A eficiência energética e o Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A eficiência energética e o Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC)"

Transcrição

1 A eficiência energética e o Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) Seminário Eficiência Energética no Setor Agropecuário e Agroindústrias Escola Superior Agrária de Coimbra Cristina Correia de Barros, ERSE 30 de abril de 2014

2 Agenda 1. Enquadramento 2. A promoção da eficiência energética no quadro da regulação o PPEC 3. O PPEC /05/2014

3 1. A promoção da eficiência energética no quadro da regulação o PPEC Como promover a eficiência no consumo de energia eléctrica? Através da definição de tarifas que induzam uma utilização racional da energia eléctrica e dos recursos associados. Para tal as Tarifas devem: recuperar todos os custos eficientes associados a cada Atividade ter variáveis de facturação que transmitam sinais de preço correctos aos consumidores ter estruturas de preços aderentes aos custos marginais ou incrementais Porquê estabelecer outro tipo de mecanismo? Devido a barreiras e falhas de mercado que dificultam ou impedem a tomada de decisões eficientes por parte dos agentes económicos: externalidades ambientais diferenças entre preços de abastecimento e custos marginais de curto prazo défice de informação períodos de retorno longos e taxas de desconto elevadas desalinhamento de interesses 4 05/05/2014

4 1. A promoção da eficiência energética no quadro da regulação o PPEC A regulação da eficiência energética em Portugal - um paradigma em evolução Aceitação de custos associados a projetos de gestão da procura: - Voluntário - Ressarcimento integral de custos incorridos Plano de Gestão da Procura: - Obrigatório - Ressarcimento integral de custos incorridos - Partilha de benefícios PPEC incentivo à promoção da eficiência no consumo: - Voluntário - Ressarcimento parcial de custos incorridos - Aumento da diversidade e quantidade de medidas implementadas - Aumento dos montantes investidos - Aumento dos benefícios obtidos - Aumento dos promotores elegíveis e das entidades envolvidas 5 05/05/2014

5 Agenda 1. Enquadramento 2. A promoção da eficiência energética no quadro da regulação o PPEC 3. O PPEC /05/2014

6 2. A promoção da eficiência energética no quadro da regulação o PPEC O que é o PPEC O Plano de Promoção da Eficiência no Consumo foi estabelecido pela ERSE. Financia a implementação de medidas que visam a adopção de hábitos de consumo e de equipamentos mais eficientes por parte dos consumidores de energia eléctrica. Quem propõe e implementa as medidas de promoção da eficiência no consumo de energia eléctrica - Comercializadores de energia eléctrica; - Operadores das redes de transporte e de distribuição de energia eléctrica. - Associações de consumidores. - Associações Municipais. - Associações Empresariais. - Agências de Energia. - Instituições de Ensino Superior e Centros de Investigação. A ERSE seleciona as medidas de eficiência energética a comparticipar pelo PPEC através de uma métrica de avaliação técnica e económica definida ex-ante, objectiva e pública. A DGEG seleciona as medidas na perspetiva da política energética nacional. 7 05/05/2014

7 2. O PPEC - Exemplos de medidas elegíveis Medidas Tangíveis Instalação de equipamento com um nível de eficiência superior ao standard de mercado Definição de metas de redução de consumos mensuráveis Medidas Intangíveis Informação sobre boas práticas no uso eficiente de energia eléctrica Promoção de mudanças de comportamentos Realização de auditorias energéticas Disponibilização de simuladores e instrumentos de auxilio à tomada de decisões de consumo eficientes 9 05/05/2014

8 Agenda 1. Enquadramento 2. A promoção da eficiência energética no quadro da regulação o PPEC 3. O PPEC /05/2014

9 Mil 3. O PPEC O sucesso do programa muita competição Até ao momento já se realizaram quatro edições do PPEC: PPEC 2007 (medidas com implementação em 2007, 2008 e 2009), PPEC 2008 (medidas em 2008, 2009 e 2010), PPEC (medidas em 2009 e 2010) e PPEC (medidas em 2011, 2012 e 2013). Encontra-se em implementação a quinta edição PPEC , até 31 de janeiro de Comparação montantes candidatos e dotação orçamental, por concurso PPEC Intangível Indústria Comércio Residencial Intangíveis Tangíveis As medidas que concorreram ao PPEC excederam largamente o orçamento Concurso todos os promotores Custos Candidaturas Dotação PPEC Concurso promotores não empresas do sector eléctrico Concurso competitivo, apenas são escolhidas as melhores medidas! 11 05/05/2014

10 milhões 3. O PPEC Benefícios vs Custos Benefícios vs custos PPEC (medidas tangíveis) 151, , , ,6 5,6 4,1 74,5 5,1 42,5 7,3 4,6 25,3 23,5 1,7 17,0 9 x 140,5 Segmento Indústria Segmento Serviços Segmento Residencial Total Tangíveis Custo PPEC Benefício para o sector eléctrico Benefício ambiental Estima-se que os benefícios desta edição do PPEC alcançados com a aplicação das medidas tangíveis sejam nove vezes superiores aos custos: esperam-se ganhos potenciais de 152 milhões de euros para custos de 17 milhões de euros. 12

11 Rácio BC [p.u.] 3. O PPEC Impacte da métrica de seriação no rácio benefício-custo Rácios benefício-custo das medidas aprovadas vs Rácios benefício-custo das medidas candidatas (medidas tangíveis) do PPEC PPEC Candidaturas Residencial Serviços Indústria Total 13

12 3. O PPEC Diversidade de agentes promotores PPEC colocar a eficiência energética na agenda de um conjunto alargado de agentes, fomentando as parcerias Mecanismo muito competitivo, apenas as melhores medidas são aprovadas: Foram recebidas 207 candidaturas de 65 promotores ao PPEC Apenas 70 medidas aprovadas. 29 promotores e mais de 60 parceiros (comercializadores, associações de consumidores, associações empresarias, universidades, agências de energia, organizações ambientais, empresas de serviços de energia, IPSS, canais de televisão, organizações não governamentais ), envolvidas na implementação das medidas. Ao maximizar o número de agentes envolvidos chega-se a mais consumidores e aumenta-se o efeito multiplicador. N.º de medidas: 4% 4% Agências de energia 39% Associações consumidores Associações empresariais 37% Comercializadores Operador Rede Distribuição 9% 6% 1% Universidades/Centros Tecnológicos 14

13 3. O PPEC Tipologias/Tecnologias aprovadas Distribuição das medidas intangíveis aprovadas por tecnologia ou classe As medidas intangíveis são, na sua maioria, de divulgação nas escolas (32%), seguidas das medidas de auditorias (23%) e de formação (19%). Custos aprovados: 8% 23% Auditorias Divulgação escolas 19% Divulgação Estudos Ferramentas 11% 1% 6% 32% Formação Sistema de Gestão de Consumos 15

14 3. O PPEC Tipologias/Tecnologias aprovadas Distribuição das medidas tangíveis aprovadas por tecnologia ou classe As medidas tangíveis são, na sua maioria de iluminação (47%), seguidas das medidas de gestão de consumos (21%) e de força motriz (16%). As medidas de iluminação são maioritariamente destinadas à iluminação pública (25%) e iluminação LED residencial (9%). As medidas de gestão de consumos estão maioritariamente direcionadas para os sistemas de gestão standby residencial (9%) e aos sistemas de gestão de consumo na indústria (7%). As medidas de força motriz dizem na sua maioria respeito à instalação de variadores Eletrónicos de Velocidade (VEV) na indústria (12%). Custos aprovados: 2% 3% 21% 16% 11% 47% Iluminação Refrigeração Sistema Gestão de Consumos Aquecimento de águas sanitárias Correcção de factor de potência Força Motriz 2% 3% 12% 3% 3% 1% 4% 1% 7% 3% 2% 25% 9% 4% 3% 3% 4% 9% 1% 1% 1% Aquecimento de águas sanitárias residencial Iluminação LED residencial Refrigeração residencial Sistema Gestão Consumo residencial Sistema Gestão Standby residencial Aquecimento de águas sanitárias serviços Correcção de factor de potência serviços Força Motriz VEV serviços Iluminação fluorescente serviços Iluminação LED serviços Iluminação Pública Refrigeração serviços Semáforos Sistema Gestão Consumo serviços Correcção de factor de potência indústria Força Motriz MAR indústria Força Motriz VEV indústria Iluminação fluorescente indústria Refrigeração indústria Sistema Gestão Consumo indústria Sistemas de Ar Comprimido indústria 16

15 3. O PPEC efeito multiplicador Efeito multiplicador na captação de investimento para a eficiência energética PPEC 2007 PPEC % 7% 30% Custo PPEC Custo Promotor+Parceiros Custo Beneficiário 5% 65% Custo PPEC Custo Promotor+Parceiros Custo Beneficiário 85% Orçamento PPEC 10 M /ano Orçamento PPEC 11,5 M /ano O interesse crescente no PPEC permitiu o aumento do nível de co-financiamento dos promotores e dos beneficiários, contribuindo para um maior envolvimento de todos os intervenientes 17

16 Consumo evitado [GWh] 3. O PPEC Consumo evitado Consumo evitado Valor acumulado: 1785GWh / tonco Residencial Serviços Indústria O consumo evitado com a implementação das medidas aprovadas no âmbito do PPEC tem um valor acumulado de GWh, cerca de toneladas de CO /05/2014

17 PPEC 2007 PPEC 2008 PPEC PPEC PPEC Eólica Solar < 250 kw Solar < 3,86 kw Custo ( /ton CO2 evitado) 3. O PPEC Custos por tonelada de CO 2 evitado Custos por ton CO 2 - Portugal A redução das emissões de gases de efeito estufa e a redução da dependência energética externa alcançadas através de medidas do lado da procura tem benefícios líquidos positivos quando comparados com as medidas do lado da oferta. Neste sentido, considera-se que devem ser implementadas simultaneamente medidas que atuem do lado da oferta e do lado da procura. 19

18 Saibam mais sobre o PPEC em ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Telef: +(351)

Plano de Promoção da Eficiência no Consumo PPEC

Plano de Promoção da Eficiência no Consumo PPEC Plano de Promoção da Eficiência no Consumo PPEC 213-214 Quadros de apoio 23 de julho de 214 PPEC 213-214 Tipologia das medidas tangíveis aprovadas 2% 3% 16% 47% Iluminação Refrigeração Sistema Gestão de

Leia mais

Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC)

Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) Caracterização do PPEC Objetivos e promotores elegíveis O que é o PPEC O PPEC é estabelecido pela ERSE no Regulamento Tarifário do

Leia mais

O PPEC e a promoção da eficiência energética

O PPEC e a promoção da eficiência energética O PPEC e a promoção da eficiência energética O Papel dos Comportamentos na Utilização Racional de Energia Pedro Verdelho, ERSE 19 de Novembro de 2013 Agenda 1. Enquadramento 2. A promoção da eficiência

Leia mais

Plano de Promoção de Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) Cristina Correia de Barros Setúbal, 13 Março 2012

Plano de Promoção de Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) Cristina Correia de Barros Setúbal, 13 Março 2012 Plano de Promoção de Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) Cristina Correia de Barros Setúbal, 13 Março 2012 Agenda O PPEC Objectivos e promotores elegíveis Exemplos de medidas elegíveis: tangíveis

Leia mais

Regulação, Sustentabilidade e Eficiência Energética. O PPEC (Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica)

Regulação, Sustentabilidade e Eficiência Energética. O PPEC (Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica) Regulação, Sustentabilidade e Eficiência Energética O PPEC (Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica) IV Conferência Anual da RELOP Vitor Santos Brasília, 1 de Julho de 2011 Agenda

Leia mais

Promoção da Eficiência no Consumo de Energia O programa PPEC

Promoção da Eficiência no Consumo de Energia O programa PPEC Promoção da Eficiência no Consumo de Energia O programa PPEC Pedro Verdelho Seminário: Conservação de Energia e Energias Renováveis no Sector Doméstico Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 21 de Maio

Leia mais

Seminário: Eficiência energética no sector Agropecuário e Agroindústrias

Seminário: Eficiência energética no sector Agropecuário e Agroindústrias Seminário: Eficiência energética no sector Agropecuário e Agroindústrias EDP Comercial 30 de Abril de 2014 A EDP tem uma abordagem sectorial para os serviços de energia e eficiência energética, por forma

Leia mais

Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC)

Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) Caracterização do PPEC Objetivos e promotores elegíveis O que é o PPEC O PPEC é estabelecido pela ERSE no Regulamento Tarifário do

Leia mais

Aviso de lançamento PPEC

Aviso de lançamento PPEC Aviso de lançamento PPEC 2017-2018 Anuncia-se que estão abertas até 15 de abril de 2016 as candidaturas ao Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) 2017-2018. 1. O que é o

Leia mais

Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica. Lisboa, 11 de Fevereiro de 2011

Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica. Lisboa, 11 de Fevereiro de 2011 Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica Lisboa, 11 de Fevereiro de 2011 A eficiência energética está na agenda da EDP Distribuição Aumento do consumo O consumo de energia eléctrica

Leia mais

Aviso de Abertura de Concurso para apresentação de candidaturas no quadro do programa GERE

Aviso de Abertura de Concurso para apresentação de candidaturas no quadro do programa GERE Aviso de Abertura de Concurso para apresentação de candidaturas no quadro do programa GERE Substituição de luminárias tradicionais por LED em monumentos e edifícios históricos (Medida financiada no âmbito

Leia mais

Eficiência Energética e Gestão da Procura no Contexto da Regulação do Sector Eléctrico

Eficiência Energética e Gestão da Procura no Contexto da Regulação do Sector Eléctrico Eficiência Energética e Gestão da Procura no Contexto da Regulação do Sector Eléctrico Pedro Verdelho Conservação de Energia & Energias Renováveis 18 de Novembro de 2005 Entidade Reguladora dos Serviços

Leia mais

O Operador de Rede de Distribuição como facilitador na promoção da eficiência energética e a implementação no terreno de diferentes projectos

O Operador de Rede de Distribuição como facilitador na promoção da eficiência energética e a implementação no terreno de diferentes projectos O Operador de Rede de Distribuição como facilitador na promoção da eficiência energética e a implementação no terreno de diferentes projectos João Torres EDP Distribuição Coimbra, 8 de Setembro de 2011

Leia mais

AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE. CLÁUDIO CASIMIRO

AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE. CLÁUDIO CASIMIRO AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE CLÁUDIO CASIMIRO claudio.casimiro@ceeeta.pt A única coisa que sabemos sobre o futuro é que será diferente Peter Drucker Paradigma Actual - UE Nos

Leia mais

REGRAS DO PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA APROVADAS NO ÂMBITO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO. março 2013

REGRAS DO PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA APROVADAS NO ÂMBITO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO. março 2013 REGRAS DO PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA APROVADAS NO ÂMBITO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO março 2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º

Leia mais

N/Refª.: /ES. Assunto: Consulta Pública das Regras do Plano de Promoção da Eficiência no Consumo

N/Refª.: /ES. Assunto: Consulta Pública das Regras do Plano de Promoção da Eficiência no Consumo 1 Ex. mos Senhores ERSE Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos Rua Dom Cristóvão da Gama, 1-3º 1400-113 Lisboa N/Refª.: 2006.264/ES. Assunto: Consulta Pública das Regras do Plano de Promoção da Eficiência

Leia mais

Inovar na Regulação. Pedro Verdelho Porto, 11 de Fevereiro de 2010

Inovar na Regulação. Pedro Verdelho Porto, 11 de Fevereiro de 2010 Inovar na Regulação Pedro Verdelho Porto, 11 de Fevereiro de 2010 Agenda 1. Regulação do Sector Eléctrico 2. Organização do Sector Eléctrico Passado, Presente e Futuro 3. Estrutura tarifária do Sector

Leia mais

ANÁLISE DA EXECUÇÃO DO PLANO DE GESTÃO DA PROCURA NO PERÍODO DE REGULAÇÃO 2002 A 2004 E 2005

ANÁLISE DA EXECUÇÃO DO PLANO DE GESTÃO DA PROCURA NO PERÍODO DE REGULAÇÃO 2002 A 2004 E 2005 ANÁLISE DA EXECUÇÃO DO PLANO DE GESTÃO DA PROCURA NO PERÍODO DE REGULAÇÃO 2002 A 2004 E 2005 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303

Leia mais

REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA CONFERÊNCIA O FUTURO ENERGÉTICO EM PORTUGAL REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS Joaquim Borges Gouveia bgouveia@ua.pt DEGEI UAVEIRO 21 de Abril de 2009 Consumo de Energia

Leia mais

3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS

3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL E NO MUNDO 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS 5. O PAPEL DE PORTUGAL NAS ENERGIAS

Leia mais

Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos

Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos SECÇÃO 4 Apoio à eficiência energética, à gestão inteligente da energia e à utilização das energias renováveis nas infraestruturas públicas da Administração Local Objetivos Específicos: Os apoios têm como

Leia mais

Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa

Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa MINISTÉRIO DA ENERGIA Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa Marcelina Mataveia Direcção Nacional de Energias Novas e Renováveis Maputo - Moçambique 7 de Fevereiro

Leia mais

A Regulação do Sector Energético

A Regulação do Sector Energético A Regulação do Sector Energético Apresentação realizada na FEUC Vítor Santos 25 de Maio de 2012 Agenda 1. Dimensões estratégicas da liberalização do setor energético 2. Liberalização do sector Energético

Leia mais

LINHA BPI/BEI EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

LINHA BPI/BEI EFICIÊNCIA ENERGÉTICA LINHA BPI/BEI EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO 2. BENEFICIÁRIOS E PROJECTOS ELEGÍVEIS 3. TIPO DE DESPESAS 4. INVESTIMENTOS ELEGÍVEIS 5. SUMÁRIO DAS CARACTERÍSTICAS DA LINHA 6. VANTAGENS PARA

Leia mais

Medidas aprovadas no âmbito do PPEC 2013/2014

Medidas aprovadas no âmbito do PPEC 2013/2014 Medidas aprovadas no âmbito do PPEC 2013/2014 Apresentação IBERDROLA A EMPRESA MISSÃO & VALORES IBERDROLA PORTUGAL Uma das 5 maiores companhias elétricas do mundo; Líder mundial em Energia eólica; Equipa

Leia mais

Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica para 2008

Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica para 2008 Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica para 2008 Novembro de 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32

Leia mais

Contratos de Desempenho Energético. Jorge Borges de Araújo

Contratos de Desempenho Energético. Jorge Borges de Araújo 0 Contratos de Desempenho Energético Jorge Borges de Araújo 1 Agenda 1. APESE 2. Oportunidades de Eficiência Energética 3. Contratos de desempenho energético (Portugal) 2 1. APESE Associação Portuguesa

Leia mais

DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PRIORIDADES PARA PORTUGAL João Bernardo, DGEG Workshop QUERCUS: Eficiência Energética Desafios e Oportunidades para Portugal 6/março/2015 Principais normativos de orientação

Leia mais

Concepção e avaliação de medidas de promoção da eficiência no consumo de energia eléctrica

Concepção e avaliação de medidas de promoção da eficiência no consumo de energia eléctrica Concepção e avaliação de medidas de promoção da eficiência no consumo de energia eléctrica Carlos Henggeler Antunes Universidade de Coimbra (Iniciativa Energia para a Sustentabilidade - EfS) INESC Coimbra

Leia mais

Cerca de 30% do consumo eléctrico no Comércio e Serviços

Cerca de 30% do consumo eléctrico no Comércio e Serviços Os motores elétricos apresentam um papel fundamental nas empresas, o que se reflete igualmente num peso elevado nos custos energéticos associados ao seu funcionamento. Cerca de 70% do consumo eléctrico

Leia mais

Medidas de apoio ao I&D nas Empresas. Investigação em Co-Promoção SIFIDE. Aveiro, 7 de Fevereiro 2011

Medidas de apoio ao I&D nas Empresas. Investigação em Co-Promoção SIFIDE. Aveiro, 7 de Fevereiro 2011 Medidas de apoio ao I&D nas Empresas Investigação em Co-Promoção SIFIDE Aveiro, 7 de Fevereiro 2011 Investigação em Consórcio I&D em Consórcio: Instrumento do Alargamento do Número de Empresas com Actividades

Leia mais

VI Conferência Anual da RELOP

VI Conferência Anual da RELOP VI Conferência Anual da RELOP Novos Desafios para a Regulação do Setor Energético Vitor Santos, Presidente da ERSE Luanda, 30 de Maio de 2013 Agenda 1. Dimensões estratégicas da liberalização do sector

Leia mais

Aproveitar o calor libertado pela central de ar comprimido

Aproveitar o calor libertado pela central de ar comprimido Aproveitar o calor libertado pela central de ar comprimido 1 Aproveitar o calor libertado pela central de ar comprimido Características do projeto Investimento 77.473 Payback 2,2 anos Objetivos Ecoeficiência

Leia mais

A Regulação do Gás Natural em Portugal

A Regulação do Gás Natural em Portugal A Regulação do Gás Natural em Portugal O Gás Natural e a Sustentabilidade AdEPORTO Isabel Apolinário 29 de Maio de 2009 Conteúdo da Apresentação A Regulação do Gás Natural em Portugal 1. Sistema de gás

Leia mais

SEMINÁRIO A gestão eficiente de energia no setor público

SEMINÁRIO A gestão eficiente de energia no setor público SEMINÁRIO A gestão eficiente de energia no setor público 16 Novembro Teatro Aveirense - Aveiro A oferta da EDP para o Setor Público António Coutinho EDP Comercial A oferta da EDPC assenta na complementaridade

Leia mais

FICHAS DE AVALIAÇÃO DOS CRITÉRIOS MÉTRICOS PPEC

FICHAS DE AVALIAÇÃO DOS CRITÉRIOS MÉTRICOS PPEC FICHAS DE AVALIAÇÃO DOS CRITÉRIOS MÉTRICOS PPEC 2017-2018 AVALIAÇÃO NA PERSPETIVA DA REGULAÇÃO ECONÓMICA Novembro 2016 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão

Leia mais

OPORTUNIDADES NA PRODUÇÃO PRIMÁRIA 6 março 2015

OPORTUNIDADES NA PRODUÇÃO PRIMÁRIA 6 março 2015 OPORTUNIDADES NA PRODUÇÃO PRIMÁRIA 6 março 2015 1 QUEM SOMOS A CONSULAI (www.consulai.com) possui atualmente cerca de 600 clientes, passando por todos os sectores da produção e transformação de produtos

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Aviso 09 Auditoria Energética a Elevadores em Edifícios de DIREÇÃO EXECUTIVA DO PNAEE FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (FEE) Decreto-Lei nº 50/2010, de 20 Maio O Fundo de Eficiência

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Aviso 09 Auditoria Energética a Elevadores em Edifícios de Sessão de esclarecimentos DIREÇÃO EXECUTIVA DO PNAEE 15/05/2015 FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (FEE) Decreto-Lei

Leia mais

As prioridades nacionais para a Eficiência Energética. Cristina Cardoso, DGEG

As prioridades nacionais para a Eficiência Energética. Cristina Cardoso, DGEG As prioridades nacionais para a Eficiência Energética Cristina Cardoso, DGEG Lisboa, Ordem dos Engenheiros - Infoday da Eficiência Energética 4 de abril de 2017 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: O QUE É? Energy efficiency

Leia mais

Campanha de substituição de lâmpadas

Campanha de substituição de lâmpadas Campanha de substituição de lâmpadas Segmento Residencial PPEC 2007 AVALIAÇÃO DE RESULTADOS Medida EEM_TR2 - Instalação de equipamentos de iluminação eficientes. Campanha promovida pela EEM Empresa de

Leia mais

Aviso E EEA/2010 UTILIZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGETICO- AMBIENTAL EM EQUIPAMENTOS COLECTIVOS

Aviso E EEA/2010 UTILIZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGETICO- AMBIENTAL EM EQUIPAMENTOS COLECTIVOS Aviso E EEA/2010 UTILIZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGETICO- AMBIENTAL EM EQUIPAMENTOS COLECTIVOS Instituições Particulares sem Fins Lucrativos e Associações Desportivas de Utilidade Pública

Leia mais

Substituição do antigo RSECE (Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios) (1)

Substituição do antigo RSECE (Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios) (1) A energia é indispensável para o funcionamento da generalidade das empresas, e em particular para os edifícios de comércio e serviços, responsáveis por mais de 40% do consumo de energia final na Europa.

Leia mais

Investimento e financiamento, a relação com a banca. Luís Rêgo, Banco BPI

Investimento e financiamento, a relação com a banca. Luís Rêgo, Banco BPI 0 Investimento e financiamento, a relação com a banca Luís Rêgo, Banco BPI 1 Eficiência Energética Enquadramento Legal (1/2) 2 Mercado de serviços energéticos (Directiva 2006/32/CE, de 05 de Abril*) Metas

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO EIXO 4 Protecção e Valorização Ambiental PREVENÇÃO E GESTÃO DE RISCOS NATURAIS E TECNOLÓGICOS Acções Materiais Aviso nº: Centro-PRM-2011-04 Nos termos do Regulamento Específico

Leia mais

Vale Projeto Simplificado Programa Estratégico (+E+I)

Vale Projeto Simplificado Programa Estratégico (+E+I) Vale Projeto Simplificado Programa Estratégico (+E+I) Serviços Científicos da UCP-ESB scientificos@porto.ucp.pt - Tipologias Vale Empreendedorismo (+E) Direccionado a empresas criadas há menos de um ano,

Leia mais

Apresentação da AMES

Apresentação da AMES Apresentação da AMES = Objectivos, Visão e Missão = Seminário Serviços Energéticos e contratos de Performance de Energia Guimarães, 14 de Fevereiro de 2011 AGÊNCIA MUNICIPAL DE ENERGIA DE SINTRA Associação

Leia mais

Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015

Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015 Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015 Conteúdos Os elevadores em Portugal O Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos (SEEP) A etiquetagem energética de elevadores Aderir ao SEEP Próximos

Leia mais

Eficiência Energética em Edifícios (Alto Alentejo)

Eficiência Energética em Edifícios (Alto Alentejo) Eficiência Energética em Edifícios (Alto Alentejo) = Como as autarquias encaram a problemática da eficiência energética = TIAGO GAIO tiago.gaio@areanatejo.pt Otimização de Soluções Construtivas Coimbra,

Leia mais

DIVERSIFICAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SOLAR TÉRMICO. Sistema de Incentivos PME e Pessoas Colectivas de Direito Privado sem Fins Lucrativos

DIVERSIFICAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SOLAR TÉRMICO. Sistema de Incentivos PME e Pessoas Colectivas de Direito Privado sem Fins Lucrativos DIVERSIFICAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SOLAR TÉRMICO Sistema de Incentivos PME e Pessoas Colectivas de Direito Privado sem Fins Lucrativos Junho 2010 1 Enquadramento Nos últimos 2 anos o investimento superou

Leia mais

1 Segurança energética e redução da dependência das importações; 4 Eficiência no fornecimento, distribuição e consumo

1 Segurança energética e redução da dependência das importações; 4 Eficiência no fornecimento, distribuição e consumo 1- POLÍTICA ENERGÉTICA DE CABO VERDE A política energética de Cabo Verde tem por objetivo construir um setor energético seguro, eficiente, sustentável e sem dependência de combustível fóssil. E está assente

Leia mais

Evolução do modelo de gestão de energia e medidas de eficiência energética na Águas do Douro e Paiva, S. A.

Evolução do modelo de gestão de energia e medidas de eficiência energética na Águas do Douro e Paiva, S. A. Evolução do modelo de gestão de energia e medidas de eficiência energética na Águas do Douro e Paiva, S. A. APDA Encontro "Alterações Climáticas Escassez de Água e Eficiências Energética e Hídrica no Ciclo

Leia mais

Projeto de Ampliação do Aproveitamento Hidroelétrico da Calheta

Projeto de Ampliação do Aproveitamento Hidroelétrico da Calheta Projeto de Ampliação do Aproveitamento Hidroelétrico da Calheta Projeto de Ampliação do Aproveitamento Hidroelétrico da Calheta Infraestrutura energética de armazenamento de energia Envolve o aumento da

Leia mais

Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética

Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética Decreto-Lei Nº 71/2008, de 15 de Abril 15 MAIO 2011 1 Índice Caracterização do SGCIE Registos de Operadores Registos de Técnicos

Leia mais

Regulamento. Prémio Eu Reduzo

Regulamento. Prémio Eu Reduzo Regulamento Prémio Eu Reduzo Almada, Portugal 2016 PRÉMIO EU REDUZO Regulamento Artigo 1 (Projeto Missão Reduzir) a) Missão Reduzir é um projeto que visa sensibilizar, mobilizar e capacitar os munícipes

Leia mais

Iluminação Pública e Sistema de Gestão de Energia

Iluminação Pública e Sistema de Gestão de Energia Iluminação Pública e Sistema de Gestão de Energia 14 Março 2006 Auditório da Câmara Municipal de Mirandela Vítor Lopes EDV ENERGIA Agência de Energia do Entre o Douro e Vouga Região constituída por 5 municípios:

Leia mais

Eficiência Energética na Agro-Indústria

Eficiência Energética na Agro-Indústria Eficiência Energética na Agro-Indústria Marta Viegas 12 junho 2014 I II III IV V Aplicação e Registo de Instalações Impacto expectável com a Isenção de ISP Planos de Racionalização do Consumo de Energia

Leia mais

Orientação técnica n.º 1/2010

Orientação técnica n.º 1/2010 Orientação técnica n.º 1/2010 Plano de Promoção da Eficiência do Consumo de Energia Eléctrica PPEC 2011-2012 Nas Regras do plano de promoção da eficiência no consumo de energia eléctrica (PPEC), aprovadas

Leia mais

edp corporate edp corporate edp corporate edp corporate edp corporate edp corporate O desafio O compromisso europeu Agenda

edp corporate edp corporate edp corporate edp corporate edp corporate edp corporate O desafio O compromisso europeu Agenda Agenda Estratégia Mecanismos: os Serviços de Energia Energia, Ecoeficiência e Desenvolvimento Local Que estratégias e mecanismos para introdução de práticas ecoeficientes e energias renováveis nas Autarquias?

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA DA INFORMAÇÃO SOBRE PRODUÇÃO EM REGIME ESPECIAL

NOTA EXPLICATIVA DA INFORMAÇÃO SOBRE PRODUÇÃO EM REGIME ESPECIAL NOTA EXPLICATIVA DA INFORMAÇÃO SOBRE PRODUÇÃO EM REGIME ESPECIAL Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão

Leia mais

A APREN e as Universidades

A APREN e as Universidades A APREN e as Universidades A Importância da Biomassa no Contexto Energético Nacional Comemoração do Dia Internacional das Florestas 15:00 15:10 Abertura 5 de abril de 2016 Instituto Politécnico de Setúbal

Leia mais

Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes

Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes Bolsa de Integração à Investigação Bolseiro: Rui Rafael Braga Rodrigues Ribeiro Professor Coordenador: Prof. Doutor

Leia mais

O exemplo prático das Energias Renováveis como solução na Gestão de Energia e Eficiência Energética.

O exemplo prático das Energias Renováveis como solução na Gestão de Energia e Eficiência Energética. SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS DE ENERGIAS RENOVÁVEIS Workshop Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas PAINEL II O exemplo prático das Energias Renováveis como solução na Gestão de Energia e Eficiência

Leia mais

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ATENDIMENTO A COMUNIDADES DE BAIXO PODER AQUISITIVO

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ATENDIMENTO A COMUNIDADES DE BAIXO PODER AQUISITIVO PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ATENDIMENTO A COMUNIDADES DE BAIXO PODER AQUISITIVO SUMÁRIO EXECUTIVO Tipo de projeto: Atendimento a Comunidade de Baixo Poder Aquisitivo. Objetivo: Promover a eficientização

Leia mais

Energia nuclear no mercado de eletricidade

Energia nuclear no mercado de eletricidade Energia nuclear no mercado de eletricidade Audição Parlamentar Comissão de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação da Assembleia da República 1 março 2017 Agenda

Leia mais

O futuro do mercado dos serviços energéticos. Cláudio Monteiro, SMARTWATT

O futuro do mercado dos serviços energéticos. Cláudio Monteiro, SMARTWATT 0 O futuro do mercado dos serviços energéticos Cláudio Monteiro, SMARTWATT 1 De que depende o futuro de Serviços Energéticos? 2 Depende da valorização da eficiência por parte dos consumidores Depende da

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE. Módulo 6 Projetos com Fontes Incentivadas

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE. Módulo 6 Projetos com Fontes Incentivadas Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Módulo 6 Projetos com Fontes Incentivadas Revisão Motivo da Revisão 1 Correções e aperfeiçoamentos Instrumento

Leia mais

A APREN e as Universidades O SOL COMO FONTE DE ENERGIA Comemoração do Dia Internacional do Sol

A APREN e as Universidades O SOL COMO FONTE DE ENERGIA Comemoração do Dia Internacional do Sol 14:00 14:15 Nota de abertura A APREN e as Universidades O SOL COMO FONTE DE ENERGIA Comemoração do Dia Internacional do Sol Universidade de Évora 4 de maio de 2015 Universidade de Évora 14:15 14:30 O Panorama

Leia mais

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS ESCASSEZ DE ÁGUA E EFICIÊNCIAS

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS ESCASSEZ DE ÁGUA E EFICIÊNCIAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS ESCASSEZ DE ÁGUA E EFICIÊNCIAS ENERGÉTICA E HÍDRICA NO CICLO URBANO DA ÁGUA AQUAPOR MEDIDAS DE EFICIÊNCIA HÍDRICA E ENERGÉTICA Otimização Energética Grupo AQUAPOR Edifício do auditório

Leia mais

SEMINÁRIO A gestão eficiente de energia no setor público

SEMINÁRIO A gestão eficiente de energia no setor público SEMINÁRIO A gestão eficiente de energia no setor público 16 Novembro Teatro Aveirense - Aveiro Os Modelos ESE Sofia Tavares EDP Comercial Agenda 1 2 ESE Empresas de Serviços Energéticos O conceito Eco.AP

Leia mais

Conferência FISCALIDADE VERDE: um contributo para a sustentabilidade

Conferência FISCALIDADE VERDE: um contributo para a sustentabilidade Conferência FISCALIDADE VERDE: um contributo para a sustentabilidade 30 de abril de 2013 Fundação Calouste Gulbenkian As Renováveis e a Eficiência Energética são os principais instrumentos de combate à

Leia mais

Plano Integrado de Energia Doméstica. Por Fátima Arthur Ordem dos Engenheiros de Moçambique

Plano Integrado de Energia Doméstica. Por Fátima Arthur Ordem dos Engenheiros de Moçambique Plano Integrado de Energia Doméstica Por Fátima Arthur Ordem dos Engenheiros de Moçambique Resumo Energia doméstica está intrinsecamente ligada ao desenvolvimento humano. O acesso universal a fontes modernas

Leia mais

PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade

PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 2 Usos finais de eletricidade e Conservação slide 1 / 30 O Processo de Uso Final da EE (1) Eletricidade Motor Força motriz Entrada de energia Tecnologia

Leia mais

O Grupo CPFL Energia e a Eficiência Energética

O Grupo CPFL Energia e a Eficiência Energética O Grupo CPFL Energia e a Eficiência Energética Setembro/2010 AGENDA 1. Quem somos 2. Direcionadores Estratégicos do Grupo CPFL Energia 3. Eficiência Energética no Grupo CPFL Energia 2 O Grupo CPFL Energia

Leia mais

Fonte:

Fonte: Fonte: www.cm-seixal.pt O Parque Industrial do Seixal PIS 1 Freguesia da Zona Aldeia não de habitacional Paio Pires 3 O Parque Industrial do Seixal PIS 1 4 O Parque Industrial do Seixal PIS 1 Construído

Leia mais

Apresentação. > Consultoria. > Produção de Energia. > Eficiência Energética. > Gestão de Activos de Energia 1/20

Apresentação. > Consultoria. > Produção de Energia. > Eficiência Energética. > Gestão de Activos de Energia 1/20 Apresentação A VIVAPOWER é uma Empresa de Serviços Energéticos (ESE) que actua em todos os domínios da energia, numa perspectiva integrada, nomeadamente nas áreas: > Consultoria > Produção de Energia >

Leia mais

Apoios ao Empreendedorismo

Apoios ao Empreendedorismo Apoios ao Empreendedorismo IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação, I.P.MEI - Ministério da Economia e da Inovação Objetivos: Facilitar o acesso a soluções de financiamento

Leia mais

AVISO 21 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EFICIENTE

AVISO 21 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EFICIENTE AVISO 21 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EFICIENTE JUNHO 2016 APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AO FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PLANO NACIONAL DE AÇÃO PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Índice

Leia mais

Introdução. Ciência Encontro com a Ciência e a Tecnologia em Portugal

Introdução. Ciência Encontro com a Ciência e a Tecnologia em Portugal Introdução Programa Galp 20-20-20 / Objectivos Energéticos Europeus Redução de emissão de gases de efeitos de estufa Aumentar a eficiência energética (manter o mesmo resultado final empregando menos energia)

Leia mais

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA (PPEC 2008) PERÍODO DE IMPLEMENTAÇÃO BALANÇO E RESULTADOS

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA (PPEC 2008) PERÍODO DE IMPLEMENTAÇÃO BALANÇO E RESULTADOS PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA (PPEC 2008) PERÍODO DE IMPLEMENTAÇÃO 2008-2011 BALANÇO E RESULTADOS Julho 2014 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão

Leia mais

Mercado Liberalizado de Energia

Mercado Liberalizado de Energia Mercado Liberalizado de Energia BRAGA - 26/10/2012 1 ÍNDICE 1. PRESENÇA GLOBAL 2. NEGÓCIO LIBERALIZADO 3. IBERDROLA EM PORTUGAL 4. MERCADO LIVRE 5. CONTRATAÇÃO PÚBLICA 2 PRESENÇA GLOBAL 3 A IBERDROLA é

Leia mais

Programa de Eficiência Energética

Programa de Eficiência Energética INTRODUÇÃO Conforme dispõe a Lei 9.991 de 24 de julho de 2000, as Empresas concessionárias ou permissionárias de energia elétrica devem aplicar o percentual de 0,5% da sua receita operacional líquida anual

Leia mais

Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada

Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada Workshop Os Aspectos Energéticos na Concepção de Edifícios Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada Carlos Sousa Elisabete Serra AGENEAL, Agência Municipal de Energia de Almada Fórum Romeu Correia

Leia mais

Soluções BES Ambiente e Energia Sustentável 2011 (Eficiência Energética; Microgeração e Minigeração) Apresentação a clientes

Soluções BES Ambiente e Energia Sustentável 2011 (Eficiência Energética; Microgeração e Minigeração) Apresentação a clientes Soluções BES Ambiente e Energia Sustentável 2011 (Eficiência Energética; Microgeração e Minigeração) Apresentação a clientes Gestão Marketing da Poupança de Empresas e Institucionais. 1. Enquadramento

Leia mais

SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA)

SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01/ SAMA/ 2008 SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) CONCURSO GERAL E CONCURSO JUSTIÇA OPERAÇÕES INDIVIDUAIS E OPERAÇÕES TRANSVERSAIS Nos termos

Leia mais

Apresentação do SGCIE Sistema de Gestão dos Consumos Intensivos de Energia

Apresentação do SGCIE Sistema de Gestão dos Consumos Intensivos de Energia Apresentação do SGCIE Sistema de Gestão dos Consumos Intensivos de Energia Sector Industrial Carlos Pimparel, DGEG Índice Enquadramento do SGCIE Objectivos e âmbito de aplicação do Sistema de Gestão Organização

Leia mais

Process Automation. Eficiência Energética Industrial Consultoria em eficiência energética

Process Automation. Eficiência Energética Industrial Consultoria em eficiência energética Process Automation Eficiência Energética Industrial Consultoria em eficiência energética A ABB é líder em tecnologias electrotécnicas e de automação que tornam possível às indústrias aumentarem a sua eficiência,

Leia mais

PPDA DA SONORGÁS ANÁLISE DO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ANO GÁS

PPDA DA SONORGÁS ANÁLISE DO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ANO GÁS PPDA DA SONORGÁS ANÁLISE DO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ANO GÁS 2009-2010 Abril 2011 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão

Leia mais

A quem se destina. Principais Benefícios. Empresas que pretendam reduzir os seus consumos energéticos localização: Norte Centro

A quem se destina. Principais Benefícios. Empresas que pretendam reduzir os seus consumos energéticos localização: Norte Centro FORMAÇÃO FORMAÇÃO A quem se destina Empresas que pretendam reduzir os seus consumos energéticos localização: Norte Centro Principais Benefícios Conhecimento do perfil energético da empresa; Verificação

Leia mais

As Empresas de Serviços Energéticos

As Empresas de Serviços Energéticos As Empresas de Serviços Energéticos Lisboa, Março 2013 Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação Urbana In Smart Grids

Leia mais

PROJETO U-BIKE PORTUGAL

PROJETO U-BIKE PORTUGAL PROJETO U-BIKE PORTUGAL Lisboa Auditório do IRHU 28 de janeiro 2016 PROJETO U-BIKE PORTUGAL Auditório do IRHU 28 jan 2016 1. Enquadramento 2. Objetivos 3. Regulamento Geral do Projeto 4. Protocolo IMT

Leia mais

Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética

Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética Decreto-Lei Nº 71/2008, de 15 de Abril Maio 2010 1 Índice Caracterização do SGCIE Registos de Operadores Registos de Técnicos

Leia mais

Incentivos financeiros Portugal 2020

Incentivos financeiros Portugal 2020 Incentivos financeiros Portugal 2020 Lisboa, 08-10-2015 Paulo Carpinteiro Licks & Associados POCI Programa Operacional Competitividade e Internacionalização POSEUR e PORegionais Norte, Centro, LVT, Alentejo,

Leia mais

Motores Elétricos. Medição e Verificação de Performance. Mário Ramos

Motores Elétricos. Medição e Verificação de Performance. Mário Ramos Motores Elétricos Medição e Verificação de Performance Mário Ramos INTRODUÇÃO A eficiência energética é um conjunto de políticas e ações que tem por objetivo a redução dos custos da energia efetivamente

Leia mais

A Economia Circular na Indústria de Pasta, Papel e Cartão - Indicadores e Principais Barreiras

A Economia Circular na Indústria de Pasta, Papel e Cartão - Indicadores e Principais Barreiras A Economia Circular na Indústria de Pasta, Papel e Cartão - Indicadores e Principais Barreiras Lisboa, 4 de Abril de 2017 Ordem dos Engenheiros Marta Souto Barreiros CELPA Manuel Fraga - FCT/UNL O Sector

Leia mais

Projecto de lei nº 325 /X REGIME DE PREÇOS DE ENERGIA PARA O CONSUMO DOMÉSTICO

Projecto de lei nº 325 /X REGIME DE PREÇOS DE ENERGIA PARA O CONSUMO DOMÉSTICO Projecto de lei nº 325 /X REGIME DE PREÇOS DE ENERGIA PARA O CONSUMO DOMÉSTICO Exposição de motivos O anúncio do aumento do preço de electricidade a partir de 1 de Janeiro de 2007 em 15,7%, que está a

Leia mais

Resultados Preliminares do Inquérito ao Consumo de Energia no Sector Doméstico 2010

Resultados Preliminares do Inquérito ao Consumo de Energia no Sector Doméstico 2010 Consumo de Energia no Sector Doméstico 20 Julho de 2011 2010 (1) Resultados Preliminares do Inquérito ao Consumo de Energia no Sector Doméstico 2010 Em Portugal assistiu-se a uma alteração dos hábitos

Leia mais

Relatório Síntese Outubro 2016

Relatório Síntese Outubro 2016 Relatório Síntese Outubro 2016 Entidade Supervisora: Gestão Operacional: 1 Registo de Instalações 569 536 548 500 451 378 317 526 263 489 453 154 392 351 243 272 304 139 dez-08 dez-09 dez-10 dez-11 dez-12

Leia mais

A Nova Regulamentação de Eficiência Energética dos Edifícios. Ordem dos Engenheiros, 25 de Fevereiro de 2014

A Nova Regulamentação de Eficiência Energética dos Edifícios. Ordem dos Engenheiros, 25 de Fevereiro de 2014 A Nova Regulamentação de Eficiência Energética dos Edifícios Ordem dos Engenheiros, 25 de Fevereiro de 2014 Filiações Associação empresarial de âmbito nacional Cerca de 170 empresas 9.000 postos de trabalho

Leia mais

Experiências europeias no uso de energias renováveis e eficiência energética

Experiências europeias no uso de energias renováveis e eficiência energética 23 de novembro de 2016 Sede do Sistema FIRJAN RJ Experiências europeias no uso de energias renováveis e eficiência energética Rodrigo Nogueira - Edp Intercâmbio EDP Brasil EDP Comercial Seminário Técnologias

Leia mais