Fatores de cultivo CLIMA:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fatores de cultivo CLIMA:"

Transcrição

1 Fatores de cultivo CLIMA: Os fatores climáticos influenciam de forma acentuada o desenvolvimento dos PMAC, bem como a produção dos princípios ativos. Estes fatores podem influenciar isoladamente ou em conjunto Temperatura: A temperatura interfere diretamente no desenvolvimento das plantas; normalmente quanto maior a temperatura, maior será o crescimento. As espécies vegetais, assim como outro organismos vivos, possuem temperatura mínima e máxima para sobreviver e temperatura ótima, onde o desenvolvimento será máximo, A temperatura interfere na formação da clorofila, determinando uma produção maior ou menor e também uma coloração mais forte ou mais fraca. A diferença entre a temperatura do dia e da noite é chamada de termoperíodo e também influencia no desenvolvimento das plantas. Alguns vegetais exigem temperaturas especiais para completarem o seu ciclo e por isso não se adaptam (não florescem) quando são transferidas do seu hábitat natural para outros lugares. Exemplo: algumas flores trazidas da Europa não florescem em nosso meio. Luz: A luminosidade tem papel fundamental na vida das plantas, interferindo na fotossíntese e portanto no desenvolvimento de cada espécie. Os vegetais possuem a capacidade de compensar a falta de luminosidade, sendo que normalmente plantas sombreadas possuem folhas maiores comparadas àquelas que estão bem expostos ao sol. Plantas bem ensolarados tem maior produção de clorofila e produção de princípios ativos. Quanto à necessidade de luz, as plantas classificam-se em: - plantas de dias curtos: florescem quando recebem pouca iluminação; - plantas de dias longos: florescem quando recebem maior iluminação; - plantas indiferentes: a iluminação não interfere no florescimento. No caso de algumas plantas, existe a necessidade de luz para ocorrer a germinação das sementes, são chamadas de fotoblásticas positivas, portanto elas não devem ser enterradas e existem aquelas que são indiferentes com relação à luminosidade, chamadas de fotoblásticas negativas. Umidade: A umidade interfere diretamente no desenvolvimento das plantas. No caso das PMAC, o que ocorre com mais freqüência é que quando tem água em abundância aumenta a massa verde e diminui o teor de princípio ativo. Exemplo: Fumo, Melissa. Deve-se ter muito cuidado com a qualidade da água que é utilizada para irrigação, principalmente com relação a contaminação e água tratada com cloro. Com relação à umidade as plantas são classificadas em: - hidrófilas: preferem solos com muita umidade. Exemplo: chapéu-de-couro. - mesófilas: preferem solos normais. Exemplo: Alecrim. - xerófilas: preferem solos com pouca umidade. Exemplo: cactos. Em regiões muito áridas, as fontes desenvolvem mecanismos de defesa, como ter mais espinhos, mais resinas e serem mais tóxicos.

2 Altitude: É a diferença de altura em relação ao nível do mar. A medida que aumenta a altitude, diminui a temperatura (cada 180 metros, diminui 1 C) e aumenta a quantidade de luz determinando assim o desenvolvimento da planta e a produção de princípio ativo. As plantas produtoras de alcalóides produzem mais princípio ativo em baixas altitudes. Outras plantas que produzem carboidratos e glicossídeos tem a sua produção aumentada em altas altitudes devido a grande luminosidade. Latitude: A latitude é a distância que determina a região que se encontra da linha do Equador, podendo ser Norte ou Sul. Normalmente as plantas cultivadas na mesma latitude, apenas mudando Norte ou Sul, a produção de princípios ativos é igual. Deve-se observar a época de plantio quando as plantas são levados de um hemisfério para outro. Pode ocorrer maior ou menor produção de princípios ativos em um hemisfério devido a inclinação da Terra e a influência das correntes marítimas sobre a temperatura. SOLO: Na natureza, a formação dos solos se dá a partir da transformação das rochas. Mediante a atuação do clima, dos organismos vivos e dos produtos e resíduos resultantes de sua atividade biológica, durante um certo tempo, e conforme o relevo da região, todos eles trabalhando sobre o material depositado, vão fragmentando-o cada vez mais, até o tamanho de grãos e pó, permitindo então que a água, o ar, os gases, os ácidos e os óxidos reajam físico e quimicamente sobre o material. Para caracterizar mais a complexidade desse processo, basta lembrar que uma espessura de 20 cm de solo forma-se em um tempo que pode variar de 100 a anos. O solo formado compõe-se de uma parte mineral (45%), uma de água (25%), uma de ar (25%) e uma parte de matéria orgânica (5%). Os solos são divididos em classes, conforme a percentagem de argila que possuem, e com relação a textura são classificados em solos de textura arenosa, solos de textura média e solos de textura argilosa. Os melhores solos são aqueles que possuem percentagem mínima de argila e tem boa percentagem de húmus, são profundos e bem drenados. Deve-se ter em mente que para ter plantas equilibradas o solo também deve ser equilibrado. Princípios e práticas de controle ecológico de pragas e doenças No controle ecológico de pragas e doenças, não se combate o parasita, se trabalha no sentido de diminuir seu número e no fortalecimento da planta. Deve-se observar as culturas, seus problemas minerais e sua adaptação as condições do local. Trabalha-se principalmente, no sentido de melhorar as condições do solo, porque as plantas ficam suscetíveis ao ataque das pragas e doenças quando não estão nutridas de forma equilibrada. O controle de insetos, fungos, ácaros, bactérias e viroses deve ser feito com medidas preventivos como: - plantio em épocas corretas e com variedades adaptadas ao clima e ao solo da região; - fazer uso da adubação orgânica; - fazer rotação de culturas e a adubação verde; - cobertura morta e plantio direto;

3 - consorciação de culturas e manejo seletivo do mato; - evitar erosão do solo; - fazer uso de adubação mineral de baixa solubilidade; - uso de quebra-ventos ou faixas protetoras; - reflorestamento da área para regular temperatura, umidade do ar, o que ajuda a controlar a quantidade de chuvas; - enriquecimento das sementes com micronutrientes dando origem a plantas mais fortes; - nutrição equilibrada das plantas com macro e micronutrientes. RECEITAS CALDA BIOFERTILIZANTE FORTIFICANTE: Colocar em uma bombona de plástico: - 4 quilos de cinza; - 40 litros de esterco; litros de água. Para fermentar, acrescentar melaço 2%; mais leite 2% e mexer. Pode ser acrescentada farinha de ossos. Ao acrescentar a cinza, colocá-la em partes, de 3 em 3 horas. Em 11 dias fermenta em clima quente. HORMÔNIO DE ENRAIZAMENTO: MACERADO DE TIRIRICA (Cyperius rotundus) Enraizador de mudas por estaca. Bater em pilão ou em liquidificador um bom maço de tiririca (planta inteira, com raízes), com ½ litro de água. Colocar as mudas (estacas) nesta solução e deixar por 3 dias. Passar as mudas para o viveiro. Depois de enraizadas, período que pode ser de 1 a 2 meses, podemos transplantar as mudas para o local definitivo. DEFENSIVOS NATURAIS: FARELO DE PÃO CASEIRO - O que é: Formicida. - Ingredientes: Pão caseiro e vinagre. - Como fazer: Largar farelo de pão caseiro embebido em vinagre próximo as tocas, ninhos de formiga, carreiros e locais onde estão cortando. O produto introduzido na alimentação das formigas começa a criar mofo preto e fermenta. Isso é tóxico e mata a formiga. - Observação: As folhas de umbu também servem para controlar as formigas. COMPOSTO DE CAVALINHA A cavalinha repele os fungos na forma de chá. Usa-se 2 colheres de cavalinha picada para cada litro de água que deverá ficar de molho pelo menos duas horas. A seguir fazer decocção por 15 minutos. Aplicar na planta inteira por três dias consecutivos. Regar toda planta.

4 Propagação Conceito: Ação de multiplicar ou dar continuidade a uma forma de vida, permitindo o cultivo e a preservação das espécies. Importância: - estabelecimento dos cultivos e hortos; - garantia da identidade das espécies e cultivares; - qualidade dos produtos a serem colhidos; - domesticação das espécies selvagens. Obtenção dos materiais de plantio: - compra de sementes ou mudas; - coleta nos locais de ocorrência natural; - coleta em hortos demonstrativos regionais; - aproveitamento de materiais de consumo. Métodos de propagação 1. PROPAGAÇÃO POR SEMENTES (SEXUADA) Vantagens: - manutenção da variabilidade genética; - facilidade de obtenção de grande quantidade de propágulos; - possibilidade de armazenagem de material de propagação. Desvantagens: - desuniformidade entre plantas de mesma espécie; - prolongamento do ciclo produtivo; - presença de dormência em algumas espécies; - baixa qualidade dos propágulos. Cuidados com a semente 1) Identificar a planta semeada e a data. 2) Irrigar com regador de furos pequenos. 3) Retirar inços. 4) Fazer desbaste de plantas se necessário. 5) Usar coberturas quando necessário. Observação: As coberturas podem ser de palha, capim, bambu, sombrite, ripados e elevadas a 45 cm do chão. 1) Transplantar a muda no tamanho correto. 2) Prática para dias nublados ou à tardinha. 3) Regar a sementeira no dia anterior. 4) Cuidar para o sol não ressecar as raízes. Cuidados no transplantio

5 5) Fazer o solo ficar bem em contato com as raízes. 6) Irrigar as mudas logo após o transplantio. 7) Usar cobertura morta e sombreamento. O que é importante nas sementes? 1) A qualidade das sementes: - sementes quebradas, doentes ou velhas possuem baixo poder germinativo. 2) Armazenamento: - ambiente fresco, seco e escuro; - vidros fechados com sílica gel ou cloreto de cálcio. 3) Quantidade de sementes: - comprar 1,5 a 4 vezes o número de plantas desejadas. Tipos de semeadura 1) Semeadura em canteiros sem transplantio. 2) Semeadura em sementeiras, com transplantio. Modos de fazer semeadura 1) A lanço: inconveniente é a desuniformidade e gasto de sementes. 2) Em linhas: sulcos de 0,5 a 1 cm de profundidade e 10 a 20 cm entre linhas. 3) Em covas: pequenos buracos de profundidade variável conforme o tamanho da semente. Observação: A profundidade de semeadura deve ser, no máximo, 3 vezes o tamanho da semente. 1) Aumenta o sistema radicular. 2) Uso mais racional da área de cultivo. 3) Economia de sementes. 4) Facilita o manuseio de sementes pequenas. Porque fazer sementeiras Como fazer uma sementeira 1) Pequenos canteiros, com solo bem preparado. 2) Caixotes. 3) Copinhos de jornal ou plástico. 4) Saquinhos plásticos. 5) Bandejas multicelulares preenchidos com substratos. O que é substrato? Mistura de diferentes materiais, como: - solo mineral, casca de arroz carbonizada, composto orgânico, húmus de minhoca, vermiculita, areia.

6 - A quantidade de solo na mistura nunca deve ultrapassar 1 / 3 do volume. - Sempre deve-se usar um condicionador, que deixe a mistura mais leve. - A mistura deve ser homogênea. 2. PROPAGAÇÃO VEGETATIVA (ASSEXUADA) Vantagens: - descendentes idênticos à planta mãe; - ciclo do plantio à colheita mais rápido; - multiplicação de espécies com dificuldade de obtenção de sementes. Desvantagens: - dificuldade de obtenção de grande quantidade de material de propagação; - diminuição da variabilidade genética; - queda paulatina da produção e vigor das plantas; - necessidade de maior espaço físico para viveiro. 1) Estacas herbáceas ou lenhosas. 2) Folhas. 3) Rebentos. 4) Raízes e rizomas. Material para propagação vegetativa: Fonte: Emater-RS/Ascar

PROPAGAÇÃO. Plantas Medicinais

PROPAGAÇÃO. Plantas Medicinais PROPAGAÇÃO Ação de multiplicar ou dar continuidade a uma forma de vida, permitindo o cultivo e a preservação de espécies importância estabelecimento dos cultivos e hortos garantia da identidade das espécies

Leia mais

HORTO E CULTIVO Horto Didático: Horto Produtivo/Comercial: Horto Caseiro/ Comunitário: Fatores de Cultivo: 1) CLIMA: Temperatura: Luz:

HORTO E CULTIVO Horto Didático: Horto Produtivo/Comercial: Horto Caseiro/ Comunitário: Fatores de Cultivo: 1) CLIMA: Temperatura: Luz: HORTO E CULTIVO Horto Didático: È aquele destinado à identificação e estudo das espécies medicinais. Nele se cultiva uma grande variedade de espécies e em pequena quantidade, geralmente um ou dois exemplares

Leia mais

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS!

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! UMA OPORTUNIDADE DE PRODUZIR ALIMENTOS SAUDÁVEIS PARA CONSUMO E VENDA! ELABORAÇÃO: ENG. AGRÔNOMO MAURO LÚCIO FERREIRA Msc. CULTIVO DE HORTALIÇAS Agosto- 2006 ÍNDICE POR

Leia mais

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha 1 de 6 10/16/aaaa 11:54 Olericultura A Cultura do Morango Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre a Cultura

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS

PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS Sistemas de produção Sementes Estruturas vegetativas (propagação por estolhos, estacas, tubérculos, bulbos, rizomas, raízes, micropropagação) PROPAGAÇÃO SEXUADA A SEMENTE

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/hortalicas...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/hortalicas... Página 1 de 6 Olericultura Produção Orgânica de Hortaliças Nome Hortaliças : Produção Orgânica Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Coordenadoria de Infraestrutura e Serviços Seção de Engenharia e Arquitetura MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Cartório Eleitoral de Pinhalzinho/SC Fevereiro,

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura da Ervilha Nome Cultura da Ervilha Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura da Ervilha

Leia mais

Rotação milho e soja para aumento do rendimento

Rotação milho e soja para aumento do rendimento Rotação milho e soja para aumento do rendimento Para mais informações contacte: O seu agente de extensão ou Departamento de Formação Documentação e Difusão do IIAM/CZC Contacto: +25123692 Chimoio, Moçambique.

Leia mais

PLANTE "UMA FARMÁCIA" NO SEU QUINTAL

PLANTE UMA FARMÁCIA NO SEU QUINTAL PLANTE "UMA FARMÁCIA" NO SEU QUINTAL 1 INTRODUÇÃO Paulo Henrique Radaik1 José Eduardo Brasil P. Pinto2 Osmar Alves Lameira 3 Grupo Yebá Ervas & Matos4 As plantas medicinais, hoje em dia, vêm se destacando

Leia mais

FARMACOGNOSIA. Matéria-Prima Vegetal 2011.1

FARMACOGNOSIA. Matéria-Prima Vegetal 2011.1 FARMACOGNOSIA Matéria-Prima Vegetal 2011.1 O que é farmacognosia? A palavra Farmacognosia vem de dois vocábulos gregos e quer dizer Pharmakon droga e fármaco gnosis conhecimento. Farmacognosia é uma ciência

Leia mais

Alternativas Biológicas para o Combate de Pragas Agrícolas

Alternativas Biológicas para o Combate de Pragas Agrícolas Geramos valor para a Natureza Alternativas Biológicas para o Combate de Pragas Agrícolas Simone Aguiar & Henrique Joaquim Agosto, 2014 MUSAMI Operações Municipais do Ambiente, EIM, SA Índice Agricultura

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera*

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* A história do algodão tecnificado no oeste da Bahia,

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama... Página 1 de 7 Olericultura A Cultura da Mandioca de Mesa Nome Cultura da Mandioca de Mesa Produto Informação Tecnológica Data Julho -2002 Preço - Linha Olericultura Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

Índice. O que é a Compostagem Caseira? ----------- 3. Por que praticar a compostagem? ---------- 3. O que vai precisar? ---------------------- 4

Índice. O que é a Compostagem Caseira? ----------- 3. Por que praticar a compostagem? ---------- 3. O que vai precisar? ---------------------- 4 Compostagem Caseira Certamente muitas das coisas que cobramos que o governo faça por nós, poderíamos nós mesmos realizar, o problema é que nem sempre sabemos como. Uma delas é a reciclagem do lixo orgânico,

Leia mais

1. PROPAGAÇÃO SEXUADA ASSEXUADA VEGETATIVA MICRIPROPAGAÇÃO MACROPROPAGAÇÃO ENXERTIA BORBULHIA MERGULHIA AMONTOA ALPORQUIA ESTAQUIA

1. PROPAGAÇÃO SEXUADA ASSEXUADA VEGETATIVA MICRIPROPAGAÇÃO MACROPROPAGAÇÃO ENXERTIA BORBULHIA MERGULHIA AMONTOA ALPORQUIA ESTAQUIA 1. PROPAGAÇÃO SEXUADA ASSEXUADA VEGETATIVA MICRIPROPAGAÇÃO MACROPROPAGAÇÃO ENXERTIA BORBULHIA MERGULHIA AMONTOA ALPORQUIA ESTAQUIA 1. PROPAGAÇÃO MICROPROPAGAÇÃO 1. PROPAGAÇÃO 1. PROPAGAÇÃO ENXERTIA 1.

Leia mais

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL Fase 1: Produção de Mudas e Recomendações de Adubação no Viveiro 1. Sistemas de Produção de Mudas de eucalipto e pinus Mudas em saquinhos Atualmente, os recipientes mais

Leia mais

O Iogurte A ORIGEM DO IOGURTE CARACTERÍSTICAS NUTRICIONAIS DO IOGURTE TIPOS DE IOGURTE VANTAGENS DO IOGURTE COMO CONSUMIR?

O Iogurte A ORIGEM DO IOGURTE CARACTERÍSTICAS NUTRICIONAIS DO IOGURTE TIPOS DE IOGURTE VANTAGENS DO IOGURTE COMO CONSUMIR? O Iogurte A ORIGEM DO IOGURTE CARACTERÍSTICAS NUTRICIONAIS DO IOGURTE TIPOS DE IOGURTE VANTAGENS DO IOGURTE COMO CONSUMIR? ALGUMAS SUGESTÕES CURIOSIDADES: SABIAS QUE A ORIGEM DO IOGURTE No período 10.000

Leia mais

JARDINAGEM PRÁTICA TÉCNICAS DE PROPAGAÇÃO

JARDINAGEM PRÁTICA TÉCNICAS DE PROPAGAÇÃO 50 TÉCNICAS DE PROPAGAÇÃO Uma das atividades mais prazerosas da jardinagem é a duplicação das plantas. As plantas se reproduzdem de duas maneiras - sexuada com geração de sementes e assexuada ou vegetativa,

Leia mais

Compostagem doméstica: como fazer?

Compostagem doméstica: como fazer? Compostagem, o que é? É um processo dereciclagem de resíduos orgânicos (de cozinha, da horta, do jardim...) realizado através de microrganismos que transformam os resíduos biodegradáveis num fertilizante

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

Fruticultura. A Cultura do Abacaxi. Nome Cultura do Abacaxi Produto Informação Tecnológica Data Setembro - 2000 Preço - Linha Fruticultura Resenha

Fruticultura. A Cultura do Abacaxi. Nome Cultura do Abacaxi Produto Informação Tecnológica Data Setembro - 2000 Preço - Linha Fruticultura Resenha 1 7 10/16/aaaa 11:31 Fruticultura A Cultura do Abacaxi Nome Cultura do Abacaxi Produto Informação Tecnológica Data Setembro - 2000 Preço - Linha Fruticultura Resenha Informações resumidas sobre a Cultura

Leia mais

Projeto 10.000 Hortas na á frica. Projecto de hortas

Projeto 10.000 Hortas na á frica. Projecto de hortas Projeto 10.000 Hortas na á frica Projecto de hortas w w w. s l o w f o o d f o u n d a t i o n. c o m As hortas são um sistema em contínua evolução que responde às solicitações: do ambiente externo, das

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO F1 DESCRIÇÃO DO PRODUTO USO EM SOLO NATURAL No solo natural o Photogenesis F1 irá complementar os nutrientes

Leia mais

Floricultura e Plantas Ornamentais. Dr. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues

Floricultura e Plantas Ornamentais. Dr. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues Produção de Rosas Floricultura e Plantas Ornamentais Dr. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues Produção de Rosas 1.Áreas Produtoras e seus Produtos em ha Rosas Gipsofila Crisântemo São Paulo 950 180 250 Minas

Leia mais

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph JARDINAGEM O que é solo? O solo é a camada superficial da crosta terrestre, sendo formado basicamente por aglomerados minerais, matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas e organismos

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

IRRIGAÇÃO SUBSUPERFICIAL

IRRIGAÇÃO SUBSUPERFICIAL IRRIGAÇÃO SUBSUPERFICIAL Introdução, Sistemas e Características FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Irrigação Subsuperficial Também chamada irrigação subterrânea ou subirrigação A água é aplicada

Leia mais

ANTÚRIOS PARA FLORES DE CORTE Paulo P Her aulo P ciíio Viegas V Rodrigues LPV- LPV ESALQ-USP

ANTÚRIOS PARA FLORES DE CORTE Paulo P Her aulo P ciíio Viegas V Rodrigues LPV- LPV ESALQ-USP ANTÚRIOS PARA FLORES DE CORTE Paulo Herciíio Viegas Rodrigues LPV-ESALQ-USP Município: Pariquera Açu Local: Sítio Sakai Início de atividade: Aquisição de plântulas: 2002 Desenvolvimento de mudas (casa

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

Da Caatinga ao Cerrado SABORES DA AGRICULTURA FAMILIAR Na sua Ceia de Natal. Feliz Natal. 2011 com muita solidariedade! Execução: Parceria: Apoio:

Da Caatinga ao Cerrado SABORES DA AGRICULTURA FAMILIAR Na sua Ceia de Natal. Feliz Natal. 2011 com muita solidariedade! Execução: Parceria: Apoio: Feliz Natal Da Caatinga ao Cerrado SABORES DA AGRICULTURA FAMILIAR Na sua Ceia de Natal e 2011 com muita solidariedade! Baru do Cerrado Umbu da Caatinga Execução: Parceria: Apoio na Oficina: Escola Waldorf

Leia mais

10. Principais Defeitos Encontrados na Panificação

10. Principais Defeitos Encontrados na Panificação 10. Principais Defeitos Encontrados na Panificação DEFEITO ASPECTO CAUSA PROCEDIMENTO a) massa dura a) ajustar a consistência da massa b) pouco descanso b) aumentar o tempo de descanso c) massa encascada

Leia mais

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde 1 de 5 10/16/aaaa 10:13 Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde Nome Adubação Orgânica e Adubação Verde Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Adubação Orgânica Resenha

Leia mais

COMPOSTAGEM COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES E ORGÂNICOS

COMPOSTAGEM COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES E ORGÂNICOS COMPOSTAGEM COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES E ORGÂNICOS ÍNDICE 03 07 12 16 A compostagem como estratégia de gestão de resíduos verdes e orgânicos O que é a compostagem? O que é a vermicompostagem?

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL DESENVOLVIDA ATRAVÉS DA ATIVIDADE AGRÍCOLA Promove mudança comportamental de alunos da rede pública.

EDUCAÇÃO AMBIENTAL DESENVOLVIDA ATRAVÉS DA ATIVIDADE AGRÍCOLA Promove mudança comportamental de alunos da rede pública. EDUCAÇÃO AMBIENTAL DESENVOLVIDA ATRAVÉS DA ATIVIDADE AGRÍCOLA Promove mudança comportamental de alunos da rede pública. Glauco Yves Gomes dos Santos Rocha, Graduado do curso de Engenharia Agronômica da

Leia mais

f a z e r e revolucionar sua alimentação

f a z e r e revolucionar sua alimentação C o m o f a z e r sua horta em casa e revolucionar sua alimentação MANUAL PRÁTICO POR QUE TER UMA HORTA EM CASA? Sabe-se que a alimentação funciona como um combustível, e o organismo responde de acordo

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

Passo a Passo Para Pequenos Produtores Produzirem Mudas Com Qualidade

Passo a Passo Para Pequenos Produtores Produzirem Mudas Com Qualidade PRODUÇÃO E PLANTIO DE MUDAS NATIVAS DA CAATINGA (através de sementes) ELABORAÇÃO MAGNUM DE SOUSA PEREIRA Engº Agrônomo Coordenador de Projetos da Associação Caatinga FUAD PEREIRA NOGUEIRA FILHO Graduando

Leia mais

SISTEMAS AGROFLORESTAIS

SISTEMAS AGROFLORESTAIS SISTEMAS AGROFLORESTAIS O que é Sistema Agroflorestal? Sistema agroflorestal é uma forma de uso da terra na qual se combinam espécies arbóreas lenhosas (frutíferas e/ou madeireiras) com cultivos agrícolas

Leia mais

Propagação de frutíferas

Propagação de frutíferas Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Ciências Agrárias Curso de Engenharia Agronômica Disciplina: Fruticultura I Propagação de frutíferas Docente responsável: Prof. Dr. Ítalo Herbert

Leia mais

49 Produção de Plântulas

49 Produção de Plântulas 132 Produção de plântulas em latas e caixas de papelão 49 Produção de Plântulas Introdução Plântulas de árvores (mudas) são produzidas com os seguintes métodos: 1. nos viveiros em sacos de polietileno

Leia mais

RELAÇÃO DE PLANTAS E FORMA DE CUIDADOS. Espécies: Orquídeas Dendrobium, Oncidium (chuva de ouro); Dendrobium loddigessi

RELAÇÃO DE PLANTAS E FORMA DE CUIDADOS. Espécies: Orquídeas Dendrobium, Oncidium (chuva de ouro); Dendrobium loddigessi RELAÇÃO DE PLANTAS E FORMA DE CUIDADOS. Espécies: Orquídeas Dendrobium, Oncidium (chuva de ouro); Dendrobium loddigessi Planta compacta, originária da China e região de Laos. Floresce na primavera com

Leia mais

Fisiologia Vegetal 1. A ÁGUA NA VIDA DAS PLANTAS:

Fisiologia Vegetal 1. A ÁGUA NA VIDA DAS PLANTAS: Fisiologia Vegetal 1. A ÁGUA NA VIDA DAS PLANTAS: Papel fundamental na vida da planta para cada grama de matéria orgânica produzida, 500 g de água são absorvidas pelas raízes, transportadas pelo corpo

Leia mais

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Imbatíveis em seu crescimento rápido, os eucaliptos são fonte de matériaprima para uma série de produtos de primeira necessidade, presentes em todas as

Leia mais

Agroecologia. Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade. Módulo 3 Aplicações da Agroecologia

Agroecologia. Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade. Módulo 3 Aplicações da Agroecologia Agroecologia Agroecologia Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade Módulo 3 Aplicações da Agroecologia Agroecologia aspectos teóricos e conceituais Capítulo 4 Aplicações

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO PROTEÇÃO VEGETAL Grupo de Serviço OBRAS COMPLEMENTARES Código DERBA-ES-OC-04/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de proteção

Leia mais

Plano de Aula: Horta de ingredientes para fazer balas caseiras

Plano de Aula: Horta de ingredientes para fazer balas caseiras Objetivos: Preparar na escola uma horta com ingredientes para dar mais sabor às receitas de balas. Conteúdos: Meio Ambiente: Cultivo de alimentos para consumo próprio. Língua Portuguesa: escrita de texto

Leia mais

Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico. 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios

Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico. 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios A compostagem é o processo de transformação de materiais grosseiros, como palhada e estrume,

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

CONSUMO CONSCIENTE DE ALIMENTOS Conteúdo desenvolvido pelo Instituto Akatu.

CONSUMO CONSCIENTE DE ALIMENTOS Conteúdo desenvolvido pelo Instituto Akatu. CONSUMO CONSCIENTE DE ALIMENTOS Conteúdo desenvolvido pelo Instituto Akatu. Os impactos do desperdício de alimentos. Pense em um prato de comida à sua frente. Imagine-o sendo jogado no lixo, sem piedade.

Leia mais

Potencial Germinativo De Sementes De Moringa oleifeira Em Diferentes Condições De Armazenamento

Potencial Germinativo De Sementes De Moringa oleifeira Em Diferentes Condições De Armazenamento Potencial Germinativo De Sementes De Moringa oleifeira Em Diferentes Condições De Armazenamento Kyvia Pontes Teixeira das Chagas (1) ; Ciro de Oliveira Ribeiro (2) ; Hanieri Alves da Silva (3) ; Luan Henrique

Leia mais

Classificação dos processos sucessionais

Classificação dos processos sucessionais SUCESSÃO ECOLÓGICA A SUCESSÃO ECOLÓGICA PODE SER DEFINIDA COMO UM GRADUAL PROCESSO NO QUAL AS COMUNIDADE VÃO SE ALTERANDO ATÉ SE ESTABELECER UM EQUILÍBRIO. AS FASES DISTINTAS DA SUCESSÃO ECOLÓGICA SÃO:

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa O QUE SÃO AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS (BPA)? Os consumidores estão cada vez

Leia mais

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TECNOLOGIA DE ALIMENTOS NUTRIÇÃO UNIC Profª Andressa Menegaz Conservação por irradiação A irradiação pode servir para: -destruir os microrganismos; -retardar a germinação de certos legumes; -destruir os

Leia mais

Plano de Restauro Florestal. IBF Instituto Brasileiro de Florestas

Plano de Restauro Florestal. IBF Instituto Brasileiro de Florestas Plano de Restauro Florestal IBF Instituto Brasileiro de Florestas 28 de setembro de 2011 Plano de Recuperação Local do plantio da Floresta da Embaixada Alemã: Área para plantio A área do IBF onde são plantadas

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Urucum, plantio, colheita, manejo, adubação, pragas, produção, mudas, Minas Gerais.

RESPOSTA TÉCNICA. Urucum, plantio, colheita, manejo, adubação, pragas, produção, mudas, Minas Gerais. RESPOSTA TÉCNICA CR 858 Título Manejo de urucum (Bixa orellana L.) no estado de Minas Gerais. Palavras-chave Urucum, plantio, colheita, manejo, adubação, pragas, produção, mudas, Minas Gerais. Atividade

Leia mais

3 Plantio e Semeadura

3 Plantio e Semeadura 3 Plantio e Semeadura 1 Plantio Éo ato de se colocar mudas ou partes vegetativas no solo para a instalação de determinada cultura. Exemplos: - Cana-de-açúcar; - Mandioca; - Arroz no cultivo com transplantio

Leia mais

Fatores de formação do solo

Fatores de formação do solo Fatores de formação do solo Fatores de formação do solo Clima Organismos Relevo Solo Tempo Material de Origem Fatores de formação do solo: clima Temperatura, precipitação e deficiência e excedente hídrico

Leia mais

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É?

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É? ECO-ESCOLA PROJETO: Na Natureza tudo se transforma COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É? É um processo de reciclagem de matéria orgânica (de cozinha, da horta, do jardim ) realizado através de microrganismos

Leia mais

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS PRÉ-PLANTIO ERRADICAÇÃO DE ERVAS DANINHAS Você deve erradicar as ervas daninhas da área a ser gramada. Esta operação pode ser feita através da capina mecânica ou

Leia mais

www.500receitasparaemagrecer.com.br

www.500receitasparaemagrecer.com.br Olá, Querido (a) amigo (a), É com imenso prazer que trago para você este guia prático e fácil para ajuda-lo na tarefa árdua que é perder peso e principalmente mantêlo. O que dificulta muitas vezes manter

Leia mais

O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro.

O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro. O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro. Maíra Leão da Silveira Bolsista de Iniciação Científica, Geografia, UFRJ Francisco Mariano da Rocha

Leia mais

COMPORTAMENTO GERMINATIVO DE DIFERENTES CULTIVARES DE GIRASSOL SUBMETIDAS NO REGIME DE SEQUEIRO

COMPORTAMENTO GERMINATIVO DE DIFERENTES CULTIVARES DE GIRASSOL SUBMETIDAS NO REGIME DE SEQUEIRO COMPORTAMENTO GERMINATIVO DE DIFERENTES CULTIVARES DE GIRASSOL SUBMETIDAS NO REGIME DE SEQUEIRO Autor 1 Renata Fernandes de Matos Autor 2 Edilza Maria Felipe Vásquez Autor 3 Leonardo Lenin Marquez de Brito

Leia mais

Manutenção de Jardim. ADUBAÇÃO com N-P-K

Manutenção de Jardim. ADUBAÇÃO com N-P-K JARDINAGEM ADUBAÇÃO com N-P-K 10.10.10 Para plantas equilibradas; 4.14.8 Para plantas com flor ou frutos; 8.8.8 Plantas pouco exigentes; 20.20.20 Para plantas de grande porte. Devemos adubar em períodos

Leia mais

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA A VIOLETA AFRICANA (Saintpaulia) O gênero Saintpaulia conta com 6 espécies, denominadas habitualmente violetas africanas em homenagem ao barão Walter von Saint Paul St Claire, quem

Leia mais

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos COMPOSTAGEM Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos Produzir adubo na propriedade rural é uma prática fácil porque a matéria prima a ser usada éobtida de resíduos orgânicos como o lixo doméstico

Leia mais

ASPECTO GERAL PARA O CULTIVO DA ESPÉCIE FLORESTAL PARICÁ

ASPECTO GERAL PARA O CULTIVO DA ESPÉCIE FLORESTAL PARICÁ ASPECTO GERAL PARA O CULTIVO DA ESPÉCIE FLORESTAL PARICÁ Eng.º Florestal Mauro S. Carvalho 1. Nome científico Schizolobium amazonicum 2. Local de ocorrência natural O Paricá ocorre de forma natural nas

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ. O caderno

ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ. O caderno ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ O caderno da compostagem Saudações ambientais! Um dos maiores problemas ambientais dos nossos dias é a enorme quantidade de lixo que todos produzimos. A compostagem permite não só

Leia mais

PROJETO EDUCANDO COM A HORTA: CORES AROMAS E SABORES. NEI João Machado da Silva

PROJETO EDUCANDO COM A HORTA: CORES AROMAS E SABORES. NEI João Machado da Silva PROJETO EDUCANDO COM A HORTA: CORES AROMAS E SABORES NEI João Machado da Silva Justificativa Aproveitar racionalmente a pequena disponibilidade de espaço de terra do NEI João Machado da Silva na produção

Leia mais

A resposta ao potencial de desenvolvimento do broto de alfafa (Medicago sativa L.) com o uso de luz durante o ciclo de crescimento

A resposta ao potencial de desenvolvimento do broto de alfafa (Medicago sativa L.) com o uso de luz durante o ciclo de crescimento A resposta ao potencial de desenvolvimento do broto de alfafa (Medicago sativa L.) com o uso de luz durante o ciclo de crescimento Elisangela Schardong 1 Elvis Calabresi 1 Paulo Zwick 1 Tais Colombo 1

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO DE BOVINOS FORMAÇÃO E MANEJO DE PASTAGENS (IMPLANTAÇÃO DE PASTAGENS) EDGAR FRAGA

Leia mais

MANUAL PROJETO AMBIENTAL ELAS PRESERVANDO NAS ESCOLAS

MANUAL PROJETO AMBIENTAL ELAS PRESERVANDO NAS ESCOLAS MANUAL PROJETO AMBIENTAL ELAS PRESERVANDO NAS ESCOLAS www.elasecomodas.com.br INTRODUÇÃO Este manual tem por finalidade servir como apoio para que as escolas parceiras do Projeto Ambiental Elas Preservando

Leia mais

VEGETAÇÃO. Página 1 com Prof. Giba

VEGETAÇÃO. Página 1 com Prof. Giba VEGETAÇÃO As formações vegetais são tipos de vegetação, facilmente identificáveis, que dominam extensas áreas. É o elemento mais evidente na classificação dos ecossistemas e biomas, o que torna importante

Leia mais

Em 2006, a Prefeitura foi convidada a participar do

Em 2006, a Prefeitura foi convidada a participar do HORTAS URBANAS 3 Apresentação Em 2006, a Prefeitura foi convidada a participar do evento de lançamento do Programa de Nutrição, um trabalho integrado por diversos setores da sociedade. A proposta foi

Leia mais

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA.

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA. 1 - INTRODUÇÃO No período de 01 a 14 de abril de 2007, os técnicos da CONAB e das instituições com as quais mantém parceria visitaram municípios produtores de café em Minas Gerais, Espírito Santo, São

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura do Pepino Nome Cultura do Pepino Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura do Pepino Luiz

Leia mais

Curso de Produção de Mudas Nativas. 9:30 a 11:00

Curso de Produção de Mudas Nativas. 9:30 a 11:00 Curso de Produção de Mudas Nativas 9:30 a 11:00 Solano Martins Aquino Diretor Presidente e fundador do Instituto Brasileiro de Florestas, biólogo, pesquisador e produtor de mudas florestais. Desenvolve

Leia mais

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA 1º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA Maia Barnabé Sambongo Dir. Fazenda Quizenga TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA ÁREA DE 1º ANO 1. Supressão Vegetal

Leia mais

Implantação e manejo de minhocário de baixo custo

Implantação e manejo de minhocário de baixo custo Implantação e manejo de minhocário de baixo custo Engenheiros Agrônomos: Gheysa Julio Pinto Fernando Teruhiko Hata Núcleo/Incubadora Unitrabalho UEM unitrabalho@uem.br (44) 3011-3893 ou 3011-3785 Introdução

Leia mais

BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS

BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS KEIGO MINAMI DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PIRACICABA INTERAÇÃO DE FATORES DE PRODUÇÃO

Leia mais

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA MADEIRA PLÁSTICA A Madeira Plástica é uma opção sustentável para quem se preocupa com a causa ambiental. O grande diferencial deste produto é que sua fabricação dá-se a partir da reciclagem de toneladas

Leia mais

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem É um processo de transformação da matéria orgânica do lixo em um composto orgânico (húmus). Composto orgânico Produto final da compostagem Compostagem

Leia mais

Capitulo 3 Horta Orgânica

Capitulo 3 Horta Orgânica ASSOCIAÇÃO SOCIOAMBIENTALISTA SOMOS UBATUBA Conteúdo Pedagógico Capitulo 3 Horta Orgânica Organização Parceria Convênio Horta Orgânica Introdução Esta etapa é composta por atividades ligadas pelas relações

Leia mais

1. Manejo da Horta e Prevenção de Pragas

1. Manejo da Horta e Prevenção de Pragas 1. Manejo da Horta e Prevenção de Pragas Em agricultura orgânica sempre se busca o equilíbrio ecológico e a prevenção de problemas que afetam a saúde das plantas. Através do uso de algumas técnicas simples

Leia mais

Sistema Modular Alveolar Leve. Ecotelhado

Sistema Modular Alveolar Leve. Ecotelhado Sistema Modular Alveolar Leve Sistema Modular Alveolar Leve Objetivo O Sistema Alveolar tem como objetivo proporcionar, ao telhado com pouca ou sem inclinação, uma cobertura vegetada para conforto térmico

Leia mais

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE.

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. Alvori Cristo dos Santos, Deser, Fevereiro 2007. Há alguns anos atrás, um movimento social

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Módulo 09 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Quando ocorre o fechamento dos estômatos a condução de seiva bruta fica prejudicado bem como a entrada de gás carbônico para o processo fotossintético. 02. C O deslocamento

Leia mais

PLANTIO DE FLORES Profas Joilza Batista Souza, Isilda Sancho da Costa Ladeira e Andréia Blotta Pejon Sanches

PLANTIO DE FLORES Profas Joilza Batista Souza, Isilda Sancho da Costa Ladeira e Andréia Blotta Pejon Sanches PLANTIO DE FLORES Profas Joilza Batista Souza, Isilda Sancho da Costa Ladeira e Andréia Blotta Pejon Sanches Resumo O presente projeto foi desenvolvido pelas professoras, com crianças de dois a três anos

Leia mais

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE SeGurança para produzir mais e melhor! Programa Qualidade Total: SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Autor: Eng. Agr., Dr. Mikael Neumann Ano: 2009 SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Mikael Neumann 1 1

Leia mais

Roteiro de aulas práticas Disciplina de Fruticultura Tropical 2014 Prof. Wilson Itamar Maruyama

Roteiro de aulas práticas Disciplina de Fruticultura Tropical 2014 Prof. Wilson Itamar Maruyama Roteiro de aulas práticas Disciplina de Fruticultura Tropical 2014 Prof. Wilson Itamar Maruyama Aula 1- Organização e limpeza das casas de vegetação - divisão dos grupos. ATENÇÃO: OS ALUNOS DEVERÃO ESTAR

Leia mais

Adubação verde. tecnologia simples e sustentável. Sanidade vegetal Manejo adequado da Lagarta-do-Cartucho nas plantações de milho

Adubação verde. tecnologia simples e sustentável. Sanidade vegetal Manejo adequado da Lagarta-do-Cartucho nas plantações de milho CONFIRA OS ATRATIVOS DA VERSÃO SPORT DA FORD RANGER PAG. 16 Sanidade vegetal Manejo adequado da Lagarta-do-Cartucho nas plantações de milho 00102 810001 771806 9 Revista Produz - Ano XI Nº 102 2015 R$

Leia mais

HORTICULTURA EM MODO BIOLÓGICO

HORTICULTURA EM MODO BIOLÓGICO HORTICULTURA EM MODO BIOLÓGICO A COMPOSTAGEM O composto é uma substância semelhante ao solo, resultante da decomposição de matérias orgânicas. A compostagem é uma maneira natural de reciclar as plantas,

Leia mais

EMEF TI MOACYR AVIDOS DISCIPLINA ELETIVA: COZINHANDO COM OS NÚMEROS

EMEF TI MOACYR AVIDOS DISCIPLINA ELETIVA: COZINHANDO COM OS NÚMEROS EMEF TI MOACYR AVIDOS DISCIPLINA ELETIVA: COZINHANDO COM OS NÚMEROS (ALUNOS) Público Alvo: 6ºs E 7ºs ANOS (DISCIPLINA) Área de Conhecimento: MATEMÁTICA e LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSORES: JANAINA ROSEMBERG

Leia mais

Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura.

Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura. FUNDAÇÃO MOKITI OKADA Mokiti Okada - CPMO Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura. Leandro de Almeida Amado Engenheiro Agrônomo, MSc Assistente Técnico Outubro

Leia mais