Estrongiloidíase. - São 52 espécies pertencentes à família Strongyloididae, mas apenas o S. stercoralis é patogênico para o homem.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estrongiloidíase. - São 52 espécies pertencentes à família Strongyloididae, mas apenas o S. stercoralis é patogênico para o homem."

Transcrição

1 Estrongiloidíase Parasito Reino: Animalia Filo: Nemathelminthes Classe: Nematoda Família: Strongyloididae Gênero: Strongyloides Espécies: Strongyloides stercoralis - São 52 espécies pertencentes à família Strongyloididae, mas apenas o S. stercoralis é patogênico para o homem. - É uma zoonose (afeta cães, primatas, etc.). - É uma doença tropical negligenciada. - São os menores nematóides. - O parasito é oportunista de indivíduos imunocomprometidos. - Esse parasito tem várias formas evolutivas. Atenção! São elas: - Vermes adultos (fêmeas parasitas, fêmeas de vida livre e machos de vida livre); - Larvas (filarióides e rabditóides, devido às diferentes formas do esôfago); - Ovos (haplóides, diplóides e triplóides). - Vermes adultos: vão de 0,5 a 2,5 cm. Possuem boca com três lábios.

2 (a) Fêmea parasita (b) Macho de vida livre (c) Fêmea de vida livre - Fêmeas parasitas: são as maiores. O esôfago é filarióide. São triplóides. Habitam o intestino delgado (em suas criptas) e são partenogenéticas. Ovipõem na porção mais proximal do jejuno. Fêmea parasita - Fêmeas de vida livre: são menores que as parasitas. Possuem esôfago rabiditóide. Vivem livres no solo e fazem reprodução sexuada. Possuem um receptáculo seminal para a reprodução.

3 Fêmea de vida livre, com uma larva próxima a ela - Machos de vida livre: são menores que as fêmeas de vida livre. Esôfago rabditóide. Possuem extremidade posterior recurvada ventralmente com espículos. Macho de vida livre com espículo - Larvas: as larvas de ambos os tipos apresentam vestíbulo bucal curto (o que difere dos ancilostomídeos, em que o vestíbulo é longo). Podem ser: - Rabditóides: possuem esôfago curto, dividido em duas partes (duas dilatações e um estreitamento entre elas). São os estágios L1 e L2.

4 Larvas rabditóides, com esôfago rabditóide e cauda pontiaguda

5 - Filarióides: possuem esôfago longo, cilíndrico, retilíneo. Corresponde ao estágio L3 (infectante). Além disso, possuem a cauda entalhada. Larvas filarióides, com esôfago retilíneo e cauda entalhada OBS: vermes adultos possuem boca com três lábios. Larvas possuem vestíbulo bucal curto. OBS 2: geralmente, as larvas rabditóides que são reconhecidas no diagnóstico parasitológico de fezes, e não os ovos.

6 - Ovos: podem ser haplóides, diplóides ou triplóides. Saem raramente nas fezes e não são usados para diagnóstico. São muito parecidos com os ovos de ancilostomídeos. Ciclo de vida - As fêmeas partenogenéticas colocam ovos n, 2n e 3n. - Se o ovo for n: há a formação de larvas (rabditóides) haplóides, que são machos. - Se o ovo for 2n: há formação de larvas (rabditóides) diplóides, que são fêmeas. Elas, ao cruzarem com os machos, colocam ovos triplóides. - Todo o ovo 3n (que veio da fêmea partenogenética ou das larvas): formam larvas filarióides triplóides, que são infectantes para o homem. Essas larvas fazem penetração ativa pela pele (mesmo íntegra). Caem na corrente sanguínea e fazem o ciclo pulmonar. - Assim, existem dois tipos de ciclos de vida: - O ciclo parasitário (também chamado de direto ou partenogenético), que conta com a liberação de ovos triplóides pela fêmea partenogenética, a transformação em larva filarióide e a infecção do homem.

7 - O ciclo de vida livre (também chamado de indireto ou sexuado), que contam com a formação de larva macho e fêmea de vida livre, a reprodução sexuada e a colocação de ovos triplóides, que liberam larvas infectantes para o homem. Transmissão - Auto-infecção interna: larvas filarióides presentes no próprio intestino podem infectar a mucosa intestinal e dar origem a vermes adultos. - Auto-infecção externa: quando as fezes são deixadas em contato com a região perianal (em pacientes que usam fralda, por exemplo), as larvas filarióides podem penetrar pela pele e iniciar o ciclo. - Hetero-infecção: quando larvas filarióides presentes no meio infectam o indivíduo. Evolução - Pacientes com pequeno número de parasitos no intestino geralmente são assintomáticos ou oligossintomático (desconforto abdominal e diarréia). - Pacientes imunossuprimidos são mais susceptíveis ao desenvolvimento de sintomas. - Neles, uma única larva pode causar uma infecção crônica, devido ao mecanismo de transmissão por auto-infecção interna. - Os sintomas mais graves geralmente são: - cutâneos: as larvas podem se deslocar pela pele; podem causar dermatites. - pulmonares: tosse, febre, dispnéia, hemorragia, bronquite, asma. - intestinais: semanas de diarréia intensa, vômitos, enterite edematosa, atrofia da mucosa. Diagnóstico - Diagnóstico clínico é difícil. Então, utiliza-se diagnóstico parasitológico de fezes (detecção de larvas; é pouco sensível) ou imunológico (mais sensível, mas não diz se a doença está numa fase aguda ou crônica). Tratamento - É uma parasitose difícil de ser tratada. O prognóstico é ruim. Mebendazol não é eficaz. Utiliza-se tiabendazol, albendazol, ivermectina, nitazoxamida.

