TECIDOS VASCULARES XILEMA & FLOEMA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TECIDOS VASCULARES XILEMA & FLOEMA"

Transcrição

1 TECIDOS VASCULARES XILEMA & FLOEMA

2 XILEMA (LENHO) a) FUNÇÃO: - condução de água; - condução de nutrientes inorgânicos; - armazenamento de substâncias; - sustentação. b) ORIGEM (Meristemas): - Crescimento primário no procâmbio. - Crescimento secundário câmbio vascular.

3 Formação da placa perfurada simples: Parede secundária Rebordo Lamela média entumescida Perfuração simples Desenvolvimento dos elementos de vaso. A, célula meristemática. B, futura área de perfuração espessada devido ao entumescimento da lamela média. C, espessamento secundário depositado, menos na futura área de perfuração. D, já ocorreu a perfuração e a desintegração do protoplasma. (FONTE: Esaú, 2002).

4 A diferenciação dos elementos traqueais é um exemplo de APOPTOSE morte celular programada, é a conseqüência de processos geneticamente programados que levam a morte da célula.

5 c) LOCALIZAÇÃO: juntamente com o floema, o xilema forma um sistema contínuo de tecidos vasculares que se estende por todo o corpo da planta. d) PRINCIPAIS CÉLULAS DE CONDUÇÃO Os elementos traqueais (não possuem protoplasto na maturidade e podem possuir pontuações nas paredes): traqueídes (são encontradas em todos os grupos de plantas vasculares) elementos de vaso (são mais eficientes, encontrados nas angiospermas)

6 Traqueídeos Elementos traqueais e suas interconexões. (FONTE: Taiz & Zeiger, 2004)

7 Tipos de células componentes do xilema secundário (obtidas de elementos do lenho dissociado de Quercus, carvalho). A-C, elementos de vaso, de lume amplo. D-F, elementos de vaso estreitos. G, traqueídeo. H, fibrotraqueídeo. I, fibra libriforme. J, célula parenquimática do raio. K, feixe parenquimático axial. (FONTE: Esaú, 2002).

8 ELEMENTOS TRAQUEAIS - PAREDE SECUNDÁRIA XILEMA PRIMÁRIO: - variedade de espessamento em suas paredes secundárias; - possibilita serem esticados ou estendidos, embora essas células sejam freqüentemente destruídas durante o alongamento dos órgãos vegetais (em crescimento). XILEMA SECUNDÁRIO: - as paredes secundárias recobrem completamente a parede primária. Conseqüentemente são rígidas e não podem ser esticadas.

9 Diferentes tipos de espessamento secundário da parede dos elementos de vaso Elementos de vaso do xilema primário de Phaseolus. (a) Espiralado ou helicoidal. (b) Anelar. (c) Parcialmente pontuado e parcialmente reticulado. (d) Pontuado. A parede secundária está em preto (FONTE: Esaú, 2002).

10 Corte longitudinal em caule de mamona evidenciando os elementos de vaso do xilema (400X). Foto: Ethur, L.Z., 2008)

11 Vista de corte longitudinal de elemento de vaso do xilema de pecíolo de maxixe (400X). (ETHUR, L.Z., 2017)

12 Corte longitudinal tangencial do xilema secundário de Junglans, nogueira. São evidentes elementos de vaso largos (v) com grupos de pontuações e fibras (f) (x400) (FONTE: Cutter, 1986).

13 FLOEMA (LÍBER) a) FUNÇÃO: - condução de substâncias orgânicas para todo vegetal; - armazenamento de substâncias; - sustentação. b) ORIGEM (Meristemas): Crescimento primário no procâmbio. Crescimento secundário câmbio vascular.

14 c) PRINCIPAIS CÉLULAS DE CONDUÇÃO Os elementos crivados apresentam áreas crivadas, através das quais os protoplastos de elementos crivados adjacentes são interligados: células crivadas (menos especializadas, não possuem placa crivada, ocorrem apenas em gimnospermas) elementos de tubo crivado (possuem placa crivada (com poros) nas paredes terminais onde ocorre a união entre as células, ocorrem apenas em angiospermas) elementos crivados são os elementos de condução do floema nas plantas vasculares sem sementes. CÉLULA COMPANHEIRA: associada aos elementos do tubo crivado, derivam da mesma célula-mãe do elemento de tubo crivado, possuem numerosos plasmodesmos com o elemento de tubo crivado. Função: liberação de substâncias, inclusive de moléculas informacionais e ATP.

15 DIFERENCIAÇÃO ELEMENTO TUBO CRIVADO

16 ELEMENTO TUBO CRIVADO

17 d) LOCALIZAÇÃO: juntamente com o floema, o xilema forma um sistema contínuo de tecidos vasculares que se estende por todo o corpo da planta.

18 Figura Seções transversais do caule de erva-doce (Pimpinella) Feixe colateral com xilema (X) e floema (F). No floema, as células maiores e de contorno irregular são os elementos de tubo crivado e as células menores e mais densas, células companheiras. Barra = 100 mm.

19 FEIXE VASCULAR - Folha de espada de São Jorge (400X). esclerênquima floema xilema (Foto: ETHUR, L.Z, 2016)

20 LOCALIZAÇÃO FONTE: Acta bot. bras. 18(4):

21 LOCALIZAÇÃO FONTE: Acta bot. bras. 18(4): Figuras Seções transversais de pecíolos. 15. Miconia sp., com contorno côncavo/convexo e feixes vasculares distribuídos de forma aleatória. Notar células esclerificadas distribuídas esparsamente e idioblastos portadores de drusas (seta) e de substâncias fenólicas (sf). 16. Miconia sellowiana Naudin, com contorno côncavo/convexo e feixes vasculares distribuídos em arco. 17. Tibouchina sp. 2, com contorno côncavo/convexo (abaxialmente) e feixes vasculares distribuídos ao acaso; notar emergências (em) e os idioblastos portadores de drusas (seta). 18. Miconia pepericarpa Mart. ex DC., com contorno elíptico, feixes vasculares em forma de arco, tricomas ramificados e dendríticos e idioblastos contendo drusas (seta). Barras: = 200µm

