CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS JAQUELINE DO NASCIMENTO SOUSA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS JAQUELINE DO NASCIMENTO SOUSA"

Transcrição

1 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS JAQUELINE DO NASCIMENTO SOUSA O IMPACTO NA MUDANÇA DA LEGISLAÇÃO CONTÁBIL APLICADO EM INDÚSTRIA TÊXTIL FORTALEZA 2013

2 JAQUELINE DO NASCIMENTO SOUSA O IMPACTO NA MUDANÇA DA LEGISLAÇÃO CONTÁBIL APLICADO EM INDÚSTRIA TÊXTIL Monografia apresentada ao Curso de Ciências Contábeis da FAC Faculdade Cearense, como requisito obrigatório para a obtenção do grau de Bacharel em Ciências Contábeis. Professor Orientador Esp. José Maria Alexandre Silva. FORTALEZA 2013

3 JAQUELINE DO NASCIMENTO SOUSA O IMPACTO NA MUDANÇA DA LEGISLAÇÃO CONTÁBIL APLICADO EM INDÚSTRIA TÊXTIL Esta monografia foi submetida à coordenação do curso de Ciências Contábeis, como parte dos requisitos necessários à obtenção do titulo de Bacharel em Ciências Contábeis, outorgado pela Faculdade Cearense - FAC e encontra-se à disposição dos interessados na Biblioteca da referida instituição. A citação de quaisquer trechos desta monografia é permitida, desde que feita de acordo com as normas de ética científica. Data da Aprovação: / / Profº. Esp. José Maria Alexandre Silva Prof. Orientador Profª. Ms. Liana Márcia Costa Vieira Marinho Membro Profº. Esp. Mercídio Gonçalves Filho Membro

4 Dedico este trabalho a minha mãe e ao meu pai (in memoriam).

5 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a DEUS por me fornecer força e coragem durante toda esta grande caminhada. Aos meus familiares, principalmente minha mãe por todo amor e carinho e ao meu pai (in memoriam). Agradeço ao meu namorado, pela atenção e incentivo. Às minhas amigas queridas, Ana Lúcia, Mônica Rufino, Hérica Régia, Norma e Fernanda, pelo incentivo e apoio constante. Agradeço também ao professor orientador por ter aceitado esse desafio.

6 A persistência é o menor caminho do êxito. (Charles Chaplin)

7 RESUMO A contabilidade passou por várias modificações, desde o início da civilização até os dias atuais. No inicio do trabalho descreve-se um pouco sobre a origem e evolução contábil, onde existem pesquisas que comprovam os fatos arqueológicos que existe a contabilidade desde antes da escrita. A história da contabilidade atravessa fatos importantes, descrevendo a evolução contábil das escolas até chegar à contabilidade brasileira, onde a mesma seguiu a escola europeia e posteriormente, após o surgimento das indústrias, passou a seguir a escola americana. Também se encontra no presente trabalho o surgimento da contabilidade internacional, onde o Brasil está fazendo a convergência que é muito importante, pois identifica um grande passo para a contabilidade. O presente trabalho demonstra-se como era a estrutura na Lei de 1976 e como ficou com as alterações da Lei de Como metodologia, foram utilizados estudos exploratórios de caráter bibliográfico, comparativa, qualitativa e quantitativa, evidenciando as principais informações contidas nas obras pesquisadas, debatendo conceitos e características da estrutura contábil e das mudanças na Legislação Societária. Posteriormente à pesquisa procurou descrever a estrutura de cada uma das demonstrações contábeis junto com sua respectiva alterações. Foi verificado ainda que essas alterações ocorridas após a publicação das leis /07 e posteriormente pela lei /09 ocorreram para adaptar as demonstrações contábeis brasileiras às normas internacionais da contabilidade, tendo sido criada com o objetivo de harmonizar as normas no Brasil. Palavras-chave: Leis. Demonstrações Contábeis. Contabilidade Internacional.

8 ABSTRACT The accounting has undergone several changes since the beginning of civilization to the present day. Earlier work describes a little about the origin and evolution of accounting, where there are archaeological research supporting the fact that there is accounting since before written. The history of accounting through important facts, describing the evolution of accounting schools to reach the Brazilian accounting, where it followed the European School and later, after the emergence of industries, began to follow the American School. Also found in the present study the emergence of international accounting, where Brazil is making convergence is very important because it identifies a major step for accounting. The present work it is shown how the structure was in Law 6404 of 1976 and as it became with the changes introduced by Law 11,638 of As a methodology, exploratory studies of bibliographical character, comparative, qualitative and quantitative were used, the main information contained in the surveyed works, discussing concepts and characteristics of the accounting structure and changes in corporate law. After the research sought to describe the structure of each of the financial statements along with their respective amendments. It was also found that these changes occurred after the publication of laws by law /07 and /09 occurred subsequently to adapt the Brazilian international standards of accounting financial statements, have been created with the aim to harmonize standards in Brazil. Key words: Laws. Accounting Statements. International Accounting.

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 01 Quadro comparação de duas escolas FIGURA 02 Quadro Estrutura do BP antes das Leis /07 e / FIGURA 03 Quadro Estrutura do BP após as Leis /07 e / FIGURA 04 Quadro Estrutura do BP conforme a Lei 6.404/ FIGURA 05 Quadro Estrutura do BP conforme a Lei / FIGURA 06 Quadro Estrutura do BP conforme a Lei / FIGURA 07 Gráfico de Liquidez Corrente FIGURA 08 Gráfico de Liquidez Seca FIGURA 09 Gráfico de Liquidez Geral FIGURA 10 Gráfico de Liquidez Imediata FIGURA 11 Gráfico de Participação de Capital de Terceiros FIGURA 12 Gráfico de Composição do Endividamento FIGURA 13 Gráfico de Endividamento Geral FIGURA 14 Quadro Comparativo de Índices FIGURA 15 Quadro Comparativo do BP: Leis 6.404/76 e /

10 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS BACEN CPC CFC CVM DFC DLPA DMPL DRE DOAR DVA FASB FIPECAFI IASB IASC IBRACON IFRS NIC SUSEP Banco Central do Brasil Comitê de Pronunciamentos Contábeis Conselho Federal de Contabilidade Comissão de Valores Mobiliários Demonstração dos Fluxos de Caixa Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados Demonstração da Mutação do Patrimônio Líquido Demonstração do Resultado do Exercício Demonstração de Origens e Aplicação de Recursos Demonstração do Valor Adicionado Financial Accounting Standards Board Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras International Accounting Standards Board International Accounting Standards Committee Instituto dos Auditores Independentes do Brasil International Financial Reporting Standards Normas Internacionais de Contabilidade Superintendência de Seguros Privados

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Tema e Problema Objetivos Objetivo Geral Objetivo Específico Justificativa Metodologia Referencial Teórico Organização do Trabalho A EVOLUÇÃO DA CONTABILIDADE Origem da Contabilidade O Desenvolvimento da Contabilidade O surgimento da Contabilidade no Brasil Os Avanços da Contabilidade e Harmonização com as Normas Internacionais A Contabilidade Internacional O Futuro da Contabilidade LEI Nº 6.404/76 E SUAS ALTERAÇÕES SEGUNDO A LEI Nº /07 E POSTERIORMENTE Nº / Origem da Lei nº 6.404/ A Lei nº /07 alterada pela Lei nº / Estruturas das Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial Alterações no Ativo Ativo Circulante Disponível Créditos... 32

12 Estoques Despesas Antecipadas Ativo Não Circulante Realizável a Longo Prazo Investimentos Imobilizado Intangível Alterações no Passivo Passivo Circulante Passivo Não Circulante Patrimônio Líquido Ajustes de Avaliação Patrimonial Reservas de Capital Lucros Acumulados Prejuízos Acumulados Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido Demonstração do Resultado do Exercício Demonstração dos Fluxos de Caixa Demonstração do Valor Adicionado ESTUDO DE CASO DESCRIÇÃO E ANÁLISE DO BALANÇO PATRIMONIAL Apresentação da Empresa Análise das Demonstrações Contábeis Estudo dos Índices Análise dos Índices Quadro Comparativo dos Índices... 56

13 4.6 Análise das Contas dos Balanços Patrimoniais de 2006 e 2007 da empresa estudada CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 62

A Demonstração no Brasil A Demonstração do Fluxo de Caixa - DFC

A Demonstração no Brasil A Demonstração do Fluxo de Caixa - DFC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI CAMPUS MINISTRO REIS VELLOSO CMRV DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E JURÍDICAS DCCJ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CCC EMPRESA JUNIOR DE CONTABILDIADE CONAC JUNIOR CURSO

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 610, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009

DELIBERAÇÃO CVM Nº 610, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 43 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata da adoção inicial dos pronunciamentos técnicos CPC 15 a 40. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/A Versão : 1. Composição do Capital 1

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/A Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

2 Noções de Direito Público e Privado - Paulo César de Melo Mendes, 88 Objetivos, 88

2 Noções de Direito Público e Privado - Paulo César de Melo Mendes, 88 Objetivos, 88 Apresentação 1 Contabilidade Geral - Rodrigo de Souza Gonçalves e Fernanda Fernandes Rodrigues, 1 Objetivos, 1 Introdução, 1 1 Plano de contas - elaboração e utilização, 2 2 Balanço patrimonial - estrutura

Leia mais

Estrutura, Análise e Interpretação das Demonstrações Contábeis

Estrutura, Análise e Interpretação das Demonstrações Contábeis Alexandre Alcantara da Silva Estrutura, Análise e Interpretação das Demonstrações Contábeis Adendo à 1ª edição Texto atualizado em 28.04.2009 Relativo às alterações introduzidas pela Lei nº 11.638/2007

Leia mais

A CONVERGÊNCIA DOS PADRÕES DE CONTABILIDADE APLICADOS NO BRASIL ÀS INTERNATIONAL FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS (IFRS)

A CONVERGÊNCIA DOS PADRÕES DE CONTABILIDADE APLICADOS NO BRASIL ÀS INTERNATIONAL FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS (IFRS) A CONVERGÊNCIA DOS PADRÕES DE CONTABILIDADE APLICADOS NO BRASIL ÀS INTERNATIONAL FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS (IFRS) PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ OBJETIVO Apresentar

Leia mais

JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR

JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR Mestre em Controladoria e Contabilidade Estratégica e Bacharel em Ciências Contábeis. Professor de cursos de MBA da Fundação Getulio Vargas - RJ. Professor das Faculdades Atibaia

Leia mais

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Visando a redução de riscos nos investimentos internacionais, além de ter mais facilidade de comunicação internacional no mundo dos negócios, com o uso de

Leia mais

A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL.

A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL. A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL. Eliseu Pereira Lara 1 RESUMO: As alterações ocorridas na legislação contábil, visando à adequação

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.315/10

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.315/10 NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 19.40 para NBC TG 43 e de outras normas citadas: de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL; de NBC T 19.18 para

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES RESUMO O presente estudo aborda a importância da DFC para a organização, pois além de ser uma

Leia mais

A NOVA LEI CONTÁBIL DO BRASIL

A NOVA LEI CONTÁBIL DO BRASIL A NOVA LEI CONTÁBIL DO BRASIL SR AUDITORES E CONSULTORES S/S LTDA João Alfredo de Souza Ramos-CRC-ES 2289 srauditores@terra.com.br / 27-4009-4666 1 OBJETIVOS: - Alinhar a contabilidade às Normas Internacionais

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE PEDAGOGIA SÂMYA DE FREITAS MOURÃO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE PEDAGOGIA SÂMYA DE FREITAS MOURÃO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE PEDAGOGIA SÂMYA DE FREITAS MOURÃO PEDAGOGIA EMPRESARIAL: UM OLHAR SOBRE AS PRÁTICASDO PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS FORTALEZA 2012

Leia mais

Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv. Parte I - Introdução, 1

Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv. Parte I - Introdução, 1 Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv Parte I - Introdução, 1 1 Conceitos Introdutórios, 3 1.1 Conceitos, 3 1.2 Objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis, 5 1.3 Usuários da Análise das Demonstrações

Leia mais

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC O Comitê de Pronunciamentos - CPC Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de - FBC Objetivo: O estudo, o preparo e a emissão de Pronunciamentos Técnicos sobre procedimentos de e a divulgação de informações

Leia mais

Contabilidade Avançada Apresentação das Demonstrações Contábeis

Contabilidade Avançada Apresentação das Demonstrações Contábeis Contabilidade Avançada Apresentação das Demonstrações Contábeis Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 1 Presentation of Financial Statements No CPC: CPC 26 Apresentação das Demonstrações

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE

Leia mais

HARMONIZAÇÃO DE PRÁTICAS CONTÁBEIS

HARMONIZAÇÃO DE PRÁTICAS CONTÁBEIS HARMONIZAÇÃO DE PRÁTICAS CONTÁBEIS Professor 1 JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR Mestre em Controladoria e Contabilidade Estratégica e Bacharel em Ciências Contábeis. Professor de cursos de MBA da Fundação Getulio

Leia mais

A NOVA ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

A NOVA ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL A NOVA ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL BATALHA, Marco Aurelio R. 1 Resumo: Desde o surgimento da Contabilidade há mais de 20000 anos ela vem se modificando e se aprimorando conforme o ser humano se desenvolve

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

VAGAS PARA GRADUADOS

VAGAS PARA GRADUADOS VAGAS PARA GRADUADOS ESTARÃO ABERTAS AS INSCRIÇÕES PARA GRADUADOS NOS DIAS 11 e 12/01/2011 CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PERÍODO DIURNO - 11 vagas E CIÊNCIAS ATUARIAIS, PERIODO NOTURNO 4 vagas PARA INSCRIÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE

Leia mais

O IMPACTO DA LEI 11.638/07 NO MUNDO CONTÁBIL. Débora Cristina Dala Rosa¹, José César de Faria²

O IMPACTO DA LEI 11.638/07 NO MUNDO CONTÁBIL. Débora Cristina Dala Rosa¹, José César de Faria² O IMPACTO DA LEI 11.638/07 NO MUNDO CONTÁBIL Débora Cristina Dala Rosa¹, José César de Faria² ¹Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação, Avenida Shishima Hifumi,

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - INEPAR TELECOMUNICAÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - INEPAR TELECOMUNICAÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Unidade: As principais normas contábeis brasileiras (BRGAAP), americanas (USGAAP) e européias (IFRSGAAP) Revisor Textual: Profa. Esp.

Unidade: As principais normas contábeis brasileiras (BRGAAP), americanas (USGAAP) e européias (IFRSGAAP) Revisor Textual: Profa. Esp. Unidade: As principais normas contábeis brasileiras (BRGAAP), americanas (USGAAP) e européias (IFRSGAAP) Revisor Textual: Profa. Esp.Márcia Ota As NORMAS Internacionais de (International Accounting Standard

Leia mais

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil 1.0 - Introdução à Lei 11.638/07 Países com pouca tradição em mercados de capitais têm a tendência de sofrer, mais do que os demais, influências exógenas (externas) nos seus processos de desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE

Leia mais

DOAR X DFC: UM ESTUDO DAS ALTERAÇÕES PROVOCADAS PELA LEI 11.638/07

DOAR X DFC: UM ESTUDO DAS ALTERAÇÕES PROVOCADAS PELA LEI 11.638/07 AJES FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO VALE DO JURUENA BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DOAR X DFC: UM ESTUDO DAS ALTERAÇÕES PROVOCADAS PELA LEI 11.638/07 Autora: Eliane Paula Oliveira

Leia mais

CADERNO DE ANOTAÇÕES CONTÁBEIS

CADERNO DE ANOTAÇÕES CONTÁBEIS CADERNO DE ANOTAÇÕES CONTÁBEIS APLICAÇÃO N 3 As novas práticas contábeis instituídas a partir da Lei 11.638/2007 complementadas pela Lei 11.941/2009 e normatização formulada através da edição dos pronunciamentos

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 03/2014 ICPC 19 TRIBUTOS. Prazo: 15 de setembro de 2014

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 03/2014 ICPC 19 TRIBUTOS. Prazo: 15 de setembro de 2014 EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 03/2014 ICPC 19 TRIBUTOS Prazo: 15 de setembro de 2014 O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e o Conselho Federal de Contabilidade

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 8º PERÍODO

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 8º PERÍODO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 8º PERÍODO Profª. Núbia Rodrigues UBERLÂNDIA 1º SEMESTRE - 2012 UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE CURSO PROFESSOR (A): Núbia Aparecida

Leia mais

Instituto Hernandez de Desenvolvimento Profissional

Instituto Hernandez de Desenvolvimento Profissional AS IFRS COMO FATOR IMPULSIONADOR DA ECONOMIA E DA PROFISSÃO CONTÁBIL NO BRASIL JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR José Hernandez Perez Junior 1 PALESTRANTE JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR PhD Doctor of Philosophy

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: CONTABILIDADE GERAL PLANO DE CURSO

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: CONTABILIDADE GERAL PLANO DE CURSO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: CONTABILIDADE GERAL Código: CTB 100 Pré-requisito: Não há Período Letivo: 2015.2 Professor:

Leia mais

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 Aprova o Pronunciamento Conceitual Básico do CPC que dispõe sobre a Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis. JOSÉ APARECIDO

Leia mais

Rodovia das Colinas S.A.

Rodovia das Colinas S.A. Rodovia das Colinas S.A. Informações contábeis intermediárias Referentes ao Trimestre Findo em 31 de Março de 2013 e Relatório de Revisão dos Auditores Independentes sobre as informações contábeis intermediárias

Leia mais

A Estrutura das Demonstrações Contábeis

A Estrutura das Demonstrações Contábeis A Estrutura das Demonstrações Contábeis Prof. Dr. José Elias Feres de Almeida Universidade Federal do Espírito Santo International Certified Valuation Specialist (ICVS) NBC TA 200: Contexto: Estrutura

Leia mais

Faz saber que foi aprovada em seu Plenário a seguinte Norma Brasileira de Contabilidade (NBC), que tem por base o CT 04/2010 (R2) do Ibracon:

Faz saber que foi aprovada em seu Plenário a seguinte Norma Brasileira de Contabilidade (NBC), que tem por base o CT 04/2010 (R2) do Ibracon: Norma Brasileira de Contabilidade CFC/CTA Nº 2 DE 27/02/2015 Publicado no DO em 9 mar 2015 Dá nova redação ao CTA 02 que trata da emissão do relatório do auditor independente sobre demonstrações contábeis

Leia mais

HARMONIZAÇÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL IAS

HARMONIZAÇÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL IAS Instituto de Ciências Econômicas e Gerenciais Curso de Ciências Contábeis Contabilidade em Moeda Constante e Conversão de Demonstrações Contábeis para Moeda Estrangeira HARMONIZAÇÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE SÃO JOSÉ CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ - USJ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE SÃO JOSÉ CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ - USJ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE SÃO JOSÉ CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ - USJ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FABIANA ARRUDA PAES ANÁLISE FINANCEIRA POR INTERMÉDIO DA DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

AS MUDANÇAS DA LEI 11.638/07 NO BALANÇO PATRIMONIAL DAS EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO

AS MUDANÇAS DA LEI 11.638/07 NO BALANÇO PATRIMONIAL DAS EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO AS MUDANÇAS DA LEI 11.638/07 NO BALANÇO PATRIMONIAL DAS EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO Vanessa Alves Cunha 1, Robernei Aparecido Lima 2 1 Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas,

Leia mais

CARLA ALEXANDRA SEVES DE ANDRADE CANOTILHO

CARLA ALEXANDRA SEVES DE ANDRADE CANOTILHO Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico da Guarda R E L AT Ó R I O D E AT I V I D A D E P R O F I S S I O N A L N A J. V A R G A S - G A B I N E T E T É C N I C O D E G E S T Ã O E

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PADRONIZAÇÃO DAS NORMAS CONTÁBEIS BRASILEIRAS

A IMPORTÂNCIA DA PADRONIZAÇÃO DAS NORMAS CONTÁBEIS BRASILEIRAS A IMPORTÂNCIA DA PADRONIZAÇÃO DAS NORMAS CONTÁBEIS BRASILEIRAS Camila Gomes de Carvalho Nivaldo Grego (OR) RESUMO: Com a abertura da cultura e economia no mundo devido a globalização, possibilitou que

Leia mais

CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA II DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO (DMPL)

CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA II DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO (DMPL) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA II DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO Prof. Emanoel Truta Conceito É uma demonstração contábil que visa evidenciar as variações ocorridas em todas as contas que compõem o Patrimônio

Leia mais

Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC Origem

Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC Origem 1 * Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC Origem Em função das Necessidades de: - convergência internacional das normas contábeis (redução de custo de elaboração de relatórios contábeis, redução de riscos

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS PRODUTORAS DE PROJETOS CULTURAIS FACE AO NOVO PADRÃO CONTÁBIL

A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS PRODUTORAS DE PROJETOS CULTURAIS FACE AO NOVO PADRÃO CONTÁBIL A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS PRODUTORAS DE PROJETOS CULTURAIS FACE AO NOVO PADRÃO CONTÁBIL Já tivemos oportunidade de abordar a importância da contabilidade para as pequenas empresas produtoras de projetos

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

ADERÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR AO IAS 26

ADERÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR AO IAS 26 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerenciais Curso de Ciências Contábeis Contabilidade de Entidades de Previdência Privada e Seguradoras ADERÊNCIA DAS

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS DA LEI 11.638/07 E AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE UM ESTUDO DE CASO EM UMA SOCIEDADE ANÔNIMA

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS DA LEI 11.638/07 E AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE UM ESTUDO DE CASO EM UMA SOCIEDADE ANÔNIMA AS PRINCIPAIS MUDANÇAS DA LEI 11.638/07 E AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE UM ESTUDO DE CASO EM UMA SOCIEDADE ANÔNIMA RESUMO Em 28 de dezembro de 2007 foi promulgada a Lei 11.638 que altera e

Leia mais

ANALISE DA FORMA DE ESTRUTURAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS EMPRESAS

ANALISE DA FORMA DE ESTRUTURAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS EMPRESAS ANALISE DA FORMA DE ESTRUTURAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS EMPRESAS Autores: Alexandre Costa Quintana Daniele Pereira Mesquita RESUMO A forma de estruturação das demonstrações contábeis é fundamental

Leia mais

AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO VALE DO JURUENA BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO VALE DO JURUENA BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO VALE DO JURUENA BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA PARA PEQUENA E MÉDIA EMPRESA: UM ENFOQUE NA NORMA BRASILEIRA DE

Leia mais

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores;

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA DA CONTABILIDADE Prof. Francisco Marcelo Avelino Junior, MsC. EVOLUÇÃO HISTÓRICA Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; Princípios Contábeis representam

Leia mais

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010 DFC DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA ( Exercícios ) 1. INTRODUÇÃO A Demonstração de Fluxos de Caixa, de acordo com a lei 11.638/2007, passou a ser obrigatória para as companhias abertas, companhias de

Leia mais

Principais Alterações na Estrutura das Demonstrações Contábeis a Lei nº 11.638/07

Principais Alterações na Estrutura das Demonstrações Contábeis a Lei nº 11.638/07 1 Principais Alterações na Estrutura das Demonstrações Contábeis a Lei nº 11.638/07 Eliane Sayuri Takahashi Nishio 1 Gerardo Viana Priscila Juliana Batista Ricardo Pereira Rios 2 Resumo Este estudo versa

Leia mais

Harmonização contábil internacional. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Harmonização contábil internacional. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Harmonização contábil internacional Autor: Ader Fernando Alves de Pádua RESUMO O presente artigo tem por objetivo abordar o conceito e os aspectos formais e legais das Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

http://www.grupoempresarial.adm.br/contab_geral/prof_lima.htm

http://www.grupoempresarial.adm.br/contab_geral/prof_lima.htm DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS Representam um conjunto de informações que devem ser obrigatoriamente divulgadas, anualmente, segundo a lei 6404/76, pela administração de uma sociedade por ações e representa a

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DLPA DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS A DLPA expõe as variações ocorridas, durante o exercício, na conta Lucros ou Prejuízos Acumulados. Ela pode ser incluída na DMPL Demonstração das Mutações

Leia mais

CURSO DE PÓS-MBA. Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB

CURSO DE PÓS-MBA. Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB CURSO DE PÓS-MBA Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB Código no SIGA: PMBACBIC09/00 Coordenação Acadêmica

Leia mais

Demonstrações Financeiras IFRS

Demonstrações Financeiras IFRS Demonstrações Financeiras IFRS Prof. Dr. Fábio Moraes da Costa Professor Associado da FUCAPE Business School Grupo Consultivo do International Accounting Education Standards Board (IAESB) Membro da delegação

Leia mais

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015 Escrituração Contábil Fiscal - ECF Me. Fábio Luiz de Carvalho Varginha-MG, 31.julho.2015 Causa & Efeito A Lei n. 11.638/07 combinada com os Pronunciamentos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis

Leia mais

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA Sócio da Deloitte e autor de livros da Editora Atlas 1 EVOLUÇÃO Instrução CVM n 457/07 Demonstrações financeiras consolidadas a partir

Leia mais

Lei n. 11.638/2007. Nova Lei das n. Sociedades 11.638/2007 Anônimas. Contabilidade Empresarial. Nova Lei das Sociedades Anônimas

Lei n. 11.638/2007. Nova Lei das n. Sociedades 11.638/2007 Anônimas. Contabilidade Empresarial. Nova Lei das Sociedades Anônimas Lei n. 11.638/2007 Nova Lei das n. Sociedades 11.638/2007 Anônimas Prof. Dr. José Carlos Marion Nova Lei das Sociedades Anônimas Seminários Cursos Debates Fóruns de Discussão Contabilistas - 400.000 Escritórios

Leia mais

UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Ciências Contábeis

UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Ciências Contábeis UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Ciências Contábeis Adriana Pereira de Carvalho Elza Mathias da Silva Guilherme Cardoso Teixeira OS NOVOS PADRÕES INTERNACIONAIS DE

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CONCEITO É uma técnica contábil que consiste na unificação das

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

A Contabilidade e o Profissional Contábil nas Pequenas e Médias Empresas

A Contabilidade e o Profissional Contábil nas Pequenas e Médias Empresas A Contabilidade e o Profissional Contábil nas Pequenas e Médias Empresas Irineu De Mula Março/2011 Primeira Fase do Processo de Convergência (Lei 11.638 e 11.941/08) Direito Positivo Brasileiro Alteram

Leia mais

Clubes de futebol com boa governança possuem melhor desempenho? Evidências do mercado brasileiro

Clubes de futebol com boa governança possuem melhor desempenho? Evidências do mercado brasileiro Marcio Marcelo de Oliveira Clubes de futebol com boa governança possuem melhor desempenho? Evidências do mercado brasileiro Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação

Leia mais

MBA Executivo - Auditoria e Finanças

MBA Executivo - Auditoria e Finanças MBA Executivo - Auditoria e Finanças Proposta do curso: O curso de MBA Executivo em Auditoria e Finanças possibilita ao profissional conhecer os fundamentos e as ferramentas de auditoria e gestão financeira.

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA DISTRIBUIÇÃO DA APRESENTAÇÃO - Aspectos Conceituais - Definições Teóricas e Acadêmicas

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NO PROCESSO GERENCIAL

A INFLUÊNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NO PROCESSO GERENCIAL A INFLUÊNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NO PROCESSO GERENCIAL INFLUENCE OF FINANCIAL STATEMENTS ANALYSIS IN THE MANAGEMENT PROCESS Cristiane Perosa 1 Carine David 2 Resumo O presente estudo

Leia mais

Comunicados Técnicos. 30 de agosto de 2013. Idésio S. Coelho - Diretor Técnico DIRETORIA NACIONAL

Comunicados Técnicos. 30 de agosto de 2013. Idésio S. Coelho - Diretor Técnico DIRETORIA NACIONAL Comunicados Técnicos 30 de agosto de 2013 Idésio S. Coelho - Diretor Técnico DIRETORIA NACIONAL Agenda Comitês Técnicos do IBRACON CNNT Comissão Nacional de Normas Técnicas CNA Comitê de Normas de Auditoria

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC) ANALISTA. TRT s 09 PROVAS 107 QUESTÕES. (2012, 2011, 2009 e 2008)

CONTABILIDADE GERAL FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC) ANALISTA. TRT s 09 PROVAS 107 QUESTÕES. (2012, 2011, 2009 e 2008) CONTABILIDADE GERAL FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC) ANALISTA TRT s 09 PROVAS 107 QUESTÕES (2012, 2011, 2009 e 2008) A apostila contém provas de Contabilidade Geral de concursos da Fundação Carlos Chagas (FCC),

Leia mais

UM ESTUDO HISTÓRICO DA ANÁLISE DE BALANÇO BEM COMO A SUAS APLICAÇÕES NO NOSSO TEMPO. Paola Guariso Crepaldi 1, Renato Nogueira Perez Avila 2,

UM ESTUDO HISTÓRICO DA ANÁLISE DE BALANÇO BEM COMO A SUAS APLICAÇÕES NO NOSSO TEMPO. Paola Guariso Crepaldi 1, Renato Nogueira Perez Avila 2, UM ESTUDO HISTÓRICO DA ANÁLISE DE BALANÇO BEM COMO A SUAS APLICAÇÕES NO NOSSO TEMPO Paola Guariso Crepaldi 1, Renato Nogueira Perez Avila 2, Elisangela Leme Antonio 3, Viviane Batista Mastelari 4 RESUMO

Leia mais

2 Evidenciação Contábil

2 Evidenciação Contábil Alterações na Legislação Societária e a Evidenciação das Demonstrações Contábeis em Sociedades de Economia Mista: Estudo de Caso no Banco do Nordeste do Brasil (BNB) Francisco Lúcio Mendes Maia, Ms Profa.

Leia mais

CONTABILIDADE. Prof Adelino Correia

CONTABILIDADE. Prof Adelino Correia CONTABILIDADE GERAL Prof Adelino Correia Definição de Contabilidade Contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio em suas variações quantitativas e qualitativas. Objeto da Contabilidade

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Conhecimento essencial em Gestão de Controladoria Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ AMANDA DE ANDRADE ANA PAULA DE ALMEIDA BRUNA LOZANO DA HORA RAFFAEL GRILLENI TIAGO DE MELO ALONSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ AMANDA DE ANDRADE ANA PAULA DE ALMEIDA BRUNA LOZANO DA HORA RAFFAEL GRILLENI TIAGO DE MELO ALONSO CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ AMANDA DE ANDRADE ANA PAULA DE ALMEIDA BRUNA LOZANO DA HORA RAFFAEL GRILLENI TIAGO DE MELO ALONSO NORMAS CONTÁBEIS: CPC 03 DEMONSTRAÇÃO NOS FLUXOS DE CAIXA e CPC

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC): CONCEITOS E ESTRUTURA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC): CONCEITOS E ESTRUTURA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC): CONCEITOS E ESTRUTURA COSTA, Rodrigo Simão da Centro Universitário da Fundação de Ensino Octávio Bastos (UNIFEOB) rsimao@unifeob.edu.br RESUMO: A Demonstração dos

Leia mais

CONVERGÊNCIA DAS NORMAS CONTÁBEIS BRASILEIRAS ÀS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE: UM ESTUDO SOBRE EVIDENCIAÇÃO ADICIONAL

CONVERGÊNCIA DAS NORMAS CONTÁBEIS BRASILEIRAS ÀS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE: UM ESTUDO SOBRE EVIDENCIAÇÃO ADICIONAL CONVERGÊNCIA DAS NORMAS CONTÁBEIS BRASILEIRAS ÀS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE: UM ESTUDO SOBRE EVIDENCIAÇÃO ADICIONAL Igor Gabriel Lima 1 Carlos Roberto Souza Carmo 2 Vidigal Fernandes Martins

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE (DRA)

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE (DRA) DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE (DRA) Vou abordar, neste artigo, um assunto relativamente novo, mas que já foi cobrado por algumas bancas. Trata-se da Demonstração do Resultado Abrangente (DRA). Resultado

Leia mais

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças Prof. Moab Aurélio Competências a serem trabalhadas PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO GESTÃO FINANCEIRA CONTABILIDADE ACI : ESTUDO

Leia mais

Empreendimentos Florestais Santa Cruz Ltda. Demonstrações financeiras em 30 de setembro de 2009 e relatório dos auditores independentes

Empreendimentos Florestais Santa Cruz Ltda. Demonstrações financeiras em 30 de setembro de 2009 e relatório dos auditores independentes Empreendimentos Florestais Santa Cruz Ltda. Demonstrações financeiras em 30 de setembro de 2009 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes Aos Administradores e Quotistas

Leia mais

IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil

IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil Ano X - Nº 77 - Julho/Agosto de 2014 IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil Profissionais da Contabilidade deverão assinar prestações de contas das eleições Ampliação do Simples Nacional

Leia mais

RODRIGO RANIERE DE OLIVEIRA

RODRIGO RANIERE DE OLIVEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE - UFRN CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ - CERES DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E APLICADAS - DCEA CAMPUS DE CAICÓ RODRIGO RANIERE DE OLIVEIRA HARMONIZAÇÃO

Leia mais

Prof. Me. Alexandre Saramelli. Unidade III ESTRUTURA DAS

Prof. Me. Alexandre Saramelli. Unidade III ESTRUTURA DAS Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade III ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Estrutura das demonstrações contábeis Dividida em quatro Unidades: Unidade I 1. Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO: VERIFICAÇÃO COM AS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO: VERIFICAÇÃO COM AS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO: VERIFICAÇÃO COM AS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE Laura Pochmann

Leia mais

CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA II APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA II APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA II APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Emanoel Truta Conceito Demonstrações contábeis são uma representação estruturada da posição patrimonial e financeira e do desempenho

Leia mais

UniRV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UniRV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UniRV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ADEQUAÇÃO DAS ENTIDADES DE CAPITAL ABERTO COM RELAÇÃO À DIVULGAÇÃO DA DEMONSTRAÇÃO CONTÁBIL INTERMEDIÁRIA AO CPC 21 ELISANGELA SOUSA SILVA

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS DIRETORIA ACADÊMICA PROGRAMAS E BIBLIOGRAFIAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS DIRETORIA ACADÊMICA PROGRAMAS E BIBLIOGRAFIAS DISCIPLINA GL203 NOME Contabilidade I Horas Semanais Teóricas Práticas Laboratório Orientação Distância Estudo em Casa Sala de Aula 04 00 00 00 00 00 04 Nº semanas Carga horária total Créditos Exame Frequência

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

FACULDADE JOSÉ LACERDA FILHO DE CIÊNCIAS APLICADAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANDREZA DE AGUIAR PINTO

FACULDADE JOSÉ LACERDA FILHO DE CIÊNCIAS APLICADAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANDREZA DE AGUIAR PINTO FACULDADE JOSÉ LACERDA FILHO DE CIÊNCIAS APLICADAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANDREZA DE AGUIAR PINTO UM ESTUDO SOBRE A PERCEPÇÃO DOS GESTORES QUANTO Á CONTRIBUIÇÃO DA AUDITORIA EXTERNA PARA A MELHORIA

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais