algumas curiosidades sobre O DINHEIRO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "algumas curiosidades sobre O DINHEIRO"

Transcrição

1 algumas curiosidades sobre O DINHEIRO

2 O que é o dinheiro? 01 O dinheiro são as moedas e as notas (papel-moeda). Mas o dinheiro é mais do que um pedaço de papel ou metal, o dinheiro representa um valor que é respeitado e aceite por todos. Assim, o dinheiro é um meio de troca. O valor do dinheiro é o que se pode comprar com ele. O dinheiro é também uma unidade de conta. Pode ser contado facilmente e permite que seja atribuído um valor claro aos outros bens o preço. Por fim, o dinheiro é também uma forma de guardar um valor para o futuro. Desta forma, por exemplo, podemos guardar dinheiro para comprar uma coisa cara no futuro.

3 Qual a origem das palavras moeda e dinheiro? 02 Hoje a nossa moeda é o Euro, mas na Antiga Roma a moeda era o denário (do latim denarium > dinheiro). A casa onde eram da deusa Juno Moneta (do latim moneta > moeda).

4 O dinheiro de plástico são os cartões bancários (de crédito e de débito) que as pessoas usam para pagar as coisas sem terem de andar com dinheiro (notas e moedas). 03 O que é o dinheiro de plástico?

5 04 De onde vem o dinheiro? A emissão do dinheiro nos diversos países é da responsabilidade dos bancos emissores. Em Portugal, o banco emissor é o Banco de Portugal. 05 O Banco de Portugal pode emitir o dinheiro que quiser? Não, a quantidade de moeda (notas e moedas) emitida por cada país é controlada pelo BCE Banco Central Europeu. Por isso, o Banco de Portugal e todos os outros bancos centrais do Eurosistema só podem emitir a moeda sob autorização expressa do BCE.

6 06 O dinheiro é igual em todos os Países? Não, cada país, em regra, tem a sua moeda. Por exemplo, no Brasil é o Real (R$), nos Estados Unidos é o Dólar ($), na Inglaterra é a Libra Esterlina ( ) e no Japão é o Yen ( ). Em Portugal a moeda é o Euro ( ) desde 1 de Janeiro de Antes, a moeda em Portugal era o Escudo. O Euro é também a moeda de mais países da União Europeia. É um caso único no mundo, a mesma moeda circular em vários países por acordo entre eles. Resulta de um acordo da União Europeia que criou o Euro e o BCE Banco Central Europeu que controla a sua circulação em conjunto com os bancos centrais dos países Eurosistema. O Euro adopta a sigla EUR e o símbolo. Os países da União Europeia são livres de aderir e adoptar o Euro. Neste momento, há 16 países que já o adoptaram: Alemanha, Áustria, Bélgica, Chipre, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Malta e Portugal.

7 Que denominações existem para as moedas e notas de euro? 07 Nas moedas existem 8 denominações: 1, 2, 5, 10, 20 e 50 cêntimos, 1 e 2 euros. Nas notas existem 7 denominações: 5, 10, 20, 50, 100, 200 e 500 euros. Sim, existe a nota de 500 euros, é a nota de maior valor do mundo. Já viste alguma? 08 As moedas de euro são iguais em todos os países? Não, as moedas têm uma face comum e uma face diferente, em cada país em que são emitidas. Cada país tem a responsabilidade pelo fabrico das moedas que emite. No entanto, as moedas podem circular livremente em todos os países, independentemente do país em que foram emitidas.

8 09 E as notas? As notas não apresentam diferenças, independentemente do país em que são emitidas. A produção de notas de euros é feita de forma descentralizada. Isto significa que cada banco central é responsável pela produção de uma ou mais denominações, para si próprio e para fornecer a outros bancos centrais, conforme os acordos celebrados entre eles. 10 O Banco de Portugal é que fabrica as notas e moedas do Euro? Não, o fabrico do dinheiro (cunhagem das moedas e impressão das notas) é feito por empresas especializadas, sob o controlo dos bancos emissores. Em Portugal, as moedas são cunhadas pela INCM Imprensa Nacional Casa da Moeda e existe uma empresa VALORA, Serviços de Apoio à Emissão Monetária, SA que fabrica notas.

9 11 O papel das notas é diferente? O papel utilizado na produção das notas é especial, incorporando fibras de algodão, o mesmo que é usado para fazer calças e camisas, que lhe conferem uma textura particular e reconhecível ao tacto. Uma nota de papel não conseguia durar tanto, as fibras de algodão são adicionadas para tornar o papel das notas mais resistente e assim poder durar muito mais. No fabrico do papel são também adicionadas fibras fluorescentes e incorporados outros elementos que permitem garantir o reconhecimento de notas genuínas por diversos equipamentos, como as máquinas de venda automática que as aceitam. Ao papel com que são feitas as notas chama-se papel fiduciário.

10 12 Posso fazer um pagamento de 150 com moedas de 2? Legalmente, o aceitante (vendedor) só é obrigado a receber até 50 moedas num único pagamento. A esta capacidade das notas e moedas para fazer pagamentos dá-se o nome de poder liberatório. Assim, o poder liberatório das moedas metálicas de euro está limitado legalmente a 50 moedas. Por isso, o vendedor só é obrigado a receber até 50 moedas de 2, o que perfaz 100, pode-se recusar a receber os restantes 50 em moedas e exigi-lo em notas.

11 13 E um banco pode recusar-se a receber uma quantidade superior a 50 moedas? Não, as instituições de crédito são obrigadas a receber qualquer quantidade de moedas. A limitação da obrigatoriedade de receber mais de 50 moedas metálicas não abrange o Estado, o Banco de Portugal e as instituições de crédito. Estas entidades são obrigadas a receber qualquer quantidade de moedas num único pagamento. 14 E as notas, também há um limite? No caso das notas, o poder liberatório é ilimitado, independentemente do seu valor nominal. Assim, podem-se efectuar pagamentos de qualquer valor, por mais elevado que seja, apenas com notas de 5.

12 15 Posso exigir ao Banco de Portugal o valor em ouro de uma ou mais notas de euro? Não. O Euro, tal como todos os sistemas monetários da actualidade, não segue o padrão-ouro, pelo que não existe a obrigatoriedade do banco converter as notas por ele emitidas na quantidade de ouro (ou prata) que cada uma representava, sempre que um cliente o solicite. 16 O que devo fazer se tiver uma nota danificada? Deves dirigir-te a um balcão do Banco de Portugal (ou de outro banco central do Eurosistema) que fará os exames adequados e poderá exigir a mutilação e o sucedido às partes da nota em falta.

13 17 Se eu receber uma moeda ou nota falsa e a entregar no banco é-me devolvido o seu valor? Não. Nas situações de retenção de uma nota falsa, a instituição de crédito deverá emitir um recibo ou talão discriminado das notas toda a informação relevante para posterior investigação policial, como Por isso, nunca tentes passar a outra pessoa uma nota ou moeda. Se a pessoa que a receber a entregar podes vir a ser investigado pela polícia. 18 Como devo proceder se receber uma nota ou moeda falsa/contrafeita? No caso de receberes em pagamento ou troco uma nota ou moeda falsa ou contrafeita (ou que desconfies que é) deves: - Reter todos os dados relativos à pessoa que lhe terá passado a nota e/ou moeda falsa/contrafeita ou suspeita de ser

14 falsa/contrafeita bem como as circunstâncias em que tal transmissão ocorreu. Essas informações serão muito importantes para a intervenção das entidades policiais; - Dirigires-te à Polícia Judiciária, ao Banco de Portugal ou a qualquer instituição de crédito. Estas entidades estão aptas a avaliar a autenticidade da moeda ou nota e caso se confirme que não é autêntica, estão obrigados legalmente a proceder à sua retenção. - Relatar as circunstâncias em que a nota e/ou moeda falsa/contrafeita ou suspeita de ser falsa/contrafeita te foi entregue. São estas as recomendações do Banco de Portugal. 19 Uma nota rasgada perde o seu valor? Depende. Em caso de dano ou mutilação de uma nota de euro, existe a possibilidade do seu detentor proceder à sua troca por outra nota de igual valor se: a) for confirmada a autenticidade da nota; b) a fracção da nota mutilada for superior a 50% ou, não o sendo, se conseguir provar que a parte em falta foi destruída.

15 20 Se todos fizéssemos notas ficávamos ricos? Não! Na realidade isso faria todos pobres. É que se todos tivéssemos o dinheiro que quiséssemos, o dinheiro perdia o valor e passava a valer praticamente nada. Um pão poderia custar Por isso, com só poderias comprar dois pães! E quanto mais dinheiro se fabricar menos valor tem cada nota. Por isso é que existem os bancos emissores e o BCE que controla de forma rigorosa o fabrico de notas e moedas 21 Se eu ganhar muito dinheiro fico rico? Não é verdade. Tu podes ganhar muito dinheiro mas isso não faz ti rico. Porquê? Porque tu podes gastar também muito dinheiro! É por isso que é importante guardar algum dinheiro e não gastar todo o dinheiro que se ganha. É importante poupar. Se tu ganhares por mês e gastares 5.000, chegas ao fim do mês com menos dinheiro de que alguém que ganha 500 mas só gasta 400.

16 O Projecto Matemática Ensino/Universidade de Aveiro, em parceria com a Caixa Geral de Depósitos desenvolveram o projecto EDUCAÇÃO +, que visa contribuir para a Literacia Financeira das mais variadas faixas etárias.

VIAGEM À HISTÓRIA DA MOEDA

VIAGEM À HISTÓRIA DA MOEDA VIAGEM À HISTÓRIA DA MOEDA Diariamente utilizamos dinheiro para comprar o que desejamos ou precisamos, como alimentos, roupa, jogos, gelados, bilhetes de cinema, livros e muitas outras coisas Actualmente,

Leia mais

prodep ANTES DA MOEDA ÚNICA: Até 31 de Dezembro de 1998, cada país da UE tinha a sua moeda:

prodep ANTES DA MOEDA ÚNICA: Até 31 de Dezembro de 1998, cada país da UE tinha a sua moeda: ANTES DA MOEDA ÚNICA: Até 31 de Dezembro de 1998, cada país da UE tinha a sua moeda: Portugal Escudo Bélgica Franco belga Dinamarca Coroa dinamarquesa Alemanha Marco alemão Grécia Dracma Espanha Peseta

Leia mais

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 3.1. Cartões de crédito Comissões (Euros) Redes onde o cartão é aceite 1. Anuidades 1 1.º Titular Outros Titulares 2. Emissão de cartão 1 3. Substituição de cartão 2 4. Inibição do cartão 5. Pagamentos

Leia mais

A estabilidade de preços é importante porquê? Brochura informativa para os alunos

A estabilidade de preços é importante porquê? Brochura informativa para os alunos A estabilidade de preços é importante porquê? Brochura informativa para os alunos O que é que podes comprar com uma nota de 10? Que tal dois CD-singles ou talvez a tua revista preferida todas as semanas,

Leia mais

A moeda-mercadoria. A moeda era uma mercadoria que tinha uma utilidade específica e, ao mesmo tempo, desempenhava as funções da moeda.

A moeda-mercadoria. A moeda era uma mercadoria que tinha uma utilidade específica e, ao mesmo tempo, desempenhava as funções da moeda. Evolução da moeda A moeda-mercadoria A moeda era uma mercadoria que tinha uma utilidade específica e, ao mesmo tempo, desempenhava as funções da moeda. O sal, o chá, o tabaco, o peixe seco, conchas, metais

Leia mais

2. Emissão de. Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. cartão. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44

2. Emissão de. Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. cartão. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é aceite 1.º Titular Outros Titulares de (5) (1) 5. Recuperação de valores em divida (6) Millennium bcp Business Silver 28,85 19,23 26,44 Millennium

Leia mais

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015 Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS O Preçário completo da Agência de Câmbios Central, Lda., contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

3. Substituiçã o de cartão. 4. Inibição do cartão. 2. Emissão do Cartão. Isento Isento -- -- 25,00 (4) Ver Nota (2).

3. Substituiçã o de cartão. 4. Inibição do cartão. 2. Emissão do Cartão. Isento Isento -- -- 25,00 (4) Ver Nota (2). 3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (CLIENTES PARTICULARES) - FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Entrada em vigor: 04-agosto-2015 3.1. Cartões de Crédito Designação do cartão Redes onde o cartão é aceite Barclays

Leia mais

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA?

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA? 1 NOTA INFORMATIVA 1. O que é a SEPA? Para harmonização dos sistemas de pagamento no espaço europeu no sentido de impulsionar o mercado único, foi criada uma Área Única de Pagamentos em Euro (denominada

Leia mais

Sessão de esclarecimento sobre o euro. impacto nos negócios, na contabilidade e na fiscalidade 1998.Novembro.28. etapas

Sessão de esclarecimento sobre o euro. impacto nos negócios, na contabilidade e na fiscalidade 1998.Novembro.28. etapas Sessão de esclarecimento sobre o euro impacto nos negócios, na contabilidade e na fiscalidade 1998.Novembro.28 Consultores de Gestão etapas 1.Jan.1999 entra em vigor o EURO (moeda escritural) não obrigação

Leia mais

Directiva Europeia para a Igualdade de Tratamento no Emprego e na actividade profissional Inclusion Europe

Directiva Europeia para a Igualdade de Tratamento no Emprego e na actividade profissional Inclusion Europe Directiva Europeia para a Igualdade de Tratamento no Emprego e na actividade profissional Inclusion Europe Relatório A Inclusion Europe e os seus 49 membros de 36 países lutam contra a exclusão social

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR

TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR Revogada pela RN 020/06 Resolução Normativa RN-007/2006 Revoga a RN 001/05 TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR O Presidente do CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPq,

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE 9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas. 2

Leia mais

SEPA - Single Euro Payments Area

SEPA - Single Euro Payments Area SEPA - Single Euro Payments Area Área Única de Pagamentos em euros APOIO PRINCIPAL: APOIO PRINCIPAL: Contexto O que é? Um espaço em que consumidores, empresas e outros agentes económicos poderão efectuar

Leia mais

Instrução n. o 9/2014 BO n. o 6 16-06-2014...

Instrução n. o 9/2014 BO n. o 6 16-06-2014... Instrução n. o 9/2014 BO n. o 6 16-06-2014 Temas Operações Bancárias Notas e Moedas Euro Índice Texto da Instrução Anexo Texto da Instrução Assunto: Reporte de informação relativa à verificação da autenticidade

Leia mais

REGULAMENTO. Presenteador: É a pessoa física ou jurídica que adquire o VALE-VIAGEM CVC, mediante a compra direta de cargas de valores.

REGULAMENTO. Presenteador: É a pessoa física ou jurídica que adquire o VALE-VIAGEM CVC, mediante a compra direta de cargas de valores. REGULAMENTO A CVC BRASIL OPERADORA E AGÊNCIA DE VIAGENS S.A., o Presenteador e o Presenteado do VALE-VIAGEM CVC, a primeira, na qualidade de prestadora de serviços de turismo, e o segundo, aderindo às

Leia mais

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS:

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: Acesso a cuidados de saúde programados na União Europeia, Espaço Económico Europeu e Suiça. Procedimentos para a emissão do Documento

Leia mais

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) ( ÍNDICE)

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) ( ÍNDICE) 3.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Classic Estrangeiro: Rede 28,85 28,85 19,23 19,23 Isenção

Leia mais

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV DOCUMENTO 3 DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS TITULARES DOS CARTÕES EUROPEUS DE SEGURO DE DOENÇA OU DE DOCUMENTOS EQUIVALENTES NA SEQUÊNCIA DAS ALTERAÇÕES DO PONTO I DA ALÍNEA A)

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação Banco BPI, Sociedade

Leia mais

FAQ S. Sobre o cartão Pré-Pago Unicâmbio

FAQ S. Sobre o cartão Pré-Pago Unicâmbio FAQ S Sobre o cartão Pré-Pago Unicâmbio Quais as vantagens do Cartão Pré-Pago Unicâmbio em relação aos Cartões de Crédito? A principal vantagem do Cartão Pré-Pago Unicâmbio é a segurança. Como se sabe

Leia mais

REGULAMENTO. Capítulo 1º. Definições:

REGULAMENTO. Capítulo 1º. Definições: REGULAMENTO A OPERADORA E AGÊNCIA DE VIAGENS CVC TUR LTDA., o Presenteador e o Presenteado do VALE-VIAGEM CVC, a primeira, na qualidade de prestadora de serviços de turismo, e o segundo, aderindo às condições

Leia mais

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações).

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações). Estatísticas do Comércio Internacional 214 7 de julho de 215 Resultados preliminares do Comércio Internacional em 214: em termos nominais, as exportações aumentaram 1,8% e as importações aumentaram 3,2%

Leia mais

TABELA DE SERVIÇOS BÁNCARIOS

TABELA DE SERVIÇOS BÁNCARIOS SALDOS MÍNIMOS NECESSÁRIOS: Conta Corrente Pessoa Física (PF) $5,000.00 $5,000.00 Pessoa Jurídica (PJ) $10,000.00 $10,000.00 "Money Market" $20,000.00 $20,000.00 Certificado de Depósito $50,000.00 Não

Leia mais

A introdução da moeda nas transações comerciais foi uma inovação que revolucionou as relações econômicas.

A introdução da moeda nas transações comerciais foi uma inovação que revolucionou as relações econômicas. Módulo 14 O Mercado Monetário 14.1. A Moeda A introdução da moeda nas transações comerciais foi uma inovação que revolucionou as relações econômicas. Moeda é um ativo com o qual as pessoas compram e vendem

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 21/12 Economia 20/12 Demografia Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 http://www.ine.pt/portal/page/portal/portal_ine/publicacoes?publicacoespub_boui=10584451&publicacoesm

Leia mais

Certificação de Software. Impacto nas operações das empresas

Certificação de Software. Impacto nas operações das empresas Certificação de Software Impacto nas operações das empresas Perguntas e respostas sobre o impacto da nova legislação relativa à certificação de software Page 2 of 5 Introdução A Portaria n.º 363/2010 de

Leia mais

TEXTO consolidado CONSLEG: 2001O0008 01/10/2001. produzido pelo sistema CONSLEG. Serviço das Publicações Oficiais das Comunidades Europeias

TEXTO consolidado CONSLEG: 2001O0008 01/10/2001. produzido pelo sistema CONSLEG. Serviço das Publicações Oficiais das Comunidades Europeias PT TEXTO consolidado produzido pelo sistema CONSLEG do Serviço das Publicações Oficiais das Comunidades Europeias CONSLEG: 2001O0008 01/10/2001 Número de páginas: 7 < Serviço das Publicações Oficiais das

Leia mais

Preçário ONEY - INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Instituição Financeira de Crédito

Preçário ONEY - INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Instituição Financeira de Crédito Preçário ONEY - INSTITUIÇÃO FINCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Instituição Financeira de Crédito Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data

Leia mais

Cartilha de Câmbio. Envio e recebimento de pequenos valores

Cartilha de Câmbio. Envio e recebimento de pequenos valores 2009 Cartilha de Câmbio Envio e recebimento de pequenos valores Apresentação O Banco Central do Brasil criou esta cartilha para orientar e esclarecer você, que precisa negociar moeda estrangeira, sobre

Leia mais

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE)

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE) 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é 3. Substituição de 4. Inibição do 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Business 43,27 43,27

Leia mais

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE)

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE) 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é 3. Substituição de 4. Inibição do 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Business Estrangeiro:

Leia mais

Dos documentos que se seguem quais os necessários para abrir uma conta num banco?

Dos documentos que se seguem quais os necessários para abrir uma conta num banco? Quais as principais funções de um banco? A Captar depósitos e gerir a poupança dos seus clientes. B Conceder empréstimos a empresas, particulares e ao Estado. C Disponibilizar meios e formas de pagamento

Leia mais

FAQ s Tecnologia Contactless

FAQ s Tecnologia Contactless FAQ s Tecnologia Contactless 1. A implementação da tecnologia Contactless obrigará à substituição dos terminais de pagamento (TPA), por parte dos comerciantes, para aceitação de pagamentos com cartão que

Leia mais

Certificação de Software. Impacto nas operações das empresas

Certificação de Software. Impacto nas operações das empresas Certificação de Software Impacto nas operações das empresas Perguntas e respostas sobre o impacto da nova legislação relativa à certificação de software Page 2 of 5 Introdução A Portaria n.º 363/2010 de

Leia mais

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos Geografia Econômica Mundial Aula 4 Prof. Me. Diogo Labiak Neves Organização da Aula Tipologias de blocos econômicos Exemplos de blocos econômicos Algumas características básicas Blocos Econômicos Contextualização

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

Este caderno destina-se, fundamentalmente, a prestar informação no domínio do conhecimento das notas e moedas de euro e a divulgar as boas práticas

Este caderno destina-se, fundamentalmente, a prestar informação no domínio do conhecimento das notas e moedas de euro e a divulgar as boas práticas Este caderno destina-se, fundamentalmente, a prestar informação no domínio do conhecimento das notas e moedas de euro e a divulgar as boas práticas associadas à sua utilização, com o objectivo de contribuir

Leia mais

Processo de Pagamento de solicitações de ingressos para o Público Geral para a Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014

Processo de Pagamento de solicitações de ingressos para o Público Geral para a Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 1. Quais são os meios de pagamento aceitos? Nas Fases de Vendas nº 1 e nº 2, é possível realizar pagamentos para compra de Ingressos pelos seguintes meios: - Cartão de pagamento - VISA - Outros cartões

Leia mais

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes Este folheto explica as regras que se aplicam ao Benefício de

Leia mais

Cash Passport Multi Moeda Cartão pré-pago da MasterCard

Cash Passport Multi Moeda Cartão pré-pago da MasterCard Cash Passport Multi Moeda Cartão pré-pago da MasterCard Page 1 Cash Passport Multi Moeda Cartão Pré-pago da MasterCard Conceito Uma alternativa moderna, prática e segura na hora de levar dinheiro em suas

Leia mais

1. Requisitos quanto a detecção e sensores

1. Requisitos quanto a detecção e sensores TERMOS DE REFERÊNCIA DO EUROSISTEMA PARA A UTILIZAÇÃO DE MÁQUINAS DE DEPÓSITO, ESCOLHA E LEVANTAMENTO POR INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO, BEM COMO QUALQUER OUTRA INSTITUIÇÃO DA ÁREA DO EURO, QUE INTERVENHAM,

Leia mais

Não aplicável (conta não remunerada)

Não aplicável (conta não remunerada) Designação Conta 18-23 Condições de Acesso Clientes Particulares com idades compreendidas entre os 18 e os 23 anos Modalidade Depósito à Ordem Meios de Movimentação Cartão de débito, cheque, ordem de transferência,

Leia mais

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente 1 Proposta de Adesão Particulares Cartão de Crédito Miles & More Gold da Caixa (para residentes no estrangeiro) Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

Leia mais

Material de Estudo para Recuperação 6 ano Historia do dinheiro no Brasil escambo 2.1- Outras formas de dinheiro cheque cartão de crédito

Material de Estudo para Recuperação 6 ano Historia do dinheiro no Brasil escambo 2.1- Outras formas de dinheiro cheque cartão de crédito Material de Estudo para Recuperação 6 ano Historia do dinheiro no Brasil Já imaginou como seria a vida sem usar o dinheiro? Estranho, não? Pois há muitos e muitos séculos atrás ele não existia, mas, como

Leia mais

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente. Nome Completo B.I./ Cartão Cidadão Nº Contribuinte Código Repartição Finanças Morada de residência

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente. Nome Completo B.I./ Cartão Cidadão Nº Contribuinte Código Repartição Finanças Morada de residência 1 Proposta de Adesão de Crédito - Particulares Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ Identificação do titular Nome Completo B.I./ Cidadão Nº Contribuinte

Leia mais

«PAGARÁ À VISTA AO PORTADOR»

«PAGARÁ À VISTA AO PORTADOR» «PAGARÁ À VISTA AO PORTADOR» A garantia de pagamento nas emissões de moeda metálica e moeda fiduciária para as ex-colónias Desde 1864 data da sua fundação que o Banco Nacional Ultramarino funcionava como

Leia mais

Millennium bcp 2 Julho 2011

Millennium bcp 2 Julho 2011 Preçário de Títulos Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis do investimento

Leia mais

Preçário ONEY - INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Instituição Financeira de Crédito

Preçário ONEY - INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Instituição Financeira de Crédito Preçário ONEY - INSTITUIÇÃO FINCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Instituição Financeira de Crédito Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data

Leia mais

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44 Quadro Número de empresas de seguros a operar em Portugal 24 Vida Não Vida Mistas Total Em regime de estabelecimento 2 46 2 78 Empresas de seguros de direito português 5 23 6 44 Empresas de seguros 5 2

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

- Reforma do Tesouro Público

- Reforma do Tesouro Público - Reforma do Tesouro Público Em Novembro de 1997 foram definidas as opções estratégicas do Ministério das Finanças para a adopção da moeda Única ao nível da Administração Financeira do Estado. Estas opções,

Leia mais

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012?

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? junho 2012 PASSO A PASSO 1. 2. 3. 4. A União Europeia Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? Ano Europeu 2012: curiosidades iniciativas quiz Links para saber mais 1. A União Europeia 27 Estados-Membros

Leia mais

Resumo. As novas regras de Faturação para 2013

Resumo. As novas regras de Faturação para 2013 Resumo As novas regras de Faturação para 2013 Fontes: Decreto-Lei n.º 197/2012 Decreto-Lei n.º 198/2012 Ofícios Circulados 30.136 OE 2013 e restantes comunicações da AT Resumo 1. Regras de Faturação 2.

Leia mais

www.ebase.pt Mudança da Moeda Local de Escudo para Euro

www.ebase.pt Mudança da Moeda Local de Escudo para Euro www.ebase.pt Mudança da Moeda Local de Escudo para Euro Índice Requisitos... 3 Preparação... 3 A Fazer... 3 Ficheiro de Moedas... 3 Configuração Modo de funcionamento... 4 Notas finais...5 Informação Geral...

Leia mais

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo Designação Caixa Eurostoxx Down maio 2015_PFC Classificação Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Caracterização do Produto Garantia de Capital O Caixa Eurostoxx Down maio 2015 é um depósito indexado

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

Bruxelles, 1 de fevereiro 2002

Bruxelles, 1 de fevereiro 2002 Bruxelles, 1 de fevereiro 2002 O êxito e a celeridade desta operação são devidos a dois factores principais. Em primeiro lugar, o tremendo entusiasmo com que os cidadãos europeus acolheram a chegada das

Leia mais

Seu guia completo para nossos serviços móveis

Seu guia completo para nossos serviços móveis Seu guia completo para nossos serviços móveis Entre na maior comunidade de serviços móveis das Ilhas do Canal Guernsey GRÁTIS www.jtglobal.com Pesquise por Jtsocial A JT oferece mais Custo/benefício A

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA 1952 CECA (TRATADO DE PARIS 18 de Abril 1951) Países aderentes: França Alemanha Bélgica Holanda Luxemburgo Itália Objectivos do Tratado de Paris: Criação do Mercado Comum

Leia mais

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO O PÓS-EURO A B C D E MÓDULO V O Euro face às s principais moedas internacionais Pacto de Estabilidade e Crescimento O Tratado de Amesterdão O Tratado de Nice Reforçar e Reformar as Políticas da União na

Leia mais

Preçário BBVA, INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, SA. Instituição Financeira de Crédito

Preçário BBVA, INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, SA. Instituição Financeira de Crédito Preçário BBVA, INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, SA Instituição Financeira de Crédito Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do(a) BBVA,

Leia mais

SISTEMA CLÁSSICO DE REDUÇÃO

SISTEMA CLÁSSICO DE REDUÇÃO Page 1 of 6 SISTEMA CLÁSSICO DE REDUÇÃO Este documento irá ensinar-lhe como pode fazer um desdobramento reduzido, segundo o processo clássico (italiano) para qualquer sistema 5/50, em particular para o

Leia mais

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES)

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) 3.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é aceite 1. Anuidades 1.º Titular Outros titulares Comissões (Euros) 2. Emissão de 3. Substituição de 4. Inibição do 5. Pagamento devolvido NB Verde --

Leia mais

Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO

Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO Conteúdo Condições para crédito a descoberto... 3 Artigo 1. Definições... 3 Artigo 2. Relação contratual... 3 2.1 Aceitação... 3 2.2 Bureau krediet registratie

Leia mais

Geografia 03 Tabata Sato

Geografia 03 Tabata Sato Geografia 03 Tabata Sato IDH Varia de 0 a 1, quanto mais se aproxima de 1 maior o IDH de um país. Blocos Econômicos Economia Globalizada Processo de Regionalização Tendência à formação de blocos econômicos

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Cartão Europeu de Seguro de Doença Nº: 20/DSPCS DATA: 18/05/04 Para: Todos os serviços dependentes do Ministério da Saúde Contacto

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

MINIGUIA DA EUROPA 2011 Comunicar com os Europeus Línguas Na Europa fala-se muitas línguas, cujas principais famílias são a germânica, a românica, a eslava, a báltica e a céltica. As instituições da União

Leia mais

Reembolso em espécie das prestações acumuladas na Previdência Profissional ao deixar definitivamente a Suíça a partir de 1 de Junho de 2007

Reembolso em espécie das prestações acumuladas na Previdência Profissional ao deixar definitivamente a Suíça a partir de 1 de Junho de 2007 Sicherheitsfonds BVG Geschäftsstelle Postfach 1023 3000 Bern 14 Tel. +41 31 380 79 71 Fax +41 31 380 79 76 Fonds de garantie LPP Organe de direction Case postale 1023 3000 Berne 14 Tél. +41 31 380 79 71

Leia mais

4.1 I tr t o r dução M ed e as a s e ban a co c s C p a í p tul u o o I V 4.1 I tr t o r dução 4.2

4.1 I tr t o r dução M ed e as a s e ban a co c s C p a í p tul u o o I V 4.1 I tr t o r dução 4.2 4.1 Introdução Moedas e bancos Capítulo IV Estudar a moeda é uma atividade que tem fascinado os homens desde a Antigüidade. Nossa sociedade é inconcebível sem a moeda, pois seu papel informacional e eliminador

Leia mais

A unificação monetária européia

A unificação monetária européia A unificação monetária européia Especial Panorama Celeste Cristina Machado Badaró 06 de julho de 2007 A unificação monetária européia Especial Panorama Celeste Cristina Machado Badaró 06 de julho de 2007

Leia mais

2010 Edelman Trust Barometer Março 2010. Resultados para Portugal

2010 Edelman Trust Barometer Março 2010. Resultados para Portugal 2010 Edelman Trust Barometer Março 2010 Resultados para Portugal Edelmen Trust Barometer em Portugal A Ficha Técnica O Universo Indivíduos com telefone fixo e/ou telemóvel, residentes em Portugal, com

Leia mais

ECONOMIA A TESTE DE AVALIAÇÃO COMÉRCIO E MOEDA MARÇO 2007/2008

ECONOMIA A TESTE DE AVALIAÇÃO COMÉRCIO E MOEDA MARÇO 2007/2008 ECONOMIA A TESTE DE AVALIAÇÃO COMÉRCIO E MOEDA MARÇO 2007/2008 No grupo I, em cada um dos itens, seleccione a alternativa correcta. I 1. A Distribuição situa-se entre a Produção e o Consumo. a) A distribuição

Leia mais

1. Lançamento em Contas Bancárias Liquidação de Clientes

1. Lançamento em Contas Bancárias Liquidação de Clientes Título: MÓDULO DE GESTÃO DE BANCOS & CONTROLO LETRAS Pag.: 1 Módulo Gestão Contas Bancárias O módulo Gestão de Contas Bancárias, tem como principal objectivo, permitir ao utilizador saber num exacto momento,

Leia mais

Índice. Introdução 3. Uso e convenção de cheque 3. Contas coletivas. Cotitulares e representantes 8. Regularização de cheques devolvidos 5

Índice. Introdução 3. Uso e convenção de cheque 3. Contas coletivas. Cotitulares e representantes 8. Regularização de cheques devolvidos 5 Índice Introdução 3 Uso e convenção de cheque 3 De que modo devo utilizar o cheque? 3 O que significa utilizar indevidamente o cheque? 3 O que pode acontecer a quem utilizar indevidamente o cheque? 4 O

Leia mais

DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21

DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21 DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21 Dezembro de 1997 Índice 1. Introdução do Euro 2. Preparação e Apresentação das Demonstrações Financeiras 3. Definições

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DO MINISTRO. Art. 1" (Período de dupla circulação monetária)

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DO MINISTRO. Art. 1 (Período de dupla circulação monetária) Art. 1" (Período de dupla circulação monetária) Conjuntamente com as notas e moedas metálicas expressas em eur,os, cuja circulação tem início em 1 de Janeiro de 2002, continuarão a circular, até 28 de

Leia mais

. VALORES MOBILIÁRIOS

. VALORES MOBILIÁRIOS . VALORES 2.. V MOBILIÁRIOS 2. Valores Mobiliários O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos

Leia mais

Facturação (Questões a Abordar)

Facturação (Questões a Abordar) Alterações Legislativas "E-" Dr. Manuel Gonçalves Cecílio ISG Instituto Superior de Gestão 10 Janeiro 2013 1 ção (Questões a Abordar) 1. Emissão de facturas Quem está obrigado; Quais os tipos de documentos

Leia mais

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR Jorge Jacob Agenda: 1 Sinistralidade Rodoviária um flagelo mundial 2 Organização Mundial MACRO 3 WHO The Decade of Action for Road Safety 4 OCDE/ITF - IRTAD 5 UE/Comissão Europeia 6 Portugal: 6.1 Situação

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES

PERGUNTAS FREQUENTES PERGUNTAS FREQUENTES Porque devemos utilizar a empresa Tungsten-Network para enviar as nossas facturas? Para além das vantagens indicadas anteriormente, a facturação electrónica é o método preferido pela

Leia mais

Preçário BANCO DO BRASIL AG - SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO DO BRASIL AG - SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO DO BRASIL AG - SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do Banco do Brasil AG Sucursal em Portugal,

Leia mais

Defesa do Consumidor alerta para casos práticos II

Defesa do Consumidor alerta para casos práticos II Defesa do Consumidor alerta para casos práticos II PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA TERÇA-FEIRA, 29 DE ABRIL DE 2013 POR JM As companhias aéreas não serão consideradas responsáveis se tiverem tomado todas

Leia mais

VALORES MOBILIÁRIOS. Data de Entrada em vigor: 09-Mar-2015. Clientes Particulares e Empresas

VALORES MOBILIÁRIOS. Data de Entrada em vigor: 09-Mar-2015. Clientes Particulares e Empresas Data de Entrada em vigor: 09-Mar-2015 VALORES MOBILIÁRIOS Clientes Particulares e Empresas 21 FUNDOS DE INVESTIMENTO 21.1. Fundos Banif 21.2. Fundos de Terceiros Internacionais 22 TÍTULOS 22.1. Transacção

Leia mais

Noções Básicas de Contabilidade

Noções Básicas de Contabilidade Noções Básicas de Contabilidade Autor Luiz Edgar Medeiros 2009 2006-2008 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores e do detentor

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História Antes do dólar a moeda de referência internacional era a Libra Esterlina, pois a Inglaterra era a grande economia mundial. Somente após a segunda

Leia mais

As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX

As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX Perguntas mais frequentes sobre As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX Quais as empresas que estão obrigadas a enviar os elementos das Facturas à AT? As pessoas, singulares ou colectivas,

Leia mais

Lei Federal de Incentivo ao Esporte Lei n 11.438, de 29/12/2006 Decreto Lei n 6.180, de 3/8/2007 Portaria n 177, de 11/9/2007.

Lei Federal de Incentivo ao Esporte Lei n 11.438, de 29/12/2006 Decreto Lei n 6.180, de 3/8/2007 Portaria n 177, de 11/9/2007. Lei Federal de Incentivo ao Esporte Lei n 11.438, de 29/12/2006 Decreto Lei n 6.180, de 3/8/2007 Portaria n 177, de 11/9/2007. O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? Instrumento que permite o financiamento,

Leia mais

CNC CNC COMISSÃO DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA CONTABILIZAÇÃO DOS EFEITOS DA INTRODUÇÃO DO EURO DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº21 1. INTRODUÇÃO DO EURO

CNC CNC COMISSÃO DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA CONTABILIZAÇÃO DOS EFEITOS DA INTRODUÇÃO DO EURO DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº21 1. INTRODUÇÃO DO EURO DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº21 CONTABILIZAÇÃO DOS EFEITOS DA INTRODUÇÃO DO EURO INDICE 1. INTRODUÇÃO DO EURO 1 2. PREPARAÇÃO E APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 3 3. DEFINIÇÕES 3 4. EFEITOS DA

Leia mais

CENTRO EUROPEU DO CONSUMIDOR - PORTUGAL EUROPEAN CONSUMER CENTRE

CENTRO EUROPEU DO CONSUMIDOR - PORTUGAL EUROPEAN CONSUMER CENTRE ECC-Net: Travel App Uma nova aplicação para telemóveis destinada aos consumidores europeus que se deslocam ao estrangeiro. Um projeto conjunto da Rede de Centros Europeus do Consumidor Nome da app: ECC-Net:

Leia mais

Cartilha de prestação de contas

Cartilha de prestação de contas Cartilha de prestação de contas Identificação e manuseio de documentos fiscais Adequada para entidades que recebem ajuda financeira e necessitam prestar contas. 2012 SUMáRIO 1. Orientações para aquisição

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL

Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL Changing lives. Opening minds. Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL ERASMUS + Uma porta aberta para a Europa : O novo programa

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado. Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado. Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem GUIA DE CANDIDATURA PARA MOBILIDADE DE ESTUDANTES PARA ESTÁGIOS ERASMUS+ (SMP)

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais