Cód. 42 Analista de TIC III (Sistemas.Net)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cód. 42 Analista de TIC III (Sistemas.Net)"

Transcrição

1 EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 42 Analista de TIC III (Sistemas.Net) 1. Considere as afirmações abaixo relativas à arquitetura.net. I. Em.NET, a compilação consiste na tradução de código-fonte em uma linguagem intermediária. II. Em tempo de execução, a CPU executa as instruções diretamente em linguagem intermediária. III. Uma montagem (assembly) pode ser convertida em linguagem de máquina antes da execução. Assinale a alternativa que indica as afirmações verdadeiras: A) II e III, apenas. B) Todas. C) I e II, apenas. D) I e III, apenas. 2. Considerando montagens (assemblies), na arquitetura.net, não é verdade que: A) podem opcionalmente conter um manifesto, que descreve suas partes. B) podem conter recursos como arquivos.jpg ou.png. C) estão contidas em um único arquivo, com extensão.dll ou.exe. D) contêm informações de versão relativa ao Runtime. 3. A plataforma.net introduz uma nova forma de isolamento de aplicações. Dentro de um, um ou vários podem executar código gerenciado de forma independente um do outro. A) processo / domínios de aplicação (application domain) B) thread de execução / domínios de rede C) processo / threads de execução D) domínio de aplicação (application domain) / processos 4. O Runtime.NET usa um compilador em tempo de execução (JIT compiler). Sobre esse mecanismo, pode-se afirmar que: A) traduz código-fonte em uma linguagem.net para linguagem intermediária, para interpretação da CPU. B) traduz instruções em linguagem intermediária para instruções de máquina específicas para a CPU em uso. C) é fornecido em uma única versão, que abrange todas as arquiteturas de CPU atuais. D) apresenta, como desvantagem, desempenho inferior ao de um interpretador de linguagem dinâmica. 5. Assinale a alternativa que indica as afirmações corretas a respeito da biblioteca básica de classes (BCL): I. É implementada inteiramente em código gerenciado.net. II. É organizada em namespaces. III. Tem como propósito apresentar ao desenvolvedor funcionalidades não presentes no sistema operacional. A) somente I e II. B) somente I e III. C) I, II e III. D) somente II. 1

2 6. Considerando um analista de sistemas empregando um banco de dados relacional, não é desejável que todos os usuários vejam o modelo lógico como um todo. Considerações sobre segurança podem exigir que determinados dados não estejam disponíveis para alguns usuários. Qualquer relação que não faça parte do modelo lógico, mas seja visível para o usuário como uma relação, é chamada. A) derivada / visão B) lógica / junção C) virtual / visão D) derivada / junção 7. Assinale a alternativa incorreta. A) Um sistema de banco de dados relacional precisa garantir a execução apropriada das transações a despeito de falhas ou a transação é executada por completo ou nenhuma parte dela é executada. Para assegurar a integridade dos dados, exigimos que o sistema de banco de dados mantenha determinadas propriedades, que são chamadas freqüentemente de propriedades ITAC. B) Num sistema de banco de dados relacional com arquitetura distribuída, se desejamos garantir a atomicidade, todos os sites envolvidos na execução de uma transação devem concordar com o término da transação. Para assegurar que isso ocorra, o coordenador da transação precisa executar um protocolo de efetivação. Entre os mais simples e mais utilizados protocolos de efetivação está o Two-phase commit. C) Dicionário de dados é uma listagem organizada de todas as informações que são pertinentes ao sistema, com definições precisas e rigorosas, de forma que tanto o usuário como o analista de sistemas tenham uma compreensão comum das entradas, das saídas, dos componentes dos depósitos de dados e dos cálculos intermediários. D) Em um sistema de banco de dados relacional, um dicionário de dados é um arquivo de metadados. 8. Na UML, os diagramas de caso de uso: A) tem como foco a ordem temporal das mensagens. B) tem como foco a organização estrutural dos objetos que enviam e recebem mensagens. C) organizam os comportamentos do sistema. D) são ferramentas de representação gráfica de um determinado algoritmo computacional. 9. Numa aplicação que emprega um banco de dados relacional, considere a seguinte consulta SQL: EXEC SQL DECLARE TRAB CURSOR FOR SELECT CLIENTE, ENDERECO FROM TABELA1, TABELA2 WHERE TABELA1.CLIENTE = TABELA2.CLIENTE END_EXEC Na expressão anterior, podemos usar a variável TRAB para identificar a consulta no comando, que, com o processamento da consulta, e dentro do comando, determina os valores de uma tupla que serão colocados em variáveis da linguagem host. A) select / cursor B) open / fetch C) prepare / execute D) using / search 10. Assinale a alternativa incorreta. A) Uma maneira de definir o projeto físico de dados em OO é através da definição de classes, atributos e operações em um Sistema Gerenciador de Banco de Dados. A localização de instâncias de objetos sob esses bancos de dados é feita por intermédio de OID ou identificadores de objetos. B) Em um projeto de implementação de programas ou classes sob um projeto orientado a objetos, uma assinatura da operação ou classe serve para identificar que parâmetros são recebidos em cada protótipo de interface das classes e que valores são retornados. C) O fluxo de processos de negócio que serão suportados pelo sistema são observáveis através de um diagrama de seqüência. D) Classes abstratas são definidas para expandir e melhorar a especificação de classes com o uso de agregação. 2

3 11. Assinale a alternativa incorreta. A) Um método de uma classe é uma operação contendo a lógica e o código que descrevem o seu comportamento. B) Um diagrama de implantação na Análise OO contém um esquema de interligação entre os componentes de software e arquitetura de hardware que será utilizada pelo sistema. C) Para mapear um modelo de classes que será implementado na forma de tabelas em um SGBD Relacional, uma possível solução seria armazenar cada composição de classes como uma tabela e implantar as propriedades da classe em programas. D) Uma agregação ou associação na Orientação a Objetos indica como é feita a composição entre dois objetos relacionados de modo todo/parte. 12. Assinale a alternativa incorreta. A) A análise e a definição de requisitos funcionais de um software através dos métodos de Análise OO é feita com a elaboração de diagramas de casos de uso, seqüência e colaboração. B) Na UML, o diagrama que mostra a interdependência entre módulos, funções e blocos de códigos de programa, seja em tempo de compilação, link-edição seja em run-time é o diagrama de classes. C) Na UML, o diagrama que mostra as possíveis interações das entidades externas ao sistema em torno dos objetos, de forma que os vínculos entre si são mostrados em uma enumeração de mensagens é o diagrama de colaboração. D) Na UML, o elemento conhecido como um pacote serve para organizar elementos de modelo em grupos, os quais estão fortemente coesos ou aninhados por uma mesma categoria de classes. 13. Considere as afirmações abaixo. I. A Especificação Funcional do Sistema deve descrever o que se espera que o sistema faça sem a preocupação de como ele faz. II. A Especificação Funcional do Sistema só deverá ser entregue ao cliente ao final do projeto. III. A fase de Análise de Requisitos não tem nenhuma influência sobre a Especificação Funcional do Sistema. São verdadeiras: A) somente a III. B) somente I e II. C) somente a I. D) somente I e III. 14. Umas das formas mais recomendadas para se descrever requisitos funcionais é a utilização de: A) diagramas de casos de uso. B) diagrama de entidades e relacionamentos. C) algoritmos. D) MER. 15. Diagramas de casos de uso descrevem as interações entre o sistema e seus: A) analistas. B) atores. C) projetistas. D) subsistemas. 16. Na plataforma.net, independente da linguagem na qual foi escrito nosso programa, ao compilá-lo geramos um código em: A) CTS. B) JIT. C) BCL. D) MSIL. 17. Uma linguagem de programação, mesmo que de terceiros, para que seja compatível com a plataforma.net, deverá seguir as regras da: A) CTS. B) MSIL. C) CLS. D) BCL. 3

4 18. Analise as afirmações abaixo em relação à plataforma.net. I. Um assembly é uma unidade lógica de código. II. Um assembly nunca poderá conter mais de um arquivo. III. O assembly manisfest é a informação que o assembly contém sobre si mesmo. São verdadeiras: A) somente I e III. B) I, II e III. C) somente a II. D) somente a III. 19. Na linguagem VB.Net, usando a funcionalidade My em um projeto web, teremos acesso a objetos relevantes a esse tipo de aplicação, por exemplo: A) My.Application.Info, My.Forms, My.WebServices. B) My.User, My.WebServices, My.Forms. C) My.Application.Log, My.Log, My.Response. D) My.Computer.Network, My.Response, My.Request. 20. Em ADO.NET, dados de um banco de dados podem ser acessados de forma seqüencial, através de objetos, ou alocados em objetos, em memória temporária. A) DataReader / DataAdapter B) DbCommand / DataSet C) DataSet / DataReader D) DataReader / DataTable 21. Na linguagem VB.Net, a keyword ByVal, na definição de um parâmetro em uma função, especifica que: A) a variável recebida pode ser modificada, mas seu valor não será persistido. B) a variável só recebe objetos de tipos de valor. C) a variável recebida não pode ser modificada pela rotina. D) a variável tem um valor-padrão pré-estabelecido. 22. Considerando o seguinte bloco na linguagem VB.Net: Dim a As Integer = 1 While a < 2 Dim a As Integer = 3 a = a + 1 End While Console.WriteLine(a) Ao executarmos esse programa, podemos afirmar que: A) o programa não irá rodar, com erro de compilação, por referência ambígua a variável. B) o programa não irá rodar, com erro de compilação, por redefinição de variável. C) o programa irá rodar e exibir o valor 2. D) o programa irá rodar e exibir o valor Na linguagem VB.Net, a finalidade de um bloco Finally, ao final de um bloco Try, é a de: A) executar código incondicionalmente ao final das instruções testadas. B) executar código no caso das instruções testadas serem executadas sem erro. C) executar código ao ocorrer erro nas instruções testadas. D) criar um novo teste na sequência do teste anterior. 24. São consideradas ferramentas Lower CASE e Upper CASE, respectivamente: A) Geradores de código e/ou aplicações (como Genexus, COOL:Gen, Pacbase e Telon) e Ambientes de Modelagem/Diagramação (como ERWin, Rational Ros e, Enterprise Architect e ArgoUML). B) Ambientes de Modelagem/Diagramação (como ERWin, Rational Rose, Enterprise Architect e ArgoUML) e Geradores de código e/ou aplicações (como Genexus, COOL:Gen, Pacbase e Telon). C) Ambientes de Modelagem/Diagramação (como Genexus, COOL:Gen, Pacbase e Telon) e Geradores de código e/ou aplicações (como ERWin, Rational Rose, Enterprise Architect e ArgoUML). D) Geradores de código e/ou aplicações (como ERWin, Rational Rose, Enterprise Architect e ArgoUML) e Ambientes de Modelagem/Diagramação (como Genexus, COOL:Gen, Pacbase e Telon). 4

5 25. Existem diferentes categorias de ferramentas CASE que atuam em diversos pontos de um ciclo de desenvolvimento de software. São exemplos dessas categorias: A) automatizadores de testes, ambientes de gestão de configuração, compiladores e ambientes de modelagem. B) automatizadores de testes, ambientes de gestão de configuração, geradores de código e ambientes de modelagem. C) automatizadores de testes, ambientes de gestão de configuração, geradores de código e depuradores de código. D) automatizadores de testes, geradores de código, compiladores e depuradores de código. 26. Considere a linguagem C# para as afirmações abaixo. I. Umas das principais deficiências da linguagem C# é não possuir o Coletor de Lixo (Garbage Collection) que fornece gerenciamento automático de memória. II. C# não permite interoperabilidade com XML e SOAP. III. C# é uma nova linguagem de programação, da Plataforma.NET, derivada de C/C++, simples, moderna, orientada a objetos e fortemente tipada (type-safe). São verdadeiras: A) somente II e III. B) somente a I. C) somente a III. D) somente I e II. 27. Considerando o programa abaixo, escrito na linguagem C#: using System; class Hello{ public static void Main(){ ("Hello World!!!"); Para que seja exibida a mensagem Hello World!!! após a compilação e execução do programa, a lacuna deve ser preenchida com: A) System.out.prinln. B) System.show. C) Console.type. D) Console.WriteLine. 28. Considerando o programa abaixo, escrito na linguagem C#: class Teste{ public static void Main(){ int x; long y = 10; x=(int)y; O recurso utilizado pela linha x=(int)y; no programa acima, escrito em C# foi o de: A) casting. B) conversão implícita. C) potenciação. D) interação. 5

6 29. Considerando o programa abaixo, escrito na linguagem C#: using System; class Sequencia{ public static void Main(){ int ivezes = 9; int[] iseq = new int[ivezes]; iseq[0] = 1; if(ivezes > 1){ iseq[1] = 1; for(int a=2; a < ivezes; ++a) iseq[a] = iseq[a-1] + iseq[a-2]; for(int a=0; a < ivezes; ++a){ Console.Write(iSeq[a]); Console.Write(" "); No programa, a seqüência de números exibida será: A) B) C) D) Na linguagem C#, os operadores são utilizados na maioria das expressões para execução de cálculos. Numa expressão, eles podem produzir resultados fora da faixa de valores. Nesse caso, uma exceção como é gerada. A) aritméticos / NumberFaultException. B) aritméticos / OverflowException. C) numéricos / SizeMismatchException D) numéricos / TypeClashException 31. A contagem de pontos de função é uma das alternativas para se medir a produtividade de software. O número total de pontos de função é calculado medindo-se ou estimando-se as seguintes características do programa: A) entradas e saídas externas, interações com o usuário, interfaces externas e arquivos utilizados pelo programa. B) quantidade de loops, quantidade de variáveis globais e locais, declarações de estruturas de dados e quantidade de instruções close existentes no programa. C) quantidade de instanciação de objetos, quantidade de variáveis globais e locais, declarações de estruturas de dados e arquivos utilizados pelo programa. D) quantidade de chamadas de funções construtoras, declarações de estruturas de dados e quantidade de loops existentes no programa. 32. A característica, introduzida a partir da versão 9i do Banco de Dados Oracle, possibilita a recuperação de visões dos dados em algum ponto no passado. A) OLDER QUERY B) ANCIENT QUERY C) OLDEST QUERY D) FLASHBACK QUERY 6

7 33. O Oracle Recovery Manager (RMAN) é uma ferramenta que nos permite automatizar e simplificar os procedimentos de e de um Banco de Dados Oracle. A) virtualização e recuperação B) instanciação e compilação C) backup e recuperação D) backup e virtualização 34. Das afirmações abaixo: I. O Banco de Dados Oracle 11g, em sua edição Standard Edition One, tem o tamanho do banco de dados limitado a 4GB. II. O Banco de Dados Oracle 11g está disponível em três edições: Standard Edition One, Standard Edition e Enterprise Edition. III. O Banco de Dados Oracle 11g, em sua edição Enterprise Edition, não possui limite para o tamanho do banco de dados. São verdadeiras: A) somente I e III. B) somente a I. C) somente II e III. D) somente I e II. 35. A ferramenta permite o gerenciamento e a monitoração dos aplicativos e sistemas baseados no conjunto Oracle, por meio de um único console integrado. A) RMAN B) ENTERPRISE MANAGER C) OFFICE MANAGER D) ENTERPRISE MONITOR 36. Com relação ao MER, considere as afirmações abaixo. I. É um modelo conceitual de dados de alto nível, freqüentemente usado para o projeto conceitual de aplicações de bases de dados. II. Baseia-se na percepção de um universo constituído por um grupo básico de objetos chamados entidades e por relacionamentos entre eles. III. Na sua concepção, só devemos considerar entidades concretas. São verdadeiras: A) somente I e II. B) somente I e III. C) somente a I. D) somente II e III. 37. Um padrão para desenvolvimento de aplicações com múltiplas camadas é: A) CUN. B) QAN. C) FPT. D) MVC. Esse negócio de criatividade só existe em sua imaginação Não é de hoje que a criatividade é tema de estudos, discussões e treinamentos. Já na década de 1970 havia um curso, muito freqüentado pela nata da publicidade brasileira. Era realizado em Buffalo, nos EUA, e somava pontos nos portfólios e salários de redatores e diretores de arte. Felizmente, não é mais necessário ir tão longe: existem ótimos cursos aqui no Brasil. Mudou-se, principalmente, a postura. A capacidade de criar, de inovar, foi reconhecida como inerente ao ser humano. Mas não estão longe os tempos em que a criatividade era considerada um dom, dádiva divina, privilégio de abençoados. O exercício desse dom era simplesmente delegado a uma espécie à parte: artistas plásticos, escritores, músicos, poetas. Depois, ingressaram no seleto clã cineastas e publicitários mas aqueles de uma área diferenciada, a criação. Com a mudança de postura, percebeu-se também que a utilização da criatividade é benéfica e fundamental em todas as esferas de atividade. Viu-se que, em empresas onde há espaço para a criatividade, esta reverte em desafios e em motivação para vencê-los, simplifica processos e traz inovações que resultam em maior produtividade. Ou seja, em lucro. Paulo Gaudêncio, em Vencer!, n o 54. 7

8 38. De acordo com o texto: 1. A criatividade faz parte do ser humano. 2. A criatividade encontra-se em certas áreas, como as artes e a publicidade. 3. A criatividade reverte em desafios e em motivos para vencê-los, resultando em lucro. É correto apenas o que se afirma em: A) 1 e 2. B) 1. C) 1 e 3. D) A palavra grifada no último parágrafo do texto acima refere-se a: A) empresa. B) espaço. C) inovação. D) criatividade. 40. As palavras que são acentuadas pela mesma regra são as da alternativa: A) idéia; lâmpada. B) táxi; pó. C) pôr; ônix. D) recíproco; técnico. 41. A alternativa em que o termo grifado está corretamente grafado é a: A) Porquê você não olha para mim quando fala comigo? B) Todos foram ao cinema afim de assistir ao filme de James Bond. C) Mal chegou à casa dos pais e já saiu. D) Estou aqui parado acerca de trinta minutos a sua espera. 42. A alternativa em que o adjetivo está incorretamente flexionado é: A) temporão? temporona. B) judeu? judia. C) capiau? capioa. D) ateu? atéia. 43. O verbo grifado não está na voz passiva na alternativa: A) As flores foram compradas na floricultura. B) Deram -se mal outra vez. C) Alugam-se casas. D) Vendem-se sorvetes caseiros. 44. Assinale a alternativa em que a colocação do pronome grifado não segue a norm a culta da língua. A) Nunca te vi, sempre te amei. B) Vê-lo-ei assim que chegar ao escritório. C) Farei-lhe esse favor. D) Antonio ia casar-se com Maria, mas não deu certo. 45. Leia com atenção as orações abaixo. 1. Eleonora estava curiosa para saber a verdade. 2. O debate dos candidatos desagradou aos telespectadores. 3. Fui a cidade. Sobre elas, é correto dizer que: A) 1 tem erro de regência nominal, 2 não tem erro de regência verbal e 3 está incorreta em relação à crase. B) 1 não tem erro de regência nominal, 2 tem erro de regência verbal e 3 está correta em relação à crase. C) Todas estão corretas em relação à regência verbo-nominal e à crase. D) Todas estão incorretas em relação à regência verbo-nominal e à crase. 8

9 46. Um carregador empilhou caixas cúbicas no canto de uma parede de um arm azém formando um paralelepípedo retângulo. Depois de alguns dias, ao voltar ao local, notou que o bloco de caixas empilhadas tinha o mesmo comprimento, largura e altura, mas algumas caixas foram retiradas, como se vê na figura abaixo. Então, o número de caixas retiradas é igual a: A) 49. B) 51. C) 47. D) A negação de: Francisco gosta de ler ou de passear, é: A) Francisco não gosta de ler ou não gosta de passear. B) Francisco gosta de ler e não gosta de passear. C) Francisco não gosta de ler e não gosta de passear. D) Francisco gosta de ler ou não gosta de passear. 48. Maria, Pedro e Antonio brincavam na rua e riscaram o carro de Francisco, que quis saber quem foi. - Fui eu, disse Pedro. - Foi Antonio, disse Maria. - Foi Pedro, disse Antonio. Sabendo-se que somente um dos três diz a verdade e que Francisco sabe que Pedro está mentindo, então: A) Pedro riscou o carro e está mentindo. B) Antonio riscou o carro e está mentindo. C) Antonio não riscou o carro e não está mentindo. D) Maria riscou o carro e está mentindo. 49. Três meninos Pedro, Mario e Luiz vestem camisas de cor vermelha, branca e azul, não necessariamente nessa ordem. Sendo somente uma das afirmações abaixo verdadeira: I. Pedro veste camisa vermelha. II. A camisa de Mario não é vermelha. III. A camisa de Luiz não é azul. Então Pedro, Mario e Luiz vestem respectivamente camisas de cor: A) azul, branca e vermelha. B) vermelha, azul e branca. C) branca, vermelha e azul. D) azul, vermelha e branca. 9

10 50. Considere as afirmações: I. Quando Rui está feliz, faz compras. II. Eduardo somente faz compras quando está feliz. III. Hugo jamais faz compras quando está feliz. Se os três fizeram compras hoje, podemos afirmar que: A) Talvez Eduardo não esteja feliz, mas com certeza Rui está feliz. B) Com certeza Hugo não está feliz e Eduardo está feliz. C) Rui, Eduardo e Hugo estão felizes. D) Com certeza Hugo está feliz e é possível que Rui esteja feliz. 10

Cód. 36 Analista de TIC III (Programação.Net/VB.Net)

Cód. 36 Analista de TIC III (Programação.Net/VB.Net) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 36 Analista de TIC III (Programação.Net/VB.Net) 1. Considere as afirmações abaixo,

Leia mais

Cód. 27 Analista de TIC II (Sistemas COBOL/DB2 e IMS)

Cód. 27 Analista de TIC II (Sistemas COBOL/DB2 e IMS) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 27 Analista de TIC II (Sistemas COBOL/DB2 e IMS) 1. Considerando um analista de

Leia mais

Cód. 31 Analista de TIC III (Arquiteto.Net)

Cód. 31 Analista de TIC III (Arquiteto.Net) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 31 Analista de TIC III (Arquiteto.Net) 1. Considere as afirmações abaixo, relativas

Leia mais

Fundament n os s da platafo f rm r a. NE N T André Menegassi

Fundament n os s da platafo f rm r a. NE N T André Menegassi Fundamentos da plataforma.net André Menegassi O que é o.net Framework?.NET é uma plataforma de software para desenvolvimento de aplicações que conecta informações, sistemas, pessoas e dispositivos através

Leia mais

Cód. 37 Analista de TIC III (Programação COBOL/DB2 e IMS)

Cód. 37 Analista de TIC III (Programação COBOL/DB2 e IMS) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 37 Analista de TIC III (Programação COBOL/DB2 e IMS) 1. Numa aplicação que emprega

Leia mais

Introdução ao C# . Visão geral do.net Framework

Introdução ao C# . Visão geral do.net Framework Introdução ao C# Microsoft.NET (comumente conhecido por.net Framework - em inglês: dotnet) é uma iniciativa da empresa Microsoft, que visa uma plataforma única para desenvolvimento e execução de sistemas

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

Cód. 28 Analista de TIC II (Sistemas JAVA/PHP)

Cód. 28 Analista de TIC II (Sistemas JAVA/PHP) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 28 Analista de TIC II (Sistemas JAVA/PHP) 1. Dado o seguinte código escrito na

Leia mais

Cód. 44 Analista de TIC III (Sistemas JAVA)

Cód. 44 Analista de TIC III (Sistemas JAVA) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 44 Analista de TIC III (Sistemas JAVA) 1. Dado o seguinte código escrito na linguagem

Leia mais

Linguagens de. Aula 02. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br

Linguagens de. Aula 02. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagens de Programação III Aula 02 Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagens de Programação Técnica de comunicação padronizada para enviar instruções a um computador. Assim

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Cód. 30 Analista de TIC II (Telecomunicações e Rede)

Cód. 30 Analista de TIC II (Telecomunicações e Rede) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 30 Analista de TIC II (Telecomunicações e Rede) 1. O técnico em redes obteve acesso

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software O software é algo abstrato, pois são as instruções que quando executadas atingem o propósito desejado no sistema computacional. (Algoritmo). As principais características são: Complexidade:

Leia mais

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas Processamento e Otimização de Consultas Banco de Dados Motivação Consulta pode ter sua resposta computada por uma variedade de métodos (geralmente) Usuário (programador) sugere uma estratégia para achar

Leia mais

? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase.

? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase. ? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase.? Desde de 1994, a Microsoft lança versões do SQL SERVER

Leia mais

ASP.NET. Guia do Desenvolvedor. Felipe Cembranelli. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

ASP.NET. Guia do Desenvolvedor. Felipe Cembranelli. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br ASP.NET Guia do Desenvolvedor Felipe Cembranelli Novatec Editora www.novateceditora.com.br 1 Introdução à plataforma.net A plataforma Microsoft.NET.NET é uma nova plataforma de software para desenvolvimento

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE AULA 1

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE AULA 1 DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE AULA 1 CAMPUS SANTO ANDRÉ CELSO CANDIDO SEMESTRE 2014 1 Características da Plataforma.NET A plataforma.net Framework 4.0 (.NET 4.0) é uma plataforma de softwares que fornece

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Willian Magalhães 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

Informática para Gestão de Negócios Linguagem de Programação III. Prof. Me. Henrique Dezani dezani@fatecriopreto.edu.br. Agenda

Informática para Gestão de Negócios Linguagem de Programação III. Prof. Me. Henrique Dezani dezani@fatecriopreto.edu.br. Agenda Informática para Gestão de Negócios Linguagem de Programação III Prof. Me. Henrique Dezani dezani@fatecriopreto.edu.br Professor Apresentação Agenda Ementa, Objetivo, Conteúdo Programático, Bibliografia,

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

Treinamento. DBA Oracle 11g. Duração: 120 horas

Treinamento. DBA Oracle 11g. Duração: 120 horas Treinamento DBA Oracle 11g Duração: 120 horas Neste curso no primeiro módulo (Introdução ao Oracle 11g SQL e PL_SQL) é oferecido um curso introdutório à tecnologia do banco de dados Oracle 11g. Também

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados

Fundamentos de Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados SISTEMAS BASEADOS NO PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS Sistema A Funcionário Pagamento Cargo Sistema B Funcionário Projeto SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS (SGBD) Sistema

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS Prof. Ronaldo R. Goldschmidt Hierarquia Dado - Informação - Conhecimento: Dados são fatos com significado implícito. Podem ser armazenados. Dados Processamento Informação

Leia mais

Programando em C# Orientado a Objetos. By: Maromo

Programando em C# Orientado a Objetos. By: Maromo Programando em C# Orientado a Objetos By: Maromo Agenda Módulo 1 Plataforma.Net. Linguagem de Programação C#. Tipos primitivos, comandos de controle. Exercícios de Fixação. Introdução O modelo de programação

Leia mais

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante Banco de Dados 1 Programação sucinta do curso:. Conceitos fundamentais de Banco de Dados.. Arquitetura dos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD ou DBMS).. Características típicas de um SGBD..

Leia mais

Cód. 39 Analista de TIC III (Programação Visual)

Cód. 39 Analista de TIC III (Programação Visual) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 39 Analista de TIC III (Programação Visual) 1. O sistema de cor RGB pode ser definido

Leia mais

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I Roteiro Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos Programação Orientada a Objetos Universidade Católica de Pernambuco Ciência da Computação Prof. Márcio Bueno poonoite@marciobueno.com Fonte: Material da Profª Karina Oliveira Introdução ao Paradigma OO

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

08/04/2013. Agenda. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ

08/04/2013. Agenda. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ Agenda Caché Server Pages Uma Aplicação Banco de Dados Fernando Fonseca Ana Carolina Salgado Mestrado Profissional 2 SGBD de alto desempenho e escalabilidade Servidor de dados multidimensional Arquitetura

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1.

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1. Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística Prof. Andre Zanki Cordenonsi Versao 1.0 Março de 2008 Tópicos Abordados Conceitos sobre Banco

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Processos I: Threads, virtualização e comunicação via protocolos Prof. MSc. Hugo Souza Nesta primeira parte sobre os Processos Distribuídos iremos abordar: Processos e a comunicação

Leia mais

Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C#

Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C# Linguagem de Programação 3 Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C# Prof. Mauro Lopes 1-31 35 Objetivos Nesta aula iremos apresentar a tecnologia.net, o ambiente de desenvolvimento

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Adriano Pereira Maranhão 1 REVISÃO BANCO DE DADOS I O que é banco de dados? Ou seja afinal o que é um SGBD? REVISÃO BD I REVISÃO DE BD I Um Sistema de Gerenciamento de

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial 1 of 14 27/01/2014 17:33 Sistema de Paginação de Esportes Universitários Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Histórico da Revisão Data 30 de novembro de 1999 Versão Descrição Autor 1.0 Versão

Leia mais

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs 1 Bancos de Dados - Introdução Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br Tópicos Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos Conceitual Lógico Características de SGBDs 2 Evolução tempo Programas e

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico Banco de Dados // 1 Banco de Dados // 2 Conceitos BásicosB Engenharia da Computação UNIVASF BANCO DE DADOS Aula 1 Introdução a Banco de Dados Campo representação informatizada de um dado real / menor unidade

Leia mais

Introdução à Linguagem Java

Introdução à Linguagem Java Introdução à Linguagem Java Histórico: Início da década de 90. Pequeno grupo de projetos da Sun Microsystems, denominado Green. Criar uma nova geração de computadores portáveis, capazes de se comunicar

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 4 SUPORTE AO SISTEMA OPERACIONAL Prof. Luiz Gustavo A. Martins Sistema Operacional (S.O.) Programa responsável por: Gerenciar os recursos do computador. Controlar a execução

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br LP II Estrutura de Dados Introdução e Linguagem C Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br Resumo da aula Considerações Gerais Introdução a Linguagem C Variáveis e C Tipos de

Leia mais

Linguagem de Programação Orientada a Objeto. Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres

Linguagem de Programação Orientada a Objeto. Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres Linguagem de Programação Orientada a Objeto Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres Introdução a Orientação a Objetos No mundo real, tudo é objeto!; Os objetos se relacionam entre si

Leia mais

PHP Profissional. Alexandre Altair de Melo Mauricio G. F. Nascimento

PHP Profissional. Alexandre Altair de Melo Mauricio G. F. Nascimento PHP Profissional APRENDA A DESENVOLVER SISTEMAS PROFISSIONAIS ORIENTADOS A OBJETOS COM PADRÕES DE PROJETO Alexandre Altair de Melo Mauricio G. F. Nascimento Novatec Sumário Agradecimentos...13 Sobre os

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Curso: Sistemas de Informação Arquitetura de Software Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 3 Introdução à Arquitetura de Software (continuação)

Leia mais

A Linguagem Algorítmica Estrutura de Repetição. Ex. 2

A Linguagem Algorítmica Estrutura de Repetição. Ex. 2 Estrutura de Repetição. Ex. 2 A ESTRUTURA Enquanto faça{} É MELHOR UTILIZADA PARA SITUAÇÕES ONDE O TESTE DE CONDIÇÃO (V OU F) PRECISA SER VERIFICADO NO INÍCIO DA ESTRUTURA DE REPETIÇÃO.

Leia mais

SQL. Ambientes de programação O catálogo do sistema. Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática

SQL. Ambientes de programação O catálogo do sistema. Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática SQL Ambientes de programação O catálogo do sistema Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática SQL Usar SQL em aplicações Nas aplicações que acedem a bases e dados as instruções

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Outubro de 2007 Resumo Este white paper explica a função do Forefront Server

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

Java Laboratório Aula 1. Divisões da Plataforma. Introdução a Plataforma Java. Visão geral da arquitetura da

Java Laboratório Aula 1. Divisões da Plataforma. Introdução a Plataforma Java. Visão geral da arquitetura da Java Laboratório Aula 1 Programação orientada a objetos Profa. Renata e Cristiane Introdução a Plataforma Java O que é Java? Tecnologia Linguagem de Programação Ambiente de Execução (JVM) Tudo isso é a

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS EM JAVA*

PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS EM JAVA* PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS EM JAVA* Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR Fev/2014 *Adaptado de PACHECO, R C S & RIEKE, R N INE UFSC Disponível em: http://wwwstelaufscbr/~pacheco/dsoo/htm/downloadshtm

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Introdução ao Visual Studio VB.Net. Programação Estruturada. Prof. Celso Candido ADS / REDES / ENGENHARIA

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Introdução ao Visual Studio VB.Net. Programação Estruturada. Prof. Celso Candido ADS / REDES / ENGENHARIA Introdução ao Visual Studio VB.Net Programação Estruturada 1 Nesse momento inicial não iremos programar em VB.Net, usando o Visual Studio, mas conhecer alguns comandos e variáveis usadas em uma linguagem

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

EMENTA DO CURSO. Tópicos:

EMENTA DO CURSO. Tópicos: EMENTA DO CURSO O Curso Preparatório para a Certificação Oracle Certified Professional, Java SE 6 Programmer (Java Básico) será dividido em 2 módulos e deverá ter os seguintes objetivos e conter os seguintes

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular Plano de Ensino Plano de Ensino Apresentação da Unidade Curricular o Funcionamento, arquitetura e conceitos fundamentais dos bancos de dados relacionais e objeto relacionais. Utilização de linguagem DDL

Leia mais

Principais características

Principais características .Net Framework O que é.net? Proprietário da Microsoft Versão simplificada para Linux Versão compacta para dispositivos móveis Plataforma de desenvolvimento e execução Interface com usuário, conectividade

Leia mais

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER Objetivo dessa aula é descrever as características e a simbologia dos diagramas UML e MER na modelagem de sistemas de informação de uma forma a permitir a comunicação entre técnicos e gestores. Modelagem

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em BD Modelagem de Dados Aula 01 Revisão Modelos de Dados Existem modelos para diferentes níveis de abstração de representação de dados modelos conceituais modelos lógicos

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Documento de Projeto de Software

Documento de Projeto de Software Documento de Projeto de Software Projeto: Vídeo Locadora Passatempo Versão: 1.0 Responsável: Ricardo de Almeida Falbo 1. Introdução Este documento apresenta o documento de projeto (design) do sistema de

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software.

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software. Processos de Software Objetivos Apresentar os modelos de processo de software Conjunto coerente de atividades para especificar, projetar, implementar e testar s de software Descrever os diferentes modelos

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. 1 PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. FUNDAMENTOS Dados Representação de fatos, conceitos ou instruções de maneira formalizada; Informação Significado que pessoas associam

Leia mais

Pacote de gerenciamento do Backup Exec 2014 para Microsoft SCOM. Guia do Usuário do Pacote de Gerenciamento do Microsoft SCOM

Pacote de gerenciamento do Backup Exec 2014 para Microsoft SCOM. Guia do Usuário do Pacote de Gerenciamento do Microsoft SCOM Pacote de gerenciamento do Backup Exec 2014 para Microsoft SCOM Guia do Usuário do Pacote de Gerenciamento do Microsoft SCOM Pacote de gerenciamento do Microsoft Operations Este documento contém os seguintes

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

Modelos. Comunicação com clientes

Modelos. Comunicação com clientes Material baseado nas notas de aula: Maria Luiza M. Campos IME/2005 Carlos Heuser - livro Projeto de Banco de Dados CasaNova / PUC/RJ Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com Sistemas de Informação Brasília/DF

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de:

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de: i Sumário 1 Introdução 1 1.1 Linguagens....................................... 1 1.2 O que é um Compilador?................................ 2 1.3 Processadores de Programas: Compiladores, Interpretadores

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados -

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados - Banco de Dados Aula 02 Modelagem de Dados Roteiro Definição Evolução Projeto de BD Abstração Esquema e Instância Definição É uma representação, normalmente gráfica, de estruturas de dados reais. Auxilia

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados 1. Conceitos Básicos No contexto de sistemas de banco de dados as palavras dado e informação possuem o mesmo significado, representando uma

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado)

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) SISTEMA INTERNO INTEGRADO PARA CONTROLE DE TAREFAS INTERNAS DE UMA EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PADI 2015/16. Aula 1 Introdução à Plataforma.NET

PADI 2015/16. Aula 1 Introdução à Plataforma.NET PADI 2015/16 Aula 1 Introdução à Plataforma.NET 1 Sumário 1. Framework.NET Arquitectura 2. Linguagem C# 2.0 Sintaxe C# vs. Java vs. C++ 3. IDE: MS Visual Studio 2005 ou superior Ferramentas Console/Win

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Online Help StruxureWare Data Center Expert

Online Help StruxureWare Data Center Expert Online Help StruxureWare Data Center Expert Version 7.2.7 Appliance virtual do StruxureWare Data Center Expert O servidor do StruxureWare Data Center Expert 7.2 está agora disponível como um appliance

Leia mais

Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem

Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem Luiz Cláudio Hogrefe Orientador: Prof. Roberto Heinzle, Doutor Roteiro Introdução Fundamentação teórica

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

Documento de Projeto de Sistema

Documento de Projeto de Sistema Documento de Projeto de Sistema 1 IFES / Serra Projeto: Gerenciador de Pelada - Oasis Registro de Alterações: Versão Responsável Data Alterações 0.1 Eduardo Rigamonte, Geann Valfré, João Paulo Miranda,

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Motivação. Aplicações precisam acessar o BD Linguagens BD X Linguagens Programação. paradigmas diferentes (impedance mismatch)

Motivação. Aplicações precisam acessar o BD Linguagens BD X Linguagens Programação. paradigmas diferentes (impedance mismatch) Sumário 1 Introdução ao Processamento de Consultas 2 Otimização de Consultas 3 Plano de Execução de Consultas 4 Introdução a Transações 5 Recuperação de Falhas 6 Controle de Concorrência 7 Fundamentos

Leia mais

Introdução a Java. Hélder Nunes

Introdução a Java. Hélder Nunes Introdução a Java Hélder Nunes 2 Exercício de Fixação Os 4 elementos básicos da OO são os objetos, as classes, os atributos e os métodos. A orientação a objetos consiste em considerar os sistemas computacionais

Leia mais

Programação com Acesso a Banco de Dados

Programação com Acesso a Banco de Dados Campus Ipanguaçu Curso: Técnico em Informática Programação com Acesso a Banco de Dados AULA 17 ACESSO A BANCO DE DADOS COM JDBC PROF.: CLAYTON M. COSTA 2 011.2 Introdução Aplicação + Banco de Dados: Funcionalidade

Leia mais