ANEXO I EDITAL GUIA COMPLEMENTAR PARANÁ PROGRAMA SEBRAETEC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO I EDITAL 01 2014 GUIA COMPLEMENTAR PARANÁ PROGRAMA SEBRAETEC"

Transcrição

1 ANEXO I EDITAL GUIA COMPLEMENTAR PARANÁ PROGRAMA SEBRAETEC Núcleo de Inovação e Tecnologia Unidade de Ambiente de Negócios - Sebrae/PR Outubro de 2014

2 Sumário 1. APRESENTAÇÃO DO GUIA 1.1 Introdução Regras Nacionais do programa SEBRAETEC Objetivo e Público-alvo SERVIÇOS TECNOLÓGICOS Tipologias (Tipo de demanda) Área Temática NATUREZA SERVIÇOS DE INOVAÇÃO Tipologia SOLUÇÕES SEBRAE DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA VEDAÇÕES DE USO DOS RECURSOS PROCEDIMENTOS Procedimentos Operacionais para o Atendimento nas modalidades Orientação e Adequação Procedimentos Operacionais para o Atendimento na modalidade Diferenciação PAGAMENTO DE CLIENTES EM TODAS AS MODALIDADES Pagamento com cartão BNDES ADENDOS I.Fichas técnicas/tipologias (Tipo de Demanda)... II.Fichas técnicas/áreas temáticas e serviços... III.Modelos de declarações e atestados para cadastramento... IV.Modelo de Termo de Acordo, de Renúncia e Minuta do contrato com a Entidade Executora... V.Modelos de Termos emitidos pelo sistema e de relatórios... VI.Quadro integrado das áreas temáticas e modalidades... 2

3 1. APRESENTAÇÃO DO GUIA 1.1 Introdução O presente GUIA COMPLEMENTAR DO PROGRAMA SEBRAETEC PARANÁ, ANEXO 1 DO EDITAL , tem por objetivo disciplinar a operacionalização desse mecanismo, no que se refere ao acesso das empresas demandantes, ao cadastramento das entidades executoras, aos procedimentos e à gestão do Programa pelo Sebrae/PR. 1.2 Regras Nacionais do programa SEBRAETEC O Sebrae/PR apresenta abaixo os principais itens do Regulamento Nacional do Programa SEBRAETEC, onde estão as informações que estabelecem sua finalidade e as regras gerais do programa que, por sua vez, são necessárias para o conhecimento de todos os atores envolvidos: colaboradores do Sebrae/PR, entidades executoras cadastradas no programa no estado, clientes interessados e potenciais parceiros estratégicos. Definição do Programa O Programa SEBRAETEC - Serviços em Inovação e Tecnologia é um dos instrumentos de realização da política nacional do SEBRAE de promoção da Extensão Tecnológica para pequenos negócios. O Programa tem por objetivo garantir ao seu público-alvo o acesso subsidiado a serviços tecnológicos, visando à melhoria de processos, produtos e serviços ou à introdução de inovações nas empresas e mercados. O Programa SEBRAETEC poderá ser executado mediante parcerias do Sebrae/PR com outras instituições, públicas ou privadas, em ações complementares às desenvolvidas, aplicando-se àquelas as mesmas diretrizes estabelecidas neste Regulamento. Modalidades de atendimento O SEBRAETEC é constituído pelas seguintes Modalidades de Atendimento, definidas a partir do resultado que se propõem a obter: (a) ORIENTAÇÃO: serviços de baixa complexidade tecnológica para orientar a empresa na melhoria de seu processo produtivo ou no ajustamento deste a exigências legais; (b) ADEQUAÇÃO: serviços de média e alta complexidade tecnológica para adequar a empresa às demandas legais e/ou do mercado ou alterar de forma significativa os seus produtos / serviços ou processo produtivo; 3

4 (c) DIFERENCIAÇÃO: serviços de pesquisa e desenvolvimento para diferenciação da empresa em seu mercado de atuação; (d) AGLOMERAÇÃO PRODUTIVA: serviços de alavancagem de um fator de competitividade tecnológico comum a um grupo de empresas. Os atendimentos em cada uma das Modalidades obedecerão aos seguintes parâmetros: Modalidade Serviços Valor máximo do projeto/ proposta (R$) Análise Laboratorial Capacitação Tecnológica ORIENTAÇÃO Clinica Tecnológica Diagnóstico Tecnológico Oficina Tecnológica Aperfeiçoamento Tecnológico Certificação ADEQUAÇÃO Desenvolvimento de Máquinas e Equipamentos Ensaio Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica Desenvolvimento de Novo Modelo de Negócio DIFERENCIAÇÃO Desenvolvimento de Novo Produto Desenvolvimento de Novo Serviço AGLOMERAÇÃO PRODUTIVA Inovação no Encadeamento Produtivo Inovação no Setor Produtivo Inovação no Território Produtivo Será limitado o acesso das EMPRESAS DEMANDANTES a 2 (dois) serviços na Modalidade ADEQUAÇÃO e 1 (um) serviço na Modalidade DIFERENCIAÇÃO a cada ano. O MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL somente poderá ter acesso aos serviços da Modalidade ORIENTAÇÃO. 4

5 Subsídio O acesso aos serviços ofertados pelo SEBRAETEC será subsidiado pelo SEBRAE em 80% do valor máximo do projeto/proposta para o cliente atendido. O acesso do MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL será subsidiado em 100%. 1.3 Objetivo e Público-alvo O Programa SEBRAETEC visa à melhoria de processos, produtos, serviços ou à introdução de inovações nas empresas e mercados, garantindo ao seu públicoalvo o acesso subsidiado a serviços tecnológicos, O programa tem como principais objetivos: a) Fortalecer a capacidade competitiva dos pequenos negócios paranaenses; b) Estimular a transferência de tecnologia entre instituições e empresas; c) Superar gargalos tecnológicos; d) Estimular o processo de inovação e tecnologia nos pequenos negócios. O público-alvo do SEBRAETEC é formado por clientes do Sistema SEBRAE com CNPJ, registro de produtor rural ou de pescador válidos, individualmente ou em grupo, cujo faturamento anual não ultrapasse o valor previsto(*) na Lei Geral da Micro e Pequena Empresa - 123/06. (*) na legislação vigente esse valor é de R$ ,00 (três milhões e seiscentos mil reais) 2. SERVIÇOS TECNOLÓGICOS Os serviços tecnológicos do SEBRAETEC serviços que visam orientar ou intervir na empresa para sua melhoria produtiva são classificados ainda por: TIPOLOGIA e ÁREA TEMÁTICA. 2.1 Tipologias (Tipo de demanda) O PORTFÓLIO SEBRAETEC classifica os serviços tecnológicos segundo a sua TIPOLOGIA em: a) ANÁLISE LABORATORIAL: serviço de investigação por meio de análises, podendo ser itinerante. 5

6 b) CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA: serviço de treinamento para a adoção de funcionalidades e técnicas de incremento produtivo. c) CLINICA TECNOLÓGICA: serviço que visa realizar uma avaliação coletiva de questões tecnológicas de um mesmo segmento. d) DIAGNÓSTICO TECNOLÓGICO: serviço que visa realizar uma avaliação situacional de determinado fator produtivo, com orientações de soluções a serem adotadas. e) OFICINA TECNOLÓGICA: serviço que visa realizar uma orientação prática coletiva sobre um determinado fator produtivo. f) APERFEIÇOAMENTO TECNOLÓGICO: serviço que visa adequar processo(s) ou produto(s)/serviço(s) como medida de melhoria de algum fator produtivo. g) CERTIFICAÇÃO: serviço que visa auditar e conferir / manter certificado de reconhecimento das adequações de processo(s), produto(s), serviço(s) ou sistema(s) a padrões escritos previamente definidos. h) DESENVOLVIMENTO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS: Serviço de melhoria significativa de ferramentas utilizadas no processo produtivo. i) ENSAIO: determinação de uma ou mais características de uma amostra do processo, produto ou serviço, de acordo com um procedimento especificado. Este serviço abrange o de Etiquetagem. ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA: serviço de análise quanto à viabilidade técnica e econômica da implementação de determinado(s) processo(s), produto(s)/serviço(s) ou tecnologia(s). 2.2 Área Temática O PORTFÓLIO SEBRAETEC classifica os serviços tecnológicos segundo a ÁREA TEMÁTICA em: a) DESIGN: atividade que busca soluções criativas e inovadoras com o objetivo de estabelecer qualidades multifacetadas de objetos e serviços, considerando fatores como materiais, ergonomia, aplicações planas e não planas. b) INOVAÇÃO: implantação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente melhorado, ou um processo, ou um novo método de marketing, ou um novo método organizacional, nas práticas de negócios, na organização do local de trabalho ou nas relações externa que tragam benefícios econômicos ou financeiros para a empresa. c) PRODUTIVIDADE: atividades que permitem o aumento da eficiência do processo produtivo, ajustando ou implantando qualquer tipo de processo, procedimento ou técnica com o objetivo de diminuir os custos de produção por meio da eliminação de desperdícios, minimização de distância e perdas com refugos. d) PROPRIEDADE INTELECTUAL: serviços de apoio à empresa na obtenção de registros, concedidos pelo Estado, que tratam dos direito sobre bens, representando uma vantagem competitiva. e) QUALIDADE: grupo de características percebidas pelo cliente de um produto/serviço e estabelecidas como formas de satisfação destes clientes. São mensuradas a partir de parâmetros (indicadores) estabelecidos como padrão pelo cliente ou descritos em normas. 6

7 f) SUSTENTABILIDADE: Ações, procedimentos, processos e produtos que têm por objetivo alinhar o negócio às exigências de mercado de cunho ambiental e/ou social. g) TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: tecnologias que interferem e medeiam os processos informacionais e comunicativos das pessoas e das empresas, integrando um conjunto de recursos tecnológicos (hardware, software e telecomunicações) que proporcionam a automação e comunicação dos processos de negócios da empresa. 3. NATUREZA O PORTFÓLIO SEBRAETEC classifica os serviços tecnológicos e de inovação segundo a sua NATUREZA em: a) AUDITORIA: serviço de verificação, com ênfase nos aspectos técnicos da empresa, com foco nas instalações, equipamentos, padrões e pessoal, dos requisitos de determinada regulamentação ou norma. b) CONSULTORIA: serviço que busca realizar uma análise do caso concreto para indicação de uma solução específica de ordem prática, baseada em experiências prévias bem-sucedidas. c) LABORATÓRIO: serviço realizado em espaço específico, com características e equipamentos próprios, onde se pode realizar exames, análises, simulações, testes, ensaios, medições, etc., para a investigação científica. d) PESQUISA E DESENVOLVIMENTO: serviço de criação de soluções tecnológicas customizadas, a partir de técnicas reconhecidas. e) TREINAMENTO: capacitação de empresários nas técnicas e tecnologias a serem introduzidas na empresa. 4. SERVIÇOS DE INOVAÇÃO Além de serviços tecnológicos, o SEBRAETEC apoia serviços de inovação, que devem ser entendidos como o desenvolvimento de um processo de incremento tecnológico focado na competitividade. Para aplicação, devem ser considerados: Estratégia de desenvolvimento do setor / território. Práticas de Inteligência de mercado. Mercados-alvo a serem atingidos. Infraestrutura tecnológica disponível. Nas MODALIDADES que contemplarão esse portfólio de serviços DIFERENCIAÇÃO e AGLOMERAÇÃO PRODUTIVA, a lógica de fomento não será de oferta contínua, mas por meio de chamadas de projetos, que definirão, previamente: TERRITÓRIO, SEGMENTO EMPRESARIAL ou PRODUTIVO, TIPOLOGIA e PRAZO de oferta. 7

