MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT"

Transcrição

1 MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais Sistemas de Informação Global: Comunicações e Conectividade Entre Sistemas de Informação Primavera 2002 Aula 15 BANCOS DE DADOS HETEROGÊNEOS DISTRIBUÍDOS

2 SISTEMA DE CÂMBIO INTERNACIONAL DE ÚLTIMA GERAÇÃO (FXX) SISTEMAS COMERCIAIS NYC (x 20) LONDRES (x 20) SYDNEY (x 10) Renda Patrimônio Líquido Fixa Renda... Patrimônio Líquido Fixa Patrimônio Líquido PERGUNTAS DE EXEMPLO: QUAL O TOTAL DE NOSSAS AÇÕES DA IBM? QUAL O TOTAL DO ATIVO PERTENCENTE AO CAPITAL DE LONGO PRAZO E EM EXPOSIÇÃO? QUAL O TOTAL DO ATIVO E EXPOSIÇÕES ASSOCIADAS À ECONOMIA DO BRASIL? OUTRAS SITUAÇÕES SEMELHANTES: RELAÇÕES COM O CLIENTE ANÁLISE DE LUCRATIVIDADE (POR PRODUTO, SETOR DE ATIVIDADE ETC.) VISIBILIDADE DOS ATIVOS (INVENTÁRIO, EM TRÂNSITO ETC.) DATA WAREHOUSES (EM GERAL) POR QUE NÃO UM GRANDE BANCO DE DADOS?

3 POSSÍVEIS CONFIGURAÇÕES DE UM BANCO DE DADOS GLOBAL BANCO DE DADOS REGIONAIS SISTEMAS BANCO DE DADOS SISTEMAS SISTEMAS BANCO DE DADOS COMERCIAIS GLOBAL COMERCIAIS BANCO DE DADOS COMERCIAIS GLOBAL GLOBAL VIRTUAL VANTAGENS E DESVANTAGENS DE CADA ABORDAGEM COMPLICAÇÕES FUTURAS OS SISTEMAS COMERCIAIS USAM HARDWARE E SISTEMAS OPERACIONAIS DIVERGENTES (MAINFRAMES, MINI, PC). OS SISTEMAS COMERCIAIS USAM SOFTWARES DE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS (DBMS) DIVERGENTES AMBIENTE HETEROGÊNEO 3

4 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS HETEROGÊNEOS DISTRIBUÍDOS (BANCO DE DADOS VIRTUAL GLOBAL) INTERFACE UNIFORME SIMPLES SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS HETEROGÊNEOS DISTRIBUÍDOS (HD DBMS) SISTEMA 1 SISTEMA 2 SISTEMA 3 BANCO DE DADOS 1 BANCO DE DADOS 2 BANCO DE DADOS 3 MODELO DE DADOS MODELO DE DADOS MODELO DE DADOS HIERÁRQUICO DE REDE RELACIONAL (EX.: IMS) (EX.: IDMS) (EX.: SQL) [ ] [ ] [ ] SISTEMAS DE LEGADO 4

5 VÁRIAS ABORDAGENS PARA BANCOS DE DADOS DISTRIBUÍDOS 1. MODO BATCH (LOTES) EXTRATO PERIÓDICO, SEM CONSULTA EVENTUAL DOWNLOAD, BANCOS DE DADOS DE SOMBRA, REDE-PEÃO EIS BD Corp BD Leste BD Oeste 2. INTERFACE HETEROGÊNEA ACESSO ON-LINE A UM ÚNICO BANCO DE DADOS SEM INTEGRAÇÃO COM O BANCO DE DADOS ACESSO RECORRE A UM ÚNICO MODELO DE DADOS; DBMS EX.: INTERFACE RELACIONAL PARA O SISTEMA DE REDES (IDMS/R) IDMS/R Interface (SQL) Relacional IDMS Interface de Rede ("Nativa") (para os Aplicativos Existentes) 5

6 VÁRIAS ABORDAGENS PARA BANCOS DE DADOS DISTRIBUÍDOS (continuação) 3. INTEROPERABILIDADE ACESSO A MÚLTIPLOS BANCOS DE DADOS; DBMS SEMELHANTE OU DIFERENTE SEM TRANSPARÊNCIA NA LOCALIZAÇÃO ESQUEMAS NÃO-INTEGRADOS BD1 (IMS: Inventário) Interface SQL 4. GATEWAY INTEGRAÇÃO PARCIAL: DBMS PREDOMINANTEMENTE HOMOGÊNEO GATEWAY PARA O DBMS HETEROGÊNEO SEM NENHUMA CONSULTA DISTRIBUÍDA BD2 (SQL: Folha de Pgto.) IBM BD 2 Oracle/IBM Interface SQL Oracle* Oracle/HP 6

7 VÁRIAS ABORDAGENS PARA BANCOS DE DADOS DISTRIBUÍDOS (continuação) 5. DDBMS HETEROGÊNEO ESQUEMA GLOBAL ÚNICO MODELO COMUM DE DADOS E LINGUAGEM DE CONSULTA ESQUEMA INTEGRADO VERDADEIRA CONSULTA DISTRIBUÍDA EX.: MULTIBASE 6. DDBMS HETEROGÊNEO ALIADO ESQUEMAS MÚLTIPLOS AUTONOMIA DOS COMPONENTES DE BANCOS DE DADOS VERDADEIRA CONSULTA DISTRIBUÍDA VERDADEIROS BANCOS DE DADOS HETEROGÊNEOS = No. 5 e No. 6 7

8 TAREFAS DESEMPENHADAS PELO DHDBMS 1. ACEITA CONSULTAS-PADRÃO E ATUALIZA AS SOLICITAÇÕES 2. DISTRIBUI AUTOMATICAMENTE A CONSULTA PARA OS BANCOS DE DADOS INDIVIDUAIS 3. TRANSFORMA EM SUBCONSULTAS NA LINGUAGEM LOCAL DBMS ADEQUADA 4. FORMULA SEQÜÊNCIA DE EXECUÇÃO E CIRCULAÇÃO DE DADOS (Otimização) 5. RESOLVE INCOMPATIBILIDADES ENTRE BANCOS DE DADOS (EX.: DÓLARES vs. LIBRAS vs. IENES) 6. RESOLVE INCONSISTÊNCIAS EM CÓPIAS COM AS MESMAS INFORMAÇÕES (EX.: 77 MASS AVE. vs. 50 MEMORIAL DRIVE) 7. UNE DADOS RECUPERADOS ÀS RESPOSTAS CONSOLIDADAS 8

9 COMENTÁRIOS E RESTRIÇÕES SOBRE UM DHDBMS 1. COMPONENTES SÃO OS SISTEMAS DBMS EXISTENTES, NÃO OS PROJETADOS PARA O DDBMS 2. COMPONENTES NÃO PODEM SER MODIFICADOS FACILMENTE POR QUE? 3. DEVE SER CAPAZ DE ADICIONAR E EXCLUIR COMPONENTES PARA O DHDBMS 4. NOÇÃO DE NÃO-INVASIVO 9

10 TRÊS ABORDAGENS DE ESQUEMA PARA DHDBMS EXIBIÇÃO PARA O USUÁRIO (DIAGRAMA EXTERNO) EXIBIÇÕES FOLHA DE PGTO. FUNCIONÁRIOS PROJETO MODELO DE DADOS GLOBAL (DIAGRAMA CONCEITUAL) ESQUEMAS INDEPENDENTES MATRIZ DIV 1 DIV 2 IMS IDMS SQL ARQUIVO LOCAL E SISTEMAS DBMS (DIAGRAMA INTERNO) 10

11 Necessidade: SOMA DE TODOS OS SALÁRIOS (CONSULTA GLOBAL) (RESPOSTA CONSOLIDADA) EXEMPLO DE MULTIBASE GERENCIADOR DE DADOS GLOBAL (LINGUAGEM GLOBAL / COMUM) (CONSULTA A UM ÚNICO SITE) Rede LOCAL DATABASE INTERFACE (LDI) INTERFACE DE REDE OTIMIZADOR TRADUTOR INTERFACE DE HOST (DADOS FORMATADOS) FORMATADOR DE DADOS (DADOS BRUTOS) INTERFACE DE REDE OTIMIZADOR TRADUTOR INTERFACE DE HOST FORMATADOR DE DADOS DBMS 1 LOCAL NYC, EUA DBMS N LOCAL TÓKIO, JAPÃO BD 1 (IMS) Salário ( $ ) BD 2 (SQL) Salário 11

12 MULTIBASE: RECURSOS DO MULTIBASE INTERFACE UNIFORME E DE RECUPERAÇÃO (DAPLEX) LINGUAGEM ÚNICA DE CONSULTA BANCOS DE DADOS HETEROGÊNOS DISTRIBUÍDOS PREEXISTENTES OBJETIVOS: GENERALIDADE, COMPATIBILIDADE E CAPACIDADE DE EXTENSÃO NÃO-INVASIVO: SEM NECESSIDADE DE MODIFICAÇÃO PARA SE APOIAR NOS SISTEMAS DE ARQUIVO OU APLICAÇÕES DO DBMS CAPACIDADES: INTEGRAÇÃO DE ESQUEMA DEFINE A EXIBIÇÃO GLOBAL DOS ESQUEMAS LOCAIS TRATAMENTO DE INCOMPATIBILIDADE DE DADOS MANTÉM E IMPÕE REGRAS PARA RECONCILIAR AS DIFERENÇAS OTIMIZAÇÃO DE CONSULTAS OTIMIZA LOCALMENTE E GLOBALMENTE (COMPENSANDO AS LIMITAÇÕES DO SISTEMA LOCAL INTERPRETAÇÃO DE CONSULTAS TRANSFERE DE DAPLEX PARA 12 LINGUAGENS DE CONSULTA LOCAL

13 INCOMPATIBILIDADES DO ESQUEMA PROBLEMAS (A SER DISCUTIDO NA PRÓXIMA SESSÃO) DIFERENÇAS EM: CONVENÇÃO DE NOMENCLATURA ESTRUTURAS DE DADOS SUBJACENTES ESCALAS / UNIDADES DESAPARECIMENTO DE DADOS VALORES DE DADOS CONFLITANTES REPRESENTAÇÕES (Masculino/Feminino, Homem/Mulher, M/F, 0/1) SOLUÇÕES: (MULTIBASE) UM MECANISMO DE VISUALIZAÇÃO, COM RENOMEAÇÃO, REESTRUTURAÇÃO LÓGICA E CONVERSÃO DE ESCALA, PODE RESOLVER OS PROBLEMAS DE DIFERENÇA BANCO DE DADOS AUXILIAR PODE SER ANEXADO AO ESQUEMA PARA RESOLVER DOIS OUTROS TIPOS DE PROBLEMAS 13

14 PROCESSAMENTO DE CONSULTA PROBLEMAS USA O PROCESSAMENTO PARALELO E MINIMIZA O PROCESSAMENTO E OS CUSTOS DE COMUNICAÇÃO QUESTÕES: CUSTOS DE CONSULTA LOCAL DIFEREM EM DIVERSOS SITES MUITOS DBMS NÃO ACEITAM A CRIAÇÃO DE BANCOS DE DADOS TEMPORÁRIOS PELO GDM RECURSOS DE CONSULTA LOCAL PODEM SER LIMITADOS DBMS LOCAIS QUE VARIAM EM RECURSOS DE OTIMIZAÇÃO SOLUÇÕES / ALTERNATIVAS ALTERNATIVA 1 : CONSULTA GLOBAL > A MENOR SUBCONSULTA POSSÍVEL EM UM ÚNICO SITE PODEM SER SUBCONSULTAS MÚLTIPLAS EM UM SITE, RESULTADOS CONSOLIDADOS NO GDM MAIS TRABALHO E COMUNICAÇÃO DE GDM, PORÉM SIMPLES ALTERNATIVA 2: CONSULTA GLOBAL > A MAIOR SUBCONSULTA POSSÍVEL EM UM ÚNICO SITE MENOS TRABALHO DE CONSOLIDAÇÃO, MENOS COMUNICAÇÃO MAIS NECESSIDADE DE SOFISTICAÇÃO DA LDI ALTERNATIVA 3: GERA UM PLANEJAMENTO EFICIENTE, PARTICIPAÇÃO DA LDI NA OTIMIZAÇÃO ENVIA OS RESULTADOS PARCIAIS AO GDM OU OUTRAS LDIs NECESSIDADE DA LDI ACEITAR CLASSIFICAÇÃO, REMOÇÃO DUPLA, CONSOLIDAÇÃO DE TEMPORÁRIOS MENOS TRABALHO PELO GDM, MENOS COMUNICAÇÃO GDM E LDI COMPLEXOS 14

15 GERENCIAMENTO DE TRANSAÇÃO (ATUALIZAÇÕES COMPLEXAS) PROBLEMAS DBMS DIFERENTES DIFERENTES MÉTODOS DE CONTROLE DE CONCORRÊNCIA DIFERENÇAS DE IMPLEMENTAÇÃO: TRATAMENTO DE OBSTRUÇÃO E BLOQUEIO DE GRANULARIDADE VALIDAÇÃO DE PROTOCOLOS PODE VARIAR DIFÍCIL DETECÇÃO DE OBSTRUÇÃO GLOBAL: PROCESSOS LOCAIS NÃO TÊM CONHECIMENTO SOBRE AS TRANSAÇÕES NÃO-LOCAIS PROCESSOS GLOBAIS NÃO TÊM CONHECIMENTO SOBRE AS TRANSAÇÕES LOCAIS SOLUÇÃO / ALTERNATIVAS PERMITE APENAS LEITURASEM GRAVAÇÕES. SEM PROBLEMAS DE CONTROLE DE CONCORRÊNCIA. PERMITE APENAS ATUALIZAÇÕES DE UM ÚNICO SITE USA MECANISMOS DE CONTROLE DE CONCORRÊNCIA LOCAL PRESSUPÕE QUE TODOS OS DBMS OFERECEM BLOQUEIO E VALIDAÇÃO BIFÁSICA DETECTA CONFLITOS POR TIME OUT. PERMITE ATUALIZAÇÕES DE VÁRIOS SITES. PODE EXIGIR MODIFICAÇÕES NO DBMS E O/S LOCAL. 15

16 RESUMO BANCOS DE DADOS HETEROGÊNEOS DISTRIBUÍDOS SÃO UMA REALIDADE EM MUITAS EMPRESAS PARA O QUE DER E VIER. MAIS ABORDAGENS PARA LIDAR COM A AGREGAÇÃO E O ACESSO COORDENADO TEM SIDO EVENTUAL. SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCOS DE DADOS HETEROGÊNEOS DISTRIBUÍDOS (DHDBMS) ESTÃO EMERGINDO PARA ATENDER ÀS NECESSIDADES. 16

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING http://www.uniriotec.br/~tanaka/tin0036 tanaka@uniriotec.br Bancos de Dados Distribuídos Conceitos e Arquitetura Vantagens das Arquiteturas C/S (em relação

Leia mais

Arquitetura de SGBD. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Arquitetura de SGBD. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Arquitetura de SGBD Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Agenda Caracterização de SGBDs SGBDs Centralizados SGBDs Cliente-Servidor SGBDs Distribuídos Homogêneos Multi-SGBDs Heterogêneos SGBDs Paralelos

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados

Fundamentos de Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados SISTEMAS BASEADOS NO PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS Sistema A Funcionário Pagamento Cargo Sistema B Funcionário Projeto SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS (SGBD) Sistema

Leia mais

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Sistema de Bancos de Dados Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados # Definições # Motivação # Arquitetura Típica # Vantagens # Desvantagens # Evolução # Classes de Usuários 1 Nível 1 Dados

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Definição

Introdução à Banco de Dados. Definição Universidade Federal da Bahia Departamento de Ciência da Computação (DCC) Disciplina: Banco de Dados Profª. Daniela Barreiro Claro Introdução à Banco de Dados Definição Um banco de dados é uma coleção

Leia mais

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com.

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com. Sistemas da Informação Banco de Dados I Edson Thizon (edson@esucri.com.br) 2008 Apresentação (mini-currículo) Formação Acadêmica Mestrando em Ciência da Computação (UFSC/ ) Créditos Concluídos. Bacharel

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Arquitetura de BDs Distribuídos Sistemas de bds distribuídos permitem que aplicações acessem dados de bds locais ou remotos. Podem ser Homogêneos ou Heterogêneos: Homogêneos

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve Banco de Dados I Introdução Fabricio Breve Introdução SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados): coleção de dados interrelacionados e um conjunto de programas para acessar esses dados Coleção de dados

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação ão? Como um sistema de gerenciamento

Leia mais

Arquitetura de Banco de Dados

Arquitetura de Banco de Dados Arquitetura de Banco de Dados Daniela Barreiro Claro MAT A60 DCC/IM/UFBA Arquitetura de Banco de dados Final de 1972, ANSI/X3/SPARC estabeleceram o relatório final do STUDY GROUP Objetivos do Study Group

Leia mais

Banco de Dados. 13 - Arquiteturas para SGBDs

Banco de Dados. 13 - Arquiteturas para SGBDs Banco de Dados 13 - Arquiteturas para SGBDs 1 Tópicos Caracterização de SGBDs SGBDs Centralizados SGBDs Cliente-Servidor SGBDs Distribuídos Homogêneos Multi-SGBDs Heterogêneos SGBDs Paralelos SGBDs e a

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

GBC043 Sistemas de Banco de Dados. Introdução. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM

GBC043 Sistemas de Banco de Dados. Introdução. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM GBC043 Sistemas de Banco de Dados Introdução Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM Página 2 Definição BD Def. Banco de Dados é uma coleção de itens de dados

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados 1. Conceitos Básicos No contexto de sistemas de banco de dados as palavras dado e informação possuem o mesmo significado, representando uma

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com O que veremos hoje... Evolução Histórica Motivação Conceitos Características

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE]

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] 1/6 Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] Conjunto de dados integrados que tem por objetivo atender a uma comunidade específica [HEUSER] Um conjunto

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Curso de Gestão em SI Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Banco de Dados (BD) BD fazem parte do nosso dia-a-dia!

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

Tecnologias da Informação, Comunicação e Sistemas de Inteligência

Tecnologias da Informação, Comunicação e Sistemas de Inteligência , Comunicação e Sistemas de Inteligência Gestão e de Bancos de Dados IESB - Centro Universitário A importância da informação em um mundo de informação disponível em tempo real a informação menos acessível

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de Software AULA NÚMERO: 13B DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar, discutir o conceito de métricas de software orientadas a função. DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados Abstração

Leia mais

Data Warehousing Visão Geral do Processo

Data Warehousing Visão Geral do Processo Data Warehousing Visão Geral do Processo Organizações continuamente coletam dados, informações e conhecimento em níveis cada vez maiores,, e os armazenam em sistemas informatizados O número de usuários

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Introdução BD desempenha papel crítico em todas as áreas em que computadores são utilizados: Banco: Depositar ou retirar

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico Banco de Dados // 1 Banco de Dados // 2 Conceitos BásicosB Engenharia da Computação UNIVASF BANCO DE DADOS Aula 1 Introdução a Banco de Dados Campo representação informatizada de um dado real / menor unidade

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS Prof. Ronaldo R. Goldschmidt Hierarquia Dado - Informação - Conhecimento: Dados são fatos com significado implícito. Podem ser armazenados. Dados Processamento Informação

Leia mais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros Em geral sistemas seguem um estilo, ou padrão, de organização estrutural Os estilos diferem: nos tipos de componentes que usa na maneira como os componentes interagem com os outros (regras de interação)

Leia mais

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I Roteiro Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz

Leia mais

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs 1 Bancos de Dados - Introdução Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br Tópicos Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos Conceitual Lógico Características de SGBDs 2 Evolução tempo Programas e

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1.

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1. Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística Prof. Andre Zanki Cordenonsi Versao 1.0 Março de 2008 Tópicos Abordados Conceitos sobre Banco

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 01 Assunto: Tipos de Sistemas Operacionais UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 01 Assunto: Tipos de Sistemas Operacionais UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 01 Assunto: Tipos de Sistemas Operacionais UNIBAN 2.0 - INTRODUÇÃO Os tipos de sistemas operacionais e sua evolução estão intimamente relacionados com a evolução do hardware

Leia mais

Caracterização de Sistemas Distribuídos

Caracterização de Sistemas Distribuídos Aula 1 Caracterização de Sistemas Distribuídos Prof. Dr. João Bosco M. Sobral mail: bosco@inf.ufsc.br - página: http://www.inf.ufsc.br/~bosco Rodrigo Campiolo mail: rcampiol@inf.ufsc.br - página: http://ww.inf.ufsc.br/~rcampiol

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante Banco de Dados 1 Programação sucinta do curso:. Conceitos fundamentais de Banco de Dados.. Arquitetura dos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD ou DBMS).. Características típicas de um SGBD..

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I CONCEITOS BÁSICOS 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Softwares Aplicativos Banco de Dados

Softwares Aplicativos Banco de Dados Softwares Aplicativos Banco de Dados INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Serviços 3. Usuários 4. Evolução 5. Exemplos 03 Banco

Leia mais

CAPÍTULO 5. Introdução ao Gerenciamento de Bancos de Dados.

CAPÍTULO 5. Introdução ao Gerenciamento de Bancos de Dados. CAPÍTULO 5. Introdução ao Gerenciamento de Bancos de Dados. VISÃO GERAL DO CAPÍTULO O objetivo do capítulo é enfatizar o gerenciamento dos recursos de dados de organizações que utilizam computadores. O

Leia mais

Resultados da Pesquisa

Resultados da Pesquisa Resultados da Pesquisa 1. Estratégia de Mensuração 01 As organizações devem ter uma estratégia de mensuração formal e garantir que a mesma esteja alinhada com os objetivos da empresa. Assim, as iniciativas

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase.

? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase. ? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase.? Desde de 1994, a Microsoft lança versões do SQL SERVER

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados.

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Histórico Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Sistemas Integrados: racionalização de processos, manutenção dos

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Integração de Dados na Web. Ana Carolina Salgado Bernadette Lóscio

Integração de Dados na Web. Ana Carolina Salgado Bernadette Lóscio Integração de Dados na Web Ana Carolina Salgado Bernadette Lóscio Conteúdo Introdução Integração de Informações Consultando a Web Introdução Motivação Web e BD Arquitetura na Web Introdução Evolução da

Leia mais

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Quando falamos em arquitetura, normalmente utilizamos esse termo para referenciar a forma como os aplicativos computacionais são estruturados e os hardwares

Leia mais

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM INTRODUÇÃO, INFRA-ESTRUTURA E MAPEAMENTO DE ESQUEMAS AGENDA Data Management System Peer Data Management System P2P Infra-estrutura Funcionamento do PDMS Mapeamento de Esquemas

Leia mais

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função Análise por pontos de função Análise por Pontos de Função Referência: Manual de práticas de contagem IFPUG Versão 4.2.1 Técnica que permite medir a funcionalidade de um software ou aplicativo, sob a visão

Leia mais

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Visão geral do Serviço Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Os Serviços de gerenciamento de dispositivos distribuídos ajudam você a controlar ativos

Leia mais

Banco de Dados, Integração e Qualidade de Dados. Ceça Moraes cecafac@gmail.com

Banco de Dados, Integração e Qualidade de Dados. Ceça Moraes cecafac@gmail.com Banco de Dados, Integração e Qualidade de Dados Ceça Moraes cecafac@gmail.com Sobre a professora CeçaMoraes Doutora em Computação (UFPE) Áreas de atuação Desenvolvimento de Software e Banco de Dados Experiência

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento

Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento ELC1075 Introdução a Sistemas de Informação Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento Raul Ceretta Nunes CSI/UFSM Introdução Gerenciando dados A abordagem de banco de dados Sistemas de gerenciamento

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS Capítulo 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação?

Leia mais

Regulamento do Grupo de Coordenação da Transição da Administração da IANA. V.10 (27 de agosto de 2014)

Regulamento do Grupo de Coordenação da Transição da Administração da IANA. V.10 (27 de agosto de 2014) Regulamento do Grupo de Coordenação da Transição da Administração da IANA V.10 (27 de agosto de 2014) O Grupo de Coordenação da Transição da Administração da IANA (ICG) deve ter um resultado prático: uma

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados INTRODUÇÃO Diferente de Bando de Dados 1 INTRODUÇÃO DADOS São fatos conhecidos que podem ser registrados e que possuem significado. Ex: venda de gasolina gera alguns dados: data da compra, preço, qtd.

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos Introdução Banco de Dados Por que usar BD? Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny 4 Por que estudar BD? Exemplo de um BD Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária

Leia mais

CEFET.PHB - PI. Plano de Ensino. Banco de Dados. Plano de Ensino. Plano de Ensino. Plano de Ensino - Conteúdo. Plano de Ensino - Conteúdo

CEFET.PHB - PI. Plano de Ensino. Banco de Dados. Plano de Ensino. Plano de Ensino. Plano de Ensino - Conteúdo. Plano de Ensino - Conteúdo CEFET.PHB - PI Plano de Ensino Banco de Dados Prof. Jefferson Silva Sistema de Banco de Dados Objetivos Vantagens e Desvantagens Conceitos básicos de BD e de SGBD Abstração de Dados Linguagem de Definição

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD)

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD) Pós-graduação em Ciência da Computação CCM-202 Sistemas de Banco de Dados Introdução Profa. Maria Camila Nardini Barioni camila.barioni@ufabc.edu.br Bloco B - sala 937 2 quadrimestre de 2011 Motivação

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Sloan School of Management

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Sloan School of Management MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Sloan School of Management 15.565 INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: FATORES TECNOLÓGICOS, ESTRATÉGICOS E ORGANIZACIONAIS Panorama Funcional CP0 -- INTRODUÇÃO AO

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Sistema de Arquivos. Prof. Edilberto Silva - edilms@yahoo.com. Sistemas de Informação Brasília/DF

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Sistema de Arquivos. Prof. Edilberto Silva - edilms@yahoo.com. Sistemas de Informação Brasília/DF 2 Conceitos Básicos Material baseado nas notas de aula: Maria Luiza M. Campos IME/2005 Carlos Heuser - livro Projeto de Banco de Dados CasaNova / PUC/RJ Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com Sistemas

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Introdução Frederico Madeira LPIC 1, LPIC 2, CCNA fred@madeira.eng.br www.madeira.eng.br Referências - Coulouris, G.;Dollimore, J.; Kindberg, T.; SISTEMAS DISTRIBUIDOS CONCEITOS E

Leia mais

Consolidação inteligente de servidores com o System Center

Consolidação inteligente de servidores com o System Center Consolidação de servidores por meio da virtualização Determinação do local dos sistemas convidados: a necessidade de determinar o melhor host de virtualização que possa lidar com os requisitos do sistema

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais O que se espera de um sistema de computação? Execução de programas de usuários Permitir a solução de problemas Sistema Operacional (SO) é um programa colocado entre o hardware do

Leia mais

BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015

BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015 BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015 NA AULA PASSADA... 1. Apresentamos a proposta de ementa para a disciplina; 2. Discutimos quais as ferramentas computacionais

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em BD Modelagem de Dados Aula 01 Revisão Modelos de Dados Existem modelos para diferentes níveis de abstração de representação de dados modelos conceituais modelos lógicos

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Parte V

Disciplina de Banco de Dados Parte V Disciplina de Banco de Dados Parte V Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Modelo de Dado Relacional O Modelo Relacional O Modelo ER é independente do SGDB portanto, deve ser o primeiro modelo gerado após

Leia mais

Banco de Dados I. Quantidade de informação gerada em um dia. Aula 1. 59 milhões de clientes ativos; Mais de 42 terabytes de dados; Salários na área

Banco de Dados I. Quantidade de informação gerada em um dia. Aula 1. 59 milhões de clientes ativos; Mais de 42 terabytes de dados; Salários na área Banco de Dados I Aula 1 Quantidade de informação gerada em um dia E-mails Compras Bate-papo Notícias Blogs Transações bancárias Etc... 59 milhões de clientes ativos; Mais de 42 terabytes de dados; 100

Leia mais

Bancos de Dados III. Replicação de Dados. Rogério Costa rogcosta@inf.puc-rio.br. Replicação

Bancos de Dados III. Replicação de Dados. Rogério Costa rogcosta@inf.puc-rio.br. Replicação Bancos de Dados III Replicação de Dados Rogério Costa rogcosta@inf.puc-rio.br 1 Replicação Processo de criar e manter réplicas de versões dos objetos da base de dados (como tabelas) em um ambiente de banco

Leia mais

PLANO DE ENSINO. PRÉ-REQUISITO: Modelagem e Programação Orientada a Objetos. PROFESSOR RESPONSÁVEL : Josino Rodrigues Neto

PLANO DE ENSINO. PRÉ-REQUISITO: Modelagem e Programação Orientada a Objetos. PROFESSOR RESPONSÁVEL : Josino Rodrigues Neto UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n Dois Irmãos 52171-900 Recife-PE Fone: 0xx-81-332060-40 proreitor@preg.ufrpe.br PLANO DE ENSINO

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

Capítulo 5. 5.1 Laudon, Cap. 5

Capítulo 5. 5.1 Laudon, Cap. 5 Capítulo 5 Fundamentos da Inteligência de Negócios: Gerenciamento da Informação e de Bancos de Dados 5.1 Laudon, Cap. 5 OBJETIVOS DE ESTUDO Descrever como um banco de dados relacional organiza os dados

Leia mais

Infra-Estrutura de TI: Hardware e Software

Infra-Estrutura de TI: Hardware e Software Capítulo 4 Infra-Estrutura de TI: Hardware e Software 4.1 2007 by Prentice Hall Infra-Estrutura de TI: Hardware Componentes da Infra-Estrutura Hardware Software Tecnologia de gerenciamento de dados Tecnologia

Leia mais

Banco de Dados II Apresentação da Disciplina

Banco de Dados II Apresentação da Disciplina Banco de Dados II Apresentação da Disciplina Prof. Moser Fagundes Curso TSI Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSul) Campus Charqueadas Agenda Aulas: Quarta-feira 19:00 20:30 LINF2 Atendimento: Quinta-feira

Leia mais

Tipos de Sistemas de Informação

Tipos de Sistemas de Informação Tipos de Sistemas de Informação Parte 2 Aula 5 Fundamentos de SI Prof. Walteno Martins Parreira Jr Classificação dos sistemas de informação? Cada sistema de informação é específico para desempenhar uma

Leia mais

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Adriano Pereira Maranhão 1 REVISÃO BANCO DE DADOS I O que é banco de dados? Ou seja afinal o que é um SGBD? REVISÃO BD I REVISÃO DE BD I Um Sistema de Gerenciamento de

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade III GOVERNANÇA DE TI Information Technology Infrastructure Library ITIL Criado pelo governo do Reino Unido, tem como objetivo a criação de um guia com as melhores práticas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 01 de Novembro de 2013. Revisão aula passada Projeto de Arquitetura Decisões de projeto de Arquitetura

Leia mais

Sistemas Operacionais. INTRODUÇÃO Prof. Rafael Alberto Vital Pinto FACSUL/CESUR

Sistemas Operacionais. INTRODUÇÃO Prof. Rafael Alberto Vital Pinto FACSUL/CESUR Sistemas Operacionais INTRODUÇÃO Prof. Rafael Alberto Vital Pinto FACSUL/CESUR 1 Introdução O que se espera de um sistema de computação? Execução de programas de usuários Permitir a solução de problemas

Leia mais

Symantec Discovery. Controle seu software e hardware e monitore a conformidade com as licenças em toda a infra-estrutura de TI de várias plataformas

Symantec Discovery. Controle seu software e hardware e monitore a conformidade com as licenças em toda a infra-estrutura de TI de várias plataformas Symantec Discovery Controle seu software e hardware e monitore a conformidade com as licenças em toda a infra-estrutura de TI de várias plataformas VISÃO GERAL O Symantec Discovery ajuda a garantir a resiliência

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais