Atividade da construção e utilização da bússola

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Atividade da construção e utilização da bússola"

Transcrição

1 Atividade da construção e utilização da bússola 1. Introdução Regina Costa A atividade da construção da bússola é uma atividade experimental introdutória para o estudo do magnetismo. Serve para explorar a magnetização dos materiais, como utilizar a bússola, perceber o campo magnético da Terra, discutir sobre os pólos norte e sul magnéticos da Terra e de um ímã. 2. Público-Alvo Esta atividade pode ser aplicada aos alunos do ensino fundamental ou médio, pois não necessita de um conhecimento prévio. O meu procedimento foi escrito para alunos do Ensino Médio. 3. Materiais necessários Faz parte da tarefa dada aos alunos que eles escolham os materiais que usarão para fazer uma bússola. Os alunos devem usar sua criatividade e materiais acessíveis no dia-a-dia. Podem pesquisar na internet ou na biblioteca como é feita essa construção e quais os materiais a serem utilizados. Um ímã é essencial, para magnetizar o material que usarão como bússola (que será uma agulha, clipe ou qualquer outro material ferromagnético). O próprio ímã poderia ser a bússola, se os alunos conseguirem resolver o problema de fazê-lo girar livremente. Alguns outros materiais poderiam ser, por exemplo, agulha, rolha, círculo com os pontos cardeais, água, pote pequeno onde caiba a agulha e rolha, ou então suporte e barbante, etc. 4. Cronograma A construção da bússola propriamente dita será feita em casa por duplas de alunos. Então, será necessária uma parte de uma aula para que o professor explique a atividade que farão. Após a apresentação da bússola pelos alunos, para a etapa de discussão dessa atividade, serão necessárias duas aulas. 5. Conteúdos Os conteúdos importantes tratados nesta atividade são os pontos cardeais, magnetização dos materiais, campo magnético da Terra e de um ímã, pólos magnéticos e geográficos da Terra e pólo magnético de um ímã. OBS. Poderia ser tratado também o conteúdo específico de formas de magnetização dos materiais e a explicação do porquê acontecer dessa forma, assim como a questão da estrutura da matéria dos materiais magnéticos. No meu planejamento, e o que eu quis especificamente nessa aula foi falar de como podemos

2 usar a bússola e como ela pode sentir os pólos de um ímã. Esse outro conteúdo, mais aprofundado, foi planejado para uma aula posterior. 6. Pré-requisitos A realização da atividade requer um conhecimento básico do aluno sobre os pontos cardeais. 7. Objetivos O objetivo é que o aluno manipule materiais de fácil acesso que tem em sua casa para construir um instrumento como a bússola; pelas escolhas do aluno o professor pode perceber quais as concepções; é bom perguntar porque ele escolheu e porque pensa que vai funcionar. É importante que ele possa utilizá-la para perceber o que acontece no espaço à sua volta, isto é, um instrumento que consegue "enxergar coisas" que seus olhos não enxergam e desse modo despertar curiosidade para elaborar perguntas e respostas sobre o comportamento desse instrumento em diferentes situações. O objetivo também é entender por que a agulha da bússola se movimenta e fica estável em determinada posição, reconhecer a bússola como um instrumento que percebe o campo magnético e que é atraído pelos pólos magnéticos da Terra e de um ímã, materiais magnéticos e não magnéticos e formas de magnetização. 8. Expectativas Conceituais: Os alunos apresentam as seguintes concepções espontâneas sobre a bússola: - Não acreditam serem capazes de construir uma bússola com materiais tão simples. - Quando magnetizam uma agulha para construir a bússola, não enxergam a agulha magnetizada como um ímã. - Acreditam que a agulha da bússola vai sempre indicar para o norte, mas essa indicação se parece confusa para o aluno quando ele percebe que a agulha tem duas extremidades. O aluno não sabe qual das extremidades é o pólo norte e não tem justificativa. - Não percebem a interferência de materiais magnéticos próximos da bússola quando precisam perceber a indicação da agulha para o norte. - Pensam que o pólo norte é a mesma coisa que pólo norte geográfico e pólo norte magnético. - Apresentam a concepção que o pólo norte fica na região dos pólos da Terra; assim como o pólo sul fica no pólo sul da Terra. - A bússola serve apenas para indicar o pólo norte e sul da Terra e não serve para determinar os pólos de um ímã.

3 Devemos pedir aos alunos que percebam qual é a orientação da maior parte das agulhas das bússolas dos alunos e perguntar por que as agulhas têm esse comportamento, para encaminhar uma discussão. Os alunos deverão dar uma explicação para a orientação da agulha da bússola e professor deve interferir lembrando que a agulha magnetizada se torna um ímã, e apresenta o comportamento de atração, quando os pólos são diferentes, e repulsão, quando os pólos são iguais. 9. Procedimento A proposta principal desta atividade é a construção da bússola pelos próprios alunos e que eles percebam como podemos utilizá-la. É interessante que a construção da bússola seja feita em dupla, pois é interessante a interação entre os alunos da dupla e a troca de idéias entre eles. Os alunos deverão ser orientados a pesquisar sobre a construção da bússola através de livros ou pesquisa na internet. Nesta construção ele deverá perceber que precisa de uma agulha, clipes ou material magnético para magnetizar (isto é, ele deve avaliar tipos de material que podem se tornar ímãs, enquanto que existem outros materiais que não podem ser magnetizados, por exemplo, plástico, alumínio). Sabemos que os materiais magnéticos são somente o ferro, o níquel, o cobalto e algumas ligas que contêm esses elementos, devido a certas propriedades magnéticas dos átomos desses materiais, que poderão ser discutidas com os alunos se for interessante para o professor. A partir da escolha do material correto a ser magnetizado, o aluno deverá seguir um procedimento para magnetizar o material, o que significa torná-lo um ímã. Poderá fazêlo de diferentes maneiras, desde aproximar de um ímã e deixar certo tempo, ou mesmo, passar diversas vezes um ímã próximo da agulha, sempre num determinado sentido. Se os alunos são do ensino médio e estudaram corrente elétrica, é interessante discutir por que existem materiais que são magnetizados e outros não. Para isso é interessante lembrar que no modelo atômico da matéria, onde existem os elétrons, que são partículas negativas e se movem em torno do núcleo do átomo. Nesse momento cada elétron passa a constituir uma "corrente elétrica", que circula em torno do núcleo. Essa movimentação dos elétrons dá origem a um efeito magnético, ou mesmo, formam imãzinhos com pólos norte e sul. Em vários átomos esses efeitos somados resultam em um comportamento de um "imãzinho" em cada átomo. Em outros casos os efeitos se cancelam completamente, então o átomo é chamado não magnético. Um corpo qualquer que é constituído por um número muito grande de átomos com esse comportamento nunca vai se constituir um ímã, logo, é um material não magnético. Se por outro lado, um material com grande número de átomos que apresentam comportamento magnético e não se anulam, pois têm a disposição das orientações de seus pequenos "ímãzinhos" desordenada, esse material pode ser magnetizado, o que significa orientar esses imãzinhos para que fiquem com uma orientação praticamente igual, e são os materiais magnéticos.

4 O material magnetizado deverá ter uma livre movimentação para indicar uma determinada direção. O aluno poderá fazer este procedimento de diferentes maneiras, desde colocando o material magnetizado sobre uma fina camada de rolha sobre a superfície da água dentro de um recipiente, ou mesmo colocar a agulha suspensa por uma linha e fixá-la em um ponto. O aluno deverá construir os pontos cardeais e perceber como pode utilizá-los com o material magnetizado (agulha). É importante o professor ter algumas perguntas orais elaboradas para fazer aos alunos no dia da atividade, que estejam diretamente relacionadas com o objetivo da aula. Quando os alunos constroem alguma coisa eles gostam de falar sobre ela e contar como construíram, as dificuldades, as idéias, os imprevistos que aconteceram durante a construção, quais os materiais que utilizaram, o que observaram, como explicam o que observaram, logo todos querem falar sobre a sua atividade construída em casa e em dupla. 10. Descrição da aula Fiz uma fileira de carteiras paralela à lousa, e pedi que colocassem todas as bússolas sobre as carteiras, para que pudéssemos ver melhor cada uma delas e comparar o que estava acontecendo com as agulhas das mesmas. Os alunos apresentaram e davam explicações sobre algum comportamento diferente de alguma bússola. Eu fui introduzindo as perguntas, conforme eu percebi o encaminhamento das discussões durante as apresentações das bússolas. Não entregaram nada por escrito, apenas falaram, e muito. 11. Possíveis problemas/dicas importantes É interessante que o professor estimule o aluno para construir a bússola através de consulta na internet, oriente os passos dessa construção e que faça o aluno perceber que é em sala de aula, com os colegas e professor, que terá oportunidade para conhecer melhor o fenômeno que envolve a bússola, através de observações, questionamentos, comparações, perguntas e respostas. Nesta atividade com a bússola construída pelo próprio aluno, é importante deixá-lo perceber o que acontece com a agulha; o professor deve ter paciência para aguardar o aluno observar e comparar a orientação da agulha da sua bússola com as dos colegas da sala e perceber se existe alguma influência de algum material magnético próximo que altere a direção da agulha. Devemos deixar o aluno apresentar propostas de solução para uma situação inesperada e pedir ajuda dos outros alunos da sala. Sugerimos também que o professor procure construir uma bússola antes de realizar a atividade com os alunos, tanto para ter maior previsibilidade quando a

5 possíveis dificuldades, dúvidas, perguntas, como para ter bem definido seu objetivo com esta atividade, isto é, o que o professor quer que os alunos observem e aprendam com esta atividade. 12. Comentários Finais Logo que a atividade é apresentada para os alunos, eles não demonstram grande interesse, pois acreditam que já saber tudo que envolve a bússola. Vão demonstrando certo interesse na medida em que começam a se envolver com construção da bússola. Os materiais necessários são simples e todos têm com facilidade em suas casas. O interesse aumenta para perceber o que acontece com o material magnetizado e qual a explicação para o que estão observando, isto é, porque a posição da agulha é sempre a mesma e em todas as bússolas. É uma aula motivadora, pois como é uma construção simples, a maioria dos alunos faz suas bússolas com muita criatividade, de diferentes maneiras. O resultado final desta atividade é positivo, pois a participação é geral dos alunos, fazem muitas perguntas, procuram encontrar respostas em diferentes situações, fazem hipóteses, enfim, é uma aula onde todos aprendem juntos inclusive o professor. Algumas bússolas que meus alunos fizeram em 2007

6 Avaliação a partir do experimento de construção de uma bússola Regina Costa Questões para conduzir a aula 1- Para que serve uma bússola? 2- Quais os materiais necessários para construir uma bússola? 3- Porque precisamos de um material magnético para construir a agulha da bússola? 4- Podemos construir uma bússola com um ímã? Justifique. 5- Como podemos utilizar uma bússola? 6- Como podemos saber onde fica o polo norte magnético usando uma bússola? 7- Como podemos saber onde fica o polo sul geográfico utilizando uma bússola? 8- Como podemos determinar os polos de um ímã utilizando uma bússola? 9- Por que diferentes agulhas de bússolas ficam sempre em direções paralelas? 10- Afastando da bússola um ímã, qual é a direção assumida pela agulha? 11- Que direção assumiria a agulha da bússola se ela não estivesse submetida à influência de nenhum ímã? 12- Por que o polo norte geográfico é considerado o polo sul magnético? 13- Por que a Terra pode ser considerada um grande ímã? 14- Como a agulha pode ser magnetizada? 15- Porque a agulha pode ser magnetizada? 16- Por que alguns materiais não podem ser magnetizados? 17- Por que a agulha da bússola precisa ficar pendurada, no seu centro, ou mesmo, ficar sobre uma fina camada de rolha sobre a água? 18- O que significa magnetizar um material? 19- Por que a agulha da bússola tem sempre a mesma direção? 20- Por que a bússola é considerada um instrumento de orientação?

