Quais são as partes constituintes dos embriões? folha (s) embrionária (s) 2 em eudicotiledôneas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Quais são as partes constituintes dos embriões? folha (s) embrionária (s) 2 em eudicotiledôneas"

Transcrição

1 Quais são as partes constituintes dos embriões? Eixo embrionário: _ plúmula - meristema apical caulinar provido ou não de primórdios foliares _ hipocótilo _ radícula raiz embrionária Cotilédone (s) folha (s) embrionária (s) 1 em monocotiledôneas 2 em eudicotiledôneas

2 Cotilédones Plúmula com primórdio foliar Hipocótilo Embrião de flamboyant (Delonix regia) Radícula

3 Cotilédones Plúmula sem primórdio foliar Eixo Hipocótiloradicular (não dá para distinguir)

4 Quais são as partes constituintes dos embriões das gramíneas? Eixo embrionário: _ plúmula - meristema apical caulinar provido de primórdios foliares _ radícula raiz embrionária _ bainhas protetoras: coleóptilo (plúmula) e coleorriza (radícula) Cotilédone = Escutelo

5 Endosperma ESCUTELO Coleóptilo Plúmula com primórdios foliares Radícula Coleorriza

6 Quais são os tecidos dos embriões? Protoderme - revestimento Meristema Fundamental preenchimento e reserva Procâmbio - transporte

7 protoderme Meristema fundamental Procambio

8 Com a germinação a radícula formará a raiz primária e a plúmula formará a parte aérea. Assim surgem os ápices meristemáticos da planta jovem!

9 QUAIS SÃO OS TRÊS SISTEMAS DE TECIDOS? Quais são os tecidos meristemáticos primários que formam cada sistema? Dérmico Fundamental Vascular Protoderme Meristema Fundamental Procâmbio

10 Onde são formados os tecidos meristemáticos primários na planta? Nos ápices meristemáticos caulinar e radicular. Onde surgem os ápices meristemáticos da planta? O embrião possui os dois ápices meristemáticos: caulinar (plúmula) e radicular (na radícula). Com a germinação a radícula formará a raiz primária e a plúmula a parte aérea.

11 O que os tecidos meristemáticos primários formam? Os tecidos primários: Protoderme Meristema Fundamental Procâmbio Epiderme Parênquima, Colênquima, Esclerênquima Periciclo, Floema e Xilema Primários No corpo primário do vegetal

12 CRESCIMENTO PRIMÁRIO VERSUS CRESCIMENTO SECUNDÁRIO CRESCIMENTO PRIMÁRIO = CORPO PRIMÁRIO CRESCIMENTO SECUNDÁRIO = CRESCIMENTO EM ESPESSURA

13 Colênquima Parede 1ª espessamento desigual, rica em pectina Parênquima Esclerênquima Parede 2ª espessada por igual e lignificada Parênquima Parede 1ª não espessada

14 Esclerênquima dois tipos de células (fibras e esclereídes). Parede 2ª espessada por igual e lignificada Em geral, as células são mortas na maturidade. Esclereíde células com formatos variáveis, em geral, ocorrem como idioblastos. Fibras células longas e estreitas

15 SISTEMA VASCULAR

16 DIFERENÇAS ENTRE TECIDOS CONDUTORES PRIMÁRIOS E SECUNDÁRIOS PROCÂMBIO VERSUS CÂMBIO (tecido vascular primário) (tecido vascular secundário) Iniciais fusiformes CÉLULAS INICIAIS: APENAS 1 TIPO DE CÉLULAS INICIAIS (MERISTEMÁTICAS) = (SISTEMA AXIAL) RADIAIS (SISTEMA RADIAL) FUSIFORMES (SISTEMA AXIAL)

17 XILEMA PRIMÁRIO E SECUNDÁRIO TECIDO COMPLEXO: _ Células condutoras: Traqueídes (com paredes terminais) Elementos de vaso (sem paredes terminais) _ Células de sustentação: fibrotraqueídes e fibras libriformes _ Células de reserva: parênquima

18 XILEMA SECUNDÁRIO: sistemas axial e radial Comparar XILEMA SECUNDÁRIO XILEMA PRIMÁRIO

19 ANATOMIA FOLIAR 1. Introdução As folhas constituem o principal local da fotossíntese e da evapotranspiração. Realizam as trocas gasosas e mantém a corrente transpiratória que é responsável pela manutenção da coluna de água e sais no xilema. São órgãos vegetativos providos dos três sistemas de tecidos: dérmico ou de revestimento, fundamental e vascular.

20 2. Resumo da histologia da folha de angiospermas A epiderme (sistema dérmico), é contínua e única em toda a extensão da folha. O mesofilo (sistema fundamental) compreende todos os tecidos situados entre a epiderme e o sistema vascular da folha. É constituído de parênquima, usualmente, clorofiliano. O sistema vascular é representado pelo periciclo, xilema e floema primários.

21 2.1. Epiderme Constitui o sistema dérmico ou de revestimento. Pode ser unisseriada (mais freqüente) ou multisseriada. Em vista frontal, pode apresentar paredes retas ou sinuosas. Apêndices epidérmicos: _ estômatos (trocas gasosas), _ tricomas (tipos e funções variáveis), _ células buliformes = células motoras. Ocorrem principalmente em gramíneas e relacionam-se com o dobramento da folha para evitar perdas de água.

22 Folha dobrada Folha desdobrada Secções transversais da folha do capim pé-de-galinha

23 ORNAMENTAÇÕES DA CUTÍCULA Seção transversal da folha de Ficus. A cutícula (coloração rosa) é extremamente espessa (camada rosa). A camada branca é a parede celular cutinizada.

24 CONSTITUIÇÃO DA CUTÍCULA Cera Hidrofóbica Cutina - Semi hidrofóbica Pectina Hidrofílica Celulose - Hidrofílica Taiz e Zeiger, 2004

25 Classificação da folha quanto à ocorrência dos estômatos Epiestomática apenas na epiderme da face adaxial; Hipoestomática apenas na epiderme da face abaxial; Anfiestomática estômatos presentes em ambas as faces; Anfiepiestomática estômatos presentes em ambas as faces, mas com predominância na face adaxial; Anfihipoestomática estômatos presentes em ambas as faces, mas com predominância na face abaxial;

26 CRIPTAS ESTOMÁTICAS

27 2.2. Mesofilo Constitui o sistema fundamental e sua principal função é fotossíntese. Pode ser heterogêneo ou homogêneo. Mesofilo homogêneo - mesofilo formado apenas por um tipo de células. Pode ser apenas parênquima paliçádico, apenas p. lacunoso (mesofilo de algumas pétalas) ou com células aproximadamente circulares separadas por pequenos espaços intercelulares. Mesofilo heterogêneo - mesofilo formado por dois tipos de células. Pode ser heterogêneo dorsiventral (paliçádico voltado para face superior e lacunoso para a inferior) e heterogêneo isobilateral (paliçádico voltado para as faces superior e inferior e parênquima lacunoso no meio).

28 MESOFILO HOMOGÊNEO Parênquima clorofiliano plicado

29 2.3. Sistema Vascular Os feixes podem ser denominados nervuras. Os feixes podem ser colaterais (xilema/floema) ou bicolaterais (floema/xilema/floema). Os tecidos vasculares dos feixes, em geral, são envolvidos por células de arranjo justaposto: bainha (contendo quantidade variável de cloroplastos).

30 Terminação vascular na folha de Syringa vulgaris As bainhas do feixe prolongam-se até as últimas terminações, assegurando que o tecido vascular não fique exposto ao ar e que todas as substâncias tenham que passar através da bainha.

31 4. Anatomia Kranz [CO2] baixa = ribulose bifosfato carboxilase (enzima do ciclo de Calvin) adiciona à ribulose 1,5-bifosfato preferencialmente o O2, em substituição ao CO 2. A Esta fotorrespiração é a primeira pode etapa ser uma de séria uma desvantagem rota denominada para vegetais fotorrespiração, sob condições cujo quentes último e efeito secas, é onde utilizar eles o fecham O2 e os liberar estômatos o CO2 para sem evitar a produção perda excessiva de energia de útil. água levando à uma redução na difusão de CO2 no interior da folha. Isto leva a uma rápida queda nos níveis de CO2 na folha e favorece a fotorrespiração.

32 Folha Folha Paliçádico Lacunoso Bainha do Feixe Mesofilo radiado

33 Bainha do Feixe Mesofilo radiado

34 Em plantas C4, comuns em ambientes quentes e secos, o ciclo de fixação (redução) do CO 2 ocorre somente em cloroplastos das células da bainha do feixe as quais contém toda a ribulose 1,5-bifosfato carboxilase (enzima do ciclo de Calvin) do vegetal. Estas células estão protegidas do ar e são circundadas por uma camada especializada de células do mesofilo, que bombeia o CO 2 para dentro das células da bainha, suprindo a ribulose bifosfato carboxilase com uma alta concentração de CO 2, o que reduz a fotorrespiração.

35 ANATOMIA DA RAIZ

36 RAIZ É ORGANIZADA EM: EPIDERME com pêlos radiculares CÓRTEX REGIÃO ENTRE EPIDERME E O CILINDRO VASCULAR Constituído de: EXODERME presente ou não PARÊNQUIMA CORTICAL COM AMPLOS ESPAÇOS INTERCELULARES ENDODERME COM ESTRIAS DE CASPARY CILINDRO VASCULAR PERICICLO FORMAÇÃO DE RAÍZES LATERAIS XILEMA PRIMÁRIO EXARCO E INTERCALADO COM FLOEMA PODE SER SÓLIDO (METAXILEMA NO CENTRO) OU OCO (MEDULA CENTRO DA ESTRUTURA)

37 QUAIS SÃO OS TECIDOS ENVOLVIDOS NA ABSORÇÃO RADICULAR? EPIDERME» EXODERME (SE PRESENTE)» PARÊNQUIMA CORTICAL» ENDODERME» PERICICLO» XILEMA Primário

38 PORQUE A ENDODERME É IMPORTANTE NA RAIZ? _ A ENDODERME DESVIA O FLUXO DO APOPLASTO PARA O SIMPLASTO FAZENDO A SELETIVIDADE DE ÍONS, IMPEDINDO A ENTRADA EXCESSIVA DE ÍONS NO XILEMA EVITANDO A CAVITAÇÃO (ROMPIMENTO DA COLUNA DE ÁGUA); ÁGUA LIVRE > COESÃO MÁXIMA ÍONS DIMINUEM A FORÇA DE COESÃO PODENDO LEVAR A CAVITAÇÃO _ A ENDODERME EVITA O REFLUXO APOPLÁSTICO DE ÍONS DO CILINDRO VASCULAR PARA O PARÊNQUIMA CORTICAL; _ A ENDODERME EVITA A ENTRADA DE AR PRESENTE EM ABUNDÂNCIA NO PARÊNQUIMA CORTICAL PARA DENTRO DO CILINDRO VASCULAR EVITANDO O ROMPIMENTO DA COLUNA DE ÁGUA;

39 O QUE É APOPLASTO? APOPLASTO: são áreas celulares não delimitadas por membrana plasmática, ou seja, parede celular, lamela média e espaços intercelulares. O QUE É SIMPLASTO? SIMPLASTO: corresponde aos protoplastos vivos conectados de células adjacentes. Comunicações célula-célula via plasmodesmos.

40 Endoderme com estrias de Caspary versus endoderme com reforço em U

41 ORIGEM DAS RAÍZES LATERAIS = PERICICLO (1ª camada do cilindro vascular)

42 RAIZ X CAULE (ESTRUTURA PRIMÁRIA) MATURAÇÃO CENTRÍFUGA Floema e Xilema juntos em feixes MATURAÇÃO CENTRÍPETA DO XILEMA PRIMÁRIO Xilema intercalado com Floema

43 ANATOMIA DO CAULE

44 GEMA APICAL GEMA AXILAR ENTRENÓ NÓ

45 O que significa dizer que a diferenciação do protoxilema no caule é do tipo endarco?

46 RAIZ X CAULE (ESTRUTURA PRIMÁRIA) MATURAÇÃO CENTRÍFUGA MATURAÇÃO CENTRÍPETA

47 Quais as diferenças anatômicas entre os caules de monocotiledôneas e eudicotiledôneas?

48 COMO É O CÓRTEX NO CAULE DAS EUDICOTILEDÔNEAS? _ Varia entre as espécies. _ Em geral, endoderme com estrias de Caspary ausente. Pode haver uma camada de células que acumula AMIDO = BAINHA AMILÍFERA. O córtex pode apresentar: _ Somente parênquima ou, _ Colênquima e parênquima ou, _ Esclerênquima e parênquima ou, _ Colênquima, parênquima e esclerênquima.

49 Colênquima Parênquima Esclerênquima

50 QUAIS SÃO OS TIPOS DE FEIXES VASCULARES?

51 BAINHA DO FEIXE Feixe Colateral Fechado

52 Feixe colateral aberto = PRESENÇA DO PROCÂMBIO

53 FEIXE BICOLATERAL ABERTO

54 Feixe concêntrico anfivasal

55 Como é a instalação do câmbio vascular na maioria das eudicotiledôneas e nas gimnospermas? Como é formado o novo revestimento do caule com crescimento secundário?

56

57 Epiderme Endoderme

58 MEDULA Câmbio Xilema primário

59 Como distinguir caule de gimnosperma e eudicotiledônea com crescimento secundário?

60 CAULE DE GIMNOSPERMAS LENHO (= XILEMA SECUNDÁRIO) HOMOGÊNEO TRAQUEÍDES DIAMETROS APROXIMADAMENTE IGUAIS.

61 CAULE DE DICOTILEDÔNEA LENHO HETEROGÊNEO MEDULA ELEMENTOS DE VASO

62 Como distinguir caule e raiz com crescimento secundário?

63 Raiz Dicotiledônea Xilema 1 ário Estrutura 2 ária Atenção Parênquima Medular Caule Dicotiledônea

CAULE ANATOMIA INTERNA

CAULE ANATOMIA INTERNA ANATOMIA INTERNA Nó: parte do caule onde estão inseridas uma ou mais folhas. Entrenó: região de um caule entre dois nós sucessivos Ápice do sistema caulinar: folhas e gemas axilares Primórdio foliar: produz

Leia mais

CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS. Profa. Ana Paula Biologia III

CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS. Profa. Ana Paula Biologia III CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS 2016 Profa. Ana Paula Biologia III CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS Quais as diferenças entre a célula vegetal e animal?? Basicamente: parede celular; vacúolo; cloroplastos. Parede

Leia mais

Aula Multimídia. Prof. David Silveira

Aula Multimídia. Prof. David Silveira Aula Multimídia Prof. David Silveira BOTÂNICA HISTOLOGIA VEGETAL 1) GERMINAÇÃO: Partes da semente: - TEGUMENTO (casca) proteção. - ENDOSPERMA (álbume/3n) reserva nutritiva. - EMBRIÃO Cotilédone (folhas

Leia mais

Estrutura Anatômica de Órgãos Vegetativos (Raiz e Caule) Profª. M.Sc. Josiane Araújo

Estrutura Anatômica de Órgãos Vegetativos (Raiz e Caule) Profª. M.Sc. Josiane Araújo Estrutura Anatômica de Órgãos Vegetativos (Raiz e Caule) Profª. M.Sc. Josiane Araújo Vegetal Órgãos Vegetativos Raiz Caule Órgãos Reprodutivos Folha Flor Fruto Semente Meristemas Apicais Caulinar e Radicular

Leia mais

HISTOLOGIA VEGETAL 24/05/2017. Prof. Leonardo F. Stahnke

HISTOLOGIA VEGETAL 24/05/2017. Prof. Leonardo F. Stahnke Prof. Leonardo F. Stahnke HISTOLOGIA VEGETAL HISTOLOGIA VEGETAL Os tecidos são conjuntos de células especializadas em determinada função. Há quatro tipos básicos de tecido vegetal: Tecido de Revestimento:

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Histologia e Morfologia Vegetal Histologia Vegetal Ramo da Botânica que se preocupa em estudar os tecidos vegetais quanto as suas características, organização,

Leia mais

MERISTEMAS. Após o desenvolvimento do embrião. formação de novas células, tecidos e órgãos restritas. aos MERISTEMAS

MERISTEMAS. Após o desenvolvimento do embrião. formação de novas células, tecidos e órgãos restritas. aos MERISTEMAS TECIDOS VEGETAIS MERISTEMAS Após o desenvolvimento do embrião formação de novas células, tecidos e órgãos restritas aos MERISTEMAS tecidos embrionários, sempre jovens. MERISTEMAS MERISTEMAS Apicais (crescimento

Leia mais

TECIDOS FUNDAMENTAIS

TECIDOS FUNDAMENTAIS TECIDOS FUNDAMENTAIS Totipotência Capacidade da célula madura reter potencialidades para o crescimento e diferenciação, normalmente só encontradas no zigoto. Ex. célula do parênquima. TECIDOS podem ser

Leia mais

AULA 10 CAPÍTULO 10 RAIZ

AULA 10 CAPÍTULO 10 RAIZ AULA 10 CAPÍTULO 10 RAIZ RAIZ RAIZ Estrutura simples, quando comparada ao caule MAR = raiz primária Dicotiledôneas = raiz axial ou pivotante Monocotiledôneas = raiz fasciculada Morfologia externa Coifa

Leia mais

Classificação das Angiospermas. Professor: Vitor Leite

Classificação das Angiospermas. Professor: Vitor Leite Classificação das Angiospermas Professor: Vitor Leite Tecidos Vegetais Professor: Vitor Leite TECIDOS MERISTEMÁTICOS (MERISTEMAS) Localização: ápices de todas as raízes e caules e gemas laterais. Função:

Leia mais

Sementes. Cotilédone. Endosperma. Coleóptilo. Folhas embrionárias Radícula Caulículo. Caulículo. Tegumento. Folhas embrionárias.

Sementes. Cotilédone. Endosperma. Coleóptilo. Folhas embrionárias Radícula Caulículo. Caulículo. Tegumento. Folhas embrionárias. Histologia vegetal Sementes Cotilédone Coleóptilo Folhas embrionárias Caulículo Endosperma Radícula Tegumento Folhas embrionárias Radícula Caulículo Cotilédones ricos em endosperma Disponível em: .

Leia mais

Tecidos Vegetais. Professor: Vitor Leite

Tecidos Vegetais. Professor: Vitor Leite Tecidos Vegetais Professor: Vitor Leite TECIDOS MERISTEMÁTICOS (MERISTEMAS) Localização: ápices de todas as raízes e caules e gemas laterais. Função: Crescimento longitudinal(comprimento). Originam tecidos

Leia mais

MERISTEMA APICAL Meristema fundamental Tecidos fundamentais (parênquima, colênquima e esclerênquima) Xilema e floema primários (sistema vascular)

MERISTEMA APICAL Meristema fundamental Tecidos fundamentais (parênquima, colênquima e esclerênquima) Xilema e floema primários (sistema vascular) TECIDOS VEGETAIS Meristemas Apicais ápice de raízes e caules. Crescimento em comprimento/ primário. Meristemas primários Protoderme Tecidos primários Epiderme (sistema dérmico ou de revestimento) MERISTEMA

Leia mais

TECIDO: é o conjunto de células morfologicamente idênticas que desempenham a mesma função.

TECIDO: é o conjunto de células morfologicamente idênticas que desempenham a mesma função. TECIDO: é o conjunto de células morfologicamente idênticas que desempenham a mesma função. MECANISMO DE FORMAÇÃO DOS TECIDOS VEGETAIS: Diferenciação Celular: é a transformação de uma célula embrionária

Leia mais

Calyptranthes widgreniana

Calyptranthes widgreniana 24 25 26 Calyptranthes widgreniana Pecíolo O pecíolo, côncavo-convexo, apresenta a superfície com reentrâncias e protuberâncias em secção transversal (Fig. 51) e é revestido por epiderme unisseriada, formada

Leia mais

GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: DISCIPLINA: SÉRIE: 2º. ALUNO(a):

GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: DISCIPLINA: SÉRIE: 2º. ALUNO(a): GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: DISCIPLINA: SÉRIE: 2º ALUNO(a): Lista No Anhanguera você é + Enem Justificar as questões de múltipla escolha. Questão 01) Considerando a histologia vegetal - ciência que estuda

Leia mais

HISTOLOGIA VEGETAL. Tecidos Meristemáticos (embrionários)

HISTOLOGIA VEGETAL. Tecidos Meristemáticos (embrionários) HISTOLOGIA VEGETAL Dividido em 2 grandes grupos: Tecidos Meristemáticos (embrionários) Meristema Primário (crescimento em altura); Meristema Secundário (crescimento em espessura); Tecidos Pemanentes (adultos)

Leia mais

MERISTEMAS E DESENVOLVIMENTO. Forma e função nas plantas vasculares : BIB 140

MERISTEMAS E DESENVOLVIMENTO. Forma e função nas plantas vasculares : BIB 140 MERISTEMAS E DESENVOLVIMENTO Forma e função nas plantas vasculares : BIB 140 Tópicos a serem abordados: Desenvolvimento Meristemas Célula vegetal Crescimento Alongamento Divisão celular Diferenciação celular

Leia mais

Estrutura e Desenvolvimento da Raiz e Caule

Estrutura e Desenvolvimento da Raiz e Caule Estrutura e Desenvolvimento da Raiz e Caule RAIZ funções: 1 o ) fixação e absorção; 2 o ) armazenamento e condução. XILEMA H 2 O e sais minerais partes aéreas raiz substâncias orgânicas FLOEMA Raiz Primária

Leia mais

Prof. Francisco Hevilásio F. Pereira Fisiologia Vegetal

Prof. Francisco Hevilásio F. Pereira Fisiologia Vegetal BALANÇO HÍDRICO DAS PLANTAS FISIOLOGIA VEGETAL Relações hídricas Parte II Água no solo Absorção de água pelas raízes Transporte de água para a parte aérea Pressão radicular (gutação) Pombal PB Tensão no

Leia mais

Morfologia Vegetal de Angiospermas

Morfologia Vegetal de Angiospermas http://static.panoramio.com/photos/large/2860747.jpg Morfologia Vegetal de Angiospermas Professor: Guilherme Ribeiro Gonçalves Histologia Meristema primário Formado por células derivadas diretamente

Leia mais

Sistema Vascular. Gregório C eccantini. BIB 140 Forma e Função em plantas vasculares. USP Universidade de São Paulo

Sistema Vascular. Gregório C eccantini. BIB 140 Forma e Função em plantas vasculares. USP Universidade de São Paulo Sistema Vascular BIB 140 Forma e Função em plantas vasculares Gregório C eccantini USP Universidade de São Paulo Transporte no sistema vascular: integração do metabolismo Corpo Vegetal Sistemas Sistema

Leia mais

FISIOLOGIA VEGETAL. Organização da célula vegetal e da planta

FISIOLOGIA VEGETAL. Organização da célula vegetal e da planta FISIOLOGIA VEGETAL Organização da célula vegetal e da planta cianobactéria Complexidade ipê Eucariotos: - aumento da complexidade genética - aumento da complexidade celular Woese (1987): baseado na filogenia

Leia mais

Tecidos Vasculares. TECIDOS CONDUTORES - Introdução. Xilema primário. Procambio. Floema primário. Tecidos vasculares. Xilema.

Tecidos Vasculares. TECIDOS CONDUTORES - Introdução. Xilema primário. Procambio. Floema primário. Tecidos vasculares. Xilema. Tecidos Vasculares TECIDOS CONDUTORES - Introdução Tecidos vasculares Procambio Cambio vascular Xilema primário Floema primário Xilema secundário Floema secundário 1 XILEMA Características Gerais Tecido

Leia mais

FISIOLOGIA VEGETAL 24/10/2012. Crescimento e desenvolvimento. Crescimento e desenvolvimento. Onde tudo começa? Crescimento e desenvolvimento

FISIOLOGIA VEGETAL 24/10/2012. Crescimento e desenvolvimento. Crescimento e desenvolvimento. Onde tudo começa? Crescimento e desenvolvimento FISIOLOGIA VEGETAL Crescimento e desenvolvimento Pombal PB Crescimento e desenvolvimento Onde tudo começa? Crescimento e desenvolvimento Polinização: transferência do grão de pólen da antera ao estigma

Leia mais

25/08/2011. Tipos de Meristemas: b) Parênquima (tecido vivo) c) Colênquima(tecido vivo) 2) Tecidos vegetais

25/08/2011. Tipos de Meristemas: b) Parênquima (tecido vivo) c) Colênquima(tecido vivo) 2) Tecidos vegetais Aula Biologia Tema: Histologia Vegetal Marcos Vinícius Marcosviniciuspa@hotmail.com 1) Introdução A histologia vegetal estuda a formação e a constituição dos tecidos das plantas. Tecido: conjunto de células

Leia mais

Morfologia Vegetal. Aula I

Morfologia Vegetal. Aula I Morfologia Vegetal Aula I Morfologia da raiz Origem das raízes secundárias Transição entre a raiz e o caule ( colo ) Absorção de sais minerais e água Crescimento das raízes (alongamento) Crescimento das

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: ANATOMIA VEGETAL Código da Disciplina: NDC124 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: 3 período Faculdade responsável: NÚCLEO DE DISCIPLINAS COMUNS Programa

Leia mais

Profª. M.Sc.: Josiane Silva Araújo

Profª. M.Sc.: Josiane Silva Araújo Profª. M.Sc.: Josiane Silva Araújo Tecidos Vasculares Quanto ao desenvolvimento distingue-se: Tecido vascular primário; Tecido vascular secundário. Quanto a função distingue-se: Xilema; Floema. Tipos Celulares

Leia mais

Sistema Vascular. Xilema. Atividade do Procâmbio ou Câmbio Vascular

Sistema Vascular. Xilema. Atividade do Procâmbio ou Câmbio Vascular Sistema Vascular Formado pelo e Floema: Ambos são tecidos complexos; Características de plantas superiores; Encarregados de transporte de água e outras substâncias: água e sais minerais; Floema água junto

Leia mais

HISTOLOGIA VEGETAL BIOLOGIA. Histologia. Córtex Vestibulares - 7. Classificação dos tecidos vegetais:

HISTOLOGIA VEGETAL BIOLOGIA. Histologia. Córtex Vestibulares - 7. Classificação dos tecidos vegetais: Histologia HISOLOGIA VEGEAL É o estudo dos tecidos vegetais. Comparação entre células vegetais jovens e adultas. Classificação dos tecidos vegetais: I. ecidos jovens ou embrionários ou meristemáticos ou

Leia mais

TECIDOS VASCULARES XILEMA & FLOEMA

TECIDOS VASCULARES XILEMA & FLOEMA TECIDOS VASCULARES XILEMA & FLOEMA XILEMA (LENHO) a) FUNÇÃO: - condução de água; - condução de nutrientes inorgânicos; - armazenamento de substâncias; - sustentação. b) ORIGEM (Meristemas): - Crescimento

Leia mais

2) Tecidos vegetais. Epiderme das folhas I) Cutícula: Camada de cera (lipídio) presente na superfície das células epidérmicas de algumas folhas

2) Tecidos vegetais. Epiderme das folhas I) Cutícula: Camada de cera (lipídio) presente na superfície das células epidérmicas de algumas folhas Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais e) Epiderme(tecido vivo) Epiderme das folhas I) Cutícula: Camada de cera (lipídio) presente na superfície das células epidérmicas de algumas folhas II) Estômatos:

Leia mais

Tecidos de revestimentos: Epiderme e periderme

Tecidos de revestimentos: Epiderme e periderme Quais são os principais tecidos encontrados no corpo de uma planta? Vigiai, pois, porque não sabeis o dia e nem a hora em que o Filho do homem há de vir. Mateus 25:13 Temos dois grandes grupos Temos dois

Leia mais

Os Tecidos das Plantas

Os Tecidos das Plantas Os Tecidos das Plantas Tecido definição: Grupo de células de mesma origem embrionária, organizadas para uma mesma função. Nos vegetais os tecidos pode ser de dois tipos: Os meristemas e os adultos. 1-

Leia mais

RAIZ MORFOLOGIA & ANATOMIA

RAIZ MORFOLOGIA & ANATOMIA RAIZ MORFOLOGIA & ANATOMIA RAIZ: ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO FUNÇÕES: - primárias: fixação e absorção, - associadas: armazenamento e condução. a) Sistemas radiculares: pivotante e fasciculado FONTE: RAVEN,

Leia mais

Professora Leonilda Brandão da Silva

Professora Leonilda Brandão da Silva COLÉGIO ESTADUAL HELENA KOLODY E.M.P. TERRA BOA - PARANÁ Pág. 74 Professora Leonilda Brandão da Silva E-mail: leonildabrandaosilva@gmail.com http://professoraleonilda.wordpress.com/ PROBLEMATIZAÇÃO Quais

Leia mais

Floema Tipos celulares 1

Floema Tipos celulares 1 Características gerais Origem LÍBER OU TECIDO CRIVADO: Transporta os produtos da fotossíntese, açúcares e materiais elaborados através da planta, desde o seu sítio de produção até onde serão consumidos;

Leia mais

Espécies estudadas Voucher Localidade Herbário A.M.G. Azevedo Flores 420 Santana do Riacho SPF C. pallida Aiton Devecchi 33 Devecchi 47

Espécies estudadas Voucher Localidade Herbário A.M.G. Azevedo Flores 420 Santana do Riacho SPF C. pallida Aiton Devecchi 33 Devecchi 47 Espécies estudadas Voucher Localidade Herbário A.M.G. Azevedo Flores 420 C. pallida Aiton Devecchi 33 Devecchi 47 C. paulina Schrank 31374 Vitta 696 São Paulo UEC C. rufipila Benth. CFSC6048 Zappi 1882

Leia mais

29/05/2016. Parede celular Celulose (polissacarídeo) = rigidez e sustentação; Reforço de lignina ou ceras;

29/05/2016. Parede celular Celulose (polissacarídeo) = rigidez e sustentação; Reforço de lignina ou ceras; Parede celular Celulose (polissacarídeo) = rigidez e sustentação; Reforço de lignina ou ceras; Vacúolo Armazena substâncias: água, sais, ar e alcaloides (efeitos tóxicos e farmacológicos); Plastos Leucoplasto,

Leia mais

BOTÂNICA HISTOLOGIA VEGETAL PROFESSOR CÉSAR

BOTÂNICA HISTOLOGIA VEGETAL PROFESSOR CÉSAR BOTÂNICA HISTOLOGIA VEGETAL PROFESSOR CÉSAR HISTOLOGIA VEGETAL Estudo das características, organização, estrutura e funções dos tecidos vegetais. Os tecidos vegetais são divididos em: - Tecidos de formação

Leia mais

Tecidos Meristemáticos ou Embrionários

Tecidos Meristemáticos ou Embrionários Tecidos Meristemáticos ou Embrionários São tecidos presentes no embrião, os quais, por diferenciação, dão origem a todos os demais tecidos do vegetal, respondendo também pelo crescimento das partes de

Leia mais

ALUNO(a): Os meristemas dos vegetais são também chamados tecidos de crescimento, porque suas células:

ALUNO(a): Os meristemas dos vegetais são também chamados tecidos de crescimento, porque suas células: GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: DISCIPLINA: SÉRIE: 2º ano ALUNO(a): Lista de Exercícios NOTA: No Anhanguera você é + Enem Questão 01) Os meristemas dos vegetais são também chamados tecidos de crescimento,

Leia mais

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO Morfogénese Acontecimentos estruturais e fisiológicos que participam no desenvolvimento de uma planta, desde a célula reprodutora ou vegetativa até ao indivíduo adulto. Diferenciação

Leia mais

HISTOLOGIA VEGETAL. Santo Inácio. Educação para toda a vida. Colégio. Jesuítas

HISTOLOGIA VEGETAL. Santo Inácio. Educação para toda a vida. Colégio. Jesuítas HISTOLOGIA VEGETAL I. Tecido Meristemático - Tecido embrionário - Divisão por mitose - Célula pequena - Núcleo grande Tipos de Tecidos Meristemáticos I- Meristema Primário - Derivadas do embrião - Localização:

Leia mais

MORFOLOGIA E ANATOMIA DO CAULE

MORFOLOGIA E ANATOMIA DO CAULE 2º EM BIOLOGIA PROFESSOR JOÃO MORFOLOGIA E ANATOMIA DO CAULE Biologia Professor João Sustentação das folhas; Coneção entre folhas e raiz; Armazenar substâncias nutritivas; Fotossíntese (caules jovens,

Leia mais

Aula prática 10 Diversidade das Gimnospermas

Aula prática 10 Diversidade das Gimnospermas Note as folhas reduzidas e esclerificadas, tipo foliar predominante nas coníferas. Também é possível observar microstróbilos e megastróbilos na mesma planta, ou seja, é uma planta monoica. Coníferas podem

Leia mais

MORFOLOGIA E ANATOMIA DO CAULE

MORFOLOGIA E ANATOMIA DO CAULE MORFOLOGIA E ANATOMIA DO CAULE Biologia Professor João Exemplos Funções Estrutura Exemplos Funções Estrutura Sustentação das folhas; Coneção entre folhas e raiz; Armazenar substâncias nutritivas; Fotossíntese

Leia mais

TECIDOS DE REVESTIMENTO

TECIDOS DE REVESTIMENTO TECIDOS DE REVESTIMENTO TECIDOS DE REVESTIMENTO - Introdução Meristema primário protoderme epiderme Tecidos de revestimento Suber ou Felema Meristema secundário felogênio periderme Feloderme 1 TECIDOS

Leia mais

INTRODUÇÃO A CÉLULA VEGETAL A CÉLULA VEGETAL DESENVOLVIMENTO II. MORFOGÊNESE I. CRESCIMENTO 14/01/2014. Anna Frida Hatsue Modro

INTRODUÇÃO A CÉLULA VEGETAL A CÉLULA VEGETAL DESENVOLVIMENTO II. MORFOGÊNESE I. CRESCIMENTO 14/01/2014. Anna Frida Hatsue Modro A CÉLULA VEGETAL INTRODUÇÃO Anna Frida Hatsue Modro A CÉLULA VEGETAL Componentes protoplasmáticos (considerados vivos): citoplasma, núcleo, plastídios e mitocôndrios. Componentes não protoplasmáticos (destituídos

Leia mais

ANGIOSPERMAS II. 2. (Unesp 2016) Considere o seguinte experimento:

ANGIOSPERMAS II. 2. (Unesp 2016) Considere o seguinte experimento: 1. (Fmp 2016) Há mais de 300 anos, o cientista italiano Marcello Malpighi realizou um experimento no qual ele retirou um anel de casca do tronco de uma árvore. Com o passar do tempo, a casca intumesceu

Leia mais

XILEMA PRIMÁRIO. Duas partes: Protoxilema e Metaxilema. Protoxilema: diferenciação ocorre cedo lacunas do protoxilema

XILEMA PRIMÁRIO. Duas partes: Protoxilema e Metaxilema. Protoxilema: diferenciação ocorre cedo lacunas do protoxilema TECIDO DE CONDUÇÃO E TECIDO DE SECREÇÃO Prof Marcelo Francisco Pompelli CCB - Botânica Xilema TECIDO DE CONDUÇÃO Xilema e Traqueídes Elementos de vaso Células Parenquimáticas Fibras Elementos crivados

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 22 HISTOLOGIA VEGETAL

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 22 HISTOLOGIA VEGETAL BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 22 HISTOLOGIA VEGETAL Fixação 1) (UERJ) Experimentos envolvendo a clonagem de animais foram recentemente divulgados. No entanto, ainda há uma grande dificuldade de obtenção

Leia mais

COMPONENTES DO POTENCIAL HÍDRICO

COMPONENTES DO POTENCIAL HÍDRICO COMPONENTES DO POTENCIAL HÍDRICO = s + m + p + g onde: (ou w ou a ) = potencial de água total; s (ou o ) = potencial de solutos ou osmótico, que é função da concentração de solutos; negativo m = potencial

Leia mais

MORFOLOGIA E ANATOMIA DA FOLHA

MORFOLOGIA E ANATOMIA DA FOLHA Origem e funções Partes da folha MORFOLOGIA E ANATOMIA DA FOLHA Biologia Professor João Exemplos Origem e funções Partes da folha Exemplos Origem e funções Partes da folha Originam-se da parte externa

Leia mais

HISTOLOGIA VEGETAL HISTOLOGIA VEGETAL HISTOLOGIA VEGETAL HISTOLOGIA VEGETAL HISTOLOGIA VEGETAL HISTOLOGIA VEGETAL 03/06/2013.

HISTOLOGIA VEGETAL HISTOLOGIA VEGETAL HISTOLOGIA VEGETAL HISTOLOGIA VEGETAL HISTOLOGIA VEGETAL HISTOLOGIA VEGETAL 03/06/2013. Aula Biologia Tema: Histologia Vegetal Marcos Vinícius INTRODUÇÃO A reunião organizada de células especializadas que atuam em conjunto no desempenho de uma função específica é denominada tecido. A presença

Leia mais

Sílvia Maria Marinho Storti

Sílvia Maria Marinho Storti Sílvia Maria Marinho Storti Introdução - Botânica Vegetais intermediários - Criptogramas Briófitas - musgos Pteridófitas - samambais Superiores Gimnospermas Plantas sem frutos Principal representante:

Leia mais

Morfologia Vegetal. O corpo da planta

Morfologia Vegetal. O corpo da planta Morfologia Vegetal O corpo da planta Os sistemas da planta Meristema apical do caule Sistema caulinar Ou axial Crescimento Modular Fitômeros Plasticidade Fenotípica Sistema radicular Ou absortivo-fixador

Leia mais

Prof a Soraia TECIDOS VEGETAIS

Prof a Soraia TECIDOS VEGETAIS Prof a Soraia TECIDOS VEGETAIS Nas briófitas e pteridófitas, os tecidos são pouco especializados. Mas, nas gimnospermas e angiospermas, durante o desenvolvimento embrionário, células indiferenciadas formam

Leia mais

2) Órgãos da planta. Anatomia interna da folha. Epiderme: Geralmente uniestratificada Pluriestratificada (plantas xerófitas) o o

2) Órgãos da planta. Anatomia interna da folha. Epiderme: Geralmente uniestratificada Pluriestratificada (plantas xerófitas) o o C) Folhas Anatomia interna da folha Epiderme: Geralmente uniestratificada Pluriestratificada (plantas xerófitas) o o Possui estômatos (trocas gasosas) Pode apresentar camada de cutina cobrindo as células

Leia mais

Parte subterrânea da planta, funções:

Parte subterrânea da planta, funções: Parte subterrânea da planta, funções: Absorção (água e substâncias dissolvidas nela); Condução (até a parte aérea); Fixação da planta no solo; Reserva (cenoura, rabanete...) Primeira das partes embrionárias

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 25 TECIDOS DE TRANSPORTES

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 25 TECIDOS DE TRANSPORTES BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 25 TECIDOS DE TRANSPORTES Fixação 1) A remoção de um anel da casca do tronco de uma árvore provoca um espessamento na região situada logo acima do anel. A árvore acaba morrendo.

Leia mais

Características gerais da Madeira Prof. Dr. Umberto Klock.

Características gerais da Madeira Prof. Dr. Umberto Klock. AT073 - Introdução à Engenharia Industrial Madeireira Características gerais da Madeira Prof. Dr. Umberto Klock. 1 Características gerais da Madeira O que iremos apresentar e discutir? Plantas superiores

Leia mais

Folhas e Flores: estrutura, morfologia e adaptações. Licenciatura em Ciências Exatas IFSC Profa. Ana Paula

Folhas e Flores: estrutura, morfologia e adaptações. Licenciatura em Ciências Exatas IFSC Profa. Ana Paula Folhas e Flores: estrutura, morfologia e adaptações Licenciatura em Ciências Exatas IFSC Profa. Ana Paula - 2017 A FOLHA Órgão lateral: expansão laminar do caule Altamente variável em estrutura e função!!

Leia mais

BB.03: A infra-estrutura vegetal BIOLOGIA

BB.03: A infra-estrutura vegetal BIOLOGIA ATIVIDADES 1. (FUVEST) Um casal de namorados entalhou um coração numa árvore, a um metro do solo. Casaram. Ao completarem suas bodas de prata, voltam ao local. A árvore, agora frondosa, tem o triplo da

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DA PAREDE CELULAR

CARACTERÍSTICAS GERAIS DA PAREDE CELULAR PAREDE CELULAR CARACTERÍSTICAS GERAIS DA PAREDE CELULAR - Diferencia plantas de animais; - Confere rigidez celular; - Delimita a célula; - Relação entre estrutura da parede e função da célula; - Na defesa

Leia mais

TECIDOS FUNDAMENTAIS PARÊNQUIMA

TECIDOS FUNDAMENTAIS PARÊNQUIMA TECIDOS FUNDAMENTAIS PARÊNQUIMA 1 Parênquima - Características Parênquima: (grego parencheo) significa encher de lado Ontogênese : meristema fundamental Características Parede primária delgada celulose,

Leia mais

Bio:D. Angela Cristina E-mail: angelacristina2913@gmail.com

Bio:D. Angela Cristina E-mail: angelacristina2913@gmail.com Bio:D Angela Cristina E-mail: angelacristina2913@gmail.com Reinos 5 reinos; 1969; Organização celular (uni ou pluri), tipo de célula (procarionte ou eucarionte) e forma de nutrição (autótrofo ou heterótrofo).

Leia mais

27/09/2013. Fisiologia de plantas forrageiras

27/09/2013. Fisiologia de plantas forrageiras UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA Aula 3 1 1 Os fracassos quanto à persistência de plantas forrageiras são,

Leia mais

Biologia Fascículo 06 Lara Regina Parra de Lazzari

Biologia Fascículo 06 Lara Regina Parra de Lazzari Biologia Fascículo 06 Lara Regina Parra de Lazzari Índice Fisiologia Vegetal II Anatomia vegetal... 1 Relações hídricas na planta... 2 Exercícios... 5 Gabarito... 8 Anatomia vegetal Identificação de estruturas

Leia mais

2. Formação e a Estrutura das Sementes (Parte I)

2. Formação e a Estrutura das Sementes (Parte I) 2. Formação e a Estrutura das Sementes (Parte I) 3. Formação dos gametas e fecundação 3.1. Formação do Grão de Pólen (Microsporogênese) Os grãos de pólen são formados na antera 1 Principais Etapas da Microsporogênese

Leia mais

MORFOLOGIA VEGETAL. Morfologia externa e interna da raiz e do caule PROFª SANDRA BIANCHI

MORFOLOGIA VEGETAL. Morfologia externa e interna da raiz e do caule PROFª SANDRA BIANCHI MORFOLOGIA VEGETAL Morfologia externa e interna da raiz e do caule PROFª SANDRA BIANCHI INTRODUÇÃO Dois dos processos mais interessantes e complexos que ocorrem durante o ciclo de vida das plantas produtoras

Leia mais

AULA 11 CAPÍTULO 11 CAULE

AULA 11 CAPÍTULO 11 CAULE AULA 11 CAPÍTULO 11 CAULE CAULE Estágio embrionário eixo = epicótilo - hipocótilo Plúmula Cotilédones em sua porção superior - folhas embrionárias Gema Epicótilo = região localizada acima dos cotilédones

Leia mais

CÉLULA VEGETAL VAI SER FORMADA PRINCIPALMENTE POR ORGANELAS COMO: Vacúolo Central Núcleo Ribossomos livres

CÉLULA VEGETAL VAI SER FORMADA PRINCIPALMENTE POR ORGANELAS COMO: Vacúolo Central Núcleo Ribossomos livres CÉLULA VEGETAL VAI SER FORMADA PRINCIPALMENTE POR ORGANELAS COMO: Vacúolo Central Núcleo Ribossomos livres A MAIORIA DAS CÉLULAS É UNINUCLEADA (APENAS UM NÚCLEO), MAS EXISTEM CÉLULAS COM MAIS DE DOIS.

Leia mais

ESTRUTURA DE FOLHAS DE MONOCOTILEDÓNEAS E DE DICOTILEDÓNEAS

ESTRUTURA DE FOLHAS DE MONOCOTILEDÓNEAS E DE DICOTILEDÓNEAS Escola Secundária do Padre António Martins Oliveira de Lagoa Técnicas Laboratoriais de Biologia ESTRUTURA DE FOLHAS DE MONOCOTILEDÓNEAS E DE DICOTILEDÓNEAS Pedro Pinto Nº 14 11ºA 16/03/2004 Introdução

Leia mais

MERISTEMA APICAL DO CAULE

MERISTEMA APICAL DO CAULE MERISTEMA APICAL DO CAULE Células iniciais (divisão lenta) Alta atividade de divisão celular Origem da porção central caulinar Originam primórdios foliares Meristema apical caulinar: Túnica - Corpo t c

Leia mais

FOLHA FOLHA. Base foliar Limbo. Pecíolo. Principais funções: fotossíntese e transpiração

FOLHA FOLHA. Base foliar Limbo. Pecíolo. Principais funções: fotossíntese e transpiração Folhas: são apêndices caulinares que se formam no meristema apical; muito variável tanto em estrutura quanto em função; a folha é o órgão para fotossíntese. Base foliar Limbo Pecíolo Principais funções:

Leia mais

[Ano] Vegetais: podem ser usados como recursos didáticos? Campus Virtual Cruzeiro do Sul

[Ano] Vegetais: podem ser usados como recursos didáticos? Campus Virtual Cruzeiro do Sul [Ano] Vegetais: podem ser usados como recursos didáticos? Unidade - Vegetais: podem ser usados como recursos didáticos? MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Profa. Dra. Rosana Cristina Carreira

Leia mais

Raiz Morfologia Tipos de raízes MORFOLOGIA E ANATOMIA DA RAIZ

Raiz Morfologia Tipos de raízes MORFOLOGIA E ANATOMIA DA RAIZ MORFOLOGIA E ANATOMIA DA RAIZ Exemplares Características gerais e funções Exemplares Características gerais e funções Absorção e condução de água e sais minerais; Acúmulo de nutrientes; Fixação da planta

Leia mais

Álbum didático de Anatomia Vegetal

Álbum didático de Anatomia Vegetal Álbum didático de Anatomia Vegetal Professores responsáveis: Denise M. T. Oliveira Silvia R. Machado Colaboradores: Juliana M. Stahl Tatiane M. Rodrigues Apoio: PROIN CAPES UNESP Instituto de Biociências

Leia mais

MERISTEMAS

MERISTEMAS MERISTEMAS 2012 2006 02 - (UERJ/2012/2ª Fase) A clonagem de plantas já é um procedimento bastante comum. Para realizá-lo, é necessário apenas o cultivo, em condições apropriadas, de um determinado tipo

Leia mais

FCUP 2011/2012. Fisiologia Vegetal. Sebenta de Apoio às Apresentações

FCUP 2011/2012. Fisiologia Vegetal. Sebenta de Apoio às Apresentações Fisiologia Vegetal Sebenta de Apoio às Apresentações Desenvolvimento e estrutura das plantas Os meristemas são reservatórios de células indiferenciadas que acrescentam órgãos à planta, apresenta um crescimento

Leia mais

Plantas - diversidade

Plantas - diversidade Plantas - diversidade Objetivos da aula: Origem das plantas Ciclo de vida Corpo da planta Germinação A célula vegetal Tecidos vegetais Bibliografia: Raven, P.H., Biologia Vegetal 300 000 espécies de plantas

Leia mais

R E I N O. Histologia. Ribamar Jr

R E I N O. Histologia. Ribamar Jr R E I N O Histologia Ribamar Jr P L A N T A E Histologia Vegetal 1) Introdução A histologia vegetal estuda a formação e a constituição dos tecidos das plantas. Tecido: conjunto de células especializadas,

Leia mais

ORGANOLOGIA VEGETAL VEGETATIVOS: Raízes, caules e folhas. REPRODUTIVOS: Flores, sementes e frutos.

ORGANOLOGIA VEGETAL VEGETATIVOS: Raízes, caules e folhas. REPRODUTIVOS: Flores, sementes e frutos. ORGANOLOGIA VEGETAL VEGETATIVOS: Raízes, caules e folhas. REPRODUTIVOS: Flores, sementes e frutos. 1) RAIZ: órgão vegetativo, normalmente subterrâneo e aclorofilado, que faz parte do eixo da planta. Exerce

Leia mais

ANATOMIA DAS PLANTAS DE ESAU

ANATOMIA DAS PLANTAS DE ESAU 3 ANATOMIA DAS PLANTAS DE ESAU Tradução da Terceira Edição Americana MERISTEMAS, CÉLULAS E TECIDOS DO CORPO DA PLANTA: SUA ESTRUTURA, FUNÇÃO E DESENVOLVIMENTO RAY F. EVERT Katherine Esau Professor Emérito

Leia mais

É a parte da Botânica que estuda os tecidos

É a parte da Botânica que estuda os tecidos É a parte da Botânica que estuda os tecidos vegetais - Crescimento Tecidos vegetais -Adultos permanentes -Meristema primário -Meristema secundário -De revestimento -De sustentação -De condução -Parênquimas

Leia mais

4 RESULTADOS E DISCUSSÃO. 4.1 ANATOMIA DAS FOLHAS DE Podocarpus lambertii Descrição geral

4 RESULTADOS E DISCUSSÃO. 4.1 ANATOMIA DAS FOLHAS DE Podocarpus lambertii Descrição geral 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1 ANATOMIA DAS FOLHAS DE Podocarpus lambertii 4.1.1 Descrição geral A folha de Podocarpus lambertii é simples, glabra, de forma lanceolada, com ápice obtuso e com ca. 2 cm de

Leia mais

FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs

FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs FISIOLOGIA VEGETAL APLICADA EM CANA-DE-AÇÚCAR Paulo Castro STAB CANAOESTE - Sertãozinho SP FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs Prof. Dr. Paulo A. M. de Figueiredo Engenheiro Agrônomo

Leia mais

ORGANOLOGIA VEGETAL RAIZ. É um órgão das plantas superiores; Quase sempre subterrâneo; Desempenha várias funções: Diferenciação do caule:

ORGANOLOGIA VEGETAL RAIZ. É um órgão das plantas superiores; Quase sempre subterrâneo; Desempenha várias funções: Diferenciação do caule: ORGANOLOGIA VEGETAL RAIZ É um órgão das plantas superiores; Quase sempre subterrâneo; Desempenha várias funções: Absorção; Condução (água e minerais dissolvidos); Acumular nutrientes; Fixação; Diferenciação

Leia mais

Parede primária e secundária. Lomandraceae, Monocotiledônea

Parede primária e secundária. Lomandraceae, Monocotiledônea Parede primária e secundária Lomandraceae, Monocotiledônea Lamela média Cordia trichotoma Corte transversal caule Parede primária e secundária Parede primária Constituição 65% de água 25% celulose 25%

Leia mais

Transporte nas Plantas

Transporte nas Plantas Prof. Ana Rita Rainho Transporte nas Plantas Transporte nas plantas Materiais transportados Seiva bruta: água e sais minerais Conduzida da raiz ate às folhas pelo xilema Seiva elaborada: produtos orgânicos

Leia mais

Aula CRESCIMENTO META OBJETIVOS. Entender o crescimento primário e secundário nas plantas.

Aula CRESCIMENTO META OBJETIVOS. Entender o crescimento primário e secundário nas plantas. CRESCIMENTO Aula 8 META Entender o crescimento primário e secundário nas plantas. OBJETIVOS Fisiologia Vegetal INTRODUÇÃO - processo conhecido como de crescimento. ra, peso) e funções em geral de um organismo,

Leia mais

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores:

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: Disponibilidade de luz Disponibilidade de água Nutrientes minerais Temperatura Um outro fator que regula o crescimento

Leia mais

Transporte nas Plantas

Transporte nas Plantas Transporte nas Plantas Para sua sobrevivência, os seres vivos necessitam de substâncias (moléculas e iões) que têm de ser transportadas a cada uma das células que os constituem. Os seres vivos simples

Leia mais

MERISTEMAS TECIDOS PERMANENTES SISTEMA FUNDAMENTAL - PARÊNQUIMA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA

MERISTEMAS TECIDOS PERMANENTES SISTEMA FUNDAMENTAL - PARÊNQUIMA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA AGRONOMIA - MORFOLOGIA VEGETAL (ANATOMIA) MERISTEMAS 1. INTRODUÇÃO. gr. "meristo" = dividir. embrião - totalmente meristemático. vegetal adulto

Leia mais

AULA 2 Potencial hídrico e transporte pelo xilema

AULA 2 Potencial hídrico e transporte pelo xilema UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE BIOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE BOTÂNICA DISCIPLINA DE FITOFISIOLOGIA A água H 2 O AULA 2 Potencial hídrico e transporte pelo xilema Marcelo Francisco Pompelli

Leia mais

Compreender a importância do transporte das plantas na distribuição de substâncias fundamentais para o seu metabolismo celular.

Compreender a importância do transporte das plantas na distribuição de substâncias fundamentais para o seu metabolismo celular. Compreender a importância do transporte das plantas na distribuição de substâncias fundamentais para o seu metabolismo celular. Reconhecer que a complexidade os sistemas de transporte resulta de processos

Leia mais

AGRICULTURA GERAL. O ambiente e a planta POMBAL PB

AGRICULTURA GERAL. O ambiente e a planta POMBAL PB AGRICULTURA GERAL O ambiente e a planta POMBAL PB O AMBIENTE E A PLANTA A PLANTA Grande diversidade de tamanhos e formas vegetais Tamanho: 1,0 cm até 100m de altura Formas: herbácea (melancia) até arbóreas

Leia mais

Transporte pelo floema

Transporte pelo floema Transporte pelo floema floema ausência de sistema radicular sistema radicular extenso xilema Homohidrica O transporte a longa distância na planta se dá por transporte em massa. ausência de sistema radicular

Leia mais