Especificações para consultores sobre o Painel de distribuição e centro de controle de motores de baixa tensão IEC Power Xpert CXH TM

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Especificações para consultores sobre o Painel de distribuição e centro de controle de motores de baixa tensão IEC Power Xpert CXH TM"

Transcrição

1 Especificações para consultores sobre o Painel de distribuição e centro de controle de motores de baixa tensão IEC Power Xpert CXH TM

2 Versão 1.0 Junho de 2015

3 ÍNDICE 1. Escopo 2. Condições de operação 3. Códigos e normas 4. Sistema de fornecimento e nível de falha 5. Requisitos e arranjos gerais 6. Requisitos de segurança para operação e manutenção 7. Sistema do barramento principal e da barra segmentada 8. Unidades de entrada 9. Unidades de seção de barramento 10. Unidades de partida de motor 11. Unidades alimentadoras de saída 12. Funcionalidades em rede 13. Fiação e terminais internos 14. Entrada e terminação para cabos 15. Aterramento 16. Etiquetagem 17. Pintura 18. Requisitos de peças sobressalentes e de manutenção 19. Inspeção e testes 20. Descarregamento e armazenamento no local 21. Montagem e comissionamento 1. ESCOPO 1.1. Este documento abrange os requisitos do centro de controle de motores e conjunto de manobra de baixa tensão de uso interno, industrial e de alto desempenho, incluindo barramentos e unidades funcionais como entrada, barramentos, partidas de motores e alimentadores de saída Esta documento deve ser lido antes da colocação do equipamento em funcionamento. 2. CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO 2.1. O equipamento deve instalado para operação em local interno, seguro para uso em um ambiente com grau de poluição 3 (IEC , par ) O grau de proteção do sistema deve ser verificado antes do início da operação 2.2. A temperatura ambiente dentro do local / sala de operação deve ser de 40 C no máximo, com média máxima de 35 C, durante em 24 horas. O limite mínimo de temperatura ambiente do ar é de 5 C A altitude do local de instalação deve ser menor que 2000 metros. Caso a altitude seja maior que 2000 metros, aconselhase verificar possíveis limitações. 3. CÓDIGOS E NORMAS 3.1. O equipamento oferecido deve estar em conformidade com as edições mais recentes: Desta especificação Das regulamentações nacionais aplicáveis Das seguintes normas internacionais = IEC Tensões padronizadas pela norma IEC IEC Norma sobre instrumentos de medição elétrica analógicos e seus acessórios correspondentes Parte 1: Definições e requisitos gerais comuns a todas as peças IEC ranges de corrente padrão IEC Instrumentos Parte 1 : Transformadores de corrente IEC Instrumentos Parte 2 : Transformadores de tensão IEC Método para determinação dos índices de rastreamento comparativo e de prova de materiais de isolamento sólidos em condições de umidade IEC Fusíveis de baixa tensão

4 IEC Graus de proteção oferecidos para invólucros (Código IP) IEC Conjunto de manobra de baixa tensão e conjunto de controle Parte 1: Regras gerais IEC Conjunto de manobra de baixa tensão e conjunto de controle Parte 2: Disjuntores IEC Conjunto de manobra de baixa tensão e conjunto de controle Parte 3: Interruptores, desconectores, chaves seccionadoras e seccionadoras combinadas IEC Conjunto de manobra de baixa tensão e conjunto de controle Parte 41: Contatores e partidas de motores Contatores e partidas de motores eletromecânicos IEC Conjunto de manobra de baixa tensão e conjuntos de controle, Parte 1: Regras gerais IEC Conjunto de manobra de baixa tensão e conjuntos de controle, Parte 2: Conjunto de manobra de baixa tensão de uso geral IEC TR Conjunto de manobra de baixa tensão e conjuntos de controle. Relatório técnico para teste sob condições de formação de arcos devido a falhas internas. 4. SISTEMA E NÍVEL DE CURTOCIRCUITO 4.1. As características do sistema devem ser definidas de acordo com a solicitação A corrente de curtocircuito esperada (rms e valor de pico) nos terminais de entrada do conjunto de manobra deve ser definida de acordo com a solicitação O fornecedor do conjunto de manobra deve enviar, no estágio de cotação, um relatório de teste (verificação de projeto de acordo com o ) elaborado por laboratório independente e que comprove a capacidade de suportar a corrente de curtocircuito esperada, no nível de tensão necessário, conforme especificado na solicitação Para determinar o nível de suportabilidade a falha das unidades funcionais, isto é, fiação e componentes, o efeito de limitação da corrente de dispositivos de proteção deve ser considerado quando eles estiverem montados na configuração final dentro do painel. 5. REQUISITOS E ARRANJOS GERAIS 5.1. CONSTRUÇÃO O conjunto de manobra deve ter projeto modular, com parte frontal alinhada, montagem no piso e suportes próprios. O sistema completo deve ser projetado de maneira que permita acesso frontal e/ou traseiro, dependendo da solicitação O conjunto de manobra deve estar em conformidade com a forma 3b ou"4b", de acordo com a IEC , apêndice AA A altura máxima não deve exceder 2300 mm, excluindo uma possível estrutura de suporte separada e/ou coifa de ventilação, possíveis conexões de dutos para cabos e barramentos na parte superior, ou montagem em pisos elevados A construção geral deve ser suficientemente rígida para suportar o peso de aproximadamente 100 kg sobre a parte superior sem distorção prejudicial Olhais de içamento devem estar disponíveis para cada seção de forma separada O grau de proteção do painel deve ser no mínimo IP42 de acordo com a IEC O projeto do painel de distribuição deve permitir a montagem de colunas para extensão em qualquer das extremidades sem desconectar a alimentação deste até que seja preciso conectar os barramentos de união e sem a necessidade de ferramentas especiais para corte da estrutura metálica ou de perfurar barramentos O conjunto de manobra/ccm deve ser projetado para um fator de diversidade de 0,8 (80%) para seções verticais com duas ou mais unidades funcionais. O fornecedor do conjunto de manobra/ccm deve enviar, durante o estágio de cotação, relatórios de teste que comprovem esses fatores, levando em consideração os limites de elevação de temperatura de acordo com as normas IEC.

5 Todas as gavetas extraíveis devem ser projetadas de maneira que não seja necessário desconectar nenhum cabo principal ou auxiliar Todas as dimensões da estrutura devem estar de acordo com a norma DIN UNIDADES FUNCIONAIS Disjuntores das unidades de entrada e de saída devem ser do tipo extraível Partidas de motores de até 132 kw e alimentadores de saída de até 630 A devem ser do tipo totalmente extraível. Todas as unidades com valores nominais maiores devem ser do tipo montagem fixa Partidas de motores de até 18,5 kw, e/ou alimentadores de até 63 A, devem ser fornecidos com a capacidade de serem fornecidos em gavetas com metade da largura do compartimento destinado às gavetas, para oferecer dimensões reduzidas Todas as gavetas extraíveis devem ter um mecanismo inserção/remoção com a porta fechada, que ofereça segurança e praticidade na montagem e desmontagem da unidade mantendo a porta da unidade fechada, além de manter a classificação de IP em cada unidade, respectivamente O sistema deve permitir e indicar 3 posições : Conectado, Em teste e Desconectado As gavetas extraíveis devem ser testadas para no mínimo de 1000 operações mecânicas Todas as gavetas extraíveis (chassi) devem ter conexões contínuas com o sistema de aterramento enquanto estiverem inseridas nos compartimentos do painel, e em todas as posições funcionais: Conectado, Em teste e Desconectado O mecanismo para inserção de cada unidade funcional deve possuir uma indicação nítida de posição mecânica para cada posição funcional: Conectado, Em teste e Desconectado. Isso garantirá que o usuário saiba nitidamente a posição da unidade e evitará que ele aplique torque excessivo no mecanismo para inserção da unidade Gavetas extraíveis devem possuir conectores "livres de arcos" nos barramentos verticais O mecanismo para inserção das gavetas extraíveis deve ser operado com facilidade por meio de um manípulo fornecida pelo fabricante do painel COMPARTIMENTOS RESERVA (SOBRESSALENTES) ou VAZIOS Compartimentos "reserva/sobressalentes", ou "vazios", devem estar totalmente equipados para fácil inserção e funcionamento de unidades dimensionadas adequadamente, no futuro, conforme necessidade Compartimentos "reserva/sobressalentes devem ser adequados para serem equipados/atualizados no futuro sem a necessidade de desligar a alimentação ou parte dela COMPONENTES Disjuntores (Caixa Aberta) devem ter um mecanismo de abertura e fechamento com energia armazenada(de mola ou dispositivo similar que não necessite de alimentação elétrica para o funcionamento). Eles devem ser classificados de acordo com a categoria B da IEC Disjuntores devem ter uma indicação mecânica LIGADO/DESLIGADO na parte frontal, bem como uma indicação mecânica de estado carregado/descarregado relacionado ao mecanismo de armazenamento de energia Contatores devem ter a capacidade de se fazer/interromper a conexão de acordo com a IEC 60947, como AC21 para alimentadores de entrada e saída, e AC23 para dispositivos de partida de motor. As indicações LIGADO/DESLIGADO devem estar nitidamente exibidas na parte frontal por meio de alavanca ou indicador mecânico Transformadores de corrente devem ser do tipo fechado em epóxi e fornecidos com uma conexão removível de curtocircuito. A precisão deve ser de 1M5 (alimentadores de

6 entrada e de saída), 3M5 (partidas de motores) para medição e 5P10 para fins de proteção. O lado secundário deve ser de 5 A para alimentadores de entrada e de saída e 1 A para partidas de motores Dispositivos de medição devem ser montados rentes e devem ter um compartimento com grau de proteção IP42 no mínimo. Os medidores para unidades de entrada devem ser de 96 x 96 mm, e para alimentadores de saída e partidas de motores devem ser de 48 x 48 mm. O número e tipo dos medidores necessários devem ser especificados A classe de desarme da proteção contra sobrecarga do motor no disjuntor deve ser eletrônica e ajustável, a classe de desarme 10, no mínimo, de acordo com a IEC ARRANJOS A menos que especificado de outra maneira, o fabricante tem liberdade para arranjar os itens da melhor forma projetada As unidades funcionais (extraíveis) devem ser classificadas de maneira que possam ser colocadas em qualquer altura, em cada seção É preferível que dispositivos de partida grandes (fixos) sejam montados nas partes mais baixas de seus respectivos painéis Cada conjunto de manobra/ccm deve incluir (caso exibido nos documentos de solicitação): 10% de espaço sobressalente das unidades alimentadoras de saída instaladas, com um mínimo de um espaço para cada tamanho de compartimento instalado. 10% de espaço sobressalente das unidades de partida de motores instaladas, com um mínimo de um espaço para cada tamanho de compartimento instalado. 6. REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO 6.1. RESISTÊNCIA DO ARCO INTERNO O painel de distribuição/ccm deve ser projetado de maneira que o aparecimento de arcos internos, durante condições normais de operação, seja evitado por meio de áreas "livres" ou "à prova de arcos", dentro do painel de distribuição/ccm. O conceito de "áreas livres" ou "à prova de arcos" deve estar em total conformidade com a IEC TR As unidades funcionais devem ser projetadas de maneira que um possível arco interno seja mantido restrito ao compartimento da unidade afetada, sem causar danos a nenhum compartimento adjacente e sem oferecer perigo a pessoas nas proximidades do painel O barramento principal do sistema deve ser posicionado na parte superior de cada coluna e deve ser completamente isolado, incluindo conexões e suportes do barramento, juntas de cobre e parafusos O barramento vertical (secundário) das seções e gavetas extraíveis deve estar completamente separado e isolado Durante o procedimento instalação das gavetas, uma área "livre de arcos" deve ser criada com os recursos físicos, isolando e separando todas as conexões de energia da gaveta extraível antes do contato elétrico com a barra secundária O conjunto de manobra deve ser certificado e apresentar documentos que possam confirmar a avaliação bemsucedida dos critérios de 1 a 7 da IEC TR O fornecedor do painel deve enviar, durante o estágio de cotação, um relatório de teste feito por um laboratório independente comprovando a conformidade com a IEC TR 61641, atendendo integralmente aos critérios COMPARTIMENTAÇÃO INTERNA A separação entre o compartimento do barramento principal horizontal e qualquer outro compartimento deve ser IP2X, no mínimo.

7 A separação entre quaisquer unidades funcionais em relação a outras unidades funcionais deve ser IP2X, no mínimo Separadores horizontais devem ser projetados de maneira a impedir a queda de peças metálicas (por exemplo: porcas, parafusos) de um compartimento para outro ACESSIBILIDADE Um mecanismo de intertravamento mecânico deve ser fornecido entre todos os compartimentos das unidades funcionais, impedindo que a tampa ou porta seja aberta a não ser que o dispositivo de proteção esteja na posição "desligado" Estando com qualquer porta aberta ou com uma unidade removida, não deve ser mantido o grau de proteção IP2X e não se deve ser possível tocar nas partes energizadas conforme IEC O uso de cobertura é obrigatório para a execução do item As aberturas de ventilação não devem ser utilizadas para obter a classificação IP2X INTERTRAVAMENTOS MECÂNICOS As alavancas de operação do mecanismo de todos os disjuntores em caixa aberta, interruptores e interruptores com fusíveis devem permitir o travamento por cadeado apenas na posição "desligado" Nas gavetas extraíveis, uma função de intertravamento mecânico e um conceito de segurança devem ser utilizados para: Evitar as funções de inserção e extração enquanto a alavanca do dispositivo de comutação estiver na posição ligado. A porta da unidade funcional não abrirá enquanto a alavanca do dispositivo de comutação (como um disjuntor em caixa moldada) estiver na posição LIGADO. Não deve haver meios de burlar este recurso de segurança. Intertravar a porta com a posição "desconectado". As funções de extração/teste não devem ser possíveis enquanto a porta da unidade funcional estiver aberta, independentemente da posição da alavanca. Isso manterá sua operação correta durante a vida útil do conjunto (25 anos, no mínimo) Fornecer uma indicação visual de que o sistema de intertravamento está ativado. Não ser possível o fechamento da porta da unidade funcional (ou do dispositivo de comutação) com a unidade na posição parcialmente extraída. As unidades funcionais devem ser totalmente extraíveis e as diferentes posições (conectado, em teste, isolado e removido) devem ser alcançadas de acordo com a tabela 103 da IEC O grau de proteção durante as posições de teste e isolamento deve ser IP4X, no mínimo Nos alimentadores de entrada do conjunto de manobra/ccm, acoplados por meio de colunas de acoplamento de barras, intertravamentos com chave do tipo "Ronis" devem ser usados, oferecendo operações de transferência manuais seguras e fechando os disjuntores corretos. Como opcional, podem ser necessários esquemas de transferência automática, detalhados na folha de dados do projeto. 7. SISTEMA DO BARRAMENTO PRINCIPAL E SECUNDÁRIO 7.1. Todas as peças que conduzam corrente devem ser feitas de cobre laminado a frio e de alta condutividade Barramentos principais, incluindo o neutro e o terra, devem estar contidos no compartimento de barramento do conjunto de manobra na parte superior de cada coluna O barramento principal do sistema deve estar completamente isolado, incluindo suas conexões e suportes de barramento, juntas de cobre e parafusos.

8 7.4. O barramento vertical (secundário) das seções de gavetas extraíveis deve estar completamente separado e isolado Ao usar as unidades funcionais compactas de metade da largura para partidas de motores até 18,5 kw e/ou alimentadores de até 63 A, o barramento segmentado no respectivo painel deve ser duplo, com classificação máxima de 2000 A nesta configuração Barramentos principais e secundários devem ser dimensionados para atenderem ou excederem os níveis de falha especificados Barramentos devem ser especificados para a capacidade de condução de corrente conforme especificado. Barramentos de neutro devem ser dimensionados em 100% da corrente nominal e dimensão dos barramentos de fase Juntas do barramento e saídas em T devem estar fixadas com presilhas. Para todas as conexões elétricas principais, o torque correto deve ser aplicado nos parafusos de fixação. O fornecedor do conjunto de manobra deve indicar os torques aplicáveis no manual de manutenção Barramentos principais devem ser prontamente adequados para permitir ampliações futuras em ambas às extremidades do conjunto Barramentos principais devem ser da mesma de corrente nominal e dimensões em todo o seu comprimento. Não é permitido reduzir as dimensões do barramento O sistema do barramento vertical (secundário) deve ser praticamente "livre de manutenções", e suas conexões podem ser facilmente reparadas, se necessário, com acesso frontal, sem a necessidade de acessar o painel por trás. O tipo de conexão entre as gavetas extraíveis e o barramento secundário deve ser do tipo "conexão tesoura". 8. UNIDADES DE ENTRADA 8.1. Unidades de entrada devem ser fornecidas com um disjuntor em caixa aberta independente e com possibilidade de ser operado manualmente, conforme especificado. Caso especificado no relatório, um disjuntor em caixa aberta operado eletricamente pode ser solicitado. Dependendo dos valores nominais, por exemplo, caso seja menor que 800 A / 40 ka, a unidade de entrada também pode ser uma seção com um disjuntor em caixa moldada independente Disjuntores em caixa aberta devem ser do tipo extraível. Eles devem ter uma proteção contra curtoscircuitos e proteção contra sobrecorrente com retardo de tempo do tipo eletrônico. O tempo de seletividade entre os disjuntores deve ser definido com um sistema de definições de zonas de intertravamento seletivo ZSI conforme descrito na IEC Conjunto de manobra de baixa tensão e conjunto de controle. O sistema ZSI não deve exigir nenhuma fonte auxiliar de energia para que funcione, e pode ser aplicado para falhas entre fases, terra ou ambas. 8.3 Cada unidade de entrada deve ser montada em um compartimento separado, não devendo ser montada no mesmo painel das unidades alimentadoras de saída/de partida. 8.4 Cada unidade de entrada deve vir com um compartimento de medição separado. O tipo e número de medidores necessários devem ser especificados na solicitação. 9. UNIDADES DE BARRAMENTO 9.1. Unidades de barramento devem vir com interruptores com fusível independentes e operados manualmente ou interruptores de desconexão, conforme especificado Cada unidade de barramento deve ser alojado em um compartimento separado. 10. UNIDADES DE PARTIDA DE MOTOR A configuração padrão da partida de motores é: Partida Direta (contator + MCCB) + relé inteligente + TC s e medidor, com todos os componentes montados em uma gaveta extraível, até 132 kw.

9 10.2. A coordenação da partida de motores deve ser tipo "2" de acordo com a IEC Cada unidade de partida de motores deve ser fornecida com um disjuntor independente operado manualmente, operável a partir da parte frontal e capaz de interromper a corrente do motor que essa unidade tem permissão para alimentar Transformadores de corrente para amperímetros remotos devem ser fornecidas, caso especificado. Caso amperímetros locais sejam especificados, eles devem ter uma escala de sobrecarga (6 vezes o FLC) A tensão de controle deve ser de até 230 V AC, de acordo com o relatório técnico, e derivar de um barramento auxiliar localizado no compartimento de cabos. O barramento auxiliar deve ser IP2X, no mínimo Uma luz indicativa piloto vermelha relativa à operação em marcha e uma luz verde indicando "parada" devem ser fornecidas na parte frontal de cada unidade. Luzes indicativas piloto adicionais de 2 velocidades e de dispositivos de partida com reversão devem ser fornecidas, conforme especificado Não é permitido o uso de resistores A menos que especificado de outra maneira, todas as unidades de partida de motor devem ser do tipo "direta" para uso com motores de indução trifásicos Contatores de reversão e de 2 velocidades devem ser intertravados eletricamente para evitar que os contatores fechem ao mesmo tempo Dispositivos de partida do mesmo tipo e tamanho devem ser completamente intercambiáveis. 11. UNIDADES ALIMENTADORAS DE SAÍDA Unidades alimentadoras de saída devem ser disjuntores, dos tipos em caixa aberta ou caixa moldada, dependendo das correntes nominais. Para correntes > 800 A, os tipos em caixa aberta devem ser usados. Para correntes <= 800 A, os tipos em caixa moldada podem ser usados. Instrumentos de medição devem ser fornecidos, conforme especificado A configuração padrão do alimentador devem ser: do tipo em caixa moldada + TC s e medidor, todos montados em uma unidade extraível, de até 630 A. TC s não devem ser montados nos compartimentos de conexão de cabos de saída. 12. FUNCIONALIDADES EM REDE 12.1 Redes internas contendo descidas de cabos de rede para todas as cargas instaladas e sobressalentes, conforme definido nos documentos aprovados por requisição do cliente Componentes de rede devem ser préinstalados ( repetidores Profibus, fontes de alimentação etc.) em cada seção vertical, conforme solicitado Sistema de cabeamento de rede conectados internamente e fornecidos como um cabo de ponto de acesso único deve estar disponível para a conexão de rede externa principal O sistema de rede deve atender ou exceder os requisitos de temperatura operacional do CCM Todos os itens interligados à rede devem ser fornecidos com os cartões de comunicação de rede adequados para uso na rede instalada, conforme especificado e aprovado Os itens interligados à rede serão fornecidos nas configurações padrão, usadas em testes de fábrica, ou conforme aprovado Diagramas de ligação devem exibir todas as conexões de rede 12.8 O desenho da configuração de rede será fornecido exibindo a localização e o cabeamento de todos os componentes da rede, incluindo repetidores e fontes de alimentação As informações do mapeamento de rede serão fornecidas para todos os dispositivos instalados Os repetidores serão fornecidos préconfigurados, conforme testes, com toda a documentação.

10 12.11 O sistema de rede será fornecido de maneira que todos os componentes sejam adequados para uso na velocidade/taxa de transmissão designada (por exemplo, 125 K) Conforme solicitado, determinados protocolos de rede podem ser suportados através do uso de um gateway de comunicação que será préinstalado e configurado Todos os dispositivos que precisem de um endereço de identificação de rede exclusivo ou de tag para seu protocolo de comunicação associado, como endereço de IP ou outro tipo de endereço, devem ter esses identificadores prédefinidos na fábrica e serão registrados na documentação do projeto Cabos Profibus devem ser adequados e aprovados para Profibus DP. Cabos que tenham uma classificação ACM de 600 V em 75 graus C (ou equivalente). 13. FIAÇÃO E TERMINAIS INTERNOS Toda a fiação interna deve ser dimensionados no tamanho adequado de acordo com os padrões aplicáveis e/ou instruções do fabricante para os componentes usados, com um mínimo de 1,5 mm². O cabeamento secundário de transformadores de corrente devem ser de no mínimo 2,5 mm², e com flexibilidade classe V (mínimo) ou VI (preferível) O cabeamento auxiliar será identificado com marcações letras/números pretos no isolamento ou por meio de marcadores de código encaixáveis brancos com letras/números pretos. A marcação deve estar de acordo com os diagramas de cabeamento relacionados Não mais que um cabo deve ser conectado a cada terminal, a menos que o terminal esteja preparado para conexão de mais de um condutor. Onde conexões comuns forem necessárias, réguas de ligação com terminais devem ser utilizadas Todo o cabeamento interno deve estar conectado ao mesmo lado do bloco de terminais; o outro lado deve ser apenas usado para cabos de campo ou externos Recomendase preferencialmente o uso de terminais de cabos principais que permitam que os condutores sejam conectados sem o uso de extensores de qualquer tipo. Eles devem garantir a pressão de contato adequada sem danificar os condutores do cabo Terminais para cabos principais e auxiliares devem ser do tipo autofixante Terminais devem ser identificados de acordo com o diagrama elétrico relacionado Deve ser possível executar qualquer trabalho com segurança no cabeamento principal e auxiliar de uma unidade desenergizada com todas as outras unidades permanecendo energizadas. 14. ENTRADA E TERMINAÇÃO PARA CABOS Para entradas, deve ser especificado caso cabos ou dutos de barramento forem utilizados. A direção dos dutos de barramento deve ser conforme especificado. Todos os cabos de saída devem estar conforme especificado O conjunto de manobra deve oferecer os recursos para a entrada de cabos vindos da parte superior ou inferior dos alimentadores de entrada e/ou superior ou inferior para unidades de saída através do compartimento para cabos As seções verticais com duas ou mais unidades funcionais devem ser dotadas de um compartimento de cabos vertical separado para suportar a altura total do equipamento. A largura desse compartimento deve ser de no mínimo 400 mm. Suportes para a fixação dos cabos devem ser fornecidos nesse compartimento A menos que especificado de outra maneira, devem ser fornecidas as presilhas, braçadeiras e olhais de cabos necessários Deve ser possível desconectar um cabo em qualquer unidade de saída com total segurança enquanto todas as outras unidades permanecem energizadas As portas de acesso aos cabos devem estar equipadas com um sistema de travamento de três pontos. 15. ATERRAMENTO

11 15.1. O conjunto de manobra deve ser dotado de uma barra de terra principal e contínua em todo o comprimento do conjunto, localizada no compartimento de barramento. O tamanho mínimo deve ser de 40 x 10 mm Uma barra de terra principal deve ser fornecida em cada seção vertical, por toda a altura do equipamento. O tamanho mínimo deve ser de 30 x 10 mm. Deve oferecer recursos para a conexão de um condutores de terra para cada cabo especificado As barras de terra devem ser feitas de cobre e ter as dimensões corretas para resistir ao nível de corrente de curto circuito e ao tempo de eliminação da falha no caso de um evento deste tipo venha a ocorrer no sistema Os gabinetes do conjunto de manobra devem estar conectados a essas barras de terra, incluindo as seções verticais individuais, todos os equipamentos fixos e do tipo extraível durante a posição de serviço e todos os revestimentos metálicos de cabos. Quando a continuidade do terra de peças extraíveis for feita por meio de superfícies de apoio metálicas, o fornecedor do conjunto de manobra/ccm deve fornecer certificados de teste, indicando a conformidade dos requisitos de condutividade e as precauções necessárias para garantir uma boa condutividade permanente Portas montadas com equipamentos que conduzem tensão devem ser aterradas por meio de condutores de cobre flexíveis de tamanho adequado Ao montar as unidades funcionais para operação, a primeira conexão elétrica a ser feita deve ser a conexão do terra. Ao retirar de serviço uma unidade funcional, a última conexão elétrica a ser desfeita deve ser a conexão do terra. 16. ETIQUETAGEM As etiquetas devem ser de material inerte ou similar, com letras pretas sobre um fundo branco. Devem ser fixadas no conjunto de manobra por meio de parafusos autoatarraxantes ou rebites comprovadamente duráveis, ou por meio de inserção em uma fenda de montagem apropriada Deve ser fornecida uma etiqueta por compartimento, indicando o número do compartimento (A, B, C etc.) e o equipamento conectado e/ou número do equipamento. O tamanho mínimo da etiqueta deve ser de 63 x 21,7 mm. A altura das letras deve ser de no mínimo 4 mm Cada gaveta extraível deve conter o mesmo equipamento conforme indicado na porta frontal Aberturas de segurança para os disjuntores em caixa aberta devem estar corretamente identificadas com letras brancas de 25 mm de altura sobre um fundo vermelho, desta maneira: Aberturas de acesso aos barramento devem ser indicadas como "BARRAMENTO" Abertura de acesso aos circuitos de entrada indicadas como "ALIMENTAÇÃO DE ENTRADA" Coberturas de segurança removíveis devem estar indicadas com etiquetas de advertência "PERIGO". 17. PINTURA O método padrão de pintura é: prétratamento (fosco, revestido de fosfato, resistente ao fogo) revestimento com pó (pó térmico com base em resina de epóxi, eletrostaticamente aplicado em uma camada média de micrômetros) A cor de todas as laterais externas (superior, placas superiores, tampas dos compartimentos e laterais externas) deve ser RAL Perfis, suportes de apoio, placas de montagem, separações, partições etc. dentro do gabinete devem ser de chapa de aço galvanizado. 18. REQUISITOS DE PEÇAS SOBRESSALENTES E DE MANUTENÇÃO O fabricante deve enviar uma lista de peças sobressalentes recomendadas.

12 18.2. O fabricante deve definir e cotar, separadamente, todas as ferramentas especiais e equipamentos necessários para a manutenção e testes adequados no local de instalação O fabricante deve enviar juntamente com o conjunto de manobra, um manual de montagem, operação e manutenção. 19. INSPEÇÃO E TESTES O comprador especificará se um teste de aceitação, acompanhado por ele ou seu representante, será necessário para cada conjunto de manobra Testes de aceitação da fábrica devem ser feitos em um conjunto de manobra totalmente montado, desta maneira: inspeção visual para verificar se a composição do conjunto está de acordo com os documentos de compra aprovados Medição da resistência do isolamento Teste de alta tensão de acordo com a IEC 61439, item 11.9 Verificação do conjunto de manobra operado eletricamente Teste funcional dos intertravamentos mecânicos Verificação das intercambialidade dos componentes e unidades extraíveis iguais Registros completos das inspeções e testes acima devem ser compilados em um único documento de inspeção pelo fabricante. Uma cópia deve ser enviada ao comprador O comprador pode, a seu critério, solicitar requisitos especiais de teste. Neste caso, os requisitos especiais devem ser emitidos ao fabricante para que qualquer custo ou taxa adicional seja identificado e cotado conforme necessário, e deverão ser custeados pelo comprador ou negociados previamente com o fabricante. 20. DESCARREGAMENTO E ARMAZENAMENTO NO LOCAL O equipamento não deve sair do local do fabricante até que uma data de chegada seja definida com o comprador. Isso serve para garantir que os preparativos necessários sejam feitos para o recebimento e descarregamento. O comprador também pode abrir mão desse direito, uma vez que o fabricante seja formalmente informado disso O fabricante deve indicar em sua cotação se as instalações para descarregamento serão preparadas pelo comprador O fabricante deve indicar em sua cotação as condições mínimas de armazenamento temporário no local. 21. MONTAGEM E COMISSIONAMENTO O termo "montagem" deve ser interpretado como a "fixação e nivelamento em fundações preparadas e o aparafusamento de seções, barramentos e outros itens soltos, formando uma unidade completa" O comprador especificará se a montagem, supervisão da montagem ou a não montagem serão necessários por parte do fabricante O comprador especificará se o comissionamento é necessário por parte do fabricante.

13 EXEMPLO DE ESPECIFICAÇÃO DE UM CONJUNTO DE BAIXA TENSÃO CCM: [Espec. padrão] ; [Espec. opcional] ; [2º espec. opcional] NORMAS E REGULAMENTAÇÕES: IEC / IEC 61439/2 / IEC TR Conjunto de manobra LV e Centro de controle do motor Especificação padrão AMBIENTE DE INSTALAÇÃO: Local: Interno Altitude: <= 2000 m Temperatura ambiente (média em 24 h) : 35 graus Celsius Grau de poluição: 3 Grau de proteção: IP42 DETALHES DE ALIMENTAÇÃO: Sistema de aterramento: [TNS] ; [TNCS] Conexão externa: L1, L2, L3, N, PE Tensão nominal (Un) : [415 V] ; [440 V] ; [480 V] Frequência nominal (fn): [50 Hz] ; [60 Hz] Corrente de curtocircuito de curta duração (Icw): [50 ka] ; [65 ka] ; [80 ka] MONTAGEM: Cabos de entrada: Inferior Cabos de saída: Inferior Tipo de acesso: [Frontal] ; [Traseiro] Altura máx.: 2300 mm Forma de compartimentação interna: [3B] ; [4B] SISTEMA DE BARRAMENTO PRINCIPAL (HORIZONTAL): Posição: Superior Corrente nominal (In) : [1600 A] ; [2500 A] ; [3200 A] Corrente de curtocircuito de curta duração (Icw): 50 ka / 1 s Corrente de pico máxima (Ipk) : 110 ka Número de barramentos: L1, L2, L3, N, PE Classificação do neutro: N = 100% SISTEMA DE BARRAMENTO SECUNDÁRIO (VERTICAL): Corrente nominal (In) : 800 A Corrente de curtocircuito de curta duração (Icw): 50 ka / 1 s Isolamento: fase a fase, fase a neutro e fases/neutro ao terra isolado Número de barramentos: L1, L2, L3, N Classificação do neutro: N = 100% ALIMENTADORES DE ENTRADA E ACOPLADORES DE BARRAMENTO Disjuntores em caixa aberta, tipo Eaton NRX, 3 ou 4 polos 1600 A, 50 ka Tipo de montagem extraível Acionamento manual por Botões de pressão mecânico com as funções LIGAR e DESLIGAR

14 Recurso de travamento com cadeado do botão de LIGAR Unidade de disparo, tipo Eaton Digitrip 520LSI Interruptor auxiliar local/remoto Interruptor auxiliar abrir/fechar Lâmpadas de sinalização abrir/fechar/desarme UNIDADES DE PARTIDA DE MOTOR DE SAÍDA (DOL) 15 kw Dispositivo de proteção do circuito do motor, tipo Eaton série G Contator, tipo Eaton DILM Relé de Sobrecarga eletrônica, tipo Eaton série C400 Instalação extraível, com sistema de inserção e extração com porta fechada. Dispositivo de proteção e manobra intertravado com a porta de maneira que a porta somente possa ser aberta com o dispositivo na posição DESLIGADO. Todas as gavetas extraíveis devem ter um mecanismo inserção/extração com a porta fechada, que ofereça segurança e praticidade na montagem e desmontagem da unidade mantendo a porta da unidade fechada, além de manter a classificação de IP em cada unidade, respectivamente. A porta deve estar intertravada com a posição "desconectado". As funções inserção devem ser possível enquanto a porta estiver aberta, independentemente da posição da alavanca. O grau de proteção na posição de teste e desconectado deve ser de no mínimo IP42. Deve possibilitar o travamento por cadeado nas posições adequadas. Deve possuir indicadores luminosos de sinalização (ligado/desligado), tipo Eaton série M22. UNIDADES DE PARTIDA DE MOTOR DE SAÍDA (PARTIDA DIRETA) 15 kw Disjuntor de proteção do motor, tipo Eaton série NZM Contator, tipo Eaton DILM Relé de sobrecarga eletrônico, tipo Eaton série C400 Montagem extraível de até 132 kw Dispositivo de proteção e manobra intertravado com a porta de maneira que a porta somente possa ser aberta com o dispositivo na posição DESLIGADO. Todas as gavetas extraíveis devem ter um mecanismo inserção/extração com a porta fechada, que ofereça segurança e praticidade na montagem e desmontagem da unidade mantendo a porta da unidade fechada, além de manter a classificação de IP em cada unidade, respectivamente. A porta deve estar intertravada com a posição "desconectado". As funções inserção devem ser possíveis enquanto a porta estiver aberta, independentemente da posição da alavanca. O grau de proteção na posição de teste e desconectado deve ser de no mínimo IP42. Deve possibilitar o travamento por cadeado nas posições adequadas. Deve possuir indicadores luminosos de sinalização (ligado/desligado), tipo Eaton série M22. Proteção auxiliar por disjuntor miniatura, tipo Eaton PLSMC2 1 TC para medição de corrente (para partidas de motores 4 kw) Amperímetro DIN48 na face frontal do compartimento 1 TC, tipo Eaton ELRCT e dispositivo de proteção, tipo Eaton ELR1ADJ para proteção de fuga de terra (para partidas de motores 30 kw) UNIDADES ALIMENTADORAS DE SAÍDA () 630 A Disjuntores em caixa moldada, tipo Eaton NZM Montagem extraível Disjuntor em caixa moldada intertravado com a porta que somente pode ser aberta com o interruptor na posição DESLIGADO.

15 Todas as gavetas extraíveis devem ter um mecanismo inserção/extração com a porta fechada, que ofereça segurança e praticidade na montagem e desmontagem da unidade mantendo a porta da unidade fechada, além de manter a classificação de IP em cada unidade, respectivamente. A porta deve estar intertravada com a posição "desconectado". As funções inserção devem ser possível enquanto a porta estiver aberta, independentemente da posição da alavanca. O grau de proteção na posição de teste e desconectado deve ser de no mínimo IP42Deve possibilitar o travamento por cadeado nas posições adequadas.

Características Técnicas Série Quasar

Características Técnicas Série Quasar Descrição do Produto A Série Quasar é uma linha de painéis tipo CCMi (centro de controle de motores inteligente) para baixa tensão e correntes até 3150 A, ensaiados conforme a norma NBR/IEC 60439-1 - TTA

Leia mais

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono.

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Definição ( montado): é uma combinação de dispositivos e equipamentos de manobra,

Leia mais

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br Série Quasar Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente www.altus.com.br Na medida exata para seu negócio Modular: ampla variedade de configurações para

Leia mais

LINHA Bt200. Conjunto de Manobra e Controle de Baixa Tensão. Bt200

LINHA Bt200. Conjunto de Manobra e Controle de Baixa Tensão. Bt200 LINHA LINHA CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS Dimensões Altura: 2400mm., Largura: 600/700/800mm., Profundidade: 600/800mm. Outras configurações conforme consulta; Estrutura fabricada em chapa de 2,65mm. (12MSG),

Leia mais

VERIFICAÇÃO FINAL DOCUMENTAÇÃO

VERIFICAÇÃO FINAL DOCUMENTAÇÃO VERIFICAÇÃO FINAL DOCUMENTAÇÃO Inspeção visual e documentação............................................................284 Ensaios de campo em instalações...........................................................285

Leia mais

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides 1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides CONTROLE DE FLUSHING AUTOMÁTICO LCF 12 Modo Periódico e Horário www.lubing.com.br (19) 3583-6929 DESCALVADO SP 1. Instalação O equipamento deve

Leia mais

SUPLEMENTO Nº 03. 1. Com referência ao Pregão Eletrônico PE.GCM.A.00175.2013, informamos que este Suplemento visa alterar:

SUPLEMENTO Nº 03. 1. Com referência ao Pregão Eletrônico PE.GCM.A.00175.2013, informamos que este Suplemento visa alterar: PE.GCM.A.0075.203 /6 SUPLEMENTO Nº 03. Com referência ao Pregão Eletrônico PE.GCM.A.0075.203, informamos que este Suplemento visa alterar:.. Edital, Seção V, Anexo II, Formulário 02 Acessórios e Ferramentas

Leia mais

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada Notas: Critérios Construtivos do Padrão de Entrada A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada. O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

Usina de Inovações Brasil Novembro 2008 SIPLUX E SIVACON S4

Usina de Inovações Brasil Novembro 2008 SIPLUX E SIVACON S4 Usina de Inovações Brasil Novembro 2008 SIPLUX E SIVACON S4 Painéis de distribuição e Centro de Controle de Motores para todas as aplicações em Baixa Tensão. O que se espera de um painel de Baixa tensão?

Leia mais

Instruções de Operação. Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000

Instruções de Operação. Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000 Instruções de Operação Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000 Conteúdo Instruções de segurança... pág. 03 Função e características... pág. 04 Montagem... pág. 04 Conexão elétrica... pág. 05

Leia mais

CCM Gaveta Extraível KitSieltt

CCM Gaveta Extraível KitSieltt CCM Gaveta Extraível KitSieltt Similares existem muitos. Igual não tem nenhum. Nem aqui, nem lá fora. Quem conhece, logo constata. Tecnologias exclusivas GDDS Gear Driven Drawer System DCOS Door-Coupling

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

Capacitores Correção do Fator de Potência. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

Capacitores Correção do Fator de Potência. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Capacitores Correção do Fator de Potência Motores Automação Eneria Transmissão & Distribuição Tintas www.we.net Sumário Tecnoloia dos Capacitores...4 Linha de Produtos...5 UCW - Unidade Capacitiva Monofásica...6

Leia mais

Manual de instruções. Botões de comando Série 44

Manual de instruções. Botões de comando Série 44 Manual de instruções Botões de comando Série 44 1- Introdução A série 44 caracteriza-se pelo seu sistema modular de pelo seu sistema modular de elementos de contatos e, pela numerosa possibilidade de configuração

Leia mais

MVB06G Sensor de Vibração de 3 eixos, com Relés de Estado Sólido

MVB06G Sensor de Vibração de 3 eixos, com Relés de Estado Sólido MVB06G Sensor de Vibração de 3 eixos, com Relés de Estado Sólido 1) DESCRIÇÃO O MVB06G é um Sensor de Vibração desenvolvido com Tecnologia Micromachine (MEM s), apresentando alta precisão e confiabilidade.

Leia mais

Características & Interligação. Módulo APGV. Módulo Ponte Graetz com Ventilação Forçada. Revisão 00 de 13/05/10

Características & Interligação. Módulo APGV. Módulo Ponte Graetz com Ventilação Forçada. Revisão 00 de 13/05/10 Características & Interligação Módulo APGV Módulo Ponte Graetz com Ventilação Forçada Revisão 00 de 13/05/10 Direitos Reservados à Todas as informações contidas neste manual são de uso exclusivo da Equipamentos

Leia mais

Centros de controle de motores CENTERLINE 2500 de baixa tensão

Centros de controle de motores CENTERLINE 2500 de baixa tensão Centros de controle de motores CENTERLINE 2500 de baixa tensão Projetados para inteligência, segurança e confiabilidade Centros de controle de motores e distribuição de cargas de alto desempenho que atendem

Leia mais

Manual do instalador Box Output AC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output AC.

Manual do instalador Box Output AC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output AC. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para acionamento de cargas em corrente alternada 110/220V. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. 6 entradas digitais para acionamento local ou remoto. 6 entradas/saídas

Leia mais

Disjuntor a Vácuo uso Interno

Disjuntor a Vácuo uso Interno Disjuntor a Vácuo uso Interno D27 - U 1 Sumário 1. Aplicação... 3 2. Condições Normais de Serviço... 4 3. Principais Parâmetros Técnicos... 4 4. Estrutura e Operação do Disjuntor... 5 4.1. Estrutura Geral:...

Leia mais

Luminárias LED Lumination (Série BT Versão UL - Opção EL Luz de Emergência)

Luminárias LED Lumination (Série BT Versão UL - Opção EL Luz de Emergência) GE Lighting Guia de Instalação Luminárias LED Lumination (Série BT Versão UL - Opção EL Luz de Emergência) DICAS DE SEGURANÇA IMPORTANTES AO UTILIZAR EQUIPAMENTO ELÉTRICO, DEVEM SEMPRE SER SEGUIDAS AS

Leia mais

Catalogo Técnico. Disjuntor Motor BDM-NG

Catalogo Técnico. Disjuntor Motor BDM-NG Catalogo Técnico Disjuntor Motor BDM-NG Disjuntores-Motor BDM-NG Generalidade: O disjuntor-motor BDM-NG,Tripolar, são termomagnéticos compactos e limitadores de corrente. Ideal para o comando e a proteção

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

Descrição do Produto. Dados para Compra. Itens Integrantes. Código do Produto

Descrição do Produto. Dados para Compra. Itens Integrantes. Código do Produto Descrição do Produto A Série Energy da Altus traz uma solução confiável para um dos pontos mais críticos em uma aplicação industrial: o fornecimento de alimentação para todos os dispositivos do sistema

Leia mais

holec System T-60 Sistema de barramento a l t a s e g u r a n ç a n a b a i x a t e n s ã o

holec System T-60 Sistema de barramento a l t a s e g u r a n ç a n a b a i x a t e n s ã o a l t a s e g u r a n ç a n a b a i x a t e n s ã o 1 Suporte de barramento tripolar T 610 630 A Suporte de barramento para barra de Neutro T 611 Características técnicas O foi projetado para permitir

Leia mais

GUIA DO USUÁRIO. Dome fixo AXIS T90C10 IR-LED. Dome fixo AXIS T90C20 IR-LED PORTUGUÊS

GUIA DO USUÁRIO. Dome fixo AXIS T90C10 IR-LED. Dome fixo AXIS T90C20 IR-LED PORTUGUÊS GUIA DO USUÁRIO Dome fixo AXIS T90C10 IR-LED Dome fixo AXIS T90C20 IR-LED PORTUGUÊS Medidas de segurança Leia com atenção este guia de instalação até o final antes de instalar o produto. Guarde o guia

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Mini Sirene Eletrônica Audiovisual Um Toque Iluminação a LED - Para Pequenas e Médias Áreas - Código: AFMSF A sirene audiovisual de alarme código AFMSF é um equipamento que deve ser instalado no teto ou

Leia mais

CENTRO DE CONTROLE DE MOTORES (CCM) CCM GAVETA

CENTRO DE CONTROLE DE MOTORES (CCM) CCM GAVETA CCM GAVETA Aplicações Os CCMs BT GIMI são utilizados nos mais diversos segmentos do mercado: Químico e Petroquímico Siderurgia e Metalurgica Papel e Celulose Mineração e Cimento Alimentos e Bebidas Características

Leia mais

Disjuntores-Motor BDM-G. Dados Técnicos Características Gerais. Posições das teclas

Disjuntores-Motor BDM-G. Dados Técnicos Características Gerais. Posições das teclas Disjuntores-Motor BDM-G Generalidade: O disjuntor-motor BDM-G,Tripolar, são termomagnéticos compactos e limitadores de corrente. Ideal para o comando e a proteção dos motores. Possuem alta capacidade de

Leia mais

Disjuntores a Vácuo SION Descrição. Índice. Título Aqui. Seção 1 Disjuntores a Vácuo SION Descrição. Seção 2 Disjuntor Padrão 3AE

Disjuntores a Vácuo SION Descrição. Índice. Título Aqui. Seção 1 Disjuntores a Vácuo SION Descrição. Seção 2 Disjuntor Padrão 3AE Disjuntores a Vácuo Descrição Disjuntores a Vácuo Título Aqui Índice Seção 1 Disjuntores a Vácuo Descrição Seção 2 Disjuntor Padrão 3AE Seção 3 Módulo Deslizante 3AE Anexo Siemens AG 2005 Disjuntores a

Leia mais

NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO

NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO Prof. Pedro Armando da Silva Jr. Engenheiro Eletricista, Dr. pedroarmando@ifsc.edu.br DESENERGIZAÇÃO A desenergização é um conjunto de ações coordenadas, sequenciadas

Leia mais

Chaves 3 KU Seccionadoras e Comutadoras

Chaves 3 KU Seccionadoras e Comutadoras haves 3 KU Seccionadoras e omutadoras haves Seccionadoras e omutadoras Seccionadoras s chaves Seccionadoras E tipo 3KU1, para cargas de 12 a 1000 em 00 Vca 0- Hz, são apropriadas para uso como chaves gerais

Leia mais

1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410

1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410 1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410 A segurança sempre está em pauta em nossas vidas e com a eletricidade não deve ser diferente. Durante a utilização normal das instalações elétricas

Leia mais

Relés de Nível. Manual de Instalação. Relé de Nível Inferior (RNAI) Relé de Nível Superior (RNAS) C205726 - REV 1

Relés de Nível. Manual de Instalação. Relé de Nível Inferior (RNAI) Relé de Nível Superior (RNAS) C205726 - REV 1 Relés de Nível Relé de Nível Inferior (RNAI) Relé de Nível Superior (RNAS) Manual de Instalação C205726 - REV 1 1) Apresentação Relés de Nível RNAI e RNAS Este manual descreve as características de funcionamento,

Leia mais

Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação.

Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação. Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação. De acordo com a potência (carga), o contator é um dispositivo de comando

Leia mais

DRX caixa moldada Uma linha compacta, versátil e de alto desempenho

DRX caixa moldada Uma linha compacta, versátil e de alto desempenho [ PROTEÇÃO E COMANDO ] Produtos e sistemas DRX caixa moldada Uma linha compacta, versátil e de alto desempenho 1 VANTAGENS Permite a montagem frontal de acessórios elétricos por encaixe simples Fácil conexão

Leia mais

Recebimento, Manuseio e Armazenamento dos Centros de Controle de Motores CENTERLINE 2500

Recebimento, Manuseio e Armazenamento dos Centros de Controle de Motores CENTERLINE 2500 Instruções Recebimento, Manuseio e Armazenamento dos Centros de Controle de Motores CENTERLINE 2500 Recebimento IMPORTANTE A entrega de equipamentos às empresas de transporte pela Rockwell Automation é

Leia mais

Main power para distribuição de AC provisória para sistemas de sonorização de médio a grande porte. (1) (2)

Main power para distribuição de AC provisória para sistemas de sonorização de médio a grande porte. (1) (2) RMP-63 10U 01 Características: Main power para distribuição de provisória para sistemas de sonorização de médio a grande porte. Trabalha tanto em redes 380VΔ / 220VΥ como 220VΔ / 127VΥ. (1) (2) Entrada

Leia mais

Relé Auxiliar RCA 116

Relé Auxiliar RCA 116 Relé Auxiliar RCA 116 Aplicação, Estrutura e Funcionamento. Aplicação O Relé Auxiliar RCA 116 é especialmente apropriado para uso em instalações de comando manual, controles automáticos e supervisão. O

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Automação Contatores para Manobra de Capacitores

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Automação Contatores para Manobra de Capacitores Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Automação Contatores para Manobra de Capacitores Manobras de Capacitores para Correção do Fator de Potência A linha de contatores especiais CWMC

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

22.32.0.xxx.1xx0 22.32.0.xxx.4xx0. Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores

22.32.0.xxx.1xx0 22.32.0.xxx.4xx0. Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores Série 22 - Contator modular 25-40 - 63 A SÉRIE 22 Características 22.32.0.xxx.1xx0 22.32.0.xxx.4xx0 Contator modular de 25A - 2 contatos argura do módulo, 17.5 mm Contatos NA com abertura 3mm com dupla

Leia mais

ST 160 ST 160 0 # Manual de Referência e Instalação

ST 160 ST 160 0 # Manual de Referência e Instalação ST 160 ST 160 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 # Manual de Referência e Instalação Descrições 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 # 3 2 Número Descrição 1 Indicador de modo 2 Antena 3 Matriz do Teclado 4 Parafuso Especificações

Leia mais

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA.

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS DE ISOLAÇÃO COM BLINDAGEM APLICAÇÃO Os transformadores monofásicos de isolação com blindagens, magnética e eletrostática, foram desenvolvidos

Leia mais

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores. 2000 fluorescente compacta (CFL) W

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores. 2000 fluorescente compacta (CFL) W Série - Contator modular 25-40 - 63 A SÉRIE Características.32.0.xxx.1xx0.32.0.xxx.4xx0 Contator modular de 25A - 2 contatos Largura do módulo, 17.5 mm Contatos NA com abertura 3mm com dupla abertura Energização

Leia mais

Medidor de Resistência de Isolamento Analógico Modelo ITMG 800. Manual do Usuário

Medidor de Resistência de Isolamento Analógico Modelo ITMG 800. Manual do Usuário Medidor de Resistência de Isolamento Analógico Modelo ITMG 800 Manual do Usuário 1. Sumário O novo estilo de Verificador de Resistência de Isolamento Analógico é IT801A. Seu design é moderno e conta com

Leia mais

COMPONENTES. Chave sem carga para o tipo de Título Instalação fixa SW

COMPONENTES. Chave sem carga para o tipo de Título Instalação fixa SW COMPONENTES Chave sem carga para o tipo de Título Instalação fixa SW Informações gerais A chave SW sem carga é uma gama completa projetada para cobrir todas as aplicações a serem cumpridas em subestações

Leia mais

EXAUSTORES LOCALIZADOS Vantagens puras. Extrator ideal para ambientes industriais

EXAUSTORES LOCALIZADOS Vantagens puras. Extrator ideal para ambientes industriais Extrator ideal para ambientes industriais Nova tecnologia em combinação com novos materiais e foco no design fornecem ao Fumex PR muitas vantagens novas e importantes: - Facilidade de manobrabilidade única.

Leia mais

Manual de Instruções. Crossover 4 Vias HD-X4W. Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada

Manual de Instruções. Crossover 4 Vias HD-X4W. Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada 9V RMS Tweeter CH Crossover /octave 2K, 4K, 6K, 8K Mid CH Crossover /octave Low: 0, 0, 0Hz em Flat High:,, 1,Hz Mid Bass Crossover /octave

Leia mais

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TODA DIFUSORES PARA LUMINÁRIAS O conjunto de difusão de ar completamente embutido, contribui para um visual leve e sem distorções. Sua flexibilidade própria,

Leia mais

Manual Técnico. Gabinete 45 CMPC. para notebooks educacionais

Manual Técnico. Gabinete 45 CMPC. para notebooks educacionais Manual Técnico Gabinete 45 CMPC para notebooks educacionais 01 Sobre o produto Armazenamento transporte e carga: - 45 Notebooks Educacionais + Notebook do professor Segurança: - Totalmente fabricado em

Leia mais

FONTE NO-BREAK MANUAL TÉCNICO

FONTE NO-BREAK MANUAL TÉCNICO FONTE NO-BREAK MANUAL TÉCNICO Sat5 Telecom www.sat5.com.br Última Revisão: 25/01/2012 Manual Técnico.:. Fonte No-Break.:. Sat5 Telecom 1 1. Modelos e diferenças As fontes no-break, são fornecidas em 2

Leia mais

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores. 2000 fluorescente compacta (CFL) W

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores. 2000 fluorescente compacta (CFL) W Características 22.32.0.xxx.1xx0 Série 22 - Contator modular 25 A 22.32.0.xxx.4xx0 Contator modular de 25A - 2 contatos Largura do módulo, 17.5 mm Contatos NA com abertura 3mm com dupla abertura Energização

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES EN81.20 e EN81.50. www.giovenzana.com

ESPECIFICAÇÕES EN81.20 e EN81.50. www.giovenzana.com ESPECIFICAÇÕES EN81.20 e EN81.50 www.giovenzana.com A nova EN 81-20 substitui o EN 81-2 & EN 81-1. EN 81-20: Passageiros e Mercadorias / Elevadores de Passageiros Contém requisitos para a instalação completa

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Acionador Manual de Alarme de Incêndio Convencional Á Prova de Tempo (IP67) Resetável Código: AFMCPEIP67. O acionador manual de alarme de incêndio AFMCPEIP67 é um equipamento que deve ser instalado na

Leia mais

Megôhmetro Digital de 12kV

Megôhmetro Digital de 12kV Megôhmetro Digital de 12kV Funções: Maior flexibilidade para testar máquinas de alta tensão, se comparado aos instrumentos comuns com tensão de medição de 5/10kV. A alta corrente de curto aumenta a velocidade

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções NM 250 TURBO +55 (16) 3383 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com.

bambozzi Manual de Instruções NM 250 TURBO +55 (16) 3383 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com. bambozzi A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 3383 3818 Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO F 19

GUIA DE INSTALAÇÃO F 19 GUIA DE INSTALAÇÃO F 19 1. Instalação do equipamento (1)Cole o modelo de montagem na (2) Remova o parafuso na parte (3) Tire a placa traseira. parede, Faça os furos de acordo inferior do dispositivo com

Leia mais

17,5kV P/V-17 Painel de Distribuição CA em Caixa Metálica. MSA CONTROL Indústria Elétrica Ltda.

17,5kV P/V-17 Painel de Distribuição CA em Caixa Metálica. MSA CONTROL Indústria Elétrica Ltda. GE Energy Management Industrial Solutions MSA CONTROL - (11) 3961-1171 - comercial@msacontrol.com.br Gear 17,5kV P/V-17 Painel de Distribuição CA em Caixa Metálica MSA CONTROL Indústria Elétrica Ltda.

Leia mais

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva Com a linha Geafol, obteve-se um transformador com excelentes características elétricas, mecânicas e térmicas que, adicionalmente, ainda é ecológico. São produzidos sob certificação DQS, ISO 9001 e ISO

Leia mais

Placa Acessório Modem Impacta

Placa Acessório Modem Impacta manual do usuário Placa Acessório Modem Impacta Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A Placa Modem é um acessório que poderá ser utilizado em todas as centrais

Leia mais

Sivacon S4. Segurança na sua forma mais elegante: O painel de distribuição de energia para baixa tensão que determina novos padrões.

Sivacon S4. Segurança na sua forma mais elegante: O painel de distribuição de energia para baixa tensão que determina novos padrões. Segurança na sua forma mais elegante: O painel de distribuição de energia para baixa tensão que determina novos padrões. Sivacon S4 Tudo perfeito devido à distribuição de energia de baixa tensão da Siemens.

Leia mais

Relé de proteção do diferencial 865

Relé de proteção do diferencial 865 Relé de proteção do diferencial 865 Para a proteção do diferencial de motores, transformadores e geradores Boletim 865, Série A Guia de especificações Sumário Página de descrição da seção 1.0 Características

Leia mais

Siemens AG 2009 SIRIUS SENTRON SIVACON. Catálogo LV 90 2009. Baixa Tensão Corte, protecção e comando. Answers for industry.

Siemens AG 2009 SIRIUS SENTRON SIVACON. Catálogo LV 90 2009. Baixa Tensão Corte, protecção e comando. Answers for industry. SIRIUS SENTRON SIVACON Catálogo LV 90 2009 Baixa Tensão Corte, protecção e comando Answers for industry. Interruptores de corte em carga, sistemas de barramentos SENTRON 8US Introdução Apresentação geral

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Relés de Sobrecarga Térmico RW Informações Gerais - Local para identificação - Tecla Reset + Multifunção

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Fumaça Óptico Endereçável 04 Níveis de Detecção Com Módulo Isolador - Código: AFS130IS. (Uso Conjunto às Centrais de Alarme da Série IRIS). O detector de fumaça código AFS130IS é um

Leia mais

SION Disjuntor a Vácuo para as mais diferentes Aplicações

SION Disjuntor a Vácuo para as mais diferentes Aplicações SION Disjuntor a Vácuo para as mais diferentes Aplicações Siemens Média Tensão Schutzvermerk / Copyright-Vermerk Siemens AG 2012 Índice 1. Dados técnicos 2. Portfolio 3. Características do Produto 4. Detalhes

Leia mais

AV. Herminio Gimenez RC - RUC: 80061756-8 COR: CIUDAD DEL ESTE-PY TEL: +595 983 613802 contato@options-sa.net - www.options-sa.net

AV. Herminio Gimenez RC - RUC: 80061756-8 COR: CIUDAD DEL ESTE-PY TEL: +595 983 613802 contato@options-sa.net - www.options-sa.net COR: -Instalação rápida e fácil, fixação com resina, ondulação de 2 a 4 mm para passagem dos cabos de energia. - Pode ser instalada em piscinas ou hidromassagens onde não tenha sido previsto sistema de

Leia mais

Controlador de Garra Pneumática MTS Fundamental

Controlador de Garra Pneumática MTS Fundamental Controlador de Garra Pneumática MTS Fundamental Manual Title Manual Additional do Information Produto be certain. 100-238-337 A Informações sobre Direitos Autorais Informações sobre Marca Registrada 2011

Leia mais

Relés de Sobrecarga Térmicos 3US

Relés de Sobrecarga Térmicos 3US Relés de Sobrecarga Térmicos US Relés de Sobrecarga Térmicos US /2 / /5 /8 Resumo Tabela de Seleção Informações Técnicas Esquema Dimensional catalogo TS_ cap.indd 1 Relés de Sobrecarga Térmicos US Relés

Leia mais

Proteção ao circuitos elétricos Baixo custo Conformidade IEC 60947-2

Proteção ao circuitos elétricos Baixo custo Conformidade IEC 60947-2 Proteção ao circuitos elétricos Baixo custo Conformidade IEC 60947-2 Disjuntores FM101 - Linha de Disjuntores em Caixa moldada Disjuntores FM101 - Linha de Disjuntores em Caixa moldada Os disjuntores FM

Leia mais

MANUAL TÉCNICO JIRAU PASSANTE ELÉTRICO

MANUAL TÉCNICO JIRAU PASSANTE ELÉTRICO MANUAL TÉCNICO SUMÁRIO Introdução 03 Descrição da plataforma 04 Instruções de montagem 08 Informações de segurança 12 INTRODUÇÃO O ANDAIME SUSPENSO ELÉTRICO JIRAU é recomendado para trabalhos em altura

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

GE Industrial Solutions. Disjuntores Industriais Norma IEC. TEDi / THEDi. GE imagination at work. GE Consumer & Industrial

GE Industrial Solutions. Disjuntores Industriais Norma IEC. TEDi / THEDi. GE imagination at work. GE Consumer & Industrial GE Consumer & Industrial GE Industrial Solutions Disjuntores Industriais Norma IEC TEDi / THEDi GE imagination at work 2 TEDi e THEDi Características técnicas do produto NBR IEC 609472 TIPO Nº de pólos

Leia mais

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL Manual Técnico de Instalação e Operação POWERBLOCK MASTER MONOFÁSICO

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL Manual Técnico de Instalação e Operação POWERBLOCK MASTER MONOFÁSICO POWERTRANS Eletrônica Industrial Ltda. Rua Ribeiro do Amaral, 83 Ipiranga SP - Fone/Fax: (11) 2063-9001 E-mail: powertrans@powertrans.com.br Site: www.powertrans.com.br Manual Técnico de Instalação e Operação

Leia mais

VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Solução Integrada para Instalações em Alvenaria O kit de entrada em média tensão VBWK

Leia mais

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

F-L2000 SÉRIE DE AÇO INOXIDÁVEL SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO POR PROXIMIDADE MANUAL DE INSTALAÇÃO

F-L2000 SÉRIE DE AÇO INOXIDÁVEL SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO POR PROXIMIDADE MANUAL DE INSTALAÇÃO F-L2000 SÉRIE DE AÇO INOXIDÁVEL SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO POR PROXIMIDADE MANUAL DE INSTALAÇÃO CONTEÚDO Característica Especiais...1 Painel Frontal e Tipos de Cartão...2 Procedimentos de Instalação...3

Leia mais

Instruções de Instalação em Rack

Instruções de Instalação em Rack Instruções de Instalação em Rack Releia a documentação fornecida com seu gabinete de rack, para obter informações sobre cabeamento e segurança. Ao instalar seu servidor em um gabinete de rack, considere

Leia mais

Alerta Vigia Eletrônico

Alerta Vigia Eletrônico Manual de Instalação Alerta Vigia Eletrônico Produtos Inteligentes www.sertam.com.br e-mail: sertam@sertam.com.br cód. AVE-MI rev.3 1 ANTESDECOMEÇAR Recomenda-se a leitura completa deste manual. A leitura

Leia mais

WattStation Carregador de Veículos Elétricos

WattStation Carregador de Veículos Elétricos GE Industrial Solutions WattStation Carregador de Veículos Elétricos GE imagination at work Design WattStation A segunda coisa mais interessante na sua garagem Por que não escolher um carregador com uma

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO. 1 Alimentador

DESCRITIVO TÉCNICO. 1 Alimentador DESCRITIVO TÉCNICO Nome Equipamento: Máquina automática para corte de silício 45º e perna central até 400 mm largura Código: MQ-0039-NEP Código Finame: *** Classificação Fiscal: 8462.39.0101 1 Alimentador

Leia mais

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS COMPANHIA DOCAS DO CEARÁ Secretaria de

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9 PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9.1 INTRODUÇÃO O aumento da temperatura nos condutores de uma instalação elétrica, devido a circulação de corrente (efeito Joule), projetada para o funcionamento normal,

Leia mais

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Instalações Elétricas Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 104 13.1 - Introdução 13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Existem três configurações básicas para alimentação de motores que operam em condições

Leia mais

Capacitores Correção do Fator de Potência. Motores Automação Energia Tintas

Capacitores Correção do Fator de Potência. Motores Automação Energia Tintas Capacitores Correção do Fator de Potência Motores Automação Energia Tintas Unidade Capacitiva Monofásica - UCW g As unidades capacitivas monofásicas WEG, tipo UCW, são produzidas com filme de polipropileno

Leia mais

DISPOSITIVO DE PARTIDA E TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA PARA GERADORES DE ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DO USUÁRIO

DISPOSITIVO DE PARTIDA E TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA PARA GERADORES DE ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DO USUÁRIO DISPOSITIVO DE PARTIDA E TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA PARA GERADORES DE ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DO USUÁRIO Por favor, leia este manual com atenção para uso do equipamento. Instruções de Operação do QTA. I.

Leia mais

Soft Starters SIRIUS A proteção inteligente para motores, cargas e rede

Soft Starters SIRIUS A proteção inteligente para motores, cargas e rede Linha Solution Linha Plus Linha Master www.siemens.com.br/softstarters Soft Starters SIRIUS A proteção inteligente para motores, cargas e rede As soft starters Siemens protegem sua máquina e instalação

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS, LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da realização dos serviços 03 5.2. Condições

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Novas Normas NBR IEC 61643-1 - Dispositivos de proteção contra surtos em baixa tensão - Parte 1: Dispositivos de proteção conectados a sistemas de

Leia mais

Comando e Sinalização 3SB6. Catálogo resumido. www.siemens.com.br/botoes

Comando e Sinalização 3SB6. Catálogo resumido. www.siemens.com.br/botoes Comando e Sinalização 3SB6 Catálogo resumido www.siemens.com.br/botoes Abril 2012 SIRIUS dispositivos de comando e sinalização O crescente aumento da complexidade de máquinas e processos, promovem riscos

Leia mais

CATÁLOGO DO TRANSMISSOR GRAVIMÉTRICO DE DENSIDADE UNIPROIV DG-420

CATÁLOGO DO TRANSMISSOR GRAVIMÉTRICO DE DENSIDADE UNIPROIV DG-420 CATÁLOGO DO TRANSMISSOR GRAVIMÉTRICO DE DENSIDADE UNIPROIV DG-420 Catálogo do Transmissor Gravimétrico de Densidade DG-420 Pág. 1 TRANSMISSOR UNIPRO IV ESPECIFICAÇÕES Alimentação: Alimentação universal

Leia mais

Soluções confiáveis para baixa tensão

Soluções confiáveis para baixa tensão Soluções confiáveis para baixa tensão Maior Flexibilidade Acesso traseiro Módulo de tamanho reduzido Barramento pelo topo Sem fronteiras Quatro pólos Teste de tipo KEMA em conjuntos de até 6400A para distribuição

Leia mais

GREENLOAD CARGA ELETRÔNICA REGENERATIVA TRIFÁSICA

GREENLOAD CARGA ELETRÔNICA REGENERATIVA TRIFÁSICA Informações Técnicas GREENLOAD CARGA ELETRÔNICA REGENERATIVA TRIFÁSICA Informações Gerais A Carga Eletrônica Regenerativa Trifásica da Schneider permite a injeção de energia na rede elétrica proveniente

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Disjuntores a vácuo SION 3AE5 e 3AE1. Equipamento de média tensão. Totally Integrated Power SION. Catálogo HG 11.02. Edição 2015. siemens.

Disjuntores a vácuo SION 3AE5 e 3AE1. Equipamento de média tensão. Totally Integrated Power SION. Catálogo HG 11.02. Edição 2015. siemens. Disjuntores a vácuo SION AE5 e AE1 Equipamento de média tensão Totally Integrated Power SION Catálogo HG 11.0 Edição 015 siemens.com/sion Disjuntores a vácuo SION AE5 e AE1 R-HG11-8.tif Siemens HG 11.0

Leia mais

COMPONENTES. Contatores de potência Tipo BMS09.08 / 18.08

COMPONENTES. Contatores de potência Tipo BMS09.08 / 18.08 COMPONENTES Contatores de potência Tipo 09.08 / 18.08 Informações gerais O contator, com mais de cem mil unidades em operação em todo o mundo, é um contator valorizado pelos construtores de vagões e operadores

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CADASTRO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CD.DT.PDN.03.14.001 03 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo:

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo: ENGENHEIRO ELETRICISTA 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Um sistema de proteção contra descargas atmosféricas do tipo Franklin foi concebido para prover a segurança de uma edificação

Leia mais