos PROGRAMA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS Brasília DF 2007 Lista de siglas ANPPS ANVISA APEX ATER ATS BNDES BPA

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 20

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 20 CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 20 MANEJO AMBIENTALMENTE SAUDÁVEL DOS RESÍDUOS PERIGOSOS, INCLUINDO A PREVENÇÃO DO TRÁFICO INTERNACIONAL ILÍCITO DE RESÍDUOS

Leia mais

Câmara de Comércio Exterior Secretaria Executiva

Câmara de Comércio Exterior Secretaria Executiva Câmara de Comércio Exterior Secretaria Executiva ALOÍSIO TUPINAMBÁ GOMES NETO Assessor Especial 10 de fevereiro de 2009 Brasília - DF Câmara de Comércio Exterior - CAMEX O papel da CAMEX é coordenar esforços

Leia mais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais Programa 0499 Parques do Brasil Objetivo Ampliar a conservação, no local, dos recursos genéticos e o manejo sustentável dos parques e áreas de proteção ambiental. Indicador(es) Taxa de proteção integral

Leia mais

REGISTRO DE EMISSÕES E TRANSFERÊNCIA DE POLUENTES (RETP), POLÍTICA PARA O MONITORAMENTO AMBIENTAL E ACESSO À INFORMAÇÃO

REGISTRO DE EMISSÕES E TRANSFERÊNCIA DE POLUENTES (RETP), POLÍTICA PARA O MONITORAMENTO AMBIENTAL E ACESSO À INFORMAÇÃO REGISTRO DE EMISSÕES E TRANSFERÊNCIA DE POLUENTES (RETP), POLÍTICA PARA O MONITORAMENTO AMBIENTAL E ACESSO À INFORMAÇÃO Eng. Marcus E. M da Matta, PhD Diretor Executivo EcoAdvisor marcus@ecoadvisor.com.br

Leia mais