RESUMO. cisto epidermóide, aves, diagnóstico cito lógico. ABSTRACT

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO. cisto epidermóide, aves, diagnóstico cito lógico. ABSTRACT"

Transcrição

1 ISSN Veterinária e Zootecnia 31 CISTO EPIDERMÓIDE EM AVES - RELATO DE CASOS Guilherme Augusto Marietto-Gonçalves I Rômulo Francis Estangari Lot 2 Arlete Benta de Souza 2 Ana Paula Batista Massen0 2 Oaniela Catarino Gomes 3 Edna Tereza de Lima 4 Raphael Lucio Andreatti FilhoS RESUMO o presente artigo relata a ocorrência de cisto epidermóide em duas especies avianas diagnosticado no Laboratório de Ornitopatologia da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade Estadual Paulista (FMVZ-UNESP), campus Botucatu-SP. Caso 1: Canário (Serinus canarius) macho, apresentando massa em membro anterior esquerdo. Caso 2: Pavão (Pavo cristatus) fêmea, apresentando massa palpebral no olho direito. Ambos os casos foram submetidos a exame radiográfico, por meio do qual descartou-se o comprometimento de estruturas adjacentes à massa; realizou-se em seguida exame cito lógico aspirativo por agulha fina, no qual observou-se a presença de células queratinizadas e fragmentos de queratina livre, caracterizando-os como cisto epidermóide. Palavras-chave: cisto epidermóide, aves, diagnóstico cito lógico. EPIDERMOID-CYST'S IN BIRDS - CASES REPORT ABSTRACT The present article describes the occurrence of epidermoid cyst in two diagnosed avian species in the Laboratory of Ornitopathology of the College of Medicine Veterinary and Zootecny of the São Paulo State University, Botucatu-SP Campus. Case 1: Canary (Serinus canarius) male, presenting mass in left wing. Case 2: Peacock (Pavo cristatus) female, presenting palpebral mass in the right eye. Both the cases had been submitted to radiografic examination, in which the affecting of adjacent structures to the mass was discarded, becoming fullfilled itself after that aspiratory cytological examination for fine needle, in which it was observed presence of keratinized cell and fragments of free keratin, characterizing them as epidermoid cyst. Key-words: epidermal cyst, birds, cytological diagnostico IMV, Residente, Laboratório de Ornitopatologia da FMVZ-UNESP/Botucatu-SP* 2MV, Residente, Laboratório de Patologia Veterinária da FMVZ-UNESP/Botucatu-SP 3MV, Residente, Laboratório de Radiologia da FMVZ-UNESP/Botucatu-SP 4MV, Doutoranda, Departamento de Clínica Veterinária da FMVZ-UNESP/Botucatu-SP smv, Prof. Ass. Dr., Departamento de Clínica Veterinária da FMVZ-UNESP/Botucatu-SP. *FMVZ-UNESP, Laboratório de Ornitopatologia, Caixa Postal: 560, CEP: , Distrito de Rubião Júnior, Botucatu-SP, Tel./Fax: (014) Marietto-Gonçalves, G.A. et ai. Cisto epidermóide em aves - relato de casos. Vet. e Zootec. v.14, n.l, jun., p.

2 ISSN Veterinária e Zootecnia 32 QUISTO EPIDERMOIDE EN AVES - RELATO DE CASOS RESUMEN EI presente artículo relata Ia ocurrencia de quisto epidermoide en dos especies avianas diagnosticado en el Laboratorio de Ornitopatología de Ia Facultad de Medicina Veterinaria y Zootecnía de Ia Universidad Provincial Paulista (FMVZ-UNESP), Campus Botucatu-SP. Caso 1: Canario (Serinus canarius) macho, presentando masa en miembro anterior izquierdo. Caso 2: Pavo real (Pavo cristatus) hembra, presentando mas a palpebral en el ojo derecho. Ambos casos fueron sometidos a examen radiográfico, en el cual se descartó el compromiso de estructuras adyacentes a Ia masa, realizándose enseguida examen cito lógico aspirativo por aguja fina, en el cual se observó Ia presencia de células queratinizadas y fragmentos de queratina libre, caracterizándolos como cisto epidermóide. Palabras-c1ave: quisto epidermoide, aves, diagnóstico citológico. INTRODUÇÃO o cisto epidermóide também denominado como cisto de inclusão epidérmico ou cisto infundibular é descrito em várias espécies de animais, sendo mais freqüente em cães, bovinos e raramente em gatos e eqüinos (JONES et ai., 2000; EDW ARDS, 2002; HILLER et ai., 2003). Os cistos surgem do infundíbulo do folículo piloso e são envoltos por epitélio estratificado escamoso e uma camada de células granulares, como na porção superior do folículo normal (GROSS et ai., 1992). A camada basal fica em contato com a derme e a camada cornificada é voltada para o lúmen (PETRAK & GILMORE, 1982). Macroscopicamente observa-se uma massa firme, amarela e de formato globular (PETRAK & GILMORE, 1982). Histologicamente caracteriza-se pela presença de lâminas de queratina dispostas em camadas circulares (GROSS et ai., 1992; SCOTT et al., 2001). A queratina é delgada e pode estar organizada ou solta no interior do lúmen cístico. Fragmentos pilosos raramente estão presentes (GROSS et ai., 1992). Acredita-se que sejam formados em conseqüência a traumas ou anomalias congênitas no desenvolvimento da epiderme. No exame citológico observam-se escamas livres repletas de queratinas e cristais de colesterol (SCOTT et ai., 2001). Em aves, formações císticas cutâneas são muito comuns em psitacídeos e passeriformes, principalmente em periquitos australianos (Melopsittacus undulatusi e canários tserinus canarius) (HILL YER et ai., 1998). RELATO DE CASO CASO 1 Canário (Serinus canarius) macho, com 22g de peso e dois anos de idade, apresentando massa em membro anterior esquerdo abrangendo o terço proximal do rádio e da ulna, com formato ovóide com 1,1x 1,3cm, consistência firme, aderida, coloração amarela e com escoriações na sua superfície (Figura 1). Foram observados cinco dias antes do atendimento clínico. Realizou-se um exame radiográfico no qual não se observou comprometimento ósseo. Pelo exame citológico aspirativo com agulha fina (CAAF) observou-se a presença de células queratinizadas e fragmentos de queratina livre, sendo diagnosticada a presença de cisto epidermóide. Marietto-Gonçalves, G.A. et a/o Cisto epidermóide em aves - relato de casos. Vet. e Zootec. v.14, n.1, jun., p.