8 4.1 Tipologia O PORTFÓLIO SEBRAETEC classifica os serviços de inovação segundo a sua TIPOLOGIA em: a) Desenvolvimento de Novo Produto / Serviço: Serviço de apoio a projetos de desenvolvimento de novo produto ou serviço que promovam uma alteração significativa na empresa e agregação de valor para seus clientes. b) Desenvolvimento de Novo Modelo de Negócio: Serviço de apoio a projetos de desenvolvimento de novo modelo de negócio que promovam uma alteração: na sua agregação de valor, na sua segmentação de clientes ou forma de obtenção de receitas. c) Projeto de apoio à inovação no Encadeamento, Setor ou Território Produtivo: Serviço de apoio a projetos de implementação de determinada técnica ou tecnologia como solução a uma demanda coletiva. 5. SOLUÇÕES SEBRAE DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA Para dar escala à oferta de serviços nos subtemas prioritários do SEBRAETEC, o SEBRAE, em conjunto com empresas de referência científica e tecnológica no território nacional, desenvolve soluções tecnológicas. Solução é toda metodologia de prestação de um serviço tecnológico como resposta para uma determinada demanda em Inovação e Tecnologia e que, necessariamente: pode ter sua aplicação registrada como atendimento; apresenta um descritivo da metodologia que permite sua replicação nacional; e admite algum tipo de avaliação pelo cliente atendido. Somente serão inclusas no Portfólio SEBRAETEC as soluções multiplicadas pela Universidade Corporativa, incluindo suas unidades estaduais, a quem cabe a capacitação da rede de Prestadores de Serviços Tecnológicos sobre as diretrizes e regras do Programa e do Sistema SEBRAE. As Prestadoras de Serviços somente poderão aplicar as soluções SEBRAE após serem capacitadas nas respectivas metodologias pelo SEBRAE. O cadastro de uma solução no sistema nacional de registro de atendimento SiacWeb ou CRM, classificada em um dos Focos Temáticos de Inovação, implica, automaticamente, a inclusão da mesma no Portfólio SEBRAETEC. 6. VEDAÇÕES DE USO DOS RECURSOS Os recursos do SEBRAE não poderão ser utilizados para financiar: 8

9 a) despesas com contratação de pessoal em caráter permanente da ENTIDADE EXECUTORA; b) despesas de pagamento de pessoal pertencente ao quadro funcional da EMPRESA DEMANDANTE; c) despesas com finalidade diversa da estabelecida no contrato, ainda que em caráter de emergência; d) despesas a título de multa, juros ou correção monetária, impostos, encargos sociais e demais obrigações fiscais, securitárias e tributárias de responsabilidade exclusiva da ENTIDADE EXECUTORA; e) aquisição de bens móveis, imóveis e realização de despesas relacionadas a benfeitorias em imóveis; f) impressões e produções de materiais; g) desenvolvimento de software de gestão. 7. PROCEDIMENTOS 7.1 Procedimentos Operacionais para o Atendimento nas modalidades Orientação e Adequação As demandas que ocorrerem sejam coletivas ou individuais serão atendidas dentro da seguinte sequência de procedimentos: a) As empresas interessadas devem buscar atendimento junto ao Sebrae/PR em cuja jurisdição geográfica estiverem sediadas; b) Cada empresa que manifestar interesse nos benefícios do Programa e tiver sua demanda nele enquadrada será cadastrada pelo consultor do Sebrae/PR; c) Esse cadastro, que se denominará Termo de Adesão, conterá as informações cadastrais da empresa e do projeto que pretende desenvolver, bem como aceite do cliente que participará de pesquisa de satisfação ao término do trabalho e de pesquisa de efetividade após 90 e 180 dias do término do trabalho. d) O consultor do Sebrae/PR, após constatar a pertinência do interesse do empresário e o potencial de enquadramento do seu pedido no Programa, acessará o sistema e, em conjunto, deverão preencher os dados solicitados. Será emitido o termo de adesão. Neste formulário, entre outras informações, a empresa se identifica, descreve o tipo da demanda 9

10 requerida e indica a instituição que, na sua ótica, melhor se ajuste para atendê-la; e) O consultor do Sebrae/PR encaminhará, pela via eletrônica, a demanda à ENTIDADE EXECUTORA especializada eleita pelo cliente para o atendimento; f) A ENTIDADE EXECUTORA TECNOLÓGICOS acionada terá um prazo máximo de 3 (três) dias úteis para aceitar ou recusar a demanda, com a devida justificativa; g) A ação seguinte da ENTIDADE EXECUTORA pode variar se a demanda for coletiva ou se for individual, conforme descrito abaixo: I. No caso de demanda coletiva a ENTIDADE EXECUTORA fará um plano de trabalho, com cronograma e orçamento, que será encaminhado via sistema, no prazo máximo de 10 (dez) dias úteis para aprovação do Sebrae/PR; II. No caso de demanda individual a ENTIDADE EXECUTORA fará contato com a empresa demandante para entender sua real necessidade, sendo que a mesma deverá alinhar as expectativas do atendimento com o cliente, esclarecer o que estará e o que não estará incluso na proposta, validar as atividades, os prazos e o custo e, em comum acordo, definir um plano de trabalho, com cronograma e orçamento, que será encaminhado via sistema, no prazo máximo de 10 (dez) dias úteis para aprovação do Sebrae/PR; h) O consultor do Sebrae/PR, se for o caso, aprova a proposta no prazo de 2 dias úteis contados da data do recebimento do Plano de trabalho, que deverá ser homologado pelo gerente da regional do Sebrae/PR correspondente; i) O gerente da Regional do Sebrae/PR, se for o caso, homologa a proposta no prazo de 3 dias úteis contados da data do recebimento do Plano aprovado pelo consultor, autorizando a realização do projeto nas condições estabelecidas; j) As partes empresa demandante, ENTIDADE EXECUTORA e Sebrae/PR pactuam o compromisso de implementação do projeto, no próprio Termo de Compromisso (que, para esse fim, será impresso); 10

11 k) No mesmo ato, a empresa cliente escolhe a forma de pagamento de acordo com as opções disponíveis para o seu projeto; l) O Sebrae/PR pagará integralmente o custo dos serviços à ENTIDADE EXECUTORA (ou seja, a PRESTADORA DE SERVIÇOS TECNOLÓGICOS não receberá qualquer valor da empresa beneficiada). m) O pagamento do SEBRAE PR à ENTIDADE EXECUTORA será parcelado em três vezes, sendo 30% do valor total na autorização do serviço via sistema com a inserção de todo plano de trabalho desenvolvido e aprovado pelo cliente, 40% do valor total após 50 a 60 % do trabalho executado mediante relatório de acompanhamento preenchido, assinado pelo cliente e inserido via sistema e 30% do valor total ao final do trabalho mediante apresentação de termo de conclusão assinado pelo cliente. n) A ENTIDADE EXECUTORA realizará os trabalhos conforme previsto no Plano de Trabalho; o) Uma vez concluídos os trabalhos, a ENTIDADE EXECUTORA apresenta à empresa demandante o Termo de Conclusão para que a mesma assine e valide os trabalhos realizados e o atendimento aos resultados esperados com a prestação de serviços; p) O Escritório Regional do Sebrae/PR instrui os processos para pagamento da ENTIDADE EXECUTORA ; q) A ENTIDADE EXECUTORA encaminha ao Escritório Regional do Sebrae/PR as notas fiscais/faturas; r) O Sebrae/PR efetua o pagamento das notas fiscais/faturas da ENTIDADE EXECUTORA ; s) Para projetos cujo pagamento seja realizado de forma parcelada, o cliente que não efetuar o pagamento nas datas previstas no Termo de Compromisso terá suspensa a execução dos serviços até a data de sua regularização. t) Em caso de desistência ou suspensão do projeto por inadimplência da empresa cliente, o Sebrae/PR efetuará o pagamento dos honorários para a ENTIDADADE EXECUTORA, na proporção dos serviços efetivamente prestados. 11

12 u) Cabe aos Escritórios Regionais o acompanhamento do projeto. 7.2 Procedimentos Operacionais para o Atendimento na modalidade Diferenciação As demandas que ocorrerem serão atendidas através de chamada de projetos, dentro da seguinte sequência de procedimentos: a) a seleção das empresas demandantes será através de chamada de projetos com banca examinadora b) a empresa demandante deverá escolher a ENTIDADE EXECUTORA cadastrada nessa modalidade, fazendo contato com a mesma; c) a ENTIDADE EXECUTORA terá um prazo máximo de 5 (cinco) dias úteis para aceitar ou recusar a demanda, com as devidas justificativas; d) a ENTIDADE EXECUTORA, após o aceite, faz contato com a empresa demandante para entender sua real necessidade, sendo que a mesma deverá alinhar as expectativas do atendimento com o cliente, esclarecer o que estará e o que não estará incluso na proposta, validar as atividades, os prazos e o custo e, em comum acordo, definem um projeto de acordo com modelo constante no Guia de Orientação, detalhando aspectos técnicos, atividades, resultados esperados, cronograma e orçamento proposto. e) Enviar ao endereço identificado na chamada até a data máxima prevista; f) A ENTIDADE EXECUTORA deve participar em conjunto com a empresa demandante da apresentação para a banca examinadora, conforme agenda disponibilizada pelo SEBRAE. g) Após emissão do resultado da seleção dos projetos para a chamada ou edital, se o projeto apresentado foi selecionado, o mesmo será inserido no sistema SEBRAETEC por um consultor do SEBRAE e a ENTIDADE EXECUTORA dará continuidade ao atendimento via sistema SEBRAETEC h) no sistema eletrônico a instituição deverá detalhar o orçamento e prazos de execução e encaminhar o projeto ao Sebrae/PR para validação; 12

13 i) a proposta segue para a Comissão de Avaliação, que aprovando encaminha o projeto para o consultor do Sebrae/PR responsável pelo projeto para encerramento, ou continuidade. j) as partes empresa demandante, ENTIDADE EXECUTORA e Sebrae/PR pactuam o compromisso de implementação do projeto, no próprio Termo de Compromisso (que, para esse fim, será impresso); k) no mesmo ato, a empresa cliente escolhe a forma de pagamento de acordo com as opções disponíveis para o seu projeto; l) o Sebrae/PR pagará a ENTIDADE EXECUTORA em três parcelas, sendo que: I. o valor será pago integralmente pelo SEBRAE II. o pagamento do SEBRAE PR à ENTIDADE EXECUTORA será parcelado em três vezes, sendo 30% do valor total na autorização do serviço via sistema com a inserção de todo plano de trabalho desenvolvido e aprovado pelo cliente, 40% do valor total após 50 a 60 % do trabalho executado mediante relatório de acompanhamento preenchido, assinado pelo cliente e inserido via sistema e 30% do valor total ao final do trabalho mediante apresentação de termo de conclusão assinado pelo cliente m) a ENTIDADE EXECUTORA realizará os trabalhos conforme previsto no projeto; n) uma vez concluídos os trabalhos, a ENTIDADE EXECUTORA recebe da empresa beneficiária o Termo de Conclusão dos trabalhos realizados; o) para projetos cujo pagamento seja realizado de forma parcelada, o cliente que não efetuar o pagamento nas datas previstas no contrato terá suspensa a execução dos serviços até a data de sua regularização; p) em caso de desistência ou suspensão do projeto por inadimplência da empresa cliente, o Sebrae/PR efetuará o pagamento dos honorários para a ENTIDADE EXECUTORA, na proporção dos serviços efetivamente prestados; q) cabe aos Escritórios Regionais o acompanhamento do projeto. 13

14 8. PAGAMENTO DE CLIENTES EM TODAS AS MODALIDADES O pagamento dos serviços SEBRAETEC pelas empresas clientes será o mesmo que o determinado pelo Sebrae/PR para as demais soluções. Desta forma, a norma vigente no período da efetivação do recebimento, deverá ser atendida. O projeto terá sua execução iniciada após o pagamento de pelo menos 1 parcela da contrapartida do cliente, excetuando-se casos específicos autorizados pelos gerentes regionais do Sebrae/PR ou pela diretoria. 8.1 Pagamento com cartão BNDES O cliente portador do Cartão BNDES poderá utilizar essa forma de pagamento para contrapartida do SEBRAETEC. O pagamento com Cartão BNDES permitirá um parcelamento maior da contrapartida, de acordo com a disponibilidade de crédito concedido pelo banco emissor ao cliente. O Cartão BNDES permitirá ao cliente do Sebrae/PR o pagamento de sua contrapartida (*) de forma parcelada de acordo com as condições de financiamento do Cartão BNDES. O número máximo de parcelas, bem como o valor mínimo da parcela são definidos pelo BNDES, podendo ser alteradas a qualquer momento a seu exclusivo critério. (*) A contrapartida do EVTE não pode ser financiada pelo Cartão BNDES. 14

15 9. ADENDOS I. Fichas técnicas/tipologias (Tipo de Demanda) II. III. IV. Fichas técnicas/áreas temáticas e serviços Modelos de declarações e atestados para cadastramento Modelo de Termo de Acordo, de Renúncia e Minuta do contrato com a Entidade Executora V. Modelos de Termos emitidos pelo sistema e de relatórios VI. Quadro integrado das áreas temáticas e modalidades 15

16 ADENDO I FICHAS TÉCNICAS - TIPOLOGIAS (TIPO DE DEMANDA) 1. Análise Laboratorial Conceito Natureza Abordagem Modalidade Requisitos Resultado Esperado Forma de Avaliação Serviço de investigação por meio de análises, podendo ser itinerantes. Laboratorial. Individual Orientação. Delimitação do(s) processo(s) e/ou produto(s) avaliado(s) e o subtema relacionado. Relatório final de análise para o cliente. Relatório descritivo da análise realizada, que apresente ao cliente atendido, de forma clara e detalhada, as conclusões obtidas. Percentual de satisfação do cliente avaliado. Percentual de diagnósticos que resultaram numa ação do cliente. 2. Capacitação Tecnológica Conceito Natureza Serviço de treinamento para adoção de funcionalidades e técnicas de incremento produtivo. Treinamento Abordagem Coletiva Participantes De 10 a 30 participantes Modalidade Requisitos Orientação. Delimitação do(s) processo(s) e/ou produto(s) abordado(s) e o subtema relacionado Metodologia de abordagem, com critérios de avaliação definidos. 16

17 Resultado Esperado Forma de Avaliação Avaliação positiva sobre o aprendizado do cliente nos conteúdos abordados. Percentual de satisfação do cliente avaliado. Percentual de clientes concluintes com avaliação positiva. 3. Clínica Tecnológica Conceito Natureza Serviço que visa realizar uma avaliação coletiva de questões tecnológicas de um mesmo segmento. Consultoria Abordagem Coletiva Participantes De 05 a 10 participantes Modalidade Requisitos Orientação. Delimitação do(s) processo(s) e/ou produto(s) abordado(s) e o subtema relacionado Especificação detalhada da técnica ou tecnologia a ser demonstrada. Metodologia de abordagem. Resultado Esperado Forma de Avaliação Avaliação positiva sobre a aptidão do cliente para implementar em seu negócio a técnica ou tecnologia demonstrada. Percentual de satisfação do cliente avaliado. Percentual de clientes concluintes com avaliação positiva. 4. Diagnóstico Tecnológico Conceito Natureza Abordagem Serviço que visa realizar uma avaliação situacional de determinado fator produtivo, com orientações de soluções a serem adotadas. Consultoria. Individual 17

18 Modalidade Requisitos Resultado Esperado Forma de Avaliação Orientação. Delimitação do(s) processo(s) e/ou produto(s) avaliado(s) e o subtema relacionado. Questionário de avaliação. Metodologia de análise das respostas ao questionário. Relatório analítico sobre o(s) processo(s) / tecnologia(s) e/ou produto(s) / serviço(s) avaliado(s), indicando, de forma específica e detalhada, pontos de ação para o empresário. Percentual de satisfação do cliente avaliado. Percentual de diagnósticos que resultaram numa ação do cliente. 5. Oficina Tecnológica Conceito Natureza Serviço que visa realizar uma orientação prática coletiva sobre um determinado fator produtivo. Treinamento Abordagem Coletiva Participantes De 05 a 20 participantes Modalidade Requisitos Orientação. Delimitação do(s) processo(s) e/ou produto(s) abordado(s) e o subtema relacionado Especificação detalhada da técnica ou tecnologia a ser demonstrada. Metodologia de abordagem, com critérios de avaliação definidos. Resultado Esperado Forma de Avaliação Atividade prática bem sucedida de demonstração pelo empresário participante do aprendizado obtido. Percentual de satisfação do cliente avaliado. Percentual de clientes concluintes com avaliação positiva. 18

19 6. Aperfeiçoamento Tecnológico Conceito Natureza Abordagem Modalidade Requisitos Serviço que visa adequar processo(s) ou produto(s)/serviço(s) como medida de melhoria de algum fator produtivo, identificada no Diagnóstico Tecnológico que o precede. Consultoria. Individual Adequação. Delimitação do(s) processo(s) e/ou produto(s) trabalhado(s) e o tema relacionado. Metodologia de abordagem, com objetivos definidos. Relatório final para o cliente. Resultado Esperado Forma de Avaliação Adequação do(s) processo(s) ou produto(s) trabalhado(s). Percentual de satisfação do cliente avaliado. Percentual de adequações concluídas satisfatoriamente. 7. Certificação Conceito Natureza Abordagem Modalidade Requisitos Serviço que visa auditar e conferir / manter certificado de reconhecimento das adequações de processo(s), produto(s), serviço(s) ou sistema(s) a padrões escritos previamente definidos. Auditoria Individual Adequação. Delimitação do(s) processo(s) ou produto(s) certificado e o subtema relacionado. Metodologia de trabalho, com etapas de realização definidas. Relatório final para o cliente. 19

20 Resultado Esperado Forma de Avaliação Certificação do(s) processo(s) ou produto(s) auditado(s). Percentual de satisfação do cliente avaliado. Percentual de certificações concluídas com Certificado. 8. Desenvolvimento de Máquinas e Equipamentos Conceito Natureza Abordagem Modalidade Requisitos Serviço de melhoria significativa de ferramentas utilizadas no processo produtivo. Pesquisa e Desenvolvimento Individual Adequação. Delimitação do(s) equipamento(s) ou maquinário(s) relacionado. Metodologia de trabalho, com etapas de realização definidas. Relatório final para o cliente. Resultado Esperado Forma de Avaliação Melhoria do(s) equipamento(s) ou maquinário(s) relacionado. Percentual de satisfação do cliente avaliado. Percentual de melhorias em equipamentos/máquinas concluídas. 9. Ensaio Conceito Determinação de uma ou mais características de uma amostra do processo, produto ou serviço, de acordo com um procedimento especificado. Este serviço abrange o de Etiquetagem. Natureza Laboratório Abordagem Individual Modalidade Adequação. Requisitos Delimitação do(s) processo(s) ou produto(s) ou serviço(s) a 20

21 serem determinados Metodologia de trabalho, com etapas de realização definidas. Relatório final para o cliente. Resultado Esperado Forma de Avaliação Processo(s) ou produto(s) ou serviço(s) analisado(s). Percentual de satisfação do cliente avaliado. Percentual de certificações concluídas com Certificado. 10. Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica Conceito Natureza Abordagem Modalidade Requisitos Serviço de análise quanto à viabilidade técnica e econômica da implementação de determinado(s) processo(s), produto(s) ou tecnologia(s). Serviços de elaboração de projetos para captação de recursos junto a instituições de fomento, tal qual FINEP. Consultoria. Individual Adequação. Delimitação do(s) processo(s), produto(s) ou tecnologia(s) avaliado(as) e o subtema relacionado. Metodologia de trabalho, com objetivos definidos. Relatório final para o cliente. Resultado Esperado Forma de Avaliação Relatório conclusivo sobre a viabilidade do(s) processo(s), produto(s) ou tecnologia(s) avaliado(s), indicando, de forma específica e detalhada, pontos de atenção para o empresário. Percentual de satisfação do cliente avaliado. Percentual de estudos que resultaram numa ação do cliente. 21

22 11. Desenvolvimento de Novo Produto / Serviço Conceito Natureza Abordagem Modalidade Requisitos Resultado Esperado Forma de Avaliação Serviço de apoio a projetos de desenvolvimento de novo produto ou serviço que promovam uma alteração significativa na empresa e agregação de valor para seus clientes. Pesquisa e Desenvolvimento Individual Diferenciação Realização prévia do serviço Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica. Delimitação do processo, produto e o subtema relacionado. Metodologia de trabalho, com etapas de realização definidas. Relatório final para o cliente. Novo Produto desenvolvido. Quantidade de novos produtos. Aumento do faturamento. 12. Desenvolvimento de Novo Modelo de Negócio Conceito Serviço de apoio a projetos de desenvolvimento de novo modelo de negócio que promovam uma alteração ou na sua agregação de valor, na sua segmentação de clientes ou forma de obtenção de receitas. Natureza Pesquisa e Desenvolvimento Abordagem Individual Modalidade Diferenciação Realização prévia do serviço Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica. Requisitos Delimitação do modelo trabalhado. Metodologia de trabalho, com etapas de realização definidas. Relatório final para o cliente. Resultado Novo Produto desenvolvido. Esperado 22

23 Forma de Avaliação Novo modelo empregado. Aumento do faturamento. 13. Projeto de apoio à inovação no Encadeamento,Setor ou Território Produtivo Conceito Natureza Abordagem Modalidade Requisitos Resultado Esperado Forma de Avaliação Observação Serviço de apoio a projetos de implementação de determinada técnica ou tecnologia como solução a uma demanda coletiva. Pesquisa e Desenvolvimento Coletivo Aglomeração Produtiva Delimitação da demanda coletiva. Metodologia de trabalho, com etapas de realização definidas. Relatório final para o cliente. Solução da demanda coletiva identificada e implementada. Percentual de demandas coletivas solucionadas. Percentual de satisfação do grupo. Este tipo de serviço é destinado exclusivamente às demandas EXTERNAS às empresas. As demandas INTERNAS, ainda que compartilhadas por um grupo, serão atendidas pelos serviços das MODALIDADES ORIENTAÇÃO e ADEQUAÇÃO, inclusive quando a solução coletiva implicar algum um processo de implantação INTERNO. Assim, no mesmo projeto de atendimento, estarão previstos serviços de diversas MODALIDADES, individuais ou coletivos. 23

24 ADENDO II FICHAS TÉCNICAS - ÁREAS TEMÁTICAS E SERVIÇOS 1. Design Processo estratégico, criativo e técnico que colabora para a criação de produtos e serviços diferenciados. Fatores como estética, insumos, ergonomia, funções, custos, gestão do processo projetual e impacto ambiental são considerados no desenvolvimento de projetos que utilizam o design. Planejamento e arranjo de espaços físicos de Descritivo acordo com padrões de alta gestão, funcionalidade Design de Ambiente Design de Comunicação (*) Design de Produto (**) Design de Serviço Atuação Descritivo Atuação Descritivo Atuação Descritivo Atuação e estética. Elaboração de projeto visual; planejamento de espaços, postos e estações de trabalho, chão de fábrica, ponto de venda, vitrines, recepção, áreas de circulação,sinalização; fachada, paisagismo, luminotécnico; confecção de maquetes. Atividades focadas na construção de mensagens diretas e indiretas, necessárias para a interatividade de produtos e/ou serviços com o consumidor final. identidade corporativa (diagnóstico, naming e brandbook); design gráfico ( programa de identidade visual, marca, manual de identidade visual, papelaria, sinalização, sinalização frota, promocional, editorial, ilustração, embalagem, digital/design de interfaces); produção de fotos técnicas e tratamento de imagem; corner PDV; cenografia. Atividades direcionadas à concepção, criação e produção de objetos tridimensionais. planejar/conceber mobiliário, joias, têxtil e confecção, calçados, objetos de uso pessoal, utensílios domésticos e de decoração, eletrodomésticos e eletroeletrônicos, iluminação, acessórios de construção civil, transportes, mobiliário urbano, máquinas e ferramentas, jogos e brinquedos, material esportivo, produtos médicohospitalares etc. Medidas que tornam o serviço prestado consistente, diferenciado e alinhado com a estratégia da empresa. serviço e plano de implementação de projetos de design; consultoria de design thinking (ferramenta de inovação; que se vale de técnicas que os designers usam para resolver problemas. Envolve geração de ideias sem juízo de valor, experimentação, prototipagem rápida e interação com os clientes no processo de co-criação). 24

25 (*) DESIGN DE COMUNICAÇÃO POR SEGMENTO Design de Comunicação Gráfico Design de Comunicação Digital (*) DESIGN DE PRODUTO POR SEGMENTO Design de Produto Têxtil/confecções,calçados Design de Produto Objetos e acessórios Design de Produto Máquinas e equipamentos 25

26 2. Inovação Implantação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente melhorado ou um novo modelo de negócio Grupo de ações para alteração do modelo de negócio, criando ou alterando significamente Descritivo sua oferta de valor, seu segmento de clientes ou fonte de receitas. elaboração de projetos para alteração e Novo Modelo de implementação de modelo de negócio inovador Negócio de empresas; consultoria para transformação Atuação da empresa em franqueadora; desenvolvimento e implementação de modelo de negócio inovador por startups, empresas incubadas e aceleradas. Trata-se da criação, aprimoramento e mudança no como se faz, aprimorando ou Descritivo desenvolvendo novas formas de fabricação ou de distribuição de bens e novos meios de prestação de serviços. Novos Serviços Mapeamento, redesenho e melhorias de fluxos de processos, técnicas e ferramentas para a Atuação implantação, alinhamento estratégico, governança e métodos de gestão de processos empresariais. Grupo de ações para criação de um novo Descritivo produto (artefato), serviço e atividades acessórias para incluí-lo no mercado. Utilização de técnicas e ferramentas para criação de produtos. Prototipagem e impressão 3D. Desenvolvimento e aprimoramento de Novos Produtos produtos, técnicas básicas de produção, precificação e marketing deste novo produto. Atuação Diferencial agregado ao novo produto desenvolvido e desenvolvimento de processos técnicos e criativos relacionados à configuração, concepção, elaboração e especificação de um artefato. 26

27 3. Produtividade Atividades que permitem o aumento da eficiência do processo produtivo, ajustando ou implantando qualquer tipo de processo, procedimento ou técnica com o objetivo de diminuir os custos de produção por meio da eliminação de desperdícios, minimização de distância e perdas com refugos. grupo de ações aplicadas às unidades de fabricação de micro e pequenas empresas que permite a gestão do controle de fluxo e armazenamento eficiente de Descritivo matérias-primas, materiais semiacabados e produtos acabados, bem como as informações a eles relativas, desde a produção dos bens e serviços, distribuição e Cadeia de Suprimentos Layout Mapeamento e Melhoria de Processos Atuação Descritivo Atuação Descritivo Atuação entrega final ao cliente. Fluxo de atividades primárias e de apoio; Armazenagem, manuseio e estoque de materiais; Gestão de estoques; Codificação de materiais (código de barras ou outro); Avaliação da logística e estratégia competitiva; Características de negociação com fornecedores, distribuidores, clientes e prestadores de serviços logísticos; Pontos de entrega e da logística de última milha para canais de distribuição; Exportação e Importação (formas de realizar, tributação e incentivos fiscais, formação de preços, financiamento, despacho aduaneiro, aspectos cambiais etc.). grupo de ações implantadas em unidades produtivas para melhorar o desempenho com ajustes na disposição física. disposição de equipamentos e pessoas, distribuição de espaço, ergonomia de equipamentos, circulação de ar, temperatura, luminosidade, logística;, avaliação e melhoria de layout. grupo de ações aplicadas às unidades de fabricação de micro e pequenas empresas que permite o aumento da capacidade produtiva, facilita o processo de fabricação ou diminui recursos e insumos no processo fabril, com o objetivo de diminuir o custo de produção do produto. Análise sobre a organização e métodos de trabalhos; Análise do planejamento e controle dos sistemas produtivos; Avaliação sobre a administração de materiais; Dimensionamento da capacidade instalada de produção; Avaliação dos processos de manutenção preventiva e corretiva de máquinas e equipamentos; Análise e avaliação de produto; Administração de produtos, insumos, suprimentos e compras; Critérios de segurança em cada uma das etapas da produção; Estudo sobre racionalização. 27

28 4. Propriedade Intelectual Serviços de apoio à empresa na obtenção de registros, concedidos pelo Estado, que tratam dos direito sobre bens, representando uma vantagem competitiva. Desenho Industrial Indicação Geográfica Marcas Patentes Descritivo Atuação Descritivo Atuação Descritivo Atuação Descritivo Atuação registro formal no INPI do design (forma ornamental) que o produto apresenta. pesquisa prévia, preenchimento de formulários e andamento dos processos de registro. registro formal no INPI de cidades ou regiões que possuem notório conhecimento popular por causa de seus produtos ou serviços. Delimita a área de produção, restringindo seu uso aos produtores da região. diagnósticos estaduais para analise do potencial de Indicação Geográfica, apoio a estruturação de novas Indicações Geográficas, Elaboração de normas técnicas sobre sistema de IG, consultoria para implementação de código de práticas, planejamento e implementação da IG. serviços que tratam o sinal distintivo, visualmente perceptível, que identifica e distingue produtos e serviços, bem como certifica a sua conformidade com determinadas normas ou especificações técnicas. Administração de marcas (busca prévia, solicitação de registro e acompanhamento), Prorrogação de solicitações, apoio e acompanhamento de pedidos, título de propriedade temporária sobre uma invenção ou modelo de utilidade, outorgado pelo Estado aos inventores ou autores ou outras pessoas físicas ou jurídicas detentoras de direitos sobre a criação. busca previa nacional e internacional, auxílio no preenchimento de formulários, elaboração do relatório descritivo, reivindicações, desenho, listagem de sequencia biológica, auxílio na solicitação do PCT (Tratado de Cooperação em Matéria de Patentes) para pedidos internacionais, acompanhamento do processo de registro. neste item, estão inclusos os trabalhos para registro de software. 28

29 5. Qualidade Grupo de características percebidas pelo cliente de um produto/serviço e estabelecidas como formas de satisfação destes clientes. São mensuradas a partir de parâmetros (indicadores) estabelecidos como padrão pelo cliente ou descritos em normas. serve para designar padrões estabelecidos pela indústria de bens e serviços, quanto à Descritivo apresentação, construção, instalação ou funcionamento de seus produtos ou serviços. Metrologia estabelecer procedimentos, padronizar formas, dimensões, tipos, usos, fixar classificações ou terminologias e glossários, definir a maneira de Atuação medir ou determinar as características, como os métodos de ensaio a serem atendidos por um produto, processo ou serviço. grupo de ações implantadas na micro e pequena Descritivo empresa para adequação quanto às normas de qualidade. Normalização (*) Avaliação de Conformidade (**) Atuação Descritivo Atuação Diagnóstico sobre a condição de atendimento a normas de qualidade, Elaboração de plano para adequação a normas de qualidade, Apoio na adequação dos sistemas de gestão da qualidade em micro e pequenas empresas com vistas à habilitação para a certificação ISO 9000, Acompanhamento dos processos de certificação. grupo de ações implantadas em micro e pequenas empresas que seguem regras préestabelecidas de forma acompanhada e avaliada. Visa a propiciar adequado grau de confiança de um produto, processo ou serviço, ou ainda um profissional, conforme requisitos préestabelecidos em normas ou regulamentos. Avaliação da Conformidade compreende a acreditação, ensaios, rotulagem, declaração do fornecedor (avaliação de primeira parte), classificação (avaliação de segunda parte) e certificação (avaliação de terceira parte) de acordo com a ISO/IEC 17000; procedimentos para autorização, licença e aprovação que estão a cargo dos organismos regulamentadores: Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial INMETRO e pela Anvisa, orientação, adequação e diferenciação quanto a Segurança Alimentar (PAS). 29

30 (*) NORMALIZAÇÃO POR SETOR Normalização ligada ao setor de agronegócios Normalização ligada ao setor de construção civil Normalização ligada ao setor de TI Normalização ligada ao setor de turismo Normalização ligada ao setor de vestuário Normalização ligada a produtos diversos Normalização ligada a sistemas de gestão da qualidade e Meio Ambiente (**) AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE POR SETOR Avaliação da conformidade de produto ligado ao setor de agronegócios Avaliação da conformidade de prod. ligado ao setor de construção civil Avaliação da conformidade de produto ligado ao setor de TI Avaliação da conformidade de produto ligado ao setor de turismo Avaliação da conformidade de produto ligado ao setor de vestuário Avaliação da conformidade de produto diverso Avaliação da conformidade ligada a sist. de gestão da qualidade e MA 30

31 6. Sustentabilidade Ações, procedimentos, processos e produtos que têm por objetivo alinhar o negócio às exigências de mercado de cunho ambiental e/ou social. grupo de ações que visam adequar o negócio Descritivo às questões sociais exigidas pelo mercado. saúde e segurança do trabalho; política de Dimensão Social avaliação de fornecedores; política de relação Atuação com clientes; mapeamento e elaboração de relações de parceria; plano de ação no entorno da empresa. grupo de ações que visam à diminuição do Descritivo consumo de energia e utilização de fontes limpas de energia. Energia Gestão Ambiental Atuação Descritivo Atuação eficiência energética: condições gerais de fornecimento de energia elétrica e alternativas tarifárias; elaboração/adequação de projeto de arquitetura bioclimática (considera clima e aproveita recursos da natureza sol, vento, vegetação e chuva); avaliação e planejamento de sistemas eficientes de iluminação; avaliação e planejamento de sistemas eficientes de condicionamento ambiental e refrigeração industrial; avaliação de máquinas e motores eficientes; avaliação e elaboração de sistemas eficientes de ar comprimido e aquecimento elétrico; preparação para adequação ao sistema nacional de etiquetagem (na fase de projeto e pós-construção) e adequação e orientação para participar do selo PROCEL; grupo de ações gerenciais do empreendimento que visam à diminuição/eliminação do impacto ambiental negativo de suas atividades, inclusas as ações de adequação à legislação ambiental vigente. indicadores de desempenho ambiental; diagnóstico empresarial de sustentabilidade; adequação de empresas a critérios de sustentabilidade nacionais e/ou internacionais; Produção mais Limpa; redução de desperdício; plano de controle ambiental (PCA); sistema de gestão ambiental (SGA); controle da poluição industrial e doméstica; auditoria e contabilidade ambiental; elaboração de plano, implantação de programas de gestão ambiental; plano de adequação à legislação ambiental; plano de adequação a norma ISO

32 Resíduos Sólidos Sustentabilidade Rural Descritivo Atuação Descritivo Atuação grupo de ações implantadas no ambiente da Micro e Pequena Empresa que visa ao gerenciamento de resíduos gerados a partir da atividade comercial. Podem ser no âmbito do reuso de materiais, da reciclagem, da coleta seletiva e qualquer ação que contribua para a Política Nacional de Resíduos Sólidos PNRS. plano para gestão integrada de resíduos sólidos empresariais (industriais, urbanos, rurais orgânicos e inorgânicos); tratamento de resíduos; avaliação da viabilidade econômica na cadeia de resíduos; mapeamento e plano de implantação de logística reversa; mapeamento da cadeia de resíduos; avaliação de resíduos vendáveis em um empreendimento; diagnóstico, classificação e análise dos resíduos sólidos produzidos; análise da destinação e reaproveitamento de materiais. Redução da poluição e tratamento dos resíduos produzidos; auditoria e contabilidade ambiental; implantação de programas de gestão e educação ambiental; grupo de ações específicas para adequação de atividades rurais às exigências ambientais do mercado. apoio na elaboração de plano de manejo florestal; elaboração e implementação de projetos sustentáveis de cadeias produtivas relacionadas à biodiversidade; Produção e Certificação Orgânica; extrativismo sustentável. 7. Tecnologia de Informação e Comunicação Tecnologias que interferem e medeiam os processos informacionais e comunicativos das pessoas e das empresas, integrando um conjunto de recursos tecnológicos (hardware, software e telecomunicações) que proporcionam a automação e comunicação dos processos de negócios da empresa. aplicação de métodos e ferramentas em micro e pequenas empresas com o intuito de automatizar Descritivo e agilizar seus processos de negócios, com a utilização de sistemas de informação e recursos tecnológicos. Automação definição do nível de automação, levantamento de questões legais e fiscais, identificação de Atuação necessidade de infraestrutura; Elaboração de Plano de Utilização de Serviços de TIC; Definição da solução de TIC mais adequada ao tipo de 32

33 E-commerce Meios Eletrônicos de Pagamentos Redes Sociais e Serviços Online Descritivo Atuação Descritivo Atuação Descritivo Atuação negócio e ao perfil do consumidor; Consultoria tecnológica de configuração e uso das ferramentas de TIC a serem implementadas na empresa; Implementação e uso da comunicação eletrônica e digital (móvel ou fixa) aplicada aos negócios, criando, alterando ou redefinindo valores entre organizações (B2B-Business to Business) ou entre organizações e clientes (B2C Business to Customer), ou entre clientes (C2C Customer to Customer), por meio da criação ou configuração de página, aplicativo, portal ou plataformas de comércio digitais (móveis ou fixas), ou ainda a implementação de sistemas digitais, que facilitem a aquisição de bens, produtos ou serviços, por clientes ou fornecedores, terminando com a liquidação financeira por intermédio de meios de pagamento eletrônicos. B2B-Business to Business; B2C Business to Customer; C2C Customer to Customer. grupo de ações necessárias para permitir que os canais de distribuição sejam utilizados para pagamento de transações. Enquadram-se nos meios eletrônicos de pagamento todos os instrumentos utilizados para o pagamento de uma operação realizada entre o comprador e o vendedor de produtos e serviços, exceto papelmoeda e cheque. especificar plataformas eletrônicas de pagamento e recebimento; cartões de crédito e débito; mobile payment; tecnologia e inovação em serviços financeiros em plataformas digitais; normativos sobre o tema. grupo de ações para conectar a outras pessoas na Internet, utilizando as informações de perfis de usuários, seus interesses, hobbies, níveis de escolaridade, profissão e outros fatores compartilhados. As redes sociais online podem operar em diferentes níveis: redes de relacionamentos (Facebook, Myspace, Twitter); redes profissionais (Linkedin); redes comunitárias (redes sociais em bairros ou cidades). Os Serviços Online englobam ações com os serviços de busca, incluindo SEO (Search Engine Optimization) e links patrocinados; Estruturar os três pontos fundamentais para o sucesso na utilização de redes sociais (atendimento, relacionamento e monitoramento); Identificar necessidade de 33

34 infraestrutura de TIC, avaliação de domínios, hospedagens e níveis de segurança da informação. Consultoria tecnológica para a configuração e personalização das redes sociais e serviços online que atendam às necessidades de TIC da empresa nessa temática. 34

35 ADENDO III MODELO DE ATESTADO DE CAPACIDADE TÉCNICA Atestamos a quem possa interessar que a empresa/instituição [Razão Social], inscrita no CNPJ sob o nº.. / -, prestou o serviço [nome do serviço], no subtema [nome do subtema], atendendo completamente as expectativas na sua contratação e tendo cumprido com méritos todas as etapas do trabalho conforme descrito em itens e quantidades abaixo: 1) [Atividade 1] 2) [Atividade 2] 3) [Atividade 3] 4) [Atividade 4] 5) [Atividade 5] Declaramos, ainda que os compromissos contratuais assumidos foram cumpridos de forma satisfatória, nada constando em nossos registros, até a presente data, que desabone comercial ou tecnicamente a empresa. [Cidade], [dia] de [mês] de [ano]. [Nome do emitente] [Razão Social] [CNPJ] 35

36 ADENDO VI MODELOS DE TERMOS DE ACORDO, DE RENÚNCIA E MINUTA DO CONTRATO COM AS ENTIDADES EXECUTORAS TERMO DE ACORDO Sebrae/PR SERVIÇOS EM INOVAÇÃO E TECNOLOGIA - SEBRAETEC Pelo presente instrumento, a... (RAZÃO SOCIAL), com sede na Rua/Avenida..., nº..., na cidade de..., inscrita no CNPJ sob nº..., neste ato representada por seu representante legal, Sr...., brasileiro, casado/solteiro/separado, portador da cédula de identidade nº..., expedida pela Secretaria da Segurança Pública do Estado..., inscrita no cadastramento junto ao Sebrae/PR no SEBRAETEC - Serviços em Inovação e Tecnologia - SEBRAETEC, vem ACEITAR por inteiro às novas regras de operação, contratação e gestão constantes do Edital de CADASTRAMENTO Nº 01/2014, e DECLARA estar ciente e de pleno acordo com as disposições e obrigações consignadas neste instrumento. Declara ainda, que: ( ) A empresa/instituição preenche todos os requisitos e possui todas as condições de inscrição em consonância com o Edital CADASTRAMENTO Nº 01/2014, bem como declara conhecer e aceitar todas as disposições trazidas pelo referido edital. ( ) A empresa/instituição não preenche todos os requisitos e não possui as condições de inscrição, em consonância com o Edital CADASTRAMENTO Nº 01/2014, porém tem ciência que terá o prazo de 30 (trinta) dias, para adequar-se e comprovar, mediante documentação complementar, previstas no referido edital. Caso não ocorra a adequação e comprovação no prazo acima mencionado, a empresa estará automaticamente descadastrada, e consequentemente, terá seu contrato rescindido. E, para validação e como prova de assim haverem ajustado, assinam este Termo de Acordo em 1 (uma) via, o representante legal da empresa cadastrada e do Sebrae/PR. Local,.. de... de Razão social da entidade executora: Representante Legal 36

37 TERMO DE RENÚNCIA AO EDITAL Declaro(amos) conhecer e não aceitar as novas regras de cadastramento do Edital 01/2014 do SEBRAETEC - Serviços em Inovação e Tecnologia do Sebrae/PR, bem como suas condições de operação, reconhecendo, para todos os fins, que tal fato implica no descadastramento da empresa/instituição e consequentemente na rescisão contratual. Local, xx de xx de 201XX. Representante legal Empresa/Instituição ================================================================= 37

38 MINUTA DO CONTRATO CONTRATO N.º.../14 Contrato de prestação de serviços na área de inovação tecnológica, que entre si celebram o SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO ESTADO DO PARANÁ - Sebrae/PR e a ENTIDADE EXECUTORA. I. SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO ESTADO DO PARANÁ - Sebrae/PR, entidade associativa de direito privado, sem fins lucrativos, instituída sob a forma de serviço social autônomo, com sede na Rua Caeté, n.º 150, Prado Velho, em Curitiba, Estado do Paraná, inscrito no CNPJ sob n.º / , neste ato representado por seu Diretor..., brasileiro, estado civil, administrador, portador da carteira de identidade n.º..., expedida pela..., e CPF n.º..., e por seu Diretor..., brasileiro, estado civil,..., portador da carteira de identidade n.º..., expedida pela SSP/PR, e CPF n.º..., ambos residentes e domiciliados em..., doravante denominado Sebrae/PR; II. ENTIDADE EXECUTORA, com sede na Rua..., n.º..., Bairro, em (cidade), Estado do Paraná, inscrita no CNPJ sob nº..., neste ato representada por (função societária), Sr.(a) (nome), (nacionalidade), (estado civil), (profissão), portador(a) da carteira de identidade nº..., expedida pela SSP/(UF), e CPF nº..., residente e domiciliado(a) em (cidade/uf), doravante denominada CONTRATADA. DO FUNDAMENTO LEGAL A presente contratação decorre de processo de cadastramento de ENTIDADE EXECUTORA, com fundamento no art. 43 da Resolução CDN - SEBRAE n.º 213/2011 e alterações, bem como nos termos e condições do EDITAL DE CADASTRAMENTO N.º 01/2014, que integra este contrato e as partes declaram conhecer e aceitar. 38

39 CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO O presente contrato visa à prestação de serviços na área de inovação e tecnologia, no âmbito do SEBRAETEC - Serviços em Inovação e Tecnologia, aos clientes do Sebrae/PR, por intermédio da CONTRATADA, nas seguintes áreas e serviços de competência: I. XXXXXXXXXXXX / XXXXXXXXXXXXXX II. XXXXXXXXXXXX / XXXXXXXXXXXXXX Parágrafo único - De acordo com as demandas dos clientes do Sebrae/PR, a CONTRATADA realizará a análise prévia das necessidades com vistas a apresentar um projeto e orçamento, que serão a base para a prestação de serviços, conforme descrito no Guia de Orientação. CLÁUSULA SEGUNDA - DA SOLICITAÇÃO DOS SERVIÇOS Caberá ao cliente do Sebrae/PR solicitar a prestação de serviços, escolhendo a CONTRATADA para a realização do trabalho técnico a ser executado, obedecendo aos critérios definidos no Edital Cadastramento vigente. Parágrafo único - O Cadastramento da CONTRATADA não estabelece obrigação do Sebrae/PR de efetuar, no período de vigência deste contrato, qualquer solicitação de prestação de serviços, na medida em que a escolha é prerrogativa exclusiva do cliente do Sebrae/PR. CLÁUSULA TERCEIRA - DAS RESPONSABILIDADES DAS PARTES Além das demais obrigações previstas neste instrumento, cabem: i. Ao Sebrae/PR: a) acompanhar e avaliar os trabalhos contratados; b) pagar à CONTRATADA pelos serviços realizados, nos termos deste contrato e do Termo de Compromisso; c) conferir as faturas apresentadas pela CONTRATADA em prazo que permita seu pagamento no período referido no termo de compromisso; d) solicitar, quando necessário, atualização da regularidade fiscal da CONTRATADA. ii. À CONTRATADA: a) indicar um coordenador para a gestão do instrumento jurídico firmado com o Sebrae/PR relativo a serviços prestados no âmbito do Programa SEBRAETEC; b) executar os serviços tecnológicos aprovados, emitir a nota fiscal correspondente e prestar as informações solicitadas pelos Sebrae/PR; 39

40 c) garantir a qualidade dos serviços prestados; d) ressarcir integralmente ao Sebrae/PR, com as devidas correções e atualizações monetárias, quaisquer valores que o Sebrae/PR seja compelido a pagar em razão de condenações em processos judiciais relacionados à execução do Programa, inclusive, reclamações trabalhistas; e) corrigir e solucionar as irregularidades ou inadequações decorrentes da prestação de serviços tecnológicos pelo SEBRAETEC, sem ônus para o Sebrae/PR nem para as empresas demandantes; f) em caso de desistência por parte do cliente, fica a CONTRATADA obrigada a devolver ao Sebrae/PR o valor correspondente à primeira parcela, deduzidos os valores dos serviços eventualmente prestados, que serão comprovados mediante apresentação de relatório de atividades. g) disponibilizar, a qualquer momento, para o Sebrae/PR e à empresa demandante informações sobre os resultados obtidos na prestação dos serviços; h) cumprir os prazos contratuais e propor a reprogramação justificada do cronograma de execução, vedada a prorrogação de prazo quando houver outros serviços da proponente em situação de atraso, por sua exclusiva responsabilidade; i) cumprir o regulamento do SEBRAETEC os contratos de serviços firmados com as empresas demandantes e com o Sebrae/PR. j) executar todos os trabalhos técnicos decorrentes do contrato através de seus profissionais; k) atender às solicitações de serviços encaminhadas pelo Sebrae/PR, respondendo-as nas condições estabelecidas neste Instrumento e no Edital 01/2014; l) cumprir os prazos estabelecidos no Termo de Compromisso. m) não iniciar qualquer trabalho sem antes receber autorização do Sebrae/PR. n) receber, assinar e encaminhar o Termo de Compromisso devidamente preenchido ao Sebrae/PR; o) após concluir cada um dos trabalhos para os quais for contratada, apresentar ao Sebrae/PR termo de conclusão dos trabalhos realizados, assinado pelo cliente do Sebrae/PR. p) conhecer a metodologia do SEBRAETEC - Serviços em Inovação e Tecnologia e expectativas do Sebrae/PR quanto aos trabalhos a serem realizados zelando pela postura de integridade, ética e solicitude, de modo a garantir plenamente os resultados quantitativos e qualitativos das ações executadas. q) não receber qualquer valor diretamente da empresa cliente a título de honorários. r) apresentar anualmente o Termo de Acordo assinado, concordando com as alterações introduzidas pelos próximos editais do SEBRAETEC acompanhado da comprovação de regularidade fiscal, nos termos exigidos pelo edital vigente. 1º - O Sebrae/PR não será responsável por eventuais prejuízos que a CONTRATADA venha a causar à empresa demandante, restringindo- se à condição de agente subsidiário de acesso ao serviço tecnológico demandado pelo cliente. 2º - A CONTRATADA, em virtude da participação no Programa SEBRAETEC, responsabiliza-se, em caráter irretratável e irrevogável, por quaisquer prejuízos causados ao Sebrae/PR decorrentes da prestação de serviços às empresas demandantes, aplicando-se ao presente o disposto no artigo 70, inciso III, do Código de Processo Civil Brasileiro. 40

41 CLÁUSULA QUARTA - DOS ENCARGOS TRABALHISTAS Fica estipulado que por força deste contrato não se estabelece nenhum vínculo empregatício de responsabilidade do Sebrae/PR, com relação ao pessoal que a CONTRATADA utilizar direta ou indiretamente para a prestação dos serviços objeto deste instrumento, correndo por conta exclusiva da CONTRATADA todas as despesas com pessoal, sejam ou não empregados seus, inclusive os encargos decorrentes da legislação vigente, seja trabalhista, previdenciária, securitária ou qualquer outra, além de quaisquer obrigações não pecuniárias decorrentes da legislação trabalhista e previdenciária em vigor. 1º - A CONTRATADA, neste ato, responsabiliza-se, em caráter irretratável e irrevogável, por quaisquer reclamações trabalhistas ou qualquer outro ato de natureza administrativa ou judicial, inclusive decorrentes de acidente de trabalho, que venham a ser intentadas por seus empregados, prepostos e/ou colaboradores contra o Sebrae/PR. 2º - Neste caso, a CONTRATADA responderá integralmente pelo pagamento de eventuais condenações, indenizações, multas, honorários advocatícios, custas processuais e demais encargos que houverem, podendo ser denunciada em qualquer ação que for proposta para indenizar seus autores, aplicando-se ao presente contrato o disposto no artigo 70, inciso III, do Código de Processo Civil Brasileiro. 3º - A CONTRATADA declara que tem conhecimento da Sumula 331 do Tribunal Superior do Trabalho (TST) respondendo perante o Sebrae/PR por todas as verbas, encargos ou ônus decorrentes de eventual reconhecimento de vínculo empregatício pela Justiça do Trabalho, em Reclamatória Trabalhista que vier a ser promovida por empregado da CONTRATADA contra o Sebrae/PR. 4º - A CONTRATADA reconhecerá como seu débito líquido e certo, o valor que for apurado em execução de sentença de eventual processo trabalhista ajuizado por seu exempregado e/ou colaborador, ou valor que for ajustado entre o Sebrae/PR e o reclamante, na hipótese de acordo efetuado nos autos do processo trabalhista. 5º - As despesas processuais e honorários advocatícios despendidos pelo Sebrae/PR nas ações decorrentes deste contrato serão única e exclusivamente suportadas pela CONTRATADA, servindo os comprovantes, guias ou notas, como valor de débitos liquido e certo em favor do Sebrae/PR. CLÁUSULA QUINTA - DOS ENCARGOS FISCAIS A CONTRATADA deverá efetuar, por sua conta, o pagamento dos impostos, licenças e taxas federais, estaduais e municipais incidentes sobre sua atividade ou decorrentes deste contrato, comprovando tais pagamentos ao Sebrae/PR, sempre que o mesmo solicitar. 1º - A CONTRATADA deverá apresentar, sempre que solicitado pelo Sebrae/PR, os documentos relativos à Regularidade Fiscal, mencionados no Edital de Cadastramento. 41

42 2º - A CONTRATADA deverá comprovar sua regularidade fiscal, nos termos do edital, como condição para renovação contratual, sob pena de descadastramento. CLÁUSULA SEXTA - DO ACOMPANHAMENTO A execução do contrato será acompanhada pela Unidade de Inovação e Tecnologia do Sebrae/PR ou por outra(s) pessoa(s) por ela indicada. 1º - É dever da CONTRATADA facilitar, por todos os meios ao seu alcance, a ampla ação de fiscalização exercida pelo Sebrae/PR, possibilitando fácil acesso aos serviços em execução e atendendo prontamente às recomendações e exigências por este apresentadas. 2º - A fiscalização feita pelo Sebrae/PR não supre, substitui ou diminui a responsabilidade da CONTRATADA na execução do objeto deste contrato. 3º - O Sebrae/PR poderá, a seu exclusivo critério e sempre que houver necessidade, submeter à CONTRATADA e seus profissionais às avaliações, dentro de critérios que visam a atingir elevados padrões de qualidade. CLÁUSULA SÉTIMA - DO SIGILO A CONTRATADA e seus profissionais comprometem-se a: a) Não utilizar a marca SEBRAE ou qualquer material desenvolvido pelo SEBRAE para seus produtos e programas, assim como os dados dos clientes a que tenham acesso no decorrer das atividades inerentes a este contrato; b) Tratar todas as informações a que tenham acesso em função do presente contrato em caráter de estrita confidencialidade, agindo com diligência para evitar sua divulgação verbal ou escrita, ou permitir o acesso, seja por ação ou omissão, a qualquer terceiro. Parágrafo único As obrigações previstas nesta cláusula permanecerão válidas por até 5 (cinco) anos após o término da vigência deste contrato, e os danos causados por sua eventual violação serão objeto de ação de indenização específica. CLÁUSULA OITAVA - DO PREÇO E CONDIÇÕES DE PAGAMENTO A remuneração pelos serviços prestados será a estabelecida no Edital de Cadastramento vigente. 1º - Os pagamentos do Sebrae/PR às empresas/instituições prestadoras de serviços serão efetuados mediante depósitos em conta corrente de pessoa jurídica, nas datas e condições contempladas na Norma Interna n.º 02/2001 do Sebrae/PR. 2º - A CONTRATADA deverá, antecipadamente à efetivação dos pagamentos, informar ao Sebrae/PR, mediante comunicado formal em papel timbrado da própria empresa, qualquer 42

43 alteração de sua conta-corrente, sob pena de, em não o fazendo, arcar com as taxas bancárias referentes ao estorno e ao novo repasse de recursos. CLÁUSULA NONA - DOS RECURSOS Os recursos necessários ao pagamento das despesas inerentes a este contrato correrão à conta de recursos financeiros próprios do Sebrae/PR ou aqueles a ele destinado, constante da Diretriz Orçamentária Ordinária do SEBRAETEC - Serviços em Inovação e Tecnologia. CLÁUSULA DÉCIMA - DA VIGÊNCIA Este contrato vigerá pelo período de trinta meses, contados da data de sua assinatura, podendo ser prorrogado uma vez por igual período, diante assinatura de termo aditivo, e desde que vigente o projeto oriundo desta contratação. 1º Embora o contrato tenha vigência de 30 meses, a CONTRATADA deverá apresentar anualmente a comprovação de sua regularidade fiscal juntamente com o Termo de Acordo, sob pena de descadastramento. 2º - Atingido o limite de 60 (sessenta) meses de vigência deste contrato, a CONTRATADA deverá apresentar toda a documentação exigida no edital de cadastramento vigente, para fins de manutenção de cadastro e formalização de novo contrato de prestação de serviços. CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA - DA CESSÃO Este contrato não poderá ser cedido ou transferido sem o consentimento expresso de ambas a partes, obrigando ainda seus herdeiros e sucessores. CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA - DAS PENALIDADES À CONTRATADA poderá ser aplicada as penalidades previstas no Regulamento de Licitações e de Contratos do Sistema SEBRAE, bem como as previstas no Edital de Cadastramento vigente no período, que integra o presente contrato independentemente de transcrição. CLÁUSULA DÉCIMA TERCEIRA - DA RESCISÃO E DENÚNCIA O presente contrato poderá ser rescindido nas hipóteses previstas no Regulamento de Licitações e de Contratos do Sistema SEBRAE e nas hipóteses de descadastramento previstas no edital SEBRAETEC vigente. 1 - A CONTRATADA reconhece que, na hipótese de inexecução total ou parcial do contrato, o Sebrae/PR poderá aplicar as penalidades previstas na cláusula anterior, e, cumulativamente ou não, rescindi-lo unilateralmente, sem prejuízo das sanções contratuais e legais cabíveis. 43

44 2 - Por determinação do SEBRAE Nacional ou Paraná, este contrato poderá ser rescindido unilateralmente pelo SEBRAE PR desde que denunciado com trinta dias de antecedência. CLÁUSULA DÉCIMA QUARTA - DO DESCADASTRAMENTO O processo de descadastramento ocorrerá de acordo com o descrito no edital do Programa SEBRAETEC. CLÁUSULA DÉCIMA QUINTA - DA TOLERÂNCIA A tolerância e/ou qualquer concessão feita por uma das partes, de forma escrita ou verbal, não implica em renovação ou alteração contratual, constituindo-se em mera liberalidade das partes. CLÁUSULA DÉCIMA SEXTA - DA NULIDADE A nulidade de qualquer uma das cláusulas deste contrato não implicará em nulidade das demais. CLÁUSULA DÉCIMA SÉTIMA DAS DISPOSIÇÕES GERAIS O presente contrato será alterado nos termos das disposições constantes nos novos editais do Programa SEBRAETEC, mediante a assinatura do Termo de Acordo, em que a CONTRATADA reconhece e aceita as modificações propostas. Parágrafo único Caso a CONTRATADA não aceite as novas condições propostas nos novos editais do Programa do SEBRAETEC e se recuse a assinar o Termo de Acordo, o presente contrato estará automaticamente rescindido e a CONTRATADA estará automaticamente descadastrada. CLÁUSULA DÉCIMA OITAVA - DO FORO Fica eleito o foro da Comarca de Curitiba, Estado do Paraná, para dirimir quaisquer dúvidas ou controvérsias decorrentes do presente contrato, renunciando-se expressamente a qualquer outro, por mais privilegiado que seja. E, por estarem justos e contratados, assinam o presente instrumento em 2 (duas) vias de igual teor, forma e igual distribuição para que produza seus efeitos legais. Curitiba,.. de... de

45 Sebrae/PR ENTIDADE EXECUTORA Representante legal Sócio Administrador Testemunhas: 1) 2) RG n.º RG n.º ADENDO VII 45

46 MODELOS DOS TERMOS PELO SISTEMA E RELATÓRIOS TERMO DE ADESÃO SEBRAE / PR - SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO ESTADO DO PARANÁ Local Consultor Proposta 1. Dados da Empresa Demandante Razão Social CNPJ Código Nome Fantasia CNAE Funcionários Endereço Cidade Cep Telefone Inicio das Atividades Porte Setor de Atuação Nome do Contato Cargo CPF do Contato Telefone RG 2. Proposta Modalidade Demanda Serviços Responsável do Projeto Temas Necessidade 3. Entidade Executora Razão Social CNPJ Código Nome Fantasia Telefone Endereço Cidade Cep 4. Declaração de Veracidade das informações e aceite em participação de pesquisas Declaro que aceito participar das pesquisas referentes ao SEBRAETEC a serem realizadas pelo SEBRAE PR / Nacional em três oportunidades: ao fim dos trabalhos e após 90 e 180 dias. Declaro para os devidos fins, que após verificar qual(is) entidade(s) executora(s) estava(m) cadastrada(s) na modalidade, demanda e serviços de meu interesse, optei pela entidade executora identificada no Item 3 deste Termo. Declaro que as informações acima descritas são verdadeiras. EMPRESA DEMANDANTE Cidade, data. De acordo com a divulgação do atendimento pelo entidade executora. 46

47 TERMO DE COMPROMISSO SEBRAE / PR - SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO ESTADO DO PARANÁ Local Consultor Proposta 1. Dados da empresa demandante Razão Social CNPJ Código Nome Fantasia CNAE Funcionários Endereço Cidade Cep Telefone Inicio das Atividades Porte Setor de Atuação Nome do Contato Cargo CPF do Contato Telefone RG 2. Proposta Modalidade Demanda Serviços Responsável do Projeto Temas Necessidade 3. Entidade Executora Razão Social CNPJ Código Nome Fantasia Telefone Endereço Cidade Cep 4. Plano de trabalho Situação inicial Necessidade Resultado esperado 4.1 Atividades Detalhamento das Soluções Propostas 4.2 Fonte dos Recursos 5. Termo de Compromisso Cláusula primeira Por este instrumento,...(empresa demandante) assume o compromisso de efetuar o pagamento ao Sebrae/PR, à importância total de R$... (... reais) pelos serviços prestados referidos neste Termo de Compromisso. 1 - Os valores poderão ser pagos em dinheiro, cartão ou boleto bancário.parcela mínima de R$ 50,00 para pagamento em até 5 parcelas e R$ 150,00 para pagamento até 10 parcelas (limite de parcelas estabelecido). 2 - Em caso de inadimplência em qualquer uma das parcelas por parte da empresa cliente, poderá o Sebrae/PR aplicar as seguintes penalidades:. a suspensão imediata da prestação dos serviços contratados;. a cobrança de multa de 2% pela mora no pagamento;. a cobrança de juros moratórios de 1% ao mês; V. adoção de medidas necessárias à cobrança, inclusive com o envio de protesto dos títulos vencidos e não pagos a partir do 45 dia de atraso. 47

48 Cláusula segunda São obrigações da empresa demandante: I acompanhar a prestação do serviço e o cumprimento dos prazos definidos no cronograma do contrato; II avaliar os trabalhos realizados pela ENTIDADE EXECUTORA; III disponibilizar para o SEBRAE, a qualquer tempo, informações sobre os serviços prestados, sobre os resultados obtidos ou sobre a ENTIDADE EXECUTORA contratada por meio do SEBRAETEC; IV responder às pesquisas de satisfação e de efetividade do SEBRAETEC realizadas pelo Sistema SEBRAE, responsabilizandose pela veracidade e exatidão das respostas; V cumprir integralmente este termo de compromisso. Cláusula terceira A entidade executora selecionada pela empresa demandante, a...( entidade executora) compromete-se a executar, por intermédio do profissional por ela determinado, bem e fielmente os serviços descritos neste instrumento, nos precisos termos do item 4 acima, para prestar todo serviço indispensável ao êxito do presente, sendo da entidade executora a responsabilidade técnica pelos serviços. Cláusula quarta A entidade executora atesta que não possui dirigente ou sócio que tenham relação de cônjuge, companheiro ou de parente em linha reta ou colateral, por consanguinidade ou afinidade, até o segundo grau, com a empresa demandante. Cláusula quinta O Sebrae/PR não será responsável por eventuais prejuízos que a...(entidade executora) eventualmente cause à empresa demandante, restringindo- se à condição de agente subsidiário de acesso ao serviço tecnológico demandado pelo cliente, A...(entidade executora), neste momento, responsabiliza-se em caráter irretratável e irrevogável por quaisquer prejuízos causados ao Sebrae/PR decorrentes da prestação de serviços às empresas demandantes, aplicando-se ao presente o disposto no artigo 70, inciso III, do Código de Processo Civil Brasileiro. Cláusula sexta O Sebrae/PR compromete-se a acompanhar toda a execução do serviço ora acordado, bem como subsidiar os custos nas condições estabelecidas no item 4.2 acima. E, por assim terem acordado, assinam este Termo de Compromisso, em três vias de igual teor e forma. EMPRESA DEMANDANTE ENTIDADE EXECUTORA SEBRAE / PR - SERVIÇO DE APOIO À MICRO E PEQUENA EMPRESA NO PARANÁ Local, data. 48

49 TERMO DE CONCLUSÃO SEBRAE / PR - SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO ESTADO DO PARANÁ Local Consultor Proposta 1. Dados da empresa demandante Razão Social CNPJ Código Nome do Contato do Contato Telefone 2. Entidade Executora Razão Social CNPJ Código Coordenador Contato Telefone Demanda Modalidade Demanda Serviços Responsável do Projeto Necessidade Temas 4. Plano de trabalho Situação inicial Necessidade Resultado esperado 4.1 Atividades 6. Solução 7. Resultado Obtido 8. Considerações Finais 8.1 Avaliação O ATENDIMENTO DA ENTIDADE EXECUTORA EM RELAÇÃO AOS RESULTADOS PREVISTOS: Atendeu às expectativas. A SOLUÇÃO DESENVOLVIDA PARA A MINHA EMPRESA: Superou as expectativas. Não atendeu às expectativas. Atendeu às expectativas. Superou as expectativas. Não atendeu às expectativas. 9. Assinaturas EMPRESA DEMANDANTE ENTIDADE EXECUTORA SEBRAE / PR - SERVIÇO DE APOIO À MICRO E PEQUENA EMPRESA NO PARANÁ Local, data. 49

50 Relatório de Acompanhamento de Projeto SEBRAETEC Cliente N.F: Proposta: CNPJ DA ENTIDADE EXECUTORA NOME DA ENTIDADE EXECUTORA Atividades Ações realizadas: Prazo / / Ações realizadas: / / Ações realizadas: Ações realizadas: / / / / % Ações realizadas: / / Ações realizadas: / / Orientações: Ao concluir entre 50 e 60% do tempo programado para o serviço emitir o Relatório Parcial de execução. Inclua tantas linhas quanto necessário, para adequar o formulário às atividades do serviço. Assinatura da ENTIDADE EXECUTORA Data: / / Assinatura do Cliente 50

51 RELATÓRIO DE CANCELAMENTO DE PROPOSTA SEBRAETEC PROJETO PROPOSTA DADOS DO CLIENTE DADOS DA ENTIDADE EXECUTORA Empresa Empresa Responsável pela empresa cliente Responsável pela ENTIDADE EXECUTORA Período ACOMPANHAMENTO DAS ATIVIDADES REALIZADAS Ações Total de Horas 1. / / a / / 2. / / a / / 3. / / a / / 4. / / a / / 5. / / a / / Declaro que os serviços acima foram realizados conforme relatados, porém o cliente solicita o cancelamento da proposta, tendo em vista que: Assinatura do Cliente Assinatura da Entidade Executora Data: / / Assinatura do Gestor 51

52 ADENDO VIII QUADRO INTEGRADO DAS ÁREAS TEMÁTICAS E MODALIDADES 52

ÁREAS TEMÁTICAS LISTAGEM DE TEMAS E SUBTEMAS

ÁREAS TEMÁTICAS LISTAGEM DE TEMAS E SUBTEMAS ÁREAS TEMÁTICAS LISTAGEM DE TEMAS E SUBTEMAS DESIGN Atividade que busca soluções criativas e inovadoras com o objetivo de estabelecer qualidades multifacetadas de objetos e serviços, considerando fatores

Leia mais

Caderno Técnico. versão 2.0

Caderno Técnico. versão 2.0 Caderno Técnico versão 2.0 Brasília/DF Maio 2014 2014 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação, no todo

Leia mais

Participação dos pequenos negócios na economia

Participação dos pequenos negócios na economia Sebraetec Participação dos pequenos negócios na economia Países Participação Empresas (%) Participação Emprego Participação Val. Adic. PIB Itália 99,4 68,50 55,60 Espanha 99 63,20 50,60 Portugal 99,3 65,20

Leia mais

Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios.

Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios. Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios. Só assim é possível identificar oportunidades de melhorias

Leia mais

CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba

CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba 1 OBJETIVO 1.1 Realizar, em 2013, apoio financeiro para viabilizar a execução de serviços em inovação e tecnologia

Leia mais

ENCONTROS DA REDE DE SERVIÇOS TECNOLÓGICOS SEBRAETEC PR

ENCONTROS DA REDE DE SERVIÇOS TECNOLÓGICOS SEBRAETEC PR ENCONTROS DA REDE DE SERVIÇOS TECNOLÓGICOS SEBRAETEC PR PERIODO: 13 a 17 de outubro de 2014 CIDADES: Ponta Grossa, Pato Branco, Cascavel, Maringá, Londrina e Curitiba. OBJETIVO: Fortalecimento da rede

Leia mais

TECNOLOGIA O QUE É O SEBRAETEC A QUEM SE DESTINA COMO PARTICIPAR SETORES ATENDIDOS VANTAGENS AÇÕES NÃO COBERTAS CONTATO

TECNOLOGIA O QUE É O SEBRAETEC A QUEM SE DESTINA COMO PARTICIPAR SETORES ATENDIDOS VANTAGENS AÇÕES NÃO COBERTAS CONTATO Um investimento indispensável para o crescimento da sua empresa. O Sebrae viabiliza serviços de consultoria prestados por uma rede de instituições/empresas detentoras de conhecimento tecnológico. Através

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Curitiba, 18 de março de 2015. 1 SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Sumário APRESENTAÇÃO... 3 JUSTIFICATIVAS E BENEFÍCIOS... 3 COMO OBTER O SELO...

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

CAFÉ COM CRÉDITO. Santo André - SP. 06 de outubro de 2009

CAFÉ COM CRÉDITO. Santo André - SP. 06 de outubro de 2009 CAFÉ COM CRÉDITO Santo André - SP 06 de outubro de 2009 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das desigualdades sociais e regionais Áreas de atuação Inovação Bens de

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura Termo de Referência para Contratação de Consultoria - TR Modalidade Pessoa Física Vaga Código TR/PF/IICA-005/2010 PCT BRA/09/001 - Acesso e uso da energia elétrica como fator de desenvolvimento de comunidades

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Edital para Exposição de Oportunidades de Negócios na 5ª Edição da SEMANA SEBRAE DE TECNOLOGIA E INOVAÇÃO 2015 I DA CONVOCAÇÃO II DO EVENTO

Edital para Exposição de Oportunidades de Negócios na 5ª Edição da SEMANA SEBRAE DE TECNOLOGIA E INOVAÇÃO 2015 I DA CONVOCAÇÃO II DO EVENTO I DA CONVOCAÇÃO O SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SEBRAE/RJ, entidade associativa de direito privado, sem fins lucrativos, comunica e convida empresas do setor

Leia mais

Cartão BNDES Peças, Partes e Componentes. São Paulo, 23 de setembro de 2010

Cartão BNDES Peças, Partes e Componentes. São Paulo, 23 de setembro de 2010 Cartão BNDES Peças, Partes e Componentes São Paulo, 23 de setembro de 2010 Cartão BNDES Baseado no conceito de cartão de crédito, visa financiar de forma ágil e simplificada os investimentos das MPMEs.

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Apoio à Inovação. Junho de 2013

Apoio à Inovação. Junho de 2013 Apoio à Inovação Junho de 2013 Inovação: Conceito (...) implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente aprimorado, ou um processo, ou um novo método de marketing, ou um novo método

Leia mais

PRODUTOS RIOSOFT COM SUBSÍDIO SEBRAEtec

PRODUTOS RIOSOFT COM SUBSÍDIO SEBRAEtec PRODUTOS RIOSOFT COM SUBSÍDIO SEBRAEtec ÁREA DE NORMAS, QUALIDADE E PROCESSOS. I - NORMA ISO/IEC 29110 Micro e Pequenas Empresas focadas no desenvolvimento de software. 2) Ambiente É possível constatar,

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO Objetivo Artigo 1.º 1. Este regulamento tem como objetivo estabelecer condições e normas para a obtenção

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

OFERTA DE CONSULTORIAS TÉCNICAS E DE GESTÃO PARA NEGÓCIOS

OFERTA DE CONSULTORIAS TÉCNICAS E DE GESTÃO PARA NEGÓCIOS OFERTA DE CONSULTORIAS TÉCNICAS E DE GESTÃO PARA NEGÓCIOS A Universidade do Estado do Pará (UEPA) através da (RITU) com apoio do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), disponibiliza ao

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO Objetivo: O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, Instituições Científicas e Tecnológicas - ICTs e inventores

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

Atualmente, as organizações de uma

Atualmente, as organizações de uma Uma estratégia competitiva para laboratórios de calibração e ensaios no cenário atual Conheça um modelo gerencial para laboratórios de calibração e ensaios, alinhando a qualidade necessária à realização

Leia mais

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015 14 de Janeiro de 2015 O que é o Portugal 2020? O Portugal 2020 é um Acordo de Parceria assinado entre Portugal e a Comissão Europeia, que reúne a atuação dos 5 fundos estruturais e de investimento europeus

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

SEBRAEtec Diferenciação

SEBRAEtec Diferenciação SEBRAEtec Diferenciação REGULAMENTO Investir em inovação tecnológica é fundamental para a competitividade das micro e pequenas empresas gaúchas. 2 2014 Mais recursos para as MPEs representam mais desenvolvimento

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Apoio do BNDES à Inovação

Apoio do BNDES à Inovação Atribuição-Sem Derivações-Sem Derivados CC BY-NC-SA Apoio do BNDES à Inovação 28 de Abril de 2015 Missão e Visão Missão Promover o desenvolvimento sustentável e competitivo da economia brasileira, com

Leia mais

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável.

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. INOVAR PARA CRESCER O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. Além disso, damos todo suporte

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS

EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS Objetivos da apresentação Exposição dos principais detalhes do edital,

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN Resumo das diretrizes e critérios da COSERN/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. Guia Básico do Proponente 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

EDITAL DE CREDENCIAMENTO

EDITAL DE CREDENCIAMENTO EDITAL DE CREDENCIAMENTO 01 Convênio ATN/ME- 11533-BR Cooperação Técnica Não- Reembolsável. Desenvolvimento de Metodologia para Implantação de Microfranquias 02 Identificação do Edital de Credenciamento

Leia mais

Apoio à Inovação. Luciana Capanema Gerente de Inovação

Apoio à Inovação. Luciana Capanema Gerente de Inovação Apoio à Inovação Luciana Capanema Gerente de Inovação Apoio à Inovação http://www.bndes.gov.br O objetivo do BNDES é fomentar e apoiar operações associadas à formação de capacitações e ao desenvolvimento

Leia mais

Está vedada a participação das empresas e instituições que tenham sido vencedoras regionais e nacionais no Prêmio FINEP de Inovação 2009.

Está vedada a participação das empresas e instituições que tenham sido vencedoras regionais e nacionais no Prêmio FINEP de Inovação 2009. Regulamento O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, Instituições Científicas e Tecnológicas - ICTs e inventores brasileiros, desenvolvidos

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

EDITAL Seleção para apoio a implantação de projetos que contribuam com o Desenvolvimento Territorial

EDITAL Seleção para apoio a implantação de projetos que contribuam com o Desenvolvimento Territorial FUNDO MULTILATERAL DE INVESTIMENTOS PROGRAMA REGIONAL DE FORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL COM INCLUSÃO SOCIAL- ConectaDEL EDITAL Seleção para apoio a implantação de projetos que contribuam

Leia mais

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica Edital 1/2014 Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica A (PoloSul.org) torna pública a presente chamada e convida os interessados para apresentar propostas de incubação

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

Cartão BNDES. Volta Redonda RJ. 06 de abril de 2011

Cartão BNDES. Volta Redonda RJ. 06 de abril de 2011 Cartão BNDES Volta Redonda RJ 06 de abril de 2011 Cartão BNDES Baseado no conceito de cartão de crédito, visa financiar de forma ágil e simplificada os investimentos das MPMEs. Como Funciona? Ambiente

Leia mais

O BNDES mais perto de você. abril de 2009

O BNDES mais perto de você. abril de 2009 O BNDES mais perto de você abril de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Apoio ao mercado

Leia mais

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Prof. Dr. Elvis Fusco 2014 Prefeitura Municipal de Garça Apresentação Prof. Dr. Elvis Fusco Centro Universitário Eurípides

Leia mais

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural 1. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural no bioma Amazônia... 2 2. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Subáreas. Marketing estratégico: Marketing de varejo

Subáreas. Marketing estratégico: Marketing de varejo Marketing estratégico: Marketing de varejo Marketing de serviços: Marketing de agronegócios Área: Marketing e Vendas Competências diagnóstico mercadológico; metodologia de análise e segmentação de mercado

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

SECRETARIA DE INOVAÇÃO

SECRETARIA DE INOVAÇÃO SECRETARIA DE INOVAÇÃO EDITAL Nº 01, DE 30 DE JANEIRO DE 2013 SEGUNDA CHAMADA PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA ENTRE BRASIL E ISRAEL O SECRETÁRIO DE INOVAÇÃO DO MINISTÉRIO DO

Leia mais

GUIA PARA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETOS COMPONENTE 4

GUIA PARA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETOS COMPONENTE 4 FUNDO MULTILATERAL DE INVESTIMENTOS PROGRAMA REGIONAL DE FORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL COM INCLUSÃO SOCIAL- CONECTADEL GUIA PARA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETOS COMPONENTE 4 1. Objetivo

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Campinas - SP 17.mar.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas N o de operações 2014*

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CREDENCIAMENTO NO SEBRAE-SP:

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CREDENCIAMENTO NO SEBRAE-SP: PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CREDENCIAMENTO NO SEBRAE-SP: A oportunidade de se tornar um facilitador de aprendizagem e/ou consultor para o sucesso das micro e pequenas empresas APRESENTAÇÃO Esta cartilha

Leia mais

Inova Pequena Empresa RS

Inova Pequena Empresa RS Inova Pequena Empresa RS 1 Bloco: : Conceituando Inovação; 2 Bloco: : Programa Inova Pequena Empresa RS / Chamada Pública P Nº N 01/2009; 3 Bloco: : Estruturação do projeto no Sistema de Gestão de Projetos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

PROGRAMA INOVACRED /FINEP. Empresas com receita bruta anual ou anualizada de até R$ 90 milhões, divididas nos seguintes portes:

PROGRAMA INOVACRED /FINEP. Empresas com receita bruta anual ou anualizada de até R$ 90 milhões, divididas nos seguintes portes: PROGRAMA INOVACRED /FINEP Classificação do porte das empresas Empresas com receita bruta anual ou anualizada de até R$ 90 milhões, divididas nos seguintes portes: Porte I empresas com receita operacional

Leia mais

GUIA PORTUGAL 2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS 2014-2020 SPAIN - FRANCE - PORTUGAL - BELGIUM - BRAZIL - CHILE - CANADA

GUIA PORTUGAL 2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS 2014-2020 SPAIN - FRANCE - PORTUGAL - BELGIUM - BRAZIL - CHILE - CANADA GUIA PORTUGAL 2020 NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS 2014-2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? www.f-iniciativas.com GUIA PORTUGAL 2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? 1. O que é Portugal 2020 2. Metas para o Portugal

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Segmento MANUFATURA TÊXTIL E VESTUÁRIO

Segmento MANUFATURA TÊXTIL E VESTUÁRIO Segmento MANUFATURA TÊXTIL E VESTUÁRIO No mercado têxtil e de vestuário, alta competitividade, sazonalidade e novas tecnologias de indústrias como a calçadista, de esportes e a própria moda são grandes

Leia mais

eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento

eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento Novos padrões para a medição eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro Ditec Cgint - Incubadora Samuel Valle - Eng.º

Leia mais

SESI. Empreendedorismo Social. Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações?

SESI. Empreendedorismo Social. Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações? SESI Empreendedorismo Social Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações? REGULAMENTO SESI Empreendedorismo Social A inovação social é o ponto de partida para um novo modelo que atende

Leia mais

INCUBADORA RINETEC. Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC. Edital 001 2014

INCUBADORA RINETEC. Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC. Edital 001 2014 INCUBADORA RINETEC Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC Edital 001 2014 1. APRESENTAÇÃO 1.1 Este edital estabelece formas, condições e critérios para que a Associação

Leia mais

Factor PME. Junho 2011

Factor PME. Junho 2011 Projecto Factor PME Junho 2011 Índice Âmbito e Objectivos 03 Condições de Elegibilidade _Entidade beneficiária 04 _Projecto 05 Investimentos Elegíveis _Componentes de financiamento 06 _Despesas elegíveis

Leia mais

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados DIFERENCIAIS Acredito que o desenvolvimento de soluções para Internet não é um trabalho qualquer, deve-se ter certa experiência e conhecimento na área para projetar sistemas que diferenciem você de seu

Leia mais

Manual do Programa. SEBRAEtec

Manual do Programa. SEBRAEtec Manual do Programa SEBRAEtec Brasília/DF Agosto 2013 2013. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Nº 045/2015

PROCESSO SELETIVO Nº 045/2015 PROCESSO SELETIVO Nº 045/2015 REDE NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA E FEMINISTA A GUAYÍ, Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, sediada na Rua José do Patrocínio 611, Bairro Cidade Baixa, Porto

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

EXTRATIVISTA E BENEFICIAMENTO

EXTRATIVISTA E BENEFICIAMENTO Segmento MANUFATURA EXTRATIVISTA E BENEFICIAMENTO As soluções de software de gestão para o segmento de manufatura da TOTVS são especialistas na extração de resultados para o seu subsegmento. Um conjunto

Leia mais

COMPREENDENDO MELHOR O APOIO DA FAPEMIG À PROTEÇÃO INTELECTUAL DE INVENTORES INDEPENDENTES

COMPREENDENDO MELHOR O APOIO DA FAPEMIG À PROTEÇÃO INTELECTUAL DE INVENTORES INDEPENDENTES COMPREENDENDO MELHOR O APOIO DA FAPEMIG À PROTEÇÃO INTELECTUAL DE INVENTORES INDEPENDENTES 1- A FAPEMIG apoia, tecnicamente e financeiramente, os inventores independentes na proteção e manutenção de invenções,

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho OBJETIVO: Ao final do Curso, o aluno será capaz de: Conhecer

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014

Plano BrasilMaior 2011/2014 Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda de Ações para a Competitividade dos Pequenos Negócios Dimensões do Plano Brasil Maior -Quadro Síntese Dimensão Estruturante:

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

REGULAMENTO. 1º - Serão aceitos projetos inovadores desenvolvidos em 2009 e 2010, e que já estejam no mercado por um período mínimo de 6 meses.

REGULAMENTO. 1º - Serão aceitos projetos inovadores desenvolvidos em 2009 e 2010, e que já estejam no mercado por um período mínimo de 6 meses. REGULAMENTO APRESENTAÇÃO Art. 1º O Prêmio de Nacional de Inovação na Indústria, promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pelo Movimento Brasil Competitivo (MBC), com o apoio da Financiadora

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO

COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO OBJETIVO DA SEÇÃO Esta seção apresenta a Competência, Conscientização e do Sistema da Qualidade da TELEDATA que atende ao item 6.2.2 Norma ISO 9001:2008. DIRETRIZES

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012)

CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012) CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012) 1. APRESENTAÇÃO O Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), com o apoio da Secretaria de Ciência, Tecnologia

Leia mais

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação.

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação. ISO 9001 A ISO 9001 é um Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) standard que exige que uma dada organização satisfaça as suas próprias exigências e as dos seus clientes e reguladores. Baseia-se numa metodologia

Leia mais

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Programa de Inovação Tecnologica FIESP CIESP - SENAI Sede Fiesp 2013 Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais