GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM"

Transcrição

1 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Public Disclosure Authorized SECRETARIA DOS TRANSPORTES E1883 Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM PROGRAMA PRÓ-VICINAIS DE RECUPERAÇÃO DE ESTRADAS VICINAIS DER/SP-BIRD Public Disclosure Authorized RELATÓRIO DE ASPECTOS E NORMAS AMBIENTAIS PARA O PROGRAMA FEVEREIRO/2008

2 APRESENTAÇÃO O presente documento denominado de Relatório de Aspectos e Normas Ambientais para o Programa Pró Vicinais de Recuperação de Estradas Vicinais, que integra o conjunto de normas e procedimentos ambientais, consoante a legislação vigente, necessários para subsidiar as negociações do Governo do Estado de São Paulo, por meio do Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de São Paulo DER/SP e o Banco Mundial BIRD. O Programa de Recuperação de Estradas Vicinais compreende as intervenções necessárias destinadas às melhorias e recuperação de Estradas Vicinais em operação no Estado de São Paulo. - Descrição da natureza das intervenções de recuperação previstas; - Marco legal e institucional na área ambiental; - Procedimentos legais no licenciamento ambiental do programa de recuperação de estradas vicinais; - Gestão Ambiental do DER/SP; - Supervisão das Obras Rodoviárias; - Programa de Fortalecimento Institucional do DER/SP; - Políticas de Salvaguarda. A Caracterização Socioambiental da Área de Influência do Programa, não consta no presente Relatório, e será desenvolvida quando da seleção dos Lotes para financiamento pelo BIRD, BID e Estado de São Paulo, sendo publicada no site do DER/SP. Esta caracterização será composta de: Municípios: caracterização demográfica e econômica; Uso da Terra / Cobertura Vegetal; Aspectos do Meio Físico (clima, relevo); Aspectos do Meio Biótico; Unidades de Conservação; e Terras Indígenas. 2 de 68

3 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 1. DESCRIÇÃO DO PROGRAMA 1.1. Conceito de Estrada Vicinal 1.2. Características Técnicas Básicas de Estrada Vicinal 1.3. Natureza da Recuperação Prevista 1.4. Prováveis Impactos 2. MARCO LEGAL E INSTITUCIONAL NA ÁREA AMBIENTAL 2.1. Legislação Ambiental Brasileira para Licenciamentos 2.2. Legislação Ambiental para o Setor Rodoviário do Estado de São Paulo Legislação Pertinente a Intervenções de Conservação e Melhorias de Rodovias Legislação Pertinente a Estradas Vicinais 3. PROCEDIMENTOS LEGAIS NO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE ESTRADAS VICINAIS 3.1. Licenciamento Ambiental de Áreas de Apoio Atividades Potencialmente Poluidoras (Canteiros de Obras e Usinas) Atividades em Áreas de Proteção aos Mananciais Atividades com Interferências em Recursos Hídricos Áreas de Empréstimo, Depósito de Material Excedente e Jazidas 3.2. Atribuições e Competências Institucionais Sistema Estadual de Meio Ambiente 3.3. Disposições Normativas Ambientais do Setor Rodoviário 4. GESTÃO AMBIENTAL DO DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM 4.1. Estrutura Organizacional do DER/SP Organograma Simplificado do DER/SP Abrangência Territorial das Divisões Regionais 4.2. Assessoria Ambiental e a Gestão Ambiental no DER/SP 4.3. Diretrizes Ambientais 3 de 68

4 4.4. Gestão Ambiental de Empreendimentos Rodoviários 4.5. Concepção e Estratégia da Implantação do SGA 4.6. Procedimentos, Instruções e Especificações Técnicas Ambientais 4.7. Sistema de Informações Ambientais Rodoviárias SIAR 4.8. Plano de Gestão Ambiental PGA 4.9. Operação do SGA Prováveis Impactos Licenciamento Ambiental Simplificado 5. SUPERVISÃO AMBIENTAL DAS OBRAS RODOVIÁRIAS 5.1. Atribuições e Competências na Supervisão Ambiental 5.2. Escopo dos Serviços de Supervisão Ambiental 5.3. Estratégia e Planejamento 5.4. Acompanhamento do Licenciamento e Autorizações Ambientais Específicas 5.5. Vistorias Técnicas de Campo 5.6. Fluxograma da Supervisão Ambiental 5.7. Ocorrência Ambiental 5.8. Fluxograma de Ocorrência Ambiental 6. PROGRAMA DE FORTALECIMENTO INSTITUCIONAL DO DER/SP, REGIONAIS DO DER/SP E MUNICIPALIDADE 6.1. Antecedentes 6.2. Fortalecimento Institucional em Gestão Ambiental 7. POLÍTICA DE SALVAGUARDA DO BANCO MUNDIAL ACIONADAS PELO PROJETO 7.1. Reassentamento Involuntários para Obras Rodoviárias Programa do Sistema de Gestão Ambiental SGA-DER/SP de Indenização e Reassentamento de População de Baixa Renda 7.2. Reassentamento Involuntário 8. ANEXOS 8.1. Legislação Estadual aplicada ao Programa Resolução SMA nº. 81, de 01 de dezembro Resolução SMA nº. 30, de 21 de dezembro de Resolução SMA nº. 33, de 10 de Setembro de de 68

5 8.2. Mapa do Pro-Vicinais 1ª e 2ª Etapas x Unidades de Conservação do Estado de São Paulo 8.3. Mapa do Pro-Vicinais 1ª e 2ª Etapas x Divisões Regionais do DER/SP 5 de 68

6 1. DESRIÇÃO DO PROGRAMA O Programa Pró-Vicinais do Governo do Estado de São Paulo abrange a recuperação de aproximadamente quilômetros de estradas municipais do Estado de São Paulo, com o estabelecimento das melhorias garantidoras das condições de segurança e fluidez de tráfego em municípios paulistas Conceito de Estrada Vicinal As estradas vicinais são em geral estradas municipais, pavimentadas ou não, de uma só pista e de padrão técnico modesto, compatível com o tráfego que as utiliza. A estrada municipal, quase sempre de caráter local, atende principalmente ao município que a administra, e dentro de cujos limites normalmente se situa, podendo eventualmente estender-se até outro município Características Técnicas Básicas de Estrada Vicinal As estradas vicinais em operação no Estado de São Paulo estão distribuídas através da malha rodoviária dos 645 municípios paulistas, que também são denominadas de estradas municipais. As características geométricas das vicinais são fortemente condicionadas pelo aproveitamento dos traçados existentes, indispensáveis para que seus custos de construção sejam compatíveis com seu tráfego e função. Por outro lado, as estradas pré-existentes desenvolvem-se, com muita freqüência ao longo dos espigões, ou divisores de água, o que lhes confere boa condição de drenagem. Segundo recomendações do Manual de Estradas Vicinais do BIRD/BNDES/DNER 1, citado no Manual de Estradas Vicinais do DER/SP 2, a faixa 1 BRASIL. Ministério dos Transportes. Ministério da Indústria e do Comércio. Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento. 2º Manual de rodovias vicinais. BIRD.DNER.BNDE. Rio de Janeiro, 1979 e Ministério dos Transportes. Secretaria de Planejamento da Presidência da República. Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento. 3º Manual de rodovias vicinais. BIRD.DNER.BNDE. Rio de Janeiro, BRASIL. Diretoria de Engenharia do DER/SP. Manual Básico de Estradas Vicinais Volume I Projeto, Construção e Operação, Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de São Paulo - DER/SP, de 68

7 de domínio das estradas vicinais deverá ter sua largura igual à distância entre os off-sets 3 acrescida de 10,00m para cada lado. Verifica-se, entretanto, na prática, no Estado de São Paulo, que essa condição tem sido difícil de ser atendida integralmente, principalmente nas regiões agrícolas mais valorizadas Natureza da Recuperação Prevista A recuperação compreende os melhoramentos nas vias existentes, geralmente circunscritos às faixas de rolamento e de domínio, visando remover pontos críticos que impeçam o fluxo contínuo e seguro do tráfego, restaurando uma estrada existente aproveitando ao máximo o traçado original, tendo em vista a segurança e fluidez de trafego. Todas as atividades devem ser desenvolvidas de forma a preservar os investimentos na malha rodoviária, manter e melhorar as condições de sua utilização, denominadas de conservação rodoviária. - Principais Melhoramentos: Melhoria da Superfície de Rolamento; Melhoria da Plataforma Existente; Tratamento das Interseções e Acessos; Recuperação e Melhoria no sistema de Drenagem Existente. 2. MARCO LEGAL E INSTITUCIONAL NA ÁREA AMBIENTAL Inicialmente devemos comentar que o Estado de São Paulo dispõe de uma legislação ambiental específica para pavimentação ou melhoramento de Estrada Vicinal e por sua vez incorporada no Sistema de Gestão Ambiental do DER/SP. A Política do DER tem como compromisso gerir o sistema rodoviário estadual de forma integrada, maximizando a contribuição para o desenvolvimento sustentável das regiões por ele atendidas, elaborando estudos e projetos rodoviários, bem assim implantar, melhorar, conservar e operar as rodovias paulistas de forma a prevenir e minimizar impactos ambientais, respeitando a legislação ambiental. Em observância e atendimento a Constituição Federal, a Carta Magna, promulgada em 1988, no Capítulo VI, art. 225, que considera o meio ambiente como patrimônio público a serviço do melhor uso coletivo, cumprindo aos 3 Referências colocadas lateralmente ao eixo locado de uma estrada, fora das áreas de movimentação das máquinas, que permitem o restabelecimento do alinhamento e nivelamento previstos no projeto, em qualquer fase da construção da via. 7 de 68

8 empreendedores públicos ou privados, no exercício de suas atividades, a plena observância às normas de controle ambiental. No presente Relatório, estão relacionados os principais aspectos do atual sistema de licenciamento ambiental, em níveis Federal e Estadual, relativo aos empreendimentos rodoviários em questão, apresentando os principais órgãos Estaduais e Federais, envolvidos na Política Nacional de Meio Ambiente e suas atribuições e competências Legislação Ambiental Brasileira para Licenciamentos A Lei Federal nº , promulgada em 31/08/81, que estabelece as diretrizes básicas da Política Nacional de Meio Ambiente, consagrando como incumbência do Poder Público, em diferentes níveis, a manutenção da fiscalização e do controle permanente da utilização dos recursos ambientais. Os postulados da Lei Federal n 6.938/81 foram ratificados em capítulo especial da Constituição Federal de 1988, que estabelece a base da estrutura legal e normativa referente à proteção do meio ambiente, os instrumentos a serem utilizados para instalação de obras ou atividades potencialmente causadoras de degradação ambiental, incluindo a obrigatoriedade de exigir estudos prévios de impacto ambiental. Com base na Constituição da República e em seu caráter descentralizador, que a União, os Estados e Municípios podem disciplinar a um só tempo, as matérias relativas a proteção ambiental, a execução e fiscalização da Política Nacional de Meio Ambiente. Assim como na Constituição do Estado de São Paulo, muitos diplomas legais em distintos níveis hierárquicos (leis, decretos, resoluções) regulamentam a preservação e conservação do meio ambiente; estabelecem competências; fixam normas para licenciamento, execução e controle ambiental de atividades; e firmam sanções para aquelas que são consideradas degradadoras do meio ambiente. No contexto da regulamentação legal destacam-se como instrumentos utilizados pelo Poder Público, para a execução da Política Nacional de Meio Ambiente, aqueles voltados ao controle ambiental e ao controle repressivo. Os instrumentos de controle ambiental para condicionarem atividades pública e privada, geradoras de interferências no meio ambiente, compreendem o estabelecimento de padrões da qualidade ambiental e o licenciamento de atividades efetiva ou potencialmente poluidoras. Por sua vez, os instrumentos de controle repressivo consistem em sanções administrativas, civis ou penais, visando à reparação dos danos ambientais por meio da aplicação de penalidades 4 Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente seus fins e Mecanismos de Formulação e Aplicação, e da outras providências. Disponível em 8 de 68

9 disciplinadoras e/ou compensatórias ao não cumprimento de medidas necessárias à preservação ambiental e/ou à correção dos impactos gerados. A Resolução CONAMA nº 001 5, de 23 de Janeiro de 1986, estabelece definições, responsabilidades, critérios básicos e diretrizes gerais para uso e implementação da Avaliação de Impacto Ambiental, como instrumento da Política Nacional do Meio Ambiente na regularização legal de obras ou atividades com potencial de degradação ambiental, condicionando à elaboração de Estudo de Impacto Ambiental (ElA) e Relatório de Impacto Ambiental (RIMA), a ser apresentados pelo empreendedor, visando à obtenção de licenciamento do órgão estadual competente, integrante do Sistema Nacional do Meio Ambiente SISNAMA, ouvidos os demais órgãos, no âmbito da União, Estado e Municípios. Os níveis de licenças ambientais estabelecidos na legislação compreendem: a Licença Ambiental Prévia (LP), requerida com base na elaboração do Estudo de Impacto Ambiental e seu Relatório de Impacto ao Meio Ambiente - ElA/RIMA, ou de acordo com a Resolução SMA nº 54 6, de , do Relatório Ambiental Preliminar RAP, ou do Estudo Ambiental Simplificado EAS, e correspondente à etapa de planejamento do empreendimento, subsidiando a avaliação de sua viabilidade ambiental; a Licença Ambiental de Instalação (LI), requerida previamente à etapa de implantação do empreendimento e possibilitando a liberação de frentes de obra; e a Licença Ambiental de Operação (LO), correspondente à etapa de operação do empreendimento, que atesta a regularidade legal do mesmo mediante comprovação da implementação de medidas ambientais compromissadas no processo de licenciamento. Inseridas neste contexto, as estradas de rodagem com duas ou mais faixas de rolamento são consideradas empreendimentos sujeitos ao licenciamento prévio por meio de ElA/RIMA, reiteradas na Resolução do Conselho Nacional de Meio Ambiente - CONAMA n 237 7, de 19 de Dezembro de 1997, que introduz outras categorias de estudos além do ElA/RIMA, para atender à diversidade de atividades e complexidades ambientais das intervenções, e estabelece que "caberá ao órgão ambiental competente definir critérios de exigibilidade, detalhamento e complementação do elenco relacionado, levando em consideração especificidades, riscos ambientais, porte e outras características do empreendimento ou atividade. 5 Estabelece as Definições, as Responsabilidades, os Critérios Básicos e as Diretrizes Gerais para o Uso e Implementação da Avaliação do Impacto Ambiental como um dos Instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente. Disponível em 6 Dispõe sobre procedimentos para licenciamento ambiental no âmbito da SMA. Disponível em 7 Define Conceitos de Licenciamento Ambiental, Estudos Ambientais e Impacto Ambiental Regional. Disponível Em 9 de 68

10 2.2. Legislação Ambiental para o Setor Rodoviário do Estado de São Paulo Avançando neste sentido e em observância à Resolução CONAMA nº 237/97, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente SMA definiu procedimentos e diretrizes específicas, para o setor rodoviário, para as intervenções de menor impacto ambiental, como: obras destinadas à conservação e melhorias de rodovias estaduais, intervenções em estradas vicinais e o licenciamento ambiental de áreas de apoio, conforme discriminadas nos subitens que seguem Legislação pertinente a Intervenções de Conservação e Melhorias de Rodovias A Resolução SMA nº 81, de 01 de dezembro de 1998, dispõe sobre o licenciamento ambiental de intervenções destinadas à conservação e melhorias de rodovias e sobre o atendimento de emergências decorrentes do transporte de produtos perigosos em rodovias, texto na íntegra constate do item 8.2 Legislação Estadual. A referida Resolução dispensa de licenciamento ambiental as intervenções destinadas à conservação e melhorias de rodovias, quando restritas às respectivas faixas de domínio e que não impliquem em supressão de vegetação primária ou secundária (estágios médio e avançado) e relocação de população constituindo nas seguintes atividades: - supressão de vegetação nativa secundária, em estágio inicial de regeneração; - supressão de exemplares arbóreos exóticos; - poda de árvores nativas, cujos galhos invadam o acostamento ou a faixa de rolamento, encubram a sinalização ou em situação de risco iminente à segurança; - estabilização de taludes de corte e saias de aterro sem supressão de vegetação nativa arbórea, primária ou secundária, nos estágios médio e avançados de regeneração; - limpeza e reparo de sistemas de drenagem, bueiros, canais e corta-rios; - sinalização horizontal e vertical; - implantação de cercas, defensas metálicas ou similares; - recapeamento; - pavimentação e implantação de acostamento, desde que não haja necessidade de relocação de população; - reparos em obras de arte; - implantação de uma faixa adicional contígua às faixas existentes, entendida como a terceira faixa, sem supressão de vegetação nativa arbórea, primária 10 de 68

11 ou secundária, nos estágios médio e avançados de regeneração, e sem relocação de população; - obras para melhorias geométricas, implantação de praças de pedágio, serviços de atendimento aos usuários, postos gerais de fiscalização (PGF), balanças, passarelas e áreas de descanso, paradas de ônibus, unidades da Polícia Rodoviária e pátios de apreensão de veículos, sem supressão de vegetação nativa arbórea, primária ou secundária, nos estágios médios e avançados de regeneração e sem relocação de população Legislação Pertinente a Estradas Vicinais A Resolução SMA nº 33, de 10 de setembro de 2002, dispõe sobre a simplificação do licenciamento ambiental das intervenções destinadas à conservação, manutenção e pavimentação de estradas vicinais que se encontrem em operação, texto na íntegra constate do item 8.2 Legislação Estadual. A referida resolução em seu artigo 1º, dispensa de licenciamento as intervenções destinadas à conservação, manutenção e pavimentação de estradas vicinais que se encontrem em operação no Estado de São Paulo, conforme definições constantes na Resolução, no âmbito do Departamento de Avaliação de Impacto Ambiental DAIA e remetem a necessidade de autorizações específicas e/ao licenciamento: supressão de vegetação e a intervenção em áreas de preservação permanente, em unidades de conservação e/ou em áreas de proteção de mananciais e a implantação de áreas de apoio necessárias à realização das atividades mencionadas no caput deste artigo, consideradas como depósitos de material excedente (bota-fora), caixas de empréstimo, estradas de serviço e canteiros de obra ao DEPRN e as intervenções em corpos d'água o DEPRN deverá emitir Autorização condicionada à manifestação do DAEE. 3. PROCEDIMENTOS LEGAIS NO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE ESTRADAS VICINAIS As Intervenções destinadas à conservação, manutenção e pavimentação de estradas vicinais em operação, estão isentas de licenciamento ambiental no âmbito do Departamento de Avaliação de Impacto Ambiental DAIA, conforme caput do Art. 1º, da Resolução SMA nº 33/02. O DAIA é a área técnica da SMA Secretaria de Estado do Meio Ambiente, com atribuições para avaliação de empreendimentos rodoviários potencialmente poluidores e degradadores do meio ambiente e viabilidade ambiental dos mesmos, responsável pela emissão da análise da viabilidade ambiental, por meio de licenças ambientais. O Programa de Recuperação de Estradas Vicinais deverá atender normas e procedimentos de processo de licenciamento específico do DEPRN 11 de 68

12 Departamento de Proteção de Recursos Naturais, quando da necessidade de obter autorizações junto ao DEPRN, nas situações relacionadas: - supressão de vegetação; - intervenção em APP - Áreas de Preservação Permanente 8 ; - intervenção em Unidades de Conservação; - intervenção em Áreas de Proteção de Mananciais; A remoção de vegetação para estabilização geotécnica, para as intervenções emergenciais necessárias, conforme o disposto no Art. 3º, da Resolução SMA 33/02, deverá ser imediatamente procedida a notificação ao DEPRN Departamento de Proteção de Recursos Naturais, preferencialmente antes do início das intervenções. O DEPRN Departamento de Proteção de Recursos Naturais deverá emitir autorização condicionada à manifestação do DAEE Departamento de Águas e Energia Elétrica, para as intervenções em corpos d água, necessárias à execução de conservação, manutenção e pavimentação, previstas no Programa de Recuperação de Estradas Vicinais. Durante as intervenções previstas para a recuperação de estradas vicinais, deverão ser adotadas medidas de cautela necessárias para evitar o desenvolvimento de processos erosivos, rupturas de taludes, assoreamento e interrupção de drenagens naturais e outras situações que possam acarretar danos ambientais. Consoante o disposto no inciso I, do Art. 2º, da Resolução SMA 33/02, ocorrendo qualquer das situações relacionadas, poderá o órgão ambiental estadual, solicitar que sejam demonstradas as medidas tomadas antes da execução das intervenções e a solução técnica adotada Licenciamento Ambiental de Áreas de Apoio A Resolução SMA nº 33/02, no inciso II, do Art. 1º, dispõe que a implantação de áreas de apoio necessárias à realização das atividades de conservação, manutenção e pavimentação de estradas vicinais, deverão ser submetidas ao DEPRN Departamento Estadual de Proteção de Recursos Naturais. No caso de instalação de áreas de apoio fora da faixa de domínio, proceder-se ao atendimento à Resolução SMA nº 30 de 21 de dezembro de 2000, que: dispõe sobre o cadastro e o licenciamento ambiental de intervenções destinadas às áreas de apoio de obras rodoviárias em locais sem restrição ambiental. 8 Conforme definidas pela Resolução CONAMA n. 303, de 20 de março de 2002 publicada no DOU nº 090, de 13/05/ de 68

13 3.1.1 Atividades Potencialmente Poluidoras (Canteiros de Obras e Usinas) As instalações de apoio às obras consideradas potencialmente poluidoras são representadas pelos canteiros de obra e plantas industriais (usinas) que exigirão: - Licenças de Instalação e Operação expedidas pela CETESB, com base em projeto de instalação e dispositivos de controle de poluição das águas, do solo e do ar; - Licença, Certidão ou Atestado de Conformidade expedido pelo Município sobre uso de áreas para canteiros e plantas industriais; - Autorização do proprietário do imóvel onde se localizarão as instalações; e, - Atendimento à Resolução SMA n 30/00, para cadastramento de áreas de apoio localizadas em áreas sem restrições ambientais Atividades em Áreas de Proteção aos Mananciais Nos casos em que as intervenções de obras e instalação de unidades de apoio se localizem em Áreas de Proteção aos Mananciais da Região Metropolitana de São Paulo, deve ser solicitada prévia autorização do DEPRN - Departamento de Proteção de Recursos Naturais e do DUSM Departamento de Uso do Solo Metropolitano Atividades com Interferências em Recursos Hídricos Atividades que possam provocar alterações em cursos d'água e em suas vazões, como obras de arte (pontes, bueiros etc.), travessias de drenagens e captações para abastecimento de áreas de apoio, necessitarão de prévia autorização (outorga) do DAEE - Departamento de Águas e Energia Elétrica Áreas de Empréstimo, Depósito de Material Excedente e Jazidas A exploração dessas áreas de apoio, potencialmente modificadoras ou degradadoras do meio ambiente, podem gerar supressão da cobertura vegetal, desencadeamento de processos erosivos, de instabilização e de assoreamento, e estão sujeitas ao licenciamento. Geralmente, a definição locacional dessas unidades é feita pelas empreiteiras contratadas para execução das obras, atribuindo a essas empresas a responsabilidade pela obtenção das licenças e autorizações necessárias, com o acompanhamento por parte do contratante, por meio da fiscalização de obras. No caso de jazidas de material pétreo e areais, as empresas contratadas para execução das obras deverão elaborar projetos de exploração e de recuperação 13 de 68

14 para apreciação técnica da CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental, após obtenção do devido Decreto de Lavra expedido pelo DNPM Departamento Nacional de Produção Mineral e do licenciamento municipal. Esse procedimento não será necessário no caso de utilização de material pétreo e areais já explorados por empresas comerciais (terceiros), porém com funcionamento regularizado nos órgãos competentes. O DER/SP recomendará tal procedimento às suas contratadas, sempre que possível. Para exploração de área de empréstimo e utilização de áreas para depósitos de material excedente (DME), a empresa responsável pelas obras deverá elaborar os projetos de implantação, utilização e recuperação ambiental dessas áreas, em atendimento ao roteiro orientativo preconizado, Resolução SMA nº 30/00, para se submetido ao DEPRN - Departamento de Proteção de Recursos Naturais Atribuições e Competências Institucionais Sistema Estadual de Meio Ambiente As principais diretrizes para a execução do licenciamento ambiental no Brasil, estão expressas na Lei 6.938/81 e nas Resoluções CONAMA nº 001/86 e nº 237/97. Além dessas, a Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo emitiu Resoluções, que discorre sobre a competência estadual para o licenciamento, tendo como fundamento a abrangência do impacto. O Departamento de Avaliação de Impacto Ambiental DAIA, ligado a Coordenadoria de Licenciamento Ambiental e Proteção de Recursos Naturais CPRN, é o órgão da SMA/SP competente pela análise dos estudos que permite a localização, instalação, ampliação e operação de empreendimentos e atividades utilizadoras de recursos ambientais, e que possam ser consideradas efetiva ou potencialmente poluidoras ou daquelas que, sob qualquer forma, possam causar degradação ambiental, a nível estadual, por intermédio de seu corpo técnico e de outros órgãos vinculados a SMA/SP e ao Sistema Estadual de Meio Ambiente. O Sistema Estadual de Meio Ambiente, conta com diversos órgãos vinculados a SMA/SP, conforme organograma a seguir. 14 de 68

15 A seguir destacam-se competências de cada um dos principais órgãos e divisões técnicas envolvidas no licenciamento ambiental de empreendimentos rodoviários. Departamento de Avaliação de Impacto Ambiental DAIA/SMA A área técnica da SMA com atribuições para avaliação de empreendimentos rodoviários potencialmente poluidores e degradadores do meio ambiente e manifestação sobre viabilidade ambiental dos mesmos, é representada pelo DAIA, responsável pela emissão da análise da viabilidade ambiental, por meio da Licença Ambiental Prévia (LP), no início dos procedimentos de licenciamento ambiental. Posteriormente à concessão da LP, compete ao DAIA a análise dos Projetos Básicos Ambientais, ou seja, do detalhamento em nível executivo das medidas mitigadoras expostas nos Programas Ambientais, que uma vez aprovados, embasam a concessão da Licença Ambiental de Instalação (LI), permitindo a liberação das frentes de obra. O acompanhamento da implementação de Projetos Básicos Ambientais na execução de empreendimentos, ou das medidas ambientais compromissadas, em obras e atividades sem a exigibilidade de elaboração de Relatório Ambiental Preliminar - RAP e Estudo de Impacto Ambiental (ElA) e Relatório de Impacto Ambiental (RIMA), são conduzidos pelo DAIA, com apoio de divisões técnicas e órgãos vinculados à SMA, quais sejam: DEPRN e CETESB. Departamento Estadual de Proteção de Recursos Naturais - DEPRN O DEPRN é o órgão da Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, vinculado à Coordenadoria de Licenciamento Ambiental e Proteção de Recursos 15 de 68

16 Naturais (CPRN), responsável pelo licenciamento de atividades e obras que impliquem na supressão dê vegetação nativa, corte de árvores nativas, intervenção em Áreas de Preservação Permanente (APP) e manejo da fauna silvestre. A atribuição do DEPRN no controle e proteção florestal apresenta coresponsabilidade entre as instâncias Estadual e Federal, esta última, por meio do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), cuja atuação incide particularmente nos casos de supressão e exploração de formações vegetais situadas em Unidades de Conservação (UC's), em Áreas de Preservação Permanente (APP's), estabelecidas pela Resolução CONAMA nº 303 9, de 20 de Março de 2002 e áreas florestais protegidas. O licenciamento e fiscalização de projetos que interfiram com UC's Federais, APP's e remanescentes de Mata Atlântica necessitam de prévia manifestação e autorização do IBAMA, para então encaminhar o pedido de autorização ao DEPRN, cabendo a esses órgãos, assim como à Polícia Ambiental, em casos de infração, aplicar sanções administrativas cabíveis; informar ao Ministério Público, para fins de instauração de inquérito civil e propositura de ação penal e civil pública e representar nos conselhos profissionais competentes, para apuração de responsabilidades. A jurisdição do DEPRN no Estado é composta pela Diretoria Geral, sediada na capital, e por Divisões Regionais, com competências sobre parcelas do território estadual. - Parecer Técnico Florestal (PTF) análise técnica por parte do DEPRN sobre atividades propostas e viabilidade ambiental das mesmas, em termos de supressão de vegetação e intervenção em APP s. 9 Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente APP. Disponível em 16 de 68

17 Fonte: Sistema de Gestão Ambiental do DER/SP - SIAR 17 de 68

18 - Autorização para Supressão de Cobertura Vegetal e Intervenção em Área de Preservação Permanente (APP) - qualquer atividade que envolva supressão de vegetação nativa depende de autorização, seja qual for o tipo da vegetação em qualquer estágio de desenvolvimento (inicial, médio, avançado ou clímax). Da mesma forma, qualquer intervenção em APP, sem autorização do DEPRN, é crime ambiental, conforme Lei Federal nº 9.605/ Termo de Compromisso de Recuperação Ambiental (TCRA) - conforme Lei n /01 11 e Portaria DEPRN nº 44/95 12, é estabelecido como forma de compensar o prejuízo causado pela supressão de determinada área coberta com vegetação nativa ou pela intervenção em APP's ou pelo corte de árvores nativas, exigindo a reposição em área proporcional, no mesmo local da atividade ou obra licenciada. A compensação ambiental que se fizer necessária, em decorrência das intervenções do Programa de Recuperação de Estradas Vicinais, deverá observar o disposto nas Resoluções SMA 21/01, 47/03, 58/06 13 e 8/ Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental - CETESB O licenciamento de atividades efetiva ou potencialmente poluidoras que possam comprometer os padrões de qualidade ambiental (poluição das águas, do ar, sonora e outros) compete à CETESB, conforme disposto na Lei n 997/76 15 e regulamento aprovado pelo Decreto Estadual n 8.468/76 16, assim como a fiscalização dessas atividades, impondo exigências técnicas e penalidades às infrações cometidas. A CETESB conta com a central da Companhia sediada na capital do Estado, dispondo de Divisões Regionais espalhadas pelo território do Estado de São Paulo. 10 Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Disponível em 11 Dispõe sobre a reposição florestal no Estado de São Paulo e dá outras providências. Disponível em 12 Disciplina os procedimentos para a autorização do corte de árvores isoladas (Revogada pela Portaria DEPRN nº 30/06). Disponível em 13 Fixa a orientação para o reflorestamento heterogêneo de áreas degradadas e dá providências correlatas. Disponível em 14 Altera e amplia a Resolução SMA 21, de 21/11/2001 e, SMA 47 de 26/11/2003. Fixa a orientação para o reflorestamento heterogêneo de áreas degradadas e dá providências correlatas. Disponível em 15 Dispõe sobre o controle da poluição do meio ambiente. Disponível em 16 Regulamento da Lei nº 997, de 31 de maio de 1976, que dispõe sobre a prevenção e o controle da poluição do meio ambiente. Disponível em 18 de 68

19 Fonte: Cetesb 1. Região da Capital - São Paulo: em Guarulhos, Santo André, Osasco e Mogi das Cruzes; 2. Baixada Santista: em Santos e Cubatão; 3. Bacia do Paraíba do Sul e Litoral Norte: Jacareí, Taubaté, Aparecida e Ubatuba; 4. Bacia do Piracicaba: Jundiaí, Campinas, Paulínia, Americana, Limeira e Piracicaba; 5. Bacia do Rio Grande: Pirassununga, Ribeirão Preto, Franca, Barretos, São José do Rio Preto; 6. Bacia do Rio Paraná: Araraquara, Bauru, Marília, Araçatuba, Presidente Prudente; 7. Bacia do Rio Sorocaba e Alto Paranapanema: Sorocaba. 19 de 68

20 Outros órgãos Estaduais e Federais também poderão intervir no processo de licenciamento conforme a natureza das interferências provocadas pelo projeto, dos quais se destacam: Departamento de Águas e Energia Elétrica - DAEE O DAEE é o órgão gestor dos recursos hídricos do Estado de São Paulo e para melhor desenvolver suas atividades e exercer suas atribuições conferidas por lei, atua de maneira descentralizada, no atendimento aos municípios, usuários e cidadãos, executando a Política de Recursos Hídricos do Estado de São Paulo, bem como coordenando o Sistema Integrado de Gestão de Recursos Hídricos, nos termos da Lei 7.663/91 17, adotando as bacias hidrográficas como unidade físico-territorial de planejamento e gerenciamento. Em São Paulo, se localizam, além da sede central do Departamento de Águas e Energia Elétrica, as Diretorias de Apoio, como a Diretoria de Engenharia e Obras, a Diretoria de Recursos Hídricos, o Centro Tecnológico de Hidráulica, a Diretoria de Administração e Sistema e a Diretoria Financeira, bem como outras unidades de apoio, à disposição do usuário. O DAEE conta também com 8 (oito) Diretorias Regionais, descentralizadas, chamadas Diretorias de Bacias, conforme figura a seguir, que têm em seu organograma funcional unidades técnicas que desenvolvem atividades relativas aos recursos hídricos. 17 Estabelece normas de orientação à Política Estadual de Recursos Hídricos bem como ao Sistema Integrado de Gerenciamento de Recursos Hídricos. Disponível em 20 de 68

PROGRAMA PRÓ-VICINAIS DE RECUPERAÇÃO DE ESTRADAS VICINAIS PRO-VICINAIS 4ª. ETAPA

PROGRAMA PRÓ-VICINAIS DE RECUPERAÇÃO DE ESTRADAS VICINAIS PRO-VICINAIS 4ª. ETAPA Public Disclosure Authorized GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DOS TRANSPORTES Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM PROGRAMA PRÓ-VICINAIS

Leia mais

COMPONENTE AMBIENTAL EM PROJETOS RODOVIÁRIOS. - Conceitos Básicos de Gestão Ambiental

COMPONENTE AMBIENTAL EM PROJETOS RODOVIÁRIOS. - Conceitos Básicos de Gestão Ambiental - Conceitos Básicos de Gestão Ambiental - Empreendimentos Rodoviários - Impacto Ambiental - Legislação vigente - Licenciamento Ambiental - Estudos e Relatórios Ambientais - Componente Ambiental DNIT Conceitos

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS ITAITUBA PA Junho/2012 O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento

Leia mais

Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA

Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA Resoluções Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA RESOLUÇÃO Nº 349, DE 16 DE AGOSTO DE 2004 Dispõe sobre o licenciamento ambiental de empreendimentos

Leia mais

3º SIMPÓSIO DE OBRAS RODOVIÁRIAS

3º SIMPÓSIO DE OBRAS RODOVIÁRIAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA E AMBIENTAL 3º SIMPÓSIO DE OBRAS RODOVIÁRIAS (Avanço no Licenciamento Ambiental de Rodovias) Lucio Lima da Mota São Paulo. 21 de Outubro de 2010 Adaptado

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 42 DE 17 DE AGOSTO DE 2012 DISPÕE SOBRE AS ATIVIDADES QUE CAUSAM OU POSSAM CAUSAR IMPACTO AMBIENTAL LOCAL, FIXA

Leia mais

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003.

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. 1 L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Proteção Ambiental, a elaboração, implementação e controle da Política Ambiental do Município de Coqueiro

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81)

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81) POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE 1. LICENCIAMENTO AMBIENTAL 1.1 NATUREZA JURÍDICA: Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81) 1.2 CONCEITO: Segundo o art. 1º,

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176

RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176 RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176 Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal

Leia mais

UHE PCH. LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal. Roberto Huet de Salvo Souza

UHE PCH. LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal. Roberto Huet de Salvo Souza LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal UHE PCH Roberto Huet de Salvo Souza - I B A M A N Ú C L E O D E L I C E N C I A M E N T O A M B I E N T A L NLA/SUPES- RJ O que é licenciamento ambiental? Para que serve?

Leia mais

13/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL. CIESP de Indaiatuba AS IMPLICAÇÕES DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS PARA OS USUÁRIOS

13/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL. CIESP de Indaiatuba AS IMPLICAÇÕES DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS PARA OS USUÁRIOS 13/10/ CIESP de Indaiatuba 08 de outubro de AS IMPLICAÇÕES DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS PARA OS USUÁRIOS COMITÊS DE BACIAS CIESP de Indaiatuba 08 de outubro de Organização ( Lei n 6938/81

Leia mais

18º Encontro Nacional da ANAMMA

18º Encontro Nacional da ANAMMA 18º Encontro Nacional da ANAMMA Os efeitos do PL de parcelamento do solo no meio ambiente e a gestão de APPs urbanas Cynthia Cardoso Goiânia, agosto/2008 Planejamento? Na perspectiva de planejamento qual

Leia mais

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996. Súmula: Instituída a Área de Proteção Ambiental na área de manancial da bacia hidrográfica do rio Pequeno, denominada APA Estadual do Pequeno.. O GOVERNADOR DO

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

LICENCIAMENTO COM AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL

LICENCIAMENTO COM AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ESTADO DE SÃO PAULO LICENCIAMENTO COM AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL ANA CRISTINA PASINI DA COSTA Diretora de Tecnologia, Qualidade e Avaliação Ambiental CONTEÚDO 1. DEFINIÇÕES

Leia mais

Arqueologia Preventiva e Licenciamento Ambiental de Projetos no Brasil *

Arqueologia Preventiva e Licenciamento Ambiental de Projetos no Brasil * Arqueologia Preventiva e Licenciamento Ambiental de Projetos no Brasil * Solange Bezerra Caldarelli Scientia, Consultoria Científica (Brasil) solange@scientiaconsultoria.com.br Resumo: Apresentam-se, aqui,

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS Instituto Estadual do Ambiente - INEA Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas - DIBAP Gerência do Serviço Florestal - GESEF ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Conceitos /

Leia mais

Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA.

Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA. RESOLUÇÃO CONAMA Nº 379, de 19/10/2006 Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

Leia mais

Licenciamento Ambiental

Licenciamento Ambiental Conceito Licenciamento Ambiental Procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras

Leia mais

LEI ESTADUAL Nº 7.438, DE 16 DE JULHO DE 1991 - SÃO PAULO

LEI ESTADUAL Nº 7.438, DE 16 DE JULHO DE 1991 - SÃO PAULO LEI ESTADUAL Nº 7.438, DE 16 DE JULHO DE 1991 - SÃO PAULO Declara Área de Proteção Ambiental - APA, regiões que específica, dando providências correlatas. O Governador do Estado de São Paulo. Faço saber

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 001, de 30/07/2007

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 001, de 30/07/2007 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 001, de 30/07/2007 Atualizada em 01/04/2013 Objeto: Esta Instrução tem por objeto complementar o item 6 da Norma da Portaria DAEE nº 717/96. Trata dos requerimentos, documentação

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL SUELY MARA VAZ GUIMARÃES DE ARAÚJO Consultora Legislativa da Área XI Meio ambiente e direito ambiental, desenvolvimento urbano e interior OUTUBRO/2015 Suely Mara Vaz

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol.

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

LEI MUNICIPAL N.º 2.690, DE 21 DE MAIO 2002

LEI MUNICIPAL N.º 2.690, DE 21 DE MAIO 2002 Dispõe sobre a Política Municipal do Meio Ambiente, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE FARROUPILHA RS, FAZ SABER que a Câmara Municipal de Vereadores aprovou e ele sanciona a seguinte L

Leia mais

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde 14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde O licenciamento ambiental e o licenciamento urbanístico no Projeto de Lei nº 3.057/2000 Lei de responsabilidade

Leia mais

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta:

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta: 1/6 DECRETO Nº 60.521, DE 05 DE JUNHO DE 2014 Institui o Programa de Incentivos à Recuperação de Matas Ciliares e à Recomposição de Vegetação nas Bacias Formadoras de Mananciais de Água, institui a unidade

Leia mais

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado de Goiás, decreta e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1.º - Esta lei, com

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS. Política Ambiental para o Setor Florestal

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS. Política Ambiental para o Setor Florestal LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS Principais Objetivos da Política Ambiental de MS para o Setor Florestal Reduzir a pressão sobre a vegetação nativa, especialmente aquela

Leia mais

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade Coordenação Acadêmica - Escola de Direito FGV DIREITO RIO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade - FGV

Leia mais

Licenciamento Ambiental na CETESB IV Aquishow

Licenciamento Ambiental na CETESB IV Aquishow SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO 120 anos Licenciamento Ambiental na CETESB IV Aquishow Pesquisadora Científica Dra. Daercy Mª M. de Rezende Ayroza Polo Regional Médio Paranapanema Regularização

Leia mais

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 6 EXTRAÇÃO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 6 EXTRAÇÃO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO VALEC NAVA - 06 1 de 8 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 6 EXTRAÇÃO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO VALEC NAVA - 06 2 de 8 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 6 EXTRAÇÃO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES...

Leia mais

... ... ... ... ... ... ... ... E DEFINIÇÕES... 3. LEGISLAÇÃO E NORMAS TÉCNICAS APLICADAS 4 CONSIDERAÇÕES INICIAIS CAS PARA ELABORAÇÃO... DO PCAO...

... ... ... ... ... ... ... ... E DEFINIÇÕES... 3. LEGISLAÇÃO E NORMAS TÉCNICAS APLICADAS 4 CONSIDERAÇÕES INICIAIS CAS PARA ELABORAÇÃO... DO PCAO... Revisão Modificação Data Autor Aprovo Especialidades: Autores do Documento: CREA UF Matrícula Aprovo Sítio Empresa Brasileira de Infra-Estrutura AEROPORTO HERCÍLIO LUZ INTERNACIONAL DE FLORIANÓPOLIS Aeroportuária

Leia mais

Sistema SOMA / SEMACE

Sistema SOMA / SEMACE Sistema SOMA / SEMACE SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO BRASÍLIA/DF MAGDA KOKAY FARIAS ANTONIO FERREIRA FIGUEIREDO SEMACE SUA CRIAÇÃO ANTECEDENTES SUDEC

Leia mais

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água Maria de Fátima Chagas 23 de novembro de 2009 23 de novembro de 2009 Campo Grande - MS A Água e Meio Ambiente -

Leia mais

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A N E X O V LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL REFERENTE AO MANEJO FLORESTAL 1. DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA A legislação ambiental traduz um sistema de princípios e normas jurídicas

Leia mais

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS VALEC NAVA - 02 1 de 12 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS VALEC NAVA - 02 2 de 12 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS SUMÁRIO 1. OBJETO... 2 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2

Leia mais

Processo n 50611.000502/2009-67 ANEXO II TERMOS DE REFÊRENCIA

Processo n 50611.000502/2009-67 ANEXO II TERMOS DE REFÊRENCIA ANEXO II TERMOS DE REFÊRENCIA SERVIÇOS DE GESTÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA Processo n 50611.000502/2009-67 1. INTRODUÇÃO Este Termo de Referência define o escopo dos serviços a serem executados para

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 005 DE 2008

REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 005 DE 2008 REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 005 DE 2008 Resolução Conjunta IBAMA / SEMA / IAP nº 45, de 25 de setembro de 2007. (Publicada no DOE em 13.10.2007) Define critérios para avaliação das áreas úmidas e seus entornos

Leia mais

Guia da internet 2013

Guia da internet 2013 Guia da internet 2013 Guia da internet 2013 1 2 Guia da internet 2013 Guia da internet 2013 3 Região Metropolitana de São Paulo Cajamar Santana de Parnaíba Carapicuíba Presidente Prudente Embu Teodoro

Leia mais

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Rodolfo Torres Advogado Assessor Jurídico do INEA Especialista em Direito Ambiental pela PUC/RJ Fiscalização: noções gerais Manifestação do

Leia mais

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014 SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011 Ricardo Carneiro Junho/2014 Constituição da República Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal

Leia mais

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 ESTABELECE OS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS PARA EMISSÃO DA DECLARAÇÃO DE RESERVA DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA E DE OUTORGA PARA USO DE POTENCIAL

Leia mais

LEI Nº 14.418 DE 05 DE OUTUBRO DE 2012

LEI Nº 14.418 DE 05 DE OUTUBRO DE 2012 LEI Nº 14.418 DE 05 DE OUTUBRO DE 2012 (Publicação DOM 08/10/2012: 03) INSTITUI O PLANO INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal aprovou e

Leia mais

Evolução das mudanças na sistematização de Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Evolução das mudanças na sistematização de Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo CAIP 03/2015 1 2006 2009 Evolução das mudanças na sistematização de Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo SILIS Nova CETESB (LEI Nº 13.542/09) junção dos órgãos (DAIA/DEPRN/DUSM/CETESB). Deliberação

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE LEI Nº 354/2014 Dispõe sobre a Política Municipal de Saneamento Básico, cria o Conselho Municipal de Saneamento Básico e o Fundo Municipal de Saneamento de Básico, e dá outras providências. A Prefeita

Leia mais

Sustentabilidade Ambiental na Extração de Rochas Ornamentais

Sustentabilidade Ambiental na Extração de Rochas Ornamentais Sustentabilidade Ambiental na Extração de Rochas Ornamentais Edimundo Almeida da Cruz Geógrafo, Analista Ambiental (GCA-SLM-IEMA) Contato: edimundo-cruz@hotmail.com IEMA-CLM: (27) 3636-2580, 3636-2583

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação Razão Social CNPJ Telefone Nome CPF

Leia mais

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba FRENTE MOBILIZA CURITIBA 1ª Oficina Meio Ambiente e Plano Diretor APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba Incidência e Regularização Fundiária de APP s Urbanas na Lei 12.651/12 Prof. Dr. José Gustavo

Leia mais

Constituição Estadual CAPÍTULO IV Do Meio Ambiente, dos Recursos Naturais e do Saneamento

Constituição Estadual CAPÍTULO IV Do Meio Ambiente, dos Recursos Naturais e do Saneamento Constituição Estadual CAPÍTULO IV Do Meio Ambiente, dos Recursos Naturais e do Saneamento O SEÇÃO I Do Meio Ambiente Art. 191. O Estado e os Municípios providenciarão, com a participação da coletividade,

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 8.267 Dispõe sobre o licenciamento ambiental no Município de Porto Alegre, cria a Taxa de Licenciamento Ambiental e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a

Leia mais

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável;

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável; Lei Delegada nº 125, de 25 de janeiro de 2007. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 26/01/2007) (Retificação Diário do Executivo Minas Gerais 30/01/2007) Dispõe sobre a estrutura orgânica básica

Leia mais

LEI Nº 6.126, DE 27 DE ABRIL DE 2006.

LEI Nº 6.126, DE 27 DE ABRIL DE 2006. LEI Nº 6.126, DE 27 DE ABRIL DE 2006. Autoria: Prefeito Municipal. INSTITUI O PLANO INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS E DÁ PROVIDÊNCIAS CORRELATAS. O Prefeito do Município

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA PREVENÇÃO DE DANOS AO MEIO AMBIENTE

A IMPORTÂNCIA DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA PREVENÇÃO DE DANOS AO MEIO AMBIENTE A IMPORTÂNCIA DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA PREVENÇÃO DE DANOS AO MEIO AMBIENTE Hiuri Martorelli Metaxas 1 RESUMO: Este artigo descreve o conceito de Licenciamento Ambiental segundo a legislação vigente.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.334, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010. Estabelece a Política Nacional de Segurança de Barragens destinadas à acumulação de água

Leia mais

IV - Aeroportos, conforme definidos pelo inciso 1, artigo 48, do Decreto-Lei nº 32, de 18.11.66;

IV - Aeroportos, conforme definidos pelo inciso 1, artigo 48, do Decreto-Lei nº 32, de 18.11.66; Página 1 de 5 Resoluções RESOLUÇÃO CONAMA Nº 001, de 23 de janeiro de 1986 Publicado no D. O. U de 17 /2/86. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - IBAMA, no uso das atribuições que lhe confere o artigo

Leia mais

NORMA GERAL AMBIENTAL. Título: PROCEDIMENTOS E ROTINAS DE ACOMPANHAMENTO DE COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificador: NGL-5.03.01-16.

NORMA GERAL AMBIENTAL. Título: PROCEDIMENTOS E ROTINAS DE ACOMPANHAMENTO DE COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificador: NGL-5.03.01-16. NGL-5.3.1-16.13 1 / 21 Sumário 1. MOTIVAÇÃO... 2 2. OBJETO... 2 3. ASPECTOS LEGAIS... 2 4. MÉTODOS E RECURSOS... 9 4.1. Registros de Acompanhamento... 9 4.2. Relatórios de Andamento... 11 4.3. Recursos...

Leia mais

O Engenheiro Ambiental: atribuições e atuação no mercado de trabalho

O Engenheiro Ambiental: atribuições e atuação no mercado de trabalho O Engenheiro Ambiental: atribuições e atuação no mercado de trabalho Eng. Química Elisabeth Ibi Frimm Krieger Pelotas, 24 de Novembro de 2009 Resolução Nº 218, de 29.06.1973 CONFEA Discrimina atividades

Leia mais

Licenciamento Ambiental

Licenciamento Ambiental Licenciamento Ambiental Art. 2º - A localização, construção, instalação, ampliação, modificação e operação de empreendimentos e atividades utilizadoras de recursos ambientais consideradas efetiva ou potencialmente

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA TRATAMENTO SOCIOAMBIENTAL PROJETOS DE SANEAMENTO BÁSICO (ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO)

INSTRUÇÕES PARA TRATAMENTO SOCIOAMBIENTAL PROJETOS DE SANEAMENTO BÁSICO (ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO) APÊNDICE H- INSTRUÇÕES PARA TRATAMENTO SOCIOAMBIENTAL PROJETOS DE SANEAMENTO BÁSICO (ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO) CAPITULO : PROCEDIMENTOS GERAIS PARA AVALIAÇÃO E LICENCIAMENTO AMBIENTAL - PROJETOS DE

Leia mais

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\ ATO DE SANÇÃO N.º 003/2010. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ACAUÃ, ESTADO DO PIAUÍ, no uso de suas atribuições legais, sanciona por meio do presente, o Projeto de Lei do Executivo de N.º 002/2010, Ementa: Dispõe

Leia mais

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências.

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL PARA EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS, FERRAMENTAS, RISCOS E ESTRATÉGIAS. José Antonio Gugelmin COPEL PARTICIPAÇÃO

LICENCIAMENTO AMBIENTAL PARA EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS, FERRAMENTAS, RISCOS E ESTRATÉGIAS. José Antonio Gugelmin COPEL PARTICIPAÇÃO SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GIA - 08 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XI GRUPO DE IMPACTOS AMBIENTAIS - GIA LICENCIAMENTO AMBIENTAL PARA EMPREENDIMENTOS

Leia mais

DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras

DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007. Dispõe sobre a emissão de outorga de direito de uso dos recursos hídricos de domínio do Estado da Bahia, assim como a sua renovação, ampliação, alteração,

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL.

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS. RECOMENDAÇÃO nº 007/2011

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS. RECOMENDAÇÃO nº 007/2011 Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS RECOMENDAÇÃO nº 007/2011 Renováveis (Ibama), Ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador

Leia mais

A EMPRESA A ECO SUSTENTARE Gestão Ambiental

A EMPRESA A ECO SUSTENTARE Gestão Ambiental A EMPRESA A ECO SUSTENTARE Gestão Ambiental realiza trabalhos de consultoria e assessoria ambiental envolvendo as áreas de Direito Ambiental; Licenciamento Ambiental; Gerenciamento de Resíduos; Projetos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente RELAÇAO DE DOCUMENTOS PARA PROJETOS DE IRRIGAÇÃO E /OU SIMILARES. CATEGORIA A PROJETOS COM ÁREA ATÉ 5,0 ha LICENÇA PRÉVIA 1. Requerimento; 3. Guia de recolhimento, quitada; 4. Cópia da Publicação do Requerimento

Leia mais

PLANO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO

PLANO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO PLANO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO Diretrizes para Contratação de Consultoria para elaboração do Resumo do Plano e Complementações. 1.INTRODUÇÃO O CEIVAP aprovou recursos

Leia mais

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS IMPACTO AMBIENTAL Considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

03 de Dezembro de 2015

03 de Dezembro de 2015 Página 1 de 9 Marco Legal pertinente à área florestal no Brasil (1965 ao presente) Data de publicação Ato ou Lei Função 1 1965 Código Florestal Brasileiro Define diretrizes gerais para o uso e conservação

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Fixa normas para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

LEI Nº 547 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1993

LEI Nº 547 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1993 LEI Nº 547 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1993 Dispõe sobre a criação do Sistema Estadual de Desenvolvimento Ambiental de Rondônia- SEDAR e seus instrumentos, estabelece medidas de proteção e melhoria da qualidade

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA, ESTADO DO PARANÁ, no uso das suas atribuições legais, conforme Lei Orgânica Municipal, e;

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA, ESTADO DO PARANÁ, no uso das suas atribuições legais, conforme Lei Orgânica Municipal, e; DECRETO Nº 769 DE 23 DE SETEMBRO DE 2009 SÚMULA: Regulamenta a gestão dos resíduos orgânicos e rejeitos de responsabilidade pública e privada no Município de Londrina e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981

LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber

Leia mais

Decreto Nº 25.418, de 29 de Março de 1999 (DOE - 31.03.99).

Decreto Nº 25.418, de 29 de Março de 1999 (DOE - 31.03.99). Decreto Nº 25.418, de 29 de Março de 1999 (DOE - 31.03.99). O GOVERVADOR DO ESTADO DO CEARÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 88, incisos IV e VI, da Constituição Estadual, tendo em vista

Leia mais

XXI Conferência Nacional dos Advogados

XXI Conferência Nacional dos Advogados DIFICULDADES RELACIONADAS AO E À AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS. XXI Conferência Nacional dos Advogados Eng. Florestal MSc. Dr. Joesio D. P. Siqueira Vice-Presidente da STCP Engenharia de Projetos Ltda.

Leia mais

LEI Nº 1766/10 De 16 de novembro de 2010. LEO MIGUEL WESCHENFELDER, Prefeito Municipal de Porto Lucena, Estado do Rio Grande do Sul,

LEI Nº 1766/10 De 16 de novembro de 2010. LEO MIGUEL WESCHENFELDER, Prefeito Municipal de Porto Lucena, Estado do Rio Grande do Sul, LEI Nº 1766/10 De 16 de novembro de 2010. DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO AMBIENTAL, AS INFRAÇÕES E PENALIDADES AMBIENTAIS NO MUNICÍPIO DE PORTO LUCENA E INSTITUI TAXAS DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL. LEO MIGUEL

Leia mais

Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015.

Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015. Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015. Estabelece diretrizes e procedimentos para o cumprimento da compensação ambiental decorrente do corte e da supressão de vegetação nativa pertencente ao bioma

Leia mais

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012 Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF O Idaf por definição O IDAF, é a entidade responsável pela execução da política, florestal, bem como

Leia mais

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Texto Atualizado Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.747, DE 5 DE JUNHO DE 2012 Institui a Política Nacional de Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas PNGATI,

Leia mais

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Engº Agrº José Daniel Barbosa de Barros Conceitos e Definições Meio Ambiente: conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem

Leia mais

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Nos termos do Contrato de Concessão, bem como dos regulamentos administrativos impostos pelo Poder Concedente, compete à ECO101 Concessionária

Leia mais

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral O QUE É IMPACTO AMBIENTAL Art. 1o da Resolução CONAMA n.1/86 Considera-se Impacto Ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do

Leia mais

NORMA OPERACIONAL PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DA ATIVIDADE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS NO ÂMBITO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

NORMA OPERACIONAL PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DA ATIVIDADE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS NO ÂMBITO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios para o licenciamento ambiental das atividades de transporte rodoviário de produtos perigosos (exceto os das classes 1 e 7 da Resolução ANTT 42) que circulam apenas no

Leia mais