Área: Formação de Recursos Humanos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Área: Formação de Recursos Humanos"

Transcrição

1 Área: Formação de Recursos Humanos Objetivo : Identificar setores com necessidade de mão de obra Criação do Mapa de Mão de Obra do Estado de São Paulo visando identificar as necessidades de profissionais no mercado a ser divulgado uma vez por ano; Mapear a disponibilidade de Portadores de Deficiência (PCD's) nas cidades e promover a qualificação destas pessoas de modo que estas possam trabalhar na indústria; Revisão das normas de cotas de PCD's que permita alternativamente a contratação ou investimento em programas de capacitação; Criar programas específicos de requalificação profissional e educacional para profissionais acima de 5 anos; Objetivo : Formar profissionais qualificados para suprir as necessidades do mercado Fortalecimento do ensino da língua inglesa; Revisão contínua da grade curricular em parceria com as entidades setoriais; Criar estrutura de integração das diversas instituições que oferecem formação profissionalizante; Ampliar a Programa Via Rápida Emprego; 5 Divulgar programas de ensino à distância do Estado de São Paulo; 6 Criar linhas de financiamento e incentivo a empresas e entidades para investimento em formação de mão de obra; Objetivo : Promoção da cultura do empreendedorismo e conhecimento de base Inclusão na grade curricular de disciplina voltada ao empreendedorismo. Melhorar/fomentar os fundamentos da matemática e português.

2 5 6 7 Área: Promoção da Competitividade Objetivo : Reduzir o acúmulo de crédito das empresas Diferimento/suspensão de ICMS na compra de insumos, partes e peças ou redução da alíquota ou base de cálculo na compra de insumos de forma que a alíquota efetiva seja de % ou inferior; caso a venda do produto final esteja sujeita a uma alíquota menor; Diferimento do ICMS na aquisição de insumos, parte e peças e componentes a serem incorporados na produção de bens destinados à exportação, com origem em território paulista; Diferimento do ICMS na aquisição de insumos, parte e peças e componentes a serem incorporados na produção de bens de capital; Autorização automática de transferência de saldo credor e créditos acumulados a terceiros, sem depender de procedimentos perante SEFAZ ou aprovação do Secretário da Fazenda. Possibilidade de usar o saldo credor, passível de apropriação e do crédito acumulado já apropriado de ICMS, para realização de investimentos em aquisição e modernização de máquinas e equipamentos e de edificações na planta produtiva localizada em território paulista; Estabelecer prazo máximo de meses para ressarcimento dos créditos tributários das empresas e, se necessário para assegurar esse ressarcimento, criar um fundo estadual para este fim; Correção monetária dos créditos acumulados pelo mesmo índice utilizado para corrigir os débitos dos contribuintes; 8 Criação de um Programa semelhante ao Reintegra para desonerar a cadeia produtiva exportadora; 9 Diferimento no transporte e inclusão de mecanismos no regulamento;

3 Área: Promoção da Competitividade Objetivo : Dilatar o prazo de recolhimento do ICMS Alongar, de forma permanente, em 60 dias o prazo de recolhimento do ICMS quando a operação é realizada por estabelecimento do setor industrial, podendo ser adotada de forma gradual (5 dias a mais a cada mês até atingir o prologamento proposto); Objetivo : Aprimorar o sistema de substituição tributária Criação de regras mais claras pela Secretaria da Fazenda na inclusão e exclusão de produtos na lista de ST e aprovação final somente após avaliação e deliberação do Conselho Paulista da Competitividade; Revisão das margens de valor agregado somente poderá ocorrer a cada quatro anos e mediante avaliação e aprovação do Conselho Paulista de Competitividade; Viabilizar a eliminação de ST em setores que já tenham Nfe tanto no atacado quanto no varejo; Criar instrumento para a restituição do incentivo fiscal perdido pelas MPEs em virtude da ST; Objetivo : Tornar passível de crédito o ICMS pago na aquisição de bens de uso e consumo Conforme prevê o art. da LC 87/96, somente em 00, as operações com bens de uso e consumo darão direito de crédito. É necessária a antecipação desta cláusula ou a adoção, por parte da fazenda paulista, de mecanismo que viabilize essa operação; Objetivo 5: Desonerar o ICMS no investimento Diferimento automático do ICMS nas operações de compra de Bens de Capital para saída de todas as empresas e todos os setores;

4 Área: Promoção da Competitividade Objetivo 6: Melhorar a competitividade da mão de obra paulista Revisão e aprimoramento das obrigações acessórias, programas estaduais e regras estaduais, relacionadas à legislação trabalhista, com especial atenção a MPMEs; Flexibilização das legislações trabalhistas; Elaboração de propostas de redução dos encargos trabalhistas a todos os setores econômicos - Carta Paulista; Programas específicos para auxílio à empresa no cumprimento de cotas de menor aprendiz; Objetivo 7: Adaptação de padrões internacionais - Mercosul Aumento do limite de faturamento para pequenas e médias empresas para utilização dos benefícios do Simples Nacional; Objetivo 8: Amparar as empresas que, em razão de benefícios concedidos por outros Estados aos seus concorrentes, perdem isonomia de competitividade Prorrogação em 0 anos dos benefícios estaduais existentes; Apresentação de ADINs pelo Estado de São Paulo no prazo máximo de 90 dias após identificação do benefício inconstitucional dado por outro Estado da Federação; Criar proposta de legislação que permita a qualquer contribuinte gozar do mesmo benefício concedido por outro Estado a um concorrente, até que seja: a) concedida uma liminar em ADIN sustando os efeitos da legislação do outro Estado; ou b) uma decisão definitiva do STF sustando os efeitos da legislação e declarando a sua inconstitucionalidade; Objetivo 9: Simplificar os regimes de notas fiscais, declarações, e demais obrigações acessórios Criar grupo especial permanente na SEFAZ para estudar e implantar sistemas de simplificação de complexidade de tributos e administração tributária no prazo de (um) ano.

5 Área: Inovação Objetivo : Dar autonomia aos Institutos de Pesquisa Estaduais no estabelecimento de convênios, parcerias e contratos com empresas privadas e entidades de classe com previsão de recursos financeiros Instituição de decreto regulando a competência para firmar convênios entre as instituições de pesquisas estaduais e entidades; Estabelecer procedimentos nos ICTs para formalização de convênios com empresas e institutos de pesquisa das entidades no prazo máximo de 90 dias; Regulamento minuncioso sobre a forma de estabelecimento de convênios entre as entidades públicas e as empresas privadas contemplando até mesmo as relativas à Propriedade Intelectual permitindo aos institutos de pesquisa a assinatura de convênios; Normatização de Direito de Propriedade Intelectual nas parcerias instituto x empresa; Proposição de divulgar para as consultorias/procuradorias jurídicas das Secretarias de Estado e das Instituições Científicas e Tecnológicas do Estado (ICTESPs), após aprovação na PGE, de Nota Técnica sobre Regime Jurídico das ICTESPS, proposta pelo grupo técnico instituído para promover estudos e propor as medidas necessárias para o 5 incentivo à inovação tecnológica junto a empresas de pequeno porte, contemplando linhas de financiamento e investimento em empresas que estejam desenvolvendo novas tecnologias (artigo º, caput, da Resolução CC-6, de 7-5-0). Objetivo : Ampliar linhas de financiamento em Inovação do Estado de São Paulo Criar programa de atração e ampliação de Centros de P&D para o Estado de São Paulo através de linhas de fomento com subvenção e possibilidade de atender todas as atividades inerentes ao investimento e operações deste Centro; Criar linhas de fomento com subvenção e possibilidade de atender todas as atividades de P&D&I nas empresas; Criar linhas de fomento com subvenção para incentivo à inovação de processos tecnológicos; Análise de projetos: estabelecer prazo máximo de 90 dias para aprovação/rejeição do financiamento (FAPESP, FUNCET, DESENVOLVE SP); implantar normas claras no processo de seleção e avaliação dos projetos; induzir à criação de comissões julgadoras que contemplem a participação de profissionais da iniciativa privada, com a devida qualificação;

6 Área: Inovação Objetivo : Proporcionar condições para acesso das empresas a áreas de Parques Tecnológicos e incubadoras Aumentar a oferta de terrenos e áreas existentes nos parques tecnológicos e incubadoras do Estado de São Paulo, por meio de concessão (mínimo de 5 anos renováveis por mais 5) ou venda por valores simbólicos ou abaixo do mercado; Objetivo : Instituir programa de incentivos fiscais à pesquisa científica e tecnológica, e desenvolvimento da inovação tecnológica no Estado de São Paulo Autorizar a utilização do crédito acumulado no pagamento de bens e mercadorias adquiridos para fins de realização de projeto de inovação; Diferimento do ICMS de máquinas e equipamentos de uso exclusivo nas atividades de P&D; Isenção de ICMS na aquisição de insumos para P&D; Suspensão de ICMS na importação de máquinas, equipamentos e insumos, quando não houver similar nacional. desde que o bem seja importado por território paulista; Criar um instrumento para permitir o abatimento no pagamento de ICMS das despesas com mão de obra alocada 5 exclusivamente em P&D; 6 Diferimento na cadeia de produção do produto inovador; Criar obrigatoriedade de compras públicas para produtos com inovação tecnológica de 5% do total de compras do 7 Estado de São Paulo com possibilidade de pagamento superior até 5% do valor em relação a produtos sem inovação tecnológica; Objetivo 5: Criação de um Plano de Ciência e Tecnologia para o Estado de São Paulo visando à obtenção contínua de resultados em inovação, tecnologia e produção científica Agilizar a instalação do CONCITE e, por consequência, da análise e aprovação, por aquele Conselho, do Plano de Ciência e Tecnologia para o Estado de São Paulo; Criação e implantação do PORTAL DA INOVAÇÃO para divulgação das informações relativas a todas as infraestruturas existentes no Estado de São Paulo para P&D&I entre elas: universidades, institutos de pesquisa, linhas e entidades de fomento, pesquisadores, laboratórios, legislação, programas e informações atualizadas de P&D&I;

7 Área: Logística Objetivo : Redução do tempo de desembaração aduaneiro Integrar, organizar e regulamentar as atividades dos portos e aeroportos durante as horas do dia, conforme processo já iniciado. Definir uma grade de horários para execução das atividades de desembaraço/despacho de cargas em conjunto dos diferentes órgãos do Governo; Equalização das exigências normativas para produtos nacionais e importados para efeito de desembaraço aduaneiro; Objetivo : Melhorar a estrutura ferroviária do Estado de São Paulo Implantação do Ferroanel Norte e Sul; Conexão da ferrovia com hidrovia; Isenção do ICMS para transporte de carga ferroviária; Isenção do ICMS para investimentos em transporte ferroviária; 5 Prioridade e melhorias de acesso ferroviário ao Porto de Santos Criação de CLIs (Centros Logísticos Integrados) para transbordo de carga rodoviária para ferrovia nas fronteiras 6 do Estado e em pontos estratégicos do Estado de São Paulo (portos secos ou não); 7 Priorizar a segregação de linhas de passageiros e cargas em regiões metropolitanas; Objetivo : Melhorar a estrutura aeroviária do Estado de São Paulo Viabilizar a autorização para implantação de novo aeroporto internacional na Região Metropolitana de São Paulo; Ampliar de rotas aéreas regionais nos aeroportos do Estado; Criar acessibilidade aos aeroportos de Viracopos e Cumbica através de via férrea - já previsto em projeto do Governo Estadual; Parceria do Estado para acelerar as obras nos aeroportos Viracopos e Cumbica; 5 Redução da alíquota do ICMS de querosene de aviação para %; Ampliar o processo de internacionalização na rede Estadual de aeroportos para que possam recepcionar 6 aviação executiva e cargas gerais;

8 Área: Logística Objetivo : Melhorar a estrutura hidroviária/dutoviária do Estado de São Paulo Criação de terminais hidroviários com conexão ferroviária/rodoviária/dutoviária; Agilizar o processo de ampliação das hidrovias; Isenção de ICMS para transporte hidroviário/dutoviário; Isenção de ICMS para investimento em transporte hidroviário/dutoviário; Objetivo 5: Melhorar a estrutura rodoviária do Estado de São Paulo Adequação a lei dos motoristas de cargas: construção de áreas para descanso para os motoristas pelas concessionárias; Criação de Pontos de Espera de cargas excedentes (largura, altura); Criação de Pátios Reguladores no Planalto para acesso ao Porto de Santos; Restrição da utilização do modal rodoviário para transporte de commodities para fins de exportação; 5 Lei da entrega - implantação de decreto que está em fase de elaboração para regulamentar a lei; Criar um sistema de licença única ambiental municipal para transporte de cargas especiais quando passar em 6 mais de um município; 7 Mapeamento e melhoria de segurança em locais onde ocorrem mais roubos de carga; 8 Ampliação e melhoria de balanças para novos modelos de caminhões; Criar normativas e obrigações padrão para reforma de vias municipais e vicinais para atendimento ao 9 transporte de cargas; Revisar Portaria para normatização de descida de veículos que preveja a utilização bi-trens e rodo-trens desde 0 que haja tecnologia de segurança de frenagem;

9 Área: Logística Objetivo 6: Ampliação de rotas de transporte em regiões metropolitanas Criar nomativa para que projetos futuros das metrópoles levem em consideração a necessidade de transporte ou transposição de cargas especiais; Objetivo 7: Melhoria das operações logísticas para redução de custos de operação, tempo de percurso, consumo dos insumos, etc Marco regulatório para criação do conhecimento multimodal; Objetivo 8: Melhorar a estrutura portuária do Estado de São Paulo São Sebastião: agilizar o processo de ampliação, criação do retroporto e do contorno do município; Santos: criação do condomínio industrial voltado à atividade de O&G, priorizar obras de melhoria de acesso ferroviário e rodoviário ao Porto); Adequação do layout dos novos terminais para comportar o acesso ferroviário/ramal ferroviário; Dedicar a ampliação de novos terminais à produção paulista; 5 ICMS diferenciado para óleo combustível de cabotagem.

10 Área: Infraestrutura Objetivo : Redução dos custos de energia elétrica, gás natural, óleo combustível e telecomunicações Redução gradual da alíquota de ICMS para %, aplicável aos insumos destinados à produção; Redução dos encargos incidentes sobre energia elétrica (gás natural) - Carta Paulista Execução de investimentos em gasodutos, oleodutos, UPGN's da Bacia de Santos, para utilização e processamento de gás natural e petróleo no Estado de São Paulo; Objetivo : Autossuficiência na produção de energia Implantar programa de incentivo a projetos de eficiência energética voltados à produção limpa (biomassa, solar, eólica, biogás, etc) e redução do consumo; Ampliar o direito de passagem dos gasodutos de escoamento e produção; Ampliar política de infraestrutura energética (biomassa - etanol) dentro da cadeia produtiva (infraestrutura, produção e logística, Reintegra de ICMS, certificado de crédito de carbono negociado na Bovespa); Revisar legislação estadual facilitando o acesso às empresas de tecnologia da comunicação, gás natural e energia elétrica às faixas de domínio das concessionárias rodoviárias e ferroviárias e transposição de corpos d' água e manchas urbanas para ampliação do sistema de distribuição; Objetivo : Melhoria dos serviços de cobertura do sistema de telecomunicações Estruturação de marco regulatório comum a todos os municípios facilitando e ordenando a legislação da autorização de instalação de antenas, fibra ótica e outras infraestruturas. Revisão e padronização das taxas municipais; Antenas - Atualização do Decreto-Lei 0.995/00 para instalação de antenas; Criação de política de incentivo à instalação de Datacenters no Estado de São Paulo; Mapeamento de cobertura de banda larga no Estado de São Paulo e ações de melhoria da mesma; Flexibilização do Decreto Estadual 5.9/009 da banda larga popular - aumento dos intervalos e limites nos 5 atributos: velocidade de conexão e valor, para isenção do ICMS; 6 Ampliação do uso de TI para pequenas e médias empresas; 7 Redução do ICMS de telecomunicações e investimentos em infraestrutura de telecomunicações.

11 Área: Desburocratização Objetivo : Reduzir o tempo médio de abertura de empresas Ampliação da abrangência do Programa Via Rápida a todos os municípios paulistas até dezembro de 0; Concessão automática de Álvara provisório de funcionamento municipal, vigilância sanitária e bombeiros se requerido, para empresas de baixo impacto de 5 dias do protocolo do pedido; Agiliza São Paulo - integração SIL e REDESIM - parcerias estratégicas por meio de convênio com SESCON/SP para utilização de Certificação Digital; Identificar gargalos de infraestrutura nas estruturas de vigilância sanitária e bombeiros e implantar melhorias visando à agilidade no atendimento no processo de licenciamento; Revisão de exigências na legislação para atividades das micro e pequena empresas; Objetivo : Estruturação organizacional dos municípios e órgãos paulistas para liberação do álvara de funcionamento Adequação do PATEM e linha de financiamento na DESENVOLVE SP para prover recursos aos municípios na constituição de plano diretor, uso e ocupação de solo, aquisição de equipamentos e infraestrutura, treinamento para adesão ao SIL; Criação de estrutura única contendo todos os órgãos licenciadores em todas as prefeituras para atendimento centralizado ao empreendedor, inclusive o produtor rural;

12 Área: Desburocratização Objetivo : Redução da burocracia para produtores rurais Integração e melhoria do Sistema de autorização (guia de trânsito animal) de transporte de produtos e de carga viva; Acoplar módulo no SIL para licenças aos produtores rurais com registro de Pessoa Física; Divulgar o SIL para o produtor rural com Pessoa Jurídica para efeitos de autorização de funcionamento e emissão de notas fiscais; Integração dos cadastros estaduais, federais e municipais para efeito de licenças para o produtor rural em local único; Objetivo : Redução do prazo de licenciamentos ambientais Criar condições, dentro do órgão licenciador, para avaliação de projetos de médio e alto impacto e concessão ou rejeição de licenças no prazo de a 6 meses; Mudanças nos marcos regulatórios ambientais somente poderão ocorrer a cada quatro anos e mediante a consulta pública e avaliação prévia e aprovação no Conselho Paulista de Competitividade; Consolidação de banco de dados com informações ambientais previamente estudadas para utilização em licenciamentos de empreendimentos e no planejamento ambiental da mesma região. Agilizar implantação do sistema Sala de Cenários; Implantação do programa Via Rápida ambiental para projetos de médio e alto impacto até dezembro de 0; Objetivo 5: Responsabilidade civil e criminal das atividades de exclusividade do empreendedor Isentar os órgãos licenciadores de responsabilidade criminal e civil pelo cumprimento das legislações inerentes às atividades do empreendedor.

13 Área: Desburocratização Objetivo : Redução da burocracia para produtores rurais Integração e melhoria do Sistema de autorização (guia de trânsito animal) de transporte de produtos e de carga viva; Acoplar módulo no SIL para licenças aos produtores rurais com registro de Pessoa Física; Divulgar o SIL para o produtor rural com Pessoa Jurídica para efeitos de autorização de funcionamento e emissão de notas fiscais; Integração dos cadastros estaduais, federais e municipais para efeito de licenças para o produtor rural em local único; Objetivo : Redução do prazo de licenciamentos ambientais Criar condições, dentro do órgão licenciador, para avaliação de projetos de médio e alto impacto e concessão ou rejeição de licenças no prazo de a 6 meses; Mudanças nos marcos regulatórios ambientais somente poderão ocorrer a cada quatro anos e mediante a consulta pública e avaliação prévia e aprovação no Conselho Paulista de Competitividade; Consolidação de banco de dados com informações ambientais previamente estudadas para utilização em licenciamentos de empreendimentos e no planejamento ambiental da mesma região. Agilizar implantação do sistema Sala de Cenários; Implantação do programa Via Rápida ambiental para projetos de médio e alto impacto até dezembro de 0; Objetivo 5: Responsabilidade civil e criminal das atividades de exclusividade do empreendedor PROGRAMA COMPETE SP - AGENDA DE AÇÕES Isentar os órgãos licenciadores de responsabilidade criminal e civil pelo cumprimento das legislações inerentes às atividades do empreendedor.

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

Conselho Paulista de Competitividade Compete São Paulo

Conselho Paulista de Competitividade Compete São Paulo Conselho Paulista de Competitividade Compete São Paulo Propostas Consolidadas das Câmaras Temáticas Conselho Paulista de Competitividade Compete São Paulo Propostas Consolidadas das Câmaras Temáticas SECRETARIA

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

2011/2014. Medidas. Agendas Estratégicas Setoriais. medidas em destaque. Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior

2011/2014. Medidas. Agendas Estratégicas Setoriais. medidas em destaque. Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior Medidas Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior Plano Competitividade Brasil Exportadora Maior Financiamento à Exportação 2011/2014 Defesa Comercial Defesa da Indústria e do Mercado Interno

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento A Reforma Tributária e o Desenvolvimento Por que a Reforma Tributária é Fundamental? Acelera o crescimento econômico Torna o crescimento mais sustentável É a reforma econômica mais importante Reforma Tributária

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO INOVAÇÃO E PROJETOS ESTRATÉGICOS. Ações de Apoio ao Desenvolvimento Local

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO INOVAÇÃO E PROJETOS ESTRATÉGICOS. Ações de Apoio ao Desenvolvimento Local SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO INOVAÇÃO E PROJETOS ESTRATÉGICOS Ações de Apoio ao Desenvolvimento Local Eixos de Ação - SMD Empreende Santa Maria - LC 37/2006 Desenvolvimento sustentável do município;

Leia mais

Reforma Tributária ria e Política de Desenvolvimento Regional Cuiabá,, Agosto 2007 Reuniões com Governadores Natureza das reuniões anteriores: Governadores de diferentes regiões do país e dirigentes das

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO Medidas Fiscais da Política Industrial 2 Redução de Tributos Equalização de taxas de Juros Simplificação de Operações Redução do

Leia mais

Programa Municipal de Competitividade e Inovação INOVA PALHOCA

Programa Municipal de Competitividade e Inovação INOVA PALHOCA Programa Municipal de Competitividade e Inovação INOVA PALHOCA Gestão Pública: Plano Palhoça 2030 Prefeito Municipal de Palhoça Comitê Executivo de Acompanhamento e Implantação Avaliação de Desempenho

Leia mais

Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009.

Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009. Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009. Prezado Secretário Ronaldo Motta: Seguem as sugestões do FOPROP (Fórum dos Pró-Reitores de Pesquisa e PG das Universidades Brasileiras) com relação ao

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

Propostas Governamentais

Propostas Governamentais Propostas Governamentais PRINCÍPIOS DEFENDIDOS PELO FÓRUM DAS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DO SETOR EMPRESARIAL DE MINAS GERAIS Guilherme Velloso Leão Setembro/2014 Lógica do desenvolvimento O que os candidatos

Leia mais

Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais Reunião SINDMAT 04/2013

Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais Reunião SINDMAT 04/2013 Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais Reunião SINDMAT 04/2013 Agenda 1. Requisitos gerais MDF-e 2. Contribuintes obrigados a emissão MDF-e 3. Encerramento MDF-e 4. DAMDF-e 5. Descrição Simplificada

Leia mais

Operador Econômico Autorizado - OEA

Operador Econômico Autorizado - OEA Operador Econômico Autorizado - OEA 26.08.15 Operador Econômico Autorizado - OEA Agenda 00:00 Quem Somos O que é OEA? Benefícios Fases de Implementação Requisitos Projeto Piloto - Fase 1 01:30 Fase 2 OEA

Leia mais

00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014)

00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014) Programa 2017 - Aviação Civil Número de Ações 26 Tipo: Operações Especiais 00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014) Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função:

Leia mais

O Polo de Informática de Ilhéus e a atuação da Associação das Indústrias de Eletroeletrônicos, Telecomunicações e Informática do Polo de Ilhéus

O Polo de Informática de Ilhéus e a atuação da Associação das Indústrias de Eletroeletrônicos, Telecomunicações e Informática do Polo de Ilhéus O Polo de Informática de Ilhéus e a atuação da Associação das Indústrias de Eletroeletrônicos, Telecomunicações e Informática do Polo de Ilhéus Christian Villela Dunce Presidente da Assipi Salvador, 23

Leia mais

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Secretário de Infraestrutura Energia Renovável em Pernambuco Desenvolvimento Técnico,

Leia mais

RESOLUÇÃO N 007 /2014

RESOLUÇÃO N 007 /2014 RESOLUÇÃO N 007 /2014 SICME/MT - Aprovar o benefício fiscal para as empresas fornecedoras de máquinas, equipamentos e insumos às indústrias de confecções participantes dos APL(s) Arranjos Produtivos Locais

Leia mais

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99)

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) A aprovação da Lei nº 9.841/99, de 05 de outubro de 1999, mais conhecida por "Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte",

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014

Plano BrasilMaior 2011/2014 Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda de Ações para a Competitividade dos Pequenos Negócios Dimensões do Plano Brasil Maior -Quadro Síntese Dimensão Estruturante:

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS Agência de Fomento e Desenvolvimento do Estado do Piauí S.A PIAUÍ FOMENTO Águas e Esgotos do Piauí S/A AGESPISA Companhia Administradora da Zona de Processamento

Leia mais

MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE SÃO PAULO MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE Fevereiro/2009 SUMÁRIO 1. Medidas já Adotadas 2. Novas Medidas 2 Medidas já adotadas Prorrogação para 31/12/09 do prazo de 60 dias fora o mês para

Leia mais

REPORTO - REGIME TRIBUTÁRIO PARA INCENTIVO À MODERNIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA ESTRUTURA PORTUÁRIA

REPORTO - REGIME TRIBUTÁRIO PARA INCENTIVO À MODERNIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA ESTRUTURA PORTUÁRIA REPORTO - REGIME TRIBUTÁRIO PARA INCENTIVO À MODERNIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA ESTRUTURA PORTUÁRIA Em 1º de dezembro de 2004, o Congresso Nacional aprovou o Projeto de Lei de Conversão nº 53, de 2004 (Medida

Leia mais

Missão. Visão. Transformar o Brasil por meio da Inovação.

Missão. Visão. Transformar o Brasil por meio da Inovação. A Finep -A FINEP Agência Brasileira da Inovação -é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em 24 de julho de 1967. -Seu objetivo é atuar em toda a cadeia

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010 Estabelece medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no Município de Santa Maria e dá outras providências. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER,

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

PBM. Agenda Setorial Bens de Capital

PBM. Agenda Setorial Bens de Capital PBM Agenda Setorial Bens de Capital São Paulo, 16 de janeiro de 2013 Objetivos Objetivos: Aumentar o Consumo Aparente de BK, com Redução Simultânea do Coeficiente de Importação Aumentar as Exportações

Leia mais

REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO

REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO Definição Regime Especial de Tributação (RET) é um processo administrativo por meio do qual a SEF concede, em caráter individual, tratamento especial ao contribuinte, considerando

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS

PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO CARTA-CONSULTA ANEXO II AO DECRETO 4744 PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS I A EMPRESA 1.1. Caracterização e Outras Informações Razão social:

Leia mais

NOVA LEGISLAÇÃO DE INCENTIVOS FISCAIS NO ÂMBITO DO FUNDO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL DO CEARÁ FDI

NOVA LEGISLAÇÃO DE INCENTIVOS FISCAIS NO ÂMBITO DO FUNDO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL DO CEARÁ FDI NOVA LEGISLAÇÃO DE INCENTIVOS FISCAIS NO ÂMBITO DO FUNDO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL DO CEARÁ FDI A Política Industrial tem como objetivo incentivar a implantação, ampliação, diversificação, recuperação

Leia mais

REGIME: Sociedade por ações de capital fechado, economia mista e com personalidade jurídica de direito privado

REGIME: Sociedade por ações de capital fechado, economia mista e com personalidade jurídica de direito privado Autorização Legislativa - Lei nº 12.439 de 18 de outubro de 2007 Assembleia de Fundação em 14/12/2007 REGIME: Sociedade por ações de capital fechado, economia mista e com personalidade jurídica de direito

Leia mais

Prefeitura Municipal de São José dos Campos - Estado de São Paulo - de.:il/q±j0=1 O\ LEI COMPLEMENTAR N 256/03 de 1Ode Julho de 2003

Prefeitura Municipal de São José dos Campos - Estado de São Paulo - de.:il/q±j0=1 O\ LEI COMPLEMENTAR N 256/03 de 1Ode Julho de 2003 Prefeitura Municipal de São José dos Campos Ver LC n 314/06 ~BLIC~DO (~) NO JOR~ AL BOLETIM DO MUNIClPKJ MID o o w.... Nlt) li),(-s

Leia mais

NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO

NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO Política de Desenvolvimento Produtivo Elevar dispêndio em P&D Meta: 0,65% PIB Ampliar Investimento Fixo Meta: 21% PIB Posição 2007: 17,6% Macrometas 2010 Dinamização

Leia mais

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica Edital 1/2014 Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica A (PoloSul.org) torna pública a presente chamada e convida os interessados para apresentar propostas de incubação

Leia mais

CLIPPING INFORMATIVO DESTAQUES 29/10 a 07/11/2013 LEGISLAÇÃO

CLIPPING INFORMATIVO DESTAQUES 29/10 a 07/11/2013 LEGISLAÇÃO CLIPPING INFORMATIVO DESTAQUES 29/10 a 07/11/2013 LEGISLAÇÃO Decreto nº 8.138, de 06.11.2013 DOU de 07.11.2013 - Dispõe sobre os bens destinados à pesquisa e à lavra de jazidas de petróleo e gás natural

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Programa Automotivo Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Gestor: Paulo Sérgio Bedran Diretor do Departamento de Indústrias de Equipamentos de Transporte

Leia mais

Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional Subfunção: 128 - Formação de Recursos Humanos UO: 52201 - Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC

Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional Subfunção: 128 - Formação de Recursos Humanos UO: 52201 - Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC Programa 0630 Desenvolvimento da Aviação Civil Numero de Ações 14 Ações Orçamentárias 0B09 Apoio a Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil Produto: Entidade apoiada Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 21 de março de 2013 1 A economia

Leia mais

Oportunidades e desafios de qualificação profissional. III Balanço do Setor Naval e Offshore do Rio de Janeiro FIRJAN - 06/06/2014

Oportunidades e desafios de qualificação profissional. III Balanço do Setor Naval e Offshore do Rio de Janeiro FIRJAN - 06/06/2014 Oportunidades e desafios de qualificação profissional III Balanço do Setor Naval e Offshore do Rio de Janeiro FIRJAN - 06/06/2014 Petrobras Plano de Negócios 2014-2018 Inovação e Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais 02/2014

Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais 02/2014 Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais 02/2014 Agenda 1. Requisitos gerais MDF-e 2. Contribuintes obrigados a emissão MDF-e 3. Encerramento MDF-e 4. DAMDF-e 5. Descrição Simplificada Modelo Operacional

Leia mais

Desenvolvimento de Mercado

Desenvolvimento de Mercado Desenvolvimento de Mercado DESENVOLVIMENTO DE MERCADO Frente aos importantes temas abordados pelo Fórum Temático de Desenvolvimento de Mercado, da Agenda 2020, destaca-se o seu objetivo principal de fomentar

Leia mais

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Prefeito Empreendedor Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Março/2012 Expediente Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Fernando

Leia mais

A S S I P I DEC. 4316/95 ALTERAÇÕES EM 2012

A S S I P I DEC. 4316/95 ALTERAÇÕES EM 2012 A S S I P I DEC. 4316/95 ALTERAÇÕES EM 2012 No ano em curso foram promovidas algumas alterações no Decreto 4316/95, todas elas foram fruto de pleitos realizados desde o ano 2009. TEXTO ATUAL O QUE ALTEROU

Leia mais

ANEXO 18 ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD

ANEXO 18 ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD ANEXO 18 REVOGADO OS ARTIGOS 1º, 2º, 3º, 4º, 5º, 6º, 7º, 8º e 8º-A pela RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA 10/11 de 14.12.11. Alteração: Resolução Administrativa nº 03/2015 ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD Acrescentado

Leia mais

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES 1 INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS NAS EXPORTAÇÕES Optantes do SIMPLES Os transformadores plásticos exportadores optantes do SIMPLES devem analisar a conveniência da continuidade

Leia mais

MEDIDAS DE POLÍTICA INDUSTRIAL. Brasília, 18 de junho de 2014

MEDIDAS DE POLÍTICA INDUSTRIAL. Brasília, 18 de junho de 2014 MEDIDAS DE POLÍTICA INDUSTRIAL Brasília, 18 de junho de 2014 1 Objetivos Fortalecer a indústria no novo ciclo de desenvolvimento econômico Estimular aumentos de produtividade e da competitividade Promover

Leia mais

A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos

A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos Lei Complementar LC 123/2006 Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos Fórum AbineeTec 2011 Políticas Públicas Compras Governamentais

Leia mais

ECF - Equipamento Emissor de Cupom Fiscal

ECF - Equipamento Emissor de Cupom Fiscal ECF - Equipamento Emissor de Cupom Fiscal INTRODUÇÃO Um dos objetivos do uso de equipamento Emissor de Cupom Fiscal - ECF é a automação comercial. O ECF é, sem dúvida, um instrumento importante nesse processo.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, 500 - Estiva CEP 37500-000 - Itajubá Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, 500 - Estiva CEP 37500-000 - Itajubá Minas Gerais Lei nº 2677 BENEDITO PEREIRA DOS SANTOS, Prefeito do Município de Itajubá, Estado de Minas Gerais, usando das atribuições que lhe são conferidas por Lei, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele

Leia mais

PLANO SETORIAL DE TRANSPORTE E DE MOBILIDADE URBANA PARA MITIGAÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS - TRANSPORTE DE CARGAS

PLANO SETORIAL DE TRANSPORTE E DE MOBILIDADE URBANA PARA MITIGAÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS - TRANSPORTE DE CARGAS PLANO SETORIAL DE TRANSPORTE E DE MOBILIDADE URBANA PARA MITIGAÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS - TRANSPORTE DE CARGAS Rio de Janeiro 11 de Dezembro de 2012 PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PSTM - Lei 12.187/2009,

Leia mais

GUERRA FISCAL - Impactos da Resolução SF 13/2012

GUERRA FISCAL - Impactos da Resolução SF 13/2012 GUERRA FISCAL - Impactos da Resolução SF 13/2012 BRITCHAM 26 de março de 2013 I. Resolução SF nº. 13/2012 Intenção de eliminar a Guerra dos Portos Reduz as possibilidades de desoneração do ICMS nos Estados

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Tecnologia e Inovação

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Tecnologia e Inovação PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC)

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) Professor: Pedro Antônio Bertone Ataíde 23 a 27 de março

Leia mais

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos.

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. 12.08.2015 Henrique Frizzo 2015 Trench, Rossi e Watanabe Advogados 1 Conceitos Gerais da Lei de Inovação Conceitos Gerais da Lei de Inovação

Leia mais

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Abril/2012 Apresentação O Planejamento Estratégico (PLANES) da UNICAMP é um processo acadêmico/administrativo dinâmico cujo objetivo central é de ampliar

Leia mais

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é sócio fundador de Amaro, Stuber e Advogados Associados, e ADRIANA MARIA GÖDEL é advogada

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios MÃOS À OBRA!!! Prefeito e Prefeita, seguem sugestões de Programas e Ações a serem inseridos

Leia mais

Resolução do Senado Federal nº 13/2012: características, problemas e soluções. Marcelo Viana Salomão Mestre e doutorando PUC/SP

Resolução do Senado Federal nº 13/2012: características, problemas e soluções. Marcelo Viana Salomão Mestre e doutorando PUC/SP Resolução do Senado Federal nº 13/2012: características, problemas e soluções Marcelo Viana Salomão Mestre e doutorando PUC/SP ICMS - ICMS: imposto de conformação nacional exaustivamente regrado pela CF/88;

Leia mais

Lei Complementar LEI COMPLEMENTAR Nº 1049, DE 19 DE JUNHO DE 2008

Lei Complementar LEI COMPLEMENTAR Nº 1049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 DOE 20/06/2008, Seção I, Pág. 1/3 Lei Complementar LEI COMPLEMENTAR Nº 1049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 Dispõe sobre medidas de incentivo à inovação tecnológica, à pesquisa científica e tecnológica, ao desenvolvimento

Leia mais

Inovação. no Estado de São Paulo. Políticas Públicas para a promoção da Ciência, Tecnologia e

Inovação. no Estado de São Paulo. Políticas Públicas para a promoção da Ciência, Tecnologia e Políticas Públicas para a promoção da Ciência, Tecnologia e no Estado de São Paulo Inovação Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia Subsecretaria de Ciência e Tecnologia Vantagens

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS 1 Setor de Brinquedos Estratégias: Ampliação de Acesso e Conquista de Mercado Objetivos: 1 - Aumentar a competitividade; 2 - consolidar o

Leia mais

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Atração de Investimentos, Promoção Comercial e Projeção Internacional Eduardo Bernis Secretaria Municipal de Desenvolvimento Belo Horizonte

Leia mais

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> O que é a nota fiscal eletrônica?... 6 >> O que muda com esse novo modelo de documento fiscal?... 8 >> O DANFE - Documento Acessório

Leia mais

Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica

Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica Engº Francisco Antônio Ramos de Oliveira Gerente de Negócios faro@cpfl.com.br 14 9148 5978 São Paulo, 16 de junho de

Leia mais

RECEITA FEDERAL DO BRASIL 8ª RF

RECEITA FEDERAL DO BRASIL 8ª RF RECEITA FEDERAL DO BRASIL 8ª RF Breve conceito de Regime Aduaneiro Regime especial de Admissão Temporária Casos Práticos Regime Aduaneiro deve ser entendido como o tratamento aplicável às mercadorias submetidas

Leia mais

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos.

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. 10.09.2014 Henrique Frizzo 1 Conceitos Gerais da Lei de Inovação Conceitos Gerais da Lei de Inovação Lei 10.973/2004 - Lei de Inovação:

Leia mais

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 Propostas para os candidatos Desde as eleições de 1994, a CNI apresenta à sociedade e aos candidatos sugestões para melhorar o desempenho da economia. Propostas

Leia mais

Guia para Boas Práticas

Guia para Boas Práticas Responsabilidade Social Guia para Boas Práticas O destino certo para seu imposto Leis de Incentivo Fiscal As Leis de Incentivo Fiscal são fruto da renúncia fiscal das autoridades públicas federais, estaduais

Leia mais

Financiamento no Âmbito do Programa de Incentivo à Implementação de Projetos de Interesse Social - PIPS (Lei nº 10.735, de 2003)

Financiamento no Âmbito do Programa de Incentivo à Implementação de Projetos de Interesse Social - PIPS (Lei nº 10.735, de 2003) Programa 0902 Operações Especiais: Financiamentos com Retorno Justificativa Operações Especiais: Financiamentos com Retorno Público Alvo Operações Especiais: Financiamentos com Retorno Ações Orçamentárias

Leia mais

Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014

Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014 Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014 Apresentador: José Alves F. Neto Transporte - conceito ICMS X ISS Como determinar a competência Fato gerador RICMS/SP Artigo 2º - Ocorre

Leia mais

O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP

O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios Prof. José Carlos Vaz EACH-USP 1 1. A importância da democratização do acesso à TI A desigualdade no acesso à tecnologia é um fator adicional

Leia mais

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura PLANO ESTADUAL DA CULTURA Matriz Situacional da Cultura Fórum de Planejamento Regional Cidade Sede: Aranranguá 29 e 30 de agosto de 2012 Priorização de Diretrizes e Ações Objetivo: Discussão da proposta

Leia mais

Tributação e Incentivos à Inovação

Tributação e Incentivos à Inovação VIII Seminário do Setor de Saúde - BRITCHAM Tributação e Incentivos à Inovação São Paulo/SP, 17 de junho de 2009 Inovação Tecnológica no Brasil 30% das empresas industriais realizam algum tipo de inovação

Leia mais

Automotivo. setores de negócios

Automotivo. setores de negócios setores de negócios Automotivo Mais de 40% das fábricas do complexo automotivo do Brasil encontram-se em São Paulo, berço da indústria automobilística nacional. As principais empresas instaladas no Estado

Leia mais

PROGRAMAS E INCENTIVOS À INOVAÇÃO PARA EMPRESAS

PROGRAMAS E INCENTIVOS À INOVAÇÃO PARA EMPRESAS PROGRAMAS E INCENTIVOS À INOVAÇÃO PARA EMPRESAS Evaldo F. Vilela - Ph.D. Secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais. Lei Federal de Inovação LEI Nº 10.973, DE 2 DE DEZEMBRO

Leia mais

Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana. Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian

Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana. Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian Planos Municipais de Mobilidade Urbana e Acessibilidade e o papel do TCE-RS na sua implementação Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian SUPORTE

Leia mais

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PROJETOS EMPRESARIAIS INOVADORES PARA INGRESSO E PARTICIPAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ IESJ. A INCUBADORA

Leia mais

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ Fevereiro de 2015 Os indicadores demonstram as dificuldades que as empresas de BK vêm encontrando... 2 3 Em um cenário adverso no

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014

Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014 Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014 O espaço urbano como bem ambiental. Aspectos ambientais do Estatuto da cidade garantia da qualidade de vida. Meio ambiente natural; Meio ambiente cultural; Meio ambiente

Leia mais

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Agenda de Políticas para Inovação Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Recursos Humanos para Inovação Horácio Lafer Piva - Klabin A Agenda Promover uma mudança no ensino brasileiro com direcionamento claro

Leia mais

Relação entre as Fundações de Apoio e a FINEP (execução e prestação de contas) 2013

Relação entre as Fundações de Apoio e a FINEP (execução e prestação de contas) 2013 Relação entre as Fundações de Apoio e a FINEP (execução e prestação de contas) 2013 Conceitos FINEP - Agência Brasileira da Inovação é uma empresa pública vinculada ao MCTI, que atua como Secretaria Executiva

Leia mais

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro.

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 1 1 2 2 3 2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 2004-06: recuperação econômica, com direcionamento do aumento da arrecadação federal

Leia mais

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE AIE/DELOG/GESET Novembro/2011 Agenda Vetores Estratégicos e Metas a Alcançar Centro-Oeste: Desafios e Oportunidades Conclusão Atuação do BNDES 2 Vetores

Leia mais

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural 1. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural no bioma Amazônia... 2 2. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento

Leia mais

FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME

FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME Junho/2013 Diretoria de Sustentabilidade Linda Murasawa Brasil SANTANDER NO MUNDO 102 milhões DE CLIENTES 14.392 AGÊNCIAS 186.763 FUNCIONÁRIOS Dezembro de

Leia mais

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde Inovação, Regulação e Certificação I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde São Paulo 11/04/2012 ABDI Criada pelo Governo Federal em 2004 Objetivo Objetivos Desenvolver ações

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS MARCO LEGAL Diálogo do Governo Federal com Sociedade Civil (Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis MNCR). Código Brasileiro de Ocupações - 2002 Reconhecimento a Categoria profissional

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto do Mercado de Carbono no Brasil Rio de Janeiro RJ, 09 de novembro de 2010 FINEP

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO LEI N. 1.021, DE 21 DE JANEIRO DE 1992 "Define microempresa para efeito fiscal previsto na Lei Complementar n. 48/84 e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais