MÓDULO. Linguagem de Programação para Web 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MÓDULO. Linguagem de Programação para Web 2"

Transcrição

1 MÓDULO Linguagem de Programação para Web 2

2 Distribuição das Disciplinas de Programação para Web LPW 1: MVC Servlets JSP LPW2: Visão geral do JEE, JSF MVC, Facelets, PrimeFaces,... Padrões de projeto relacionadas LPW3- EJB + JTA, LPW4 EJB-WS +Application client

3 OBJETIVO DO MÓDULO Apresentar a Tecnologia Java EE 7 Novidades Arquitetura APIs envolvidas JSF 2

4 INTRODUÇÃO A TECNOLOGIA JAVA EE 7

5 Destaques Objetivos Simplificar o desenvolvimento, Fornecer suporte básico para os vários tipos de componentes da plataforma Java EE. Benefícios do JEE 7: melhoria de produtividade mais Annotations e menos configuração XML, mais Plain Old Java Objects (POJOs) e packaging mais simples.

6 Evolução Plataforma JEE

7 Evolução Plataforma JEE

8 Novos Recursos JEE7 As novas tecnologias Aplicações Batch para a Plataforma Java Utilitários concorrentes para Java EE API Java para Processamento de JSON (JSON-P) API Java para WebSocket Novos recursos para componentes EJB servlets componentes JavaServer Faces o Java Message Service (JMS)

9 Modelo de Aplicação JEE7 Linguagem Java e da JVM. Portabilidade, segurança e produtividade do desenvolvedor. Fornece uma forma básica do modelo de aplicação. Projetada para suportar aplicações que implementam serviços corporativos para clientes, funcionários, fornecedores, parceiros e outros que demandam sobre ou contribuições para a empresa. Tais aplicações são inerentemente complexas, com acesso a dados de diversas fontes e distribuindo aplicativos para vários clientes.

10 Modelo de Aplicação JEE7 Para melhor controlar e gerenciar essas aplicações, as funções de negócios para apoiar os vários usuários são realizadas na camada intermediária (middle tier). Middle tier representa um ambiente rigorosamente controlado pela área de TI de uma empresa. Middle tier é geralmente executada em hardware de servidor dedicado e com acesso a todos serviços da empresa.

11 Modelo de Aplicação JEE7 Define uma arquitetura para implementação de serviços como aplicações de múltiplas camadas que proporcionam a escalabilidade, acessibilidade e capacidade de gerenciamento necessária para aplicações de nível empresarial. Divide o trabalho necessário para implementar serviço de várias camadas em: Lógica de negócio e apresentação a ser implementado pelo desenvolvedor Serviços padrões fornecidos pela plataforma Java EE O desenvolvedor pode contar com a plataforma que fornece soluções para sistemas com nível elevado de problemas no desenvolvimento em várias camadas.

12 Arquitetura JEE Sistemas Legados Cliente Magro Aplicações Externas Cliente Gordo

13 APLICAÇÕES MULTICAMADAS

14 Aplicações Distribuídas Multicamadas A plataforma Java EE utiliza um modelo de aplicação distribuída multicamadas para aplicações empresariais (Enterprise Applications). A lógica da aplicação é dividida em componentes de acordo com a função, e os componentes do aplicativo que compõe uma aplicação Java EE estão instalados em várias máquinas, dependendo da camada Java EE a que o componente pertence.

15 Aplicações Multicamadas Componentes da camada cliente Componentes Web-tier Componentes da camada de negócios Enterprise Information System

16 Aplicações Multicamadas Apesar de poder consistir em todos os níveis mostrados, geralmente aplicações multicamadas Java EE são consideradas de três camadas pois estão distribuídas em três locais: cliente, servidor Java EE, e bancos de dados ou sistemas legados no back-end. Aplicações de três camadas que funcionam desta forma estendem o modelo cliente-servidor de dois níveis padrão, colocando um servidor de aplicativos multithread entre o aplicativo cliente e back-end de armazenamento.

17 Segurança no JEE Outros modelos de aplicações empresariais exigem medidas de segurança específicas da plataforma para cada aplicação, Java EE permite definições de restrições de segurança no momento da implantação. produz aplicações portáveis para uma ampla variedade de implementações de segurança dispensando os desenvolvedores da complexidade da implementação dos recursos de segurança. fornece regras de controle de acesso padrão declarativa definidas pelo desenvolvedor e interpretadas quando o aplicativo é implantado no servidor. oferece mecanismos de login padrão para que os desenvolvedores não tenham que implementar esses mecanismos em suas aplicações. A mesma aplicação funciona numa ampla variedade de ambientes de segurança, sem precisar alterar o código fonte.

18 Componentes Java EE Aplicações Java EE são constituídas por componentes. Unidade de software funcional, independente, montada em um aplicativo Java EE, com suas classes e arquivos relacionados e que se comunica com outros componentes. A especificação Java EE define os seguintes componentes do Java EE: aplicativos clientes e applets: executados no cliente componentes de tecnologia Java Servlet, JavaServer Faces e JavaServer Pages (JSP): componentes Web executados no servidor componentes EJB (beans corporativos) : componentes de negócios executados no servidor.

19 Componentes Java EE Escritos em Java e compiladas da mesma forma como qualquer programa na linguagem Java. Diferenças entre os componentes do Java EE e classes Java normais os componentes Java EE são incluídos em aplicações Java EE, verificados quanto a formação e em conformidade com a especificação Java EE. São implantados para produção, sendo executados e gerenciados pelo servidor Java EE.

20 Clientes Java EE Cliente web Aplicativo cliente

21 Cliente Web Consiste de duas partes: Páginas web dinâmicas : linguagem de marcação (HTML, XML, etc...), gerados por componentes da Web que funcionam na camada web Um navegador da Web: renderiza e exibe as páginas recebidas do servidor Chamado às vezes um cliente magro (thin client) não consultam bases de dados, não executam regras de negócio complexas, ou não se conectam a aplicativos legados. quando usado, tais operações pesadas são descarregados para beans corporativos para aproveitar os recursos de segurança, velocidade, serviços e confiabilidade de tecnologias do lado do servidor Java EE.

22 Aplicativos Cliente Executado em um computador cliente e fornece uma forma de os usuários lidarem com tarefas que exigem uma interface mais rica do que a fornecida por uma linguagem de marcação (HTML). Normalmente tem interface gráfica (GUI) criada a partir da API Swing ou AWT; ou pode ser de linha de comando.

23 Aplicativos Cliente Acessam diretamente beans corporativos que funcionam na camada de negócios. Se os requisitos da aplicação justificarem, um aplicativo cliente pode abrir uma Conexão HTTP para estabelecer comunicação com um servlet rodando na camada web. Aplicativos clientes escritos em outras linguagens não Java podem interagir com servidores Java EE, permitindo que a plataforma Java EE faça interoperação com sistemas legados, clientes e linguagens não-java.

24 Applets Podem ser inc;uídos em páginas web recebidas da camada web Pequeno aplicativo cliente escrito em Java que executa na máquina virtual Java instalada no navegador da web. Sistemas cliente vão precisar do plug-in do Java e, possivelmente, de política de segurança para o applet para executar com êxito no navegador da web.

25 Componentes Web Preferidos para a criação de programas cliente web pois nenhum plug-ins ou políticas de segurança são necessários nos sistemas cliente. Permitem design da aplicação mais modular e claro, pois fornecem um meio de separar a programação do design da página web. Pessoal do design da página web não precisam entender de programação Java para realizar suas tarefas.

26 Arquitetura de Componentes Javabean As camadas server e client podem incluir componentes baseados na arquitetura de componentes JavaBeans (componentes JavaBeans) para gerenciar o fluxo de dados entre: aplicativo cliente ou applet e componentes executando no servidor Java EE componentes do servidor e banco de dados Componentes JavaBeans não são considerados componentes Java EE têm propriedades e métodos get e set para acessar essas propriedades. simples na sua concepção e implementação, mas devem estar em conformidade com as convenções de nomenclatura e de projeto descritas na arquitetura de componentes JavaBeans

27 Comunicação em Servidores JEE

28 Componentes Web Servlets ou páginas da web criados usando tecnologia JavaServer Faces (JSF) e/ou JSP (páginas JSP). Servlets: classes Java que dinamicamente processam pedidos e constroem respostas. Páginas JSP: documentos baseados em texto que executam como servlets; permitem abordagem mais natural para a criação de conteúdo estático. JavaServer Faces: baseia-se na tecnologia de servlets e JSP; fornece um framework de componentes de interface de usuário para aplicações web.

29 Componentes não Web JEE Páginas HTML estáticas e applets : Fornecidos com os componentes da web durante a montagem aplicativo. Classes de utilitários do lado do servidor Podem ser empacotadas com componentes da Web

30 Componentes Web Camada web, assim como a camada client, podem incluir componentes JavaBeans para gerenciar entrada de dados do usuário e enviar-los para beans corporativos que operam na camada de negócios.

31 Componentes de Negócios Código de Negócios (business code), lógica que resolve ou atende às necessidades de um domínio de negócio em particular tratado por beans corporativos que operam tanto na camada de negócios ou a camada web.

32 Enterprise Information System Tier Opera com: software EIS e sistemas de infraestrutura organizacionais Sistemas de Planejamento de Recursos Empresariais (ERP), processamento de transações, sistemas de banco de dados e outros sistemas de informação legados. Exemplo: os componentes de aplicativos Java EE podem ter acesso às EIS para conectividade ao banco de dados.

33 Arquitetura JEE

34 Arquitetura JEE

35 JEE CONTAINERS

36 Java EE Containers Aplicações thin client multicamadas: difíceis de escrever pois envolvem muitas linhas de código para lidar com transações e gerenciamento de estado, multithreading, pool de recursos e detalhes de baixo nível.

37 Java EE Containers A arquitetura Java EE baseada em componentes e independente de plataforma torna aplicações fáceis de escrever, porque a lógica do negócio é organizada em componentes reutilizáveis, o servidor Java EE fornece serviços de suporte sob a forma de um container para cada tipo de componente e por não ter que desenvolver estes serviços, pode-se concentrar na resolução dos problemas do negócio.

38 Java EE Containers Containers são a interface entre um componente e o nível inferior, funcionalidade específica da plataforma que suporta o componente. Antes que possa ser executado, um componente web, enterprise bean ou aplicativo cliente deve ser montado em um módulo Java EE e implantado em seu container.

39 Java EE Containers x API

40 Container Services O processo de montagem envolve a especificação das definições de contêineres para cada componente na aplicação Java EE e para a aplicação Java EE em si. Configurações do contêiner personalizam o suporte fornecido pelo servidor Java EE, incluindo serviços como segurança, gerenciamento de transações, a API de busca Java Naming and Directory Interface (JNDI) e conectividade remota

41 Container Services O modelo de segurança Java EE permite configurar um componente web ou bean corporativo de modo que os recursos do sistema sejam acessados apenas por usuários autorizados. O modelo de transação Java EE permite especificar as relações entre os métodos que compõem uma única transação, de modo que todos os métodos em uma transação sejam tratados como uma única unidade. Serviços de pesquisa JNDI fornecem uma interface unificada para múltiplos serviços de naming e directory services na empresa, de modo que os componentes da aplicação possam acessar esses serviços. O modelo de conectividade remota Java EE gerencia as comunicações de baixo nível entre clientes e beans corporativos. Depois que um bean corporativo é criado, um cliente invoca métodos sobre ele como se fosse na mesma máquina virtual.

42 Container Services Como a arquitetura Java EE fornece serviços configuráveis, componentes dentro do mesmo aplicativo podem se comportar de forma diferente dependendo de onde forem implantados. Exemplo: um enterprise bean pode ter configurações de segurança que permitem um nível de acesso ao banco de dados em um ambiente de produção e outro nível de acesso em outro ambiente de produção. O container também gerencia serviços não configuráveis, como o beans corporativos, ciclos de vida do servlet, pool de recursos de conexão de banco de dados, persistência de dados e acesso a as APIs da plataforma Java EE (Java EE 7 ver APIs).

43 Tipos de Containers Servidor Java EE: Runtime do Java EE. Fornece contêineres EJB e web. Container EJB: Gerencia a execução de beans corporativos para aplicações Java EE. Beans corporativos e seu container rodam no servidor Java EE. Container Web: Gerencia a execução de páginas web, servlets, e alguns EJB componentes para aplicações Java EE. Componentes da Web e seu contêiner rodam no servidor Java EE. Container Aplicação Cliente : Gerencia a execução de componentes do aplicativo cliente. Aplicativos Clientes e seu container rodam no cliente. Container Applet: Gerencia a execução de applets. Consiste em um navegador da web e um Java Plug-in rodando juntos no cliente.

44 SERVIÇOS DE SUPORTE

45 Serviços de Suporte a Web Os serviços Web são aplicações corporativas baseadas na web que usam protocolo de transporte aberto, baseado em XML e para a troca de dados com solicitações clientes. O Java EE fornece as APIs XML e ferramentas necessárias para rapidamente projetar, desenvolver, testar e implantar os serviços clientes e web que interagem totalmente com outros serviços da web e clientes que executam em plataformas baseadas em Java ou não Java.

46 Extensible Markup Language (XML) Padrão para representar dados multiplataforma, extensível, baseado em texto. As partes que trocam dados XML podem criar suas próprias tags para descrever seus dados, criar esquemas para especificar quais tags podem ser usadas em tipo particular de documento XML, e usar estilos para gerenciar manipulação e a exibição dos dados.

47 Protocolo de Transporte SOAP As solicitações do cliente e respostas de serviços web são transmitidos como mensagens SOAP (Simple Object Access Protocol ) sobre HTTP para permitir uma completa interoperabilidade entre clientes e serviços web, executados em plataformas diferentes e em vários locais na Internet. HTTP é um familiar padrão de solicitação e resposta para o envio de mensagens pela Internet, e SOAP é um protocolo baseado em XML que se segue o modelo HTTP de solicitação e resposta.

48 Protocolo de Transporte SOAP A parte SOAP de uma mensagem transportada faz o seguinte: Define um encapsulamento baseado em XML para descrever o que está na mensagem e explicar como processar a mensagem Inclui regras baseadas em XML para expressar ocorrências dentro da mensagem de tipos de dados definidos pela aplicação Define uma convenção baseada em XML para representar o pedido do serviço remoto e a resposta resultante

49 Web Services Description Language (WSDL) Descrição de serviços de rede que seguem o padrão XML. Inclui: o nome de serviço, a localização dos serviços e formas de se comunicar com o serviço. Descrições de serviço WSDL podem ser publicadas na web. Servidor GlassFish oferece uma ferramenta para gerar a especificação WSDL de um serviço web que usa chamadas de procedimento remoto para se comunicar com os clientes.

50 Montagem e Implantação de aplicações JEE Uma aplicação Java EE é empacotada em uma ou mais unidades para implantação em qualquer sistema compatível com plataforma Java EE. Cada unidade contém : Um componente funcional ou componentes, como um bean corporativo, página web, servlet, ou applets; Um descritor de implantação (Deployment Descriptor) opcional que descreve o seu conteúdo. A implantação envolve o uso de ferramentas de implantação da plataforma para especificar a localização detalhada das informações, tais como a lista dos usuários locais que podem acessá-lo e o nome da base de dados local. Uma vez implantado em uma plataforma, o aplicativo está pronto para ser executado.

51 API NOS JEE7 CONTAINERS

52 API no Web Container

53 API no Web Container

54 API no EJB Container

55 API no Client Container

56 NOMENCLATURA JEE

57 Enterprise JavaBeans (EJB) corpo de código que tem campos e métodos para implementar os módulos da lógica de negócios. espécie de bloco de construção que pode ser usado sozinho ou com outra EJB para executar a lógica de negócios no servidor Java EE.

58 Enterprise JavaBeans (EJB) Session bean : representa uma conversação transiente com um cliente. Quando o cliente termina a execução, o bean de sessão e seus dados desapareceram. Message-driven bean: combina características de um Session Bean com a de um receptor da mensagem, permitindo a um componente de negócios receber mensagens de forma assíncrona. Comumente, são mensagens Java Message Service (JMS) No Java EE 7, novos recursos de Enterprise Javabeans incluem: - Asynchronous local session beans in EJB Lite - Temporizadores não persistente em EJB Lite Java EE 7 requer Enterprise JavaBeans 3.2 e 1.2 interceptores.

59 Java Servlet Permite definir classes de HTTP servlet. A classe servlet estende as capacidades dos servidores que hospedam aplicativos acessados por meio de um modelo de programação HTTP de solicitaçãoresposta. Apesar de servlets responderem a qualquer tipo de pedido, eles são comumente usados para estender os aplicativos hospedados por servidores web. No Java EE 7, novos recursos da Tecnologia Java Servlet incluem: - Nonblocking I/O - HTTP protocol upgrade Java EE 7 requer Servlet 3.1

60 JavaServer Faces É framework de interface de usuário para a construção de web aplicações. Principais componentes: Um framework de componentes GUI. Um modelo flexível para renderizar componentes em diferentes tipos de HTML ou diferente linguagens e tecnologias de marcação. Um objeto Renderer gera a marcação para processar o componente e converter os dados armazenados em um objeto modelo para tipos que podem ser representados numa view. A RenderKit padrão para a geração de marcação HTML 4.01.

61 Java Server Faces As seguintes recurso apoiam os componentes GUI: Validação de entrada Manipulação de eventos Conversão de dados entre objetos modelo e componentes Criação do objeto modelo gerenciado Configuração de navegação de página Expression Language (EL) Toda funcionalidade está disponível usando APIs Java padrão e baseada em arquivos de configuração XML No Java EE 7, novos recursos da Tecnologia JavaServer Faces incluem: - Marcação amigável HTML5 Faces Flows Resource library contracts Java EE 7 requer JavaServer Faces 2.2 and Expression Language 3.0

62 JavaServer Pages Permite colocar trechos de código servlet diretamente em um documento baseado em texto. Uma página JSP é um documento baseado em texto que contém dois tipos de texto: Os dados estáticos, que podem ser expressos em qualquer formato baseado em texto, como HTML ou XML Elementos JSP, que determinam como é construído o conteúdo dinâmico da página Java EE 7 requer JavaServer Pages 2.3 para compatibilidade com versões anteriores, mas é recomendado o uso de Facelets como a tecnologia de exibição em novo aplicativos.

63 JavaServer Pages Standard Tag Library (JSTL) Encapsula núcleo da funcionalidade comum a muitas aplicações JSP. Em vez de misturar vários fornecedores nos aplicativos JSP, usa-se um único conjunto de tags padrão. Essa padronização permite implantar os aplicativos em qualquer container que suporte JSP JSTL e tornar a implementação das tags mais otimizada. JSTL tem iterator e tags condicionais para lidar com o fluxo de controle, tags para manipular documentos XML, internacionalização, acesso a bancos de dados usando SQL e para outras funções úteis. Java EE 7 requer JSTL 1.2

64 Java Persistence API Solução baseada em padrões Java para persistência. Usa uma abordagem de mapeamento objeto / relacional para preencher a lacuna entre um modelo orientado a objeto e um banco de dados relacional. Pode ser também usado em aplicações Java SE fora do ambiente Java EE. É composta por: Java Persistence API Linguagem de consulta Mapeamento Objeto/Relacional Java EE 7 requer Java Persistence API 2.1

65 Java Transaction API (JTA) Fornece uma interface padrão para demarcar transações. \ A arquitetura Java EE fornece um auto commit padrão a lidar com confirmação de transação e reversões (roolbacks). Um auto commit significa que qualquer outra aplicação que está vendo os dados, terá os dados atualizados após cada operação de leitura ou escrita no banco de dados. No entanto, se o aplicativo executa duas operações de acesso a banco de dados separados, que dependem uns dos outros, a API JTA é usada para demarcar a transação toda, incluindo as ambas operações: begins, rolls back, and commits. Java EE 7 requer Java Transaction API 1.2

66 Java API for RESTful Web Services (JAX-RS) define APIs para o desenvolvimento de serviços web construídos de acordo com a arquitetura REST (Representational State Transfer) A aplicação JAX-RS é uma aplicação web que consiste de classes empacotadas como um servlet em um arquivo WAR junto com as bibliotecas necessárias. Java EE 7 requer JAX-RS 2.0

67 Managed Beans objetos leves gerenciados por contêiner (POJOs) com o requisitos mínimos, suporte de um pequeno conjunto de serviços básicos, como a injeção de recursos, o ciclo de vida de callbacks e interceptores. Beans gerenciados representam uma generalização do bean gerenciado especificado pela tecnologia JavaServer Faces e pode ser usado em qualquer lugar em uma aplicação Java EE, não apenas em módulos web. A especificação Managed Beans é parte da especificação da plataforma Java EE 7 (JSR 342). Java EE 7 requer Managed Beans 1.0.

68 Contexts and Dependency Injection for Java EE (CDI) Define um conjunto de serviços contextuais, prestados pelos containers Java EE, que tornam mais fácil para os desenvolvedores usar enterprises beans com a tecnologia JavaServer Faces em aplicações web. Projetado para uso com objetos stateful (sem estado), CDI também tem uso mais abrangente, possibilitando uma grande flexibilidade para integrar diferentes tipos de componentes de uma forma fracamente acoplada mas segura. Java EE 7 requer CDI 1.1.

69 Dependency Injection for Java Define um conjunto padrão de anotações (e uma interface) para uso em classes injetáveis. Na plataforma Java EE, CDI fornece suporte para injeção de dependência. Especificamente, podem ser usados pontos de injeção somente em uma aplicação CDI-habilitada. Java EE 7 requer Dependency Injection for Java 1.0.

70 Bean Validation Define um modelo de metadados e API para validar dados em componentes JavaBeans. Em vez de distribuir a validação de dados ao longo de várias camadas, como no navegador e no lado servidor, permite definir a validação de restrições em um único local e compartilhá-los através das diferentes camadas Java EE 7 requer Bean Validation 1.1

71 Java Message Service API (JMS) Padrão de mensagens que permite que os componentes de aplicativos Java EE criar, enviar, receber e ler mensagens. Possibilita a comunicação distribuída que é fracamente acoplada, confiável e assíncrona. As novas características de JMS incluem o seguinte. Oferece uma alternativa mais simples que a anterior. Inclui um objeto JMSContext que combina as funções de Connection e Session. Todos os objetos com um método close implementam a interface java.lang.autocloseable de para que possam ser utilizados em uma instrução Java SE 7 try-with-resources. Java EE 7 requer JMS 2.0

72 Java EE Connector Architecture Usado por fornecedores de ferramentas e integradores de sistemas para criar adaptadores de recursos que suportam o acesso aos EIS que pode ser ligados a qualquer produto Java EE. Um adaptador de recursos é um componente de software que permite que os componentes de aplicativos Java EE acessar e interagir com o gerenciador básico de recursos do EIS. Como um adaptador de recursos é específico para o seu gerenciador de recurso, existe um adaptador de recursos diferente para cada tipo de banco de dados ou EIS.

73 Java EE Connector Architecture Também fornece uma integração de serviços Web baseados em plataforma Java EE, orientados para desempenho, seguro, escalável e baseado em mensagens transacionais, com EIS existentes, síncrona ou assíncrona. Aplicações existentes e EIS integrados através da EE Java Connector Architecture para o Plataforma Java EE podem ser expostos como serviços Web baseados em XML usando JAX-WS e Java EE Connector Architecture. Assim, JAX-WS e o são tecnologias complementares para a integração de aplicações empresariais (EAI) e de integração de negócios end-to-end. Java EE 7 requer Java EE Connector Architecture 1.7

74 JavaMail API Aplicações Java EE podem usar a API JavaMail para enviar notificações por . A API JavaMail tem duas partes: Uma interface em nível de aplicativo usado pelos componentes do aplicativo para enviar A interface do provedor de serviço A plataforma Java EE inclui a API JavaMail com um provedor de serviço que permite componentes do aplicações enviar mensagens para Internet. Java EE 7 requer JavaMail 1.5

75 Java Authorization Contract for Containers (JACC) Define um contrato entre um servidor de aplicativos Java EE e um provedor de política de autorização. Todos os Containers Java EE suportam este contrato. A especificação JACC define classes java.security.permission que satisfazem o Modelo de autorização Java EE. A especificação define a ligação de decisões de acesso ao container a operações em instâncias dessas classes de permissão. Define a semântica de provedores de políticas que usam as novas classes de permissão para atender aos requisitos de autorização da plataforma Java EE, incluindo a definição e utilização de papéis. Java EE 7 requer JACC 1.5.

76 Java Authentication Service Provider Interface for Containers (JASPIC) Define uma interface de provedor de serviço (SPI) pela qual provedores de autenticação que implementam mecanismos de autenticação de mensagens podem ser integradas no Container de processamento de mensagens de cliente ou servidor ou runtimes. Provedores de autenticação integradas através desta interface operam em mensagens de rede que são providas por seus containers de chamada. Os provedores de autenticação transformam mensagens de saída para que a origem de cada mensagem possa ser autenticada pelo contêiner de recepção, e o destinatário da mensagem possa ser autenticado pelo remetente da mensagem. Provedores de autenticação autenticam cada mensagem recebida e regressam ao seu Container da chamada a identidade estabelecida como resultado da autenticação da mensagem. Java EE 7 requer JASPIC 1.1

77 Java API for WebSocket WebSocket é um protocolo de aplicação que fornece comunicações full-duplex entre dois pares sobre TCP. A API Java para WebSocket permite que os aplicativos Java EE para criar endpoints usando anotações que especificam os parâmetros de configuração do endpoint e designar os seus métodos de ciclo de vida de callback. A WebSocket API é nova na plataforma Java EE 7. Java EE 7 requer Java API for WebSocket 1.0

78 Java API para processamento JSON JSON é um formato de troca de dados baseado em texto derivado de JavaScript que é usado em serviços web e outros aplicativos conectados. A API Java para Processamento de JSON (JSON-P) permite que aplicativos Java EE analisem, transformem e consultem dados JSON usando o modelo de objeto ou o modelo de streaming. JSON-P é nova na plataforma Java EE 7. Java EE 7 requer JSON-P 1.0

79 Concurrency Utilities for Java EE API padrão para fornecer recursos assíncronos para os componentes do aplicativo Java EE através dos seguintes tipos de objetos: Serviço executor gerenciado, Serviço gerenciado executor programado, Fábrica de thread gerenciado e Serviço de contexto. Concurrency Utilities for Java EE é nova na plataforma Java EE 7. Java EE 7 requer Concurrency Utilities for Java EE 1.0

80 Batch Applications for the Java Platform API padrão para fornecer recursos assíncronos para os componentes do aplicativo Java EE através dos seguintes tipos de objetos: Serviço executor gerenciado, Serviço gerenciado executor programado, Fábrica de thread gerenciado e Serviço de contexto. Batch Applications for the Java Platform é nova na plataforma Java EE 7. Java EE 7 requer Batch Applications for the Java Platform 1.0

81 Java Database Connectivity API (JDBC) Permite chamar comandos SQL a partir de métodos em Java. A API JDBC é usada em enterprise bean quando se tem um session bean para acessar um banco de dados. Também pode-se usar a API do JDBC a partir de um servlet ou uma página JSP para acessar o banco de dados diretamente, sem passar por um enterprise bean. A API JDBC tem duas partes: Uma interface em nível de aplicativo usado pelos componentes do aplicativo para acessar um banco de dados Uma interface de provedor de serviço para anexar um driver JDBC para a plataforma Java EE Java EE 7 requer JDBC 4.1

82 Java Naming and Directory Interface API (JNDI) Fornece funcionalidade de naming e directory, permitindo que os aplicativos para acessar vários serviços de nomenclatura e diretório, como o LDAP, DNS e NIS. A API JNDI fornece aplicativos com métodos para realização de operações de diretório padrão, como associar atributos com objetos e a busca de objetos usando seus atributos. Usando JNDI, um aplicativo Java EE pode armazenar e recuperar qualquer tipo de objeto Java chamado, permitindo aos aplicativos Java EE coexistir com muitas aplicações e sistemas legados.

83 JavaBeans Activation Framework (JAF) Utilizado pela API JavaMail. JAF fornece serviços padrão para determinar o tipo de uma parte arbitrária de dados, encapsular acesso a ela, descobrir as operações disponíveis sobre ele e criar o Componente JavaBeans apropriado para realizar essas operações.

84 Java API for XML Processing (JAXP) Suporta o processamento de documentos XML usando Document Object Model (DOM), Simple API for XML (SAX) e Extensible Stylesheet Language Transformations (XSLT). JAXP permite aplicativos analisarem e transformarem documentos XML independentes de uma implementação de processamento de XML específica. JAXP também fornece suporte namespace, que permite trabalhar com esquemas que poderia ter conflitos de nomes. Projetado para ser flexível, JAXP permite que o uso de qualquer parser XML compatível ou processador XSL dentro de sua aplicação e suporta o esquema Worldwide Web Consortium (W3C).

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) Sumário. Java 2 Enterprise Edition. J2EE (Java 2 Enterprise Edition)

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) Sumário. Java 2 Enterprise Edition. J2EE (Java 2 Enterprise Edition) Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) J2EE () Sumário Introdução J2EE () APIs J2EE Web Container: Servlets e JSP Padrão XML 2 J2EE é Uma especificação para servidores

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES Hugo Henrique Rodrigues Correa¹, Jaime Willian Dias 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil hugohrcorrea@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira ENTERPRISE JAVABEANS 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Apostila Servlets e JSP www.argonavis.com.br/cursos/java/j550/index.html INTRODUÇÃO Introdução Enterprise JavaBeans é um padrão de modelo de componentes

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações. Desenvolvimento de Aplicações. Desenvolvimento de Aplicações. Dificuldades no uso de Bancos de Dados

Desenvolvimento de Aplicações. Desenvolvimento de Aplicações. Desenvolvimento de Aplicações. Dificuldades no uso de Bancos de Dados Desenvolvimento de Aplicações Desenvolvimento de Aplicações Dificuldades no uso de Bancos de Dados Um leigo não sabe o que é e como funciona um BD Mesmo um profissional da área de informática pode ter

Leia mais

J2EE TM Java 2 Plataform, Enterprise Edition

J2EE TM Java 2 Plataform, Enterprise Edition CURSO DE GRADUAÇÃO J2EE TM Java 2 Plataform, Enterprise Edition Antonio Benedito Coimbra Sampaio Junior abc@unama.br OBJETIVOS DO CURSO Capacitar os alunos no desenvolvimento de aplicações para a WEB com

Leia mais

Web Technologies. Tópicos da apresentação

Web Technologies. Tópicos da apresentação Web Technologies Tecnologias de Middleware 2004/2005 Hugo Simões hsimoes@di.fc.ul.pt 1 A Web Tópicos da apresentação Tecnologias Web para suporte a clientes remotos (Applets,CGI,Servlets) Servidores Aplicacionais

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

Java 2 Enterprise Edition

Java 2 Enterprise Edition Java 2 Enterprise Edition Pablo Vieira Florentino 8/11/2006 Contexto Linguagem Java A linguagem Java é Orientada a Objetos Influenciada diretamente por C++ e Eiffel, a linguagem segue a grande tendência

Leia mais

NOME DA APRESENTAÇÃO

NOME DA APRESENTAÇÃO 25 DE MAIO @MICROSOFT Novidades de Java EE 7 Ernest Duarte NOME DA APRESENTAÇÃO Nome (Nick no Fórum) About me! Nickname na Comunidade Ernest Duarte Profissão Instrutor em Ciências e Tecnologias Numéricas

Leia mais

Capítulo 1 - Java EE 6 por alto - 1

Capítulo 1 - Java EE 6 por alto - 1 Capítulo 1 - Java EE 6 por alto - 1 Um pouquinho de história - 2 Padrões - 4 Arquitetura - 4 Componentes - 5 Contentores - 6 Serviços - 7 Protocolos de rede - 9 Empacotamento - 9 Java Standard Edition

Leia mais

J2EE. J2EE - Surgimento

J2EE. J2EE - Surgimento J2EE Java 2 Enterprise Edition Objetivo: Definir uma plataforma padrão para aplicações distribuídas Simplificar o desenvolvimento de um modelo de aplicações baseadas em componentes J2EE - Surgimento Início:

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização do Desenvolvimento Tecnológico na UERJ

Leia mais

Prova Específica Cargo Desenvolvimento

Prova Específica Cargo Desenvolvimento UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ Centro de Educação Aberta e a Distância CEAD/UFPI Rua Olavo Bilac 1148 - Centro CEP 64.280-001 Teresina PI Brasil Fones (86) 3215-4101/ 3221-6227 ; Internet: www.uapi.edu.br

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Relatório Apresentação Java Server Pages Adolfo Peixinho nº4067 Nuno Reis nº 3955 Índice O que é uma aplicação Web?... 3 Tecnologia Java EE... 4 Ciclo de Vida de uma Aplicação

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério.

Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério. EDSON GONÇALVES Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério. AGRADECIMENTOS Primeiramente gostaria de agradecer

Leia mais

Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Mestrado em Engenharia Informática 1ª ano / 2ª semestre

Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Mestrado em Engenharia Informática 1ª ano / 2ª semestre Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Mestrado em Engenharia Informática 1ª ano / 2ª semestre Prática: 1 - A plataforma JEE (Java Enterprise Edition) UBI, DI, Paula Prata SDTF T01 1 Arquitectura

Leia mais

JAVA ENTERPRISE EDITION: PERSISTÊNCIA DE BANCO DE DADOS

JAVA ENTERPRISE EDITION: PERSISTÊNCIA DE BANCO DE DADOS COLÉGIO ESTADUAL ULYSSES GUIMARÃES CURSO TÉCNICO PROFISSIONALIZANTE EM INFORMÁTICA ERINALDO SANCHES NASCIMENTO JAVA ENTERPRISE EDITION: PERSISTÊNCIA DE BANCO DE DADOS FOZ DO IGUAÇU 2013 SUMÁRIO 1. PERSISTÊNCIA

Leia mais

Orientada a serviços: JAX-WS SOAP API

Orientada a serviços: JAX-WS SOAP API Orientadaa apresentação: uma aplicação webde apresentação orientada gera páginas webinterativascom vários tipos de linguagem de marcação (HTML, XML, e assim por diante) e conteúdo dinâmico em resposta

Leia mais

Tecnologias Web. Java Enterprise Edition

Tecnologias Web. Java Enterprise Edition Tecnologias Web Java Enterprise Edition Cristiano Lehrer, M.Sc. Introdução Java Enterprise Edition (JEE): Plataforma de tecnologias para o desenvolvimento de aplicações corporativas distribuídas. É uma

Leia mais

SCC-0263. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCC-0263. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCC-0263 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

Mini-curso Gratuito Globalcode Slide 1

Mini-curso Gratuito Globalcode Slide 1 Mini-curso Gratuito Slide 1 Mini-curso Gratuito Introdução Enterprise Java Beans (EJB) 3.0 Slide 2 Agenda Plataforma Java EE Conceitos Iniciais (EJB) Session Bean Message-Driven Bean (MDB) Java Persistence

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

Arquitetura JEE Introdução à Camada de Negócios: Enterprise Java Beans (EJB) Marcos Kalinowski (kalinowski@ic.uff.br)

Arquitetura JEE Introdução à Camada de Negócios: Enterprise Java Beans (EJB) Marcos Kalinowski (kalinowski@ic.uff.br) Arquitetura JEE Introdução à Camada de Negócios: Enterprise Java Beans (EJB) (kalinowski@ic.uff.br) Agenda Arquiteturas Web em Java (Relembrando) Arquitetura Java EE Introdução a Enterprise Java Beans

Leia mais

Laboratório EJB e J2EE Uma aplicação completa

Laboratório EJB e J2EE Uma aplicação completa J530 - Enterprise JavaBeans Laboratório EJB e J2EE Uma aplicação completa Helder da Rocha (helder@acm.org) argonavis.com.br 1 Objetivos O objetivo deste módulo é construir e implantar uma aplicação J2EE

Leia mais

Fundamentos da Plataforma Java EE. Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br)

Fundamentos da Plataforma Java EE. Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br) Fundamentos da Plataforma Java EE Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br) Como a plataforma Java EE trata o SERVIÇO DE NOMES Serviço de Nomes Num sistema distribuído os componentes necessitam

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCE-557 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

Java II. Sérgio Luiz Ruivace Cerqueira sergioruivace@gmail.com

Java II. Sérgio Luiz Ruivace Cerqueira sergioruivace@gmail.com Java II Sérgio Luiz Ruivace Cerqueira sergioruivace@gmail.com Java Web Arquitetura Aplicações web são basicamente constituídas de: Requisições Respostas Model View Controller (MVC) O que é MVC? Padrão

Leia mais

WebSphere MQ. Bruno Miguel de Sousa Gonçalves

WebSphere MQ. Bruno Miguel de Sousa Gonçalves WebSphere MQ Bruno Miguel de Sousa Gonçalves 1.Introdução ao WebSphere Os produtos WebSphere providenciam comunicação entre programas através da interligação entre componentes heterogéneos, processadores,

Leia mais

UNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO ESPECIALIZAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES WEB BASEADAS NA TECNOLOGIA JAVA

UNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO ESPECIALIZAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES WEB BASEADAS NA TECNOLOGIA JAVA UNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO ESPECIALIZAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES WEB BASEADAS NA TECNOLOGIA JAVA RICARDO RODRIGUES BARCELAR IMPLEMENTAÇÃO DE PROJETOS

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Experiência em missão crítica de missão crítica

Experiência em missão crítica de missão crítica 2 / 17 Experiência em missão crítica de missão crítica Pioneira no ensino de Linux à distância Parceira de treinamento IBM Primeira com LPI no Brasil + de 30.000 alunos satisfeitos Reconhecimento internacional

Leia mais

Enterprise Java Bean. Enterprise JavaBeans

Enterprise Java Bean. Enterprise JavaBeans Enterprise Java Bean Introdução Elementos do Modelo Enterprise JavaBeans A especificação do Enterprise JavaBeansTM (EJB) define uma arquitetura para o desenvolvimento de componentes de software distribuídos

Leia mais

EXPLORE - UMA FERRAMENTA DE SOFTWARE PARA EXPERIMENTAÇÃO PRÁTICA COM TRANSAÇÕES DISTRIBUÍDAS EM SISTEMAS BASEADOS EM COMPONENTES

EXPLORE - UMA FERRAMENTA DE SOFTWARE PARA EXPERIMENTAÇÃO PRÁTICA COM TRANSAÇÕES DISTRIBUÍDAS EM SISTEMAS BASEADOS EM COMPONENTES TRABALHO DE GRADUAÇÃO EXPLORE - UMA FERRAMENTA DE SOFTWARE PARA EXPERIMENTAÇÃO PRÁTICA COM TRANSAÇÕES DISTRIBUÍDAS EM SISTEMAS BASEADOS EM COMPONENTES Aluno: Fábio Ottobeli Machado Orientador: Márcia Pasin

Leia mais

UNIDADE IV ENTERPRISE JAVABEANS

UNIDADE IV ENTERPRISE JAVABEANS UNIDADE IV ENTERPRISE JAVABEANS MODELO J2EE COMPONENTES DE Camada de Negócios NEGÓCIOS JAVA SERVLET, JSP E EJB Nos capítulos anteriores, foi mostrado como desenvolver e distribuir aplicações servlet e

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca Desenvolvimento de Aplicações Web Lista de Exercícios Métodos HTTP 1. No tocante ao protocolo de transferência de hipertexto (HTTP), esse protocolo da categoria "solicitação e resposta" possui três métodos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS 1 de 6 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS BURITREINAMENTOS MANAUS-AM MARÇO / 2015 2 de 6 PACOTES DE TREINAMENTOS BURITECH A Buritech desenvolveu um grupo de pacotes de treinamentos, aqui chamados de BuriPacks,

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

Java 2 Enterprise Edition Uma aplicação J2EE completa

Java 2 Enterprise Edition Uma aplicação J2EE completa Java 2 Enterprise Edition Uma aplicação J2EE completa Helder da Rocha www.argonavis.com.br 1 Objetivos O objetivo deste módulo é construir e implantar uma aplicação J2EE completa Inicialmente, será mostrada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Modelagem do Catálogo e Autenticação do Direto utilizando J2EE e JAAS por FLÁVIO RODRIGUES

Leia mais

Spring: Um suite de novas opções para Java EE

Spring: Um suite de novas opções para Java EE Spring: Um suite de novas opções para Java EE Alberto J Lemos (Dr. Spock) Instrutor Globalcode Ricardo Jun Taniguchi Instrutor Globalcode 1 Agenda > Sobre o Spring Framework > Escopo de integração com

Leia mais

MÓDULO Programação para Web 2

MÓDULO Programação para Web 2 MÓDULO Programação para Web 2 Sistemas Web na JEE OBJETIVO DO MÓDULO Arquitetura Web em aplicações JEE Conceitos iniciais Desenvolvimento Web Aplicações web tornam-se mais e mais importantes Mais e mais

Leia mais

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP Cleber de F. Ferreira¹, Roberto Dias Mota¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil cleberferreirasi@hotmail.com, motaroberto@hotmail.com Resumo.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS Rodrigo das Neves Wagner Luiz Gustavo Galves Mählmann Resumo: O presente artigo trata de um projeto de desenvolvimento de uma aplicação para uma produtora de eventos,

Leia mais

PadrãoIX. Módulo II JAVA. Marcio de Carvalho Victorino. Servlets A,L,F,M

PadrãoIX. Módulo II JAVA. Marcio de Carvalho Victorino. Servlets A,L,F,M JAVA Marcio de Carvalho Victorino 1 Servlets 2 1 Plataforma WEB Baseada em HTTP (RFC 2068): Protocolo simples de transferência de arquivos Sem estado (não mantém sessão aberta) Funcionamento (simplificado):

Leia mais

Framework. Marcos Paulo de Souza Brito João Paulo Raittes

Framework. Marcos Paulo de Souza Brito João Paulo Raittes Framework Marcos Paulo de Souza Brito João Paulo Raittes Sobre o seu surgimento A primeira versão do spring foi escrita por Rod Johnson em 2002, quando ele estava Lancando o seu livro Expert One-on-One

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Arquitetura de uma Webapp

Arquitetura de uma Webapp Arquitetura de uma Webapp Arquitetura J2EE Containers e componentes MVC: introdução Frederico Costa Guedes Pereira 2006 fredguedespereira@gmail.com Plataforma J2EE World Wide Web e a Economia da Informação

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma

Leia mais

Java EE 6. A revolução do. Um overview sobre as novidades da JSR 316. a r t i g o

Java EE 6. A revolução do. Um overview sobre as novidades da JSR 316. a r t i g o a r t i g o Pedro Henrique S. Mariano (pedro.mariano@caelum.com.br) técnologo em Análise e Desenvolvimento de Sofware pela FIAP, possui as certificações SCJP 6 e SCRUM master.trabalha como consultor e

Leia mais

Programação Web Aula 12 - Java Web Software

Programação Web Aula 12 - Java Web Software Programação Web Aula 12 - Java Web Software Bruno Müller Junior Departamento de Informática UFPR 25 de Maio de 2015 1 Java 2 Java Web Software 3 Servlets Modelo de Trabalho Funcionamento API Java Código

Leia mais

TDC2012. EJB simples e descomplicado, na prática. Slide 1

TDC2012. EJB simples e descomplicado, na prática. Slide 1 TDC2012 EJB simples e descomplicado, na prática Slide 1 Palestrantes Kleber Xavier Arquiteto Senior / Globalcode kleber@globalcode.com.br Vinicius Senger Arquiteto Senior / Globalcode vinicius@globalcode.com.br

Leia mais

Sistemas Distribuídos e Paralelos

Sistemas Distribuídos e Paralelos Sistemas Distribuídos e Paralelos Objectos e Componentes Distribuídos Ricardo Mendão Silva Universidade Autónoma de Lisboa r.m.silva@ieee.org November 19, 2014 Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos

Leia mais

Marco Aurélio malbarbo@din.uem.br. Uma Visão Geral Sobre Plataforma Java

Marco Aurélio malbarbo@din.uem.br. Uma Visão Geral Sobre Plataforma Java RedFoot J Dukes Uma Visão Geral Sobre Plataforma Java Marco Aurélio malbarbo@din.uem.br 1 Roteiro Objetivos Plataforma Java Linguagem de Programação Maquina Virtual Tecnologias Conclusão 2 Objetivos Geral

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 10 Persistência de Dados

Leia mais

ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS

ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS Elaborado por: Bruno Duarte Nogueira Arquiteto de Software Data: 05/03/2012 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Tecnologias... 3 2.1. Web Tier... 3 2.1.1. Facelets 1.1.14...

Leia mais

Serviços Web: Introdução

Serviços Web: Introdução Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Prof. Fellipe Araújo Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br

Prof. Fellipe Araújo Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br Prof. Fellipe Araújo Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br A arquitetura Enterprise JavaBeans é uma arquitetura de componentes para o desenvolvimento e a implantação de aplicativos de negócio distribuídos

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS Este anexo apresenta uma visão geral das seguintes plataformas: 1. Plataforma Microsoft.NET - VB.NET e C#; 2. Plataforma JAVA; 3. Plataforma Android, ios e Windows

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

EJB ainda tem vez no Java EE 6? Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br

EJB ainda tem vez no Java EE 6? Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br EJB ainda tem vez no Java EE 6? Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br Você Gosta do EJB? O EJB esteve por muito tempo na berlinda do mundo Java É pesado... É complicado... Código muito

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Faculdades SENAC Análise e Desenvolvimento de Sistemas 28 de abril de 2010 Principais suportes de Java RMI (Remote Method Invocation), da Sun Microsystems DCOM (Distributed Component Object Model), da

Leia mais

Oracle WebLogic Server: um Sólido Alicerce para a Arquitetura Orientada a Serviços. White paper Oracle Atualizado em Junho de 2008

Oracle WebLogic Server: um Sólido Alicerce para a Arquitetura Orientada a Serviços. White paper Oracle Atualizado em Junho de 2008 Oracle WebLogic Server: um Sólido Alicerce para a Arquitetura Orientada a Serviços White paper Oracle Atualizado em Junho de 2008 Oracle WebLogic Server: um Sólido Alicerce para a Arquitetura Orientada

Leia mais

Daniel Berti Fonseca RA 0310096-8º semestre INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS CORPORATIVOS COMPLEXOS COM JAVA EE

Daniel Berti Fonseca RA 0310096-8º semestre INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS CORPORATIVOS COMPLEXOS COM JAVA EE Daniel Berti Fonseca RA 0310096-8º semestre INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS CORPORATIVOS COMPLEXOS COM JAVA EE Jaguariúna 2006 Daniel Berti Fonseca RA 0310096-8º Semestre INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS CORPORATIVOS COMPLEXOS

Leia mais

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos Web Services Integração de aplicações na Web Integração de Aplicações na Web Interoperação entre ambientes heterogêneos desafios diversidade de componentes: EJB, CORBA, DCOM... diversidade de linguagens:

Leia mais

Padrões do Catálogo J2EE. Lincoln Souza Rocha, M.Sc. (lincolnrocha@gmail.com)

Padrões do Catálogo J2EE. Lincoln Souza Rocha, M.Sc. (lincolnrocha@gmail.com) Padrões do Catálogo J2EE Lincoln Souza Rocha, M.Sc. (lincolnrocha@gmail.com) Livros Deepak Alur, John Crupi e Dan Malks. Core J2EE Patters: Best Practices and Design Strategies, Second Edition (2003).

Leia mais

4 - Padrões da Camada de Integração. Introdução

4 - Padrões da Camada de Integração. Introdução Padrões de Projeto J2EE J931 Padrões da Camada de Integração Helder da Rocha (helder@acm.org) argonavis.com.br Introdução A camada de integração encapsula a lógica relacionada com a integração do sistema

Leia mais

Padrões Arquiteturais no Java EE 7

Padrões Arquiteturais no Java EE 7 Padrões Arquiteturais no Java EE 7 Vagner F. Le Roy Júnior Curso de Pós Graduação em Arquitetura de Software Distribuído Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Belo Horizonte, MG Brasil vagnerleroy@gmail.com

Leia mais

Informática UFRGS. Programação com Objetos Distribuídos (C. Geyer) J2EE EJBs 1

Informática UFRGS. Programação com Objetos Distribuídos (C. Geyer) J2EE EJBs 1 EJB Introdução Versão Atual (maio/06): 3.0 Versão anterior: 2.1 Programação com Objetos Distribuídos (C. Geyer) J2EE EJBs 1 Autores Autores Cláudio Geyer Eduardo Studzinski Estima de Castro Gisele Pinheiro

Leia mais

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Sobre entidades externas ao sistema Quais sistemas externos devem ser acessados? Como serão acessados? Há integração com o legado a ser feita?

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 6 EJB Enterprise Java

Leia mais

Adriano Reine Bueno Rafael Barros Silva

Adriano Reine Bueno Rafael Barros Silva Adriano Reine Bueno Rafael Barros Silva Introdução RMI Tecnologias Semelhantes Arquitetura RMI Funcionamento Serialização dos dados Criando Aplicações Distribuídas com RMI Segurança Exemplo prático Referências

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Jhonatan Wilson Aparecido Garbo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil jhowgarbo@gmail.com jaime@unipar.br

Leia mais

Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP

Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP Software cliente: browser e outros Protocolo HTTP Infraestrutura de transporte

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA ENTERPRISE JAVABEANS NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DISTRÍBUIDAS

UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA ENTERPRISE JAVABEANS NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DISTRÍBUIDAS UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA ENTERPRISE JAVABEANS NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DISTRÍBUIDAS ¹Lucas Martins de Andrade, ¹Jaime William Dias ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil lucasm748@gmail.com

Leia mais

HIBERNATE EM APLICAÇÃO JAVA WEB

HIBERNATE EM APLICAÇÃO JAVA WEB HIBERNATE EM APLICAÇÃO JAVA WEB Raul Victtor Barbosa Claudino¹, Ricardo Ribeiro Rufino¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil victtor.claudino@gmail.com, ricardo@unipar.br Resumo: Este

Leia mais

Java e Banco de Dados: JDBC, Hibernate e JPA

Java e Banco de Dados: JDBC, Hibernate e JPA Java e Banco de Dados: JDBC, Hibernate e JPA 1 Objetivos Apresentar de forma progressiva as diversas alternativas de persistência de dados que foram evoluindo na tecnologia Java, desde o JDBC, passando

Leia mais

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SIGET Fabrício Pereira Santana¹, Jaime William Dias¹, ², Ricardo de Melo Germano¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil fabricioblack@gmail.com germano@unipar.br

Leia mais

Conceitos Web. Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011. UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação

Conceitos Web. Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011. UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Conceitos Web Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011 Tecnologias Web jgw@unijui.edu.br Conceitos Básicos Sistema

Leia mais

Introdução a Servlets

Introdução a Servlets Linguagem de Programação para Web Introdução a Servlets Prof. Mauro Lopes 1-31 21 Objetivos Iniciaremos aqui o estudo sobre o desenvolvimento de sistemas web usando o Java. Apresentaremos nesta aula os

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software Anna Carla Mohr Verner Helder Eugenio dos Santos Puia Florianópolis,

Leia mais

Enterprise Java Beans

Enterprise Java Beans Enterprise Java Beans Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior DCC PUC Minas Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-O que é um Enterprise Java Bean? O Entertprise Java Bean (EJB) é um componente server-side

Leia mais

Programação para Internet II

Programação para Internet II Programação para Internet II Aulas 01 e 02 Prof. Fernando Freitas Costa http://blog.fimes.edu.br/fernando nando@fimes.edu.br Conteúdo Programático Instalação e configuração básica do Eclipse Indigo e do

Leia mais