INFLUÊNCIA DO TEMPO DE ARMAZENAMENTO DA AMOSTRA SOBRE OS PARÂMETROS HEMATOLÓGICOS DE CÃES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFLUÊNCIA DO TEMPO DE ARMAZENAMENTO DA AMOSTRA SOBRE OS PARÂMETROS HEMATOLÓGICOS DE CÃES"

Transcrição

1 INFLUÊNCIA DO TEMPO DE ARMAZENAMENTO DA AMOSTRA SOBRE OS PARÂMETROS HEMATOLÓGICOS DE CÃES Liamara A. LEIDENTZ, Daiane LAZAROTTO. Orientador: Wanderson A. B. Pereira. Introdução O hemograma é um dos exames mais requisitados, por trazer diferentes informações sobre o estado geral do paciente (GROTTO, 2009). Diante disso, o interesse pela pesquisa na área da hematologia veterinária cresceu consideravelmente nas últimas décadas, principalmente relacionado ao melhoramento das técnicas laboratoriais, buscando respostas aos problemas clínicos dos animais (ROCHA, et al 1998). O exame hematológico compreende os testes laboratoriais que são utilizados para examinar os três tipos de células do sangue periférico: série eritrocitária (células vermelhas), série leucocitária (células brancas) e série plaquetária (MIRANDA, 2012). A série eritrocitária permite avaliar o estudo das células vermelhas do sangue, que compreende a avaliação do hematócrito, contagem das hemácias e concentração de hemoglobina, cujos valores obtidos dão origem aos índices eritrocitários que são o volume corpuscular médio (VCM), hemoglobina corpuscular média (HCM) e a concentração de hemoglobina corpuscular média (CHCM) (ROCHA, et al 1998). A série leucocitária é a parte do hemograma que reflete as alterações quantitativas e qualitativas do leucograma e compreende a contagem global e diferencial dos leucócitos, sendo geralmente utilizada para analisar e supervisionar os processos inflamatórios (COELHO, 2006). A série plaquetária corresponde às menores células do sangue, com grande importância na manutenção da homeostasia. As principais anormalidades incluem a trombocitose, que é o aumento do número de plaquetas e a trombocitopenia que é a diminuição do número de plaquetas (HLAVAC, 2012). As amostras de sangue são obtidas por punção venosa, sem deixar o sangue coagular, através da homogeneização da amostra com um anticoagulante, sendo o ácido etilenodiaminatetracético (EDTA) o de escolha (SINK, FELDMAN 2006). O tempo para o procedimento de um hemograma refrigerado com poucas alterações nos valores da

2 série vermelha é de até 24 horas após a colheita, sendo preservadas as amostras de sangue em uma temperatura de 4ºC (OLIVEIRA, 2009). Entretanto, Franco et al., analisaram 10 amostras de cães, mantendo o sangue refrigerado por até 24 horas em 6ºC, observando que o número de células diminuíram, tanto na série vermelha como na branca, principalmente nos valores de hematócrito, proteínas plasmáticas, leucócitos totais e plaquetas, quando refrigeradas por 12 horas. O hemograma é um dos exames mais solicitados na medicina veterinária, porém, faltam estudos que mostram as condições do armazenamento de amostras, pois nem sempre as mesmas podem ser processadas imediatamente após a colheita do sangue. Sendo assim, o presente trabalho teve como objetivo analisar a ocorrência de alterações no hemograma de cães, causadas pelo tempo de refrigeração da amostra de sangue, verificando sua influência na interpretação do exame hematológico. Material e Métodos Para desenvolver o protocolo experimental, foram utilizados 30 cães, com raças e idades variadas, machos e fêmeas, que foram atendidos na rotina do Centro de Práticas Clínicas e Cirúrgicas do Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia. Após a anti-sepsia local, as amostras de sangue foram colhidas por venipunção jugular, utilizando agulhas e seringas descartáveis. Foram coletadas amostras com aproximadamente 4 ml de sangue, sendo depositadas em tubos a vácuo contendo anticoagulante ácido etilenodiaminotetracético (EDTA). Após a colheita, as amostras foram enviadas ao Laboratório de Análises Clínicas do IFC Campus Concórdia, submetidas à condições diferentes de armazenamento, no qual, o exame foi realizado até 48 horas após a colheita das amostras. Para a realização do hemograma as amostras de sangue foram analisadas em três momentos. M1: a amostra foi processada em um tempo máximo de 2 horas após a colheita em temperatura ambiente. Somente as amostras que apresentaram os resultados com valores de referências normais foram armazenadas para o experimento. M2: armazenou-se a amostra a 4 C por 24 horas. M3: armazenagem da amostra a 4ºC por 48 horas. As análises foram realizadas 15 minutos após terem sido retiradas da refrigeração, para que as mesmas estivessem à temperatura ambiente durante a realização dos testes.

3 Foram analisados os seguintes parâmetros: hematócrito, proteína plasmática, contagem total de hemácias, contagem total de leucócitos e contagem diferencial de leucócitos (neutrófilos segmentados e linfócitos) e contagem de plaquetas em esfregaço sanguíneo, nos três momentos das amostras. Após a realização das avaliações e obtenção dos resultados, os mesmos foram avaliados pela análise de variância (One way ANOVA), sendo as medidas comparadas pelo teste de Tukey, ambos com 5% de significância. Resultados e Discussão Na avaliação da contagem de hemácias (x10 6 /µl) houve uma redução significativa dos valores médios 6.15 (p < 0.05) no M3 em relação aos momentos M1: 6.71 e M2: Tal fato, foi citado por Oliveira que considerou esse decréscimo provavelmente por lise das hemácias durante o período de estocagem. Entretanto, esses achados discordam de Coelho e Dorigam que relataram estabilidade das hemácias quando refrigeradas. Com relação aos resultados apresentados para a avaliação da proteína plasmática (g/dl) houve um aumento significativo na média 7.45 (p < 0.05), ocorrido no M3 em relação aos momentos M1: 7.02 e M2: 7.18 do experimento. Esses dados corroboram com Oliveira que relatou que o aumento foi determinado pela hemólise no plasma. Os dados obtidos para o hematócrito (%) não mostraram diferenças estatisticamente significativas na média (p > 0.05), M1: 43.86, M2: e M3: 46.33, durante todo o período de estocagem, considerando-se um parâmetro estável por até 48 horas de refrigeração. Estes dados corroboram com Coelho e Oliveira. Os resultados obtidos para a contagem total de leucócitos (x10 3 /µl) não mostraram alterações significativas na média (p > 0.05), M1: 10.72, M2: e M3: Estes valores corroboram com Oliveira e também com Coelho que relatou estabilidade por até 96 horas. A partir dos dados apresentados para neutrófilos segmentados (x10 3 /µl), com média no M1: 75.33, M2: e M3: e os resultados de linfócitos (x10 3 /µl) com média no M1: 22.50, M2: e M3: 22.03, não mostraram diferenças significativas (p > 0.05), permanecendo estáveis nos três momentos analisados. Estes dados corroboram Coelho. Os demais parâmetros do diferencial de leucócitos no esfregaço sanguíneo: bastonetes, monócitos e eosinófilos, também foram analisados, permanecendo-se estáveis, porém, não foram incluídos na análise estatística.

4 Os valores médios obtidos pela contagem de plaquetas (x10 3 /µl) não apresentaram diferenças significativas (p > 0.05), com média no M1: 15.66, M2: e M3: 14.53, mantendo-se estáveis durante todo o protocolo experimental. Esses resultados são semelhantes ao estudo de Oliveira. Entretanto, no estudo de Dalanhol et al., que analisaram as amostras em contador Sysmex XT2000i, observou-se que os valores diminuíram significativamente, provavelmente por consequência de aglutinação ou satelitismo plaquetário. A Tabela 1, indica os valores médios e os desvios padrões dos parâmetros nos três momentos avaliados. Tabela 1: Valores Médios e s Padrões dos parâmetros hematológicos avaliados, nos três momentos (M1, M2, M3) do estudo. MOMENTOS M1 M2 M3 Parâmetros Hematológicos Hematócrito (%) 43,86 4,86 44,56 4,68 46,33 4,88 Proteína Plasmática (g/dl) 7,02 0,54 7,18 0,52 7,45 0,59 Hemácias (x10 6 /µl) 6,71 0,84 6,31 0,92 6,15 0,75 Leucócitos (x10 3 /µl) 10,72 2,79 10,19 2,47 9,62 2,33 Segmentados (x10 3 /µl) 75,33 6,36 75,70 6,68 75,60 6,32 Linfócitos (x10 3 /µl) 22,50 6,70 22,00 6,58 22,03 6,35 Plaquetas (x10 3 /µl) 15,66 3,95 14,80 3,20 14,53 3,54 Conclusão Diante dos resultados obtidos pode-se concluir que os valores do hematócrito, contagem total de leucócitos, contagem diferencial de leucócitos e contagem de plaquetas em esfregaço sanguíneo, podem ser realizados em um período de até 48 horas de refrigeração, mantendo boas condições para análise. E a contagem total de hemácias e proteína plasmática podem ser satisfatórios quando realizados com até 24 horas de refrigeração.

5 Referências COELHO, S. P. Influência do Tempo, Temperatura e Recipiente de Estocagem nas Características do hemograma de Cães Adultos Hígidos f. Dissertação (Mestre de Medicina Veterinária Patologia Animal) - Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias UNESP, São Paulo, DIAS JUNIOR, F. R; ROCHA, A. M; DIAS, A. F. R. Efeito de diferentes concentrações do ácido etilenodiaminotetracético (EDTA) no eritrograma de cães. Semina: Ciências Agrárias. Londrina, v. 19, n.1, p , março, DORIGAM, P. J. de. Influência do tempo e Temperatura de Estocagem de Amostras de Sangue nas Variáveis Hematológicas de Cães Portadores de Enfermidade Renal Crônica f. Dissertação (Mestre em Medicina Veterinária - Patologia Animal) Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias UNESP, São Paulo, FRANCO, F. D. et al. Alterações no Hemograma de Cães Causados pela Refrigeração da Amostra. Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária, n.8, Janeiro de GROTTO, Z. W. H. O hemograma: importância para a interpretação da biópsia. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia. Vol. 31, n.3, p , HLAVAC, R. C. N. Avaliação de Parâmetros Plaquetários em Cães Saudáveis: Efeito da Temperatura, Tempo e Tipo de Anticoagulante f. Dissertação (Mestre em Medicina Veterinária) Universidade Federal do Rio Grande do sul UFRGS, Porto Alegre, MIRANDA, A. B. M; CELIS, C. V. V. del; GIRALDO, A. C. B. Valores de referencia del hemograma en perros sanos entre 1 y 6 años de edad, atendidos en el Hospital Veterinario - Universidad de Antioquia, Revista Colombiana de Ciencias Pecuarias. V. 25, p Mayo, OLIVEIRA, C. A. de. Influência da Concentração do EDTA, Tempo e Temperatura de Armazenagem sobre Parâmetros Hematológicos de Cães no Hemograma Automatizado e Manual f. Dissertação (Pós Graduação em Medicina Veterinária) Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais, SINK, A. C; FELDMAN, F. B. Urinálise e Hematologia: Laboratorial para o Clínico de Pequenos Animais. 1 ed. São Paulo: Roca, p. 46, 2006.

TÍTULO: DIFERENÇAS DE VOLUME SANGUÍNEO COLETADO E SUA INFLUÊNCIA NO HEMOGRAMA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: DIFERENÇAS DE VOLUME SANGUÍNEO COLETADO E SUA INFLUÊNCIA NO HEMOGRAMA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIFERENÇAS DE VOLUME SANGUÍNEO COLETADO E SUA INFLUÊNCIA NO HEMOGRAMA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

Procedimentos de coleta de sangue. Práticas de Biomedicina ll Prof: Archangelo Padreca Fernandes

Procedimentos de coleta de sangue. Práticas de Biomedicina ll Prof: Archangelo Padreca Fernandes Procedimentos de coleta de sangue Práticas de Biomedicina ll Prof: Archangelo Padreca Fernandes Fases da realização do exame Fase pré-analítica: 46-68% dos erros. Fase analítica: 7-13% dos erros. Fase

Leia mais

SÓDIO 139 meq/l Valores de ref erência: 134 a 147 meq/l Material: Soro Anteriores:(11/10/2016): 139 Método: Eletrodo Seletiv o

SÓDIO 139 meq/l Valores de ref erência: 134 a 147 meq/l Material: Soro Anteriores:(11/10/2016): 139 Método: Eletrodo Seletiv o SÓDIO 139 meq/l Valores de ref erência: 134 a 147 meq/l (11/10/2016): 139 Método: Eletrodo Seletiv o POTÁSSIO 3,6 meq/l Valores de ref erência: 3,5 a 5,4 meq/l Método: Eletrodo Seletiv o URÉIA 37 mg/dl

Leia mais

Sangue: funções gerais

Sangue: funções gerais Sangue Sangue: funções gerais Transporte de nutrientes para órgãos e tecidos; Regulação térmica e hídrica; Transporte de gases para órgãos e tecidos; Defesa do organismo; Coagulação. Componentes do Sangue

Leia mais

Já neste mês estará disponível a troca do LOGIN e

Já neste mês estará disponível a troca do LOGIN e Novidade no acesso aos resultados on-line Já neste mês estará disponível a troca do LOGIN e SENHA para os resultados on line. Estamos assim concretizando um dos pedidos mais recorrentes em nossa pesquisa

Leia mais

HEMOGRAMA COMPLETO Método : Análise realizada por Citometria de fluxo fluorescente e impedância "XE2100-Sysmex" Material: SANGUE TOTAL COM EDTA

HEMOGRAMA COMPLETO Método : Análise realizada por Citometria de fluxo fluorescente e impedância XE2100-Sysmex Material: SANGUE TOTAL COM EDTA Unidade : VICENTE PIRES Página: 1/7 HEMOGRAMA COMPLETO Método : Análise realizada por Citometria de fluxo fluorescente e impedância "XE2100-Sysmex" Material: SANGUE TOTAL COM EDTA Eritrograma Valores de

Leia mais

HEMOGRAMA COMPLETO Método : Analise realizada por Citometria de fluxo fluorescente e impedância "XE2100-Sysmex" Material: SANGUE TOTAL COM EDTA

HEMOGRAMA COMPLETO Método : Analise realizada por Citometria de fluxo fluorescente e impedância XE2100-Sysmex Material: SANGUE TOTAL COM EDTA Unidade : GAMA LESTE Página: 1/5 HEMOGRAMA COMPLETO Método : Analise realizada por Citometria de fluxo fluorescente e impedância "XE2100-Sysmex" Material: SANGUE TOTAL COM EDTA Eritrograma Resultados Homens

Leia mais

PATOLOGIA DO SISTEMA HEMATOPOIÉTICO

PATOLOGIA DO SISTEMA HEMATOPOIÉTICO PATOLOGIA DO SISTEMA HEMATOPOIÉTICO Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria LEUCEMIA LINFOBLÁSTICA AGUDA EM GATOS Rafael

Leia mais

ALTERAÇÕES NO HEMOGRAMA DE CÃES CAUSADAS PELA REFRIGERAÇÃO DA AMOSTRA

ALTERAÇÕES NO HEMOGRAMA DE CÃES CAUSADAS PELA REFRIGERAÇÃO DA AMOSTRA REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação hematológica em cães errantes da região urbana de Maringá-PR

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação hematológica em cães errantes da região urbana de Maringá-PR PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação hematológica em cães errantes da região urbana de Maringá-PR Rejane Machado Cardozo 1, Raquel Reis 1, Maria José Baptista Barbosa 1, Camila

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INTERFERÊNCIA DO EDTA NO HEMOGRAMA RELACIONADO A DIFERENTES CONCENTRAÇÕES SANGUE/ANTICOAGULANTE

AVALIAÇÃO DA INTERFERÊNCIA DO EDTA NO HEMOGRAMA RELACIONADO A DIFERENTES CONCENTRAÇÕES SANGUE/ANTICOAGULANTE 45 AVALIAÇÃO DA INTERFERÊNCIA DO EDTA NO HEMOGRAMA RELACIONADO A DIFERENTES CONCENTRAÇÕES SANGUE/ANTICOAGULANTE EVALUATION OF THE INTERFERENCE OF EDTA IN THE BLOOD COUNT RELATED TO DIFFERENT CONCENTRATIONS

Leia mais

AÉCIO CARLOS DE OLIVEIRA

AÉCIO CARLOS DE OLIVEIRA AÉCIO CARLOS DE OLIVEIRA INFLUÊNCIA DA CONCENTRAÇÃO DO EDTA, TEMPO E TEMPERATURA DE ARMAZENAGEM SOBRE PARÂMETROS HEMATOLÓGICOS DE CÃES NO HEMOGRAMA AUTOMATIZADO E MANUAL Dissertação apresentada à Universidade

Leia mais

Hemograma Material...: SANGUE COM E.D.T.A. Equipamento: PENTRA 120 DX

Hemograma Material...: SANGUE COM E.D.T.A. Equipamento: PENTRA 120 DX Endereço Fone : : R Herculano De Freitas (11) 3237-1518 Hemograma Material...: SANGUE COM E.D.T.A. Equipamento: PENTRA 120 DX Eritrograma Eritrócitos... 7,13 milhões/mm³ 5,7 A 7,4 milhões/mm³ Hemoglobina...

Leia mais

INTERPRETAÇÃO CLÍNICA DO HEMOGRAMA

INTERPRETAÇÃO CLÍNICA DO HEMOGRAMA INTERPRETAÇÃO CLÍNICA DO COMPLETO: É a avaliação qualitativa e quantitativa dos elementos do sangue. Alterações fisiológicas podem ocorrer no hemograma por exercícios físicos e refeições gordurosas. Pode

Leia mais

Layout de Importação de Resultados de Exames

Layout de Importação de Resultados de Exames Layout de Importação de Resultados de Exames O processo de atualização dos resultados de exames laboratoriais é uma tarefa extensa e exaustiva. Para tal, foi implementada uma rotina no Nefrodata-ACD que

Leia mais

INTRODUÇÃO AO LINFOMA EM GATOS

INTRODUÇÃO AO LINFOMA EM GATOS INTRODUÇÃO AO LINFOMA EM GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Linfoma em gatos (sinônimos) Linfoma Século XXI

Leia mais

ÍNDICES HEMATIMÉTRICOS ESPECIAIS ÍNDICES ERITROCITÁRIOS

ÍNDICES HEMATIMÉTRICOS ESPECIAIS ÍNDICES ERITROCITÁRIOS ÍNDICES HEMATIMÉTRICOS ESPECIAIS ÍNDICES ERITROCITÁRIOS Sinonímia: DGM = Diâmetro Globular Médio. EGM = Espessura Globular Média. SGM = Superfície Globular Média. PEGM = Peso Específico Globular Médio.

Leia mais

Isaac de Melo Xavier Junior Fernando Jose Goncalves Cardoso

Isaac de Melo Xavier Junior Fernando Jose Goncalves Cardoso 535C5710 «$E9T"J0 03.362451.01.41:15 Setor Técnico Urinalise Emissão 03/10/2008 SUMARIO DE URINA Coleta: 03/10/2008 ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS Valores de referência Cor Amarelo claro Amarelo claro - amarelo

Leia mais

Coleta de Amostras Biológicas. Enf Karin

Coleta de Amostras Biológicas. Enf Karin Coleta de Amostras Biológicas Enf Karin Material Biológico (Amostras): Líquidos Secreções Excreções Fragmentos de tecido Mais utilizados: sangue e urina Coletas laboratoriais Normas e Rotinas O resultado

Leia mais

AVALIAÇÂO DO HEMATÓCRITO E DA PROTEÍNA PLASMÁTICA EM SANGUES HEMODILUÍDOS

AVALIAÇÂO DO HEMATÓCRITO E DA PROTEÍNA PLASMÁTICA EM SANGUES HEMODILUÍDOS AVALIAÇÂO DO HEMATÓCRITO E DA PROTEÍNA PLASMÁTICA EM SANGUES HEMODILUÍDOS GOMES, Keila R. SANTOS, Michelli Gonçalves C. FRANCO, Débora Fernandes PIRES, Rosemeire Batista Alunas do Curso de Medicina Veterinária

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

GASOMETRIA ph E GASES SANGUÍNEOS

GASOMETRIA ph E GASES SANGUÍNEOS GASOMETRIA ph E GASES SANGUÍNEOS CBHPM 4.03.0.01-6 AMB 8.01.096-5 CBHPM 4.14.01.16-6 Sinonímia: Gasometria de Siggaard-Andersen. Teste de exercício em ergômetro com realização de gasometria arterial. Gasometria

Leia mais

Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso

Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso Cézar Augusto Mafia Leal (1), Roberto Fontes Araujo (2),

Leia mais

COLETA DE MATERIAIS PARA EXAMES

COLETA DE MATERIAIS PARA EXAMES COLETA DE MATERIAIS PARA EXAMES PROFESSOR ENFERMEIRO DIÓGENES TREVIZAN Definição Consiste em colher sangue, urina, fezes e secreções, solicitados pelo médico, durante a internação do paciente. Em muitos

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEMPO E DA TEMPERATURA DE ESTOCAGEM DE AMOSTRAS DE SANGUE NAS VARIÁVEIS HEMATOLÓGICAS DE CÃES PORTADORES DE ENFERMIDADE RENAL CRÔNICA

INFLUÊNCIA DO TEMPO E DA TEMPERATURA DE ESTOCAGEM DE AMOSTRAS DE SANGUE NAS VARIÁVEIS HEMATOLÓGICAS DE CÃES PORTADORES DE ENFERMIDADE RENAL CRÔNICA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CÂMPUS DE JABOTICABAL INFLUÊNCIA DO TEMPO E DA TEMPERATURA DE ESTOCAGEM DE AMOSTRAS DE SANGUE NAS VARIÁVEIS HEMATOLÓGICAS DE

Leia mais

Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de hematologia do LAC-HNSC.

Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de hematologia do LAC-HNSC. POP: H-05 Página 1 de 7 1. Sinonímia: Dosagem de hemoglobina. Mnemônico HB. 2. Aplicabilidade: Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de hematologia do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Útil no

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR QUALIDADE DOS HEMOCOMPONENTES PRODUÇÃO vs CONTROLE 2012 QUALIDADE DOS HEMOCOMPONENTES Qualidade do Sangue/Hemocomponentes Definição de

Leia mais

Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym Christine de Freitas Cardoso, Anelise Ribeiro Peres, Fabiana Ferreira de Souza

Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym Christine de Freitas Cardoso, Anelise Ribeiro Peres, Fabiana Ferreira de Souza AVALIAÇÃO DA ESTERILIZAÇÃO APÓS A OCLUSÃO DOS VASOS SANGUÍNEOS OVARIANOS DE COELHAS UTILIZANDO ELÁSTICO DE AFASTAR OS DENTES OU ABRAÇADEIRAS DE NÁILON Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym

Leia mais

TABELA DE PREÇOS. BIOQUÍMICA SÉRICA VALOR MATERIAL PRAZO Ácidos biliares totais (jejum) 115,00 Soro sanguíneo 5 dias

TABELA DE PREÇOS. BIOQUÍMICA SÉRICA VALOR MATERIAL PRAZO Ácidos biliares totais (jejum) 115,00 Soro sanguíneo 5 dias TABELA DE PREÇOS ANÁLISE CITOLÓGICA VALOR MATERIAL PRAZO Líquidos cavitários (pleural, pericárdico e peritoneal) 100,00 Fluido em tubo seco e EDTA 24 horas Líquor 100,00 Fluido em tubo seco 24 horas Citologia

Leia mais

INSTITUTO FORMAÇÃO Cursos Técnicos Profissionalizantes. Professora: Flávia Soares Disciplina: Imunologia Aluno (a): INTERPRETAÇÃO DO HEMOGRAMA

INSTITUTO FORMAÇÃO Cursos Técnicos Profissionalizantes. Professora: Flávia Soares Disciplina: Imunologia Aluno (a): INTERPRETAÇÃO DO HEMOGRAMA INSTITUTO FORMAÇÃO Cursos Técnicos Profissionalizantes. Professora: Flávia Soares Disciplina: Imunologia Aluno (a): INTERPRETAÇÃO DO HEMOGRAMA Autor: Pedro Pinheiro» Artigo atualizado em 12 de fevereiro

Leia mais

Esta avaliação é composta de 13 questões, das quais você deverá escolher apenas 10 para responder.

Esta avaliação é composta de 13 questões, das quais você deverá escolher apenas 10 para responder. 2º EM Biologia B Marli Av. Trimestral 30/10/15 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta prova

Leia mais

PLANO DE ENSINO Ficha nº 1 (permanente) EMENTA

PLANO DE ENSINO Ficha nº 1 (permanente) EMENTA PLANO DE ENSINO Ficha nº 1 (permanente) Departamento: Medicina Veterinária Setor: Ciências Agrárias Disciplina: Patologia Clínica Veterinária Código: AV 062 Natureza: Semestral Obrigatória Número de Créditos:

Leia mais

TÍTULO: SEXAGEM FETAL:DIAGNÓTICO DO SEXO DO FETO POR REAÇÃO EM CADEIA DE POLIMERASE (PCR)

TÍTULO: SEXAGEM FETAL:DIAGNÓTICO DO SEXO DO FETO POR REAÇÃO EM CADEIA DE POLIMERASE (PCR) TÍTULO: SEXAGEM FETAL:DIAGNÓTICO DO SEXO DO FETO POR REAÇÃO EM CADEIA DE POLIMERASE (PCR) CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado HEMOGRAMA COMPLETO Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado ERITROGRAMA V.R: Homens Mulheres Hemacias em milhoes/mm3...: 5,08 4,5 a 5,9 4,0 a 5,4

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão - POP

Procedimento Operacional Padrão - POP Página 1 de 12 Biobanco Procedimento Operacional Padrão para: Processamento de Sangue POP: V. 1.0 Nome: Extração de DNA em sangue total Efetiva: dezembro, 22 autora: Erika Regina Manuli Aprovação Profa.

Leia mais

Faculdade de Medicina. Bioquímica I

Faculdade de Medicina. Bioquímica I Faculdade de Medicina Bioquímica I Aprofundar conhecimentos acerca da composição química do sangue Determinar o Hematócrito INTRODUÇÃO O sangue é constituído por plasma e células sanguíneas, de entre as

Leia mais

PERFIL HEMATOLÓGICO E GLICÊMICO EM RATAS OVARIECTOMIZADAS E SUBMETIDAS À TERAPIA DE CHOQUE TÉRMICO 1

PERFIL HEMATOLÓGICO E GLICÊMICO EM RATAS OVARIECTOMIZADAS E SUBMETIDAS À TERAPIA DE CHOQUE TÉRMICO 1 PERFIL HEMATOLÓGICO E GLICÊMICO EM RATAS OVARIECTOMIZADAS E SUBMETIDAS À TERAPIA DE CHOQUE TÉRMICO 1 Jaíne Borges Dos Santos 2, Yana Picinin Sandri Lissarassa 3, Analú Bender Dos Santos 4, Carolain Felipin

Leia mais

INTERFERÊNCIA DOS FATORES PRÉ ANALÍTICOS NA REALIZAÇÃO DO HEMOGRAMA

INTERFERÊNCIA DOS FATORES PRÉ ANALÍTICOS NA REALIZAÇÃO DO HEMOGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA LABORATORIAL CRISLEIDE MACEDO ALVES SANTOS LARA CRISTINE DA SILVA VIEIRA INTERFERÊNCIA DOS FATORES PRÉ ANALÍTICOS NA REALIZAÇÃO DO HEMOGRAMA Salvador - BA 2013

Leia mais

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP PALAVRAS-CHAVE Lipídios, Dislipidemias, Lipidograma CONEXÃO ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP Alyne Maia Silva 1 Jéssica Fontoura Junqueira 1 Tatiane Kelly Correa

Leia mais

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM CÃES

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM CÃES INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM CÃES Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Quando se suspeita de insuficiência hepática

Leia mais

Avaliação do hemograma e das funções hepática e renal de cabras leiteiras alimentadas com farelo de mamona destoxificado

Avaliação do hemograma e das funções hepática e renal de cabras leiteiras alimentadas com farelo de mamona destoxificado Avaliação do hemograma e das funções hepática e renal de cabras leiteiras alimentadas com farelo de mamona destoxificado Marcelo Ferreira Fernandes 1, Ariosvaldo Nunes de Medeiros 2, Marco Aurélio Delmondes

Leia mais

Valores de Referencia (Adultos - Homens) HEMACIAS: 4.85 milhoes/mm3. Relativo (%) /mm3 VR (%) VR (mm3) LEUCOCITOS: 4.400

Valores de Referencia (Adultos - Homens) HEMACIAS: 4.85 milhoes/mm3. Relativo (%) /mm3 VR (%) VR (mm3) LEUCOCITOS: 4.400 Resultados Página: 1/13 HEMOGRAMA ERITROGRAMA Valores de Referencia (Adultos - Homens) HEMACIAS: 4.85 milhoes/mm3 04.50 a 06.10 HEMOGLOBINA: 13.5 g/dl 13.00 a 16.50 HEMATOCRITO: 41.1 % 36.00 a 54.00 VCM:

Leia mais

Um conceito importante em Probabilidades e Estatística é o de

Um conceito importante em Probabilidades e Estatística é o de Variáveis Aleatórias Um conceito importante em Probabilidades e Estatística é o de Variável Aleatória. Variável Aleatória Seja (Ω, A) um espaço de acontecimentos. À função X : Ω IR chamamos variável aleatória.

Leia mais

LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS. Dúvidas Técnicas: Telefone: PABX (011) 3053-6611 Ramal: 2028

LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS. Dúvidas Técnicas: Telefone: PABX (011) 3053-6611 Ramal: 2028 Telefone PABX (011) 3053-6611 e-mail hcor@hcor.com.br Dúvidas Técnicas Telefone PABX (011) 3053-6611 Ramal 2028 EQUIPE CLINIC CHECK UP Num. Pedido 050802886 10/08/2005 060000 Emissão 11/08/2005 135055

Leia mais

número 29 - setembro/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

número 29 - setembro/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS número 29 - setembro/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS INSULINAS ANÁLOGAS RÁPIDAS NO TRATAMENTO DO DIABETES MELLITUS

Leia mais

Padrões hematológicos de vacas leiteiras no período de transição

Padrões hematológicos de vacas leiteiras no período de transição 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Padrões hematológicos de vacas leiteiras no período de transição João Paulo Meirelles Graduando em Medicina Veterinária Samanta

Leia mais

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O QUICK LAB

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O QUICK LAB ÁCIDO ÚRICO - PP - Cat. 451 200 Determinações - Volume: 200 ml Técnica de Análise: Seguir as Instruções de Uso do produto. Calibração Para a calibração, usar o (1) do kit ou o Calibrador Gold Analisa Cat.

Leia mais

Comparação da contagem de plaquetas entre o método de Fônio e automação

Comparação da contagem de plaquetas entre o método de Fônio e automação Comparação da contagem de plaquetas entre o método de Fônio e automação Comparison of the platelet count between the Fonio method and automation Avila FA a, Oliveira LS a a: Faculdades Metropolitanas Unidas

Leia mais

TECIDO HEMATOPOIETICO E SANGUÍNEO

TECIDO HEMATOPOIETICO E SANGUÍNEO TECIDO HEMATOPOIETICO E SANGUÍNEO CARACTERÍSTICAS O sangue é o único tecido conjuntivo líquido do copo; Funções: + Transporte (O 2, CO 2, nutrientes, resíduos, hormônios); + Regulação (ph, temperatura,

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA LABORATÓRIO DE HEMOSTASIA - 1º andar Sala 57 - Fone 3061 5544 PABX. 6099 - Ramal 332-287 - 202 Tempo de Sangramento IVY (NÃO ESTÁ SENDO REALIZADO) Vide observação. Contagem de Plaquetas (manual) 1 tubo

Leia mais

ANÁLISE DE ACHADOS HEMATOLÓGICOS DE SOLDADORES DO MUNICÍPIO DO CRATO-CE

ANÁLISE DE ACHADOS HEMATOLÓGICOS DE SOLDADORES DO MUNICÍPIO DO CRATO-CE ANÁLISE DE ACHADOS HEMATOLÓGICOS DE SOLDADORES DO MUNICÍPIO DO CRATO-CE RESUMO: A atividade do soldador pode causar hemopatias. Essas complicações hematológicas se desenvolvem através da exposição aos

Leia mais

MANUAL DE COLETA PARA ANÁLISES CLÍNICAS

MANUAL DE COLETA PARA ANÁLISES CLÍNICAS MANUAL DE COLETA PARA ANÁLISES CLÍNICAS O material coletado e conservado adequadamente torna-se de grande valor, proporcionando informações importantes para o clínico chegar a um diagnóstico. Uma coleta

Leia mais

PROTOCOLO PARA COLETA DE HEMOCULTURA

PROTOCOLO PARA COLETA DE HEMOCULTURA PARA COLETA 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO Descrever técnica correta para coleta de hemocultura e conduta frente a possíveis

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAUDE DE

ESTADO DO CEARÁ CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAUDE DE ESTADO DO CEARÁ CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAUDE DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO PARA O PREENCHIMENTO DE EMPREGOS PÚBLICOS PARA A POLICLÍNICA DE TÉCNICO DE LABORATÓRIO LEIA COM ATENÇÃO

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina VET362 Laboratório Clínico Veterinário

Programa Analítico de Disciplina VET362 Laboratório Clínico Veterinário 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Veterinária - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 5 Carga horária semanal Períodos

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DE CÃES

DOENÇAS INFECCIOSAS DE CÃES DOENÇAS INFECCIOSAS DE CÃES Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria DOENÇAS INFECCIOSAS MUITO COMUNS DE CÃES NO RS VERMINOSE

Leia mais

PROTOCOLOS DE TRATAMENTO DE DOENÇAS HEMATOLÓGICAS

PROTOCOLOS DE TRATAMENTO DE DOENÇAS HEMATOLÓGICAS Fundação de Hematologia e Hemoterapia de Pernambuco - HEMOPE PROTOCOLOS DE TRATAMENTO DE DOENÇAS HEMATOLÓGICAS LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA Versão 00/2015 ELABORAÇÃO Dra. Renata Lygia Vieira Vasconcelos

Leia mais

Relatório de Caso Clínico

Relatório de Caso Clínico UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Veterinária Departamento de Patologia Clínica Veterinária Disciplina de Bioquímica e Hematologia Clínica (VET03121) http://www.ufrgs.br/favet/bioquimica

Leia mais

HEMOGRAMA COMPLETO SERIE VERMELHA

HEMOGRAMA COMPLETO SERIE VERMELHA Histórico de exames desde 1996 Laudo HEMOGRAMA COMPLETO SERIE VERMELHA CONTAGEM DE HEMACIAS : 4,83 m ilhoes/m m 3 DOSAGEM DA HEMOGLOBINA : 14,4 g/dl AVALIACAO DO HEMATOCRITO : 44,4 % VOLUME GLOBULAR MEDIO

Leia mais

PROTOCOLOS DE TRATAMENTO DE DOENÇAS HEMATOLÓGICAS

PROTOCOLOS DE TRATAMENTO DE DOENÇAS HEMATOLÓGICAS Fundação de Hematologia e Hemoterapia de Pernambuco - HEMOPE PROTOCOLOS DE TRATAMENTO DE DOENÇAS HEMATOLÓGICAS MIELODISPLASIA Versão 00/2015 EQUIPE DE ELABORAÇÃO Dra. Alessandra Ferraz de Sá Dra. Bruna

Leia mais

Relatório de Caso Clínico

Relatório de Caso Clínico UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Veterinária Departamento de Patologia Clínica Veterinária Disciplina de Bioquímica e Hematologia Clínica (VET03121) http://www6.ufrgs.br/bioquimica

Leia mais

PERFIL HEMATOLÓGICO DE CÃES E GATOS NA CIDADE DE BENTO GONÇALVES, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL

PERFIL HEMATOLÓGICO DE CÃES E GATOS NA CIDADE DE BENTO GONÇALVES, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL TESSER et al. 47 PERFIL HEMATOLÓGICO DE CÃES E GATOS NA CIDADE DE BENTO GONÇALVES, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL Shimena Tesser 1 Natália Inês Cavagnolli 1 Tânia Torriani 2 Adriana Dalpicolli Rodrigues 3 TESSER,

Leia mais

Durval A. G. e Costa. 3ª edição

Durval A. G. e Costa. 3ª edição Durval A. G. e Costa 3ª edição Autor Durval Alex Gomes e Costa Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM). Especialista em Infectologia pelo Hospital Heliópolis. Doutor

Leia mais

T3 - TRIIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28. T3 LIVRE Coleta: 18/11/2005 06:28. T4 - TETRAIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28

T3 - TRIIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28. T3 LIVRE Coleta: 18/11/2005 06:28. T4 - TETRAIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28 AUTENTICIDADE: 755339 Set.Tecnico Imunoensaio T3 - TRIIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28 Resultado 108.6 ng/dl Referencial: Criancas ate 5 anos 105.0 a 269.0 ng/dl 5 a 10 anos 94.0 a 241.0 ng/dl Maiores

Leia mais

Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos

Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - Campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro de 2013 Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos Felipe Evangelista PIMENTEL¹, Luiz Carlos

Leia mais

POP- AULA PRÁTICA DE HEMOGRAMA (ERITROGRAMA) Prof.Archangelo

POP- AULA PRÁTICA DE HEMOGRAMA (ERITROGRAMA) Prof.Archangelo POP- AULA PRÁTICA DE HEMOGRAMA (ERITROGRAMA) Prof.Archangelo Material Necessário Seringa 5ml com agulha 25x7 Alcool 70% (iodado) Garrote Tubo vacuun EDTA ( tampa roxa ) microscópio lâminas para microscopia

Leia mais

KITS DE EXTRAÇÃO DNA E RNA

KITS DE EXTRAÇÃO DNA E RNA ACERTE COM PRECISÃO KITS DE EXTRAÇÃO DNA E RNA A Linha Biopur para extração e purificação de DNA e RNA possui kits variados com tecnologia para procedimentos manual (Mini Spin e Mini Cent) e para automação

Leia mais

Histórico de exames desde 1996

Histórico de exames desde 1996 Endereço: R Itaipava, 62, Apto 303 - Jd Botanico - Rio de Janeiro - RJ Nascimento: 12/08/1951 (62 anos), Sexo: M: Médico: Luiz Maurino Abreu (RJ-CRM-52355942) Unidade: Leblon - Cid Leblon HEMOGRAMA COMPLETO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO FOLIAR, PRODUTIVIDADE E TEOR DE AMIDO EM MANDIOCA SUBMETIDA À DISTINTO MANEJO NUTRICIONAL EM DOIS ANOS AGRÍCOLAS 1

DESENVOLVIMENTO FOLIAR, PRODUTIVIDADE E TEOR DE AMIDO EM MANDIOCA SUBMETIDA À DISTINTO MANEJO NUTRICIONAL EM DOIS ANOS AGRÍCOLAS 1 DESENVOLVIMENTO FOLIAR, PRODUTIVIDADE E TEOR DE AMIDO EM MANDIOCA SUBMETIDA À DISTINTO MANEJO NUTRICIONAL EM DOIS ANOS AGRÍCOLAS 1 Taise Pacheco Paganini 2 ; Janaina Emerim de Souza 3 ; Naracelis Poletto

Leia mais

Dica de Manejo - Coleta de Sangue

Dica de Manejo - Coleta de Sangue Dica de Manejo - Coleta de Sangue Introdução A coleta de sangue deve ser uma prática conhecida pelos encarregados das granjas. A partir do sangue coletado, uma grande quantidade de testes pode ser realizada,

Leia mais

O SANGUE HUMANO. Professora Catarina

O SANGUE HUMANO. Professora Catarina O SANGUE HUMANO Professora Catarina SANGUE Principais funções: Transportar O 2 e nutrientes a todas as células do corpo; Recolher CO 2 e excreções; Transportar hormônios; Proteger o corpo contra a invasão

Leia mais

FASE PRÉ-ANALÍTICA EM HEMATOLOGIA LABORATORIAL

FASE PRÉ-ANALÍTICA EM HEMATOLOGIA LABORATORIAL FASE PRÉ-ANALÍTICA EM HEMATOLOGIA LABORATORIAL 1 O processamento das amostras para exames laboratoriais é composto por três fases denominadas de pré-analítica, analítica e pós-analítica. A fase pré-analítica

Leia mais

Medicina laboratorial na medicina de bovinos de carne. Miguel Quaresma DVM, PhD

Medicina laboratorial na medicina de bovinos de carne. Miguel Quaresma DVM, PhD Medicina laboratorial na medicina de bovinos de carne Miguel Quaresma DVM, PhD 1 A utilidade da Medicina Laboratorial Nada substitui um Médico Veterinário com um estetóscopio, um termómetro e um cérebro

Leia mais

Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.38, n.3, p , jul./set Disponível em

Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.38, n.3, p , jul./set Disponível em Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.38, n.3, p.159-164, jul./set. 214. Disponível em www.cbra.org.br Biomarcadores fisiológicos de ovelhas (Ovis aries) mestiças durante o periparto Physiological

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA COLETA EM CANINOS E FELINOS

PROCEDIMENTOS PARA COLETA EM CANINOS E FELINOS PROCEDIMENTOS PARA COLETA EM CANINOS E FELINOS INTRODUÇÃO Uma das principais finalidades dos resultados dos exames laboratoriais é esclarecer as dúvidas durante a anamnese e exame físico realizado pelo

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=601>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Perfil eritrocitário de tourinhos Nelore (Bos taurus indicus, Linnaeus, 1758), variedades

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: Coleta e Conservação de Material Biológico

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: Coleta e Conservação de Material Biológico FACULDADE DE IMPERATRIZ FACIMP Associação Região Tocantina de Educação e Cultura S/C Ltda. Telefax: (99) 524-8298 site: www.facimp.edu.br e-mail: facimp@facimp.edu.br. Av. Prudente de Morais, s/nº, Qd.

Leia mais

ALTERAÇÕES HEMATOLÓGICAS E DOS NÍVEIS DE FERRO SÉRICO EM GESTANTES DO CENTRO MUNICIPAL DE SAÚDE DE IJUÍ (RS)

ALTERAÇÕES HEMATOLÓGICAS E DOS NÍVEIS DE FERRO SÉRICO EM GESTANTES DO CENTRO MUNICIPAL DE SAÚDE DE IJUÍ (RS) ANEXO B PLANILHA DE VERIFICAÇÃO DE REGISTRO JUNTO AO ÓRGÃO SANITÁRIO Número de registro no Ministério da Saúde: CNPJ completo: ANEXO C PLANILHA DE VERIFICAÇÃO DA COMPOSIÇÃO DOS MEDICAMENTOS Monofitoterápico

Leia mais

HEMOGRAMA DE EQÜINOS PURO SANGUE INGLÊS /EM PÁREOS DE 1300M

HEMOGRAMA DE EQÜINOS PURO SANGUE INGLÊS /EM PÁREOS DE 1300M COSTA, A. P. D. da, et al. 1 HEMOGRAMA DE EQÜINOS PURO SANGUE INGLÊS /EM PÁREOS DE 1300M ANA PAULA DELGADO DA COSTA 1 ALINE SOUSA CAMARGOS 2 RAPHAELA CRICCO GUIDI 3 CÉLIA RAQUEL QUIRINO 4 ANTÔNIO PEIXOTO

Leia mais

Proeritroblasto ou Proeritroblasto ou P o r n o or o m o l b a l st s o: E i r t i ro r b o l b a l st s o ou o Nor o m o l b ast s o:

Proeritroblasto ou Proeritroblasto ou P o r n o or o m o l b a l st s o: E i r t i ro r b o l b a l st s o ou o Nor o m o l b ast s o: HEMATOLOGIA DRª ISIS H. VERGNE BIOMÉDICA ERITROPOIESE Fenômeno com diversas fases, onde ocorre: Síntese de DNA Mitose Síntese de hemoglobina com incorporação de Fe Perda do núcleo e organelas Produto final:

Leia mais

Hematologia Clínica : bases fisiopatológicas

Hematologia Clínica : bases fisiopatológicas Para entender Hematologia: compartimento 1 = medula óssea ( MO), onde são produzidas as células sanguíneas compartimento 2 = sangue periférico (SP), onde circulam as células compartimento 3 = órgãos linfóides

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. hemocomponentes. Maria Angela Pignata Ottoboni Fundação Hemocentro de Ribeirão Preto Histórico Durante a 1ª Guerra Mundial- Oswald Robertson

Leia mais

Efeitos quantitativos da estocagem de sangue periférico nas determinações do hemograma automatizado

Efeitos quantitativos da estocagem de sangue periférico nas determinações do hemograma automatizado REVISTA BRASILEIRA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA Efeitos quantitativos da estocagem de sangue periférico nas determinações do hemograma automatizado Storage effects on peripheral blood samples as identified

Leia mais

Esplanada dos Ministérios, Edifício Principal, 2º andar Brasília-DF Tel. (061) NOTA TÉCNICA N.º 161 /2010 DEVEP/SVS/MS

Esplanada dos Ministérios, Edifício Principal, 2º andar Brasília-DF Tel. (061) NOTA TÉCNICA N.º 161 /2010 DEVEP/SVS/MS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Esplanada dos Ministérios, Edifício Principal, 2º andar 70.304-000 Brasília-DF Tel. (061) 3213-8095 NOTA

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL

AVALIAÇÃO LABORATORIAL AVALIAÇÃO LABORATORIAL Escolha das análises a serem realizadas Realização da coleta de forma adequada domínio da técnica reconhecimento de eventuais erros de procedimento escolha do recipiente, acondicionamento

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA FUNÇÃO RENAL

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA FUNÇÃO RENAL AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA FUNÇÃO RENAL AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA FUNÇÃO RENAL 1. EXAME DE URINA Cor Aspecto Densidade urinária ph Glicosúria Proteinúria Pigmentos e Sais biliares Hemoglobinúria e Mioglobinúria

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2011/2012. Unidade Curricular de BIOQUÍMICA I Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano

Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2011/2012. Unidade Curricular de BIOQUÍMICA I Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2011/2012 Unidade Curricular de BIOQUÍMICA I Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano ENSINO PRÁTICO E TEORICO-PRÁTICO 1ª AULA PRÁTICA 1. Composição

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE SEMENTES DE MAMONA: TAMANHO, PESO, VOLUME E UMIDADE

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE SEMENTES DE MAMONA: TAMANHO, PESO, VOLUME E UMIDADE CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE SEMENTES DE MAMONA: TAMANHO, PESO, VOLUME E UMIDADE Alberto Kazushi Nagaoka 1 Angela de Emília de Almeida Pinto 2 Pedro Castro Neto 3 Antônio Carlos Fraga 4 Afonso Lopes 5 José

Leia mais

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Data: Junho/2001 SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Estamos iniciando a colheita de uma safra de Sorgo, que segundo estimativas deve girar ao redor de 1,350 a 1,500 milhões

Leia mais

Folha de protocolo do QIAsymphony SP

Folha de protocolo do QIAsymphony SP Folha de protocolo do QIAsymphony SP Protocolo DNA_Buffy_Coat_400_V6_DSP Informações gerais Para utilização em diagnóstico in vitro. Este protocolo destina-se à purificação de ADN total genómico e mitocondrial

Leia mais

Gamapatias monoclonais de significado indeterminado.

Gamapatias monoclonais de significado indeterminado. Gamapatias monoclonais de significado indeterminado. Normas orientadoras Objectivos: 1- Uniformização do protocolo de avaliação inicial e de diagnóstico das gamapatias monoclonais e vigilância. 2- Seleccionar

Leia mais

Silvana Maris Cirio Médica Veterinária, Dr.ª, Prof.ª da PUCPR, São José dos Pinhais - PR.

Silvana Maris Cirio Médica Veterinária, Dr.ª, Prof.ª da PUCPR, São José dos Pinhais - PR. AVALIAÇÃO CITOLÓGICA DE MEDULA ÓSSEA DE CADELAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA, PR Bone Marrow Citologic Evaluation of Bitches from Neighborhood of Curitiba, PR Silvana Maris Cirio Médica Veterinária,

Leia mais

[ERLICHIOSE CANINA]

[ERLICHIOSE CANINA] [ERLICHIOSE CANINA] 2 Erlichiose Canina A Erlichiose Canina é uma hemoparasitose causada pela bactéria Erlichia sp. Essa bactéria parasita, geralmente, os glóbulos brancos (neste caso, Erlichia canis)

Leia mais

Aula 1 -Fundamentos e conceitos básicos (Notas de aula) Prof. Idemauro Antonio Rodrigues de Lara

Aula 1 -Fundamentos e conceitos básicos (Notas de aula) Prof. Idemauro Antonio Rodrigues de Lara Aula 1 -Fundamentos e conceitos básicos (Notas de aula) Prof. Idemauro Antonio Rodrigues de Lara Adquirir conhecimento dos fundamentos da Estatística, em seus campos Descritivo e Inferencial, como base

Leia mais

Layout de Importação de Resultado de Exames

Layout de Importação de Resultado de Exames Nefrodata-ACD Automação para Centros de Hemodiálise Layout de Importação de Resultado de Exames O processo de atualização dos resultados de exames laboratoriais é uma tarefa extensa e exaustiva. Para tal,

Leia mais

EXAMES COMPLEMENTARES NA ODONTOLOGIA

EXAMES COMPLEMENTARES NA ODONTOLOGIA Disciplina: Semiologia EXAMES COMPLEMENTARES NA ODONTOLOGIA http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2013 EXAMES COMPLEMENTARES NA ODONTOLOGIA Os exames complementares fornecem

Leia mais

Alyne Barbosa 1 ; Michele Ana Flores Chaves 2 ; Marcelo Alessandro Rebecca 2 1. INTRODUÇÃO

Alyne Barbosa 1 ; Michele Ana Flores Chaves 2 ; Marcelo Alessandro Rebecca 2 1. INTRODUÇÃO Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 METODOLOGIA ALTERNATIVA DE CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO NO SETOR DE HEMATOLOGIA DO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS DO

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DE CÃES

DOENÇAS INFECCIOSAS DE CÃES DOENÇAS INFECCIOSAS DE CÃES Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria DOENÇAS INFECCIOSAS MUITO COMUNS DE CÃES NO RS PARVOVIROSE

Leia mais

Critérios para revisão de lâminas de extensão do sangue

Critérios para revisão de lâminas de extensão do sangue Critérios para revisão de lâminas de extensão do sangue Publicações Comentadas Com os avanços da automação em hematologia e a possibilidade da realização da contagem diferencial leucocitária pelos equipamentos

Leia mais

EFEITO DE SEVERIDADE E DANO CAUSADO PELO MÍLDIO DA CEBOLA

EFEITO DE SEVERIDADE E DANO CAUSADO PELO MÍLDIO DA CEBOLA EFEITO DE SEVERIDADE E DANO CAUSADO PELO MÍLDIO DA CEBOLA Jaqueline CARVALHO 1, Leandro L. MARCUZZO 2 1 Bolsista PIBITI/CNPq; 2 Orientador IFC-Campus Rio do Sul). Introdução A cebola (Allium cepa L.) é

Leia mais