Convênio EMATER-RIO x PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GONÇALO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Convênio EMATER-RIO x PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GONÇALO"

Transcrição

1 GUIA DE HORTAS ESCOLARES CAMPANHA de HORTAS 2011 Educando com a Horta Escolar Realização: EMATER-RIO * Escritório de São Gonçalo * 2011 Apoio: PREFEITURA DE SÃO GONÇALO Secretaria de Agricultura e Pesca Secretaria de Educação Secretaria de Saúde Convênio EMATER-RIO x PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GONÇALO Página 1 de 18

2 COMO FAZER UMA HORTA ESCOLAR OU COMUNITÁRIA: 1- ESCOLHA DO LOCAL optar por locais que apresentem as seguintes características: Terrenos Planos ou Suave-Ondulados Solos Bem Drenados Afastado de Esgotos Sanitários e Fontes de Poluição do Solo e da Água. Locais Bem Ensolarados e Sem Sombreamentos Disponibilidade de Água para Irrigação Possibilidade de Cercamento Facilidade de ser Vigiado/Controlado, para Evitar Roubos e Depredações Local Inacessível a Animais e Pessoas Estranhas 2- LIMPEZA DO TERRENO realizar a limpeza do terreno, removendo completamente para fora de sua área: Materiais Grosseiros - Pedras, cacos, tocos, latas, plásticos, entulhos, etc... Matos e Ervas Invasoras Roçar a área e Capinar o solo em seguida. 3- MARCAÇÃO DA ÁREA delimitar o perímetro da área a ser cercada e marcar os canteiros. O ideal é que os canteiros guardem a posição Norte-Sul, de forma a receber a maior insolação possível. Página 2 de 18

3 Para Marcação da Área e dos Canteiros deve-se utilizar Linha de Pedreiro e Estacas de Madeira ou de Bambu. Os canteiros devem ser de 1,20m de largura e guardar uma rua de acesso entre eles de cerca de 0,50m. O espaço entre cada bateria de canteiros deve ser de 1,0 a 1,5m. No interior da Horta, reservar um espaço para instalar um reservatório de água para irrigação das plantas caixa d água 500 ou litros ou tambor de 200 litros. 4- CERCAMENTO DA ÁREA proteger a Horta, disciplinar o acesso de pessoas e evitar a entrada de animais. Após a Seleção da Área da Horta deve-se proceder a demarcação da mesma. Com o auxílio de uma marreta ou soquete, fincar Estacas alinhadas a cada 2,0m. Selecionar Mourões de 2,0m a 2,50m de altura. Estes podem ser de concreto, metal ou de madeira tratada. A cada 2,0 m de distância, abrir um buraco com aproximadamente 50 cm de profundidade e fincar os mourões de forma alinhada. Para se fazer o alinhamento adequado deve-se utilizar linha de pedreiro esticada nos mourões das cabeceiras da cerca. Para que não saia de sua posição, apruma-se cada mourão com fio-de-prumo, devendo ser fixado em seguida com pedras bem socadas a sua base, podendo ainda receber uma massa de concreto. Esticar e fixar em todo o perímetro da área 03 fios de arame grosso para fixar adequadamente a tela de cercamento. Os fios devem ser fixados nas partes superior, mediana e inferior de cada um dos mourões. O cercamento pode ser feito com vários materiais, sendo os mais comuns madeira, bambu, telas de arame ou de plástico, que devem ficar bem esticadas. É conveniente instalar um portão de acesso com largura suficiente par entrada de pessoas e carros-de-mão. O ideal é de 1,50m. Página 3 de 18

4 5- CONSTRUÇÃO DOS CANTEIROS: Os Canteiros são os leitos que receberão as plantas, devendo ser de terra solta (fofa). Normalmente são mais altos que o nível do terreno em no mínimo 30 cm. Nos canteiros as plantas deverão encontrar as melhores condições para o seu desenvolvimento e produção. A terra estando bem solta e ventilada permitirá um grande desenvolvimento das raízes, o que faz com que cresçam vigorosas, resistentes e produtivas. Os canteiros podem ser construídos por simples elevação da superfície do solo. Entretanto, o ideal é que sejam mais bem protegidos e, nesses casos, devem ser construídos com tijolos de cerâmica, blocos de concreto, pedras de mão, tábuas de madeira, troncos roliços, bambus, garrafas pet, etc. O importante é utilizar materiais prontamente disponíveis. Os canteiros podem ter comprimento variável. Para facilitar a vida do trabalhador rural, no manuseio das plantas e nos tratos culturais, a largura dos canteiros deve obedecer a uma distância padrão de 1,20m. ALTURA 30 cm LARGURA PADRÃO 120 cm Os canteiros não podem ser construídos sobre locais de concreto ou de difícil drenagem, pois, nesses casos, o encharcamento da área resultará na morte das plantas. 6- CORREÇÃO DO SOLO: É uma prática importante, empregada para corrigir a acidez e recuperar a fertilidade do solo, sendo realizada através do uso de CALCÁRIO AGRÍCOLA e, por isso mesmo, denominada de CALAGEM. A Calagem deve ser realizada uma vez ao ano, antes dos primeiros plantios. O ideal é que se realize a 60 dias antes do plantio, nos meses de janeiro e fevereiro. De imediato, a Calagem aumenta a oferta de Cálcio e Magnésio no solo. Página 4 de 18

5 A Calagem diminui a Acidez do Solo e restabelece a Fertilidade Natural do terreno. De modo prático, recomenda-se uma dose anual de 500g/m 2 de Calcário Dolomítico ou Calcário Calcítico ou ainda Cal Extinta ou Hidratada. Os Calcários são produtos pouco solúveis em água. Necessitam, portanto, ser muito bem misturados com o solo. O calcário deve ser aplicado em pequenas doses que são misturadas com a terra gradativamente, até completar a dose total recomendada. 7- PREPARO DO SOLO: É uma prática importante, realizada para melhoria dos aspectos físicos do solo: aeração, absorção, armazenamento e drenagem da água no solo, melhoria das condições favoráveis aos microorganismos benéficos, etc. Através do uso de enxadões, revolve-se a camada do solo a uma profundidade de 30 a 40 cm e com o auxílio de enxadas promove-se a quebra dos torrões do solo. Com a terra preparada, realiza-se a aplicação do calcário, ao tempo em que se vai incorporando o corretivo ao solo homogeneamente. 8- ADUBAÇÃO ORGÂNICA DE PLANTIO: Preparado o solo e corrigida a sua acidez, realiza-se a adubação orgânica de plantio. Esta adubação orgânica é realizada cerca de uma semana antes do plantio. Nesta oportunidade, incorpora-se ao solo uma boa dose de matéria orgânica, sendo o produto mais comum o Esterco Animal Curtido. Podem-se utilizar também as tortas de algodão ou de mamona ou o Composto Orgânico. Esterco Curtido de Vaca, Cavalo, Cabra ou Coelho - 2 baldes de pedreiro/m 2 Húmus de Minhoca ou Composto Orgânico - 2 baldes de pedreiro/m 2 Esterco Curtido de Aviário, de Galinheiro ou de Codorna - 1 balde de pedreiro/m 2 Tortas de Mamona ou de Algodão - 1 balde de pedreiro/m 2 Página 5 de 18

6 Escolhido o tipo de Adubo Orgânico a ser aplicado, definir a dose para cada tamanho de canteiro. Incorporar profundamente ao solo o adubo orgânico de plantio, de modo a se ter uma boa mistura com a terra. 9- ADUBAÇÃO MINERAL DE PLANTIO: É realizada de 2 a 4 dias antes do plantio. Em cada m 2 de solo a ser plantado aplicar o equivalente a: 100g/m 2 de solo de Superfosfato Simples ou Fosfato Natural 100 g/m 2 de solo da fórmula É possível também fazer uma mistura de ambos os fertilizantes na proporção de 1:1 e aplicar 200g/m 2 de solo A dose deve ser calculada medindo-se a superfície de solo Aplicar de forma a misturar os adubos com a superfície do solo 10- SEMENTES & MUDAS: Das espécies a serem cultivadas na horta, observar previamente aquelas que são propagadas por MUDAS e por SEMENTES. Espécies PROPAGADAS POR MUDAS Aipim, Alecrim, Alfavaca, Alho, Batata- Doce, Cará, Cebola, Cebolinha, Couve-de-Folha, Hortelã, Inhame, Manjericão, Morango, Taioba,... As espécies PROPAGADAS POR SEMENTES - separar aquelas que devem ser semeadas Diretamente em Canteiros e aquelas que devem ser semeadas em Sementeiras para depois serem Transplantadas nos Canteiros. Página 6 de 18

7 A- SEMENTES SEMEADAS DIRETAMENTE NO LOCAL DEFINITIVO EM CANTEIROS HORTALIÇAS NÚMERO DE SEMENTES POR COVA PROFUNDADE DE PLANTIO (cm) DESBASTE Nº DE PLANTAS POR COVA TAMANHO DO CANTEIRO (cm) C L F ESPAÇO ENTRE LINHAS (m) ESPAÇO ENTRE COVAS (m) ACELGA ,50 0,50 ALMEIRÃO ,50 0,40 BETERRABA ,15 0,15 CENOURA Filete Contínuo ,20 0,05 COENTRO Filete Contínuo ,25 0,10 COUVE- RÁBANO ,40 0,20 ERVILHA ,00 0,40 ESPINAFRE ,00 0,40 FEIJÃO VAGEM ,00 0,20 NABO ,35 0,10 PEPINO ,00 0,50 RABANETE Filete Contínuo ,20 0,10 RÚCULA Filete Contínuo 2 1 sulcos de 5 cm profundidade 0,30 0,05 SALSA Filete Contínuo ,25 0,10 Página 7 de 18

8 B- SEMENTES SEMEADAS DIRETAMENTE NO LOCAL DEFINITIVO A CAMPO HORTALIÇAS NÚMERO DE SEMENTES POR COVA PROFUNDADE DE PLANTIO (cm) DESBASTE Nº DE PLANTAS POR COVA TAMANHO DA COVA (cm) C L F ESPAÇO ENTRE LINHAS (m) ESPAÇO ENTRE COVAS (m) ABÓBORAS ,0 2,0 ABOBRINHA MOITA ,0 1,0 BERTALHA ,0 0,5 CHUCHU ,0 3,0 FEIJÃO-DE- CORDA ,7 0,5 MAXIXE ,0 2,0 MELANCIA ,0 2,0 MELÃO ,0 2,0 MILHO- VERDE ,0 0,2 QUIABO ,0 0,5 C- SEMENTES SEMEADAS EM SEMENTEIRAS PARA POSTERIOR TRANSPLANTIO EM CANTEIROS HORTALIÇAS NÚMERO DE MUDAS POR COVA PROFUNDIDADE DE PLANTIO (cm) PROFUNDIDADE DOS SULCOS (cm) ESPAÇO ENTRE LINHAS (m) ESPAÇO ENTRE COVAS (m) AGRIÃO ,2 0,2 ALFACE ,3 0,3 ALFAVACA ,0 0,7 BRÓCOLIS ,8 0,4 CHICÓRIA ,4 0,3 COUVE ,2 0,2 COUVE-FLOR ,1 0,6 MANJERICÃO ,0 0,7 REPOLHO ,8 0,4 Página 8 de 18

9 D- SEMENTES SEMEADAS EM SEMENTEIRAS PARA POSTERIOR TRANSPLANTIO NO CAMPO HORTALIÇAS NÚMERO DE MUDAS POR COVA PROFUNDIDADE DE PLANTIO (cm) PROFUNDIDADE DOS SULCOS (cm) ESPAÇO ENTRE LINHAS (m) ESPAÇO ENTRE COVAS (m) BERINJELA ,5 1,0 JILÓ ,2 1,0 PIMENTA ,2 1,0 PIMENTÃO ,2 0,7 TOMATE ,2 0,7 TOMATE CEREJA ,2 0,7 11- COMO FAZER UMA SEMENTEIRA SIMPLES Página 9 de 18

10 12- ESPAÇAMENTOS: Para se cultivar as plantas convenientemente deve se proceder aos plantios em linhas e covas espaçadas regularmente. Tal procedimento é conveniente para proporcionar às plantas igualdade de condições em termos de Água, Luz e Nutrientes. Espaçamento Entre Linhas é a distância regular entre as plantas e que varia de uma cultura agrícola e outra. Espaçamento Entre Covas - é a distância regular entre as plantas, dentro de cada linha, e que varia de uma cultura agrícola e outra. Linha 1 Linha 2 Linha 3 Linha 4 Linha SEMEADURA: Covas de uma Mesma Linha SEMEADURA é o ato de semear as sementes. SEMEAR é o ato de deitar sementes ao solo para que germinem. GERMINAÇÃO Início de desenvolvimento de uma planta, a partir do embrião de sua semente. A Semeadura pode ser realizada em Sementeira ou no Local Definitivo. No Local Definitivo são semeadas as hortaliças que não suportam a operação de Transplantio. Imediatamente após a Semeadura devem-se cobrir as sementes com uma fina camada de terra peneirada. Em seguida, cobre-se todo o leito do canteiro com uma leve camada de grama aparada ou palhada leve, para reduzir o calor no leito, eliminar os impactos das gostas de chuva e manter a umidade do solo. Em algumas circunstâncias, pode-se fazer uma cobertura plástica transparente suspensa do solo com arames, simulando uma estufa. Por fim, promove-se uma boa irrigação. Página 10 de 18

11 14- TRANSPLANTIO: Algumas hortaliças devem ser semeadas em sementeiras, de modo a formar as suas mudas, para posterior transplante no local definitivo. São plantas mais delicadas e que exigem maiores cuidados no processo de formação de mudas, que se dá em sementeiras. O Transplantio é a mudança das plantas que cresceram na sementeira para o lugar definitivo. O Transplantio é feito quando as plantas apresentam 4 a 6 folhas definitivas. O ideal é que seja feito no final da tarde ou em dia nublado para evitar que o calo excessivo provoque a morte das mudas. 15- TRATOS CULTURAIS IRRIGAÇÃO e DRENAGEM: As hortaliças são plantas muito exigentes em água. Daí é que devem ser irrigadas periodicamente, sendo que o ideal é que sejam regadas a cada 2 dias. Tão importante quanto a água é a presença do oxigênio nas raízes. Para tanto, os solos devem ter uma boa Drenagem, não sendo sujeitos aos encharcamentos. Uma boa mangueira com crivo de chuveiro acoplado na extremidade costuma ser eficaz na rega, não prejudicando as plantações, ainda que jovens. Um bom regador também cumpre eficazmente a função da irrigação de canteiros das hortas. 16- FERRAMENTAS UTILIZADAS: Página 11 de 18

12 17- TRATOS CULTURAIS CONTROLE DE ERVAS INVASORAS: As hortaliças são plantas muito exigentes em Água, Luz e Nutrientes, motivo pelo qual o controle do mato consiste em uma das práticas mais importantes. O controle do mato começa pela capina do solo com enxada, por ocasião do preparo do solo. Durante o ciclo de vida dessas plantas cultivadas, que são bastante delicadas, tal prática deve ser intensificada e cuidadosa, através da capina manual. Uma prática agrícola importante é a Cobertura Morta ou Mulching, que consiste em dotar a superfície do solo, ao redor das plantas em especial, de uma compacta camada de restos vegetais, de forma que as sementes do mato não encontrem condições favoráveis à germinação e desenvolvimento. 18- TRATOS CULTURAIS ADUBAÇÃO DE COBERTURA: Começar a aplicar a partir de 3 (três) semanas após a germinação das sementes ou após o transplantio das mudas plantadas no local definitivo. Diluir 1 (uma) colher de sopa de uréia em 10 Litros de água. Em relação à freqüência de aplicação, esta pode ser feita uma vez a cada 15 dias (semanas alternadas). 19- TRATOS CULTURAIS CONTROLE DE PRAGAS: O cultivo de hortas e de pomares, quando atende às necessidades do solo e da planta, através de adubação orgânica e de práticas culturais adequadas, propiciam maior equilíbrio ambiental. Quando as plantas são infestadas significativamente por pragas é importante dar preferência à utilização de práticas alternativas, antes de recorrer às medidas tradicionais de controle. No intuito de disponibilizar as informações mais relevantes foram agrupadas aqui algumas fórmulas caseiras para o controle de pragas e doenças que, frequentemente, ocorrem em vegetais. CONTROLE DE PRAGAS EM HORTALIÇAS: ÁCAROS - 30 ml de leite integral ou soro de leite + 1 litro de água => Modo de fazer: misturar e pulverizar diretamente sobre as plantas. ÁCAROS E COCHONILHAS g de folhas frescas ou 100 g de folhas secas de samambaia do mato + 1 litro de água => Modo de fazer: deixar as folhas frescas ou as folhas secas curtirem na água por 48 horas, depois coar, diluir em 10 litros de água e aplicar. Página 12 de 18

13 ÁCAROS E PULGÕES - 01 maço de Coentro + Água => Modo de fazer: levar ao fogo com água, de modo a cobrir o maço e ferver por 10 minutos. Coar e completar para 01 litro de Água, depois de esfriar, aplicando sobre as plantas infestadas. LAGARTAS, PULGÕES E COCHONILHAS g de fumo de rolo + 1 litro de água => Modo de fazer: picar o fumo e deixar curtir na água por 48 horas; depois coar, diluir em 10 litros de água e pulverizar. ARMADILHA PARA LESMAS E CARACÓIS - Colocar sacos de aniagem molhados no leite entre os canteiros atacados, por dois dias. A cada manhã, retirar as armadilhas, eliminar as lesmas, lavar os sacos de aniagem e reiniciar a prática enquanto houver infestação. FORMIGAS SAÚVAS - Plantar gergelim no terreno. PULGÕES e LAGARTAS - Receita A: Folhas de arruda + Água => Modo de fazer: levar ao fogo com água fervente por 10 minutos, coar e aplicar depois de esfriar. PULGÕES e LAGARTAS - Receita B: 20 frutinhos de pimenta malagueta + 1 litro de água => Modo de fazer: triturar no liquidificador com um pouco de água, coar e completar para 1 litro, pulverizando as plantas infestadas. PULGÕES e LAGARTAS - Receita C: 4 dentes de alho + 1 litro de água => Modo de fazer: esmagar os 4 dentes de alho e deixar curtir na água por 12 horas. Após este período, diluir em 10 litros d'água e pulverizar. PRAGAS DIVERSAS - Receita A: 500 ml de querosene g de sabão em barra + 4 litros de água quente + 15 litros de água => Modo de fazer: aquecer os 4 litros de água e adicionar o sabão, agitando bem até derreter. Em seguida, com a mistura morna, acrescentar o querosene com cuidado e diluir no restante da água. Aplicar ao entardecer ou nas primeiras horas da manhã para evitar qualquer efeito tóxico do querosene sobre as plantas. PRAGAS DIVERSAS - Receita B: plantar Cravos do tipo Tagetes em torno dos canteiros. CONTROLE DE DOENÇAS DE PLANTAS CALDA BORDALEZA g de Sulfato de Cobre g de Cal Virgem + 20 litros de Água => Modo de fazer: Use sempre vasilhames de plástico, amianto ou madeira. Ponha primeiramente o sulfato de cobre em um saquinho de pano e deixar desde a véspera de molho em um balde com 5 litros d'água para dissolver. Em outro vasilhame, misture a cal virgem com os 15 litros d'água restantes. A seguir, despeje lentamente a solução de sulfato de cobre na cal virgem apagada, mexendo lentamente, formando uma calda de cor azul. Finalmente, faça o teste para saber se a calda está no ponto ou se está ácida. É só mergulhar a ponta de uma faca de aço (não pode ser inoxidável) por três minutos e observar: se a faca ficar escurecida é porque a solução está ácida e se necessita adicionar mais um pouco de leite de cal. Se não alterar a cor da faca, a solução está no ponto. Atenção: A Calda Bordaleza depois de pronta deve ser utilizada no mesmo dia e não deve ser pulverizada nos horários de pleno sol. Página 13 de 18

14 20- TÉCNICAS AGRÍCOLAS ESPECÍFICAS TUTORAMENTO: É uma técnica de suma importância para a condução adequada de algumas culturas, que necessitam ser apoiadas, de forma a evitar o seu tombamento. Tal prática é vital para as culturas de Pepino, Tomate, Pimentão, Feijão Vagem, Ervilha, Jiló e Berinjela. Após o plantio e quando as plantas estiverem com 25 a 30 cm de altura, inicia-se o tutoramento. É feito um laço bem folgado com a fita plástica no colo (base) da planta, enrolando-a ao redor da mesma. A outra extremidade da fita é amarrada ao arame, devendo-se ter o cuidado de deixar uma sobra. Com o crescimento da planta, a fita é enrolada em torno de seu caule permitindo sua sustentação. 21- TÉCNICAS AGRÍCOLAS ESPECÍFICAS COMPOSTAGEM: A Compostagem é um processo biológico em que os microrganismos transformam a Matéria Orgânica (estrume, folhas, aparas de gramados e de jardins, papel, restos de comida,etc) num material semelhante ao solo, a que se chama COMPOSTO, e que pode ser utilizado como adubo. Este produto pode ser utilizado na fertilização de plantas, pois melhora as condições físicas, químicas e biológicas dos solos. A Compostagem também pode ser encarada como um processo biológico que contribui para a redução da quantidade de resíduos, uma vez que resulta na Reciclagem da Matéria Orgânica. Assim, se em cada horta houver um bom processo de COMPOSTAGEM DA MATÉRIA ORGÂNICA, além da eliminação do despejo de resíduos na natureza, o COMPOSTO ORGÂNICO gerado pode substituir com vantagens um dos principais insumos de uma horta: o Esterco de Curral, que constitui matéria-prima escassa e de difícil obtenção nas cidades e centros urbanos. A fabricação de Composto Orgânico imita o processo natural de decomposição, porém com resultado mais rápido e controlado. Página 14 de 18

15 O PASSO A PASSO DA COMPOSTAGEM a- Escolha um local a meia sobra. b- Monte a Composteira e um canteiro, sombreado e abrigado de raios solares. c- Matéria-Prima do GRUPO 1 é a parte mais predominante e deve ser de restos vegetais, do tipo apara de gramas, folhas secas, restos de capina, mato roçado, palhas secas, papéis, papelões, etc. d- Matéria-Prima do GRUPO 2 à matéria-prima predominante adiciona-se restos de cozinha, cascas de frutas e verduras, pó-de-café, cascas de ovos, etc. e- Ambas as matérias-primas, depois de misturadas, devem formar uma pilha ou uma leira, que deve ser levemente umedecida, periodicamente. f- Na formação da leira, a cada 15 cm de espessura, coloca-se em cada m 2 de massa cerca de 500g de TORTA DE MAMONA. Esse procedimento permitirá produzir um Composto de melhor qualidade e em menor prazo de tempo. g- Tão importante quanto UMEDECER a leira ou a pilha de compostagem é a sua AERAÇÃO. Para tanto, a massa deve ser periodicamente revolvida para que seja minimamente aerada. Como regra básica, faz-se o umedecimento, com mangueira ou regador, seguido de pronto revolvimento, com garfo ou ancinho. h- É muito importante que não faltem UMIDADE e AR à pilha ou à leira de compostagem. i- Entretanto, deve-se evitar o excesso de umidade, que é muito prejudicial à Compostagem e pode gerar odores desagradáveis. j- A cada 2 dias, movimente o monte de resíduos de um lado para outro, de modo a arejar a massa. O material revirado se apresentará quente, indicando que a decomposição está ocorrendo. Pode-se adicionar mais material orgânico à Composteira a qualquer momento. k- Após 60 dias aproximadamente o Composto Orgânico deverá estar pronto, apresentando-se de cor escura, como café, com odor agradável de terra. O produto deverá estar homogêneo, sendo impossível distinguir a sua matéria-prima original. l- Use o COMPOSTO ORGÂNICO fabricado na escola em abundância nos canteiros, jardineiras, vasos de plantas. As plantas adoram, o solo melhora muito e o resultado é muito bom. Página 15 de 18

16 22- TÉCNICAS AGRÍCOLAS ESPECÍFICAS MINHOCULTURA: O composto orgânico que sai da composteira pode ser potencializado através do trabalho realizado por minhocas, através do processo conhecido por Vermicompostagem. A minhoca ingere terra e matéria orgânica equivalente ao seu próprio peso e digere e expele cerca de 60% do que comeu sob a forma de excrementos (húmus), em muito menos tempo que a natureza. A minhoca recicla assim restos de comida e outras fontes de matéria orgânica, produzindo um adubo orgânico muito rico em flora bacteriana e devolvendo à terra cinco vezes e meia mais azoto, duas vezes mais cálcio, duas vezes e meia mais magnésio, sete vezes mais fósforo e onze vezes mais potássio do que contém o solo do qual se alimenta. Em um pequeno canteiro acondiciona-se o composto orgânico e em seguida inocula-se uma quantidade definida de minhocas, que passam a processar a matéria-prima até formar o húmus de minhocas. 23- TÉCNICAS AGRÍCOLAS ESPECÍFICAS ADUBAÇÃO VERDE: É um tipo especial de adubação orgânica que consiste em cultivar plantas que depois serão fragmentadas, servindo como cobertura até serem decompostas. Normalmente, neste processo as plantas mais utilizadas são as leguminosas. Elas se associam a algumas bactérias que vivem em suas raízes num processo de simbiose, absorvendo o nitrogênio do ar situado no solo e transforma-o em substâncias absorviveis pela planta. Exemplos de Adubos Verdes para o clima de São Gonçalo: GUANDU, FEIJÃO-CAUPI, MUCUNA, FEIJÃO-DE-PORCO, FEIJÃO-BRAVO-DO-CEARÁ, ESTILOSANTES CAMPO GRANDE, CROTALÁRIAS, AMENDOIM, dentre outros. 24- SOHE SERVIÇO DE ORIENTAÇÃO À HORTA ESCOLAR Em casos de dúvidas ou maiores informações, procure o técnico de sua EMATER-RIO em São Gonçalo 2ª a 6ª-feira, de 8:30hs às 17:30hs * Rodovia Amaral Peixoto, km 9,5 CEASA Colubandê * São Gonçalo * CEP Telefax * * Skype: emater.rio.esloc.sg Equipe Técnica: BENITO IGREJA JR. Eng. Agrônomo JADSON LOPES GUEDES Técnico em Agropecuária ANTÔNIO CARLOS MARINS - Técnico em Agropecuária Página 16 de 18

17 25- EMATER-RIO em São Gonçalo: EMATER-RIO Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Rio de Janeiro Escritório em São Gonçalo - Rodovia Amaral Peixoto, km 9,5 CEASA Colubandê / Administração * telefax: * CEP * SÃO GONÇALO * RJ * * Skype: emater.rio.esloc.sg 26- AUTORES: BENITO IGREJA JUNIOR Eng. Agrônomo EMATER-RIO Escritório São Gonçalo maio de JADSON LOPES GUEDES - Eng.Agrônomo EMATER-RIO Escritório São Gonçalo maio de ANTÔNIO CARLOS MARINS Técnico em Agropecuária - EMATER-RIO Escritório São Gonçalo maio de AGRADECIMENTOS: PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GONÇALO / SUBSECRETARIA DE AGRICULTURA E PESCA / SECRETARIA DE EDUCAÇÃO / SECRETARIA DE SAÚDE. Ação promovida através do Convênio EMATER-RIO x PMSG. Página 17 de 18

18 Anexo 1: DIAGRAMA ESQUEMÁTICO DE UMA HORTA COM 8 CANTERIOS CANTEIRO CANTEIRO CANTEIRO COMPOSTEIRA MINHOCÁRIO CAIXA D ÁGUA CANTEIRO CANTEIRO CANTEIRO CANTEIRO CANTEIRO SEMENTEIRA 7 8 PLANTAÇÃO A CAMPO (SEM NECESSIDADE DE CANTEIROS) Página 18 de 18

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS!

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! UMA OPORTUNIDADE DE PRODUZIR ALIMENTOS SAUDÁVEIS PARA CONSUMO E VENDA! ELABORAÇÃO: ENG. AGRÔNOMO MAURO LÚCIO FERREIRA Msc. CULTIVO DE HORTALIÇAS Agosto- 2006 ÍNDICE POR

Leia mais

1. Manejo da Horta e Prevenção de Pragas

1. Manejo da Horta e Prevenção de Pragas 1. Manejo da Horta e Prevenção de Pragas Em agricultura orgânica sempre se busca o equilíbrio ecológico e a prevenção de problemas que afetam a saúde das plantas. Através do uso de algumas técnicas simples

Leia mais

Implantação e manejo de minhocário de baixo custo

Implantação e manejo de minhocário de baixo custo Implantação e manejo de minhocário de baixo custo Engenheiros Agrônomos: Gheysa Julio Pinto Fernando Teruhiko Hata Núcleo/Incubadora Unitrabalho UEM unitrabalho@uem.br (44) 3011-3893 ou 3011-3785 Introdução

Leia mais

2) Aprendendo a fazer a compostagem. 4)Composteira: solução para em pequenos espaços.

2) Aprendendo a fazer a compostagem. 4)Composteira: solução para em pequenos espaços. Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico 2) Aprendendo a fazer a compostagem 4)Composteira: solução para em pequenos espaços. 3)Manutenção e cuidados com o composto Microorganismos:

Leia mais

Informações básicas para fazer compostagem 1.

Informações básicas para fazer compostagem 1. Educação Ambiental Desenvolvimento Sustentável. www.ecophysis.com.br Informações básicas para fazer compostagem 1. COMPOSTAR para reduzir a quantidade de resíduos orgânicos 2. REUSAR os resíduos compostados

Leia mais

Em 2006, a Prefeitura foi convidada a participar do

Em 2006, a Prefeitura foi convidada a participar do HORTAS URBANAS 3 Apresentação Em 2006, a Prefeitura foi convidada a participar do evento de lançamento do Programa de Nutrição, um trabalho integrado por diversos setores da sociedade. A proposta foi

Leia mais

Receitas de Sucos. Sucos com Frutas. Suco de abacaxi e gengibre. Suco de laranja, amora e grapefruit. Batida de papaya e laranja

Receitas de Sucos. Sucos com Frutas. Suco de abacaxi e gengibre. Suco de laranja, amora e grapefruit. Batida de papaya e laranja Receitas de Sucos Sucos com Frutas Suco de abacaxi e gengibre 1 abacaxi médio bem maduro 1 colher de sopa de gengibre fresco picado 4 copos de água Lavar bem o abacaxi usando uma escova. Descascar com

Leia mais

Alternativas Biológicas para o Combate de Pragas Agrícolas

Alternativas Biológicas para o Combate de Pragas Agrícolas Geramos valor para a Natureza Alternativas Biológicas para o Combate de Pragas Agrícolas Simone Aguiar & Henrique Joaquim Agosto, 2014 MUSAMI Operações Municipais do Ambiente, EIM, SA Índice Agricultura

Leia mais

Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico. 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios

Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico. 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios A compostagem é o processo de transformação de materiais grosseiros, como palhada e estrume,

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde 1 de 5 10/16/aaaa 10:13 Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde Nome Adubação Orgânica e Adubação Verde Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Adubação Orgânica Resenha

Leia mais

HORTA AGROECOLÓGICA: Passo a passo para se produzir alimentos saudáveis na escola e em casa!

HORTA AGROECOLÓGICA: Passo a passo para se produzir alimentos saudáveis na escola e em casa! Programa de Educação Ambiental UHE Teles Pires HORTA AGROECOLÓGICA: Passo a passo para se produzir alimentos saudáveis na escola e em casa! cartilha_horta.indd 1 13/02/14 09:58 cartilha_horta.indd 2 13/02/14

Leia mais

Fatores de cultivo CLIMA:

Fatores de cultivo CLIMA: Fatores de cultivo CLIMA: Os fatores climáticos influenciam de forma acentuada o desenvolvimento dos PMAC, bem como a produção dos princípios ativos. Estes fatores podem influenciar isoladamente ou em

Leia mais

COMPOSTAGEM COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES E ORGÂNICOS

COMPOSTAGEM COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES E ORGÂNICOS COMPOSTAGEM COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES E ORGÂNICOS ÍNDICE 03 07 12 16 A compostagem como estratégia de gestão de resíduos verdes e orgânicos O que é a compostagem? O que é a vermicompostagem?

Leia mais

Compostagem doméstica

Compostagem doméstica Compostagem doméstica Na Natureza tudo se transforma 1 2 3 Este guia vai ser-lhe útil! Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo e sentir-se bem por isso! Os restos de comida, as

Leia mais

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos COMPOSTAGEM Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos Produzir adubo na propriedade rural é uma prática fácil porque a matéria prima a ser usada éobtida de resíduos orgânicos como o lixo doméstico

Leia mais

HORTICULTURA EM MODO BIOLÓGICO

HORTICULTURA EM MODO BIOLÓGICO HORTICULTURA EM MODO BIOLÓGICO A COMPOSTAGEM O composto é uma substância semelhante ao solo, resultante da decomposição de matérias orgânicas. A compostagem é uma maneira natural de reciclar as plantas,

Leia mais

Como formar seu Gramado

Como formar seu Gramado Como formar seu Gramado Nada menos que mil pés de grama convivem em cada metro quadrado de um gramado. E, ao contrário de uma horta ou canteiro, onde o solo pode ser revolvido, corrigido e enriquecido

Leia mais

No Brasil, as frutas e

No Brasil, as frutas e FRUTAS E HORTALIÇAS: FONTE DE PRAZER E SAÚDE No Brasil, as frutas e hortaliças frescas são produzidas, em diferentes épocas do ano, por milhares de pequenos produtores, distribuídos por todo o país. A

Leia mais

ANEXO 11-PRODUÇÃO DE HÚMUS DE MINHOCA

ANEXO 11-PRODUÇÃO DE HÚMUS DE MINHOCA ANEXO 11-PRODUÇÃO DE HÚMUS DE MINHOCA NESTA LIÇÃO SERÁ ESTUDADO Minhocultura Como produzir húmus de minhoca Método e sistema de criação INTRODUÇÃO A criação de minhocas é uma das melhores opções para o

Leia mais

Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática. Coimbra, 2012/2014. Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado

Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática. Coimbra, 2012/2014. Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado Coimbra, 2012/2014 Escolher Ciência PEC282 ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA O que é um

Leia mais

Nabos do Norte CONSOCIAÇÕES ENTRE PLANTAS HORTÍCOLAS

Nabos do Norte CONSOCIAÇÕES ENTRE PLANTAS HORTÍCOLAS Nabos do Norte CONSOCIAÇÕES ENTRE PLANTAS HORTÍCOLAS Consociação favorável entre plantas hortícolas consiste em cultivar dentro do mesmo canteiro diferentes espécies de plantas (culturas) que se complementam

Leia mais

Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS

Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS 0 1. O que são as Boas Práticas Agrícolas? Os consumidores estão cada vez mais preocupados em obter alimentos saudáveis,

Leia mais

PROJETO HORTA E ALIMENTAÇÃO SAÚDAVEL

PROJETO HORTA E ALIMENTAÇÃO SAÚDAVEL PROJETO HORTA E ALIMENTAÇÃO SAÚDAVEL Público Alvo Destinado a alunos de Educação Infantil Duração: O projeto se caracteriza por ser uma atividade continuada, portanto, não tem hora ou tempo de duração

Leia mais

1. PROPAGAÇÃO SEXUADA ASSEXUADA VEGETATIVA MICRIPROPAGAÇÃO MACROPROPAGAÇÃO ENXERTIA BORBULHIA MERGULHIA AMONTOA ALPORQUIA ESTAQUIA

1. PROPAGAÇÃO SEXUADA ASSEXUADA VEGETATIVA MICRIPROPAGAÇÃO MACROPROPAGAÇÃO ENXERTIA BORBULHIA MERGULHIA AMONTOA ALPORQUIA ESTAQUIA 1. PROPAGAÇÃO SEXUADA ASSEXUADA VEGETATIVA MICRIPROPAGAÇÃO MACROPROPAGAÇÃO ENXERTIA BORBULHIA MERGULHIA AMONTOA ALPORQUIA ESTAQUIA 1. PROPAGAÇÃO MICROPROPAGAÇÃO 1. PROPAGAÇÃO 1. PROPAGAÇÃO ENXERTIA 1.

Leia mais

AULA 9: Matéria Orgânica Importância e Fontes

AULA 9: Matéria Orgânica Importância e Fontes AULA 9: Matéria Orgânica Importância e Fontes NESTA LIÇÃO SERÁ ESTUDADO O valor da matéria orgânica no solo A qualidade da matéria orgânica Como aplicar a matéria orgânica no solo 1.A importância da matéria

Leia mais

f a z e r e revolucionar sua alimentação

f a z e r e revolucionar sua alimentação C o m o f a z e r sua horta em casa e revolucionar sua alimentação MANUAL PRÁTICO POR QUE TER UMA HORTA EM CASA? Sabe-se que a alimentação funciona como um combustível, e o organismo responde de acordo

Leia mais

Orientações para o preparo da papinha.

Orientações para o preparo da papinha. Orientações para o preparo da papinha. Olha o aviãozinho... As primeiras refeições são muito importantes para o bebê. Quando começa a comer outros alimentos além do leite materno, ele descobre novos sabores,

Leia mais

Sugestão de Cardápio para o Jejum de 21 dias do MIESF12

Sugestão de Cardápio para o Jejum de 21 dias do MIESF12 ALMOÇO 1 Dia 2 Dia 3 Dia de ervas -Pão torrado -Mamão - fruta (melão) ou água de côco -Salada de folhas temperadas c/ azeite e orégano. -1 prato de sobremesa de legumes cozidos ou purê de batatas. - Arroz

Leia mais

O QUE É A COMPOSTAGEM DOMÉSTICA?

O QUE É A COMPOSTAGEM DOMÉSTICA? O QUE É A COMPOSTAGEM DOMÉSTICA? É um processo natural de transformação dos resíduos provenientes do jardim e da cozinha (resíduos orgânicos) numa substância rica em matéria orgânica, chamada composto,

Leia mais

AULA 10 : Produção de Compostos Orgânicos e Biofertilizantes

AULA 10 : Produção de Compostos Orgânicos e Biofertilizantes AULA 10 : Produção de Compostos Orgânicos e Biofertilizantes NESTA LIÇÃO SERÁ ESTUDADO O que é a compostagem Como produzir compostos orgânicose biofertilizantes com resíduos Preparo do Bokashi Como aplicar

Leia mais

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É?

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É? ECO-ESCOLA PROJETO: Na Natureza tudo se transforma COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É? É um processo de reciclagem de matéria orgânica (de cozinha, da horta, do jardim ) realizado através de microrganismos

Leia mais

HORTALIÇAS. Valorize sua alimentação com hortaliças de diferentes cores. Segurança Alimentar e Nutricional. Cartilha:

HORTALIÇAS. Valorize sua alimentação com hortaliças de diferentes cores. Segurança Alimentar e Nutricional. Cartilha: Cartilha: HORTALIÇAS Valorize sua alimentação com hortaliças de diferentes cores Segurança Alimentar e Nutricional Pedagoga Dóris Florêncio Ferreira de Alvarenga Departamento Técnico EMATER MG Economista

Leia mais

20 Receitas Econômicas e Nutritivas

20 Receitas Econômicas e Nutritivas 20 Receitas Econômicas e Nutritivas 1. ALMEIRÃO COM SOBRAS DE ARROZ 1 maço de almeirão 1 cebola picada 1 dente de alho 2 xícaras (chá) de arroz cozido 1 e 1/2 colher (sopa) de óleo Escolha e lave bem o

Leia mais

Já está na mesa o novo cardápio da alimentação escolar.

Já está na mesa o novo cardápio da alimentação escolar. Já está na mesa o novo cardápio da alimentação escolar. Prove as receitas, veja como está gostoso e, o mais importante, nutritivo! A Prefeitura de Ipatinga elaborou para você este livro com receitas que

Leia mais

www.500receitasparaemagrecer.com.br

www.500receitasparaemagrecer.com.br Olá, Querido (a) amigo (a), É com imenso prazer que trago para você este guia prático e fácil para ajuda-lo na tarefa árdua que é perder peso e principalmente mantêlo. O que dificulta muitas vezes manter

Leia mais

Centro de Saúde Escola do Butantã/FMUSP. Saúde da Criança. Receitas para as primeiras papinhas do seu bebê

Centro de Saúde Escola do Butantã/FMUSP. Saúde da Criança. Receitas para as primeiras papinhas do seu bebê Centro de Saúde Escola do Butantã/FMUSP Saúde da Criança Receitas para as primeiras papinhas do seu bebê Receita básica para PAPA SALGADA Não podem faltar estes alimentos no preparo do papa para a criança

Leia mais

SÃO PAULO, 01 DE ABRIL DE 2014

SÃO PAULO, 01 DE ABRIL DE 2014 SÃO PAULO, 01 DE ABRIL DE 2014 CONTROLAR VAI COBRAR R$ 250 MILHÕES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO Empresa que fazia a inspeção veicular em São Paulo, a Controlar foi extinta no final de janeiro. Seus sócios

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

Manual básico para oficina de compostagem

Manual básico para oficina de compostagem Manual básico para oficina de compostagem Adaptação do Manual Básico de Compostagem USP RECICLA Henrique Cerqueira Souza MSc Engenheiro Agronomia Agricultor Agroflorestal Nelson Araujo Filho Técnico Ambiental

Leia mais

Projeto Horta Solidária

Projeto Horta Solidária Cultivo de hortaliças 1 Projeto Horta Solidária Cultivo de hortaliças Autores Nozomu Makishima Luis Antonio Silveira Melo Vanessa Fernandes Coutinho Leonídia Leite Rosa Jaguariúna, SP 2005 2 Cultivo de

Leia mais

Reciclagem 40 - A Fossa Alterna. da fossa com terra. adicional da adição de terra e, especialmente. possa ser aproveitado. também a homogeneizar

Reciclagem 40 - A Fossa Alterna. da fossa com terra. adicional da adição de terra e, especialmente. possa ser aproveitado. também a homogeneizar Reciclagem 40 - A Fossa Alterna 105 40 A Fossa Alterna A fossa alterna é um sistema de instalação sanitária simples especificamente construído para produzir fertilizante valioso para jardins e terrenos.

Leia mais

Roteiro de aulas práticas Disciplina de Fruticultura Tropical 2014 Prof. Wilson Itamar Maruyama

Roteiro de aulas práticas Disciplina de Fruticultura Tropical 2014 Prof. Wilson Itamar Maruyama Roteiro de aulas práticas Disciplina de Fruticultura Tropical 2014 Prof. Wilson Itamar Maruyama Aula 1- Organização e limpeza das casas de vegetação - divisão dos grupos. ATENÇÃO: OS ALUNOS DEVERÃO ESTAR

Leia mais

Aula 23.2 Conteúdo Compostagem, reciclagem.

Aula 23.2 Conteúdo Compostagem, reciclagem. Aula 23.2 Conteúdo Compostagem, reciclagem. Habilidades Verificar a importância do correto descarte através do reaproveitamento, reciclagem e reutilização de bens de consumo. 1 Reaproveitamento do Lixo

Leia mais

Hortaliças Meio Ambiente

Hortaliças Meio Ambiente Hortaliças Meio Ambiente Cultivo de hortaliças 1 Projeto Horta Solidária Cultivo de hortaliças Autores Nozomu Makishima Luis Antonio Silveira Melo Vanessa Fernandes Coutinho Leonídia Leite Rosa Jaguariúna,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Coordenadoria de Infraestrutura e Serviços Seção de Engenharia e Arquitetura MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Cartório Eleitoral de Pinhalzinho/SC Fevereiro,

Leia mais

Adubação Orgânica Agricultura Orgânica. Nome Agricultura Orgânica Produto. Autor(es) Adubação Orgânica Agricultura Orgânica

Adubação Orgânica Agricultura Orgânica. Nome Agricultura Orgânica Produto. Autor(es) Adubação Orgânica Agricultura Orgânica http://wwwematermggovbr/site_emater/serv_prod/livraria/aduba 1 de 10 10/16/aaaa 10:14 Adubação Orgânica Agricultura Orgânica Nome Agricultura Orgânica Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço

Leia mais

O CHUCHU NA ESCOLA DO SABOR

O CHUCHU NA ESCOLA DO SABOR ESCOLA DO SABOR O CHUCHU NA ESCOLA DO SABOR O alimento é a nossa fonte de energia, a nossa garantia de sobrevivência. Comemos para matar a fome e porque é gostoso. A alimentação é a principal fonte de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS ORGÂNICAS NO MUNICÍPIO DE CORRENTE RESUMO

AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS ORGÂNICAS NO MUNICÍPIO DE CORRENTE RESUMO AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS ORGÂNICAS NO MUNICÍPIO DE CORRENTE Suse Alves Ribeiro¹, Jildemar Oliveira dos Santos Júnior¹, Adriano da Silva Almeida² ¹ Alunos do Curso de Agronomia da UESPI de Corrente.

Leia mais

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil índice 3 4 5 6 8 9 o mercado Números e importância do setor projeções de longo prazo planos/produtos metodologia condições, prazo e investimento formulário

Leia mais

HORTiNUTRi. Hortas Personalizadas. Workshop. Mini-horta de Ervas e Temperos

HORTiNUTRi. Hortas Personalizadas. Workshop. Mini-horta de Ervas e Temperos Workshop Mini-horta de Ervas e Temperos autoria técnica eng.ª florestal LayseEnnes nutricionista Paula Gabriela Chianca HORTAS URBANAS EM PEQUENOS ESPAÇOS A HortiNutri acredita na agricultura urbana para

Leia mais

MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA

MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA Maria Inês de Sousa Carmo i Índice 1. Introdução... 2 2. O que é a Compostagem?... 3 2.1. Porquê fazer a compostagem?... 3 2.2. Quais as suas vantagens?... 4

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ EDSON DOMINGOS DOS SANTOS. 1. PROF. GERENCIADOR DE TEC. EDUCACIONAIS E RECURSOS MIDIÁTICOS: Edvaldo M.

ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ EDSON DOMINGOS DOS SANTOS. 1. PROF. GERENCIADOR DE TEC. EDUCACIONAIS E RECURSOS MIDIÁTICOS: Edvaldo M. GOVERNO DO ESTADO DO MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E APOIO À EDUCAÇÃO COORDENADORIAS DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS NÚCLEO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL-

Leia mais

Pequeno Guia para uma Horta

Pequeno Guia para uma Horta Pequeno Guia para uma Horta Nestlé Healthy Kids - Pequeno Guia para uma Horta Promovendo a educação nutricional e a atividade física para uma saúde global melhor. O Programa Global Nestlé Crianças Saudáveis

Leia mais

Projecto-Piloto. Doméstica. 25 moradias

Projecto-Piloto. Doméstica. 25 moradias Projecto-Piloto Compostagem Doméstica 25 moradias O que é a compostagem? É um processo biológico em que os microrganismos i transformam a matéria orgânica, como estrume, folhas e restos de comida, num

Leia mais

Treinamento: Aproveitamento Integral de Alimentos Cód. 821

Treinamento: Aproveitamento Integral de Alimentos Cód. 821 APROVEITAMENTO INTEGRAL DE ALIMENTOS Para higienização de hortifrutis: - 1 litro de água potável - 1 colher de sopa (10 ml) de água sanitária, sem perfume - Deixar de molho por 15 minutos CALDO NUTRITIVO

Leia mais

Trabalho resgatado da época do Sinac. Título: Programa de Hortas Domésticas e Comunitárias. Autor: Urivaldo de Almeida Amorim

Trabalho resgatado da época do Sinac. Título: Programa de Hortas Domésticas e Comunitárias. Autor: Urivaldo de Almeida Amorim Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Companhia Nacional de Abastecimento Conab Diretoria de Gestões de Estoques Diges Superintendência de Programas Institucionais e Sociais de Abastecimento

Leia mais

Responsabilidade e Sustentabilidade em Foco! Caio Gonzales Elaine Ascêncio Maria Angélica Faria Manuela Claro Thacilla Wemoto

Responsabilidade e Sustentabilidade em Foco! Caio Gonzales Elaine Ascêncio Maria Angélica Faria Manuela Claro Thacilla Wemoto Responsabilidade e Sustentabilidade em Foco! Caio Gonzales Elaine Ascêncio Maria Angélica Faria Manuela Claro Thacilla Wemoto Organograma Empresarial Diretoria de COMPRAS Diretoria FINANCEIRA Diretoria

Leia mais

MANUAL TÉCNICO, 03 ISSN 1983-5671. Fábio Cunha Coelho. julho de 2008

MANUAL TÉCNICO, 03 ISSN 1983-5671. Fábio Cunha Coelho. julho de 2008 MANUAL TÉCNICO, 03 ISSN 1983-5671 Fábio Cunha Coelho 03 Niterói-RJ julho de 2008 MANUAL TÉCNICO, 03 ISSN 1983-5671 Fábio Cunha Coelho 03 Niterói-RJ julho de 2008 PROGRAMA RIO RURAL Secretaria de Estado

Leia mais

7.16.3 Fornecimento e plantio de palmeiras das espécies Palmeira Fênix (Phoenix roebelenii), Palmeira-rabo de raposa (Wodyetia bifurcata).

7.16.3 Fornecimento e plantio de palmeiras das espécies Palmeira Fênix (Phoenix roebelenii), Palmeira-rabo de raposa (Wodyetia bifurcata). Página 41 de 83 Grama amendoim - Arachis repens / Família: Fabaceae Origem: Brasil / Tipo: Forração / Cultivo: Deve ser cultivado a pleno sol ou meia-sombra, em solo fértil e preferencialmente enriquecido

Leia mais

ADUBOS ORGÂNICOS (adubação verde, esterco, compostagem e vermicomposto)

ADUBOS ORGÂNICOS (adubação verde, esterco, compostagem e vermicomposto) ADUBOS ORGÂNICOS (adubação verde, esterco, compostagem e vermicomposto) Professor: Nailton Rodrigues de Castro Disciplina: Agroecologia nailtoncastro@agronomo.eng.br Adubação Orgânica O Os efeitos da adição

Leia mais

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL Fase 1: Produção de Mudas e Recomendações de Adubação no Viveiro 1. Sistemas de Produção de Mudas de eucalipto e pinus Mudas em saquinhos Atualmente, os recipientes mais

Leia mais

No caminho da alimentação viva - receitas

No caminho da alimentação viva - receitas No caminho da alimentação viva receitas RECEITAS LEITES: Leite de Girassol ½ xícara de semente de girassol hidratada ou germinada; 1 copo (200ml) de água mineral. Bater no liquidificador as sementes com

Leia mais

CHÁS, SUCOS E VITAMINAS E SOPAS Fonte: Bebê gourmet. Chá Repousante

CHÁS, SUCOS E VITAMINAS E SOPAS Fonte: Bebê gourmet. Chá Repousante CHÁS, SUCOS E VITAMINAS E SOPAS Fonte: Bebê gourmet Chá Repousante 1 saquinho de chá de maçã 1 saquinho de chá de erva doce 1 saquinho de chá de erva cidreira 600ml de água Ferva a água e jogue em cima

Leia mais

LIVRETO DE INVERNO RECEITAS PARA AQUECER

LIVRETO DE INVERNO RECEITAS PARA AQUECER LIVRETO DE INVERNO RECEITAS PARA AQUECER INTRODUÇÃO Este é um complemento ao Livreto de Inverno - Receitas para Aquecer. Adoramos sopas e já publicamos diversas no blog... Como o inverno chegou com tudo,

Leia mais

Calagem e Adubação para hortaliças sob cultivo protegido*

Calagem e Adubação para hortaliças sob cultivo protegido* 1 Calagem e Adubação para hortaliças sob cultivo protegido* Paulo Espíndola Trani Instituto Agronômico, Centro de Horticultura, Campinas (SP). petrani@iac.sp.gov.br * Campinas (SP), março de 2014 INTRODUÇÃO

Leia mais

Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte

Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Pantanal Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Como Implantar e Conduzir uma Horta

Leia mais

Modo de Preparo. Modo de Preparo RECEITAS FÁCEIS 1 ARROZ SORTIDO

Modo de Preparo. Modo de Preparo RECEITAS FÁCEIS 1 ARROZ SORTIDO RECEITAS FÁCEIS 1 ARROZ SORTIDO 280 gramas de peito de frango,2 dentes de Alho picados,4 xícaras de chá de Arroz,banco cozido,2 Ovos cozidos e picados,1 xícara de chá de Cebolinha picada,sal a gosto,pimenta-do-reino

Leia mais

Tabule Rendimento 4 porções

Tabule Rendimento 4 porções Tabule Rendimento 4 porções - 4 tomates picados - 1 xícara (chá) de trigo para quibe - 1 cebola picada - 1 pepino com casca picado em cubos - 1/2 xícara (chá) de salsinha picada - 1/4 xícara (chá) de cebolinha

Leia mais

MEPES- MOVIMENTO DE EDUCAÇÃO PROMOCIONAL DO ESPÍRITO SANTO EFA- ESCOLA FAMÍLIA AGRÍCOLA DE CASTELO

MEPES- MOVIMENTO DE EDUCAÇÃO PROMOCIONAL DO ESPÍRITO SANTO EFA- ESCOLA FAMÍLIA AGRÍCOLA DE CASTELO MEPES- MOVIMENTO DE EDUCAÇÃO PROMOCIONAL DO ESPÍRITO SANTO EFA- ESCOLA FAMÍLIA AGRÍCOLA DE CASTELO CURSO: Técnico em agropecuária DISCIPLINA: Planejamento e projeto ORIENTADOR: Sílvio Carlos das Chagas

Leia mais

Manutenção de Jardim. ADUBAÇÃO com N-P-K

Manutenção de Jardim. ADUBAÇÃO com N-P-K JARDINAGEM ADUBAÇÃO com N-P-K 10.10.10 Para plantas equilibradas; 4.14.8 Para plantas com flor ou frutos; 8.8.8 Plantas pouco exigentes; 20.20.20 Para plantas de grande porte. Devemos adubar em períodos

Leia mais

Com a chegada da primavera e a proximidade do verão, as saladas passam a ser incluídas com mais frequência nos cardápios brasileiros.

Com a chegada da primavera e a proximidade do verão, as saladas passam a ser incluídas com mais frequência nos cardápios brasileiros. SalaDAS Com a chegada da primavera e a proximidade do verão, as saladas passam a ser incluídas com mais frequência nos cardápios brasileiros. Possibilitam a mistura de várias cores, tornando o visual bonito

Leia mais

R e c e i t a s d e s o p a s e c r e m e s

R e c e i t a s d e s o p a s e c r e m e s R e c e i t a s d e s o p a s e c r e m e s Sopa de abobrinha 1 cebola pequena picada 1 colher de sopa de óleo de canola 4 abobrinhas picadas 250 g de cogumelo em conserva picado 2 ramos de salsa picada

Leia mais

O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM

O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM Ficha Técnica Título Projecto Compostagem no Seixal O Seu Guia da Compostagem Concepção Gráfica e Revisão Sector de Apoio Gráfico e Edições Edição Câmara

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura do Pepino Nome Cultura do Pepino Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura do Pepino Luiz

Leia mais

Este guia pertence a:

Este guia pertence a: Nota Introdutória A Câmara Municipal de Condeixa-a-Nova pretende com a elaboração deste manual prático de compostagem, sensibilizar a população para a importância que a compostagem doméstica pode ter na

Leia mais

Índice. O que é a Compostagem Caseira? ----------- 3. Por que praticar a compostagem? ---------- 3. O que vai precisar? ---------------------- 4

Índice. O que é a Compostagem Caseira? ----------- 3. Por que praticar a compostagem? ---------- 3. O que vai precisar? ---------------------- 4 Compostagem Caseira Certamente muitas das coisas que cobramos que o governo faça por nós, poderíamos nós mesmos realizar, o problema é que nem sempre sabemos como. Uma delas é a reciclagem do lixo orgânico,

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: RESUMO

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: RESUMO TÍTULO: HORTA COMUNITÁRIA NOS ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO PITIMBU/PB. AUTORES: Wedja S.da Silva; Marcelo R.da Silva; Macilene S.da Silva; Analice M. da Silva; Francisco B. Silva; Jaidenilson V.de

Leia mais

Agroecologia. Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade. Módulo 3 Aplicações da Agroecologia

Agroecologia. Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade. Módulo 3 Aplicações da Agroecologia Agroecologia Agroecologia Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade Módulo 3 Aplicações da Agroecologia Agroecologia aspectos teóricos e conceituais Capítulo 4 Aplicações

Leia mais

EDUCANDO A PARTIR DE UM SISTEMA ALTERNATIVO DE IRRIGAÇÃO. Silvia C. M. Ferreira 1 (PF), Willany C. Cardoso 2 (PF).

EDUCANDO A PARTIR DE UM SISTEMA ALTERNATIVO DE IRRIGAÇÃO. Silvia C. M. Ferreira 1 (PF), Willany C. Cardoso 2 (PF). EDUCANDO A PARTIR DE UM SISTEMA ALTERNATIVO DE IRRIGAÇÃO Silvia C. M. Ferreira 1 (PF), Willany C. Cardoso 2 (PF). 1 Orientadora professora do CEM S. J. Ribamar/FAPEMA, acadêmica química/ufma. 2 Orientadora

Leia mais

CARDÁPIOS PARA VÉSPERA E ANTEVÉSPERA DA COLONOSCOPIA

CARDÁPIOS PARA VÉSPERA E ANTEVÉSPERA DA COLONOSCOPIA CARDÁPIOS PARA VÉSPERA E ANTEVÉSPERA DA COLONOSCOPIA CAMPO GRANDE MS JULHO DE 2008 Nutricionista Responsável: Dayane Belusso CRN 3 24696/P E-mail belussob@hotmail.com CARDÁPIO DA ANTEVÉSPERA DO EXAME DESJEJUM

Leia mais

Compostagem doméstica: como fazer?

Compostagem doméstica: como fazer? Compostagem, o que é? É um processo dereciclagem de resíduos orgânicos (de cozinha, da horta, do jardim...) realizado através de microrganismos que transformam os resíduos biodegradáveis num fertilizante

Leia mais

Receitas Deliciosas de Aproveitamentos APRESENTAÇÃO EVITANDO O DESPERDÍCIO. Receitas deliciosas com talos, folhas e sementes

Receitas Deliciosas de Aproveitamentos APRESENTAÇÃO EVITANDO O DESPERDÍCIO. Receitas deliciosas com talos, folhas e sementes APRESENTAÇÃO A alimentação e tão necessária ao nosso corpo quanto o ar que precisamos para a nossa sobrevivência, devem ter qualidade para garantir a nossa saúde. Quando falamos em alimentação com qualidade

Leia mais

PROJETO HORTA. Público Alvo Destinado a alunos de Educação Infantil ao 1 o Ciclo do Ensino Fundamental.

PROJETO HORTA. Público Alvo Destinado a alunos de Educação Infantil ao 1 o Ciclo do Ensino Fundamental. PROJETO HORTA Público Alvo Destinado a alunos de Educação Infantil ao 1 o Ciclo do Ensino Fundamental. Duração: O projeto se caracteriza por ser uma atividade continuada, portanto, não tem hora ou tempo

Leia mais

CUIDADO COM AS PLANTAS PRAGAS E DOENÇAS IDENTIFICAÇÃO E CONTROLE

CUIDADO COM AS PLANTAS PRAGAS E DOENÇAS IDENTIFICAÇÃO E CONTROLE 19 CUIDADO COM AS PLANTAS Nesse ponto cabe observar que plantas nutridas, bem adubadas, com irrigação adequada, com boa insolação e bem ambientadas são plantas sadias e não dão chances às pragas. Outro

Leia mais

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA MADEIRA PLÁSTICA A Madeira Plástica é uma opção sustentável para quem se preocupa com a causa ambiental. O grande diferencial deste produto é que sua fabricação dá-se a partir da reciclagem de toneladas

Leia mais

W C Projetos Agropecuários Ltda. 25º PA / Grupo Escoteiro Básico Gaviões

W C Projetos Agropecuários Ltda. 25º PA / Grupo Escoteiro Básico Gaviões W C Projetos Agropecuários Ltda Em parceria com o 25º PA / Grupo Escoteiro Básico Gaviões Email: sosruralprojetos@r7.com gegavioes25pa@hotmail.com patrickcampana@hotmail.com PROJETO HORTA NAS ESCOLAS Março

Leia mais

4/5/2009. Hortaliças

4/5/2009. Hortaliças Hortaliças P R O F. M Í R I A N P A T R Í C I A P A I X Ã O 1- Conceito Vegetais geralmente cultivados em hortas. De forma genérica compreendem as partes comestíveis da planta: raízes tuberosas, tubérculos,

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Urucum, plantio, colheita, manejo, adubação, pragas, produção, mudas, Minas Gerais.

RESPOSTA TÉCNICA. Urucum, plantio, colheita, manejo, adubação, pragas, produção, mudas, Minas Gerais. RESPOSTA TÉCNICA CR 858 Título Manejo de urucum (Bixa orellana L.) no estado de Minas Gerais. Palavras-chave Urucum, plantio, colheita, manejo, adubação, pragas, produção, mudas, Minas Gerais. Atividade

Leia mais

MELHOR DA COZINHA VEGETARIANA

MELHOR DA COZINHA VEGETARIANA O MELHOR DA COZINHA VEGETARIANA Mahalia Goskowski CHOP SUEY DE LEGUMES - 1/4 de nabo branco comprido; - 4 cenouras; - 1 pimentão vermelho; - 1 pimentão verde; - 1/4 de acelga; - broto de feijão; - brócolis;

Leia mais

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha 1 de 6 10/16/aaaa 11:54 Olericultura A Cultura do Morango Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre a Cultura

Leia mais

DETOX. 5 RECEITAS DETOX PODEROSAS E FÁCEIS DE FAZER por Rosi Feliciano

DETOX. 5 RECEITAS DETOX PODEROSAS E FÁCEIS DE FAZER por Rosi Feliciano DETOX 5 RECEITAS DETOX PODEROSAS E FÁCEIS DE FAZER por Rosi Feliciano Índice Introdução... Como Fazer... Suco Detox de Melancia com Linhaça... Suco Detox de Chá Verde e Uva... Sopa Detox Energizante...

Leia mais

ISSN 1678-1953 Março, 2008. Produção de Húmus de Minhoca com Resíduos Orgânicos Domiciliares

ISSN 1678-1953 Março, 2008. Produção de Húmus de Minhoca com Resíduos Orgânicos Domiciliares ISSN 1678-1953 Março, 2008 126 Produção de Húmus de Minhoca com Resíduos Orgânicos Domiciliares ISSN 1678-1953 Março, 2008 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro de Pesquisa Agropecuária dos

Leia mais

O Jardim Produtivo: uma experiência em Belo Horizonte, Brasil

O Jardim Produtivo: uma experiência em Belo Horizonte, Brasil O Jardim Produtivo: uma experiência em Belo Horizonte, Brasil Bruno Martins Dala Paula Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG Ivana Cristina Lovo Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Email:

Leia mais

VAMOS APRENDER PLANTANDO: HORTA ESCOLAR COMO RECURSO DIDÁTICO

VAMOS APRENDER PLANTANDO: HORTA ESCOLAR COMO RECURSO DIDÁTICO VAMOS APRENDER PLANTANDO: HORTA ESCOLAR COMO RECURSO DIDÁTICO Lisângela Costa dos Santos¹ Jaílson Severino dos Santos ² Valdilene Maria da Silva ² 1-Supervisora PIBIB Ciências-CAV 2- Bolsistas PIBID Ciências-CAV

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA. Educação Ambiental nas Escolas junho/2013

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA. Educação Ambiental nas Escolas junho/2013 P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Educação Ambiental nas Escolas junho/2013 RECUPERAÇÃO FLORESTAL Recuperação Florestal e Restauração Florestal RESTAURAÇÃO: é a restituição de um ecossistema ou

Leia mais

HISTÓRICO... 7 ETAPAS DE IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE HORTAS COMUNITÁRIAS... 8 DESTINO DA PRODUÇÃO... 8 ENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE...

HISTÓRICO... 7 ETAPAS DE IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE HORTAS COMUNITÁRIAS... 8 DESTINO DA PRODUÇÃO... 8 ENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE... AGRADECIMENTOS À todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram para que este manual fosse feito. Àqueles que, com seu espírito de iniciativa, trabalho e entusiasmo, foram responsáveis, não apenas

Leia mais

O Caderno da Compostagem

O Caderno da Compostagem O Caderno da Compostagem A publicação do Guia da Compostagem, que colocamos à sua disposição. constitui mais um elemento no domínio da sensibilização e educação ambiental, que procura incentivar uma maior

Leia mais

Arroz e Feijão Maravilha

Arroz e Feijão Maravilha Arroz e Feijão Maravilha 40 g de abóbora picada 40 g de arroz 40 g de carne bovina picadinha 30 g de cenoura picada 40 g de chuchu picado 40 g de couve picada 30 g de feijão 30 g de repolho 10 g de cebola

Leia mais

MANUAL DE HORTAS VERTICAIS. Passo a passo sobre como plantar temperos, ervas e verduras em pouco espaço

MANUAL DE HORTAS VERTICAIS. Passo a passo sobre como plantar temperos, ervas e verduras em pouco espaço MANUAL DE HORTAS VERTICAIS Passo a passo sobre como plantar temperos, ervas e verduras em pouco espaço Comunidade Dois Palitos, Embu das Artes Julho de 2012 Equipe: Fernanda (Brasil), Lucas (Brasil), Ketty

Leia mais