3 ISSN Veterinária e Zootecnia 33 Figura 1 - Massa ovóide amarela observada em membro anterior esquerdo de canário doméstico (Serinus canarius). CASO 2 Pavão real (Pavo cristatus) fêmea, com 3kg de peso e seis anos de idade, apresentando massa em pálpebra inferior direita, com formato elíptico com 3,4x4,5cm, consistência firme e aderi da, não sendo possível observar coloração por meio da pele devido a pigmentação. Apresentava evolução de seis meses até a realização do atendimento clínico. Observou-se a presença discreta de secreção ocular. Realizou-se exame radiográfico no qual observou-se discreta proliferação óssea no osso sub-orbital direito e aumento de volume das partes moles adjacentes (Figura 2). Pelo exame cito lógico CAAF observou-se a presença de células queratinizadas e fragmentos de queratina livre, sendo diagnosticada a presença de cisto epidermóide. Figura 2 - Exame radiográfico da massa em cramo de pavão real (Pavus cristatus), decúbito dorsal, projeção ventro-dorsal, 45Kv, 2,0 MA, filme 18x24. Marietto-Gonçalves, G.A. et ai. Cisto epidermóide em aves - relato de casos. Vet. e Zootec. v.14, n.1, jun., p.

4 ISSN Veterinária e Zootecnia 34 DISCUSSÃO Os casos foram atendidos no Laboratório de Ornitopatologia do Hospital Veterinário da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade Estadual Paulista (FMVZ- UNESP/Botucatu-SP) e o diagnóstico obtido com o auxílio do Laboratório de Diagnóstico por Imagem e pelo Laboratório de Patologia Veterinária da mesma instituição. Em ambos os casos os animais estavam saudáveis, alimentando-se e hidratando-se normalmente, sem sinais de dor e inflamação. As escoriações encontradas na superfície da massa do canário foram causadas por traumas mecânicos na gaiola, enquanto a secreção ocular observada no pavão era provocada pela intensa exposição do globo ocular (que não apresentava nenhum tipo de lesão), devido a dificuldade da ave em fechar a pálpebra inferior em decorrência da presença da massa. A proliferação óssea observada no caso do pavão devese a reação pela proximidade do cisto com o osso sub-orbital. Radiograficamente os cistos epidermóide apresentaram-se com formato arredondado, linhas bem delimitadas e com imagem homogênea em toda a sua extensão. A análise radiológica descartou o comprometimento ósseo nos dois casos. Com base nos achados radiográficos optou-se pela CAAF (por ser um método de diagnóstico rápido, eficiente e pouco traumático) para ambos os casos, revelando-se as características citológicas já citadas (Figura 3), conclusivas para o diagnóstico. Citologicamente o cisto epidermóide encontrado em ambos os casos foi semelhante ao observado em mamíferos. As características e os métodos de caracterização de cistos cutâneos em aves são escassos na literatura atual, muito provavelmente pela falta de estudos aprofundados sobre o assunto, sendo que, normalmente, na rotina clínica estes são erroneamente denominados de forma macroscópica como cisto dermóide (vulgarmente chamado de "cisto de pena"), embora a microscopia seja a forma correta para tal avaliação e caracterização. O cisto epidermóide é muito comum em mamíferos, porém ainda não foi descrito em aves..~.,..... < Figura 3 - Presença de células queratinizadas e fragmentos de queratina livre (Giemsa, 1000x) Marietto-Gonçalves, G.A. et ai. Cisto epidermóide em aves - relato de casos. Vet. e Zootec. v.14, n.l, jun., p.

5 ISSN Veterinária e Zootecnia 35 CONCLUSÃO o exame radiográfico, apesar de não ser conclusivo, auxiliou na análise do comprometimento das estruturas adjacentes à massa em estudo. O diagnóstico citopatológico pela CAAF de cisto epidermóide demonstrou ser um método satisfatório e de baixo custo. O tratamento indicado em ambos os casos é a remoção cirúrgica da massa após a conclusão clínica e laboratorial. REFERÊNCIAS EDWARDS, J.F. Three Cases of Ovarian Epidermoid Cysts in Cattle. Veto Pathol., n.39, p ,2002. GROSS, T.L.; IHRKE, P.J.; WALDER, E.J. Veterinary dermatopathology. St. Louis: Mosby Year Book, p. HILLER, L.L. et al. Epidermal (infundibular) and dermoid cysts in the dorsal midline of a three-year-old thoroughbred-cross gelding. Veto Dermatol., n.14, p , HILL YER, E.V. Dermatologia Aviária. In: BIRCHARD, S.J.; SHERDING, R.G. Manual saunders: clínica de pequenos animais. São Paulo: Roca, p JONES, T.e.; HUNT, R.D.; KING, N.W. Patologia Veterinária. 6. ed. São Paulo: Manole, p. PETRAK, M.L.; GILMORE, c.s. Neoplasms. In: PETRAK, M.L. Diseases of cage and aviary birds. 2. ed. Philadelphia: Lea & Fabiger, p SCOTT, D.W.; MIL LER JR, W.H.; GRIFFIN, c.s. Small animal dermatology. 6.ed. Philadelphia: W.B. Saunders Company, p. Recebido em: 05/04/2006 Aceito em: 08/11/2006 Marietto-Gonçalves, G.A. et ai. Cisto epidermóide em aves - relato de casos. Vet. e Zootec. v.14, n.l, jun., p.

ASPECTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DE NEOPLASIA HEPÁTICA EM PERIQUITO AUSTRALIANO (Melopsittacus undulatus): RELATO DE CASO

ASPECTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DE NEOPLASIA HEPÁTICA EM PERIQUITO AUSTRALIANO (Melopsittacus undulatus): RELATO DE CASO 1 ASPECTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DE NEOPLASIA HEPÁTICA EM PERIQUITO AUSTRALIANO (Melopsittacus undulatus): RELATO DE CASO Sonographic aspects of hepatic neoplasia in Australian budgerigar (Melopsittacus undulatus):

Leia mais

DIAGNÓSTICO CLÍNICO E HISTOPATOLÓGICO DE NEOPLASMAS CUTÂNEOS EM CÃES E GATOS ATENDIDOS NA ROTINA CLÍNICA DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVIÇOSA 1

DIAGNÓSTICO CLÍNICO E HISTOPATOLÓGICO DE NEOPLASMAS CUTÂNEOS EM CÃES E GATOS ATENDIDOS NA ROTINA CLÍNICA DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVIÇOSA 1 361 DIAGNÓSTICO CLÍNICO E HISTOPATOLÓGICO DE NEOPLASMAS CUTÂNEOS EM CÃES E GATOS ATENDIDOS NA ROTINA CLÍNICA DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVIÇOSA 1 Márcia Suelen Bento 2, Marcelo Oliveira Chamelete 3,

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina VET362 Laboratório Clínico Veterinário

Programa Analítico de Disciplina VET362 Laboratório Clínico Veterinário 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Veterinária - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 5 Carga horária semanal Períodos

Leia mais

CISTO DERMÓIDE EM EQUINO: RELATO DE CASO. Dermoid cyst on the temporal region in equine: case report

CISTO DERMÓIDE EM EQUINO: RELATO DE CASO. Dermoid cyst on the temporal region in equine: case report CISTO DERMÓIDE EM EQUINO: RELATO DE CASO Dermoid cyst on the temporal region in equine: case report STELMANN, Ulisses Jorge Pereira Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Medicina Veterinária, Departamento

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: Ano IX Número 18 Janeiro de 2012 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: Ano IX Número 18 Janeiro de 2012 Periódicos Semestral ESTUDO RETROSPECTIVO DA APLICAÇÃO DO DIAGNÓSTICO CITOPATOLÓGICO E AVALIAÇÃO DA SOBREVIDA DAS NEOPLASIAS MAMÁRIAS DE CADELAS ATENDIDAS HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ UENP-CLM

Leia mais

GRANULOMA EOSINOFÍLICO EQUÍNO - RELATO DE CASO EQUINE EOSINOPHILIC GRANULOMA - CASE REPORT

GRANULOMA EOSINOFÍLICO EQUÍNO - RELATO DE CASO EQUINE EOSINOPHILIC GRANULOMA - CASE REPORT 39 GRANULOMA EOSINOFÍLICO EQUÍNO - RELATO DE CASO EQUINE EOSINOPHILIC GRANULOMA - CASE REPORT Leandro Bertoni Cavalcanti Teixeira 1 ; Renée Laufer Amorim 2 RESUMO Granulomas Eosinofílicos são as lesões

Leia mais

10/6/2011. Histologia da Pele. Diagrama da Estrutura da Pele. Considerações Gerais. epiderme. derme

10/6/2011. Histologia da Pele. Diagrama da Estrutura da Pele. Considerações Gerais. epiderme. derme epiderme derme 10/6/2011 Histologia da Pele Considerações Gerais Maior órgão do corpo: 16% do peso total e 1,2 a 2,3 m 2 de superfície Composto por duas regiões: epiderme e derme Funções proteção: atrito,

Leia mais

SISTEMA TEGUMENTAR. Pele e anexos. Pele e anexos Funções. Pele e anexos 5/5/2012

SISTEMA TEGUMENTAR. Pele e anexos. Pele e anexos Funções. Pele e anexos 5/5/2012 SISTEMA TEGUMENTAR SISTEMA TEGUMENTAR Origem: Ectodérmica Epiderme Mesodérmica Derme Hipoderme Pele: epiderme, derme e hipoderme Anexos: pêlos; unhas, cascos e garras; glândulas sudoríparas e sebáceas.

Leia mais

FECHAMENTO DAS PLACAS DE CRESCIMENTO EM EQÜINOS CRIOULOS

FECHAMENTO DAS PLACAS DE CRESCIMENTO EM EQÜINOS CRIOULOS FECHAMENTO DAS PLACAS DE CRESCIMENTO EM EQÜINOS CRIOULOS MATTOSINHO, Rodrigo oliveira DE SOUZA, Wagner do Amaral SANT ANA, Tatiane Marileia Acadêmicos da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da

Leia mais

CARCINOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS BEM DIFERENCIADO NO GLOBO OCULAR DE BOVINO 1

CARCINOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS BEM DIFERENCIADO NO GLOBO OCULAR DE BOVINO 1 CARCINOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS BEM DIFERENCIADO NO GLOBO OCULAR DE BOVINO 1 Taynara Jurinic Dalmaso 2, Maria Andréia Inklemann 3, Patrícia Lurdes Heck 4, Deywis Jurinic Dalmaso 5, Patrícia Carvalho Gindri

Leia mais

CARNEIRO, Rosileide dos Santos Médica Veterinária do Hospital Veterinário do Centro de Saúde e Tecnologia Rural, UFCG, Patos-PB, Brasil.

CARNEIRO, Rosileide dos Santos Médica Veterinária do Hospital Veterinário do Centro de Saúde e Tecnologia Rural, UFCG, Patos-PB, Brasil. OSTEOMIELITE EM FELINO JOVEM POR STREPTOCOCCUS spp.: RELATO DE CASO OSTEOMYELITIS IN YOUNG FELINE BY STREPTOCOCCUS spp.: CASE REPORT HENRIQUE, Fernanda Vieira Universidade Federal de Campina Grande (UFCG),

Leia mais

Anatomia do Sistema Tegumentar

Anatomia do Sistema Tegumentar Anatomia do Sistema Tegumentar Introdução Embriologia Muda ou Ecdise Coloração Introdução Funções da Pele Proteção mecânica contra atritos e injúrias (queratina como linha de defesa) Proteção fisiológica:

Leia mais

AULA PRÁTICA 7 PELE E ANEXOS CUTÂNEOS LÂMINA Nº 91 - PELE GROSSA (PELE DE DEDO) - HE

AULA PRÁTICA 7 PELE E ANEXOS CUTÂNEOS LÂMINA Nº 91 - PELE GROSSA (PELE DE DEDO) - HE AULA PRÁTICA 7 PELE E ANEXOS CUTÂNEOS A pele ou tegumento cutâneo reveste externamente o corpo variando em cor e espessura nas diferentes regiões, assim como também na presença de pêlos, glândulas e unhas.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ UNIDADE JATOBÁ. Carga Horária Total Carga Horária Semestral Ano Letivo 48 hs Teórica: 32 Prática:

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ UNIDADE JATOBÁ. Carga Horária Total Carga Horária Semestral Ano Letivo 48 hs Teórica: 32 Prática: UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ UNIDADE JATOBÁ 1- DADOS DE IDENTIFICAÇÃO CURSO: MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA: LABORATÓRIO CLÍNICO VETERINÁRIO DEPARTAMENTO: CAMPUS JATAÍ PRÉ-REQUISITO: disciplina

Leia mais

Fig. 18. Leptodactylus lineatus. Ultraestrutura das glândulas granulosas do tipo G1.

Fig. 18. Leptodactylus lineatus. Ultraestrutura das glândulas granulosas do tipo G1. Fig. 18. Leptodactylus lineatus. Ultraestrutura das glândulas granulosas do tipo G1. G grânulos de secreção maduros; m mitocôndria; mio - camada mioepitelial; N núcleo; RER - retículo endoplasmático rugoso.

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Adenocarcinoma nasal em cão: relato de caso

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Adenocarcinoma nasal em cão: relato de caso PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Adenocarcinoma nasal em cão: relato de caso Alice Pontes Formighieri 1, Ana Claudia Cazarotto Cella 1, Maysa Franzói de Carvalho 1, Liege Georgia

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE A CITOLOGIA ASPIRATIVA COM AGULHA FINA E HISTOPATOLOGIA: IMPORTÂNCIA PARA O DIAGNÓSTICO DE NEOPLASIAS MAMÁRIAS EM CADELAS 1

CORRELAÇÃO ENTRE A CITOLOGIA ASPIRATIVA COM AGULHA FINA E HISTOPATOLOGIA: IMPORTÂNCIA PARA O DIAGNÓSTICO DE NEOPLASIAS MAMÁRIAS EM CADELAS 1 343 CORRELAÇÃO ENTRE A CITOLOGIA ASPIRATIVA COM AGULHA FINA E HISTOPATOLOGIA: IMPORTÂNCIA PARA O DIAGNÓSTICO DE NEOPLASIAS MAMÁRIAS EM CADELAS 1 Thalita Evani Silva de Oliveira 2, João Paulo Machado 3,

Leia mais

TUMORES CONGÊNITOS EM CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO. Dr. Mário Sérgio R. Macêdo Dr. Luís Alberto Albano

TUMORES CONGÊNITOS EM CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO. Dr. Mário Sérgio R. Macêdo Dr. Luís Alberto Albano TUMORES CONGÊNITOS EM CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO Dr. Mário Sérgio R. Macêdo Dr. Luís Alberto Albano Fases do Desenvolviento Embrionário Destino dos Folhetos Embrionário Ectoderma Epiderme e Anexos Encéfalo

Leia mais

Silvana Maris Cirio Médica Veterinária, Dr.ª, Prof.ª da PUCPR, São José dos Pinhais - PR.

Silvana Maris Cirio Médica Veterinária, Dr.ª, Prof.ª da PUCPR, São José dos Pinhais - PR. AVALIAÇÃO CITOLÓGICA DE MEDULA ÓSSEA DE CADELAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA, PR Bone Marrow Citologic Evaluation of Bitches from Neighborhood of Curitiba, PR Silvana Maris Cirio Médica Veterinária,

Leia mais

SERVIÇO DE CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CÂMPUS CONCÓRDIA

SERVIÇO DE CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CÂMPUS CONCÓRDIA SERVIÇO DE CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CÂMPUS CONCÓRDIA Voese, Francine Maiara 1 ; Rosa, Débora Fernanda da 1 ; Olsson, Débora Cristina1; Faria, Joice Lara Maia

Leia mais

TÍTULO: COLESTEATOMA DE CONDUTO AUDITIVO EXTERNO COMO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE PATOLOGIAS DA ORELHA EXTERNA

TÍTULO: COLESTEATOMA DE CONDUTO AUDITIVO EXTERNO COMO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE PATOLOGIAS DA ORELHA EXTERNA TÍTULO: COLESTEATOMA DE CONDUTO AUDITIVO EXTERNO COMO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE PATOLOGIAS DA ORELHA EXTERNA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: Ano X Número 19 Julho de 2012 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: Ano X Número 19 Julho de 2012 Periódicos Semestral MALFORMAÇÕES CONGÊNITAS NA OVARIOISTERECTOMIA EM CADELAS : ÚTERO UNICÓRNIO RELATO DE CASO CONGENITAL MALFORMATIONS IN THE OVARIOHYSTERECTOMY IN BITCHES: UNICORN UTERUS - CASE REPORT PAGLIUCA, Thais Cristina

Leia mais

Universidade Estadual De Maringá Curso De Medicina Veterinária Coordenação Do Colegiado De Curso

Universidade Estadual De Maringá Curso De Medicina Veterinária Coordenação Do Colegiado De Curso Universidade Estadual De Maringá Curso De Medicina Veterinária Coordenação Do Colegiado De Curso O Coordenador do Colegiado do Curso de Medicina Veterinária da Universidade Estadual de Maringá, Prof. Dr.

Leia mais

AVANÇOS NA MEDICINA VETERINÁRIA: UM BREVE HITÓRICO SOBRE A RADIOTERAPIA EM ANIMAIS 1 INTRODUÇÃO

AVANÇOS NA MEDICINA VETERINÁRIA: UM BREVE HITÓRICO SOBRE A RADIOTERAPIA EM ANIMAIS 1 INTRODUÇÃO AVANÇOS NA MEDICINA VETERINÁRIA: UM BREVE HITÓRICO SOBRE A RADIOTERAPIA EM ANIMAIS Michel de Campos Vettorato¹, Marco Antonio Rodrigues Fernandes², Luiz Carlos Vulcano³ 1 Tecnológo em Radiologia e Mestrando

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Relato de casos de Carcinoma Epidermóide em cães Pit Bulls, atendidos no Hospital Veterinário da Universidade Federal de Uberlândia Andressa Izabel

Leia mais

Patologia Buco Dental Prof. Dr. Renato Rossi Jr.

Patologia Buco Dental Prof. Dr. Renato Rossi Jr. Cistos Odontogênicos Introdução Os cistos derivados dos tecidos odontogênicos são caracterizados como lesões de extraordinária variedade. O complexo desenvolvimento das estruturas dentárias é refletido

Leia mais

HIPERPLASIA DA GLÂNDULA DA CAUDA FELINA Relato de Caso

HIPERPLASIA DA GLÂNDULA DA CAUDA FELINA Relato de Caso ANAIS DA III SEPAVET SEMANA DE PATOLOGIA VETERINÁRIA E DO II SIMPÓSIO DE PATOLOGIA VETERINÁRIA DO CENTRO OESTE PAULISTA FAMED FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA DA FAEF ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Exame citológico em medicina veterinária: estudo retrospectivo de casos ( ) 1

Exame citológico em medicina veterinária: estudo retrospectivo de casos ( ) 1 Tópico de Interesse Geral Exame citológico em medicina veterinária: estudo retrospectivo de 11.468 casos (1994-2008) 1 Rodolfo F.A. Ventura 2, Marcia M. Colodel 2 * e Noeme S. Rocha 2 ABSTRACT.- Ventura

Leia mais

Fundamentos de Saúde SISTEMAS DO CORPO HUMANO

Fundamentos de Saúde SISTEMAS DO CORPO HUMANO Fundamentos de Saúde 1º bimestre/2012 SISTEMAS DO CORPO HUMANO Escola Técnica - MÚLTIPLA Estrutura do tegumento (pele). O tegumento humano, mais conhecido como pele, é formado por duas camadas distintas,

Leia mais

Nome do Componente Curricular: Curso: Semestre: Carga Horária: Horas Teóricas: Horas Práticas: Docente Responsável Ementa Objetivos Geral

Nome do Componente Curricular: Curso: Semestre: Carga Horária: Horas Teóricas: Horas Práticas: Docente Responsável Ementa Objetivos Geral Plano de Ensino Dados do Componente Curricular Nome do Componente Curricular: Patologia e Clínica Médica de Ruminantes Curso: Bacharelado em Medicina Veterinária Semestre: 7º Carga Horária: 140hs/r Horas

Leia mais

TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS

TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria INTRODUÇÃO AOS TUMORES DE

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE OSTEOSSARCOMA EM SACRO DE UM CÃO DA RAÇA COCKER SPANIEL POR EXAME CITOPATOLÓGICO: RELATO DE CASO

DIAGNÓSTICO DE OSTEOSSARCOMA EM SACRO DE UM CÃO DA RAÇA COCKER SPANIEL POR EXAME CITOPATOLÓGICO: RELATO DE CASO DIAGNÓSTICO DE OSTEOSSARCOMA EM SACRO DE UM CÃO DA RAÇA COCKER SPANIEL POR EXAME CITOPATOLÓGICO: RELATO DE CASO OSTEOSARCOMA IN SACRUM IN A COCKER SPANIEL DOG DIAGNOSED BY CYTOPATHOLOGICAL EXAM: CASE REPORT

Leia mais

DESCRIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DAS LESÕES MACROSCÓPICAS. Claudio Barros 1, Daniel Rissi 1 e Raquel Rech 2

DESCRIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DAS LESÕES MACROSCÓPICAS. Claudio Barros 1, Daniel Rissi 1 e Raquel Rech 2 Mini-curso 1 DESCRIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DAS LESÕES MACROSCÓPICAS EM MAMÍFEROS DOMÉSTICOS Claudio Barros 1, Daniel Rissi 1 e Raquel Rech 2 1 Universidade Federal de Santa Maria & 2 The University of Georgia

Leia mais

TÍTULO: ELETROCARDIOGRAMA COMO DIAGNÓSTICO NA SUSPEITA DE POSSÍVEIS CARDIOPATIAS EM PSITACÍDEOS DA ESPÉCIE NYMPHICUS HOLLANDICUS

TÍTULO: ELETROCARDIOGRAMA COMO DIAGNÓSTICO NA SUSPEITA DE POSSÍVEIS CARDIOPATIAS EM PSITACÍDEOS DA ESPÉCIE NYMPHICUS HOLLANDICUS TÍTULO: ELETROCARDIOGRAMA COMO DIAGNÓSTICO NA SUSPEITA DE POSSÍVEIS CARDIOPATIAS EM PSITACÍDEOS DA ESPÉCIE NYMPHICUS HOLLANDICUS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL VALORES DE REFERÊNCIA PARA TESTES DIAGNÓSTICOS OFTÁLMICOS EM ARARA CANINDÉ (Ara ararauna)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA NÍVEL MESTRADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA NÍVEL MESTRADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA NÍVEL MESTRADO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO CLÍNICA ODONTOLÓGICA - PERIODONTIA Linha de pesquisa: Epidemiologia,

Leia mais

DETECÇÃO DO CICLO ESTRAL POR MEIO DE CITOLOGIA VAGINAL DE CADELAS ATENDIDAS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVIÇOSA/FACISA

DETECÇÃO DO CICLO ESTRAL POR MEIO DE CITOLOGIA VAGINAL DE CADELAS ATENDIDAS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVIÇOSA/FACISA 143 DETECÇÃO DO CICLO ESTRAL POR MEIO DE CITOLOGIA VAGINAL DE CADELAS ATENDIDAS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVIÇOSA/FACISA Marcela Mara Ferreira Vieira 1, Thalita Evani Silva de Oliveira 1, Luiz Eduardo

Leia mais

Daniele Frutuoso Leal da Costa 1 *, Raquel Guedes Ximenes 1, ClédsonCalixto de Oliveira 1, Olivia Maria Moreira Borges 1, Almir Pereira de Souza 1.

Daniele Frutuoso Leal da Costa 1 *, Raquel Guedes Ximenes 1, ClédsonCalixto de Oliveira 1, Olivia Maria Moreira Borges 1, Almir Pereira de Souza 1. Ciência Animal, 27 (2): 121-125, 2017 - Edição Especial (SIMPAVET) TUMOR VENÉREO TRASMISSÍVEL CANINO EM MUCOSA VAGINAL COM METÁSTASE EM PELE E GLOBO OCULAR (TransmissibleVenereal Tumor Canine in vaginal

Leia mais

Universidade Federal do Paraná. Treinamento em Serviço em Medicina Veterinária. Laboratório de Patologia Clínica Veterinária

Universidade Federal do Paraná. Treinamento em Serviço em Medicina Veterinária. Laboratório de Patologia Clínica Veterinária Universidade Federal do Paraná Treinamento em Serviço em Medicina Veterinária Laboratório de Patologia Clínica Veterinária Hospital Veterinário UFPR Marília de Oliveira Koch Título: SINAIS CLÍNICOS E ALTERAÇÕES

Leia mais

Capítulo 2 Aspectos Histológicos

Capítulo 2 Aspectos Histológicos 5 Capítulo 2 Aspectos Histológicos Alguns conceitos básicos sobre histologia humana, a caracterização dos tecidos, a regeneração e reparação dos mesmos em lesões e a cicatrização de feridas são aspectos

Leia mais

Programa para Seleção Clínica Cirúrgica e Obstetrícia de Pequenos Animais

Programa para Seleção Clínica Cirúrgica e Obstetrícia de Pequenos Animais Programa para Seleção Clínica Cirúrgica e Obstetrícia de Pequenos Animais - Princípios cirúrgicos básicos: assepsia/antissepsia; pré, trans e pós-operatório; instrumentação cirúrgica; fundamentos em esterilização

Leia mais

Nódulos e massas pulmonares

Nódulos e massas pulmonares Nódulos e massas pulmonares Gustavo de Souza Portes Meirelles 1 1 Doutor em Radiologia pela Escola Paulista de Medicina UNIFESP A) Nódulo pulmonar solitário 1 Definição O nódulo pulmonar solitário (NPS)

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Carcinoma de células escamosas em epitélio nasal de um hamster chinês Relato de caso

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Carcinoma de células escamosas em epitélio nasal de um hamster chinês Relato de caso PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Carcinoma de células escamosas em epitélio nasal de um hamster chinês Relato de caso Mayara Caroline Rosolem 1* ; Débora Cristina Romero 2 ; Daniela

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina VET375 Clínica Médica de Cães e Gatos

Programa Analítico de Disciplina VET375 Clínica Médica de Cães e Gatos Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Veterinária - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: 6 Teóricas Práticas Total Duração em semanas:

Leia mais

EXAME DE URETROGRAFIA CONTRASTADA PARA DIAGNÓSTICO DE RUPTURA URETRAL EM CANINO RELATO DE CASO

EXAME DE URETROGRAFIA CONTRASTADA PARA DIAGNÓSTICO DE RUPTURA URETRAL EM CANINO RELATO DE CASO 97 ISSN: 23170336 EXAME DE URETROGRAFIA CONTRASTADA PARA DIAGNÓSTICO DE RUPTURA URETRAL EM CANINO RELATO DE CASO ADAMS, M. I. 1, SANTOS, G. A. dos. 2 Resumo: O estudo teve como objetivo relatar, através

Leia mais

Cistos e cavidades pulmonares

Cistos e cavidades pulmonares Cistos e cavidades pulmonares Gustavo de Souza Portes Meirelles 1 1 Doutor em Radiologia pela Escola Paulista de Medicina UNIFESP 1 Definições Cistos e cavidades são condições em que há aumento da transparência

Leia mais

Foi-me solicitado, pelos editores, prefaciar a obra... [Prefácio]

Foi-me solicitado, pelos editores, prefaciar a obra... [Prefácio] Universidade de São Paulo Biblioteca Digital da Produção Intelectual - BDPI Departamento de Patologia - FMVZ/VPT Livros e Capítulos de Livros - FMVZ/VPT 2014 Foi-me solicitado, pelos editores, prefaciar

Leia mais

Aula 2: Sistema esquelético Sistema tegumentar

Aula 2: Sistema esquelético Sistema tegumentar Aula 2: Sistema esquelético Sistema tegumentar Sistema esquelético Sistema ósseo Conceito de esqueleto: conjunto de ossos e cartilagens que se interligam para formar o arcabouço do corpo Funções do esqueleto

Leia mais

Requisitos de Inscrição

Requisitos de Inscrição UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO Pelo presente edital, estarão abertas as inscrições, no período de 16 de novembro a 01 de dezembro de 2009, para o processo de seleção do Programa

Leia mais

Edital Nº 15 de 12 de fevereiro de 2014, publicado no Diário Oficial da União de 18/02/2014.

Edital Nº 15 de 12 de fevereiro de 2014, publicado no Diário Oficial da União de 18/02/2014. Edital Nº 15 de 12 de fevereiro de 2014, publicado no Diário Oficial da União de 18/02/2014. Área: Reprodução Animal (Cód. CNPq 5.05.04.00-2), Clínica e Semiologia Veterinária Titulação Exigida: Graduação

Leia mais

PAPILOMATOSE BUCAL CANINA

PAPILOMATOSE BUCAL CANINA PAPILOMATOSE BUCAL CANINA SANTOS, Denise Almeida Nogueira dos SILVA, Danilo da BENEDETTE, Marcelo Francischinelli ROCHA, Fábio Peron Coelho da COSTA, Eduardo Augusto De`Alessandro Acadêmicos da Faculdade

Leia mais

FIBROSSARCOMA EM CÃO RELATO DE CASO. RIBEIRO, Fabiana Pereira Discente do curso de Medicina Veterinária da FAMED-Garça

FIBROSSARCOMA EM CÃO RELATO DE CASO. RIBEIRO, Fabiana Pereira Discente do curso de Medicina Veterinária da FAMED-Garça FIBROSSARCOMA EM CÃO RELATO DE CASO RIBEIRO, Fabiana Pereira HAMZÉ, Abdul Latif PACHECO, Alessandro Mendes TRENTIN, Thays Campos LOT, Rômulo Francis Estangari FRIOLANI, Milena DIAS, Luis Gustavo Gosuen

Leia mais

TESTES ALÉRGICOS INTRADÉRMICOS COMO AUXÍLIO DO DIAGNÓSTICO DA DERMATITE ATÓPICA CANINA (DAC) Introdução

TESTES ALÉRGICOS INTRADÉRMICOS COMO AUXÍLIO DO DIAGNÓSTICO DA DERMATITE ATÓPICA CANINA (DAC) Introdução 301 TESTES ALÉRGICOS INTRADÉRMICOS COMO AUXÍLIO DO DIAGNÓSTICO DA DERMATITE ATÓPICA CANINA (DAC) Paula Gabriella Poerner Gonçalves 1, Sinésio Gross Ferreira Filho 1, Mariana Ferreira Franco 1, Patrícia

Leia mais

PATOLOGIA DA PELE. Conhecimentos Básicos para Atendimento no Varejo TATIANA FERRARA BARROS

PATOLOGIA DA PELE. Conhecimentos Básicos para Atendimento no Varejo TATIANA FERRARA BARROS PATOLOGIA DA PELE Conhecimentos Básicos para Atendimento no Varejo TATIANA FERRARA BARROS Patologia da Pele Conhecimentos Básicos para Atendimento no Varejo SumÁrio 1. Acne... 10 2. Pele seca... 12 3.

Leia mais

Palavra-Chave: Esôfago. Fraqueza esofágica. Regurgitação. Cão.

Palavra-Chave: Esôfago. Fraqueza esofágica. Regurgitação. Cão. 121 AVALIAÇÃO ANATOMOPATOLÓGICA E CAUSAS DE MEGAESÔFAGO EM CÃES SANTOS, Romeu Moreira dos 1 BONICHELLI, Rosângela K. Jomori 2 CAMPOS, Aline Gomes de 2 Recebido em: 2012-08-07 Aprovado em: 2012-11-20 ISSUE

Leia mais

ESPOROTRICOSE EM FELINOS DOMÉSTICOS

ESPOROTRICOSE EM FELINOS DOMÉSTICOS ESPOROTRICOSE EM FELINOS DOMÉSTICOS MONTEIRO, Héllen Renata Borges TANENO, Joyce Costa Discentes da Faculdade de Zootecnia e Medicina Veterinária de Garça SP, FAMED/FAEF, UNITERRA hellen_monteiro@zipmail.com.br

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=211>.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=211>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Osteopatia hipertrófica relato em cão jovem Fabiano Séllos Costa 1, Flávia Mara Machado

Leia mais

XIX Congresso Brasileiro de Histotecnologia. Dimitrius Leonardo Pitol PhD FORP/USP

XIX Congresso Brasileiro de Histotecnologia. Dimitrius Leonardo Pitol PhD FORP/USP Dimitrius Leonardo Pitol PhD FORP/USP COROA POLPA Medula Óssea vermelha Osso Trabeculado ou Esponjoso DENTINA Osso Cortical ou Compacto ou Denso 3 Osso Cortical Osso trabecular Tecido Mineralizado 33%

Leia mais

Anatomia Funcional do Sistema Digestório das Aves

Anatomia Funcional do Sistema Digestório das Aves Anatomia Funcional do Sistema Digestório das Aves Cristina Fotin Especialização Anclivepa-SP esôfago inglúvio pró-ventrículo ventrículo intestino Ritchie, Harrisson and Harrison. Avian Medicine:principles

Leia mais

Ordem Acari: Subordem Sarcoptiformes

Ordem Acari: Subordem Sarcoptiformes ÁCAROS CAUSADORES DE SARNAS Profa. Dra. Sílvia Ahid Ahid,2008 Ordem Acari: Subordem Sarcoptiformes Estigma e olhos ausentes Quelíceras Palpos SUBORDEM ASTIGMATA Sarcoptidae: Sarcoptes, Notoedres, Psoroptidae:

Leia mais

TÉCNICA CIRÚRGICA DE ABLAÇÃO TOTAL DO CONDUTO AUDITIVO DE CÃO ACOMETIDO POR OTITE. Introdução

TÉCNICA CIRÚRGICA DE ABLAÇÃO TOTAL DO CONDUTO AUDITIVO DE CÃO ACOMETIDO POR OTITE. Introdução 289 TÉCNICA CIRÚRGICA DE ABLAÇÃO TOTAL DO CONDUTO AUDITIVO DE CÃO ACOMETIDO POR OTITE Ronaldo Oliveira Silveira¹, Isabella de Paula Valeriano¹, Mariane Souza Nascimento¹, Pollyanna Belechiano Chisté¹,

Leia mais

HISTOLOGIA DA PELE. Priscyla Taboada

HISTOLOGIA DA PELE. Priscyla Taboada HISTOLOGIA DA PELE Priscyla Taboada Introdução Para a realização do diagnóstico Dermahistopatológico é necessário conhecer as características da anatomia microscópica da pele de diferentes espécies animais,

Leia mais

Prof. Ms. Marcelo Lima. Site:

Prof. Ms. Marcelo Lima.   Site: Prof. Ms. Marcelo Lima E-mail: profmarcelolima@yahoo.com.br Site: www.profmarcelolima.webnode.com.br INTRODUÇÃO 1. Funções: Proteção abrasões, perda de líquido, substâncias nocivas e microorganismos. Regulação

Leia mais

Palavras-chaves: dermatologia, cão, fungo INTRODUÇÃO

Palavras-chaves: dermatologia, cão, fungo INTRODUÇÃO DERMATOFITOSE CANINA FIGUEIREDO, Karolyna Brito¹; CRUZ, José Acácio Chavier 1 ; LEHNEN, Paula Letícia 1 ; SILVA, Nara Cristina 1 ; COSTA, Jackeline de Sousa 1, BERTOLINO, Jessica Fernanda 1 ; OLIVEIRA,

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE ARMAZENAMENTO DA AMOSTRA SOBRE OS PARÂMETROS HEMATOLÓGICOS DE CÃES

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE ARMAZENAMENTO DA AMOSTRA SOBRE OS PARÂMETROS HEMATOLÓGICOS DE CÃES INFLUÊNCIA DO TEMPO DE ARMAZENAMENTO DA AMOSTRA SOBRE OS PARÂMETROS HEMATOLÓGICOS DE CÃES Liamara A. LEIDENTZ, Daiane LAZAROTTO. Orientador: Wanderson A. B. Pereira. Introdução O hemograma é um dos exames

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA - BACHARELADO - GRA000437F PLANO CURRICULAR

MEDICINA VETERINÁRIA - BACHARELADO - GRA000437F PLANO CURRICULAR 1 SEMESTRE DISCIPLINA DESCRIÇÃO VET0201 Anatomia Veterinária I 4 60 CIB0507 Ecologia de Agroecossistemas 4 60 VET0243 Fisiologia Veterinária I 4 60 CES0200 Histologia e Embriologia 4 60 VET0200 Introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS UFG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS UFG UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS UFG ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DEPARTAMENTO DE MEDICINA VETERINÁRIA SETOR DE PATOLOGIA ANIMAL Abertura de crânio e colheita de sistema nervoso central Prof.ª Dr.ª Veridiana

Leia mais

TECIDO EPITELIAL SEGUNDA PARTE

TECIDO EPITELIAL SEGUNDA PARTE TECIDO EPITELIAL SEGUNDA PARTE Prof : Cristiano Ricardo Jesse TIPOS DE EPITÉLIO - REVESTIMENTO CLASSIFICAÇÃO: Quanto a forma das células o epitélio estratificado (camada mais superficial) pode ser: - Pavimentoso

Leia mais

CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS

CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS Santos, Março de 2014. Nível do Curso Pós-graduação Lato Sensu em nível de especialização. Titulação Especialista em Clinica Médica de Pequenos Animais Direção e Coordenação

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE ANATOMIA PATOLÓGICA CITOPATOLOGIA IMUNOPATOLOGIA Anatomia patológica é uma especialidade da medicina que tem como objetivo fazer diagnóstico das doenças através

Leia mais

FISIOLOGIA DA PELE Conhecimentos Básicos para Atendimento no Varejo TATIANA FERRARA BARROS

FISIOLOGIA DA PELE Conhecimentos Básicos para Atendimento no Varejo TATIANA FERRARA BARROS FISIOLOGIA DA PELE Conhecimentos Básicos para Atendimento no Varejo TATIANA FERRARA BARROS Fisiologia da Pele Conhecimentos Básicos para Atendimento no Varejo SUMÁRIO 1. Introdução... 10 2. Funções da

Leia mais

sumária e apresenta, inclusive, algumas controvérsias. Nickel et al. (1981) citam que este músculo é bem saliente no gato e freqüentemente ausente no

sumária e apresenta, inclusive, algumas controvérsias. Nickel et al. (1981) citam que este músculo é bem saliente no gato e freqüentemente ausente no Original Article PRESENÇA DO MÚSCULO BRAQUIORRADIAL EM CÃES PRESENCE OF THE BRAQUIORRADIAL MUSCLE OF DOGS Ivaldo dos SANTOS JÚNIOR * Celso Alves RODRIGUES ** Aglai CAMPOS * Djenane dos SANTOS *** RESUMO:

Leia mais

1. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO E N.º DE VAGAS:

1. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO E N.º DE VAGAS: 1 E D I T A L n.º 2/2017 A Coordenação do Programa de Pós - Graduação em Medicina Veterinária - Áreas de Concentração em Clínica e Reprodução Animal, níveis de Doutorado da Universidade Federal Fluminense,

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina VET331 Anestesiologia Veterinária

Programa Analítico de Disciplina VET331 Anestesiologia Veterinária 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Veterinária - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal Períodos

Leia mais

Clarisse Alvim Portilho et all

Clarisse Alvim Portilho et all 294 CASUÍSTICA DE CÃES E GATOS ATENDIDOS COM SUSPEITA DE NEOPLASIA NO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIVIÇOSA NO PERÍODO DE 2010 A 20141 Clarisse Alvim Portilho2, Alessandra Arreguy3, Anna Laura Alves dos Santos⁴,

Leia mais

MELANOMA EM EQUÍDEOS: RELATO DE 11 CASOS MELANOMA IN EQUINE ANIMALS: REPORT OF 11 CASES. SOUZA, Rafael Rocha de

MELANOMA EM EQUÍDEOS: RELATO DE 11 CASOS MELANOMA IN EQUINE ANIMALS: REPORT OF 11 CASES. SOUZA, Rafael Rocha de MELANOMA EM EQUÍDEOS: RELATO DE 11 CASOS MELANOMA IN EQUINE ANIMALS: REPORT OF 11 CASES SOUZA, Rafael Rocha de FERREIRA, Silvia Santos Mestranda em Ciências Veterinárias, Faculdade demedicina Veterinária,

Leia mais

Tecidos estrutura geral

Tecidos estrutura geral Tecido Epitelial Tecidos estrutura geral Célula Meio extracelular Os tecidos em geral apresentam na sua organização básica: (1) células e (2) meio extracelular. Órgãos estrutura geral Componentes: Parênquima:

Leia mais

USO DE FIXADOR ESQUELÉTICO EXTERNO TIPO II NA OSTEOSSÍNTESE DE TÍBIA E FÍBULA DE CADELA

USO DE FIXADOR ESQUELÉTICO EXTERNO TIPO II NA OSTEOSSÍNTESE DE TÍBIA E FÍBULA DE CADELA 311 USO DE FIXADOR ESQUELÉTICO EXTERNO TIPO II NA OSTEOSSÍNTESE DE TÍBIA E FÍBULA DE CADELA Vania Ramos da Silva¹, Emmanuele Conegundes Gomes Pinto¹, Laís Gonçalves Botelho¹, Fabiano Henrique Siman de

Leia mais

Biologia. Tecido Epitelial. Professor Enrico Blota.

Biologia. Tecido Epitelial. Professor Enrico Blota. Biologia Tecido Epitelial Professor Enrico Blota www.acasadoconcurseiro.com.br Biologia TECIDO EPITELIAL (OU EPITÉLIO) Apresenta funções de revestimento, absorção de substâncias e proteção de diversas

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE MASSAS TUMORAIS EM CANINOS E FELINOS - CONCORDÂNCIA ENTRE RESULTADOS DE EXAMES CITOPATOLÓGICOS E HISTOPATOLÓGICOS

DIAGNÓSTICO DE MASSAS TUMORAIS EM CANINOS E FELINOS - CONCORDÂNCIA ENTRE RESULTADOS DE EXAMES CITOPATOLÓGICOS E HISTOPATOLÓGICOS DIAGNÓSTICO DE MASSAS TUMORAIS EM CANINOS E FELINOS - CONCORDÂNCIA ENTRE RESULTADOS DE EXAMES CITOPATOLÓGICOS E HISTOPATOLÓGICOS Autores: TÍTULO DO RESUMO MAIUSCULO. Adrielly Ehlers Residente em Patologia

Leia mais

DEMODICOSE CANINA: REVISÃO DE LITERATURA

DEMODICOSE CANINA: REVISÃO DE LITERATURA DEMODICOSE CANINA: REVISÃO DE LITERATURA SANTOS, Luana Maria MACHADO, Juliane de Abreu Campos Acadêmicos da Associação Cultural e Educacional de Garça - FAMED. NEVES, Maria Francisca Docente da Associação

Leia mais

Acta Scientiae Veterinariae ISSN: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Brasil

Acta Scientiae Veterinariae ISSN: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Brasil Acta Scientiae Veterinariae ISSN: 678-0345 ActaSciVet@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Brasil Marietto-Gonçalves, Guilherme Augusto; de Lima, Edna Tereza; Andreatti Filho, Raphael Lucio

Leia mais

ata Emissão:10/05/2016 Data Aprovação: 11/05/2017 Página 01 de 05

ata Emissão:10/05/2016 Data Aprovação: 11/05/2017 Página 01 de 05 ata Emissão:10/05/2016 Data Aprovação: 11/05/2017 Página 01 de 05 OBJETIVO Padronizar e estabelecer regras e recomendações quanto à coleta, acondicionamento, transporte e rejeição das amostras biológica

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Veterinária Preventiva Toxoplasmose Zoonoses e Administração em Saúde Pública

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Veterinária Preventiva Toxoplasmose Zoonoses e Administração em Saúde Pública Universidade Federal de Pelotas Departamento de Veterinária Preventiva Toxoplasmose Zoonoses e Administração em Saúde Pública Fábio Raphael Pascoti Bruhn Por que estudar a toxoplasmose Zoonose Nos EUA,

Leia mais

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES RAIVA

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES RAIVA RAIVA O que é? A Raiva é uma enfermidade infecto-contagiosa causada por um RNA vírus, da família Rhabdoviridae e gênero Lyssavirus, que atinge o Sistema Nervoso Central (SNC) de mamíferos provocando encefalomielite

Leia mais

Tricologia. Profa Elaine C. S. Ovalle. Tricologia

Tricologia. Profa Elaine C. S. Ovalle. Tricologia Tricologia Profa Elaine C. S. Ovalle Tricologia Tricologia - do grego thricos (cabelos) + logos (estudo) É um ramo da medicina que trata dos pêlos ou cabelos, iniciou-se na Inglaterra em 1902 Seus conhecimentos

Leia mais

Exérese da glândula de terceira pálpebra neoplásica em bovino de leite.

Exérese da glândula de terceira pálpebra neoplásica em bovino de leite. Exérese da glândula de terceira pálpebra neoplásica em bovino de leite. RABELO, E.L. e FREITAS, B.R. Introdução A membrana nictitante é uma prega da conjuntiva palpebral encontrada em todos os animais

Leia mais

Hipotireoidismo em cães é uma endocrinopatia comum que mais comumente resulta de tireoidite linfocítica ou atrofia idiopática da tiroide

Hipotireoidismo em cães é uma endocrinopatia comum que mais comumente resulta de tireoidite linfocítica ou atrofia idiopática da tiroide INSIGHTS DE CONHECIMENTO CLÍNICO DERMATOSES ENDÓCRINAS E METABÓLICAS HIPOTIREOIDISMO - Insight de Conhecimento Clínico criado por Catherine Outerbridge, DVM, DACVD, DACVIM CONTEÚDO INTRODUÇÃO : 10.1 COMO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DA CARGA PARASITÁRIA NO EXAME CITOLÓGICO DE PUNÇÃO BIÓPSIA ASPIRATIVA DE LINFONODO COM O PERFIL CLÍNICO DE CÃES COM LEISHMANIOSE VISCERAL.

ASSOCIAÇÃO DA CARGA PARASITÁRIA NO EXAME CITOLÓGICO DE PUNÇÃO BIÓPSIA ASPIRATIVA DE LINFONODO COM O PERFIL CLÍNICO DE CÃES COM LEISHMANIOSE VISCERAL. ASSOCIAÇÃO DA CARGA PARASITÁRIA NO EXAME CITOLÓGICO DE PUNÇÃO BIÓPSIA ASPIRATIVA DE LINFONODO COM O PERFIL CLÍNICO DE CÃES COM LEISHMANIOSE VISCERAL. WALESSON DE ARAUJO ABREU 1 ; HELCILEIA DIAS SANTOS

Leia mais

Orientações gerais RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

Orientações gerais RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FAJ Curso de Medicina Veterinária CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA Orientações gerais RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO JAGUARIÚNA, fevereiro de 2009 1 FAJ Curso de Medicina Veterinária

Leia mais

Sistema Digestório Disciplina Citologia e Histologia II. Docente: Sheila C. Ribeiro Setembro/2015

Sistema Digestório Disciplina Citologia e Histologia II. Docente: Sheila C. Ribeiro Setembro/2015 Sistema Digestório Disciplina Citologia e Histologia II Docente: Sheila C. Ribeiro Setembro/2015 Sistema Digestório de Ruminantes Definição Vegetais Fibrosos Volumosos Estômago Aglandular Estômago Glandular

Leia mais

HISTOLOGIA. Tecido Epitelial Cap.4 PLT

HISTOLOGIA. Tecido Epitelial Cap.4 PLT HISTOLOGIA Tecido Epitelial Cap.4 PLT Células geralmente poliédricas (justapostas). Pouca substância extracelular Funções: - revestimento, - absorção, - excreção - secreção, - proteção, - sensorial. Avascular.

Leia mais