O Brasil na Futura Internet

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Brasil na Futura Internet"

Transcrição

1 O Brasil na Futura Internet César A. H. Loureiro 1 RESUMO O presente realiza um survey sobre algumas tecnologias atualmente envolvidas no amadurecimento da Futura Internet, neste artigo serão abordados os projetos: PlanetLab, focado na realização de testes comportamentais em serviços distribuídos, o OpenFlow, tecnologia de virtualização de canais de comunicação sobre switches e roteadores, a redekyatera no estudo de redes de alta velocidade e o consórcio perfsonar que desenvolve aplicativos de monitoramento de redes, além de situar algumas contribuições do Brasil na futura Internet Palavras-chave: Futura Internet, Openflow, PlanetLob 1. INTRODUÇÃO O número de usuários de internet só no Brasil já ultrapassa 67,5 milhões, segundo o Ibope/Nielsen em dezembro de 2009, já no mundo, este número passa de 1,8 bilhões conforme a Internet World Stats[IWS 2010]. Estes números mostram a necessidade de prover serviços de forma globalizada, os quais necessitam ao mesmo tempo prover segurança, velocidade e interoperabilidades entre os sistemas autônomos existentes. O protocolo IPv6 como proposta para prover estes serviços, já está disponível a mais de 10 anos, mas a migração de IPv4 para IPv6 ainda não ocorreu de forma expressiva, mesmo assim, esta tecnologia não enfraquece os esforços na busca de novas tecnologias, capaz de lançar novos paradigmas que possibilitem atender as novas necessidades requeridas pelo crescente números de usuários [Spyropoulos et al. 2007]. Estes esforços para a criação destes novos paradigmas estão sendo chamados de Futura Internet, onde grupos como o COST da Europa, CANARIE do Canadá, e mais de 300 universidades e parceiros privados só nos Estados Unidos, investem milhões em pesquisas de novas tecnologias [NARA 2010]. A Internet2 é o nome dado a iniciativa norte-americana para estas pesquisas iniciadas em 1996, inicialmente criada na área acadêmica, a qual tem por objetivo 1 Docente do Curso de Sistema de Informação da Universidade Luterana do Brasil

2 2 prover novas tecnologias para todos os usuários da rede. No Brasil esta iniciativa iniciou em março de 2000, quando a RNP(Rede Nacional de Ensino e Pesquisa) e a University Corporation for Advanced Internet Development (Ucaid) assinaram o Memorandum of Understanding (Mo U), que se tornou real em agosto de 2001 através do projeto Americas Path (Ampath). Em 2004, a comunicação com o projeto norte-americano passou a ser feita via Rede Clara (Cooperação Latino-Americana de Redes Avançadas). Atualmente, a RNP também compartilha um link direto à Internet2 com a Clara e com a Ansp(Academic Network at São Paulo), através do projeto Whren-Lila (Western Hemisphere Research and Education Networks - Links Interconecting Latin America)[RNP 2010]. Para a disseminação do projeto Internet2, é necessário criar uma estrutura mínima de transferência de dados nos centros de pesquisa, no Brasil, estas estruturas são chamadas de GigaPoP s, que pretendem prover um backbone de no mínimo 1 Gbps entre os centros de pesquisas. Inicialmente quando o projeto foi criado, estes GigaPoPs contavam com os 622 Mbps providos pela tecnologia ATM, mas atualmente são utilizados canais STM-4 de no mínimo 1 Gbps mas que podem chegar até 10 Gbps utilizando STM64[TELECO 2010]. Com base neste histórico é que o presente abordará quatro projetos em execução que contribuem para as pesquisas da Futura Internet no qual o Brasil de alguma forma participa. Na seção 2 será apresentado o Projeto PlanetLab, na seção 3 o OpenFlow, na seção 4 a rede Kyatera e na seção 5 o projeto perfsonar. 2. PLANETLAB PlanetLab é um laboratório virtual distribuído para o desenvolvimento de novas tecnologias, formadas pelo consórcio entre as empresas: Intel, Charter Hewlett Packard, Charter Google, Charter AT&T, Associate France Telecom, Associate

3 3 AT Corporation, Associate DoCoMo Communications Laboratories USA, Associate Lucent - Bell Labs, Associate NEC Laboratories, Associate Telecom Italia, Associate Este projeto foi criado em 2002 e como se pode verificar na figura 1, possui mais de 1000 pontos espalhados em 500 sites pelo mundo. Esta iniciativa permite reunir esforços comuns entre todos os pontos para realizar experimentos em uma grande rede virtual, praticamente impossível de ser criada individualmente[planetlab 2010]. Figura 1. Locais abrangidos pelo projeto PlanetLab[PLANETLAB 2010] Para entender seu funcionamento, precisamos conhecer a terminologia utilizada neste projeto: Node - É um servidor dedicado ao projeto. Site - Local onde se encontram os nodes do PlanetLab. Slice - É o conjunto de recursos alocados entre vários servidores do PlanetLab. Principal Invertigator (PI) - Os PIs são responsáveis pelo gerenciamento dos slices e dos usuários de cada site. Para a realização de pesquisas nesta plataforma é necessária a submissão de projeto a um PI, o qual depois de aprovado recebe o direito de uso de um Slice contendo N nodes. De acordo com as necessidades do projeto, é permitido ao pesquisador instalar aplicações referentes a sua pesquisa nos nodes que fazem parte de seu Slice. O gerenciamento dos nodes que seu slice é realizado através da uma

4 4 interface no próprio site do PlanetLab e o acesso aos nodes é realizado através de SSH(secure shell). No Brasil o projeto PlanetLab conta com seis equipamentos, distribuídos nos PoPs(Pontos de Presença) da RNP. Cada slice tem dois meses de duração, renováveis[rnp 2010]. Entre os projetos em análise no PlanetLab, podemos citar alguns desenvolvidos no Brasil, os quais de alguma forma estão contribuindo nos estudos da Futura Internet entre as centenas existentes no momento PROJETO: LAPESD O Objetivo deste projeto é testar um novo formato de video streaming Overlay(P2P) chamado SeRViSO o qual possui características inovadoras como: - Retransmissão Seletiva (prioridade) de pacotes perdidos com base em H Uso de diversos algoritmos para realizar a seleção. Responsável: Laboratório de pesquisas de sistemas distribuídos -UFSC PROJETO: CARAVELA O projeto CARAVELA(Contratos para Aplicações em Redes de Alta Velocidade) visa o desenvolvimento de um framework centrado numa linguagem de contratos que permite a descrição de requisitos de QoS(quality of service) em alto-nível. Ele inclui ferramentas para tradução das descrições contratuais em meta-informações, usadas em conjunto com outros elementos do framework para o atendimento desses requisitos no nível de suporte. Adicionalmente foram desenvolvidos, e integrados ao framework, mecanismos reutilizáveis de gerenciamento que usam as meta-informações geradas, completando a infra-estrutura requerida em aplicações sensíveis a QoS. Como potenciais benefícios do framework desenvolvido destacam-se: - simplificação do acesso à tecnologia de redes de alta velocidade facilitando sua disseminação a desenvolvedores não especializados na área de redes; - a redução de custos de desenvolvimento e maior confiabilidade das aplicações desenvolvidas. Responsável: Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

5 PROJETO:REDEH - O PROJETO DA FUTURA RNP Este projeto visa a prospecção tecnológica para servir como base para o planejamento de uma futura atualização da rede da RNP, isto é, foram criados 4 grupos de pesquisas os quais alguns utilizam o PlanetLab na sua realização. Estes grupos atuam nas seguintes áreas: Comunidades de usuários e as demandas de suas aplicações, Infraestrutura, Arquitetura e tecnologias de redes e Suporte para aplicações de usuários. O primeiro grupo tem como objetivo levantar e caracterizar demandas de usuários de redes avançadas no Brasil. A análise deste levantamento servirá como base para definição de novos serviços e infra-estrutura da RNP. O grupo de Infraestrutura está trabalhando no término da implantação da Redecomep(Redes Comunitárias de Educacação e Pesquisa) as quais interligam instituições de ensino e pesquisa por fibras óticas de forma autosustentável(onde todas as instituições auxiliam nos custos de manutenção) nas regiões metropolitanas dos estados brasileiros. O grupo de Arquitetura e tecnologias de rede estão realizando estudos sobre tecnologia de transmissão, tecnologia de plano de controle (sinalização), Gerência e operação de serviços de redes. No momento está sendo criado subgrupos que deverão preparar estudos com recomendações e avaliações sobre o que está sendo realizado no âmbito da Internet2. E por fim o grupo de Suporte para aplicações de usuário tem como objetivo fazer um levantamento de áreas em que a RNP pode ter um papel a desempenhar como serviços de suporte a aplicações de rede, e das tecnologias que estão disponíveis para oferecer esses serviços. Este grupo teve seu último cronograma de trabalho para o primeiro semestre de 2009, não obtendo resultados tangíveis até o momento. Responsável:Rede Nacional de Ensino e Pesquisa Como podemos constatar o Planet Lab possibilita a realização de pesquisas sobre uma camada de rede(modelo OSI-Open Systems Interconnection) [ISO 1996] distribuída, emulando uma rede de dimensões intercontinentais, e como projeto sobre camadas inferiores como a de enlace(referenciando a camada OSI) podemos citar o Openflow o qual e apresentado a seguir.

6 6 3. OPENFLOW Esta é uma tecnologia de virtualização de ativos de rede que está sendo o foco das novas pesquisas brasileiras em parcerias com universidades como a Unicamp e centros de pesquisa como o CPqD 2, onde através de parcerias estão auxiliando nas pesquisas para possivelmente se criar um novo ambiente de testes de tecnologias para a Futura Internet. A especificação do Openflow Switch teve sua versão 1.0 lançada em dezembro de 2009, onde permite a fabricantes de hardware implementar esta especificação em seus equipamentos. O funcionamento do Switch OpenFlow consiste em uma tabela de fluxos que contém um conjunto de entradas sobre regras, portas e outros slices e de como deve-se encaminhar os fluxos. Não havendo correspondência da tabela local, o fluxo e enviado a um controlador externo o qual pode tomar uma ação incluindo ou removendo novas entradas na tabela. Os caminhos para envio deste fluxos podem ser portas físicas, ou portas lógicas como VLAN s(virtual Local Area Network), como podemos observar na figura 2 [McKeown et al. 2008]. Figura 2. Fluxo e funcionamento do OpenFlow[OPENFLOW 2010] Este projeto permite criarmos uma espécie de virtualização em nossos switches e roteadores, onde, em equipamentos que atendam a estas especificações, além de processar o tráfego de forma corriqueira, pode executar os processos do 2 1 Fundação de direito privado oriunda do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Telebrás

7 7 Openflow, criando um ambiente propício a pesquisas, testes e até mesmo utilização real sem a necessidade de investimento em novos equipamentos. A proposta atual de trabalho do OpenFlow Switch é auxiliar Universidades a implementarem sua tecnologia em seus campi, como realizado em Stanford. Alguns diferenciais em uso da tecnologia Openflow: Diferentes fluxos são processados em diferentes vias; Ambiente de desenvolvimento aberto; Flexibilidade na definição dos fluxos: divisão por tráfego individual de aplicações; agregação de tráfegos; vários IPs rodando lado-a-lado; Cada fabricante continua com sua tecnologia de mercado protegida, garantido velocidade e confiabilidade, enquanto o controle de fluxo pode ser padrão em todos os equipamentos gerido pelo OpenFlow IMPLEMENTAÇÃO O grupo do OpenFlow vem trabalhando em algumas implementações, chamadas de tipos, a implementação aqui mostrada a qual já possui suas especificações prontas é chamada de Type 0. Esta trabalha como um canal livre para tráfego de dados emulando um novo canal, onde para cada fluxo recebido existe uma regra e uma ação a ser realizada, conforme podemos observar na figura 3. Este canal pode aceitar qualquer tipo de comunicação como se fosse um canal físico, só que virtualizado sobre um pool de roteadores e switches. Os fluxos recebidos os quais não possuírem uma regra de tratamento podem ser enviados para uma porta default ou serem encaminhados para o controlador o qual deve tratar o fluxo, como observado na figura 4.

8 8 Figura 3. Entrada de tabela de fluxo[openflow 2010] 3.2. Visão Geral do Protocolo O protocolo do Openflow implementa 3 tipos de mensagens: controlador para switch, que gerencia e inspeciona o estado do Switch; assíncrona, a qual é enviada pelo switch para informar alguma alteração do seu estado; ou simétrica, que enviada sem solicitação de ambos os lados[openflow 2010] CONTROLADOR PARA SWITCH Pode ser utilizada para: Features: Perguntar ao switch sobre suas especificações; Configuration: Perguntar ou implementar configurações no switch; Modify-State: Adicionar, apagar ou incluir novas regras de fluxo; Read- State: Coletar estatísticas; Send-Packet: Enviar pacotes para determinada porta do Switch; Barrier: controle de envio ou termino de operações.

9 9 Figura 4. Comunicação no OpenFlow[OPENFLOW 2010] ASSÍNCRONA As quatro tipos de mensagens enviadas pelo Switch sem solicitação do controlador são: Packet-in: todos os pacotes que não tiverem regras de fluxos definidas no switch, o mesmo encaminha o cabeçalho do pacote para o controlador para que realize alguma ação, na situação onde o switch não tenha um buffer suficiente para armazenar o pacote enquanto aguarda um retorno do controlador, o pacote completo é enviado ao controlador; Flow-Removed: quando uma regra de fluxo passa muito tempo sem ser utilizada, o próprio switch elimina esta de sua tabela e encaminha uma mensagem de Flow-removed ao controlador, para informar a ação realizada; Port-Status: envio de alteração de status de uma determinada porta, seja por desativação do usuário ou por ativação de nova porta; Error: tipo de canal para envio de erros ocorridos no switch SIMÉTRICA Utilizada por switch e controlador sem solicitação prévia. Hello: enviada no início no estabelecimento de conexão entre switch e controlador;

10 10 Echo: utilizada para indicar latência, largura de banda e estado da conexão entre switch e controlador; Vendor: tipo reservado para implementações futuras. Tecnologias como o OpenFlow apesar de ser um projeto, facilitam a realização de pesquisas sobre a implementação da Futura Internet, pois criam viabilidades técnicas de desenvolvimentos de outros protocolos de camadas superiores, além de incentivar que novos projetos de mesmo conceito venham a ser criados. Como explanado o Openflow é uma pesquisa sobre a Futura Internet que atua na camada de enlace, no próximo tópico veremos o projeto Kyatera o qual referencia pesquisas sobre a camada física(modelo OSI) da rede. 4. REDE KYATERA A rede KyaTera, do tupi kya(rede de pesca) e do grego tera(gigantesco) - interliga 3 grandes centros, USP, USP São Carlos e Unicamp a um backbone de 10Gbps e a vários outros laboratórios e centros de pesquisa como PUC-Campinas, Politécnica da USP e a Fundação CPqD. Esta rede de pesquisa possui suas próprias fibras ópticas, tendo uma largura de banda que permite aplicações que seriam impraticáveis com a Internet tradicional. Um dos objetivos das pesquisas é conseguir taxas de transmissão que cheguem a terabits/s[kyatera 2010]. Tecnologias estas, que futuramente podem se tornar o novo padrão de transmissão de dados da Internet. Como podemos verificar na figura 5, atualmente a kyatera possui como saída, interconexões com a rede Giga da RNP e a com outras redes de pesquisa como a ANSP e a Global Lambda Integrated Facility (GLIF), viabilizando pesquisas que auxiliem no aprimoramento da Futura Internet.

11 11 Figura 5. Interligação da rede Kyatera[KYATERA 2010] Estas estruturas de rede fazem parte da chamada rede estável do projeto kyatera, mas as redes experimentais que interligam os laboratórios da Rede KyaTera são utilizadas para realizar experimentos colaborativos e distribuídos de transmissão óptica reais, ela oferece uma quantidade variável de fibras apagadas(fibras sem uso doadas pelas operadoras de telefonia), monomodo e/ou multimodo, de acordo com as necessidades do laboratório, sendo que a taxa máxima de transmissão na rede experimental foi atingida em abril de 2005, com 320 Gb/s. Este projeto, segundo seu site tem por objetivos: Permitir e incentivar a colaboração interinstitucional, e do trabalho multidisciplinar entre grupos de pesquisa e desenvolvimento. Gerar, qualidade e quantidade de recursos humanos nessas áreas. Estimular a inovação no desenvolvimento de dispositivos, equipamentos e outros itens para as redes. Estimular a inovação no desenvolvimento de aplicações avançadas da Internet. Na linha de pesquisa sobre transmissão na camada física em fibra óptica, os pesquisadores do projeto Kyatera(geralmente físicos ou engenheiros eletricistas)

12 12 continuam seu empenho na busca de velocidades cada vez maiores. Já para a camada de aplicação(modelo OSI) alguns projetos para a Futura Internet estão focados em serviços que auxiliem na gerência da rede, os quais serão abordados a seguir. 5. PERFSONAR PerfSONAR é um consórcio inicialmente desenvolvido pelas redes acadêmicas Internet2 (EUA) e Géant (Europainter) o qual objetiva criar soluções para monitorar a performance da rede de ponta a ponta. Em 2007 o Brasil entrou como colaborador deste projeto através do GT(Grupo de Trabalho) de Medições criado pela RNP. Ele contém um conjunto de serviços de medições de desempenho em um ambiente controlado. Estes serviços agem como uma camada intermediária, entre os instrumentos de medição de desempenho e as aplicações de diagnóstico ou de visualização. Esta camada tem por objetivo fazer o intercâmbio das medições de desempenho entre as redes [PERFSONAR 2010b]. Para a realização destas monitorias existem mais de vinte projetos em execução os quais disponibilizam ferramentas para monitorias de rede, sendo seus principais projetos: Telnet/SSH MP(Secure Shell Measurement Point) PerfSonarUI Authentication Service BWCTL(Bandwidth Test Controller) SmokePing NDT(Network Diagnostic Tool) Para exemplificar algumas tecnologias empregadas, será caracterizado três projetos em execução pelo consórcio perfsonar: o PerfSonarUI, o Telnet/SSH MP e o NDT PERFSONARUI

13 13 PerfSonarUI é o acrônimo de PerfSonar User Interface, uma interface gráfica desenvolvida em código aberto(java) capaz de mostrar em uma única ferramenta dezoito serviços desenvolvidos pelo projeto perfsonar, como recuperação dos dados publicados pelos serviços RRD MA(Round Robin Database Measurement Archive), resumo de utilização de interfaces de forma gráfica, busca de interface através de um range de IP, etc. Na figura 6 está um gráfico de utilização de uma interface apresentada no PerfsonarUI. Figura 6. Camadas do telnet/ssh MP[PERFSONAR 2010a] 5.2. TELNET/SSH MP Este projeto consiste na criação de looking Glass o qual centraliza as ações de telnet e ssh em único ponto da rede, permitindo que NOCs (Network Operation Center) possam gerenciar seus ativos de redes, isto é, qualquer ação de configuração ou coleta de dados a qual necessitaria acessar individualmente roteadores e switches pode ser realizado por esta solução. Ela consiste em um Web Service que conhece a maneira de se conectar aos principais modelos de equipamentos de rede e permite que novos templates possam ser adicionados [PERFSONAR 2010a]. O acesso aos dispositivos passam a ser realizado através de chamadas ao Web Service, abstraindo a camada de acesso padrão realizada por telnet e ssh.

14 14 Figura 7. Taxa de utilização de um link de dados[perfsonar 2010a] Como ilustrado na figura 7, a comunicação entre a aplicação que e o WebService é realizada através de XML(eXtensible Markup Language), em formato documentado pela aplicação, permitindo que o NOC desenvolva sua pr opria interface. Segundo informações do projeto, este serviço está disponível para equipamentos Juniper, Cisco e para a implementação Quagga de roteadores. Este projeto está baseado em um grande problema enfrentado pelos NOCs, como gerenciar uma grande quantidade de ativos, e serve não somente para a Futura Internet, mas para uso nas atuais infraestruturas de rede NETWORK DIAGNOSTIC TOOL (NDT) Este aplicativo desenvolvido pela perfsonar é utilizado por muitos provedores para disponibilizar a seus usuários uma medição de banda Cliente/Servidor. A proposta do projeto é utilizar o total de banda disponível de um canal de comunicação, independentemente das configurações de TCP as quais o Sistema Operacional possui, pois segundo seus estudos, os principais sistemas utilizados

15 15 por usuários como Windows e Linux possuem configurações padrões para possibilitar baixas taxas de transferência, o que em uma medição real de banda pode interferir nos seus resultados finais [NDT 2010]. Seu funcionamento esta baseado em um servidor desenvolvido para Linux, contendo configurações de kernel específicas para assegurar o uso total da banda pelo lado servidor, e por uma cliente Web desenvolvido em Java. Para análise de possíveis problemas existentes no canal de transmissão é utilizado uma segunda ferramenta chamada Web100 [Web ]. Em conjunto estas ferramentas conseguem informar ao usuário sua taxa de transmissão e recepção, configurações detalhadas da camada TCP, além de possíveis problemas como utilização de firewall, retransmissão de pacotes e outras, como pode ser verificado na figura 8. Figura 8. Resultados parciais Ferramenta NDT[NDT 2010] 6. CONCLUSÃO Conforme explanado, existem diversos projetos e consórcios de empresas privadas e publicas, além de muitas Universidades realizando estudos para criar novas tecnologias que possam ser utilizadas na Futura Internet, todas as ferramentas e projetos citados neste artigo são tecnologias que já estão em uso e podem ser implementadas imediatamente. Isto se refere a uma das linhas de pesquisas existente, que propõe a melhora dos serviços existentes de forma evolutiva, outra linha de pesquisa acredita que a nossa Internet atual não pode ser aprimorada com novas tecnologias sobrepostas às usualmente conhecidas, creem que será necessário uma revolução com a utilização de novas técnicas incompatíveis com as atuais, necessitando criar uma nova rede independente com novos limiares.

16 16 Independente de como será o futuro da Internet, todas as idéias e projetos devem ser estudados, pois certamente a transformação destes projetos em tecnologias utilizáveis é o que mantêm a nossa evolução. REFERÊNCIAS Internet World Stats.(2010). acessado em 17/04/2010. ISO, I. (1996). Information technology - open systems interconnection - basic reference model: The basic model Kyatera. (2010). acessado em 21/04/2010. McKeown, Nick. Anderson, Tom. Balakrishnan, Hari at all.(2008) OpenFlow: Enabling Innovation in Campus Networks, March 14, NARA - Núcleo de Apoio a rede Acadêmica. (2010). de Apoio a rede Acadêmicaww.nara.org.br/central-de-noticias/rnp-ansp-cpqd-projeto-kyatera-e-gliffirmam-parceria, acessado em 21/04/2010. NDT - Network Diagnostic Tool. (2010). acessado em 09/05/2010. RNP - Rede Nacional de Ensino e Pesquisa. (2010). acessado em 21/04/2010. Planetlab. (2010). https://www.planet-lab.org/db/pub/slices.php, acessado em 25/04/2010. Perfsonar Home Page. (2010) acessado em 09/05/2010. PerfSonar Wiki. (2010). https://wiki.man.poznan.pl/perfsonarmdm/index.php/main_ Page, acessado em 09/05/2010. The OpenFlow Switch Consortium. (2010). acessado em 09/05/2010. Teleco Inteligência em Telecomunicações. (2010). zacaopdh.asp, acessado em 21/04/2010. Spyropoulos, Thrasyvoulos, Fdida, Serge e Kirkpatrick, Scott.(2007) Future Internet: Fundamentals and Measurement, Volume 37-2, páginas , ACM SIGCOMM Computer Communication Review, Abril/2007. Vale, Tassio., Kogal, Ivo K., Sampaio, Leobino N., Monteiro, José A. Suruagy, Cunha, Paulo.(2009). ICE CUBE: Integrando componentes de acesso e visualização de dados

17 17 de monitoramento de redes. 27º Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores e de Sistemas Distribuídos( SBRC 2009). Web100. (2010). acessado em 09/05/2010.

OpenFlow: abrindo portas para inovações nas redes de nossos campi

OpenFlow: abrindo portas para inovações nas redes de nossos campi 1 OpenFlow: abrindo portas para inovações nas redes de nossos campi Leandro Haruo Aoyagi Universidade Federal de São Carlos, Campus Sorocaba Sorocaba, São Paulo Email: aoyagi.haruo@gmail.com Resumo A comunidade

Leia mais

Software-Defined Networks e Openflow: conceitos e tecnologias emergentes

Software-Defined Networks e Openflow: conceitos e tecnologias emergentes Software-Defined Networks e Openflow: conceitos e tecnologias emergentes III Workshop de Tecnologia de Redes do PoP-BA Ponto de Presença da RNP na Bahia Italo Valcy 27 e 28 de setembro

Leia mais

Software-Defined Networks e Openflow: conceitos e tecnologias emergentes

Software-Defined Networks e Openflow: conceitos e tecnologias emergentes Software-Defined Networks e Openflow: conceitos e tecnologias emergentes Semana de Computação UFBA (SEMCOMP 2012) Universidade Federal da Bahia Italo Valcy 05 de outubro de 2012 Licença

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Rede Nacional de Pesquisa Ministério da Ciência e Tecnologia Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06. Prof. Fábio Diniz

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06. Prof. Fábio Diniz FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06 Prof. Fábio Diniz Na aula anterior ERP Enterprise Resource Planning Objetivos e Benefícios ERP Histórico e Integração dos Sistemas

Leia mais

Tecnologias, conceitos e serviços emergentes: Openflow. Leandro Bertholdo (PoP-RS/Ufrgs)

Tecnologias, conceitos e serviços emergentes: Openflow. Leandro Bertholdo (PoP-RS/Ufrgs) Tecnologias, conceitos e serviços emergentes: Openflow Leandro Bertholdo (PoP-RS/Ufrgs) 1 Agenda O Objetivo desta apresentação é explicar: Qual o problema a ser solucionado pela tecnologia OpenFlow O que

Leia mais

Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE

Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Componentes da infraestrutura Hardware Software Tecnologia de gerenciamento de dados Tecnologia

Leia mais

Apresentação do grupo UFSCar/USP/CPqD/UFES. Workshop REVIR 15/03/2012

Apresentação do grupo UFSCar/USP/CPqD/UFES. Workshop REVIR 15/03/2012 Apresentação do grupo UFSCar/USP/CPqD/UFES Workshop REVIR 15/03/2012 Grupo Cesar Augusto C. Marcondes (UFSCar) Cesar Augusto C. Teixeira (UFSCar) Maria da Graça Pimentel (USP) Magnos Martinello (UFES)

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware 1. A nova infra-estrutura de tecnologia de informação Conectividade Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos Sistemas abertos Sistemas de software Operam em diferentes plataformas

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

SIMET Medindo a qualidade das conexões Internet no Brasil. Fabricio Tamusiunas fabricio@nic.br César Linhares Rosa cesar@nic.br

SIMET Medindo a qualidade das conexões Internet no Brasil. Fabricio Tamusiunas fabricio@nic.br César Linhares Rosa cesar@nic.br SIMET Medindo a qualidade das conexões Internet no Brasil Fabricio Tamusiunas fabricio@nic.br César Linhares Rosa cesar@nic.br NIC.br Criado para implementar os projetos e decisões do CGI.br Registro e

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 08/2013 Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

Internet. Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br

Internet. Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br Internet Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br Internet A Internet não é de modo algum uma rede, mas sim um vasto conjunto de redes diferentes que utilizam certos protocolos comuns e fornecem

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. MPLS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo atuado nas

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO Capítulo 9 A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 9.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação (IT) para empresas? Por que a conectividade

Leia mais

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke Ninguém melhor que os OptiView Solução de Análise de Rede Total integração Total controle Total Network SuperVision Engenheiros de Rede e a Fluke Networks para saber o valor de uma solução integrada. Nossa

Leia mais

IV Workshop POP-RS / Rede Tche

IV Workshop POP-RS / Rede Tche IV Workshop POP-RS / Rede Tche Serviços e Segurança na Rede Tchê POP-RS/CERT-RS César Loureiro Porto Alegre, novembro de 2012 Agenda I Apresentação do CERT-RS Honeypots Incidentes reportados ao CERT-RS

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE INTRODUÇÃO (KUROSE) A Camada de Rede é uma peça central da arquitetura de rede em camadas A sua função é a de fornecer serviços de comunicação diretamente aos processos

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

PTTMetro Informações e Destaques

PTTMetro Informações e Destaques PTTMetro Informações e Destaques 3 o PTT Forum 3 Dez 2009 Antonio Galvao de Rezende Filho Eduardo Ascenço Reis Milton Kaoru Kashiwakura 3o PTT Forum

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Redes definidas por software e Computação em Nuvem Prof. Rodrigo de Souza Couto PARTE 1 REDES DEFINIDAS POR SOFTWARE (SDN) 2 Bibliografia Esta aula é baseada

Leia mais

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS Redes remotas Prof.Francisco Munhoz X.25 Linha de serviços de comunicação de dados, baseada em plataforma de rede, que atende necessidades de baixo ou médio volume de tráfego.

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

Tenha a mesma experiência de rede que os seus clientes Fechando a lacuna da ativação

Tenha a mesma experiência de rede que os seus clientes Fechando a lacuna da ativação Documento técnico Tenha a mesma experiência de rede que os seus clientes Fechando a lacuna da ativação Introdução Tradicionalmente, os testes de ativação das Camadas 2/3, como RFC 2544 têm sido conduzidos

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Conceitos sobre Internet 2

Conceitos sobre Internet 2 Conceitos sobre Internet 2 Realizada em 27/01/2000, atualizada em 06/02/2001 Cláudia Helena Bianchi Lencioni e-mail: claudia@cirp.usp.br Seção de Rede Internet no Brasil Possui metade do número total de

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

QoS em roteadores Cisco

QoS em roteadores Cisco QoS em roteadores Cisco Alberto S. Matties 1, André Moraes 2 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Rua Gonçalves Chaves 602 96.015-000 Pelotas RS Brasil 2 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC

Leia mais

Controle de congestionamento em TCP

Controle de congestionamento em TCP Controle de congestionamento em TCP Uma das funções principais do TCP é gerenciar o fluxo de mensagens entre origem e destino, adaptando a taxa de transmissão da origem à taxa de recepção no destino de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Introdução a Redes de Computadores Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Novembro de 2012 1 / 25 O que é Redes de Computadores? É a infra-estrutura de hardware

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Redes Definidas por Software

Redes Definidas por Software Redes de Computadores I Redes Definidas por Software Antonio Gonzalez Pastana Lobato Ulisses da Rocha Figueiredo Redes de Computadores I Introdução Introdução Aplicações Atuais Data-Centers Muitas máquinas

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços

GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços Julho 2013 Milton T. Yuki Governo Eletrônico (e-gov) Público Alvo Cidadão/Sociedade Órgãos de Governo Serviços e-gov para

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro Introdução às Redes de Computadores Por José Luís Carneiro Portes de computadores Grande Porte Super Computadores e Mainframes Médio Porte Super Minicomputadores e Minicomputadores Pequeno Porte Super

Leia mais

P L A N O D E D I S C I P L I N A

P L A N O D E D I S C I P L I N A INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ SC CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES / REDES DE COMPUTADORES P L A N O D E D I S C I P L I N A DISCIPLINA: Redes de Computadores Carga Horária: 95 HA

Leia mais

Os Pontos de Troca de Tráfego, o PTTMetro e a Internet Brasileira

Os Pontos de Troca de Tráfego, o PTTMetro e a Internet Brasileira Os Pontos de Troca de Tráfego, o PTTMetro e a Internet Brasileira Por Antonio M. Moreiras e Demi Getschko A Internet é uma construção coletiva que integra milhares de redes pelo mundo afora. Os brasileiros

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações Enlaces de comunicação: fibra, cobre, rádio,

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos Arquitetura de Redes Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistemas Operacionais de Rede NOS Network Operating Systems Sistemas operacionais que trazem recursos para a intercomunicação

Leia mais

Unidade: CIDR e Análise do protocolo TCP/IP. Unidade I:

Unidade: CIDR e Análise do protocolo TCP/IP. Unidade I: Unidade: CIDR e Análise do protocolo TCP/IP Unidade I: 0 Unidade: CIDR e Análise do protocolo TCP/IP CIDR Classless Inter-Domain Routing Em 1992, os membros do IETF começaram a ficar preocupados com o

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

GT QoS2: Qualidade de Serviço

GT QoS2: Qualidade de Serviço GT QoS2: Qualidade de Serviço José Augusto Suruagy Monteiro Junho de 2003 Este documento tem como objetivo descrever o projeto de estruturação do grupo de trabalho GT QoS2, responsável pelo desenvolvimento

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

PTTMetro. 11 Jan 2010

PTTMetro. 11 Jan 2010 PTTMetro 11 Jan 2010 Antonio Galvao de Rezende Filho Eduardo Ascenço Reis Milton Kaoru Kashiwakura PTTMetro http://ptt.br/ Apresentação 1 Sobre o CGI.br

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 5-1. A CAMADA DE TRANSPORTE Parte 1 Responsável pela movimentação de dados, de forma eficiente e confiável, entre processos em execução nos equipamentos conectados a uma rede de computadores, independentemente

Leia mais

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network)

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) 1. Objeto: 1.1. Contratação de uma Solução de rede de comunicação local (LAN) para interligar diferentes localidades físicas e os segmentos de

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

GT Computação Colaborativa (P2P)

GT Computação Colaborativa (P2P) GT Computação Colaborativa (P2P) Djamel Sadok Julho de 2003 Este documento tem como objetivo descrever o projeto de estruturação do grupo de trabalho GT Computação Colaborativa (P2P), responsável pelo

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Unidade 3 3.1 Introdução 3.2. Definições 3.3. Motivações 3.4. Problemas 3.5. Desafios 3.6. Padronização e Arquitetura 3.7. Gerência

Leia mais

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Edson Rodrigues da Silva Júnior. Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Fevereiro

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Área: Ensino a Distância. 1. Introdução. 2. A Ferramenta de Co-autoria para EAD

Área: Ensino a Distância. 1. Introdução. 2. A Ferramenta de Co-autoria para EAD 1. Introdução Co-Autoria de Aulas na Rede Metropolitana de Alta Velocidade de Recife Juliana Regueira Basto Diniz Barros, Lorena de Sousa Castro, Carlos André Guimarães Ferraz E-mail: {jrbd,lsc2,cagf}@cin.ufpe.br

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais

Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais http://www.waltercunha.com Bibliografia* Redes de Computadores - Andrew S. Tanenbaum Editora: Campus. Ano: 2003 Edição: 4 ou 5 http://www.submarino.com.br/produto/1/56122?franq=271796

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

AULA Redes de Computadores e a Internet

AULA Redes de Computadores e a Internet UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Disciplina: INF64 (Introdução à Ciência da Computação) Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel

Leia mais

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 LAN Design LAN Switching and Wireless Capítulo 1 Version 4.0 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 Objetivos do Módulo Compreender os benefícios e do uso de uma organização hierárquica

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes Alta Performance. Paulo Aguiar DCC/UFRJ

Tópicos Especiais em Redes Alta Performance. Paulo Aguiar DCC/UFRJ Tópicos Especiais em Redes Alta Performance Paulo Aguiar DCC/UFRJ Conteúdo A convergência das redes e os grandes desafios Sistemas grandes são melhores Rede IP global como solução: limitações de desempenho

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

REDES INTRODUÇÃO À REDES

REDES INTRODUÇÃO À REDES REDES INTRODUÇÃO À REDES Simplificando ao extremo, uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Ex: Se interligarmos

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é Gerenciamento de Redes? O gerenciamento de rede inclui a disponibilização, a integração e a coordenação de elementos de hardware, software e humanos, para monitorar,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Comunicando através da rede

Comunicando através da rede Comunicando através da rede Fundamentos de Rede Capítulo 2 1 Estrutura de Rede Elementos de comunicação Três elementos comuns de comunicação origem da mensagem o canal destino da mensagem Podemos definir

Leia mais

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ STJ 2008 Com relação a transmissão de dados, julgue os itens

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry REDES DE COMPUTADORES DISCIPLINA: Fundamentos em Informática Mundo Globalizado Acelerado desenvolvimento tecnológico

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof o : Marcelo Mendes. Padrões IEEE Termos importantes a saber: PACOTE Pacote é a estrutura de dados unitária de transmissão em uma rede de computadores. A informação a transmitir

Leia mais