CONCURSO PÚBLICO PARA PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO. Enfermeiro. Página 0

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCURSO PÚBLICO PARA PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO. Enfermeiro. Página 0"

Transcrição

1 Enfermeiro Página 0

2 LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS BRASILEIRA E PORTUGUESA Leia o texto a seguir para responder às questões propostas. Madrasta Sérgio Rodrigues A palavra madrasta está envolta em conotações negativas há tanto tempo que, pode-se argumentar, algo elas devem ter aprontado. Além dos contos de fadas, com Cinderela puxando a fila, ditos populares são testemunhas da antigüidade do problema. Rafael Bluteau, em seu dicionário do início do século 18, registrava os seguintes adágios portugueses: Madrasta e enteada sempre andam em baralha (isto é, em conflito, em joguinhos de intriga); e o genialmente sucinto Madrasta, o nome lhe basta. Bastará mesmo? Será que o sentido negativo já estava lá no momento da criação da palavra? Madrasta saiu do latim popular matrasta, de significado idêntico: a nova mulher do pai. Trata-se de uma das derivadas de mater, vinda por sua vez da imemorial raiz indo-européia mater-, ancestral tanto do sânscrito mata quanto do inglês mother. A idéia de mater, mãe, matriz, é tão vital na língua que aparece embutida em lugares inesperados na matéria, por exemplo, ou na madeira. Mas a madrasta, afinal, tem ou não tem um lado escuro desde sua formação? A maioria dos filólogos lava as mãos, mas Antenor Nascentes, nome clássico da etimologia brasileira, aposta que sim. Segundo ele, a palavra latina nasceu como um despectivo forma depreciativa, pejorativa de mater. Para Nascentes, portanto, nada tem de fortuito o posterior surgimento, em português, da acepção de madrasta como aquilo que, em vez de proteger, maltrata, geralmente usada para qualificar a sorte, o destino. Apesar de tudo isso, madrasta má também é um estereótipo grosseiro e injusto, é claro. Em nossa época politicamente correta, está em curso um louvável trabalho para aliviar o termo de sua carga negativa. Qualquer que seja o resultado do julgamento a que deve ser submetida, Anna Carolina Jatobá já atrasou esse trabalho em pelo menos 50 anos. (Texto extraído de Revista da Semana, 28 de abril de 2008, p.41) 01 Pela leitura do texto, pode-se afirmar que: a) o sentido negativo da palavra madrasta criou o estereótipo da madrasta má apenas nos contos de fadas. b) o sentido negativo da palavra madrasta se constitui um fenômeno semântico casual. c) o sentido negativo da palavra madrasta decorre dos contos de fadas tradicionais que sempre apresentam as madrastas como más. d) o sentido negativo da palavra madrasta é decorrente dos adágios portugueses. e) o sentido negativo da palavra madrasta se constitui um desvio semântico do próprio significado da palavra em sua origem etimológica. 02 O último parágrafo do texto faz referência à expressão madrasta má, que também apresenta sentido negativo. Essa referência se reporta a um fato da atualidade. A expressão que melhor demarca esse fato é: a) louvável trabalho b) Anna Carolina Jatobá c) Qualquer que seja o resultado d) resultado do julgamento e) deve ser submetida 03 No texto, a intertextualidade foi criada a partir de poucos elementos lingüísticos. A expressão que bem explicita essa relação intertextual é: a) lava as mãos b) contos de fadas c) ditos populares d) raiz indo-européia e) palavra latina 04 Leia, com atenção, o trecho abaixo, extraído de Madrasta. Trata-se de uma das derivadas de mater, vinda por sua vez da imemorial raiz indo-européia mater-, ancestral tanto do sânscrito mata quanto do inglês mother. A idéia de mater, mãe, matriz, é tão vital na língua que aparece embutida em lugares inesperados na matéria, por exemplo, ou na madeira. Nele, os elementos coesivos sublinhados estabelecem, respectivamente, relações de: a) conseqüência, comparação e adição b) comparação, conseqüência e alternância c) conseqüência, conseqüência e alternância d) comparação, comparação e conclusão e) proporção, conseqüência e explicação 05 Em Mas a madrasta, afinal, tem ou não tem um lado escuro desde sua formação?, é correto afirmar sobre o conectivo mas: a) estabelece uma contradição b) apresenta uma idéia de conseqüência c) esclarece uma enunciação contraditória anterior d) retoma as indagações do 2º parágrafo e) liga idéias com valor adversativo 06 Pelo tipo de composição apresentado pelo texto Madrasta, conclui-se que ele se classifica como: a) descritivo, com exclusão de argumentos b) narrativo, com elementos descritivos e dissertativos c) dissertativo, com elementos narrativos e descritivos d) narrativo, com exclusão de descrição e) dissertativo, com exclusão de argumentos Página 1

3 07 Considere o seguinte parágrafo extraído do texto Madrasta: A palavra madrasta está envolta em conotações negativas há tanto tempo que, podese argumentar, algo elas devem ter aprontado. Além dos contos de fadas, com Cinderela puxando a fila, ditos populares são testemunhas da antigüidade do problema. Rafael Bluteau, em seu dicionário do início do século 18, registrava os seguintes adágios portugueses: Madrasta e enteada sempre andam em baralha (isto é, em conflito, em joguinhos de intriga); e o genialmente sucinto Madrasta, o nome lhe basta. Nele, há duas ocorrências típicas da linguagem informal. Assinale a opção que apresenta essas duas ocorrências. a) algo elas devem ter aprontado e com Cinderela puxando a fila b) com Cinderela puxando a fila e pode-se argumentar c) registrava os seguintes adágios portugueses e Madrasta, o nome lhe basta d) são testemunhas da antigüidade do problema e com Cinderela puxando a fila e) Madrasta e enteada sempre andam em baralha e pode-se argumentar 11 Em A idéia de mater, mãe, matriz, é tão vital na língua que aparece embutida em lugares inesperados [...], o termo embutida vem regido pela preposição em. Esse fenômeno também se evidencia em: a) O delegado foi um perito em desvelar a verdade sobre o ocorrido. b) Seu depoimento foi compatível no que aconteceu, de fato. c) O pai da criança assassinada é o suspeito em ter praticado o crime. d) O crime praticado pelo casal está difícil em ser elucidado. e) Não sou favorável em depor sobre o ocorrido. 12 No fragmento A maioria dos filólogos lava as mãos, mas Antenor Nascentes, nome clássico da etimologia brasileira, aposta que sim., as duas últimas vírgulas foram usadas para: a) separar o aposto b) indicar a supressão de um verbo c) separar o vocativo d) separar termos coordenados e) desfazer uma possível má interpretação 13 Assinale a alternativa que propõe a substituição dos termos ou expressões em destaque no período a seguir, sem que haja alteração de sentido. 08 Assinale a opção em que o termo destacado do texto Madrasta, do ponto de vista morfossintático, está classificado adequadamente. a) destino (3 parágrafo) substantivo com função de sujeito b) envolta (1 parágrafo) adjetivo com função de adjunto adverbial de modo c) momento (2 parágrafo) adjetivo com função de predicativo d) populares (2 parágrafo) substantivo com função de adjunto adnominal e) trabalho (4 parágrafo) substantivo com função de objeto direto 09 Em Madrasta e enteada sempre andam em baralha, a forma verbal andam está subordinada a Madrasta e enteada por um princípio de: a) colocação pronominal b) regência verbal c) concordância em número e pessoa d) regência do nome com o verbo e) concordância em gênero e número 10 Considere o seguinte período: Será que o sentido negativo já estava lá no momento da criação da palavra? Nele, a oração assinalada possui o valor de: a) advérbio b) substantivo c) adjetivo d) verbo e) pronome Página 2 Parece estar prestes a acontecer a prisão do casal que assassinou a criança, pois ele usou métodos pouco sábios na realização do crime. a) eminente insipientes consecução b) eminente insipientes consecussão c) eminente incipientes concecução d) iminente incipientes consecussão e) iminente insipientes consecução 14 O texto apresenta várias palavras acentuadas graficamente. Marque a opção em que todas as palavras destacadas foram acentuadas pelo mesmo motivo. a) está há bastará português b) dicionário início adágios matéria c) idéia matéria época louvável d) má também já lá e) filólogos clássico época Jatobá 15 Indique a opção em que o acento gráfico indicativo da ocorrência da crase é facultativo. a) Na vida, às vezes, cometemos erros imperdoáveis. b) Rafael Bluteau chegou à conclusão de que madrasta conota maldade. c) Não me referi às suas colocações sobre o sentido de madrasta disse o filólogo. d) O significado de madrasta reporta-se à origem da palavra na língua. e) O filólogo deu sentido à palavra madrasta.

4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 16 De acordo com a Portaria 648/GM de 28 de março/2006, em relação aos Princípios Gerais da Atenção Básica, coloque (V) para as informações verdadeiras e (F) para as falsas. Marcando, em seguida, a seqüência correta. ( ) Obedecendo aos princípios gerais, a atenção básica caracteriza-se por um conjunto de ações de saúde, no âmbito individual, que abrangem a promoção da saúde, o diagnóstico, o tratamento e a manutenção da saúde. ( ) A atenção básica é desenvolvida por meio do exercício de práticas gerenciais e sanitárias democráticas e participativas, sob forma de trabalho em equipe, dirigidas à população de territórios delimitados, pelas quais assume a responsabilidade sanitária, considerando a dinamicidade existente no território em que vivem essas populações. ( ) A Atenção Básica utiliza tecnologias de elevada complexidade e baixa densidade. ( ) A Atenção Básica utiliza tecnologias de baixa complexidade e alta densidade. a) FFFV b) VVVF c) FFVV d) FVVF e) VFFV 17 Na operacionalização da Atenção Básica, a Portaria 648/GM de 28 de março/2006 define como áreas estratégicas: a) Eliminação da Hanseníase, controle da da mulher, a saúde do idoso, a saúde mental, controle da dengue e a promoção da saúde. b) Eliminação da Hanseníase, controle da da mulher, a saúde do idoso, a saúde bucal e a promoção da saúde. c) Eliminação da Hanseníase, controle da da mulher, e a saúde do idoso. d) Eliminação da Hanseníase, controle da da mulher, a saúde do idoso, eliminação da dengue e saúde do adulto. e) Eliminação da Hanseníase, controle da da mulher, a saúde do idoso, eliminação da dengue e saúde do trabalhador Página 3 18 O Plano de Cuidados, para garantir uma a assistência de enfermagem segura, deve: a) contemplar o paciente como um todo b) não depender dos dados da doença bem como da vida pregressa do paciente c) conter apenas os cuidados relacionados às necessidades básicas d) ser estático, sendo desnecessário revisá-lo e/ou modificá-lo e) valorizar apenas as necessidades sociais do paciente 19 Na implementação do plano assistencial de enfermagem, o enfermeiro busca atender às necessidades afetadas do paciente, respeitando as características: a) vitais b) universais c) individuais d) sociais e) básicas 20 Marque a alternativa correta que corresponda ao site que contém um banco de dados do Sistema Único de Saúde do Brasil. a) b) c) d) e) 21 Um paciente é admitido no serviço de urgência com uma ferida penetrante no hemitórax direito produzido por arma branca. Qual dos grupos de sinais e sintomas é mais provável que ele apresente? a) Hipotensão, incontinência urinária, ansiedade. b) Alteração do estado geral, elevação da pressão arterial, incontinência urinária por dor e ansiedade. c) Hipotensão, oligúria, ansiedade e dificuldade respiratória. d) Hipertensão, cefaléia, vômitos, hipertermia. e) Palidez, sudorese, ansiedade, dificuldade respiratória. 22 A assinale a opção que corresponde à relação entre compressão e ventilação: a) 5 / 1 b) 30 / 2 c) 15 / 2 d) 25 / 3 e) 10 / 2 23 Um paciente, ao dar entrada na emergência, apresenta dispnéia, cianose e edema de membros inferiores. Esse quadro permite à (o) enfermeira (o) suspeitar de: a) Insuficiência Cardíaca Congestiva b) Insuficiência Renal c) Infarto Agudo d) Miocardite Crônica e) Edema Agudo de Pulmão

5 24 O recrutamento de pessoal em uma Instituição funciona como um elo de ligação entre o ambiente externo e a Organização. Assim, o ponto de partida para iniciar o recrutamento é: a) obter dados para programação de reciclagem e atualização do pessoal b) fornecer aos candidatos dados para a melhoria dos programas instalados na Instituição c) estabelecer as características necessárias aos candidatos para que determinados objetivos sejam atingidos d) identificar os itens que deverão ser observados na auditoria e) conhecer o padrão de qualidade dos serviços 25 Quais as funções do serviço de materiais nas Instituições de Saúde? a) licitação, armazenamento, distribuição, direção; b) armazenamento, licitação, organização, previsão; c) compra, planejamento, comando, guarda; d) compra, recebimento, armazenamento, distribuição, controle; e) provisão, comando, organização, controle 26 Qual Norma Regulamentadora NR - que tem por finalidade estabelecer as diretrizes básicas para a implementação de medidas de proteção à segurança e à saúde dos trabalhadores dos serviços de saúde?: a) NR 33 b) NR 32 c) NR 35 d) NR 30 e) NR Marque a alternativa que corresponde à NR-6: a) estabelece a obrigatoriedade do uso do Equipamento de Proteção Individual. b) dispõe sobre os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do trabalho SESMT. c) dispõe sobre a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA. d) dispõe sobre o Programa de Controle Médico em Saúde Ocupacional PCMSO. e) estabelece parâmetros mínimos para elaboração e execução do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais PPRA. 28 O hospital, além de prover cuidado básico de saúde a um grande número de pessoas, são freqüentemente centros de ensino e pesquisa. Como resultado, existem riscos potenciais aos quais os trabalhadores hospitalares podem estar expostos, dependendo da atividade que desenvolvem e do seu local de trabalho. A NR-5 dispõe sobre a obrigatoriedade das empresas e/ou estabelecimentos de constituir: a) CIPA b) SESMT c) PPRA d) PCMAT e) SEPATR 29 No desenvolvimento do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) NR-7, deve-se incluir a realização obrigatória de exames: a) pré-admissional, periódico, mudança de função, pós-demissional b) pré-admissional, admissional,, periódico, mudança de função c) pré-admissional, periódico, mudança de função, demissional d) admissional, periódico, mudança de função, pósdemissional e) admissional, retorno ao trabalho, mudança de função, demissional. 30 A NR-9 estabelece os parâmetros mínimos e diretrizes gerais a serem observados na execução do: a) Programa de Alimentação do Trabalhador PAT; b) Programa de Prevenção de Riscos Ambientais PPRA; c) Programa Auxílio Moradia PAM; d) Programa Auxílio Transporte PAT; e) Programa Nacional de Prevenção de Acidentes do Trabalho PNPAT; 31 O trabalho muscular necessário ao desempenho das atividades laborais exige uma boa oxigenação. O aparelho que mede o volume de ar da capacidade vital é: a) Espirômetro b) Barômetro c) Esfignomanômetro d) Dinamômetro e) Antropômetro 32 As patologias do sistema tegumentar relacionadas ao trabalho são chamadas de Dermatoses Ocupacionais. A Silicose é uma dermatose do grupo das Pneumoconioses causada pela Sílica livre. A Antracosilicose também é uma dermatose causada por: a) fumo b) fungos c) carvão d) berílio (Be) e) ácaros 33 O acidente sempre ocorre como resultado da soma de atos e condições inseguras oriundas de aspectos denominados: fatores pessoais de insegurança. Desse modo, a imperícia pode ser considerada como: a) a omissão voluntária de cuidados, falta ou demora para prevenir ou evitar um dano; b) a falta de aptidão especial, habilidade ou experiência no exercício de determinada função; c) a sensação desagradável de mal-estar, constituindo uma defesa do organismo contra o excesso de trabalho; d) a atitude do trabalhador caracterizada pela falta de interesse pela prevenção de acidentes; e) o não atendimento às instruções superiores sobre a maneira de executar determinado trabalho. Página 4

6 34 As patologias relacionadas ao trabalho que podem atingir o sistema músculo-esquelético são: a) Lesões por Estímulos Repetitivos (LER) e Lombalgia; b) Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e Dor no Joelho; c) Lesões por Esforços Repentino (LER) e Lombalgia; d) Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e Dor no Quadril; e) Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e Lombalgia; 35 A Vigilância Epidemiológica Ocupacional tem como objetivo: a) tratar casos de doenças que acometam os trabalhadores locais; b) fazer distribuição dos medicamentos dos programas estabelecidos pelo MS; c) promover medidas que incentivem a boa cobertura vacinal; d) prevenir entre os trabalhadores os desvios de saúde causados pelas condições de trabalho; e) promover reciclagem dos trabalhadores que atuam na mineração 36 Segundo a NR-15, qual o percentual para insalubridade de grau máximo, grau médio e grau mínimo assegurado para desenvolver atividades consideradas insalubres? a) 80% (oitenta por cento), 50% (cinquenta por cento), 25% (vinte e cinco por cento) b) 60% (sessenta por cento), 40% (quarenta por cento), 20% (vinte por cento) c) 50% (cinquenta por cento), 30% (trinta por cento), 20% (vinte por cento) d) 100% (cem por cento), 80% (oitenta por cento), 60% (sessenta por cento) e) 40% (quarenta por cento), 20% (vinte por cento), 10% (dez por cento) 37 Para efeito da NR-32, consideram-se medicamentos e drogas de risco aquelas que possam causar: a) neotoxidade, carcinogenicidade, teratogenicidade e toxicidade séria e seletiva sobre órgãos e sistemas; b) genotoxicidade, carcinogenicidade, teratogenicidade e toxicidade séria e seletiva sobre órgãos e sistemas; c) intoxidade, carcinogenicidade, teratogenicidade e toxicidade séria e seletiva sobre órgãos e sistemas; d) atoxicidade, carcinogenicidade, teratogenicidade e toxicidade séria e seletiva sobre órgãos e sistemas; e) antrotoxicidade, carcinogenicidade, teratogenicidade e toxicidade séria e seletiva sobre órgãos e sistemas; 38 A NR-17 visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores. O estudo que tem como finalidade ajustar o trabalho ao homem chama-se: a) Ergonomia b) Ergologia c) Equitação d) Ergocentria e) Epistemologia 39 A Lei que dispõe sobre a regulamentação do exercício de enfermagem estabelece as atividades privativas do enfermeiro como integrante da equipe de saúde. Assinale a alternativa que contém a atividade privativa do enfermeiro: a) prevenção e controle sistemático de infecção hospitalar e de doenças transmissíveis em geral b) participação no planejamento, execução e avaliação da programação de saúde c) planejamento, organização, coordenação, execução e avaliação dos serviços de enfermagem d) prevenção e controle sistemático de danos que possam ser causados à clientela durante a assistência de enfermagem e) assistência de enfermagem à gestante, parturiente e puérpera. 40 O Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem, no artigo 12, dispõe ser responsabilidade e dever dos profissionais de Enfermagem assegurar à pessoa, família e coletividade assistência de enfermagem livre de danos decorrentes de imperícia, negligência e imprudência. Marque a resposta que corresponde à definição de negligência: a) falta de atenção, omissão ou inobservância do dever, em realizar determinado procedimento. b) falta de cautela, imprevidência a cerca do mal, que se deveria prever, porém, não previu. c) deficiência ou ausência de conhecimento da falta de habilidade e destreza. d) atitude precipitada sem avaliação das possíveis conseqüências ou resultados. e) falta de técnica necessária para realização de certa atividade. 41 De acordo com a NR-7 do M.T.E., indique qual a resposta certa quanto à periodicidade dos exames médicos periódicos: a) bienal para todos os empregados b) anual, quando menores de dezoito anos e maiores de quarenta e cinco anos de idade c) anual, somente para os portadores de doenças crônicas d) anual para todos os trabalhadores expostos a risco ergonômico e) anual para todos os trabalhadores, independente de idade, sexo e riscos a que estão expostos Página 5

7 42 A quem cabe executar os serviços de vigilância epidemológica, vigilância sanitária, alimentação e nutrição, e de saneamento básico? a) conselho municipal da saúde b) direção estadual do SUS c) direção nacional do SUS d) direção municipal do SUS e) conselho estadual de saúde 43 A iniciativa privada poderá participar do SUS: a) nunca poderá participar b) em qualquer circunstancia c) em caráter complementar d) a critério do conselho municipal de saúde e) a critério do conselho estadual de saúde 44 Quais as categorias podem ser segurados facultativos da Previdência Social: a) síndico, dona de casa e menor de 16 anos. b) dona de casa, menor de 16 anos e presidiário c) estudante, síndico e menor de 16 anos d) presidiário, menor de 16 anos e síndico e) síndico, presidiário e estudante 45 Os seguintes conjuntos de risco são considerados programas de seguridade social: a) necessidades familiares, desemprego e meio ambiente. b) velhice, invalidez e saúde. c) acidente de trabalho, desemprego e meio ambiente. d) velhice, invalidez e desemprego. e) necessidades familiares, maternidade e saúde. 46 O traçado do eletrocardiograma normal apresenta a seguinte característica: a) A deflexão P precede o complexo QRS b) O complexo QRS antecede as ondas P e T c) A onda S é a 2ª deflexão para cima d) A onda Q é a 1ª deflexão para cima e) A deflexão T antecede o complexo QRS 47 A cetoacidose diabética é uma das complicações mais freqüentes do Diabetes Mellitus. O seu quadro clínico compreende: a) Midríase, febre, sede b) Anorexia, respiração de Kussmaul, diarréia c) Sede, náusea, febre d) Cefaléia, sede, febre e) Anorexia, respiração de Kussmaul, sonolência 48 A estreptoquinase é uma droga fibrinolítica empregada no Infarto Agudo do Miocárdio para desobstrução das coronárias. Quais os principais cuidados de enfermagem quanto à sua administração: a) Controlar sinais vitais e administrar drogas via muscular b) Controle rigoroso em bomba de infusão e sinais vitais pré administração c) Monitorização, controlar sinais vitais, providenciar material de emergência e observar sangramento; d) Administrar corticóide, recomendar repouso e controlar PVC e) Controlar sinais vitais, oferecer oxigênio, controlar PVC 49 Organizar, executar e gerenciar os serviços e ações de Atenção Básica, de forma universal, dentro do seu território, incluindo as unidades próprias e as cedidas pelo estado e pela União; Organizar o fluxo de usuários, visando à garantia das referências a serviços e ações de saúde fora do âmbito da Atenção Básica e garantir infra-estrutura necessária ao funcionamento das Unidades Básicas de Saúde, dotando-as de recursos materiais, equipamentos e insumos suficientes para o conjunto de ações propostas compete as: a) Secretarias Municipais de Saúde e ao Distrito Federal e Ministério da Saúde b) Secretarias Municipais de Saúde e ao Distrito Federal c) Conselho municipal de saúde e Ministério da saúde. d) Secretarias Municipais de Saúde e ao Distrito Federal e Ministério da Saúde e Conselho Municipal. e) Secretarias Municipais de Saúde e ao Distrito Federal, Secretaria Estadual de Saúde Ministério da Saúde e Conselho Municipal. 50 Com relação à infra-estrutura e aos recursos necessários para o funcionamento do Programa Saúde da Família, Analise as proposições abaixo e coloque (V) se for verdadeira e (F) se for falsa. Em seguida marque a seqüência correta. ( ) A equipe multiprofissional deve ser estabelecida de acordo com o gestor municipal sem interferência do Ministério da Saúde. ( ) Equipe multiprofissional composta por médico, enfermeiro, cirurgião dentista, auxiliar de consultório dentário ou técnico em higiene dental, auxiliar de enfermagem ou técnico de enfermagem e agente comunitário de saúde, entre outros; ( ) Consultório médico, consultório odontológico e consultório de enfermagem para os profissionais da Atenção Básica; ( ) Equipamentos e materiais adequados ao elenco de ações propostas, de forma a garantir a resolutividade da Atenção Básica; ( ) Garantir os fluxos de referência e contrareferência aos serviços especializados, de apoio diagnóstico e terapêutico, ambulatorial e hospitalar. a) V F V F V b) F V V V V c) V F V V V d) F F F V V e) F F V V V Página 6

8 Página 7

CONCURSO PÚBLICO PARA PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO. Psicólogo. Página 0

CONCURSO PÚBLICO PARA PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO. Psicólogo. Página 0 Psicólogo Página 0 LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS BRASILEIRA E PORTUGUESA Leia o texto a seguir para responder às questões propostas. Madrasta Sérgio Rodrigues A palavra madrasta está envolta em conotações

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO. Técnico de Laboratório Área: Informática. Página 0

CONCURSO PÚBLICO PARA PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO. Técnico de Laboratório Área: Informática. Página 0 Técnico de Laboratório Área: Informática Página 0 LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS BRASILEIRA E PORTUGUESA Leia o texto a seguir para responder às questões propostas. Madrasta Sérgio Rodrigues A palavra

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO. Médico Área: Medicina do Trabalho. Página 0

CONCURSO PÚBLICO PARA PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO. Médico Área: Medicina do Trabalho. Página 0 Médico Área: Medicina do Trabalho Página 0 LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS BRASILEIRA E PORTUGUESA Leia o texto a seguir para responder às questões propostas. Madrasta Sérgio Rodrigues A palavra madrasta

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Objetivo A Norma Regulamentadora 9 estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO Programa de Controle Médico de Saúde 29/10/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 4 5. Informações Complementares...

Leia mais

RETIFICAÇÃO Nº 01 AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007

RETIFICAÇÃO Nº 01 AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007 Estado de Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE HERVAL D OESTE RETIFICAÇÃO Nº 01 AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007 CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E/OU PROVAS E TÍTULOS, PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

LEI Nº 7.498, DE 25 DE JUNHO DE 1986

LEI Nº 7.498, DE 25 DE JUNHO DE 1986 LEI Nº 7.498, DE 25 DE JUNHO DE 1986 Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional).

PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional). PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional). PCMSO O PCMSOé definido e regulamentado pela Norma Regulamentadora nº 7, contida na Portaria 3214, de 8 de Junho de 1978, do Ministério do Trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Cargo: ENFERMEIRO/ÁREA 1. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Prestar assistência ao paciente e/ou usuário em clínicas, hospitais, ambulatórios, navios, postos de saúde e em domicílio, realizar consultas e procedimentos

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA RESOLUÇÃO CFFa nº 467, de 24 de abril de 2015. Dispõe sobre as atribuições e competências relativas ao profissional fonoaudiólogo Especialista em Fonoaudiologia do Trabalho, e dá outras providências. O

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002.

LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002. LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002. Cria e extingue cargos na estrutura do Quadro Permanente de Cargos, lei Municipal 1338/98, e dá outras providências. WOLMIR ÂNGELO DALL`AGNOL, Prefeito

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS Elaborado em: 05/01/2011 Autor: Borges 1.Introdução É comum entre empregadores e colaboradores que exerçam cargos de confiança a preocupação em gerir

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005

ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005 ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005 FUNÇÃO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Realizar mapeamento de sua área; Cadastrar as famílias

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências Decreto Nº 94.406 / 1987 (Regulamentação da Lei nº 7.498 / 1986) Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências O Presidente da

Leia mais

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR Sônia Cristina Bittencourt de Paiva Consultora em Saúde Ocupacional e Ergonomia A RELAÇÃO

Leia mais

REVISÃO VACINAS 15/02/2013

REVISÃO VACINAS 15/02/2013 REVISÃO VACINAS 1. Conforme a Lei Federal n o 7.498/86, que dispõe sobre o exercício da enfermagem, são atividades privativas do enfermeiro: a) administrar medicamentos e prestar consultoria de b) observar

Leia mais

COMENTÁRIOS JURÍDICOS AO PCMSO E À EMISSÃO DE ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL AVULSO ASO AVULSO.

COMENTÁRIOS JURÍDICOS AO PCMSO E À EMISSÃO DE ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL AVULSO ASO AVULSO. COMENTÁRIOS JURÍDICOS AO PCMSO E À EMISSÃO DE ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL AVULSO ASO AVULSO. Eduardo Carvalho Abdalla Advogado, Especialista em Gestão Jurídica da Empresa Consultor de Saúde, Segurança

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO - SST No Brasil a Segurança e Medicina no Trabalho é regulamentada pela portaria 3214/78, atualmente com 36 Normas Regulamentadoras do Ministério

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas que realmente

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

MEDICINA DO TRABALHO INVESTIMENTO OU DESPESA?

MEDICINA DO TRABALHO INVESTIMENTO OU DESPESA? Slide Master MEDICINA DO TRABALHO INVESTIMENTO OU DESPESA? Dr. Cláudio M. da C. Barreto Tel. (21)99588.7203 Consultor em Medicina e Segurança do Trabalho Médico do Trabalho E-mail: claudiomcbarreto@gmail.com

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO. Analista de Tecnologia da Informação. Página 0

CONCURSO PÚBLICO PARA PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO. Analista de Tecnologia da Informação. Página 0 Analista de Tecnologia da Informação Página 0 LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS BRASILEIRA E PORTUGUESA Leia o texto a seguir para responder às questões propostas. Madrasta Sérgio Rodrigues A palavra madrasta

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 037/2012 CT PRCI n 100.072/2012 Tickets n 279.441, 284.278, 284.556 e 297.

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 037/2012 CT PRCI n 100.072/2012 Tickets n 279.441, 284.278, 284.556 e 297. PARECER COREN-SP 037/2012 CT PRCI n 100.072/2012 Tickets n 279.441, 284.278, 284.556 e 297.459 Ementa: Regulamentação e competência do instituto das abordagens de pré e pósconsultas pela equipe de Enfermagem

Leia mais

Saúdee Trabalho. Raphael Mendonça Guimarães, Ph.D

Saúdee Trabalho. Raphael Mendonça Guimarães, Ph.D Saúdee Trabalho Raphael Mendonça Guimarães, Ph.D TRABALHADORES X POPULAÇÃO GERAL Saúde do Trabalhador Medicina do Trabalho; Saúde Ocupacional; Saúde do Trabalhador. Exposição ambiental X Exposição ocupacional

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: 1 Lei Nº 7.498/86 Dispõe sobre a regulamentação do exercício da Enfermagem e dá outras providências O presidente da República, Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Leia mais

b. Acidente em viagem a serviço da empresa; d. Doenças profissionais (provocadas pelo tipo de trabalho);

b. Acidente em viagem a serviço da empresa; d. Doenças profissionais (provocadas pelo tipo de trabalho); ASPECTOS LEGAIS SOBRE A SEGURANÇA D O TRABALHO E SUA IMPLICAÇÃO PARA A EMPRESA NA SUA GESTÃO JURÍDICA. SEGURANÇA DO TRABALHO São os conjuntos de medidas que são adotadas visando minimizar os acidentes

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade Complexidade da especialidade Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização O

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

Dispõe sobre a regulamentação do exercício da Enfermagem e dá outras providências

Dispõe sobre a regulamentação do exercício da Enfermagem e dá outras providências Dispõe sobre a regulamentação do exercício da Enfermagem e dá outras providências O presidente da República. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º - É livre

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art.1º - A SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE - SUSAM integra a Administração Direta do Poder Executivo, na forma da Lei nº 2783, de 31 de janeiro de 2003, como órgão responsável,

Leia mais

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 6 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO AMBIENTAL INEAA MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO José Roberto Teixeira NOVEMBRO/2002 MEIO AMBIENTE, SAÚDE E

Leia mais

Análise da possibilidade de substituição de um profissional do SESMT por outro.

Análise da possibilidade de substituição de um profissional do SESMT por outro. ,.',. -. Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho Coordenação-GeraJ de Normatização e Programas NOTA TÉCNICA N~35/2012/CGNOR/DSST/S1T Interessado: Assunto: Secretaria

Leia mais

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização Complexidade da especialidade O

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Informe Técnico nº 1 MERCÚRIO METÁLICO Diante da exposição por Mercúrio metálico de moradores do Distrito de Primavera, Município de Rosana, SP, a DOMA/CVE presta o seguinte Informe Técnico. Breve histórico

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 13/2012 DATA DA ENTRADA: 12 de junho de 2012 INTERESSADO: Dr. MHM CRM-MT XXXX CONSELHEIRA CONSULTORA: Dra. Hildenete Monteiro Fortes ASSUNTO:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Especialização Profissional Técnica

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 057 /2013 CT PRCI n 102.625 e Ticket n 287.004, 289.375

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 057 /2013 CT PRCI n 102.625 e Ticket n 287.004, 289.375 PARECER COREN-SP 057 /2013 CT PRCI n 102.625 e Ticket n 287.004, 289.375 Ementa: Realização de PCMSO por Enfermeiro e Técnico de Enfermagem. 1. Do fato Solicitação de parecer sobre a realização de Programa

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 4 Programa Controle MÇdico de SaÉde Ocupacional

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 4 Programa Controle MÇdico de SaÉde Ocupacional Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 4 Programa Controle MÇdico de SaÉde Ocupacional PCMSO Estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

O SR. BETO ALBUQUERQUE (PSB-RS. Pronuncia o seguinte discurso.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, hoje, 12 de maio, comemoramos o Dia

O SR. BETO ALBUQUERQUE (PSB-RS. Pronuncia o seguinte discurso.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, hoje, 12 de maio, comemoramos o Dia O SR. BETO ALBUQUERQUE (PSB-RS. Pronuncia o seguinte discurso.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, hoje, 12 de maio, comemoramos o Dia Internacional do Enfermeiro. Na realidade, comemora-se hoje,

Leia mais

D I Á R I O O F I C I A L

D I Á R I O O F I C I A L D I Á R I O O F I C I A L DO MUNICIPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ESTADO DO ESPÍRITO SANTO w w w. c a c h o e i r o. e s. g o v. b r ANO XXXX - Cachoeiro de Itapemirim - Quarta- Feira 18 de Janeiro de

Leia mais

CURSO PRIUS PREPARATÓRIO PARA TÉCNICOS DE ENFERMAGEM HUPE / UERJ

CURSO PRIUS PREPARATÓRIO PARA TÉCNICOS DE ENFERMAGEM HUPE / UERJ AME - Dicionário de Administração de Medicamentos na Enfermagem. 2009/2010. Rio de Janeiro: EPUB, 2009. ANVISA. Curso Básico de Controle de Infecção Hospitalar - Caderno C: Métodos de Proteção Anti- infecciosa.

Leia mais

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira OBJETO: Estabelece

Leia mais

TÓPICO 01: DISPOSIÇÕES GERAIS

TÓPICO 01: DISPOSIÇÕES GERAIS TÓPICO 01: DISPOSIÇÕES GERAIS O Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO, se configura em uma obrigatoriedade legal a ser cumprida por todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS

CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS Dr. Ailton Luis da Silva www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 Modelos de Serviços de Saúde Ocupacional existentes. A Convenção

Leia mais

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

Unidades de Negócios

Unidades de Negócios Grupo Clivale Como surgiu? História Tudo começou com a iniciativa de Raphael Serravalle ao perceber a carência de um serviço médico especializado na cidade do Salvador, calçada, induziu dois de seus filhos:

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTOS 1 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTOS 2 Índice 1- Exames Médicos Ocupacionais. 2- Controle de Atestados Médicos. 3 - Afastamentos: INSS/Licença Maternidade. 4 - Avaliação Médica.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GONÇALO DOS CAMPOS EDITAL DE RETIFICAÇÃO- II

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GONÇALO DOS CAMPOS EDITAL DE RETIFICAÇÃO- II PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GONÇALO DOS CAMPOS EDITAL DE RETIFICAÇÃO- II O Prefeito do Município de São Gonçalo dos Campos, Estado da Bahia, no uso de suas atribuições legais, retifica o Edital 001/2014

Leia mais

NR 4. SESMT Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho. Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978

NR 4. SESMT Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho. Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 NR 4 SESMT Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 A Norma Regulamentadora 4, cujo título é Serviços Especializados em Engenharia

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: : PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional:Técnico em enfermagem Qualificação:

Leia mais

CONSEP - Consultoria e Estudos Pedagógicos LTDA.

CONSEP - Consultoria e Estudos Pedagógicos LTDA. RESULTADO DOS RECURSOS CONTRA O GABARITO PRELIMINAR DO CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL DE ESPERANTINÓPOLIS-MA 1. Recurso Contra as Questões de PORTUGUÊS NIVEL FUNDAMENTAL INCOMPLETO para os cargos de: AUXILIAR

Leia mais

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPIA OCUPACIONAL UMA PROFISSÃO NATURALMENTE PARA A SAÚDE PUBLICA Senhor Gestor, gostaríamos de apresentar as possibilidades de cuidado que o terapeuta ocupacional oferece

Leia mais

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente?

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente? O tema Segurança do Paciente vem sendo desenvolvido sistematicamente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) desde sua criação, cooperando com a missão da Vigilância Sanitária de proteger

Leia mais

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS ÍNDICE Apresentação...03 Hospital Universitário Cajuru...04 Estrutura...04 Especialidades Atendidas...05 Diferenças entre atendimento de urgência, emergência e eletivo...06 Protocolo de Atendimento...07

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 Dispõe sobre o atendimento obrigatório aos portadores da Doença de Alzheimer no Sistema Único de Saúde - SUS, e dá outras providências.

Leia mais

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO 1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS Médico Clínico 0 Médico Pediatra 1 Médico de Estratégia PSF 3 Psicólogo Clínico 30 horas 0 Psicólogo Clínico 40 horas 1 Cirurgião Dentista 2 Auxiliar de Saúde Bucal 2 Fonoaudiólogo

Leia mais

ATUAÇÃO DO MÉDICO DO TRABALHO. Profa. Lys Esther Rocha

ATUAÇÃO DO MÉDICO DO TRABALHO. Profa. Lys Esther Rocha ATUAÇÃO DO MÉDICO DO TRABALHO Profa. Lys Esther Rocha Agenda O que é Medicina do Trabalho? Conceito de Trabalho e Saúde A relação Saúde e Trabalho O Mundo do Trabalho Atual: características e desafios

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 002/2012 CT PRCI n 99.073/2012 e Ticket 280.834

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 002/2012 CT PRCI n 99.073/2012 e Ticket 280.834 PARECER COREN-SP 002/2012 CT PRCI n 99.073/2012 e Ticket 280.834 Assunto: Ações de resgate de vítimas em altura e em espaço confinado. Competência da equipe de bombeiros militares. 1. Do fato Solicitado

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ADMINISTRAÇÃO DE ENFERMAGEM AVALIANDO O QUE ESTUDAMOS 1. A Supervisão de Enfermagem é fundamental para o desenvolvimento dos recursos humanos, através da educação

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO

PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO 1 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO PORTARIA Nº 3.214 DE 08/06/78 - NR7 (com redação dada pela Portaria nº 24 de 29/12/94 e Portaria nº 8 de 08/05/96) DO OBJETO A Norma Regulamentadora

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

A LEI DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DA ENFERMAGEM

A LEI DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DA ENFERMAGEM A LEI DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DA ENFERMAGEM 1- PRINCIPAIS MARCOS DA HISTÓRIA DA SAÚDE E DA ENFERMAGEM NO BRASIL E A EVOLUÇÃO DA LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM DA COLONIZAÇÃO À ÉPOCA IMPERIAL Surge a primeira

Leia mais

NR.07 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL 09/12/2013

NR.07 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL 09/12/2013 NR.07 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL 09/12/2013 Do Objeto Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação, por parte de todos os empregadores

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO 1. A comunicação durante o processo de enfermagem nem sempre é efetiva como deveria ser para melhorar isto, o enfermeiro precisa desenvolver estratégias de

Leia mais

QUESTOES DE CONCURSO

QUESTOES DE CONCURSO QUESTOES DE CONCURSO 1. Com o envelhecimento populacional, um dos maiores desafios das políticas de saúde é alcançar um equilíbrio entre o apoio ao autocuidado, o apoio informal (familiares e amigos) e

Leia mais

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Responsável: Diretoria de Administração (DA) Superintendência de Recursos Humanos (DARH) Gerência de Dinâmica Laboral

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - SMS EDITAL Nº. 001/2012 ANEXO VI

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - SMS EDITAL Nº. 001/2012 ANEXO VI PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - SMS EDITAL Nº. 001/2012 ANEXO VI CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CARGO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE - ACS LÍNGUA PORTUGUESA 1. Interpretação de textos

Leia mais

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS Alunos: Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR 7 PCMSO - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Esta Norma Regulamentadora - NR

Leia mais

Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM SAÚDE

Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM SAÚDE Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM SAÚDE ÁREA DO CONHECIMENTO: Administração. Saúde. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em MBA Executivo em Saúde. OBJETIVO DO CURSO:

Leia mais

Português- Prof. Verônica Ferreira

Português- Prof. Verônica Ferreira Português- Prof. Verônica Ferreira 1 Com relação a aspectos linguísticos e aos sentidos do texto acima, julgue os itens a seguir. No trecho que podemos chamar de silenciosa (l.15-16), o termo de silenciosa

Leia mais

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS.

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS. ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS 40 Relatório de Gestão 2014 B lanço Soci l ESF Estratégia de Saúde da Família Relatório de Gestão 2014 41 GESTÃO DE PESSOAS Gestão de Pessoas Com o

Leia mais

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO:

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO: PARECER TÉCNICO ASSUNTO: Solicitação de parecer acerca de Técnico de Enfermagem lotado no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de transtorno mental acompanhar paciente internado em outra instituição,

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms)

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms) Toxicovigilância Glossário Agente Tóxico (Toxicante): é qualquer substância, ou seus metabólitos, capaz de produzir um efeito tóxico (nocivo, danoso) num organismo vivo, ocasionando desde alterações bioquímicas,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL ANEXOII ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PARA CONCURSO PÚBLICO PARA EMPREGO PÚBLICO Nº. 001/2010 JUNDIAÍ DO SUL PARANÁ 1. Para os cargos do grupo PSF Programa da Saúde da Família, conveniados com o Governo Federal:

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO. Técnico em Contabilidade. Página 0

CONCURSO PÚBLICO PARA PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO. Técnico em Contabilidade. Página 0 Técnico em Contabilidade Página 0 LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS BRASILEIRA E PORTUGUESA Leia o texto a seguir para responder às questões propostas. Madrasta Sérgio Rodrigues A palavra madrasta está envolta

Leia mais

Fica autorizada a remuneração por parte das OS (Organizações Sociais) de acordo com tabela e instruções contidas em anexo - Orientações

Fica autorizada a remuneração por parte das OS (Organizações Sociais) de acordo com tabela e instruções contidas em anexo - Orientações Circular S/SUBPAV/SAP n.º 10/2011. Aos Coordenadores das A.P.s com vistas às Unidades Primárias de Saúde Assunto: Pagamento de gratificações Rio de Janeiro, 15 de abril de 2011. CONSIDERANDO a necessidade

Leia mais