Cód. 47 Analista de TIC III (Suporte Banco de Dados)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cód. 47 Analista de TIC III (Suporte Banco de Dados)"

Transcrição

1 EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 47 Analista de TIC III (Suporte Banco de Dados) 1. A operação de junção da álgebra relacional, é implementada em SQL através do comando: A) PROJECT. B) SELECT. C) UNION. D) JOIN. 2. Analise as afirmações abaixo. I. O Replication Center do DB2 não permite a administração do ambiente de replicação de uma base de dados DB2 para uma base de terceiros. II. O Replication Center do DB2 pode ser utilizado para criar tabelas de controle de replicação. III. O Replication Center do DB2 pode ser utilizado para monitorar o processo de replicação. A) somente I e II. B) somente a I. C) somente II e III. D) somente I e III. 3. A tabela contém uma história de todos os alertas emitidos pelo. A) IBMSNAP_CONTACTS / Replication Alert Monitor B) IBMSNAP_ALERTS / Data Links Manager C) IBMSNAP_ALERTS / Replication Alert Monitor D) IBMSNAP_CONTACTS / Data Links Manager 4. A operação de projeção da álgebra relacional, é implementada em SQL através do comando: A) PROJECT. B) UNION. C) JOIN. D) SELECT. 5. Com relação ao Modelo Entidade-Relacionamento, considere as afirmações abaixo. I. É um modelo conceitual de dados de alto nível, freqüentemente usado para o projeto conceitual de aplicações de bases de dados. II. Baseia-se na percepção de um universo constituído por um grupo básico de objetos chamados entidades e por relacionamentos entre eles. III. Na sua concepção, só devemos considerar entidades concretas. A) somente I e II. B) somente I e III. C) somente a I. D) somente II e III. 1

2 6. Assinale a alternativa incorreta. A) No modelo relacional de dados, uma coluna de determinada tabela só pode conter valores atômicos. Essa afirmação corresponde à segunda forma normal. B) No modelo entidade-relacionamento, o conjunto de um ou mais atributos que, tomados coletivamente, nos permitem identificar de maneira unívoca uma entidade em um conjunto de entidades, é chamado superchave. C) No modelo relacional de dados, a propriedade do fechamento garante que ao executarmos uma operação relacional sobre uma tabela teremos como resultado uma outra tabela. D) Na modelagem de um banco de dados, freqüentemente um analista de sistemas necessita garantir que um valor que aparece em uma relação para um dado conjunto de atributos também apareça para certo conjunto de atributos de outra relação. Essa condição é chamada integridade referencial. 7. Uma relação está na primeira forma normal (1FN) se: I - cada atributo contém apenas valores atômicos. II - não há conjuntos de atributos repetidos descrevendo a mesma característica. III - os atributos -chave dependem da totalidade da chave. Podemos afirmar que: A) apenas I e III estão corretas. B) apenas II e III estão corretas. C) apenas I e II estão corretas. D) apenas I, II e III estão corretas. 8. Não é uma forma conhecida de normalização de dados: A) 4FN. B) 3FN. C) SMART-CODD D) BOYCE-CODD 9. A technician is using Windows Server 2003 Backup, and he is configuring the backup program to back up the System State data. In this case, the is not considered System State data. A) Registry B) Boot partitions C) System boot files D) COM+ Class Registration database 10. Mario has two processors in his Windows Server The server primarily acts as an applications server. One of the applications is called prodam1.exe. Mario wants to configure the application so that it always runs on the second processor. The utilities that can be used to set processor affinity for the prodam1.exe application is: A) Service Manager. B) Performance Monitor. C) System Monitor. D) Task Manager. 11. Quando um processo no Sistema Operacional UNIX trava, por algum problema, utilizamos o comando, enviando um signal, fazendo assim com que o processo seja interrompido imediatamente. A) KILLALL / -SIGKALL B) KILLSTOP / -SIGKSTOP C) KILLNOW / -SIGNOW D) KILL / -SIGKILL 12. Considere o S.O Linux com relação às afirmações abaixo. I. Um usuário pode ser removido do sistema operacional com o comando deleteuser. II. Uma nova área de SWAP pode ser criada com o comando dd if=/dev/zero of=/tmp/swap-extra bs=1024 count=1024. III. Para alterar o DONO de um arquivo, utiliza-se o comando chown. A) somente II e III. B) somente I e III. C) somente a III D) I, II e III. 2

3 13. Para configurar os LOG's do sistema operacional Linux, o script a ser editado é: A) /etc/syslog B) /etc/syslog.conf C) /etc/logsys.conf D) /etc/conf.log 14. O System Run Level no Sistema Operacional AIX pode ser alterado utilizando o comando: A) inittab B) telinit C) runlevel D) rc.sysinit 15. Sabe-se que o SMIT é uma ferramenta poderosa na administração de Sistemas Operacionais AIX, tal ferramenta cria o arquivo que é responsável por conter o registro da sessão e o arquivo responsável por conter somente comandos que foram emitidos. A) log.smit / script.smit B).smit /.script C) smit.log / smit.script D) syssmit / sys.smit 16. O sistema Operacional Solaris (SUN) é instalado com uma estrutura hierárquica de diretórios. O diretório é padrão para sistemas de arquivos, geralmente compartilhados, tais como os diretórios home dos usuários, softwares de aplicação ou outros sistemas de arquivos compartilhados. A) /Default B) /platafor C) /opt D) /Export 17. Considerando o sistema operacional Solaris da SUN, responda. The file storage component actually stores the content contained in a regular file: A) Inode B) Data blocks C) File name D) Directory Storage 18. A característica, introduzida a partir da versão 9i do Banco de Dados Oracle, possibilita a recuperação de visões dos dados em algum ponto no passado. A) FLASHBACK QUERY B) OLDER QUERY C) ANCIENT QUERY D) OLDEST QUERY 19. O Oracle Recovery Manager (RMAN) é uma ferramenta que nos permite automatizar e simplificar os procedimentos de e de um Banco de Dados Oracle. A) virtualização / recuperação B) instanciação / compilação C) backup / virtualização D) backup / recuperação 20. Das afirmações abaixo: I. O Banco de Dados Oracle 11g, em sua edição Standard Edition One, tem o tamanho do banco de dados limitado a 4GB. II. O Banco de Dados Oracle 11g está disponível em três edições : Standard Edition One, Standard Edition, e Interprete Edition. III. O Banco de Dados Oracle 11g, em sua edição Enterprise Edition não possui limite para o tamanho do banco de dados. A) somente I e III. B) somente a I. C) somente I e II. D) somente II e III. 3

4 21. A ferramenta permite o gerenciamento e a monitoração dos aplicativos e sistemas baseados no conjunto Oracle por meio de um único console integrado. A) RMAN B) OFFICE MANAGER C) ENTERPRISE MANAGER D) ENTERPRISE MONITOR 22. Considere as afirmações abaixo para o Sybase Adaptive Server Entrerprise I. As tabelas de monitoração são criadas automaticamente quando criamos o banco de dados. II. Quando executamos comandos DDL, causamos bloqueio (lock) exclusivo, em nível de registro, em conjunto de tabelas de sistema (internas). III. As colunas (campos) criptografadas podem ter sua privacidade garantida mesmo contra acesso do DBO e/ou Administradores do Sistema. A) somente a I. B) I, II e III. C) somente a II. D) somente a III. 23. Considere as afirmações abaixo para o Sybase Adaptive Server Entrerprise I. As funções SQL definidas pelo usuário (user-defined) podem conter comandos update, insert e delete. II. As funções SQL definidas pelo usuário (user-defined) podem conter estruturas de controle de fluxo. III. As funções SQL definidas pelo usuário (user-defined) são criadas e excluídas pelos comandos create function e drop fucntion respectivamente. A) somente II e III. B) somente I e II. C) somente I e III. D) somente a III. 24. O comando VACUUM do PostgreSQL deve ser executado regularmente por diversos motivos: I. para recuperar o espaço em disco ocupado pelas linhas atualizadas e removidas. II. para atualizar as estatísticas dos dados utilizadas pelo planejador de comandos do PostgreSQL. III. para proteger contra perda de dados muito antigos devido ao recomeço do ID de transação. A) somente I e III. B) somente a III. C) I, II e III. D) somente I e II. 25. O comando ANALYZE coleta estatísticas sobre o conteúdo das tabelas do banco de dados e armazena os resultados na tabela de sistema: A) pg_analyze. B) pg_user. C) pg_views. D) pg_statistic. 4

5 26. Com relação ao MER, analise as afirmações abaixo. I. É um modelo conceitual de dados de alto nível, freqüentemente usado para o projeto conceitual de aplicações de bases de dados. II. Baseia-se na percepção de um universo constituído por um grupo básico de objetos chamados entidades e por relacionamentos entre eles. III. Na sua concepção, só devemos considerar entidades concretas. A) somente I e III. B) somente I e II. C) somente a I. D) somente II e III. 27. O SQL Server 2005, em sua edição Standard, está limitado a funcionar em servidores com até: A) 6 CPUs. B) 8 CPUs. C) 4 CPUs D) 10 CPUs. 28. O SQL Server 2005, em sua edição Workgroup, está limitado a funcionar em servidores com até: A) 3 GB de memória RAM. B) 1 GB de memória RAM. C) 4 GB de memória RAM. D) 5 GB de memória RAM. 29. O possibilita fazer a replicação do banco de dados de produção em um ou mais servidores stand-by e está disponível somente como uma característica opcional na edição. A) Oracle Fail Safe / Oracle Database 11g Enterprise Edition B) Oracle Active Data Guard / Oracle Database 11g Enterprise Edition C) Oracle Active Data Guard / Oracle Database 11g Standard Edition D) Oracle Fail Safe / Oracle Database 11g Standard Edition 30. Umas das técnicas de replicação mais simples de se implementar utilizando banco de dados Oracle é a: A) Oracle Parallel Server B) Total Recall C) Oracle Fail Safe D) Materialized View 31. No SQL Server, podemos utilizar três tipos de replicação :, e. A) Standard / workgroup / enterprise B) Standard / transactional / total C) Snapshot / transactional / merge D) Snapshot / workgroup / enterprise 32. Quando utilizamos a no SQL Server, seu agente monitora a base esperando por alterações e transmite somente essas alterações para as bases. A) stardard replication / editora / assinantes B) transactional replication / assinante / editoras C) transactional replication / editora / assinantes D) stantard replication / assinante / editoras 33. System procedures are owned by the user ID dbo. Some of these procedures are for internal system use. The example that uses sa_audit_string to add a comment into the audit log, is: A) CALL sa_audit_string auditing test B) CALL sa_audit_string %auditing test% C) CALL sa_audit_string[ * ] D) CALL sa_audit_string( auditing test ) 5

6 34. Considere o padrão SQLANYWHERE. Collation-name is a string or a character variable that specifies the name of the sort order to use. You can also specify the alias char_collation, or, equivalently, db_collation, to generate sortkeys as used by the CHAR collation in use by the database. Collation-id is a variable, integer constant, or string that specifies the ID number of the sort order to use. If you do not specify a collation, the default is Default Unicode multilingual. In this case, the collation ID number is: A) thirty and nine B) forty and five C) fifty and one D) zero 35. O comando descarrega um banco de dados MySQL em um arquivo com instruções SQL ou como arquivo texto separado por tabulação. A) mysqldump B) mysqlstoretext C) DummyMySql D) MySQLStoreProc 36. O utilitário serve para a leitura do log do MySql em binário. É muito útil para a recuperação de falhas encontradas em um backup antigo. A) logviewtobin B) mysqlbinlog C) logintobin D) sqllog 37. The z/os (Operation System by IBM) is ideal for processing batch jobs -workloads that run in the background with little or no human interaction. However, z/os is just as much an interactive operating system as it is a batch processing system. By interactive we mean that end users (sometimes tens of thousands of them concurrently in the case of z/os) can use the system through direct interaction, such as commands and menu style user interfaces. z/os provides a number of facilities to allow users to interact directly with the operating system. allows users to create an interactive session with the z/os system. It provides a single-user logon capability and a basic command prompt interface to z/os. A) Interactive System Option (ISO) B) Time Sharing Option/Extensions (TSO/E) C) Interactive Service Option (ISPF) D) Allocated Address Space (AAS/E) Esse negócio de criatividade só existe em sua imaginação Não é de hoje que a criatividade é tema de estudos, discussões e treinamentos. Já na década de 1970 havia um curso, muito freqüentado pela nata da publicidade brasileira. Era realizado em Buffalo, nos EUA, e somava pontos nos portfólios e salários de redatores e diretores de arte. Felizmente, não é mais necessário ir tão longe: existem ótimos cursos aqui no Brasil. Mudou-se, principalmente, a postura. A capacidade de criar, de inovar, foi reconhecida como inerente ao ser humano. Mas não estão longe os tempos em que a criatividade era considerada um dom, dádiva divina, privilégio de abençoados. O exercício desse dom era simplesmente delegado a uma espécie à parte: artistas plásticos, escritores, músicos, poetas. Depois, ingressaram no seleto clã cineastas e publicitários mas aqueles de uma área diferenciada, a criação. Com a mudança de postura, percebeu-se também que a utilização da criatividade é benéfica e fundamental em todas as esferas de atividade. Viu-se que, em empresas onde há espaço para a criatividade, esta reverte em desafios e em motivação para vencê-los, simplifica processos e traz inovações que resultam em maior produtividade. Ou seja, em lucro. Paulo Gaudêncio, em Vencer!, n o De acordo com o texto: 1. A criatividade faz parte do ser humano. 2. A criati vidade encontra-se em certas áreas, como as artes e a publicidade. 3. A criatividade reverte em desafios e em motivos para vencê-los, resultando em lucro. É correto apenas o que se afirma em: A) 1 e 2. B) 1. C) 1 e 3. D) 3. 6

7 39. A palavra grifada no último parágrafo do texto acima refere-se a: A) empresa. B) espaço. C) inovação. D) criatividade. 40. As palavras que são acentuadas pela mesma regra são as da alternativa: A) idéia; lâmpada. B) táxi; pó. C) pôr; ônix. D) recíproco; técnico. 41. A alternativa em que o termo grifado está corretamente grafado é a: A) Porquê você não olha para mim quando fala comigo? B) Todos foram ao cinema afim de assistir ao filme de James Bond. C) Mal chegou à casa dos pais e já saiu. D) Estou aqui parado acerca de trinta minutos a sua espera. 42. A alternativa em que o adjetivo está incorretamente flexionado é: A) temporão? temporona. B) judeu? judia. C) capiau? capioa. D) ateu? atéia. 43. O verbo grifado não está na voz passiva na alternativa: A) As flores foram compradas na floricultura. B) Deram -se mal outra vez. C) Alugam-se casas. D) Vendem-se sorvetes caseiros. 44. Assinale a alternativa em que a colocação do pronome grifado não segue a norma culta da língua. A) Nunca te vi, sempre te amei. B) Vê-lo-ei assim que chegar ao escritório. C) Farei-lhe esse favor. D) Antonio ia casar-se com Maria, mas não deu certo. 45. Leia com atenção as orações abaixo. 1. Eleonora estava curiosa para saber a verdade. 2. O debate dos candidatos desagradou aos telespectadores. 3. Fui a cidade. Sobre elas, é correto dizer que: A) 1 tem erro de regência nominal, 2 não tem erro de regência verbal e 3 está incorreta em relação à crase. B) 1 não tem erro de regência nominal, 2 tem erro de regência verbal e 3 está correta em relação à crase. C) Todas estão corretas em relação à regência verbo-nominal e à crase. D) Todas estão incorretas em relação à regência verbo-nominal e à crase. 7

8 46. Um carregador em pilhou caixas cúbicas no canto de uma parede de um armazém formando um paralelepípedo retângulo. Depois de alguns dias, ao voltar ao local, notou que o bloco de caixas empilhadas tinha o mesmo comprimento, largura e altura, mas algumas caixas foram retiradas, como se vê na figura abaixo. Então, o número de caixas retiradas é igual a: A) 49. B) 51. C) 47. D) A negação de: Francisco gosta de ler ou de passear, é: A) Francisco não gosta de ler ou não gosta de passear. B) Francisco gosta de ler e não gosta de passear. C) Francisco não gosta de ler e não gosta de passear. D) Francisco gosta de ler ou não gosta de passear. 48. Maria, Pedro e Antonio brincavam na rua e riscaram o carro de Francisco, que quis saber quem foi. - Fui eu, disse Pedro. - Foi Antonio, disse Maria. - Foi Pedro, disse Antonio. Sabendo-se que somente um dos três diz a verdade e que Francisco sabe que Pedro está mentindo, então: A) Pedro riscou o carro e está mentindo. B) Antonio riscou o carro e está mentindo. C) Antonio não riscou o carro e não está mentindo. D) Maria riscou o carro e está mentindo. 49. Três meninos Pedro, Mario e Luiz vestem camisas de cor vermelha, branca e azul, não necessariamente nessa ordem. Sendo somente uma das afirmações abaixo verdadeira: I. Pedro veste camisa vermelha. II. A camisa de Mario não é vermelha. III. A camisa de Luiz não é azul. Então Pedro, Mario e Luiz vestem respectivamente camisas de cor: A) azul, branca e vermelha. B) vermelha, azul e branca. C) branca, vermelha e azul. D) azul, vermelha e branca. 8

