RELATÓRIO QMSSRS PROJETO VIVEIRO FLORESTAL UHE BELO MONTE PROJETO DO VIVEIRO FLORESTAL UHE BELO MONTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO QMSSRS PROJETO VIVEIRO FLORESTAL UHE BELO MONTE PROJETO DO VIVEIRO FLORESTAL UHE BELO MONTE"

Transcrição

1 DC-S-1/2011 1/27 PROJETO DO VIVEIRO FLORESTAL UHE BELO REV. DATA HISTÓRICO ELABORADO VERIFICADO APROVADO 18/12/2012 Emissão inicial Coordenador de Meio Ambiente - PRAD Gerência de Meio Ambiente Gerência da Unidade

2 DC-S-1/2011 2/27 INDÍCE 1. APRESENTAÇÃO JUSTIFICATIVA LOCALIZAÇÃO E INFRAESTRUTURA Localização Escolha do Local Suprimento de Água Área livre de ervas daninhas Declividade da Área Drenagem Extensão da Área Iluminação Solar Área do Viveiro Canteiro Estradas e Passeios Casas de Germinação e Crescimento Área Aberta a Pleno Sol Depósito de Substrato Depósito de Equipamentos e Ferramentas Depósito para Produtos Químicos Escritório SISTEMA DE PRODUÇÃO DE MUDAS Obtenção de Sementes Recipientes Tipo Dimensão Preparo do Substrato para Recipientes Beneficiamento Semeadura... 14

3 DC-S-1/2011 3/ Profundidade Cuidados Manejo do Sombreamento DADOS GERAIS Projetos Produtividade de mudas ANEXOS... 26

4 DC-S-1/2011 4/27 1. APRESENTAÇÃO Entende-se por viveiro florestal um determinado local onde são concentradas todas as atividades de produção de mudas florestais, que representa o inicio de uma cadeia de operações que visam o estabelecimento de florestas e povoamentos. O sucesso da implantação e da produção florestal está diretamente relacionado à qualidade das operações de viveiro e do seu produto. Sendo assim alguns procedimentos administrativos devem ser adotados, dentre os mais importantes: Planejamento da produção visando cobrir todas as fases do processo, em que deve ser considerado o número de mudas a ser produzidas, as espécies e as épocas mais adequadas para a produção. Estoque de insumos e demais materiais necessários para a produção, tais como embalagens, ferramentas e outros. Disponibilidade de sementes. Supervisão dos trabalhos distribuindo atribuições e obrigações ao pessoal, acompanhamentos periódicos através de relatórios em que figurem informações sobre as espécies produzidas, dentre outros. 2. JUSTIFICATIVA Para atendimento ao Programa de Recuperação de Áreas Degradadas, contido no Plano Básico Ambiental, das áreas abrangidas pelas obras de infra-estrutura e principais da UHE Belo Monte faz-se a necessidade da implantação do Viveiro Florestal para fornecimento de mudas ao referido programa. 3. LOCALIZAÇÃO E INFRAESTRUTURA 3.1 Localização De acordo com a necessidade de mudas em virtude das áreas degradadas para recuperação, foi determinada a construção de dois viveiros florestais, sendo um locado no Sítio Canais e Diques e outro no Sítio Belo Monte. Além da necessidade de mudas também

5 DC-S-1/2011 5/27 foi levado em consideração a logística entre as unidades, ficando também definido a implantação de uma unidade de rustificação de mudas no Sítio Pimental. 3.2 Escolha do Local Visto que a escolha do local constitui-se no primeiro cuidado para a instalação de um viveiro, alguns aspectos foram envolvidos para determinar o local, sendo estes: Suprimento de água; Área livre de ervas daninhas; Declividade da área; Drenagem; Extensão da área; Iluminação solar; Suprimento de Água Durante todo o período, notadamente após a semeadura, há necessidade de abundancia de água para irrigação. Um projeto de irrigação dentre as conformidades legais será realizado Área livre de ervas daninhas O local deve ser livre da ocorrência de ervas, principalmente das que sejam daninhas. Será realizada a limpeza de toda área antes da instalação do viveiro, que poderá ser feita manualmente ou através de controle químico, dependendo do grau de infestação. Após instalado será dado uma continua vigilância e erradicação dos mesmos Declividade da Área A declividade da área serão de no máximo 2%, para não ocorrer danos por erosão com água de chuvas fortes. Os canteiros serão instalados, independentemente do grau da declividade, no sentido perpendicular à movimentação da água, ou seja, devem ser instalados em nível.

6 DC-S-1/2011 6/ Drenagem As drenagens serão construídas em toda área no intuito de se evitar áreas encharcadas e processos erosivos. Em toda área de produção do viveiro o terreno também será coberto por pedra britada e/ou cascalhada Extensão da Área O viveiro possui dois tipos de áreas: Áreas produtivas, que é a soma das áreas de canteiros e sementeiras, em que se desenvolvem as atividades de produção e as Áreas não produtivas, que se constitui dos caminhos, estradas e áreas construídas. Para calculo da área necessária para implantação do viveiro, foi levado em consideração a demanda de mudas/ano para cada Sítio e o tempo de permanência destas no local desde a o plantio nas casas de vegetação, passando pela germinação, plantio e rustificação à expedição das mudas. Mais alguns fatores foram levados em consideração para calcular toda extensão necessária à produção sendo estes: a) Densidade de mudas/m 2 (em função da espécie) b) Espécie e seu período de rotação c) Dimensões dos canteiros, dos passeios (caminhos) e das estradas d) Dimensões dos passeios (ou caminhos) e) Dimensão das estradas (ou ruas) f) Dimensão das instalações Iluminação Solar O viveiro será instalado em local totalmente ensolarado, não podendo admitir sombreamento nos canteiros. Nos locais ou espécies que necessitam de sombra serão utilizados sombrites para proteção das plantas.

7 DC-S-1/2011 7/27 Os canteiros serão construídos sempre no sentido leste-oeste, para melhor aproveitamento da radiação solar pelas mudas. Os raios solares tornam as mudas mais robustas e resistentes, sendo que no canteiro estas serão dispostas de tal forma que o espaçamento permita a insolação entre as mudas. 3.3 Área do Viveiro A área do viveiro contempla toda a infra-estrutura necessária para produção das mudas desde as casas de vegetação, galpões para armazenamento do substrato e equipamentos, estrada e vias de acessos, dentre outros especificados nos itens a seguir (Figura 1) Canteiro Os canteiros terão 1,2m de largura, para facilitar o manuseio das mudas, o cumprimento poderá ser variável (em geral mais de 10m e menos de 30m), e locados de forma a cortar as águas (perpendicular à linha do declive). A distância entre os canteiros será da ordem de 2,0m com os caminhos internos de 5m de largura, cruzando o viveiro e acessos externos de 9,0m de forma a permitir o trânsito de veículos Estradas e Passeios As estradas deverão possuir boa qualidade tanto as que dão acesso ao viveiro quanto às ruas internas, para tornar fácil a movimentação interna principalmente em períodos chuvosos Casas de Germinação e Crescimento Para produção das mudas se utilizará o sistema com duas casas de vegetação e uma área externa para rustificação, denominado este de módulo de crescimento. Nestas duas casas de vegetação uma será destinada a germinação das sementes e a outra ao crescimento das espécie que necessitam de sombreamento nesta etapa. Nas casas de germinação e crescimento irá se utilizar de um sombrite cobrindo toda a casa de forma a manter sombra e umidade necessária para desenvolvimento das mudas. A utilização do sombreamento no viveiro será feita observando-se as características ecofisiológicas das espécies. Por exemplo, as espécies heliófilas devem receber

