CONQUISTAS DA REFORMA PSIQUIÁTRICA NA POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL DO PIAUÍ: primeira década do milênio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONQUISTAS DA REFORMA PSIQUIÁTRICA NA POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL DO PIAUÍ: primeira década do milênio"

Transcrição

1 CONQUISTAS DA REFORMA PSIQUIÁTRICA NA POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL DO PIAUÍ: primeira década do milênio Lucia Cristina dos Santos Rosa 1 Resumo Tem-se por objetivo efetivar um balanço das conquistas da reforma psiquiátrica na política de saúde mental do Estado do Piauí na última década, concentrando-se no interstício que abrange os anos de 2005 a Baseou-se em estudos documentais, textos ainda não explorados para fins de pesquisa ou reconstituição de fatos históricos. Alguns fatos marcaram a saúde mental na primeira década do novo milênio no Estado, destacando-se: a criação de uma política estadual orientada pelos princípios da reforma psiquiátrica; o fechamento dos leitos do SUS do Sanatório Meduna em 2010 e a realização da II Conferência Estadual de Saúde Mental Intersetorial. Palavras-Chave: Saúde mental: reforma psiquiátrica; Abstract It is intended to effect a balance sheet of the achievements of the psychiatric reform in mental health policy of the state of Piaui in the last decade, focusing on interstitial covering the years 2005 to Was based on documentary studies, articles not yet exploited for research purposes, or restoration of historical facts. Some facts marked mental health in the first decade of the new millennium in the state, including: the creation of a state policy guided by the principles of psychiatric reform, the closure of beds in the SUS Sanitarium Meduna in 2010 and the holding of the Second State Conference Mental Health - Inter. Keywords: Mental health: psychiatric reform; 1. INTRODUÇÃO O estado do Piauí, com 224 municípios, está localizado geograficamente na região Nordeste do país, conta com uma população de habitantes, 63% residente na área urbana (Censo IBGE 2009) e densidade demográfica de 12,5 hab./km². Tem uma 1 Doutora.Universidade Federal do Piauí - UFPI.

2 economia frágil, dependente do setor terciário e primário, consequentemente é dependente de recursos da União para impulsionar políticas publicas de abrangência estadual. Segundo o documento Saúde Mental em Dados 7 (BRASIL, 2010) a Rede de Saúde Mental do Estado conta com um número de 38 centros de atenção psicossocial Caps - em pleno funcionamento, sendo: 25 Caps I; 06 Caps II; 01 Caps III, 04 Capsad e 01 Capsi, com um indicador Caps/ hab de 0,80 considerada boa, ocupando no rankig nacional o 8º lugar. Tem ainda 04 serviços residenciais terapêuticos, 03 na Capital, Teresina e um no município de União, com 19 beneficiários do Programa Volta para Casa. Conforme a mesma fonte, conta com 17 ambulatórios de saúde mental, concentrados na ação do médico psiquiatra e consequentemente na renovação e prescrição medicamentosa. Ingressou em 2010 com 2 hospitais psiquiátricos, um público e outro privado conveniado ao Sistema Único de Saúde SUS, totalizando 360 leitos nestes serviços, mas concluiu o ano com apenas um hospital psiquiátrico, com 160 leitos. Há um Serviço Hospitalar de Referência na área de Álcool e drogas, situado em Teresina, com 10 leitos. Contou com 6 iniciativas de inclusão social pelo trabalho e 19 leitos psiquiátricos em hospital geral. Os principais equipamentos de saúde mental do Estado encontram-se sob gestão do Estado, com destaque para o Hospital Areolino de Abreu, único serviço público de referência estadual, o Capsi, as residências terapêuticas e o Serviço Hospitalar de Referência na área de álcool e outras drogas, todos os serviços localizados no município de Teresina. Vale lembrar, que segundo o Sistema Único de Saúde a prestação direta dos serviços de saúde é um encargo dos municípios, principalmente daqueles em regime de gestão plena como Teresina, para o qual a gerência estadual tem promovido ações para municipalizar a gestão, sobretudo do Capsi com pequenos progressos, considerando principalmente as dificuldades com recursos humanos e estrutura física a ser desvinculada efetivamente do Hospital Areolino de Abreu. Uma política pública se define como uma ação de estado, que tem uma continuidade temporal, que se delineia a partir da tomada de responsabilidade de um aspecto e segmento populacional, conformando uma resposta à determinada manifestação da questão social (RESENDE, 1990).

3 Historicamente, a assistência psiquiátrica piauiense, acompanhando a tendência nacional, esteve centralizada na capital do Estado do Piauí, Teresina e concentrada no modelo hospitalocêntrico, através do Hospital Areolino de Abreu, (criado em 1907) único hospital psiquiátrico público vinculado ao governo estadual e do Sanatório Meduna, (criado em 1952) um hospital particular, mas conveniado ao Sistema Único de Saúde. Tais serviços se configuraram por orientar a atenção para os momentos de crise psiquiátrica, tratadas pela via das internações integrais, centradas no medicamento e na ação profissional do médico. Desde a década de 90 do século passado com a implementação da política de reestruturação da assistência em saúde mental pelo governo federal brasileiro, acompanhando as recomendações da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde, a partir do que estabelece a Declaração de Caracas, reforçado pelo reconhecimento da condição de sujeito de direitos da pessoa com transtorno mental, em 17 de dezembro de 1991 pela Organização das Nações Unidas, que divulga o documento que trata da proteção de pessoas com problemas mentais e a melhoria da assistência à saúde mental, os gestores da política de saúde do Piauí são exigidos a alterar o padrão dominante da organização assistencial no campo. Tal processo tem início no Piauí com as políticas indutoras do governo federal, haja vista as resistências locais de diversas ordens, oriundas, sobretudo de alguns grupos de profissionais da saúde mental e dos próprios gestores como evidencia Passamani (2005) em sua dissertação de mestrado. As resistências comumente têm origem na falta de entendimento do processo em curso, envolvendo o Sistema Único de Saúde como um todo ou nas lutas corporativas de alguns segmentos de profissionais que temem pela perda de emprego, lutam por determinados espaços como reserva de mercado de trabalho ou mesmo, por questões político-ideológicas ou até mesmo por questões técnico-operacionais ou ética, pois a produção de um novo modelo exige um novo tipo de profissional, principalmente, que: reconheça a cidadania da pessoa com transtorno mental, incorporando o controle social em sua prática profissional, isto é, a participação e negociação permanente com usuários, familiares e com outros profissionais do serviço, como parte do dia a dia assistencial; aceite reorganizar e mudar os processos de trabalhos pautados na mera medicalização e burocratização para atuar no território existencial, onde a vida da pessoa com transtorno

4 mental acontece, mobilizando recursos e forças sociais para combater o estigma e produzir processos de inclusão social deste segmento historicamente excluído e estigmatizado. Exige assim, a multiplicação da identidade social da pessoa com transtorno mental e a construção de outros percursos em lugares e relações sociais orientados pela tolerância social e convívio com o diferente e com a diferença. Segundo Saraceno (1999) a reabilitação psicossocial é sinônimo de cidadania implicando ações intensas em relação a três aspectos: o morar, trocar (multiplicar) identidades, para além da estigmatização como doido, louco e produzir e trocar mercadorias e valores ou seja, investir em projetos de geração de emprego e renda, que permita a produção de outros valores socialmente reconhecidos pela sociedade capitalista. Todas estas ações envolvem o projeto maior de ampliar a autonomia e mudar a relação da sociedade com as pessoas que têm um transtorno mental, mas não se resumem à enfermidade. 2. CONQUISTAS DA REFORMA PSIQUIÁTRICA NA POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL PIAUIENSE O Piauí, como outros estados cujos gestores não acompanharam os novos rumos estabelecidos pela política federal a partir das deliberações das conferências nacionais de saúde, saúde mental e pactos com conselhos gestores municipais e estaduais, foram exigidos a sintonizar suas ações com as mudanças em curso, sobretudo com a política de redução do numero de leitos em hospitais psiquiátricos, estabelecido pela Portaria nº 52 de 2004, produzida como forma de pressionar os gestores a criar serviços comunitários de saúde mental, em reforço à Portaria nº 1.455/GM de 2003 que determina incentivos financeiros para implantação dos Centros de Atenção Psicossocial - Caps, nos municípios. O Caps se torna o principal equipamento da reforma psiquiátrica, encarregado de ordenar a rede de saúde mental e modificar os processos de trabalho, na perspectiva do trabalho em equipe e no território de vida, orientado pela cidadania da pessoa com transtorno mental.

5 As mudanças nas práticas assistenciais encontram-se em fase de transição de modelos, coexistindo o velho com o novo modelo, não sem contradições. Como a experiência de caps no Piauí ainda é recente e a formação profissional nas instituições de ensino superior ainda está concentrada no modelo biomédico, pautado na enfermidade, há muitas distorções nas práticas de vários serviços. Na direção apotanda, Lancetti (2008) identifica dois tipos de Caps em ação, que denomina Caps burocratico e Caps turbinado. O caps burocrático Lancetti (2008) caracteriza-o pelos seguintes aspectos: 1) centralização das ações em si mesmo, com parca interação com o território existencial da pessoa com transtorno mental; 2) profissionais escolhem os usuários e esperam que se adequem às suas especialidades ou modelos teóricos e interventivos; 3) não se organiza a partir da realidade do território em que se situa, nem da cidade e de seus problemas prementes e; 4) são rígidos, exigindo que a clientela se adapte às ofertas disponíveis. O Avaliar Caps 2008, cujos resultados foram apresentados por Tânia Grigolo, representante do Ministério da Saúde, no Painel 4 Gestão de informação, avaliação, monitoramento e planejamento em saúde mental, no dia 28 de junho de 2010 na programação da IV Conferência Nacional de Saúde mental Intersetorial, confirma a predominância deste tipo de Caps na rede de saúde mental brasileira. O Piauí se insere no processo reformista de uma maneira peculiar, devido o atraso histórico da sua inserção no próprio Sistema Único de Saúde, pois o Estado somente em 2003 é habilitado na condição de gestão plena do Sistema Estadual de Saúde (PIAUI, 2005) e pelas resistências, sobretudo dos gestores às inovações introduzidas. O ideário mudancista em saúde mental no contexto piauiense é disseminado a partir dos anos 80 do século passado, inicialmente, a partir das ações da Associação Comunitária de Saúde Mental do Piauí ACSM e da Associação Psiquiátrica do Piauí, que fomentam a criação da coordenação estadual de saúde mental e lutam pela interiorização/descentralização das ações de saúde mental da capital para os principais municípios pólos de desenvolvimento do Estado, sobretudo Picos, Parnaíba e Floriano

6 destacando-se as ações em prol da inserção da psiquiatria nos hospitais gerais (ROSA, 2003). A Coordenação de Saúde Mental do Estado é criada e são credenciados e implantados leitos em alguns hospitais gerais do Estado, experiência pontual, que não se prolonga temporalmente, sofrendo descontinuidade com mudanças de gestores. O novo milênio é brindado na saúde mental com a Lei municipal de Teresina nº 2.987, de 17 de maio de 2001, que dispõe sobre a política de saúde mental e de assistência psiquiátrica, bem como trata da regulamentação dos serviços de saúde mental do município de Teresina. Contudo, tal lei não assegurou a materialização de um novo modelo assistencial em saúde mental, permanecendo na inércia até meados do novo milênio. No dia 24 de fevereiro de 2005, por gestões locais de representantes do Ministério da Saúde, em seminário sobre saúde mental realizado em Teresina, pela Gerência de Saúde Mental do Estado, é assinado o Pacto pela expansão da rede extra-hospitalar de cuidados em saúde mental visando apoiar e trabalhar pela viabilização de iniciativas voltadas para a reversão do modelo assistencial (...) em prol da construção de uma rede assistencial efetiva, centrada em dispositivos extra-hospitalares, de inserção comunitária e atuação dentro da lógica territorial ( GUIMARÃES et al, 2008). Com a intensificação do fechamento do numero de leitos em hospitais psiquiátricos do Piauí 2, que no final da década de 90 totalizava 580, passando para 160 no final de 2010, como estratégia do Ministério da Saúde para pressionar os gestores a investir em política de saúde mental e, sobretudo criar serviços comunitários, a ação indutora do Ministério da Saúde para a criação de uma política estadual de saúde mental orientada pela reforma psiquiátrica, se soma à ação da Gerência de Saúde mental para coordenar tal processo no plano local, bem como a atuação do Ministério Público Estadual, que passa a judicializar ações junto aos gestores estadual e municipal, principalmente de Teresina, para evitar a desassistência em saúde mental. O gestor municipal de Teresina ganha destaque na maioria das ações para redirecionar o modelo assistencial psiquiátrico por vários motivos, em particular: a) pelo 2 A década de 90 se encerra no Piauí com 580 leitos em hospitais psiquiátricos, 300 no Sanatório Meduna e 280 no Hospital Areolino de Abreu. Em 2009 totalizava 360: 200 no Sanatório Meduna e 160 no Hospital Areolino de Abreu. Com o fechamento do Sanatório Meduna em maio de 2010, o ano se encerra com 160 leitos em hospitais psiquiátricos.

7 porte populacional, concentrando mais de 800 mil habitantes; b) ser o município de procedência da maioria dos internos em serviços psiquiátricos; c) ser o único município com gestão plena do sistema de saúde do Estado, tendo consequentemente que criar uma política de saúde mental; d) receber todo repasse orçamentário do SUS procedente do Fundo Nacional de Saúde (teto financeiro do SUS relacionado as Autorizações de Internações Hospitalares - AIHS). Pelas resistências historicamente apresentadas pelo gestor municipal de Teresina em investir em serviços e numa política pública de saúde mental e com o fechamento de leitos em hospitais psiquiátricos no Estado, temendo a desassistência a gerência de saúde mental e o Ministério Público passam a produzir fatos, ações e mecanismos, para pressionar o gestor a efetivar serviços e ações em saúde mental. Em reunião ordinária da Comissão Intergestores Bipartite - CIB do Piauí, do dia 16 de março de 2007 a Gerente de saúde mental apresenta um projeto para implantação em Teresina de um Caps tipo III, em função da necessidade; de critérios envolvendo parâmetros populacionais e deste município ser gestão plena do sistema de saúde. O referido projeto teve resistência da representante da Fundação Municipal de Saúde de Teresina que alegou na ocasião que esta instituição não participou da discussão em torno da criação de um Caps III (MINISTÉRIO PÚBLICO, 2007a). Um fato novo irá produzir uma mudança substancial no processo reformista estadual, que gira em torno do encerramento das atividades do Sanatório Meduna, a partir do final do 2º semestre de Em 21 de setembro de 2009 os dirigentes do Sanatório Meduna informam o risco de encerramento das atividades do serviço identificando como principal problema que o valor das diárias recebidas pelo Meduna não cobre as necessidades do hospital, possuindo um déficit de R$ 115 mil reais mensais sendo proposta a criação do Instituto Clidenor de Freitas como uma das soluções. Uma outra solução levantada foi o aumento no valor da diária de internação, de R$ 28,57 para R$ 67,57 reais (MINISTÉRIO PÚBLICO, 2009a). Vale lembrar que ao final de 2005 o município de Teresina inaugura dois Caps II, o Caps da zona norte e da zona leste, insuficientes para abarcar toda a demanda em saúde mental do município. Tal fato também ocorre sob exigência de um termo de ajustamento de conduta, determinado pelo Ministério Público.

8 Em 23/10/2009 é celebrado um Compromisso de Ajustamento de Conduta - TAC, entre o Ministério Público, os gestores do Estado do Piauí, do município de Teresina e dirigentes do Sanatório Meduna com vários objetivos, dentre os quais: realizar uma avaliação situacional e de diagnóstico dos pacientes que estão internados no Sanatório Meduna e no Hospital Areolino de Abreu ; implantar e implementar mais dois caps II e um Caps III no município de Teresina e instituir a Comissão Estadual de reorganização da rede extra hospitalar de saúde mental (MINISTÉRIO PUBLICO, 2009b). O Sanatório Meduna teve suas atividades encerradas para efeitos do SUS no dia 23 de maio de 2010, o que faz com que o Piauí encerre a primeira década do novo milênio com 160 leitos integrais pelo SUS. As conquistas da reforma psiquiátrica no contexto piauiense abrangem várias dimensões, envolvendo a qualificação dos recursos humanos através de cursos de capacitação, a criação de novos serviços que diversificaram a rede mas, a dimensão da gestão requer maiores investimentos, para que o processo em curso seja melhor compreendido pelos formuladores e implementadores da política, reorientando os serviços para os direitos de seus usuários, secundarizando os interesses da indústria da loucura, centrada nos procedimentos e na atenção biomédica, medicamentosa e e, autorizações de internações psiquiátricas. REFERÊNCIAS BRASIL. Saúde mental em dados 7 Edição especial IV Conferência Nacional de Saúde Mental Intersetorial. Ano V, nº 7, junho de LUCAS GUIMARÃES ; ROSA, L. C. S. ; CARVALHO, M. E. B.. (Con)textos em saúde mental: saberes, práticas e historias de vida. 1. ed. Teresina: EDUFPI, LANCETTI, A. Clinica peripatética. Políticas do desejo. 3ª Ed. São Paulo: Hucitec, MINISTÉRIO PÚBLICO DO PIAUÍ. Ata da reunião. Teresina: MP, 15/10/2009a. mimeo.. Termo de Ajustamento de Conduta entre o Município de Teresina, o Estado do Piauí e o Sanatório Meduna e o Ministério Público Estadual. Teresina: MP, 2009b.

9 PASSAMANI, Mauro Cezar. Reforma da assistência psiquiátrica no Piauí: representações sociais construídas pelos gestores e trabalhadores de saúde mental. Teresina: UFPI, 2005 (Dissertação de Mestrado em Ciências e Saúde). PIAUÍ. Balanço de realizações Teresina: Governo do Estado do Piauí, RESENDE, H. Política de saúde mental no Brasil: uma visão histórica. IN: TUNDIS, S; COSTA, N. Cidadania e loucura: políticas de saúde mental no Brasil. Petrópolis: Vozes, ROSA, L.C.S. Transtorno mental e o cuidado na família. São Paulo: Cortez, SARACENO, B. Libertando identidades: da reabilitação psicossocial à cidadania possível. Rio de Janeiro: Instituto Franco Basaliga/Te-Corá, 1999.

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 62 2011 Rede de Atenção Psicossocial Altera a portaria GM nº 1.169 de 07 de julho de 2005 que destina incentivo financeiro para municípios que desenvolvem Projetos de Inclusão Social pelo

Leia mais

Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município?

Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município? Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município? 1) Como deve ser a rede de saúde mental no seu município? A rede de saúde mental pode ser constituída por vários dispositivos

Leia mais

li'm(i)~mr:.\r&~ ~[~ ~~~ ~~~.l, ~~~:r,,~{íe.c.~ ~~ ~@)g ~ 1liiJ~mmrl!&

li'm(i)~mr:.\r&~ ~[~ ~~~ ~~~.l, ~~~:r,,~{íe.c.~ ~~ ~@)g ~ 1liiJ~mmrl!& li'm(i)~mr:.\r&~ ~[~ ~~~ ~~~.l, ~~~:r,,~{íe.c.~ ~~ ~@)g ~ 1liiJ~mmrl!& A RENTEGRACÃOSOCAL ~ É O MELHOR TRATAMENTO Na história da atenção às pessoas com transtornos mentais no Brasil, por muito tempo o

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná. Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná. Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014 A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014 Da segregação à conquista da cidadania 1980 mobilização dos usuários, familiares e trabalhadores de saúde visando

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde da População em Situação de Rua, com foco em Saúde Mental Consultório de Rua Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde

Leia mais

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas.

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas LEVANTAMENTO DOS MARCOS TEÓRICOS E LEGAIS DO CAPS CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL 1. Marco Teórico NORMATIVAS

Leia mais

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Fernanda Marques Paz 1 Dependência Química: prevenção, tratamento e politicas públicas (Artmed; 2011; 528 páginas) é o novo livro de Ronaldo

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de 2008 Apoio Matricial em Saúde Mental: a Iniciativa de

Leia mais

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010 COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL Brasília maio 2010 Audiência Pública: o avanço e o risco do consumo de crack no Brasil Francisco Cordeiro Coordenação de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas

Leia mais

Implementação da Lei 10.216 e a Política Nacional de Saúde Mental: cenário atual e perspectivas 2009. Workshop MPF 09 de outubro de 2008

Implementação da Lei 10.216 e a Política Nacional de Saúde Mental: cenário atual e perspectivas 2009. Workshop MPF 09 de outubro de 2008 Implementação da Lei 10.216 e a Política Nacional de Saúde Mental: cenário atual e perspectivas 2009 Workshop MPF 09 de outubro de 2008 Reforma Psiquiátrica e Política de Saúde Mental do SUS 1º momento:

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento em saúde Mental Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento - conceito O suporte realizado por profissionais e diversas áreas especializadas dado

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

NOTA TÉCNICA 16 2013. Política Nacional de Educação Popular em Saúde

NOTA TÉCNICA 16 2013. Política Nacional de Educação Popular em Saúde NOTA TÉCNICA 16 2013 Política Nacional de Educação Popular em Saúde Brasília, 20 de maio de 2013 INTRODUÇÃO A Política Nacional de Educação Popular em Saúde PNEP-SUS foi apresentada e aprovada no Conselho

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE... TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE... TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE... TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE..., representado, neste ato, pelos(as) Promotores(as) de Justiça das Comarcas de (NOMES),

Leia mais

ANEXO XI Saúde Indígena Introdução

ANEXO XI Saúde Indígena Introdução ANEXO XI Saúde Indígena Introdução A Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas, aprovada na 114ª Reunião Ordinária do Conselho Nacional de Saúde (em 8/11/2001) e sancionada pelo Ministro

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

Crack, é possível vencer

Crack, é possível vencer Crack, é possível vencer Prevenção Educação, Informação e Capacitação Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Autoridade Enfrentamento ao tráfico de drogas e às organizações criminosas

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação da Rede de Proteção Social de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação da Rede de Proteção Social de Araucária Mostra de Projetos 2011 Projeto de Implantação da Rede de Proteção Social de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa:

Leia mais

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO:

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO: PARECER TÉCNICO ASSUNTO: Solicitação de parecer acerca de Técnico de Enfermagem lotado no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de transtorno mental acompanhar paciente internado em outra instituição,

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas,

Leia mais

Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família

Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família Coordenadoria de Educação Permanente - CEP Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais Elaboração: Ana Marta Lobosque 2007 AULA

Leia mais

O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios

O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios Colegiado de Secretários Municipais de Saúde do Estado de PE COSEMS-PE O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios 2º Congresso Pernambucano de Municípios - AMUPE Gessyanne Vale Paulino Saúde Direito de todos

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal O QUE É? Conjunto de medidas, que pretende reorganizar o atendimento aos dependentes químicos na Rede do Sistema Único

Leia mais

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP Grupo de Trabalho da PPI Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP 29 de março de 2011 Considerando: O processo de regionalização dos Municípios, que objetiva a organização

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

A Política de Saúde Mental de Belo Horizonte. por uma sociedade sem manicômios

A Política de Saúde Mental de Belo Horizonte. por uma sociedade sem manicômios A Política de Saúde Mental de Belo Horizonte por uma sociedade sem manicômios UMA PÁTRIA SEM FRONTEIRAS, UMA CIDADE SEM PORTAS, DE CASAS SEM ARMADILHAS. UM JEITO SÓ DE VIVER, MAS NESSE JEITO, A VARIEDADE,

Leia mais

Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui a Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Renal;

Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui a Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Renal; SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 211, DE 15 DE JUNHO DE 2004 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições; Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui

Leia mais

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade. Gestão Democrática

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade. Gestão Democrática Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade Gestão Democrática Diagnóstico Em agosto de 2002, o Fórum de Educação da Zona Leste promoveu o 2º seminário Plano Local de Desenvolvimento Educativo. Realizado no

Leia mais

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPIA OCUPACIONAL UMA PROFISSÃO NATURALMENTE PARA A SAÚDE PUBLICA Senhor Gestor, gostaríamos de apresentar as possibilidades de cuidado que o terapeuta ocupacional oferece

Leia mais

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012 Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer SALVADOR/BA ABRIL de 2012 MARCOS HISTÓRICOS 1998: Adesão do Brasil aos princípios diretivos

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade. Brasília, outubro de 2009.

Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade. Brasília, outubro de 2009. Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade Brasília, outubro de 2009. O uso do crack e cocaína: contexto e estratégias de cuidados à saúde PEDRO GABRIEL DELGADO Coordenação de

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS, o Centro de Atenção Psicossocial de Álcool e outras Drogas 24 horas - CAPS AD III. O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE A realização do I Congresso Brasileiro sobre o Uso Racional de Medicamentos

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas RESULTADOS Setembro 2010 Parcerias Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República; Casa Civil da Presidência da República; Secretaria-Geral

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Ampliação da cobertura e qualidade dos serviços de saúde, com o aprimoramento

Leia mais

Modelos Assistenciais em Saúde

Modelos Assistenciais em Saúde 6 Modelos Assistenciais em Saúde Telma Terezinha Ribeiro da Silva Especialista em Gestão de Saúde A análise do desenvolvimento das políticas de saúde e das suas repercussões sobre modos de intervenção

Leia mais

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013 Seminário estratégico de enfrentamento da Tuberculose e Aids no Estado do Rio de Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS Maio, 2013 1.Detecção de casos e tratamento da tuberculose 1.1. Descentralizar

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

Cuidado. Prevenção. Autoridade. Crack, é possível vencer 2011-2014. Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários

Cuidado. Prevenção. Autoridade. Crack, é possível vencer 2011-2014. Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Prevenção Educação, Informação e Capacitação Cuidado Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Autoridade Enfrentamento ao tráfico de drogas e às organizações criminosas Crack, é

Leia mais

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência Programa Momento do Programa: Momento LOA+Créditos Tipo de Programa: Temático Macrodesafio Fortalecer a cidadania Eixo Direitos da Cidadania e Movimentos Sociais R$ 50.000.000 Notas de usuário para Programa

Leia mais

Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais

Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais Sistemas de Saúde Comparados Conformação dos sistemas de saúde é determinada por complexa interação entre elementos históricos, econômicos, políticos e

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 60 2011 Rede de Atenção Psicossocial Minuta de portaria que aprova as normas de funcionamento e habilitação do Serviço Hospitalar de Referência para atenção às pessoas com sofrimento ou transtorno

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL -Principais serviços que a Assistência Social possui para atendimento de idosos: - Proteção Social Básica (atendimento preventivo) - Centro de Convivência do Idoso - atualmente

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA Comitê Intersetorial Direito à Convivência Familiar e Comunitária Porto Alegre, 9 de outubro de 2012 DIRETRIZES Fundamentação Plano Nacional Efetivação

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

Audiência Pública no Senado Federal

Audiência Pública no Senado Federal Audiência Pública no Senado Federal Comissão de Educação, Cultura e Esporte Brasília DF, 7 de maio de 2008 1 Audiência Pública Instruir o PLS n o 026 de 2007, que Altera a Lei n o 7.498, de 25 de junho

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.216/2001 Modelo de Estrutura

IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.216/2001 Modelo de Estrutura IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.216/2001 Modelo de Estrutura Helvécio Miranda Magalhães Júnior Secretário Municipal de Saúde - Belo Horizonte Presidente do CONASEMS Lei 10.216/2001: um pouco da história Apresentada

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO GHC

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO GHC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO GHC - SUMÁRIO EXECUTIVO - CONSULTORES: César Augusto Tejera De Ré Fernando Bins Luce Luiz Antonio Slongo A FORMULAÇÃO DO PE DO GHC Entrevistas dos consultores com dirigentes

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. 15:04 1

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. 15:04 1 ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. 15:04 1 Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão no SUS-PNH Processos de trabalho e a interdisciplinaridade nas organizações

Leia mais

A visão da Academia sobre a Política de Saúde Mental Vigente no País. Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Departamento de Psiquiatria da UNIFESP

A visão da Academia sobre a Política de Saúde Mental Vigente no País. Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Departamento de Psiquiatria da UNIFESP A visão da Academia sobre a Política de Saúde Mental Vigente no País Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Departamento de Psiquiatria da UNIFESP Tópicos Transtorno Mental vs Sofrimento Psíquico Redução do investimento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 233/14 - CIB / RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 233/14 - CIB / RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 233/14 - CIB / RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS no uso de suas atribuições legais, e considerando: a Lei Federal nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, que regulamenta o Sistema Único

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO NA SAÚDE 1- Introdução: contextualização a iniciativa O curso

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012.

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) NORMAS DE FUNCIONAMENTO E HABILITAÇÃO DO SERVIÇO HOSPITALAR DE REFERÊNCIA ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Diário Oficial da União

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

Modelo de Plano de Ação

Modelo de Plano de Ação Modelo de Plano de Ação Para a implementação da Estratégia Multimodal da OMS para a Melhoria da Higiene das Mãos Introdução O Modelo de Plano de Ação é proposto para ajudar os representantes de estabelecimentos

Leia mais

OFICINA DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE GAYS, HSH E TRAVESTIS METAS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS

OFICINA DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE GAYS, HSH E TRAVESTIS METAS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS OFICINA DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE GAYS, HSH E TRAVESTIS METAS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS 1 Estimular 80% da população de gays, HSH e travestis do

Leia mais

Carta da Região Sudeste

Carta da Região Sudeste I FÓRUM ESTADUAL DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES I SEMINÁRIO SUDESTE DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES Carta da Região Sudeste Gestores da Saúde, Servidores da Saúde, Representantes de

Leia mais

PREFEITURA DO CABO DE SANTO AGOSTINHO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GERÊNCIA DE ATENÇÃO À SAÚDE COORDENAÇÃO DE SAÚDE MENTAL

PREFEITURA DO CABO DE SANTO AGOSTINHO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GERÊNCIA DE ATENÇÃO À SAÚDE COORDENAÇÃO DE SAÚDE MENTAL PREFEITURA DO CABO DE SANTO AGOSTINHO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GERÊNCIA DE ATENÇÃO À SAÚDE COORDENAÇÃO DE SAÚDE MENTAL OFICINA DE ATUALIZAÇÃO PERCURSOS FORMATIVOS NA RAPS CABO DE SANTO AGOSTINHO PERÍODO:

Leia mais

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO Januário Montone II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 23: Inovações gerenciais na saúde O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

Redes Intersetoriais no Campo da Saúde Mental Infanto-Juvenil

Redes Intersetoriais no Campo da Saúde Mental Infanto-Juvenil Redes Intersetoriais no Campo da Saúde Mental Infanto-Juvenil Cintia Santos Nery dos Anjos 1 O tema deste estudo refere-se a operacionalização da intersetorialidade no campo da Saúde Mental Infanto-Juvenil

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE INTERNACIONAL CONTEXTO HISTÓRICO -1978 Declaração de Alma Ata Cazaquistão: Até o ano de 2000 todos os povos do mundo deverão atingir um nível

Leia mais

FNTSUAS CARTA DE PRINCÍPIOS

FNTSUAS CARTA DE PRINCÍPIOS CARTA DE PRINCÍPIOS (versão rascunho em análise) I DA ORIGEM O Fórum Nacional de Trabalhadores/as do Sistema Único de Assistência Social foi concebido durante a VII Conferência Nacional de Assistência

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo:

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo: Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade Entrevista cedida à FGR em Revista por Gustavo de Faria Dias Corrêa, Secretário de Estado de Esportes e da Juventude de Minas Gerais. FGR: A Secretaria

Leia mais

Consulta Pública ESTRATÉGIAS

Consulta Pública ESTRATÉGIAS Plano Municipal de Educação PME Secretaria Municipal de Educação São Francisco do Sul Fórum Municipal de Educação Consulta Pública META 3: Universalizar, até 2016, o atendimento escolar para toda a população

Leia mais

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Smartcity Business América 2015 Curitiba PR Brazil Maio de 2015 Sociedades Inteligentes e Governaça Airton Coelho, MsC, PMP Secretário de Ciência e

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

Reforma Psiquiátrica e política de Saúde Mental no Brasil. Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental : 15 anos depois de Caracas

Reforma Psiquiátrica e política de Saúde Mental no Brasil. Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental : 15 anos depois de Caracas Reforma Psiquiátrica e política de Saúde Mental no Brasil Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental : 15 anos depois de Caracas Brasília, novembro de 2005 Ministério da Saúde Reforma

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal II JORNADA REGIONAL SOBRE DROGAS ABEAD/MPPE Recife, 9&10 Setembro Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria

Leia mais