9 50. Considere as afirmações: I. Quando Rui está feliz, faz compras. II. Eduardo somente faz compras quando está feliz. III. Hugo jamais faz compras quando está feliz. Se os três fizeram compras hoje, podemos afirmar que: A) Talvez Eduardo não esteja feliz, mas com certeza Rui está feliz. B) Com certeza Hugo não está feliz e Eduardo está feliz. C) Rui, Eduardo e Hugo estão felizes. D) Com certeza Hugo está feliz e é possível que Rui esteja feliz. 9

Cód. 27 Analista de TIC II (Sistemas COBOL/DB2 e IMS)

Cód. 27 Analista de TIC II (Sistemas COBOL/DB2 e IMS) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 27 Analista de TIC II (Sistemas COBOL/DB2 e IMS) 1. Considerando um analista de

Leia mais

Cód. 42 Analista de TIC III (Sistemas.Net)

Cód. 42 Analista de TIC III (Sistemas.Net) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 42 Analista de TIC III (Sistemas.Net) 1. Considere as afirmações abaixo relativas

Leia mais

Cód. 37 Analista de TIC III (Programação COBOL/DB2 e IMS)

Cód. 37 Analista de TIC III (Programação COBOL/DB2 e IMS) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 37 Analista de TIC III (Programação COBOL/DB2 e IMS) 1. Numa aplicação que emprega

Leia mais

Cód. 28 Analista de TIC II (Sistemas JAVA/PHP)

Cód. 28 Analista de TIC II (Sistemas JAVA/PHP) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 28 Analista de TIC II (Sistemas JAVA/PHP) 1. Dado o seguinte código escrito na

Leia mais

Cód. 30 Analista de TIC II (Telecomunicações e Rede)

Cód. 30 Analista de TIC II (Telecomunicações e Rede) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 30 Analista de TIC II (Telecomunicações e Rede) 1. O técnico em redes obteve acesso

Leia mais

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado Introdução à Engenharia da Computação Banco de Dados Professor Machado 1 Sistemas isolados Produção Vendas Compras Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Desvantagens:

Leia mais

Cód. 46 Analista de TIC III (Suporte Baixa Plataforma)

Cód. 46 Analista de TIC III (Suporte Baixa Plataforma) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 46 Analista de TIC III (Suporte Baixa Plataforma) 1. Considere uma rede com arquitetura

Leia mais

Symantec NetBackup 7.1 Clients and Agents Complete protection for your information-driven enterprise

Symantec NetBackup 7.1 Clients and Agents Complete protection for your information-driven enterprise Complete protection for your information-driven enterprise Visão geral O Symantec NetBackup oferece uma seleção simples e abrangente de clientes e agentes inovadores para otimizar a performance e a eficiência

Leia mais

Cód. 39 Analista de TIC III (Programação Visual)

Cód. 39 Analista de TIC III (Programação Visual) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 39 Analista de TIC III (Programação Visual) 1. O sistema de cor RGB pode ser definido

Leia mais

Segurança de Acesso a Banco de Dados no MS SQL Server

Segurança de Acesso a Banco de Dados no MS SQL Server Segurança de Acesso a Banco de Dados no MS SQL Server Para efetuar com sucesso os exemplos que serão mostrados a seguir é necessário que exista no SQL Server uma pessoa que se conecte como Administrador,

Leia mais

SGBDs Móveis. Sumário 12/06/11. Emmanuel Férrer & Gabriela Fernanda. Introdução. Desafios do armazenamento. SQL Anywhere Studio.

SGBDs Móveis. Sumário 12/06/11. Emmanuel Férrer & Gabriela Fernanda. Introdução. Desafios do armazenamento. SQL Anywhere Studio. SGBDs Móveis Emmanuel Férrer & Gabriela Fernanda Introdução Sumário Desafios do armazenamento SQL Anywhere Studio DB2 Everyplace Microsoft SQL Server Oracle9I Lite Aplicações Móveis Referências 1 Introdução

Leia mais

Cód. 44 Analista de TIC III (Sistemas JAVA)

Cód. 44 Analista de TIC III (Sistemas JAVA) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 44 Analista de TIC III (Sistemas JAVA) 1. Dado o seguinte código escrito na linguagem

Leia mais

Sumário Agradecimentos... 19 Sobre.o.autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo.1..Bem-vindo.ao.MySQL... 22

Sumário Agradecimentos... 19 Sobre.o.autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo.1..Bem-vindo.ao.MySQL... 22 Sumário Agradecimentos... 19 Sobre o autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo 1 Bem-vindo ao MySQL... 22 1.1 O que é o MySQL?...22 1.1.1 História do MySQL...23 1.1.2 Licença de uso...23 1.2 Utilizações recomendadas...24

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados Banco de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix

Leia mais

Disaster Recovery para SAP utilizando BusinessShadow

Disaster Recovery para SAP utilizando BusinessShadow Disaster Recovery para SAP utilizando BusinessShadow Agenda Projeto de Disaster Recovery (DR) Principais Arquiteturas de DR para SAP Utilizando BusinessShadow para DR do SAP Credenciais e Contatos Agenda

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício Introdução à Banco de Dados Nathalia Sautchuk Patrício Histórico Início da computação: dados guardados em arquivos de texto Problemas nesse modelo: redundância não-controlada de dados aplicações devem

Leia mais

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br 1. Abordagem geral Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br Em primeiro plano, deve-se escolher com qual banco de dados iremos trabalhar. Cada banco possui suas vantagens,

Leia mais

Introdução ao SQL. O que é SQL?

Introdução ao SQL. O que é SQL? Introdução ao SQL 1 O que é SQL? Inicialmente chamada de Sequel, SQL (Structured Query Language), é a linguagem padrão utilizada para comunicar-se com um banco de dados relacional. A versão original foi

Leia mais

AUDITORIA EM BANCO DE DADOS COM UTILIZAÇÃO DE REGRAS

AUDITORIA EM BANCO DE DADOS COM UTILIZAÇÃO DE REGRAS REVISTA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA AUDITORIA EM BANCO DE DADOS COM UTILIZAÇÃO DE REGRAS Eder Pazinatto Faculdade Anhanguera de Passo Fundo RESUMO: A busca por mecanismos que implementam segurança

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações http://professor.fimes.edu.br/milena milenaresende@fimes.edu.br Sistema de Gerenciamento de Bases de Dados (DBMS) A implementação

Leia mais

Introdução a Banco de Dados

Introdução a Banco de Dados Introdução a Banco de Dados Ricardo Henrique Tassi - Departamento de Replicação Índice 1- Introdução... 03 2- Quais são os bancos de dados mais conhecidos hoje em dia...04 3- Quais são os tipos de banco...05

Leia mais

Informe técnico: Proteção de dados Clientes e agentes do Veritas NetBackup 6.5 Plataforma do Veritas NetBackup - Proteção de dados de próxima geração

Informe técnico: Proteção de dados Clientes e agentes do Veritas NetBackup 6.5 Plataforma do Veritas NetBackup - Proteção de dados de próxima geração Plataforma do Veritas NetBackup - Proteção de dados de próxima geração Visão geral O Veritas NetBackup oferece um conjunto simples porém abrangente de clientes e agentes inovadores para otimizar o desempenho

Leia mais

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Universidade Federal da Paraíba UFPB Centro de Energias Alternativas e Renováveis - CEAR Departamento de Eng. Elétrica DEE BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Isaac Maia Pessoa Introdução O que é um BD? Operações

Leia mais

DB2 Data Warehouse. Alunas: Caroline Beatriz Perlin Elaine Amendola Vanessa Magalhães

DB2 Data Warehouse. Alunas: Caroline Beatriz Perlin Elaine Amendola Vanessa Magalhães DB2 Data Warehouse Alunas: Caroline Beatriz Perlin Elaine Amendola Vanessa Magalhães Agenda Introdução DB2 Data Warehouse Edition (DB2 DWE) Ferramentas Metadados DB2 cube views Materialized Query Tables

Leia mais

PostgreSQL. www.postgresql.org. André Luiz Fortunato da Silva Analista de Sistemas CIRP / USP alf@cirp.usp.br

PostgreSQL. www.postgresql.org. André Luiz Fortunato da Silva Analista de Sistemas CIRP / USP alf@cirp.usp.br PostgreSQL www.postgresql.org André Luiz Fortunato da Silva Analista de Sistemas CIRP / USP alf@cirp.usp.br Características Licença BSD (aberto, permite uso comercial) Multi-plataforma (Unix, GNU/Linux,

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS FUNDAMENTOS DE Visão geral sobre o Active Directory Um diretório é uma estrutura hierárquica que armazena informações sobre objetos na rede. Um serviço de diretório,

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Everson Santos Araujo everson@por.com.br Conceitos Dado - Um fato que pode ser armazenado Banco de dados (BD) - Coleção de dados interrelacionados Sistema Gerenciador de Banco

Leia mais

Nome do curso. Administração de Banco de Dados DBA ORACLE. Objetivos. Objetivos Gerais. Objetivos Específicos. Público Alvo

Nome do curso. Administração de Banco de Dados DBA ORACLE. Objetivos. Objetivos Gerais. Objetivos Específicos. Público Alvo Nome do curso Administração de Banco de Dados DBA ORACLE Objetivos Objetivos Gerais Aperfeiçoar o profissional da área de Banco de Dados e TI (Tecnologia da Informação), demonstrando conceitos de modelagem

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

Banco de Dados Oracle. Faculdade Pernambucana - FAPE

Banco de Dados Oracle. Faculdade Pernambucana - FAPE Faculdade Pernambucana - FAPE Visão Geral dos Componentes Principais da Arquitetura Oracle Servidor Oracle É o nome que a Oracle deu ao seu SGBD. Ele consiste de uma Instância e um Banco de Dados Oracle.

Leia mais

ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS

ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS Sumário 1. Finalidade... 2 2. Justificativa para contratação... 2 3. Premissas para fornecimento e operação

Leia mais

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID Este material pertence a Carlos A. Majer, Professor da Unidade Curricular: Aplicações Corporativas da Universidade Cidade de São Paulo UNICID Licença de Uso Este trabalho está licenciado sob uma Licença

Leia mais

COMMANDedx. Guia de Instalação e Configuração 7/6/2012. Command Alkon Inc. 5168 Blazer Parkway Dublin, Ohio 43017 1.800.624.1872 Fax: 614.793.

COMMANDedx. Guia de Instalação e Configuração 7/6/2012. Command Alkon Inc. 5168 Blazer Parkway Dublin, Ohio 43017 1.800.624.1872 Fax: 614.793. COMMANDedx Guia de Instalação e Configuração 7/6/2012 Command Alkon Inc. 5168 Blazer Parkway Dublin, Ohio 43017 1.800.624.1872 Fax: 614.793.0608 2003-2012 Command Alkon Incorporated. Todos os direitos

Leia mais

UFES Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Disciplina de Banco de Dados.

UFES Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Disciplina de Banco de Dados. Ativando o MySQL Tutorial MySQL Passo1: Verificar onde (path, caminho) o MySQL está instalado. Figura 1. Diretório de instalação do MySQL Nome do Arquivo MySqld Mysqld-debug Mysqld-nt Mysqld-max Mysqld-max-nt

Leia mais

Gabarito - Banco de Dados SQL - 30/07/2013 AULA 01

Gabarito - Banco de Dados SQL - 30/07/2013 AULA 01 Gabarito - Banco de Dados SQL - 30/07/2013 AULA 01 1 1- Bancos de dados compreendem desde agendas telefônicas até sistemas computadorizados. (Sim) 2- Só podemos instalar o SQL Server Express se tivermos

Leia mais

2008.1. A linguagem SQL

2008.1. A linguagem SQL SQL 2008.1 A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua primeira versão

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

Comparativo entre DBSE e DBEE

<Insert Picture Here> Comparativo entre DBSE e DBEE Comparativo entre DBSE e DBEE Oracle Database Oracle Database Standard Edition Disponível para ambientes com até 4 processadores, possui features limitadas e não oferece possibilidade

Leia mais

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL BANCO DE DADOS 2 SQL (CREATE TABLE, CONSTRAINTS, DELETE, UPDATE e INSERT) Prof. Edson Thizon SQL SQL ( structured query language ) é uma linguagem comercial de definição e manipulação de banco de dados

Leia mais

SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS 1

SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS 1 SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS 1 AULA 01 1. Qual das seguintes linguagens deu origem à atual SQL (Strututured Query Language)? a) COBOL b) FORTRAN c) SEQUEL d) C e) C++ 2. Sistema Gerenciador

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico Banco de Dados // 1 Banco de Dados // 2 Conceitos BásicosB Engenharia da Computação UNIVASF BANCO DE DADOS Aula 1 Introdução a Banco de Dados Campo representação informatizada de um dado real / menor unidade

Leia mais

Novidades Oracle 11g. Rio Grande Energia - RGE

Novidades Oracle 11g. Rio Grande Energia - RGE Novidades Oracle 11g Daniel Güths Rio Grande Energia - RGE 1 Agenda Oracle Database 11g new features SQL e PL/SQL new features Performance e gerenciamento de recursos Gerenciamento de mudanças Gerenciamento

Leia mais

Disciplina: Unidade V: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade V: Prof.: E-mail: Período: Encontro 17 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade V: Introdução à Linguagem SQL Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM 13. Introdução à Linguagem SQL Introdução

Leia mais

ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL. Carga horária: 32 Horas

ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL. Carga horária: 32 Horas ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL Carga horária: 32 Horas Pré-requisito: Para que os alunos possam aproveitar este treinamento ao máximo, é importante que eles tenham participado dos treinamentos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Disciplina: Automação em Tempo Real (ELT012) Data: 17/04/2008 Professor: Luiz T. S. Mendes Guia prático para

Leia mais

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Adriano Pereira Maranhão 1 REVISÃO BANCO DE DADOS I O que é banco de dados? Ou seja afinal o que é um SGBD? REVISÃO BD I REVISÃO DE BD I Um Sistema de Gerenciamento de

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração e Configuração MyABCM 4.0 Versão 4.00-1.00 2 Copyright MyABCM. Todos os direitos reservados Reprodução Proibida Índice Introdução... 5 Arquitetura, requisitos e cenários de uso do MyABCM... 7 Instalação

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix Ingress SQL

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1 Em qualquer profissão é importante que se conheça bem as ferramentas que serão usadas para executar o trabalho proposto. No desenvolvimento de software não é

Leia mais

Gerência de Banco de Dados

Gerência de Banco de Dados exatasfepi.com.br Gerência de Banco de Dados Prof. Msc. André Luís Duarte Banco de Dados Os bancos de dados são coleções de informações que se relacionam para criar um significado dentro de um contexto

Leia mais

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 2 Pedreiros da Informação Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela

SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela Certamente você já ouviu falar muito sobre triggers. Mas o quê são triggers? Quando e como utilizá-las?

Leia mais

Revisão para a prova B2. Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14

Revisão para a prova B2. Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14 Revisão para a prova B2 Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14 Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor:

Leia mais

Advanced IT S/A. EM10g Grid Control. Introdução. Introdução. Agenda. Como alcança estes objetivos Grid Control Home Page Pode gerenciar:

Advanced IT S/A. EM10g Grid Control. Introdução. Introdução. Agenda. Como alcança estes objetivos Grid Control Home Page Pode gerenciar: Agenda Advanced IT S/A EM10g Grid Control Denise Cunha Advanced IT S/A - DBA Gerenciando Deployments (distribuições) Estendendo o EM Sistema de Jobs Start e Stop do EM Objetivos Extrair informações críticas

Leia mais

Laboratório 3. Base de Dados II 2008/2009

Laboratório 3. Base de Dados II 2008/2009 Laboratório 3 Base de Dados II 2008/2009 Plano de Trabalho Lab. 3: Programação em Transact-SQL MYSQL Referências www.mysql.com MICROSOFT SQL SERVER - Procedimentos do Lado do Servidor (Stored Procedures)

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 INTRODUÇÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 Leonardo Pereira leonardo@estudandoti.com.br Facebook: leongamerti http://www.estudandoti.com.br Informações que precisam ser manipuladas com mais segurança

Leia mais

NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro

NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro O MySQL Cluster é versão do MySQL adaptada para um ambiente de computação distribuída, provendo alta disponibilidade e alta redundância utilizando

Leia mais

Documentação Symom. Agente de Monitoração na Plataforma Windows

Documentação Symom. Agente de Monitoração na Plataforma Windows Documentação Symom de Monitoração na Plataforma Windows Windows Linux Windows Linux Plataforma Windows Instalação A instalação do de Monitoração do Symom para Windows é feita através do executável setup.exe

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

1.264 Aula 8. SQL (continuação) ODBC

1.264 Aula 8. SQL (continuação) ODBC 1.264 Aula 8 SQL (continuação) ODBC Subconsultas As subconsultas SQL permitem a utilização dos resultados de uma consulta como parte de outra consulta. Elas Com freqüência, são formas naturais de escrever

Leia mais

Symantec Backup Exec 2010. Guia de Instalação Rápida

Symantec Backup Exec 2010. Guia de Instalação Rápida Symantec Backup Exec 2010 Guia de Instalação Rápida 20047221 Instalação do Backup Exec Este documento contém os seguintes tópicos: Requisitos do sistema Antes da instalação Sobre a conta de serviço do

Leia mais

BANCO DE DADOS II Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

BANCO DE DADOS II Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 10 - PROCEDIMENTOS ARMAZENADOS - STORED PROCEDURES 1. INTRODUÇÃO Em muitas situações será necessário armazenar procedimentos escritos com a finalidade de se utilizar recursos como loop, estruturas

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 6.1 ARQUIVOS E REGISTROS De um modo geral os dados estão organizados em arquivos. Define-se arquivo como um conjunto de informações referentes aos elementos

Leia mais

? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase.

? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase. ? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase.? Desde de 1994, a Microsoft lança versões do SQL SERVER

Leia mais

Administração de Usuários e Privilégios no Banco de Dados

Administração de Usuários e Privilégios no Banco de Dados Administração de Usuários e Privilégios no Banco de Dados Todo agrupamento de bancos de dados possui um conjunto de usuários de banco de dados. Estes usuários são distintos dos usuários gerenciados pelo

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 04

PROVA ESPECÍFICA Cargo 04 10 PROVA ESPECÍFICA Cargo 04 QUESTÃO 21 Analise as seguintes afirmativas: I. Uma das funções de um DBA é gerenciar os mecanismos de segurança de acesso aos dados armazenados em um SGBD (Sistema Gerenciador

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados (Prática)

Fundamentos de Banco de Dados (Prática) Fundamentos de Banco de Dados (Prática) Graduação Tecnológica: Tecnologia da Informação Autor: Prof. Carlos Eduardo Gertners de Magalhães SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 LISTA DE FIGURAS... 3 1.1 Definições iniciais...

Leia mais

Sumário. Capítulo 2 Conceitos Importantes... 32 Tópicos Relevantes... 32 Instance... 33 Base de Dados... 36 Conclusão... 37

Sumário. Capítulo 2 Conceitos Importantes... 32 Tópicos Relevantes... 32 Instance... 33 Base de Dados... 36 Conclusão... 37 7 Sumário Agradecimentos... 6 Sobre o Autor... 6 Prefácio... 13 Capítulo 1 Instalação e Configuração... 15 Instalação em Linux... 15 Instalação e Customização do Red Hat Advanced Server 2.1... 16 Preparativos

Leia mais

SQL. Structured Query Language

SQL. Structured Query Language SQL Structured Query Language Construções básicas Junção de Tabelas Join O uso da operação JOIN numa cláusula FROM especifica como se deseja que as tabelas sejam vinculadas. Use INNER JOIN para associar

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

Analysis Services. Manual Básico

Analysis Services. Manual Básico Analysis Services Manual Básico Construindo um Banco de Dados OLAP... 2 Criando a origem de dados... 3 Definindo as dimensões... 5 Níveis de dimensão e membros... 8 Construindo o cubo... 11 Tabela de fatos...12

Leia mais

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável.

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. SQL (Structured Query Language) SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. Além de permitir a realização de consultas, SQL possibilita: definição

Leia mais

Histórico de revisões

Histórico de revisões Apostila 3 Histórico de revisões Data Versão Descrição Autor 30/09/2011 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr CONTEÚDO Exclusão de registros Consultas por Dados de Resumo Group by / Having Funções

Leia mais

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita:

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita: SQL Tópicos Especiais Modelagem de Dados Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML INTRODUÇÃO A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation

Leia mais

Programação SQL. Introdução

Programação SQL. Introdução Introdução Principais estruturas duma Base de Dados: Uma BD relacional é constituída por diversas estruturas (ou objectos ) de informação. Podemos destacar: Database: designa a própria BD; Table/Tabela:

Leia mais

PL/SQL Developer. Solução para Ambiente de Desenvolvimento Integrado Oracle

PL/SQL Developer. Solução para Ambiente de Desenvolvimento Integrado Oracle Solução para Ambiente de Desenvolvimento Integrado Oracle PL/SQL Developer é um ambiente de desenvolvimento integrado (IDE) que foi especialmente destinado ao desenvolvimento de programas armazenados em

Leia mais

Introdução. Unidade 1. Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira

Introdução. Unidade 1. Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Unidade 1 Introdução Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Material base: Banco de Dados, 2009.2, prof. Otacílio José Pereira Contexto

Leia mais

Manual de Instalação SAP R/3. 4.70 Enterprise

Manual de Instalação SAP R/3. 4.70 Enterprise Manual de Instalação SAP R/3 4.70 Enterprise Elaborado Por : Amantino Freitas Soares Coordenador de TI Basis/SQL Server Abap 4 cronossp@terra.com.br Elaborado por : Amantino Freitas Soares 1 Começar instalando

Leia mais

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS info 3º ano Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS Unidade 1 - Introdução Dados; Banco de Dados; Base de Dados; Projeto de Banco de Dados.

Leia mais

Computação Móvel 2007/2008

Computação Móvel 2007/2008 Computação Móvel 2007/2008 Tutorial 2 Criação de uma nova publicação de base de dados no SQL Server 2005 Standard Edition / Enterprise Edition / Developer Edition No computador cliente: 1. Estabelecer

Leia mais

Roteiro de Uso do InstallShield

Roteiro de Uso do InstallShield Roteiro de Uso do InstallShield Ao iniciar o InstallShield, a janela Welcome to InstallShield será exibida: Selecione a opção Create New Setup Project, para criar um novo modelo de instalação. A janela

Leia mais

Banco de Dados. Um momento crucial na organização dos dados é a forma com que cadastramos estes dados, a estrutura de armazenamento que criamos.

Banco de Dados. Um momento crucial na organização dos dados é a forma com que cadastramos estes dados, a estrutura de armazenamento que criamos. Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Este assunto é muito vasto, tentaremos resumi-lo para atender as questões encontradas em concursos públicos. Já conhecemos o conceito de dado, ou seja, uma informação

Leia mais

P R E F Á C I O A UNIÃO FAZ A FORÇA

P R E F Á C I O A UNIÃO FAZ A FORÇA P R E F Á C I O G de grid. Fazer mais com menos. Essa é a grande promessa por trás da Grid Computing, a nova arquitetura de aplicativos desenvolvida pela Oracle. Lançada oficialmente no Brasil em 20 de

Leia mais

Treinamento sobre SQL

Treinamento sobre SQL Treinamento sobre SQL Como Usar o SQL Os dois programas que você mais utilizara no SQL Server são: Enterprise Manager e Query Analyzer. No Enterprise Manager, você pode visualizar e fazer alterações na

Leia mais

Programação com Acesso a Banco de Dados

Programação com Acesso a Banco de Dados Campus Ipanguaçu Curso: Técnico em Informática Programação com Acesso a Banco de Dados AULA 17 ACESSO A BANCO DE DADOS COM JDBC PROF.: CLAYTON M. COSTA 2 011.2 Introdução Aplicação + Banco de Dados: Funcionalidade

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ARTEFATO 02 AT02 Diversos I 1 Indice ESQUEMAS NO BANCO DE DADOS... 3 CRIANDO SCHEMA... 3 CRIANDO TABELA EM DETERMINADO ESQUEMA... 4 NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CRIAÇÃO E MODIFICAÇÃO

Leia mais

BANCO DE DADOS: SQL. Edson Anibal de Macedo Reis Batista. 27 de janeiro de 2010

BANCO DE DADOS: SQL. Edson Anibal de Macedo Reis Batista. 27 de janeiro de 2010 BANCO DE DADOS: SQL UERN - Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Departamento de Ciências da Computação. 27 de janeiro de 2010 índice 1 Introdução 2 3 Introdução SQL - Structured Query Language

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

GUIA DE BOAS PRÁTICAS

GUIA DE BOAS PRÁTICAS GUIA DE BOAS PRÁTICAS Sumário Requisitos para um bom funcionamento...3 Menu Configurações...7 Como otimizar o uso da sua cota...10 Monitorando o backup...8 Manutenção de arquivos...12 www.upbackup.com.br

Leia mais

Backup On-line. 1 de 6. Introdução

Backup On-line. 1 de 6. Introdução 1 de 6 Backup On-line Introdução O Backup do banco de dados nada mais é que a cópia dos arquivos necessários para recupera-los em caso de perda do mesmo no menor tempo possível. Isso pode ser devido à

Leia mais

Live Show Gerenciamento de Ambientes. Danilo Bordini (http://blogs.technet.com/dbordini ) Rodrigo Dias (http://blogs.technet.

Live Show Gerenciamento de Ambientes. Danilo Bordini (http://blogs.technet.com/dbordini ) Rodrigo Dias (http://blogs.technet. Live Show Gerenciamento de Ambientes Danilo Bordini (http://blogs.technet.com/dbordini ) Rodrigo Dias (http://blogs.technet.com/rodias) Live Show! Vocês são do Time! Período do Evento Final de Semana Durante

Leia mais

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Autor: Alexandre F. Ultrago E-mail: ultrago@hotmail.com 1 Infraestrutura da rede Instalação Ativando o usuário root Instalação do Webmin Acessando o Webmin

Leia mais

Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de

Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de BD Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de informação para nosso êxito no curso. A intenção de elaborar

Leia mais

Básico da Linguagem SQL. Definição de Esquemas em SQL. SQL(Structured Query Language)

Básico da Linguagem SQL. Definição de Esquemas em SQL. SQL(Structured Query Language) Básico da Linguagem SQL Definição de Esquemas em SQL SQL(Structured Query Language) Desenvolvida como a linguagem de consulta do protótipo de SGBD Sistema R (IBM, 1976). Adotada como linguagem padrão de

Leia mais