Nematódeos. cutânea. - infecção muco-cutânea. Classificação

Nematódeos. cutânea. - infecção muco-cutânea. Classificação Nematódeos - infecção muco-cutânea cutânea Classificação Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Rhabditorida Família: Strongyloididae Espécie: Strongyloides stercoralis Nematódeos

Leia mais

Classe Nematoda. Ascaridíase

Classe Nematoda. Ascaridíase Classe Nematoda - Os parasitos pertencentes a essa classe possuem características em comum, como: - São pseudocelomados; - Possuem sistema digestório completo; - Alguns são geo-helmintos (verdadeiros),

Leia mais

Sub-Reino Metazoa. - Esse sub-reino possui 30 filos, sendo 2 de importância médica. São os filos Platyhelminthes e Nemathelminthes.

Sub-Reino Metazoa. - Esse sub-reino possui 30 filos, sendo 2 de importância médica. São os filos Platyhelminthes e Nemathelminthes. Sub-Reino Metazoa - Esse sub-reino possui 30 filos, sendo 2 de importância médica. São os filos Platyhelminthes e Nemathelminthes. - Suspeita-se que 20% da população mundial esteja infectada com algum

Leia mais

Disciplina de Parasitologia

Disciplina de Parasitologia Disciplina de Parasitologia Curso de Medicina 2016 Aula 04/08/16: Ascaridíase e Estrongiloidíase Profa. Dra. Juliana Quero Reimão Taxonomia dos helmintos (vermes) Reino Animalia Subreino Metazoa Filo Platyhelminthes

Leia mais

Yara Bandeira Azevedo, M.Sc. HELMINTOLOGIA

Yara Bandeira Azevedo, M.Sc. HELMINTOLOGIA HELMINTOLOGIA Yara Bandeira Azevedo, M.Sc. HELMINTOLOGIA Filos: Platyhelminthes, Aschelminthes, Acanthocephala Platyhelminthes: - Classe TREMATODA (Schistosoma mansoni e Fasciola hepática) - Classe CESTODA

Leia mais

Angiostrongylus sp., Ancilostomídeos e Strongyloides stercoralis

Angiostrongylus sp., Ancilostomídeos e Strongyloides stercoralis Angiostrongylus sp., Ancilostomídeos e Strongyloides stercoralis Barbeiro, Cabellereiro, Sangrador, Dentista e Deitão-se Bixas JB Debret, 1821 1 Angiostrongylus sp. Clado V Angiostrongylus cantonensis

Leia mais

Ancilostomíase e. Larva migrans 02/09/2016. Parasitose de veiculada por penetração ativa. Características gerais da doença

Ancilostomíase e. Larva migrans 02/09/2016. Parasitose de veiculada por penetração ativa. Características gerais da doença Parasitose de veiculada por penetração ativa Esquistosomose - cercária Ancilostomíase larva Larva migrans Estrongiloidíase - larva Cercária Ancilostomíase e Larva migrans Vermes presentes no solo que Introdução

Leia mais

INTRODUÇÃO HISTORICO NO BRASIL

INTRODUÇÃO HISTORICO NO BRASIL INTRODUÇÃO Há pelo menos 52 espécies descritas do nematódeo do gênero Strongyloides, no entanto, atualmente, somente duas delas são consideradas infectantes para os humanos: S. stercoralis (Bavay, 1876)

Leia mais

Características gerais

Características gerais Características gerais Já foram denominados Aschelminthes. São vermes de corpo cilíndrico e com pontas afinadas. Podem ser aquáticos, terrestres ou parasitas. Possuem tubo digestivo completo. São triblásticos

Leia mais

ESQUISTOSSOMOSE. Profa Carolina G. P. Beyrodt

ESQUISTOSSOMOSE. Profa Carolina G. P. Beyrodt ESQUISTOSSOMOSE Profa Carolina G. P. Beyrodt AGENTE ETIOLÓGICO Agente etiológico da esquistossomose mansônica: Schistosoma mansoni Schisto = fenda + soma = corpo (corpo em forma de fenda) Ocorre na África,

Leia mais

Monitores: Anne Galvão; Edmar Ceia.

Monitores: Anne Galvão; Edmar Ceia. Universidade Federal do Piauí Campos Ministro Reis Velloso Parnaíba Disciplina: Parasitologia Médica Prof. Drª Ana Carolina F. Lindoso Melo. Monitores: Anne Galvão; Edmar Ceia. Protozoários Intestinais.

Leia mais

Giardíase. - É a principal parasitose intestinal (com maior incidência do que a ascaridíase e a amebíase).

Giardíase. - É a principal parasitose intestinal (com maior incidência do que a ascaridíase e a amebíase). Giardíase Parasito Reino: Protozoa Filo: Sarcomastigophora (porque possui flagelo) Ordem: Diplomonadida Família: Hexamitidae Gênero: Giardia Espécie: Giardia lamblia - É a principal parasitose intestinal

Leia mais

Toxoplasmose. Filo: Apicomplexa (porque possui complexo apical)

Toxoplasmose. Filo: Apicomplexa (porque possui complexo apical) Toxoplasmose Parasito Reino: Protozoa Filo: Apicomplexa (porque possui complexo apical) Ordem: Eucoccidiida Família: Sarcocystidae Gênero: Toxoplasma Espécie: Toxoplasma gondii - É uma doença cosmopolita.

Leia mais

4º FILO - NEMATELMINTOS

4º FILO - NEMATELMINTOS 4º FILO - NEMATELMINTOS Nematelmintos (Asquelmintos) nematos = fio + helmintos = vermes Vermes cilíndricos e alongados Nematelmintos (Asquelmintos) Exemplos: Ascaris lumbricoides Necator americanus Ancilostomo

Leia mais

Ascaris lumbricoides. Fernanda Aparecida Gonçalves da Silva. Nutrição

Ascaris lumbricoides. Fernanda Aparecida Gonçalves da Silva. Nutrição Ascaris lumbricoides Fernanda Aparecida Gonçalves da Silva Nutrição Introdução O A.lumbricoides é encontrado em quase todos os países do globo, estimando-se que 30% da população mundial estejam por ele

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DE CÃES

DOENÇAS INFECCIOSAS DE CÃES DOENÇAS INFECCIOSAS DE CÃES Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria DOENÇAS INFECCIOSAS MUITO COMUNS DE CÃES NO RS VERMINOSE

Leia mais

Revisão para Prova Prática Parasitologia II. Prof. Archangelo P. Fernandes

Revisão para Prova Prática Parasitologia II.  Prof. Archangelo P. Fernandes Revisão para Prova Prática Parasitologia II www.profbio.com.br Prof. Archangelo P. Fernandes Formados por células flageladas (célula-flama) ligadas a túbulos e poros excretores que se distribuem longitudinalmente

Leia mais

Filariose Linfática. - Esses vermes, chamados de filarídeos, não são geo-helmintos. Eles precisam de um vetor (mosquito) para completar seu ciclo.

Filariose Linfática. - Esses vermes, chamados de filarídeos, não são geo-helmintos. Eles precisam de um vetor (mosquito) para completar seu ciclo. Filariose Linfática Parasito Reino: Animalia Filo: Nemathelminthes Classe: Nematoda Família: Onchocercidae Gênero: Wuchereria Espécies: Wuchereria bancrofti - Esses vermes, chamados de filarídeos, não

Leia mais

Posição sistemática dos nematóides. Reino Animalia Sub-reino Metazoa Filo Platyhelminthes Classe Trematoda Classe Cestoda Filo Nematoda

Posição sistemática dos nematóides. Reino Animalia Sub-reino Metazoa Filo Platyhelminthes Classe Trematoda Classe Cestoda Filo Nematoda Nematóides Posição sistemática dos nematóides Reino Animalia Sub-reino Metazoa Filo Platyhelminthes Classe Trematoda Classe Cestoda Filo Nematoda Posição sistemática dos nematóides Reino Animalia Sub-reino

Leia mais

INTRODUÇÃO MORFOLOGIA

INTRODUÇÃO MORFOLOGIA INTRODUÇÃO Ancylostomidae se constitui numa família de helmintos, de ampla distribuição geográfica, com significativa importância clínica na etiologia da ancilostomose (uma enteroparasitose também conhecida

Leia mais

Aula5 HELMINTOS - FILO NEMATELMINTO. Silvio Santana Dolabella Luciene Barbosa

Aula5 HELMINTOS - FILO NEMATELMINTO. Silvio Santana Dolabella Luciene Barbosa Aula5 HELMINTOS - FILO NEMATELMINTO META Neste capítulo você irá tomar conhecimento e compreenderá os nematelmintos, vermes de corpo cilíndrico, afilado nas extremidades. Muitas espécies são de vida livre

Leia mais

Ascaris lumbricoides

Ascaris lumbricoides Boa noite! Ascaris lumbricoides ASCARIDÍASE ASCARIDÍASE É o parasitismo desenvolvido no homem pelo Ascaris lumbricoides. Nome popular Lombrigas ou bichas. Prevalência O Ascaris lumbricoides encontrado

Leia mais

FILOS DOS ANIMAIS. Poríferos - ok Cnidários - ok Platelmintos - ok Nematelmintos Em estudo Moluscos Anelídeos Artrópodes Equinodermos Cordados

FILOS DOS ANIMAIS. Poríferos - ok Cnidários - ok Platelmintos - ok Nematelmintos Em estudo Moluscos Anelídeos Artrópodes Equinodermos Cordados FILOS DOS ANIMAIS Poríferos - ok Cnidários - ok Platelmintos - ok Nematelmintos Em estudo Moluscos Anelídeos Artrópodes Equinodermos Cordados FILO NEMATODA (Nomes populares: nematelmintos, nemátodos ou

Leia mais

Introdução a HELMINTOLOGIA

Introdução a HELMINTOLOGIA Introdução a HELMINTOLOGIA CLASSE TREMATODA O nome vem da palavra grega trematos, que significa dotado de buracos. CLASSE NEMATODA O nome vem da palavra grega nema, que significa fio. Schistosoma mansoni

Leia mais

Strongyloides stercoralis Ancylostoma duodenale Necator americanus Ascaris lumbricoides Enterobius vermicularis Trichuris trichiura

Strongyloides stercoralis Ancylostoma duodenale Necator americanus Ascaris lumbricoides Enterobius vermicularis Trichuris trichiura Strongyloides stercoralis Ancylostoma duodenale Necator americanus Ascaris lumbricoides Enterobius vermicularis Trichuris trichiura Strongyloides stercoralis Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Superfamilia:Rhabdiasoidea

Leia mais

Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais

Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais 1- Ascaridíase gênero Ascaris 2- Ancilostomíase gênero Ancylostoma 3- Oxiuríase gênero Enterobius 4- Filaríase gênero Wuchereria Ascaris O gênero Ascaris

Leia mais

Toxoplasmose. Zoonose causada por protozoário Toxoplasma gondii. Único agente causal da toxoplasmose. Distribuição geográfica: Mundial

Toxoplasmose. Zoonose causada por protozoário Toxoplasma gondii. Único agente causal da toxoplasmose. Distribuição geográfica: Mundial Toxoplasmose Zoonose causada por protozoário Toxoplasma gondii Único agente causal da toxoplasmose Distribuição geográfica: Mundial Hospedeiros: a) Hospedeiros finais ou definitivos: - felideos (gato doméstico

Leia mais

A profilaxia consiste na educação sanitária, em cozinhar bem as carnes e na fiscalização da carne e seus derivados (lingüiça, salame, chouriço,etc.

A profilaxia consiste na educação sanitária, em cozinhar bem as carnes e na fiscalização da carne e seus derivados (lingüiça, salame, chouriço,etc. CICLO DA TENÍASE 1. Ao se alimentar de carnes cruas ou mal passadas, o homem pode ingerir cisticercos (lasvas de tênia). 2. No intestino, a larva se liberta, fixa o escólex, cresce e origina a tênia adulta.

Leia mais

OCORRÊNCIA DE CASOS DE ANCYLOSTOMA CANINUM E TOXOCARA CANIS NO HOSPITAL VETERINÁRIO ESCOLA (HEV) ( ) MAPUTO MOÇAMBIQUE

OCORRÊNCIA DE CASOS DE ANCYLOSTOMA CANINUM E TOXOCARA CANIS NO HOSPITAL VETERINÁRIO ESCOLA (HEV) ( ) MAPUTO MOÇAMBIQUE OCORRÊNCIA DE CASOS DE ANCYLOSTOMA CANINUM E TOXOCARA CANIS NO HOSPITAL VETERINÁRIO ESCOLA (HEV) (2001 2010) MAPUTO MOÇAMBIQUE OCCURRENCE OF ANCYLOSTOMA CANINUM AND TOXOCARA CANIS IN THE VETERINARY SCHOOL

Leia mais

ESTRONGILOIDÍASE: ARTIGO DE REVISÃO STRONGYLOIDIASIS: REVIEW ARTICLE

ESTRONGILOIDÍASE: ARTIGO DE REVISÃO STRONGYLOIDIASIS: REVIEW ARTICLE 1 ESTRONGILOIDÍASE: ARTIGO DE REVISÃO STRONGYLOIDIASIS: REVIEW ARTICLE Juliana Anschau 1 Kelly Moreira Peralta 2 Luciane Triches Machado 3 Malisia Balestrin Lazzari 4 Manoela Blumm 5 Marjoriê Piuco Buffon

Leia mais

INFECÇÕES. Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto

INFECÇÕES. Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto INFECÇÕES Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto Definição É a colonização de um organismo hospedeiro por uma espécie estranha. Numa infecção, o organismo infectante procura utilizar os recursos do hospedeiro para

Leia mais

AMEBÍASE. e Entamoeba histolytica. Satie Katagiri. São Paulo, março de 2010.

AMEBÍASE. e Entamoeba histolytica. Satie Katagiri. São Paulo, março de 2010. AMEBÍASE e Entamoeba histolytica Satie Katagiri São Paulo, março de 2010. Amebas parasitas do homem Gênero Entamoeba Classificadas conforme número de núcleos da forma cística. Com 8 núcleos: Entamoeba

Leia mais

Introdução. Ascaridíase. Ascaridíases Distribuição Geográfica 18/10/2013. Doenças de Veiculação Hídrica e Alimentar

Introdução. Ascaridíase. Ascaridíases Distribuição Geográfica 18/10/2013. Doenças de Veiculação Hídrica e Alimentar Doenças de Veiculação Hídrica e Alimentar Ascaridíase Taeníase/cisticercose cisto/ovos Ascaridíase - ovos Toxoplasmose oocisto/cisto Amebíase - cistos Giardíase cistos Oxiuríase ovos Ancilostomíase larvas

Leia mais

Platelmintos. platys = achatado + helmintos = vermes. Vermes achatados dorso-ventralmente. Exemplos:

Platelmintos. platys = achatado + helmintos = vermes. Vermes achatados dorso-ventralmente. Exemplos: PLATELMINTOS Platelmintos platys = achatado + helmintos = vermes. Vermes achatados dorso-ventralmente. Exemplos: - Schistosoma mansoni - Dugesia tigrina (planária) - Taenia sollium - Taenia saginata Platelmintos

Leia mais

3º FILO - PLATELMINTOS

3º FILO - PLATELMINTOS PLATELMINTOS 3º FILO - PLATELMINTOS Platelmintos platys = achatado + helmintos = vermes Vermes achatados dorso-ventralmente Exemplos: - Schistosoma mansoni - Dugesia tigrina (planária) - Taenia sollium

Leia mais

PRINCIPAIS DOENÇAS CAUSADAS POR HELMINTOS

PRINCIPAIS DOENÇAS CAUSADAS POR HELMINTOS 7 PRINCIPAIS DOENÇAS CAUSADAS POR HELMINTOS Susana Segura Muñoz Ana Paula Morais Fernandes Principais doenças infecciosas e parasitárias e seus condicionantes em populações humanas 7.1 Introdução 7.2 Aspectos

Leia mais

7 ANO AULA DE CIÊNCIAS. Professora Andressa =)

7 ANO AULA DE CIÊNCIAS. Professora Andressa =) 7 ANO AULA DE CIÊNCIAS Professora Andressa =) 7 ANO Animais Invertebrados 1 Nematelmintos Linha evolutiva dos animais Simetria do corpo radial Animais sem tecidos Multicelularidade Animais com tecidos

Leia mais

Protistas. Thiago Lins do Nascimento

Protistas. Thiago Lins do Nascimento Protistas 1 Thiago Lins do Nascimento tiagolinsnasc@gmail.com Protistas: Características Gerais São seres eucariontes. Os protistas são compostos pelas algas e protozoários. Apresentam muita diversidade

Leia mais

Giardia duodenalis Giardíase

Giardia duodenalis Giardíase Parasitologia Biotecnologia Giardia duodenalis Giardíase Prof. Paulo Henrique Matayoshi Calixto Características Primeiramente descrita em 1681 por Anthon van Leeuwenhoek em suas próprias fezes; Acomete

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: REINO ANIMAL- PLATELMINTOS E NEMATELIMINTOS Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: REINO ANIMAL- PLATELMINTOS E NEMATELIMINTOS Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: REINO ANIMAL- PLATELMINTOS E NEMATELIMINTOS Prof. Enrico Blota Biologia Reino animal Platelmintos e nematelimintos Platelmintos São bilateralmente simétricos que não possuem

Leia mais

Nematelmintos intestinais: Ascaris lumbricoides Enterobius vermicularis Trichuris trichiura

Nematelmintos intestinais: Ascaris lumbricoides Enterobius vermicularis Trichuris trichiura Nematelmintos intestinais: Ascaris lumbricoides Enterobius vermicularis Trichuris trichiura Profa Alessandra Barone Prof Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Taxonomia Reino: Animalia Filo: Nematoda

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CÓDIGO DISCIPLINA REQUISITOS BIO 405 PARASITOLOGIA HUMANA --

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CÓDIGO DISCIPLINA REQUISITOS BIO 405 PARASITOLOGIA HUMANA -- UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA U.E.F.S. DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE DISCIPLINA CÓDIGO DISCIPLINA REQUISITOS BIO 405 PARASITOLOGIA HUMANA -- CARGA HORÁRIA CRÉDITOS PROFESSOR(A)

Leia mais

Apresentam simetria bilateral o corpo pode ser dividido longitudinalmente em duas partes iguais.

Apresentam simetria bilateral o corpo pode ser dividido longitudinalmente em duas partes iguais. OS PLATELMINTOS Prof. André Maia III. Os Platelmintos Características São vermes dotados de corpo geralmente achado dorsoventramente. São destituídos de sistemas respiratório e circulatório. São animais

Leia mais

1. SOBRE A HISTÓRIA NATURAL DA DOENÇA, DIFERENCIE PERÍODO EPIDEMIOLÓGICO DE PERÍODO PATOLÓGICO. 2. CONCEITUE: A. AGENTE ETIOLÓGICO: B.

1. SOBRE A HISTÓRIA NATURAL DA DOENÇA, DIFERENCIE PERÍODO EPIDEMIOLÓGICO DE PERÍODO PATOLÓGICO. 2. CONCEITUE: A. AGENTE ETIOLÓGICO: B. QUESTIONÁRIO ROTEIRO DE ESTUDOS PROVA N2 A AVALIAÇÃO TERÁ 16 QUESTÕES OBJETIVAS, VALENDO 0,5 PONTOS CADA, MAIS UMA QUESTÃO EXTRA QUE, SE RESPONDIDA CORRETAMENTE, SUBSTITUIRÁ EM NOTA, UMA DAS QUESTÕES ERRADAS,

Leia mais

O trabalho deve ser entregue em folha de papel almaço, completo e com capa.

O trabalho deve ser entregue em folha de papel almaço, completo e com capa. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: FreD DISCIPLINA:Biologia SÉRIE: 2º ano ALUNO(a): Trabalho de Recuperação No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

Leia mais

GASTROTRICHA (~430sp) ROTIFERA (1800 sp) NEMATODA (~12000 sp) Kynorhyncha (75 sp) Loricifera (?) Priapulida (18 sp)

GASTROTRICHA (~430sp) ROTIFERA (1800 sp) NEMATODA (~12000 sp) Kynorhyncha (75 sp) Loricifera (?) Priapulida (18 sp) GASTROTRICHA (~430sp) ROTIFERA (1800 sp) NEMATODA (~12000 sp) Kynorhyncha (75 sp) Loricifera (?) Priapulida (18 sp) São todos: bilatérias Protostômios trato digestivo completo pseudocelomados* Maioria

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde PET Parasitologia. Giardia lamblia. Aluna: Gabriela Floro 4º Período - Nutrição

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde PET Parasitologia. Giardia lamblia. Aluna: Gabriela Floro 4º Período - Nutrição Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde PET Parasitologia Giardia lamblia Aluna: Gabriela Floro 4º Período - Nutrição Introdução Giardia: parasitos do intestino delgado de mamíferos,

Leia mais

HELMINTOS NEMATÓIDES INTESTINAIS

HELMINTOS NEMATÓIDES INTESTINAIS HELMINTOS NEMATÓIDES INTESTINAIS Infecção por Nematóides Intestinais no Mundo 1,5 bilhões infecções por Ascaris 1,25 bilhões infecções por ancilostomídeos (1/4 da população mundial) 1 bilhão infecções

Leia mais

PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MEDICINA VETERINÁRIA

PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MEDICINA VETERINÁRIA PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MEDICINA VETERINÁRIA Contaminação por ovos e larvas de helmintos em areia de praças públicas na cidade de Taguatinga-DF BRASÍLIA 2012 PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MEDICINA

Leia mais

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 INTRODUÇÃO - Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 - Caracterizada pela infiltração de eosinófilos na mucosa esofágica - Pode ser isolada ou como manifestação

Leia mais

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição Relatos de casos de Strongyloides stercoralis Isabelle Assunção Nutrição RECIFE/2011 INTRODUÇÃO A estrongiloidíase é uma helmintíase predominantemente intestinal causada pelo Strongyloides stercoralis,

Leia mais

24/8/2009. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea

24/8/2009. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea CICLO BIOLÓGICO Os cães e os gatos, que são os hospedeiros definitivos do parasita, podem infectar-se de formas diversas: Ingestão de ovos infectantes; Ingestão de larvas presentes em tecidos de hospedeiros

Leia mais

Profa. Carolina G. P. Beyrodt

Profa. Carolina G. P. Beyrodt Profa. Carolina G. P. Beyrodt Agente etiológico: Toxoplasma gondii (Protozoário coccídeo do Filo Apicomplexa) Histórico Isolado em 1908 de um roedor do deserto: Ctenodactylus gondii 1923 descrição do primeiro

Leia mais

PROTOZOOLOGIA. Filo CILIOPHORA

PROTOZOOLOGIA. Filo CILIOPHORA Filo CILIOPHORA Filo CILIOPHORA Família BALANTIDIIDAE Balantidium coli Habitat: Intestino grosso PROTOZOOLOGIA Morfologia: organismo revestido por cílios, bastante móvel, mede 300µm, na parte anterior

Leia mais

Pelo jornalista Aloísio Brandão, Editor desta revista.

Pelo jornalista Aloísio Brandão, Editor desta revista. Os desafios da esquistossomose Pelo jornalista Aloísio Brandão, Editor desta revista. Uma visão farmacêutica da doença que acomete cerca de 200 milhões de pessoas, em 70 países, e 2,2 milhões, no Brasil,

Leia mais

Trypanosoma cruzi Doença de Chagas

Trypanosoma cruzi Doença de Chagas Disciplina de Parasitologia Trypanosoma cruzi Doença de Chagas Profa. Joyce Fonteles Histórico Histórico 1908- Carlos Chagas MG encontrou o parasito no intestino de triatomíneos. 1909- descrição do primeiro

Leia mais

[ERLICHIOSE CANINA]

[ERLICHIOSE CANINA] [ERLICHIOSE CANINA] 2 Erlichiose Canina A Erlichiose Canina é uma hemoparasitose causada pela bactéria Erlichia sp. Essa bactéria parasita, geralmente, os glóbulos brancos (neste caso, Erlichia canis)

Leia mais

PREVALÊNCIA DE GIARDIA LAMBLIA NA CIDADE DE BURITAMA ESTADO DE SÃO PAULO

PREVALÊNCIA DE GIARDIA LAMBLIA NA CIDADE DE BURITAMA ESTADO DE SÃO PAULO PREVALÊNCIA DE GIARDIA LAMBLIA NA CIDADE DE BURITAMA ESTADO DE SÃO PAULO Catierine Hirsch Werle RESUMO A Giardia está distribuída mundialmente. No Brasil sua prevalência varia de 4 a 30%, dependendo das

Leia mais

Atlas de Parasitologia. Clínica

Atlas de Parasitologia. Clínica Atlas de Parasitologia Clínica Ascaris lumbricoides Agente etiológico determinante da ascaridíase humana. Reino: Protista Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaroidea Família: Ascarididae Gênero:

Leia mais

O complexo teníase-cisticercose engloba, na realidade, duas doenças distintas,

O complexo teníase-cisticercose engloba, na realidade, duas doenças distintas, O que é? O complexo teníase-cisticercose engloba, na realidade, duas doenças distintas, com sintomatologia e epidemiologia totalmente diferentes: as cisticercoses correspondem, no estádio adulto, aos cestódios

Leia mais

Enfermidades Micóticas

Enfermidades Micóticas Enfermidades Micóticas Msc. Larissa Pickler Departamento de Medicina Veterinária Universidade Federal do Paraná Disciplina de Doenças das Aves Curitiba Paraná Brasil 2011 Enfermidades Micóticas Infecções

Leia mais

Giardia lamblia. Profª Me. Anny C. G. Granzoto

Giardia lamblia. Profª Me. Anny C. G. Granzoto Giardia lamblia Profª Me. Anny C. G. Granzoto 1 CLASSIFICAÇÃO TAXONÔMICA Reino Protista Subreino Protozoa Filo Sarcomastigophora Subfilo Mastigophora Classe Zoomastigophora Ordem Diplomonadida Flagelos

Leia mais

91 10 dias após. 96,1 7 e 14 dias após. 96,6 12 dias após dias após

91 10 dias após. 96,1 7 e 14 dias após. 96,6 12 dias após dias após Tabela 1: Giardíase - relação dos s. Parasita Fármaco Esquema Terapêutico Taxa de cura (%) > 98-7 86 14 ; 72 21 Tinidazol 50mg/Kg dose única 91 10 Giardia lamblia 92,6 7 e 14 96,1 7 e 14 96,6 12 80 16

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PET PARASITOLOGIA. Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PET PARASITOLOGIA. Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PET PARASITOLOGIA Strongyloides stercoralis Isabelle Assunção Nutrição INTRODUÇÃO Há pelo menos 52 espécies descritas do nematódeo do gênero Strongyloides, no entanto,

Leia mais

[DERMATITE ALÉRGICA A PICADA DE PULGAS - DAPP]

[DERMATITE ALÉRGICA A PICADA DE PULGAS - DAPP] www.drapriscilaalves.com.br [DERMATITE ALÉRGICA A PICADA DE PULGAS - DAPP] 2 É considerada a doença alérgica mais comum na rotina dermatológica, podendo corresponder a até 90% dos casos nos pacientes felinos

Leia mais

Do latim -annulus = anel -eidos = forma

Do latim -annulus = anel -eidos = forma poliquetos minhocas sanguessugas Vermes cilíndricos com corpo segmentado (dividido em anéis). Metameria (segmentação) completa (interna e externa). Aquáticos e terrestres (locais úmidos solo e vegetação).

Leia mais

É um termo usado nas águas que, após utilização humana, apresentam as suas características naturais elevadas.

É um termo usado nas águas que, após utilização humana, apresentam as suas características naturais elevadas. ESGOTO É um termo usado nas águas que, após utilização humana, apresentam as suas características naturais elevadas. Conforme o uso predominante: Comercial Industrial Doméstico No Brasil são produzidos

Leia mais

Distribuição Mundial

Distribuição Mundial Distribuição Mundial População de Suínos RAÇAS 100 50 0 1 Trim 3 Trim Leste Oeste Norte Sistema de criação 100 50 0 1 Trim 3 Trim Leste Oeste Norte Sistema de Produção Categoria Idade Peso Fase de aleitamento

Leia mais

Sanguessugas. Poliquetos. Minhocas

Sanguessugas. Poliquetos. Minhocas Sanguessugas Poliquetos Minhocas Representados pelas minhocas, sanguessugas e poliquetos Vivem em solos úmidos, água doce ou marinhos Podem ser parasitas ou vida livre São triblásticos, simetria bilateral

Leia mais

Principais parasitos humanos de transmissão hídrica ou por alimentos

Principais parasitos humanos de transmissão hídrica ou por alimentos Universidade Estadual de Campinas - Unicamp Universidade Federal de Alfenas Unifal-MG Principais parasitos humanos de transmissão hídrica ou por alimentos Gabriel Gerber Hornink Urara Kawazoe Daniel Perez

Leia mais

Filarioses. Prof Msc Meire Cristina Alves de Castro Pauleto

Filarioses. Prof Msc Meire Cristina Alves de Castro Pauleto Filarioses Prof Msc Meire Cristina Alves de Castro Pauleto Filarias: Helmintos afilados, transmitidos principalmente por artrópodes. Principais filarias no Brasil: Wuchereria bancrofti (filariose linfática

Leia mais

Platelmintos. Profº - Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS. Data

Platelmintos. Profº - Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS. Data Platelmintos Profº - Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS Data Platelmintos Vermes achatados Vida livre aquáticos e solo úmido. (Planária) Parasitas Esquistossomo, fascíola e tênia. Platelmintos - Características

Leia mais

Disciplina de Pediatria

Disciplina de Pediatria Disciplina de Pediatria Parasitoses intestinais estão entre as patologias mais encontradas em seres humanos (25% da população mundial) Acomete principalmente a população infantil (préescolares e escolares).

Leia mais

Gênero Leishmania. século XIX a febre negra ou Kala-azar era temida na Índia. doença semelhante matava crianças no Mediterrâneo

Gênero Leishmania. século XIX a febre negra ou Kala-azar era temida na Índia. doença semelhante matava crianças no Mediterrâneo Leishmaniose Leishmaniose é um espectro de doenças produzidas por Leishmania sp. cuja manifestação clínica varia de infecção assintomática tica à morte Gênero Leishmania Histórico século XIX a febre negra

Leia mais

Nematódeos. - infecção oral. Classificação. Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Ascarididae Ascaris lumbricoides

Nematódeos. - infecção oral. Classificação. Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Ascarididae Ascaris lumbricoides Classificação Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Família: Ascarididae Espécie: Ascaris lumbricoides Características gerais É o maior nematódeos do intestino do homem

Leia mais

Teníase e Cisticercose. Disciplina: Parasitologia Curso: Análises Clínicas 3º. Módulo Docente: Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini

Teníase e Cisticercose. Disciplina: Parasitologia Curso: Análises Clínicas 3º. Módulo Docente: Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini Teníase e Cisticercose Disciplina: Parasitologia Curso: Análises Clínicas 3º. Módulo Docente: Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini Teníase e Cisticercose Taenia saginata Taenia solium Teníase x Cisticercose

Leia mais

Biologia. Alexandre Bandeira e Rubens Oda (Julio Junior) Doenças e Evolução

Biologia. Alexandre Bandeira e Rubens Oda (Julio Junior) Doenças e Evolução Doenças e Evolução Doenças e Evolução 1. Estima-se que em todo o mundo haja um total de 300 a 500 milhões de casos de malária, com até 2,7 milhões de óbitos. Mais de 90% dos casos no Brasil, encontram-se

Leia mais

GIARDÍASE. Profª Drª Iana Rafaela F. Sales

GIARDÍASE. Profª Drª Iana Rafaela F. Sales GIARDÍASE Profª Drª Iana Rafaela F. Sales ianarafaela@gmail.com INTRODUÇÃO PRIMEIRO PROTOZOÁRIO INTESTINAL HUMANO A SER CONHECIDO Animalúnculos móveis em suas próprias fezes (1681) INTRODUÇÃO MORFOLOGIA

Leia mais

TÍTULO: OCORRÊNCIA DE FELINOS DOMÉSTICOS (FELIS CATUS) NATURALMENTE INFECTADOS COM GIARDIA SP NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO, SP, BRASIL

TÍTULO: OCORRÊNCIA DE FELINOS DOMÉSTICOS (FELIS CATUS) NATURALMENTE INFECTADOS COM GIARDIA SP NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO, SP, BRASIL 16 TÍTULO: OCORRÊNCIA DE FELINOS DOMÉSTICOS (FELIS CATUS) NATURALMENTE INFECTADOS COM GIARDIA SP NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO, SP, BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA

Leia mais

Filo Annelida Vermes Anelados

Filo Annelida Vermes Anelados Filo Annelida Vermes Anelados CARACTERÍSTICAS GERAIS Anelídeo anelo = anel Metameria Meta = sucessão; meros = partes Externa e Interna Triblástico ( endoderme, mesoderme e ectoderme) Celomados Simetria

Leia mais

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra Reações Adversas a Alimentos Imunomediadas: Alergia alimentar IgE mediada

Leia mais

As quatro formas que as pulgas assumem em seu ciclo de vida

As quatro formas que as pulgas assumem em seu ciclo de vida São insetos que parasitam externamente aves e mamíferos. Possuem hábitos cosmopolitas, isto é, adaptam-se em qualquer local, inclusive aqueles com pouca exigência de condições ambientais. No ambiente urbano,

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D Ensino Médio Ciências da Natureza II Habilidade da Questão Conteúdo Matriz da EJA/FB 1 Técnica de separação de mistura H1; H5 homogênea (destilação simples) 2 Composição do ar

Leia mais

HELMINTOS NEMATÓIDES INTESTINAIS

HELMINTOS NEMATÓIDES INTESTINAIS HELMINTOS NEMATÓIDES INTESTINAIS Infecção por Nematóides Intestinais no Mundo 0,8 bilhões infecções por Ascaris 0,6 bilhões infecções por ancilostomídeos 0,6 bilhões infecções por Trichuris (1/4 da população

Leia mais

Nematelmintos: Ancylostoma duodenale Necator americanus. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br

Nematelmintos: Ancylostoma duodenale Necator americanus. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Nematelmintos: Ancylostoma duodenale Necator americanus Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Ancylostoma duodenale e Necator americanus Reino: Animalia Filo: Nematoda

Leia mais

GIARDIOSE. Crônico: fezes amolecidas, com aspecto gorduroso, anorexia. Retardo no desenvolvimento do hospedeiro. Animais de produção

GIARDIOSE. Crônico: fezes amolecidas, com aspecto gorduroso, anorexia. Retardo no desenvolvimento do hospedeiro. Animais de produção 1 GIARDIOSE 1. INTRODUÇÃO Infecção por parasitas (protozoários) - I.D. Maioria: assintomáticas Sintomática: diarreia e dor abdominal (agudo) Crônico: fezes amolecidas, com aspecto gorduroso, anorexia Zoonose

Leia mais

FACULDADE TECSOMA Curso de Biomedicina. Italo Albernaz Avelar

FACULDADE TECSOMA Curso de Biomedicina. Italo Albernaz Avelar FACULDADE TECSOMA Curso de Biomedicina Italo Albernaz Avelar PREVALÊNCIA DE PARASITOSES INTESTINAIS EM CRIANÇAS DA ESCOLA MUNICIPAL PEDRO SILVA NEIVA, ASSENTAMENTO DE SEM- TERRA (JAMBREIRO), PARACATU (MG)

Leia mais

CURSO MEDICINA VETERINÁRIA

CURSO MEDICINA VETERINÁRIA Faculdade Anhanguera de Dourados Parasitologia Veterinária Geral CURSO MEDICINA VETERINÁRIA Prof. Me. Baltazar A Silva Jr 1 Aula 1: Conceitos Gerais e Métodos Parasitológicos 2 Introdução Parasitologia

Leia mais

Cryptosporidium Do grego Kryptos = escondido, spora = Semente

Cryptosporidium Do grego Kryptos = escondido, spora = Semente 1 2 Cryptosporidium Cryptosporidium spp Cryptosporidium Do grego Kryptos = escondido, spora = Semente Coccídio ~ 4 a 8 µm de diâmetro Filo: Apicomplexa Classe: Sporozoea Ordem: Eucoccidiida Família: Cryptosporididae

Leia mais

IMPORTÂNCIA PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA SURTOS ASSOCIADOS A ÁGUA POTÁVEL HUMANOS / ANIMAIS

IMPORTÂNCIA PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA SURTOS ASSOCIADOS A ÁGUA POTÁVEL HUMANOS / ANIMAIS Giardia PORQUE Giardia spp. afeta 2,8 bilhões de pessoas /ano mundo Brasil:28,5% de parasitados Países desenvolvidos = 5% Giardiose Humana Países em desenvolvimento = 40% Giardiose Humana IMPORTÂNCIA PROBLEMA

Leia mais

REINO ANIMAL. Qual a importância da metameria? FILO: ANELÍDEOS VERMES CILÍNDRICOS E SEGMENTADOS. Qual a importância da metameria?

REINO ANIMAL. Qual a importância da metameria? FILO: ANELÍDEOS VERMES CILÍNDRICOS E SEGMENTADOS. Qual a importância da metameria? REINO ANIMAL FILO: ANELÍDEOS VERMES CILÍNDRICOS E SEGMENTADOS Metâmeros são compartimentos contíguos, revestidos internamente por mesoderme, e separados uns dos outros por paredes (septos) mesodérmicas.

Leia mais

Aula 06. Olá pessoal, hoje iremos conhecer um parasita muito frequente em nossa região a. Taenia. TAENIA sp. (Teníase e Cisticercose) Introdução

Aula 06. Olá pessoal, hoje iremos conhecer um parasita muito frequente em nossa região a. Taenia. TAENIA sp. (Teníase e Cisticercose) Introdução Aula 06 Teníase e Cisticercose Taenia sp. Olá pessoal, hoje iremos conhecer um parasita muito frequente em nossa região a TAENIA sp. (Teníase e Cisticercose) Introdução Teníases e Cisticercose são duas

Leia mais

Toxoplasma gondii. Ciclo de vida e patogênese com foco para imunodeprimidos

Toxoplasma gondii. Ciclo de vida e patogênese com foco para imunodeprimidos Toxoplasma gondii Ciclo de vida e patogênese com foco para imunodeprimidos INTRODUÇÃO O Toxoplasma gondii é um protozoário intracelular obrigatório, para que seu ciclo de vida esteja completo, precisa

Leia mais

[DEMODICIOSE]

[DEMODICIOSE] [DEMODICIOSE] 2 Demodiciose É uma dermatose parasitária não contagiosa (ou seja, não há transmissão de um cão para o outro) muito comum da pele dos cães e um problema também reconhecido em gatos, embora

Leia mais

2.Introdução A Doença Descrição...11

2.Introdução A Doença Descrição...11 Índice 1.Apresentação... 05 2.Introdução...07 3.A Doença... 11 3.1. Descrição...11 3.2. Epidemiologia... 11 3.2.1. Agente Etiológico e Ciclo Evolutivo...11 3.2.2. Reservatórios / Hospedeiros Intermediários...

Leia mais

Virologia Doenças. Prof.: Anderson Marques de Souza Juiz de Fora 2º ano EM- 2016

Virologia Doenças. Prof.: Anderson Marques de Souza Juiz de Fora 2º ano EM- 2016 Virologia Doenças Prof.: Anderson Marques de Souza Juiz de Fora 2º ano EM- 2016 Existem vírus que infectam animais, plantas, protozoários, fungos e bactérias. Exigência viral - ligação específica à célula

Leia mais

Larva migrans cutânea

Larva migrans cutânea Objetivo Estudar a parasitose denominada larva migrans cutânea,......bem como as espécies de nematóide responsáveis. Larva migrans cutânea Ancylostoma braziliense Ancylostoma caninum (an-ci-lós-to-ma bra-zi-li-ên-se)

Leia mais

TENÍASE Homem: Boi ou porco: Contaminação: Sintomas: Tratamento: Profilaxia:

TENÍASE Homem: Boi ou porco: Contaminação: Sintomas: Tratamento: Profilaxia: TENÍASE Homem: hospedeiro definitivo. Boi ou porco: hospedeiro intermediário. Contaminação: ingestão de carne mal passada contaminada com cisticercos; autoinfecção. Sintomas: distúrbios intestinais, dores

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: Ano V Número 09 Julho de 2007 Periódicos Semestral VERMINOSE OVINA

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: Ano V Número 09 Julho de 2007 Periódicos Semestral VERMINOSE OVINA VERMINOSE OVINA ARO, Daniele Torres POLIZER, Kassiane Aparecida BELUT, Danila Salomão DE ALMEIDA, Carolina Rezende DO AMARAL, Luciane Custódio Acadêmicos da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE HELMINTOS ENCONTRADOS EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO DE FEIRA DE SANTANA, BAHIA, BRASIL

IDENTIFICAÇÃO DE HELMINTOS ENCONTRADOS EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO DE FEIRA DE SANTANA, BAHIA, BRASIL Identificação de helmintos encontrados... SOUZA SILVA et al. 37 IDENTIFICAÇÃO DE HELMINTOS ENCONTRADOS EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO DE FEIRA DE SANTANA, BAHIA, BRASIL Jefferson de Souza Silva

Leia mais