22 Pecíolo de maxixe (40X). (ETHUR, L.Z., 2017)

23 RAIZ DE ABOBRINHA (40X) (ETHUR, L.Z., 2011)

XILEMA PRIMÁRIO. Duas partes: Protoxilema e Metaxilema. Protoxilema: diferenciação ocorre cedo lacunas do protoxilema

XILEMA PRIMÁRIO. Duas partes: Protoxilema e Metaxilema. Protoxilema: diferenciação ocorre cedo lacunas do protoxilema TECIDO DE CONDUÇÃO E TECIDO DE SECREÇÃO Prof Marcelo Francisco Pompelli CCB - Botânica Xilema TECIDO DE CONDUÇÃO Xilema e Traqueídes Elementos de vaso Células Parenquimáticas Fibras Elementos crivados

Leia mais

Bio:D. Angela Cristina E-mail: angelacristina2913@gmail.com

Bio:D. Angela Cristina E-mail: angelacristina2913@gmail.com Bio:D Angela Cristina E-mail: angelacristina2913@gmail.com Reinos 5 reinos; 1969; Organização celular (uni ou pluri), tipo de célula (procarionte ou eucarionte) e forma de nutrição (autótrofo ou heterótrofo).

Leia mais

TECIDOS FUNDAMENTAIS PARÊNQUIMA

TECIDOS FUNDAMENTAIS PARÊNQUIMA TECIDOS FUNDAMENTAIS PARÊNQUIMA 1 Parênquima - Características Parênquima: (grego parencheo) significa encher de lado Ontogênese : meristema fundamental Características Parede primária delgada celulose,

Leia mais

FOLHA FOLHA. Base foliar Limbo. Pecíolo. Principais funções: fotossíntese e transpiração

FOLHA FOLHA. Base foliar Limbo. Pecíolo. Principais funções: fotossíntese e transpiração Folhas: são apêndices caulinares que se formam no meristema apical; muito variável tanto em estrutura quanto em função; a folha é o órgão para fotossíntese. Base foliar Limbo Pecíolo Principais funções:

Leia mais

Células-guarda: decisão do dilema fome x sede

Células-guarda: decisão do dilema fome x sede UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE BOTÂNICA DISCIPLINA DE ECOFISIOLOGIA Transpiração: Necessária ou desperdício de água? O O poro estomático é flanqueado por

Leia mais

É a parte da Botânica que estuda os tecidos

É a parte da Botânica que estuda os tecidos É a parte da Botânica que estuda os tecidos vegetais - Crescimento Tecidos vegetais -Adultos permanentes -Meristema primário -Meristema secundário -De revestimento -De sustentação -De condução -Parênquimas

Leia mais

Parte subterrânea da planta, funções:

Parte subterrânea da planta, funções: Parte subterrânea da planta, funções: Absorção (água e substâncias dissolvidas nela); Condução (até a parte aérea); Fixação da planta no solo; Reserva (cenoura, rabanete...) Primeira das partes embrionárias

Leia mais

TECIDOS VEGETAIS BOTÂNICA

TECIDOS VEGETAIS BOTÂNICA TECIDOS VEGETAIS BOTÂNICA Histologia Vegetal Quais são os principais tecidos encontrados no corpo de uma planta? 1 Tecidos meristemáticos ou embrionários tecidos meristemáticos primários tecidos meristemáticos

Leia mais

AULA 11 CAPÍTULO 11 CAULE

AULA 11 CAPÍTULO 11 CAULE AULA 11 CAPÍTULO 11 CAULE CAULE Estágio embrionário eixo = epicótilo - hipocótilo Plúmula Cotilédones em sua porção superior - folhas embrionárias Gema Epicótilo = região localizada acima dos cotilédones

Leia mais

TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS ORGÂNICOS

TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS ORGÂNICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA GERAL TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS ORGÂNICOS Prof. Tomás de Aquino Portes Goiânia, maio de 2008 1 CAPÍTULO 8 Translocação

Leia mais

HISTOLOGIA VEGETAL. Santo Inácio. Educação para toda a vida. Colégio. Jesuítas

HISTOLOGIA VEGETAL. Santo Inácio. Educação para toda a vida. Colégio. Jesuítas HISTOLOGIA VEGETAL I. Tecido Meristemático - Tecido embrionário - Divisão por mitose - Célula pequena - Núcleo grande Tipos de Tecidos Meristemáticos I- Meristema Primário - Derivadas do embrião - Localização:

Leia mais

Biologia Fascículo 06 Lara Regina Parra de Lazzari

Biologia Fascículo 06 Lara Regina Parra de Lazzari Biologia Fascículo 06 Lara Regina Parra de Lazzari Índice Fisiologia Vegetal II Anatomia vegetal... 1 Relações hídricas na planta... 2 Exercícios... 5 Gabarito... 8 Anatomia vegetal Identificação de estruturas

Leia mais

MORFOLOGIA VEGETAL. Morfologia externa e interna da raiz e do caule PROFª SANDRA BIANCHI

MORFOLOGIA VEGETAL. Morfologia externa e interna da raiz e do caule PROFª SANDRA BIANCHI MORFOLOGIA VEGETAL Morfologia externa e interna da raiz e do caule PROFª SANDRA BIANCHI INTRODUÇÃO Dois dos processos mais interessantes e complexos que ocorrem durante o ciclo de vida das plantas produtoras

Leia mais

MERISTEMAS TECIDOS PERMANENTES SISTEMA FUNDAMENTAL - PARÊNQUIMA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA

MERISTEMAS TECIDOS PERMANENTES SISTEMA FUNDAMENTAL - PARÊNQUIMA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA AGRONOMIA - MORFOLOGIA VEGETAL (ANATOMIA) MERISTEMAS 1. INTRODUÇÃO. gr. "meristo" = dividir. embrião - totalmente meristemático. vegetal adulto

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE FÍSICA DE SÃO CARLOS Licenciatura em Ciências Exatas. Introdução à Biologia Vegetal

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE FÍSICA DE SÃO CARLOS Licenciatura em Ciências Exatas. Introdução à Biologia Vegetal UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE FÍSICA DE SÃO CARLOS Licenciatura em Ciências Exatas Introdução à Biologia Vegetal São Carlos - 2002 SUMÁRIO 1. Células e tecidos vegetais 1 1.1 Sistema de Tecido

Leia mais

HISTOLOGIA VEGETAL. Tecidos vegetais

HISTOLOGIA VEGETAL. Tecidos vegetais HISTOLOGIA VEGETAL Tecidos vegetais TECIDOS VEGETAIS grupamentos de células com determinadas formas e funções TIPOS DE TECIDOS VEGETAIS TECIDOS EMBRIONÁRIOS ou MERISTEMAS responsáveis pelo crescimento

Leia mais

Características gerais

Características gerais Reino das Plantas Características gerais São organismos: Eucariontes Pluricelulares Autótrofos Possuem diversos pigmentos, como os fotossintetizantes e os acessórios. Características gerais Capacidade

Leia mais

AULA 4 CAPÍTULO 4 PARÊNQUIMA, COLÊNQUIMA E ESCLERÊNQUIMA

AULA 4 CAPÍTULO 4 PARÊNQUIMA, COLÊNQUIMA E ESCLERÊNQUIMA AULA 4 CAPÍTULO 4 PARÊNQUIMA, COLÊNQUIMA E ESCLERÊNQUIMA PARÊNQUIMA Origem = meristema fundamental/periblema Nome - para = ao lado; enchein = derramar Função Fotossíntese Transporte Reserva Secreção Excreção

Leia mais

HISTOLOGIA VEGETAL. Profº. Amaral

HISTOLOGIA VEGETAL. Profº. Amaral HISTOLOGIA VEGETAL Profº. Amaral HISTOLOGIA VEGETAL A organização do corpo dos vegetais é bem diferente da organização do corpo dos animais. A maior parte dessas diferenças é uma adaptação ao modo autotrófico

Leia mais

AULA 2 Potencial hídrico e transporte pelo xilema

AULA 2 Potencial hídrico e transporte pelo xilema UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE BOTÂNICA DISCIPLINA DE ECOFISIOLOGIA AULA 2 Potencial hídrico e transporte pelo xilema A água H 2 O ÁGUA - PARTICULARIDADES

Leia mais

Fatos e Conceitos Procedimentos e Habilidades Atitudes, Normas e Valores

Fatos e Conceitos Procedimentos e Habilidades Atitudes, Normas e Valores Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: FARMÁCIA Disciplina: FARMACOBOTÂNICA Professor(es): FÁTIMA MARIA MOTTER MAGRI Carga horária: DRT: 1125359 Código da Disciplina: 061.1303.6

Leia mais

Sistema Cardiovascular. Prof. Dr. Valcinir Aloisio Scalla Vulcani Medicina Veterinária Universidade Federal de Goiás Regional Jataí

Sistema Cardiovascular. Prof. Dr. Valcinir Aloisio Scalla Vulcani Medicina Veterinária Universidade Federal de Goiás Regional Jataí Sistema Cardiovascular Prof. Dr. Valcinir Aloisio Scalla Vulcani Medicina Veterinária Universidade Federal de Goiás Regional Jataí SISTEMA CARDIOVASCULAR Introdução Componentes: - sistema vascular sanguíneo,

Leia mais

FACULDADES UNICEN - Primavera do Leste Curso de Agronomia 2 o Semestre Disciplina de Anatomia Vegetal

FACULDADES UNICEN - Primavera do Leste Curso de Agronomia 2 o Semestre Disciplina de Anatomia Vegetal FACULDADES UNICEN - Primavera do Leste Curso de Agronomia 2 o Semestre Disciplina de Anatomia Vegetal Originados do meristema fundamental; Diversas funções: Preenchimento; Fotossíntese; Reserva; Acúmulo

Leia mais

PRINCIPAIS FITORMÔNIOS

PRINCIPAIS FITORMÔNIOS FITORMÔNIOS São substâncias orgânicas químicas que atuam em diferentes partes do vegetal, como raiz, caule, folha, flor e fruto. São sintetizados em pequenas porções. Responsáveis pelo crescimento e desenvolvimento

Leia mais

Escola da Apel Técnicas Laboratoriais de Biologia. Trabalho elaborado por:

Escola da Apel Técnicas Laboratoriais de Biologia. Trabalho elaborado por: Escola da Apel Técnicas Laboratoriais de Biologia Trabalho elaborado por: Cátia Lucélia Sousa e Silva 11º A 5 nº5 Turno: B Março de 2004 Objectivos No âmbito da disciplina da Técnicas Laboratoriais de

Leia mais

Uma simples folha. Queila de Souza Garcia

Uma simples folha. Queila de Souza Garcia Uma simples folha Queila de Souza Garcia Plantas grande diversidade formas tamanhos habitats Lemna minor sequoia Folha Órgão laminar e verde das plantas, que constitui a estrutura assimiladora por excelência,

Leia mais

Translocação no floema

Translocação no floema Translocação no floema A translocação orgânica ocorre no floema, o qual ocupa a parte externa dos feixes vasculares Placa crivada Poro da placa crivada Área crivada lateral Desenhos esquemáticos de elementos

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Botânica Aplicada a Farmácia Código: FAR 102 Pré-requisito: - Período Letivo:

Leia mais

Reino Plantae. Todos os seres incluídos no Reino Plantae são: EUCARIONTES PLURICELULARES AUTÓTROFOS

Reino Plantae. Todos os seres incluídos no Reino Plantae são: EUCARIONTES PLURICELULARES AUTÓTROFOS Reino Plantae Reino Plantae Todos os seres incluídos no Reino Plantae são: EUCARIONTES PLURICELULARES AUTÓTROFOS A clorofila encontra-se dentro dos plastos Cloroplastos Cloroplasto Parede celular Representação

Leia mais

HISTOLOGIA VEGETAL EPIDERME

HISTOLOGIA VEGETAL EPIDERME HISTOLOGIA VEGETAL SISTEMA DE REVESTIMENTO O sistema de revestimento compreende a epiderme e a periderme. A primeira reveste a superfície do vegetal em crescimento primário, podendo ser substituída pela

Leia mais

Anatomia Vegetal UNIDADE 1 INTRODUÇÃO À ANATOMIA VEGETAL

Anatomia Vegetal UNIDADE 1 INTRODUÇÃO À ANATOMIA VEGETAL Anatomia Vegetal UNIDADE 1 INTRODUÇÃO À ANATOMIA VEGETAL Você sabia que a anatomia vegetal é o ramo da botânica que se ocupa em estudar a estrutura interna das plantas e que sua história confunde-se com

Leia mais

1. (UFPEL) As figuras mostram, respectivamente, a germinação de semente de feijão (A) e de milho (B).

1. (UFPEL) As figuras mostram, respectivamente, a germinação de semente de feijão (A) e de milho (B). 1. (UFPEL) As figuras mostram, respectivamente, a germinação de semente de feijão (A) e de milho (B). Com base em seus conhecimentos e nos textos, é correto afirmar que as figuras A e B mostram, respectivamente,

Leia mais

CAPIM-LIMÃO, folha Cymbopogonis foliae

CAPIM-LIMÃO, folha Cymbopogonis foliae CAPIM-LIMÃO, folha Cymbopogonis foliae A droga vegetal é constituída de folhas dessecadas de Cymbopogon citratus (DC.) Stapf contendo, no mínimo, 0,5% de óleo volátil. CARACTERÍSTICAS As folhas secas apresentam

Leia mais

Tecidos e Órgão Vegetais

Tecidos e Órgão Vegetais Tecidos e Órgão Vegetais Aula - 2º. Ano Ensino Médio - Biologia Prof a. Juliana Fabris Lima Garcia Monocotiledôneas Alho, cebola, aspargo, abacaxi, bambu, grama, arroz, trigo, aveia, cana-deaçúcar, milho,

Leia mais

Segundo a classificação de Whittaker (1969), as plantas são organismos eucariontes, multicelulares, autótrofos, que realizam fotossíntese.

Segundo a classificação de Whittaker (1969), as plantas são organismos eucariontes, multicelulares, autótrofos, que realizam fotossíntese. 1 2 Segundo a classificação de Whittaker (1969), as plantas são organismos eucariontes, multicelulares, autótrofos, que realizam fotossíntese. Neste caso, incluem-se as algas multicelulares (Chlorophyta,

Leia mais

Aula 3 EPIDERME. PRÉ-REQUISITOS O aluno deverá saber qual é o meristema responsável pela origem da epiderme.

Aula 3 EPIDERME. PRÉ-REQUISITOS O aluno deverá saber qual é o meristema responsável pela origem da epiderme. EPIDERME Aula 3 META Apresentar a epiderme, destacando em sua constituição a presença de células não especializadas e das células especializadas com suas características peculiares. OBJETIVOS Ao final

Leia mais

Botânica Morfologia Tipos de células e tecidos vegetais

Botânica Morfologia Tipos de células e tecidos vegetais Botânica Morfologia Tipos de células e tecidos vegetais Célula Vegetal vesículas vacúolo mitocôndria Retículo endoplasmático rugoso ribossomos Retículo endoplasmático liso Complexo de Golgi Vesículas de

Leia mais

Célula Importância. Lentes objetivas Marcelo Francisco Pompelli Tela do computador. Estômato aberto e a câmara substomática.

Célula Importância. Lentes objetivas Marcelo Francisco Pompelli Tela do computador. Estômato aberto e a câmara substomática. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE BOTÂNICA DISCIPLINA DE ECOFISIOLOGIA Célula Importância Microscopia óptica e eletrônica Todos os organismos são formados

Leia mais

Hormônios Vegetais (Fitormônios)

Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais Ou fitormônios, são substâncias orgânicas atuantes nos diferentes órgãos das plantas: raiz, caule, folhas, flores e frutos, responsáveis pelo crescimento

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2010 1ª fase www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2010 1ª fase www.planetabio.com 1- O Índice de Massa Corporal (IMC) é o número obtido pela divisão da massa de um indivíduo adulto, em quilogramas, pelo quadrado da altura, medida em metros. É uma referência adotada pela Organização

Leia mais

CÉLULA VEGETAL 17 TECIDOS VEGETAIS 35

CÉLULA VEGETAL 17 TECIDOS VEGETAIS 35 SUMÁRIO PREFÁCIO 15 CÉLULA VEGETAL 17 PAREDE CELULAR 20 FORMAÇÃO DA PAREDE 21 COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA PAREDE 22 ESTRUTURA DA PAREDE 23 PROTOPLASTA 27 CITOPLASMA 27 NÚCLEO 27 PLASTÍDIOS 27 VACÚOLOS 29 SUBSTÂNCIAS

Leia mais

UNIDADE IV Filo Porifera

UNIDADE IV Filo Porifera CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CAMPUS DE POMBAL UNIDADE IV Filo Porifera Prof. Dr. Sc. Ancélio Ricardo de Oliveira Gondim Em paz me deito e logo adormeço,

Leia mais

SUMÁRIO. Raven Biologia Vegetal. Amostras de páginas não sequenciais e em baixa resolução. Copyright 2014 Editora Guanabara Koogan Ltda.

SUMÁRIO. Raven Biologia Vegetal. Amostras de páginas não sequenciais e em baixa resolução. Copyright 2014 Editora Guanabara Koogan Ltda. SUMÁRIO Introdução, 1 1 Botânica Introdução, 2 Evolução das plantas, 3 Evolução das comunidades, 8 Aparecimento dos seres humanos, 10 seção 1 Biologia da Célula Vegetal, 17 2 Composição Molecular das Células

Leia mais

Aula Programada Biologia

Aula Programada Biologia Aula Prgramada Bilgia Tema: Histlgia Vegetal 1) Intrduçã A histlgia vegetal estuda a frmaçã e a cnstituiçã ds tecids das plantas. Tecid: cnjunt de células especializadas, geralmente semelhantes, e adaptadas

Leia mais

Plantas vasculares sem sementes

Plantas vasculares sem sementes Plantas vasculares sem sementes Recordando aula anterior: Briófitas embriófitas sem sistema vascular Adaptações das briófitas ao ambiente terrestre: Proteção da planta contra dissecação. Gametângios e

Leia mais

Aula 2 Organelas Celulares, Cortes histológicos, Célula Vegetal x Animal 22/03/2011. Profº Skiba all rights reserved

Aula 2 Organelas Celulares, Cortes histológicos, Célula Vegetal x Animal 22/03/2011. Profº Skiba all rights reserved Aula 2 Organelas Celulares, Cortes histológicos, Célula Vegetal x Animal 22/03/2011 Prokariotic Cell Model Prokariotic Cell Micrograph - MEV Eukariotic Cell Micrograph Eukariotic Cell Model Tipos de Cortes:

Leia mais

UNIDADE II ESTRUTURA E FUNÇÃO DE CÉLULAS, TECIDOS E ÓRGÃOS.

UNIDADE II ESTRUTURA E FUNÇÃO DE CÉLULAS, TECIDOS E ÓRGÃOS. UNIDADE II ESTRUTURA E FUNÇÃO DE CÉLULAS, TECIDOS E ÓRGÃOS. ESTRUTURA E FUNÇÃO DE CÉLULAS, TECIDOS E ÓRGÃOS 1. INTRODUÇÃO Como definimos na unidade I, a Fisiologia Vegetal estuda os processos e as funções

Leia mais

Sistema Esquelético. Constituição: Ossos; Tendões; Ligamentos

Sistema Esquelético. Constituição: Ossos; Tendões; Ligamentos Sistema Esquelético Constituição: Ossos; Cartilagens; Tendões; Ligamentos Sistema Esquelético Funções: Suporte; Protecção; Movimento; Armazenamento; Produção de elementos sanguíneos. Sistema Esquelético

Leia mais

Fisiologia Vegetal 1. A ÁGUA NA VIDA DAS PLANTAS:

Fisiologia Vegetal 1. A ÁGUA NA VIDA DAS PLANTAS: Fisiologia Vegetal 1. A ÁGUA NA VIDA DAS PLANTAS: Papel fundamental na vida da planta para cada grama de matéria orgânica produzida, 500 g de água são absorvidas pelas raízes, transportadas pelo corpo

Leia mais

Exercícios de aprofundamento 2015 Bio Morfologia(Plantas)

Exercícios de aprofundamento 2015 Bio Morfologia(Plantas) 1. (Unesp 2015) Dona Patrícia comprou um frasco com 100 gramas de alho triturado desidratado, sem sal ou qualquer conservante. A embalagem informava que o produto correspondia a 1 quilograma de alho fresco.

Leia mais

Consulta Pública 38/2009

Consulta Pública 38/2009 BAUNILHA Vanillae fructus Vanilla planifolia Andrews - ORCHIDACEAE A droga é constituída pelos frutos imaturos e secos com, no mínimo 12% de extrato hidroacoólico seco. CARACTERES ORGANOLÉPTICOS A droga

Leia mais

Célula Robert Hooke (século XVII) Mathias Schleiden (1838) Theodor Swann Rudolf Virchow (1858)

Célula Robert Hooke (século XVII) Mathias Schleiden (1838) Theodor Swann Rudolf Virchow (1858) Célula Introdução Robert Hooke (século XVII) deu o nome de célula (pequenos compartimentos) às pequenas cavidades separadas por paredes, que ele observou em cortiça e outros tecidos, usando microscópio

Leia mais

Consulta Pública 38/2009

Consulta Pública 38/2009 ALCAÇUZ Liquiritiae radix Glycyrrhiza glabra L.- FABACEAE A droga vegetal é constituída de raízes e estolões, com ou sem casca ( periderme), secos, principalmente de Glycyrrhiza glabra L. var. glandulifera

Leia mais

Balanço hídrico na planta. Bibliografia: Taiz, L., Fisiologia Vegetal

Balanço hídrico na planta. Bibliografia: Taiz, L., Fisiologia Vegetal Balanço hídrico na planta Bibliografia: Taiz, L., Fisiologia Vegetal Balanço hídrico na planta A perda de água pela planta depende do tipo de fotossíntese: Perda de água (g) por grama de C fixado C3 400-500

Leia mais

Sumário. Apresentação 04. O que é um dessalinizador 04. Como funciona o sistema de dessalinização 05. Descrição dos componentes 06

Sumário. Apresentação 04. O que é um dessalinizador 04. Como funciona o sistema de dessalinização 05. Descrição dos componentes 06 Sumário Apresentação 04 O que é um dessalinizador 04 Como funciona o sistema de dessalinização 05 Descrição dos componentes 06 Processo de osmose reversa 07 Instrumentação 07 Verificações importantes antes

Leia mais

Exercícios com Gabarito de Biologia Pteridófitas

Exercícios com Gabarito de Biologia Pteridófitas Exercícios com Gabarito de Biologia Pteridófitas 1) (PUC - SP-2008) No ciclo de vida de uma samambaia ocorre meiose na produção de esporos e mitose na produção de gametas. Suponha que a célula-mãe dos

Leia mais

META Apresentar a anatomia do caule, incluindo aspectos relacionados a diferenças deste órgão de acordo com o grupo botânico do vegetal.

META Apresentar a anatomia do caule, incluindo aspectos relacionados a diferenças deste órgão de acordo com o grupo botânico do vegetal. ANATOMIA DO CAULE META Apresentar a anatomia do caule, incluindo aspectos relacionados a diferenças deste órgão de acordo com o grupo botânico do vegetal. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

O Nosso Corpo Volume XX. Aparelho Genital Masculino Parte 1. um Guia de O Portal Saúde. www.oportalsaude.com. Abril de 2010. www.oportalsaude.

O Nosso Corpo Volume XX. Aparelho Genital Masculino Parte 1. um Guia de O Portal Saúde. www.oportalsaude.com. Abril de 2010. www.oportalsaude. O Nosso Corpo Volume XX Aparelho Genital Masculino Parte 1 um Guia de O Portal Saúde Abril de 2010 O Portal Saúde Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright O

Leia mais

Como as plantas evoluíram?

Como as plantas evoluíram? Como as plantas evoluíram? 1 Como classificar as plantas? 2 Funções da raiz: Raiz Fixar o vegetal ao solo. Retirar do solo água e sais minerais indispensáveis à nutrição da planta. SEIVA BRUTA Água +

Leia mais

Ultraestrutura da Parede Celular. Prof. Umberto Klock

Ultraestrutura da Parede Celular. Prof. Umberto Klock Ultraestrutura da Parede Celular Química da Madeira Prof. Umberto Klock - UFPR/DETF AT113 - Química da Madeira Prof. Umberto Klock - EF/UFPR Ultraestrutura da Parede Celular Sob forte magnificência da

Leia mais

Aula 2 Os vegetais Talófita : Briófitas: Pteridófita:

Aula 2 Os vegetais Talófita : Briófitas: Pteridófita: Aula 2 Os vegetais O reino Plantae (ou Metaphyta) está representado por uma enorme diversidade de espécies, como algas, musgos, samambaias, pinheiros, mangueiras. São classificadas de acordo com a presença

Leia mais

ORIENTAÇÕES EXERCÍCIOS RESOLVIDOS RESUMO TEÓRICO. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 6.a HISTOLOGIA VEGETAL

ORIENTAÇÕES EXERCÍCIOS RESOLVIDOS RESUMO TEÓRICO. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 6.a HISTOLOGIA VEGETAL BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 6.a HISTOLOGIA VEGETAL ORIENTAÇÕES A lista 6.a traz questões sobre os tecidos vegetais, assunto recorrente nos vestibulares. Resolva-as mantendo sempre o foco

Leia mais

8º GRANDE ENCONTRO SOBRE VARIEDADES DE CANA DE AÇÚCAR 2014 GRUPO IDEA FISIOLOGIA DA ISOPORIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA CULTURA DA CANA

8º GRANDE ENCONTRO SOBRE VARIEDADES DE CANA DE AÇÚCAR 2014 GRUPO IDEA FISIOLOGIA DA ISOPORIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA CULTURA DA CANA 8º GRANDE ENCONTRO SOBRE VARIEDADES DE CANA DE AÇÚCAR 2014 GRUPO IDEA FISIOLOGIA DA ISOPORIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA CULTURA DA CANA Prof. Dr. Paulo Figueiredo Engenheiro Agrônomo Universidade Estadual Paulista

Leia mais

Tradicionalmente, as plantas têm sido divididas em dois grandes grupos:

Tradicionalmente, as plantas têm sido divididas em dois grandes grupos: INTRODUÇÃO À BOTÂNICA CARACTERÍSTICAS GERAIS O Reino vegetal reúne as plantas ou vegetais, tais como, musgos, samambaias, pinheiros, árvores, arbustos, etc. São organismos eucariontes, multicelulares e

Leia mais

Francisco Hevilásio F. Pereira Fisiologia Vegetal

Francisco Hevilásio F. Pereira Fisiologia Vegetal FISIOLOGIA VEGETAL Nutrição Mineral de plantas Parte II Pombal PB Transporte de íons na planta Transporte passivo e ativo Transporte passivo É aquele que ocorre a favor do gradiente de potencial químico

Leia mais

CÉLULA VEGETAL E PAREDE CELULAR

CÉLULA VEGETAL E PAREDE CELULAR Universidade Federal do Pampa Campus de São Gabriel Centro de Ciências Rurais Curso de Ciências Biológicas CÉLULA VEGETAL E PAREDE CELULAR Monitora: Rosangela Gonçalves Célula Vegetal As células vegetais

Leia mais

CAPÍTULO 8 - MORFOLOGIA DAS ANGIOSPERMAS - p.128 Ler texto: A riqueza do Brasil - p.128

CAPÍTULO 8 - MORFOLOGIA DAS ANGIOSPERMAS - p.128 Ler texto: A riqueza do Brasil - p.128 CAPÍTULO 8 - MORFOLOGIA DAS ANGIOSPERMAS - p.128 Ler texto: A riqueza do Brasil - p.128 Quais são os órgãos vegetais e quais suas funções? O corpo de uma planta é organizado de maneira bem da de um animal.

Leia mais

FISIOLOGIA DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO VEGETAL. Katia Christina Zuffellato-Ribas

FISIOLOGIA DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO VEGETAL. Katia Christina Zuffellato-Ribas FISIOLOGIA DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO VEGETAL Katia Christina Zuffellato-Ribas Bióloga, Dra. Departamento de Botânica - Setor de Ciências Biológicas UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ kazu@ufpr.br FISIOLOGIA

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS BILATERIA. META Descrever as características que possibilitaram o surgimento e irradiação dos Bilateria.

INTRODUÇÃO AOS BILATERIA. META Descrever as características que possibilitaram o surgimento e irradiação dos Bilateria. INTRODUÇÃO AOS BILATERIA META Descrever as características que possibilitaram o surgimento e irradiação dos Bilateria. OBJETIVOS Ao final da aula, o aluno deverá: entender os planos e eixos corporais (diferença

Leia mais

ORIENTAÇÕES RESUMO TEÓRICO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 5.a GRUPOS VEGETAIS (ANGIOSPERMAS)

ORIENTAÇÕES RESUMO TEÓRICO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 5.a GRUPOS VEGETAIS (ANGIOSPERMAS) BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 5.a GRUPOS VEGETAIS (ANGIOSPERMAS) ORIENTAÇÕES CICLO REPRODUTIVO DAS ANGIOSPERMAS A lista 8.a apresenta exercícios sobre as angiospermas, o grupo vegetal mais

Leia mais

Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Transporte de Seiva com Gabarito

Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Transporte de Seiva com Gabarito Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Transporte de Seiva com Gabarito 1) (Fuvest-2000) Entre as plantas vasculares, uma característica que pode ser usada para diferenciar grupos é: a) presença de xilema

Leia mais

Biologia. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 19 (pág. 158) AD TM TC. Aula 20 (pág. 163) AD TM TC. Aula 21 (pág. 165) AD TM TC

Biologia. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 19 (pág. 158) AD TM TC. Aula 20 (pág. 163) AD TM TC. Aula 21 (pág. 165) AD TM TC Biologia Prof.: Índice-controle de Estudo Aula 19 (pág. 158) AD TM TC Aula 20 (pág. 163) AD TM TC Aula 21 (pág. 165) AD TM TC Aula 22 (pág. 165) AD TM TC Aula 23 (pág. 165) AD TM TC Aula 24 (pág. 173)

Leia mais

A Cultura do Linho. (Linum usitatissimum L.)

A Cultura do Linho. (Linum usitatissimum L.) A Cultura do Linho (Linum usitatissimum L.) Introdução: - Planta herbácea; -Pode atingir um metro de altura; - Família botânica: lineáceas; - Composição: substância fibrosa (extração de fibras longas para

Leia mais

1) Introdução. 2) Tecidos Vegetais

1) Introdução. 2) Tecidos Vegetais 11/11/2013 1) Introdução A histologia vegetal estuda a formação e a constituição dos tecidos das plantas. Tecido: conjunto de células especializadas, geralmente semelhantes, e adaptadas para realizarem

Leia mais

Noções de Embriologia Geral

Noções de Embriologia Geral Noções de Embriologia Geral EMBRIOLOGIA É o estudo do desenvolvimento de um ser pluricelular desde o estágio de uma célula (zigoto) até a diferenciação e especialização das células, tecidos e órgãos que

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Solda - Representações

DESENHO TÉCNICO. Solda - Representações Acadêmicos: Beatriz Goulart Daniel Olska Eduardo Pipino Joana Caroline Larissa Nascimento Mario Roberto Dutra Pereira DESENHO TÉCNICO Solda - Representações SOLDAGEM Def. 1: A soldagem é usada para unir

Leia mais

FILO ARTHROPODA - INTRODUÇÃO

FILO ARTHROPODA - INTRODUÇÃO Entomologia Entomologia veterinária: é o estudo de insetos de importância veterinária, num sentido mais amplo que engloba inclusive os aracnídeos (carrapatos e ácaros). Filo Arthropoda O filo arthropoda

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO Provas 1º Bimestre 2012 CIENTISTAS DO AMANHÃ 4º ANO TEC_1. Identificar as principais

Leia mais

Biologia 2ª Série Resumo Fisiologia Vegetal

Biologia 2ª Série Resumo Fisiologia Vegetal A fisiologia vegetal estuda os fenômenos vitais relacionados com as plantas. Isto inclui o metabolismo vegetal; o desenvolvimento vegetal; os movimentos vegetais e a reprodução. Raiz e Absorção As plantas

Leia mais

Membrana celular. Natália Paludetto

Membrana celular. Natália Paludetto Membrana celular tália Paludetto Membrana celular, o que é? Fino revestimento (7 a 10nm) que envolve a célula. Tem capacidade de se regenerar, é descontínua pois apresenta poros, conduz eletricidade e

Leia mais

MADEIRAS MCC1001 AULA 12

MADEIRAS MCC1001 AULA 12 MADEIRAS MCC1001 AULA 12 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil MADEIRAS É um material

Leia mais

BIOLOGIA. Questão 2 a) Criptógamas. b) Fanerógamas. c) Espermatófitas. d) avasculares. e) vasculares ou traqueófitas. f) Monera.

BIOLOGIA. Questão 2 a) Criptógamas. b) Fanerógamas. c) Espermatófitas. d) avasculares. e) vasculares ou traqueófitas. f) Monera. BIOLOGIA Prof. Fred AULA 1 EVOLUÇÃO E REPRODUÇÃO DOS GRUPOS VEGETAIS SERIE AULA a) Final do Carbonífero: Final do Carbonífero: raízes, caules e folhas. Início do Cretáceo: Início do Cretáceo: raízes, caules,

Leia mais

» EUCARIONTES;» PLURICELULARES;» AUTÓTROFOS;» FOTOSSINTETIZANTES;» PRESENÇA DE SEIVA (BRUTA E ELABORADA);» PRESENÇA DE PAREDE CELULAR (CELULOSE),

» EUCARIONTES;» PLURICELULARES;» AUTÓTROFOS;» FOTOSSINTETIZANTES;» PRESENÇA DE SEIVA (BRUTA E ELABORADA);» PRESENÇA DE PAREDE CELULAR (CELULOSE), » EUCARIONTES;» PLURICELULARES;» AUTÓTROFOS;» FOTOSSINTETIZANTES;» PRESENÇA DE SEIVA (BRUTA E ELABORADA);» PRESENÇA DE PAREDE CELULAR (CELULOSE), COLOROPLASTOS E ESTÔMATOS;» AMIDO COMO CARBOIDRATO DE RESERVA;»

Leia mais

UNIDADE VIII DESENVOLVIMENTO (CRESCIMENTO, DIFERENCIAÇÃO E MORFOGÊNESE)

UNIDADE VIII DESENVOLVIMENTO (CRESCIMENTO, DIFERENCIAÇÃO E MORFOGÊNESE) UNIDADE VIII DESENVOLVIMENTO (CRESCIMENTO, DIFERENCIAÇÃO E MORFOGÊNESE) CRESCIMENTO, DIFERENCIAÇÃO E MORFOGÊNESE. 1. INTRODUÇÃO O desenvolvimento de uma planta requer uma seqüência de eventos que deve

Leia mais

Questão 3. Questão 1. Questão 2. Questão 4. Gabarito: Gabarito: a) Novas folhas são feitas utilizando as reservas contidas nas raízes e caules.

Questão 3. Questão 1. Questão 2. Questão 4. Gabarito: Gabarito: a) Novas folhas são feitas utilizando as reservas contidas nas raízes e caules. Questão 1 a) Novas folhas são feitas utilizando as reservas contidas nas raízes e caules. b) Não. Na caatinga os ciclos de chuvas são irregulares ao longo do ano, enquanto que no cerrado há um período

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Módulo 09 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Quando ocorre o fechamento dos estômatos a condução de seiva bruta fica prejudicado bem como a entrada de gás carbônico para o processo fotossintético. 02. C O deslocamento

Leia mais

MÓDULO IV CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO BLOCO III

MÓDULO IV CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO BLOCO III UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC COLEGIADO DE BIOLOGIA - MODALIDADE EAD CURSO DE LICENCIATURA EM BIOLOGIA - MODALIDADE EAD MÓDULO IV CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO BLOCO III CADERNO DE ATIVIDADES

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL 1. (Ufrgs 2015) A coluna à esquerda, abaixo, lista dois hormônios vegetais; a coluna à direita, funções que desempenham. Associe adequadamente a coluna direita com a esquerda.

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA VEGETAL

ANATOMIA E FISIOLOGIA VEGETAL VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA ANATOMIA E FISIOLOGIA VEGETAL Conteudista Claudia B. F. Mendonça Rio de Janeiro / 2010 Todos os direitos reservados

Leia mais

27/11/2015. Parede celular Celulose (polissacarídeo) = rigidez e sustentação; Reforço de lignina ou ceras;

27/11/2015. Parede celular Celulose (polissacarídeo) = rigidez e sustentação; Reforço de lignina ou ceras; Parede celular Celulose (polissacarídeo) = rigidez e sustentação; Reforço de lignina ou ceras; Vacúolo Armazena substâncias: água, sais, ar e alcaloides (efeitos tóxicos e farmacológicos); Plastos Leucoplasto,

Leia mais

HISTOLOGIA DO TECIDO EPITELIAL - 2

HISTOLOGIA DO TECIDO EPITELIAL - 2 HISTOLOGIA DO TECIDO EPITELIAL - 2 Vera Regina Andrade, 2015 Tecido epitelial pavimentosos simples uma camada de células planas, achatadas Forma da célula Pavimentosas Cúbicas Cilíndricas Número de camadas

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS SERES VIVOS PROF. PANTHERA

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS SERES VIVOS PROF. PANTHERA CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS SERES VIVOS PROF. PANTHERA COMPOSIÇÃO QUÍMICA COMPLEXA Está representada por: Substâncias inorgânicas: água e sais minerais. Substâncias orgânicas (possuem o carbono como elemento

Leia mais

Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor

Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor 1. (Halliday) Suponha que a barra da figura seja de cobre e que L = 25 cm e A = 1,0 cm 2. Após ter sido alcançado o regime estacionário, T2 = 125 0 C e T1

Leia mais

3ª série Identificar relações entre conhecimento científico, produção de tecnologia e. condição de vida, no mundo de hoje e em sua evolução histórica.

3ª série Identificar relações entre conhecimento científico, produção de tecnologia e. condição de vida, no mundo de hoje e em sua evolução histórica. DISCIPLINA DE BIOLOGIA OBJETIVOS: 1ª série Compreender a natureza como um todo dinâmico e o ser humano como agente de transformação do mundo em que vive, em relação essencial com os demais seres vivos

Leia mais

Hormônios Vegetais (Fitormônios)

Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais Os fitormônios, como também são chamados os hormônios vegetais, são substâncias orgânicas atuantes nos diferentes órgãos das plantas: raiz, caule, folhas,

Leia mais

DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A PESQUISA E USO DE LEGUMINOSAS EM PASTAGENS TROPICAIS: UMA REFLEXÃO. Sila Carneiro da Silva 1

DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A PESQUISA E USO DE LEGUMINOSAS EM PASTAGENS TROPICAIS: UMA REFLEXÃO. Sila Carneiro da Silva 1 DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A PESQUISA E USO DE LEGUMINOSAS EM PASTAGENS TROPICAIS: UMA REFLEXÃO Sila Carneiro da Silva 1 O interesse pela produção animal em pastagens tem crescido bastante nos últimos

Leia mais

Aula 1 Introdução à biologia e morfo-anatomia vegetal

Aula 1 Introdução à biologia e morfo-anatomia vegetal Aula 1 Introdução à biologia e morfo-anatomia vegetal PLANO DE AULA Aula 1 1ª Série do EM Professor: Antonio Rogério Bernardo OBJETIVOS CONTEÚDOS ESTRATÉGIA AVALIAÇÃO - Introdução ao estudo da vida; -

Leia mais

Maria do Carmo de C. D. Costa

Maria do Carmo de C. D. Costa SUPRIMENTO HÍDRICO I - OBJETIVO GERAL Ressaltar a importância da água para a manutenção de todas as funções vitais nos vegetais e explicar como se processam as relações hídricas na célula vegetal e na

Leia mais

EVO V LUÇ U ÃO Ã D AS A PLANTAS COM SEMENTES

EVO V LUÇ U ÃO Ã D AS A PLANTAS COM SEMENTES EVOLUÇÃO DAS PLANTAS COM SEMENTES Evolução Evolução das Plantas Atuais Ancestral comum Surgimento de traqueídes Atraqueófitas Licopódios Cavalinhas Psilófitas Traqueófitas sem sementes Surgimento de sementes

Leia mais