8 DC-S-1/2011 8/27 sombreamento somente na fase de germinação, quando necessário. Já as espécies umbrófilas podem permanecer sob sombreamento durante toda a fase de viveiro Área Aberta a Pleno Sol Nesta área são semeadas as espécies do chamado grupo das pioneiras, que não suportam o sombreamento, ou do grupo das secundarias já formadas, com altura acima de 30 cm Depósito de Substrato É uma área onde irá se armazenar a terra, o esterco e também preparar o substrato e o enchimento das embalagens. Um volume razoável de substrato pronto e seco ficará armazenado ao abrigo da chuva, visto a dificuldade de trabalhar com material molhado. Para o enchimento das embalagens individuais será utilizado estruturas como as moegas que facilita o trabalho em relação tempo X ergonomia. Para seu perfeito funcionamento o substrato será peneirado, homogêneo e seco Depósito de Equipamentos e Ferramentas Para uma boa conservação e manutenção das máquinas e equipamentos será construída uma área de depósito com esta finalidade Depósito para Produtos Químicos O depósito será construído em local com ventilação própria e protegido de umidade para armazenar principalmente os defensivos químicos. Este local deverá ser trancado e o acesso controlado Escritório Um escritório será construído para apoio administrativo do campo e planejamento das atividades. As dimensões podem ser visualizadas nas plantas em anexo.

9 DC-S-1/2011 9/27 Figura 1:Planta do arranjo geral das estruturas

10 DC-S-1/ /27 4. SISTEMA DE PRODUÇÃO DE MUDAS 4.1 Obtenção de Sementes A obtenção das sementes poderá se dar por duas formas, uma através da colheita destas por meio de uma equipe técnica especializada e a outra através da aquisição das sementes de produtores e/ou empresas idôneas que realizam este comércio, sempre priorizando germoplasmas da região para manutenção genotípica das populações das espécies locais. Para a coleta os métodos adotados serão os seguintes: Catação - usado quando as sementes já estão caídas no chão. Balanço - realizado através do balanço das árvores quando os frutos estão maduros, com auxílio de corda e lona disposta embaixo das árvores. Manual - utilizado quando as sementes estiverem à altura do coletor, com auxilio de uma tesoura de poda. Coleta com podão - utilizado quando as sementes não estão a altura do coletor, sendo feito através de um equipamento composto por tesoura de alta-poda ou foice acoplada a um cabo de alumínio. Escalada em árvores - utilizado em árvores de grande porte, através do auxílio de equipamentos de escaladas. Na prática, os métodos citados podem ser usados de forma conjunta ou separados, de acordo com a situação encontrada. Nesta etapa alguns cuidados serão tomados para evitar que se colete sementes de má qualidade fisiológica e genética, e se obter sementes de árvores sadias e vigorosas, que apresentam boa formação do tronco, altura, distribuição de copa. As sementes serão beneficiadas e armazenadas, considerando as características específicas de cada espécie, mantendo as condições adequadas para que não percam seu poder germinativo. Toda semente coletada deverá ser minimamente identificada em lotes com: nome da espécie, tipo de coleta, coordenadas, data da coleta e peso bruto. Um lote poderá ser composto por uma coleta de um único indivíduo ou de mais de uma árvore da mesma espécie, próximas entre si, formando uma população. 4.2 Recipientes

11 DC-S-1/ /27 São vários os tipos de recipientes que se pode utilizar na produção de mudas, estando esta característica atrelada às espécies requeridas, das condições disponíveis do produtor e da produção esperada. Para escolha do recipiente que se vai utilizar, alguns aspectos físicos foram observados para a qualidade das mudas produzidas: a) Forma: a forma do recipiente deve evitar o crescimento das raízes em forma espiral, estrangulada, ou de qualquer outro problema. Indícios de recipientes inadequados podem ser visualizados com a curvatura na base do fuste da muda e a inclinação da árvore adulta, decorrentes de problemas no sistema radicular. b) Material: o material não deve desintegrar-se durante a fase de produção de mudas, o que dificulta a manipulação e o transporte dos recipientes. c) Dimensões: é a combinação entre a altura e o diâmetro. É deste aspecto que resulta o volume de cada recipiente, onde, quando forem maiores que o indicado, provocam gastos desnecessários, aumentam a área do viveiro e os custos de transporte, manutenção e distribuição das mudas em campo. Por outro lado, como a disponibilidade de água e nutrientes é diretamente proporcional ao volume de substrato, dimensões pequenas resultam em volume reduzido, afetando o desenvolvimento da muda. Outro problema é o sistema radicial que é variável de espécie para espécie. d) Rotação da espécie no viveiro: o período de produção da muda deve ser compatível com a duração dos recipientes e deve atender a qualidade do substrato pela perda dos nutrientes com a lixiviação. As mudas deverão permanecer, dependendo das características sucessionais de cada espécie, no máximo dois anos no viveiro, até atingir o porte adequado para plantio em campo Tipo Considerando os itens anteriores optou-se inicialmente por adotar o saco plástico de polietileno como recipiente de cultivo. Com este tipo de recipiente, a semeadura não poderá ser mecanizada, devido à necessidade das embalagens estarem em perfeito alinhamento

12 DC-S-1/ /27 nos canteiros. Os sacos serão providos de furos na sua parte inferior, com a função de escoar o excesso de umidade e permitir o arejamento. Para enchimento poderá utilizar uma moega metálica que é um equipamento em formato de uma pirâmide invertida, tendo um bico em sua parte inferior, onde é inserida a boca do saco plástico. O substrato, ao passar pelo bico, força a abertura do restante do saco plástico. Uma lingüeta de metal controlada por um pedal é que regula a abertura e o fechamento do bico da moega. Seu rendimento gira em torno de 90 sacos/ homem/ dia Dimensão Usualmente podem ser encontrados diversos tamanhos de sacos plásticos, e o tamanho ideal vai depender da espécie e do objetivo para o qual a muda será produzida. Para espécies nativas o mais indicado é o 7 x 19,4 cm; Para mudas de lento crescimento o tamanho pode ser 10 x 20 25cm; Quando se trata de dimensões em embalagens, sempre a primeira medida refere-se ao diâmetro, e a segunda à altura Preparo do Substrato para Recipientes Sua principal função é sustentar a planta e fornecer-lhe nutrientes, água e oxigênio. É composto por três fases, sendo elas: Sólida: constituído de partículas minerais e orgânicas; Líquida: formada pela água, na qual encontram-se os nutrientes, sendo chamada de solução do solo; Gasosa: constituída pelo ar, a atmosfera do substrato. Para o preparo do substrato, alguns pontos devem ser observados: não deve ser muito compacto, para não prejudicar a aeração e o desenvolvimento das raízes; apresentar substâncias orgânicas, para melhorar a agregação e aumentar a capacidade de troca catiônica e a retenção de água; e deve estar isento de sementes de plantas indesejáveis, de pragas e de microrganismos patogênicos.

13 DC-S-1/ / Quebra de Dormência das Sementes A dormência de sementes é um processo caracterizado pelo atraso da germinação, quando as sementes mesmo em condições favoráveis (umidade, temperatura, luz e oxigênio) não germinam. Cerca de dois terços das espécies arbóreas, possuem algum tipo de dormência, cujo fenômeno é comum tanto em espécies de clima temperado (regiões frias), quanto em plantas de clima tropical e subtropical (regiões quentes). O fenômeno de dormência em sementes advém de uma adaptação da espécie às condições ambientais que ela se reproduz, podendo ser de muita ou pouca umidade, incidência direta de luz, baixa temperatura etc. É portanto um recurso utilizado pelas plantas para germinarem na estação mais propícia ao seu desenvolvimento, buscando através disto a perpetuação da espécie (garantia de que alguns indivíduos se estabeleçam) ou colonização de novas áreas. Existem dois tipos básicos de dormência: a primária e a secundária. A primária entende-se aquela já existente na semente por ocasião de sua coleta e secundária, a que a semente adquire ao ser submetida a ambientes desfavoráveis à germinação. Para realizar o processo de quebra de dormência serão utilizados os principais métodos descritos abaixo: Escarificação química: é um método químico, feito geralmente com ácidos (sulfúrico, clorídrico etc.), que possibilita as sementes executar trocas com o meio, água e/ou gases. Escarificação mecânica: é a abrasão das sementes sobre uma superfície áspera (lixa, piso áspero etc.). É utilizado para facilitar a absorção de água pela semente. Estratificação: consiste num tratamento úmido à baixa temperatura, auxiliando as sementes na maturação do embrião, trocas gasosas e embebição por água. Choque de temperatura: é feito com alternância de temperaturas variando em aproximadamente 20ºC, em períodos de 8 a 12 horas. Água quente: é utilizado em sementes que apresentam impermeabilidade do tegumento e consiste em imersão das sementes em água na temperatura de 76 a 1ºC, com um tempo de tratamento específico para cada espécie.

14 DC-S-1/ / Beneficiamento O beneficiamento é um conjunto de técnicas que tem por finalidade a retirada de materiais indesejáveis, como sementes vazias, imaturas e quebradas, pedaços de frutos, alas, folhas, entre outros. Assim, o lote de sementes vai apresentar maior pureza física e, conseqüentemente, melhor qualidade. Alguns métodos poderão ser utilizados entre eles o manual por meio de peneiras de diversos tamanhos e formas de malhas. Elas podem separar as impurezas das sementes e também possibilitam a classificação das sementes por tamanho. Pode-se utilizar também da mesa de gravidade que funciona com base nas diferenças entre os componentes do lote de sementes no peso específico. 4.5 Semeadura Consiste na distribuição das sementes, enterrando-as no solo, de acordo com suas próprias exigências e nas melhores condições possíveis. Foi determinada a utilização do método da semeadura direta por oferecer certas vantagens como: simplificação das operações, evitando danos à raiz e traumas na repicagem, além de apressar o processo de produção de mudas. Sua execução é mais fácil com sementes de tamanho médio, de fácil manipulação e de porcentagem de germinação conhecida. Neste caso, o número de sementes empregado em geral é maior, uma vez que são utilizadas mais de uma semente por recipiente, de forma a assegurar o aproveitamento de pelo menos uma planta (as outras são repicadas ou cortadas com tesoura). É comum o uso de 3 a 5 sementes por recipiente Profundidade A semeadura, não deve ser muito superficial, tampouco muito profundas. Isto porque, se forem muito superficiais as sementes recebem intenso calor do sol, não absorvendo quantidades adequadas de umidade que proporcionem sua germinação. Já sementes muito

15 DC-S-1/ /27 profundas apresentam o inconveniente do próprio peso do substrato constituir um fator físico inibidor da emergência das plântulas. De modo geral, as sementes serão colocadas a uma profundidade correspondente a até duas vezes o seu diâmetro maior. Porém, as sementes pequenas serão distribuídas na superfície do substrato nos recipientes ou na sementeira, sendo irrigados previamente, e cobertas com uma fina camada de substrato Cuidados Antes, durante e após a semeadura, alguns cuidados serão tomados para não ocorrer problemas na produção de mudas. Antes: Ao manusear as sementes, nunca deixá-las expostas ao tempo; Armazená-las em ambiente adequado a espécie; Irrigar bem os canteiros antes da semeadura, para que a umidade atinja todo o recipiente; Durante: Sementes maiores devem ser semeadas manualmente; Ao usar seringas, regulá-las para cada lote de semente, de modo que os recipientes recebam um número adequado e uniforme de sementes; As sementes devem ser depositadas no centro do recipiente. Após: Cobri-las com uma fina camada de areia lavada ou substrato usado para preenchimento dos recipientes; Acrescentar uma cobertura morta, como casca de arroz ou capim picado; Otimizar o uso de sementes por recipiente;

16 DC-S-1/ /27 Não mexer no recipiente desde a semeadura até a germinação da plântula; Colocar plaquetas padronizadas em cada canteiro com a identificação da espécie, origem do lote de sementes e data de semeadura Manejo do Sombreamento Sua principal função é controlar a temperatura, a umidade e a luminosidade. Isto porque, nas primeiras semanas após a semeadura, o abrigo tende a estimular a emergência, atenuando os efeitos de baixas temperaturas, no inverno, e também protege contra a forte insolação e intempéries como granizo e chuvas fortes, no verão. 4.6 Seleção de Mudas Sua função é obter a uniformidade de tamanhos nos canteiros, separando-se as mudas por classes de diâmetro. 1º Seleção: realizada quando as mudas maiores atingem altura média de 10 cm, separando as mudas em três categorias: pequenas, médias e grandes, encanteirando-as pelo tamanho de seleção; 2º Seleção: realizada quando as mudas maiores atingem altura média de 20 cm, separando-as nas mesmas três categorias. Uma terceira seleção é realizada no momento da expedição, sendo que nesta os critérios adotados são: Crescimento em altura; Diâmetro do colo; Conformação das mudas; Ausência de bifurcação; Ausência de tortuosidade. 4.7 Rustificação das Mudas

17 DC-S-1/ /27 Para obter um alto índice de sobrevivência das mudas após o plantio em campo, as mudas devem apresentar duas características importantes: Sanidade; Alto grau de resistência. A resistência pode ser conseguida através da rustificação. Existem diversos procedimentos que poderão ser adotados para se obter a rustificação: Aplicar NaCl na água de irrigação, na dosagem de 1 ml / planta / dia; Poda da parte aérea, com a redução de 1/3 da porção superior; Redução de folhas dos 2/3 inferiores das mudas; Movimentar freqüentemente as mudas nos canteiros, através das danças, das remoções, das seleções e das classificações; Retirada do sombrite gradativamente até a exposição a pleno sol; Aplicação de anti-transpirantes na época do plantio (solução diluída, como Mobília, na concentração de 1:7 em água); Realizar cortes graduais da irrigação, aproximadamente 20 dias antes da expedição das mudas para o plantio; Fazer uma aplicação com KCl durante a fase de rustificação. A movimentação das mudas no viveiro e o corte gradual da irrigação no período que antecede o plantio são os procedimentos mais usados para se conseguir a rustificação das mudas, devido aos seus custos e praticidade. 4.8 Mondas ou Capinas Manuais São operações de eliminação das plantas indesejáveis que crescem nos recipientes junto com as mudas. Trata-se de uma capina, feita manualmente, que deverá ser realizada sempre que necessário, com as plantas indesejáveis na fase inicial de desenvolvimento. Esta operação deverá ser precedida de farta irrigação, pois facilitará a remoção dessas plantas, ocasionando menor dano ao sistema radicular das mudas. 4.9 Irrigação

18 DC-S-1/ /27 Para cada módulo de 1.0 mudas por ano, necessitará aproximadamente de 10.0 litros de água por dia. A irrigação será executada por aspersão, micro-aspersão e mangueiras quando necessário. O sistema por micro-aspersão em geral é o mais indicado, em função da economia da mãode-obra e do maior controle sobre a distribuição da água. Na irrigação dos canteiros de semeadura e das mudas em estágio inicial de desenvolvimento, as regas devem ser mais freqüentes do que para as mudas já desenvolvidas. Em geral, a irrigação deve ser executada no início da manhã e no fim da tarde, evitando os horários mais quentes do dia. O substrato deve ser mantido úmido, mas não encharcado. O excesso de rega costuma ser mais prejudicial do que a falta. O excesso de rega dificulta a circulação de ar no solo, impedindo o crescimento das raízes, lixivia os nutrientes e propicia o aparecimento de doenças. A rega eficiente é obtida quando o terreno fica suficientemente umidificado, sem apresentar sinais de encharcamento (poças ou água escorrendo). No momento que as mudas irão para o canteiro de rustificação, deve-se reduzir a irrigação, adaptando assim as condições ambientais que as mesmas venham a encontrar em campo Movimentação ou Dança A movimentação ou dança tem como finalidade efetuar a poda de raízes, que porventura, tiveram extravasando das embalagens. Além disso, essa operação promove a rustificação das mudas, reduzindo a mortalidade quando se dá o plantio no campo Controle Fitossanitário O viveiro, devido às suas características, reúne uma série de condições ambientais associadas à fisiologia do hospedeiro que favorecem a instalação e o desenvolvimento de pragas e doenças. A água em abundância, além de condições de umidade relativa do ar, temperatura, o substrato esterilizado, o tecido vegetal tenro, a proximidade das mudas e o cultivo contínuo da mesma espécie são fatores que predispõem o aparecimento e favorecem

19 DC-S-1/ /27 o desenvolvimento de doenças fúngicas neste ambiente. O manejo correto destes fatores é fundamental para a prevenção e controle das doenças. Para que se tenha sucesso na produção das mudas, será dada uma atenção especial aos fatores responsáveis pelo desenvolvimento de doenças. As práticas culturais que serão utilizadas no controle de doenças visam modificar, alterar as condições micro e mesoclimáticas que irão atuar sobre o patógeno e também reduzir o inóculo a níveis aceitáveis. Melhorar as condições de cultivo das mudas fortalecerá o sistema de defesa, tornando as menos suscetíveis às doenças. Abaixo são citadas algumas destas práticas que serão realizadas de vital importância para que não se desenvolva doenças e pragas: Local: Ventilado e ensolarado. Separação das mudas no viveiro: Além de separá-las por espécie é importante que haja a separação por condição fitossanitária para se evitar transmissão de doenças. Substrato: Desinfestação do substrato sempre que necessário. Irrigação: Cuidados na quantidade e qualidade da água. Sombreamento: O sombreamento excessivo pode vir a causar doenças fúngicas. Monitoramento: A inspeção sistemática das mudas no viveiro será realizada para que se possa detectar precocemente qualquer sintoma e tomar as devidas medidas de controle. As causas destes problemas poderão ser de origem Controle de pragas e doenças O monitoramento de pragas e doenças será feito contínuo desde o início do plantio até a expedição da muda durante todo o período de permanência do viveiro. Algumas pragas e doenças são mais comuns e de fácil controle desde que sejam tomadas a medidas preventivas e feito todo monitoramento. Alguns exemplos das principais pragas e doenças são citadas abaixo: Tombamento de mudas: também conhecido como dumping off, normalmente ocorre no primeiro mês de vida da muda do viveiro, em situações de umidade e temperatura elevados.

20 DC-S-1/ /27 A doença é facilmente reconhecida no viveiro devido a presença de mudas tombadas em reboleiras. Ferrugem: Mancha causada por Cylindrocladium spp. A ferrugem ataca tecidos jovens causando lesões nas folhas e hastes, nos locais das lesões são formadas pústulas de coloração amarelada que pode chagar a causar a morte da planta. As manchas causadas por Cylindrocladium spp. São circulares de coloração avermelhada, quando o fungo não esta mais em atividade estas manchas tornam-se secas. Lagartas-rosca: se alimentam do coleto das mudas, cortando-as após a germinação e até certo crescimento em altura (entre 5 e 10cm), ocasião em que passam a se alimentar das folhas. É praga de hábito noturno, mas são facilmente identificadas quando enterradas no substrato, devido a formação de terra solta na superfície. Auxilia muito o controle não deixar espaços entre os recipientes (sacos plásticos). Grilos: cortam as mudas à altura do coleto e também possuem hábito noturno. São identificados devido à coloração escura de seu corpo, seu controle como da lagarta é facilitado não deixando espaços vazios entre os recipientes. 5. DADOS GERAIS 5.1 Espécies Destinadas à Produção A escolha das espécies destinadas a produção foram indicadas no Programa de Recuperação de Áreas Degradadas, do Projeto Básico Ambiental, sendo esta baseada no diagnóstico da flora do EIA/RIMA da UHE Belo Monte. De acordo com o PBA a seleção das espécies a serem empregadas está pautada em critérios de adaptabilidade edafoclimática, rusticidade, capacidade de reprodução e perfilamento, velocidade de crescimento, condições ecológicas (estágio sucessional específico e atratividade para a fauna) e facilidade de obtenção de sementes e mudas. Abaixo estão apresentadas as espécies alvo para serem utilizadas na recuperação das áreas degradadas, porém a produção de todas estas espécies dependerá da disponibilidade de sementes na região e manejo destas no viveiro. Ainda serão tomados os devidos cuidados para que sempre haja diversidade de espécies suficiente para lote de mudas a serem

21 DC-S-1/ /27 liberadas para plantio em campo, possibilitando o início da recuperação das áreas e consequente colonização destas áreas por outras espécies existentes no entorno das áreas em recuperação. A lista com as espécies mais indicadas para serem utilizadas neste Programa encontra-se no Quadro 1. Quadro 1: Quadro das espécie indicadas a produção no viveiro SUCESSÃO ECOLÓGICA Arbustivas Pioneiras Arbóreas Pioneiras FAMÍLIA ESPÉCIE NOME VULGAR Anacardiaceae Tapiriria guianensis Tapiririca Bignoniaceae Jacaranda copaia Pará-pará Boraginaceae Cordia scabrifolia Maria-preta Clusiaceae Vismia guianensis Lacre Vismia cayennensis Lacre Euphorbiaceae Croton matourensis Muiravuvuia Burra-leiteira Sapium lanceolatum Salicaceae Casearia arborea Mata-calado Casearia javitensis Mata-calado Solanaceae Solanum juripeba Jurubebas Solanum stramonifolium Jurubebas Ulmaceae Trema mircantha Chumbinho Cecropia concolor Embaúba Urticaceae Cecropia latiloba Embaúba Cecropia palmata Embaúba Anacardiaceae Astronium gracile Muiracatiara Spondias mombin - Annonaceae Guatteria poeppigiana Envira preta Arecaceae Euterpe oleracea Açai Araliaceae Schefflera morototoni Morototó Protium apiculatum Breu gde./sem cheiro Burseraceae Protium opacum Breu Protium subserratum Breu serrote Trattinnick ia rhoifolia Breu sucuruba Dipterix odorata Cumaru Inga rubiginosa Ingá vermelha Fabaceae Senegalia multipinnata Rabo-de-arara Tachigali paniculata Taxi vara/verm Inga paraensis Ingá

22 DC-S-1/ /27 SUCESSÃO ECOLÓGICA Espécies Secundárias Espécies Clímax FAMÍLIA ESPÉCIE NOME VULGAR Ulmaceae Trema micrantha Chumbinho Anacardiaceae Anacardium Cajuaçu Cajuaçu Anacardium lecointei Aroeira Annonaceae Rollinia exsucca Envira cana Apocynaceae Aspidosperma araracanga Araracanga Astrocaryum ginacanthum Mumbaca Arecacea Astrocaryum vulgare Tucumã-do-Pará Syagrus cocoides Pupunharana Bignoniaceae Tabebuia serratifolia Ipê Amarelo Couepia bracteosa Pajurá Chrysobalanaceae Licania heteromorpha - Licania egleri Cariperana Clusiaceae Calophyllum brasiliense Guanandi Abarema jupunba Saboeiro Alexa grandiflora Melancieira Dialium guianense Jutaí pororoca Hymenaea courbaril Jatobá Fabaceae Hymenolobium excelsum Angelim rajado da mata Inga alba Ingá-pereba Inga edulis Ingá cipó Schyzolobium amazonicum Paricá Vouacapoua americana Acapu Zollernia paraensis Pau Ferro Lauraceae Mezilaurus itauba Itaúba Sapotaceae Pouteria lasiocarpa Abiurana Fabaceae Hymenaea courbaril Jatobá Lauraceae Aniba canelilla Casca preciosa Dicypellium caryophyllatum Pau-cravo Lecythidaceae Lecythis lurida Sapucaia Bertholletia excelsa Castanheira-do-Pará Malvaceae Theobroma grandiflorum Cupuaçu Carapa guianensis Andiroba Meliaceae Cedrela odorata Cedro Swietenia macrophylla Mogno Myristicaceae Virola melinonii - Virola surinamensis Ucuúba branca Sapotaceae Manilk ara huberi Maçaranduba

23 DC-S-1/ / Cronograma de Implantação e Produção No Quadro 2, pode-se visualizar o cronograma de implantação do viveiro florestal que se inicia no mês de janeiro/2013 com término em dezembro/2020 de acordo com o Projeto Básico de Construção. Pelo fato do viveiro suprir o PRAD em mudas, o termino da atividade se dará no momento de concretização de toda obra, onde irá desmobilizar todas estruturas de apoio de infraestrutura dos canteiros.

24 DC-S-1/ /27 Quadro 2: Cronograma de implantação do Viveiro Florestal UHE Belo Monte Item Atividade PACOTE DE TRABALHO: 3.2 PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS CRONOGRAMA DAS ATIVIDADES DO VIVEIRO FLORESTAL T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D CRONOGRAMA DO PACOTE DE TRABALHO VIVEIRO FLORESTAL 1 Conclusão do projeto Implantação do viveiro e instalações 2 iniciais Implantação das obras civis Coleta e obtenção de sementes Plantio Controle de pragas e doenças Expedição das mudas Monitoramento Avaliação dos resultados

25 DC-S-1/ /27 continua... Item Atividade PACOTE DE TRABALHO: 3.2 PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS CRONOGRAMA DAS ATIVIDADES DO VIVEIRO FLORESTAL T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D CRONOGRAMA DO PACOTE DE TRABALHO VIVEIRO FLORESTAL 1 Conclusão do projeto Implantação do viveiro e instalações iniciais 3 Implantação das obras civis 4 Coleta e obtenção de sementes Plantio Controle de pragas e doenças Expedição das mudas Monitoramento Avaliação dos resultados

26 DC-S-1/ / Projetos O projeto desenvolvido do viveiro de mudas da UHE Belo Monte, contempla todas as estruturas discutidas anteriormente no referido documento, possuindo área de escritório, casas de vegetação, áreas para rustificação, armazém de estocagem incluindo um centro de visitação para educação ambiental. As plantas dos projetos se encontram no Anexo Produtividade de mudas De acordo com o quantitativo de áreas a serem recuperadas e o espaçamento determinado no PBA, estimou-se uma produção de 4 milhões de mudas para todo empreendimento. A produtividade anual do viveiro foi calculada levando em consideração a liberação de áreas para plantio e desmobilização das áreas de infra-estrutura. O viveiro será formado por módulos de produção com capacidade de produção de 1.0 mudas/ano que serão ampliados considerando a demanda de mudas para recuperação das áreas já desmobilizadas. Estima-se que o viveiro poderá alcançar a produção de aproximadamente 8.0 mudas/ano no pico das atividades de recuperação. 5.5 Acompanhamento e apresentação dos resultados Serão realizados monitoramentos através do desempenho de indicadores que serão enviados por meio de relatório mensais de atividades. Dentre os indicadores a serem levantados serão calculados: Taxa de sucesso na germinação; Taxa de sobrevivência das mudas produzidas; Taxa de utilização (plantio) e destinação das mudas produzidas para as áreas de recuperação e enriquecimento; 6. ANEXOS 6.1 Arranjo das estruturas;

27 DC-S-1/ / Armazém de estocagem 6.3 Escritório e áreas de visitação 6.4 Casas de vegetação 6.5 Detalhamento do auditório

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA 1º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA Maia Barnabé Sambongo Dir. Fazenda Quizenga TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA ÁREA DE 1º ANO 1. Supressão Vegetal

Leia mais

Fatores Externos (ambientais) que Influenciam na Germinação de Sementes

Fatores Externos (ambientais) que Influenciam na Germinação de Sementes Fatores Externos (ambientais) que Influenciam na Germinação de Sementes Fonte: IPEF Saraia Marco Longo Nassif / Doutorado - UFSCar (Depto Botânica) Israel Gomes Vieira / Coordenador do Setor de Sementes

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO PROTEÇÃO VEGETAL Grupo de Serviço OBRAS COMPLEMENTARES Código DERBA-ES-OC-04/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de proteção

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de Cana de

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de Soja

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 03/2011 Número de mudas plantadas: 150 (Cento e cinquenta) Data do plantio: 22/03/ 2011 Data da vistoria 01: 15/05/ 2011 Patrocinadores: Agência Ar - Hotel

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO Nº do Processo SUSEP: 15414.001178/2005-04 CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

Programa de Adequação Ambiental e Agrícola de Propriedades Rurais, RICARDO RIBEIRO RODRIGUES-ESALQ/USP

Programa de Adequação Ambiental e Agrícola de Propriedades Rurais, RICARDO RIBEIRO RODRIGUES-ESALQ/USP Programa de Adequação Ambiental e Agrícola de Propriedades Rurais, Paragominas- PA PECUÁRIA VERDE RICARDO RIBEIRO RODRIGUES-ESALQ/USP Adequação Ambiental e Agrícola de Propriedades Rurais em Paragominas,

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de

Leia mais

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto José Henrique T. Rocha José Henrique Bazani Eduardo S. A. C. Melo José Leonardo de Moraes Gonçalves Departamento de Ciências Florestais ESALQ - USP Conceitos:

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de

Leia mais

Informações básicas para fazer compostagem 1.

Informações básicas para fazer compostagem 1. Educação Ambiental Desenvolvimento Sustentável. www.ecophysis.com.br Informações básicas para fazer compostagem 1. COMPOSTAR para reduzir a quantidade de resíduos orgânicos 2. REUSAR os resíduos compostados

Leia mais

Passo a Passo Para Pequenos Produtores Produzirem Mudas Com Qualidade

Passo a Passo Para Pequenos Produtores Produzirem Mudas Com Qualidade PRODUÇÃO E PLANTIO DE MUDAS NATIVAS DA CAATINGA (através de sementes) ELABORAÇÃO MAGNUM DE SOUSA PEREIRA Engº Agrônomo Coordenador de Projetos da Associação Caatinga FUAD PEREIRA NOGUEIRA FILHO Graduando

Leia mais

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS PRÉ-PLANTIO ERRADICAÇÃO DE ERVAS DANINHAS Você deve erradicar as ervas daninhas da área a ser gramada. Esta operação pode ser feita através da capina mecânica ou

Leia mais

Sistema de condução da Videira

Sistema de condução da Videira Sistema de condução da Videira Reginaldo T. Souza EMBRAPA UVA E VINHO - EEVT Videiras em árvores Evolução no cultivo da videira Evolução no cultivo da videira Espaldeira Gobelet Latada Lira Mito ou realidade

Leia mais

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP Conferência 09 Dinâmica de Florestas e Recuperação de Áreas Degradadas 19º. Congresso de Biólogos do Conselho Regional de Biologia - 01 30/07/2009 (11:00 12:00h) São Pedro, SP. Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br

Leia mais

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização. 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com.

12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização. 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com. 12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO Realização 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com.br Detalhamento do Projeto Título: Viveiro Florestal de Presidente

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL INTEGRADO PDMI Instrumentos de Gestão Ambiental Anexo 12 - Arborização Urbana e Passeio Público (GAPP) A arborização deve ser sempre realizada respeitando os preceitos

Leia mais

Curso de Produção de Mudas Nativas. 9:30 a 11:00

Curso de Produção de Mudas Nativas. 9:30 a 11:00 Curso de Produção de Mudas Nativas 9:30 a 11:00 Solano Martins Aquino Diretor Presidente e fundador do Instituto Brasileiro de Florestas, biólogo, pesquisador e produtor de mudas florestais. Desenvolve

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DRENO CORRUGADO CIMFLEX

MANUAL TÉCNICO DRENO CORRUGADO CIMFLEX 1. INTRODUÇÃO O DRENO CIMFLEX é um tubo dreno corrugado fabricado em PEAD (Polietileno de Alta Densidade), de seção circular e com excelente raio de curvatura, destinado a coletar e escoar o excesso de

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS

BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS KEIGO MINAMI DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PIRACICABA INTERAÇÃO DE FATORES DE PRODUÇÃO

Leia mais

ES MA 03 GRAMA EM PLACAS OU ENLEIVAMENTO. 1. Generalidades. 2. Definições. 3. Tipos de Grama em Placa

ES MA 03 GRAMA EM PLACAS OU ENLEIVAMENTO. 1. Generalidades. 2. Definições. 3. Tipos de Grama em Placa ES MA 03 GRAMA EM PLACAS OU ENLEIVAMENTO 1. Generalidades Esta Especificação estabelece os procedimentos mínimos necessários para a execução do revestimento vegetal por gramas em placas ou enleivamento

Leia mais

GUIA PRACTICA PARA CULTIVO DE ANANÁS

GUIA PRACTICA PARA CULTIVO DE ANANÁS GUIA PRACTICA PARA CULTIVO DE ANANÁS SEÇÃO 1: Preparação do solo para plantio de ananás 1. Identificação da área para o plantio de ananas 1.A área seleccionada deve ter via de acesso 1. Se não tiver via

Leia mais

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS VALEC NAVA - 02 1 de 12 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS VALEC NAVA - 02 2 de 12 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS SUMÁRIO 1. OBJETO... 2 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2

Leia mais

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS!

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! UMA OPORTUNIDADE DE PRODUZIR ALIMENTOS SAUDÁVEIS PARA CONSUMO E VENDA! ELABORAÇÃO: ENG. AGRÔNOMO MAURO LÚCIO FERREIRA Msc. CULTIVO DE HORTALIÇAS Agosto- 2006 ÍNDICE POR

Leia mais

7.16.3 Fornecimento e plantio de palmeiras das espécies Palmeira Fênix (Phoenix roebelenii), Palmeira-rabo de raposa (Wodyetia bifurcata).

7.16.3 Fornecimento e plantio de palmeiras das espécies Palmeira Fênix (Phoenix roebelenii), Palmeira-rabo de raposa (Wodyetia bifurcata). Página 41 de 83 Grama amendoim - Arachis repens / Família: Fabaceae Origem: Brasil / Tipo: Forração / Cultivo: Deve ser cultivado a pleno sol ou meia-sombra, em solo fértil e preferencialmente enriquecido

Leia mais

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO Paulo Henrique Caramori, Armando Androcioli Filho, Francisco Carneiro Filho, Dalziza de Oliveira, Heverly Morais, Alex Carneiro Leal e Jonas Galdino.

Leia mais

MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU

MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU Felipe Garcia de Camargo¹ ¹ Zooparque Itatiba, Rodovia Dom Pedro I, Km 95,5.

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA Informações sobre o plantio do eucalipto no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta COLETA DE SOLO NA

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa O QUE SÃO AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS (BPA)? Os consumidores estão cada vez

Leia mais

Sistema Laminar Alto. Ecotelhado

Sistema Laminar Alto. Ecotelhado Sistema Laminar Alto Sistema Laminar Alto Objetivo O Sistema Laminar Alto tem como objetivo proporcionar a laje plana, uma cobertura vegetada para conforto térmico do ambiente interno e maior convívio

Leia mais

2) Aprendendo a fazer a compostagem. 4)Composteira: solução para em pequenos espaços.

2) Aprendendo a fazer a compostagem. 4)Composteira: solução para em pequenos espaços. Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico 2) Aprendendo a fazer a compostagem 4)Composteira: solução para em pequenos espaços. 3)Manutenção e cuidados com o composto Microorganismos:

Leia mais

Manuseamento e disposição das placas

Manuseamento e disposição das placas Manuseamento e disposição das placas Preparar para a nova cultura 3-3 Entrega 1 Não é aconselhável o seu armazenamento no exterior. Armazene num local limpo e seco, separado da área de produção. 3 Não

Leia mais

Sistema Laminar. Ecotelhado

Sistema Laminar. Ecotelhado Sistema Laminar Ecotelhado 2 Especificação O Sistema Modular Laminar Ecotelhado é o conjunto dos seguintes elementos: Membrana Ecotelhado de Proteção Anti-Raízes Membrana Ecotelhado de Retenção de Nutrientes

Leia mais

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer 16 Potencial para Adoção da Estratégia de Integração Lavoura- -Pecuária e de Integração Lavoura-Pecuária- -Floresta para Recuperação de Pastagens Degradadas Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

Bonito - Hotel Wetiga - 2ª Expobonito 2010 - Participantes do XVIII Congresso Brasileiro de Automática 2010 - REPAMS

Bonito - Hotel Wetiga - 2ª Expobonito 2010 - Participantes do XVIII Congresso Brasileiro de Automática 2010 - REPAMS Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 02/2011 Número de mudas plantadas: 300 (Trezentas) Data dos plantios: dez/ 2010 Patrocinadores: gência r - XVIII Congresso rasileiro de utomática 2010

Leia mais

RISCO DE EROSÃO. Projecto n.º 2004/EQUAL/A2/EE/161 1

RISCO DE EROSÃO. Projecto n.º 2004/EQUAL/A2/EE/161 1 RISCO DE EROSÃO Portugal é um dos países europeus mais susceptíveis aos processos de desertificação física dos solos. Cerca de 68% dos solos nacionais estão ameaçados pela erosão e 30% encontram-se em

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

Capitulo 3 Horta Orgânica

Capitulo 3 Horta Orgânica ASSOCIAÇÃO SOCIOAMBIENTALISTA SOMOS UBATUBA Conteúdo Pedagógico Capitulo 3 Horta Orgânica Organização Parceria Convênio Horta Orgânica Introdução Esta etapa é composta por atividades ligadas pelas relações

Leia mais

DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum.

DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum. DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum. Maria Geralda de Souza; Olívia Cordeiro de Almeida; Aparecida das Graças Claret de Souza Embrapa Amazônia Ocidental, Rodovia AM-010,

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Concreto O preparo do concreto é uma série de operações executadas de modo a obter, á partir de um determinado número de componentes previamente conhecidos, um

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

2. Resíduos sólidos: definição e características

2. Resíduos sólidos: definição e características 2. Resíduos sólidos: definição e características Definição e tipologia Lixo é, basicamente, todo e qualquer resíduo sólido proveniente das atividades humanas ou gerado pela natureza em aglomerações urbanas,

Leia mais

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA MADEIRA PLÁSTICA A Madeira Plástica é uma opção sustentável para quem se preocupa com a causa ambiental. O grande diferencial deste produto é que sua fabricação dá-se a partir da reciclagem de toneladas

Leia mais

Instituto Brasileiro de Florestas:

Instituto Brasileiro de Florestas: Instituto Brasileiro de Florestas: O Instituto Brasileiro de Florestas (IBF) tem como missão a restauração e conservação de florestas nativas. Desde a sua fundação, o IBF se preocupa em encontrar soluções

Leia mais

Rotação milho e soja para aumento do rendimento

Rotação milho e soja para aumento do rendimento Rotação milho e soja para aumento do rendimento Para mais informações contacte: O seu agente de extensão ou Departamento de Formação Documentação e Difusão do IIAM/CZC Contacto: +25123692 Chimoio, Moçambique.

Leia mais

Pleiones. Pleiones são um grupo de orquídeas que crescem em zonas mais frescas ou temperadas intermédias. São originárias maioritariamente

Pleiones. Pleiones são um grupo de orquídeas que crescem em zonas mais frescas ou temperadas intermédias. São originárias maioritariamente 7 Pleiones são um grupo de orquídeas que crescem em zonas mais frescas ou temperadas intermédias. São originárias maioritariamente dachina,nortedaíndia,tailândiaenepal.a maior parte cresce na orla das

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Coordenadoria de Infraestrutura e Serviços Seção de Engenharia e Arquitetura MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Cartório Eleitoral de Pinhalzinho/SC Fevereiro,

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE ÁRVORES NATIVAS

PRODUÇÃO DE MUDAS DE ÁRVORES NATIVAS PRODUÇÃO DE MUDAS DE ÁRVORES NATIVAS Maria E. M. Queiroga1 ; Lucas A. Levek2; Nathalie A. F. Luvison3; Marcelo Diel4; Alan Schreiner Padilha5 INTRODUÇÃO A Mata Atlântica é formada por um conjunto de formações

Leia mais

Agroecologia. Agroecossistema

Agroecologia. Agroecossistema Agroecologia Ciência integradora dos princípios agronômicos, ecológicos e sócio-econômicos na compreensão da natureza e funcionamento dos agroecossistemas. Agroecossistema Unidade de estudo da Agroecologia,

Leia mais

Instrução n. 22/2007. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas. Considerando o Princípio do Desenvolvimento Sustentável;

Instrução n. 22/2007. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas. Considerando o Princípio do Desenvolvimento Sustentável; Instrução n. 22/2007 Visa garantir nos imóveis, Área Livre de qualquer intervenção, permeável, passível de arborização e dá outras providências. atribuições legais, O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE,

Leia mais

Fatores de cultivo CLIMA:

Fatores de cultivo CLIMA: Fatores de cultivo CLIMA: Os fatores climáticos influenciam de forma acentuada o desenvolvimento dos PMAC, bem como a produção dos princípios ativos. Estes fatores podem influenciar isoladamente ou em

Leia mais

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA NESTA AULA SERÁ ABORDADO Importância de conservar o solo e sua influência sobre as plantas As formas e métodos de conservação do terreno Como combater

Leia mais

Manual e Especificação Técnica

Manual e Especificação Técnica Telhados verdes e jardins elevados Manual e Especificação Técnica Sistema Telhado Verde SkyGarden Paisagismo O sistema de telhado verde da SkyGarden é o resultado de décadas de pesquisas no Japão, em um

Leia mais

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS O canteiro de obras Introdução Sistema de produção Em muitos casos de obras de construção e montagem o canteiro de obras pode ser comparado a uma fábrica

Leia mais

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5.1 Controle de Pragas PRINCIPAIS PRAGAS -Lagarta elasmo -Vaquinhas - Mosca branca -Ácaro branco -Carunchos LAGARTA ELASMO Feijão da seca aumento da população

Leia mais

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos COMPOSTAGEM Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos Produzir adubo na propriedade rural é uma prática fácil porque a matéria prima a ser usada éobtida de resíduos orgânicos como o lixo doméstico

Leia mais

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM Uma abordagem multidisciplinar Prof. Fernando Dal Zot 1 Visão geral das atividades do Almoxarifado / Depósito / Armazém Início RECEBER

Leia mais

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL Fase 1: Produção de Mudas e Recomendações de Adubação no Viveiro 1. Sistemas de Produção de Mudas de eucalipto e pinus Mudas em saquinhos Atualmente, os recipientes mais

Leia mais

NORMAS AMBIENTAIS PARA SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO (MONTAGEM E DESMONTAGEM) DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA

NORMAS AMBIENTAIS PARA SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO (MONTAGEM E DESMONTAGEM) DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA NORMAS AMBIENTAIS PARA SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO (MONTAGEM E DESMONTAGEM) DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA A) OBJETIVO Diretrizes ambientais a serem seguidas durante os trabalhos de manutenção (construção/montagem

Leia mais

Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso!

Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso! Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso! Os restos de comida, as folhas do jardim ou as plantas secas do quintal ganham vida nova através de um processo

Leia mais

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção.

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção. Resumo aula 3 Introdução à gestão de materiais A gestão de materiais é um conjunto de ações destinadas a suprir a unidade com materiais necessários ao desenvolvimento das suas atribuições. Abrange: previsão

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS DATA DE APROVAÇÃO: 22/11/2011 Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto LW Impercit Nome da empresa Lwart Química Ltda. Endereço Rodovia Marechal Rondon, Km 303,5, Lençóis Paulista-SP

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

b. Temperatura Regra Prática

b. Temperatura Regra Prática Armazenamento Etapa final do processo Cuidados ARMAZENAMENTO DE SEMENTES OBJETIVOS Manter a qualidade fisiológica - deterioração Evitar aberrações cromossômicas - mutações Regularizar o mercado Época de

Leia mais

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine O MEIO TERRESTRE COMPOSIÇÃO E FORMAÇÃO Profa. Sueli Bettine O SOLO E SUA ORIGEM SUPERFÍCIE SÓLIDA S DA TERRA E ELEMENTO DE FIXAÇÃO DE PLANTAS ORIGEM DESAGREGAÇÃO DE ROCHAS E DECOMPOSIÇÃO DE ANIMAIS E VEGETAIS

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS DATA DE APROVAÇÃO: 31/08/2012 Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Fabricado por Endereço Vedapac Laje Preto Lwart Química Telefone (14) 3269-5060 Fax (14) 3269-5003 email

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS DATA DE APROVAÇÃO: 31/08/2012 Página 1 de 6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Metrofix Fabricado por: Lwart Química Endereço Rodovia Marechal Rondon, Km 303,5, Lençóis Paulista-SP

Leia mais

Eng. Agr. M.Sc. Ronan Pereira Machado Trees Agrocomercial e Serviços Ltda

Eng. Agr. M.Sc. Ronan Pereira Machado Trees Agrocomercial e Serviços Ltda Mudas para arborização urbana Eng. Agr. M.Sc. Ronan Pereira Machado Trees Agrocomercial e Serviços Ltda Muda pequena X Muda grande X Padrão de qualidade de mudas para Características: arborização urbana

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura da Ervilha Nome Cultura da Ervilha Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura da Ervilha

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL INTERESSADO: IMOBILIÁRIA PARQUE BRASIL LTDA DENOMINAÇÃO: LOTEAMENTO RESIDENCIAL VILA REAL FINALIDADE: LAUDO TÉCNICO PARA CUMPRIMENTO DA LEI MUNICIPAL 4.123 DE 04/05/2007

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2. SERVIÇOS PRELIMINARES Limpeza, Barracão de Obra e Placa de Obra 2.1. LIMPEZA DA ÁREA DE INTERVENÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO. 2. SERVIÇOS PRELIMINARES Limpeza, Barracão de Obra e Placa de Obra 2.1. LIMPEZA DA ÁREA DE INTERVENÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. INFORMAÇÕES GERAIS Obra: Intervenção nos Canteiros Centrais da Avenida Santa Luzia Segunda Etapa. Endereço: Avenida Santa Luzia Área de Intervenção: 4758,52 m² 2. SERVIÇOS PRELIMINARES

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO Nielson Gonçalves Chagas, João Tavares Nascimento, Ivandro de França da Silva & Napoleão

Leia mais

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - I COBESA ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS Matheus Paiva Brasil (1) Graduando em Engenharia Sanitária e Ambiental

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

07/12/2012. Localização das instalações. Localização das instalações. Localização das instalações. Trajeto do sol sobre o barracão

07/12/2012. Localização das instalações. Localização das instalações. Localização das instalações. Trajeto do sol sobre o barracão Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Instalações Planejamento da atividade Considerações: Capacidade de investimento do produtor; Viabilidade

Leia mais

METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A FLORESTAIS: BIOMA CERRADO

METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A FLORESTAIS: BIOMA CERRADO METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A RESTAURAÇÃO DE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS: BIOMA CERRADO Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Leia mais

Transporte e Armazenamento Bem Sucedido de Chapa de Aço Galvanizada

Transporte e Armazenamento Bem Sucedido de Chapa de Aço Galvanizada GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association 6. Uso de Chapa de Aço com Revestimento Metálico GalvInfoNote Transporte e Armazenamento Bem Sucedido de Chapa de Aço Galvanizada 6.1 Introdução

Leia mais

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem É um processo de transformação da matéria orgânica do lixo em um composto orgânico (húmus). Composto orgânico Produto final da compostagem Compostagem

Leia mais

PARECER TÉCNICO FINAL

PARECER TÉCNICO FINAL SMPMA/DEPLAN Em 15/01/2014 Ref.: Processos n 2.532-1/2013 e 16.392-4/2013 PARECER TÉCNICO FINAL Trata-se de um empreendimento que corresponde à construção de um edifício vertical para uso misto, residencial

Leia mais

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO Muitos trabalhadores passam parte de sua jornada diária diante de fontes de calor. As pessoas que trabalham em fundições, siderúrgicas, padarias, - para citar

Leia mais

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO.

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DISCIPLINA: NAI PROFESSORA: Drª CÁTIA FARIAS GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; -

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha 1 de 6 10/16/aaaa 11:54 Olericultura A Cultura do Morango Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre a Cultura

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO NACIONAL OU INTERNACIONAL

REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO NACIONAL OU INTERNACIONAL REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO 1. OBJETIVO Estabelecer requisitos mínimos para a preservação e a embalagem de equipamentos e materiais adquiridos

Leia mais