Atividade da construção e utilização da bússola

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Atividade da construção e utilização da bússola"

Transcrição

1 Atividade da construção e utilização da bússola 1. Introdução Regina Costa A atividade da construção da bússola é uma atividade experimental introdutória para o estudo do magnetismo. Serve para explorar a magnetização dos materiais, como utilizar a bússola, perceber o campo magnético da Terra, discutir sobre os pólos norte e sul magnéticos da Terra e de um ímã. 2. Público-Alvo Esta atividade pode ser aplicada aos alunos do ensino fundamental ou médio, pois não necessita de um conhecimento prévio. O meu procedimento foi escrito para alunos do Ensino Médio. 3. Materiais necessários Faz parte da tarefa dada aos alunos que eles escolham os materiais que usarão para fazer uma bússola. Os alunos devem usar sua criatividade e materiais acessíveis no dia-a-dia. Podem pesquisar na internet ou na biblioteca como é feita essa construção e quais os materiais a serem utilizados. Um ímã é essencial, para magnetizar o material que usarão como bússola (que será uma agulha, clipe ou qualquer outro material ferromagnético). O próprio ímã poderia ser a bússola, se os alunos conseguirem resolver o problema de fazê-lo girar livremente. Alguns outros materiais poderiam ser, por exemplo, agulha, rolha, círculo com os pontos cardeais, água, pote pequeno onde caiba a agulha e rolha, ou então suporte e barbante, etc. 4. Cronograma A construção da bússola propriamente dita será feita em casa por duplas de alunos. Então, será necessária uma parte de uma aula para que o professor explique a atividade que farão. Após a apresentação da bússola pelos alunos, para a etapa de discussão dessa atividade, serão necessárias duas aulas. 5. Conteúdos Os conteúdos importantes tratados nesta atividade são os pontos cardeais, magnetização dos materiais, campo magnético da Terra e de um ímã, pólos magnéticos e geográficos da Terra e pólo magnético de um ímã. OBS. Poderia ser tratado também o conteúdo específico de formas de magnetização dos materiais e a explicação do porquê acontecer dessa forma, assim como a questão da estrutura da matéria dos materiais magnéticos. No meu planejamento, e o que eu quis especificamente nessa aula foi falar de como podemos

2 usar a bússola e como ela pode sentir os pólos de um ímã. Esse outro conteúdo, mais aprofundado, foi planejado para uma aula posterior. 6. Pré-requisitos A realização da atividade requer um conhecimento básico do aluno sobre os pontos cardeais. 7. Objetivos O objetivo é que o aluno manipule materiais de fácil acesso que tem em sua casa para construir um instrumento como a bússola; pelas escolhas do aluno o professor pode perceber quais as concepções; é bom perguntar porque ele escolheu e porque pensa que vai funcionar. É importante que ele possa utilizá-la para perceber o que acontece no espaço à sua volta, isto é, um instrumento que consegue "enxergar coisas" que seus olhos não enxergam e desse modo despertar curiosidade para elaborar perguntas e respostas sobre o comportamento desse instrumento em diferentes situações. O objetivo também é entender por que a agulha da bússola se movimenta e fica estável em determinada posição, reconhecer a bússola como um instrumento que percebe o campo magnético e que é atraído pelos pólos magnéticos da Terra e de um ímã, materiais magnéticos e não magnéticos e formas de magnetização. 8. Expectativas Conceituais: Os alunos apresentam as seguintes concepções espontâneas sobre a bússola: - Não acreditam serem capazes de construir uma bússola com materiais tão simples. - Quando magnetizam uma agulha para construir a bússola, não enxergam a agulha magnetizada como um ímã. - Acreditam que a agulha da bússola vai sempre indicar para o norte, mas essa indicação se parece confusa para o aluno quando ele percebe que a agulha tem duas extremidades. O aluno não sabe qual das extremidades é o pólo norte e não tem justificativa. - Não percebem a interferência de materiais magnéticos próximos da bússola quando precisam perceber a indicação da agulha para o norte. - Pensam que o pólo norte é a mesma coisa que pólo norte geográfico e pólo norte magnético. - Apresentam a concepção que o pólo norte fica na região dos pólos da Terra; assim como o pólo sul fica no pólo sul da Terra. - A bússola serve apenas para indicar o pólo norte e sul da Terra e não serve para determinar os pólos de um ímã.

3 Devemos pedir aos alunos que percebam qual é a orientação da maior parte das agulhas das bússolas dos alunos e perguntar por que as agulhas têm esse comportamento, para encaminhar uma discussão. Os alunos deverão dar uma explicação para a orientação da agulha da bússola e professor deve interferir lembrando que a agulha magnetizada se torna um ímã, e apresenta o comportamento de atração, quando os pólos são diferentes, e repulsão, quando os pólos são iguais. 9. Procedimento A proposta principal desta atividade é a construção da bússola pelos próprios alunos e que eles percebam como podemos utilizá-la. É interessante que a construção da bússola seja feita em dupla, pois é interessante a interação entre os alunos da dupla e a troca de idéias entre eles. Os alunos deverão ser orientados a pesquisar sobre a construção da bússola através de livros ou pesquisa na internet. Nesta construção ele deverá perceber que precisa de uma agulha, clipes ou material magnético para magnetizar (isto é, ele deve avaliar tipos de material que podem se tornar ímãs, enquanto que existem outros materiais que não podem ser magnetizados, por exemplo, plástico, alumínio). Sabemos que os materiais magnéticos são somente o ferro, o níquel, o cobalto e algumas ligas que contêm esses elementos, devido a certas propriedades magnéticas dos átomos desses materiais, que poderão ser discutidas com os alunos se for interessante para o professor. A partir da escolha do material correto a ser magnetizado, o aluno deverá seguir um procedimento para magnetizar o material, o que significa torná-lo um ímã. Poderá fazêlo de diferentes maneiras, desde aproximar de um ímã e deixar certo tempo, ou mesmo, passar diversas vezes um ímã próximo da agulha, sempre num determinado sentido. Se os alunos são do ensino médio e estudaram corrente elétrica, é interessante discutir por que existem materiais que são magnetizados e outros não. Para isso é interessante lembrar que no modelo atômico da matéria, onde existem os elétrons, que são partículas negativas e se movem em torno do núcleo do átomo. Nesse momento cada elétron passa a constituir uma "corrente elétrica", que circula em torno do núcleo. Essa movimentação dos elétrons dá origem a um efeito magnético, ou mesmo, formam imãzinhos com pólos norte e sul. Em vários átomos esses efeitos somados resultam em um comportamento de um "imãzinho" em cada átomo. Em outros casos os efeitos se cancelam completamente, então o átomo é chamado não magnético. Um corpo qualquer que é constituído por um número muito grande de átomos com esse comportamento nunca vai se constituir um ímã, logo, é um material não magnético. Se por outro lado, um material com grande número de átomos que apresentam comportamento magnético e não se anulam, pois têm a disposição das orientações de seus pequenos "ímãzinhos" desordenada, esse material pode ser magnetizado, o que significa orientar esses imãzinhos para que fiquem com uma orientação praticamente igual, e são os materiais magnéticos.

4 O material magnetizado deverá ter uma livre movimentação para indicar uma determinada direção. O aluno poderá fazer este procedimento de diferentes maneiras, desde colocando o material magnetizado sobre uma fina camada de rolha sobre a superfície da água dentro de um recipiente, ou mesmo colocar a agulha suspensa por uma linha e fixá-la em um ponto. O aluno deverá construir os pontos cardeais e perceber como pode utilizá-los com o material magnetizado (agulha). É importante o professor ter algumas perguntas orais elaboradas para fazer aos alunos no dia da atividade, que estejam diretamente relacionadas com o objetivo da aula. Quando os alunos constroem alguma coisa eles gostam de falar sobre ela e contar como construíram, as dificuldades, as idéias, os imprevistos que aconteceram durante a construção, quais os materiais que utilizaram, o que observaram, como explicam o que observaram, logo todos querem falar sobre a sua atividade construída em casa e em dupla. 10. Descrição da aula Fiz uma fileira de carteiras paralela à lousa, e pedi que colocassem todas as bússolas sobre as carteiras, para que pudéssemos ver melhor cada uma delas e comparar o que estava acontecendo com as agulhas das mesmas. Os alunos apresentaram e davam explicações sobre algum comportamento diferente de alguma bússola. Eu fui introduzindo as perguntas, conforme eu percebi o encaminhamento das discussões durante as apresentações das bússolas. Não entregaram nada por escrito, apenas falaram, e muito. 11. Possíveis problemas/dicas importantes É interessante que o professor estimule o aluno para construir a bússola através de consulta na internet, oriente os passos dessa construção e que faça o aluno perceber que é em sala de aula, com os colegas e professor, que terá oportunidade para conhecer melhor o fenômeno que envolve a bússola, através de observações, questionamentos, comparações, perguntas e respostas. Nesta atividade com a bússola construída pelo próprio aluno, é importante deixá-lo perceber o que acontece com a agulha; o professor deve ter paciência para aguardar o aluno observar e comparar a orientação da agulha da sua bússola com as dos colegas da sala e perceber se existe alguma influência de algum material magnético próximo que altere a direção da agulha. Devemos deixar o aluno apresentar propostas de solução para uma situação inesperada e pedir ajuda dos outros alunos da sala. Sugerimos também que o professor procure construir uma bússola antes de realizar a atividade com os alunos, tanto para ter maior previsibilidade quando a

5 possíveis dificuldades, dúvidas, perguntas, como para ter bem definido seu objetivo com esta atividade, isto é, o que o professor quer que os alunos observem e aprendam com esta atividade. 12. Comentários Finais Logo que a atividade é apresentada para os alunos, eles não demonstram grande interesse, pois acreditam que já saber tudo que envolve a bússola. Vão demonstrando certo interesse na medida em que começam a se envolver com construção da bússola. Os materiais necessários são simples e todos têm com facilidade em suas casas. O interesse aumenta para perceber o que acontece com o material magnetizado e qual a explicação para o que estão observando, isto é, porque a posição da agulha é sempre a mesma e em todas as bússolas. É uma aula motivadora, pois como é uma construção simples, a maioria dos alunos faz suas bússolas com muita criatividade, de diferentes maneiras. O resultado final desta atividade é positivo, pois a participação é geral dos alunos, fazem muitas perguntas, procuram encontrar respostas em diferentes situações, fazem hipóteses, enfim, é uma aula onde todos aprendem juntos inclusive o professor. Algumas bússolas que meus alunos fizeram em 2007

6 Avaliação a partir do experimento de construção de uma bússola Regina Costa Questões para conduzir a aula 1- Para que serve uma bússola? 2- Quais os materiais necessários para construir uma bússola? 3- Porque precisamos de um material magnético para construir a agulha da bússola? 4- Podemos construir uma bússola com um ímã? Justifique. 5- Como podemos utilizar uma bússola? 6- Como podemos saber onde fica o polo norte magnético usando uma bússola? 7- Como podemos saber onde fica o polo sul geográfico utilizando uma bússola? 8- Como podemos determinar os polos de um ímã utilizando uma bússola? 9- Por que diferentes agulhas de bússolas ficam sempre em direções paralelas? 10- Afastando da bússola um ímã, qual é a direção assumida pela agulha? 11- Que direção assumiria a agulha da bússola se ela não estivesse submetida à influência de nenhum ímã? 12- Por que o polo norte geográfico é considerado o polo sul magnético? 13- Por que a Terra pode ser considerada um grande ímã? 14- Como a agulha pode ser magnetizada? 15- Porque a agulha pode ser magnetizada? 16- Por que alguns materiais não podem ser magnetizados? 17- Por que a agulha da bússola precisa ficar pendurada, no seu centro, ou mesmo, ficar sobre uma fina camada de rolha sobre a água? 18- O que significa magnetizar um material? 19- Por que a agulha da bússola tem sempre a mesma direção? 20- Por que a bússola é considerada um instrumento de orientação?

Analisando respostas dos alunos em algumas questões sobre eletricidade

Analisando respostas dos alunos em algumas questões sobre eletricidade Analisando respostas dos alunos em algumas questões sobre eletricidade Regina 1- Introdução Trabalhar com o aluno da escola pública significa encontrar caminhos diversificados que façam o aluno pensar

Leia mais

Alunos do 3º Ano do Ensino Médio 4 Bimestre de escolas estaduais

Alunos do 3º Ano do Ensino Médio 4 Bimestre de escolas estaduais OBJETIVO Esta sequencia didática abordara a temática magnetismo, tendo como objetivo a inserção da Física Quântica na explicação atômica da magnetização da matéria, utilizando para isso a evolução dos

Leia mais

Desmagnetização do Ferro. Introdução. Materiais Necessários

Desmagnetização do Ferro. Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução O magnetismo é uma propriedade dos materiais relacionada ao movimento dos elétrons nos átomos, já que carga em movimento gera campo magnético. O modo de organização dos elétrons em

Leia mais

Avaliação sobre Corrente Elétrica

Avaliação sobre Corrente Elétrica Avaliação sobre Corrente Elétrica Maria Christina O conceito de corrente elétrica em meios diferentes foi construído pelos alunos? O que falta? Objetivo da avaliação: Avaliar o progresso dos alunos na

Leia mais

AULA 05 Magnetismo Transformadores

AULA 05 Magnetismo Transformadores AULA 05 Magnetismo Transformadores MAGNETISMO As primeiras observações de fenômenos magnéticos são muito antigas. Acredita-se que estas observações foram realizadas pelos gregos, em uma cidade denominada

Leia mais

INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA. TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada

INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA. TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada O aprendizado e a progressão da criança dependerão do processo por ela desenvolvido,

Leia mais

Objeto de aprendizagem

Objeto de aprendizagem 3ª Ciências 4º Ano E.F. Objeto de aprendizagem O que é eletricidade? - Interação entre ímãs e entre cargas elétricas forças de atração e de repulsão. Perceber a existência de cargas elétricas. Objetivos

Leia mais

Unidade 8. Eletricidade e Magnetismo

Unidade 8. Eletricidade e Magnetismo Unidade 8 Eletricidade e Magnetismo Eletrostática e Eletrodinâmica Os fenômenos elétricos estão associados aos elétrons. Cargas Elétricas As cargas elétricas podem ser positivas ou negativas Cargas opostas

Leia mais

Ismael Rodrigues Silva Física-Matemática - UFSC. cel: (48)

Ismael Rodrigues Silva Física-Matemática - UFSC. cel: (48) Ismael Rodrigues Silva Física-Matemática - UFSC cel: (48)9668 3767 ANO DO VESTIBULAR QUESTÕES DE ELETROMAGNETISMO/ MAGNETISMO 2014 4/1 2013 4/1 2012 2/1 2011 2/1 2010 3/1 1 Até 1820, eletricidade e magnetismo

Leia mais

Propriedades Magnéticas dos

Propriedades Magnéticas dos Propriedades Magnéticas dos Materiais Eduardo Paranhos Introdução O magnetismo é um fenômeno pelo qual os materiais exercem forças (de atração e de repulsão) uns sobre os outros. (PADILHA, 2000) É uma

Leia mais

Ismael Rodrigues Silva. Física-Matemática - UFSC. cel: (48)

Ismael Rodrigues Silva. Física-Matemática - UFSC. cel: (48) Ismael Rodrigues Silva Física-Matemática - UFSC cel: (48)9668 3767 Verdadeiro ou Falso 1) Os ímãs podem ser naturais (como a magnetita) ou artificiais (por contato, atrito ou corrente elétrica). Verdadeiro.

Leia mais

Projeto Planejamento Orçamento Construção Limpeza Dicas finais

Projeto Planejamento Orçamento Construção Limpeza Dicas finais Projeto Planejamento Orçamento Construção Limpeza Dicas finais 3 4 7 10 13 14 Construir sem utilizar grandes quantidades de dinheiro não é algo impossível, mas sim uma questão de querer e saber como o

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES ROTEIRO EXPERIMENTAL ELETROÍMÃ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES ROTEIRO EXPERIMENTAL ELETROÍMÃ UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES ROTEIRO EXPERIMENTAL ELETROÍMÃ 1. Introdução Um solenoide conduzindo uma corrente elétrica constitui um eletroímã. Um solenoide

Leia mais

Materiais Elétricos - Teoria. Aula 04 Materiais Magnéticos

Materiais Elétricos - Teoria. Aula 04 Materiais Magnéticos Materiais Elétricos - Teoria Aula 04 Materiais Magnéticos Bibliografia Nesta aula Cronograma: 1. Propriedades gerais dos materiais; 2. ; 3. Materiais condutores; 4. Materiais semicondutores; 5. Materiais

Leia mais

Princípios de Eletricidade e Magnetismo

Princípios de Eletricidade e Magnetismo Princípios de Eletricidade e Magnetismo Engenharias 1 Ementa Eletrostática Carga Elétrica Condutores e Isolantes Processos de Eletrização Lei de Coulomb Campo Elétrico Potencial Elétrico Circuitos I Tensão

Leia mais

TRABALHANDO A LEITURA ORAL 4º INTRODUÇÃO

TRABALHANDO A LEITURA ORAL 4º INTRODUÇÃO TRABALHANDO A LEITURA ORAL INTRODUÇÃO A leitura tem sido considerada um importante e indispensável instrumento de desenvolvimento individual e social. O homem que sabe ler e escrever tem melhores condições

Leia mais

Professor Thiago Espindula - Geografia. Cartografia

Professor Thiago Espindula - Geografia. Cartografia Cartografia A Cartografia é a ciência que se presta à análise ou à criação de representações da Terra. A origem da palavra vem do fato das grandes representações do planeta serem feitas por cartas (mapas).

Leia mais

Carga elétrica. Carga elétrica é a propriedade física dos corpos caracterizada pelas atrações e repulsões.

Carga elétrica. Carga elétrica é a propriedade física dos corpos caracterizada pelas atrações e repulsões. Sumário Unidade II Eletricidade e Magnetismo 1- - Carga elétrica e sua conservação. - Condutores e isoladores. - Processos de eletrização. - Polarização de um isolador. APSA 19 Processos de eletrização

Leia mais

Como se escreve? Expectativas de aprendizagem. Recursos e materiais necessários. Público-alvo: 3º ano. Duração: 4 aulas

Como se escreve? Expectativas de aprendizagem. Recursos e materiais necessários. Público-alvo: 3º ano. Duração: 4 aulas Como se escreve? nós na sala de aula - módulo: língua portuguesa 1º ao 3º ano - unidade 10 Antigamente a ortografia era vista apenas como um monte de regras que deviam ser decoradas, mas os estudos atuais

Leia mais

CONQUISTE UM BOM EMPREGO

CONQUISTE UM BOM EMPREGO CONQUISTE UM BOM EMPREGO ÍNDICE CAPÍTULO 1 CURRÍCULO... 9 FUNÇÕES DO CURRÍCULO... 10 CAPÍTULO 2 ETAPAS DO CURRÍCULO... 23 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO... 27 OBJETIVOS... 32 FORMAÇÃO ACADÊMICA... 33 IDIOMAS...

Leia mais

Histórico do Magnetismo e suas bases teóricas

Histórico do Magnetismo e suas bases teóricas Histórico do Magnetismo e suas bases teóricas Prof. Vicente Pereira de Barros Conteúdo 15 -Histórico e propriedades básicas do Magnetismo Conteúdo 16 O campo magnético Conteúdo 17 Fluxo Magnético Conteúdo

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ELETRICIDADE. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ELETRICIDADE. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ELETRICIDADE Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br UNIDADE III Magnetismo Características dos imãs (polos)

Leia mais

Escola Adventista Thiago White

Escola Adventista Thiago White Roteiro de Matemática 6º ano A e B - 1º Bimestre Data Início / / Data Término / / Nota: Tema: Números Primos, MMC e MDC Conceituar um número primo e verificar se um número dado é ou não primo. Obter o

Leia mais

ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA 3º Trimestre. 9º ano. DISCIPLINA: Física

ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA 3º Trimestre. 9º ano. DISCIPLINA: Física ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA 3º Trimestre Observações: 9º ano DISCIPLINA: Física 1- Antes de responder às atividades, releia o material entregue sobre Sugestão de Como Estudar. 2 - Os exercícios

Leia mais

Foto 1: Aluno com a cabeça dentro da câmara escura.

Foto 1: Aluno com a cabeça dentro da câmara escura. Câmara escura Regina Introdução: Podemos fazer das aulas de física um momento de reflexão sobre aquilo que observamos e incentivar os alunos a realizar construções experimentais por suas próprias mãos

Leia mais

Propriedades dos materiais magnéticos

Propriedades dos materiais magnéticos Com o uso de materiais magnéticos, obtém-se densidades elevadas de fluxo magnético com níveis baixos de força magnetomotriz. F = N i = φ R Joaquim Eloir Rocha 1 A densidade de energia eleva-se com o aumento

Leia mais

Ismael Rodrigues Silva Física-Matemática - UFSC. cel: (48)

Ismael Rodrigues Silva Física-Matemática - UFSC. cel: (48) Ismael Rodrigues Silva Física-Matemática - UFSC cel: (48)9668 3767 R1 Quando duas cargas estão em movimento, além da força eletrostática manifesta-se uma outra força, chamada força magnética. Todos os

Leia mais

Projeto Apoio Eter 2012

Projeto Apoio Eter 2012 Projeto Apoio Eter 2012 Disciplina: Física Ano: Ano: 3º 1º Ano Ano Comum Assunto: Processos de Eletrização 1) Dispomos de três esferas metálicas idênticas e isoladas uma das outras. A e B estão inicialmente

Leia mais

Manual Geral de Aplicação Universal Entrada 2008

Manual Geral de Aplicação Universal Entrada 2008 Universal Entrada 2008 Programa Programa - Manual do Aplicador Teste Universal - 2008 Teste Cognitivo Leitura/Escrita e Matemática Caro alfabetizador(a): Se você está recebendo este material, é porque

Leia mais

CAMPO MAGNÉTICO E DINÂMICA DE UMA PARTÍCULA NO C.M.U.

CAMPO MAGNÉTICO E DINÂMICA DE UMA PARTÍCULA NO C.M.U. AULA 25 CAMPO MAGNÉTICO E DINÂMICA DE UMA PARTÍCULA NO C.M.U. 1- ÍMÃ Os ímãs são corpos que se diferenciam por apresentar algumas propriedades que comentaremos a seguir. Um ímã atrai pedaços de ferro e

Leia mais

O JOGO DOS DISCOS INTRODUÇÃO DISCUSSÃO PROCEDIMENTO ORIENTAÇÃO PARA O PROFESSOR

O JOGO DOS DISCOS INTRODUÇÃO DISCUSSÃO PROCEDIMENTO ORIENTAÇÃO PARA O PROFESSOR MATEMATICA 2 2 O JOGO DOS DISCOS ORIENTAÇÃO PARA O PROFESSOR INTRODUÇÃO Através desse jogo bem interessante o professor pode abordar o conceito de probabilidade geométrica, que normalmente não é visto

Leia mais

Eletromagnetismo. Fenômenos associados a imãs tanto naturais como artificiais.

Eletromagnetismo. Fenômenos associados a imãs tanto naturais como artificiais. Conceitos Básicos Eletromagnetismo Na região conhecida como Magnésia descobriu-se que alguns tipos de rocha atraíam umas ás outras e podiam também atrair objetos de ferro. Essas pedras, denominadas magnetitas,

Leia mais

Experimento da 1ª Lei da Reflexão

Experimento da 1ª Lei da Reflexão Experimento da 1ª Lei da Reflexão Regina Costa O estudo da Física é muitas vezes confundido com o estudo da Matemática. Os alunos acreditam que estudar Física é simplesmente aplicar fórmulas para resolver

Leia mais

Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano

Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas Números Irracionais e Reais Oitavo Ano Números Irracionais e Reais 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. No quadro abaixo, determine quais números são irracionais.

Leia mais

Módulo II: A visão clássica da ligação covalente

Módulo II: A visão clássica da ligação covalente Módulo II: A visão clássica da ligação covalente Aula 3: Eletronegatividade de Pauling e o caráter iônico das ligações químicas 4. Eletronegatividade de Pauling e o caráter iônico das ligações covalentes

Leia mais

10 Melhores Técnicas Em Vendas Para Melhorar Sua Taxa De Conversão

10 Melhores Técnicas Em Vendas Para Melhorar Sua Taxa De Conversão 10 Melhores Técnicas Em Vendas Para Melhorar Sua Taxa De Conversão Com o país passando por uma crise financeira era esperado que as vendas em geral sofressem uma queda brusca. O que pouca gente sabe é

Leia mais

Pensamento Positivo. Pr. Rodrigo Moraes

Pensamento Positivo. Pr. Rodrigo Moraes Pensamento Positivo Pr. Rodrigo Moraes Pensamento Positivo Pastor Rodrigo Moraes Igreja Nova Aliança Ministério Atraindo Vidas Para Deus - AVD 2015 Prefácio Esta é uma obra com o intuito de mostrar com

Leia mais

Notas de Aula. Laboratório de Sistemas Digitais

Notas de Aula. Laboratório de Sistemas Digitais Notas de Aula Laboratório de Sistemas Digitais Sumário 1.Introdução...1 2.Tensão, Corrente, Resistência e LEDs...1 3.Protoboards...4 1 1. Introdução Esta apostila possui o conteúdo relacionado aos conceitos

Leia mais

FEIRA DE CIÊNCIA DETECTOR DE CARGAS PÊNDULO ELETROSTÁTICO

FEIRA DE CIÊNCIA DETECTOR DE CARGAS PÊNDULO ELETROSTÁTICO 1 de 13 03/12/2013 10:18 FEIRA DE CIÊNCIA DETECTOR DE CARGAS PÊNDULO ELETROSTÁTICO Acesse também: Seção Aprenda Física: Página do Curso de Física da UEMS Eletrização por Atrito Eletroscópio de Folhas Eletrização

Leia mais

Fundamentos do Eletromagnetismo - Aula IX

Fundamentos do Eletromagnetismo - Aula IX Fundamentos do Eletromagnetismo - Aula IX Prof. Dr. Vicente Barros Conteúdo 11 - Energia eletrostática e capacitância. Conteúdo 12- Capacitores. Antes uma revisão Existe o famoso triângulo das equações

Leia mais

Oficina Geoplano. As atividades apresentadas têm o objetivo de desenvolver as seguintes habilidades:

Oficina Geoplano. As atividades apresentadas têm o objetivo de desenvolver as seguintes habilidades: Oficina Geoplano 1. Introdução O objetivo desta oficina é trabalhar com os alunos alguns conceitos ligados a medidas de comprimento e área de figuras planas, bem como investigar o Teorema de Pitágoras.

Leia mais

Introdução às Ciências Físicas Módulo 1 Aula 1

Introdução às Ciências Físicas Módulo 1 Aula 1 Experimento 2 A emissão da luz por diferentes fontes Objetivo: Construir um modelo para a emissão de luz por uma fonte não puntiforme. Material utilizado! caixa escura! máscaras! fonte de luz 1 com lâmpadas

Leia mais

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES OBJETIVO Utilizar técnicas que realmente funcionem para lidar com a objeções levantadas pelos clientes. VISÃO GERAL Você pode aumentar as suas vendas se souber utilizar algumas técnicas básicas para responder

Leia mais

CONTEÚDOS BÁSICOS COMUNS DE FÍSICA 2007 SEE/MG PROPOSTA DE ATIVIDADES TÓPICO 16 TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MECÂNICA

CONTEÚDOS BÁSICOS COMUNS DE FÍSICA 2007 SEE/MG PROPOSTA DE ATIVIDADES TÓPICO 16 TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MECÂNICA CBC/FÍSICA - TÓPICO 16:TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MECÂNICA 1 CONTEÚDOS BÁSICOS COMUNS DE FÍSICA 2007 SEE/MG PROPOSTA DE ATIVIDADES TÓPICO 16 TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MECÂNICA CBC/FÍSICA

Leia mais

ROTEIRO DE EXPERIMENTO ELETROSCÓPIO

ROTEIRO DE EXPERIMENTO ELETROSCÓPIO ROTEIRO DE EXPERIMENTO ELETROSCÓPIO MATERIAS UTILIZADOS (Ver figura 1) 1 pote de vidro com tampa (pote de conserva); 40 cm de fio de cobre (1,5mm de diâmetro); 1 alicate; 1 pistola de cola quente; 1 bastão

Leia mais

TABELA PERIÓDICA PARTE 1

TABELA PERIÓDICA PARTE 1 PROJETO KAL - 2016 QUÍMCA AULA 06 TABELA PERÓDCA PARTE 1 Recordar é viver: Modelo Atômico de Rutherford-Bohr: Também conhecido como modelo atômico planetário, ele mostra como os elétrons se comportam ao

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de aulas - Física Autor: Natel Ferreira - Curitiba/PR 1. Nível de ensino:

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL 1 Título: Localizando-se... 2 Autora: Adriana Regina Perez Rech 3 Docente: Lisiane Cristina Amplatz 4 Aplicativo utilizado: Geogebra 5 Disciplina: Matemática 6 Objetivos / Expectativas de aprendizagem:

Leia mais

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA IMÃS, CAMPO MAGNÉTICO E FORÇA MAGNÉTICA

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA IMÃS, CAMPO MAGNÉTICO E FORÇA MAGNÉTICA ROTEIRO DE AULA PRÁTICA IMÃS, CAMPO MAGNÉTICO E FORÇA MAGNÉTICA 1- IMÃS-PÓLOS MAGNÉTICOS - placa de acrílico; - imãs em forma de barra; - Iimalha de ferro: - haste de material isolante com apoio vertical;

Leia mais

Aprendendo a revisar os textos produzidos

Aprendendo a revisar os textos produzidos a revisá-los. A partir do momento em que a criança começa a produzir textos, precisa também aprender Essa prática deve começar nas séries iniciais, pois é assim que as crianças começam a incorporar, sem

Leia mais

Cap. 1 Princípios da Eletrostática

Cap. 1 Princípios da Eletrostática Cap. 1 Princípios da Eletrostática Instituto Federal Sul-rio-grandense Curso Técnico em Eletromecânica Disciplina de Eletricidade Básica Prof. Rodrigo Souza Sumário 1 - Princípios da Eletrostática 1.1

Leia mais

LIGAÇÕES QUÍMICAS. Ocorre entre elétrons da CAMADA DE VALÊNCIA Portanto não ocorrem mudanças no núcleo dos átomos. Não altera a massa dos átomos.

LIGAÇÕES QUÍMICAS. Ocorre entre elétrons da CAMADA DE VALÊNCIA Portanto não ocorrem mudanças no núcleo dos átomos. Não altera a massa dos átomos. LIGAÇÕES QUÍMICAS 1 Ocorre entre elétrons da CAMADA DE VALÊNCIA Portanto não ocorrem mudanças no núcleo dos átomos. Não altera a massa dos átomos. Os átomos se ligam uns aos outros com a finalidade de

Leia mais

Robô segue luz. Vanderlei Alves S. da Silva. Introdução

Robô segue luz. Vanderlei Alves S. da Silva. Introdução Robô segue luz Vanderlei Alves S. da Silva Introdução O mundo da robótica é algo realmente fascinante e podemos encontrar uma série de robôs capazes de fazer coisas incríveis. Alguns bem complexos de serem

Leia mais

Experiência 2. DETERMINAÇÃO DO PONTO DE FUSÃO DE SUBSTÂNCIAS

Experiência 2. DETERMINAÇÃO DO PONTO DE FUSÃO DE SUBSTÂNCIAS Experiência 2. DETERMINAÇÃO DO PONTO DE FUSÃO DE SUBSTÂNCIAS 1. Objetivos Ao final desta atividade experimental espera-se que o aluno seja capaz de: - Identificar compostos e determinar suas purezas usando

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS OLIVIA EVANGELISTA BENEVIDES THIANE ARAUJO COSTA TRABALHANDO A MATEMÁTICA DE FORMA DIFERENCIADA A

Leia mais

CAMPO MAGNÉTICO EM CONDUTORES

CAMPO MAGNÉTICO EM CONDUTORES CAMPO MAGNÉTICO EM CONDUTORES Introdução A existência do magnetismo foi observada há cerca de 2500 anos quando certo tipo de pedra (magnetita) atraía fragmentos de ferro, que são conhecidos como ímãs permanentes.

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico CETEC. Ensino Técnico. Habilitação Profissional: Nível Médio de Técnico em Administração

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico CETEC. Ensino Técnico. Habilitação Profissional: Nível Médio de Técnico em Administração Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível Médio de Técnico em Administração

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Área de conhecimento: Ciências da Natureza e suas Tecnologias

Leia mais

08 passos para RECRUTAR PELO FACEBOOK B R U N O A N D R A D E

08 passos para RECRUTAR PELO FACEBOOK B R U N O A N D R A D E 08 passos para RECRUTAR PELO FACEBOOK B R U N O A N D R A D E Saiba exatamente como aproveitar a maior rede social do planeta para garantir seu sucesso como Empreendedor Multinível a qualquer hora e de

Leia mais

Eletromagnetismo: Bobinas, Eletroímanes e Motores Elétricos.

Eletromagnetismo: Bobinas, Eletroímanes e Motores Elétricos. Eletromagnetismo: Bobinas, Eletroímanes e Motores Elétricos www.fator-f.com info@fator-f.com Campo Magnético criado por uma corrente elétrica Campo Magnético criado por um fio, percorrido por uma corrente

Leia mais

Os conceitos de erro e incerteza. uma medida que permita verificar quão bom é o valor da medição. Para isso dois novos

Os conceitos de erro e incerteza. uma medida que permita verificar quão bom é o valor da medição. Para isso dois novos Os conceitos de erro e incerteza Por mais que o sujeito que faz as medidas em um laboratório seja competente e caprichoso, os dados experimentais nunca terão precisão e exatidão absoluta; porém, alguns

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM INFORMÁTICA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUÍS DE JABOTICABAL SP

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM INFORMÁTICA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUÍS DE JABOTICABAL SP ANEXO II REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM INFORMÁTICA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUÍS DE JABOTICABAL SP CAPÍTULO I DA FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1º

Leia mais

O FERROMAGNETISMO E RELAÇÕES DE FRONTEIRA NO CAMPO MAGNÉTICO

O FERROMAGNETISMO E RELAÇÕES DE FRONTEIRA NO CAMPO MAGNÉTICO 9 8 O FERROMAGNETISMO E RELAÇÕES DE FRONTEIRA NO CAMPO MAGNÉTICO Alguns tipos de materiais, como por exemplo o ferro, o níquel e o cobalto, apresentam a propriedade de que seus momentos magnéticos se alinham

Leia mais

Atividade: Escalas utilizadas em mapas

Atividade: Escalas utilizadas em mapas Atividade: Escalas utilizadas em mapas I. Introdução: Os mapas são representações gráficas reduzidas de uma determinada região e de grande importância para vários profissionais como engenheiros, geógrafos,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS

PROGRAMAÇÃO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ Curso: Licenciatura Plena em Ciências Biológicas Projeto de Estágio Supervisionado do curso de Ciências Biológicas Profa.: Angela Martins Baeder 2005 PROGRAMAÇÃO

Leia mais

TRIANGONÓPOLIS: A CIDADE DA LEI DOS SENOS E LEI DOS COSSENOS

TRIANGONÓPOLIS: A CIDADE DA LEI DOS SENOS E LEI DOS COSSENOS TRIANGONÓPOLIS: A CIDADE DA LEI DOS SENOS E LEI DOS COSSENOS Selau, Suzana Scandolara 1 ; Cardoso, Marleide Coan 2 3 Instituto Federal Catarinense Campus Avançado Sombrio/SC INTRODUÇÃO Este trabalho é

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA: Geografia ÁREA DE ENSINO: FUNDAMENTAL I SÉRIE\ ANO: 4º ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA: Geografia ÁREA DE ENSINO: FUNDAMENTAL I SÉRIE\ ANO: 4º ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 - O PLANETA TERRA * Explorar o conhecimento sobre a Terra. *Conhecer a estrutura do planeta Terra e suas características. *Compreender que o planeta Terra é formado por oceanos e continentes.

Leia mais

ELETRICIDADE. Professor Paulo Christakis, M.Sc. 20/10/2016 1

ELETRICIDADE. Professor Paulo Christakis, M.Sc. 20/10/2016 1 ELETRICIDADE 20/10/2016 1 Eletricidade é dividida em: Eletrostática: parte da Eletricidade que estuda as cargas elétricas em repouso. Eletrodinâmica: parte da Eletricidade que estuda as cargas elétricas

Leia mais

Campo Magnética. Prof. Fábio de Oliveira Borges

Campo Magnética. Prof. Fábio de Oliveira Borges Campo Magnética Prof. Fábio de Oliveira Borges Curso de Física II Instituto de Física, Universidade Federal Fluminense Niterói, Rio de Janeiro, Brasil http://cursos.if.uff.br/fisica2-2015/ Campo magnético

Leia mais

Por muito tempo acreditou-se que a estabilidade dos gases nobres se dava pelo fato de, à exceção do He, todos terem 8 elétrons na sua última camada.

Por muito tempo acreditou-se que a estabilidade dos gases nobres se dava pelo fato de, à exceção do He, todos terem 8 elétrons na sua última camada. Ligação química Atualmente, conhecemos cerca de 115 elementos químicos. Mas ao olharmos ao nosso redor vemos uma grande variedade de compostos (diferindo em sua cor e forma), muitas vezes formados pelo

Leia mais

LOGO. Tabela Periódica. Profa. Samara Garcia

LOGO. Tabela Periódica. Profa. Samara Garcia LOGO Tabela Periódica Profa. Samara Garcia Antes da Tabela Periódica O trabalho de Böhr despertou o interesse de vários cientistas para o estudo dos espectros descontínuos. Um deles, Sommerfeld, percebeu,

Leia mais

Corpos que atraem Fe, Ni, Co (materiais ferromagnéticos) e suas ligas. Possuem duas regiões especiais: PÓLOS

Corpos que atraem Fe, Ni, Co (materiais ferromagnéticos) e suas ligas. Possuem duas regiões especiais: PÓLOS ÍMÃS Corpos que atraem Fe, Ni, Co (materiais ferromagnéticos) e suas ligas. Possuem duas regiões especiais: PÓLOS 1 CLASSIFICAÇÃO ímã natural: magnetita (região da magnésia Ásia menor Turquia Irã - Iraque

Leia mais

Movimento e Cultura da Pop Art: Uma Viagem ao Museu

Movimento e Cultura da Pop Art: Uma Viagem ao Museu Movimento e Cultura da Pop Art: Uma Viagem ao Museu Aline Villela Abbade Débora A. dos Santos Ferreira Julho 2009/01 Apresentação do tema: Começamos a elaborar este projeto levando em consideração que

Leia mais

O microfone e o altifalante. O altifalante é um aparelho que converte os sinais elétricos em sons originais

O microfone e o altifalante. O altifalante é um aparelho que converte os sinais elétricos em sons originais Sumário UNIDADE TEMÁTICA 2. 1.3 - O microfone e o altifalante. - O campo magnético quem cria o campo e como se deteta. - O vetor campo magnético. - O campo elétrico quem cria o campo e como se deteta.

Leia mais

Magnetismo. Aula 06/10/2016

Magnetismo. Aula 06/10/2016 Magnetismo { Aula 06/10/2016 Experiências mostraram que um campo magnético pode ser gerado não apenas por ímãs, mas também por correntes elétricas. Hoje atribui-se o magnetismo dos ímãs a existência de

Leia mais

EXPERIMENTO 10: MEDIDAS DA COMPONENTE HORIZONTAL DO CAMPO MAGNÉTICO TERRESTRE

EXPERIMENTO 10: MEDIDAS DA COMPONENTE HORIZONTAL DO CAMPO MAGNÉTICO TERRESTRE EXPERIMENTO 10: MEDIDAS DA COMPONENTE HORIZONTAL DO CAMPO MAGNÉTICO TERRESTRE 10.1 OBJETIVOS Determinar o valor da componente horizontal da indução magnética terrestre local. 10.2 INTRODUÇÃO Num dado lugar

Leia mais

Aula 17 Ligações covalentes e metálicas

Aula 17 Ligações covalentes e metálicas Aula 17 Ligações covalentes e metálicas Em nossa aula passada falamos de ligações iônicas, aquelas que ocorrem entre átomos com grandes diferenças de eletronegatividade. Entretanto, essa não é a única

Leia mais

TRANSFORMADOR CONCEITOS TEORICOS ESSENCIAIS

TRANSFORMADOR CONCEITOS TEORICOS ESSENCIAIS EXPERIÊNCIA TRANSFORMADOR OBJETIVOS: - Verificar experimentalmente, o funcionamento de um transformador; - Conhecer as vantagens e desvantagens dos transformadores. CONCEITOS TEORICOS ESSENCIAIS O transformador

Leia mais

A aplicação do método se resume em algumas partes: Apostila escrita e desenvolvida por Renan Cerpe Versão 1.0

A aplicação do método se resume em algumas partes: Apostila escrita e desenvolvida por Renan Cerpe Versão 1.0 Introdução: O método Bindfolded, traduzido como "olhos vendados", é um dos maiores desafios para um Speed Cuber. Solucionar o Cubo Mágico com os olhos vendados parece ser algo impossível e que impressiona

Leia mais

Função Definida Por Várias Sentenças

Função Definida Por Várias Sentenças Ministrante Profª. Drª. Patrícia Aparecida Manholi Material elaborado pela Profª. Drª. Patrícia Aparecida Manholi SUMÁRIO Função Definida Por Várias Sentenças Lembrando... Dados dois conjuntos não vazios

Leia mais

Magnetismo. Propriedades Magnéticas Campo Magnético Vetor Indução Magnética

Magnetismo. Propriedades Magnéticas Campo Magnético Vetor Indução Magnética Magnetismo Propriedades Magnéticas Campo Magnético Vetor Indução Magnética Orientação Geográfica Norte Geográfico N Sul Geográfico S Atração e Repulsão S N N S N S S N N S N S Inseparabilidade N S N S

Leia mais

Documentos Técnicos Duração: 60 minutos. 1ª Parte - Análise da Qualificação de Soldadores

Documentos Técnicos Duração: 60 minutos. 1ª Parte - Análise da Qualificação de Soldadores Documentos Técnicos Duração: 60 minutos Introdução Na prova prática de documentos técnicos, o aluno deve verificar se a qualificação dos soldadores, designados a soldar uma determinada junta, atende às

Leia mais

MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE. Competências a serem Desenvolvidas:

MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE. Competências a serem Desenvolvidas: MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE EDUCADORES: INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS Competências a serem Desenvolvidas: O participante desenvolve o recurso de contar

Leia mais

Modelos Atômicos. Aula Especial Química Prof. Bernardo Verano

Modelos Atômicos. Aula Especial Química Prof. Bernardo Verano Primeira idéia sobre o átomo (evolução histórica) No ano 450 a.c., dois filósofos gregos, Demócrito e Leucipo, imaginaram que se pegássemos um corpo qualquer e o fôssemos dividindo sucessivas vezes, haveria

Leia mais

Formador Escolar: acompanhamento do uso coletivo do material Trilhas

Formador Escolar: acompanhamento do uso coletivo do material Trilhas Instrumento para acompanhar o uso coletivo do conjunto de material TRILHAS, as práticas de leitura realizadas e o acesso das crianças aos livros. Verificar a circulação dos materiais na escola, o planejamento

Leia mais

Plano de Aulas - Ciências Andréa Barreto

Plano de Aulas - Ciências Andréa Barreto Plano de Aulas - Ciências Andréa Barreto Introdução Neste livro, estarei colocando um plano de aula de Ciências que utilizei em sala de aula. Os planos de aula estão estruturados segundo uma lógica da

Leia mais

20 Dicas Eficazes Para Dirigir Sem Medo Que Você Pode Aplicar Ainda Hoje.

20 Dicas Eficazes Para Dirigir Sem Medo Que Você Pode Aplicar Ainda Hoje. 20 Dicas Eficazes Para Dirigir Sem Medo Que Você Pode Aplicar Ainda Hoje. Agradecimento Quero agradecer pelo seu interesse no meu ebook. Vamos juntos te levar até o seu objetivo. Uma Excelente Leitura!

Leia mais

Curvas de Magnetização e Histerese Perdas Magnéticas Materiais Magnéticos

Curvas de Magnetização e Histerese Perdas Magnéticas Materiais Magnéticos Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores Curvas de Magnetização e Histerese Perdas Magnéticas Materiais Magnéticos Clóvis Antônio Petry, professor.

Leia mais

INTRODUÇÃO À ANATOMIA HUMANA

INTRODUÇÃO À ANATOMIA HUMANA INTRODUÇÃO À ANATOMIA HUMANA Redatores e Aplicadores Amanda Conor Coraiola Marcos Vinicius Tavares Supervisão Noemir Albenir Amaral Orientação Márcia Helena Mendonça APRESENTAÇÃO Visando introduzir aos

Leia mais

Aula 08 - Níveis e subníveis eletrônicos e a Distribuição Eletrônica

Aula 08 - Níveis e subníveis eletrônicos e a Distribuição Eletrônica Aula 08 - Níveis e subníveis eletrônicos e a Distribuição Eletrônica Nas nossas aulas passadas nós vimos que cada elemento químico é caracterizado pelo seu número atômico (Z). Vimos também que um átomo

Leia mais

Lei de Coulomb. Interação entre Duas Cargas Elétricas Puntiformes

Lei de Coulomb. Interação entre Duas Cargas Elétricas Puntiformes Lei de Coulomb Interação entre Duas Cargas Elétricas Puntiformes A intensidade F da força de interação eletrostática entre duas cargas elétricas puntiformes q 1 e q 2, é diretamente proporcional ao produto

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES CURSO DE LETRAS ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS A palavra projeto vem do latim projectu,

Leia mais

ELETRICIDADE GERAL E APLICADA. Armando Alves Hosken Neto

ELETRICIDADE GERAL E APLICADA. Armando Alves Hosken Neto ELETRICIDADE GERAL E APLICADA Armando Alves Hosken Neto MAGNETISMO IMÃS: ATRAÇÃO DE CERTOS MATERIAIS (FERRO) MAGNETISMO IMÃ: Dispositivo capaz de atrair Fe, Co, Ni, Aço (ferromagnéticos) MAGNETISMO TIPOS

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV E HABILIDADES REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV 2 Vídeo - Primeira Lei de Newton - Lei da Inércia 3 As três leis de Newton do movimento Sir Isaac Newton desenvolveu as três

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES. DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) PLANO DE AULA I. I. Plano

Leia mais

3. (Unirio RJ) Assinale a opção que apresenta a afirmativa correta, a respeito de fenômenos eletromagnéticos:

3. (Unirio RJ) Assinale a opção que apresenta a afirmativa correta, a respeito de fenômenos eletromagnéticos: Lista 10 - Eletromagnetismo 1. (PUC MG) A figura mostra o nascer do Sol. Dos pontos A, B, C e D, qual deles indica o Sul geográfico? a) A. b) B. c) C. d) D. 2. (UFMG) A figura mostra uma pequena chapa

Leia mais

FUNDAÇÃO LUSÍADA Centro Universitário Lusíada Regulamento TCC-Trabalho de Conclusão de Curso Curso de Relações Internacionais

FUNDAÇÃO LUSÍADA Centro Universitário Lusíada Regulamento TCC-Trabalho de Conclusão de Curso Curso de Relações Internacionais 1.1. Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Como o curso de Relações Internacionais não possui, até este momento, uma resolução aprovada, utilizamos a Resolução CNE nº 04 de 13 de junho de 2005, que institui

Leia mais

Aula 2 CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS EM PAPEL MONOLOG (MONO-LOGARÍTMICO) Menilton Menezes

Aula 2 CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS EM PAPEL MONOLOG (MONO-LOGARÍTMICO) Menilton Menezes Aula 2 CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS EM PAPEL MONOLOG (MONO-LOGARÍTMICO) META Expandir o estudo da utilização de gráficos em escala logarítmica. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Construir gráficos

Leia mais

ANEXO PLANO DE AÇÃO PROFESSOR

ANEXO PLANO DE AÇÃO PROFESSOR ANEXO 5.2.2. PLANO DE AÇÃO PROFESSOR Rua Bruxelas, nº 169 São Paulo - SP CEP 01259-020 Tel: (11) 2506-6570 escravonempensar@reporterbrasil.org.br www.escravonempensar.org.br O que é o plano de ação? O

Leia mais

Unidades SI. Existem dois tipos de unidades: Unidades fundamentais (ou básicas); Unidades derivadas. Existem 7 unidades básicas no sistema SI.

Unidades SI. Existem dois tipos de unidades: Unidades fundamentais (ou básicas); Unidades derivadas. Existem 7 unidades básicas no sistema SI. Unidades SI Existem dois tipos de unidades: Unidades fundamentais (ou básicas); Unidades derivadas. Existem 7 unidades básicas no sistema SI. Unidades SI As potências de dez são utilizadas por conveniência

Leia mais