ÍNDIOS NO BRASIL. Cristina Langendorf Luciana Catardo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDIOS NO BRASIL. Cristina Langendorf Luciana Catardo"

Transcrição

1 ÍNDIOS NO BRASIL Cristina Langendorf Luciana Catardo

2

3 AS PRIMEIRAS IMPRESSÕES Eram pardos, todos nus, sem coisa alguma que lhes cobrissem as suas vergonhas. Traziam nas mãos arcos e setas.

4 Historiadores afirmam que antes da chegada dos europeus à América havia aproximadamente 100 milhões de índios no continente. Só em território brasileiro, esse número chegava 5 milhões de nativos, aproximadamente. Estes índios brasileiros estavam divididos em tribos, de acordo com o tronco lingüístico ao qual pertenciam: tupiguaranis da região do litoral, macro-jê ou tapuias do região do Planalto Central, aruaques da Amazônia e caraíbas da Amazônia.

5

6 O primeiro contato entre índios e portugueses em 1500 foi de muita estranheza para ambas as partes. As duas culturas eram muito diferentes e pertenciam a mundos completamente distintos. Sabemos muito sobre os índios que viviam naquela época, graças a Carta de Pero Vaz de Caminha escrivão da expedição de Pedro Álvares Cabra e também aos documentos deixados pelos padres.

7 A maioria dos que ali estavam trazia aqueles bicos de ossos nos lábios. E dentre os que andavam sem eles, alguns tinham os lábios furados e nos buracos uma espécie de rolha de madeira; outros traziam três daqueles bicos : um no meio e os dois outros nos lados da boca. E andavam outros por ali, pintados, metade de sua própria cor e metade de tintura preta, meio azulada; outros ainda tinham o corpo pintado de xadrez. ( Pero Vaz de Caminha )

8 Entre os indígenas não há classes sociais como a do homem branco. Todos têm os mesmo direitos e recebem o mesmo tratamento. A terra, por exemplo, pertence a todos e quando um índio caça, costuma penas os instrumentos de trabalho, machado, arcos, flechas, arpões e são de propriedade individual. O trabalho na tribo é realizado por todos, porém possui uma divisão por sexo e idade. As mulheres são responsáveis pela comida, crianças, colheita e plantio. Já os homens da tribo ficam encarregados do trabalho mais pesado: caça, pesca, guerra e derrubada das árvores para dividir com os habitantes de sua tribo.

9 O pajé é o sacerdote da tribo, pois conhece todos os rituais e recebe as mensagens dos deuses. Ele também é o curandeiro, pois conhece todos os chás e ervas para curar doenças. Ele que faz o ritual da pajelança, onde evoca os deuses da floresta e dos ancestrais para ajudar na cura.

10 A educação indígena é bem interessante. Os pequenos índios, conhecidos como curumins, aprender desde pequenos e de forma prática. Costumam observar o que os adultos fazem e vão treinando desde cedo. Portanto a educação indígena é bem pratica e vinculada a realidade da vida da tribo indígena. Quando atinge os 13 os 14 anos, o jovem passa por um teste e uma cerimônia para ingressar na vida adulta.

11 Algumas tribos eram canibais como, por exemplo, os tupinambás que habitavam o litoral da região sudeste do Brasil. A antropofagia era praticada, pois acreditavam que ao comerem carne humana do inimigo estariam incorporando a sabedoria, valentia e conhecimentos. Desta forma, não se alimentavam da carne de pessoas fracas ou covardes. A prática do canibalismo era feita em rituais simbólicos.

12 Cada nação indígena possuía crenças e rituais religiosos diferenciados. Porém, todas as tribos acreditavam nas forças da natureza e nos espíritos dos antepassados. Para estes deuses e espíritos, faziam rituais, cerimônias e festas. O pajé era o responsável por transmitir estes conhecimentos aos habitantes da tribo. Algumas tribos chegavam a enterrar o corpo dos índios em grandes vasos de cerâmica, onde além do cadáver ficavam os objetos pessoais. Isto mostra que estas tribos acreditavam numa vida após a morte.

13 Vivem hoje no Brasil cerca de 345 mil índios. Cerca de 0,2% da população brasileira.

14 Eles estão distribuídos entre 215 sociedades indígenas.

15 Há indícios da existência de mais ou menos 53 grupos ainda nãocontatados...

16 ...além de existirem grupos que estão requerendo o reconhecimento de sua condição indígena junto ao órgão federal indigenista.

17 Há entre 100 e 190 mil vivendo fora das terras indígenas, inclusive em áreas urbanas.

18 ÉTICA NA QUESTÃO INDÍGENA Prof. Pedro Leite Ética e Cidadania

19 Histórico Questão cultural Questão territorial Legislação Direitos Humanos Produtividade Preconceito FUNAI ONGs

20 O mito da nação constituída a partir da fusão das três raças (branco, índio e negro) pretende justificar a inexistência do racismo e a impossibilidade de prosperar o preconceito racial. Isto ainda é mais evidente tratando-se do índio, muitas vezes identificado como "o primeiro brasileiro". Mas será que é realmente assim que acontece?

21 -O preconceito não é algo natural, mas sim um comportamento aprendido. Uma das causas do preconceito é o fato de que percebemos o mundo através das grades de nossa cultura. -Quando se fala em índio, a imagem que ainda se faz é de um indivíduo nu, ornamentado com penas e desenhos pelo corpo e que fica dizendo uga!uga!.geralmente reconhecidos pela falta de civilização, de cultura.

22 -Populações que convivem diretamente com os índios muitas vezes o vêem com extremo preconceito, já a população urbana o imagina de maneira simpática, mas como algo muito remoto. - Índio que sai da aldeia abandona a própria cultura? - A mídia incita o preconceito? - Devido ao preconceito e a questões fundiárias, a violência contra o índio vem aumentando.

23 - A questão da produtividade indígena também é vista com preconceito. Muitos acreditam que os índios trabalham apenas para si e para a tribo a que pertencem e que por isso não são, de fato, produtivos, não merecendo assim uma aquisição maior de terras. - Muitas pessoas também acreditam que o número ou o tamanho excessivo das áreas indígenas reduziria fortemente o estoque de terras para a agricultura, acarretando escassez de terra para os trabalhadores não-índios, o que agravaria ainda mais a pobreza no meio rural e incentivaria o êxodo para as cidades.

24 Os brancos que fizeram esta lei consideraram os índios como incapazes por que eles não compreenderam que os índios são, na verdade, diferentes culturalmente. Ou seja, os índios são plenamente responsáveis de acordo com os seus próprios padrões. Mas na época em que se escreveu o Código Civil, os brancos acreditavam também que os índios seriam extintos e portanto, não precisariam de direitos para toda a vida. Na verdade, imaginava-se que os índios eram seres primitivos que iriam se educar, adquirir a cultura dos brancos até integrarem-se totalmente à sociedade brasileira, deixando portanto de ser índios.

25 LEGISLAÇÃO E DIREITOS HUMANOS Estatuto do Índio Princípios estabelecidos pelo velho Código Civil brasileiro (de 1916) - Índios: "relativamente capazes - deveriam ser tutelados por um órgão indigenista estatal até que eles estivessem integrados à comunhão nacional, ou seja, à sociedade brasileira. - Garante alguns direitos temporariamente Constituição de Primeira a desconsiderar perspectivas integracionistas presentes nas constituições anteriores. - O direito a terra passa a ser reconhecido como um direito originário e imprescritível. E proíbem-se as remoções de grupos indígenas de suas terras exceto em situações de risco.

26 Nos últimos 30 anos, os povos indígenas brasileiros intensificaram sua participação na vida política, aumentando, em conseqüência, o reconhecimento geral dos seus direitos. Ao considerar os direitos indígenas como direitos originais, a Assembléia Constituinte aceita o princípio de que os indígenas eram os proprietários originais das terras, e portanto, que seus direitos antecedem todo ato administrativo do governo. Além disso, a Constituição estabeleceu que o Ministério Público Federal deve defender os direitos dos indígenas perante os tribunais, e que os grupos indígenas podem, por si mesmos, promover ações judiciais.

27 PRINCIPAIS PROPOSTAS DE AÇÕES GOVERNAMENTAIS (PROGRAMA NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS ) Assegurar a participação das sociedades indígenas e de suas organizações na formulação e implementação de políticas de proteção e promoção de seus direitos. Demarcar e regularizar as terras tradicionalmente ocupadas por sociedades indígenas que ainda não foram demarcadas e regularizadas. Dotar a FUNAI de recursos suficientes para a realização de sua missão de defesa dos direitos das sociedades indígenas, particularmente no processo de demarcação das terras indígenas.

28 Implantar sistema de vigilância permanente em terras indígenas, com unidades móveis de fiscalização, com capacitação de servidores e membros da própria comunidade indígena. Reorganizar a FUNAI para compatibilizar a sua organização com a função de defender os direitos das sociedades indígenas. Apoiar junto às comunidades indígenas o desenvolvimento de projetos auto-sustentáveis do ponto de vista econômico, ambiental e cultural.

29 Aspectos Históricos: QUESTÃO TERRITORIAL 1500 cerca de 5 milhões de indígenas (80 milhões na América Latina) 1990 cerca de Os indígenas foram perdendo suas terras e suas vidas com a invasão européia. A terra como fonte de vida Lei de Terras 1850 Constituição de 1934, 1946,1967, 1988 Estatuto do Índio 1973 Demarcação e autodemarcação das terra indígenas Invasão e Violência

30 FUNAI Fundação Nacional do Índio Órgão do governo brasileiro que estabelece e executa a Política Indigenista no Brasil, dando cumprimento ao que determina a Constituição de É de competência da Funai a proteção das sociedades indígenas e de seus direitos, referentes à terras, preservação, educação e desenvolvimento.

31 CURIOSIDADE Reportagem Revista Isto é (Abril-2005): Índios no Poder Aldeia fundada em 1971, palco de várias tragédias, é o primeiro município do Brasil governado por indígenas. Reportagem Revista Veja (Maio-2005) Uma Guerra sem vencedores. Conflito em Roraima é obra do Brasil que, da ditadura para a democracia, mudou seu projeto amazônico.

32 Conflito atual: Índios agridem secretário na Capital Beto Moesch enfrentou resistência ao remover casa construída no Morro do Osso (Notícia Jornal Zero Hora 6 de junho de 2005) Briga por território Indígenas invadem área do Parque Natural do Morro do Osso e agridem o secretário municipal do Meio Ambiente. Foto(s): Valdir Friolin/ZH

33 OBRIGADO!

Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas

Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas Atividade extra Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas Questão 1 O canto das três raças, de Clara Nunes Ninguém ouviu Um soluçar de dor No canto do Brasil Um lamento

Leia mais

A GARANTIA DO ENSINO DA LÍNGUA TERENA E ARTES E CULTURA TERENA NO MUNICÍPIO DE AQUIDAUANA

A GARANTIA DO ENSINO DA LÍNGUA TERENA E ARTES E CULTURA TERENA NO MUNICÍPIO DE AQUIDAUANA A GARANTIA DO ENSINO DA LÍNGUA TERENA E ARTES E CULTURA TERENA NO MUNICÍPIO DE AQUIDAUANA Arcenio Francisco Dias Neste artigo iremos apresentar o ensino da Língua Terena e Artes e Cultura Terena no município

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE INDIANISTAS; EXPERIÊNCIA NO MÉDIO SOLIMÕES E AFLUENTES

POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE INDIANISTAS; EXPERIÊNCIA NO MÉDIO SOLIMÕES E AFLUENTES 197 POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE INDIANISTAS; EXPERIÊNCIA NO MÉDIO SOLIMÕES E AFLUENTES DUSILEK, Alessandra 1 INTRODUÇÃO: Este relato de experiência é fruto de participação de um projeto de oferta de atendimento

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Educação matemática, Matemática financeira, Pedagogia Histórico-Crítica

RESUMO. Palavras-chave: Educação matemática, Matemática financeira, Pedagogia Histórico-Crítica POSSIBILIDADES DIDATICO-PEDAGÓGICAS NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO FINANCEIRA: UMA PROPOSTA ENTRE DOMÍNIOS DE CONHECIMENTOS NA ESCOLA ESTADUAL INDIGENA CENTRAL EDUCAÇÃO BÁSICA KĨSÊDJÊ Rosimeyre Gomes da Silva

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SE TRABALHAR OS VALORES NA EDUCAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DE SE TRABALHAR OS VALORES NA EDUCAÇÃO A IMPORTÂNCIA DE SE TRABALHAR OS VALORES NA EDUCAÇÃO Eliane Alves Leite Email: li.phn.louvoregloria@hotmail.com Fernanda Cristina Sanches Email: fer_cristina2007@hotmail.com Helena Aparecida Gica Arantes

Leia mais

MOVIMENTOS INDÍGENAS POR EDUCAÇÃO: NOVOS SUJEITOS SOCIOCULTURAIS NA HISTÓRIA RECENTE DO BRASIL. CAMPOS, Rogério Cunha (UFMG)

MOVIMENTOS INDÍGENAS POR EDUCAÇÃO: NOVOS SUJEITOS SOCIOCULTURAIS NA HISTÓRIA RECENTE DO BRASIL. CAMPOS, Rogério Cunha (UFMG) MOVIMENTOS INDÍGENAS POR EDUCAÇÃO: NOVOS SUJEITOS SOCIOCULTURAIS NA HISTÓRIA RECENTE DO BRASIL. CAMPOS, Rogério Cunha (UFMG) Introdução Este trabalho apresenta resultados parciais de pesquisa, que procura

Leia mais

Entrevista com o antropólogo Luis Donisete Benzi Grupioni

Entrevista com o antropólogo Luis Donisete Benzi Grupioni 1 Guia Prático para Professores de Ensino Fundamental 1, publicação mensal da Editora Lua ( entrevista do mês da edição de abril de 2009. Ano 06, No. 62). ISBN 1679-9879. Entrevista com o antropólogo Luis

Leia mais

/ / JEITOS DE APRENDER. Índios Yanomami, Roraima

/ / JEITOS DE APRENDER. Índios Yanomami, Roraima / / JEITOS DE APRENDER Índios Yanomami, Roraima Ao longo de toda vida as pessoas passam por muitos aprendizados. Aprende-se dos mais diferentes jeitos e em vários momentos. O que se aprende e com quem

Leia mais

Prova Escrita de História A

Prova Escrita de História A Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de História A 12.º Ano de Escolaridade Prova 623/Época Especial 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL 1. Analise os quesitos a seguir e assinale, nos itens I e II, a única opção correta: (1,0 ponto) I. Observe a tirinha do Hagar e o texto de Alberto Caeiro: Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Ementa da Disciplina. Teleaula 1. Conceitos Básicos.

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Ementa da Disciplina. Teleaula 1. Conceitos Básicos. Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana Teleaula 1 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza Grupo Uninter Ementa da Disciplina Contextos e conceitos históricos sobre

Leia mais

INDÍGENAS NO BRASIL SITUAÇÃO DOS INDÍGENAS NO BRASIL HOJE. Capítulo 5 DEMANDAS DOS POVOS E PERCEPÇÕES DA OPINIÃO PÚBLICA

INDÍGENAS NO BRASIL SITUAÇÃO DOS INDÍGENAS NO BRASIL HOJE. Capítulo 5 DEMANDAS DOS POVOS E PERCEPÇÕES DA OPINIÃO PÚBLICA Capítulo 5 SITUAÇÃO DOS INDÍGENAS NO BRASIL HOJE Percepção de diferenças entre índios e não índios no Brasil hoje Estimulada e única, em % Base: Total da amostra (402) NÃO S/ URBANOS POPULAÇÃO NACIONAL

Leia mais

PRÉ-HISTÓRIA: EDUCAÇÃO PARA SOBREVIVÊNCIA

PRÉ-HISTÓRIA: EDUCAÇÃO PARA SOBREVIVÊNCIA PRÉ-HISTÓRIA: EDUCAÇÃO PARA SOBREVIVÊNCIA Augusto Pereira da Rosa¹ Ester Miriane Zingano² RESUMO A educação durante a Pré-História tem como objetivo a sobrevivência do grupo. Embora sem ter consciência

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann 1 DELIMITAÇÃO Ao abordarmos sobre as razões para ser um professor numa escola e falar sobre o amor de Deus, encontramos algumas respostas

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Leia o trecho da carta de Pero Vaz de Caminha, escrivão da armada de Pedro Álvares Cabral, escrita em maio de 1500 para o rei português

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA Por Neila Cristina N. Ramos Embora vivamos num país em que se tente transmitir uma imagem de igualdade e harmonia

Leia mais

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL Ederson da Paixão (Especialista em Educação Especial: Atendimento às Necessidades Especiais Integrante do Projeto de Pesquisa Os Primeiros Dramas

Leia mais

ESTUDO 1 - ESTE É JESUS

ESTUDO 1 - ESTE É JESUS 11. Já vimos que Jesus Cristo desceu do céu, habitou entre nós, sofreu, morreu, ressuscitou e foi para a presença de Deus. Leia João 17:13 e responda: Onde está Jesus Cristo agora? Lembremo-nos que: Jesus

Leia mais

Etapas da maturidade de Eliseu

Etapas da maturidade de Eliseu Etapas da maturidade de Eliseu TEXTO BÍBLICO BÁSICO 2 Reis 2.5-11 5 - Então os filhos dos profetas que estavam em Jericó se chegaram a Eliseu, e lhe disseram: Sabes que o SENHOR hoje tomará o teu senhor

Leia mais

Ser humano, sociedade e cultura

Ser humano, sociedade e cultura Ser humano, sociedade e cultura O ser humano somente vive em sociedade! Isolado nenhuma pessoa é capaz de sobreviver. Somos dependentes uns dos outros,e por isso, o ser humano se organiza em sociedade

Leia mais

INFÂNCIA: DESAFIOS DA MODERNIDADE

INFÂNCIA: DESAFIOS DA MODERNIDADE 1 INFÂNCIA: DESAFIOS DA MODERNIDADE Silva, Claudia Maria Rinhel * Resumo: Há anos estamos na prática de orientação de pais em Programas Sociais de crianças e adolescentes no âmbito municipal e temos observado

Leia mais

INDÍGENAS NO BRASIL DEMANDAS DOS POVOS E PERCEPÇÕES DA OPINIÃO PÚBLICA

INDÍGENAS NO BRASIL DEMANDAS DOS POVOS E PERCEPÇÕES DA OPINIÃO PÚBLICA Capítulo 14 EDUCAÇÃO INDÍGENA Conhecimento sobre o recebimento e adequação da educação regular (parâmetros nacionais de educação) nas aldeias indígenas Estimulada e única, em % MACRO REGIÕES PROXIMIDADE

Leia mais

Ensino religioso História Geografia

Ensino religioso História Geografia TEMA As diferenças podem incomodar AUTOR Loridane Gondim de Souza e-mail: loridanesouza@zipmail.com.br SÉRIE II etapa do 1º ciclo, 2ª série EIXOS Ensino religioso História Geografia Alteridade História

Leia mais

Identificação do projeto

Identificação do projeto Seção 1 Identificação do projeto ESTUDO BÍBLICO Respondendo a uma necessidade Leia Neemias 1 Neemias era um judeu exilado em uma terra alheia. Alguns dos judeus haviam regressado para Judá depois que os

Leia mais

caderno de atividades

caderno de atividades caderno de atividades A sociedade brasileira Índios, nossos primeiros habitantes Página 10 Para atender à causa desses povos, existem leis que garantem o direito à terra, delimitando espaços para reservas

Leia mais

Educação para os Media e Cidadania

Educação para os Media e Cidadania Educação para os Media e Cidadania Sara Pereira Instituto de Estudos da Criança Universidade do Minho Com este artigo procura-se reflectir sobre a educação para os media como uma forma e uma via de educar

Leia mais

Geografia da Fome. Geopolítica da fome

Geografia da Fome. Geopolítica da fome Atividade facebook para os alunos dos 8 anos C, D e E da Emeb Estância. Continuando a temática "formação da desigualdade social", nesse bimestre vocês me farão uma PESQUISA BIOGRÁFICA DO GEÓGRAFO CHAMADO

Leia mais

célia collet mariana paladino kelly russo

célia collet mariana paladino kelly russo Apresentação Este livro é produto de uma inquietação resultante de nossas pesquisas e de práticas docentes e de extensão universitária, ao apreender o modo como as culturas e as histórias indígenas são

Leia mais

ALUNO: - ANO - TURMA - DATA \ \ 201. Ficha de Aula de Arte I Trimestre

ALUNO: - ANO - TURMA - DATA \ \ 201. Ficha de Aula de Arte I Trimestre ALUNO: Nº - ANO - TURMA - DATA \ \ 201 Profª Ana Lúcia Leal Ficha de Aula de Arte I Trimestre Arte no Antigo Egito Uma das principais civilizações da Antiguidade foi a que se desenvolveu no Egito. Era

Leia mais

Brasil. Dos Primeiros habitantes da América à chegada dos Portugueses. Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com

Brasil. Dos Primeiros habitantes da América à chegada dos Portugueses. Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com Brasil Dos Primeiros habitantes da América à chegada dos Portugueses Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com Os Brasileiros... É como associarmos a formação do povo brasileiro com base nos

Leia mais

A formação moral de um povo

A formação moral de um povo É um grande desafio evangelizar crianças nos dias de hoje. Somos a primeira geração que irá dizer aos pais e evangelizadores como evangelizar os pequeninos conectados. Houve um tempo em que nos colocávamos

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

DISCURSO PELA PASSAGEM DO DIA DO ÍNDIO

DISCURSO PELA PASSAGEM DO DIA DO ÍNDIO DISCURSO PELA PASSAGEM DO DIA DO ÍNDIO Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara dos Deputados, em nome de quem cumprimento os demais integrantes da Mesa Diretora dessa Casa. Senhores e senhoras parlamentares

Leia mais

DATA: / / 2015 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA 4.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR (A): VALOR: 10,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO: %

DATA: / / 2015 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA 4.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR (A): VALOR: 10,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO: % SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: / / 205 UNIDADE: III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA 4.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR (A):

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia.

Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia. Jesus e sua vida Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia. Seu nascimento foi no meio de muitas

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

A ÁGUA FACTOR DE CIVILIZAÇÃO

A ÁGUA FACTOR DE CIVILIZAÇÃO ÁREA ESCOLA HISTÓRIA 1992/1993 MEMÓRIAS DOS ALUNOS E PROFESSORES DO 7º ANO QUE ESTIVERAM ENVOLVIDOS NO PROJECTO A ÁGUA FACTOR DE CIVILIZAÇÃO INDICE 1 PROJECTO 2 TEXTO MOTIVAÇÃO 3 SOCIEDADES RECOLECTORAS

Leia mais

2 Teoria de desastres

2 Teoria de desastres Seção 2 Teoria de desastres Antes que um bom plano comunitário de gestão de desastres possa ser elaborado, é importante compreender o que é um desastre e quais são os riscos de desastres em um determinado

Leia mais

of 5 28/10/2015 01:38

of 5 28/10/2015 01:38 O Brasil não terá índios no século XXI. A ideia de congelar o homem no estado primitivo de sua evolução é, na verdade, cruel e hipócrita, afirmou o ex-ministro brasileiro de Ciência e Tecnologia Hélio

Leia mais

Jefté era de Mizpá, em Gileade, terra de Jó e Elias. Seu nome (hebraico/aramaico - יפתח Yiftach / Yipthaχ). Foi um dos Juízes de

Jefté era de Mizpá, em Gileade, terra de Jó e Elias. Seu nome (hebraico/aramaico - יפתח Yiftach / Yipthaχ). Foi um dos Juízes de Jefté era de Mizpá, em Gileade, terra de Jó e Elias. Seu nome (hebraico/aramaico - יפתח Yiftach / Yipthaχ). Foi um dos Juízes de Israel por um período de seis anos (Jz 2:7 ). Jefté viveu em Gileade e foi

Leia mais

O que é protagonismo juvenil?

O que é protagonismo juvenil? O que é protagonismo juvenil? Branca Sylvia Brener * Índice Protagonismo Juvenil Por que a participação social dos jovens? O papel do educador Bibliografia Protagonismo Juvenil A palavra protagonismo vem

Leia mais

I Introdução. II Desenvolvimento

I Introdução. II Desenvolvimento I Introdução Nos tempos primitivos não havia documentos escritos sobre a vida nem sobre o homem. Esse período é chamado de pré-história e o que se conhece a seu respeito baseia-se nos objetos que restam

Leia mais

Sociologia 03. Prof. Robson Loeck 2os. Anos

Sociologia 03. Prof. Robson Loeck 2os. Anos Sociologia 03 Prof. Robson Loeck 2os. Anos Lembrando... Nas nossas aulas sobre CULTURA, discutimos: - Endoculturação. - Aculturação. - Etnocentrismo. - Relativismo. - Evolucionismo - Determinismo biológico.

Leia mais

GRUPO DE EDUCAÇÃO POPULAR (GEP)

GRUPO DE EDUCAÇÃO POPULAR (GEP) GRUPO DE EDUCAÇÃO POPULAR (GEP) Educar, Criar Poder Popular Julho, 2012 Apresentação Em 2012 o Grupo de Educação Popular (GEP) completa cinco anos. Um grupo que se uniu no início de 2008 pra resistir à

Leia mais

HISTÓRIA PRÉ-HISTÓRIA

HISTÓRIA PRÉ-HISTÓRIA Grupo 1 Universo A Pré-História Professor Carlos HISTÓRIA PRÉ-HISTÓRIA Para começarmos é importante saber como os historiadores conceituam a Pré-História: A Pré-História é conceituada como o período que

Leia mais

NOSSAS IDENTIDADES E O ENSINO DE CIÊNCIAS: ALGUMAS REFLEXÕES

NOSSAS IDENTIDADES E O ENSINO DE CIÊNCIAS: ALGUMAS REFLEXÕES NOSSAS IDENTIDADES E O ENSINO DE CIÊNCIAS: ALGUMAS REFLEXÕES Yasmin Lima de Jesus 1 Bruna Sá de Jesus 2 Edinéia Tavares Lopes 3 INTRODUÇÃO A diversidade étnico-racial encontrada no Brasil é um fato constatável

Leia mais

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo História Olá, pessoal! Vamos conhecer, entre outros fatos, como era o trabalho escravo no Brasil? CHIQUINHA GONZAGA Programação 3. bimestre Temas de estudo O trabalho escravo na formação do Brasil - Os

Leia mais

RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA CIDADANIA: Efetivação de Políticas de Prevenção da Criminalidade pelo Ministério Público.

RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA CIDADANIA: Efetivação de Políticas de Prevenção da Criminalidade pelo Ministério Público. RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA CIDADANIA: Efetivação de Políticas de Prevenção da Criminalidade pelo Ministério Público. - Resumo e destaques objetivos da Conferência proferida no

Leia mais

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé.

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé. 1 Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9 Introdução: Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e para sempre. Não se deixem levar pelos diversos ensinos estranhos. É bom que o nosso coração seja

Leia mais

A TERRITORIALIDADE COMO EIXO CENTRAL DOS DIREITOS INDÍGENAS

A TERRITORIALIDADE COMO EIXO CENTRAL DOS DIREITOS INDÍGENAS A TERRITORIALIDADE COMO EIXO CENTRAL DOS DIREITOS INDÍGENAS Djalma Magalhães Couto (djalma.couto@hotmail.com) Orientadora: Profª. Drª. Christina Miranda Ribas Universidade Estadual de Ponta Grossa Resumo:

Leia mais

O PROBLEMA DO ALUNO IMIGRANTE: ESCOLA, CULTURA, INCLUSÃO

O PROBLEMA DO ALUNO IMIGRANTE: ESCOLA, CULTURA, INCLUSÃO O PROBLEMA DO ALUNO IMIGRANTE: ESCOLA, CULTURA, INCLUSÃO Marinaldo de Almeida Cunha 1 - PUCSP Grupo de Trabalho - Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo O presente

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO EDUCAÇÃO INDÍGENA Gonçalves,Emily 1 Mello,Fernanda 2 RESUMO: Falar da educação dos índios nos dias atuais requer uma breve análise histórica deste povo. Precisamos reconhecer que nesses 508 anos, os povos

Leia mais

Foto: Jan de Jong. Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica. Construindo. Sonia Irene Cárdenas Solís

Foto: Jan de Jong. Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica. Construindo. Sonia Irene Cárdenas Solís autonomia, território e paz Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica Foto: Jan de Jong Construindo autonomia, território e paz Sonia Irene Cárdenas Solís 15 Agriculturas v. 12 -

Leia mais

Psicologia das multidões

Psicologia das multidões 1 Psicologia das multidões O estudo da Psicologia das multidões ou das Psicologia das massas foi feito pela primeira vez pelo sociólogo francês Gustave Le Bon em 1886. Os fatores que determinam as opiniões

Leia mais

2- (0,5) O acúmulo de lixo é um grave problema dos ambientes urbanos. Sobre o lixo responda: a) Quais são os principais destino do lixo?

2- (0,5) O acúmulo de lixo é um grave problema dos ambientes urbanos. Sobre o lixo responda: a) Quais são os principais destino do lixo? Data: /11/2014 Bimestre: 4 Nome: 7 ANO Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 9 1- (0,5) Sobre o ecossistema da caatinga do sertão do Nordeste, responda.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 94 Discurso na solenidade em homenagem

Leia mais

ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO EQUIPE MULTIDISCIPLINAR CULTURA AFRO-DESCENDENTES

ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO EQUIPE MULTIDISCIPLINAR CULTURA AFRO-DESCENDENTES ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO EQUIPE MULTIDISCIPLINAR CULTURA AFRO-DESCENDENTES JUSTIFICATIVA Este projeto tem como objetivo maior: Criar mecanismos para efetivar a implementação

Leia mais

Agora é só com você. Geografia - 131

Agora é só com você. Geografia - 131 Geografia - 131 3 Complete: O espaço da sala de aula é um domínio delimitado por um(a)..., que é sua fronteira. Ainda em grupo faça o seguinte: usando objetos como lápis, palitos, folhas e outros, delimite

Leia mais

REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio

REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio TERAPIA DO LUTO Profa. Dra. Angela Maria Alves e Souza Enfermeira-Docente-UFC o suicídio desencadeia o luto mais difícil de ser enfrentado e resolvido

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

Prova bimestral. Língua portuguesa. 2 o Bimestre 4 o ano. 1. Leia o texto.

Prova bimestral. Língua portuguesa. 2 o Bimestre 4 o ano. 1. Leia o texto. Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 2 o Bimestre 4 o ano Língua portuguesa Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia o texto. Daniel Wiedemann/shutterstock

Leia mais

A invasão do funk: embates entre racismo e conhecimento na sala de aula

A invasão do funk: embates entre racismo e conhecimento na sala de aula CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS VANESSA COUTO SILVA A invasão do funk: embates entre racismo e conhecimento na sala de aula SÃO PAULO 2012 Introdução Este trabalho buscará uma problematização

Leia mais

RETIRO DOS JOVENS - JUNHO DE 2010 - TEMA: RELACIONAMENTOS

RETIRO DOS JOVENS - JUNHO DE 2010 - TEMA: RELACIONAMENTOS corpo desta morte? (Rm7:24). Como precisamos chorar e lamentar nossos pecados! Que o Senhor nos leve ao desespero com o nosso ego. Esse tipo de desespero, quando acompanhado da fé no grande amor de Deus,

Leia mais

DIÁLOGOS PARA A SUPERAÇÃO DA POBREZA

DIÁLOGOS PARA A SUPERAÇÃO DA POBREZA PARTE III DIÁLOGOS PARA A SUPERAÇÃO DA POBREZA Gilberto Carvalho Crescer distribuindo renda, reduzindo desigualdades e promovendo a inclusão social. Esse foi o desafio assumido pela presidente Dilma Rousseff

Leia mais

Idade dos Metais. Mariana Antunes Vieira. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons.

Idade dos Metais. Mariana Antunes Vieira. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons. Mariana Antunes Vieira Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by/2.5/br/ A Idade

Leia mais

500 anos: O Brasil- Um novo mundo na TV

500 anos: O Brasil- Um novo mundo na TV 500 anos: O Brasil- Um novo mundo na TV Episódio 3: Encontro no além-mar Resumo A série discute temas históricos, alternando a narrativa com encenações de bonecos animados que resgatam o contexto da época

Leia mais

Política educativa, contratos de autonomia e desenvolvimento profissional dos professores: enredos e horizontes

Política educativa, contratos de autonomia e desenvolvimento profissional dos professores: enredos e horizontes Política educativa, contratos de autonomia e desenvolvimento profissional dos professores: enredos e horizontes José Matias Alves Chaves, 14 de maio de 2014 http://www.cfaeatb.org/cfaeatb2013/images/divulg

Leia mais

GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA A A GERAÇÃO DO CONHECIMENTO Transformando conhecimentos em valores www.geracaococ.com.br Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: MANHÃ Data: 12/5/2010 PROVA GRUPO GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DOS CANDOMBLÉS PARA A EDUCAÇÃO PARA AS RELAÇÕES ETNICORRACIAIS

CONTRIBUIÇÕES DOS CANDOMBLÉS PARA A EDUCAÇÃO PARA AS RELAÇÕES ETNICORRACIAIS CONTRIBUIÇÕES DOS CANDOMBLÉS PARA A EDUCAÇÃO PARA AS RELAÇÕES ETNICORRACIAIS Lúcio André Andrade da Conceição (IFBA) 1 O Candomblé é um tipo de manifestação religiosa criada pelos negros em nosso país.

Leia mais

CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO

CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO ADILSON DE ANGELO Desde a sua criação, o MST assegurou na sua agenda política a luta pela educação e por uma escola mais significativa para a família

Leia mais

População residente, por situação do domicílio Brasil, 2000 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Resultados do Universo

População residente, por situação do domicílio Brasil, 2000 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Resultados do Universo Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3o Bimestre 5o ano Geografia Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia os dados e o gráfico do censo do

Leia mais

Unidade I ANTROPOLOGIA E CULTURA. Prof. Bruno César dos Santos

Unidade I ANTROPOLOGIA E CULTURA. Prof. Bruno César dos Santos Unidade I ANTROPOLOGIA E CULTURA BRASILEIRA Prof. Bruno César dos Santos Objetivos 1. compreender a linguagem e a metodologia específica no que diz respeito à relação entre antropologia e cultura; 2. analisar

Leia mais

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG Um cacique kaingang, meu amigo, me escreveu pedindo sugestões para desenvolver, no Dia do Índio, o seguinte tema em uma palestra: "Os Valores Culturais da Etnia Kaingáng".

Leia mais

SAMUEL, O PROFETA Lição 54. 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil.

SAMUEL, O PROFETA Lição 54. 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil. SAMUEL, O PROFETA Lição 54 1 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil. 2. Lição Bíblica: 1 Samuel 1 a 3 (Base bíblica para a história o professor) Versículo

Leia mais

BRASIL: INFANTICÍDIO E RELATIVISMO MULTICULTURAL

BRASIL: INFANTICÍDIO E RELATIVISMO MULTICULTURAL 68 {ARTIGO} BRASIL: INFANTICÍDIO E RELATIVISMO MULTICULTURAL AUTOR: Solano Portela Do ponto de vista antropológico o Brasil é um dos países mais radicais na defesa do não intervencionismo e do relativismo

Leia mais

Aula 3 de 4 Versão Aluno

Aula 3 de 4 Versão Aluno Aula 3 de 4 Versão Aluno As Comunidades Indígenas Agora vamos conhecer um pouco das características naturais que atraíram essas diferentes ocupações humanas ao longo dos séculos para a Região da Bacia

Leia mais

Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento

Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento 2 Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento 33 Na relação social é contar com uma presença humana positiva que seja capaz de ver a força e a beleza dessa presença e manifestação do

Leia mais

presidente Brasil Por Nízea Coelho

presidente Brasil Por Nízea Coelho a PRIMEIRA presidente do Brasil Por Nízea Coelho 1 Lula é um fenômeno no mundo Historiador, mestre e futuro doutor. Este é Leandro Pereira Gonçalves, professor de História do Centro de Ensino Superior

Leia mais

As principais características de cultura como visão de mundo. Herança cultural e formas de compreender o mundo. Unidade 2: A Cultura

As principais características de cultura como visão de mundo. Herança cultural e formas de compreender o mundo. Unidade 2: A Cultura As principais características de cultura como visão de mundo Herança cultural e formas de compreender o mundo Cultura como visão de mundo: [...] a cultura é como uma lente através da qual o homem vê o

Leia mais

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia.

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia. * Este texto corresponde à visão da autora Marcia Dib e todas as informações aqui contidas são de inteira responsabilidade da autora. ** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança

Leia mais

21 sacadas para levar o seu negócio para o próximo nível

21 sacadas para levar o seu negócio para o próximo nível Para quem é este livro? Este livro é para todas aquelas pessoas que fazem o que amam em seu trabalho mas não estão tendo o retorno que gostariam. Este mini guia com 21 sacadas é um resumo dos atendimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO CME Nº 021, de 03 de maio de 2011 Homologada e Publicada no Jornal do Município nº 280, de 31.05.2011, págs. 15 e 16.

RESOLUÇÃO CME Nº 021, de 03 de maio de 2011 Homologada e Publicada no Jornal do Município nº 280, de 31.05.2011, págs. 15 e 16. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CAXIAS DO SUL CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CAXIAS DO SUL RESOLUÇÃO CME Nº 021, de 03 de maio de 2011 Homologada e Publicada no Jornal do Município

Leia mais

O DESAFIO CONTINUA.. A AGRICULTURA FAMILIAR FRENTE AO DESAFIO 2050. Alan Bojanic Ph.D. Representante da FAO no Brasil

O DESAFIO CONTINUA.. A AGRICULTURA FAMILIAR FRENTE AO DESAFIO 2050. Alan Bojanic Ph.D. Representante da FAO no Brasil Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura Economic and Social Development Department O DESAFIO CONTINUA.. A AGRICULTURA FAMILIAR FRENTE AO DESAFIO 2050 Alan Bojanic Ph.D. Representante

Leia mais

Exercícios de Word (Prova Avaliação Prática) Coisas da Vida

Exercícios de Word (Prova Avaliação Prática) Coisas da Vida Exercícios de Word (Prova Avaliação Prática) Faculdades Integradas Dom Pedro II Exercício 1 (Objetivo: Salvar Documentos) a) Crie uma pasta no Disquete ou Pen Drive com o nome Exercícios de Word. b) Crie

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

SINCRETISMO RELIGIOSO, NATAL FESTEJA IEMANJÁ 1

SINCRETISMO RELIGIOSO, NATAL FESTEJA IEMANJÁ 1 SINCRETISMO RELIGIOSO, NATAL FESTEJA IEMANJÁ 1 Antônio da Silva PINTO Netto 2 Joabson Bruno de Araújo COSTA 3 Giovana Alves ARQUELINO 4 Sebastião Faustino PEREIRA Filho 5 Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

EJA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

EJA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PREFEITURA MUNICIPAL DE COLINA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E.M.E.F. CEL. JOSÉ VENÂNCIO DIAS EJA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Ninguém educa ninguém. Ninguém se educa sozinho. Os homens se educam em

Leia mais

1. Pateo do Collegio conhecia não conhecia não responderam 16 18 0. 1. Pateo do Collegio gostei não gostei não responderam 33 0 1

1. Pateo do Collegio conhecia não conhecia não responderam 16 18 0. 1. Pateo do Collegio gostei não gostei não responderam 33 0 1 1. Pateo do Collegio conhecia conhecia 16 18 0 1. Pateo do Collegio gostei gostei 33 0 1 Pateo do Collegio 3% Pateo do Collegio gostei 0% conhecia 53% conhecia 47% gostei 97% Por quê? Aprendi mais sobre

Leia mais

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO INDÍGENA 9.1.1 Objetivos gerais A Constituição Federal assegura às comunidades indígenas o direito de uma educação escolar diferenciada e a utilização

Leia mais

Material complementar para Fogueira Santa

Material complementar para Fogueira Santa Material complementar para Fogueira Santa 4 a 10 anos referência bíblica Gênesis 12.1-4; 15.1-5 alvo da lição Ensinar às crianças que quem vive na fé de Abraão é uma das estrelas que ele viu ao sair da

Leia mais

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS 1 1. CONCEITO BÁSICO DE DIREITO Somente podemos compreender o Direito, em função da sociedade. Se fosse possível ao indivíduo

Leia mais

Na América, antes da chegada dos europeus, encontravam-se duas principais formas de organização social:

Na América, antes da chegada dos europeus, encontravam-se duas principais formas de organização social: HISTÓRIA DA AMÉRICA América Pré-colonial Na América, antes da chegada dos europeus, encontravam-se duas principais formas de organização social: - Sociedades sem Estado: Encontravam-se sem diferenciação

Leia mais

CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES

CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES 1 CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A discussão que vem sendo proposta por variados atores sociais na contemporaneidade

Leia mais

LIÇÃO 5 Outros Dons de Serviço: (Parte 1) Ministrar, Ensinar, Exortar

LIÇÃO 5 Outros Dons de Serviço: (Parte 1) Ministrar, Ensinar, Exortar LIÇÃO 5 Outros Dons de Serviço: (Parte 1) Ministrar, Ensinar, Exortar Terminámos o nosso estudo dos quatro dons a que chamámos dons de serviço. Embora a lista de Efésios 4 indique cinco dons, considerámos

Leia mais