Interação entre ímãs e bússolas

Interação entre ímãs e bússolas Interação entre ímãs e bússolas Maria Christina Introdução Esses experimentos são parte de uma seqüência de atividades para ensinar Eletromagnetismo após ter trabalhado a Eletricidade no terceiro ano do

Leia mais

Analisando respostas dos alunos em algumas questões sobre eletricidade

Analisando respostas dos alunos em algumas questões sobre eletricidade Analisando respostas dos alunos em algumas questões sobre eletricidade Regina 1- Introdução Trabalhar com o aluno da escola pública significa encontrar caminhos diversificados que façam o aluno pensar

Leia mais

Alunos do 3º Ano do Ensino Médio 4 Bimestre de escolas estaduais

Alunos do 3º Ano do Ensino Médio 4 Bimestre de escolas estaduais OBJETIVO Esta sequencia didática abordara a temática magnetismo, tendo como objetivo a inserção da Física Quântica na explicação atômica da magnetização da matéria, utilizando para isso a evolução dos

Leia mais

NOME: PROFESSOR: Glênon Dutra

NOME: PROFESSOR: Glênon Dutra Apostila - Eletromagnetismo NOME: PROFESSOR: Glênon Dutra DISCIPLINA: Física N O : TURMA: DATA: O nome magnetismo vem de Magnésia, região próxima da Grécia onde os gregos encontravam em abundância um mineral

Leia mais

ELETROIMÃ. Parte I. 2. Observar as forças de origem magnética produzidas a partir de corrente elétrica e compará-las com um ímã.

ELETROIMÃ. Parte I. 2. Observar as forças de origem magnética produzidas a partir de corrente elétrica e compará-las com um ímã. ELETROIMÃ Parte I Shizue Shimizu Introdução Uma bobina quando percorrida por corrente elétrica, constitui um ímã. Portanto, a corrente elétrica tem efeito magnético. Com esta experiência, vamos verificar

Leia mais

Desmagnetização do Ferro. Introdução. Materiais Necessários

Desmagnetização do Ferro. Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução O magnetismo é uma propriedade dos materiais relacionada ao movimento dos elétrons nos átomos, já que carga em movimento gera campo magnético. O modo de organização dos elétrons em

Leia mais

Experiência Número 09 Magnetismo II

Experiência Número 09 Magnetismo II OBJETIVOS Investigar se objetos podem ainda ser atraídos, mesmo não estando em contato com ímãs. Investigar se o efeito de um ímã é prejudicado pela interposição de materias não magnéticos. Produzir ímãs

Leia mais

AULA 05 Magnetismo Transformadores

AULA 05 Magnetismo Transformadores AULA 05 Magnetismo Transformadores MAGNETISMO As primeiras observações de fenômenos magnéticos são muito antigas. Acredita-se que estas observações foram realizadas pelos gregos, em uma cidade denominada

Leia mais

Objeto de aprendizagem

Objeto de aprendizagem 3ª Ciências 4º Ano E.F. Objeto de aprendizagem O que é eletricidade? - Interação entre ímãs e entre cargas elétricas forças de atração e de repulsão. Perceber a existência de cargas elétricas. Objetivos

Leia mais

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO FUNDADOR PROF. EDILSON BRASIL SOÁREZ 2011 O Colégio que ensina o aluno a estudar APICE ALUNO: TURMA: Ciências [2 a VG] 5 o Ano Ensino Fundamental I Você está recebendo o, mais um recurso que ajudará a

Leia mais

Ismael Rodrigues Silva. Física-Matemática - UFSC. cel: (48)

Ismael Rodrigues Silva. Física-Matemática - UFSC. cel: (48) Ismael Rodrigues Silva Física-Matemática - UFSC cel: (48)9668 3767 Verdadeiro ou Falso 1) Os ímãs podem ser naturais (como a magnetita) ou artificiais (por contato, atrito ou corrente elétrica). Verdadeiro.

Leia mais

Ismael Rodrigues Silva Física-Matemática - UFSC. cel: (48)

Ismael Rodrigues Silva Física-Matemática - UFSC. cel: (48) Ismael Rodrigues Silva Física-Matemática - UFSC cel: (48)9668 3767 ANO DO VESTIBULAR QUESTÕES DE ELETROMAGNETISMO/ MAGNETISMO 2014 4/1 2013 4/1 2012 2/1 2011 2/1 2010 3/1 1 Até 1820, eletricidade e magnetismo

Leia mais

HISTERESE FERROMAGNÉTICA

HISTERESE FERROMAGNÉTICA HISTERESE FERROMAGNÉTICA Introdução Um material magnetizado é descrito pelo seu vetor de magnetização M definido como o momento de dipolo magnético por unidade de volume. M = dm dv (1) De acordo com o

Leia mais

Avaliação sobre Corrente Elétrica

Avaliação sobre Corrente Elétrica Avaliação sobre Corrente Elétrica Maria Christina O conceito de corrente elétrica em meios diferentes foi construído pelos alunos? O que falta? Objetivo da avaliação: Avaliar o progresso dos alunos na

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES ROTEIRO EXPERIMENTAL ELETROÍMÃ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES ROTEIRO EXPERIMENTAL ELETROÍMÃ UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES ROTEIRO EXPERIMENTAL ELETROÍMÃ 1. Introdução Um solenoide conduzindo uma corrente elétrica constitui um eletroímã. Um solenoide

Leia mais

Aula 31 Imãs permanentes

Aula 31 Imãs permanentes Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Física Física III Prof. Dr. Ricardo Luiz Viana Aula 31 Imãs permanentes Lembrete: o campo magnético de um imã permanente é semelhante

Leia mais

Unidade 8. Eletricidade e Magnetismo

Unidade 8. Eletricidade e Magnetismo Unidade 8 Eletricidade e Magnetismo Eletrostática e Eletrodinâmica Os fenômenos elétricos estão associados aos elétrons. Cargas Elétricas As cargas elétricas podem ser positivas ou negativas Cargas opostas

Leia mais

MAGNETISMO E SUAS PROPRIEDADES

MAGNETISMO E SUAS PROPRIEDADES MAGNETISMO E SUAS PROPRIEDADES Apresentação: Pôster Anna Caroliny Ferreira Diniz 1 ; Rodrigo Cavalcanti de Lima 2 ; Jakcson Victor Cintra Serafim 3 ; Oberlan da Silva 4 Introdução É muito comum crianças

Leia mais

Foto 1: Aluno com a cabeça dentro da câmara escura.

Foto 1: Aluno com a cabeça dentro da câmara escura. Câmara escura Regina Introdução: Podemos fazer das aulas de física um momento de reflexão sobre aquilo que observamos e incentivar os alunos a realizar construções experimentais por suas próprias mãos

Leia mais

Eletromagnetismo. Fenômenos associados a imãs tanto naturais como artificiais.

Eletromagnetismo. Fenômenos associados a imãs tanto naturais como artificiais. Conceitos Básicos Eletromagnetismo Na região conhecida como Magnésia descobriu-se que alguns tipos de rocha atraíam umas ás outras e podiam também atrair objetos de ferro. Essas pedras, denominadas magnetitas,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA Rafael Zanoni Bossle Orientadora: Marilaine de Fraga Sant Ana PRODUTO DA DISSERTAÇÃO: MODELAGEM MATEMÁTICA NO

Leia mais

Campos Magnéticos, Densidade de Fluxo, Permeabilidade e Relutância

Campos Magnéticos, Densidade de Fluxo, Permeabilidade e Relutância Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Retificadores Campos Magnéticos, Densidade de Fluxo, Permeabilidade e Relutância Prof. Clóvis

Leia mais

Experimento da 1ª Lei da Reflexão

Experimento da 1ª Lei da Reflexão Experimento da 1ª Lei da Reflexão Regina Costa O estudo da Física é muitas vezes confundido com o estudo da Matemática. Os alunos acreditam que estudar Física é simplesmente aplicar fórmulas para resolver

Leia mais

Projeto: Viviana a Rainha do Pijama

Projeto: Viviana a Rainha do Pijama Projeto: Viviana a Rainha do Pijama Público alvo: O projeto é destinado aos alunos do Ensino Fundamental 1 1º e 2º ano. Disciplina: Língua Portuguesa Justificativa: À medida que as crianças crescem, um

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ELETRICIDADE. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ELETRICIDADE. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ELETRICIDADE Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br UNIDADE III Magnetismo Características dos imãs (polos)

Leia mais

Como se escreve? Expectativas de aprendizagem. Recursos e materiais necessários. Público-alvo: 3º ano. Duração: 4 aulas

Como se escreve? Expectativas de aprendizagem. Recursos e materiais necessários. Público-alvo: 3º ano. Duração: 4 aulas Como se escreve? nós na sala de aula - módulo: língua portuguesa 1º ao 3º ano - unidade 10 Antigamente a ortografia era vista apenas como um monte de regras que deviam ser decoradas, mas os estudos atuais

Leia mais

Aprendendo a revisar os textos produzidos

Aprendendo a revisar os textos produzidos a revisá-los. A partir do momento em que a criança começa a produzir textos, precisa também aprender Essa prática deve começar nas séries iniciais, pois é assim que as crianças começam a incorporar, sem

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Ciências Exatas e da terra Departamento de Química

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Ciências Exatas e da terra Departamento de Química Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Ciências Exatas e da terra Departamento de Química Estrutura Atômica e Formação dos Íons: Uma Análise das Idéias dos Alunos do 3º Ano do Ensino Médio

Leia mais

Cap. 28. Campos Magnéticos. Prof. Oscar Rodrigues dos Santos Campos Magnéticos 1

Cap. 28. Campos Magnéticos. Prof. Oscar Rodrigues dos Santos Campos Magnéticos 1 Cap. 28 Campos Magnéticos Prof. Oscar Rodrigues dos Santos oscarsantos@utfpr.edu.br Campos Magnéticos 1 Campos Magnéticos - Há mais de 2500 anos eram encontrados fragmentos de ferro imantados nas proximidades

Leia mais

INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA. TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada

INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA. TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada O aprendizado e a progressão da criança dependerão do processo por ela desenvolvido,

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Bauru Sistemas Biomédicos

Faculdade de Tecnologia de Bauru Sistemas Biomédicos Faculdade de Tecnologia de Bauru Sistemas Biomédicos Física Aplicada à Sistemas Biomédicos II Aula 5 Propriedades Magnéticas de Materiais Profª. Me Wangner Barbosa da Costa MAGNETISMO NA MATÉRIA - μ orb

Leia mais

Histórico do Magnetismo e suas bases teóricas

Histórico do Magnetismo e suas bases teóricas Histórico do Magnetismo e suas bases teóricas Prof. Vicente Pereira de Barros Conteúdo 15 -Histórico e propriedades básicas do Magnetismo Conteúdo 16 O campo magnético Conteúdo 17 Fluxo Magnético Conteúdo

Leia mais

Prof. Renato. EME Prof. Vicente Bastos SESI Carrão. Física 3ª. Série Aula 13

Prof. Renato. EME Prof. Vicente Bastos SESI Carrão. Física 3ª. Série Aula 13 Aula 13 Circuitos Elétricos 1. Resistência dos materiais (R) Qualquer material oferece determinada resistência à fluidez das cargas (corrente elétrica). Bons condutores oferecem menos resistência, enquanto

Leia mais

Professor Thiago Espindula - Geografia. Cartografia

Professor Thiago Espindula - Geografia. Cartografia Cartografia A Cartografia é a ciência que se presta à análise ou à criação de representações da Terra. A origem da palavra vem do fato das grandes representações do planeta serem feitas por cartas (mapas).

Leia mais

Partículas Magnéticas

Partículas Magnéticas Partículas Magnéticas O ensaio por partículas magnéticas é utilizado na localização de descontinuidades superficiais e sub-superficiais em materiais ferromagnéticos, tais como, as ligas de Ferro e de Níquel.

Leia mais

Propriedades dos materiais magnéticos

Propriedades dos materiais magnéticos Com o uso de materiais magnéticos, obtém-se densidades elevadas de fluxo magnético com níveis baixos de força magnetomotriz. F = N i = φ R Joaquim Eloir Rocha 1 A densidade de energia eleva-se com o aumento

Leia mais

ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA 3º Trimestre. 9º ano. DISCIPLINA: Física

ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA 3º Trimestre. 9º ano. DISCIPLINA: Física ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA 3º Trimestre Observações: 9º ano DISCIPLINA: Física 1- Antes de responder às atividades, releia o material entregue sobre Sugestão de Como Estudar. 2 - Os exercícios

Leia mais

CONTEÚDOS BÁSICOS COMUNS DE FÍSICA 2007 SEE/MG PROPOSTA DE ATIVIDADES TÓPICO 16 TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MECÂNICA

CONTEÚDOS BÁSICOS COMUNS DE FÍSICA 2007 SEE/MG PROPOSTA DE ATIVIDADES TÓPICO 16 TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MECÂNICA CBC/FÍSICA - TÓPICO 16:TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MECÂNICA 1 CONTEÚDOS BÁSICOS COMUNS DE FÍSICA 2007 SEE/MG PROPOSTA DE ATIVIDADES TÓPICO 16 TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MECÂNICA CBC/FÍSICA

Leia mais

Entendendo + sobre Funil de Vendas. Ideias para Negócios IPN Estratégia em Vendas Online Pós-Vendas Marketing

Entendendo + sobre Funil de Vendas. Ideias para Negócios IPN Estratégia em Vendas Online Pós-Vendas Marketing @IDEIASPARANEGOCIOS @IDEIASPARANEGOCIOSBR Entendendo + sobre Funil de Vendas @IDEIASPARANEGOCIOS @IDEIASPARANEGOCIOSBR Entender sobre as Vantagens do Funil de Vendas é crucial para quem aplica o modelo

Leia mais

QUAL É O NOSSO CAMPO DE ATUAÇÃO?

QUAL É O NOSSO CAMPO DE ATUAÇÃO? QUEM SOMOS? Caros jovens participantes do Jovens em Ação, para ajudar o grupo na realização do seu empreendimento social, o projeto entregará a vocês, em partes, algumas propostas de atividades que contribuirão

Leia mais

Propriedades Magnéticas dos

Propriedades Magnéticas dos Propriedades Magnéticas dos Materiais Eduardo Paranhos Introdução O magnetismo é um fenômeno pelo qual os materiais exercem forças (de atração e de repulsão) uns sobre os outros. (PADILHA, 2000) É uma

Leia mais

FICHA DE TRABALHO N.º 1

FICHA DE TRABALHO N.º 1 FICHA DE TRABALHO N.º 1 VAMOS ESTUDAR OS ÍMANES! ATENÇÃO! Não aproximes os ímanes dos relógios, cassetes ou vídeos, pois podes avariálos As extremidades dos ímanes chamam-se pólos. Todos os ímanes têm

Leia mais

Corpos que atraem Fe, Ni, Co (materiais ferromagnéticos) e suas ligas. Possuem duas regiões especiais: PÓLOS

Corpos que atraem Fe, Ni, Co (materiais ferromagnéticos) e suas ligas. Possuem duas regiões especiais: PÓLOS ÍMÃS Corpos que atraem Fe, Ni, Co (materiais ferromagnéticos) e suas ligas. Possuem duas regiões especiais: PÓLOS 1 CLASSIFICAÇÃO ímã natural: magnetita (região da magnésia Ásia menor Turquia Irã - Iraque

Leia mais

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES OBJETIVO Utilizar técnicas que realmente funcionem para lidar com a objeções levantadas pelos clientes. VISÃO GERAL Você pode aumentar as suas vendas se souber utilizar algumas técnicas básicas para responder

Leia mais

Objetivo geral: Desenvolver nos alunos uma forma melhor de se orientarem no espaço geográfico.

Objetivo geral: Desenvolver nos alunos uma forma melhor de se orientarem no espaço geográfico. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES. DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) I. Plano de Aula: 34 Data:

Leia mais

Cap. 8 - Campo Magnético

Cap. 8 - Campo Magnético Cap. 8 - Campo Magnético 1 8.1. Introdução A região do espaço em torno de uma carga em movimento ou em torno de uma substância magnética, apresenta um campo que chamaremos de Campo Magnético (B). 2 3 4

Leia mais

MU e MUV Movimento Uniforme, MU, e Movimento Uniformemente Variado, MUV

MU e MUV Movimento Uniforme, MU, e Movimento Uniformemente Variado, MUV Ensino Médio MU e MUV Movimento Uniforme, MU, e Movimento Uniformemente Variado, MUV P L A N O D E A U L A Disciplinas/Áreas do Conhecimento Física, cinemática. Competência(s) / Objetivo(s) de Aprendizagem

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2010/01 Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. DISCIPLINA: METODOLOGIA DA PESQUISA PROFESSOR: JULIANA FERRARI DE OLIVEIRA TURMA: 3BM

Leia mais

Materiais Elétricos - Teoria. Aula 04 Materiais Magnéticos

Materiais Elétricos - Teoria. Aula 04 Materiais Magnéticos Materiais Elétricos - Teoria Aula 04 Materiais Magnéticos Bibliografia Nesta aula Cronograma: 1. Propriedades gerais dos materiais; 2. ; 3. Materiais condutores; 4. Materiais semicondutores; 5. Materiais

Leia mais

Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos: Força Magnética em Cargas

Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos: Força Magnética em Cargas Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos: Força Magnética em Cargas 1. (G1 - ifsp 2012) Os ímãs têm larga aplicação em nosso cotidiano tanto

Leia mais

Aula 21 - Lei de Biot e Savart

Aula 21 - Lei de Biot e Savart Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Física Física III Prof. Dr. Ricardo Luiz Viana Referências bibliográficas: H. 1-, 1-7 S. 9-, 9-, 9-4, 9-6 T. 5- Aula 1 - Lei de Biot

Leia mais

Lista de Exercícios Magnetismo/Fio

Lista de Exercícios Magnetismo/Fio 1. (Pucsp) Na experiência de Oersted, o fio de um circuito passa sobre a agulha de uma bússola. Com a chave C aberta, a agulha alinha-se como mostra a figura 1. Fechando-se a chave C, a agulha da bússola

Leia mais

Ismael Rodrigues Silva Física-Matemática - UFSC. cel: (48)

Ismael Rodrigues Silva Física-Matemática - UFSC. cel: (48) Ismael Rodrigues Silva Física-Matemática - UFSC cel: (48)9668 3767 R1 Quando duas cargas estão em movimento, além da força eletrostática manifesta-se uma outra força, chamada força magnética. Todos os

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA: Geografia ÁREA DE ENSINO: FUNDAMENTAL I SÉRIE\ ANO: 4º ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA: Geografia ÁREA DE ENSINO: FUNDAMENTAL I SÉRIE\ ANO: 4º ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 - O PLANETA TERRA * Explorar o conhecimento sobre a Terra. *Conhecer a estrutura do planeta Terra e suas características. *Compreender que o planeta Terra é formado por oceanos e continentes.

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de aulas - Física Autor: Natel Ferreira - Curitiba/PR 1. Nível de ensino:

Leia mais

Robô segue luz. Vanderlei Alves S. da Silva. Introdução

Robô segue luz. Vanderlei Alves S. da Silva. Introdução Robô segue luz Vanderlei Alves S. da Silva Introdução O mundo da robótica é algo realmente fascinante e podemos encontrar uma série de robôs capazes de fazer coisas incríveis. Alguns bem complexos de serem

Leia mais

CAMPO ELÉTRICO FÁCIL, FACÍL!: METODOLOGIA EXPERIMENTAL PARA ENSINAR O CONCEITO DE CAMPO ELÉTRICO NO ENSINO MÉDIO

CAMPO ELÉTRICO FÁCIL, FACÍL!: METODOLOGIA EXPERIMENTAL PARA ENSINAR O CONCEITO DE CAMPO ELÉTRICO NO ENSINO MÉDIO CAMPO ELÉTRICO FÁCIL, FACÍL!: METODOLOGIA EXPERIMENTAL PARA ENSINAR O CONCEITO DE CAMPO ELÉTRICO NO ENSINO MÉDIO Hugo Cleiton Reis Cuité; Elisangela Aguiar Pimenta; Maria de Jesus Castro da Silva; Cleidiane

Leia mais

CAMPO MAGNÉTICO EM CONDUTORES

CAMPO MAGNÉTICO EM CONDUTORES CAMPO MAGNÉTICO EM CONDUTORES Introdução A existência do magnetismo foi observada há cerca de 2500 anos quando certo tipo de pedra (magnetita) atraía fragmentos de ferro, que são conhecidos como ímãs permanentes.

Leia mais

II.2 - Análise de Tarefas II

II.2 - Análise de Tarefas II Melhor e Pior? II Perceber os Utilizadores e as Tarefas II.2 Análise de Tarefas II HCI, Cap. 15, Alan Dix Task-Centered UI Design, Cap. 1-2 C. Lewis and J. Rieman 2 Resumo Aula Anterior Sumário O que é

Leia mais

Como e quando os alunos utilizam o conceito de proporcionalidade Lúcia A. de A. Tinoco

Como e quando os alunos utilizam o conceito de proporcionalidade Lúcia A. de A. Tinoco Como e quando os alunos utilizam o conceito de proporcionalidade Lúcia A. de A. Tinoco A seguir temos o relato de uma experiência realizada com alunos da 7 a série trabalhando a noção de proporção e apresentando

Leia mais

Magnetismo. Propriedades Magnéticas Campo Magnético Vetor Indução Magnética

Magnetismo. Propriedades Magnéticas Campo Magnético Vetor Indução Magnética Magnetismo Propriedades Magnéticas Campo Magnético Vetor Indução Magnética Orientação Geográfica Norte Geográfico N Sul Geográfico S Atração e Repulsão S N N S N S S N N S N S Inseparabilidade N S N S

Leia mais

TRABALHANDO A LEITURA ORAL 4º INTRODUÇÃO

TRABALHANDO A LEITURA ORAL 4º INTRODUÇÃO TRABALHANDO A LEITURA ORAL INTRODUÇÃO A leitura tem sido considerada um importante e indispensável instrumento de desenvolvimento individual e social. O homem que sabe ler e escrever tem melhores condições

Leia mais

Princípios de Eletricidade e Magnetismo

Princípios de Eletricidade e Magnetismo Princípios de Eletricidade e Magnetismo Engenharias 1 Ementa Eletrostática Carga Elétrica Condutores e Isolantes Processos de Eletrização Lei de Coulomb Campo Elétrico Potencial Elétrico Circuitos I Tensão

Leia mais

Plano de Intervenção

Plano de Intervenção INTERVENÇÃO AULA PRÁTICA SOLOS Plano de Intervenção AUTOR: Luiz Felipe Ribeiro CONTEXTUALIZAÇÃO A variação dos solos depende da posição em que os solos estão em uma determinada paisagem, bem como o conteúdo

Leia mais

Magnetismo e Eletromagnetismo. Adrielle de Carvalho Santana

Magnetismo e Eletromagnetismo. Adrielle de Carvalho Santana Magnetismo e Eletromagnetismo Adrielle de Carvalho Santana Denomina-se imã, um corpo que possui a propriedade de atrair materiais ferromagnéticos. Magnetismo: Propriedade em virtude da qual esta atração

Leia mais

Campos Magnéticos Produzidos por Correntes

Campos Magnéticos Produzidos por Correntes Cap. 29 Campos Magnéticos Produzidos por Correntes Prof. Oscar Rodrigues dos Santos oscarsantos@utfpr.edu.br Campos Magnéticos Produzidos por Correntes 1 Campos Magnéticos Produzidos por Correntes Campos

Leia mais

AGG0110 ELEMENTOS DE GEOFÍSICA. Prof. Manoel S. D Agrella Filho

AGG0110 ELEMENTOS DE GEOFÍSICA. Prof. Manoel S. D Agrella Filho AGG0110 ELEMENTOS DE GEOFÍSICA Prof. Manoel S. D Agrella Filho Campo de uma força Faraday introduziu o conceito de campo de uma força Campo de uma força Na física, o campo de uma força é, frequentemente,

Leia mais

SEQUÊNCIA 4 QUARTO ANO MATERIAL DO PROFESSOR VOLUME 1 SEQUÊNCIA 4 ATIVIDADE miolo quarto ano professor.indd 29 23/10/13 20:23

SEQUÊNCIA 4 QUARTO ANO MATERIAL DO PROFESSOR VOLUME 1 SEQUÊNCIA 4 ATIVIDADE miolo quarto ano professor.indd 29 23/10/13 20:23 SEQUÊNCIA 4 SEQUÊNCIA 4 ATIVIDADE 4.1 Ao longo de cada dia, contamos horas, minutos, segundos... Contamos dias, semanas, meses, anos... Que tal revisar nossos conhecimentos sobre o tempo? Complete o texto

Leia mais

C i ê n c i a s d a N a t u r e z a e s u a s T e c n o l o g i a s Q U Í M I C A N O M E: N º T U R M A : D A T A :

C i ê n c i a s d a N a t u r e z a e s u a s T e c n o l o g i a s Q U Í M I C A N O M E: N º T U R M A : D A T A : C i ê n c i a s d a N a t u r e z a e s u a s T e c n o l o g i a s Q U Í M I C A P r o f ª M á r c i a R i b e i r o N O M E: N º T U R M A : D A T A : C a m a d a s e l e t r ô n i c a s Os átomos são

Leia mais

Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo

Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo Disciplina Eletrotécnica Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo Conceitos básicos Eletricidade Eletrostática Eletrodinâmica Cargas elétricas em repouso

Leia mais

CONQUISTE UM BOM EMPREGO

CONQUISTE UM BOM EMPREGO CONQUISTE UM BOM EMPREGO ÍNDICE CAPÍTULO 1 CURRÍCULO... 9 FUNÇÕES DO CURRÍCULO... 10 CAPÍTULO 2 ETAPAS DO CURRÍCULO... 23 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO... 27 OBJETIVOS... 32 FORMAÇÃO ACADÊMICA... 33 IDIOMAS...

Leia mais

Projeto Planejamento Orçamento Construção Limpeza Dicas finais

Projeto Planejamento Orçamento Construção Limpeza Dicas finais Projeto Planejamento Orçamento Construção Limpeza Dicas finais 3 4 7 10 13 14 Construir sem utilizar grandes quantidades de dinheiro não é algo impossível, mas sim uma questão de querer e saber como o

Leia mais

MAGNETISMO. 2. É capaz de imantar outro metal, passando suas propriedades para outro metal;

MAGNETISMO. 2. É capaz de imantar outro metal, passando suas propriedades para outro metal; MAGNETISMO O magnetismo foi descoberto há cerca de 2.000 anos na Ásia Menor pelos antigos gregos, quando perceberam que certo tipo de pedra, que foi batizada como magnetita, tinha a propriedade de atrair

Leia mais

Substâncias Iónicas. Sugestão de Exploração. Unidade básica da substância, nomenclatura e fórmulas químicas

Substâncias Iónicas. Sugestão de Exploração. Unidade básica da substância, nomenclatura e fórmulas químicas Substâncias Iónicas Sugestão de Exploração Exploração pelo professor com o quadro interativo Temas a Explorar: Substâncias Iónicas Unidade básica da substância, nomenclatura e fórmulas químicas Pré-requisitos:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA MESTRADO PROFISSIONALIZANTE EM ENSINO DA MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA MESTRADO PROFISSIONALIZANTE EM ENSINO DA MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA MESTRADO PROFISSIONALIZANTE EM ENSINO DA MATEMÁTICA Gabriel Almeida Quevedo PRODUTO DA DISSERTAÇÃO Compreensão dos conceitos

Leia mais

Em um mau condutor, como vidro ou borracha, cada elétron está preso a um particular átomo. Num condutor metálico, de forma diferente, um ou mais

Em um mau condutor, como vidro ou borracha, cada elétron está preso a um particular átomo. Num condutor metálico, de forma diferente, um ou mais Capítulo 6 Condutores 6.1 Breve Introdução Em um mau condutor, como vidro ou borracha, cada elétron está preso a um particular átomo. Num condutor metálico, de forma diferente, um ou mais elétrons por

Leia mais

CAMPO MAGNÉTICO E DINÂMICA DE UMA PARTÍCULA NO C.M.U.

CAMPO MAGNÉTICO E DINÂMICA DE UMA PARTÍCULA NO C.M.U. AULA 25 CAMPO MAGNÉTICO E DINÂMICA DE UMA PARTÍCULA NO C.M.U. 1- ÍMÃ Os ímãs são corpos que se diferenciam por apresentar algumas propriedades que comentaremos a seguir. Um ímã atrai pedaços de ferro e

Leia mais

Como prospectar clientes

Como prospectar clientes Como prospectar clientes Como prospectar clientes? Mkt e Vendas Comunicação Equipe e técnicas de vendas Produtos e Serviços Pesquisa e análise do mercado Relacionamento com o mercado Legislação Planejamento

Leia mais

QUEBRA-SE UM ÍMÃ, FAZ-SE UM CIENTISTA

QUEBRA-SE UM ÍMÃ, FAZ-SE UM CIENTISTA QUEBRA-SE UM ÍMÃ, FAZ-SE UM CIENTISTA Rodrigo Moura Colégio de Aplicação da UFRJ João Batista Garcia Canalle Instituto de Física - UERJ Rio de Janeiro -RJ Resumo Este artigo propõe uma experiência muito

Leia mais

AULA 01: CAMPO MAGNÉTICO

AULA 01: CAMPO MAGNÉTICO PROF. ALEADRO FREITA 1. ÍMÃ: ão corpos que atraem ferro ou que interagem entre si. 2. PROPRIEDADE DO ÍMÃ 1ª) Todo imã possui dois pólos: o orte () e o ul (). AULA 01: CAMPO MAGÉTICO 2ª) Os pólos de um

Leia mais

Возрастная группа: 6º ano, 5 º ano PCNs - Parâmetros Curriculares Nacionais: 6.GM.M 27

Возрастная группа: 6º ano, 5 º ano PCNs - Parâmetros Curriculares Nacionais: 6.GM.M 27 1 План урока Divisão d e um Retângulo em Quad rad os Возрастная группа: 6º ano, 5 º ano PCNs - Parâmetros Curriculares Nacionais: 6.GM.M 27 Онлайн ресурсы: B ri nc ando c o m q uadrado s Abert ura Professor

Leia mais

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA IMÃS, CAMPO MAGNÉTICO E FORÇA MAGNÉTICA

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA IMÃS, CAMPO MAGNÉTICO E FORÇA MAGNÉTICA ROTEIRO DE AULA PRÁTICA IMÃS, CAMPO MAGNÉTICO E FORÇA MAGNÉTICA 1- IMÃS-PÓLOS MAGNÉTICOS - placa de acrílico; - imãs em forma de barra; - Iimalha de ferro: - haste de material isolante com apoio vertical;

Leia mais

Índice. 1. Oficinas de Português Oficinas de Matemática Como Trabalhar Matemática nas Situações Cotidianas?... 4

Índice. 1. Oficinas de Português Oficinas de Matemática Como Trabalhar Matemática nas Situações Cotidianas?... 4 GRUPO 5.3 MÓDULO 16 Índice 1. Oficinas de Português...3 2. Oficinas de Matemática...4 2.1. Como Trabalhar Matemática nas Situações Cotidianas?... 4 2 1. OFICINAS DE PORTUGUÊS Atividade 1: Escrita compartilhada.

Leia mais

O que é magnetismo de Rochas? Uma breve introdução

O que é magnetismo de Rochas? Uma breve introdução O que é magnetismo de Rochas? { Uma breve introdução Geomagnetismo Estudo do campo magnético da Terra, variações de período curto e suas origens. Paleomagnetismo Estudo do campo magnético da Terra em escala

Leia mais

Spintrônica Uma palestra introdutória. Tatiana G. Rappoport

Spintrônica Uma palestra introdutória. Tatiana G. Rappoport Spintrônica Uma palestra introdutória Tatiana G. Rappoport http://www.if.ufrj.br/~tgrappoport 1 1 Linhas gerais A eletrônica O spin Spintrônica em metais magnéticos Spintrônica em semicondutores Spintrônica

Leia mais

Magnetismo e Eletromagnetismo

Magnetismo e Eletromagnetismo Magnetismo e Eletromagnetismo Professor Walescko 18 de outubro de 2005 Sumário 1 Exercícios 1. Quando um ímã em forma de barra é partido ao meio, observa-se que (a) separamos o pólo norte do pólo sul.

Leia mais

Introdução às Ciências Físicas Módulo 1 Aula 1

Introdução às Ciências Físicas Módulo 1 Aula 1 Experimento 2 A emissão da luz por diferentes fontes Objetivo: Construir um modelo para a emissão de luz por uma fonte não puntiforme. Material utilizado! caixa escura! máscaras! fonte de luz 1 com lâmpadas

Leia mais

08 passos para RECRUTAR PELO FACEBOOK B R U N O A N D R A D E

08 passos para RECRUTAR PELO FACEBOOK B R U N O A N D R A D E 08 passos para RECRUTAR PELO FACEBOOK B R U N O A N D R A D E Saiba exatamente como aproveitar a maior rede social do planeta para garantir seu sucesso como Empreendedor Multinível a qualquer hora e de

Leia mais

Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português

Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português Learning Outcomes Matrix, English Version Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português Compilado por: LMETB Título do módulo Perfil pessoal Matriz dos resultados da aprendizagem Nível introdutório

Leia mais

Escola Adventista Thiago White

Escola Adventista Thiago White Roteiro de Matemática 6º ano A e B - 1º Bimestre Data Início / / Data Término / / Nota: Tema: Números Primos, MMC e MDC Conceituar um número primo e verificar se um número dado é ou não primo. Obter o

Leia mais

Ciência e Tecnologia dos Materiais Elétricos. Aula 1. Prof.ª Letícia chaves Fonseca

Ciência e Tecnologia dos Materiais Elétricos. Aula 1. Prof.ª Letícia chaves Fonseca Ciência e Tecnologia dos Materiais Elétricos Aula 1 Prof.ª Letícia chaves Fonseca Capítulo 1 PROPRIEDADES DOS MATERIAIS USADOS EM ENGENHARIA 2 1.1 Introdução Distinguir e recomendar os materiais Correlacionar:

Leia mais

Potencial de Ionização

Potencial de Ionização Potencial de Ionização Kcal/mol H 314 Li 124 Na 119 Be 214 Mg 175 B 191 Al 138 C 260 Si 188 N 335 P 242 O 314 S 239 F 402 Cl 300 K 100 Br 273 I 241 1 Kcal/mol = 4,187 J POTENCIAL DE IONIZAÇÃO VARIAÇÃO

Leia mais

ELETRICIDADE. Professor Paulo Christakis, M.Sc. 20/10/2016 1

ELETRICIDADE. Professor Paulo Christakis, M.Sc. 20/10/2016 1 ELETRICIDADE 20/10/2016 1 Eletricidade é dividida em: Eletrostática: parte da Eletricidade que estuda as cargas elétricas em repouso. Eletrodinâmica: parte da Eletricidade que estuda as cargas elétricas

Leia mais

Sejam todos bem-vindos! Física III. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling

Sejam todos bem-vindos! Física III. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling Sejam todos bem-vindos! Física III Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling O segundo semestre O plano de ensino Bibliografia: A natureza e os tipos de carga Tipos de materiais Força entre cargas elétricas (A

Leia mais

2005 by Pearson Education. Capítulo 09

2005 by Pearson Education. Capítulo 09 QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Geometria molecular e teorias de ligação David P. White Forma molecular e polaridade molecular Os dipolos de ligação no CO2 cancelam-se porque o CO2 é linear. Forma

Leia mais

o que é? Resgatar um conteúdo trabalhado em sala de aula, por meio de novas aplicações ou exercícios

o que é? Resgatar um conteúdo trabalhado em sala de aula, por meio de novas aplicações ou exercícios lição de casa F1 o que é? É um recurso didático que o professor propõe aos alunos para potencializar a relação dele com o objeto de conhecimento. A lição pode ter vários objetivos: Resgatar um conteúdo

Leia mais

Eletromagnetismo: Bobinas, Eletroímanes e Motores Elétricos.

Eletromagnetismo: Bobinas, Eletroímanes e Motores Elétricos. Eletromagnetismo: Bobinas, Eletroímanes e Motores Elétricos www.fator-f.com info@fator-f.com Campo Magnético criado por uma corrente elétrica Campo Magnético criado por um fio, percorrido por uma corrente

Leia mais

O magnetismo é um fenômeno pelo qual alguns materiais impõem uma força ou influência de atração ou de repulsão sobre outros materiais.

O magnetismo é um fenômeno pelo qual alguns materiais impõem uma força ou influência de atração ou de repulsão sobre outros materiais. Materiais magnéticos FUNDAMENTOS O magnetismo é um fenômeno pelo qual alguns materiais impõem uma força ou influência de atração ou de repulsão sobre outros materiais. As aplicações de materiais magnéticos

Leia mais

Aula 6 Livro físico.

Aula 6 Livro físico. Conteúdos da aula 1. Material didático 2. Formatos 3. 2 1. Material didático Nessa aula, teremos como foco a apresentação do material didático da etb Material didático pode ser definido amplamente como

Leia mais

O raio incidente, o raio refletido e a reta perpendicular à superfície, no ponto de incidência, estão contidos no mesmo plano.

O raio incidente, o raio refletido e a reta perpendicular à superfície, no ponto de incidência, estão contidos no mesmo plano. REFLEXÃO DA LUZ A PRIMEIRA LEI Maria Christina Experimento para entender a lei da reflexão da luz que diz: O raio incidente, o raio refletido e a reta perpendicular à superfície, no ponto de incidência,

Leia mais