DA EXECUÇÃO POR QUANTIA CERTA I-INTRODUÇÃO. espécies de execução, das quais são organizadas de acordo com a

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DA EXECUÇÃO POR QUANTIA CERTA I-INTRODUÇÃO. espécies de execução, das quais são organizadas de acordo com a"

Transcrição

1 DA EXECUÇÃO POR QUANTIA CERTA Autor: Fowler R. P. Cunha I-INTRODUÇÃO. O Código de Processo Civil possui diversas espécies de execução, das quais são organizadas de acordo com a obrigação estabelecida no título. O presente artigo que iremos abordar, visa a esclarecer brevemente as modificações do Código de Processo Civil, principalmente com a introdução das Leis n.º /2005 e /2006, que alterou e acrescentou diversos artigos referente a execução por quantia certa, bem como, iremos abordar até quando essas alterações da nova Lei atinge o Processo do Trabalho. Também iremos demonstrar que na penhora, existem bens penhoráveis e impenhoráveis, porém, esta impenhorabilidade pode se tornar relativa dependendo de cada caso concreto, explorado pelo operador do direito e apresentado para análise do Judiciário, que decidirá sobre o assunto.

2 2 Ao final iremos aduzir alguns comentários, em síntese conclusiva. II - EXECUÇÃO POR QUANTIA CERTA.

3 3 A execução por quantia certa tem por objetivo expropriar bens do devedor, a fim de satisfazer o direito do credor (artigo 646 do CPC), consubstanciado no título executivo judicial ou extrajudicial. Quanto ao procedimento de execução por quantia certa, os bens do patrimônio do devedor ficam sob apropriação da Justiça que irá transformar esses bens em dinheiro, a fim de satisfazer os créditos do exeqüente. Por força das alterações promovidas pelas Leis /2005 e /2006, os procedimentos executivos têm algumas diferenças, conforme se baseiam em título judicial ou extrajudicial, especialmente quanto à forma de defesa do devedor, mas que à partir de certo momento procedimental, seguem um rito comum. 1-EXECUÇÃO POR QUANTIA CERTA CONTRA DEVEDOR SOLVENTE.

4 4 A execução por quantia certa contra o devedor solvente é a espécie de execução mais comum e conhecida por todos os operadores do Direito, servindo de fonte subsidiária para outras modalidades de execução. Essa modalidade de execução visa à satisfação do crédito, mediante expropriação de bens do devedor. O devedor pode adimplir ou não a obrigação estabelecida, seja através de título judicial ou extrajudicial. É através da intervenção estatal que abre ao credor a possibilidade de exigir essa intervenção para o cumprimento coercitivo desse dever, que somente será válida com a provocação do Estado, devendo o credor requerer a execução por meio da petição inicial, do qual terá sempre que conter requisitos contidos no artigo 282 do Código de Processo Civil. Ainda, com a edição da Lei n.º /2006 o credor poderá indicar na própria petição inicial os bens a serem penhorados (art º), mas sempre respeitando o artigo 655 do CPC, ou seja, observando quais são os bens penhoráveis que poderá indicar à penhora. Prosseguindo com a citação do devedor para quitar a dívida em questão, e não o fazendo, consequentemente seguirá a

5 5 execução para a penhora, com a apreensão de bens e transformação desses bens em dinheiro, para finalmente pagar o exeqüente. Vale ressaltar que o executado tem o direito de defesa (conforme princípio do contraditório), só que, deverá estabelecer uma nova relação processual incidente, fora do processo executivo propriamente dito, em que ele será o autor e o credor o réu. Tal procedimento é denominado embargos de execução. No Direito Trabalhista de acordo com artigo 884 da CLT, os embargos de execução e da sua impugnação poderão ser opostos garantidos a execução ou penhorados os bens no prazo de cinco dias pelo executado e igual prazo para impugnação ao exeqüente. A sua natureza jurídica de ação tendo como objetivo extinguir o processo ou o desconstituir a eficácia do respectivo título executivo ( 1º do art.884 da CLT).Muito embora a doutrina majoritária entenda que sua natureza jurídica é de ação, os embargos de execução serão julgados nos respectivos autos de acordo com o artigo 884 4º da CLT. III MANDADO EXECUTIVO. PENHORA E AVALIAÇÃO.

6 6 Tratando-se de mandado executivo Humberto Theodor Júnior ressalta que acolhida à petição inicial, o órgão judicial determinará a citação do executado através do mandado executivo, que consiste na ordem de citação do devedor, intimando-o a, em três dias, cumprir a obrigação, sob pena de penhora (art. 652, caput e 1º) 1. O mandado será expedido em duas vias, sendo, a primeira via para citação, ou seja, o Oficial manterá por dez dias o mandado em seu poder, sendo que, durante esse período o Oficial de Justiça procurará o devedor por três vezes em dias distintos, e não o encontrando, devolverá o mandado em cartório, certificando a ocorrência (art. 653, parágrafo único); já a segunda via servirá para que, se caso passar três dias reservado ao pagamento voluntário o devedor não efetuar o pagamento, assim, a segunda via entrará para proceder à penhora, ou seja, após ter mandado em cartório, o credor será intimado para que no prazo de dez dias, seja requerida a citação por edital do devedor. Findo o prazo do edital, ou seja, não havendo manifestação do interessado, terá o devedor o prazo a que se refere o artigo 652, convertendo-se em penhora em caso de não pagamento (art. 654 do Código de Processo Civil). 1 - JUNIOR, Theodoro Humberto, Processo de Execução e Cumprimento da Sentença, Edição 24ª, Editora Eud, Capítulo XVII, pág. 239.

7 7 O mandado executivo na Justiça do Trabalho, tendo em vista que se trata de execução de sentença, far-se á através de Oficial de Justiça através de mandado de intimação, penhora e avaliação em ato continuo, ou seja, o Oficial de justiça ira intimá-lo para pagamento e, já localizando bens visíveis e passiveis de penhora o fará já com a respectiva avaliação do valor do bem, caso esteja capacitado para tal fim naquela oportunidade, ficando o executado, caso assim queira ficar, como depositário do bem. Denomina-se penhora o ato pelo qual se apreendem bens para empregá-los, de maneira direta ou indireta, na satisfação do crédito exeqüendo. Diz-se que o bem é empregado diretamente na satisfação do crédito quando o credor adjudica ou dele usufrui até pagá-lo; é empregado indiretamente quando é o produto da alienação do bem que satisfaz o crédito, conforme artigo 880/ 883 da CLT. Salientamos que a penhora é o mesmo ato tanto no processo civil como no processo trabalhista, ou seja, o Processo do Trabalho é fonte subsidiária das normas de direito processual comum, conforme descreve o artigo 769 da CLT:

8 8 Art Nos casos omissos, o direito processual comum será fonte subsidiária do direito processual do trabalho, exceto naquilo em que for incompatível com as normas deste Título. Tratando-se de condenações ao pagamento de quantia certa, o Código de Processo Civil obteve reforma através da Lei n.º /2005, acrescentando o artigo 475-J, conforme veremos a seguir: Art. 475-J.Caso o devedor, condenado ao pagamento de quantia certa ou já fixada em liquidação, não efetue no prazo de quinze (15) dias, o montante da condenação será acrescido de multa percentual de dez por cento e, a requerimento do credor e observando o disposto no art. 614, inciso II, desta Lei, expedir-se-á mandado de penhora e avaliação. 1º Do auto da penhora e de avaliação será de imediato intimado o executado, na pessoa de seu advogado (arts. 236 e 237), ou, na falta deste, o seu representante legal, ou pessoalmente, por mandado ou pelo correio, podendo oferecer impugnação, querendo, no prazo de (15) dias. 2º Caso o oficial de justiça não possa proceder à avaliação, por depender de conhecimentos especializados, o Juiz, de imediato, nomeará avaliador, assinando-lhe breve prazo para a entrega do laudo. 3º O exeqüente poderá, em seu requerimento, indicar desde logo os bens a serem penhorados.

9 9 4º Efetuado o pagamento parcial no prazo previsto no caput deste artigo, a multa de dez por cento incidirá sobre o restante. 5º Não sendo requerida a execução no prazo de seis (6) meses, o Juiz mandará arquivar os autos, sem prejuízo de seu desarquivamento a pedido da parte. O caput do artigo 475-J, fixa o prazo de 15 dias, que se conta a partir do trânsito em julgado, para cumprimento da sentença por quantia certa, que corre independemente de citação ou intimação, bem como, fixa multa de 10% para o devedor que não proceder ao pagamento voluntário nos 15 dias subseqüentes à sentença que fixou o valor da dívida. Já o devedor efetuando o pagamento parcial no referido prazo, a multa de 10% incidirá sobre o restante, conforme 4º do artigo 475-J. aplicar respectiva norma na Justiça do Trabalho. A problematização inicial se deve ou não Para alguns doutrinadores e operadores do Direito, defendem que multa de 10% em caso de não cumprimento

10 10 espontâneo da obrigação pelo devedor, com visto, é aplicada subsidiariamente ao Processo do Trabalho, pois a execução é destinada à satisfação de créditos alimentares. entendimento. Deveria, mas não é este o melhor A regra processual estipula que o CPC aplicase subsidiariamente à Justiça do Trabalho quando a norma legal é omissa o que não é o caso, ou seja, há regramento neste sentido estipulado no art. 880 da CLT. Assim, ao invocar os termos do art. 769 da CLT, o qual prevê que o Código de Processo Civil somente é aplicável ao Processo do Trabalho quando há omissão e compatibilidade com as normas que regem o Processo Laboral. Portanto, o art. 475-J não tem o condão de revogar respectiva norma, porém, entendemos que a recente reforma do CPC teve como objetivo estimular o pagamento pelo devedor das execuções, primando pelo princípio da celeridade e efetividade processual. Assim, entendemos que necessário se faz ocorrer mudanças neste sentido na norma legal da CLT, afim de que se

11 11 possa utilizar tal norma na Justiça do Trabalho, mesmo porque verificamos que as reformas ocorridas no CPC foram espelhadas na própria CLT, como fundamento prático do que se pratica na Justiça do Trabalho, que muito prima pela nova fase que estamos vivenciando, ou seja, a Constitucionalização dos Direitos Trabalhistas, intensificando tal aplicação, a fim de preservar a justiça das decisões e a própria segurança jurídica, tudo conforme ficou exposto acima. Humberto Theodoro Júnior esclarece que o parágrafo 1º do mesmo artigo, fixa que se o devedor não efetuar o pagamento no prazo legal, mas apresentando impugnação na execução definitiva, do qual é permitida pelo mesmo artigo, acarretará sempre a imposição da multa, e complementa dizendo que o objetivo desta sanção é justamente evitar a procrastinação do cumprimento da sentença, salvo se tal impugnação for procedente, excluindo assim a multa, bem como, o devedor não terá que efetuar o pagamento sequer do principal. 2. Também no mesmo parágrafo, fixa que lavrado o auto de penhora e avaliação o executado intimado, em regra, será na pessoa de seu advogado. Não havendo advogado constituído a intimação ocorrerá 2 JÚNIOR, Theodoro Humberto, As Novas Reformas do Código de Processo Civil, Edição 2ª,

12 12 através do representante legal do executado, ou ainda, na própria pessoa do executado. Ao contrário, aplica-se tal norma na Justiça do Trabalho, já que neste caso a CLT é omissa no que se refere sobre a possibilidade da intimação da penhora dirigida ao advogado constituído pelo devedor, mesmo porque não haveria qualquer prejuízo, na medida em que o devedor, indiretamente, tomaria ciência da realização do ato processual. Outra mudança trazida pelo artigo 475-J 1º, e que não se aplica na Justiça do Trabalho são os meios que dispõe o devedor para questionar o cálculo de liquidação e a própria execução. Na nova regra processual civil, estipula-se um prazo de 15 dias para o devedor apresentar impugnação, diferentemente da Justiça do Trabalho que tem regulamento específico na CLT, contido no artigo 884, do qual fixa o prazo de cinco dias para o executado se insurgir contra a execução, questionando o cálculo, a penhora e qualquer outra matéria prevista na Lei.

13 13 O Código de Processo Civil inovou ao estipular que em ato subseqüente à penhora, o oficial de justiça procederá a avaliação do bem penhorado, caso se dê por competente para sim o fazer de imediato, primando, por óbvio, pela celeridade processual, prática que já é atribuída na Justiça do Trabalho, desde a edição da Lei n.º 5.442/68. Assim, modifica o cumprimento da sentença, do qual se fixa que a avaliação será realizada pelo oficial de justiça. novo das execuções Trabalhistas. Assim, tal reforma no CPC nada influencia de Já em 3º do artigo 475-J, visa à facilitação da execução, pois fixa que o exeqüente pode indicar os respectivos bens à serem penhorados, ou seja, o exeqüente pode indicar na própria petição inicial o bens a serem penhorados (art º). Como na Justiça do Trabalho, na maioria, executa-se apenas a Sentença transitada em julgado, ou seja, título executivo judicial, em tese, não houve modificações significativas a serem aplicadas, exceto nos casos previstos com a Emenda Constitucional n.º 45.

14 14 O mandado de cumprimento da sentença condenatória, somente será não expedido se o credor requerer, pois conforme artigo 475-J, 5º, estabelece que o credor que não fizer tal requerimento no prazo de 6 meses, poderá o Juiz arquivar os autos, sem prejuízo de seu desarquivamento a pedido da parte. 1-BENS PENHORÁVEIS. São penhoráveis, conforme o artigo 655 do CPC, tanto os bens corpóreos, como os incorpóreos: Art. 655.A penhora observará, preferencialmente, a seguinte ordem: I dinheiro, em espécie ou em depósito ou aplicação em instituição financeira; II veículos de via terrestre; III bens móveis em geral; IV bens imóveis; V navios e aeronaves; VI ações e quotas de sociedade empresárias; VII percentual do faturamento de empresa devedora; VIII pedras e metais preciosos; IX títulos da dívida pública da União, Estados e Distrito Federal com cotação em mercado;

15 15 X títulos e valores mobiliários com cotação em mercado; XI outros direitos. 1º Na execução de crédito com garantia hipotecária, pignoratícia ou anticrética, a penhora recairá, preferencialmente, sobre a coisa dada em garantia; se a coisa pertencer a terceiro garantidor, será também esse intimado da penhora. 2º Recaído a penhora em bens imóveis, será intimado também o conjugue do executado. Os veículos de vias terrestres, bens móveis, bens imóveis, navios e aeronaves passam à frente das pedras e metais preciosos e títulos da dívida pública no rol das garantias do crédito. A Lei n.º /2006, trouxe reforço a observância da ordem estipulada para a penhora, ao dispor que ela deve der preferencialmente seguida. Portanto, em princípio deve o julgador seguir a ordem da penhora estabelecida no art. 655 do CPC. 2-BENS IMPENHORÁVEIS E IMPENHORABILIDADE ABSOLUTA E RELATIVA

16 16 A impenhorabilidade absoluta, disciplinada no art. 649 do CPC, em sua nova redação, trouxe novidades através da introdução da Lei n.º11.382/2006, como previsão de impenhorabilidade de móveis e pertences de uso pessoal, salvo, em ambos os casos, se de elevado valor (art. 649, II e III). Foi incluída, ainda, a impenhorabilidade dos depósitos em cardeneta de poupança até o limite de 40 (quarenta) salários mínimos. seguintes bens: No seu texto atual, declarou impenhoráveis os I - os bens inalienáveis e os declarados, por ato voluntário, não sujeitos à execução. Um exemplo que podemos citar é a impenhorabilidade dos bens públicos, dada a sua intrínseca inalienabilidade (Código Civil de 2002, art. 100; CC de 1916, art. 67). II - os móveis, pertences e utilidades domésticas que guarnecem a residência do executado.

17 17 Este inciso veio com a proteção pela Lei de Bem de Família Lei n.º 8.009/90, quanto à impenhorabilidade dos bens que guarnecem a residência do executado acrescida daqueles considerados de utilidade doméstica.a atual redação deste inciso, visa a evitar a penhora de bens que não tem valores significativos, e que, se tirados para realização da penhora acarretaria em prejuízos para sobrevivência de uma família. A Lei não delimita o que seja utilidades domésticas, muito menos, expõem o que é de extrema importância para sobrevivência digna de uma família. Podemos citar como exemplo, o televisor: um único televisor é obvio que seja impenhorável, mas, dois ou mais televisores, é realmente essencial para garantir uma sobrevivência digna a uma família? Vale salientar que a Lei n.º 8.009/90, dispõe sobre a impenhorabilidade do bem de família, bem como, fixa em qual situação a impenhorabilidade torna-se relativa, conforme os artigos 2ºe 3º, in verbis:

18 18 Art. 2º Excluem-se da impenhorabilidade os veículos de transporte, obras de arte e adornos suntuosos. Parágrafo único. No caso de imóvel locado, a impenhorabilidade aplicase aos bens móveis quitados que guarneçam a residência e que sejam de propriedade do locatário, observado o disposto neste artigo. Art. 3º A impenhorabilidade é oponível em qualquer processo de execução civil, fiscal, previdenciária, trabalhista ou de outra natureza, salvo se movido: I - em razão dos créditos de trabalhadores da própria residência e das respectivas contribuições previdenciárias; II - pelo titular do crédito decorrente do financiamento destinado à construção ou à aquisição do imóvel, no limite dos créditos e acréscimos constituídos em função do respectivo contrato; III - pelo credor de pensão alimentícia; IV - para cobrança de impostos, predial ou territorial, taxas e contribuições devidas em função do imóvel familiar; V - para execução de hipoteca sobre o imóvel oferecido como garantia real pelo casal ou pela entidade familiar; VI - por ter sido adquirido com produto de crime ou para execução de sentença penal condenatória e ressarcimento, indenização ou perdimento de bens; VII - por obrigação decorrente de fiança concedida em contrato de locação.

19 19 A impenhorabilidade do bem de família se torna relativa, ao passo que o imóvel deixe de servir de domicilio da família passando o imóvel para uso comercial. Em nenhum momento a norma legal prevê a sua perpetuação existindo, portanto, um momento de extinção, e sendo assim, neste caso, não possuindo mais o status de família, o bem volta a ser penhorável. Portanto, um bem que guarneça a casa de família poderá ou não ter tido como impenhorável de acordo com o caso concreto, conforme esse bem, no contexto daquela família, constitua ou não elemento de sobrevivência condigna e de cidadania. III os vestuários, bem como os pertences de uso pessoal do executado, salvo se de elevado valor. A justificativa, aqui, é a mesma utilizada no inciso II, ou seja, o legislador impôs uma limitação à impenhorabilidade, excluindo os bens que tenham características de suntuosidade. IV os vencimentos, subsídios, soldos, salários, remunerações, proventos de aposentadoria, pensões, pecúlios e montepios, as

20 20 quantias recebidas por liberalidade de terceiro e destinadas ao sustento do devedor e de sua família, os ganhos de trabalhador autônomo e os honorários de profissional liberal, observado o disposto no 3º deste artigo. A novidade deste inciso é a inclusão de ganhos do trabalhador autônomo e os honorários de profissional liberal. Em relação à impenhorabilidade deste inciso, Humberto Theodoro Júnior cita que há uma ressalva legal que abre possibilidade para a penhora, qual seja: se o débito em execução consistir em prestação de alimentos, torna-se cabível a penhora sobre os salários, remunerações e outras verbas equivalentes auferidas por aquele que responda pela pensão alimentícia ( 2º do art. 649). 3 IV os livros, as máquinas, as ferramentas, os utensílios, os instrumentos ou outros bens móveis necessários ou úteis ao exercício de qualquer profissão. 3 - JUNIOR, Theodoro Humberto, Processo de Execução e Cumprimento da Sentença, cit, pg. 260.

21 21 Presente a coerência com o resguardo da dignidade, pois sem o seu trabalho o homem não tem condições de produzir o necessário para quitar a dívida se manter e os seus. A tese foi acolhida pelo Superior Tribunal de Justiça: os bens úteis e/ou necessários indispensáveis ás atividades desenvolvidas pelas pequenas empresas onde os sócios atuam pessoalmente, são impenhoráveis, na forma do disposto no art. 649, IV, do CPC (Resp /SC, DJU ; Resp /RO, DJ ; STJ- RT 821:210). VI o seguro de vida. Em relação o seguro de vida Humberto Theodoro Júnior cita que a função de seguro de vida é criar em favor de terceiro (o beneficiário) um fundo alimentar. Dessa natureza jurídica é que decorre a impenhorabilidade do seguro de vida JUNIOR, Theodoro Humberto, Processo de Execução e Cumprimento da Sentença, cit, pg. 261.

22 22 VII os materiais necessários para obras em andamento, salvo se essas forem penhoradas. Segundo o ensinamento de Humberto Theodoro Júnior os materiais são, por antecipação, parte integrante da obra. Como tal só podem ser penhorados se o todo for. Trata-se de impenhorabilidade que não se aplica à execução da dívida contraída na própria aquisição do objeto a excutir (art. 649, 1º) 5. VIII a pequena propriedade rural, assim definida em lei, desde que trabalhada pela família. Este inciso converteu em impenhorável a pequena propriedade rural definida em lei, desde que trabalhada pela família, ou seja, independente da origem da dívida, se a família trabalha no imóvel, a pequena propriedade rural é impenhorável. Para definir o que é pequena propriedade rural, a jurisprudência vem adotando o art. 4º inciso II do Estatuto da Terra, bem como a extensão territorial é definida de 01 a 04 módulos rurais na

23 23 Lei de Desapropriação para Reforma Agrária Lei n.º 8.629/1993, art. 4º. Em suma: a pequena propriedade rural sob exploração familiar é absolutamente impenhorável, segundo o novo dispositivo processual revisto pela Lei /2006. IX os recursos públicos recebidos por instituições privadas para a aplicação compulsória em educação, saúde ou assistência social. Com a edição da Lei n.º /2006 os recursos públicos não perdem sua impenhorabilidade. Porém, não podemos concluir que estes recursos públicos estão imunes à penhorabilidade, como por exemplo, os bens particulares da instituição, que será garantida para saldar a dívida. Complementa, ainda, Humberto Theodoro Júnior, que são os recursos públicos, e apenas estes, que devem ser aplicados nas metas projetadas de educação, saúde e assistência social, 5 - JUNIOR, Theodoro Humberto, c Processo de Execução e Cumprimento da Sentença, cit, pg. 262.

24 24 sem sofrer embaraço de penhora por dívidas da instituição a que se destinam 6 X até o limite de quarenta (40) salários mínimos, a quantia depositada em cardeneta de poupança. A criação de nova hipótese de impenhorabilidade, para as aplicações de até 40 salários mínimos em cardeneta de poupança, não faz nenhum sentido, muito menos no processo do trabalho. Não seria passível, como por exemplo, a não aceitação de uma determinada penhora de caderneta de poupança, com valores inferiores a 40 salários mínimos, de um sócio, cuja empresa dissolveu-se irregularmente, e para esconder os lucros da empresa, ficaria sob a proteção da Lei, desonerando da penhora através da norma legal. Aliás, este não é o entendimento adotado em nossos Tribunais. Em princípio os sócios proprietários estariam sob a proteção da Lei. Mas se acaso o devedor não provar que referidos 6 - JUNIOR, Theodoro Humberto, Processo de Execução e Cumprimento da Sentença, cit, pg. 263.

25 25 valores, mesmo que inferiores a 40 salários mínimos não são advindos de uma dissolução fraudulenta do empreendimento, entendemos que poderia ser considerado passível de penhora de respectivos valores, a fim de satisfazer, em parte ou mesmo na totalidade da dívida. 3-PENHORA ON LINE substituição do papel pelo virtual. A penhora on line nada mais é que a Salientas que na Justiça do Trabalho a penhora on line é aplicada desde 2002 pelo convênio BACEN JUD. A penhora on line veio disponibilizada pela Lei n.º /2006 através do artigo 655-A que regra a aplicação do instituto com utilização pelo Judiciário dos avanços tecnológicos disponibilizados, in verbis: Art. 655-A. Para possibilitar a penhora de dinheiro em depósito ou aplicação financeira, o Juiz, a requerimento do exeqüente, requisitará à autoridade supervisora do sistema bancário, preferencialmente por meio eletrônico, informações sobre a existência de ativos em nome do

26 26 executado, podendo no mesmo ato determinar sua indisponibilidade, até o valor indicado na execução. O Juiz não pode sem requerimento do credor, ordenar a constrição eletrônica. Mas a partir do momento que o credor faz esse requerimento, o Juiz é obrigado a deferir tal solicitação investigatória dos bens do executado. Mas se o pedido vier cumulado, ou seja, primeiro para pedir informações e outro para realizar a penhora on line dos valores porventura encontrados, o quadro muda de figura, ou seja, o Juiz deferirá o primeiro pedido e o segundo pedido ficara ao exclusivo arbítrio do Juiz. Vale salientar que a penhora on line não contraria a ordem legal de bens penhoráveis, pois a penhora em dinheiro é a primeira na ordem preferencial do art. 655 do CPC. E uma vez concretizada a penhora on line, dando cumprimento ás regras processuais, será lavrado auto de penhora venerando as exigências formais do artigo 655 do CPC com a indicação do depositário dentre aqueles conjeturados no artigo 666 do CPC. Depois

27 27 segue-se com a intimação do executado ou seu devedor para, querendo, aviar embargos à execução (CPC, art º e 5º). Se a penhora recair sobre valores que a lei considera impenhorável, o encargo da prova de impenhorabilidade é ônus exclusivo do devedor, o que pode ser feito nos próprios autos da execução ou mesmo através de embargos à execução (alegação de impenhorabilidade), em obediência ao 2º do art. 655-A, in verbis: 2º. Compete ao executado comprovar que as quantias depositadas em conta corrente referem-se à hipótese do inciso IV do caput do art. 649 desta Lei ou que estão revestidas de outra forma de impenhorabilidade. Em conclusão, acrescenta Amauri Mascaro Nascimento, que a penhora on line, é uma realidade definitivamente incorporada ao sistema processual; não contraria o art. 655 do CPC; atende os imperativos da celeridade processual e leva em conta o princípio da utilidade para que a execução possa chegar efetivamente ao seu fim sem que, nisso, se possa ver um desrespeito às garantias

28 28 processuais do executado quando tem assegurada a possibilidade de ampla defesa e previamente é citado para a execução. 7 III-CONCLUSÃO 7 - NASCIMENTO, Mascaro Amauri, Curso de Direito Processual do Trabalho, Editora Saraiva, pg. 691.

29 29 Concluímos que as reformas do Código de Processo Civil através da introdução das Leis n.º /2005 e /2006, vieram em boa hora, ou seja, podemos notar que a cada reforma, cada artigo revogado ou alterado, visa a facilitação do andamento da execução, tanto para o credor que tem uma garantia maior que irá obter sucesso no processo de execução, além de participar mais ativamente do processo, indicando bens a serem penhorados já na inicial, bem como o devedor que tem uma chance para quitar a dívida, impedindo, assim, o prosseguimento da execução. Também abordamos a repercussão dessas novas Leis no Processo do Trabalho que é fonte subsidiária do direito comum, bem como, verificamos que tais procedimentos introduzidos só agora no processo civil, já continha há muito tempo no Processo do Trabalho, como por exemplo, a penhora on line. Concluímos também que a penhora é um ato de muita importância na execução, ou seja, é o ato pelo qual se apreendem bens para empregá-los, de maneira direta ou indireta, na satisfação do crédito exeqüendo. Porém, não podemos penhorar qualquer bem do devedor, pois o Código de Processo Civil elenca em seus artigos 655 e

30 os que podem ser penhorados (bens penhoráveis) ou não (bens impenhoráveis), bem como a impenhorabilidade relativa desses bens. Nesse sentido, há de salientar que a nova redação do artigo 649 do CPC e por conseqüência não se aplicando o artigo 648 do mesmo instituto, tem natureza exemplificativa, tendo em vista que existem exceções a serem levadas em consideração respectivas impenhorabilidades, pois no Direito do Trabalho leva-se em consideração a hipossuficiência do trabalhador e o caráter alimentar do objeto da lide. Por fim, salientamos que necessário que o Poder Judiciário especificadamente na Justiça do Trabalho analisa cada caso concreto, ao relativizar ou não a impenhorabilidade dos bens elencados pela norma legal. Não podemos esquecer que acima de tudo o Direito deve ser flexibilizado a cada caso concreto, levando em consideração os princípios constitucionais e infraconstitucionais já consagrados e as leis só complementam e nos indicam o caminho a seguir. A quem defenda que a Justiça é cega, mas o Juiz não.

31 VI - BIBLIOGRAFIA 31

32 32 1. JÚNIOR, Theodoro Humberto, Processo de Execução e Cumprimento da Sentença. 24ª Ed. São Paulo: Editora Eud, JÚNIOR, Theodoro Humberto, As Novas Reformas do Código de Processo Civil. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, NUNES, Donizetti Elpídeo, Curso Didático de Direito Processual Civil. 5ª Ed. Belo Horizonte: Editora Del Rey, Negrão, Theotonio e Gouvêa, F. Roberto José, Código de Processo Civil e legislação processual em vigor 39ªEd., Editora Saraiva, MARCATO, Carlos Antônio, Código de Processo Civil Interpretado. São Paulo: Editora Atlas, NASCIMENTO, Mascaro Amauri, Curso de Direto Processual do Trabalho. 23ª. Ed., Editora Saraiva, MARTINS, Pinto Sergio, Direito Processual do Trabalho. 17ª Ed., Editora Atlas, São Paulo: Michaelis, Moderno Dicionário da Língua Portuguesa, São Paulo: Editores Melhoramentos, 1998.

33 33 9. Site: A reforma processual e o novo rol de bens absolutamente impenhoráveis do art. 649 do CPC após a Lei n.º / Site: Prodinfo/ destaque/ lei htm. 11. Artigo publicado no DVD Magister, Edição Agosto/2007: Títulos: - Novas modificações no CPC e o Processo do Trabalho: Lei ; Estevão Mallet, Da Impenhorabilidade do Fundo de Previdência Complementar e do Seguro de Vida; Elias Marques de Medeiros Neto.

RECEBIMENTO DE OFICIAL DE JUSTIÇA

RECEBIMENTO DE OFICIAL DE JUSTIÇA RECEBIMENTO DE OFICIAL DE JUSTIÇA CITAÇÃO e RECEBIMENTO DE OFICIAL DE JUSTIÇA Na execução fiscal se estima que o executado receberá oficial de justiça ao menos duas vezes em cada processo O não pagamento

Leia mais

Processo do Trabalho

Processo do Trabalho Processo do Trabalho Professor Leonardo Gutierrez E-mail: professorlgutierrez@gmail.com https://www.facebook.com/professorleonardogutierrez A gota não fura a rocha pela força, mas por sua persistência

Leia mais

Seguro Garantia Judicial em Execução Fiscal: condições e autorização legal. Íris Vânia Santos Rosa Mestre e Doutora PUC/SP

Seguro Garantia Judicial em Execução Fiscal: condições e autorização legal. Íris Vânia Santos Rosa Mestre e Doutora PUC/SP Seguro Garantia Judicial em Execução Fiscal: condições e autorização legal Íris Vânia Santos Rosa Mestre e Doutora PUC/SP 1. Como podemos incluir o Seguro Garantia Judicial como válida hipótese de Penhora

Leia mais

Processo Civil. PROCESSO DE EXECUÇÃO Execução de Títulos Extrajudiciais

Processo Civil. PROCESSO DE EXECUÇÃO Execução de Títulos Extrajudiciais PROCESSO DE EXECUÇÃO A partir das reformas processuais implementadas pela Lei 11.232/2005 e Lei 11.382/2006, há que se distinguir os dois procedimentos existentes para a satisfação de uma obrigação. PROCESSO

Leia mais

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR ATUALIZAÇÃO 9 De 1.11.2014 a 30.11.2014 VADE MECUM LEGISLAÇÃO 2014 CÓDIGO CIVIL PÁGINA LEGISLAÇÃO ARTIGO CONTEÚDO 215 Lei 10.406/2002 Arts. 1.367 e 1.368-B Art. 1.367. A propriedade fiduciária em garantia

Leia mais

Direito do Trabalho IV. Direito do Trabalho IV

Direito do Trabalho IV. Direito do Trabalho IV Direito do Trabalho IV»Material de Dependência Liquidação Sentença e Execução Parte 1 Tipos e espécies de Execução Direito do Trabalho IV»Aula 6 Liquidação de Sentença Parte 2 1 VIII Liquidação de sentença

Leia mais

PONTO 1: Execução Trabalhista. Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista art. 879 da CLT.

PONTO 1: Execução Trabalhista. Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista art. 879 da CLT. 1 DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO PONTO 1: Execução Trabalhista 1. EXECUÇÃO TRABALHISTA: ART. 876 ART. 892 da CLT Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista

Leia mais

PENHORA ON LINE. Noções Introdutórias

PENHORA ON LINE. Noções Introdutórias PENHORA ON LINE Noções Introdutórias Caracterizada como ato específico da ação de execução por quantia certa contra devedor solvente, a penhora nada mais é do que um ato executório, uma vez que produz

Leia mais

PRINCÍPIOS DA EXECUÇÃO

PRINCÍPIOS DA EXECUÇÃO PRINCÍPIOS DA EXECUÇÃO 1. NULLA EXECUTIO SINE TITULO (sem título não há execução) * título executivo: probabilidade de o direito exeqüendo existir a ponto de justificar a situação de desvantagem processual

Leia mais

DA IMPENHORABILIDADE DO BEM DE FAMILIA E A LEI 8.009/90. Anderson Oliveira de Souza 1 (CEUNSP) André Dias Silva 2 (CEUNSP)

DA IMPENHORABILIDADE DO BEM DE FAMILIA E A LEI 8.009/90. Anderson Oliveira de Souza 1 (CEUNSP) André Dias Silva 2 (CEUNSP) 1 DA IMPENHORABILIDADE DO BEM DE FAMILIA E A LEI 8.009/90 Anderson Oliveira de Souza 1 (CEUNSP) André Dias Silva 2 (CEUNSP) RESUMO O presente artigo tem por finalidade demonstrar a proteção que se dá ao

Leia mais

CONGRESSO IBDT/AJUFE DE DIREITO TRIBUTÁRIO

CONGRESSO IBDT/AJUFE DE DIREITO TRIBUTÁRIO CONGRESSO IBDT/AJUFE DE DIREITO TRIBUTÁRIO Execução fiscal, colidências com o CPC e questões relacionadas às garantias. Execução Fiscal: especialidade e subsidiariedade Leonardo Buissa Freitas Execução

Leia mais

EXECUÇÃO E CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

EXECUÇÃO E CUMPRIMENTO DE SENTENÇA EXECUÇÃO E CUMPRIMENTO DE SENTENÇA 1. Processo de execução Título executivo extrajudicial art. 876, CLT e art. 4º, Lei 6.830/80 (Lei de Execução Fiscal LEF) a) Termo de ajustamento de conduta firmado com

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO LEI Nº 1552, DE 18 DE AGOSTO DE 2011. Disciplina a dação em pagamento de obras, serviços e bem móvel como forma de extinção da obrigação tributária no Município de Codó, prevista no inciso XI do artigo

Leia mais

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1.

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1. Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Anotações de Aula 1. ANOTAÇÕES DE AULA DIREITO TRIBUTARIO NO CTN Art. 155-A CTN.

Leia mais

BRANDEL, COMTE & LOUVERA CONSULTORIA JURÍDICA

BRANDEL, COMTE & LOUVERA CONSULTORIA JURÍDICA BRANDEL, COMTE & LOUVERA CONSULTORIA JURÍDICA Rio de Janeiro, 12 de agosto de 2013. DA CAUTELA NA ADOÇÃO DE MEDIDAS EXPROPRIATÓRIAS NO ÂMBITO DAS EXECUÇÕES FISCAIS *Autor: Augusto Comte Rotineiramente,

Leia mais

O bem de família foi criado em 1839 no Texas EUA.

O bem de família foi criado em 1839 no Texas EUA. 16 - BEM DE FAMÍLIA O bem de família foi criado em 1839 no Texas EUA. Homestead Act. O ano de 1839 foi um dos piores anos da história dos EUA, quando a economia foi a colapso gerando a quebra de diversos

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013 Altera a Resolução Normativa - RN 4, de 19 de abril de 2002, que dispõe sobre o parcelamento de débitos tributários e não tributários para com a

Leia mais

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito Instituto de Ensino Superior de Goiás Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito 1. IDENTIFICAÇÃO: CURSO: DIREITO TURMA: 6º SEMESTRE - NOTURNO DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 1 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação como forma de extinção da obrigação c) A mora accipiendi 2 c)

Leia mais

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A RPV. (Requisição de Pequeno Valor)

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A RPV. (Requisição de Pequeno Valor) BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A RPV (Requisição de Pequeno Valor) Hugo Soares Porto Fonseca O caput do art. 100 da Constituição Federal 1 determina que os pagamentos de valores devidos pelas Fazendas Federal,

Leia mais

Prática Cível 2ª Fase da OAB Ação Monitória AÇÃO MONITÓRIA

Prática Cível 2ª Fase da OAB Ação Monitória AÇÃO MONITÓRIA AÇÃO MONITÓRIA A está regulada nos artigos 1102-A a 1102-C, CPC. Eles são fruto da Lei 9.079/95. Essa ação é um grande exemplo de sincretismo processual em nosso ordenamento. é processo sincrético que

Leia mais

KROKANT REST E PIZZARIA LTDA A C Ó R D Ã O

KROKANT REST E PIZZARIA LTDA A C Ó R D Ã O APELAÇÃO CÍVEL. EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL. IMPENHORABILIDADE DE BENS. TELEVISORES LED E AR CONDICIONADO. EMPRESA. São impenhoráveis, segundo o disposto no art. 649, V do CPC, dentre outros, as máquinas,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Execução Por Quantia Certa Suelene Cock Corrêa Carraro* O objetivo da execução por quantia certa é satisfazer o credor naquilo que ele tem direito. Quando o credor é solvente, vai-se

Leia mais

RESPONSABILIDADE PATRIMONIAL: abrange penhora e fraudes.

RESPONSABILIDADE PATRIMONIAL: abrange penhora e fraudes. 1 PROC. CIVIL PONTO 1: EXECUÇÕES PONTO 2: a) RESPONSABILIDADE PATRIMONIAL, MODALIDADES DE PENHORA PONTO 3: b) FRAUDE À CREDORES E À EXECUÇÃO, EXPROPRIAÇÃO RESPONSABILIDADE PATRIMONIAL: abrange penhora

Leia mais

EXECUÇÕES ESPECÍFICAS

EXECUÇÕES ESPECÍFICAS EXECUÇÕES ESPECÍFICAS Prof. Ms. Bernardo Ribeiro Câmara Advogado e sócio do Escritório Freire, Câmara & Ribeiro de Oliveira Advogados; Mestre em Direito Processual Civil pela PUC/MG Especialista em Direito

Leia mais

Exposição. 1. Município de Londrina ajuizou execução fiscal em face de Alessandro

Exposição. 1. Município de Londrina ajuizou execução fiscal em face de Alessandro APELAÇÃO CÍVEL N. 638896-9, DA COMARCA DE LONDRINA 2.ª VARA CÍVEL RELATOR : DESEMBARGADOR Francisco Pinto RABELLO FILHO APELANTE : MUNICÍPIO DE LONDRINA APELADO : ALESSANDRO VICTORELLI Execução fiscal

Leia mais

Execução com base em título extrajudicial

Execução com base em título extrajudicial Execução com base em título extrajudicial 1. PetiçãoInicial Expressamente disciplinada pelos artigos 614 a 616: Art. 614. Cumpre ao credor, ao requerer a execução, pedir a citação do devedor e instruir

Leia mais

SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO

SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 PREFÁCIO... 17 INTRODUÇÃO... 19 Capítulo I FLEXIBILIZAÇÃO... 21 1.1. Definição... 21 1.2. Flexibilização da norma... 23 1.3. Flexibilizar a interpretação e

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2012/2 DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO II PROFESSOR: UDNO ZANDONADE TURMAS: 10 o CN UNIDADES

Leia mais

Associação dos Advogados de São Paulo - AASP CUMPRIMENTO DE SENTENÇA DEFINITIVO E PROVISÓRIO. Prof. Luís Eduardo Simardi Fernandes @LuisSimardi

Associação dos Advogados de São Paulo - AASP CUMPRIMENTO DE SENTENÇA DEFINITIVO E PROVISÓRIO. Prof. Luís Eduardo Simardi Fernandes @LuisSimardi Associação dos Advogados de São Paulo - AASP CUMPRIMENTO DE SENTENÇA DEFINITIVO E PROVISÓRIO Prof. Luís Eduardo Simardi Fernandes @LuisSimardi INTRODUÇÃO - TÍTULO EXECUTIVO - DINAMARCO: Título executivo

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em ação de indenização, em que determinada empresa fora condenada a pagar danos materiais e morais a Tício Romano, o Juiz, na fase de cumprimento de sentença, autorizou

Leia mais

Trabalho 5 PROCEDIMENTO PARA CUMPRIMENTO. DA SENTENÇA CIVIL (art. 475, CPC) BRASÍLIA

Trabalho 5 PROCEDIMENTO PARA CUMPRIMENTO. DA SENTENÇA CIVIL (art. 475, CPC) BRASÍLIA Universidade de Brasília Faculdade de Direito Teoria Geral do Processo II Professor: Vallisney de Souza Oliveira Aluno: Paulo Wanderson Moreira Martins Matrícula: 12/0062372 Trabalho 5 PROCEDIMENTO PARA

Leia mais

ANEXO 9 Condições Mínimas do BNDES para Aprovação do Plano

ANEXO 9 Condições Mínimas do BNDES para Aprovação do Plano ANEXO 9 Condições Mínimas do BNDES para Aprovação do Plano A - PRÉVIAS: 1. Apresentação de petição conjunta formulada pelos Interessados e pelo BNDES, com a anuência do Administrador Judicial, protocolizada

Leia mais

ANEXO I DECLARAÇÃO DE INEXISTÊNCIA DE AÇÃO JUDICIAL

ANEXO I DECLARAÇÃO DE INEXISTÊNCIA DE AÇÃO JUDICIAL ANEXO I DECLARAÇÃO DE INEXISTÊNCIA DE AÇÃO JUDICIAL (razão social do devedor), com inscrição no CNPJ nº, devidamente representada por (nome e qualificação do representante), DECLARA, para os fins da RN

Leia mais

O OFICIAL DE JUSTIÇA E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL

O OFICIAL DE JUSTIÇA E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL O OFICIAL DE JUSTIÇA E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL O novo Código de Processo Civil revela-se positivo para atuação dos Oficiais de Justiça, pelo menos essa foi a perspectiva desde a criação do projeto.

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º DE DE 2015. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ), no uso de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO N.º DE DE 2015. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ), no uso de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO N.º DE DE 2015 Regula o procedimento a ser adotado nas medidas assecuratórias em matéria processual-penal e as providências a serem adotadas quando decretada a perda de bens móveis ou imóveis

Leia mais

MARCELO ABELHA RODRIGUES 1 Mestre e Doutor em Direitos Difusos e Coletivos pela PUC/SP Sócio de Cheim Jorge & Abelha Rodrigues - Advogados Associados

MARCELO ABELHA RODRIGUES 1 Mestre e Doutor em Direitos Difusos e Coletivos pela PUC/SP Sócio de Cheim Jorge & Abelha Rodrigues - Advogados Associados MARCELO ABELHA RODRIGUES 1 Mestre e Doutor em Direitos Difusos e Coletivos pela PUC/SP Sócio de Cheim Jorge & Abelha Rodrigues - Advogados Associados Penhora eletrônica de dinheiro no NCPC 1. LOCALIZAÇÃO

Leia mais

Os bens e direitos formam o ativo. As obrigações, o passivo exigível (ou simplesmente o passivo).

Os bens e direitos formam o ativo. As obrigações, o passivo exigível (ou simplesmente o passivo). Módulo 2 O Patrimônio Conceito. Estão compreendidas no campo de atuação do contabilista as atividades de estudo, controle, exposição e análise do patrimônio, de maneira a poder informar a situação patrimonial

Leia mais

DO EQUIVALENTE EM DINHEIRO ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA NAS AÇÕES DE DEPÓSITO EM CONTRATOS DE. ROGERIO DE OLIVEIRA SOUZA Juiz de Direito TJ/RJ

DO EQUIVALENTE EM DINHEIRO ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA NAS AÇÕES DE DEPÓSITO EM CONTRATOS DE. ROGERIO DE OLIVEIRA SOUZA Juiz de Direito TJ/RJ DO EQUIVALENTE EM DINHEIRO NAS AÇÕES DE DEPÓSITO EM CONTRATOS DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA ROGERIO DE OLIVEIRA SOUZA Juiz de Direito TJ/RJ O Decreto-Lei 911, de 01.10.1969, deu nova redação ao art. 66 da Lei

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA INÍCIO análise inicial Verificar a existência de demonstrativo de débito e contrato

Leia mais

Espelho Civil Peça Item Pontuação Fatos fundamentos jurídicos Fundamentos legais

Espelho Civil Peça Item Pontuação Fatos fundamentos jurídicos Fundamentos legais Espelho Civil Peça A peça cabível é PETIÇÃO INICIAL DE ALIMENTOS com pedido de fixação initio litis de ALIMENTOS PROVISÓRIOS. A fonte legal a ser utilizada é a Lei 5.478/68. A competência será o domicílio

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em 2003, João ingressou como sócio da sociedade D Ltda. Como já trabalhava em outro local, João preferiu não participar da administração da sociedade. Em janeiro

Leia mais

Escola de Ciências Jurídicas-ECJ

Escola de Ciências Jurídicas-ECJ Execuções para entrega de coisa, das obrigações de fazer e insolvência civil Sumário Execução para entrega de coisa, características, modalidades e fundamentação legal Execução para entrega de coisa certa:

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Contratos Mercantis Prof.: Alexandre Gialluca Data: 19/04/2007 RESUMO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Contratos Mercantis Prof.: Alexandre Gialluca Data: 19/04/2007 RESUMO RESUMO 1) Alienação fiduciária 1.1) Alienação fiduciária de bens móveis (Dec-Lei 911/69) Na doutrina há quem diga que se trata de contrato acessório e a quem diga que se trata de contrato incidental. Na

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO PRFN 3ª REGIÃO Nº 004 de 16 de dezembro de 2009.

ORDEM DE SERVIÇO PRFN 3ª REGIÃO Nº 004 de 16 de dezembro de 2009. ORDEM DE SERVIÇO PRFN 3ª REGIÃO Nº 004 de 16 de dezembro de 2009. Dispõe sobre o procedimento a ser adotado para a formalização e controle dos processos de parcelamentos de arrematação ocorrida nas hastas

Leia mais

O Novo Código de Processo Civil e a Cobrança dos rateios em Condomínios

O Novo Código de Processo Civil e a Cobrança dos rateios em Condomínios O Novo Código de Processo Civil e a Cobrança dos rateios em Condomínios Jaques Bushatsky Setembro de 2015 Rateio das despesas: O Decreto nº 5.481, de 25/06/1928 possibilitou a alienação parcial dos edifícios

Leia mais

EMENTA ACÓRDÃO. Desembargador Federal Joel Ilan Paciornik Relator

EMENTA ACÓRDÃO. Desembargador Federal Joel Ilan Paciornik Relator RELATOR : JOEL ILAN PACIORNIK EMENTA PROCESSUAL CIVIL. EXECUÇÃO FISCAL. BLOQUEIO DOS VALORES CONSTANTES EM CONTA CORRENTE DO EXECUTADO. VERBAS DE CARÁTER ALIMENTAR. IMPENHORABILIDADE. DESBLOQUEIO. 1. Em

Leia mais

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição A 3ª edição do livro CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO foi atualizada com o texto do PL de novo CPC enviado pelo Congresso Nacional à sanção presidencial em 24.02.2015. Em razão da renumeração dos artigos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná LEI Nº 872/2009 Disciplina a dação de bens imóveis como forma de extinção da obrigação tributária no município de Juranda,, prevista no inciso XI do artigo 156 do Código Tributário Nacional, acrescido

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o EMENTA: 1. TEORIA GERAL DA EXECUÇÃO 2. PARTES NO PROCESSO DE EXECUÇÃO 3. COMPETÊNCIA 4. REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA REALIZAR QUALQUER EXECUÇÃO 5. FASE DE CUMPRIMENTO DE SENTENÇA 5.1 CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

Leia mais

LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010

LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010 LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010 Disposição sobre a consignação em folha de pagamento O MUNICÍPIO DE BOA ESPERANÇA faz saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

Direito Processual do Trabalho Profa. Dra. Adriana Goulart de Sena Orsini EXECUÇÃO

Direito Processual do Trabalho Profa. Dra. Adriana Goulart de Sena Orsini EXECUÇÃO Direito Processual do Trabalho Profa. Dra. Adriana Goulart de Sena Orsini EXECUÇÃO Execução Características ( ação ) Títulos executivos judiciais (fase) e extrajudiciais Art. 876, CLT Cumprimento da decisão:

Leia mais

ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009

ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009 ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009 SWISSCAM - Câmara de Comércio Suíço-Brasileira - São Paulo, Brasil - 13 de agosto de 2010 MULTA CONTRATUAL Lei nº. 8.245/91 O locatário poderia devolver

Leia mais

HASTAS PÚBLICAS UNIFICADAS DA JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU EM SÃO PAULO REGRAS PARA PARTICIPAÇÃO

HASTAS PÚBLICAS UNIFICADAS DA JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU EM SÃO PAULO REGRAS PARA PARTICIPAÇÃO HASTAS PÚBLICAS UNIFICADAS DA JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU EM SÃO PAULO REGRAS PARA PARTICIPAÇÃO As Hastas Públicas Unificadas serão realizadas em dois leilões, sendo: 1º leilão: os lotes de bens oferecidos

Leia mais

EXECUÇÃO. Iniciação a Advocacia Trabalhista

EXECUÇÃO. Iniciação a Advocacia Trabalhista EXECUÇÃO TRABALHISTA Iniciação a Advocacia Trabalhista PROF. ROGÉRIO MARTIR Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidad Del Museo Social Argentino, Advogado militante e especializado em

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 637, DE 2011 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 637, DE 2011 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI N o 637, DE 2011 Altera a Lei nº 6.830, de 22 de setembro de 1980, para incluir o segurogarantia dentre os instrumentos de garantia nas ações de execução

Leia mais

A execução incide somente sobre o patrimônio do executado. É sempre real.

A execução incide somente sobre o patrimônio do executado. É sempre real. PRINCÍPIOS DA EXECUÇÃO - Princípio da Patrimonialidade A execução incide somente sobre o patrimônio do executado. É sempre real. Art. 591. O devedor responde, para o cumprimento de suas obrigações, com

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO II PROFESSOR: UDNO ZANDONADE TURMAS: 10 o CN PLANO DE CURSO 2013/02

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário:

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário: CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013 Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Constitucionalidade 3 - Obrigação 3.1 - Estabelecimentos

Leia mais

A PENHORA DO FATURAMENTO DE EMPRESA DEVEDORA E AS CONSEQÜÊNCIAS DO ATO NA EXECUÇÃO TRABALHISTA

A PENHORA DO FATURAMENTO DE EMPRESA DEVEDORA E AS CONSEQÜÊNCIAS DO ATO NA EXECUÇÃO TRABALHISTA A PENHORA DO FATURAMENTO DE EMPRESA DEVEDORA E AS CONSEQÜÊNCIAS DO ATO NA EXECUÇÃO TRABALHISTA Paulo Mazzante de Paula Advogado; Especialista em Direito Processual Civil; Mestrando pela Unespar/Fundinop;

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL V EXAME UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DO DIA 4/12/2011 DIREITO CIVIL

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL V EXAME UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DO DIA 4/12/2011 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL Trata-se da hipótese em que o(a) examinando(a) deverá se valer de medidas de urgência, sendo cabíveis cautelares preparatórias, com pedido de concessão de medida

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso.

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. Por que se diz instrumento: a razão pela qual o recurso se chama agravo de

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Recuperação Judicial Prof.: Alexandre Gialluca Data: 12/04/2007 RESUMO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Recuperação Judicial Prof.: Alexandre Gialluca Data: 12/04/2007 RESUMO RESUMO 1) Falência. Continuação. 1.1) Da realização ativo. Art. 108, Lei 11.101/05. O administrador Judicial providenciará a realização do ativo. Pode ser por: leilão; proposta fechada ou pregão O porduto

Leia mais

EXMO(A). SR(A). JUIZ(A) DE DIREITO DA XXXXXXXXXXXXXXXXXXXX.

EXMO(A). SR(A). JUIZ(A) DE DIREITO DA XXXXXXXXXXXXXXXXXXXX. EXMO(A). SR(A). JUIZ(A) DE DIREITO DA XXXXXXXXXXXXXXXXXXXX. Processo NPU: XXXXXXXXXXXXX Ação de XXXXXXXXXXXXX Ref. Execução de Honorários Sucumbenciais A DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE PERNAMBUCO, CNPJ

Leia mais

3ª aula: REFORMAS DO CPC E SEUS REFLEXOS NO PROCESSO DO TRABALHO

3ª aula: REFORMAS DO CPC E SEUS REFLEXOS NO PROCESSO DO TRABALHO Material disponibilizado pelo Professor: 3ª aula: REFORMAS DO CPC E SEUS REFLEXOS NO PROCESSO DO TRABALHO REMIÇÃO DA EXECUÇÃO CPC, 651. Antes de adjudicados ou alienados os bens, pode o executado, a todo

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 20 1/2009 ISSN 1517-8471 Páginas 46 à 54.

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 20 1/2009 ISSN 1517-8471 Páginas 46 à 54. Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 20 1/2009 ISSN 1517-8471 Páginas 46 à 54. BEM DE FAMÍLIA Elaine Divina da Silva Fagundes 1 Clecio Carvalho Fagundes 2 Vicente Gonçalves de Araújo Júnior 3 RESUMO Este

Leia mais

EXECUÇÃO DE SENTENÇAS PENAL, ARBITRAL E ESTRANGEIRA (ART. 475-N, PARÁGRAFO ÚNICO, DO CPC) PROCESSO DE EXECUÇÃO OU EXECUÇÃO SINCRETIZADA (CUMPRIMENTO)?

EXECUÇÃO DE SENTENÇAS PENAL, ARBITRAL E ESTRANGEIRA (ART. 475-N, PARÁGRAFO ÚNICO, DO CPC) PROCESSO DE EXECUÇÃO OU EXECUÇÃO SINCRETIZADA (CUMPRIMENTO)? 84 EXECUÇÃO DE SENTENÇAS PENAL, ARBITRAL E ESTRANGEIRA (ART. 475-N, PARÁGRAFO ÚNICO, DO CPC) PROCESSO DE EXECUÇÃO OU EXECUÇÃO SINCRETIZADA (CUMPRIMENTO)? J.E. Carreira Alvim Doutor em Direito pela UFMG;

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho.

ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho. ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista: 1.1. Quais os princípios que regem

Leia mais

EXECUÇÃO. CONCEITO: Conjunto de atividades atribuídas aos órgãos. judiciários para a realização prática de uma vontade

EXECUÇÃO. CONCEITO: Conjunto de atividades atribuídas aos órgãos. judiciários para a realização prática de uma vontade EXECUÇÃO CONCEITO: Conjunto de atividades atribuídas aos órgãos judiciários para a realização prática de uma vontade concreta da lei previamente consagrada num título. Ou como o conjunto de atos jurisdicionais

Leia mais

DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) O Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) O Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro, no uso de suas atribuições legais, DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) Regulamenta os arts. 5º a 9º e 23, da Lei nº 5.546, de 27 de dezembro de 2012, que instituem remissão, anistia e parcelamento estendido,

Leia mais

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026.

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026. Escritura pública de inventário e partilha Documentos Necessários A relação de documentos necessários para uma escritura pública de inventário e partilha, especialmente quando contemplam bens imóveis,

Leia mais

JOÃO ROBERTO PARIZATTO EXECUÇÃO NO ATUAL E NO NOVO CPC

JOÃO ROBERTO PARIZATTO EXECUÇÃO NO ATUAL E NO NOVO CPC JOÃO ROBERTO PARIZATTO EXECUÇÃO NO ATUAL E NO NOVO CPC SUMÁRIO PROCESSO DE EXEC ção Inadimplemento da obrigação... 1 Existência de título executivo... 2 Legitimidade para propor a execução... 2 Legitimidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA FAZENDA PUBLICADO NO DOU DE 06/02 SEÇÃO 1, PÁG. 53 Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014 Disciplina o parcelamento do valor correspondente à

Leia mais

DIREITO CIVIL. 5. A simples interpretação de cláusula contratual não enseja recurso especial.

DIREITO CIVIL. 5. A simples interpretação de cláusula contratual não enseja recurso especial. SÚMULAS DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA - STJ DIREITO CIVIL 5. A simples interpretação de cláusula contratual não enseja recurso especial. c Art. 105, III, da CF. c Art. 257 do RISTJ. 16. A legislação

Leia mais

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual.

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual. PROCESSO FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO FORMAÇÃO DO PROCESSO- ocorre com a propositura da ação. Se houver uma só vara, considera-se proposta a ação quando o juiz despacha a petição inicial; se houver

Leia mais

Usufruto e direitos reais de garantia

Usufruto e direitos reais de garantia Usufruto e direitos reais de garantia Usufruto O usufruto pode recair sobre todo o patrimônio do nu-proprietário ou sobre alguns bens, móveis ou imóveis, e abrange não apenas os bens em si mesmos, mas

Leia mais

NULIDADE POR FALTA DE INTIMAÇÃO DA AVALIAÇÃO.

NULIDADE POR FALTA DE INTIMAÇÃO DA AVALIAÇÃO. NULIDADE POR FALTA DE INTIMAÇÃO DA AVALIAÇÃO. A inexistência de intimação para o devedor se manifestar em relação à avaliação realizada implica em nulidade do processo. Esse fato macula de nulidade a arrematação

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Rômulo Delgado Silva, brasileiro, viúvo, empresário, portador da identidade 113, CPF 114, residente e domiciliado na Avenida Brás Montes, casa 72 Boa Vista Roraima

Leia mais

Dívidas não parceladas anteriormente

Dívidas não parceladas anteriormente Débitos abrangidos Dívidas não parceladas anteriormente Artigo 1º da Portaria Conjunta PGFN/RFB nº 6, de 2009 Poderão ser pagos ou parcelados, em até 180 (cento e oitenta) meses, nas condições dos arts.

Leia mais

Rio de Janeiro, 26 de julho de 2011.

Rio de Janeiro, 26 de julho de 2011. Rio de Janeiro, 26 de julho de 2011. Ementa: Direito Administrativo e tributário. Desapropriação de imóvel urbano Responsabilidade pelo pagamento da dívida de IPTU e Compensação com o valor a ser recebido

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 6.525, DE 2013 (Do Sr. Carlos Bezerra)

PROJETO DE LEI N.º 6.525, DE 2013 (Do Sr. Carlos Bezerra) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 6.525, DE 2013 (Do Sr. Carlos Bezerra) Altera a Lei nº 9.514, de 20 de novembro de 1997, que "Dispõe sobre o Sistema de Financiamento Imobiliário, institui a alienação

Leia mais

Lei nº 11.196, de 21.11.2005 (DOU-1 22.11.2005)

Lei nº 11.196, de 21.11.2005 (DOU-1 22.11.2005) LUCRO IMOBILIÁRIO PESSOA FÍSICA ISENÇÃO E TRIBUTAÇÃO PELO IMPOSTO DE VENDA NOVA GARANTIA DA LOCAÇÃO: FUNDO DE INVESTIMENTO INCORPORAÇÃO POSSE EM ÁREAS PÚBLICAS Lei nº 11.196, de 21.11.2005 (DOU-1 22.11.2005)

Leia mais

Analista Judiciário TRT/RS

Analista Judiciário TRT/RS 8. EXECUÇÃO A execução é fase diferenciada do processo, visando o cumprimento da sentença ou do acordo firmado entre as partes. Regra geral, é deflagrada de ofício pelo juiz (embora possa ser deflagrada

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador PAULO PAIM

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador PAULO PAIM PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 39, de 2007, do Senador Alvaro Dias, que Acrescenta o art. 879-A ao Decreto-Lei nº 5.452,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.668, DE 25 DE JUNHO DE 1993. Dispõe sobre a constituição e o regime tributário dos Fundos de Investimento Imobiliário e dá

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 8.245, de 18 de outubro de 1991, que dispõe sobre as locações de imóveis urbanos e os procedimentos pertinentes. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei introduz alteração na Lei

Leia mais

PENHORA. Conceito de penhora...,... 1 Expropriação de bens do devedor... 1

PENHORA. Conceito de penhora...,... 1 Expropriação de bens do devedor... 1 SUMÁRIO PENHORA Conceito de penhora..............,..................... 1 Expropriação de bens do devedor... 1 INCIDÊNCIA DA PENHORA... 2 -Suficiência. Adequação... 2 -Local de realização......... 3 -Inutilidade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.382, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2006. Mensagem de veto Altera dispositivos da Lei n o 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de

Leia mais

INICIAÇÃO A ADVOCACIA CIVEL ASPECTOS GERAIS

INICIAÇÃO A ADVOCACIA CIVEL ASPECTOS GERAIS COBRANÇA DE HONORÁRIOS ASPECTOS GERAIS ESTATUTO DA ADVOCACIA CAPÍTULO VI Dos Honorários Advocatícios Art. 22. A prestação de serviço profissional assegura aos inscritos na OAB o direito aos honorários

Leia mais

DO PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL DE CRÉDITOS FISCAIS DOS CONSELHOS FEDERAL E REGIONAIS DE FARMÁCIA PRF/CFF-CRF

DO PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL DE CRÉDITOS FISCAIS DOS CONSELHOS FEDERAL E REGIONAIS DE FARMÁCIA PRF/CFF-CRF PORTARIA Nº 1907 Ementa: Regulamenta no âmbito do CRF/SC o Programa de Recuperação Judicial e Extrajudicial de Créditos Fiscais dos Conselhos Federal e Regionais de Farmácia PRF/CFF-CRF. A Presidente do

Leia mais

Peça prático-profissional

Peça prático-profissional Peça prático-profissional Marilza assinou 5 notas promissórias, no valor de R$ 1.000,00 cada uma, para garantir o pagamento de um empréstimo tomado de uma factoring chamada GBO Ltda. Recebeu na data de

Leia mais

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social 1.4.7.3. Contribuições do art.195 CF Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social (previdência, saúde e assistência social), espécies de contribuições sociais, como

Leia mais

Decisões do STJ garantem aplicação ampla à impenhorabilidade do bem de família

Decisões do STJ garantem aplicação ampla à impenhorabilidade do bem de família Decisões do STJ garantem aplicação ampla à impenhorabilidade do bem de família Ter casa própria é uma conquista protegida por lei. Há pouco mais de duas décadas, a definição do chamado bem de família vem

Leia mais

LEI Nº 11.608, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI Nº 11.608, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2003 LEI Nº 11.608, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2003 Dispõe sobre a Taxa Judiciária incidente sobre os serviços públicos de natureza forense O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa

Leia mais

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Regulamenta o oferecimento e a aceitação do seguro garantia judicial para execução fiscal e seguro garantia parcelamento administrativo fiscal para

Leia mais

Alimentos e a incidência da multa

Alimentos e a incidência da multa Alimentos e a incidência da multa Maria Berenice Dias www.mbdias.com.br www.mariaberenice.com.br www.direitohomoafetivo.com.br Foi recebido com grande resistência, e até com certa desconfiança, o fim do

Leia mais

PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE VEÍCULO AUTOMOTOR APREENDIDO POR CONTA DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA

PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE VEÍCULO AUTOMOTOR APREENDIDO POR CONTA DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE VEÍCULO AUTOMOTOR APREENDIDO POR CONTA DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA Realização de promessa de venda e compra de veículos apreendidos, objeto de busca e apreensão, em face de alienação

Leia mais

Contatos RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS. Conectando Oportunidades em Fusões & Aquisições LEI DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS (LEI Nº 11.101, DE 09/02/2005).

Contatos RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS. Conectando Oportunidades em Fusões & Aquisições LEI DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS (LEI Nº 11.101, DE 09/02/2005). A nova legislação brasileira destinada às empresas em dificuldades econômico-financeiras. Lei de Recuperação de Empresas disciplina a recuperação judicial, a recuperação extrajudicial. Aspectos legais.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. Regis de Oliveira) O Congresso Nacional decreta: Capítulo I DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. Regis de Oliveira) O Congresso Nacional decreta: Capítulo I DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Regis de Oliveira) Dispõe sobre a execução administrativa da Dívida Ativa da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Municípios, de suas respectivas autarquias e

Leia mais