Paraíso e Purgatório: Imagens da nova terra

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Paraíso e Purgatório: Imagens da nova terra"

Transcrição

1 Artigo Paraíso e Purgatório: Imagens da nova terra Maria Fulgência Ribeiro Esse texto navega nos mares movimentados e imprevisíveis do imaginário. No roteiro da viagem, a Carta (CASTRO, 1990) de Pero Vaz de Caminha e o Tratado Descritivo do Brasil de Gabriel Soares de Souza (1987). A viagem no texto pretende mapear a visão edenizadora sobre a natureza e a imagem negativa dos ameríndios. Transitando entre a fantasia e o real, cuja unidade inseparável deve ser reconhecida e respeitada, o primeiro momento do texto enfoca a natureza que encantou os viajantes europeus e como esses, famintos de olhar, sequiosos de paraíso, cantaram a natureza em suas crônicas sobre o Novo Mundo. No segundo momento a atenção se volta para o homem nativo, chamado índio pelos europeus, cujas imagens oscilam entre Adão em inocência, que inspirou o mito do bom selvagem e Adão após a queda, que alimentou a visão do índio botocudo e canibal. Na conclusão as ondas se ampliam e misturam, nas mesmas águas, o paraíso e o purgatório, imagens da nova terra que atraía e assustava os europeus. 47

2 UEFS 1. Terra generosa e farta: o encontro com o paraíso Pero Vaz dá início às notícias do achamento da nova terra ao rei de Portugal: Eram os vinte e um dias de abril topamos alguns sinais de terra: uma grande quantidade de ervas compridas, chamadas botelhos pelos mareantes, assim como outras a que dão o nome de rabo de asno. No dia seguinte à hora de vésperas, avistamos terra! Primeiramente um grande monte, muito alto e redondo; depois, outras serras mais baixas, da parte sul em relação ao monte e, mais, terra chã. Com grandes arvoredos. Ao monte alto o Capitão deu nome de Monte Pascoal; e á terra, Terra de Vera Cruz. (CAMINHA in: CASTRO, 1990:76) A sobriedade com que descreve a primeira visão da terra e, em continuação, a natureza, vai contrastar com as descrições de outros relatos posteriores. Embalados pela fantasia ou buscando objetividade, mas sempre jogando com a realidade que se lhes apresentava, viajantes, missionários e aventureiros em suas crônicas deixaram informações sobre a paisagem, os moradores nativos e, a contrapelo, sobre o imaginário europeu que buscava o paraíso terreal. O ribeirão, de água muito boa, as palmeiras, tudo apelava para o colher e o comer, verbos ressaltados na Carta, que devem ser lidos tanto no sentido literal, quanto no figurado. Tocar, provar, cheirar, fartar-se de tanta generosidade. Eis como foi enunciado o mito fundacional brasileiro, no qual os olhos europeus criaram, de um lado, imagens detratoras do nativo e, de outro, demonstraram sensibilidade para a beleza, a grandiosidade e a generosidade da nova terra. Sobre o encontro do europeu com uma terra generosa e farta, afirma Francisco de Lima (1998:56) 1 : 1 Embora o autor esteja se referindo ao encontro do europeu com a Ásia, essa afirmação pode ser utilizada, também, em relação ao encontro do europeu 48

3 Cadernos de Literatura e Diversidade Quanto à fartura e generosidade da terra, era tudo ainda mais espantoso, alimentando os sonhos de uma Europa pobre, castigada pelo rigor das estações, que sobrevivia com uma alimentação precária e monótona. Isso ajuda a compreender a riqueza de detalhes com que outros viajantes descreveram o Brasil. No Tratado Descritivo, por exemplo, a Bahia é descrita como lugar de fatura. O leitor do Tratado se delicia a fartar com tantas frutas, cuja textura é possível sentir na boca, tal a riqueza de detalhes, ver a cor e o formato apetitosos. A exemplo da mangaba, que Se come toda sem deitar nada fora, como figos, cuja casca é tão delgada que se lhe pela se as enxovalham, a qual cheira muito bem e tem suave sabor, é de boa digestão e faz bom estômago, ainda que comam muitas; cuja natureza é fria, pelo que é muito boa para os doentes de febres por ser muito leve. (SOUZA, 1987:191) E assim outros frutos, como ingá, cajá, piqui, umbus que pela descrição, o leitor que conhece a árvore umbuzeiro, desconfia que Gabriel Soares de Souza não chegou a vê-la do sertão, a natureza, sabiamente, providenciou para remédio da sede dos índios. Tem ainda pequiá, macugê, jenipapo, que Gabriel Soares de Souza compara a limas acho que ele não viu nem comeu e uma grande diversidade de palmeiras, como já constatara Pero Vaz na Carta. Tudo muito novo, que precisa ser descrito e anunciado para os leitores. Para tanto é válida a comparação, que Em toda e qualquer narrativa de viagens, o medir e comparar são atividades básicas fundamentais, por uma razão muito simples: trata-se de aproximar o inaproximável, de maneira que esse real estranho ganhe um contorno de credibilidade e possa ser, mercê do módulo prévio, visualmente compreendido. É o meio mais eficaz para conter o desamparo do leitor, que só sabe ver o novo pelo velho (LIMA, 1998:92). Por diversas vezes o autor do Tratado teve que se defrontar com o real que excede, que não cabe na moldura ou seja, com uma fauna e flora de que não tem conhecimento prévio, e assim lhe faltam elementos 49

4 UEFS para a comparação. São exemplo o maracujá, que arruma em capítulo separado, o mandacaru, o nhambi, os ananases e tantas outras plantas às quais dedica capítulos separados. Terra farta, que alimenta e sara. Então comamos, e eles comeram e viram que era muito bom e que, além da flora, a fauna também merecia atenção. Gabriel Soares de Souza, passado o deslumbramento do que via, passou a ordenar os animais, e percebe-se que os separa em dois grandes grupos, a saber: os que fazem bem, que ajudam o homem na sua aventura pela nova terra a dentro, e os que fazem mal, atrapalhando o homem. Os animais do primeiro grupo têm a carne comestível, são apreciáveis pela beleza da pele e suas propriedades medicinais; agem durante o dia, sob a luz, o que, em última instância, define de que lado estão, ou seja, do lado de Deus. Representam o ouro, as coisas proveitosas, o paraíso terreal, onde o homem tinha tudo a sua disposição, como era a vontade do criador. Os animais do segundo grupo não têm a carne comestível, são indesejáveis, peçonhentos, destroem as novidades, agem durante a noite, associando-se às trevas ou ao diabo. Representam as fezes, algumas imundícies, enfado, o castigo dado à terra por causa do pecado de Adão; lembram as pragas bíblicas. Diante da realidade nova que os animais representam, Gabriel Soares de Souza recorre à comparação com o real já conhecido, assim como outros viajantes diante de situações inéditas. Ao descrever os animais encontrados, a pele, a cor, a forma de preparo, o sabor e textura da carne, utiliza seus conhecimentos sobre os existentes na Europa. Embora pensando que nem sempre era possível defender-se dessas variadas castas de animais, o Tratado parece ressaltar a preocupação concreta com a efetiva colonização, as dificuldades, riscos e perigos que os colonos teriam que enfrentar e para os quais as saídas eram apontadas, ou, melhor, oferecidas pela festa da natureza, cuja generosidade era tamanha que quase tudo se come, assim animais de porte como formigas pois havia também as formigas palatáveis, como as tanajuras. 50

5 Cadernos de Literatura e Diversidade Mas nem tudo era só festa e prazer para os olhos. A atenção dedicada por Gabriel Soares de Souza às cobras faz pensar num fantástico terrível ao mesmo tempo maravilhoso. O imaginário europeu, povoado por esse personagem bíblico, foi reaceso pela grande variedade de cobras da terra brasilis: Agora cabe aqui dizermos que cobras são estas do Brasil, de que tanto se fala em Portugal e com razão, por tantas e tão estranhas, não se sabe onde as haja. São cobras que, ou não estão incluídas na maldição bíblica rastejarás, ferirás o calcanhar ou sequer ligavam a mínima importância ao vaticínio do criador, invertiam os termos, preferindo os lugares altos, ferindo os homens na cabeça, cujo tamanho seria suficiente para aterrorizar, não fosse ainda agirem conforme sentimentos que eram exclusivos dos humanos, como ciúme e vingança. Pois dessas cobras de formas aterradoras, a maioria também os índios comem. Assim também as formigas, a exemplo das saúvas, extremamente destruidoras, sobre as quais o autor do Tratado não queria falar muito, para não espantar os colonos imigrantes europeus. Esse muito falar das coisas comestíveis, pensando o público destinatário, de um lado, parece uma espécie de publicidade que cria, prepara na Europa uma recepção ou mercado consumidor para as plantas e caças palatáveis do sertão, a exportação de animais exóticos e ervas medicinais as drogas do sertão -, cujo efeito se faz sentir até hoje. 2. Adão em dois tempos Mas não só a fauna e a flora mereceram a atenção de Gabriel Soares de Souza. O homem também foi descrito detalhadamente e o mesmo verbo, comer, marca a imagem que nascia. Em meio a tanta fartura e generosidade da mãe natureza, que dava, à mão, tamanha variedade de plantas e animais comestíveis, o índio ainda se comprazia em comer os seus semelhantes, para espanto e terror dos olhos europeus. Nas descrições sobre os indígenas, seus costumes e habitat, os cronistas criaram fontes importantes sobre um período da história que 51

6 UEFS já vai longe, mas que teima em se manter, se renovar, se atualizar. Tudo no Novo Mundo lhes chamava a atenção, seja porque maravilhoso, seja porque bizarro. E tudo ficou registrado, pela escrita que servia de suporte para o olhar, ressaltando aspectos que edenizam a natureza e as imagens negativas sobre o homem, como a do antropófago. No Novo Mundo, - em meio a tanta luz e toda fartura que assemelhava a terra brasilis à própria terra prometida, donde mana leite e mel, - europeu julgou haver encontrado o primeiro homem. Sua aparência era diferente mas se aproximava de imagens que os europeus traziam no imaginário, de Adão e sua companheira, inocentes, vivendo em harmonia com a natureza, generosamente servidos por ela. Eram pardos, todos num, sem coisa alguma que lhes cobrisse as vergonhas. Traziam nas mãos arcos e setas. Vinham todos rijamente em direção ao batel. (CAMINHA, in CASTRO, 1990:77) É assim que Pero Vaz dá início à descrição dos nativos da terra nova achada. Chama a atenção a aparência, o estarem nus, depilados e pintados, homens e mulheres. Mais adiante, chegando Pero Vaz mais perto, pode ver os detalhes e reafirma a cor, evidenciando, também, os bons rostos e bons narizes, o cabelo corredio, tosquiado, o lábio furado. Reafirma, também, a nudez, acrescentando um dado novo: Andam nus, sem cobertura alguma. Não fazem o menor caso de cobrir ou mostrar suas vergonhas, e nisso são tão inocentes como quando mostram o rosto. Essa é a própria imagem bíblica da inocência: Adão nu, circulando entre os animais, no jardim do Éden. Mas os corpos limpos e bem curados não ajudaram muito nesse encontro; nem contribuíram para humanizar os índios, aos olhos de Pero Vaz. Ao invés disso, aumentou a sua aproximação com os animais. E sempre mais me convenço que são como aves ou animais montesinhos, aos quais faz o ar melhor pena e melhor cabelo que aos mansos, porque os seus corpos são tão limpos, tão gordos e formosos, a não mais poder. Tudo isso me faz presumir que não têm casas nem moradas a que se acolham; e o ar em que se criam os faz tais. (CAMINHA, in CASTRO, 1990:89) 52

7 Cadernos de Literatura e Diversidade Como ficou pouco tempo, e manteve-se no litoral, Pero Vaz não teve oportunidade de conhecer outros detalhes da vida desses pardos e nus. Gabriel Soares de Souza sim, viu, ouviu e relatou aspectos desses nativos, os tupinambás, os tupinaés, amoipiras, os ubirajaras, os tapuias, etc. Dos tupinambás descreveu o modo e a linguagem, os casamentos e os amores, enfeites, a criação dos filhos, a luxúria, as saudades, o chorar, o cantar, o comer e o beber. São vários capítulos em que a atenção se desvia da natureza, fixando-se no nativo, principalmente no que diz respeito ao comerem-se uns aos outros. Eis que, sob o raio de luz que traz no olhar, o europeu não demorou muito a concluir, que havia recantos na floresta, onde aconteciam coisas terríveis. E das sombras ressurgem as representações que muitos europeus traziam dos habitantes das terras que desconheciam. Se não havia gente monstruosa, com olhos no peito, olho na testa, focinho de cão, rabo de peixe, hermafroditas, havia os índios que andavam nus, acreditavam em vários deuses e, pior, comiam carne humana. A casualidade com que o autor do Tratado fala desse costume de comerem-se uns aos outros às páginas 300 e 301, contrasta com o tom dos capítulos dedicados a tratar como os tupinambás faziam guerra com os seus contrários. Bárbaros carniceiros, que cortam e comem as naturas dos inimigos como relíquias, são, ainda, capazes de engordar o inimigo antes de comê-lo. As mulheres, que tinham um papel importante, participavam dos vários momentos do ritual canibal, e, inclusive, engravidavam dos inimigos e davam as crianças para a tribo comer em ritual. Esses (des)encontros foram um prato cheio para os europeus, que estavam a serviço do rei e de Deus. Então os viajantes concentraram esforços para registrar a fauna, a flora e os homens que habitavam a nova terra e seriam alvo das campanhas evangelizadoras, já que ainda não conheciam a verdadeira fé. Concluindo: Embora o autor esteja se referindo ao encontro do europeu com a Ásia, essa afirmação pode ser utilizada, também, em relação ao encontro do europeu com o Brasil. 53

8 UEFS Do encontro entre os viajantes europeus e os habitantes da nova terra descoberta, se produziu os relatos de viagem. Fazia parte do imaginário do homem ocidental o sonho de reconquistar o paraíso perdido, o Éden. Aqui chegando, a grande diferença em relação à fauna, o clima, a presença constante do sol, provocaram tal encantamento no europeu que se acreditou haver chegado ao paraíso, onde o ameríndio era o primitivo, puro, sem malícia, o próprio Adão antes do pecado. A Pindorama dos índios, foi batizada como terra a brasilis dos europeus. Sobre ela os relatos dos viajantes deixaram uma farta gama de informações que o olhar deslumbrado ia colhendo avidamente. Uma terra imensa, com um vasto litoral e um interior com florestas fechadas, povoados por animais exóticos. O paraíso terreal, onde a comida é farta, as águas são eternas, os rios caudalosos cortam a cidade de Deus, e os nativos, à primeira vista, pareciam viver em harmonia. Assim, por muito tempo a América foi vista e analisada a partir de uma escala evolucionista das sociedades. Os ameríndios representavam a infância da história. Nos relatos dos viajantes, as descrições da natureza e dos costumes dos ameríndios evidenciam como à imagem da terra como o paraíso acrescenta-se o purgatório, e à do índio inocente acrescenta-se a do antropófago. A Europa cristã lançava no campo do demoníaco todos os fenômenos que escapavam à compreensão assim como os seres que lhes eram desconhecidos. A chegada do europeu à nova terra que seria chamada América, foi marcada por um impacto de proporções inimagináveis, que movimentou as estruturas do imaginário, provocando uma tensão entre o racional e o maravilhoso, entre o pensamento laico e o religioso, entre o poder de Deus e o do Diabo, embate, enfim, entre o Bem e o Mal [que] marcaram desta forma diversas concepções acerca do Mundo Novo (MELO E SOUZA). 54

9 Cadernos de Literatura e Diversidade Referências bibliográficas CASTRO S. A carta de Pero Vaz de Caminha. Porto Alegre: L&PM, CUNHA, Manuela Carneiro da. Introdução a uma história indígena. In: CUNHA, M.C. da (org.) História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, LIMA, Francisco Ferreira de. O outro livro das maravilhas: A peregrinação de Fernão Mendes Pinto. Rio de Janeiro: Relume Dumará; Salvador, Ba: Fundação Cultural do Estado da Bahia, LIMA, Francisco Ferreira de. O olhar que não vê: Gabriel Soares de Souza e a permanência do fantasioso. In: Rotas e Imagens: literatura e outras viagens. Aleilton Fonseca, Rubens Alves Pereira (org.). Feira de Santana: Universidade Estadual de Feira de Santana. Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Literatura e Diversidade Cultural, MELLO E SOUZA, Laura de. O diabo nas malhas do antigo regime. In: MELLO E SOUZA, Laura de. Inferno Atlântico. São Paulo: Companhia das Letras, SOUZA, Gabriel Soares de. Tratado Descritivo do Brasil em São Paulo: Companhia Editora Nacional, Maria Fulgência Bomfim Ribeiro é aluna curso de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Literatura e Diversidade Cultural da UEFS. 55

A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era?

A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era? A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Era Colonial Era Nacional Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era? Evolução Política Evolução Econômica Essas eras apresentam

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

ÍNDIOS NO BRASIL. Cristina Langendorf Luciana Catardo

ÍNDIOS NO BRASIL. Cristina Langendorf Luciana Catardo ÍNDIOS NO BRASIL Cristina Langendorf Luciana Catardo AS PRIMEIRAS IMPRESSÕES Eram pardos, todos nus, sem coisa alguma que lhes cobrissem as suas vergonhas. Traziam nas mãos arcos e setas. Historiadores

Leia mais

A CRIAÇÃO DE DEUS. 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional

A CRIAÇÃO DE DEUS. 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional A CRIAÇÃO DE DEUS 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional A história que nós ouvimos frequentemente como a história da criação é realmente uma história da re-criação. Há muitos anos entre

Leia mais

MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho

MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho VERSÍCULOS PARA DECORAR ESTA SEMANA Usamos VERSÍCULOS a Bíblia na PARA Nova DECORAR Versão Internacional ESTA SEMANA NVI Usamos

Leia mais

A criação do Homem e a sua relação com Deus segundo as narrativas de Génesis 1 e 2 - A importância da compreensão dos textos antigos, para se poder

A criação do Homem e a sua relação com Deus segundo as narrativas de Génesis 1 e 2 - A importância da compreensão dos textos antigos, para se poder A criação do Homem e a sua relação com Deus segundo as narrativas de Génesis 1 e 2 - A importância da compreensão dos textos antigos, para se poder entender o mundo atual - Génesis 1 e 2 (Citações da A

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL

Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL Nicho Policrômico. Toca do Boqueirão da Pedra Fiurada. Serra da Capivara Piauí- Brasil Ruínas as cidade inca Machu Picchu - Peru Código de escrita

Leia mais

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES Nome: Data: / / 2015 ENSINO FUNDAMENTAL Visto: Disciplina: Natureza e Cultura Ano: 1º Lista de Exercícios de VC Nota: BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES QUANDO OS PORTUGUESES CHEGARAM AO BRASIL, COMANDADOS

Leia mais

Manoel de Barros Menino do mato

Manoel de Barros Menino do mato Manoel de Barros Menino do mato [ 3 ] SUMÁRIO Menino do mato 7 Caderno de aprendiz 23 [ 5 ] Primeira parte MENINO DO MATO O homem seria metafisicamente grande se a criança fosse seu mestre. SÖREN KIERKEGAARD

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

MATA ATLÂNTICA: CONHECER PARA PRESERVAR Pereira, Patrícia

MATA ATLÂNTICA: CONHECER PARA PRESERVAR Pereira, Patrícia MATA ATLÂNTICA: CONHECER PARA PRESERVAR Pereira, Patrícia Resumo O projeto se iniciou a partir da necessidade de ser apresentado esse conteúdo já previsto no material do PIC (Projeto Intensivo no Ciclo)

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

E Deus viu que tudo era bom

E Deus viu que tudo era bom E Deus viu que tudo era bom Nunca pensei que fosse assim O Livro do Gênesis é o livro mais fascinante da Bíblia e o mais complicado. Foi escrito milhares de anos depois dos fatos que ele narra. Foram vários

Leia mais

BRASIL. Edição especial para distribuição gratuita pela Internet, através da Virtualbooks, com autorização do Autor.

BRASIL. Edição especial para distribuição gratuita pela Internet, através da Virtualbooks, com autorização do Autor. 1 BRASIL Fernando Ribeiro Alves Edição especial para distribuição gratuita pela Internet, através da Virtualbooks, com autorização do Autor. O Autor gostaria imensamente de receber um e-mail de você com

Leia mais

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria Samaria: Era a Capital do Reino de Israel O Reino do Norte, era formado pelas 10 tribos de Israel, 10 filhos de Jacó. Samaria ficava a 67 KM de Jerusalém,

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 6 PORTUGUÊS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao segundo bimestre escolar ou às Unidades 3 e 4 do livro do Aluno. Avaliação - Língua Portuguesa NOME: TURMA: escola:

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

CaçaDOR DE PALAVRAS. Que nos ENSINA a BÍBLIA sobre a criação?

CaçaDOR DE PALAVRAS. Que nos ENSINA a BÍBLIA sobre a criação? Que nos ENSINA a BÍBLIA sobre a criação? Deus é o CRIADOR. A Bíblia diz em GÊNESIS 1:1 No princípio criou Deus os CÉUS e a terra. DEUS revela-se a si mesmo através da criação. A Bíblia diz em SALMOS 19:1

Leia mais

(A) Regionalismo (caráter da literatura que se baseia em costumes e tradições regionais).

(A) Regionalismo (caráter da literatura que se baseia em costumes e tradições regionais). ENEM 2002 Comer com as mãos era um hábito comum na Europa, no século XVI. A técnica empregada pelo índio no Brasil e por um português de Portugal era, aliás, a mesma: apanhavam o alimento com três dedos

Leia mais

Cronistas do Descobrimento

Cronistas do Descobrimento Cronistas do Descobrimento O Brasil do século XVI é uma terra recém descoberta e, como tal, não tem ainda condições de produzir uma literatura própria. Os primeiros escritos foram feitos por estrangeiros

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS Usos e Costumes Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS [ 2 ] Prefácio Nos dias atuais temos visto muitas mudanças de paradigmas nos regulamentos internos de nossas instituições. Isso tem ocorrido pela demanda de

Leia mais

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus.

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. JÓ Lição 05 1 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. 2. Lição Bíblica: Jô 1 a 42 (Base bíblica para a história e o professor)

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION LIÇÕES DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS - 3 ano Semana de 23 a 27 de março de 2015.

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION LIÇÕES DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS - 3 ano Semana de 23 a 27 de março de 2015. COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION LIÇÕES DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS - 3 ano Semana de 23 a 27 de março de 2015. Leia o texto a seguir para realizar as lições de Matemática da semana. Os alunos do 3º ano foram

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI Bíblia para crianças apresenta O SÁBIO REI SALOMÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Língua Portuguesa Nome:

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Língua Portuguesa Nome: 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Língua Portuguesa Nome: Olá, amiguinho! Já estamos todos encantados com a sua presença aqui no 4 o ano. Vamos, agora, ler uma história e aprender um pouco

Leia mais

Génesis Antigo Testamento_vale.indd 7 11/5/13 4:37 PM

Génesis Antigo Testamento_vale.indd 7 11/5/13 4:37 PM Génesis Antigo Testamento_vale.indd 7 Antigo Testamento_vale.indd 8 I. HISTÓRIA DAS ORIGENS 1 Criação do mundo 1 No princípio, quando Deus criou os céus e a terra, 2 a terra era informe e vazia, as trevas

Leia mais

E.E.I.E.F SÃO FRANCISCO ROTEIRO DO CURTA METRAGEM TEMA: A LENDA DA PEDRA DA BATATEIRA- MITO E REALIDADE 1ª PARTE

E.E.I.E.F SÃO FRANCISCO ROTEIRO DO CURTA METRAGEM TEMA: A LENDA DA PEDRA DA BATATEIRA- MITO E REALIDADE 1ª PARTE E.E.I.E.F SÃO FRANCISCO ROTEIRO DO CURTA METRAGEM TEMA: A LENDA DA PEDRA DA BATATEIRA- MITO E REALIDADE 1ª PARTE De inicio nos reunimos com alguns monitores do Programa Mais Educação para realizarmos a

Leia mais

LIBERTANDO OS CATIVOS

LIBERTANDO OS CATIVOS LIBERTANDO OS CATIVOS Lucas 14 : 1 24 Parábola sobre uma grande ceia Jesus veio convidar àqueles que têm fome e sede para se ajuntarem a Ele. O Senhor não obriga que as pessoas O sirvam, mas os convida

Leia mais

R. Rutschka. R. Rutschka. P. Rull Gomes

R. Rutschka. R. Rutschka. P. Rull Gomes Primeira Edição R. Rutschka Ilustrações de: R. Rutschka Revisão de texto: P. Rull Gomes São Paulo, 2012 3 R. Rutschka 2012 by R. Rutschka Ilustrações R. Rutschka Publicação PerSe Editora Ltda. ISBN 978-85-8196-024-1

Leia mais

A formação moral de um povo

A formação moral de um povo É um grande desafio evangelizar crianças nos dias de hoje. Somos a primeira geração que irá dizer aos pais e evangelizadores como evangelizar os pequeninos conectados. Houve um tempo em que nos colocávamos

Leia mais

O menino e o pássaro. Rosângela Trajano. Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava

O menino e o pássaro. Rosângela Trajano. Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava O menino e o pássaro Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava comida, água e limpava a gaiola do pássaro. O menino esperava o pássaro cantar enquanto contava histórias para

Leia mais

Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia.

Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia. Jesus e sua vida Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia. Seu nascimento foi no meio de muitas

Leia mais

Caridade quaresmal. Oração Avé Maria. Anjinho da Guarda. S. João Bosco Rogai por nós. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Bom dia a todos!

Caridade quaresmal. Oração Avé Maria. Anjinho da Guarda. S. João Bosco Rogai por nós. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Bom dia a todos! 2ª feira, 09 de março: Dar esmola Esta semana iremos tentar aprender a dar. A dar aos que mais precisam. E vamos ver que Dar é BRU TAL!!!! Um dia, uma mulher vestida de trapos velhos percorria as ruas

Leia mais

OS TEMPOS ANTIGOS Desde a Criação até Abraão

OS TEMPOS ANTIGOS Desde a Criação até Abraão OS TEMPOS ANTIGOS Desde a Criação até Abraão 1 No início, Deus criou os céus e a terra. A terra era vazia e sem forma. Trevas pairavam na superfície do abismo, e o espírito de Deus movia-se sobre as águas.

Leia mais

Narrador Era uma vez um livro de contos de fadas que vivia na biblioteca de uma escola. Chamava-se Sésamo e o e o seu maior desejo era conseguir contar todas as suas histórias até ao fim, porque já ninguém

Leia mais

Sophia de Mello Breyner Andresen: arte poética como procedimento

Sophia de Mello Breyner Andresen: arte poética como procedimento Sophia de Mello Breyner Andresen: arte poética como procedimento por Marcela Ribeiro¹ A frase-clichê A arte é pensar por imagens, negada pelo russo Vitor Chklovski em sua Arte como procedimento e enraizada

Leia mais

Recomendação Inicial

Recomendação Inicial Recomendação Inicial Este estudo tem a ver com a primeira família da Terra, e que lições nós podemos tirar disto. Todos nós temos uma relação familiar, e todos pertencemos a uma família. E isto é o ponto

Leia mais

Lição 9 Completar com Alegria

Lição 9 Completar com Alegria Lição 9 Completar com Alegria A igreja estava cheia. Era a época da colheita. Todos tinham trazido algo das suas hortas, para repartir com os outros. Havia muita alegria enquanto as pessoas cantavam louvores

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

História: Vocês querem que eu continue contando a história do Natal? Maria e José seguiam para Belém,

História: Vocês querem que eu continue contando a história do Natal? Maria e José seguiam para Belém, Data: 13/12/2015 Texto Bíblico: Lucas 2:7; 8-20 e Mateus 2:1-12 Versículo para memorizar: Porque Deus amou o mundo de tal maneira, que deu seu único Filho, para que todo aquele que Nele crê não morra,

Leia mais

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar A U A U L L A Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar o lugar em que vivemos na superfície da Terra. Vamos verificar que os lugares são agrupados em grandes conjuntos chamados de continentes,

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa O PASTOR AMOROSO Alberto Caeiro Fernando Pessoa Este texto foi digitado por Eduardo Lopes de Oliveira e Silva, no Rio de Janeiro, em maio de 2006. Manteve-se a ortografia vigente em Portugal. 2 SUMÁRIO

Leia mais

RETIRO DOS JOVENS - JUNHO DE 2010 - TEMA: RELACIONAMENTOS

RETIRO DOS JOVENS - JUNHO DE 2010 - TEMA: RELACIONAMENTOS corpo desta morte? (Rm7:24). Como precisamos chorar e lamentar nossos pecados! Que o Senhor nos leve ao desespero com o nosso ego. Esse tipo de desespero, quando acompanhado da fé no grande amor de Deus,

Leia mais

ÍNDICE. Breve nota... 9 Prefácio... 11

ÍNDICE. Breve nota... 9 Prefácio... 11 ÍNDICE Breve nota... 9 Prefácio... 11 Minha mãe, que lindas terras!... 23 A pata rainha... 28 Ai... ai... ai...... 32 Coradinha... 37 Joanico... 45 O vento... 56 A serpente... 59 Maria a macha... 65 O

Leia mais

A PREENCHER PELO ALUNO

A PREENCHER PELO ALUNO Prova Final do 1.º e do 2.º Ciclos do Ensino Básico PLNM (A2) Prova 43 63/2.ª Fase/2015 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ALUNO Nome completo Documento de identificação Assinatura

Leia mais

Um planeta. chamado Albinum

Um planeta. chamado Albinum Um planeta chamado Albinum 1 Kalum tinha apenas 9 anos. Era um menino sonhador, inteligente e inconformado. Vivia num planeta longínquo chamado Albinum. Era um planeta muito frio, todo coberto de neve.

Leia mais

FILHOS UMA NECESSIDADE? PROTESTO!

FILHOS UMA NECESSIDADE? PROTESTO! FILHOS UMA NECESSIDADE? PROTESTO! INTRODUÇÃO Uma mudança de paradigma. Dados que fundamentam a mudança de paradigmas Casais estão demorando mais para ter o primeiro filho. Uma média de 5 a 6 anos após

Leia mais

ANINHÁ VAGURETÊ. Ô senhô dono da casa Licença quero pedir Meia-hora de relógio Para nós se divertir Mas ô vevê tem manibóia

ANINHÁ VAGURETÊ. Ô senhô dono da casa Licença quero pedir Meia-hora de relógio Para nós se divertir Mas ô vevê tem manibóia ANINHÁ VAGURETÊ Ô senhô dono da casa Licença quero pedir Meia-hora de relógio Para nós se divertir Mas ô vevê tem manibóia Aninha vaguretê Aninha vaguretê Quando eu aqui cheguei Nesta casa de alegria Se

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL

Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL 1 Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL 04/03/2001 N Jo 9 1 Jesus ia caminhando quando viu um homem que tinha nascido cego. 2 Os seus discípulos perguntaram:

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL FACULDADE SETE DE SETEMBRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA ALUNA: NATÁLIA DE ARAGÃO PINTO ORIENTADOR: PROF. DR. TIAGO SEIXAS THEMUDO A IMPRENSA

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa FIM DE SEMANA Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa CENA 1 EXTERIOR / REUNIÃO FAMILIAR (VÍDEOS) LOCUTOR Depois de uma longa semana de serviço, cansaço, demoradas viagens de ônibus lotados...

Leia mais

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo 2:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo Amados de Deus, a paz de Jesus... Orei e pensei muito para que Jesus me usasse para poder neste dia iniciar esta pregação com a

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

Lição 10. Como entender a realidade da morte? Texto Bíblico: 1Coríntios 15.20-28; 43-58

Lição 10. Como entender a realidade da morte? Texto Bíblico: 1Coríntios 15.20-28; 43-58 Lição 10 Como entender a realidade da morte? Texto Bíblico: 1Coríntios 15.20-28; 43-58 Introdução: O Apóstolo Paulo estava trabalhando algumas discrepâncias doutrinárias na Igreja de Corinto e, especificamente,

Leia mais

No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!

No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo! SÉRIE: QUEM É JESUS? Jesus é o Cordeiro de Deus Data: / 09 / 2010 - Semana 4. No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo! 1 / 7 1)

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck Publicado na revista eletrônica Tigre Albino Volume 3, Número 3. 2010. ISSN: 1982-9434 Disponível em: http://www.tigrealbino.com.br/texto.php?idtitulo=08f1c7471182e83b619f12bfa4 27e1e0&&idvolume=9a2be2ed7998330d41811b14e9f81f2d

Leia mais

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Bíblia para crianças apresenta AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da

Leia mais

UM FORTE HOMEM DE DEUS

UM FORTE HOMEM DE DEUS Bíblia para crianças apresenta SANSÃO, UM FORTE HOMEM DE DEUS Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Lyn Doerksen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia

Leia mais

ENSINO PRÉ-ESCOLAR. Visitas orientadas À descoberta do MCCB

ENSINO PRÉ-ESCOLAR. Visitas orientadas À descoberta do MCCB Serviço educativo 2014 2015 ENSINO PRÉ-ESCOLAR Visitas orientadas À descoberta do MCCB 1h00 2.50 * Conhecem a história da Batalha? Com esta visita, percorreremos os caminhos da história desta terra e destas

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

MISSIoNários acorrentados

MISSIoNários acorrentados NOTA DE CONVOCAÇÃO MISSIoNários acorrentados yuri ravem foco na pessoa 40 Por Pr. Yuri Ravem Desde que me tornei um pastor, há treze anos, tenho percebido pessoas com grandes talentos nas mais diversas

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

1ª Leitura - Gn 2,7-9; 3,1-7

1ª Leitura - Gn 2,7-9; 3,1-7 1ª Leitura - Gn 2,7-9; 3,1-7 Criação e pecado dos primeiros pais. Leitura do Livro do Gênesis 2,7-9; 3,1-7 7 O Senhor Deus formou o homem do pó da terra, soprou-lhe nas narinas o sopro da vida e o homem

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei

Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei O velho testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

JAPÃO DE MOCHILA ÀS COSTAS 2ª. PARTE

JAPÃO DE MOCHILA ÀS COSTAS 2ª. PARTE JAPÃO DE MOCHILA ÀS COSTAS 2ª. PARTE Abandonamos Kyoto sentindo já saudades dos dias aqui passados, que foram tão agradáveis e cheios de experiencias novas. Mais aventuras esperavam por nós em Tokyo, e

Leia mais

Passos contados. Crônicas na mochila 3/6/2009

Passos contados. Crônicas na mochila 3/6/2009 Passos contados & Crônicas na mochila Acho as certezas muito perigosas, ainda que algumas sejam necessárias e, volta e meia, surpreenda-me por outras sendo algemada.se elas deixam nossos passos firmes,

Leia mais

Alegoria da Caverna. Platão

Alegoria da Caverna. Platão Alegoria da Caverna Platão Imagina homens que vivem numa espécie de morada subterrânea em forma de caverna, que possui uma entrada que se abre em toda a largura da caverna para a luz; no interior dessa

Leia mais

Iracema estava na brinquedoteca

Iracema estava na brinquedoteca Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães Iracema estava na brinquedoteca com toda a turma quando recebeu a notícia de que seu sonho se realizaria. Era felicidade que

Leia mais

TRADUÇÃO Hope Gordon Silva Regina Aranha

TRADUÇÃO Hope Gordon Silva Regina Aranha TRADUÇÃO Hope Gordon Silva Regina Aranha 7 João Desfrutando João ao máximo Pode-se resumir o fato mais relevante de toda a história em quatro palavras: Jesus Cristo é Deus! A maior declaração da Bíblia

Leia mais

Pr. Ademilson Ribeiro Presidente do Ministério Graça Plena

Pr. Ademilson Ribeiro Presidente do Ministério Graça Plena Pr. Ademilson Ribeiro Presidente do Ministério Graça Plena Texto: (2º cor 9.6) "Celebrai com júbilo ao Senhor" Introdução Ao completar dez anos (10) de existência, o Ministério Graça Plena chega em 2014,

Leia mais

SAMUEL, O MENINO SERVO DE DEUS

SAMUEL, O MENINO SERVO DE DEUS Bíblia para crianças apresenta SAMUEL, O MENINO SERVO DE DEUS Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Lyn Doerksen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 59 Discurso em ato comemorativo do

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

DNA COMPROVA Mulher deu à luz gêmeos filhos de pais diferentes

DNA COMPROVA Mulher deu à luz gêmeos filhos de pais diferentes DNA COMPROVA Mulher deu à luz gêmeos filhos de pais diferentes A americana Mia Washington, da cidade de Dallas, no Texas, engravidou de gêmeos. Até então, nada de extraordinário. A história, na verdade,

Leia mais

A Compaixão de Jesus*

A Compaixão de Jesus* A Compaixão de Jesus* Estudos bíblicos sobre a prática da compaixão no ministério de Jesus. Autor: Lissânder Dias Revista Mãos Dadas Caixa Postal 88 36.570-000 Viçosa MG cartas@maosdadas.net *Baseado no

Leia mais

ATIVIDADES DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D

ATIVIDADES DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D Nome: n.º 3ª série Barueri, / / 2009 Disciplina: ESTUDOS SOCIAIS 2ª POSTAGEM ATIVIDADES DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D QUEM DESCOBRIU O BRASIL? Foi Pedro Álvares Cabral no dia 22 de abril de 1500!

Leia mais

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo.

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Sonhos Pessoas Para a grande maioria das pessoas, LIBERDADE é poder fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Trecho da música: Ilegal,

Leia mais

Dia 24 - DOAR. Você consegue ver mudanças internas?

Dia 24 - DOAR. Você consegue ver mudanças internas? Jesus deu a resposta aos fariseus naquele dia. Portanto, deem aos pobres o que está dentro dos seus copos e dos seus pratos, e assim tudo ficará limpo para vocês. (Lc 11.41). Com aquela Palavra, Ele tocou

Leia mais

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL Ederson da Paixão (Especialista em Educação Especial: Atendimento às Necessidades Especiais Integrante do Projeto de Pesquisa Os Primeiros Dramas

Leia mais

Urbis, Peri, peri-urbano

Urbis, Peri, peri-urbano Urbis, Peri, peri-urbano Aquela cidade que você habita, aquilo que foi tomado como sonho de progresso, de civilidade. As tensões e interações intersocietárias. Aquele idealizado que está em busca de um

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

DAVI, O REI (PARTE 1)

DAVI, O REI (PARTE 1) Bíblia para crianças apresenta DAVI, O REI (PARTE 1) Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

Visões do paraíso. Esta terra, Senhor (...), traz ao longo do mar, Primeiras impressões do paraíso

Visões do paraíso. Esta terra, Senhor (...), traz ao longo do mar, Primeiras impressões do paraíso A U A UL LA MÓDULO 1 Visões do paraíso Abertura Movimento Esta terra, Senhor (...), traz ao longo do mar, em algumas partes, grandes barreiras, umas vermelhas, e outras brancas; e a terra de cima é toda

Leia mais

UNIDADE LETIVA 2 ANEXO 1

UNIDADE LETIVA 2 ANEXO 1 UNIDADE LETIVA 2 ANEXO 1 HISTÓRIAS COM GENTE DENTRO REFUGIADOS À procura da paz Testemunho de Ibraim (nome fictício) O meu nome é Ibraim, sou natural de um país africano, tenho 25 anos, e estou alojado

Leia mais

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA Ficha técnica no. 2.1 Atividade Principal 2.1 SENTINDO A NATUREZA Objetivo da 2 Os escoteiros estão trabalhando por um mundo onde o habitat natural seja suficiente para suportar as espécies nativas. Objetivos

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

UM LÍDER DO TEMPLO VISITA JESUS

UM LÍDER DO TEMPLO VISITA JESUS Bíblia para crianças apresenta UM LÍDER DO TEMPLO VISITA JESUS Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Byron Unger; Lazarus Adaptado por: M. Maillot; Sarah S. Traduzido por: Berenyce Brandão Produzido

Leia mais

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos 2. Lição Bíblica: Daniel 1-2 (Base bíblica para a história e

Leia mais

O homem que tinha uma árvore na cabeça

O homem que tinha uma árvore na cabeça O homem que tinha uma árvore na cabeça Era uma vez um homem que tinha uma árvore na cabeça. No princípio era apenas um arbusto com folhas esguias e acastanhadas. Depois os ramos começaram a engrossar e

Leia mais