Olga Ferreira e Penna

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Olga Ferreira e Penna"

Transcrição

1 Olga Ferreira e Penna POSSIBILIDADES DIALÓGICAS: ENTRE OS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS E A IMPLANTAÇÃO DE CURSOS DE LICENCIATURAS NO IFMG CAMPUS OURO PRETO Minas Gerais - Brasil Outubro

2 Olga Ferreira e Penna POSSIBILIDADES DIALÓGICAS: ENTRE OS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS E A IMPLANTAÇÃO DE CURSOS DE LICENCIATURAS NO IFMG CAMPUS OURO PRETO Monografia apresentada ao Curso de Licenciatura Plena em Geografia do Instituto Federal Minas IFMG, campus Ouro Preto, como requisito parcial à obtenção do título de Graduado em Geografia. Orientador: João Bosco Rios Co-Orientador: Guilherme Guimarães Leonel Ouro Preto Coordenadoria de Geografia do IFMG 2012

3 P412p Penna, Olga Ferreira e Possibilidades dialógicas entre os cursos técnicos integrados e a implementação de cursos de licenciaturas no IFMG Campus Ouro Preto [manuscrito] / Olga Ferreira e Penna f. Orientador: Prof. João Bosco Rios Co-Orientador: Prof. Guilherme Guimarães Leonel Monografia (Graduação) Instituto Federal Minas Gerais, Campus Ouro Preto. Licenciatura em Geografia. 1. Educação. Monografia. 2. Ensino Profissional e Técnológico. 3. Docência. Monografia. 4. Ensino Superior. Monografia. 5. Licenciatura. Monografia. I. Rios, João Bosco. II. Leonel, Guilherme Guimarães. III. Instituto Federal Minas Gerais, Campus Ouro Preto. Licenciatura em Geografia. IV. Título. CDU Catalogação: Biblioteca Tarquínio J. B. de Oliveira - IFMG Campus Ouro Preto

4 Esta monografia foi submetida à Coordenação do Curso de Geografia, como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Licenciatura em Geografia, outorgado pelo INSTITUTO FEDERAL DE MINAS GERAIS IFMG, campus Ouro preto, e encontra-se à disposição dos interessados na Biblioteca da referida Instituição. A citação de qualquer trecho desta monografia é permitida, desde que feita de acordo com as normas de ética científica. Média OLGA FERREIRA E PENNA Prof. JOÃO BOSCO RIOS Prof. Orientador Prof. GUILHERME GUIMARÃES LEONEL Prof. Co-Orientador Prof. GERALDA APARECIDA DE CARVALHO PENA Membro da Banca Examinadora Prof. CATARINA BARBOSA TORRES GOMES Membro da Banca Examinadora Monografia aprovada em de de.

5 Dedico esta monografia: A Thiago Oshiro e a todos aqueles que, assim como nós, um dia se sentaram em uma sala de aula do CEFET-OP e de alguma forma se sentiram incomodados com o ensino que estavam recebendo. Que este estudo possa contribuir para que essa sensação ocorra com cada vez menos frequência e um dia se torne apenas lembranças de um passado distante; A João Bosco Rios que, em meio aos momentos de desconforto, sempre foi o amigo que me ofereceu apoio e esperança nos meus 7 anos nesta instituição; A minha mãe.

6 AGRADECIMENTOS À minha mãe, Janaína, pelo primeiro exemplo, carinho e segurança; Ao meu pai, Joel, pela presença cada vez mais próxima; A O Trio pelas conversas espacializadas e alegrias compartilhadas: o mundo é nosso!; À Cris, pelo afeto, Black Label s e exclamações; À Cacau pelas doses de fôlego às segundas-feiras; Ao Darlan pelos abraços infinitos; Ao Digo, pelo conforto da amizade sincera ao longo de todos esses anos; A Elina, (por compreender minhas ausências e chatices) pela cadência de uma vida em samba; À Flavi, pelo encontro; Ao Leonel, presença fundamental para que este trabalho se realizasse, pelo apoio imediato e sua capacidade de me tranquilizar com seu otimismo e confiança; À Marcela, pela hospedagem sossegada na cidade tumultuada; Aos meus irmãos: Mateus, Pedro e Davi por me fazerem mais leve; Ao Rios, pelo apoio incondicional e por não ter hesitado em fazer parte de mais de mais este momento da minha vida, serei eternamente grata; À Rúbia, pela cumplicidade e todos os textos escritos a quatro mãos; Ao Binho, por me fazer não levar as coisas tão a sério; À Tathi, pela luz que eu encontrei no finalzinho disso tudo; Ao Thi, por todas as nossas utopias; À Sara pelas reticências...

7 A todos os meus professores, em especial: Fábio Soares, sempre o maior exemplo, pelas nossas semelhanças inerentes e pela confiança silenciosa e incomparável que sua presença me traz; Fernando Braga, (acompanhado de Giddens, Castells, Frémont, Santos,...) pelas agradáveis discussões nesses 4 anos de curso; Lucas Mello, pelo prazer geografar publicamente; Patrício Souza, por me mostrar que a Geografia podia ser ainda mais linda do que eu pensava; Raquel Mello, pelo encanto; Venilson, pelo primeiro impulso, pela primeira queda e por me fazer ter vontade de deixar esse mundo mais bonito... Por fim, agradeço ao Caetano (sim, o cantor!) que na impossibilidade de abraços, conseguia me fazer respirar e organizar minhas ideias quando eu acreditava que meu cérebro estava prestes a se desintegrar.

8 As pessoas comuns olham para as coisas que são e perguntam: por quê? Eu sonho com as coisas que não são e pergunto: por que não? (G. Bernard Shaw)

9 RESUMO O presente trabalho se propõe a investigar os limites e possibilidades de atuação dos cursos de licenciatura nos Instituto Federais de Educação Ciência e Tecnologia (IF s) e, especialmente, no IFMG-OP, frente às propostas dessa nova instituição e considerando ser esse um local que historicamente caracterizou-se por ofertar ensino técnico de nível médio. Os institutos federais foram criados em dezembro de 2008, a partir da Lei , apesar de ser um modelo inovador, essas instituições compõem uma rede centenária: a Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica (RFEPT). Um dos objetivos IF s é destinar 20% de suas vagas para cursos de licenciatura, tal determinação parece se justificar na necessidade de suprir uma demanda de docentes em falta no país, porém constitui uma modalidade de ensino que não era comumente ofertada por essa rede. Dessa forma, surgem desafios e novas possibilidades para essas escolas que possuem uma construção histórica e ao mesmo tempo necessitam se refazer com novas atribuições. Para esta pesquisa foi utilizada pesquisa bibliográfica teórica a partir de documentação legal e artigos relacionados ao tema. Além disso, foram feitas entrevistas com pessoas do IFMG de forma a compreender o local específico deste estudo e ampliar suas fontes de análise. Dentre outras coisas, foi possível constatar que o fato desse instituto ofertar ensino médio e licenciatura no mesmo ambiente, não constitui necessariamente um empecilho, o encontro entre os cursos de licenciatura e os cursos técnicos se faz indispensável para que se alcancem os objetivos dessa nova instituição. As dificuldades maiores encontradas para as licenciaturas estão no entendimento e implantação das propostas dos IF s, ainda em construção e carente de projetos específicos para que se efetive na prática. PALAVRAS-CHAVE: Educação profissional e tecnológica; instituto federal; docência.

10 ABSTRACT The present study aims to investigate the limits and possibilities of action of the degree courses in the Instituto Federais de Educação Ciência e Tecnologia (IF s) and especially in IFMG-OP, face the new proposes over this institution and considering it to be historically committed to offer courses of technical education and second degree. The IF s were created in 2008, instituted by Law , despite being an innovative model; these institutions compose a centenary network: The Federal network of Technological Education. One of the objectives of the IF`s is to instead 20% of its vacancies for degree courses, such determination seems to justify the need to meet a demand of teachers in shortage in the country, but is a mode of teaching that was not commonly offered by this network. Thus, challenges and new possibilities arise for those schools that have a historical legacy and at the same time need to remake with new assignments. For this research we used theoretic literature from legal documents and articles related to the topic. In addition, interviews were conducted with people of IFMG in order to understand the specific location of this study and broaden their sources of analysis. Among other things, it was established that the fact that school offer secondary education graduate and in the same environment is not necessarily a hindrance but, on the contrary, the meeting between the graduation and technical courses are indispensable for the achievement of the objectives of this new institution. The greatest challenges found for these graduations are in the understanding and implementation of the proposals in the IF s, still under construction and lacking in specific projects that become effective in practice. PALAVRAS-CHAVE: Professional and Technological Education; federal institute; teaching.

11 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ET - ETFOP - CEFET - Escola Técnica Escola Técnica Federal de Ouro Preto Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET-OP - Centro Federal de Educação Tecnológica de Ouro Preto EPT - IF - IFMG - IFMG-OP - MEC - RFEPT - UNED - Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Instituto Federal de Minas Gerais Instituto Federal de Minas Gerais Campus Ouro Preto Ministério da Educação Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica Unidade de Ensino Descentralizada

12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO A CONSTRUÇÃO DA REDE FEDERAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Das escolas de Aprendizes e Artífices (1909) aos Institutos Federais de Educação Ciência e Tecnologia (2008): uma educação voltada para o trabalho Os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia Da Escola Técnica Federal de Ouro Preto ao Instituto Federal de Minas Gerais Campus Ouro Preto FORMANDO PROFESSORES: ASPECTOS HISTÓRICOS DA FORMAÇÃO DOCENTE NO BRASIL E AS PROPOSTAS ATUAIS PARA AS LICENCIATURAS NOS IF S Formando professores no Brasil: diferentes caminhos para a construção da prática docente A inserção de licenciaturas nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia As licenciaturas no IFMG-OP: criação e implantação O curso de Licenciatura em Geografia do IFMG-OP O curso de Licenciatura em Física do IFMG-OP POSSIBILIDADES DIALÓGICAS: OS CAMINHOS DE UMA NOVA INSTITUIÇÃO Integração e verticalização: superando antagonias e ampliando formações Ensino, pesquisa e extensão: uma educação profissional e tecnológica voltada ao desenvolvimento local Instituição multicampi e pluricurricular: desafios de um modelo em construção Da proposta ideal às identidades possíveis CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 74

13 11 INTRODUÇÃO No século XXI, marcado, dentre outras coisas, pela importância da comunicação/internet, possibilitando a interação de diversas partes do planeta em tempo real e por uma economia que acontece em rede, as explicações e verdades desse mundo se fazem cada vez mais frágeis e provisórias. Em uma sociedade onde a ciência constantemente se apoiou em paradigmas, a fluidez de um mundo conectado parece atropelar possíveis tentativas de engessar novas teorias. Contudo, na falta de certezas, surge um intenso processo de discussão, questionamentos e reformulações. Nesse mundo incerto, que aproxima lugares aparentemente distantes, influenciando relações globalizadas, a educação se amplia deixando de ser apenas um meio de inserção na sociedade e se tornando fundamental na construção de agentes políticos, capazes de refletir e reorganizar os espaços do qual fazem parte. No Brasil, o Secretário de Educação Profissional e Tecnológica, Eliezer Pacheco, propõe que A educação necessita estar vinculada aos objetivos estratégicos de um projeto que busque não apenas a inclusão nessa sociedade desigual, mas também a construção de uma nova sociedade fundada na igualdade política, econômica e social. Essa sociedade em construção exige uma escola ligada ao mundo do trabalho numa perspectiva radicalmente democrática e de justiça social. 1 (grifo nosso) A partir disso, Pacheco apresenta a educação como uma das questões urgentes que precisam ser pensadas atualmente, afirmando que como política social capaz de emancipar, sua força deve ser renovada por meio de projetos criativos e desafiadores. 2 Nesse contexto surgiram os Institutos Federais de Educação Ciência e Tecnologia: um modelo singular, que se insere hoje na mais recente proposta para a educação brasileira, se diferenciando de todas as outras instituições educacionais do país. A implantação dos IF s ocorreu em dezembro de 2008, com a Lei que cria 38 institutos federais. Apesar de inovadora, essa criação se dá a partir de uma rede de ensino com 100 anos de história: a Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica. Iniciada 1 PACHECO, Eliezer (org). INSTITUTOS FEDREAIS: uma revolução na educação profissional e tecnológica. Brasília, São Paulo: Editora Moderna, 2011, p.8. 2 PACHECO, 2011, p.5.

14 12 em 1909, com as Escolas de Aprendizes e Artífices, transformadas em Escolas Técnicas Federais no ano de 1959 e em Centros Federais de Educação Profissional e Tecnológica em 1994, essa rede é tradicionalmente um local de formação de trabalhadores no país. Ao longo desse um século de existência, a RFEPT se construiu embasada em um ensino voltado para o mundo do trabalho. Com o crescimento industrial no Brasil, em meados do século XX, essas escolas deixaram de ser apenas um lugar para aprendizado de pequenos ofícios e se tornaram as principais responsáveis por formar mão de obra técnica para as empresas, função que pretendem exercer até os dias atuais. Ao se implantarem os Institutos Federais de Educação Ciência e Tecnologia, são agregadas novas características e obrigações a essa rede, destacando-se nesta monografia aquelas que dizem respeito à oferta de ensino. Dentre os diversos objetivos dos IF s está a garantia de 50% de suas vagas para educação profissional técnica de nível médio, 20% das vagas para cursos de licenciatura os outros 30% para os demais cursos superiores e pósgraduações. O primeiro caso corresponde a uma modalidade de ensino que, mesmo sem possuir suas vagas estabelecidas em lei, já era priorizada na maioria das instituições que atuavam enquanto CEFET s ou Escolas Técnicas. Contudo, a oferta de cursos de licenciatura, ou até mesmo o oferecimento de cursos superiores, não era tão usual, passando a ter mais presença e assumindo caráter obrigatório a partir da criação dos institutos federais. Compreendendo que a prioridade para o ensino técnico profissionalizante representa a tradição dessas escolas e constitui a característica sobre a qual se construiu a Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica, a implantação de outras modalidades de ensino traz dúvidas, críticas, expectativas, desafios e novas possibilidades. Dentro desse contexto, este estudo lança um olhar para a implantação das licenciaturas dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, destacando-se a experiência do Instituto Federal de Minas Gerais, campus Ouro Preto. Sem negar as dificuldades geradas por uma alteração aparentemente impositiva, visto se tratar de disposições legais, acredita-se que uma vez determinada a implantação desses cursos de licenciatura, há necessidade de se pensar sua relação dentro da instituição e construir medidas que possam viabilizar sua atuação. Compreende-se ainda que pensar as licenciaturas enquanto realidade presente e futura nos Institutos Federais consiste em voltar o

15 13 olhar sobre elas, considerando as especificidades do local onde estão implantadas, tanto com relação às suas novas atribuições, quanto à sua construção histórica. Assim, este estudo se propõe a investigar os limites e possibilidades de atuação dos cursos de licenciatura nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (IF s) e, especialmente, no IFMG-OP, frente às propostas dessa nova instituição e considerando ser esse um local que historicamente caracterizou-se por ofertar ensino técnico de nível médio. Para tanto, esta monografia se divide em três capítulos: no capítulo 1, denominado A construção da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica faz-se uma abordagem histórica, apresentando a construção da Rede Federal Educação Profissional e Tecnológica, que irá culminar na implantação dos IF s em Em seguida, o capítulo 2, Formando professores: aspectos históricos da formação docente no Brasil e as propostas atuais para as licenciaturas nos IF s, aborda a formação de professores no Brasil e os questionamentos e propostas que surgem frente à obrigação de se implantar curso de licenciatura nos IF s. Por fim, o capítulo 3, Possibilidades dialógicas: os caminhos de uma nova instituição, trata das licenciaturas nos IF s frente às características dessa nova instituição expostas em lei, abordando as determinações governamentais diante das ações e experiências vividas pelo IFMG-OP. A discussão desta monografia se pautou, principalmente, na documentação legal federal e em publicações de órgãos federais acerca dos temas tratados. Buscaram-se também bibliografias que problematizassem a questão das licenciaturas na RFEPT, especificamente nos institutos federais. Contudo, por se tratar de um acontecimento bastante recente, a bibliografia é escassa, fato que justifica a relevância deste estudo, e que nos motivou a procurar outras formas de pesquisa. De maneira a ampliar as fontes de investigação e compreender o local específico deste estudo, IFMG-OP, foram realizadas entrevistas com funcionários da instituição que estiveram envolvidos no processo de transformação de CEFET-OP para IFMG-OP e/ou no processo de implantação dos cursos de licenciatura dessa instituição. As entrevistas correspondem a um método qualitativo de pesquisa, que utiliza dos procedimentos da história oral. A história oral é um procedimento integrado a uma metodologia que privilegia a realização de entrevista e depoimentos com pessoas que participaram de processos históricos ou testemunharam acontecimentos no âmbito da vida privada ou coletiva.

16 14 Objetiva a construção de fontes ou documentos que subsidiam pesquisas ou formam acervos de centros de documentação de pesquisa. 3 O tipo de entrevista realizada foi Entrevistas Temáticas, que se referem a experiências e processos específicos vividos ou testemunhados pelos entrevistados, 4 no caso, a transformação de CEFET/OP-IFMG e a implantação dos cursos de Licenciatura em Geografia e Licenciatura em Física desse instituto. As entrevistas seguiram um roteiro básico de perguntas, de forma a instigar o entrevistado a relatar suas experiências e expor opiniões sobre os fatos ocorridos. Realizou-se um encontro com cada entrevistado, com duração de cerca de uma hora. Os depoimentos encontram-se gravados e devidamente autorizados para utilização, podendo ser empregados em novos estudos. Para esta pesquisa foram entrevistados: i. Caio Bueno, atual reitor do IFMG e diretor do CEFET-OP na época de sua transformação para instituto federal; ii. Arthur Versiani, atual diretor do campus Ouro Preto e vice-diretor do CEFET-OP quando da sua transformação em instituto federal; iii. Venilson Luciano Benigno Fonseca, professor idealizador do curso de Licenciatura em Geografia, Diretor de Pesquisa, Graduação e Pósgraduação no período de implantação dos institutos e um dos responsáveis por escrever o projeto de criação do IFMG apresentado ao Ministério da Educação; iv. Gislayne Gonçalves, professora, idealizadora e atual coordenadora do curso de Licenciatura em Física do IFMG- OP. Além de todo o aparato teórico formal, é importante ressaltar que, enquanto estudante, vivenciei as mudanças apresentadas nesta pesquisa, nos quase sete anos que passei dentro desta instituição. Cursei o ensino médio integrado no CEFET-OP, me formando como técnica em mineração, em março de Geografia, onde pretendo me formar em e, em seguida, ingressei-me na Licenciatura em Assim, estudei nas duas modalidades de ensino abordadas nesta pesquisa, estando também presente no momento de transformação de CEFET-OP em IFMG-OP. Considero esse relato de extrema importância, pois, apesar de todo o distanciamento que se prega a um estudo científico, não posso negar que fiz parte de tudo isso. Os momentos vivenciados por mim compõem essa história centenária: contribuí para a construção desta instituição e num movimento dialético fui, ao mesmo tempo, construída por ela. De forma alguma considero as minhas vivências como um empecilho ao estudo que está 3 DELGADO, Lucília de Almeida Neves. História oral: memória, tempo, identidades. Belo Horizonte: Autêntica, 2006, p DELGADO, 2006, p O ano letivo não seguia o calendário convencional, devido às diversas greves ocorridas.

17 15 sendo apresentado. Ao contrário, foi a partir delas que surgiu esta pesquisa, motivada pela oportunidade de colaborar para a melhoria de uma escola que fez parte da minha formação e frente à possibilidade de me entender dentro da instituição em que estou inserida. Assim, valendo-me de todo o aparato teórico bibliográfico lido, da documentação recolhida e analisada, das entrevistas realizadas e das minhas observações e vivências, tentarei aqui dialogar com dois tipos de formação, que para muitos poderiam ser consideradas opostas a formação profissional técnica de nível médio e a formação docente e que agora se encontram dentro de uma mesma instituição: o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia.

18 16 1. A CONSTRUÇÃO DA REDE FEDERAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Um século se passou desde a criação das Escolas de Aprendizes e Artífices em 1909 marco inicial da criação de uma Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica no Brasil até a instauração dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. Pretende-se neste capítulo, traçar um breve histórico acerca do caminho percorrido ao longo desses 100 anos, que culminou com a criação dos IF s em dezembro de Chama-se atenção, no contexto dessas transformações, tanto para a construção dessa rede quanto para o seu papel dentro da educação geral do país. Destaca-se ainda o estabelecimento dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, suas características, objetivos e representatividade no contexto educacional brasileiro nos dias de hoje, bem como alguns dos desafios que seguem à efetivação das suas propostas. Por fim, o último tópico aborda a trajetória da Escola Técnica Federal de Ouro Preto (ETFOP), transformada em Centro Federal de Educação Tecnológica de Ouro Preto (CEFET-OP) e hoje Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais, campus Ouro Preto (IFMG-OP).

19 Das escolas de Aprendizes e Artífices (1909) aos Institutos Federais de Educação Ciência e Tecnologia (2008): uma educação voltada para o trabalho O caminho da educação profissional no Brasil, que irá culminar na instauração dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (IF s), se constrói com a organização de uma rede federal de ensino, que objetiva a educação voltada para o mundo do trabalho. Nesse sentido, podemos dizer que essa preocupação começa antes de qualquer sistematização formal de educação por parte do governo, tendo início ainda nos tempos do Brasil Colônia, com o ensino de pequenos ofícios aos primeiros trabalhadores da terra, no caso, índios e escravos. Já a educação formal, naquela época, era privilégio de alguns filhos de colonos, educados por jesuítas para uma formação basicamente intelectual, que os afastava de qualquer profissão manual. Assim, paralelamente, construía-se um ensino para os brancos, intelectuais, donos do pensar e outro para os negros, índios, voltado para trabalhos manuais. Esse fator histórico leva autores como João Bosco Rios 6 a apontar uma dualidade na construção do sistema educacional brasileiro: tem-se desde o começo uma educação que diferenciava ricos de pobres. Além disso, perpetuava-se a visão do trabalho manual, do ofício, como algo negativo, visto que cabia às classes menos afortunadas aprender e realizar esse tipo de serviço, não tendo acesso à aprendizagem de outros tipos de conhecimento. É importante atentar-se para esses fatores, pois tais características acompanham a construção da educação profissional brasileira, seja de maneira velada ou de forma explícita, e os reflexos dessa forma de pensar irão influenciar os rumos dessa modalidade de ensino ao longo dos anos. Esses aspectos podem ser observados desde o princípio da sua concepção formal, através das funções estabelecidas pelos governos a esse tipo de formação. O primeiro ato do poder público com relação à educação profissional no país ocorre em 1808, com a criação do Colégio das Fábricas, pelo então imperador Dom João VI. A partir disso, durante o século XIX, percebe-se o surgimento de outras instituições como 6 RIOS, João Bosco. A Escola Técnica Federal de Ouro Preto: um microcosmo da vida social e cultural da cidade. Dissertação (Mestrado em Educação, Cultura e Organizações Sociais), 2010, 158 f. Universidade do Estado de Minas Gerais, Fundação Educacional de Divinópolis, Divinópolis, 2010.

20 18 os Liceus de Artes e Ofícios e as Casas de Educandos e Artífices também voltadas a esse tipo de ensino. Acerca desse período, João Bosco Rios destaca que a formação técnica disponibilizada para os artífices apresentava características de caridade pública, na medida em que ela se destinava ao amparo dos desvalidos. 7 Afirma ainda, que por muito tempo o ensino profissional era pensado como uma forma de combater a criminalidade e a vagabundagem 8, manter ocupados os desvalidos ou garantir assistência a crianças órfãs e abandonadas, inserindo-as no mundo do trabalho. É no século XX que o ensino profissional, apesar de ainda possuir um caráter assistencialista, começará a se preocupar com a formação de operários, apontando para a incursão do país nos caminhos da industrialização e tomando um corpo mais parecido com o que se tornaria conhecido sob o nome de Escolas Técnicas Federais. Em 1906, o ensino profissional no Brasil passa a ser responsabilidade do Ministério da Agricultura, Ensino e Comércio e o então governador do Rio de Janeiro, Nilo Peçanha, inicia o ensino técnico no país criando quatro escolas para essa modalidade no seu estado. Em 1909, após a morte do presidente Afonso Pena, Nilo Peçanha assume a presidência da República, assinando em 23 de setembro o Decreto nº 7566, que cria dezenove Escolas de Aprendizes e Artífices, destinadas ao ensino profissional, primário e gratuito. 9 A criação das Escolas de Aprendizes e Artífices é justificada no decreto, considerando os seguintes aspectos: o aumento constante da população das cidades exige que se facilite às classes proletarias os meios de vencer as dificuldades sempre crescentes da lueta pela existência (...) para isso se torna necessario, não só habilitar os filhos dos desfavorecidos da fortuna com o indispensavel preparo technico e intelectual, como faze-los adquirir habitos de trabalho proficuo, que os afastara da ociosidade ignorante, escola do vicio e do crime. 10 O Decreto nº7566/1909 representa o marco inicial da construção da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica. Um século depois, vê-se ainda a mentalidade dualista do ensino cunhada nos tempos da colônia. O ensino técnico era tido como um favor prestado pelo Estado aos filhos dos desfavorecidos da fortuna e tinha claro objetivo de controle social. 7 RIOS, 2010, p Ibid., p MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Centenário da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica, Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/centenario/historico_educacao_profissional.pdf> Acesso em: 02 abr BRASIL. Decreto nº de 23 de setembro 1909.

21 19 A partir da década de 1930, como consequência do processo de industrialização cada vez mais presente no país, a rede de educação profissional irá se ampliar, passando a fazer parte das propostas e projetos governamentais. Com a criação do Ministério da Educação e Saúde Pública, o ensino profissional passa a ser responsabilidade desse órgão e em 1937, sob o comando de Getúlio Vargas, o ensino industrial é abordado pela primeira vez na constituição. Durante a década de 1940 sua adequação será definitivamente afirmada através das Leis Orgânicas do Ensino Industrial, 11 Capanema. conhecida também como Reforma A presença da educação profissional na constituição abre caminho para uma estruturação dessa modalidade de ensino, ao enquadrá-la dentro dos planos educacionais do país. Entretanto, não é capaz de superar a dualidade herdada dos períodos coloniais. Os cursos profissionais continuavam destinados às classes mais pobres da população e a divisão entre um ensino profissional, manual e um ensino intelectual, persistia. Isso se confirma, por exemplo, no fato de que havia restrições para que os estudantes vindos de um ensino profissional prosseguissem nos estudos ingressando num curso superior. Este era visto como o destino apenas das camadas mais afortunadas oriundas do ensino secundário regular. Ronaldo Pamplona e Célia Regina Otranto argumentam que essa restrição caracterizou a dicotomia social explicitada pela reforma, que protegia os abastados, oferecendo-lhes melhores oportunidades, enquanto obrigava os pobres a parar os estudos ou seguir precocemente uma profissão que carregaria para o resto de sua vida. 12 Apenas em 1950, começam-se a equivaler os ensinos profissionais e propedêuticos e os estudantes dessa primeira modalidade ficam permitidos a ingressarem no curso superior, desde que prestassem alguns exames. Tais avaliações eram necessárias justamente porque as disciplinas cursadas nos cursos profissionalizantes não equivaliam àquelas cursadas no ensino secundário e consideradas essenciais ao ingresso nas universidades. Cabe destacar ainda que inicialmente as escolas técnicas ofereciam cursos de primeiro grau e a possibilidade de ministrar cursos de segundo grau dependia de autorizações do Ministério da Educação. Somente em 1959, ao recebem o título de Escolas Técnicas Federais, são transformadas em autarquias, obtendo maior autonomia didática e 11 BRASIL. Lei Federal nº de 30 de janeiro de Lei Orgânica do Ensino Industrial. 12 PAMPLONA, Ronaldo Mendes e OTRANTO, Célia Regina. A educação profissional e a dicotomia social na reforma Capanema. Anais do I Simpósio Pedagógico e Pesquisas em Educação (SIMPED), 4 a 6 de setembro de 2006, Resende (RJ), p. 6.

22 20 administrativa. É a partir desse período que passam a oferecer preferencialmente cursos técnicos de segundo grau. Com a promulgação da primeira Lei de Diretrizes e Bases da Educação, em 1961, o ensino profissional será definitivamente equiparado ao propedêutico, no que diz respeito à possibilidade de continuação dos estudos. De acordo com Rios, tem-se nesse período a erradicação da antiga dualidade do ensino, pelo menos do ponto de vista formal (grifo nosso). 13 A presença dessa continuidade em lei não garante, contudo, a equiparação entre as duas modalidades de ensino. Os objetivos e as matrizes curriculares continuariam distintos, bem como a forma como os cursos eram vistos pela sociedade em geral e pela indústria. Não havia garantia, por exemplo, que estudantes oriundos do ensino profissional conseguiriam ser aprovados em vestibulares para ingressar nos cursos superiores. Questiona-se também o objetivo de um indivíduo cursar um ensino técnico caso pretendesse prosseguir os estudos em uma universidade. Deve-se lembrar que a formação técnica acabava possuindo uma carga horária mais extensa que a do ensino propedêutico, visto que deveria, ao menos em parte, ofertar algumas disciplinas básicas equivalentes ao segundo grau, além das disciplinas específicas à formação técnica. Atentando-se a esses aspectos, a possibilidade de prosseguir nos estudos após se formar como técnico, consistirá em uma realidade alguns anos depois, vindo a se estabelecer em um espaço diferente da universidade: dentro das próprias escolas de ensino profissional. Com as mudanças e avanços no mercado econômico do país, é criado em 1978 um novo modelo de instituição: o Centro Federal de Educação Tecnológica. Implantado em escolas do Rio de Janeiro, Paraná e Minas Gerais, visava, dentre outras coisas, à formação de profissionais técnicos de nível superior que atendessem às novas demandas do sistema produtivo. Com isso as escolas transformadas em CEFET s passam a estar aptas a ofertar cursos em diferentes níveis, dando início à verticalização do ensino. Os cursos superiores oferecidos pelos CEFET s deveriam dar preferência à formação de profissionais das áreas de engenharia e tecnólogos, podendo ofertar também cursos de licenciatura para a formação de professores para lecionar no 2º grau e também nos cursos tecnólogos. A verticalização do ensino, promovida dentro dos CEFET s, sugere suprir, em certa medida, a deficiência de um estudante de ensino técnico ingressar no curso superior, 13 RIOS, 2010, p.83.

23 21 uma vez que os novos cursos serviriam como um estímulo a se prosseguir numa carreira de cunho tecnológico 14. Dessa maneira, a formação num curso técnico não necessariamente significaria o ponto final das aspirações do indivíduo. Sustentam-se, entretanto, algumas críticas a essa política. Por exemplo, o fato de que os cursos superiores de tecnologia ofertados pelos CEFET s geralmente possuíam uma duração inferior aos cursos superiores da universidade, o que leva autores como Marisa Brandão a acreditar que esta política educacional relacionada ao modelo econômico de capitalismo dependente visava oferecer uma formação dita de nível superior a fim de diminuir as pressões populares por vagas nas universidades, assim como fornecer mão-de-obra adequada ao capital. O Estado brasileiro (burguês) assumia assim seu papel de educador, incentivando e oferecendo cursos que qualificariam os trabalhadores dentro dos limites necessários para não mais que posto serem cursos de caráter terminal operar e manter o equipamento e o projeto industrial importado. 15 Vê-se o papel do trabalhador manual ainda embutido na criação dos cursos tecnólogos: era preciso mão de obra um pouco mais especializada. Continua-se formando para a profissão técnica, para a indústria, porém agora, frente às exigências do sistema produtivo, com alguns anos de estudo a mais. Após sua instauração em 1978, o modelo CEFET passou por três avaliações do MEC 16, sofrendo uma série de recomendações e novas propostas, porém, mesmo passível de críticas, conseguiu firmar a opinião da sua importância e eficácia dentro das necessidades do país. Com a Lei Nº 8.948, de 8 de dezembro de as Escolas Técnicas Federais são transformadas em Centros Federais de Educação Tecnológica, iniciando um processo maciço que ficou conhecido como cefetização. Dois anos após o início da cefetização no país foi sancionada a LDB/96, possuindo um capítulo específico para a educação profissional. 18 Além de estabelecer metas e objetivos para a educação como um todo, a LDB/96 separou o formação técnica da formação básica do ensino médio, de maneira que essas duas modalidades não poderiam ser ofertadas de forma integrada. Fica sendo possível cursar o ensino técnico e o ensino médio ao mesmo tempo, porém cada modalidade correspondendo a um curso distinto. A partir de 2004, com o 14 BASTOS, J.A.S.L.A. Os Centros Federais de Educação Tecnológica Cefets: núcleos de inovação tecnológica. Rev. Educação & Tecnologia, Curitiba, v. 1, n.2, p.48-72, dez., 1997, p BRANDÃO, Marisa. Uma concepção de educação e uma concepção de instituição: um pouco de história da educação (profissional) tecnológica no Brasil. Anais do IV Simpósio Trabalho e Educação, agosto 2007, Belo Horizonte (MG), p BASTOS, BRASIL. Lei Nº 8.948, de 8 de dezembro de Dispõe sobre a instituição do Sistema Nacional de Educação Tecnológica e dá outras providências. 18 BRASIL. Lei Federal nº de dezembro de Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

24 22 Decreto aprovado pelo presidente Lula, volta-se a poder ofertar o ensino técnico de forma integrada ao médio, como definido abaixo: 1o A articulação entre a educação profissional técnica de nível médio e o ensino médio dar-se-á de forma: I - integrada, oferecida somente a quem já tenha concluído o ensino fundamental, sendo o curso planejado de modo a conduzir o aluno à habilitação profissional técnica de nível médio, na mesma instituição de ensino, contando com matrícula única para cada aluno; II - concomitante, oferecida somente a quem já tenha concluído o ensino fundamental ou esteja cursando o ensino médio, na qual a complementaridade entre a educação profissional técnica de nível médio e o ensino médio pressupõe a existência de matrículas distintas para cada curso (...) III - subseqüente, oferecida somente a quem já tenha concluído o ensino médio. 19 A última década ( ), em especial, marca um novo rumo na Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica. Além do Decreto 5154/2004, tem início no Brasil o projeto de expansão dessa rede, como uma das propostas do Plano de Desenvolvimento da Educação 20. A primeira fase da expansão, contou com a construção de 64 unidades descentralizadas de ensino (UNED s). Em 2007, é iniciada a segunda fase com uma criação maciça de novas escolas. Entre 2003 e 2010, somaram-se mais 214 novas unidades às 140 existentes até 2002, completando 354 unidades e mais de 400 mil vagas. Além da ampliação do número de escolas e, conseqüentemente do número vagas, a expansão da rede federal de educação profissional e tecnológica tem o seu ponto auge na criação de 38 Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (IF s) no país em dezembro de 2008, dentre eles o IFMG, objeto deste estudo. Concomitante à criação dos IF s a rede federal de educação profissional e tecnológica completou um século de existência. A proposta de expansão ainda não terminou, sendo previstas um total de 562 unidades até 2014, que geraram juntas, mais de 600 mil vagas. A partir desse histórico, percebe-se que pensar a construção da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica consiste, obrigatoriamente, em falar da relação entre educação e trabalho. É falar ainda da criação de um sistema educacional que acompanha a construção da indústria no país, influenciado pelo processo produtivo do que se pauta nos preceitos capitalistas. A formação dos CEFET s e posterior criação dos Institutos Federais, 19 BRASIL. Decreto nº de 23 de julho BRASIL. Ministério da Educação. Plano de Desenvolvimento da Educação: razões, princípios e programas. Brasília: MEC, 2007.

25 23 não foge a essa regra que permeia toda a construção da rede, como afirma o próprio Ministério da Educação: Foi na década de 1980 que um novo cenário econômico e produtivo se estabeleceu, com o desenvolvimento de novas tecnologias, agregadas à produção e à prestação de serviços. Para atender a essa demanda, as instituições de educação profissional vêm buscando diversificar programas e cursos para elevar os níveis da qualidade da oferta. Cobrindo todo o território nacional, a rede federal presta um serviço à nação ao dar continuidade à sua missão de qualificar profissionais para os diversos setores da economia brasileira, realizar pesquisa e desenvolver novos processos, produtos e serviços em colaboração com o setor produtivo. 21 Por mais que exista um limiar comum nesse caminho, alterações foram feitas, mudanças efetivas ocorreram, a começar pela atenção que se dá hoje a essas instituições. O fato de existirem diversos projetos e planos já representa uma mudança quanto a uma educação que era vista como inferior. Hoje, pelo contrário, apontam-se os Institutos Federais como um dos eixos da estrutura educacional brasileira. Segundo o Plano de Desenvolvimento Educacional, trata-se de um arranjo educacional que articula, em uma experiência institucional inovadora, todos os princípios que informaram a formulação do PDE. 22 Percebe-se então que a criação dos IF s é peça fundamental dos objetivos propostos pela educação brasileira num período de 10 anos ( ). A proposta do que viria a ser os IF s é assim apresentada no Plano de Desenvolvimento da Educação 23 : A missão institucional dos IFET deve, no que respeita à relação entre educação e trabalho, orientar-se pelos seguintes objetivos: ofertar educação profissional e tecnológica, como processo educativo e investigativo, em todos os seus níveis e modalidades, sobretudo de nível médio; orientar a oferta de cursos em sintonia com a consolidação e o fortalecimento dos arranjos produtivos locais; estimular a pesquisa aplicada, a produção cultural, o empreendedorismo e o cooperativismo, apoiando processos educativos que levem à geração de trabalho e ren da, especialmente a partir de processos de autogestão. Quanto à relação entre educação e ciência, o IFET deve constituir-se em centro de excelência na oferta do ensino de ciências, voltado à investigação empírica; qualificar-se como centro de referência no apoio à oferta do ensino de ciências nas escolas públicas; oferecer programas especiais de formação pedagógica inicial e continuada, com vistas à formação de professores para a educação básica, sobretudo nas áreas de física, química, biologia e matemática, de acordo com as demandas de 21 Ministério da Educação (MEC). Expansão da Rede Federal de Educação Profissional, Científicae Tecnológica. Disponível em: <http://redefederal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=51& Itemid=79>. Acesso em: 21 abr BRASIL, 2007, p Ibid, p.32

26 24 âmbito local e regional, e oferecer programas de extensão, dando prioridade à divulgação científica. 24 A preocupação com a formação de trabalhadores não deixa de existir, contudo, firmam-se novas obrigações relacionadas ao incentivo à pesquisa e aos cursos superiores. Como foi abordado, a possibilidade de ofertar educação superior já era existente desde a transformação em CEFET s, porém não havia nenhuma obrigação com relação a isso, e também não percebia-se esforços e medidas efetivas que garantissem essa verticalização do ensino. Com a criação dos Institutos Federais é dado um passo que o fará abranger todos os níveis de ensino, das séries finais da educação básica à pós-graduação. Abre-se uma série de determinações e objetivos para essa instituição, não apenas individualmente, mas também dentro do seu papel no projeto educacional e econômico brasileiro. Dentre esses objetivos está à oferta de cursos de licenciatura e o papel dessas instituições na reforma que está ocorrendo no ensino médio brasileiro. O próximo tópico abordará essas instituições em específico, visto que é para os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia que volta-se o olhar neste estudo Os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia Estabelecidos legalmente em dezembro de 2008, os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (IF s) surgem como uma das propostas de expansão da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica. Por sua vez, essa expansão contextualiza-se dentro do movimento empenhado pelo Governo Federal principalmente na última década para garantir o acesso e a permanência da população à educação em seus diversos níveis e categorias. Nesse sentido, criou-se uma série de leis e programas de ações voltados à expansão do ensino no país. Exemplos diversos podem ser observados tanto na educação básica, quanto no ensino técnico profissionalizante e no ensino superior. No que diz respeito aos primeiros níveis escolares têm-se, em 2004, discussões acerca do Ensino Fundamental de nove anos 25, culminando na sua implantação em e 24 Ibid, p. 32 e 33.

27 25 estabelecendo um prazo até 2010 para a adequação de todas as escolas do país a nova lei 27. A proposta é que os estudantes iniciem o ensino fundamental aos seis anos de idade, terminando esta etapa aos catorze anos. Com isso, pretende-se assegurar a todas as crianças um tempo mais longo no convívio escolar, mais oportunidades de aprender e um ensino de qualidade. 28 Para atender a rede estadual, há o Programa Brasil Profissionalizado, criado em 2007, que repassa recursos aos governos estaduais para que invistam em escolas técnicas, estimulando a expansão do ensino médio integrado à educação profissional também nas escolas dos estados. A ajuda do governo inclui tanto melhorias na infraestrutura, quanto capacitação de profissionais, levando em consideração o desenvolvimento da educação básica no local e fazendo projeções para a melhoria da aprendizagem. 29 Com relação à expansão do ensino superior, projetos iniciados em 2003 culminaram no Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni), voltado ao crescimento do ensino superior público. Instituído em , o Reuni pretende criar condições para que as universidades federais promovam a expansão física, acadêmica e pedagógica da rede federal de educação superior. 31 Dentre as ações do programa estão o aumento de vagas nos cursos de graduação, maior disponibilização de cursos noturnos, o combate à evasão e a promoção de inovações pedagógicas. Durante os oito primeiros anos do programa, passou-se de 45 universidades federais em 2003 para 59 unidades em Como consequência dos projetos de expansão do ensino superior, o número de concluintes desse nível de ensino triplicou nos últimos oito anos e tende a crescer ainda mais, possuindo metas de expansão até 2020, como aponta a reportagem Comissão da Câmara discute as metas para o ensino superior, de junho de Informações sobre o ensino fundamental de nove anos estão disponíveis em: <http://portal.mec.gov.br/ index.php?option=com_content&view=article&id=12379&itemid=633> Acesso em: 21 dez Lei nº , de 16 de maio de 2005 torna obrigatória a matrícula das crianças de seis anos de idade no Ensino Fundamental. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ensfund/ensfund9_perfreq.pdf> Acesso em: 21 dez Lei nº , de 6 de fevereiro de 2006 amplia o Ensino Fundamental para nove anos de duração, com a matrícula de crianças de seis anos de idade e estabelece prazo de implantação, pelos sistemas, até (Idem) 28 Portal do Mec. Ensino Fundamental de nove anos: Apresentação. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/ index.php?option=com_content&view=article&id=12377&itemid=630> Acesso em: 21 dez Informações sobre o programa Brasil Profissionalizado podem ser buscadas em: <http://portal.mec.gov.br/ index.php?option=com_content&view=article&id=12325&itemid=663> Acesso em: 21 dez BRASIL. Decreto nº 6.096, de 24 de abril de 2007 DE 24 DE ABRIL DE Institui o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais - REUNI. 31 Reuni: O que é. Disponível em: <http://reuni.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=25&itemid=28>acesso em: 21dez SESU. ASSESSORIA DE IMPRENSA. Comissão da Câmara discute as metas para o ensino superior. Quarta-feira, 29 de junho de Disponível em:

28 26 Frente a esses exemplos, percebe-se um movimento crescente dentro do quadro educacional brasileiro, visando abranger uma parcela cada vez maior da população. Eliezer Pacheco e Caetana Rezende apontam que o processo de expansão da rede federal como um todo trouxe a necessidade de se discutir a forma de organização dessas instituições, bem como de explicitar seu papel no desenvolvimento social do país. 33 Assim, foi criado um novo modelo de instituição: os Institutos Federais de Educação Ciência e Tecnologia, cujo foco consiste na promoção da justiça social, da equidade, do desenvolvimento sustentável com vistas a inclusão social, bem como a busca de soluções técnicas e geração de novas tecnologias. 34 Entre outras coisas, os IF s caracterizam-se por serem uma instituição que articula as educações superior, básica e profissional, pluricurricular e multicampi, especializada na oferta de educação profissional e tecnológica nas diferentes modalidades de ensino, com base na conjugação de conhecimentos técnicos e tecnológicos. 35 É vedada a existência de um instituto federal possuindo apenas um campus, sendo o mesmo composto sempre por várias unidades articuladas, o que já demonstra uma configuração territorial diferente de outras instituições educacionais existentes no país. No que diz respeito a questões administrativas, cada instituto é regido por um reitor único, mas cada campus possui o seu diretor-geral. Assim como foi estabelecido para as Escolas Técnicas em 1959, os IF s também se constituem como autarquias 36 : não possuem o poder de legislar, devendo seguir o que estabelece o Governo Federal, porém estão aptos a se autogerir, estabelecendo normas e planos de ação próprios, como é o caso do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), do Projeto Pedagógico Institucional (PPI), dos Planos de Metas, entre outros. Essa autonomia concedida aos IF s se mostra necessária, pois eles possuem um papel transformador da sociedade pautado no desenvolvimento local 37, desse modo as propostas de ação específicas irão se diferenciar de uma instituição para a outra. Além disso, <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=16816> Acesso em: 21 dez SILVA, Caetana Juracy Rezende (org.) INSTITUTOS FEDERAIS LEI , de 29/12/2008: comentários e reflexões. Natal: IFRN, 2009, p Ibid, p COLOMBO, Irineu. Educação para um novo tempo: o Instituto Federal, 2009, p.1. Disponível em <http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf3/artigos_educacao_novotempo.pdf> Acesso em: 21 dez Capítulo 1, art.1º, parágrafo único. As instituições mencionadas nos incisos I, II e III do caput deste artigo possuem natureza jurídica de autarquia, detentoras de autonomia administrativa, patrimonial, financeira, didático-pedagógica e disciplinar. BRASIL. Lei Federal nº de dezembro de A oferta educativa em tese deve estar voltada para diferentes setores econômicos destacando sua estruturação a partir daquilo que se torna necessário para o desenvolvimento local, no território de abrangência do Instituto, e consequentemente contribuindo também para o desenvolvimento da região e do país. SILVA, 2009, p.38

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008, que institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.095, DE 24 DE ABRIL DE 2007. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 2010

CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 2010 Capítulo. Análisis del discurso matemático escolar CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 200 Marcelo Dias Pereira, Ruy César Pietropaolo

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

DA ESCOLA DE APRENDIZES ARTÍFICES AO IFAM: UM BREVE HISTÓRICO SOBRE O PROCESSO DE IFETIZAÇÃO NO AMAZONAS.

DA ESCOLA DE APRENDIZES ARTÍFICES AO IFAM: UM BREVE HISTÓRICO SOBRE O PROCESSO DE IFETIZAÇÃO NO AMAZONAS. DA ESCOLA DE APRENDIZES ARTÍFICES AO IFAM: UM BREVE HISTÓRICO SOBRE O PROCESSO DE IFETIZAÇÃO NO AMAZONAS. Martinho Correia Barros Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas martinho.correia@ifam.edu.br

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Formação de Professores, Políticas Públicas, PIBID, Ensino de Física. Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN

PALAVRAS CHAVE: Formação de Professores, Políticas Públicas, PIBID, Ensino de Física. Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A EDUCAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PIBID 1 NA FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

PRONATEC: múltiplos arranjos e ações para ampliar o acesso à educação profissional

PRONATEC: múltiplos arranjos e ações para ampliar o acesso à educação profissional PRONATEC: múltiplos arranjos e ações para ampliar o acesso à educação profissional Martha Cassiolato e Ronaldo Coutinho Garcia Diretoria de Estudos e Políticas do Estado, Instituições e Democracia - Diest/

Leia mais

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS Elisabete Duarte de Oliveira e Regina Maria de Oliveira Brasileiro Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Anexo II CARGOS DE DCA

Anexo II CARGOS DE DCA Anexo II CARGOS DE DCA CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE EDUCAÇÃO INFANTIL COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE ENSINO FUNDAMENTAL Coordenar atividades específicas de área, participando

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Amanda Pires Chaves Universidade de Sorocaba, Sorocaba/SP e-mail: amanda.pireschaves@gmail.com Maura Maria Morita Vasconcellos

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES CAMARGO, Victor Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva ZUTTIN, Fabiana Docente da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 95/2011 Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento de Educação Especial, por meio do Programa INCLUI, instituído pelo Decreto nº 51.778, de 14 de setembro de 2010, e dá outras providências.

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA

WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO E ENSINO DE CIÊNCIAS NO AMAZONAS MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS NO AMAZONAS WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA PROPOSTAS

Leia mais

Formação, desafios e perspectivas do professor de música

Formação, desafios e perspectivas do professor de música Formação, desafios e perspectivas do professor de música João Alderlei Leite da Silva email: joaoderlei17@hotmail.com Lucas Roberto Guedes email: lucasrobertoguedes@gmail.com Verônica Agnelli Chiarelli

Leia mais

FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Caracterização A elaboração do Trabalho de Curso fundamenta-se nas Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição,

Leia mais

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA)

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Mário Lopes Amorim 1 Roberto Antonio Deitos 2 O presente

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

A ESCOLA MUNICIPAL DE JATAÍ E O DESAFIO NA CONSOLIDAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS

A ESCOLA MUNICIPAL DE JATAÍ E O DESAFIO NA CONSOLIDAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS A ESCOLA MUNICIPAL DE JATAÍ E O DESAFIO NA CONSOLIDAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS SILVA, Thaysa Pereira; RAIMANN, Elizabeth Gottschalg Universidade Federal de Goiás/ Campus Jataí; thaysapsilva@hotmail.com

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2 1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD E A FORMAÇÃO COMPLEMENTAR NO CURSO DE MAGISTÉRIO PRESENCIAL: AS PERCEPÇÕES DOS ESTUDANTES Formação e Gestão em Processos Educativos Josiane

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

O significado do Ensino Médio Público na visão dos estudantes

O significado do Ensino Médio Público na visão dos estudantes *Pôster: O Significado do Ensino Médio Público na Visão dos Estudantes. Apresentado no XIV Seminário de Pesquisa do CCSA. Realizado no período de 24 a 26 de setembro de 2008, na UFRN. Autores: ; ;. O significado

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS TELÊMACO BORBA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA Telêmaco Borba,

Leia mais

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP Material das Palestras II Encontro MPSP e MEC Educação Inclusiva MARCOS LEGAIS CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Art. 208. O dever do Estado com a educação

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a A FORMAÇÃO CONTINUADA E O CONHECIMENTO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE O TEMA DA INCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS LIMA, Lana Ferreira de UFG GT-15: Educação Especial Introdução

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica Pró-Reitoria de Ensino do IFG Gilda Guimarães Dulcinéia de Castro Santana Goiânia_ 2012/1 1- PARÂMETROS LEGAIS LEI Nº 11.892, DE 29 DE

Leia mais

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE REGULAMENTO DOS NÚLCLEOS DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS (NEABIs) DO IFRS Aprovado pelo Conselho Superior do IFRS, conforme Resolução nº 021, de 25 de fevereiro de 2014. CAPÍTULO I: DA NATUREZA

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Celso João Ferretti: o processo de desintegração da educação atingiu em menor escala as escolas técnicas.

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO,

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, Juliana Cordeiro Soares Branco CEFET MG Juliana.b@ig.com.br OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales CEFET MG mariarita2@dppg.cefetmg.br

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO Flávia Fernanda Vasconcelos Alves Faculdades Integradas de Patos FIP flaviavasconcelos.edu@hotmail.com INTRODUÇÃO Observa-se

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.755, DE 29 DE JANEIRO DE 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica,

Leia mais

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO Elizabeth da Silva Guedes UNESA Laélia Portela Moreira UNESA Resumo A evasão no Ensino Superior (ES) vem chamando

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior Janaína Batista da Silva Larissa Horrara de Almeida Leonardo Lopes Liliana Oliveira Palhares da Silva Luciana

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO SOUZA, Caio Henrique Bueno de 1 RODRIGUES, Davi 2 SANTOS, Edna Silva 3 PIRES, Fábio José 4 OLIVEIRA, Jully Gabriela

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO ISSN 2177-9139 OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO André Martins Alvarenga - andrealvarenga@unipampa.edu.br Andressa Sanches Teixeira - andressaexatas2013@gmail.com

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil. Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil. Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹ Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹ Resumo O presente texto tem por objetivo refletir e discutir sobre a integração entre ensino,

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DO GRUPO PET MATEMÁTICA NO PRÉ- VESTIBULAR POPULAR ALTERNATIVA

PARTICIPAÇÃO DO GRUPO PET MATEMÁTICA NO PRÉ- VESTIBULAR POPULAR ALTERNATIVA Resumo ISSN 2316-7785 PARTICIPAÇÃO DO GRUPO PET MATEMÁTICA NO PRÉ- VESTIBULAR POPULAR ALTERNATIVA Stephanie Abé abe.stephanie1@gmail.com Ana Caroline Pierini karolpierini@gmail.com Luana Kuister Xavier

Leia mais