Origem e Significado Geológico da Barra Falsa : Uma Feição Geomorfológica Peculiar da Margem Leste da Lagoa dos Patos/RS, Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Origem e Significado Geológico da Barra Falsa : Uma Feição Geomorfológica Peculiar da Margem Leste da Lagoa dos Patos/RS, Brasil"

Transcrição

1 ISSN Novembro V. 12 nº Porto Alegre Origem e Significado Geológico da Barra Falsa : Uma Feição Geomorfológica Peculiar da Margem Leste da Lagoa dos Patos/RS, Brasil Tomazelli, L.J. 1,2 ; Barboza, E.G. 1,2 ; Dillenburg, S.R. 1,2 & Rosa, M.L.C.C. 1 1 Centro de Estudos de Geologia Costeira e Oceânica - CECO/IGEO/UFRGS, 2 Programa de Pós Graduação em Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. 1, 2 Av. Bento Gonçalves, Agronomia - CEP: Porto Alegre - RS - Brasil Recebido em 16 de junho de 2014; aceito em 27 de agosto de RESUMO A feição geomorfológica conhecida como Barra Falsa aparece nos mapas que retratam a margem leste da Lagoa dos Patos, nas proximidades da localidade de Bujuru, no município de São José do Norte, litoral médio do Rio Grande do Sul. Nos últimos anos, vários artigos científicos foram publicados defendendo a hipótese de que esta feição é um paleocanal que estava ativo durante o Holoceno (últimos 10 ka), conectando a Lagoa dos Patos com o Oceano Atlântico. Além disso, vários trabalhos publicados atribuíram a origem desta feição à atividade erosiva do Rio Camaquã durante o Holoceno, quando o mar situava-se em um nível mais baixo do que o nível atual. O trabalho aqui apresentado mostra que estas interpretações estão equivocadas e não se sustentam em evidências científicas. Para refutar as hipóteses defendidas nesses trabalhos anteriores, este artigo apresenta uma série de evidências geológicas, geomorfológicas, sedimentológicas, hidrológicas e geofísicas que mostram, de forma muito clara, que, durante o Holoceno, a Barra Falsa não se comportou como um canal de ligação entre a lagoa e o mar, e que sua origem não está relacionada à atividade erosiva do Rio Camaquã. Provavelmente a origem desta feição esteja relacionada à atividade de um pequeno canal fluvial voltado para a Lagoa dos Patos, que seria sua bacia receptora, em sentido inverso ao sugerido pelos trabalhos anteriores. ABSTRACT The geomorphological feature known as Barra Falsa appears on maps that depict the eastern margin of the Lagoa dos Patos lagoon, near the village of Bujuru, in São José do Norte, middle coast of Rio Grande do Sul. During the last years, several scientific articles were published advocating the hypothesis that this feature is a paleoinlet that was active during the Holocene (last 10 ka), connecting the Lagoa dos Patos with the Atlantic Ocean. In addition, several published studies have attributed the origin of this feature to the erosive activity of the Camaquã River during the Holocene when the sea stood at a lower level than the current level. The work presented here shows that these interpretations are wrong and do not hold on any scientific evidence. To refute these hypotheses defended in previous work, this paper presents a series of geological, geomorphological, sedimentological, hydrological and geophysical evidence that show, very clearly, that during the Holocene, the Barra Falsa did not behave as a channel connection between the lagoon and the sea, and that its origin is not related to the erosive activity of the Camaquã River. Probably the origin of this feature is related to the activity of a small river that flowed to the land and not in the direction of the sea. This river flowed into the Lagoa dos Patos, which was his receiving basin, in a reverse direction to that suggested by previous work. Palavras chave: Evolução Costeira, Geomorfologia, Sensoriamento Remoto.

2 2 Origem e Significado Geológico da Barra Falsa : Uma Feição Geomorfológica Peculiar da Margem Leste da Lagoa dos Patos/RS, Brasil INTRODUÇÃO O nome Barra Falsa, constante na toponímia dos documentos cartográficos da margem leste da Lagoa dos Patos, é aplicado a uma reentrância da margem lagunar próximo à localidade de Bujuru, no município de São José do Norte (Figs. 1 e 2). O nome reflete, certamente, a primeira impressão de quem observa esta feição e a confunde com uma possível desembocadura para o mar (feição denominada, normalmente, por barra ). Este pitfall geomorfológico pode, no entanto, ser acompanhado de outros de consequências mais sérias do que simplesmente não encontrar a saída para o mar. O erro nesta interpretação pode conduzir a um modelo evolutivo falso para a Planície Costeira do Rio Grande do Sul (PCRS) durante o Pleistoceno superior e o Holoceno. O problema resulta do fato de que a feição denominada de Barra Falsa encontra-se em uma posição coincidente ao que seria o prolongamento do Rio Camaquã, situado na margem oposta da Lagoa dos Patos. Devido ao seu alinhamento, quem observa um mapa, ou uma imagem de satélite, fica tentado, de pronto, a estabelecer uma relação entre as duas feições: a Barra Falsa representaria um vale fluvial, escavado pelo Rio Camaquã em períodos em que a depressão onde situa-se, atualmente, a Lagoa dos Patos encontrava-se exposta, ou seja, em períodos de nível de mar mais baixo que o atual. Toldo Jr. et al. (1991) foram os primeiros a levantar a hipótese de que a Barra Falsa representaria um paleocanal que, durante o Holoceno, comunicaria a Lagoa dos Patos com o Oceano Atlântico. Mais tarde, Weschenfelder et al. (2005, 2008a, 2008b, 2010) e Baitelli (2012), interpretaram esta feição como tendo sido gerada pelo Rio Camaquã durante a última glaciação, quando o nível do mar situava-se próximo à borda da plataforma continental. Portanto, segundo estes autores, o Rio Camaquã teria seccionado a barreira pleistocênica de 125 ka (Barreira III de Villwock et al., 1986). Neste trabalho serão apresentados dados que demonstram, de forma muito clara, que estas interpretações são incorretas. Ao mesmo tempo, será apresentada uma proposição alternativa para a origem da Barra Falsa, proposição esta que é mais consistente diante dos dados geodésicos, geofísicos, geológicos, geomorfológicos, hidrológicos e sedimentológicos disponíveis. Figura 1. Localização da Barra Falsa na margem leste da Lagoa dos Patos, litoral médio da PCRS, em posição alinhada ao Rio Camaquã (mapa geológico de Tomazelli & Villwock, 1996). Contexto Geológico De acordo com o modelo de evolução paleogeográfica proposto para a Planície Costeira do Rio Grande do Sul (Villwock et al., 1986; Villwock & Tomazelli, 1995; Tomazelli & Villwock, 2000), a formação da Lagoa dos Patos estaria condicionada ao desenvolvimento da Barreira II e, principalmente, ao estabelecimento da Barreira III. Esta última barreira está associada ao estágio de mar alto do último interglacial pleistocênico estágio isotópico de oxigênio 5e ocorrido há cerca de 125 ka (Tomazelli & Dillenburg, 2007). Segundo este modelo, os rios

3 Tomazelli et al. 3 provenientes das terras altas adjacentes (Rio Camaquã, sistema do Rio Jacuí e outros afluentes), que se estendiam pela plataforma continental durante períodos de mar baixo, passaram, a partir da formação da Barreira III, há aproximadamente 125 ka, a se encaixar na Falha Pelotas (Saadi et al., 2002), uma zona deprimida atualmente ocupada pela Lagoa dos Patos e pela Lagoa Mirim. Durante o último período glacial, que se estendeu de, aproximadamente, 90 a 17 ka A.P., o nível do mar atingiu sua posição mais baixa, posicionando-se próximo à borda da plataforma continental, cerca de 120 m abaixo do nível atual (Corrêa, 1995). Neste cenário, a plataforma continental do Rio Grande do Sul encontrava-se exposta, comportando-se como uma planície costeira de baixa declividade, muito semelhante à atual planície costeira. Diante desta paisagem de nível de mar baixo, surge a questão: o que estaria acontecendo com as drenagens provenientes do continente? Figura 2. Fotografia aérea vertical de maio de 1975, mostrando a configuração da Barra Falsa como um vale que se abre para a Lagoa dos Patos e não para o Oceano Atlântico, como sugerido nos trabalhos anteriores. Observa-se, de forma clara, a continuidade física dos terrenos pleistocênicos da Barreira III e holocênicos da Barreira IV que não apresentam nenhum sinal de incisão.

4 4 Origem e Significado Geológico da Barra Falsa : Uma Feição Geomorfológica Peculiar da Margem Leste da Lagoa dos Patos/RS, Brasil A Barra Falsa como um paleocanal (paleoinlet) gerado pelo Rio Camaquã durante o Holoceno: argumentos prós e contras Argumentos favoráveis Toldo Jr. et al. (1991) foram os primeiros a defender a hipótese de que a Barra Falsa seria um paleocanal que teria comunicado a Lagoa dos Patos com o Oceano Atlântico durante o Holoceno. Weschenfelder et al. (2005, 2008a, 2008b, 2010) e Baitelli (2012), aceitaram esta hipótese e propuseram que esta feição teria sido gerada pelo Rio Camaquã, e representaria, assim, um vale inciso escavado por este rio no Pleistoceno superior/holoceno, quando o nível do mar situava-se mais baixo do que o nível atual. Consequentemente, estes autores propõem que a Barreira III (gerada no interglacial de 125 ka) foi seccionada por este rio na sua busca da linha de costa que situava-se, então, em alguma posição da atual plataforma continental. O principal argumento apresentado por Toldo Jr. et al. (1991) para alicerçar a hipótese de ligação da Lagoa dos Patos com o mar, durante o Holoceno, através da Barra Falsa, foi a composição e a idade de camadas biodetríticas encontradas em cinco testemunhos coletados nos setores central e norte da lagoa. A associação faunística foi interpretada como representativa de ambientes estuarinos e marinho raso, ambientes estes que não são compatíveis com a situação atual que é de água doce. Chamou a atenção dos próprios autores (pg. 102) que "embora as camadas tenham diferentes níveis de localização nos testemunhos, todas apresentam idades semelhantes, entre 2080 anos e 2450 anos A.P." Os autores interpretaram estes dados como indicativos de que a Barra Falsa manteve-se ativa, como um canal de ligação com o mar, entre 2080 e 2450 anos A.P. Com o seu posterior fechamento, as condições de salinidade diminuíram até ser atingida a situação de água doce atual. Estes mesmos dados paleontológicos e geocronológicos podem ser interpretados de outra forma. A semelhança das idades, apesar da distância entre os testemunhos e dos diferentes níveis estratigráficos amostrados, associado ao fato de que as análises foram realizadas na década de oitenta por um laboratório não certificado e que há vários anos deixou de realizar este tipo de análise, permite supor que as idades reais possam ser mais antigas do que as apresentadas, como já foi sugerido por Cordeiro (1991) e Cordeiro & Lorsheitter (1994). Estas autoras analisaram a palinologia completa de um destes testemunhos coletados na Lagoa dos Patos. Além dos dados palinológicos as autoras apresentam duas datações por radiocarbono realizadas em um laboratório certificado e reconhecido internacionalmente (Beta Analytic Inc. Miami- FL-Estados Unidos). As datações de amostras coletadas na base do testemunho 2,12 m, e a 1,24 m acima da base revelaram, respectivamente, idades de /- 120 anos A.P e /- 110 anos A.P. Os dados palinológicos do testemunho mostram uma influência marinha na base e que decresce para o topo. Segundo as autoras, os dados florísticos indicam que a lagoa sofreu uma salinização progressiva que, após atingir um máximo, decresceu no sentido do topo do testemunho até atingir as condições de água doce atual. Como destacado por estas autoras, este fenômeno pode muito bem ser explicado pelo aumento e diminuição gradativa da salinização através do maior e menor influxo de água marinha pela atual desembocadura da Lagoa dos Patos (Canal de Rio Grande) como resposta às flutuações do nível do mar nos últimos milhares de anos. Assim, no máximo nível do mar do período pós-glacial, atingido há cerca de 5-6 ka, quando o nível da Lagoa dos Patos situava-se cerca de 3 m acima do atual (Barboza & Tomazelli, 2003), é de se esperar que a lagoa apresentasse salinidade mais elevada. Com a posterior queda do nível do mar esta salinidade foi progressivamente diminuindo até chegar à situação de água doce atual. Este fenômeno pode ser explicado, sem maiores dificuldades, com a geomorfologia atual da lagoa, sem a necessidade de postular a existência de outra comunicação com o mar. Portanto, o argumento apresentado pelos autores não pode ser considerado como um argumento consistente uma vez que o fenômeno pode ser explicado de maneira mais simples. Lembramos aqui um dos princípios-guias que devem nortear a pesquisa científica que é o princípio da parcimônia, também conhecido como a espada de Okhan : quando duas hipóteses podem explicar o mesmo fenômeno, normalmente a mais correta é a hipótese mais simples. A hipótese de que a Barra Falsa é um paleocanal escavado pelo Rio Camaquã durante o Holoceno foi apresentada com base na

5 Tomazelli et al. 5 interpretação da presença de canais no fundo e subfundo da Lagoa dos Patos, registrados em levantamentos sísmicos de alta resolução realizados nesse corpo lagunar (Weschenfelder et al., 2005, 2008a, 2010; Baitelli, 2012). Alguns destes canais detectados localizam-se próximos à Barra Falsa e, segundo os autores, estariam alinhados com o Rio Camaquã, indicando que este rio os teria escavado durante o Pleistoceno superior/holoceno. A fragilidade deste argumento reside no fato de que é impossível determinar a verdadeira posição espacial de um canal ou paleocanal pela simples análise de imagens registradas em linhas sísmicas 2D isoladas, como foram as linhas dos levantamentos sísmicos realizados. Nestas condições, os cortes observados nas imagens possuem orientação aleatória em relação à posição real do canal, podendo ser perpendiculares ou oblíquos a ele. Para a determinação da posição real do canal seria necessário um levantamento sísmico 3D, com uma malha de linhas com espaçamento compatível com a largura do canal, à semelhança do levantamento por Georradar (GPR) realizado na região do Banhado do Taim e que identificou um vale inciso que conectava a Lagoa Mirim com o mar (Tomazelli et al., 2009). Outro aspecto importante a ser considerado na avaliação do argumento das linhas sísmicas é que, como foi sugerido no modelo evolutivo proposto por Villwock & Tomazelli (1995), tudo indica que, durante os períodos de nível de mar baixo, a região ocupada atualmente pela Lagoa dos Patos se comportava como uma planície exposta, topograficamente baixa e com declividade muito suave. Estas características geomorfológicas estimulariam um padrão altamente meandrante para os rios que drenavam esta planície. Serpenteando por ela, os canais provavelmente teriam orientações muito diversas, impossibilitando deduzir o sentido dos fluxos dos rios a partir da simples análise de algumas linhas sísmicas 2D. Argumentos contrários às hipóteses formuladas Além do fato de os argumentos principais apresentados pelos autores citados poderem ser contestados, existem vários outros argumentos, de ordem geológica, geomorfológica, hidrológica, sedimentológica e geofísica, claramente contrários às hipóteses formuladas. Analisados e considerados em seu conjunto, estes argumentos apresentam base consistente apontando para o falseamento destas hipóteses. A aceitação das hipóteses necessariamente deveria derrubar os argumentos que serão apresentados a seguir. 1. O primeiro dos argumentos contrários às hipóteses formuladas para a origem da Barra Falsa pode ser considerado de natureza geológica. Durante o mapeamento geológico da Folha de Bujuru, onde se situa a Barra Falsa, realizado pelos pesquisadores do CECO-IGEO-UFRGS, e que se baseou em um detalhado trabalho de campo, com cuidadosa amostragem de sedimentos (as amostras estão armazenadas e disponíveis no acervo do CECO-IGEO-UFRGS) verificou-se a continuidade física da Barreira III na área de estudo. Não se encontrou nenhuma evidência de incisão na barreira que indicasse o prolongamento da Barra Falsa. Esta situação, retratada no mapa geológico publicado (Tomazelli et al., 1988) pode ser constatada, hoje em dia, in situ, ou, através de fotografias aéreas e imagens de satélite do local, as quais mostram que a Barra Falsa secciona somente os terrenos lagunares pleistocênicos e holocênicos, não afetando a Barreira III (Figs. 2, 3 e 4). Este argumento reflete um princípio básico da Estratigrafia relacionado às relações de intersecção, já postulado por James Hutton (1795) para definir a idade relativa entre as rochas. Onde se observa uma rocha interseccionando outra camada de rocha, a rocha que interseccionou é a mais jovem. Assim, podemos correlacionar este postulado com uma feição morfológica, na qual a mais jovem deve intersectar a mais antiga. Na realidade, o que se observa na região da Barra Falsa deve ser analisado pelo princípio da superposição, no qual depósitos relacionados a esta feição encontramse sobre os depósitos da Barreira III (Fig. 4).

6 6 Origem e Significado Geológico da Barra Falsa : Uma Feição Geomorfológica Peculiar da Margem Leste da Lagoa dos Patos/RS, Brasil Figura 3. Integração de dados de sensores remotos aplicada ao mapeamento geológico realizada por Rosa et al. (2014). Em A, composição colorida combinando as bandas 4 (em vermelho) e 1 (em azul), do satélite Landsat 7, com o modelo digital de elevação do terreno (em verde). Em B, o resultado da classificação automática supervisionada (sem correções) realizada sobre o conjunto de imagens do satélite Landsat 7, o MDT e seus produtos derivados (Rosa et al., 2014). 2. O segundo argumento contrário às hipóteses formuladas é de natureza sedimentológica e resulta, igualmente, das observações de campo realizadas durante os trabalhos de mapeamento geológico. Todas as amostras de sedimentos coletadas na área (e que se encontram arquivadas na litoteca do CECO-IGEO-UFRGS) são de areias finas a muito finas, bem selecionadas e com grãos arredondados, indicativas de ambiente praial e eólico. Se a hipótese formulada pelos autores fosse correta, o Rio Camaquã certamente teria deixado vestígios de sua passagem refletidos na natureza dos sedimentos do local, com a presença de areias grossas e cascalhos fluviais, semelhantes aos depósitos existentes hoje em dia junto a este rio, na outra margem da lagoa. Estes sedimentos não ocorrem em nenhum local. Como explicar a ausência destas fácies se a feição era um paleocanal fluvial ativo durante o Holoceno? 3. O terceiro argumento contrário às hipóteses formuladas é de natureza geomorfológica e pode ser visualizado em mapas topográficos, fotografias aéreas ou imagens de satélite. A morfologia da Barra Falsa se expressa por uma reentrância que abre no sentido da lagoa, fechando-se no sentido da barreira (Fig. 2). Ou seja, a região mais a montante da Barra Falsa situa-se junto à Barreira III, enquanto a região mais a jusante posiciona-se junto à Lagoa dos Patos (Figs. 2, 3 e 4). Esta morfologia é o contrário do que se poderia esperar se a feição correspondesse a um paleovale fluvial que tivesse sua foz no mar, como defendem os autores. Se isso fosse verdade, o vale deveria se abrir no sentido do mar e não no sentido da lagoa como ele o faz. Os vales fluviais atuais (estuários) e os paleovales (vales incisos) apresentam essa assinatura geomorfológica que é o contrário do que se observa na Barra Falsa. 4. Um quarto argumento, também de natureza geomorfológica, considera os gradientes do terreno. Os terrenos da margem lagunar, incluindo o fundo da Barra Falsa, mergulham atualmente no sentido da Lagoa dos Patos. Seria difícil explicar como os processos de sedimentação, durante o Holoceno, teriam invertido o sentido do mergulho, uma vez que, em sendo um vale fluvial, o fundo da Barra Falsa deveria mergulhar no sentido do mar.

7 Tomazelli et al. 7 Figura 4. A - Modelo digital de elevação do terreno (Shuttle Radar Topography Mission SRTM, versão 4), ilustrando a continuidade morfológica da Barreira III na região situada ao norte da Barra Falsa. B - Morfologia em V com fechamento para leste, e nascentes da Barra Falsa sobre a Barreira III (Fonte: Google Earth). Uma feição similar é observada ao sul, com origem também sobre a Barreira III, mas, que ao contrário da Barra Falsa, não permaneceu ativa com o desenvolvimento dos terraços lagunares. 5. Um quinto argumento contrário às hipóteses formuladas é de natureza hidráulica. Ele considera os papéis exercidos pelos principais rios que afetam a região. Uma das mais importantes bacias de drenagem do Rio Grande do Sul é a chamada Bacia do Guaíba, formada por vários dos maiores rios do estado (Jacuí - o maior deles - Taquari, Caí, Sinos, entre outros). Este sistema fluvial deságua no extremo norte da Lagoa dos Patos. O volume de água trazido por estes rios é extremamente superior ao volume aportado pelo Rio Camaquã. Não há evidência de que esta situação atual

8 8 Origem e Significado Geológico da Barra Falsa : Uma Feição Geomorfológica Peculiar da Margem Leste da Lagoa dos Patos/RS, Brasil tenha sido muito diferente no transcorrer do Holoceno. Assim, se for aceita a hipótese de que o Rio Camaquã, durante o período de mar baixo holocênico, cortava o terreno ocupado atualmente pela Lagoa dos Patos, escavando a Barra Falsa e atingindo o mar, resta uma incógnita a ser solucionada: por onde saía o Jacuí e os demais rios do sistema Guaíba? Baitelli (2012) tentou solucionar este problema indicando que, durante o Holoceno, o Rio Jacuí alcançava o mar em uma posição mais ao norte da Barra Falsa. Para sustentar esta hipótese o autor apresentou dados sísmicos obtidos na Lagoa dos Patos, de forma semelhante ao que foi apresentado por Weschenfelder et al. (2005, 2008a, 2010). Os argumentos e dados que foram aqui apresentados refutando a proposição de Weschenfelder et al. (2005, 2008a, 2010) são válidos, também, para refutar a proposição de Baitelli (2012). Não existem evidências de incisão nos terrenos pleistocênicos que separam a Lagoa dos Patos do mar. A Barreira III é contínua em toda sua extensão que se prolonga desde as imediações de Tramandaí até o Canal de Rio Grande (Figs. 3 e 4). Este dado descarta a proposição de Baitelli (2012) de que, durante o Holoceno, o Rio Jacuí cortava a Barreira pleistocênica III e alcançava o mar em uma posição mais ao norte da Barra Falsa. Caso a hipótese de formação da Barra Falsa pelo Rio Camaquã fosse aceita, teríamos que aceitar que o Rio Jacuí e seus associados drenavam, no sentido norte-sul, o terreno hoje ocupado pela Lagoa dos Patos e, embora muito mais volumosos, seriam capturados pelo Camaquã e infletiriam para leste, originando a Barra Falsa. Esta é, certamente, uma hipótese improvável que não possui sustentação em nenhuma evidência. 6. O sexto argumento contrário às hipóteses apresentadas pelos autores é de natureza geofísica. Registros de Georradar (GPR) na região da Barra Falsa (Ruppel et al., 2011) não apresentam evidências de rompimento na Barreira III, como, por exemplo, a ocorrência de um canal preenchido. Um total de 60 km de seções foi adquirido no entorno da Barra Falsa, correspondentes a 40 linhas de Georradar. Os dados obtidos indicam depósitos associados aos sistemas deposicionais Laguna-Barreira III e IV, sem evidenciar feições que representassem incisões. Os depósitos relacionados ao Sistema IV são os que apresentam melhor resposta de reflexão das ondas eletromagnéticas, visto que são menos afetados por processos diagenéticos (Rosa, 2012). Se existisse um paleocanal em subsuperfície, esperar-se-ia um registro com características similares às observadas por Ayup-Zouain et al. (2003) e Tomazelli et al. (2009) junto a um vale inciso holocênico presente na região do Banhado do Taim, porção sul da planície costeira do RS (Fig. 5). Com relação aos dados de Georradar adquiridos no entorno da Barra Falsa (detalhe da Fig. 4), somente junto ao lado leste da Barreira III, em um perfil perpendicular à linha de costa, foram identificados refletores em downlap com mergulho no sentido do continente. Estes indicam a colmatação de um sistema lagunar outrora existente entre a barreira holocênica e a pleistocênica. Esse sistema lagunar, provavelmente, está relacionado à Lagoa do Peixe, em um período quando ela se estendia mais para o sul do que nos dias atuais (Rosa et al., 2014). Os dados obtidos caracterizam comportamento transgressivo da linha de costa, resultando em padrão de empilhamento retrogradacional para a barreira holocênica nesta região (Dillenburg et al., 2004; Barboza et al., 2011; Dillenburg & Barboza, 2014; Barboza & Rosa, 2014; Rosa, 2012; Rosa et al., 2014) (Fig. 6).

9 Tomazelli et al. 9 Figura 5. Seção de Georradar adquirida com antena na frequência central de 200 MHz junto à região do vale inciso holocênico do Banhado do Taim, no local onde é observado o seccionamento de barreiras pleistocênicas. Observa-se nesta seção o preenchimento de um canal através da acresção de barras marginais com um empilhamento progradacional/agradacional (modificada de Tomazelli et al., 2009). Além disso, levantamentos sísmicos de alta resolução realizados na plataforma continental adjacente à região da Barra Falsa não encontraram indícios da existência de qualquer canal fluvial nas proximidades de Bujuru (Abreu & Calliari, 2005). No estudo apresentado por estes autores há um perfil sísmico que se estende desde as imediações da latitude de Mostardas até as proximidades do canal do Estreito, situado mais ao sul da Barra Falsa. O perfil, paralelo à costa, posiciona-se perpendicularmente à projeção da Barra Falsa. Portanto, se o Rio Camaquã saísse pela Barra Falsa durante o Pleistoceno superior/holoceno, como defendem os autores desta hipótese, seu registro deveria ser detectado por esta sísmica de alta resolução. No entanto, nada foi encontrado. Somente no limite norte deste perfil, bem distante da Barra Falsa, são observados indícios de um paleocanal em profundidades de 10 a 12 m abaixo do fundo submarino, sem relações cronoestratigráficas definidas. Provavelmente, este paleocanal esteja relacionado com as drenagens pleistocênicas existentes na região antes da formação da Barreira III. A origem da Barra Falsa: uma hipótese alternativa Tendo em vista a inconsistência das hipóteses apresentadas pelos diferentes autores em trabalhos precedentes (Toldo Jr. et al., 1991; Weschenfelder et al., 2005, 2008a, 2008b, 2010; Baitelli, 2012) em função dos argumentos já apresentados e discutidos, busca-se uma hipótese alternativa que não colida com as evidências existentes. Esta hipótese integra o modelo evolutivo da Planície Costeira do Rio Grande do Sul, apresentado, inicialmente, por Villwock (1984) e detalhado, posteriormente, por Villwock & Tomazelli (1995, 1998). De acordo com estes autores, há aproximadamente 125 ka, no máximo do último período interglacial pleistocênico, estabeleceu-se na parte média da Planície Costeira do Rio Grande do Sul um grande sistema lagunar que ocupava área superior àquela ocupada atualmente pela Lagoa dos Patos. Esta grande laguna era separada do mar por uma barreira arenosa pleistocênica (Barreira III) e encontrava-se conectada com o mesmo através de um amplo canal de ligação posicionado em sua extremidade sul.

10 10 Origem e Significado Geológico da Barra Falsa : Uma Feição Geomorfológica Peculiar da Margem Leste da Lagoa dos Patos/RS, Brasil Figura 6. A) Seção esquemática relacionada às barreiras III e IV na região da Barra Falsa, ilustrando as sequências deposicionais, os tratos de sistemas, os padrões de empilhamento e as superfícies chave definidas a partir da análise das seções de Georradar (EV 300x) (modificado de Rosa, 2012). B) Seção de Georradar adquirida paralelamente a feição Barra Falsa, no contato ao leste entre a Barreira III e a Barreira IV, com uma antena com frequência central de 200 MHz, observam-se refletores com mergulho para o continente, caracterizando o comportamento retrogradacional do sistema (modificado de Dillenburg & Barboza, 2014). Durante o último período glacial (entre, aproximadamente, 90 e 17 ka) o nível do mar caiu cerca de 120 m, deslocando a linha de costa para uma posição próximo à borda da plataforma continental (Corrêa, 1995). Em consequência, a região da planície costeira ocupada anteriormente pela grande laguna pleistocênica transformou-se numa ampla depressão por onde corriam os rios provenientes do continente e que desaguavam ao sul, na região de Rio Grande (Fig. 7). Durante o Quaternário a região de Rio Grande se comportou como um baixo gravimétrico (identificado como Anomalia de Rio Grande por Rosa et al., 2009) que capturava as drenagens provenientes tanto do norte como do sul. Associados a estas drenagens vários sistemas deposicionais se desenvolveram neste setor da PCRS, como identificados por Barboza et al. (2014) (Fig. 8). Na paisagem de nível de mar mais baixo que o atual, a região axial do espaço ocupado anteriormente pela Lagoa dos Patos, por ser a região topograficamente mais baixa, abrigou os cursos fluviais especialmente os sistemas associados ao Jacuí que se deslocavam preferencialmente no sentido norte-sul, penetrando na atual plataforma continental na altura de Rio Grande. Nessa época, o Rio Camaquã corria no sentido leste até atingir esta região axial quando então infletia para o sul, passando a integrar o sistema de drenagem cujo fluxo direcionava-se para o sul. Com a subida do nível do mar, após o último máximo glacial, a planície da Lagoa dos Patos, antes exposta, passou a ser inundada, reconstituindo mais uma vez o grande corpo lagunar. A inundação máxima ocorreu no Holoceno, no final da transgressão pós-glacial (em torno de 5 6 ka) quando a lagoa atingiu suas dimensões máximas, e as partes terminais dos vales fluviais que nela chegavam foram afogadas.

11 Tomazelli et al. 11 Figura 7. Evolução paleogeográfica da PCRS. Reconstituição da paisagem durante o máximo regressivo de ±17 ka (Último Máximo Glacial). As setas indicam o sentido das principais paleodrenagens. Durante esta paisagem de mar baixo a região da PCRS onde se situa a Lagoa dos Patos era uma planície topograficamente baixa, cortada por uma drenagem axial que atingia o mar na região do canal de Rio Grande. O Rio Camaquã e o curso de água que gerou a Barra Falsa eram, provavelmente, afluentes dessa drenagem axial (modificado de Villwock & Tomazelli, 1995). Como incluir a Barra Falsa nesta paisagem? A Barra Falsa pode ser interpretada como um antigo vale fluvial voltado para oeste, ou seja, um paleocanal fluvial gerado por um pequeno afluente dos grandes cursos fluviais que corriam na região axial do espaço ocupado atualmente pela Lagoa dos Patos. Uma observação em fotografias aéreas e imagens de satélite permite reconhecer várias feições similares à Barra Falsa, desenvolvidas ao longo das margens do corpo lagunar, e que, provavelmente tiveram origem semelhante (Fig. 4). Esta hipótese é simples e não apresenta conflito com os argumentos discutidos anteriormente. Diante dos dados disponíveis, é a que melhor explica a gênese da Barra Falsa, uma feição geomorfológica peculiar desenvolvida na margem leste da Lagoa dos Patos. CONCLUSÃO Os dados geodésicos, geofísicos, geológicos, geomorfológicos, hidrológicos e sedimentológicos disponíveis mostram, de forma clara, que a origem da feição geomorfológica conhecida como Barra Falsa não pode ser atribuída à ação erosiva do Rio Camaquã durante o Holoceno (últimos 10 ka), como defendido por vários autores (Weschenfelder et al., 2005, 2008b, 2010; Baitelli, 2012) e que esta feição não se comportou como um canal de ligação ativo durante o Holoceno, conectando a Lagoa dos Patos com o mar, como proposto originalmente por Toldo Jr. et al. (1991) e, posteriormente, por Weschenfelder et al. (2008a). Os dados mostram que a possibilidade de o Rio Camaquã (assim como o Rio Jacuí e outros da Bacia do Guaíba) chegar diretamente ao mar, formando um estuário, somente poderia ter ocorrido em um período de tempo anterior à 125 ka, ou seja, anterior à construção da Barreira III. Após o desenvolvimento desta barreira, que conduziu à formação final da Lagoa dos Patos, o Rio Camaquã passou a desaguar diretamente no corpo lagunar, durante os períodos de mar alto. Durante os períodos de mar baixo, com a exposição da planície antes ocupada pela lagoa, o Rio Camaquã passou a integrar o padrão de drenagem que fluía ao longo da planície recém-exposta. Com fluxo direcionado, principalmente, de norte para o sul, esta drenagem fluvial chegava ao mar no extremo sul do corpo lagunar, nas imediações

12 12 Origem e Significado Geológico da Barra Falsa : Uma Feição Geomorfológica Peculiar da Margem Leste da Lagoa dos Patos/RS, Brasil de Rio Grande, ou então, se o nível do mar posicionava-se mais baixo, avançava pela plataforma continental. Nesta paisagem, a origem da Barra Falsa pode ser atribuída à ação de um curso fluvial secundário que, com nascentes próximas à Barreira III (Fig. 4), fluía no sentido do continente (sentido oeste), como um afluente menor do curso fluvial principal, estabelecido na região axial da planície exposta devido às condições de nível de mar baixo. O sentido do fluxo deste canal fluvial é o oposto do sentido do fluxo do Rio Camaquã, o que contradiz a hipótese apresentada por diferentes autores em trabalhos precedentes que abordam a origem da Barra Falsa. Figura 8. A) Modelagem a partir de dados batimétricos, sísmica de alta resolução e Georradar da posição do Rio Grande durante a fase correspondente ao trato de sistemas transgressivo no Holoceno inferior. A linha tracejada em vermelho representa a atual linha de costa. B) Situação atual da configuração da desembocadura do Rio Grande. Imagem de satélite base Google Earth (Modificado de Barboza et al., 2014).

13 Tomazelli et al. 13 AGRADECIMENTOS Os autores Barboza, Dillenburg e Tomazelli agradecem ao CNPq pelo suporte a este trabalho através de suas bolsas de produtividade em pesquisa. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABREU, J.G.N. & CALLIARI, L.J Paleocanais na plataforma continental interna do Rio Grande do Sul: evidências de uma drenagem fluvial pretérita. Revista Brasileira de Geofísica, 23(2): ANGULO, R.J. & LESSA, G.C The Brazilian sea level curves: a critical review with emphasis on the curves from Paranaguá and Cananéia regions. Marine Geology, 140, AYUP-ZOUAIN R.N.; FERREIRA H.P.L.; BARBOZA E.G. & TOMAZELLI L.J Evidência morfológica de um paleocanal holocênico da Laguna Mirim nas adjacências do Banhado do Taim. In: Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário, 9: 2003, Recife. Livro de Resumos... Recife: ABEQUA. p. 86. BAITELLI, R Evolução Paleogeográfica do Sistema de Paleodrenagem do Rio Jacuí na Planície Costeira do Rio Grande do Sul. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul 149p., Porto Alegre. << >> BARBOZA, E.G. & TOMAZELLI, L.J Erosional features of the eastern margin of the Patos Lagoon, southern Brazil: significance for Holocene history. Journal of Coastal Research, SI 35, BARBOZA, E.G.; ROSA, M.L.C.C.; HESP, P.A.; DILLENBURG, S.R.; TOMAZELLI, L.J. & AYUP-ZOUAIN, R.N Evolution of the Holocene Coastal Barrier of Pelotas Basin (Southern Brazil) - a new approach with GPR data. Journal of Coastal Research, SI 64, BARBOZA, E.G. & ROSA, M.L.C.C Indicadores geológicos e geomorfológicos de setores em erosão na costa do Rio Grande do Sul. In: GOSO, C.A. (Org.). Nuevas miradas a la Problemática de los ambientes costeros Sur de Brasil, Uruguay y Argentina. 1º ed. Montevideo: DIRAC Facultad de Ciencias, v. 1, p BARBOZA, E.G.; ROSA, M.L.C.C.; DILLENBURG, S.R.; AYUP-ZOUAIN, R.N.; TOMAZELLI, L. J. & BIANCINI DA SILVA, A Evolução da barreira costeira holocênica na região do Estreito - litoral médio do Rio Grande do Sul - Brasil. In: XIX Congreso Geológico Argentino, 2014, Córdoba-AR. Actas, v. CD-ROM. p. S12-3. CORDEIRO, S.H Palinologia de Sedimentos da Lagoa dos Patos, Rio Grande do Sul, Brasil. Dissertação de Mestrado em Geociências, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. 123 p. CORDEIRO, S.H. & LORSCHEITTER, M.L Palynology of Lagoa dos Patos sediments, Rio Grande do Sul, Brazil. Journal of Paleolimnology, 10: CORRÊA, I.C.S Les variations du niveau de la mer durant les derniers ans BP: l exemple de la plate-forme continentale du Rio Grande do Sul-Brésil. Marine Geology, 130: DILLENBURG, S.R. & BARBOZA, E.G The Dip and Strike-Fed Sandy Coast of Southern Brazil. In: Martini, I. P. & Wanless H. R. (eds.). Sedimentary Coastal Zones from High to Low Latitudes: Similarities and Differences, Geological Society, London, Special Publications 388: DILLENBURG, S.R.; TOMAZELLI, L.J. & BARBOZA, E.G Barrier evolution and placer formation at Bujuru Southern Brazil. Marine Geology, 203, HUTTON, J Theory of the Earth; with Proofs and Illustrations. Edinburgh: William Creech. 2 vols. ROSA, M.L.C.C Geomorfologia, Estratigrafia de Sequências e Potencial de Preservação dos Sistemas Laguna- Barreira do Quaternário Costeiro do Rio Grande do Sul. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul 246p., Porto Alegre. << ROSA, M.L.C.C.; TOMAZELLI, L.J.; COSTA, A.F.U.C. & BARBOZA, E.G Integração de Métodos Potenciais (Gravimetria e Magnetometria) na Caracterização do Embasamento da Região Sudoeste da Bacia de Pelotas, Sul do Brasil. Revista Brasileira de Geofísica, 27(4): 1-18.

14 14 Origem e Significado Geológico da Barra Falsa : Uma Feição Geomorfológica Peculiar da Margem Leste da Lagoa dos Patos/RS, Brasil ROSA, M.L.C.C.; BARBOZA, E.G.; AYUP- ZOUAIN, R.N.; ROCKETT, G.C. & BIANCINI DA SILVA, A Caracterização geológica da região entre a Lagoa do Peixe e São José do Norte, litoral médio do Rio Grande do Sul (Brasil), através de dados de sensoriamento remoto. In: XIX Congreso Geológico Argentino, 2014, Córdoba-AR. Actas, v. CD-ROM. p. S RUPPEL, L.M.V.; BARBOZA, E.G. & ROSA, M.L.C.C Morfologia e Estratigrafia dos Sistemas Deposicionais na Região da Barra Falsa, São José do Norte - RS. In: XIII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário - ABEQUA, 2011, Armação de Búzios - RJ. Anais do XIII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário, v. 1. p SAADI, A.; MACHETTE, M.N.; HALLER, K.M.; DART, R.L.; BRADLEY, L.A. & SOUZA, A.M.P.D Map and database of quaternary faults and lineaments in Brazil. International Lithosphere Program, Task Group II-2, Major Active Faults of the World. U.S. Geological Survey - USGS, Open-File Report , 63p. TOLDO Jr., E.E.; AYUP-ZOUAIN, R.N.; CORRÊA, I.C.S. & DILLENBURG, S.R Barra Falsa: Hipótese de um Paleocanal Holocênico de Comunicação entre a Laguna dos Patos e o Oceano Atlântico. Pesquisas, 18(2): TOMAZELLI, L.J. & VILLWOCK, J.A Quaternary Geological Evolution of Rio Grande do Sul Coastal Plain, Southern Brazil. Anais da Academia Brasileira de Ciências, 68(3), p TOMAZELLI, L.J.; DEHNHARD, B.A.; LOSS, E.L.; BACHI, F.A.; VILLWOCK, J.A. & GODOLPHIM, M.F Mapa Geológico das Folhas Lagoa Doce e Bujuru. In: Atlas Geológico da Província Costeira do Rio Grande do Sul. Edições CECO/UFRGS, Porto Alegre. TOMAZELLI, L.J. & VILLWOCK, J.A O Cenozóico no Rio Grande do Sul: Geologia da Planície Costeira. In: Holz, M. & De Ros, L.F. (eds.). Geologia do Rio Grande do Sul. Edições CIGO/UFRGS, Porto Alegre, p TOMAZELLI, L.J. & DILLENBURG, S.R Sedimentary facies and stratigraphy of a last interglacial coastal barrier in south Brazil. Marine Geology, 244, TOMAZELLI, L.J.; BARBOZA, E.G.; DILLENBURG, S.R.; ROSA, M.L.C.C.; CARON, F.; LIMA, L.G.; ANDRADE RAMOS, A.J.L ; FACCION, J.E. & RANGEL, A.R Projeto de estudo de vales incisos na porção sul da planície costeira do Rio Grande do Sul: um exemplo de sucesso na integração de métodos de investigação da evolução geológica de regiões costeiras. In: IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología/XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário, La Plata-Argentina. Resúmenes, v. 1. p. Resumo 167. VILLWOCK, J.A Geology of the Coastal Province of Rio Grande do Sul, Southern Brazil. A synthesis. Pesquisas, 16: VILLWOCK, J.A. & TOMAZELLI, L.J Geologia Costeira do Rio Grande do Sul. Notas Técnicas, 8, 45p. VILLWOCK, J.A. & TOMAZELLI, L.J Holocene coastal evolution in Rio Grande do Sul, Brazil. Quaternary of South América and Antarctic Peninsula, 11: VILLWOCK, J.A.; TOMAZELLI, L.J.; LOSS, E.L.; DEHNHARDT, E.A.; HORN Fº, N.O.; BACHI, F.A. & DEHNHARDT, B.A Geology of the Rio Grande do Sul Coastal Province. In: RABASSA, J. (ed.). Quaternary of South America and Antartic Peninsula, 4: WESCHENFELDER, J.; CORRÊA, I.C.S. & ALIOTTA, S Elementos Arquiteturais do Substrato da Lagoa dos Patos Revelados por Sísmica de Alta Resolução. Pesquisas em Geociências, 32: WESCHENFELDER, J.; MEDEANIC, S.; CORRÊA, I.C.S. & ALIOTTA, S. 2008a. Holocenic Paleoinlet of the Bojuru Region, Lagoa dos Patos, Southern Brazil. Journal of Coastal Research, 24: WESCHENFELDER, J.; CORRÊA, I.C.S.; TOLDO JR., E.E. & BAITELLI, R. 2008b. Paleocanais como indicativo de eventos regressivos quaternários do nível do mar no Sul do Brasil. Revista Brasileira de Geofísica, 26: WESCHENFELDER, J.; CORRÊA, I.C.S.; TOLDO JR., E.E. & BAITELLI, R A Drenagem Pretérita do Rio Camaquã na Costa do RS. Pesquisas em Geociências, 37:

PROPOSTA DE HIERARQUIZAÇÃO PARA O REGISTRO SEDIMENTAR DA PLANÍCIE COSTEIRA DO RIO GRANDE DO SUL

PROPOSTA DE HIERARQUIZAÇÃO PARA O REGISTRO SEDIMENTAR DA PLANÍCIE COSTEIRA DO RIO GRANDE DO SUL PROPOSTA DE HIERARQUIZAÇÃO PARA O REGISTRO SEDIMENTAR DA PLANÍCIE COSTEIRA DO RIO GRANDE DO SUL Maria Luiza Correa da Camara Rosa 1,2 ; Eduardo Guimarães Barboza 2 ; Luiz José Tomazelli 2 ; Sérgio Rebello

Leia mais

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS Fontes, L.C.S. 1 ; Santos, L.A. 1 ; Santos J.R. 1 ; Mendonça, J.B.S. 1 ; Santos, V.C.E 1 ; Figueiredo

Leia mais

MAPEAMENTO DO PALEOLEITO DO CANAL DO ALBARDÃO, BACIA DE PELOTAS - BRASIL MAPEAMENTO DO PALEOLEITO DO CANAL DO ALBARDÃO, BACIA DE PELOTAS - BRASIL

MAPEAMENTO DO PALEOLEITO DO CANAL DO ALBARDÃO, BACIA DE PELOTAS - BRASIL MAPEAMENTO DO PALEOLEITO DO CANAL DO ALBARDÃO, BACIA DE PELOTAS - BRASIL MAPEAMENTO DO PALEOLEITO DO CANAL DO ALBARDÃO, BACIA DE Rocha, R. 1 ; Griep, G. 2 ; Weigert, S. 3 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE Email:renatafranciscon@gmail.com; 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO

Leia mais

SEDIMENTOLOGIA E GEOFÍSICA NA PLATAFORMA INTERNA DO RIO GRANDE DO SUL: PRO-REMPLAC.

SEDIMENTOLOGIA E GEOFÍSICA NA PLATAFORMA INTERNA DO RIO GRANDE DO SUL: PRO-REMPLAC. SEDIMENTOLOGIA E GEOFÍSICA NA PLATAFORMA INTERNA DO RIO GRANDE DO SUL: PRO-REMPLAC. De Oliveira, A.O 1 ; Calliari, L.J 2 ; Griep, G. 2 ; Corrêa, I.C.S 3 ; Goulart, E. 2 ; Veiga, F. 2. e Albergone, E. 2.

Leia mais

Aula 5 PLANÍCIES E LAGUNAS COSTEIRAS. Aracy Losano Fontes

Aula 5 PLANÍCIES E LAGUNAS COSTEIRAS. Aracy Losano Fontes Aula 5 PLANÍCIES E LAGUNAS COSTEIRAS META Apresentar os conceitos relacionados às planícies e lagunas costeiras, fatores de formação e características principais. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno

Leia mais

45 mm SEDIMENTAÇÃO NO SEGMENTO COSTEIRO DE ITAIPU-CAMBOINHAS (NITERÓI-RJ) DURANTE O PLEISTOCENO MÉDIO/FINAL E HOLOCENO INICIAL.

45 mm SEDIMENTAÇÃO NO SEGMENTO COSTEIRO DE ITAIPU-CAMBOINHAS (NITERÓI-RJ) DURANTE O PLEISTOCENO MÉDIO/FINAL E HOLOCENO INICIAL. SEDIMENTAÇÃO NO SEGMENTO COSTEIRO DE ITAIPU-CAMBOINHAS (NITERÓI-RJ) DURANTE O PLEISTOCENO MÉDIO/FINAL E HOLOCENO INICIAL. Lucas Araujo Costa 1 ; Renato Rodriguez Cabral Ramos 2 ; Fábio Ferreira Dias 3

Leia mais

SEDIMENTAÇÃO NA LAGOA DOS PATOS E OS IMPACTOS AMBIENTAIS.

SEDIMENTAÇÃO NA LAGOA DOS PATOS E OS IMPACTOS AMBIENTAIS. SEDIMENTAÇÃO NA LAGOA DOS PATOS E OS IMPACTOS AMBIENTAIS. Elírio E. Toldo Jr 1 ; Sergio R. Dillenburg 1 ; Iran C. S. Corrêa 1 ; Luiz E. S. B. Almeida 2 ; Jair Weschenfelder 1 1 Centro de Estudos de Geologia

Leia mais

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar Publicado no site em 13/11/2014 Euripedes Falcão Vieira*/** Na margem continental sul-brasileira a presença de dois estuários

Leia mais

Anderson Gomes de Almeida 1, Alberto Garcia de Figueiredo Jr. 2, Gilberto Pessanha Ribeiro 3

Anderson Gomes de Almeida 1, Alberto Garcia de Figueiredo Jr. 2, Gilberto Pessanha Ribeiro 3 MODELAGEM NUMÉRICA DO TERRENO A PARTIR DA RECUPERAÇÃO DA BATIMETRIA DE 1958 NA FOZ DO RIO PARAÍBA DO SUL E DA ÁREA DA PLATAFORMA CONTINENTAL ADJACENTE, E SUAS APLICAÇÕES GEOLÓGICAS Anderson Gomes de Almeida

Leia mais

Reflexos da extração de areia na morfologia do ribeirão dos Macacos-MG, entre 1989 e 2010

Reflexos da extração de areia na morfologia do ribeirão dos Macacos-MG, entre 1989 e 2010 Reflexos da extração de areia na morfologia do ribeirão dos Macacos-MG, entre 1989 e 2010 Carvalho, A. (PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA, IGC/UFMG) ; Raposo, A.A. (PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA,

Leia mais

Cohen MCL, Souza Filho PW, Lara RL, Behling H, Angulo R. (2005) A model of Holocene mangrove development and relative sea-level changes on the

Cohen MCL, Souza Filho PW, Lara RL, Behling H, Angulo R. (2005) A model of Holocene mangrove development and relative sea-level changes on the Evidência de uma Mudança Abrupta no Clima de Ondas da Costa Leste da Bahia durante o Periodo Medieval Evidence of an Abrupt Change in Wave Climate along the Coast of Bahia, during the Medieval Period José

Leia mais

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen).

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen). 18 2 Área de Estudo A Baía de Todos os Santos (BTS) (figura 2.1), localizada no estado da Bahia, considerada como área núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica é a maior Baía do Brasil, com cerca

Leia mais

45 mm MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP. UNESP; Praça Infante Don Henrique, s/n Bairro Bitarú. São Vicente, SP, 11330-900

45 mm MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP. UNESP; Praça Infante Don Henrique, s/n Bairro Bitarú. São Vicente, SP, 11330-900 MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP Maurício César Sinício Abib 1 ; Kátia Cristina Cruz Capel 2 ; Francisco Sekiguchi Buchmann 1 abib.mauricio@hotmail.com 1 - Laboratório de Estratigrafia

Leia mais

Interpretação do Paleoambiente do Sambaqui do Recreio: Uma análise Geofísica e Paleogeográfica

Interpretação do Paleoambiente do Sambaqui do Recreio: Uma análise Geofísica e Paleogeográfica Interpretação do Paleoambiente do Sambaqui do Recreio: Uma análise Geofísica e Paleogeográfica Gustavo Peretti Wagner 1 André Bernardi Bicca de Barcellos 2 RESUMO: O presente trabalho busca interpretar

Leia mais

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO *Thomaz Alvisi de Oliveira 1 ; Paulina Setti Riedel 2 ; Célia Regina de Gouveia Souza 3

Leia mais

GROSSO Email:vinicius.k99@gmail.com; GROSSO Email:celiaalvesgeo@globo.com; GROSSO Email:jennyfercarla18@gmail.com;

GROSSO Email:vinicius.k99@gmail.com; GROSSO Email:celiaalvesgeo@globo.com; GROSSO Email:jennyfercarla18@gmail.com; CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA E SEDIMENTOLÓGICA DO RIO PARAGUAI, NO SEGMENTO ENTRE A FOZ DO CÓRREGO JACOBINA A FOZ. Neves da Silva, V. 1 ; Alves de Souza, C. 2 ; Ferraz Bühler, B. 3 ; Carla de Almeida, J.

Leia mais

Laboratório de Oceanografia Geológica

Laboratório de Oceanografia Geológica O Laboratório de Oceanografia Geológica LOG concentra suas pesquisas para no reconhecimento, e caracterização de ambientes costeiros e marinhos visando o aproveitamento do seu potencial natural, especificamente

Leia mais

PEQUENAS BARREIRAS NO ESTADO DO CEARA, NORDESTE DO BRASIL

PEQUENAS BARREIRAS NO ESTADO DO CEARA, NORDESTE DO BRASIL PEQUENAS BARREIRAS NO ESTADO DO CEARA, NORDESTE DO BRASIL CLAUDINO-SALES, V. (1) (1) Departamento de Geografia, Universidade Federal do Ceará, (vcs@ufc.br) PARENTE, L.P. (2) (2) Instituto de Ciências do

Leia mais

Milene Fornari 1 ; Paulo César Fonseca Giannini 2 ; Francisco Sekiguchi Buchmann 3 ; Juliana de Moraes Leme 2 milenefornari@yahoo.com.

Milene Fornari 1 ; Paulo César Fonseca Giannini 2 ; Francisco Sekiguchi Buchmann 3 ; Juliana de Moraes Leme 2 milenefornari@yahoo.com. IMPORTÂNCIA DO NÍVEL DO MAR, DE MUDANÇAS NA PISTA DE VENTO E DO SUPRIMENTO SEDIMENTAR NA EVOLUÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA PALEOBAÍA DE JAGUARUNA-LAGUNA, SANTA CATARINA, BRASIL Milene Fornari 1 ; Paulo César

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA Hogana Sibilla Soares Póvoas Bolsista do PET Solos Universidade Estadual de Santa Cruz hogana_sibila@hotmail.com Ednice de Oliveira Fontes Universidade

Leia mais

EVOLUÇÃO TEMPORAL DAS PIÇARRAS DESENVOLVIDAS SOBRE AS BARREIRAS HOLOCÊNINICAS DO LITORAL DE SANTA CATARINA

EVOLUÇÃO TEMPORAL DAS PIÇARRAS DESENVOLVIDAS SOBRE AS BARREIRAS HOLOCÊNINICAS DO LITORAL DE SANTA CATARINA EVOLUÇÃO TEMPORAL DAS PIÇARRAS DESENVOLVIDAS SOBRE AS BARREIRAS HOLOCÊNINICAS DO LITORAL DE SANTA CATARINA Tomasz Boski 1, Maria Cristina Souza 2, Rodolfo José Angulo 2, Francisco J. Gonzalez Vila 3 tboski@ualg.pt

Leia mais

CURVAS DE MUDANÇAS EUSTÁTICAS DO HOLOCENO

CURVAS DE MUDANÇAS EUSTÁTICAS DO HOLOCENO CURVAS DE MUDANÇAS EUSTÁTICAS DO HOLOCENO Kenitiro Suguio 1 ; Vanda Brito de Medeiros 2 kenitirosuguio@hotmail.com 1- Instituto de Geociências, USP; 2- Laboratório de Palinologia e Paleobotânica, UnG R.

Leia mais

Análise e Classificação Granulométrica de Sedimentos Quaternários em Perfil Estratigráfico de Margem Fluvial do Rio Itapocu - SC

Análise e Classificação Granulométrica de Sedimentos Quaternários em Perfil Estratigráfico de Margem Fluvial do Rio Itapocu - SC Análise e Classificação Granulométrica de Sedimentos Quaternários em Perfil Estratigráfico de Margem Fluvial do Rio Itapocu - SC Paulino, R.B. (UFPR) ; Goulart, A.A. (UFPR) ; Siefert, C.A.C. (UFPR) ; Lopes,

Leia mais

GEOLOGIA E GEOMORFOLOGIA COSTEIRA DA FOLHA SOMBRIO, SC

GEOLOGIA E GEOMORFOLOGIA COSTEIRA DA FOLHA SOMBRIO, SC GEOLOGIA E GEOMORFOLOGIA COSTEIRA DA FOLHA SOMBRIO, SC MUDAT, J.E., MELO, A.T., RIBEIRO, D., SOUZA, D.R., NEVES, J., DI PIETRO FILHO, J.E., KITAHARA, M.V., HORN FILHO, N.O., OLIVEIRA, U.R. Programa de

Leia mais

Bruno Rafael de Barros Pereira 1 Venerando Eustáquio Amaro 1,2 Arnóbio Silva de Souza 1 André Giskard Aquino 1 Dalton Rosemberg Valentim da Silva 1

Bruno Rafael de Barros Pereira 1 Venerando Eustáquio Amaro 1,2 Arnóbio Silva de Souza 1 André Giskard Aquino 1 Dalton Rosemberg Valentim da Silva 1 Análise de dados orbitais multitemporais para avaliação de linha de costa nas áreas adjacentes ao município de Areia Branca/RN, com enfoque na região próxima ao estuário do Rio Apodí-Mossoró. Bruno Rafael

Leia mais

45 mm CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO FUNDO MARINHO DO TALUDE CONTINENTAL DA BACIA DE CAMPOS, RJ.

45 mm CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO FUNDO MARINHO DO TALUDE CONTINENTAL DA BACIA DE CAMPOS, RJ. CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO FUDO MARIHO DO TALUDE COTIETAL DA BACIA DE CAMPOS, RJ. Anderson Gomes de Almeida 1 ; Renato Oscar Kowsmann 2 andersongomes@petrobras.com.br 1 - PETROBRAS S. A. E&P-SERV

Leia mais

Mudança da Linha de Costa à Médio Prazo das Praias do Pina e da Boa Viagem (Recife PE) 1961-2007

Mudança da Linha de Costa à Médio Prazo das Praias do Pina e da Boa Viagem (Recife PE) 1961-2007 Mudança da Linha de Costa à Médio Prazo das Praias do Pina e da Boa Viagem (Recife PE) 1961-2007 MARIA DAS NEVES GREGÓRIO TEREZA CRISTINA MEDEIROS DE ARAÚJO RAFAEL LOPES MENDONÇA ICLEIBER NASCIMENTO LIMA

Leia mais

GEOMORFOLOGIA DA BORDA SUDESTE DA BACIA DO PANTANAL: RELAÇÃO DO LEQUE FLUVIAL DO TABOCO E ÁREAS FONTES DOS PLANALTOS ADJACENTES

GEOMORFOLOGIA DA BORDA SUDESTE DA BACIA DO PANTANAL: RELAÇÃO DO LEQUE FLUVIAL DO TABOCO E ÁREAS FONTES DOS PLANALTOS ADJACENTES GEOMORFOLOGIA DA BORDA SUDESTE DA BACIA DO PANTANAL: RELAÇÃO DO LEQUE FLUVIAL DO TABOCO E ÁREAS FONTES DOS PLANALTOS ADJACENTES Edna Maria Facincani¹ Vitor Matheus Bacani¹ Arnaldo Yoso Sakamoto² Departamento

Leia mais

BATIMETRIA E DISTRIBUIÇÃO DOS SEDIMENTOS DA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARANAENSE PARANÁ - BRASIL

BATIMETRIA E DISTRIBUIÇÃO DOS SEDIMENTOS DA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARANAENSE PARANÁ - BRASIL BATIMETRIA E DISTRIBUIÇÃO DOS SEDIMENTOS DA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARANAENSE PARANÁ - BRASIL Luiz Henrique Sielski de Oliveira 1 ; Fernando Alvim Veiga 2 ; Rodolfo José Angulo 1 ; Maria Cristina

Leia mais

XIII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário ABEQUA

XIII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário ABEQUA CARACTERIZAÇÃO MORFODINÂMICA DE SEIS PRAIS DO MUNICÍPIO DE PARATY, RJ: DADOS PRELIMINARES Fernanda Costa de Andrade 1 ; José Antônio Baptista Neto 1 ; Valéria Gomes Veloso fernanda.andrade@ymail.com 1

Leia mais

SEDIMENTAÇÃO QUATERNÁRIA NA BACIA DO RIO MACAÉ (RJ): ESPACIALIZAÇÃO E ANÁLISE DE TERRAÇOS FLUVIAIS

SEDIMENTAÇÃO QUATERNÁRIA NA BACIA DO RIO MACAÉ (RJ): ESPACIALIZAÇÃO E ANÁLISE DE TERRAÇOS FLUVIAIS SEDIMENTAÇÃO QUATERNÁRIA NA BACIA DO RIO MACAÉ (RJ): ESPACIALIZAÇÃO E ANÁLISE DE TERRAÇOS FLUVIAIS Renato de Lima Hingel 1;3 ; Mônica dos Santos Marçal 2 ; Telma Mendes da Silva 2 rengeografia@yahoo.com.br;

Leia mais

MAPEAMENTO DIGITAL DE AMBIENTES COSTEIROS COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES E DADOS GNSS

MAPEAMENTO DIGITAL DE AMBIENTES COSTEIROS COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES E DADOS GNSS MAPEAMENTO DIGITAL DE AMBIENTES COSTEIROS COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES E DADOS GNSS Gilberto Pessanha Ribeiro ¹, ², ³ gilberto@globalgeo.com.br ¹ Globalgeo Geotecnologias www.globalgeo.com.br ² Faculdade

Leia mais

Caracterização de subambientes costeiros com base na análise de superfície de tendência: exemplo do delta do rio Doce

Caracterização de subambientes costeiros com base na análise de superfície de tendência: exemplo do delta do rio Doce Caracterização de subambientes costeiros com base na análise de superfície de tendência: exemplo do delta do rio Doce Polizel, S.P. (INPE) ; Cremon, E.H. (INPE) ; Rossetti, D.F. (INPE) RESUMO Esse trabalho

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE FEIÇÕES FLUVIAIS DO RIO SAGRADO (MORRETES/PR): PARÂMETRO PARA O MAPEAMENTO DOS ESTILOS FLUVIAIS

IDENTIFICAÇÃO DE FEIÇÕES FLUVIAIS DO RIO SAGRADO (MORRETES/PR): PARÂMETRO PARA O MAPEAMENTO DOS ESTILOS FLUVIAIS IDENTIFICAÇÃO DE FEIÇÕES FLUVIAIS DO RIO SAGRADO (MORRETES/PR): PARÂMETRO PARA O MAPEAMENTO DOS ESTILOS FLUVIAIS Kleina, M. (UFPR) RESUMO Os rios são os principais agentes de transporte de sedimentos,

Leia mais

INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL

INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL Janice Rezende Vieira Peixoto 1 ; Tânia Castellani Tarabini 2 tartbr@yahoo.com.br 1 - Universidade

Leia mais

Milani e Thomaz Filho, 2000; Palvadeau, 1999. Compartimentação da costa modificada de Silveira (1972).

Milani e Thomaz Filho, 2000; Palvadeau, 1999. Compartimentação da costa modificada de Silveira (1972). Figura 2.2: Contexto geológico-estrutural da costa amazônica. Compilado a partir de Bizzi et al., 2001; Milani e Thomaz Filho, 2000; Palvadeau, 1999. Compartimentação da costa modificada de Silveira (1972).

Leia mais

1 a Lista de Exercícios

1 a Lista de Exercícios UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO OCEANOGRÁFICO IOF1202 - Oceanografia Física Descritiva Arquivo obtido em: http://www.danilorvieira.com/ 1 a Lista de Exercícios 2 a Semestre de 2007 Aluno Danilo Rodrigues

Leia mais

OS DOMÍNIOS DA BACIA DA PARAÍBA

OS DOMÍNIOS DA BACIA DA PARAÍBA Copyright 2005, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais

V-045 - ESTUDO DO ASSOREAMENTO DE CORPOS D ÁGUA PELO MÉTODO GEOFÍSICO DE GEO-RADAR

V-045 - ESTUDO DO ASSOREAMENTO DE CORPOS D ÁGUA PELO MÉTODO GEOFÍSICO DE GEO-RADAR V-045 - ESTUDO DO ASSOREAMENTO DE CORPOS D ÁGUA PELO MÉTODO GEOFÍSICO DE GEO-RADAR Wagner França Aquino (1) Bacharel em Geofísica pelo Instituto Astronômico e Geofísico da Universidade de São Paulo (IAG/USP).

Leia mais

A ARQUEOLOGIA NA CONSTRUÇÃO E NA CALIBRAÇÃO DE CURVAS LOCAIS DE VARIAÇÃO DO NÍVEL MÉDIO DO MAR. Andreas Kneip 1 1

A ARQUEOLOGIA NA CONSTRUÇÃO E NA CALIBRAÇÃO DE CURVAS LOCAIS DE VARIAÇÃO DO NÍVEL MÉDIO DO MAR. Andreas Kneip 1 1 A ARQUEOLOGIA NA CONSTRUÇÃO E NA CALIBRAÇÃO DE CURVAS LOCAIS DE VARIAÇÃO DO NÍVEL MÉDIO DO MAR Andreas Kneip 1 1 Ciência da Computação, UFT (andreas@edu.uft.br) Abstract. The sambaquis of the Camacho region,

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

Palavras-Chave: Lagoa Feia, Análise Ambiental, Implosão de Diques, SIG, Inundações.

Palavras-Chave: Lagoa Feia, Análise Ambiental, Implosão de Diques, SIG, Inundações. Análise Ambiental das alterações na paisagem da Lagoa Feia, região Norte do estado do Rio de Janeiro Brasil com uso do Sistema de Informações Geográficas Vinícius Santos Lima¹; André Luiz Nascentes Coelho¹;

Leia mais

GEOMORFOLOGIA E MORFOESTRUTURA DA CARTA JACUMÃ, ESTADO DA PARAÍBA, REGIÃO NORDESTE DO BRASIL

GEOMORFOLOGIA E MORFOESTRUTURA DA CARTA JACUMÃ, ESTADO DA PARAÍBA, REGIÃO NORDESTE DO BRASIL GEOMORFOLOGIA E MORFOESTRUTURA DA CARTA JACUMÃ, ESTADO DA PARAÍBA, REGIÃO NORDESTE DO BRASIL Max Furrier 1 ; Mª Emanuella F. Barbosa 1, 2 mariaemanuellaf@gmail.com 1 Universidade Federal da Paraíba (UFPB);

Leia mais

MUDANÇAS NA MORFOLOGIA DE MEANDROS: O RIO DO PEIXE, OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

MUDANÇAS NA MORFOLOGIA DE MEANDROS: O RIO DO PEIXE, OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO MUDANÇAS NA MORFOLOGIA DE MEANDROS: O RIO DO PEIXE, OESTE DO Morais, E.S. 1 ; Rocha, P.C. 2 ; 1 UNESP-FCT Email:moraiseduardo@hotmail.com; 2 UNESP-FCT Email:pcrocha@fct.unesp.br; RESUMO: O estudo identificou

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO GRÁBEN DO RIO MAMUABA E SUAS ADJACÊNCIAS

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO GRÁBEN DO RIO MAMUABA E SUAS ADJACÊNCIAS CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO GRÁBEN DO RIO MAMUABA E SUAS ADJACÊNCIAS Lima, V. (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA) ; Furrier, M. (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA) RESUMO O presente trabalho aborda alguns

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

Instituto de Pesquisas Hidráulicas. IPH - UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil. Av. Bento Gonçalves 9500, 91509-900, Porto Alegre, RS, Brasil

Instituto de Pesquisas Hidráulicas. IPH - UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil. Av. Bento Gonçalves 9500, 91509-900, Porto Alegre, RS, Brasil IDENTIFICAÇÃO DE JAZIDAS POTENCIAIS DE AREIA NA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARA RECUPERAÇÃO DE PRAIAS URBANAS ENTRE AS CIDADES DE NITERÓI E MACAÉ RJ Julio F. de Oliveira 1 ; Dieter Muehe 2 ; Luiz E.

Leia mais

DEPÓSITOS TECNOGÊNICOS E ÁREAS ANTROPIZADAS DO ATERRO DA BAÍA NORTE, ILHA DE SANTA CATARINA, SC, BRASIL

DEPÓSITOS TECNOGÊNICOS E ÁREAS ANTROPIZADAS DO ATERRO DA BAÍA NORTE, ILHA DE SANTA CATARINA, SC, BRASIL DEPÓSITOS TECNOGÊNICOS E ÁREAS ANTROPIZADAS DO ATERRO DA BAÍA NORTE, ILHA DE SANTA CATARINA, SC, BRASIL Marinês da Silva 1 ; Norberto Olmiro Horn Filho 2 marines_praia@hotmail.com 1 - Programa de Pós-graduação

Leia mais

Palavras-chave: Side scan sonar, detrital material, Campos Bay. 1. Introdução

Palavras-chave: Side scan sonar, detrital material, Campos Bay. 1. Introdução INTERPRETAÇÃO AMBIENTAL DE UMA ÁREA DE PERFURAÇÃO EXPLORATÓRIA MARÍTIMA ATRAVÉS DA APLICAÇÃO DE IMAGENS DE SONAR DE VARREDURA LATERAL, FOTOGRAFIAS DE FUNDO E VIDEOS, NA BACIA DE CAMPOS-RJ, BRASIL* Iran

Leia mais

DESCRIÇÃO MORFOLÓGICA E SEDIMENTAR DO RIO PARAGUAI NO SEGMENTO ENTRE O POÇO DO RENATO A BAÍA DA INHAROSA

DESCRIÇÃO MORFOLÓGICA E SEDIMENTAR DO RIO PARAGUAI NO SEGMENTO ENTRE O POÇO DO RENATO A BAÍA DA INHAROSA DESCRIÇÃO MORFOLÓGICA E SEDIMENTAR DO RIO PARAGUAI NO Almeida, J.C. 1 ; Silva, V.N. 2 ; Souza, C.A. 3 ; Souza, I.C. 4 ; 1 UNEMAT Email:jennyfercarla18@hotmail.com; 2 UNEMAT Email:vinicius.k99@gmail.com;

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO GOOGLE FUSION TABLES PARA COMPARTILHAR E INTEGRAR DADOS DE SISTEMAS DEPOSICIONAIS QUATERNÁRIOS COSTEIROS

A UTILIZAÇÃO DO GOOGLE FUSION TABLES PARA COMPARTILHAR E INTEGRAR DADOS DE SISTEMAS DEPOSICIONAIS QUATERNÁRIOS COSTEIROS A UTILIZAÇÃO DO GOOGLE FUSION TABLES PARA COMPARTILHAR E INTEGRAR DADOS DE SISTEMAS DEPOSICIONAIS QUATERNÁRIOS COSTEIROS André Zular 1 ; André O. Sawakuchi 1 ; Paulo C.F.Giannini 1 ; Carlos C.F. Guedes

Leia mais

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS HABITATS MARINHOS E COSTEIROS Manguezais Marismas e planícies de maré Estuários e Lagunas Praias Costões Rochosos Recifes de Coral Plataforma Continental Mar Profundo Fontes Hidrotermais MANGUEZAIS Compreendem

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O TEOR DE MINERAIS PESADOS COM A DENSIDADE GAMA E A GRANULOMETRIA

RELAÇÃO ENTRE O TEOR DE MINERAIS PESADOS COM A DENSIDADE GAMA E A GRANULOMETRIA RELAÇÃO ENTRE O TEOR DE MINERAIS PESADOS COM A DENSIDADE GAMA E A GRANULOMETRIA Rodrigo Coutinho Abuchacra 1 ; Paula Ferreira Falheiro 1 ; Carolinne L. Soares Macedo 2 ; Sabrina Felix de Oliveira; Alberto

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

SEDIMENTAÇÃO HOLOCÊNICA NA PLATAFORMA CONTINENTAL DE SALVADOR, BAHIA.

SEDIMENTAÇÃO HOLOCÊNICA NA PLATAFORMA CONTINENTAL DE SALVADOR, BAHIA. SEDIMENTAÇÃO HOLOCÊNICA NA PLATAFORMA CONTINENTAL DE SALVADOR, BAHIA. Renata Cardia Rebouças 1 ; Alina Sá Nunes 2 ; José Maria Landim Dominguez 3 rcr.renata@gmail.com 1,3 Universidade Federal da Bahia;

Leia mais

Profº André Tomasini. TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais

Profº André Tomasini. TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais ÁGUAS CONTINENTAIS Os oceanos e mares cobrem 2/3 da superfície do planeta. Águas Oceânicas : Abrange oceanos e mares. Águas

Leia mais

CARTAS DE DERIVAÇÕES AMBIENTAIS E TRANSGRESSÕES LEGAIS: DESTAQUE AS ÁREAS DE PLANICIE E TERRAÇOS FLUVIAIS NO ANTIGO E NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL

CARTAS DE DERIVAÇÕES AMBIENTAIS E TRANSGRESSÕES LEGAIS: DESTAQUE AS ÁREAS DE PLANICIE E TERRAÇOS FLUVIAIS NO ANTIGO E NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL CARTAS DE DERIVAÇÕES AMBIENTAIS E TRANSGRESSÕES LEGAIS: DESTAQUE AS ÁREAS DE PLANICIE E TERRAÇOS FLUVIAIS NO ANTIGO E Silveira, A. 1 ; Cunha, C.M.L. 2 ; 1 CEETEPS Email:silveira_81@yahoo.com.br; 2 UNESP

Leia mais

45 mm VARIAÇÕES NA LINHA DE COSTA DA DESEMBOCADURA DO RIO PACOTI E PROCESSOS SAZONAIS ASSOCIADOS

45 mm VARIAÇÕES NA LINHA DE COSTA DA DESEMBOCADURA DO RIO PACOTI E PROCESSOS SAZONAIS ASSOCIADOS VARIAÇÕES NA LINHA DE COSTA DA DESEMBOCADURA DO RIO PACOTI E PROCESSOS SAZONAIS ASSOCIADOS Gustavo Henrique Macedo Rocha 1 ; Mailton Nogueira da Rocha 1 ; Lidriana de Souza Pinheiro²; Jáder Onofre de Morais¹

Leia mais

Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR

Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR Rafael KÖENE e Mário Sérgio de MELO Universidade Estadual de Ponta Grossa A região de Piraí da Serra é um representante remanescente

Leia mais

Autores: Roberto Okabe (1) e Debora S. Carvalho (2)

Autores: Roberto Okabe (1) e Debora S. Carvalho (2) A UTILIZAÇÃO DO GEORADAR (GPR) COMO FERRAMENTA DE ENSAIO NÃO DESTRUTIVO (END) PARA LOCALIZAÇÃO DA MANTA DE IMPERMEABILIZAÇÃO E VERIFICAÇÃO DA ESPESSURA DO CONCRETO NUM BLOCO TESTE Autores: Roberto Okabe

Leia mais

Morfologia de fundo do litoral do Camocim Estado do Ceará. Marcus Vinícius Chagas da Silva 1 Jader Onofre de Morais 2

Morfologia de fundo do litoral do Camocim Estado do Ceará. Marcus Vinícius Chagas da Silva 1 Jader Onofre de Morais 2 Morfologia de fundo do litoral do Camocim Estado do Ceará Marcus Vinícius Chagas da Silva 1 Jader Onofre de Morais 2 1 Universidade Estadual do Ceará - UECE Av. Paranjana, 17 - Campus do Itaperi, Fortaleza/Ce,

Leia mais

Mapeamento digital da área urbana na frente erosiva em Atafona e progradacional em Grussaí, São João da Barra (RJ): impactos urbanos e ambientais

Mapeamento digital da área urbana na frente erosiva em Atafona e progradacional em Grussaí, São João da Barra (RJ): impactos urbanos e ambientais 1 Mapeamento digital da área urbana na frente erosiva em Atafona e progradacional em Grussaí, São João da Barra (RJ): impactos urbanos e ambientais Gilberto Pessanha Ribeiro 1,2 Bruno Ferraz Bartel 2 Christiane

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Material de apoio do Extensivo 1. (UNIOESTE) O relevo apresenta grande diversidade de formas que se manifestam, ao longo do tempo e do espaço,

Leia mais

Uso do gvsig aplicado no estudo da erosão marginal na Foz do Rio Ribeira de Iguape/SP/Brasil

Uso do gvsig aplicado no estudo da erosão marginal na Foz do Rio Ribeira de Iguape/SP/Brasil Uso do gvsig aplicado no estudo da erosão marginal na Foz do Rio Ribeira de Iguape/SP/Brasil Prof. Gilberto Cugler 1 Prof Dr. Vilmar Antonio Rodrigues 2 Resumo: O estudo da erosão marginal aqui proposto,

Leia mais

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS 1 Origens dos Agentes Geológicos ARTIGO 9 Pelo Geólogo Josué Barroso Inicialmente, como base para

Leia mais

MACRO CAPTURA FLUVIAL NO NORDESTE DO PLANALTO CENTRAL: RESULTADOS PRELIMINARES

MACRO CAPTURA FLUVIAL NO NORDESTE DO PLANALTO CENTRAL: RESULTADOS PRELIMINARES MACRO CAPTURA FLUVIAL NO NORDESTE DO PLANALTO CENTRAL: Cherem, L.F.S. 1 ; Zancopé, M.H.C. 2 ; Bayer, M. 3 ; 1 UFG Email:luis.cherem@gmail.com; 2 UFG Email:zancope@terra.com.br; 3 UFG Email:maxibayer@yahoo.com.ar;

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

DEPÓSITOS SEDIMENTARES RECENTES DA PORÇÃO SUPERIOR DA BAÍA DE MARAJÓ (AMAZÔNIA)

DEPÓSITOS SEDIMENTARES RECENTES DA PORÇÃO SUPERIOR DA BAÍA DE MARAJÓ (AMAZÔNIA) DEPÓSITOS SEDIMENTARES RECENTES DA PORÇÃO SUPERIOR DA BAÍA DE MARAJÓ (AMAZÔNIA) Silvio Eduardo Matos Martins 1 ; Iran C. Staliviere Corrêa 2 ; Amilcar Carvalho Mendes 3 eduardomm@ufpa.br 1 Universidade

Leia mais

TRENÓ PARA MEDIDAS DO FUNDO DA ZONA DE SURFE

TRENÓ PARA MEDIDAS DO FUNDO DA ZONA DE SURFE RBRH - Revista Brasileira de Recursos Hídricos Volume 3 n.1 Jan/Mar 1998, 105-110 TRENÓ PARA MEDIDAS DO FUNDO DA ZONA DE SURFE Renato R. Martins, Elírio E. Toldo Jr., Luiz E. S. B. Almeida Universidade

Leia mais

Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos

Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos É na faixa litorânea em que se encontra situada uma parcela significativa dos bens públicos, uma vez que, por disposição contida na Constituição Federal de 1988,

Leia mais

CONFECÇÃO DA BASE DE DADOS GEORREFERENCIADA NO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ SP, E DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA JUNDAÍ-MIRIM

CONFECÇÃO DA BASE DE DADOS GEORREFERENCIADA NO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ SP, E DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA JUNDAÍ-MIRIM CONFECÇÃO DA BASE DE DADOS GEORREFERENCIADA NO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ SP, E DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA JUNDAÍ-MIRIM 1. Objetivos Confecção da base cartográfica vetorial georreferenciada, tendo como referência

Leia mais

III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE

III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE 1- Introdução Delminda Moura Universidade do Algarve e DPGA Zonas costeiras ou litorais, são zonas de interface entre as zonas continentais

Leia mais

3 Geo/Sensoriamento Remoto

3 Geo/Sensoriamento Remoto 3 Geo/Sensoriamento Remoto Neste item, serão apresentadas pesquisas desenvolvidas em programas da Coppe/UFRJ relacionadas à temática geo/sensoriamento remoto. Alguns resultados parciais desta linha temática

Leia mais

Diagnóstico geológico-geomorfológico da planície costeira adjacente à enseada dos Currais, Santa Catarina, Brasil

Diagnóstico geológico-geomorfológico da planície costeira adjacente à enseada dos Currais, Santa Catarina, Brasil ISSN 1678-5975 Outubro - 2004 Nº 2 25-39 Porto Alegre Diagnóstico geológico-geomorfológico da planície costeira adjacente à enseada dos Currais, Santa Catarina, Brasil N. O. Horn Filho¹; É. P. Filho² &

Leia mais

MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO

MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO João Thadeu de Menezes; Antonio Henrique da Fontoura Klein. Laboratório de Oceanografia Geológica.- Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do

Leia mais

DEPÓSITOS SEDIMENTARES DO DELTA DE CABECEIRA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA, BAÍA DE VITÓRIA, ES.

DEPÓSITOS SEDIMENTARES DO DELTA DE CABECEIRA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA, BAÍA DE VITÓRIA, ES. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS DEPARTAMENTO DE OCEANOGRAFIA E ECOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM OCEANOGRAFIA GABRIELA DE ALMEIDA BERNARDO DEPÓSITOS SEDIMENTARES

Leia mais

AULA 9: BORDAS DE PLACAS TRANSFORMANTES

AULA 9: BORDAS DE PLACAS TRANSFORMANTES GEOTECTÔNICA TECTÔNICA GLOBAL Prof. Eduardo Salamuni AULA 9: BORDAS DE PLACAS DIVERGENTES E TRANSFORMANTES EVOLUÇÃO DAS BORDAS DIVERGENTES A evolução se faz em 3 estágios Rifting: abertura de vale em rift

Leia mais

HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL

HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL QUESTÃO 01 - A Terra é, dentro do sistema solar, o único astro que tem uma temperatura de superfície que permite à água existir em seus três estados: líquido, sólido e gasoso.

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA

GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA Segunda 18 às 20h Quarta 20 às 22h museu IC II Aula 15 Ambientes de transição Deltas Turma: 2016/01 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Retrogradante Progradante Retrogradante

Leia mais

hidrográficas estão separadas por uma linha que une pontos de maior altitude, o interflúvio ou divisor d água

hidrográficas estão separadas por uma linha que une pontos de maior altitude, o interflúvio ou divisor d água HIDROGRAFIA Águas Continentais Como vimos, a maior parte da água doce do planeta encontra-se congelada na forma de geleiras, nas regiões polares, nos aqüíferos ou nos cumes das altas montanhas. Resta,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA E AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE DA PLANÍCIE COSTEIRA NO MUNICÍPIO DE BARRA DOS COQUEIROS SERGIPE

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA E AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE DA PLANÍCIE COSTEIRA NO MUNICÍPIO DE BARRA DOS COQUEIROS SERGIPE CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA E AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE DA PLANÍCIE COSTEIRA NO MUNICÍPIO DE BARRA DOS COQUEIROS SERGIPE Neise Mare de Souza Alves 1,2 ; Débora Barbosa da Silva 1,2 ; Aracy Losano

Leia mais

Paleoplataformas e Progradação Deltaica do Neógeno na Margem Continental do Uruguai e Norte da Argentina

Paleoplataformas e Progradação Deltaica do Neógeno na Margem Continental do Uruguai e Norte da Argentina ISSN 1678-5975 Janeiro - 2003 Nº 1 40-46 Porto Alegre Paleoplataformas e Progradação Deltaica do Neógeno na Margem Continental do Uruguai e Norte da Argentina C. M. Urien*; L. R. Martins* and I. R. Martins*

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS. Profº. Neto

RECURSOS HÍDRICOS. Profº. Neto RECURSOS HÍDRICOS Profº. Neto A DINÂMICA DA HIDROSFERA Distribuição global de água DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DAS ÁGUAS DOCES Disponibilidade de água (2000 e 2050) UTILIZAÇÃO DA ÁGUA O sistema hidrológico

Leia mais

TENDÊNCIAS DE TRANSPORTE SEDIMENTAR AO LONGO DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE PONTAL DO PARANÁ (PR): DADOS PRELIMINARES.

TENDÊNCIAS DE TRANSPORTE SEDIMENTAR AO LONGO DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE PONTAL DO PARANÁ (PR): DADOS PRELIMINARES. TENDÊNCIAS DE TRANSPORTE SEDIMENTAR AO LONGO DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE PONTAL DO PARANÁ (PR): DADOS PRELIMINARES. Larissa Cristina Alves 1 ; Marcelo Renato Lamour 1 ; larialves_oceano@ufpr.br 1 Centro

Leia mais

Questões para Revisão Cap. 3-7ºs anos - prova 2

Questões para Revisão Cap. 3-7ºs anos - prova 2 Questões para Revisão Cap. 3-7ºs anos - prova 2 1. Um pesquisador visitou as cidades de Salvador, Brasília e Manaus para caracterizar o compartimento geomorfológico de cada uma delas. Ao final do trabalho

Leia mais

ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS

ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS Passos, N.O. (UFBA) ; Melo, D.H.C.T.B. (UFBA) RESUMO Apresenta-se os principais resultados obtidos na

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA GEOMORFOLOGIA NA SENSIBILIDADE AMBIENTAL A DERRAMES DE ÓLEO: ESTUDO DE CASO DO RIO ARAQUÁ SP

A INFLUÊNCIA DA GEOMORFOLOGIA NA SENSIBILIDADE AMBIENTAL A DERRAMES DE ÓLEO: ESTUDO DE CASO DO RIO ARAQUÁ SP A INFLUÊNCIA DA GEOMORFOLOGIA NA SENSIBILIDADE AMBIENTAL A DERRAMES DE ÓLEO: ESTUDO DE CASO DO RIO ARAQUÁ SP Daniela Ferreira Ribeiro Cenira Maria Lupinacci Cunha ¹ Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

Morfologia e Sedimentologia da Plataforma Continental Interna entre as Praias Porto de Galinhas e Campos - Litoral Sul de Pernambuco, Brasil

Morfologia e Sedimentologia da Plataforma Continental Interna entre as Praias Porto de Galinhas e Campos - Litoral Sul de Pernambuco, Brasil Pesquisas em Geociências, 3(2): 17-25, 3 ISSN 1518-2398 Instituto de Geociências, UFRGS Porto Alegre, RS - Brasil Morfologia e Sedimentologia da Plataforma Continental Interna entre as Praias Porto de

Leia mais

Diálogo com os alunos Realização e correção da avaliação diagnóstica. As teorias científicas são entidades imutáveis no tempo?

Diálogo com os alunos Realização e correção da avaliação diagnóstica. As teorias científicas são entidades imutáveis no tempo? Apresentação, programa e funcionamento da disciplina Avaliação diagnóstica Diálogo com os alunos Realização e correção da avaliação diagnóstica. Resultados do teste de avaliação diagnóstica 2 1º 1.Génese

Leia mais

Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins

Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins Thiago Morato de Carvalho * Introdução O rio Tocantins é bastante peculiar desde o ponto de vista

Leia mais

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Projeto de Engenharia Ambiental Sensoriamento remoto e Sistema de Informação Geográfica Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Sensoriamento

Leia mais

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território SEMINÁRIO VALOR ECONÔMICO AGRICULTURA COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território Gestão da propriedade e governança do território

Leia mais

BACIA HIDROGRÁFICA URBANIZADA: O CASO DO RIO IMBOAÇU SÃO GONÇALO (REGIÃO METROPOLITANO DO RIO DE JANEIRO)

BACIA HIDROGRÁFICA URBANIZADA: O CASO DO RIO IMBOAÇU SÃO GONÇALO (REGIÃO METROPOLITANO DO RIO DE JANEIRO) BACIA HIDROGRÁFICA URBANIZADA: O CASO DO RIO IMBOAÇU SÃO Martins, V.A. 1 ; Menezes, C.R. 2 ; Salgado, C.M. 3 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Email:viamaralinda@gmail.com; 2 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

Leia mais

7 - EVOLUÇÃO PALEOGEOGRÁFICA

7 - EVOLUÇÃO PALEOGEOGRÁFICA 7 - EVOLUÇÃO PALEOGEOGRÁFICA 7.1 - Material e Métodos Foram utilizadas informações obtidas do Mapa Topográfico do Serviço Geográfico do Exército (SGE) de 1943, de fotointerpretação de fotografias aéreas

Leia mais

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL Carolina Rodrigues Bio Poletto¹ & Getulio Teixeira Batista² UNITAU - Universidade de Taubaté Estrada Municipal

Leia mais

Mapa Geomorfológico Preliminar do Complexo Lagunar Sul Catarinense e Análise Paleoambiental da Lagoa do Imaruí apoiada em Furos de Sondagem

Mapa Geomorfológico Preliminar do Complexo Lagunar Sul Catarinense e Análise Paleoambiental da Lagoa do Imaruí apoiada em Furos de Sondagem Mapa Geomorfológico Preliminar do Complexo Lagunar Sul Catarinense e Análise Paleoambiental da Lagoa do Imaruí apoiada em Furos de Sondagem Mari Angela Machado 1 Lucia Ayala 2 INTRODUÇÃO A Lagoa de Imaruí

Leia mais

Hidrografia e Litoral

Hidrografia e Litoral Conferência Internacional ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL CONCEITOS E DELIMITAÇÃO Auditório da Torre do Tombo, 22 de Novembro de 2013 Hidrografia e Litoral João Silva Natália Cunha Ana Müller Lopes Manuela

Leia mais