Utilizamos uma rede Oracle para estabelecer conexões entre a aplicação e o servidor Oracle em um ambiente de rede, considerando os seguintes fatores:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Utilizamos uma rede Oracle para estabelecer conexões entre a aplicação e o servidor Oracle em um ambiente de rede, considerando os seguintes fatores:"

Transcrição

1 CONFIGURANDO REDE Conexões na Rede Oracle Utilizamos uma rede Oracle para estabelecer conexões entre a aplicação e o servidor Oracle em um ambiente de rede, considerando os seguintes fatores: A configuração de rede ; A localização dos nós de rede ; A aplicação que acessará o BD; O protocolo de rede que será utilizado. Os tipos de conexão utilizados dividem-se em três categorias : Aplicações Cliente-Servidor (Client-Server); Aplicações Java; Aplicações de Cliente Web (Web Client). Conexão em aplicações Cliente-Servidor A função de uma rede Oracle é simplesmente habilitar uma conexão entre um cliente e um servidor de BD Oracle. Nada mais é que um componente presente em ambos os lados da conexão e é a camada mais alta do protocolo de rede. Quando uma conexão é iniciada em um cliente para o servidor de BD, as informações desta requisição são passadas para baixo nas camadas de rede do cliente, são transportadas através do meio físico de rede e finalmente são enviadas para cima nas camadas de rede do servidor. A Figura 1 ilustra o processo.

2 Figura 1. Conexão em uma aplicação Cliente-Servidor. Aplicação do Cliente. A aplicação do cliente ( como o SQL*Plus, por exemplo ) utiliza a OCI (Oracle Call Interface ) para se comunicar com o servidor de BD. A OCI nada mais é que um componente que fornece interface entre a aplicação do cliente e a linguagem SQL que o BD pode entender. Two Task Common. Ou simplesmente TTC é o responsável pela conversão do tipo de dado e o character set entre os diferentes formatos presentes no cliente e servidor de BD. É uma implementação da camada de apresentação do modelo OSI. Rede Oracle, Camada Base. A camada base da rede Oracle é a responsável em estabelecer e manter a conexão entre a aplicação do cliente e o servidor de BD. Deve estar presente em ambos os lados da conexão. No lado cliente, é responsável pelos seguintes assuntos de conectividade: Localização do servidor de BD; Se um ou mais protocolos estão envolvidos na conexão; Como manusear exceções e interrupções. Já no lado servidor, além de responsabilizar-se pelas mesmas atividades executadas no lado cliente, trabalha com o ouvidor (listener) para receber pedidos de conexão. Esta camada também se comunica com o serviço de nomeação e com o Oracle Advanced Security para garantir conexões seguras. É a implementação da camada de sessão do modelo OSI. Protocolo de Suporte Oracle. É responsável pelo mapeamento das funcionalidades da Rede Oracle para os protocolos padrão das industrias usados em conexões entre as aplicações cliente e o servidor de BD. Esta camada suporta os seguintes protocolos de rede : TCP/IP; TCP/IP com SSL;

3 Named Pipes. OPI (Oracle Program Interface ) Interface utilizada pelo servidor de BD Oracle ao invés da OCI. É a camada de rede responsável por responder a cada uma das possíveis mensagens vindas da OCI. Conexão em aplicações de cliente Web Podemos estabelecer conexões com um servidor de BD Oracle através de navegadores Web. É possível de duas maneiras : Utilizando um servidor Web como camada intermediária ; Conectando-se diretamente ao servidor Oracle através de http. Servidor Web como camada intermediária Nesta modalidade de conexão, o navegador Web utiliza-se do protocolo HTTP para chamar uma aplicação ou applet Java em um servidor Web. O servidor Web, assumindo o papel de cliente com a rede Oracle instalada, conecta-se ao servidor de BD Oracle utilizando a rede Oracle ( Figura 2 ). A rede Oracle deve estar instalada tanto no servidor Web ( que atua como cliente ) quanto no servidor de BD Oracle. Figura 2. Conexão de um cliente através de servidor Web. Cliente Web utilizando aplicação Java Caso a escolha de conexão entre o servidor Web e o Servidor de BD Oracle tenha sido uma aplicação Java, o servidor Web será o cliente e será necessário utilizar um driver JDBC para comunicação com a rede Oracle para conectar-se ao servidor de BD Oracle. Não podemos esquecer que o servidor de BD também deverá estar configurado com a rede Oracle.

4 É interessante notar que não há diferença na maneira com que os dados são passados para baixo ou para cima nas camadas de rede do cliente e do servidor de BD. Este esquema é mostrado na Figura 3. Figura 3. Conexão de um cliente com aplicação Java em servidor Web. Cliente Web utilizando applet Java Já no caso de um applet Java ser chamado no servidor Web para iniciar uma conexão com o servidor Oracle (o servidor Web também passa a ser o cliente ) o driver JDBC Thin é utilizado. Este driver conversa com a rede Java para comunicar-se com o servidor de BD Oracle, que deve estar configurado com a rede Oracle. Ele utiliza uma implementação Java da camada base da rede Oracle, chamada rede Java (JavaNet) e uma implementação Java do TTC, chamado JavaTTC. ( Figura 4 ) As diferenças de transporte dos dados entre as camadas de rede terminam por aqui. Figura 4. Conexão de um cliente com applet Java em servidor Web. Conexão Web utilizando HTTP Neste tipo de conexão, a rede Oracle não é necessária nem no cliente nem no servidor, porém o servidor de BD Oracle deve estar configurado para suportar este protocolo. Outro ponto é que não é necessário também um servidor de Web para a conexão. A Figura 5 mostra este esquema.

5 Figura 5. Conexão Web usando HTTP. Podemos configurar o ouvidor (listener) para aceitar conexões HTTP. É comumente usado para conexões a aplicações que são parte do banco de dados, por exemplo, pode-se usar o Oracle Internet File System ( sistema de arquivos de internet Oracle) para exibir o conteúdo do banco de dados para o cliente através de uma grande variedade de protocolos, inclusive HTTP. Este esquema é ilustrado pela Figura 6. Figura 6. Conexão direta através de navegador Web. Terminologia e conceitos de conectividade Vejamos agora alguns conceitos importantíssimos quando estamos falando em conectividade em um ambiente com o BD Oracle. É importante salientar que estas terminologias e conceitos são aplicados para qualquer plataforma operacional, desde que devidamente suportadas pelo BD Oracle: Database Service (serviço de banco de dados): Para o cliente, um BD Oracle aparece como um serviço, ou seja, o BD executa o trabalho como representante do cliente. É possível existir um ou mais serviços associados a um BD, que pode ainda ser apresentado como múltiplos serviços e ainda um serviço pode ser implementado como várias instâncias do BD;

6 Service Name (nome do serviço): É uma representação lógica do BD, é a maneira pela qual o BD se apresenta ao cliente. O service name é um string que representa o nome global do BD, ou seja, um nome composto do nome do BD e o nome do domínio. Esta definição é feita durante a instalação ou criação do BD.É necessário incluir o service name na seção de dados de conexão no descritor de conexão, que veremos a seguir; Descritor de Conexão: O descritor de conexão será utilizado pelo cliente para efetuar a conexão a um serviço. O descritor indica qual a localização do BD e qual o nome do serviço; Listener (ouvidor): A seção de endereço do descritor de conexão é o protocolo de endereço do listener. Para conectar a um serviço, primeiramente o cliente entra em contato com um processo ouvidor que se encontra no servidor de BD. O ouvidor recebe um pedido de conexão do cliente e manipula esta requisição para o servidor de BD. Uma vez estabelecida a conexão, o cliente e o servidor de BD passam a se comunicar diretamente; Registro de Serviço: O descritor de conexão também especifica o nome do serviço de BD com quais clientes tentam estabelecer uma conexão. O ouvidor conhece quais serviços podem enviar pedidos de conexão. Este processo é conhecido como registro de serviço. Ele também fornece informações sobre as instâncias de BD e também os manipuladores de serviço disponíveis para cada instância; Manipulador de serviço: Os manipuladores de serviço atuam como pontos de conexão para um servidor de BD Oracle. Um manipulador de serviço pode ser um despachante (dispatcher), que atende a várias conexões simultaneamente, ou um servidor dedicado, que atenderá apenas a uma conexão. Modelos de configuração da rede Oracle As informações de configuração podem ser armazenadas em um arquivo de configuração local ou em um repositório centralizado. Gerenciamento Local: Neste caso, todas as informações sobre a conexão estão armazenadas em um arquivo chamado tnsnames.ora em cada um dos computadores da rede (clientes); Gerenciamento Centralizado: Para este modelo de configuração, as informações sobre a conexão estão armazenados em um serviço de diretório centralizado, incluindo um servidor de diretórios LDAP ou um servidor de nomes Oracle. Visão geral de métodos de nomeação

7 Métodos de nomeação são utilizados pela aplicação cliente para analisar um identificador de conexa para um descritor de conexão em uma tentativa de conexão com um serviço de BD. Uma rede Oracle suporta cinco métodos de nomeação: Nomeação no Servidor (Host naming): Habilita o usuário em um ambiente TCP/IP para analisar nomeações através dos nomes de serviço existentes; Nomeação Local (Local naming): Localiza endereços de rede através da utilização de informações de configuração armazenadas em cada cliente no arquivo tnsnames.ora; Nomeação em Diretório (Directory naming): Analisa um serviço de BD ou nome de um serviço de rede para um descritor de conexão, armazenado em um servidor de diretório centralizado; Oracle Names: É um serviço de diretórios Oracle maquiado de um sistema de servidor de nomes Oracle que provê soluções de nomes para endereços para cada serviço na rede; Nomeação Externa: Utiliza-se de nomes de serviços de terceiros devidamente suportados. Uma pequena empresa com apenas alguns BDs pode utilizar o método de nomeação no servidor para armazenar nomes em um serviço de solução de nomes existente ou o método de nomeação local armazenando nomes no arquivo tnsnames.ora em cada estação de trabalho. Já uma grande corporação com vários BDs pode usar um método de nomeação em diretório armazenando os nomes em um servidor de diretórios LDAP centralizado, por exemplo. Arquivos de configuração da rede Oracle Dependendo do modelo de configuração adotado na corporação, os computadores da rede poderão utilizar os seguintes arquivos de configuração: ldap.ora: Localizado no cliente e no servidor de BD configurado para gerenciamento centralizado, este arquivo contém os parâmetros necessários para acessar um servidor de diretórios; listener.ora: Localizado no servidor de BD, este arquivo contém:

8 - protocolos de endereçamento que o ouvidor aceita em uma requisição de conexão; - serviços de BD e serviços diversos aos quais ele está ouvindo ; - parâmetros de controle que são utilizados pelo ouvidor. Obs.: Ao configurar o ouvidor para escutar o protocolo TCP/IP, você deve utilizar a porta padrão Caso não utilize a porta padrão, deverá ser configurado o parâmetro LOCAL_LISTENER no arquivo de parâmetros de inicialização (init.ora) e resolver o nome do ouvidor através de um método de nomeação; names.ora: Localizado no servidor de nomes Oracle, este arquivo inclui a localização, informações de domínio e parâmetros de configuração opcionais para o servidor de nomes Oracle; tnsnames.ora: Localizado apenas nos clientes, este arquivo contém os nomes dos serviços de rede mapeados para o descritor de conexão. Este arquivo é utilizado apenas no método de nomeação local; sqlnet.ora: Localizado tanto nos clientes quanto no servidor de BD. Todos estes arquivos são criados tipicamente em $ORACLE_HOME/network/admin em ambiente UNIX / UNIX Like e em %ORACLE_HOME%\network\admin em ambiente Windows. No entanto, é possível criar esses arquivos em outra localizações, pois a rede Oracle procura por eles em vários locais. A rede Oracle irá procurar os arquivos sqlnet.ora e ldap.ora na seguinte ordem: 1. No diretório especificado pela variável de ambiente TNS_ADMIN. Caso não tenha sido definida como uma variável em ambiente Windows, deverá estar definida no registro (verificar através do regedit); 2. Nos diretórios padrão, comentados acima, tanto em ambiente UNIX / UNIX Like quanto em Windows. A rede Oracle procurará os arquivos names.ora, tnsnames.ora e listener.ora na seguinte ordem: 1. No diretório especificado na variável de ambiente TNS_ADMIN, nas mesmas condições que os arquivos sqlnet.ora e ldap.ora; 2. Em ambiente UNIX/ UNIX Like, no diretório de configuração global. Para um ambiente SUN Solaris este diretório é /var/opt/oracle; 3. Nos diretórios padrão, comentados acima.

9 O processo ouvidor (listener) A aplicação cliente faz uma conexão inicial ao servidor de BD através do ouvidor (listener), que por sua vez é um processo que ouve as requisições de conexão como representante de um ou mais BDs. Algumas características do listener são: * Um listener pode ouvir mais de um BD; * Vários listeners podem ouvir um mesmo BD afin de promover balanceamento de carga; * Um listener pode ouvir através de vários protocolos; * O nome padrão do listener em uma rede Oracle é LISTENER; * O nome do arquivo do listener deve ser listener.ora. É importante lembrar que a versão 9i do Oracle não suporta versões antigas do listener, mas é possível acessar versões antigas do BD com o listener do Oracle 9i. Métodos de conexão Sempre que uma aplicação cliente faz um pedido de conexão para um servidor de BD, o listener executa um dos seguintes métodos de conexão: * Geração e transmissão de conexão: Neste método de conexão, o listener gera um processo servidor dedicado e transmite a conexão para o processo servidor para que a conexão entre o cliente e o BD seja feita diretamente. Neste caso, é executada a seqüência de eventos conforme mostrado na Figura Em primeiro lugar, o listener recebe o pedido de conexão vindo da aplicação cliente; 2. Após isso, o listener inicia um processo servidor dedicado e o mesmo herda o pedido

10 de conexão que veio do listener; 3. Finalmente, é estabelecida uma conexão direta entre o cliente e o processo servidor dedicado. Se, caso haja uma limitação de sistema operacional ou protocolo, e a conexão não possa ser transmitida entre dois processos na mesma máquina, deverá ser utilizado o método de conexão por redirecionamento, que veremos adiante. Lembro que, quando um cliente disconecta do servidor, o processo servidor dedicado daquele cliente também é finalizado. * Conexão direta através do despachante: Quando este método de conexão é utilizado, o listener usa o despachante (dispatcher) como um tipo de manipulador de serviço, que atende diretamente às requisições do cliente. No momento que a requisição do cliente é bem sucedida, é executada a seqüência de eventos conforme mostrado na Figura O listener recebe o pedido de conexão da aplicação cliente; 2. Envia uma mensagem de redirecionamento para o cliente, informando o endereço de um dispatcher; 3. O cliente finaliza a sessão de rede com o listener e estabelece uma sessão de rede com o dispacher, utilizando-se do endereço de rede fornecido pela mensagem de redirecionamento. * Sessão de redirecionamento: Quando encontramos ambientes que não suportam nenhum dos métodos anteriores de conexão, será estabelecida uma sessão de redirecionamento, cujos passos estão mostrados na Figura 4.

11 1. A aplicação cliente estabelece uma conexão com o listener utilizando o protocolo configurado e envia ao listener um pacote de conexão; 2. O listener verifica se o SID está definido. Em caso afirmativo, o listener irá gerar uma nova linha ou processo para servir à nova conexão. Uma conexão IPC é estabelecida entre o listener e o novo processo; 3. O novo processo seleciona a nova porta TCP/IP em uma lista de portas livres definidas pelo usuário e retorna esta informação para o listener; 4. O listener coloca esta nova porta no pacote de redirecionamento e reenvia à aplicação cliente e a conexão TCP original entre a aplicação cliente e o listener é recomposta; 5. Uma nova conexão TCP é estabelecida para o endereço especificado no pacote de redirecionamento e o pacote de conexão é transmitido ao processo servidor dedicado ou ao despachante, dependendo da configuração; 6. Finalmente, o processo servidor dedicado ou despachante aceita o pedido de conexão e transmite uma mensagem de aceitação de volta à aplicação cliente. A única diferença quando utilizamos despachantes ou processo servidor dedicado é que, para o primeiro caso, se houver capacidade de conexão em algum despachante que já esteja no ar, não será gerado e iniciado um novo despachante no passo 2. METODOS DE NOMEAÇÃO Conexão Facil Com o Easy Connect, que fornecerá todas as informações que é necessário para a conexão Oracle Net como parte da seqüência de conexão. Easy Connect seqüências de conexão a seguinte forma: <nome_do_usuário> / <nome_do_host>: port> <listener name> / <service A porta do ouvinte e do nome do serviço é opcional. Se a porta de escuta não é fornecida, Oracle Net assume que a porta padrão de 1521 está sendo usado. Se o nome do serviço não é fornecido, o Oracle Net assume que o nome do serviço de banco de dados eo nome do host fornecido na cadeia de ligação são idênticos. Supondo que o ouvinte usa o TCP para escutar na porta 1521 eo SERVICE_NAMES db = = parâmetros e DB_DOMAIN us.oracle.com exemplo, a seqüência de conexão conforme mostrado no slide pode ser encurtado: Hr SQL> connect / h Nota: O parâmetro de inicialização SERVICE_NAMES pode aceitar vários valores separados por vírgulas. Apenas um desses valores deve ser db para este cenário para o trabalho.

12 SQL> CONNECT Local de nomeação Com a nomeação local, o usuário fornece um alias para o serviço Oracle Net. Verifica Oracle Net alias contra uma lista local de serviços conhecidos e, se ele encontrar uma correspondência, converte o alias em host, protocolo, porta e nome do serviço. Uma vantagem de nomear local é que os usuários do banco de dados precisa se lembrar de apenas um alias curto em vez da longa seqüência contato exigido pelo Easy Connect. A lista de locais de serviços conhecidos é armazenada no seguinte arquivo de texto de configuração: <oracle_home> rede / tnsnames.ora / admin Este é o local padrão do arquivo tnsnames.ora, mas o arquivo pode ser localizado em outro lugar usando a variável de ambiente TNS_ADMIN. Nomeação local é apropriado para organizações em que as configurações de serviço Oracle Net não mudam com freqüência. SQL> CONNECT Lista de nomeação DIRETÓRIO Com a nomeação de diretório, o usuário fornece um pseudônimo para o serviço Oracle Net. Oracle Net verifica o alias contra uma lista externa de serviços conhecidos e, se ele encontrar uma correspondência, converte o alias em host, protocolo, porta e nome do serviço. Gosto de nomes local, os usuários do banco de dados precisa se lembrar de apenas um alias curto. Uma vantagem de nomear diretório é que o nome do serviço está disponível para os usuários se conectem com logo um nome novo serviço é adicionado ao diretório LDAP. Com a nomeação local, o administrador de banco de dados (DBA) deve primeiro distribuir arquivos tnsnames.ora actualizada a informação mudou o nome do serviço que os usuários possam se conectar a serviços novos ou modificados. Lista de nomes é adequada para organizações em que as configurações de serviço Oracle Net mudam com freqüência. Externas método de nomeação As lojas de identificação externo método nomes Net Service em um suporte nãoserviço de nomes Oracle. Serviços de suporte de terceiros incluem: Rede de Serviços de Informações (SNI) de identificação externo Distributed Computing Environment (DCE) Cell Directory Services (CDS) Conceitualmente, nomeando externa é semelhante à nomeação de diretório FAILOVER CONNECTION Failover: No contexto do Oracle Net, failover se refere ao mecanismo de comutação para um recurso alternativo quando a conexão para o recurso principal for encerrada por qualquer motivo. falha de conexão podem ser classificados como: o o Aqueles que ocorrem ao fazer a conexão inicial. Aqueles que ocorrem depois que uma conexão foi estabelecida com êxito. A primeira categoria de falha de conexão pode ser tratada com relativa facilidade. Se a sua tentativa para se conectar a uma instância falhar, você pode fazer a tentativa de

13 conexão novamente, mas desta vez para uma instância de backup. Contanto que você tenha configurado instâncias de backup, você pode continuar a tentar ligar, até que uma conexão é estabelecida. Este processo é tecnicamente denominado como Connect tempo de failover. A segunda categoria de falha de conexão é do tipo que acontece após uma conexão bem-sucedida já foi estabelecido e, posteriormente, a ligação fica arquivado. Nesses casos, o aplicativo normalmente tem que lidar com todas as lêndeas pedregoso de reconectar a uma instância de backup, restabelecendo o ambiente da sessão, e reenviar qualquer trabalho perdidos, por causa da interrupção na conexão. O nome técnico para este tipo de mecanismo de failover é failover de aplicativos transparentes ou TAF para breve. Balanceamento de Carga O balanceamento de carga pode ser definida como a distribuição de um emprego ou um pedaço de trabalho ao longo de vários recursos. CCR é um ambiente ideal para distribuir a carga entre múltiplas instâncias acessando o mesmo banco de dados físico. Outros ambientes também pode ser devidamente configurado para invocar o balanceamento de carga e, em poucos parágrafos seguintes eu mostro como balanceamento de carga pode ser configurado. CLIENTE balanceamento de carga: Você pode configurar o balanceamento de carga, quer no final do cliente ou no fim do servidor. Cliente de balanceamento de carga é configurado no nível geral de serviço de nome, e é feito simplesmente fornecendo vários endereços em uma lista de endereços, ou descrições múltiplas em uma lista descritiva. Quando o balanceamento de carga é ativada, o Oracle Net escolhe um endereço para se conectar em uma ordem aleatória e não por ordem sequencial. Isso tem o efeito de clientes que se conectam através de endereços que são captados de forma aleatória e sem um endereço está sobrecarregado. Mas, significativamente, não há garantia de que só porque os clientes estão sendo conectados por meio de diferentes endereços escolhidos ao acaso, há uma distribuição uniforme da carga de trabalho no final do servidor. Para fazer isso, você precisará configurar o balanceamento de carga no final do servidor que é discutido abaixo

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E ANALISTA (EXCETO PARA O CARGO 4 e 8) GABARITO 1. (CESPE/2013/MPU/Conhecimentos Básicos para os cargos 34 e 35) Com a cloud computing,

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Arquitetura de BDs Distribuídos Sistemas de bds distribuídos permitem que aplicações acessem dados de bds locais ou remotos. Podem ser Homogêneos ou Heterogêneos: Homogêneos

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Kerio Exchange Migration Tool

Kerio Exchange Migration Tool Kerio Exchange Migration Tool Versão: 7.3 2012 Kerio Technologies, Inc. Todos os direitos reservados. 1 Introdução Documento fornece orientações para a migração de contas de usuário e as pastas públicas

Leia mais

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP SMTP "Protocolo de transferência de correio simples (ou em inglês Simple Mail Transfer Protocol ) é o protocolo padrão para envio de e- mails através da

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Principais Protocolos na Internet Aula 2 Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Compreender os conceitos básicos de protocolo. Definir as funcionalidades dos principais protocolos de Internet.

Leia mais

Aula 03 - Projeto Java Web

Aula 03 - Projeto Java Web Aula 03 - Projeto Java Web Para criação de um projeto java web, vá em File/New. Escolha o projeto: Em seguida, na caixa Categorias selecione Java Web. Feito isso, na caixa à direita selecione Aplicação

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões. Prof. MSc. Hugo Souza

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões. Prof. MSc. Hugo Souza Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões Prof. MSc. Hugo Souza Se você precisar manter informações sobre seus usuários enquanto eles navegam pelo seu site, ou até quando eles saem

Leia mais

IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc.

IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc. Endereços IP Endereços IP IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc.) precisam ter endereços. Graças

Leia mais

Configurando o Sistema Operacional TC-OS

Configurando o Sistema Operacional TC-OS Configurando o Sistema Operacional TC-OS O TC-OS é o Sistema Operacional das soluções Thin Clients da ThinNetworks. Foi desenvolvido especialmente para servir a thin clients possibilitando-os se conectar

Leia mais

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20 Guia de utilização Índice Introdução... 3 O que é o sistema BlueTalk... 3 Quem vai utilizar?... 3 A utilização do BlueTalk pelo estagiário do Programa Acessa Escola... 5 A arquitetura do sistema BlueTalk...

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

FTP - Protocolo. O protocolo FTP é o serviço padrão da Internet para a transferência de arquivos entre computadores.

FTP - Protocolo. O protocolo FTP é o serviço padrão da Internet para a transferência de arquivos entre computadores. FTP FTP - Protocolo O protocolo FTP é o serviço padrão da Internet para a transferência de arquivos entre computadores. A partir do FTP usuários podem receber ou enviar arquivos de ou para outros computadores

Leia mais

Instalação TotvsServiceSped

Instalação TotvsServiceSped Instalação TotvsServiceSped ÍNDICE INSTALAÇÃO PRODUTO TOTVSSERVICESSPED - NFE... 1 INSTALAÇÃO DO TOPCONNECT... 2 1. Configuração da conexão com o Banco de Dados... 7 1.1. SQL Server... 7 1.2. Informix...

Leia mais

Rotina de Discovery e Inventário

Rotina de Discovery e Inventário 16/08/2013 Rotina de Discovery e Inventário Fornece orientações necessárias para testar a rotina de Discovery e Inventário. Versão 1.0 01/12/2014 Visão Resumida Data Criação 01/12/2014 Versão Documento

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

TRBOnet MDC Console. Manual de Operação

TRBOnet MDC Console. Manual de Operação TRBOnet MDC Console Manual de Operação Versão 1.8 ÍNDICE NEOCOM Ltd 1. VISÃO GERAL DA CONSOLE...3 2. TELA DE RÁDIO...4 2.1 COMANDOS AVANÇADOS...5 2.2 BARRA DE FERRAMENTAS...5 3. TELA DE LOCALIZAÇÃO GPS...6

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS

CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS Servidor: O servidor é todo computador no qual um banco de dados ou um programa (aplicação) está instalado e será COMPARTILHADO para outros computadores,

Leia mais

Configuração de Digitalizar para E-mail

Configuração de Digitalizar para E-mail Guia de Configuração de Funções de Digitalização de Rede Rápida XE3024PT0-2 Este guia inclui instruções para: Configuração de Digitalizar para E-mail na página 1 Configuração de Digitalizar para caixa

Leia mais

FTP Protocolo de Transferência de Arquivos

FTP Protocolo de Transferência de Arquivos FTP Protocolo de Transferência de Arquivos IFSC UNIDADE DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE DE TELECOMUNICAÇÕES! Prof. Tomás Grimm FTP - Protocolo O protocolo FTP é o serviço padrão da Internet para

Leia mais

Conceitos de relação de confiança www.jpinheiro.net jeferson@jpinheiro.net

Conceitos de relação de confiança www.jpinheiro.net jeferson@jpinheiro.net Conceitos de relação de confiança www.jpinheiro.net jeferson@jpinheiro.net Procedimento para criar uma árvore O procedimento usado para criar uma árvore com o Assistente para instalação do Active Directory

Leia mais

Usar Atalhos para a Rede. Logar na Rede

Usar Atalhos para a Rede. Logar na Rede GUIA DO USUÁRIO: NOVELL CLIENT PARA WINDOWS* 95* E WINDOWS NT* Usar Atalhos para a Rede USAR O ÍCONE DA NOVELL NA BANDEJA DE SISTEMA Você pode acessar vários recursos do software Novell Client clicando

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 MC714 Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 Virtualização - motivação Consolidação de servidores. Consolidação de aplicações. Sandboxing. Múltiplos ambientes de execução. Hardware virtual. Executar múltiplos

Leia mais

INTERNET CONCEITOS. Internet é a "grande rede mundial de computadores"

INTERNET CONCEITOS. Internet é a grande rede mundial de computadores INTERNET CONCEITOS O que é Internet Estamos acostumados a ouvir que Internet é a "grande rede mundial de computadores" Entretanto, essa definição não é muito simplista. Na realidade, Ela é uma coleção

Leia mais

BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1. Visão geral técnica e dos recursos

BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1. Visão geral técnica e dos recursos BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1 Visão geral técnica e dos recursos SWD-1031491-1025120324-012 Conteúdo 1 Visão geral... 3 2 Recursos... 4 Recursos para gerenciar contas de usuário

Leia mais

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 FileMaker Pro 13 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 2007-2013 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Guia de administração para a integração do Portrait Dialogue 6.0. Versão 7.0A

Guia de administração para a integração do Portrait Dialogue 6.0. Versão 7.0A Guia de administração para a integração do Portrait Dialogue 6.0 Versão 7.0A 2013 Pitney Bowes Software Inc. Todos os direitos reservados. Esse documento pode conter informações confidenciais ou protegidas

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES O QUE É PROTOCOLO? Na comunicação de dados e na interligação em rede, protocolo é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas. Sem protocolos, uma rede

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4. Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5 Por: Fabio Pozzebon Soares Página 1 de 11 Sistema ProJuris é um conjunto de componentes 100% Web, nativamente integrados, e que possuem interface com vários idiomas,

Leia mais

Rede de Computadores

Rede de Computadores Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Rede de Computadores Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT1103 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre desligado/silencioso

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede O sistema de nome de domínio (DNS) é um sistema que nomeia computadores e serviços de rede e é organizado em uma hierarquia de domínios.

Leia mais

Configurando o DDNS Management System

Configurando o DDNS Management System Configurando o DDNS Management System Solução 1: Com o desenvolvimento de sistemas de vigilância, cada vez mais usuários querem usar a conexão ADSL para realizar vigilância de vídeo através da rede. Porém

Leia mais

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 2007 2012 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 5-1. A CAMADA DE TRANSPORTE Parte 1 Responsável pela movimentação de dados, de forma eficiente e confiável, entre processos em execução nos equipamentos conectados a uma rede de computadores, independentemente

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

Backups Via FTP (File Transfer Protocol)

Backups Via FTP (File Transfer Protocol) O que é FTP? Backups Via FTP (File Transfer Protocol) FTP significa File Transfer Protocol (Protocolo de Transferência de Arquivos), e é uma forma bastante rápida e versátil de transferir arquivos, sendo

Leia mais

Servidor IIS. Sorayachristiane.blogspot.com

Servidor IIS. Sorayachristiane.blogspot.com Servidor IIS Servidor IIS IIS Serviço de informação de Internet; É um servidor que permite hospedar um ou vários sites web no mesmo computador e cria uma distribuição de arquivos utilizando o protocolo

Leia mais

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 FileMaker Pro 14 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 2007-2015 FileMaker, Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Wireshark Lab: DNS. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark.

Wireshark Lab: DNS. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Wireshark Lab: DNS Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Como descrito na seção 2.5 do livro, o Domain Name

Leia mais

Software de gerenciamento de impressoras

Software de gerenciamento de impressoras Software de gerenciamento de impressoras Este tópico inclui: "Usando o software CentreWare" na página 3-10 "Usando os recursos de gerenciamento da impressora" na página 3-12 Usando o software CentreWare

Leia mais

Entendendo como funciona o NAT

Entendendo como funciona o NAT Entendendo como funciona o NAT Vamos inicialmente entender exatamente qual a função do NAT e em que situações ele é indicado. O NAT surgiu como uma alternativa real para o problema de falta de endereços

Leia mais

A Camada de Aplicação

A Camada de Aplicação A Camada de Aplicação Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Afinal, o que faz a camada de aplicação?... 2 Paradigma Cliente/Servidor [4]... 2 Endereçamento... 2 Tipo de Serviço... 2

Leia mais

Roteiro 11: Roteamento /acesso remoto / redirecionamento de diretórios

Roteiro 11: Roteamento /acesso remoto / redirecionamento de diretórios Roteiro 11: Roteamento /acesso remoto / redirecionamento de diretórios Objetivos: Ativar e gerenciar o serviço de roteamento; Ativar e gerenciar serviços de terminal remoto; Redirecionar diretórios através

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

ELEMENTOS DE PROTOCOLOS DE TRANSPORTE. Fabricio Sousa

ELEMENTOS DE PROTOCOLOS DE TRANSPORTE. Fabricio Sousa ELEMENTOS DE PROTOCOLOS DE TRANSPORTE Fabricio Sousa Elementos de protocolos de transporte 2 Serviço de transporte implementado por um protocolo de transporte usado entre duas entidades de transporte Em

Leia mais

Instalando e Configurando o Oracle XE

Instalando e Configurando o Oracle XE Instalando e Configurando o Oracle XE Execute o instalador do Oracle XE (OracleXEUniv.exe) e aguarde enquanto os arquivos de instalação são descompactados; A seguir, clique em Next para iniciar o procedimento;

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE 1/5 PROTOCOLOS DE O Modelo OSI O OSI é um modelo usado para entender como os protocolos de rede funcionam. Para facilitar a interconexão de sistemas de computadores, a ISO (International Standards Organization)

Leia mais

Maker Planet www.makerplanet.com Manual do Usuário

Maker Planet www.makerplanet.com Manual do Usuário Maker Planet www.makerplanet.com Manual do Usuário Atenção: Este é o rascunho inicial deste documento, visite o Maker Planet.COM (HTTP://www.makerplanet.com/) para obter as atualizações deste documento.

Leia mais

Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles:

Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles: Instalação do Netz Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles: Instalação do Java SE 6, que pode ser instalado através da JDK.

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

TUTORIAL INSTALADOR MYMIX

TUTORIAL INSTALADOR MYMIX Sumário Apresentação...1 1. Procedimentos iniciais... 2 2. Instalar Servidor MyMix... 2 3. Instalar Estação de Trabalho... 6 3.1 Carregar Configuração da Estação de Trabalho... 10 4. Instalar PDV... 11

Leia mais

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET Prof. Marcondes Ribeiro Lima Fundamentos de Internet O que é internet? Nome dado a rede mundial de computadores, na verdade a reunião de milhares de redes conectadas

Leia mais

Iniciando a configuração do BOT

Iniciando a configuração do BOT Iniciando a configuração do BOT Traduzido por: Antonio Edivaldo de O. Gaspar, edivaldo.gaspar(at)gmail(dot)com Texto original: http://www.blockouttraffic.de/gettingstarted.php Revisado em: 25/07/06 09:00

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

Como mandar mensagens OSC pelo Flash via Flosc

Como mandar mensagens OSC pelo Flash via Flosc Como mandar mensagens OSC pelo Flash via Flosc Primeiro, deve-se baixar o Flosc. Existe uma base de dados Flosc no sourceforge, mas essa base está em formato.swc, só possível de ser lido pelo Flex (hoje

Leia mais

As principais estruturas são a SGA (System Global Area ou Área Global do Sistema) e a PGA (Program Global Area ou Área Global de Programa).

As principais estruturas são a SGA (System Global Area ou Área Global do Sistema) e a PGA (Program Global Area ou Área Global de Programa). ARQUITETURA ORACLE O conhecimento da arquitetura interna do ORACLE é de extrema importância para a compreensão das técnicas de otimização do produto. Basicamente, os seus mecanismos de execução são as

Leia mais

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP Professor Leonardo Larback Protocolo SMTP O SMTP (Simple Mail Transfer Protocol) é utilizado no sistema de correio eletrônico da Internet. Utiliza o protocolo TCP na camada

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Instalador/Atualizador PIMS Multicultura Manual de Referência. Versão 12.1.4

Instalador/Atualizador PIMS Multicultura Manual de Referência. Versão 12.1.4 Instalador/Atualizador PIMS Multicultura Manual de Referência Versão 12.1.4 Sumário 1. Descrição... 3 2. Pré-requisitos... 4 3. Etapas da instalação/atualização... 8 1. Iniciando a aplicação de instalação/atualização...

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View

Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View www.cali.com.br - Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View - Página 1 de 29 Índice INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO (FIREBIRD E

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Março de 2015 Introdução O acesso móvel ao site do Novell Vibe pode ser desativado por seu administrador do Vibe. Se não conseguir acessar a interface móvel do

Leia mais

CAPA Área de utilização para ilustração MANUAL w-vpn

CAPA Área de utilização para ilustração MANUAL w-vpn ...6 CAPA Área de utilização para ilustração MANUAL w-vpn 20/01/2012 Versão 1.4 Sumário 1.0 Pré Requisitos de instalação do w-vpn...2 2.0 Instalação do Serviço...2 3.0 Dicas...8 4.0 Suporte...11 1 1.0

Leia mais

Parte I. Demoiselle Mail

Parte I. Demoiselle Mail Parte I. Demoiselle Mail Para o envio e recebimento de e-s em aplicativos Java, a solução mais natural é usar a API JavaMail [http:// www.oracle.com/technetwork/java/java/index.html]. Ela provê um framework

Leia mais

Operação local em caso de falha na rede

Operação local em caso de falha na rede Agosto/2012 Operação local em caso de falha na rede Caros usuários, Este mês trataremos de um recurso bastante útil e de extrema importância para o uso contínuo do DataLyzer Spectrum. Sem dúvida é um diferencial

Leia mais

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose)

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) 1. Qual a diferença entre um Programa de computador e um Processo dentro do computador? R. Processo é um programa que está sendo executado em uma máquina/host,

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS IMPRESSÃO. Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS IMPRESSÃO. Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS IMPRESSÃO Serviços de impressão Os serviços de impressão permitem compartilhar impressoras em uma rede, bem como centralizar as tarefas de gerenciamento

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Soquetes Um soquete é formado por um endereço IP concatenado com um número de porta. Em geral, os soquetes utilizam uma arquitetura cliente-servidor. O servidor espera por pedidos

Leia mais

Firewall. Alunos: Hélio Cândido Andersson Sales

Firewall. Alunos: Hélio Cândido Andersson Sales Firewall Alunos: Hélio Cândido Andersson Sales O que é Firewall? Firewall pode ser definido como uma barreira de proteção, que controla o tráfego de dados entre seu computador e a Internet (ou entre a

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO A COMUNICAÇÃO NA INTERNET PROTOCOLO TCP/IP Para tentar facilitar o entendimento de como se dá a comunicação na Internet, vamos começar contando uma história para fazer uma analogia. Era uma vez, um estrangeiro

Leia mais

MULTIACERVO - VERSÃO 18.* MANUAL PARA CONVERSÃO DA VERSÃO 17.* PARA 18.*

MULTIACERVO - VERSÃO 18.* MANUAL PARA CONVERSÃO DA VERSÃO 17.* PARA 18.* MULTIACERVO - VERSÃO 18.* MANUAL PARA CONVERSÃO DA VERSÃO 17.* PARA 18.* CONTEÚDO: A) Procedimentos comuns para todas as arquiteturas B) Procedimentos exclusivos arquitetura com sgbd MS-SQL-SERVER C) Procedimentos

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP

UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP Alan Jelles Lopes Ibrahim, alan.jelles@hotmail.com Eduardo Machado Real, eduardomreal@uems.br

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

OMT-G Design. Instalação por pacotes

OMT-G Design. Instalação por pacotes OMT-G Design A plataforma Eclipse OMT-G Design não é um software independente, é um plug-in que se utiliza dos mecanismos de extensão do Eclipse que por sua vez é um ambiente de desenvolvimento de software.

Leia mais

Centro de Inteligência em Tecnologia da Informação e Segurança Tutorial Ammyy admin

Centro de Inteligência em Tecnologia da Informação e Segurança Tutorial Ammyy admin Tutorial Ammyy admin Hoje em dia, quase tudo pode ser feito remotamente, a grande dificuldade seria o acesso remoto com segurança mas sem se preocupar em fazer enormes ajustes no FIREWALL, felizmente existem

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X

Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X A primeira coisa a analisarmos é onde ficará posicionado o servidor de Raio-x na rede do cliente, abaixo será colocado três situações básicas e comuns

Leia mais