Cabos blindados (com shield eletrostático) sem proteção

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "6.4.4. Cabos blindados (com shield eletrostático) sem proteção"

Transcrição

1 conscientemente na central. Este tubo garante uma proteção magnética e estática da fiação. Conscientemente pois todas as braçadeiras de fixação da tubulação até certo ponto também representam pontos de aterramento e, em caso de diferença de potencial na estrutura do prédio, a tubulação serve como condutor. Para os fios no interior do tubo, esta corrente representa uma indução considerável nos fios dentro do tubo equivalente a uma espiral de um transformador. Para evitar ou reduzir essas influências, os fios contidos nas tubulações devem ser, pelo menos, trançados. Todos os tubos devem ser interligados garantindo um contato elétrico sólido em todo o sistema por vários anos. Consideram-se conexões firmes, tubos rosqueados com a rosca penetrando em pelo menos 1,0 cm de profundidade. Sem este contato entre tubos ou tubos e conduítes ou caixas de distribuição não se pode ser garantir a proteção. A norma brasileira prevê a utilização de braçadeiras com fios de curto-circuito nas emendas críticas. Veja NBR 9441, Anexo B, Figura 23. Não podem ser considerados adequados contatos elétricos com arruelas de pressão sobre chapas pintadas ou a fixação dos tubos de aço por um ou dois parafusos e encaixes com vedação de anéis de plástico. O contato elétrico não pode ser garantido se houver oxidação nos parafusos ou a falta de aperto Cabos blindados (com shield eletrostático) sem proteção Esta opção utiliza cabos de um ou dois pares trançados (e não cabo com fios paralelos, como utilizado em cabos para controles de corrente contínua), com uma resistência ao fogo (obtida pelas características do próprio cabo) que permite a passagem do alarme antes da destruição da isolação pelo calor. Pode-se utilizar a proteção adicional contra o calor através da instalação de cabos embutidos na parede ou na laje. Esses cabos blindados podem ser protegidos parcialmente contra danos mecânicos ou calor por uma tubulação de aço ou plástico. Por exemplo, em área de tráfego de empilhadeiras. Esta forma de instalação é econômica, mas exige um detalhamento muito bem elaborado no projeto para facilitar sua execução. o 54

2 detalhamento aumenta ainda mais quando são utilizados indicadores paralelos nas áreas. Outro problema difícil de ser resolvido é o do detector que atua diretamente sobre uma porta, acionando o seu fechamento, com a finalidade de evitar a passagem da fumaça ou do calor. Para interligar a blindagem, a base do detector deve ter um parafuso extra, especificamente para servir de apoio. No caso da falta deste ponto de apoio, o instalador pode utilizar conectores isolados, como aqueles utilizados na instalação elétrica, com furos adequados para interligar a blindagem do cabo enterrado e saindo da base de terra. Uma isolação adicional da fiação e da conexão do condutor de aterramento (fio-terra) é indispensável para dar rigidez e evitar contato elétrico com outros na base, agravado pelos movimentos provocados durante a instalação (corrente de falta - fuga à terra). No projeto da fiação, os detalhes da blindagem devem ser mencionados na descrição do sistema e nos termos de garantia dada pelo projetista. Figura 44 - Montagem do detector com tubulação de ferro Fonte: NBR 9441:1998, Anexo B, p.44 55

3 Figura 45 - Montagem do detector com cabo blindado sem tubulação Fonte: NBR 9441:1998, Anexo B, p Fiação dos detectores Para a fiação da detecção (dos detectores), utilizam-se, normalmente condutores sólidos de cobre (estanhados) de 0,8 a 1,0 mm de diâmetro, garantindo assim um bom contato elétrico entre fios e terminais em todas as bases, distribuidores e na central. Fios flexíveis são facilmente danificados quando prensados entre terminais. Para assegurar o contato e a resistência elétrica total da fiação, todos os pequenos fios de um condutor devem ser interligados com o terminal (do detector ou do distribuidor). Isto obriga a utilização de artifícios apropriados como exigido pela norma NBR 9441, item O diâmetro mínimo do fio é de 0,6 mm, exigido pela norma para garantir a resistência mecânica do fio na montagem da rede. A queda de tensão máxima é de 5%, ou seja, 1 Volt em sistemas de 24 V. 56

4 Para interligações múltiplas entre distribuidores podem ser utilizados cabos em vez de fios trançados. O diâmetro do fio rígido trançado em pares (condutor) do cabo pode diminuir até 0,5 mm, como utilizados em redes telefônicas, quando a resistência elétrica na rede pode ser mantida. Existem centrais que permitem uma resistência na fiação de até 200 Ω entre o terminal da central e a resistência no fim de linha; em outros sistemas o limite é de somente 40 Ω ou menos. No projeto da fiação, estes detalhes devem ser conhecidos e mencionados na descrição dos termos da garantia do sistema. Na instalação dos detectores e de suas interligações, devem ser levados em consideração todos os detalhes da norma NBR 9441, especialmente a fixação mecânica dos detectores. Isso garante a segurança dos técnicos na manutenção um fácil acesso dos detectores Lay-out da fiação de detectores Para o lay-out da fiação e as interligações permitidas nos detectores devem ser seguidas as especificações dos fabricantes das centrais, quando estas não interferirem nas exigências das normas nacionais. Tecnicamente é sempre possível fazer-se mais do que o bom senso permite. A seqüência típica para a interligação de detectores com endereçamento coletivo é mostrada na Figura

5 Figura 46 - Sistema de fiação com endereçamento coletivo Fonte: BAUER, 2005 A norma nacional nestes casos prevalece sem qualquer exceção, pelo fato de que as invenções normalmente são utilizadas não para aumentar a segurança mas, para abaixar os custos.. Isso seguramente não melhora a sobrevida do sistema, em caso de incêndio. Muitas dessas invenções, no país de origem dos equipamentos, são proibidas para prédios altos ou de grande envergadura como as edificações de um shopping em geral. Infelizmente no Brasil em edifícios de pequeno porte, muitas vezes não são instalados sistemas de detecção. 58

6 A exclusão de qualquer detector ou a interrupção de um fio deve ser sinalizada na central como defeito, assim como qualquer curto-circuito ou corrente de fuga à terra. Para supervisionar a linha de detecção utiliza-se, no final da linha, um elemento fim-de-linha ativo ou passivo. O ativo é o caso de um gerador introduzindo pulsos definidos na rede quando esta for alimentada pela central na tensão definida. O passivo é o caso de uma resistência instalada no final da linha e que consome entre 50% e 75% da corrente do circuito total, ou seja, no caso de todos os detectores instalados. A quantidade de detectores que podem ser instalados em uma linha de detecção depende da técnica de supervisão, da soma das correntes dos detectores e da corrente que passa pelo resistor de fim-de-linha. A outra limitação é a superfície máxima de 1600 m que pode ser perdida em um sistema de supervisão em caso de defeito. Como circuito de detecção, entende-se todos os detectores, a fiação da linha (do laço) e seus elementos eletrônicos assim como o sistema eletrônico da central para a supervisão e a recepção do alarme. Normas de outros países não aceitam centrais com controles seqüenciais e exigem uma redundância nos circuitos de recepção e de comando. Isso permite o recebimento de um alarme e a indicação da área, também quando o sistema de controle por microprocessador está fora de serviço. Outras limitações nos sistemas são impostas por entidades estaduais ou municipais, que além da aprovação geral de uma entidade neutra, exigem aprovações específicas antes da instalação de um tipo de sistema na área de sua jurisdição/responsabilidade. A seqüência de interligação de detectores com endereçamento individual pode ser idêntico aos dos circuitos com endereçamento coletivo na forma de anel (classe A), ou normal com fim de linha (classe B), a não ser que o fabricante da central permita outros arranjos na seqüência dos detectores. 59

7 Definições: Circuito de detecção (Classe A) Redundância (LOOP) Definições: Circuito de detecção (Classe B) Figura 47 - Tipos de circuitos de detecção Fonte: SCABBIA, 2008 A classe A significa que o circuito começa e termina na central, permitindo a alimentação do chamado loop por ambos os lados. A quantidade de detectores permitida pela norma brasileira em um circuito classe A com isoladores de curto-circuito é restrita a uma área de 2 vezes a área normal de 1600 m2. É permitido o uso de um fator de segurança estipulado para um lay-out do sistema específico que contém elementos construtivos adicionais de segurança para aumentar a área supervisionada. 60

8 Utilizando sistemas que transmitem informações por meio pulsos ou freqüências existe a possibilidade que este sejam amortizados pela penetração de umidade no cabo impedindo decodificação na central. Como somente existe um aumento do valor capacitivo do entre os fios no cabo não sinalizará o curto-circuito. Em caso de classe A, a área supervisionada pode ser aumentada de duas vezes a área de um circuito de classe B multiplicando o fator de segurança máxima de 1,6 dado pelo fabricante e instalador ( 2 x 1600 m² x 1,6 (fator) ). A área resultante (5120 m²) - corresponde no mínimo em 64 detectores e no máximo em, aproximadamente, 90 detectores no circuito classe A. Esta argumentação não altera a limitação contida na norma NBR 9441, item , e O fator 1,6 somente pode ser aplicado quando todos os detectores ou suas bases contiverem isoladores para eliminação de curtos circuitos, assim como para suprimir qualquer sobre tensão no anel entre condutores e contra terra. A forma do lay-out das passagens dos cabos deve impedir que um único foco de incêndio interrompa o funcionamento de mais de um detector no anel, além de incorporar uma segurança adicional na central, em relação a alarmes em casos de falhas nos circuitos eletrônicos. Não é permitida a instalação da fiação de um anel de tal forma que interligue detectores pontuais de vários andares, com exceção das áreas de prumadas de cabos e shafts dos elevadores, incluindo a casa das máquinas. A redução do fator de segurança para um valor menor que um (1), também pode ser praticado, quando a entrada e saída do cabo de detecção da central passar pelo mesmo trecho da tubulação ou muito perto um do outro, uma proteção adequada contra o calor do fogo Indicação paralela Cada área com sistema de detecção instalado, um alarme de incêndio de um ou vários detectores deve ser indicado na central com um ou vários dispositivos instalados na parte externa do local fechado. O local mais apropriado é próximo à porta de entrada principal, bem visível em qualquer condição de iluminação, para facilitar a intervenção. 61

9 Muitas vezes, a informação de alarme é repetida em um painel sinótico, à entrada de um corredor ou à entrada de uma área em casos de subdivisões por divisórias. Detector Lâmpada Fiação de Indicação Fiação normal (2 fios) Lâmpada Fiação normal (2 fios) Figura 48 - Sistema convencional de indicação: Indicação paralela com lâmpada controlada pelos detectores adaptado de BAUER, 2005 Figura 49 - Sistema digital de indicação: Indicação paralela com lâmpada controlada pela central adaptado de BAUER, 2005 Em hotéis e motéis é conveniente instalar, além da indicação paralela, uma indicação que aponte a ausência de detectores, que podem ser removidos inadvertidamente pelos seus freqüentadores Circuitos de controle interligados a circuitos de detecção Assim como já foi visto os detectores e os acionadores manuais são altamente vulneráveis ao calor devidos aos materiais termoplásticos, utilizado tanto no invólucro como na fiação. A vulnerabilidade dos componentes do sistema de detecção ao calor, impede a utilização da linha de detecção como linha de alimentação ou controle do sistema de alarme ou para indicações de vias de abandono assim como dispositivos de controle prediais. 62

10 Figura 50 Linha de controle separadas da linha de detecção Fonte: BAUER, 2005 O fabricante, muitas vezes, garante que o seu sistema permite esse tipo de uso duplo da fiação, mas o projetista não pode garantir que os alarmes e as indicações funcionarão mesmo após 15 minutos de fogo intenso em qualquer área. Pode-se, utilizar equipamentos individuais ou pontuais como detectores e acionadores para controlar (fechar) dampers ou portas corta-fogo, sendo que o circuito de segurança aciona estes dispositivos na falta de energia elétrica. A energia pode ser interrompida após o alarme do detector controlador ou desligada em todo prédio Detalhes da supervisão dos circuitos de detecção pela central Todos os circuitos de detecção são supervisionados pela central, que atua na localização de defeitos além de receber os alarmes. Defeitos em circuitos são provocados pela interrupção dos fios ou por curtocircuito. A central indica, por circuito, a interrupção e o curto-circuito, como defeito, não diferenciando a origem. Em centrais que incluem a identificação dos detectores, a sinalização do defeito é indicado devido à falta de um ou vários detectores na linha de leitura. 63

11 Outras indicações na central que têm influência sobre todos os circuitos de detecção e alarme como: fuga à terra, sub e sobre tensão, falta de energia da rede pública, falta de bateria, indução sobre a fiação e interrupção de fusíveis de proteção entre outros. Note-se que a fuga à terra de uma fiação de detecção ou de alarme não ativa, necessariamente, a indicação de falha em um circuito. A fuga à terra indica um desequilíbrio da tensão contínua contra o potencial da terra. Este desequilíbrio pode originar-se em áreas com umidade na tubulação, danos na isolação da fiação e contato de um condutor com a tubulação ou blindagem, induções por defeitos na blindagem dos fios ou por placas eletrônicas com defeito. Para encontrar a causa desses defeitos, deve-se desligar circuito por circuito até a indicação alterar a polaridade ou até a indicação de fuga à terra ser desativada pela central. Muitas centrais incorporam a indicação de fuga à terra separada em positivo e negativo ou permitem a ligação de um dispositivo adequado de indicação. Em caso de vários pontos de fuga à terra no sistema, o processo de regularização é bem demorado, especialmente na falta de identificação dos fios nos distribuidores do campo (exigido pela norma nacional). Algumas centrais incluem uma detecção de indução por laço, separada da fuga à terra. Esta medida pode ser muito útil em ambientes industriais, onde a indicação da fuga à terra é ativada por indução magnética ou por influência capacitiva da blindagem da tubulação de aço sobre os condutores, especificamente, quando os fios não são trancadas adequadamente Circuitos de alarme e indicação de saídas de emergência Os alarmes sonoros (sinalizadores audíveis), em combinação com alertas luminosos (sinalizadores visuais) devem alertar as pessoas sobre uma situação de emergência dentro do ambiente de trabalho sem, no entanto, impedir a comunicação verbal ou a utilização do telefone no local. A instalação dos alarmes nos corredores de saída ou nas escadas, por questões de economia (utilização do menor número possível de dispositivos) é, pelo 64

12 menos, duvidoso, pois nem sempre pode-se garantir a audibilidade do alarme no interior dos locais de trabalho. Pode-se se gerar pânico na evacuação e impedir a comunicação verbal do pessoal da segurança com as pessoas e fuga. O projeto executivo deve garantir que, em caso de falha de um equipamento de alarme ou de um circuito de transmissão, exista outro que permita o alerta seja percebido em todos as áreas. Isto exige uma instalação de, pelo menos, dois (2) circuitos independentes de alarmes nos locais de trabalho e nas áreas técnicas, de tal maneira que a falha de um circuito, qual seja a origem, não influencie o funcionamento de outro. O alarme normalmente é temporizado, sendo desligado depois de alguns minutos e somente reativado em caso de perigo iminente, alertando as equipes de combate e intervenção. Toda sinalização das vias de abandono (rotas de fuga), ao contrário do alarme, deve permanecer ativada após o alarme, no tempo necessário à evacuação cobrindo o tempo estimado para a intervenção e controle do fogo assim como atividades de rescaldo da área. Nesta fiação, a norma permite uma queda de tensão máxima de 10%, ou seja, de 2 volts para sistemas alimentados por 24 Vcc. A sinalização deve ser visível de qualquer ponto da área que abrange, mesmo que ocorra um obscurecimento devido à inundação da área pela fumaça. A sinalização não deve ser confundida com outros tipos de iluminação ou enfeites luminosos (por exemplo, enfeites natalinos em shopping). Em caso de grande concentração de público, como shopping, teatros, igrejas, escolas, etc., é necessário um sistema de sinalização de abandono indicando todas as saídas, para evitar a concentração da população em apenas algumas saídas enquanto outras passam despercebidas. A saída das massas não deve impedir a entrada das equipes de socorro e de combate. Deve-se prever um espaço desobstruído e isolado da evacuação das pessoas que possibilite o acesso de equipes e equipamentos de combate a área. Para informar as equipes de intervenção sobre as instalações de segurança do prédio e, especificamente, do local do incêndio, deve ser instalado um ou vários 65

13 quadros sinóticos do tamanho A1, nos acessos destinados às equipes de intervenção. As dimensões do quadro devem permitir instruir, pelo menos, 10 pessoas simultaneamente. Todas as áreas de informação e de preparação dos equipamentos, assim como para os atendimentos de primeiros-socorros devem ser iluminados (emergência) adequadamente e de acordo com a norma vigente para iluminação auxiliar, cobrindo a autonomia requerida. O quadro sinótico deve conter como informação permanente a localização de: Todas as áreas com produtos perigosos como: gás de cozinha, estoque de tintas para pintura, estoque de material de limpeza, etc.; Todos os equipamentos de controle da iluminação e das bombas de água e os pontos de hidrantes e extintores; Equipamentos de primeiros socorros; Elevadores de segurança e o acesso aos seus controles; Saídas de emergência utilizáveis devem ser indicadas com leds verdes, Áreas de incêndio devem ser indicadas com leds vermelhos - controlados pela central. Estes quadros podem ser instalados na entrada do prédio ou podem ser distribuídos em várias entradas e a cada três (3) andares da escada de acesso, preferivelmente no interior da antecâmara Fiação para alimentação dos sinalizadores e dos quadros sinóticos A fiação da sinalização de saídas de emergência pode ser constituída de uma fiação troncal muito bem protegida e ramais que, pela falta de proteção dos equipamentos, podem ser perdidos pela ação de fogo, mas sem prejudicar o sistema na sua totalidade. A fiação múltipla de sinalização dos quadros sinóticos também passa como fiação troncal em área protegida e quando sai desta proteção, sua corrente deve ser limitada para não prejudicar as sinalizações nos outros quadros. 66

14 No caso da utilização de sistemas com freqüências ou pulsos para o controle, o sistema deve incorporar as mesmas garantias que os sistemas condicionais Fiação para controles prediais Nestes controles, a responsabilidade é dividida entre o arquiteto e o projetista do sistema pois, para garantir a compartimentação de um ambiente o arquiteto precisa especificar a porta corta-fogo e os dampers em conjunto com o projetista do sistema de controle, que garante que as passagens de uma área para outra se fechem ou se mantenham fechadas, no incêndio. Aberturas de passagem de tubulações e cabos, pela lógica, devem estar permanentemente fechados para evitar a penetração da fumaça, do calor e das chamas para áreas fora do alcance da supervisão, como nos entre forros, entre pisos ou prumadas. Fechar a porta corta-fogo, mas com passagens acima do forro abertas, aumenta significativamente o risco para as pessoas em um incêndio. Outros exemplos para os controles são: ativar a pressurização das escadas e nas áreas de segurança para manter tais áreas livres da fumaça, ou ativar o sistema de ventilação de uma área para que as equipes de intervenção possam intervir efetivamente no combate, aliviar o local do sobreaquecimento, em caso de coberturas em estrutura metálica. Alterar o controle automático dos elevadores para o modo manual. Cumprir com as exigências contidas da prefeitura quando são incorporados no sistema de controle predial, por exemplo o armazenamento da água depois do combate quando existe a possibilidade de contaminação química ou radioativa. O projetista do sistema de segurança, em conjunto com o arquiteto, também deve prever a segurança de pessoas com deficiência física permanente ou temporária, impedidas de utilizar meios normais para abandono da edificação (como as escadas), sem assistência apropriada. Os serviços exigidos de um sistema de detecção e alarme de incêndio são múltiplos, sendo que alguns podem ser ativados em conjunto com o primeiro alarme. Muitos dependem da detecção da fumaça em um local específico, enquanto outros demoram a ser acionados. Alguns, somente podem ser acionados em caso de 67

15 extrema emergência ou quando o combate é iniciado e, mesmo assim, somente são ativados manualmente na central e nunca de forma automática. Este conjunto de possibilidades nos controles exige uma definição do nível mínimo de segurança definido na resistência ao fogo para todos os tipos de circuitos. Isso pode ser obtido por meio de uma boa engenharia no projeto e na instalação, através da proteção passiva da fiação e dos controles. Muitas vezes, é exigida uma informação da posição dos dispositivos controlados, ou seja, porta aberta ou fechada. Essa sinalização pode ser realizada através dos mesmos dois fios de atuação ou, com uma fiação em separado. Quando um circuito de controle utiliza a fiação de detecção, com ou sem alimentação separada, para movimentar um dispositivo mecânico, a instalação com a fiação deve garantir que o controlador, assim como o circuito de alimentação, funcionem pelo menos o dobro de tempo do que no caso do simples alarme. Os dispositivos de aberturas para a ventilação utilizando motores elétricos com a energia da rede pública controlados por meio de um sistema de detecção é possível mas não garante o funcionamento dos motores quando há falta de energia Alimentação do Sistema de detecção e alarme de incêndio A alimetação do sistema geralmente é realizada por três fontes de energia: Alimentação elétrica nominal 110/220V vinda da concessionária de energia; Banco de Baterias externos ou da própria central (alimetação auxiliar); Grupo Motor-Gerador GMG (alimetação auxiliar);. Todo sistema deve ter, no mínimo, duas fontes de alimentação. Uma principal, que na maioria dos casos vem da concessionária de energia, e a auxiliar. Caso haja corte da alimentação principal por qualquer motivo, a alimentação auxiliar deve atuar no mesmo instante, sem gerar qualquer tipo de erro ou desconfiguração do sistema. Quando a fonte de alimentação auxiliar for constituída por baterias ou nobreak, deve ter autonomia mínima de 24 h em regime de supervisão, sendo que no 68

16 regime de alarme deve ser de no mínimo 15 min, para suprimento das indicações sonoras e/ou visuais ou o tempo necessário para a evacuação da edificação. Quando a alimentação auxiliar for por gerador, também deverá ter os mesmos parâmetros de autonomia mínima Análise de Risco do Sistema de detecção e alarme de incêndio Após a instalação completa do sistema, recomenda-se que seja feita uma análise de risco para que possamos: Reconhecer e identificar os risco no mal funcionamento do sistema de detecção e alarme; Analisar as causas das possíveis falhas dos componentes do sistema; Avaliar os risco envolvidos em cada falha; Identificar as medidas de engenharia para reduzir a ocorrência da falha ou minimizar seus efeitos. Devido aos vários tipos de detectores, centrais e a possibilidade de controle de outros sistemas, vamos usar como exemplo, um sistema de detecção simples mais comum usado por várias empresas, composto de: Detectores de fumaça; Acionadores Manuais; Central de controle simples; Sinalizadores visuais e sonoros; Alimentação elétrica 110/220V; Com banco de baterias e Grupo Motor Gerador. 69

17 Figura 51 Sistema de detecção e alarme de incêndio simples Com base no sistema de decteção e alarme de incêndio dimensionado como exemplo, foi elaborada a Tabela 9 que identifica, analisa e avalia as possíveis falhas que podem ocorrer no sistema. 70

18 Tabela 9 Análise de modos de falha e efeitos de um sistema de detecção e alarme de incêndio Nº Componente Modo de Falha Em outros Componentes Efeitos No sistema Categoria de Risco Métodos de detecção da falha Detectores desativados 1 Central de Detecção Erro na configuração da central Acionadores disativados Sistema totalmente desativado IV Testes periódicos em todos os componetes do sistema Sinalização desativada Instalação do detector em lugar onde a fumaça não chega (espaço morto) Detector não aciona 2 Detector de fumaça Fora do Raio de ação do detector Fumaça não chega ao detector devido ao teto quente Fumaça não chega ao detector devido ao ar condicionado Fumaça não chega ao detector devido a altura elevada Fumaça não chega ao detector devido a obstáculos (vigas ou tubulações) Fumaça não penetra no interior do detector Detector não aciona Detector não aciona Detector não aciona Detector não aciona Detector não aciona Detector não aciona Sistema não identifica o princípio de incêndio a tempo IV Teste de fumaça no local de instalação do detector para verificar quais posições são mais favoráveis para a instalação dos detectores Detector com sensibilidade baixa Atraso na detecção Teste de sensibilidade em laboratório 3 Acionador manual Dificil acesso das pessoas N/A Vidro não quebra Não aciona Acionador não funciona Central não identifica alarme Sistema não identifica o princípio de incêndio a tempo IV Verificar quanto tempo uma pessoa demora para chegar até o acionador manual Verificar resistência mecânica do vidro testes periódicos com o acionador Ações corretivas Treinamento de pessoal para configuraçao da central Instalação dos detectores nos pontos favoráveis Desmontar e limpar os detectores Reclassificar detectores pelo tempo de acionamento Desobstruir a área do acionador; Verificar melhor ponto de instalação Instalar vidro mais fino Troca do acionador (continua) 71

19 Tabela 9 Análise de modos de falha e efeitos de um sistema de detecção e alarme de incêndio (continuação) Nº Componente Modo de Falha 4 Sinalização Sonora e Visual Em outros Componentes Instalado em local de dificil visualização N/A Instalado em lugar de muito barulho N/A Não funciona N/A Ligação entre o detector e a central interrompida Ligação entre o detector e a central com interferência eletromagnética Ligação entre a central e os sinalizadores interrompida Detector não funciona Detector não funciona Detector aciona erroneamente "Alarme falso" Sinalizadores não funcionam Sinalizadores não funcionam Sinalizadores acionam erroneamente "Alarme falso" Efeitos No sistema Identificação de alarme de incêndio pelos ocupantes fica mais demorada Identificação de alarme de incêndio pelos ocupantes fica mais demorada Sistema não identifica o princípio de incêndio a tempo Sistema não identifica o princípio de incêndio a tempo Sistema não identifica o princípio de incêndio a tempo Perda na confiabilidade do Sistema 5 Fiação Elétrica IV Ligação entre a central e os alarmes com interferência eletromagnética Sistema não identifica o princípio de incêndio a tempo Sistema não identifica o princípio de incêndio a tempo Perda na confiabilidade do Sistema Categoria de Risco: I - Despresível; II - Marginal; III - Crítico; IV - Catastrófico. Categoria de Risco IV Métodos de detecção da falha Verificar os pontos de pior visualização Fazer medição do nível de ruído no local, com e sem sinalização sonora acionada Mudar de posição o sinalizador; Instalar mais sinalizadores, dar prioridade a visualização sonora Aumentar volume do sinalizador sonoro, dar preferência a sinalizadores visuais Testes elétricos e simulações Troca dos sinalizadores Testes de condutividade nas ligações Verificar se a fiação está próxima de equipamentos que geram ruídos eletromagnético Testes de condutividade nas ligações Verificar se a fiação está próxima de equipamentos que geram ruídos eletromagnético Ações corretivas Troca dos fios Troca por fios isolação eletromagnética Troca dos fios Troca por fios isolação eletromagnética 72

20 Podemos ver que, mesmo em um sistema de detecção e alarme de incêndio relativamente simples, é possível identificar inúmeras falhas que podem inutilizar todo o sistema. Qualquer falha na identificação de um princípio de incêndio pode dificultar, ou até mesmo, impossibilitar a atuação dos brigadistas na extinção do fogo podendo gerar um incêndio de enormes proporções Estudo de caso Nesse estudo de caso, foi registrados os principais erros de instalação, já citados nesse trabalho, que vamos verificar algumas instalação que foram vistoriadas. Figura 52 Obstáculos perto do detector de fumaça Figura 53 Instalação de um detector de fumaça próximo a viga Na figura 52 e 53 vemos os erros comuns na instalação de um detector de fumaça. Observe que os cabos, calhas e vigas proximas aos detectores acabam sendo obstáculos, dificultando a passagem da fumaça nos detectores e prejudicam a rapidez do acionamento dos detectores. 73

21 Figura 54 Instalação de um detector de fumaça na viga Figura 55 Instalação de um detector de fumaça perto de duto de ar condicionado No caso da figura 54 e 55 a viga foi considerada corretamente como um obstáculo para a fumaça e o detector foi instalado no ponto mais baixo da viga, porém além de outros obstáculos na sala, temos uma saida de ar condicionado, que gera a movimentação do ar, impedindo que a fumaça chegue ao detector. Muitas vezes os detectores são instalados com a sala vazia, e apesar do projetista considerar os elementos construtivos da edificação, o lay-out dos equipamentos que serão instalados posteriormente devem ser levados em conta para que não prejudiquem a detecção, conforme mostrado na figura 56. Figura 56 Calhas e fios instalados posteriormente ao detector 74

22 Figura 57 Detector e chuveiros automáticos instalados próximos a saída de ar condicionado Figura 58 Detectores instalados próximo a saída de ar condicionado Em escritórios, a instalação de detectores de fumaça perto das saidas de ar condicionado podem inutilizar o sistema como um todo, o exemplo disso está ilustrado na figura 59, onde a fumaça não vai chegar ao detector. Nesses casos devem ser instalados detectores no interior da tubulação de retorno de ar, pois é nessa tubulação que a fumaça estará mais intensa e ira acionar o detector em caso de um princípio de incêndio. Figura 59 Ilustração referente a problemas no teste de distribuição de fumaça em ambientes com ar condicionado Fonte: Bauer,

23 Figura 60 Fiação do acionador manual Figura 61 Reator para lâmpada fluorescente próximo a fiação do sistema de detecção Também é importante verificar as condições de instalação de todo o sistema de detecção. Não podemos admitir instalações sem nenhum critério quanto ao cuidado na passagem de cabos de um ambiente para outro, conforme mostrado na figura 60. Em caso de incêndio, não só o cabo mas o furo de passagem podem contribuir com a propagação do fogo para outras partes da edificação. A fixação dos outros componetes não pertencentes ao sistema de detecção pode prejudicar o sistema como um todo, gerando ruidos e prejudicando a detecção com alarmes falsos. Conforme figura 61, temos um reator de lâmpada fluorescente usando a mesma tubulação do sistema de detecção.devemos evitar ao máximo esse tipo de situação e caso essa condição seja inevitável, devem-se escolher cabos com blindagem eletrostática apropriada para evitar qualquer tipo de interferência eletromagnética. 76

24 Figura 62 Instalação dos cabos Figura 63 Fiação desorganizada na central Toda a fiação deve ser protegida, identificada evitando qualquer tipo de emenda. Uma instalação bem feita e dentro da norma, permite a rápida manutenção do sistema. Muito cuidado deve ser tomado com as transições entre as tubulações e entre tubulação e central, pois qualquer rebarba no nas tubulações ou na proteção metálica de central pode gerar um desgaste mecânico nos cabos, causando o curto circuito da central, conforme a figura 64. Figura 64 Problema de desgaste dos cabos Figura 65 Colocação de silicone nas bordas 77

25 Na figura 65 podemos ver uma solução não recomendada empregada para evitar esse tipo de problema. Essa capa de silicone colocana nessas bordas solucionam provisóriamente o problema, pois com o tempo, o silicone resseca e o problema permanece. É recomendado que para esses casos a eliminação desses resíduos pontudos com uma lima e utilizar uma proteção de borracha que impeça o contato tentre os cabos e a estrutura metálica da central. Figura 66 Interior de uma central de alarmes Figura 67 Fiação interna de uma central de alarmes Nas figuras 66 e 67 podemos avaliar que, mesmo com a toda a fiação identificada, podemos ver no interior da central a organização da cabeação não esta adequada, que existem emendas e derivações e que os cabos de alimentação estão em péssimas condições. Ver figura 68 e 69. Figura 68 Emendas e derivações Figura 69 Cabos de alimentação 78

26 Figura 70 Central em alarme Figura 71 Detalhe do alarmes Nas figuras 70 e 71 vemos uma central de alarme em estado de alarme continuo, mas nenhuma providência foi tomada para a verificação dos alarmes. Devido a vários alarmes falsos já ocorridos nessa instalação, o sistema perdeu a credibilidade e os alarmes não são verificados. Os locais de instalação da central em um sistema de detecção e alarme de incêndio deve ser verificado. Deve ficar em lugar de fácil acesso e com rápida visualização. Na Figura 72 vemos uma central instalada em uma altura de, aproximadamente, 2 metros, usando duas baterias de carro como alimentação de segurnaça em caso de queda de energia da concessionária elétrica. Figura 72 Central em alarme instalada a 2 metros de altura 79

27 7. CONCLUSÃO Muitas instalações existentes ainda não cumprem o mínimo exigido nas normas para o funcionamento correto do sistema. Sua eficiência em detectar um princípio de incêndio está diretamentente ligada a um projeto eficaz que leve em conta todas as variáveis possíveis como as dimensões da sala, qual o tipo de ocupação, quais são os materiais que estarão presentes na sala, entre outros. No Estado de São Paulo, devido as Instruções Técnicas dos Bombeiros do Estado de São Paulo e as obrigações descritas no Decreto n , se existe uma preocupação em, pelo menos, atender os níveis mínimos exigidos em Norma. Mas mesmo com essas exigências, ainda podemos encontrar informações deiferentes se compararmos as Normas com as Instruções Técnicas. Podemos citar como exemplo a informação referente a distancia percorrida por uma pessoa até um acianodar. Na NBR9441:1998 Execução de sistemas de detecção e alarme de incêndio no seu item estipula que a distância máxima percorrida por uma pessoa até o acionador manual mais próximo não deve ser superior a 16 metros. Já a Instrução Técnica nº19 de 2004, no seu item 5.7 diz que a distância máxima percorrida não deve ser superior a 30 metros. Claro que, para garantir a máxima segurança dos ocupantes, temos que utilizar o item mais restritivo, pois assim estariamos atendendo a Norma e a Instrução Técnica. O bom senso também deve ser empregado pelo Engenheiro de Segurança na instalação de um sistema de detecção e alarme de incêndio. Não podemos esquecer o principal objetivo do sistema é a detecção rápida de um princípio de incêndio, para garantir, em primeiro lugar, a evacuação rápida e segura das pessoas do local. Mas se percebe que as empresas ainda não dão o devido valor a segurança contra incêndio, não só referente aos sistemas de detecção e alarme de incêndio, mas com relação a todas as obrigações descritas no Decreto n e nas Instruções Técnicas dos Bombeiros do Estado de São Paulo. Outro ponto em que o Engenheiro de Segurança de estar atento é quanto a sensibilidade do equipamento. Muitos equipamentos são importados e não passam por acreditação nos laboratórios competentes aqui no Brasil, pois para os sistemas de detecção e alarme de incêndio os testes de verificação não são obrigatórios. Deve-se exigir do importador, além das aprovações de todas as partes do sistema 80

28 elaborados por laboratórios competentes, as devidas garantias da eficiência dos detectores, planos de manutenção e a documentação técnica. Para os edificios de ocupação residencial e em Escolas a situação é ainda pior, pois a detecção automática não é obrigatória, sendo necessário para atender a legislação apenas um sistema de alarme. Isso é muito grave pois, imaginemos uma edificação de uso residencia de, por exemplo, vinte andares, com quatro apartamentos por andar, quais são as chances de todas as familias serem avisadas de um principio de incêndio no quinto andar? Quem seria o responsável em avisar essas familias? Como seria esse aviso? Se pensarmos na quantidade de edificações residencias existentes só na cidade de São Paulo podemos ver o qual grave é essa falta de obrigatóriedade e o perigo que as pessoas estão sujeitas. Como contribuiçao a Engenharia de Segurança do Trabalho, esta monografia pretende que num futuro próximo haja: a) Uma Lei de obrigatoriedade nos condomínios que se tenha um sistema de detecção e alarme em cada unidade e que 24 horas por dia haja pessoa treinada no mesmo ambiente do painel central para alertar todos os moradores e oriente um escape coordenado. b) Uma Lei de obrigatoriedade aos importadores ou empresas fabricantes de Equipamentos de Alarme contra incêndio a contratar Laboratórios Nacionais a certificar com testes cada equipamento. c) Uma Lei de obrigatoriedade de que cada Condomínio tenha um projeto de instalação de sistema de alarme assinado por engenheiro de segurança e o respectivo ART. d) Leis estaduais com os mesmos preceitos da Lei de São Paulo para orientar como se pode dotar um condomínio dessas proteções. 81

29 8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Execução de Sistemas de Detecção e Alarme de Incêndio. NBR Rio de Janeiro, ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Detectores automáticos de fumaça para proteção contra incêndio. NBR Rio de Janeiro, ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Acionador manual para utilização em sistemas de detecção e alarme de incêndio. NBR Rio de Janeiro, ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Instalações Elétricas de Baixa Tensão. NBR Rio de Janeiro, BERTO, Antônio Fernando - Medidas de proteção contra incêndio: Aspectos fundamentais a serem considerados no projeto arquitetônico dos edifícios. Dissertação (Mestrado) da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo FAU-USP. São Paulo, BAUER, Wolfgang Leopold. Apostila Detetores de Incêndio, Agosto São Paulo. BRASIL. Portaria Nº de 08 de Junho de 1978, Aprova as Normas Regulamentadoras - NR - do Capítulo V, Título II, da Consolidação das Leis do Trabalho, relativas a Segurança e Medicina do Trabalho, Ministério do Trabalho e Emprego, Secretaria de Inspeção do Trabalho. Norma Regulamentadora 23 Proteção contra incêndios, CREA - Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia, Resolução Nº359 de 31 de Julho de 1991, Art. 4º. CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI. Biblioteca Pe. Aldemar Moreira. Manual para apresentação formal de trabalhos acadêmicos. São Paulo,

30 DEWIT, William E. Compreendendo Dispositivos de Detecção de Fogo.Disponível em: <http://www.risco.com.br/nl/mol/10/compreendendo-dispositivos-de- Deteccao-de-Fogo.htm >. Acesso em: 07 jan Revista Eletricidade Moderna. Guia EM da São Paulo, dezembro de 2001 SÃO PAULO. Instrução Técnica nº 19/ Sistemas de Detecção e Alarme de Incêndio - Secretaria do Estado Dos Negócios da Segurança Pública, Polícia Militar do Estado de São Paulo - Corpo de Bombeiros; SÃO PAULO. Decreto n , de 31 de de agosto de Institui o Regulamento de Segurança contra incêndio das edificações e áreas de riscos para fins da Lei n 684, de 30 de setembro de 1975, e estabelece outras providências. D.O.E. Poder Executivo, Seção I. São Paulo, 11 (166). 1 set

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio Definição da Norma NBR 9441/98 Sistema constituído pelo conjunto de elementos planejadamente

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Central de Iluminação de Emergência 12 V(cc), 20 A, com Capacidade de 240 W. Código AFB240 A central de iluminação de emergência é alimentada pela rede elétrica predial (110 ou 220 volts) e também possui

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente 2 110766_MEMPCI_REFORMA_SALA_MOTORISTAS_R00 MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Chama Convencional Tipo Ultravioleta Código: AFC9104. O detector de chama AFC9104 é um equipamento que deve ser instalado no teto ou na parede das edificações e tem como função enviar

Leia mais

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES 1 OBJETIVOS DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A proteção da vida humana A proteção do patrimônio A continuidade do processo produtivo 2 O CÍRCULO DE PROTEÇÃO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA 17/2013 SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS E BIBLIOGRÁFICAS

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA INSTALADORES SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MODELO SAFIRA

RECOMENDAÇÕES PARA INSTALADORES SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MODELO SAFIRA RECOMENDAÇÕES PARA INSTALADORES SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MODELO SAFIRA 1. INSTALAÇÃO E INFRAESTRUTURA A Central de alarme e detecção de incêndio Safira exige cuidados importantes na hora

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Acionador Manual de Alarme de Incêndio Convencional Á Prova de Tempo (IP67) Resetável Código: AFMCPEIP67. O acionador manual de alarme de incêndio AFMCPEIP67 é um equipamento que deve ser instalado na

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Fumaça Óptico Endereçável 04 Níveis de Detecção Com Módulo Isolador - Código: AFS130IS. (Uso Conjunto às Centrais de Alarme da Série IRIS). O detector de fumaça código AFS130IS é um

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Mini Sirene Eletrônica Audiovisual Um Toque Iluminação a LED - Para Pequenas e Médias Áreas - Código: AFMSF A sirene audiovisual de alarme código AFMSF é um equipamento que deve ser instalado no teto ou

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA

ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA ESCOLAS Realização: fdte@fdte.org.br ÍNDICE 1. Objetivo..................................................................... 3 2. Elementos de uma Rede Telefônica:............................................

Leia mais

PALESTRA NOVA NBR 17240 DE ALARME DE INCÊNDIO

PALESTRA NOVA NBR 17240 DE ALARME DE INCÊNDIO PALESTRA NOVA NBR 17240 DE ALARME DE INCÊNDIO O que mudou em relação à antiga NBR? Por que o empresário e o síndico tem que estar atentos a essa nova NBR? Quais os riscos que os tomadores de decisão estão

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Detector / Sensor de Fumaça Autônomo Rede AC e Bateria - Com Saída Rele NA/NF - Código: AFDFAR. O detector de Fumaça código AFDFAR é um equipamento que deve ser instalado no teto ou na parede das edificações

Leia mais

9SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 18/2015

9SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 18/2015 Instrução Técnica nº 18/2011 - Iluminação de emergência 449 9SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 18/2015

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 27 CONSIDERANDO:

RESOLUÇÃO N.º 27 CONSIDERANDO: PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE COMISSÃO CONSULTIVA PARA PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO RESOLUÇÃO N.º 27 Interpreta a aplicação dos artigos 103 e 104 da Lei Complementar 420/98 A Comissão Consultiva Para

Leia mais

Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio

Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio Apresentação do módulo Os sistemas de proteção contra incêndio e pânico são classificados em duas categorias distintas: proteção passiva

Leia mais

NORMA TÉCNICA Nº. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA Nº. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO NORMA TÉCNICA Nº. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO NORMA TÉCNICA N. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO CBMGO CBMGO - CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS SUMÁRIO

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

FÓRUM DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES

FÓRUM DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA FÓRUM DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DAS INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO EMPRESA RESPONSÁVEL: Senemig Engenharia LTDA RESPONSÁVEIS

Leia mais

Recomendações de Segurança do Trabalho

Recomendações de Segurança do Trabalho Recomendações de Segurança do Trabalho Localização e Sinalização dos Extintores Recomendações de Segurança do Trabalho Localização e Sinalização dos Extintores: Apresentação As recomendações aqui descritas

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

2.5. Placas eletrônicas da central

2.5. Placas eletrônicas da central 2.5. Placas eletrônicas da central Placa eletrônica de laço Piezo Placa de laço Na placa eletrônica de laço podem ser ligados quatro laços de detecção, compostos por detectores de fumaça, detectores termovelocimétricos

Leia mais

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos Eng. Valdemir Romero Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Segurança

Leia mais

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS DAT/1 SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 029 Comercialização, distribuição e utilização de gás natural CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2

Leia mais

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final)

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) 1 - INTRODUÇÃO: CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) Trata-se de uma sistema de alarme de incêndio para utilização onde há somente acionadores manuais e sirenes convencionais, não

Leia mais

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO de acordo com o projeto de norma nº 24:203.002-004 da ABNT ( setembro 2000 ) 1 Objetivo 1.1 Estabelecer

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL Resolução nº 002 de 09 de maio de 2011. O Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

PORTEIROS ELETRÔNICOS COLETIVOS

PORTEIROS ELETRÔNICOS COLETIVOS 9.0 - INTRODUÇÃO AOS PORTEIROS ELETRÔNICOS Os Porteiros Eletrônicos Coletivos THEVEAR são sistemas constituídos de quatro componentes básicos. 9.1 - PRIMEIRO COMPONENTE: A PLACA DE RUA É um painel instalado,

Leia mais

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP Aprova a Norma Técnica nº 010/2005-CBMAP, sobre atividades eventuais no Estado do Amapá,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás.

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. USO DE GÁS NATURAL CANALIZADO NORMAS E LEGISLAÇÃO: ABNT NBR 14570 ABNT NBR 13103 COSCIP código de segurança - decreto estadual nº

Leia mais

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 004 Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 17 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA Índice 1 Introdução 2 Local da Obra 3 Normas 4 Malha de Aterramento 5 Equipamento e Materiais 6 Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas 7 Cálculo dos Elementos

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS Belém 2014 / Versão 1.0 1

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011 Instrução Técnica nº 04/2011 - Símbolos gráficos para projeto de segurança contra incêndio 149 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2010 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação, eletrônico

Leia mais

Projeto de Rede Telefônica

Projeto de Rede Telefônica Projeto de Rede Telefônica Prof. Manoel Henrique Sequencia Definições e materiais. Caixas de distribuição Blocos de terminais Caixas de passagem Tubulação Entrada Primária Secundária Cabos telefônicos

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS ANEXO XVIII AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica visa a adequar o texto da norma NBR 10897, que dispõe sobre

Leia mais

Instalações Prediais. Manutenção

Instalações Prediais. Manutenção Instalações Prediais Manutenção Legislação Leis nº 10.199/86 e 8382/76 Certificado de manutenção dos sistemas de segurança contra incêndio Lei nº 13.214, de 22 de novembro de 2001. Obrigatoriedade de instalação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 23/2011 Sistema de chuveiros automáticos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO

NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO DADOS DA INSPEÇÃO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências técnicas (Além desta NR) Acompanhante

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 41/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 41/2011 Instrução Técnica nº 41/2011 - Inspeção visual em instalações elétricas de baixa tensão 757 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 041/2010 EM REVISÃO Inspeção Visual em Instalações Elétricas de Baixa

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 - Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 - Risco de incêndio 3 - Símbolos 9 - Fatores de segurança

Leia mais

IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo A - Hidrantes de recalque do sistema de chuveiros automáticos 2 Aplicação B Sinalização dos Hidrantes de Recalque do Sistema de chuveiros

Leia mais

2Y Indústria Eletrônica Ltda.

2Y Indústria Eletrônica Ltda. SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO Orientações para Projetos e Instalações Conteúdo Sistemas de detecção e alarme de incêndio...3 Projeto do Sistema...3 Primeiro estágio: Definição...3 Segundo estágio:

Leia mais

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO firesafetybrasil@gmail.com RELAÇÃO ENTRE OS FATORES CONDICIONANTES DE RISCO E AS DISTINTAS CATEGORIAS DE RISCO RELAÇÃO DE INTERDEPENDÊNCIA ENTRE AS CINCO CATEGORIAS

Leia mais

Termo de Garantia. Extinção da Garantia

Termo de Garantia. Extinção da Garantia OBS IMPORTANTE: Você esta adquirindo um produto de segurança. Verifique com o Engenheiro responsável da obra, se ele atende as necessidades para o local onde será Instalado, pois todo o equipamento de

Leia mais

Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz

Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz 1 Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz Prezado Usuário, A partir de agora você estará utilizando um sistema que integra Dados, Voz e Imagem em uma rede de alta confiabilidade, com equipamentos

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Fumaça Óptico Convencional + Módulo Endereçável Código: AFDFE. (Ideal Para Utilizar em Conjunto com a Central de Alarme de Incêndio AFSLIM). O detector de fumaça código AFDFE é um

Leia mais

Sumário. Detectores Automáticos. Iluminação de Emergência. Prof. Ivan Bottger

Sumário. Detectores Automáticos. Iluminação de Emergência. Prof. Ivan Bottger Sumário Detectores Automáticos Iluminação de Emergência Sumário Análise de riscos Resistência / Reação Atuação Detecção Extinção Retirada dos ocupantes Detectores Automáticos NBR 17240:2011 - Execução

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Meios de Fuga As rotas de fuga devem atender, entre outras, às seguintes condições básicas: Número de saídas O número

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO I - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 1.1. OBRA: Regularização e Ampliação de um Complexo Esportivo. 1.2. ENDEREÇO: Conjunto Manuel Julião, Rio

Leia mais

Exemplo de uma planta de distribuição elétrica utilizando parte da simbologia acima.

Exemplo de uma planta de distribuição elétrica utilizando parte da simbologia acima. TOMADA NO PISO PONTO DE FORÇA 2 3 3w 4w INTERRUPTOR DE 1 SEÇÃO INTERRUPTOR DE 2 SEÇÕES INTERRUPTOR DE 3 SEÇÕES INTERRUPTOR THREE-WAY PARALELO INTERRUPTOR FR-WAY INTERMEDIÁRIO ACIONADOR DE CIGARRA CIGARRA

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS No caso das instalações elétricas existentes nos espaços não comportarem a carga elétrica a ser ligada pelo evento, é necessário que a Contratante apresente os documentos e respeite as condições mínimas

Leia mais

ANEXO I PROJETO EXECUTIVO. Ref: Intimação CONTRU processo nº 2004.0165.823-2 www.prefeitura.sp.gov.br/processos

ANEXO I PROJETO EXECUTIVO. Ref: Intimação CONTRU processo nº 2004.0165.823-2 www.prefeitura.sp.gov.br/processos ANEXO I PROJETO EXECUTIVO Ref: Intimação CONTRU processo nº 2004.0165.823-2 www.prefeitura.sp.gov.br/processos Ass: Escopo para Contratação de Empresa Qualificada. Tipo da contratação: Obra de Engenharia.

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 2 CONCEITOS, DEFINIÇÕES E COMPONENTES DO SISTEMA

Leia mais

PORTA PIACENZA MANUAL DA CONSTRUTORA

PORTA PIACENZA MANUAL DA CONSTRUTORA MANUAL DA CONSTRUTORA PIACENZA REV.1 e-mail: detectamax@detectamax.com.br Aviso As informações contidas neste manual estão sujeitas a alterações sem notificação prévia. Todos os cuidados foram tomados

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 23/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 23/2011 Instrução Técnica nº 23/2011 - Sistemas de chuveiros automáticos 513 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº

Leia mais

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1/8 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO AMAPÁ DIVISÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS 1. Normas de referência: NBR 10.897-ABNT 1.1. Outras normas: 2. Nome

Leia mais

PORTA ROMA 80 MANUAL DA CONSTRUTORA

PORTA ROMA 80 MANUAL DA CONSTRUTORA MANUAL DA CONSTRUTORA PORTA ROMA 80 REV.1 Aviso As informações contidas neste manual estão sujeitas a alterações sem notificação prévia. Todos os cuidados foram tomados para garantir a acuidade das informações

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO A EQUIPEL assegura ao proprietário deste aparelho garantia de 01 ano contra qualquer defeito de peça ou de fabricação desde que,

Leia mais

Aplicações: Em sistemas de prevenção de incêndio. Dispositivo destinado a transmitir sinais sonoros e sinais visuais.

Aplicações: Em sistemas de prevenção de incêndio. Dispositivo destinado a transmitir sinais sonoros e sinais visuais. SIRENE Aplicações: Dispositivo destinado a transmitir sinais sonoros e sinais visuais. SIRENE AUDIOVISUAL modelo: SRL-01 SIRENE AUDIOVISUAL modelo:srp-01 / SRV-01 Acionadores: Acionado automáticamente

Leia mais

Sistema de Chuveiros Automáticos

Sistema de Chuveiros Automáticos SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas INSTRUÇÃO TÉCNICA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA 20/2010 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR CHUVEIROS AUTOMÁTICOS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 REFERÊNCIAS

Leia mais

Manual de Instruções. Crossover 4 Vias HD-X4W. Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada

Manual de Instruções. Crossover 4 Vias HD-X4W. Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada 9V RMS Tweeter CH Crossover /octave 2K, 4K, 6K, 8K Mid CH Crossover /octave Low: 0, 0, 0Hz em Flat High:,, 1,Hz Mid Bass Crossover /octave

Leia mais

Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares

Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 33/2004 Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9 PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9.1 INTRODUÇÃO O aumento da temperatura nos condutores de uma instalação elétrica, devido a circulação de corrente (efeito Joule), projetada para o funcionamento normal,

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO ANEXO XI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO 1. OBJETIVOS Esta Norma Técnica estabelece princípios gerais para: a) o levantamento de riscos

Leia mais

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Rota de Fuga e Análise de Riscos Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig 2010 É um mapa que representa, através de símbolos apropriados, o trajeto a ser seguido pelo indivíduo

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 033 Cobertura de sapé, piaçava e similares CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm Page 1 of 5 20.1 Líquidos combustíveis. NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis (120.000-3) 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele

Leia mais

NPT 023 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

NPT 023 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 023 Sistema de chuveiros automáticos CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas

Leia mais

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS COMPANHIA DOCAS DO CEARÁ Secretaria de

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2011 Instrução Técnica nº 34/2011 - Hidrante urbano 719 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2011 Hidrante

Leia mais

ECNOLOGIA INFRAVERMELHO + MICROONDAS + PET IMMUNITY USO EXTERNO

ECNOLOGIA INFRAVERMELHO + MICROONDAS + PET IMMUNITY USO EXTERNO SENSOR STK 6609 TRIPLA TECNOLOGIA INFRAVERMELHO + MICROONDAS + PET USO EXTERNO Nossos produtos possuem o certificado norte americano FCC, e são projetados de modo a não emitir ondas que possam prejudicar

Leia mais

ECV 5644 Instalações II

ECV 5644 Instalações II SISTEMA DE GÁS CENTRALIZADO Fonte: ETFSC Este Sistema também é conhecido como SISTEMA DE GÁS COMBUSTIVEL CENTRALIZADO, é constituído basicamente das seguintes instalações: 1. Central de Gás (Central de

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO SPDA BRASÍLIA - DF

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO SPDA BRASÍLIA - DF INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO SPDA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA - DF 1 - MEMORIAL DESCRITIVO 2 MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN nº 012/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ALARME E DETECÇÃO DE INCÊNDIO

INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN nº 012/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ALARME E DETECÇÃO DE INCÊNDIO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA DO CIDADÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN nº 012/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ALARME

Leia mais

SENSOR DE GÁS SEM FIO STK 846 SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS SEM FIO STK

SENSOR DE GÁS SEM FIO STK 846 SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS SEM FIO STK SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS SEM FIO STK 846 www.samtek.com.br Agradecemos a sua preferência por nossos produtos. Nossos produtos possuem vários certificados nacionais e internacionais sendo projetados de

Leia mais

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA NBR5410 As instalações elétricas devem ser concebidas e construídas

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 12/2015 Campus São João del-rei

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 12/2015 Campus São João del-rei CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO Tema 01: ELETRICIDADE BÁSICA E CIRCUITOS EM CC Um fabricante de isoladores informa que seu produto, no formato de um cilindro, como mostrado na Figura

Leia mais

Sistema de proteção por extintores de incêndio

Sistema de proteção por extintores de incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 021 Sistema de proteção por extintores de incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão:01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais

Instalações Elétricas Prediais Abril de 2010 Sumário Tópicos Sumário 1 As tubulações às quais se referem estas instruções devem ser destinadas exclusivamente ao uso da Concessionária que, ao seu critério, nelas poderá os servições de

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito Instalações Elétricas Prediais -É a Ligação intencional de um condutor à terra. -Significa colocar instalações de estruturas metálicas e equipamentos elétricos

Leia mais

Controlador de Segurança para chamas de Gás

Controlador de Segurança para chamas de Gás Controlador de Segurança para chamas de Gás Para queimadores de gás atmosféricos de 2 estágios: Detecção de chamas: - Sonda de Ionização - Detector de Infra-vermelho IRD 1020 - Sensor de chamas Ultravioleta

Leia mais