INDICADOR DE DESEMPENHO GLOBAL DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA. Thiago Costa M. Caldeira Especialista em Regulação da ANEEL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INDICADOR DE DESEMPENHO GLOBAL DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA. Thiago Costa M. Caldeira Especialista em Regulação da ANEEL"

Transcrição

1 Thiago Costa M. Caldeira Especialista em Regulação da ANEEL 1

2 CONTEXTO -Percepção da opinião pública de queda na qualidade do serviço -Desempenho bastante divergente na prestação do serviço -Intervenção da ANEEL em distribuidoras -Iminência do termo final do contrato de parte das distribuidoras OBJETIVO Apurar objetivamente a diferença de desempenho das distribuidoras de energia elétrica nos diversos aspectos da prestação do serviço MÉTODO Construir indicador global composto por parâmetros que reflitam a prestação adequada do serviço das concessionárias distribuidoras de energia elétrica 2

3 SERVIÇO ADEQUADO (Lei 8.987/1995) Continuidade Cortesia Regularidade Atualidade Eficiência Modicidade Generalidade Segurança 3

4 SERVIÇO ADEQUADO (Lei 8.987/1995) Qualidade DEC e FEC Fonte: Elaboração própria / dados ANEEL 4

5 SERVIÇO ADEQUADO (Lei 8.987/1995) Qualidade - IASC Fonte: Elaboração própria / dados ANEEL 5

6 SERVIÇO ADEQUADO (Lei 8.987/1995) Eficiência e Modicidade Custo Operacional por MWh Fonte: Hálisson Costa (2013) 6

7 SERVIÇO ADEQUADO (Lei 8.987/1995) Rentabilidade média por distribuidora a 2012 Fonte: Elaboração própria / dados ANEEL 7

8 SERVIÇO ADEQUADO (Lei 8.987/1995) Continuidade Cortesia Regularidade Eficiência Modicidade Atualidade Generalidade Segurança 8

9 PERÍODO: em regra de 2009 a 2012; FONTE: informações contábeis das empresas (BMP), processos normativos e tarifários da ANEEL, informações solicitadas ao MME; DADOS: Qualidade: DEC e FEC: média da diferença entre valor apurado e limites regulatórios ICC e IASC: média do próprio índice Eficiência: Custo operacional: divisão do custo operacional incorrido pelo custo regulatório Perdas não técnicas e Estrutura de capital: diferença entre o valor apurado e o regulatório Atualidade e Generalidade: Atualidade: BRRL/BRRB Generalidade: percentual de execução do Programa Luz para Todos (somatório de 2004 a 2012) Regularidade: Endividamento: Dívida Líquida/Ebitda (somatório dos valores de 2009 a 2012) Lucratividade: média da razão Lucro Líquido/BRRL 9

10 METODOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DO INDICADOR GLOBAL Bibliografia base: Handbook on Constructing Composite Indicators (OECD, 2008) Premissa para escolha do método: simplicidade de cálculo; facilidade de entendimento; consistência e testes de estabilidade dos resultados; respeito à informação e tratamento de valores extremos. Normalizações: ordenação, z-scores, min-max, distância para referência Agregação e ponderação: média aritmética e geométrica (pesos iguais) ponderação para maximização do resultado individual agregado (DEA-BD) análise fatorial de componentes principais (PCA/FA) 10

11 RESULTADOS 14 cenários testados Forte estabilidade nas 4 primeiras e 9 últimas posições O método DEA/BD não alterou substancialmente o desempenho comparativo das distribuidoras Para qualquer cenário de normalização/ponderação, CEPISA, AME, Eletroacre, CELPA e CEAL estão entre as 6 últimas posições Diferença muito relevante entre distribuidoras estatais e privadas Cenário escolhido: normalização por min-max e ponderação com média aritmética, em razão da i)simplicidade, ii) resultado próximo do DEA/BD, iii) resultado intuitivo (entre 0 e 1) e iv) fácil reprodutibilidade 11

12 RANKING PARA CENÁRIO ESCOLHIDO Distribuidora Posição Nota Distribuidora Posição Nota MUX-Energia 1 8,97 HIDROPAN 2 8,30 COSERN 3 8,12 COELCE 4 8,11 CLFM 5 7,81 DMEPC 6 7,59 CPFL - Piratininga 7 7,48 COELBA 8 7,48 ELEKTRO 9 7,47 BANDEIRANTE 10 7,47 EPB 11 7,45 ELFSM 12 7,44 CPEE 13 7,41 AMPLA 14 7,38 DEMEI 15 7,38 CSPE 16 7,37 ENF 17 7,35 EBO 18 7,33 CELPE 19 7,32 UHENPAL 20 7,29 CHESP 21 7,19 CEMAR 22 7,15 ESCELSA 23 7,15 ENERSUL 24 7,13 EFLUL 25 7,08 RGE 26 7,01 CPFL - Paulista 27 7,00 EFLJC 28 6,95 CFLO 29 6,94 SULGIPE 30 6,89 ELETROCAR 31 6,85 FORCEL 32 6,82 12

13 RANKING PARA CENÁRIO ESCOLHIDO Distribuidora Posição Nota Distribuidora Posição Nota COPEL 33 6,80 ESE 34 6,76 EMG 35 6,73 CEMIG-D 36 6,72 CELESC 37 6,70 CLFSC 38 6,64 AES-SUL 39 6,62 EDEVP 40 6,56 EEB 41 6,52 CEMAT 42 6,52 IENERGIA 43 6,48 ELETROPAULO 44 6,44 LIGHT 45 6,28 COCEL 46 6,16 CJE 47 6,08 COOPERALIANÇA 48 6,00 CEB 49 5,99 CNEE 50 5,84 CAIUÁ 51 5,28 CELTINS 52 5,23 Boa Vista 53 4,73 CELG 54 4,37 CEEE 55 4,24 CERON 56 4,03 CEAL 57 3,72 CELPA 58 3,23 ELETROACRE 59 2,98 AME 60 2,37 CEPISA 61 2,20 13

14 ANÁLISE DE SENSIBILIDADE Exclusão de cada subindicador e efeito nas posições das distribuidoras 14

15 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES Termo final das concessões: necessidade de definir se um terceiro não seria capaz de formular proposta mais vantajosa para obter a concessão Há evidências de que um novo processo de desestatização no setor levaria a incremento no desempenho das distribuidoras sob controle estatal, além de permitir melhor parâmetro de comparação para o desempenho das distribuidoras privadas O artigo não analisou possíveis economias de escala existentes no setor de distribuição de energia elétrica. Portanto, não é possível retirar conclusões a respeito da diferença de desempenho em função do porte da distribuidora 15

16 OBRIGADO Thiago Costa Monteiro Caldeira Especialista em Regulação da ANEEL Atualmente Coordenador-Geral de Políticas Regulatórias da Secretaria de Aviação Civil 16

Tarifas de energia elétrica no Brasil 27/05/2011 1 Diminuir a disparidade entre tarifas de Energia Elétrica no Brasil No Brasil o custo da energia elétrica nos estados de baixa densidade populacional e

Leia mais

Avaliação da Agência Reguladora sobre as interrupções na prestação de serviços

Avaliação da Agência Reguladora sobre as interrupções na prestação de serviços Seminario internacional ENERGIA ELÉTRICA Avaliação da Agência Reguladora sobre as interrupções na prestação de serviços Nelson José Hübner Moreira Diretor-Geral ANEEL São Paulo, SP Maio/2010 Papéis Institucionais

Leia mais

ANEXO I - Tarifa Social de Energia Elétrica para as Concessionárias

ANEXO I - Tarifa Social de Energia Elétrica para as Concessionárias ANEXO I - Tarifa Social de Energia Elétrica para as Concessionárias AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S.A - AES SUL. Consumo mensal até 30 kwh 101,16 54,95 46,21 Consumo mensal entre 31 até 100 kwh

Leia mais

QUEM É A COMPANHIA ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO NORTE (COSERN)?

QUEM É A COMPANHIA ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO NORTE (COSERN)? COSERN QUEM É A COMPANHIA ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO NORTE (COSERN)? A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (COSERN), criada em agosto de 1962, atende 917,7 mil unidades consumidoras. Atualmente,

Leia mais

Ricardo Vidinich Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade SRC. 22 de setembro de 2008 Brasília DF

Ricardo Vidinich Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade SRC. 22 de setembro de 2008 Brasília DF Ricardo Vidinich Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade SRC 22 de setembro de 2008 Brasília DF Agentes setoriais SETOR GERAÇÃO concessão (serviço público e uso do bem público -

Leia mais

Por dentro da conta de luz da COMPANHIA ESTADUAL DE ENERGIA ELÉTRICA DO RIO GRANDE DO SUL

Por dentro da conta de luz da COMPANHIA ESTADUAL DE ENERGIA ELÉTRICA DO RIO GRANDE DO SUL Por dentro da conta de luz da COMPANHIA ESTADUAL DE ENERGIA ELÉTRICA DO RIO GRANDE DO SUL APRESENTAÇÃO DA DISTRIBUIDORA A Companhia Estadual de Energia Elétrica do Rio Grande do Sul (CEEE), criada há 60

Leia mais

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA CPFL PIRATININGA 2ª EDIÇÃO

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA CPFL PIRATININGA 2ª EDIÇÃO POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA CPFL PIRATININGA 2ª EDIÇÃO QUEM É A CPFL PIRATININGA? A Companhia Piratininga de Força e Luz S/A (CPFL Piratininga) é uma das empresas do grupo CPFL Energia S/A, que atua

Leia mais

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA AMPLA. 2ª Edição

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA AMPLA. 2ª Edição POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA AMPLA 2ª Edição Quem é a AMPLA? A distribuidora Ampla Energia e Serviços S/A foi criada em setembro de 2004, em substituição à Companhia de Eletricidade do Rio de Janeiro

Leia mais

Quanto custa a energia elétrica para a indústria no Brasil?

Quanto custa a energia elétrica para a indústria no Brasil? Quanto custa a energia elétrica para a indústria no Brasil? Gerência de Competitividade Industrial e Investimentos Diretoria de Desenvolvimento Econômico e Associativo 28 de novembro de 2013 A metodologia

Leia mais

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA COPEL

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA COPEL POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA COPEL Quem é a Companhia Paranaense de Energia (COPEL)? A distribuidora Companhia Paranaense de Energia (COPEL), criada em 1954, tem 2,68 milhões de unidades consumidoras

Leia mais

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA CELESC

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA CELESC POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA CELESC Quem é a CELESC S/A? A distribuidora Centrais Elétricas de Santa Catarina Distribuição (CELESC Distribuição S/A) criada em dezembro de 1955, atende a 1.678.629 unidades

Leia mais

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA ENERGISA BORBOREMA

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA ENERGISA BORBOREMA POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA ENERGISA BORBOREMA Quem é a Energisa Borborema S/A? A distribuidora Energisa Borborema S/A é a antiga Companhia Energética da Borborema (CELB). Criada em 1963, foi privatizada

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 945, DE 2 DE MARÇO DE 2010

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 945, DE 2 DE MARÇO DE 2010 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 945, DE 2 DE MARÇO DE 2010 Estabelece, nos termos das Leis n ºs 12.111, de 9 de dezembro de 2009, e 12.212, de 20 de janeiro de 2010,

Leia mais

ANEEL e perspectivas para o

ANEEL e perspectivas para o ANEEL e perspectivas para o setor Elétrico no Brasil BRITCHAM BRASIL Rio de Janeiro, julho de 9 Nelson Hubner Diretor-Geral Missão da ANEEL: Promover o equilíbrio entre consumidores, agentes regulados

Leia mais

A Conversão de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Aérea para Subterrânea: Uma Visão do Regulador

A Conversão de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Aérea para Subterrânea: Uma Visão do Regulador A Conversão de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Aérea para Subterrânea: Uma Visão do Regulador Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição - SRD Carlos Alberto Calixto Mattar Superintendente

Leia mais

Número 134 Maio de 2014. As tarifas de energia elétrica no Brasil: inventário do 3º ciclo de revisão tarifária e os efeitos sobre o setor

Número 134 Maio de 2014. As tarifas de energia elétrica no Brasil: inventário do 3º ciclo de revisão tarifária e os efeitos sobre o setor Número 134 Maio de 2014 As tarifas de energia elétrica no Brasil: inventário do 3º ciclo de revisão tarifária e os efeitos sobre o setor As tarifas de energia elétrica no Brasil: inventário do 3º ciclo

Leia mais

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA COELBA

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA COELBA POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA COELBA MISSÃO DA ANEEL PROPORCIONAR CONDIÇÕES FAVORÁVEIS PARA QUE O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA SE DESENVOLVA COM EQUILÍBRIO ENTRE OS AGENTES E EM BENEFÍCIO DA SOCIEDADE.

Leia mais

QUEM É A RIO GRANDE ENERGIA S/A (RGE)?

QUEM É A RIO GRANDE ENERGIA S/A (RGE)? RGE QUEM É A RIO GRANDE ENERGIA S/A (RGE)? A distribuidora Rio Grande Energia S/A (RGE) resulta da cisão da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), controlada pelo Governo do Estado do Rio Grande

Leia mais

Audiência Pública. Revisão Tarifária Periódica

Audiência Pública. Revisão Tarifária Periódica Audiência Pública Revisão Tarifária Periódica Agenda 1. Panorama Geral da Concessão 2. Evolução da Qualidade do Serviço 3. Investimentos Realizados no Ciclo (2007-2011) 4. Principais Desafios 3º Ciclo

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TARIFAS DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TARIFAS DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TARIFAS DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TARIFAS DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA Brasília, DF 2007 Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o, DE DE DE 2009 Estabelece a metodologia de cálculo e os procedimentos do repasse final da Energia Livre após o encerramento do prazo

Leia mais

RESOLUÇÃO N O 44, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2001

RESOLUÇÃO N O 44, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2001 RESOLUÇÃO N O 44, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2001 Estabelece as diretrizes e condições para os contratos iniciais de compra e venda de energia elétrica entre as concessionárias que especifica. O DIRETOR-GERAL

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO E ENVIO DE DADOS

INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO E ENVIO DE DADOS Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência energética SPE Sistema de Gestão de Projetos de Eficiência Energética SGPEE INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO E ENVIO DE DADOS VERSÃO 1.1 (13/5/2008) ALTERAÇÕES

Leia mais

Parágrafo único. As concessionárias ou permissionárias são, doravante, denominadas genericamente pelo termo concessionária.

Parágrafo único. As concessionárias ou permissionárias são, doravante, denominadas genericamente pelo termo concessionária. RESOLUÇÃO N o, DE DE DE 2003 Estabelece as condições de atendimento por meio de Central de Teleatendimento (CTA) das concessionárias ou permissionárias, critérios de classificação de serviços e metas de

Leia mais

A utilização, benefícios e aplicações da energia fotovoltaica para as cidades

A utilização, benefícios e aplicações da energia fotovoltaica para as cidades A utilização, benefícios e aplicações da energia fotovoltaica para as cidades Energia Solar Fotovoltaica - usina FV: 1ª Usina Solar Fotovoltaica do Brasil - Tauá/CE - 2011 Energia Solar Fotovoltaica -

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 57, DE 12 DE ABRIL DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 57, DE 12 DE ABRIL DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 57, DE 12 DE ABRIL DE 2004 Estabelece as condições de atendimento por meio de Central de Teleatendimento (CTA) das concessionárias ou

Leia mais

Tratamento regulatório de perdas

Tratamento regulatório de perdas IIIª Conferência da Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa RELOP Tratamento regulatório de perdas não técnicas Rio de Janeiro Novembro de 2010 Julião Silveira Coelho

Leia mais

Engº José Jorge Chaguri Junior Chaguri Engenharia de Projetos Ltda.

Engº José Jorge Chaguri Junior Chaguri Engenharia de Projetos Ltda. Engº José Jorge Chaguri Junior Chaguri Engenharia de Projetos Ltda. Encontro Técnico do GLP de 2015 ALTERNATIVAS DE SISTEMA DE AQUECIMENTO DE ÁGUA A GÁS Estrutura da Apresentação 2 Alterna;vas de sistemas

Leia mais

CENTRAIS ELETRICAS DE RONDONIA S.A. CERON Gerência de Operação de Sistemas TGO ANEXO - II

CENTRAIS ELETRICAS DE RONDONIA S.A. CERON Gerência de Operação de Sistemas TGO ANEXO - II Art. 1º Estabelecer as condições de atendimento por meio de Central de Teleatendimento das concessionárias ou permissionárias do serviço público de distribuição de energia elétrica. Parágrafo único. As

Leia mais

(www.aneel.gov.br), no menu de Informações Técnicas, sob o nome de 'contratos de concessão'.

(www.aneel.gov.br), no menu de Informações Técnicas, sob o nome de 'contratos de concessão'. Quem é a CELG? A distribuidora Companhia Energética de Goiás (CELG), criada em agosto de 1955, atende a quase dois milhões de unidades consumidoras em uma área de concessão que engloba 234 municípios do

Leia mais

ENERGIA FOTOVOLTAICA E SUA CONTRIBUIÇÃO NA GERAÇÃO DE ENERGIA RENOVÁVEL

ENERGIA FOTOVOLTAICA E SUA CONTRIBUIÇÃO NA GERAÇÃO DE ENERGIA RENOVÁVEL ENERGIA FOTOVOLTAICA E SUA CONTRIBUIÇÃO NA GERAÇÃO DE ENERGIA RENOVÁVEL SOLUÇÕES FOTOVOLTAICAS PARA APLICAÇÕES RESIDENCIAIS E COMERCIAIS SISTEMAS CONECTADOS À REDE (GRID TIE) MERCADO NO BRASIL E NO MUNDO

Leia mais

Empresa de Energia Elétrica Sigla Gerente de EE CPF Fone e-mail

Empresa de Energia Elétrica Sigla Gerente de EE CPF Fone e-mail Empresa de Energia Elétrica Sigla Gerente de EE CPF Fone e-mail AES SUL Distribuidora Gaúcha de Energia S. A. AES SUL Guilherme de Mauro Favaron 311.499.468-73 11-2195-7306 guilherme.favaron@aes.com Amazonas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO E ENVIO DE DADOS

INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO E ENVIO DE DADOS Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência energética SPE Sistema de Gestão de Projetos de Eficiência Energética SGPEE INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO E ENVIO DE DADOS VERSÃO 1.5 (01/10/2013)

Leia mais

VOLUME I AS TARIFAS DE ENERGIA

VOLUME I AS TARIFAS DE ENERGIA CADERNOS TARIFÁRIOS VOLUME I AS TARIFAS DE ENERGIA Agosto de 2012 1. INTRODUÇÃO 1.1 O que é Regulação Tarifária? Regulação, por conceito, é o conjunto de técnicas e formalidades que objetivam dar estabilidade

Leia mais

José Gabino Matias dos Santos

José Gabino Matias dos Santos José Gabino Matias dos Santos Assessor da Diretoria da ABRADEE Brasília, 25 de setembro de 2008 Informações Gerais ABRADEE: 48 Associadas (99% do Mercado) Seminário Internacional de Medição Eletrônica

Leia mais

Indicadores de qualidade do fornecimento de energia elétrica Coelce

Indicadores de qualidade do fornecimento de energia elétrica Coelce Indicadores de qualidade do fornecimento de energia elétrica Coelce Ceará, 19/05/2016 CONERGE Agenda: Regulamentação Definição de Indicadores de Qualidade Histórico de Indicadores Coletivos Qualidade 2

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N o 485, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o disposto no Decreto n o 4.336, de 16 de agosto de 2002, que estabelece as diretrizes para classificação

Leia mais

BANDEIRAS TARIFÁRIAS. Superintendência de Gestão Tarifária SGT/ANEEL

BANDEIRAS TARIFÁRIAS. Superintendência de Gestão Tarifária SGT/ANEEL Superintendência de Gestão Tarifária SGT/ANEEL Brasília, 09 de abril de 2015 SINAL ECONÔMICO DA TE INÍCIO DOS ESTUDOS DAS BANDEIRAS TARIFÁRIAS: AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 120/2010: Aperfeiçoamento da Estrutura

Leia mais

Análise e levantamento da composição tarifária brasileira

Análise e levantamento da composição tarifária brasileira Análise e levantamento da composição tarifária Elaborado por: Filipe Guilherme Ramos da Silva Para: Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH Fevereiro de 2013 Solar PV Elaborado

Leia mais

Por dentro da conta de luz da CEB

Por dentro da conta de luz da CEB Por dentro da conta de luz da CEB QUEM É A CEB DISTRIBUIDORA S/A? A CEB Distribuidora S/A é uma empresa de distribuição de energia da Companhia Energética de Brasília (CEB) constituída em 1968. Atende

Leia mais

ANAIS BRAZIL ENERGY FRONTIERS 2015

ANAIS BRAZIL ENERGY FRONTIERS 2015 São Paulo, 19 e 20 de agosto de 2015 Sumário INDICADOR DE DESEMPENHO GLOBAL DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA... 03 FGV ENERGIA WORKING PAPER SERIES IS THE FUTURE OF BRAZILIAN MICRO AND MINI-GENERATION

Leia mais

Seminário de Energias Renováveis Energia Eólica e Solar

Seminário de Energias Renováveis Energia Eólica e Solar Seminário de Energias Renováveis Energia Eólica e Solar Agenda - O que é Geração Distribuída? - Contexto no Mundo e Brasil - A Associação Brasileira de Geração Distribuída (ABGD) - Reflexões para Debate

Leia mais

Novembro/2016.

Novembro/2016. Fatos relevantes 3 pontos importantes: I - Chamada 13/2011 - ANEEL Em 2011 a ANEEL lançou a chamada de Projeto de P&D estratégico no. 13/2011 - Arranjos Técnicos e Comerciais para Inserção da Geração Solar

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 338, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2008

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 338, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2008 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 338, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2008 Nota Técnica Nº 292/2008 SRE/ANEEL Nota Técnica Nº 340/2008 SRE/ANEEL Nota Técnica Nº 342/2008 SRE/ANEEL

Leia mais

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA. SaNTA MARIA

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA. SaNTA MARIA POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA SaNTA MARIA QUEM É A EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA S/A (ELFSM)? A distribuidora Empresa Luz e Força Santa Maria S/A (ELFSM) criada em 1930, atende a 76,16 mil de unidades

Leia mais

Novembro/2016.

Novembro/2016. Fatos relevantes 3 pontos importantes: I - Chamada 13/2011 - ANEEL Em 2011 a ANEEL lançou a chamada de Projeto de P&D estratégico no. 13/2011 - Arranjos Técnicos e Comerciais para Inserção da Geração Solar

Leia mais

Métodos de agrupamentos (clusters) aplicado as concessionárias de energia elétrica no Brasil em 2008: Celesc Distribuição S.A.

Métodos de agrupamentos (clusters) aplicado as concessionárias de energia elétrica no Brasil em 2008: Celesc Distribuição S.A. Métodos de agrupamentos (clusters) aplicado as concessionárias de energia elétrica no Brasil em 2008: Celesc Distribuição S.A. versus ANEEL Cristiane Landerdhal de Albuquerque - Ministério do Planejamento

Leia mais

Análise dos investimentos do Programa de Eficiência Energética das concessionárias de distribuição de eletricidade.

Análise dos investimentos do Programa de Eficiência Energética das concessionárias de distribuição de eletricidade. Análise dos investimentos do Programa de Eficiência Energética das concessionárias de distribuição de eletricidade. Gilberto De Martino Jannuzzi [1], Herivelto Tiago Marcondes dos Santos [2] [1] Universidade

Leia mais

Segmento Classificação Empresa de Energia Elétrica Sigla

Segmento Classificação Empresa de Energia Elétrica Sigla das empresas de energia elétrica para acesso ao ANEEL, visando ao envio de arquivos do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica (Programa de P&D ANEEL) (Caso a empresa

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N o 485, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o disposto no Decreto nº 4.336, de 16 de agosto de 2002, que estabelece as diretrizes para classificação

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Audiência Pública nº47 Data: 27/08/2015 Concessão: Bandeirante Cidade: São José dos Campos/SP AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL PRINCIPAIS COMPETÊNCIAS SOMOS RESPONSÁVEIS PELA... Regulação Mediação

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 286, DE 1 DE OUTUBRO DE 1999.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 286, DE 1 DE OUTUBRO DE 1999. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. RESOLUÇÃO N 286, DE 1 DE OUTUBRO DE 1999. Legislação Estabelece as tarifas de uso dos sistemas de distribuição

Leia mais

Realidade das Tarifas de Energia Elétrica no Brasil

Realidade das Tarifas de Energia Elétrica no Brasil Realidade das Tarifas de Energia Elétrica no Brasil Sumário Executivo Este documento oferece uma análise factual sobre a composição da tarifa de energia elétrica, os fatores que levam à variação de cada

Leia mais

ANÁLISE DAS TARIFAS, DA QUALIDADE E DA ABRANGÊNCIA DA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA NAS REGIÕES DO BRASIL

ANÁLISE DAS TARIFAS, DA QUALIDADE E DA ABRANGÊNCIA DA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA NAS REGIÕES DO BRASIL ESTUDO ANÁLISE DAS TARIFAS, DA QUALIDADE E DA ABRANGÊNCIA DA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA NAS REGIÕES DO BRASIL ESTUDO NOVEMBRO/2011 Fausto de Paula Menezes Bandeira

Leia mais

GRUPO SETORIAL DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS Usina Fotovoltaica MPX Tauá CE (primeiro MW) Estádio do Pituaçu BA 400 kw

GRUPO SETORIAL DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS Usina Fotovoltaica MPX Tauá CE (primeiro MW) Estádio do Pituaçu BA 400 kw GRUPO SETORIAL DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS Usina Fotovoltaica MPX Tauá CE (primeiro MW) 30 mw Off-grid Estádio do Pituaçu BA 400 kw Área GTD Grupos Setoriais (GS) Barramentos Chaves Seccionadoras Contatores

Leia mais

Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP

Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP AUDIÊNCIAS PÚBLICAS Abrimos nossas portas para a sociedade... Antes de expedições de atos administrativos (resolução normativa,

Leia mais

ABGD Maio/2016.

ABGD Maio/2016. Tópicos: 45 Mercado brasileiro e mundial de energia FV (atual e futuro); Geração Distribuída x Geração Centralizada; Regulamentações (REN482 e REN687 da ANEEL); Principais elementos (módulos, inversores,

Leia mais

INFORMATIVO DE SEGURANÇA E SAÚDE

INFORMATIVO DE SEGURANÇA E SAÚDE INTRODUÇÃO O 8º SENSE Seminário Nacional de Segurança e Saúde no Setor Elétrico Brasileiro está sendo idealizado e, naturalmente, os parceiros e entidades envolvidas efetivamente com o tema, estão aderindo

Leia mais

RESOLUÇÃO ANEEL N 286, DE 1º DE OUTUBRO DE 1999

RESOLUÇÃO ANEEL N 286, DE 1º DE OUTUBRO DE 1999 RESOLUÇÃO ANEEL N 286, DE 1º DE OUTUBRO DE 1999 Estabelece as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição de energia elétrica. O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL, no uso de

Leia mais

Maio/2017.

Maio/2017. Fatos relevantes 3 pontos importantes: I - Chamada 13/2011 - ANEEL Em 2011 a ANEEL lançou a chamada de Projeto de P&D Estratégico no. 013/2011 - Arranjos Técnicos e Comerciais para Inserção da Geração

Leia mais

Mercado de Energia Elétrica

Mercado de Energia Elétrica Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Mercado de Energia Elétrica Prof. Eduardo Matsudo AULA 05 Santo André, 23 de maio de 2011 Contrato de concessão: Poder concedente (União)

Leia mais

Quanto custa a energia elétrica para a Indústria no Brasil?

Quanto custa a energia elétrica para a Indústria no Brasil? junho/2016 Quanto custa a energia elétrica para a Indústria no Brasil? Nota Metodológica CONCEITOS FORMAÇÃO DO CUSTO MÉDIO INDUSTRIAL PARA O BRASIL No setor elétrico brasileiro existem dois ambientes de

Leia mais

ESTATÍSTICAS STICAS DE ACIDENTES NO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA BRASILEIRO

ESTATÍSTICAS STICAS DE ACIDENTES NO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA BRASILEIRO ESTATÍSTICAS STICAS DE ACIDENTES NO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA BRASILEIRO SÍNTESE DO RELATÓRIO 2002 Janeiro Dezembro de 2002 DADOS GERAIS 200.078.780 Horas Efetivamente Trabalhadas 69 Empresas Tempo Computado

Leia mais

Foto: Ludmilla Pacheco Rogedo (SCR) Capa

Foto: Ludmilla Pacheco Rogedo (SCR) Capa Foto: Ludmilla Pacheco Rogedo (SCR) Capa Índice Observações 1. O conteúdo refere-se ao mês indicado. Dessa forma, algumas informações obtidas diretamente no site da ANEEL poderão estar mais atualizadas.

Leia mais

Nota Técnica nº 268/2010-SRE/SFF/ANEEL Brasília, 25 de Agosto de 2010

Nota Técnica nº 268/2010-SRE/SFF/ANEEL Brasília, 25 de Agosto de 2010 S U P E R I N T E N D Ê N C I A D E R E G U L A Ç Ã O E C O N Ô M I C A S R E S U P E R I N T E N D Ê N C I A D E F I S C A L I Z A Ç Ã O E C O N Ô M I C A E F I N A N C E I R A S F F Nota Técnica nº 268/2010-SRE/SFF/ANEEL

Leia mais

Estudo sobre o mercado de energia elétrica focando a geração distribuída

Estudo sobre o mercado de energia elétrica focando a geração distribuída Estudo sobre o mercado de energia elétrica focando a geração distribuída Elaborado por: Para: Agência de Cooperação Técnica Alemã GIZ Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH

Leia mais

Análise da Metodologia de Preços Referenciais (Base de Remuneração) apresentada na NT 71/2015-SGT/ANEEL

Análise da Metodologia de Preços Referenciais (Base de Remuneração) apresentada na NT 71/2015-SGT/ANEEL Análise da Metodologia de Preços Referenciais (Base de Remuneração) apresentada na NT 71/2015-SGT/ANEEL Elaborado por: Prof. Dr. Marcelo Azevedo Costa Núcleo de Pesquisas em Eficiência, Produtividade e

Leia mais

Nota Técnica n 0128/2013-SRD/ANEEL. Em 28 de maio de 2013. Processo n : 48500.005957/2012-80

Nota Técnica n 0128/2013-SRD/ANEEL. Em 28 de maio de 2013. Processo n : 48500.005957/2012-80 Nota Técnica n 0128/2013-SRD/ANEEL Em 28 de maio de 2013. Processo n : 48500.005957/2012-80 Assunto: Análise das contribuições da Audiência Pública nº 021/2013 relativas ao estabelecimento dos limites

Leia mais

Nota Técnica n 29/2014-SRC/ANEEL. Em 03 de julho de 2014.

Nota Técnica n 29/2014-SRC/ANEEL. Em 03 de julho de 2014. Nota Técnica n 29/2014-SRC/ANEEL Em 03 de julho de 2014. Processo: 48500.001835/2014-86 Assunto: Regulamentação de critérios para a concessão de descontos na tarifa. I. DO OBJETIVO 1. A presente Nota Técnica

Leia mais

O MEIO AMBIENTE PARA INFRA-ESTRUTURA SEMANA FIESP-CIESP DO MEIO AMBIENTE 2008. Silvia M Calou Diretora Executiva ABCE

O MEIO AMBIENTE PARA INFRA-ESTRUTURA SEMANA FIESP-CIESP DO MEIO AMBIENTE 2008. Silvia M Calou Diretora Executiva ABCE O MEIO AMBIENTE PARA INFRA-ESTRUTURA SEMANA FIESP-CIESP DO MEIO AMBIENTE 2008 Silvia M Calou Diretora Executiva ABCE ABCE - Associação Brasileira de Concessionárias de Energia Elétrica - 71 anos de fundação

Leia mais

OSN. Ouvidoria Setorial em Números Aspectos técnicos e comerciais ANO 2014

OSN. Ouvidoria Setorial em Números Aspectos técnicos e comerciais ANO 2014 OSN Ouvidoria Setorial em Números Aspectos técnicos e comerciais ANO OUVIDORIA SETORIAL EM NÚMEROS Aspectos técnicos e comerciais Brasília/DF Abril ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica SGAN Módulos

Leia mais

S U P E R I N T E N D Ê N C I A D E R E G U L A Ç Ã O E C O N Ô M I C A. Nota Técnica nº 092/2010-SRE/ANEEL Brasília, 13 de abril de 2011

S U P E R I N T E N D Ê N C I A D E R E G U L A Ç Ã O E C O N Ô M I C A. Nota Técnica nº 092/2010-SRE/ANEEL Brasília, 13 de abril de 2011 S U P E R I N T E N D Ê N C I A D E R E G U L A Ç Ã O E C O N Ô M I C A Nota Técnica nº 092/2010-SRE/ANEEL Brasília, 13 de abril de 2011 M E T O D O L O G I A E C R I T É R I O S P A R A A P U R A Ç Ã

Leia mais

Leilões de Energia. Eng. José Jurhosa Junior ANEEL

Leilões de Energia. Eng. José Jurhosa Junior ANEEL Leilões de Energia Eng. José Jurhosa Junior ANEEL Cidade do México, D.F. Jan/ 2013 Conteúdo Visão geral Leilões e contratos Processo e sistemáticas 2 Modelo Setor Elétrico Brasileiro Ambiente de contratação

Leia mais

Plano Anual de Combustíveis Sistemas Isolados 2007

Plano Anual de Combustíveis Sistemas Isolados 2007 Grupo A energia que movimenta o Brasil. Plano Anual de Combustíveis Sistemas Isolados 2007 Aprovado pelo Grupo Técnico Operacional da Região Norte GTON e homologado pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

PROINFA - TRATAMENTO DA ENERGIA DO PROINFA NA CCEE

PROINFA - TRATAMENTO DA ENERGIA DO PROINFA NA CCEE TRATAMENTO DA ENERGIA DO PROINFA NA CCEE www.ccee.org.br Nº 91 setembro2013 0800 10 00 08 O objetivo desse relatório é apresentar as informações referentes às transferências de Cotas do PROINFA em virtude

Leia mais

EDP Investor Day. 5 Anos de IPO EDP no Brasil

EDP Investor Day. 5 Anos de IPO EDP no Brasil EDP Investor Day 5 Anos de IPO EDP no Brasil Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

QUOTAS ANUAIS DEFINITIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA DO PROINFA - JULHO MIGRAÇÃO DE CONSUMIDORES LIVRES E AUTOPRODUTORES PARA O MERCADO LIVRE

QUOTAS ANUAIS DEFINITIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA DO PROINFA - JULHO MIGRAÇÃO DE CONSUMIDORES LIVRES E AUTOPRODUTORES PARA O MERCADO LIVRE QUOTAS ANUAIS DEFINITIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA DO PROINFA - JULHO 2008 - MIGRAÇÃO DE CONSUMIDORES LIVRES E AUTOPRODUTORES PARA O MERCADO LIVRE DISTRIBUIDORA CONSUMIDOR LIVRE IDENTIFICAÇÃO DA CARGA NA CCEE

Leia mais

SECRETARIA DE ENERGIA Subsecretaria de Energia Elétrica. Série Informações Energéticas, 004. Resumo Executivo. Energia Elétrica

SECRETARIA DE ENERGIA Subsecretaria de Energia Elétrica. Série Informações Energéticas, 004. Resumo Executivo. Energia Elétrica 3º bimestre/2014 SECR SECRETARIA DE ENERGIA Subsecretaria de Energia Elétrica Série Informações Energéticas, 004 Resumo Executivo Energia Elétrica Resumo Executivo São Paulo V.01 03/2014 julho / 2014

Leia mais

QUOTAS ANUAIS DEFINITIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA DO PROINFA - ABRIL MIGRAÇÃO DE CONSUMIDORES LIVRES E AUTOPRODUTORES PARA O MERCADO LIVRE

QUOTAS ANUAIS DEFINITIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA DO PROINFA - ABRIL MIGRAÇÃO DE CONSUMIDORES LIVRES E AUTOPRODUTORES PARA O MERCADO LIVRE MIGRAÇÃO DE CONSUMIDORES LIVRES E AUTOPRODUTORES PARA O MERCADO LIVRE DISTRIBUIDORA CONSUMIDOR LIVRE IDENTIFICAÇÃO DA CARGA NA CCEE MERCADO QUE RETORNOU SE TORNOU LIVRE [MWh] QUOTA ANUAL RGE TELASUL S.A.

Leia mais

O impacto da adoção do Sistema de Bandeiras Tarifárias para a competitividade da indústria brasileira

O impacto da adoção do Sistema de Bandeiras Tarifárias para a competitividade da indústria brasileira Agosto/2013 O impacto da adoção do Sistema de Bandeiras Tarifárias para a competitividade da indústria brasileira Diretoria de Desenvolvimento Econômico e Associativo Gerência de Competitividade Industrial

Leia mais

9 Análise Multivariada de Dados

9 Análise Multivariada de Dados 9 Análise Multivariada de Dados 9.1 Introdução Uma das dificuldades inerentes em estatística multivariada é a visualização dos dados, principalmente em dimensões maiores que três. No entanto, é importante

Leia mais

AÇÃO CIVIL PÚBLICA COM PEDIDO DE TUTELA ANTECIPADA

AÇÃO CIVIL PÚBLICA COM PEDIDO DE TUTELA ANTECIPADA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE BAURU Rua Alberto Segalla, 1-45, quadra H, Jardim Infante Dom Henrique, Bauru/SP CEP: 17012-634 (14) 3235-4300 Excelentíssimo(a) Senhor(a)

Leia mais

Grupo Energisa Apresentação Institucional 2º trimestre de 2014

Grupo Energisa Apresentação Institucional 2º trimestre de 2014 Grupo Energisa Apresentação Institucional 2º trimestre de 2014 Apresentação Grupo Energisa Aspectos Técnicos e Comerciais Aspectos financeiros Crescimento 2 Grupo Energisa 3 Aquisição do Grupo Rede Em

Leia mais

Mercado de Energia Elétrica

Mercado de Energia Elétrica Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Mercado de Energia Elétrica Prof. Eduardo Matsudo Avaliação em grupo Santo André, 16 de maio de 2011 Avaliação da disciplina Mercado de Energia

Leia mais

ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica SPE Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética - 2008 -

ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica SPE Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética - 2008 - ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica SPE Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética - 2008 - SUMÁRIO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE O PROGRAMA... 5 1.1. APRESENTAÇÃO...

Leia mais

DISTRIBUIDORAS Empresa Gerente de P&D E-mail AES-Sul - Distribuidora Gaúcha de Energia Lissandro Machado Pires lissandro.pires@aes.

DISTRIBUIDORAS Empresa Gerente de P&D E-mail AES-Sul - Distribuidora Gaúcha de Energia Lissandro Machado Pires lissandro.pires@aes. DISTRIBUIDORAS AES-Sul - Distribuidora Gaúcha de Energia Lissandro Machado Pires lissandro.pires@aes.com AMPLA - Ampla Energia e Serviços S/A Acacio Barreto Neto abarreto@ampla.com Bandeirante Energia

Leia mais

QUOTAS ANUAIS DEFINITIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA DO PROINFA - JUNHO MIGRAÇÃO DE CONSUMIDORES LIVRES E AUTOPRODUTORES PARA O MERCADO LIVRE

QUOTAS ANUAIS DEFINITIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA DO PROINFA - JUNHO MIGRAÇÃO DE CONSUMIDORES LIVRES E AUTOPRODUTORES PARA O MERCADO LIVRE QUOTAS ANUAIS DEFINITIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA DO PROINFA - JUNHO 2008 - MIGRAÇÃO DE CONSUMIDORES LIVRES E AUTOPRODUTORES PARA O MERCADO LIVRE DISTRIBUIDORA CONSUMIDOR LIVRE IDENTIFICAÇÃO DA CARGA NA CCEE

Leia mais

Ajustes Inseridos na Receita de Venda Preliminar de Março/2016. Agentes Descrição Impactos Agentes Impactados Título do Ajuste

Ajustes Inseridos na Receita de Venda Preliminar de Março/2016. Agentes Descrição Impactos Agentes Impactados Título do Ajuste Ajustes Inseridos na Receita de Venda Preliminar de Março/2016 Relatório nº 005/2016 Data da divulgação: 12/04/2016 Agentes Descrição Impactos Agentes Impactados Título do Ajuste UTE PARNA 7LEN Aplicação

Leia mais

Metodologia para o Terceiro Ciclo de Revisão Tarifária

Metodologia para o Terceiro Ciclo de Revisão Tarifária AP040/2010 Metodologia para o Terceiro Ciclo de Revisão Tarifária Claudio Sales - Presidente Dezembro/2010 Avaliação da proposta metodológica A contribuição do Instituto Acende Brasil aborda dois componentes

Leia mais

Comparação Internacional de Tarifas de Energia Elétrica

Comparação Internacional de Tarifas de Energia Elétrica Comparação Internacional de Tarifas de Energia Elétrica Edição 2013 O principal objetivo da Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee) é atuar como facilitadora nas relações

Leia mais

QUOTAS ANUAIS DEFINITIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA DO PROINFA - JUNHO MIGRAÇÃO DE CONSUMIDORES LIVRES E AUTOPRODUTORES PARA O MERCADO LIVRE

QUOTAS ANUAIS DEFINITIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA DO PROINFA - JUNHO MIGRAÇÃO DE CONSUMIDORES LIVRES E AUTOPRODUTORES PARA O MERCADO LIVRE MIGRAÇÃO DE CONSUMIDORES LIVRES E AUTOPRODUTORES PARA O MERCADO LIVRE DISTRIBUIDORA CONSUMIDOR LIVRE IDENTIFICAÇÃO DA CARGA NA CCEE MERCADO QUE SE TORNOU LIVRE RGE PLASTIBENTO AC PLAST LTDA Plastibento

Leia mais

Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº 40.10756/2006

Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº 40.10756/2006 Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº 40.10756/2006 Serviços de Consultoria Pessoa Jurídica para a elaboração de metodologia que permita mensurar, verificar e avaliar os resultados decorrentes

Leia mais

Nota Técnica n 0056/2017-SRD/ANEEL. Em 24 de maio de Processo nº: /

Nota Técnica n 0056/2017-SRD/ANEEL. Em 24 de maio de Processo nº: / Nota Técnica n 0056/2017-SRD/ANEEL Em 24 de maio de 2017. Processo nº: 48500.004924/2010-51. Assunto: Atualização das projeções de consumidores residenciais e comerciais com microgeração solar fotovoltaicos

Leia mais

Semana Nacional da Segurança com Energia Elétrica

Semana Nacional da Segurança com Energia Elétrica Semana Nacional da Segurança com Energia Elétrica Introdução Pela primeira vez, a Abradee promoverá, junto com as suas 51 concessionárias associadas, uma campanha nacional para conscientizar os cerca de

Leia mais

Financing evaluations of sustainable electricity projects Avaliações de financiamento de projetos sustentáveis de eletricidade Maria Helena de

Financing evaluations of sustainable electricity projects Avaliações de financiamento de projetos sustentáveis de eletricidade Maria Helena de Financing evaluations of sustainable electricity projects Avaliações de financiamento de projetos sustentáveis de eletricidade Maria Helena de Oliveira O BNDES e o Financiamento ao Setor Elétrico 03 de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINESE ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO FERNANDO ANDRADE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINESE ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO FERNANDO ANDRADE i UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINESE ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO FERNANDO ANDRADE IMPACTO DA QUALIDADE DO FORNECIMENTO DE ENERGIA NA ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 856, DE 4 DE AGOSTO DE 2009.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 856, DE 4 DE AGOSTO DE 2009. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 856, DE 4 DE AGOSTO DE 2009. Homologação das tarifas de fornecimento de energia elétrica e das Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição,

Leia mais

Relatório de Gestão. 2oo8

Relatório de Gestão. 2oo8 Relatório de Gestão 2oo8 1. Identificação Nome completo da unidade e sigla Companhia Energética de Alagoas - CEAL CNPJ 12.272.084/0001-00 Natureza jurídica Sociedade de Economia Mista Vinculação ministerial

Leia mais

O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica. Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia

O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica. Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia 10 de Dezembro de 2012 Linha do Tempo do Mercado Livre no Brasil 1995

Leia mais

Comportamento das tarifas de energia elétrica no Brasil. Nota Técnica Número 147 - agosto 2015

Comportamento das tarifas de energia elétrica no Brasil. Nota Técnica Número 147 - agosto 2015 Comportamento das tarifas de energia elétrica no Brasil Nota Técnica Número 147 - agosto 2015 Comportamento das tarifas de energia elétrica no Brasil Apresentação As tarifas de energia elétrica aumentaram

Leia mais