Cód. 37 Analista de TIC III (Programação COBOL/DB2 e IMS)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cód. 37 Analista de TIC III (Programação COBOL/DB2 e IMS)"

Transcrição

1 EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 37 Analista de TIC III (Programação COBOL/DB2 e IMS) 1. Numa aplicação que emprega um banco de dados relacional, considere a seguinte consulta SQL: EXEC SQL DECLARE TRAB CURSOR FOR SELECT CLIENTE, ENDERECO FROM TABELA1, TABELA2 WHERE TABELA1.CLIENTE = TABELA2.CLIENTE END_EXEC Na expressão anterior, podemos usar a variável TRAB para identificar a consulta no comando, que, com o processamento da consulta, e dentro do comando, determina os valores de uma tupla que serão colocados em variáveis da linguagem host. A) select / cursor B) open / fetch C) prepare / execute D) using / search 2. Considere as afirmações abaixo. I. A Especificação Funcional do Sistema deve descrever o que se espera que o sistema faça sem a preocupação de como ele faz. II. A Especificação Funcional do Sistema só deverá ser entregue ao cliente ao final do projeto. III. A fase de Análise de Requis itos não tem nenhuma influência sobre a Especificação Funcional do Sistema. São verdadeiras: A) somente a III. B) somente I e II. C) somente a I. D) somente I e III. 3. Assinale a alternativa incorreta. A) Um sistema de banco de dados relacional precisa garantir a execução apropriada das transações a despeito de falhas ou a transação é executada por completo ou nenhuma parte dela é executada. Para assegurar a integridade dos dados, exigimos que o sistema de banco de dados mantenha determinadas propriedades, que são chamadas freqüentemente de propriedades ITAC. B) Num sistema de banco de dados relacional com arquitetura distribuída, se desejamos garantir a atomicidade, todos os sites envolvidos na execução de uma transação devem concordar com o término da transação. Para assegurar que isso ocorra, o coordenador da transação precisa executar um protocolo de efetivação. Entre os mais simples e mais utilizados protocolos de efetivação está o Two-phase commit. C) Dicionário de dados é uma listagem organizada de todas as informações que são pertinentes ao sistema, com definições precisas e rigorosas, de forma que tanto o usuário como o analista de sistemas tenha uma compreensão comum das entradas, das saídas, dos componentes dos depósitos de dados e dos cálculos intermediários. D) Em um sistema de banco de dados relacional, um dicionário de dados é um arquivo de metadados. 4. O é o DFD (Diagrama de Fluxo de Dados) de mais alto nível representando o sistema inteiro como um único. A) diagrama de classes / processo. B) MER / depósito de dados. C) diagrama de contexto / depósito de dados. D) diagrama de contexto / processo. 1

2 5. Analise as afirmações abaixo considerando as regras para construção de um DFD. I. Podemos representar um fluxo de dados iniciando em uma entidade externa e terminando em outra. II. Podemos representar um fluxo de dados iniciando em uma entidade externa e terminando em um depósito de dados. III. Todos os componentes de um DFD devem ter um identificador. São verdadeiras: A) somente I e II. B) somente II e III. C) somente a III. D) somente a II. 6. Dado um banco de dados relacional formado pela tabela abaixo: PROJETO Cód_Projeto Verba Depto Cod_Gerente O comando SQL que lista todos os projetos do departamento 30 que têm verba superior a 1000 é: A) SELECT PROJETO WITH depto 30 AND verba > 1000 B) SELECT * FROM PROJETO WHERE depto = 30 AND verba > 1000 C) SELECT cod_projeto WITH depto = 30, verba > 1000 D) SELECT cod_projeto BETWEEN depto = 30, verba > Dado um banco de dados relacional formado pela tabela abaixo: EMPREGADO Cód_Empregado Nome Depto Salario 9100 Carlos Silva Ana Josefa Marcos José Joaquim Lucas Paula Matos Jurandir Silva José da Silva Fernando Silva Mário Monteiro O comando SQL que lista o total de empregados por departamento e a média salarial por departamento é dado por: A) SELECT COUNT(EMPREGADO), AVERAGY(Salario) GROUP Depto B) SELECT TOTAL(EMPREGADO) AND AVERAGY(Salario) AGROUPED Depto C) SELECT TOT (EMPREGADO), AVG(Salario) ORDER BY Depto D) SELECT Depto, COUNT(*), AVG(Salario) FROM Empregado GROUP BY Depto 2

3 8. Assinale a alternativa incorreta. A) Na análise estruturada de sistemas, um produtor ou consumidor de informações que reside dentro dos limites do sistema é conhecido por processo. B) Um analista de sistemas está trabalhando no levantam ento de requisitos para o desenvolvimento de uma aplicação. Nessa atividade, freqüentemente o usuário define um conjunto de objetivos gerais para o sistema a ser desenvolvido, mas sem identificar um suficiente detalhamento dos requisitos da entrada, processamento e saída. Em outros casos, o analista de sistemas pode não estar suficientemente seguro sobre a eficiência de um algoritmo ou da adaptabilidade de um sistema operacional, ou ainda, da interação homem -máquina que deve ser implementada no sistema. Nesses casos, recomenda-se a abordagem orientada à análise de risco. C) Na análise estruturada de sistemas, os analistas freqüentemente representam graficamente o fluxo de informações e transformações aplicadas aos dados através de um diagrama chamado diagrama de fluxo de dados. Esse diagrama, dentre outras funções, auxilia o analista a checar o balanceamento das informações em cada nível do diagrama. D) O projeto do software é um processo multipassos que está centrado em quatro distintos atributos: estrutura de dados, arquitetura do software, detalhamento dos procedimentos e interface. O processo de projeto do software corresponde a mapear requisitos de software através da aplicação de técnicas que permitam a implementação física do sistema. Deve também ser documentado e torna-se parte da configuração do software. 9. Na linguagem SQL, a cláusula por si só define um produto cartesiano das relações na cláusula. A) FROM B) WHERE C) LIKE D) DISTINCT 10. Na linguagem SQL, as operações em strings mais usadas são as checagens para verificação de coincidências, por meio do operador like. Ao utilizarmos o operador like, a comparação de qualquer substring é feita pelo símbolo e a comparação de um caractere com outro caractere é feita pelo símbolo. A) interrogação (? ) / exclamação (! ) B) dólar ( $ ) / barra vertical ( ) C) porcentagem ( % ) / sublinhado ( _ ) D) arroba ) / asterisco ( * ) 11. Na linguagem SQL, existem circunstâncias em que gostaríamos de aplicar uma função agregada não somente a um conjunto de tuplas, mas também a um grupo de tuplas, o que é possível por meio da cláusula: A) count. B) select. C) order by. D) group by. 12. Na linguagem SQL, usamos o comando no programa para identificar o lugar onde o préprocessador deverá inserir variáveis especiais usadas para comunicação entre o programa e o sistema de banco de dados. A) SQL IDENTIFY B) SQL VARIABLE C) SQL INCLUDE D) SQL COMUNIC 13. A linguagem de definição de dados SQL compreende comandos para conceder e revogar privilégios. A SQL também inclui um privilégio que restringe a declaração de chaves estrangeiras pelo usuário quando cria relações. A) RESOURCES B) REFERENCES C) FOREIGNS D) RELATIVES 14. No CICS, cada unidade de trabalho tem uma identificação própria que é um número seqüencial ascendente, conhecido como: A) PROCID. B) JOBID. C) TASKID. D) RUNID. 3

4 15. No CICS Command Level, o comando transfere o controle para o programa especificado, o qual é executado sob a mesma task. Quando ele termina, o controle é retornado para a próxima instrução do programa que o emitiu. A) EXEC CICS LOAD B) EXEC CICS LINK C) EXEC CICS XCTL D) EXEC CICS EXECUTE 16. No CICS Command Level, o comando transfere o controle para o programa especificado, o qual é executado sob a mesma task. Quando ele termina, o controle não é retornado para o programa que o emitiu e sim ao nível imediatamente superior. A) EXEC CICS LOAD B) EXEC CICS LINK C) EXEC CICS XCTL D) EXEC CICS EXECUTE 17. O CICS fornece uma facilidade para armazenar dados que possuem características transientes ou temporárias, conhecida como QUEUEING ou FILAS. Esses dados podem ser criados por uma transação para uso próprio imediato ou posterior, ou ainda para utilização por outras transações. Os dois tipos de filas existentes no CICS são: A) QD e QS. B) TD e QS. C) QD e TS. D) TD e TS. 18. Programas IMS (online e batch) têm diferentes estruturas dos programas não-ims. Um programa IMS é sempre chamado como um subprograma do IMS region controller. Ele também possui um bloco chamado, o qual provê a interface do programa aos serviços IMS que o programa pode necessitar. A) PRC B) SBC C) PSB D) BSC 19. Programas de aplicação IMS que necessitam fazer uso de serviços de processamento de mensagens ou bancos de dados usados por sistemas online, são executados na: A) BMP. B) DLI batch region. C) SBC region. D) PRC. 20. Programas de aplicação IMS que executam sem serviços de mensagens, são executados na: A) BMP. B) DLI batch region. C) SBC region. D) PRC. 21. Após cada call IMS, um status -code de dois bytes é retornado. Um status -code indica um call com sucesso. A) FFFF. B) C) branco. D) 00FF. 22. No IMS, cada bloco contém um para cada banco de dados DLI (lógico ou físico) que a aplicação acessa. A) PSB / PCB B) PCB / PBT C) PSB / PBT D) PCB / PSB 4

5 23. No IMS, o call é usado para recuperar um segmento específico ou path de segmentos de um banco de dados. Ao mesmo tempo ele estabelece uma posição em um banco de dados, a partir do qual segmentos adicionais podem ser processados na direção forward. A) GT B) GU C) GO D) GS 24. Na linguagem COBOL, a instrução WRITE inclui uma cláusula que é usada para verificar a existência de erros relativos a campos -chave que não estejam em seqüência ou campos -chave que tenham valores iguais a valores já existentes em arquivos indexados. Essa cláusula é a: A) ERROR KEY. B) OUT-SEQUENCE KEY. C) DUPLICATE KEY. D) INVALID KEY. 25. Na linguagem COBOL, a instrução traz para um programa de usuários segmentos separados da ENVIRONMENT DIVISION, da DATA DIVISION ou da PROCEDURE DIVISION, na forma em que se encontram. As entradas trazidas são compiladas e executadas juntamente com o programa principal. A) CALL B) LOAD C) COPY D) XCTL 26. A operação de projeção da álgebra relacional é implementada em SQL através do comando: A) SELECT. B) PROJECT. C) UNION. D) JOIN. 27. A operação de JUNÇÃO da álgebra relacional é implementada em SQL através do comando: A) PROJECT. B) UNION. C) SELECT. D) JOIN. 28. Considere a linguagem Cobol para as afirmações abaixo. I. O nível 77 para definição de um campo deve ser usado sempre que seja subdividido. II. Para cada SELECT deverá existir uma FD ou SD correspondente. III. Num campo ALFANUMÉRICO podem estar contidos todos os caracteres reconhecidos pela linguagem COBOL. IV. Na cláusula PROGRAM-ID, da DATA DIVISION, o nome do programa deverá ser iniciado com letra. São corretas: A) I, III e IV, apenas. B) I, II e IV, apenas. C) II e IV, apenas. D) II e III, apenas. 29. Considere o a linguagem Cobol para as afirmações abaixo. I. A folha de codificação possui duas margens: uma na coluna 8 ( margem B ) e outra na coluna 12 ( margem A ). II. A máscara de edição ZZZZ indica supressão de zeros não significativos. III. Os nomes das divisões deverão ser escritos na margem "B". IV. O conteúdo de um DATA-NAME numérico pode ser: números, sinais e vírgula virtual. São incorretas: A) III e IV, apenas. B) II e III, apenas. C) II e IV, apenas. D) I e III, apenas. 5

6 30. Considere a linguagem Cobol para as afirmações abaixo. I. if a > b go to teste add 1 to b else add 2 to a. II. if x = y and a less b go to p01 else go to p02. III. if a is less than b go to first sentence else go to leitura. IV. if a less b and a greater b go to inicio. São incorretas sintática ou logicamente: A) II, III e IV, apenas. B) III e IV, apenas. C) I, III e IV, apenas. D) II e IV, apenas. 31. Num programa Cobol, supondo que a=30, b=6, c=5 e d=2 e considerando as instruções abaixo: compute x = (a - b) + (c - d) **2. compute y = a + b - c + d * d * d. Os resultados de x e y serão, respectivamente: A) 729 e 66. B) 33 e 39. C) 33 e 66. D) 729 e Num programa Cobol, considerando as definições abaixo, que os conteúdos dos campos sejam corretos e que a hora final seja posterior à hora inicial: 01 horaini. 01 horafim. 03 hini pic 9(02). 03 hfim pic 9(02). 03 mni pic 9(02). 03 mfim pic 9(02). 03 sini pic 9(02). 03 sfim pic 9(02). A instrução que calcula a diferença em SEGUNDO entre horaini e horafim, num mesmo dia, será: A) compute SEGUNDO = ((hfim * 3600) + (mfim * 60) + sfim) - ((hini * 3600) + (mini * 60) + sini). B) compute SEGUNDO = ((hini * 3600) + (mini * 60) + sini) - ((hfim * 3600) + (mfim * 60) + sfim). C) compute SEGUNDO = ((hfim * 60) + (mfim * 3600) + sfim) - ((hini * 3600) + (mini * 60) + sini). D) compute SEGUNDO = ((hini * 60) + (mfim * 3600) + sfim) - ((hini * 3600) + (mini * 60) + sini). 33. Considere a linguagem Cobol para as afirmações abaixo. I. Quando for utilizada a opção INTO no comando READ, uma cópia do conteúdo do registro lógico será colocada no nível 01 da FD e na área fornecida após o INTO. II. Os níveis 01 da FD são áreas contínuas e os níveis 01 da WORKING-STORAGE SECTION são áreas sobrepostas. III. A cláusula REDEFINES poderá ser utilizada, entre outras opções, quando uma variável possuir tipos de PICTURES diferentes. IV. Arquivos seqüenciais deverão ser lidos com a opção AT END, que indicará numa sentença COBOL o que será executado quando o arquivo não contiver mais registros físicos com conteúdo. São corretas: A) I e IV, apenas. B) II e IV, apenas. C) I e III, apenas. D) II e III, apenas. 6

7 34. Considere a linguagem Cobol para as afirmações abaixo. I. O comando MOVE irá transferir conteúdos de variáveis independentemente dos níveis e tipos de PICTURES dessas variáveis, não importando onde foram definidas (FD ou WSS). II. O comando GO TO caracteriza a estrutura de algoritmo tipo FUGA, e no COBOL a seqüência normal será desviada para um comando indicado. III. O comando WRITE será utilizado para gravar registros lógicos em meios magnéticos e também para imprimir linhas de impressão. IV. Após o comando WRITE, o nível 01 da FD ainda possuirá os conteúdos do registro que foi selecionado para gravação. São incorretas: A) III e IV, apenas. B) II e IV, apenas. C) I e IV, apenas. D) I e III, apenas. 35. Considerando na linguagem Cobol as definições e a instrução abaixo: 01 CAMPOS. 01 WSS-CAMPOS. 03 ANO PIC 9(04) VALUE DIA PIC ZZ. 03 B1 PIC X(01) VALUE /. 03 B2 PIC X(01). 03 MES PIC 9(02) VALUE MES PIC ZZ. 03 B2 PIC X(01) VALUE /. 03 B1 PIC X(01). 03 DIA PIC 9(02) VALUE ANO PIC 9(02). MOVE CORRESPONDING CAMPOS TO WSS-CAMPOS. O conteúdo de WSS-CAMPOS será: A) 04/09/20. B) 04/ 9/07. C) 4/ 9/07. D) 4/09/ Considerando num programa Cobol as definições: 01 TABELA2. 03 T2 OCCURS 100 TIMES. 05 T2-CDG OCCURS 100 TIMES. 07 T2-DSA PIC X(50). 07 T2-VAL OCCURS 10 TIMES. 09 T2-VAL1 PIC S9(10)V T2-VAL2 PIC BXXBXXX. A quantidade de BYTES, utilizados por TABELA2, em memória será: A) B) C) D) Supondo que P01, P02, P03 e P04 sejam parágrafos definidos seqüencialmente na PROCEDURE DIVISION de um programa COBOL. O comando PERFORM que executa as instruções contidas nos parágrafos P02 e P03 durante 20 vezes será: A) perform P02 thru P03 20 times varying y until y greater 20. B) perform P02 thru P03 varying x from 1 by 1. C) perform P02 thru P03 20 times. D) perform P02 thru P03 until z is negative. 7

8 Esse negócio de criatividade só existe em sua imaginação Não é de hoje que a criatividade é tema de estudos, discussões e treinamentos. Já na década de 1970 havia um curso, muito freqüentado pela nata da publicidade bras ileira. Era realizado em Buffalo, nos EUA, e somava pontos nos portfólios e salários de redatores e diretores de arte. Felizmente, não é mais necessário ir tão longe: existem ótimos cursos aqui no Brasil. Mudou-se, principalmente, a postura. A capacidade de criar, de inovar, foi reconhecida como inerente ao ser humano. Mas não estão longe os tempos em que a criatividade era considerada um dom, dádiva divina, privilégio de abençoados. O exercício desse dom era simplesmente delegado a uma espécie à parte: artistas plásticos, escritores, músicos, poetas. Depois, ingressaram no seleto clã cineastas e publicitários mas aqueles de uma área diferenciada, a criação. Com a mudança de postura, percebeu-se também que a utilização da criatividade é benéfica e fundamental em todas as esferas de atividade. Viu-se que, em empresas onde há espaço para a criatividade, esta reverte em desafios e em motivação para vencê-los, simplifica processos e traz inovações que resultam em maior produtividade. Ou seja, em lucro. Paulo Gaudêncio, em Vencer!, n o De acordo com o texto: 1. A criatividade faz parte do ser humano. 2. A criatividade encontra-se em certas áreas, como as artes e a publicidade. 3. A criatividade reverte em desafios e em motivos para vencê-los, resultando em lucro. É correto apenas o que se afirma em: A) 1 e 2. B) 1. C) 1 e 3. D) A palavra grifada no último parágrafo do texto acima refere-se a: A) empresa. B) espaço. C) inovação. D) criatividade. 40. As palavras que são acentuadas pela mesma regra são as da alternativa: A) idéia; lâmpada. B) táxi; pó. C) pôr; ônix. D) recíproco; técnico. 41. A alternativa em que o termo grifado está corretamente grafado é a: A) Porquê você não olha para mim quando fala comigo? B) Todos foram ao cinema afim de assistir ao filme de James Bond. C) Mal chegou à casa dos pais e já saiu. D) Estou aqui parado acerca de trinta minutos a sua espera. 42. A alternativa em que o adjetivo está incorretamente flexionado é: A) temporão? temporona. B) judeu? judia. C) capiau? capioa. D) ateu? atéia. 43. O verbo grifado não está na voz passiva na alternativa: A) As flores foram compradas na floricultura. B) Deram -se mal outra vez. C) Alugam-se casas. D) Vendem-se sorvetes caseiros. 8

9 44. Assinale a alternativa em que a colocação do pronome grifado não segue a norma culta da língua. A) Nunca te vi, sempre te amei. B) Vê-lo-ei assim que chegar ao escritório. C) Farei-lhe esse favor. D) Antonio ia casar-se com Maria, mas não deu certo. 45. Leia com atenção as orações abaixo. 1. Eleonora estava curiosa para saber a verdade. 2. O debate dos candidatos desagradou aos telespectadores. 3. Fui a cidade. Sobre elas, é correto dizer que: A) 1 tem erro de regência nominal, 2 não tem erro de regência verbal e 3 está incorreta em relação à crase. B) 1 não tem erro de regência nominal, 2 tem erro de regência verbal e 3 está correta em relação à crase. C) Todas estão corretas em relação à regência verbo-nominal e à crase. D) Todas estão incorretas em relação à regência verbo-nominal e à crase. 46. Um carregador empilhou caixas cúbicas no canto de uma parede de um armazém formando um paralelepípedo retângulo. Depois de alguns dias, ao voltar ao local, notou que o bloco de caixas empilhadas tinha o mesmo comprimento, largura e altura, mas algumas caixas foram retiradas, como se vê na figura abaixo. Então, o número de caixas retiradas é igual a: A) 49. B) 51. C) 47. D) A negação de: Francisco gosta de ler ou de passear, é: A) Francisco não gosta de ler ou não gosta de passear. B) Francisco gosta de ler e não gosta de passear. C) Francisco não gosta de ler e não gosta de passear. D) Francisco gosta de ler ou não gosta de passear. 48. Maria, Pedro e Antonio brincavam na rua e riscaram o carro de Francisco, que quis saber quem foi. - Fui eu, disse Pedro. - Foi Antonio, disse Maria. - Foi Pedro, disse Antonio. Sabendo-se que somente um dos três diz a verdade e que Francisco sabe que Pedro está mentindo, então: A) Pedro riscou o carro e está mentindo. B) Antonio riscou o carro e está mentindo. C) Antonio não riscou o carro e não está mentindo. D) Maria riscou o carro e está mentindo. 9

10 49. Três meninos Pedro, Mario e Luiz vestem camisas de cor vermelha, branca e azul, não necessariamente nessa ordem. Sendo somente uma das afirmações abaixo verdadeira: I. Pedro veste camisa vermelha. II. A camisa de Mario não é vermelha. III. A camisa de Luiz não é azul. Então Pedro, Mario e Luiz vestem respectivamente camisas de cor: A) azul, branca e vermelha. B) vermelha, azul e branca. C) branca, vermelha e azul. D) azul, vermelha e branca. 50. Considere as afirmações: I. Quando Rui está feliz, faz compras. II. Eduardo somente faz compras quando está feliz. III. Hugo jamais faz compras quando está feliz. Se os três fizeram compras hoje, podemos afirmar que: A) Talvez Eduardo não esteja feliz, mas com certeza Rui está feliz. B) Com certeza Hugo não está feliz e Eduardo está feliz. C) Rui, Eduardo e Hugo estão felizes. D) Com certeza Hugo está feliz e é possível que Rui esteja feliz. 10

Cód. 27 Analista de TIC II (Sistemas COBOL/DB2 e IMS)

Cód. 27 Analista de TIC II (Sistemas COBOL/DB2 e IMS) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 27 Analista de TIC II (Sistemas COBOL/DB2 e IMS) 1. Considerando um analista de

Leia mais

Cód. 42 Analista de TIC III (Sistemas.Net)

Cód. 42 Analista de TIC III (Sistemas.Net) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 42 Analista de TIC III (Sistemas.Net) 1. Considere as afirmações abaixo relativas

Leia mais

Cód. 44 Analista de TIC III (Sistemas JAVA)

Cód. 44 Analista de TIC III (Sistemas JAVA) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 44 Analista de TIC III (Sistemas JAVA) 1. Dado o seguinte código escrito na linguagem

Leia mais

Cód. 28 Analista de TIC II (Sistemas JAVA/PHP)

Cód. 28 Analista de TIC II (Sistemas JAVA/PHP) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 28 Analista de TIC II (Sistemas JAVA/PHP) 1. Dado o seguinte código escrito na

Leia mais

IDENTIFICATION DIVISION. PROGRAM-ID. XFATBVSN. AUTHOR. SAVIO GOMES. DATE-WRITTEN. AGO/07. DATE-COMPILED.

IDENTIFICATION DIVISION. PROGRAM-ID. XFATBVSN. AUTHOR. SAVIO GOMES. DATE-WRITTEN. AGO/07. DATE-COMPILED. IDENTIFICATION DIVISION. PROGRAM-ID. XFATBVSN. AUTHOR. SAVIO GOMES. DATE-WRITTEN. AGO/07. DATE-COMPILED. SISTEMA - SFAT. PROGRAMA - REALIZA A COMPOSICAO DAS RECEITAS DO MODELO 75, BUSCANDO OS VALORES (PRINCIPAL,

Leia mais

Cód. 30 Analista de TIC II (Telecomunicações e Rede)

Cód. 30 Analista de TIC II (Telecomunicações e Rede) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 30 Analista de TIC II (Telecomunicações e Rede) 1. O técnico em redes obteve acesso

Leia mais

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas Processamento e Otimização de Consultas Banco de Dados Motivação Consulta pode ter sua resposta computada por uma variedade de métodos (geralmente) Usuário (programador) sugere uma estratégia para achar

Leia mais

Cód. 39 Analista de TIC III (Programação Visual)

Cód. 39 Analista de TIC III (Programação Visual) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 39 Analista de TIC III (Programação Visual) 1. O sistema de cor RGB pode ser definido

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável.

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. SQL (Structured Query Language) SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. Além de permitir a realização de consultas, SQL possibilita: definição

Leia mais

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas:

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas: Álgebra Relacional Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída operação (REL 1 ) REL 2 operação (REL 1,REL 2 ) REL 3 Operações básicas: seleção projeção

Leia mais

NOME SEXO CPF NASCIMENTO SALARIO

NOME SEXO CPF NASCIMENTO SALARIO Tutorial SQL Fonte: http://www.devmedia.com.br/articles/viewcomp.asp?comp=2973 Para começar Os Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Relacionais (SGBDr) são o principal mecanismo de suporte ao armazenamento

Leia mais

Motivação. Aplicações precisam acessar o BD Linguagens BD X Linguagens Programação. paradigmas diferentes (impedance mismatch)

Motivação. Aplicações precisam acessar o BD Linguagens BD X Linguagens Programação. paradigmas diferentes (impedance mismatch) Sumário 1 Introdução ao Processamento de Consultas 2 Otimização de Consultas 3 Plano de Execução de Consultas 4 Introdução a Transações 5 Recuperação de Falhas 6 Controle de Concorrência 7 Fundamentos

Leia mais

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Manipulação de Dados Banco de Dados SQL DML SELECT... FROM... WHERE... lista atributos de uma ou mais tabelas de acordo com alguma condição INSERT INTO... insere dados em uma tabela DELETE

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Agenda Estrutura Básica de consultas SQL: A cláusula SELECT; A cláusula FROM; A cláusula WHERE. Operação com cadeias

Leia mais

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita:

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita: SQL Tópicos Especiais Modelagem de Dados Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

Leia mais

INE 5336. Banco de Dados II. Sumário

INE 5336. Banco de Dados II. Sumário INE 5336 Banco de Dados II Ronaldo S. Mello 2004/2 1 SQL Embutida Sumário 2 Processamento de Consultas 3 Introdução a Transações 4 Recuperação de Falhas 5 Controle de Concorrência 6 Banco de Dados Distribuído

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ARTEFATO 02 AT02 Diversos I 1 Indice ESQUEMAS NO BANCO DE DADOS... 3 CRIANDO SCHEMA... 3 CRIANDO TABELA EM DETERMINADO ESQUEMA... 4 NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CRIAÇÃO E MODIFICAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA RESUMO DE AULA CRIAÇÃO E MANIPULAÇÃO DO BANCO DE DADOS

Leia mais

FAPLAN - Faculdade Anhanguera Passo Fundo Gestão da Tecnologia da Informação Banco de Dados II Prof. Eder Pazinatto Stored Procedures Procedimento armazenados dentro do banco de dados Um Stored Procedure

Leia mais

Definida pelo American National Standard Institute (ANSI) em 1986

Definida pelo American National Standard Institute (ANSI) em 1986 2.3. Linguagens Relacionais SQL Structured Query Language Linguagem para o modelo relacional: Definida pelo American National Standard Institute (ANSI) em 1986 Adoptada em 1987 como um standard internacional

Leia mais

CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM

CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM 71 Introdução Difere dos níveis inferiores por ser implementado por tradução A tradução é usada quando um processador está disponível para uma mensagem fonte mas

Leia mais

Programação de Computadores III

Programação de Computadores III Programação de Computadores III Introdução a Linguagens de Programação Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2013.1/tcc-00.157

Leia mais

SQL comando SELECT. SELECT [DISTINCT] FROM [condição] [ ; ] Paulo Damico - MDK Informática Ltda.

SQL comando SELECT. SELECT [DISTINCT] <campos> FROM <tabela> [condição] [ ; ] Paulo Damico - MDK Informática Ltda. SQL comando SELECT Uma das tarefas mais requisitadas em qualquer banco de dados é obter uma listagem de registros armazenados. Estas tarefas são executadas pelo comando SELECT Sintaxe: SELECT [DISTINCT]

Leia mais

ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL. Carga horária: 32 Horas

ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL. Carga horária: 32 Horas ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL Carga horária: 32 Horas Pré-requisito: Para que os alunos possam aproveitar este treinamento ao máximo, é importante que eles tenham participado dos treinamentos

Leia mais

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com SQL Prof. Márcio Bueno {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com Material dos professores Ana Carolina Salgado, Fernando Foncesa e Valéria Times (CIn/UFPE) SQL SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta

Leia mais

SQL UMA ABORDAGEM INTERESSANTE

SQL UMA ABORDAGEM INTERESSANTE SQL é uma linguagem de consulta estruturada, do inglês Structured Query Language. É uma linguagem de pesquisa declarativa para banco de dados relacional (base de dados relacional). Muitas das características

Leia mais

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado Introdução à Engenharia da Computação Banco de Dados Professor Machado 1 Sistemas isolados Produção Vendas Compras Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Desvantagens:

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Conceitos básicos de algoritmos

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Conceitos básicos de algoritmos Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Conceitos básicos de algoritmos Prof. Renato Pimentel 1 Computação Dados Informações vindas de usuários ou de outras máquinas; Processamento transformação

Leia mais

SQL. Jacir de Oliveira, José Alencar Philereno. Faculdade de Informática de Taquara. Igrejinha - RS Brazil

SQL. Jacir de Oliveira, José Alencar Philereno. Faculdade de Informática de Taquara. Igrejinha - RS Brazil SQL Jacir de Oliveira, José Alencar Philereno Faculdade de Informática de Taquara Igrejinha - RS Brazil jacirdeoliveira@faccat.br, alencar@philler.com.br Resumo. Este artigo irá descrever a linguagem de

Leia mais

O dono de uma livraria cuja base de dados é administrada por si pediu-lhe para efectuar as seguintes alterações ao preço dos livros:

O dono de uma livraria cuja base de dados é administrada por si pediu-lhe para efectuar as seguintes alterações ao preço dos livros: - Necessidade O dono de uma livraria cuja base de dados é administrada por si pediu-lhe para efectuar as seguintes alterações ao preço dos livros: Os livros que custarem mais de 10, devem ver o seu preço

Leia mais

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL Criar uma base de dados (criar um banco de dados) No mysql: create database locadora; No postgresql: createdb locadora Criar

Leia mais

Uma expressão básica em SQL consiste em três cláusulas: select, from e where.

Uma expressão básica em SQL consiste em três cláusulas: select, from e where. Introdução a Banco de Dados O.K. Takai; I.C.Italiano; J.E. Ferreira. 67 8 A Linguagem SQL A linguagem SQL é um padrão de linguagem de consulta comercial que usa uma combinação de construtores em Álgebra

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício Introdução à Banco de Dados Nathalia Sautchuk Patrício Histórico Início da computação: dados guardados em arquivos de texto Problemas nesse modelo: redundância não-controlada de dados aplicações devem

Leia mais

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos Componentes do Computador e modelo de Von Neumann aula 3 Profa. Débora Matos O que difere nos componentes que constituem um computador? Princípios básicos Cada computador tem um conjunto de operações e

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Antonio

Banco de Dados. Prof. Antonio Banco de Dados Prof. Antonio SQL - Structured Query Language O que é SQL? A linguagem SQL (Structure query Language - Linguagem de Consulta Estruturada) é a linguagem padrão ANSI (American National Standards

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada (SQL)

Linguagem de Consulta Estruturada (SQL) Linguagem de Consulta Estruturada (SQL) Conceitos sobre a versão ANSI da SQL, a sublinguagem de definição de dados (DDL) e a sublinguagem de manipulação de dados (DML) Prof. Flavio Augusto C. Correia 1

Leia mais

Banco de Dados I Linguagem SQL Parte 2. Autor: Prof. Cláudio Baptista Adaptado por: Prof. Ricardo Antonello

Banco de Dados I Linguagem SQL Parte 2. Autor: Prof. Cláudio Baptista Adaptado por: Prof. Ricardo Antonello Banco de Dados I Linguagem SQL Parte 2 Autor: Prof. Cláudio Baptista Adaptado por: Prof. Ricardo Antonello Introdução Como vimos, um SGBD possui duas linguagens: DDL: Linguagem de Definição de Dados. Usada

Leia mais

Principais Instruções em SQL. Contidas nesta apostila as principais instruções em SQL para a manutenção em Bancos de Dados.

Principais Instruções em SQL. Contidas nesta apostila as principais instruções em SQL para a manutenção em Bancos de Dados. Principais Instruções em SQL Contidas nesta apostila as principais instruções em SQL para a manutenção em Bancos de Dados. Atenção: Esta apostila foi desenvolvida com o auxílio on-line do banco MS-ACCESS,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES (Teoria)

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES (Teoria) PC PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES (Teoria) Aula 01 Prof. Ricardo Veras (prof.rveras@gmail.com) ALGORITMOS "Seqüência ordenada de passos, que deve ser seguida para a realização de um tarefa" "Algoritmo é um

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08

Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08 Exercícios Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08 1. A linguagem SQL apresenta uma série de comandos que permitem a definição dos dados, chamada de DDL (Data Definition Language). Assinale a alternativa

Leia mais

Capítulo 4 A Linguagem SQL. Murilo Silva de Camargo

Capítulo 4 A Linguagem SQL. Murilo Silva de Camargo Capítulo 4 A Linguagem SQL Murilo Silva de Camargo 1 SQL - Structured Query Language Estrutura básica Operações de conjunto Funções agregadas Valores nulos Sob consultas aninhadas Relações derivadas Visões

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING http://www.uniriotec.br/~tanaka/tin0036 tanaka@uniriotec.br Bancos de Dados Distribuídos Processamento de Transações Ambiente com SGBD Distribuído Transações

Leia mais

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS 1. A Linguagem Access Basic. 2. Módulos e Procedimentos. 3. Usar o Access: 3.1. Criar uma Base de Dados: 3.1.1. Criar uma nova Base de Dados. 3.1.2. Criar

Leia mais

Unidade III - BD Relacional

Unidade III - BD Relacional Structured Query Language (SQL) Conceitos Iniciais Álgebra Relacional - muito formal Cálculo Relacional de Tupla SEQUEL (Structured English QUEry Language) IBM - Sistema R SQL-86 SQL-92 SQL-3 102 Structured

Leia mais

AutoLISP - IV Ambiente de programação Visual Lisp. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

AutoLISP - IV Ambiente de programação Visual Lisp. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca AutoLISP - IV Ambiente de programação Visual Lisp João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Ambiente de programação Visual Lisp O software Visual Lisp é um ambiente de programação para a linguagem

Leia mais

Parte II Introdução a Linguagens de Programação

Parte II Introdução a Linguagens de Programação Programação de Computadores III Aula 1 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-03.063 Roteiro da Aula

Leia mais

ALP Algoritmos e Programação. . Linguagens para Computadores

ALP Algoritmos e Programação. . Linguagens para Computadores ALP Algoritmos e Programação Iniciação aos computadores. Linguagens para Computadores. Compiladores, Interpretadores. Ambientes de Programação 1 Linguagens para Computadores. Linguagem binária: Dispositivos

Leia mais

Linguagem de Banco de Dados DML Exercícios

Linguagem de Banco de Dados DML Exercícios Linguagem de Banco de Dados DML Exercícios 1. A partir do modelo conceitual abaixo e das descrições das tabelas, crie o modelo físico e implanteo no banco de dados. 2. Acrescente os dados, conforme descrito

Leia mais

Acadêmica: Giselle Mafra Schlosser Orientador: Everaldo Artur Grahl

Acadêmica: Giselle Mafra Schlosser Orientador: Everaldo Artur Grahl AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO CÓDIGO FONTE ESCRITO EM PL/SQL Acadêmica: Giselle Mafra Schlosser Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML INTRODUÇÃO A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation

Leia mais

SQL DML. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

SQL DML. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados I SQL DML Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br SQL - DML Os exemplos da aula serão elaborados para o esquema de dados a seguir: Empregado(matricula, nome, endereco, salario, supervisor,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ARTEFATO 03 AT03 Diversos II Page 1 of 25 Indice EXEMPLOS COM GROUP BY E COM A CLÁUSULA HAVING - TOTALIZANDO DADOS... 3 GROUP BY... 3 Cláusula HAVING com GROUP BY... 5 ENTENDENDO

Leia mais

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características:

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características: Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br Conhecendo o NSBASIC para Palm Vitor Amadeu Vitor@cerne-tec.com.br 1. Introdução Iremos neste artigo abordar a programação em BASIC para o Palm OS. Para isso, precisaremos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida UFCD 787 Administração de base de dados Elsa Marisa S. Almeida 1 Objectivos Replicação de base de dados Gestão de transacções Cópias de segurança Importação e exportação de dados Elsa Marisa S. Almeida

Leia mais

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE BANCO DE DADOS II Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com eberton.marinho@ifrn.edu.br Curso de Tecnologia

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

FUNCTION ) RETURNS INTEGER AS $$ DECLARE

FUNCTION ) RETURNS INTEGER AS $$ DECLARE PERFORM O comando PERFORM permite a execução de um comando SELECT desprezando o resultado do comando. PERFORM query; A variável especial FOUND é definida como verdadeiro se a instrução produzir pelo menos

Leia mais

Banco de Dados. Otimização de consultas. Prof. Joao Eduardo Ferreira Prof. Osvaldo Kotaro Takai. Última atualização: 15 de maio de 2006

Banco de Dados. Otimização de consultas. Prof. Joao Eduardo Ferreira Prof. Osvaldo Kotaro Takai. Última atualização: 15 de maio de 2006 Banco de Dados Otimização de consultas Última atualização: 15 de maio de 2006 Prof. Joao Eduardo Ferreira Prof. Osvaldo Kotaro Takai Introdução Consulta em linguagem de alto nível Análise e validação Forma

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

LINGUAGEM SQL PARA CONSULTAS EM MICROSOFT ACCESS

LINGUAGEM SQL PARA CONSULTAS EM MICROSOFT ACCESS LINGUAGEM SQL PARA CSULTAS EM MICROSOFT ACCESS Objetivos: Neste tutorial serão apresentados os principais elementos da linguagem SQL (Structured Query Language). Serão apresentados diversos exemplos práticos

Leia mais

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante Banco de Dados 1 Programação sucinta do curso:. Conceitos fundamentais de Banco de Dados.. Arquitetura dos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD ou DBMS).. Características típicas de um SGBD..

Leia mais

Considerando-se a especificação de requisitos de um software, é INCORRETO afirmar que esse documento

Considerando-se a especificação de requisitos de um software, é INCORRETO afirmar que esse documento QUESTÕES DE TI QUESTÃO 16 Considerando-se o número de pontos de função para a estimativa do tamanho de um software, é INCORRETO afirmar que, na contagem de pontos, leva-se em consideração A) as compilações

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos Já estudamos anteriormente que os processadores funcionam (ou melhor, o seu hardware funciona) através de ordens simples e básicas,

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Banco de Dados Prof Dr Rogério Galante Negri Tradicionalmente O armazenamento dos dados utilizava arquivos individuais, sem nenhum relacionamento Cada programa utilizava seu próprio sistema de arquivo

Leia mais

1.264 Aula 7. Introdução ao SQL

1.264 Aula 7. Introdução ao SQL 1.264 Aula 7 Introdução ao SQL Linguagem Estruturada de Consulta (SQL) Aula 7 SELECT, INSERT, DELETE, UPDATE Junções Aula 8 Subconsultas Visões (tabelas virtuais) Índices Transações Segurança Desempenho

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

1 Lógica de Programação

1 Lógica de Programação 1 Lógica de Programação Técnicas de programação Programação Sequencial Programação Estruturada Programação Orientada a Eventos e Objectos 1.1 Lógica A lógica de programação é necessária para pessoas que

Leia mais

Módulo I: Processamento de Transações. (Aulas 1 e 2) Clodis Boscarioli

Módulo I: Processamento de Transações. (Aulas 1 e 2) Clodis Boscarioli Módulo I: Processamento de Transações (Aulas 1 e 2) Clodis Boscarioli Agenda: Introdução: Apresentação da disciplina; Leitura do Plano de Ensino; Conceito de transação; Estados de uma transação; Teoria

Leia mais

Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados

Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados Objectivos: Funções de agregação Agrupamento e sumário de dados Funções de agregação Nesta tarefa orientada iremos formular consultas que sumariam os

Leia mais

CICS Resumo. Acerca deste resumo: Introdução (1-2) Arquitectura (3-4)

CICS Resumo. Acerca deste resumo: Introdução (1-2) Arquitectura (3-4) CICS Resumo Acerca deste resumo: Este é o resumo da matéria estudada para apresentar o sistema IBM CICS, o monitor transaccional mais utilizado. Cada secção diz respeito a um conjunto de acetatos que são

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II BANCO DE DADOS II AULA 3 Linguagem SQL Linguagem de manipulação de dados (DML) DISCIPLINA: Banco de

Leia mais

Word e Excel. Marque Certo ou Errado

Word e Excel. Marque Certo ou Errado A figura acima mostra uma janela do Word 2002, com um texto em processo de edição. Nesse texto, a expressão União Européia é o único trecho formatado como negrito e a palavra continente está selecionada.

Leia mais

SQL. Ambientes de programação O catálogo do sistema. Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática

SQL. Ambientes de programação O catálogo do sistema. Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática SQL Ambientes de programação O catálogo do sistema Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática SQL Usar SQL em aplicações Nas aplicações que acedem a bases e dados as instruções

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação

Introdução à Lógica de Programação Introdução à Lógica de Programação Sistemas Numéricos As informações inseridas em um computador são traduzidos em dados, ou seja, em sinais que podem ser manipulados pelo computador. O computador trabalha

Leia mais

Processamento e Otimização de Consultas

Processamento e Otimização de Consultas Introdução Processamento e Banco de Dados II Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM 1 Processamento

Leia mais

Logado no OracleXE vamos acessar a opção:

Logado no OracleXE vamos acessar a opção: Tutorial PL/SQL O PL/SQL é uma linguagem procedural que roda diretamente no núcleo do SGBD Oracle. O objetivo deste tutorial é mostrar a criação de funções e procedimentos em PL/SQL, interagindo com comandos

Leia mais

RESPOSTA AO RECURSO. 11110011+00010001 = 100000100 que corresponde a 260 decimal, alternativa A.

RESPOSTA AO RECURSO. 11110011+00010001 = 100000100 que corresponde a 260 decimal, alternativa A. QUESTÃO: 12 Na questão 12 referente a conhecimentos específicos da área de "Informática: Banco de dados e programação" 11110011+00010001 = 100000100 que corresponde a 260 decimal, alternativa A. RESPOSTA:

Leia mais

Histórico de revisões

Histórico de revisões Apostila 3 Histórico de revisões Data Versão Descrição Autor 30/09/2011 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr CONTEÚDO Exclusão de registros Consultas por Dados de Resumo Group by / Having Funções

Leia mais

Autor: DST Latin America Software

Autor: DST Latin America Software Cobol Autor: DST Latin America Software Software DTS Latin America Apostila de Cobol Básico http://www.mundocobol.com Página: 2(57) Índice Introdução 3 Explanação de um fonte Cobol 4 Área de numeração

Leia mais

SQL: Uma Linguagem de Consulta

SQL: Uma Linguagem de Consulta SQL: Uma Linguagem de Consulta 1 Exemplos ilustrativos Considere, como exemplos, as seguintes relações: R1 sid bid day 22 101 10/10/96 58 103 11/12/96 Se a chave para a relacão de Reservas (R1) contivesse

Leia mais

SQL: Uma Linguagem de Consulta. Database Management Systems, R. Ramakrishnan (tradução, autorizada, de Anna & Mario Nascimento)

SQL: Uma Linguagem de Consulta. Database Management Systems, R. Ramakrishnan (tradução, autorizada, de Anna & Mario Nascimento) SQL: Uma Linguagem de Consulta 1 Exemplos ilustrativos Considere, como exemplos, as seguintes relações: R1 sid bid day 22 101 10/10/96 58 103 11/12/96 Se a chave para a relacão de Reservas (R1) contivesse

Leia mais

Organização de Computadores

Organização de Computadores Organização de Computadores SUMÁRIO Arquitetura e organização de computadores Hardware Software SUMÁRIO Arquitetura e organização de computadores Terminologia básica Hardware Software Arquitetura e organização

Leia mais

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Básico de Computadores Computador: dispositivos físicos + programas Dispositivos físicos: hardware Programas: as instruções que dizem aos dispositivos

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

SISDEB SISTEMA de DÉBITO ELETRÔNICO ITAÚ

SISDEB SISTEMA de DÉBITO ELETRÔNICO ITAÚ SISDEB SISTEMA de DÉBITO ELETRÔNICO ITAÚ Intercâmbio Eletrônico de Arquivos Layout de Arquivos CNAB150 Versão 4.0 Índice 1. Noções Básicas...3 1.1 Apresentação...3 1.2 Sistema de Débito Eletrônico Itaú...3

Leia mais

Introdução ao SQL Avançado

Introdução ao SQL Avançado Introdução ao SQL Avançado Introdução as consultas, manipulação e a filtragem de dados com a linguagem SQL Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão

Leia mais

Introdução ao SQL. Aécio Costa

Introdução ao SQL. Aécio Costa Aécio Costa A linguagem SQL é um padrão de linguagem de consulta comercial e possui as seguintes partes: Linguagem de definição de dados (DDL) Linguagem interativa de manipulação de dados (DML) Definição

Leia mais

Cód. 40 Analista de TIC III (Projetos)

Cód. 40 Analista de TIC III (Projetos) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 40 Analista de TIC III (Projetos) 1. Em uma organização orientada a projetos,

Leia mais

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Adriano Pereira Maranhão 1 REVISÃO BANCO DE DADOS I O que é banco de dados? Ou seja afinal o que é um SGBD? REVISÃO BD I REVISÃO DE BD I Um Sistema de Gerenciamento de

Leia mais

Principais Comandos SQL Usados no MySql

Principais Comandos SQL Usados no MySql Principais Comandos SQL Usados no MySql O que é um SGBD? Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (como no Brasil) ou Sistema Gestor de Base de Dados (SGBD) é o conjunto de programas de computador (softwares)

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Tarefa Orientada 16 Vistas

Tarefa Orientada 16 Vistas Tarefa Orientada 16 Vistas Objectivos: Vistas só de leitura Vistas de manipulação de dados Uma vista consiste numa instrução de SELECT que é armazenada como um objecto na base de dados. Deste modo, um

Leia mais