PHP: CONCEITOS ESSENCIAIS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE APLICAÇÕES WEB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PHP: CONCEITOS ESSENCIAIS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE APLICAÇÕES WEB"

Transcrição

1 PHP: CONCEITOS ESSENCIAIS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE APLICAÇÕES WEB Leonardo L. Alves A, Fabricio R. Bittencout B FUNCESI Fundação Comunitária de Ensino Superior de Itabira FATEC Faculdade Itabirana de Desenvolvimento das Ciências e Tecnologias s: Resumo Este trabalho objetiva proporcionar aos graduandos do curso de Sistemas de Informação o conhecimento necessário para otimizar pesquisas e aprendizado sobre o desenvolvimento de aplicações web, através da linguagem de programação PHP, a qual se caracteriza como a alternativa open-source dentre as linguagens interpretadas. São apresentados a estrutura de um programa PHP e os tipos de dados suportados pela linguagem e discutidos os principais operadores e estruturas de controle. É explicado ainda o funcionamento de um servidor www e como se pode programar suas respostas através do desenvolvimento de aplicações remotas embutidas em arquivos HTML. 1.Introdução Em conseqüência da expansão da Internet, interconexão entre diferentes ambientes de redes e reaproveitamento de máquinas e sistemas operacionais antigos, a arquitetura web tem adquirido grande relevância e criado demandas e desafios para o desenvolvimento de programas em Internet e intranets das corporações. As intranets, por sua vez, possuem conceitos idênticos aos da Internet, se utilizando de ferramentas e protocolos de comunicação similares. O seu escopo, porém, diferentemente do que ocorre na Internet, é permitir a troca de dados apenas entre computadores de uma mesma rede local, normalmente, mesmo que esteja ligada a rede pública de computadores, a Internet [6]. A camada multimídia da Internet é a WWW World Wide Web ou simplesmente Web, a qual é fornecida pelo protocolo HTTP Hypertext Transfer Protocol ou Protocolo de Transferência de Hipertexto e permite a troca de documentos, imagens e outros recursos web de forma transparente em relação ao computador-servidor [1]. Um recurso web é acessado por um programa-cliente, isto é, utilizado pelo usuário. O programa-cliente, normalmente conhecido como navegador ou browser (folheador), acessa os recursos através de um esquema de endereçamento uniforme conhecido como URL Uniform Resource Locator no formato protocolo://endereço_ip:porta/diretorios/arquivo [11]. A Bacharelando em Sistemas de Informação pela FATEC/Funcesi. B Mestrando pelo PPGEE - Programa de Pós Graduação em Engenharia Elétrica da PUC-MG, Professor da FATEC e FACCI na FUNCESI.

2 O servidor é responsável por servir os recursos web e o faz simplesmente enviando os arquivos disponíveis ao programa-cliente, logo que recebe uma requisição, assim como aponta a figura 1.1. Existem porém duas classes de aplicações web. A primeira delas chamada de client-side, ou local, sendo executada no computador-cliente, responsável pela requisição de um recurso web. Na figura 1.1 observa-se um processo client-side sendo executado sem qualquer conexão com sistemas computacionais externos. Figura 1.1: Programa client-side A segunda classe de aplicações web são executadas pelo servidor para o qual foi realizada uma requisição de recurso www. Nesse caso, o recurso é denominado recurso-dinâmico, e o servidor é totalmente responsável pelo processamento de dados e o redirecionamento da saída para o computador-cliente, o qual por sua vez, conforme demonstrado na figura 1.2, não tem acesso aos processos e dados de origem. Figura 1.2: Programa server-side Inúmeros ambientes computacionais foram criados para possibilitar o desenvolvimento de programas dessa segunda classe ou server-side, normalmente em linguagens de programação existentes e interpretadas no momento da requisição. Dentre os mais populares foram

3 consideradas o VB-Script e ASP.NET, linguagens de programação restritas à arquitetura Microsoft e normalmente implementadas em Visual Basic ou C# [9]; Java Servlets Pages (JSP), criada pela Sun, baseada na linguagem Java e independente de sistema operacional; e PHP, a qual é a única a contar com um interpretador open-source gratuito e com códigofonte aberto suportado por variados sistemas operacionais e servidores http. O PHP, objeto deste trabalho, foi um conjunto de aplicações desenvolvidas em linguagem Perl, por Rasmus Lerdof em 1995, com o simples propósito de criar interações entre usuários de Internet e sites nos quais era instalado. Somente após 1997, através da contribuição de outras pessoas ao projeto, PHP tornou-se uma linguagem de programação, chegando à versão 4 em 2000 com todos os atributos abordados nesse documento, e presente em mais de 20% dos domínios públicos na Internet [8]. O conhecimento prévio da linguagem C++ é desejável, mas o presente artigo deve servir como introdução à PHP mesmo àqueles que não saibam programar nessa linguagem. Este tutorial está organizado sobre a seguinte estrutura: no ítem 2 é exposto o que pode ser feito em PHP, os principais formatos de saída de dados e o suporte a protocolos de rede e extensões. No ítem 3 é apresentada a estrutura de um script e os recursos essenciais para a construção de aplicações web, como os tipos de dados usados, conversões de tipos, uso de variáveis, principais operadores e estruturas de controle, criação de funções e entrada e saída de dados. 2.O que pode ser feito em PHP Por ser uma linguagem interpretada de script no servidor www, criada exclusivamente para a Internet, PHP tem atributos que flexibilizam o desenvolvimento de páginas dinâmicas, com saída de dados em formatos como página de marcação HTML, animação em Flash, imagens, textos formatados em PDF e RTF, geradas dinamicamente através de informações recebidas do computador-cliente, armazenados em disco ou existentes em um banco-de-dados. Figura 2.1: Arquitetura PHP 4

4 Entre a aplicação e o programa-cliente, um navegador normalmente, além da tradicional troca de informações por meio de formulários HTML, há também o envio e recebimento de cookies C e o recebimento de parâmetros na própria URL em tempo de requisição [11]. Na figura 2.1 observamos a existência de cinco camadas em um servidor de scripts web PHP. A primeira, web server, é a responsável por servir recursos web reais diretamente do disco rígido ou virtuais após processamento de um script. A camada SAPI fornece a interface entre o interpretador e o servidor web. A terceira camada, denominada PHP Core, é o núcleo onde são processados os scripts, a qual, ligada à Zend Core, quarta camada, abre processos de extensões através de uma API, a quinta camada, de extensões externas ao PHP e até mesmo ao computador onde está instalado. A integração a sistemas gerenciadores de banco-de-dados (SGBD) é facilitada por rotinas existentes nas bibliotecas padrões do interpretador, executadas na camada Zend Core via API, com suporte a linguagem SQL e suporte especial aos SGBDs Oracle, MySQL, MiniSQL, MSQL, SQL Server, Interbase, entre outros. Adicionalmente, pela organização distribuída e multiplataforma da Internet, o suporte a outros protocolos também é oferecido através da quinta camada, tornando um programa em PHP capaz de se conectar a servidores de envio e recebimento de s, de bate-papo, www, ftp e outros [8]. 3.Estrutura de um programa PHP Um script PHP é um conjunto de uma ou mais instruções seguidas por ; em um ou mais blocos delimitados por, indicando o início, e, o término do bloco. 3.1Um script PHP No exemplo é apresentado um código PHP inserido em um arquivo HTML. A requisição deste arquivo, o qual obrigatoriamente deve possuir a extensão.php, faz com que o mesmo seja processado pelo interpretador PHP e resulte o recurso HTML do exemplo 3.1.2, enviado ao programa-cliente, como explicado no ítem 2. Exemplo 3.1.1: Script PHP embutido em código HTML (exemplo.php) <html> <body> <h1>conteúdo em HTML</h1> <p>1ª linha<br> 2ª linha<br> </p> <h1>conteúdo em HTML gerado pelo PHP</h1> <p> // Início do PHP // Comentário: C Pequeno arquivo texto armazenado no computador-cliente e acessado remotamente pela aplicação que o gravou.

5 // De 1 até 2 contados em $num faça o comando em seguida for ($num = 1; $num <= 2; $num++) echo $num. ª linha<br>\n ; /* Comentário: Imprime o valor de $num, o texto ª linha e uma quebra de linha */ // Fim do PHP </p> </body> </html> Os comentários presentes no script podem ter uma linha, quando iniciados por // ou tamanho intedeterminado quando iniciados por /* e finalizados por */. Ambos são úteis para a documentação do código e não são exibidos no recurso web após o processamento. Exemplo 3.1.2: Recurso HTML gerado após o arquivo exemplo.php ser processado Conteúdo em HTML 1ª linha 2ª linha Conteúdo em HTML gerado pelo PHP 1ª linha 2ª linha O resultado presente no exemplo seria exibido no programa-cliente sem diferença entre o trecho integralmente escrito em HTML e o produto do script processado. 3.2Tipos de dados A linguagem suporta oito tipos primitivos de dados, compostos por quatro tipos básicos: boolean, para true (verdadeiro) ou false (falso); integer ou int, números inteiros; float, número com ponto-flutuante; string, para um ou mais caracteres. Dois tipos compostos:

6 array, vetor multidimensional abstrato, através do qual se pode construir listas, filas, pilhas, dicionários e outras construções similares; objeto, o qual sempre carrega a instância de um objeto. Dois tipos especiais: resource, existente a partir da versão 4 da linguagem, usada para referenciar recursos externos; null, o qual é atribuido a toda variável apagada, não carregada ou após uma atribuição da constante null. Um nono tipo mixed é usado em declarações de protótipos, determinando que mais de um tipo de retorno é esperado ou mais de um tipo de parâmetro pode ser usado. A tipagem de identificadores em PHP é realizada dinamicamente, sendo possível atribuir qualquer valor a variáveis previamente alocadas, sendo o interpretador PHP responsável pelas alterações, até mesmo em situações de overflow. Apenas valores do tipo string são identificados de forma diferenciada, devendo ser agrupados entre aspas ( ) ou apóstrofos ( ). Transformação de tipos Conceitualmente, há pelo menos duas formas de conversão de variáveis para tipos diferentes. A primeira delas, chamada coerção, é uma conversão de tipo implícita iniciada pelo interpretador [12]. A segunda, chamada cast, consiste em conversões explícitas de tipo solicitadas pelo programador. A coerção livre presente na PHP também dificulta a identificação de erros, mas favorece o trabalho de programação, sendo o programador dispensado de se preocupar com as conversões, conforme demonstrado no exemplo Exemplo 3.2.1: Coerção livre $a = palavras ; /* a variável $a terá o valor 17 */ O typecast, como demonstrado no exemplo e igualmente ao da linguagem C++, é aplicado através da escrita do tipo antes de uma atribuição, forçando a conversão do tipo do valor atribuido.

7 Exemplo 3.2.2: Typecast $a = 45.3; /* variável $a recebe 45,3 */ $a = (int) $a; /* variável $a recebe 45 */ No exemplo 3.2.2, a variável $a é convertida para o tipo inteiro, mas para o mesmo trabalho, adicionalmente, há uma função chamada settype, a qual poderia ser usada como no exemplo Exemplo 3.2.3: Função settype settype($a,integer); Identificadores As variáveis, as quais não precisam ser declaradas, são alocadas simplesmente através da atribuição de um valor ao identificador ainda não usado, sempre antecedido pelo símbolo $. As constantes, todavia, possuem um comportamento diferenciado, devendo ser declaradas pela função define, e sendo referenciadas sem o $, assim como no exemplo Exemplo 3.2.4: Atribuição e uso de constante define( pi,3.1415); /* pi deve estar entre aspas, mas seu valor numérico não */ $circunferencia = 2 * pi * $raio; /* já como constante, pi é usado sem aspas e $ */ 3.3Operadores Em PHP há inúmeros operadores não tradicionais em outras linguagens de programação, como operadores de controle de erro, execução e de fusão de vetores. No presente tutorial serão tratados apenas os operadores com funções mais comuns. Aritméticos As operações de adição, subtração, divisão, multiplicação e módulo são executadas através dos símbolos +, -, /, * e %, respectivamente, como no exemplo Exemplo 3.3.1: Operadores em expressões aritméticas

8 $c = $a + $b; /* soma */ $c = $a - $b; /* subtração */ $c = $a / $b; /* quociente real */ $c = $a * $b; /* produto */ $c = $a % $b; /* resto da divisão */ /* alteração de ordem de precedência através dos parênteses A expressão irá somar, multiplicar e encontrar o resto da divisão, nessa ordem. */ $c = ($a + $b) * $d % 4; Relacionais As comparações entre operandos quaisquer são idênticas às possíveis em C++, realizadas pelos operadores >, >=, ==,!=, <=, <; respectivamente maior que, maior ou igual a, igual a, diferente de, menor ou igual a, menor que. O retorno das expressões será sempre TRUE ou diferente de 0 quando verdadeiras, ou FALSE ou 0, quando falsas. Concatenação A cisão de cadeias de caracteres se dá pelo operador. (ponto) ou.= (ponto e igual), como no exemplo Exemplo 3.3.2: Concatenação de strings $c = Linguagem. PHP ; /* retorna Linguagem PHP */ $c = Funcesi ; /* Atribui Funcesi à variável $c */ $c.= /Itabira ; /* retorna Funcesi/Itabira e atribui à variável $c */ Atribuição A atribuição é realizada a identificadores com o operador =, podendo ocorrer em qualquer ponto do programa ou mesmo dentro de outras estruturas. Exemplo 3.3.3: Atribuição simples

9 $c = 4; /* atribui o inteiro 4 */ $c = 2.5; /* atribui o real 2,5 */ $c = texto ; /* atribui a string texto */ Em função de as variáveis serem tipadas dinamicamente, todas as atribuições do exemplo são possíveis, para o mesmo identificador. Outros operadores de atribuição são +=, -=, *=, /=, %=,.=, para atribuir recursivamente, ou seja, atribuir ao identificador esquerdo o seu conteúdo atual somando com o próximo, subtraindo, multiplicando, dividindo por, obtendo o resto da divisão por, ou concatenando, segundo o operador que anteceder o símbolo =. Algumas dessas operações são mostradas no exemplo Exemplo 3.3.4: Atribuições combinadas $cont += 1; // Corresponde a $cont = $cont + 1 $multiplo *= 3; // Corresponde a $multiplo = $multiplo * 3 Lógicos Os operadores lógicos são and, &&, or,, xor e!, exibidos no exemplo Exemplo 3.3.5: Operadores lógicos $a and $b /* verdadeiro se ambos, $a e $b, são verdadeiros */ $a && $b /* idem */ $a or $b /* verdadeiro se $a ou $b é verdadeiro, ou se ambos são verdadeiros */ $a $b /* idem */ $a xor $b /* verdadeiro se $a ou $b é verdadeiro, mas não os dois são verdadeiros */!$a /* verdadeiro quando $a não for verdadeiro */ Incremento e decremento Os populares operadores de incremento e decremento da linguagem C, ++ e --, também foram herdados pelo PHP, com a mesma sintaxe, resultando em um incremento de 1 ou decremento de 1, com ordem de execução priorizada quando pré-fixados. O exemplo apresenta demonstrações.

10 Exemplo 3.3.6: Incremento e decremento 0 $a = $cont++; /* $a recebe o valor de $cont, e $cont é incrementada */ $a = ++$cont; /* $cont é incrementada e então $a recebe o novo valor de $cont */ $b = $tarefa--; /* $b recebe o valor de $tarefa, e $tarefa é decrementada */ $b = --$tarefa; /* $tarefa é decrementada e então $b recebe o novo valor de $tarefa */ 3.4Estruturas de controle As estruturas de controle foram mantidas inalteradas em relação às do C/C++, as quais respeitam todas as regras e exceções do padrão ANSI C. Seleção Duas estruturas de seleção são oferecidas. O tradicional if e a estrutura switch-case. Exemplo 3.4.1: Estrutura condicional if if ($i == 0) print 'Minha variável é igual a zero'; elseif ($i == 1) print 'Minha variável é igual a um'; elseif ($i == 2) print 'Minha variável é igual a dois'; else { print 'Minha variável é diferente de '; /* bloco demarcado */ print '0, 1 e 2'; /* por chaves { e } */ } Apresentada no exemplo 3.4.1, a estrutura if sempre avalia sua expressão ($i == 1, por exemplo) como booleano. Em caso de verdadeiro, as instruções seguintes são executadas; caso falso, instrução elseif ou else são procuradas. É interessante notar, entretanto, que falso em PHP pode ser o booleano false, o inteiro 0, o real 0.0, uma string vazia ou 0, um null, uma variável indefinida ou um array ou objeto sem elementos. Qualquer valor diferente dos citados, inclusive o booleano true, equivale ao estado verdadeiro [8]. A estrutura switch-case, com a mesma função, possui sintaxe como no exemplo Exemplo 3.4.2: Estrutura condicional switch

11 switch ($i) { case 0: print 'Minha variável é igual a zero'; break; case 1: print 'Minha variável é igual a um'; break; case 2: print 'Minha variável é igual a dois'; break; else: print 'Minha variável é diferente de '; print '0, 1 e 2'; break; /* break força o término do bloco switch */ } 1 Repetição Há quatro estruturas de repetição mais populares em PHP: while, do-while, for e foreach. O while é um laço de repetição lógico, o qual é executado enquanto sua condição é verdadeira, como é demonstrado no exemplo Exemplo 3.4.3: Exemplo de uma repetição while $i = 1; /* $i é inicializado com valor 1 */ while ($i <=10) /* enquanto $i for menor ou igual a 10 faça */ { print Linha $i++\n ; /* imprima o valor de $i. Incremente em seguida. */ echo <br> ; } /* imprime uma quebra de linha em HTML */ O do-while, diferentemente da estrutura while, executa pelo menos uma iteração, obrigatoriamente, realizando o teste pela primeira vez ao fim da mesma, e repetindo enquanto a condição for verdadeira. O exemplo demonstra sua construção. Exemplo 3.4.4: Exemplo de uma repetição do... while $i = 0; // $i recebe o valor zero do { // inicia o bloco do {... } while print Linha ++$i\n ; // incrementa $i e imprime o texto echo <br> ; // imprime uma quebra de linha em HTML } while ($i < 10); // faz outra iteração enquanto for verdadeiro O for, por sua vez, possui três parâmetros opcionais: um de inicialização, outro para a condição e o terceiro para execução antes de cada nova iteração. O código é ilustrado no exemplo

12 Exemplo 3.4.5: Exemplo de uma repetição for 2 /* $i = 1 é executada no início; $i <= 10 é avaliada no início de cada iteração; $i++ é avaliada ao fim de cada iteração */ for ($i = 1; $i <= 10; $i++) { print Linha $i\n ; /* imprime o texto Linha, a variável $i e quebra a linha */ echo <br> ; /* imprime quebra de linha em HTML */ } A repetição foreach, finalmente, é usada exclusivamente para o trabalho com vetores, objetivando copiar chaves e valores de uma posição do vetor, até o seu fim, para outra variável. Este recurso é útil particularmente em PHP quando se tem um vetor de dimensão variável, suportado apenas a partir de sua versão 4 e demonstrado no exemplo Exemplo 3.4.6: Exemplo de uma repetição foreach $vetor = array (1,7,18,44,99); /* cria e carrega $vetor */ /* copia o primeiro valor de $vetor para $parte */ foreach ($vetor as $parte) { echo Valor: $parte \n ; /* imprime $parte e retorna até o fim de $vetor*/ } 3.5Funções e procedimentos Por recursos na web serem arquivos isolados, muitas vezes é possível criar programas ou páginas dinâmicas simples, isto é, sem o uso de funções ou procedimentos. Entretanto, o suporte a funções é muito útil na formação de bibliotecas e para a passagem segura de parâmetros dentro de um recurso. Funções são declaradas como no exemplo Exemplo 3.5.1: Declaração de função function nomedafunc($aluno, $disciplina = 'Compiladores') { echo "O aluno ". $aluno. " estuda ". $disciplina; return "valor de retorno"; } Com suporte a parâmetros padronizados, como é o caso do parâmetro $disciplina, ilustrado em 3.5.1, sempre ao final, e dispensa de declaração do tipo do retorno, dada a coerção livre presente na linguagem, seu funcionamento é idêntico ao de funções ou

13 procedimentos em outras linguagens e o retorno pode ocorrer dentro de estruturas, saídas, parâmetros de outras funções e mesmo em expressões aritméticas, por exemplo. Ainda, por sua ortogonalidade superior à de linguagens de programação tradicionais, qualquer tipo de dado pode ser retornado de uma função, inclusive vetores e registros Entrada e saída A saída, possível através das funções echo e print, assim como no exemplo 3.1.1, é redirecionada para o recurso virtual acessado pelo programa-cliente, podendo ser som, imagem, animação, filme, texto ou outro formato. A entrada, seja através de formulário, presente em URL ou até mesmo em um cookie, é realizada de maneira transparente pelo interpretador PHP, que a converte em uma variável global, a qual pode ser alterada sem qualquer prejuízo de tempo, nem a possibilidade de causar danos ao programa responsável pela requisição ou envio de dados. A independência entre os mecanismos de entrada e o programa criam condições satisfatórias para um rápido desenvolvimento, causando entretanto possíveis problemas de segurança e privacidade dos dados trocados, o que, aliado à ortogonalidade da linguagem e a coerção livre, garante uma redução considerável no nível de segurança, possibilitando a execução de instruções prejudiciais e causando erros na transferência de dados de tipo incorreto a servidores de banco-de-dados e outras aplicações de mais baixo nível. 4.Conclusão Pela extensão da linguagem de programação PHP, variantes de versão, diferenciais entre suas estruturas e as de outras linguagens de programação populares, é tarefa complexa concluir um estudo sobre suas características. É conclusivo, porém, que o sucesso do PHP se deve a facilidade de escrita, simplificação da implementação do código, alto grau de ortogonalidade, livre coerção o que dispensa o programador dos constantes tratamentos de entradas e saídas e conversão de tipos (texto para numérico, e vice-versa), muito comuns no ambiente web, integração com linguagens de programação e ou formatação, como o próprio HTML, e especialmente o suporte às mídias e aos serviços mais populares na Internet. Os aspectos custo, minimizado pela distribuição gratuita dos pacotes, código-livre e portabilidade entre as principais arquiteturas de servidores web usadas no mundo, influenciam diretamente em sua escolha por desenvolvedores e administradores de páginas. Todavia, preocupante em toda aplicação onde se obtêm informações digitadas diretamente por usuários on-line, o controle das entradas, quebras em programas e abertura a invasões é possível com facilidade quando o desenvolvedor atribui baixa relevância aos testes e avaliações da segurança.

14 Por ser uma linguagem de programação exclusivamente interpretada, perde em desempenho para as aplicações CGI compiladas em C, as mais populares, porém garantindo maior facilidade de atualização e reutilização de código entre os módulos ou arquivos do programa, quando em processo de execução/interpretação. Mesmo enfretando a concorrência de novas tecnologias, sua popularidade é garantida por desenvolvedores de extensões, bibliotecas e aplicações open-source para o PHP. Além disso, por sua inclusão em pacotes de distribuição do sistema operacional Linux e servidor web Apache, ambos muito populares na Internet e nos quais o PHP possui melhor desempenho e menor dependência de sistemas adicionais, há resistência em adotar outras ferramentas similares e com menor alcance. A participação do interpretador PHP no desenvolvimento de aplicações tem se mostrado vantajosa em inúmeros aspectos, a tornando ferramenta essencial para qualquer servidor http e eficaz para implementação de aplicações web. 4 5.Referências bibliográficas [1]AMOR, Daniel. A revolução do e-business: vivendo e aprendendo em um mundo interconectado. São Paulo: Makron Books, p. [2]BAKKEN, Stig Sæther. Introduction to PHP. Internet < www. zend. com / zend / art / intro. php>. 17/Abr/2000. [3]BARRETO, Maurício V.S.; et al. Aplicações web com PHP. Internet: <www. vivas. com. br>, Jun/ p. [4]BRUFAU, Marc; CASALS, Xavier; MAS, David. Conceptes avançats de sistemes operatius. Distribució d aplicacions mitjançant web. (apunts de l assignatura en format transparència). Departament d Arquitectura de Computadors [5]COX JÚNIOR, Fred. Programando para web com PHP/MySQL. Mar/ ed. 72 p. [6]GRALLA, Preston. Como funcionam as intranets. Editora Quark, São Paulo, p. [7]HALL, Marty. Core Servlets and JavaServer Pages. Sun Microsystems Press. Internet: <javaboutique. internet. com / tutorials / JSP>. [8]LERDOF, Rasmus et al. PHP Manual. Internet: <www. php. net / docs. php>, 08/Out/2002. [9]PAULI, Guinther de Bitencourt. ASP.NET com Delphi: criação de web services no Delphi for.net Preview. Revista Clube Delphi. Ed. 37. Ano IV.

15 [10]REILLY, George V. ASP best practices. Microsoft Corporation. Internet: <support. microsoft. com / support / activeserver / AspBestPractices. ppt>, 06/03/2003. [11]ROSA, César Augusto Salabert. Internet: história, conceitos e serviços. São Paulo: Érica, [12]SEBESTA, Robert W. Conceitos de Linguagens de Programação. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, p. 5

APOSTILA PHP PARTE 1

APOSTILA PHP PARTE 1 APOSTILA PHP PARTE 1 1. Introdução O que é PHP? PHP significa: PHP Hypertext Preprocessor. Realmente, o produto foi originalmente chamado de Personal Home Page Tools ; mas como se expandiu em escopo, um

Leia mais

Para testar seu primeiro código utilizando PHP, abra um editor de texto (bloco de notas no Windows) e digite o código abaixo:

Para testar seu primeiro código utilizando PHP, abra um editor de texto (bloco de notas no Windows) e digite o código abaixo: Disciplina: Tópicos Especiais em TI PHP Este material foi produzido com base nos livros e documentos citados abaixo, que possuem direitos autorais sobre o conteúdo. Favor adquiri-los para dar continuidade

Leia mais

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA COMBA DÃO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS 2012-2015 PROGRAMAÇÃO E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 2 Mecanismos de Controlo de

Leia mais

PHP() é uma linguagem de integração de servidor que permite a criação de paginas dinâmicas. Como todas

PHP() é uma linguagem de integração de servidor que permite a criação de paginas dinâmicas. Como todas O que é PHP? Acrônimo de PHP: Hipertext Language PostProcessor Inicialmente escrita para o desenvolvimento de aplicações Web Facilidade para iniciantes e recursos poderosos para programadores profissionais

Leia mais

Introdução ao PHP. Prof. Késsia Marchi

Introdução ao PHP. Prof. Késsia Marchi Introdução ao PHP Prof. Késsia Marchi PHP Originalmente PHP era um assíncrono para Personal Home Page. De acordo com convenções para atribuições de nomes recursivas do GNU foi alterado para PHP Hypertext

Leia mais

Internet e Programação Web

Internet e Programação Web COLÉGIO ESTADUAL PEDRO MACEDO Ensino Profissionalizante Internet e Programação Web 3 Técnico Prof. Cesar 2014 1 SUMÁRIO Criar sites dinâmicos em PHP --------------------------------------------------------

Leia mais

Programação WEB II. Introdução. Variáveis, Constantes, Operadores, Estruturas de Seleção e Repetição Arrays e Vetores. Thiago Miranda dos Santos Souza

Programação WEB II. Introdução. Variáveis, Constantes, Operadores, Estruturas de Seleção e Repetição Arrays e Vetores. Thiago Miranda dos Santos Souza Introdução Variáveis, Constantes, Operadores, Estruturas de Seleção e Repetição Arrays e Vetores Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Ementa da Disciplina

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM PHP CESAR BEZERRA TEIXEIRA,MSC

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM PHP CESAR BEZERRA TEIXEIRA,MSC INTRODUÇÃO À LINGUAGEM PHP CESAR BEZERRA TEIXEIRA,MSC O presente texto não tem a pretensão de ser uma referência na linguagem PHP, a intenção é apresentar uma breve introdução a esta tecnologia e despertar

Leia mais

Conteúdo. Linguagem Estática x Dinâmica O que é PHP? Configurando o Ambiente do PHP Sintaxe

Conteúdo. Linguagem Estática x Dinâmica O que é PHP? Configurando o Ambiente do PHP Sintaxe Unidade IV Introdução à Linguagem PHP Parte 1 Professor Fabiano de Paula Soldati fpsoldati@yahoo.com.br http://br.groups.yahoo.com/group/professorsoldati/ Conteúdo Linguagem Estática x Dinâmica O que é

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE

OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE 3.1 Operadores Os operadores indicam o tipo de operação matemática que será executada gerando novos valores a partir de um ou mais operadores. São muito utilizados em

Leia mais

TEORIA BÁSICA SOBRE LINGUAGEM PHP

TEORIA BÁSICA SOBRE LINGUAGEM PHP PHP - Introdução Vantagens do Uso do PHP O php é uma linguagem de programação para ambiente web ou seja com ela, você pode desenvolver aplicações que possam ser acessadas via browser (netscape,internet

Leia mais

PHP AULA1. Prof. Msc. Hélio Esperidião

PHP AULA1. Prof. Msc. Hélio Esperidião PHP AULA1 Prof. Msc. Hélio Esperidião NAVEGADOR O navegador também conhecido como web browseré um programa que habilita seus usuários a interagirem com documentos hospedados em um servidor Web. SERVIDOR

Leia mais

Leonardo Lacerda Alves. Desenvolvimento de aplicações em PHP e HTML com banco-de-dados para Web

Leonardo Lacerda Alves. Desenvolvimento de aplicações em PHP e HTML com banco-de-dados para Web Leonardo Lacerda Alves Desenvolvimento de aplicações em PHP e HTML com banco-de-dados para Web www.lacerda.eti.br Junho de 2003 Leonardo Lacerda Alves www.lacerda.eti.br 3 APRESENTAÇÃO Este mini-curso

Leia mais

Treinamento em PHP. Aula 1. Ari Stopassola Junior stopassola@acimainteractive.com

Treinamento em PHP. Aula 1. Ari Stopassola Junior stopassola@acimainteractive.com Treinamento em PHP Aula 1 Ari Stopassola Junior stopassola@acimainteractive.com Introdução PHP Hypertext Preprocessor Nome original era Personal Home Page Tools Criada por Rasmus Lerdorf e atualmente mantida

Leia mais

Linguagens de programação

Linguagens de programação Prof. André Backes Linguagens de programação Linguagem de Máquina Computador entende apenas pulsos elétricos Presença ou não de pulso 1 ou 0 Tudo no computador deve ser descrito em termos de 1 s ou 0 s

Leia mais

Curso de PHP. FATEC - Jundiaí. Conteúdo do Curso. 40% de aula teórica 60% de aula prática. O que veremos neste semestre?

Curso de PHP. FATEC - Jundiaí. Conteúdo do Curso. 40% de aula teórica 60% de aula prática. O que veremos neste semestre? Curso de PHP FATEC - Jundiaí Conteúdo do Curso 40% de aula teórica 60% de aula prática O que veremos neste semestre? Linguagem PHP Banco de Dados - PostgreSQL PHP - Introdução ao PHP - Estrutura de um

Leia mais

Instituto Federal do Sertão-PE. Curso de PHP. Professor: Felipe Correia

Instituto Federal do Sertão-PE. Curso de PHP. Professor: Felipe Correia Instituto Federal do Sertão-PE Curso de PHP Professor: Felipe Correia Conteúdo Parte I Parte II Introdução Funções de strings Instalação Constantes Sintaxe Operadores Variáveis if else elseif Echo/Print

Leia mais

Programação WEB. Prof. André Gustavo Duarte de Almeida andre.almeida@ifrn.edu.br docente.ifrn.edu.br/andrealmeida. Aula III Introdução PHP

Programação WEB. Prof. André Gustavo Duarte de Almeida andre.almeida@ifrn.edu.br docente.ifrn.edu.br/andrealmeida. Aula III Introdução PHP Programação WEB Prof. André Gustavo Duarte de Almeida andre.almeida@ifrn.edu.br docente.ifrn.edu.br/andrealmeida Aula III Introdução PHP Introdução PHP PHP=Hypertext Pre-Processor Linguagem de script open

Leia mais

Linguagem de Programação. Introdução ao PHP. Prof Mauricio Lederer Ciência da Computação - UNIANDRADE 1

Linguagem de Programação. Introdução ao PHP. Prof Mauricio Lederer Ciência da Computação - UNIANDRADE 1 Linguagem de Programação Introdução ao PHP 1 O que é PHP? - significa: Hypertext Preprocessor - uma das linguagens mais utilizadas para web - transforma sites estáticos em dinâmicos - atualização de páginas

Leia mais

PROGRAMAÇÃO WEB AULA 1. estrutura do curso e conceitos fundamentais. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

PROGRAMAÇÃO WEB AULA 1. estrutura do curso e conceitos fundamentais. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com PROGRAMAÇÃO WEB AULA 1 estrutura do curso e conceitos fundamentais professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com 1 Conteúdo programático Conceitos; Ambientes de Programação em Script; Tópicos na Linguagem

Leia mais

Faculdade União. Professor Luciano Roberto Rocha

Faculdade União. Professor Luciano Roberto Rocha Faculdade União PHPPRÁTICO Professor Luciano Roberto Rocha Arquitetura de Softwares Principais modelos de aplicações: Standalone Cliente-servidor Arquitetura baseada na Web Modelo standalone Todos os recursos

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 O que é o PHP?... 19. Capítulo 2 Instalação do PHP... 23. Capítulo 3 Noções básicas de programação... 25

Sumário. Capítulo 1 O que é o PHP?... 19. Capítulo 2 Instalação do PHP... 23. Capítulo 3 Noções básicas de programação... 25 9 Sobre o autor... 8 Introdução... 15 Capítulo 1 O que é o PHP?... 19 Características do PHP...20 Gratuito e com código aberto...20 Embutido no HTML...20 Baseado no servidor...21 Bancos de dados...22 Portabilidade...22

Leia mais

ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML. Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli

ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML. Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli Objetivo; Roteiro da Apresentação Visão Geral sobre Internet,

Leia mais

2 echo "PHP e outros.";

2 echo PHP e outros.; PHP (Hypertext Preprocessor) Antes de qualquer coisa, precisamos entender o que é o PHP: O PHP(Hypertext Preprocessor) é uma linguagem interpretada gratuita, usada originalmente apenas para o desenvolvimento

Leia mais

O código JavaScript deve ser colocado entre tags de comentário para ficar escondido no caso de navegadores antigos que não reconhecem a linguagem.

O código JavaScript deve ser colocado entre tags de comentário para ficar escondido no caso de navegadores antigos que não reconhecem a linguagem. 1 - O que é JAVASCRIPT? É uma linguagem de script orientada a objetos, usada para aumentar a interatividade de páginas Web. O JavaScript foi introduzido pela Netscape em seu navegador 2.0 e posteriormente

Leia mais

Programação Web Prof. Wladimir

Programação Web Prof. Wladimir Programação Web Prof. Wladimir Linguagem de Script e PHP @wre2008 1 Sumário Introdução; PHP: Introdução. Enviando dados para o servidor HTTP; PHP: Instalação; Formato básico de um programa PHP; Manipulação

Leia mais

FCA - EDITORA DE INFORMÁTICA I

FCA - EDITORA DE INFORMÁTICA I 1 O PHP e a World Wide Web... XXXIII 1.1 Introdução... XXXIII 1.2 Breve apresentação do PHP... 1 1.3 Acesso a documentos na web... 1 1.4 HTML estático versus HTML dinâmico... 2 1.5 PHP, o que é?... 4 1.6

Leia mais

APOSTILA DE PHP. Assuntos a serem abordados:

APOSTILA DE PHP. Assuntos a serem abordados: APOSTILA DE PHP 1ª AULA Assuntos a serem abordados: Conceito de PHP Conceito de Server Side Conceitos de Client Side Conceitos Servidor Web Conceito básico de Banco de Dados Funcionamento Ferramentas Utilizadas

Leia mais

PHP. O navegador é responsável pelo tratamento do script. Utilizado para diminuir o processamento do servidor

PHP. O navegador é responsável pelo tratamento do script. Utilizado para diminuir o processamento do servidor PHP Lirisnei Gomes de Sousa lirisnei@hotmail.com Jair C Leite jair@dimap.ufrn.br Scripts Client-Side O navegador é responsável pelo tratamento do script JavaScript e VBScript Utilizado para diminuir o

Leia mais

Programação Básica em Arduino Aula 2

Programação Básica em Arduino Aula 2 Programação Básica em Arduino Aula 2 Execução: Laboratório de Automação e Robótica Móvel Variáveis são lugares (posições) na memória principal que servem para armazenar dados. As variáveis são acessadas

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web. Prof. José Eduardo A. de O. Teixeira www.vqv.com.br / j.edu@vqv.com.br

Desenvolvimento de Aplicações Web. Prof. José Eduardo A. de O. Teixeira www.vqv.com.br / j.edu@vqv.com.br Desenvolvimento de Aplicações Web Programação Contextualização de aplicações Web: navegadores e servidores como interpretadores, tecnologias do lado do cliente (XHTML, CSS, Javascript) e do lado do servidor

Leia mais

JSP - ORIENTADO A OBJETOS

JSP - ORIENTADO A OBJETOS JSP Orientação a Objetos... 2 CLASSE:... 2 MÉTODOS:... 2 Método de Retorno... 2 Método de Execução... 2 Tipos de Dados... 3 Boolean... 3 Float... 3 Integer... 4 String... 4 Array... 4 Primeira:... 4 Segunda:...

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS 1 de 6 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS BURITREINAMENTOS MANAUS-AM NOVEMBRO / 2014 2 de 6 PACOTES DE TREINAMENTOS BURITECH A Buritech desenvolveu um grupo de pacotes de treinamentos, aqui chamados de BuriPacks,

Leia mais

PHP. Hypertext Pre-Processor

PHP. Hypertext Pre-Processor PHP Hypertext Pre-Processor O que é o PHP? Uma linguagem de scripting é uma linguagem cujo código não tem de ser compilado para ser executado! O código escrito é interpretado em tempo de execução para

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

Introdução ao Javascript

Introdução ao Javascript Programação WEB I Introdução ao Javascript Apresentação da Disciplina,Introdução a linguagem Javascript Objetivos da Disciplina Apresentar os principais conceitos da linguagem Javascript referente à programação

Leia mais

1 O PHP E A WORLD WIDE WEB

1 O PHP E A WORLD WIDE WEB 1 O PHP E A WORLD WIDE WEB... 1 1.1 Introdução... 1 1.2 Breve apresentação do PHP... 2 1.3 Acesso a documentos na Web... 2 1.4 HTML estático versus HTML dinâmico... 3 1.5 PHP o que é?... 5 1.6 O PHP e

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

A Linguagem Java. Alberto Costa Neto DComp - UFS

A Linguagem Java. Alberto Costa Neto DComp - UFS A Linguagem Java Alberto Costa Neto DComp - UFS 1 Roteiro Comentários Variáveis Tipos Primitivos de Dados Casting Comandos de Entrada e Saída Operadores Constantes 2 Comentários /** Classe para impressão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA GRUPO PET - COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA GRUPO PET - COMPUTAÇÃO PHP UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA GRUPO PET - COMPUTAÇÃO PHP UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA GRUPO PET - COMPUTAÇÃO Autores: André

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicativos Web em PHP

Desenvolvimento de Aplicativos Web em PHP Desenvolvimento de Aplicativos Web em PHP Todos os direitos reservados para Alfamídia Prow. AVISO DE RESPONSABILIDADE As informações contidas neste material de treinamento são distribuídas NO ESTADO EM

Leia mais

Java Como Programar, 8/E

Java Como Programar, 8/E Capítulo 2 Introdução aos aplicativos Java Java Como Programar, 8/E (C) 2010 Pearson Education, Inc. Todos os 2.1 Introdução Programação de aplicativo Java. Utilize as ferramentas do JDK para compilar

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

Introdução à estrutura de dados com Python

Introdução à estrutura de dados com Python Introdução à estrutura de dados com Python CLEIBSON APARECIDO DE ALMEIDA UFPR Universidade Federal do Paraná PPGMNE Programa de Pós Graduação em Métodos Numéricos em Engenharia Centro Politécnico CEP 81.531-980

Leia mais

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões. Prof. MSc. Hugo Souza

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões. Prof. MSc. Hugo Souza Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões Prof. MSc. Hugo Souza Se você precisar manter informações sobre seus usuários enquanto eles navegam pelo seu site, ou até quando eles saem

Leia mais

ASP Active Server Pages

ASP Active Server Pages ASP Active Server Pages Curso básico CURSO MASTER Pagina 1 INTRODUÇÃO A Internet é um conjunto de redes de computadores interligados pelo mundo inteiro, onde um misto de protocolos e serviços permitem

Leia mais

Conceitos de Linguagens de Programação

Conceitos de Linguagens de Programação Conceitos de Linguagens de Programação Aula 07 Nomes, Vinculações, Escopos e Tipos de Dados Edirlei Soares de Lima Introdução Linguagens de programação imperativas são abstrações

Leia mais

2.3. PHP Tipos de dados e operadores

2.3. PHP Tipos de dados e operadores Programação para Internet II 2.3. PHP Tipos de dados e operadores Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Tipos de dados Embora não seja necessário declarar os tipos de dados das variáveis,

Leia mais

Desenvolvido por: Juarez A. Muylaert Filho - jamf@estacio.br Andréa T. Medeiros - andrea@iprj.uerj.br Adriana S. Spallanzani - spallanzani@uol.com.

Desenvolvido por: Juarez A. Muylaert Filho - jamf@estacio.br Andréa T. Medeiros - andrea@iprj.uerj.br Adriana S. Spallanzani - spallanzani@uol.com. UAL é uma linguagem interpretada para descrição de algoritmos em Português. Tem por objetivo auxiliar o aprendizado do aluno iniciante em programação através da execução e visualização das etapas de um

Leia mais

Programação Web com PHP. Prof. Wylliams Barbosa Santos wylliamss@gmail.com Optativa IV Projetos de Sistemas Web

Programação Web com PHP. Prof. Wylliams Barbosa Santos wylliamss@gmail.com Optativa IV Projetos de Sistemas Web Programação Web com PHP Prof. Wylliams Barbosa Santos wylliamss@gmail.com Optativa IV Projetos de Sistemas Web Agenda O que é PHP? O que da pra fazer com PHP? Como a web funciona? Onde, quando e por que

Leia mais

7. Recursos PHP para a Internet

7. Recursos PHP para a Internet 7. Recursos PHP para a Internet Protocolo HTTP. Na aula passada vimos um script simples de autenticação de usuários. Neste script foi usado o tag META para passar uma URL ao servidor web. A linguagem PHP

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 Revisão de PHP... 19. Capítulo 2 Melhorando o processamento de formulários... 46

Sumário. Capítulo 1 Revisão de PHP... 19. Capítulo 2 Melhorando o processamento de formulários... 46 9 Sumário O Autor... 8 Introdução... 15 Quem deve ler este livro... 15 Como este livro está organizado...16 Download do código-fonte do livro... 18 Capítulo 1 Revisão de PHP... 19 Iniciando em PHP... 19

Leia mais

MC102 Algoritmos e Programação de Computadores 2ª Aula Programa, entrada e saída de dados

MC102 Algoritmos e Programação de Computadores 2ª Aula Programa, entrada e saída de dados MC102 Algoritmos e Programação de Computadores 2ª Aula Programa, entrada e saída de dados 1. Objetivos Falar sobre programa de computador, diferenciando programa em linguagem de máquina, de programa em

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br IntroduçãoàTecnologiaWeb TiposdeSites ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br TiposdeSites Índice 1 Sites... 2 2 Tipos de Sites... 2 a) Site

Leia mais

JAVA. Introdução. Marcio de Carvalho Victorino. Page 1 1/40 2/40

JAVA. Introdução. Marcio de Carvalho Victorino. Page 1 1/40 2/40 JAVA Marcio de Carvalho Victorino 1/40 Introdução 2/40 Page 1 Programação OO Elementos do modelo OO: Abstração: é o processo de abstrair as características essenciais de um objeto real. O conjunto de características

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VII Acesso a Bases de Dados via Web Duração: 50 tempos Conteúdos (1) Conceitos

Leia mais

e à Linguagem de Programação Python

e à Linguagem de Programação Python Introdução a Algoritmos, Computação Algébrica e à Linguagem de Programação Python Curso de Números Inteiros e Criptografia Prof. Luis Menasché Schechter Departamento de Ciência da Computação UFRJ Agosto

Leia mais

ASP. Autor: Nicleverson Silva

ASP. Autor: Nicleverson Silva ASP Autor: Nicleverson Silva ASP Active Server Pages Curso básico CURSO MASTER Pagina 1 INTRODUÇÃO A Internet é um conjunto de redes de computadores interligados pelo mundo inteiro, onde um misto de protocolos

Leia mais

CURSO DE PROGRAMAÇÃO EM JAVA

CURSO DE PROGRAMAÇÃO EM JAVA CURSO DE PROGRAMAÇÃO EM JAVA Introdução para Iniciantes Prof. M.Sc. Daniel Calife Índice 1 - A programação e a Linguagem Java. 1.1 1.2 1.3 1.4 Linguagens de Programação Java JDK IDE 2 - Criando o primeiro

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

Linguagem de Programação Introdução a Linguagem Java

Linguagem de Programação Introdução a Linguagem Java Linguagem de Programação Introdução a Linguagem Java Rafael Silva Guimarães Instituto Federal do Espírito Santo Campus Cachoeiro de Itapemirim Definição A linguagem Java foi desenvolvida pela Sun Microsystems,

Leia mais

PHP com MySQL Enviada por: José Henrique Monteiro De Almeida

PHP com MySQL Enviada por: José Henrique Monteiro De Almeida PHP com MySQL Enviada por: José Henrique Monteiro De Almeida 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO AO PHP... 4 1.1. O QUE É PHP?... 4 1.2. COMO SURGIU A LINGUAGEM PHP?... 4 1.3. CARACTERÍSTICAS DA LINGUAGEM PHP... 5

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

Universidade da Beira Interior Cursos: Matemática /Informática e Ensino da Informática

Universidade da Beira Interior Cursos: Matemática /Informática e Ensino da Informática Folha 1-1 Introdução à Linguagem de Programação JAVA 1 Usando o editor do ambiente de desenvolvimento JBUILDER pretende-se construir e executar o programa abaixo. class Primeiro { public static void main(string[]

Leia mais

Guia de Consulta Rápida. PHP com XML. Juliano Niederauer. Terceira Edição. Novatec

Guia de Consulta Rápida. PHP com XML. Juliano Niederauer. Terceira Edição. Novatec Guia de Consulta Rápida PHP com XML Juliano Niederauer Terceira Edição Novatec Copyright 2002 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida

Leia mais

FCA - EDITORA DE INFORMÁTICA I

FCA - EDITORA DE INFORMÁTICA I 1 O PHP e a World Wide Web... 1 1.1 Introdução... 1 1.2 Breve apresentação do PHP... 1 1.3 Acesso a documentos na web... 2 1.4 HTML estático versus HTML dinâmico... 3 1.5 PHP, o que é?... 6 1.6 O PHP e

Leia mais

Estruturas de Controlo... 25. While... 26. For... 26. Include... 26. Array... 27. Listas... 27. Popularização das Bases de Dados...

Estruturas de Controlo... 25. While... 26. For... 26. Include... 26. Array... 27. Listas... 27. Popularização das Bases de Dados... Manual de PHP Índice O que é PHP?... 4 Objectivo... 6 Justificativa... 7 Lógica de Programação... 8 Sequência Lógica... 9 PHP História... 10 PHP & MySql... 11 Comunicação Cliente x Servidor... 12 Delimitando

Leia mais

PHP 5 Terceira edição

PHP 5 Terceira edição Guia de Consulta Rápida PHP 5 Terceira edição Juliano Niederauer Novatec Sumário Introdução ao PHP... 5 O que é PHP?...5 Download e instalação...5 Iniciando em PHP... 6 Variáveis... 7 Constantes... 7 Arrays...

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA EDITAL DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÕES EM COMPUTAÇÃO MACK COMPUTING CERTIFICATION MCC 2º SEMESTRE DE 2014 O Diretor da Faculdade de Computação e Informática (FCI), no uso de suas atribuições estatutárias

Leia mais

PHP para quem conhece PHP Recursos avançados para a criação de Websites dinâmicos. Juliano Niederauer

PHP para quem conhece PHP Recursos avançados para a criação de Websites dinâmicos. Juliano Niederauer PHP para quem conhece PHP Recursos avançados para a criação de Websites dinâmicos Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 Revisão de PHP Este é um livro que aborda tópicos avançados da linguagem PHP (www.php.net).

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Aula 1. // exemplo1.cpp /* Incluímos a biblioteca C++ padrão de entrada e saída */ #include

Aula 1. // exemplo1.cpp /* Incluímos a biblioteca C++ padrão de entrada e saída */ #include <iostream> Aula 1 C é uma linguagem de programação estruturada desenvolvida por Dennis Ritchie nos laboratórios Bell entre 1969 e 1972; Algumas características: É case-sensitive, ou seja, o compilador difere letras

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

FCA - EDITORA DE INFORMÁTICA I

FCA - EDITORA DE INFORMÁTICA I 1 O PHP e a World Wide Web... 1 1.1 Introdução... 1 1.2 Breve apresentação do PHP... 2 1.3 Acesso a documentos na web... 3 1.4 HTML estático versus HTML dinâmico... 4 1.5 PHP, o que é?... 6 1.6 O PHP e

Leia mais

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10 1. TIPOS DE DADOS... 3 1.1 DEFINIÇÃO DE DADOS... 3 1.2 - DEFINIÇÃO DE VARIÁVEIS... 3 1.3 - VARIÁVEIS EM C... 3 1.3.1. NOME DAS VARIÁVEIS... 3 1.3.2 - TIPOS BÁSICOS... 3 1.3.3 DECLARAÇÃO DE VARIÁVEIS...

Leia mais

Faça um Site PHP 5.2 com MySQL 5.0 Comércio Eletrônico

Faça um Site PHP 5.2 com MySQL 5.0 Comércio Eletrônico Editora Carlos A. J. Oliviero Faça um Site PHP 5.2 com MySQL 5.0 Comércio Eletrônico Orientado por Projeto 1a Edição 2 Reimpressão São Paulo 2011 Érica Ltda. Noções Livrarse Preparação muitas muita Sumário

Leia mais

JavaScript 2.0X 1.0 3.0X 1.1 4.0 4.05 1.2 4.06 4.61 1.3 5.0 1.4 6.0 1.5

JavaScript 2.0X 1.0 3.0X 1.1 4.0 4.05 1.2 4.06 4.61 1.3 5.0 1.4 6.0 1.5 JavaScript Diego R. Frank, Leonardo Seibt FIT Faculdades de Informática de Taquara Fundação Educacional Encosta Inferior do Nordeste Av. Oscar Martins Rangel, 4500 Taquara RS Brasil difrank@terra.com.br,

Leia mais

Programação Web Aula 11 - PHP

Programação Web Aula 11 - PHP Programação Web Aula 11 - PHP Departamento de Informática UFPR 4 de Maio de 2015 1 Origens 2 Exemplo Exemplo - arquivo PHP Exemplo: arquivo cliente Características Sintáticas Variáveis Tipos Expressões

Leia mais

Características do PHP. Começando a programar

Características do PHP. Começando a programar PHP Introdução Olá pessoal. Desculpe o atraso na publicação da aula. Pude perceber pelas respostas (poucas) ao fórum que a realização da atividade do módulo I foi relativamente tranquila. Assistam ao vídeo

Leia mais

Sintaxe Básica de Java Parte 1

Sintaxe Básica de Java Parte 1 Sintaxe Básica de Java Parte 1 Universidade Católica de Pernambuco Ciência da Computação Prof. Márcio Bueno poonoite@marcioubeno.com Fonte: Material da Profª Karina Oliveira Estrutura de Programa Um programa

Leia mais

Linguagem C: Estruturas de Controle. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Linguagem C: Estruturas de Controle. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Linguagem C: Estruturas de Controle Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Estrutura de Controle e de Fluxo Comandos de Seleção: O comando if; Ifs Aninhados; A escada if-else-if; A expressão condicional;

Leia mais

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO WEB

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO WEB LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO WEB GABRIELA TREVISAN Ambiente de Desenvolvimento Após instalar o Wamp Server, inicie o servidor. Um ícone aparecerá na SystemTray. A cor do ícone indica seu estado: Verde: servidor

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados. Introdução a Linguagem Python (Parte I) Prof. Tiago A. E. Ferreira

Algoritmos e Estrutura de Dados. Introdução a Linguagem Python (Parte I) Prof. Tiago A. E. Ferreira Algoritmos e Estrutura de Dados Aula 1 Introdução a Linguagem Python (Parte I) Prof. Tiago A. E. Ferreira Linguagem a ser Utilizada? Nossa disciplina é de Algoritmos e Estrutura de Dados, e não de linguagem

Leia mais

Linguagens de. Aula 02. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br

Linguagens de. Aula 02. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagens de Programação III Aula 02 Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagens de Programação Técnica de comunicação padronizada para enviar instruções a um computador. Assim

Leia mais

Python. Introdução à Programação SI1 - BSI

Python. Introdução à Programação SI1 - BSI Python Introdução à Programação SI1 - BSI Conteúdo História Instalação Apresentação da Interface Comandos Básicos Exercícios 07/06/2013 2 História Criada em 1989 pelo holandês Guido van Rossum no Centrum

Leia mais

Java. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br

Java. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br Java Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br 3. Considere as instruções Java abaixo: int cont1 = 3; int cont2 = 2; int cont3 = 1; cont1 += cont3++; cont1 -= --cont2; cont3 = cont2++; Após a

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

Introdução à Linguagem

Introdução à Linguagem Introdução à Linguagem Curso de Nivelamento do PPGMNE Janeiro / 2011 Juliano J. Scremin jjscremin@jjscremin.t5.com.br Um pouco de história Um pouco de história: Nascimento do Python Um pouco de história:

Leia mais

ÍNDICE. Introdução 19

ÍNDICE. Introdução 19 ÍNDICE Introdução 19 CAPÍTULO 1 HTML 1. Estrutura do código HTML 23 2. Formatar texto em HTML 24 2.1. Separar linhas no texto 25 2.2. Tipo de letra, tamanho e cor 25 2.3. Códigos das cores em HTML 26 3.

Leia mais

Java II. Sérgio Luiz Ruivace Cerqueira sergioruivace@gmail.com

Java II. Sérgio Luiz Ruivace Cerqueira sergioruivace@gmail.com Java II Sérgio Luiz Ruivace Cerqueira sergioruivace@gmail.com Por quê JSP? Com Servlets é fácil Ler dados de um formulário Recuperar dados de uma requisição Gerar informação de resposta Fazer gerenciamento

Leia mais

Conceitos Básicos da Linguagem Java. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Conceitos Básicos da Linguagem Java. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Conceitos Básicos da Linguagem Java Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Histórico do Java; Características do Java; Compilação de um Programa em Java; Modificando o Primeiro Programa em

Leia mais

Programação de Página WEB - PHP ROSEMARY FRANCISCO

Programação de Página WEB - PHP ROSEMARY FRANCISCO Edição nº1-2007 ROSEMARY FRANCISCO Programação de Página WEB.indd 1 27/8/2007 13:22:09 2 Programação para Internet Apresentação Este livro-texto contém a disciplina de Programação para Internet, cujo conteúdo

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Introdução à Programação Carga horária total: 60 Carga horária teórica: 0 Carga horária prática: 60 Código da Disciplina: CCMP0041 Período de oferta: 2010.2 Turma: CA

Leia mais

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C Capítulo 2: Introdução à Linguagem C INF1005 Programação 1 Pontifícia Universidade Católica Departamento de Informática Programa Programa é um algoritmo escrito em uma linguagem de programação. No nosso

Leia mais

Algoritmia e Programação APROG. Linguagem JAVA. Básico. Nelson Freire (ISEP DEI-APROG 2012/13) 1/31

Algoritmia e Programação APROG. Linguagem JAVA. Básico. Nelson Freire (ISEP DEI-APROG 2012/13) 1/31 APROG Algoritmia e Programação Linguagem JAVA Básico Nelson Freire (ISEP DEI-APROG 2012/13) 1/31 Linguagem Java Estrutura de um Programa Geral Básica Estruturas de Dados Variáveis Constantes Tipos de Dados

Leia mais

Criar a classe Aula.java com o seguinte código: Compilar e Executar

Criar a classe Aula.java com o seguinte código: Compilar e Executar Introdução à Java Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br Programação Orientada a Objetos Código Exemplo da Aula Criar a classe Aula.java com o seguinte código: public class Aula { public static void

Leia mais

Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1

Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1 Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1 Conteúdo Arquitetura de Aplicações Distribuídas na Web Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2013.2/tcc-00.226

Leia mais