Estudo dos Impactos da Conexão de um Forno de Indução no Sistema de Distribuição

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo dos Impactos da Conexão de um Forno de Indução no Sistema de Distribuição"

Transcrição

1 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Estudo dos Impactos da Conexão de um Forno de Indução no Sistema de Distribuição Eng. Júlio S. Omori COPEL Distribuição Eng. Maurício R. Ortega COPEL Distribuição RESUMO O presente trabalho apresenta um estudo de caso referente aos impactos nos parâmetros de qualidade de energia de determinado sistema de distribuição de 34,5 kv da Copel (Companhia Paranaense de Energia) diante da conexão de um forno de indução de 1000 KVA. Os fornos de indução são equipamentos eletro-térmicos cuja operação causam elevada não linearidade na corrente drenada do sistema elétrico, com componentes de elevada freqüência e variações súbitas, que podem comprometer parâmetros de qualidade de energia no ponto de conexão no sistema de distribuição, tendo a situação agravada com a elevação da impedância do ponto escolhido. São apresentados os resultados do estudo realizado para conexão de um consumidor com forno de indução instalado em sua planta, utilizando ferramenta de simulação computacional e comparação com índices de referência de qualidade de energia disponíveis. Também são apresentados os dados de medição obtidos após a liberação e conexão do consumidor no sistema de distribuição confrontando estes dados com os valores simulados durante os estudos. Os principais parâmetros de qualidade de energia são analisados e comparados com os limites recomendados de maneira a verificar o impacto da conexão do forno de indução e a necessidade de alteração do sistema de distribuição ou da instalação elétrica do consumidor para atenuação dos problemas. PALAVRAS-CHAVE Distorções Harmônicas, Forno de Indução, Qualidade de Energia. 1. INTRODUÇÃO Cargas elétricas que contém dispositivos eletrônicos tem crescido consideravelmente desde a década de sessenta, quando o desenvolvimento dos semicondutores de estado sólido e principalmente os transistores começaram a ser utilizados em escala comercial. Lâmpadas eletrônicas, reatores eletrônicos, fontes chaveadas, controladores de potência, chaves estáticas e variadores de velocidade estáticos para controle de velocidade de motores de indução são exemplos de cargas eletrônicas com utilização em larga escala tanto na área residencial e comercial, quanto na área industrial. Uma característica importante destas cargas eletrônicas é a elevada não linearidade da corrente de alimentação. 1/11

2 Acionamentos eletrônicos de potência também tem sido desenvolvidos com grande rapidez. A utilização de chaves estáticas com acionamento em média tensão com um elevado nível de corrente, já é comum em aplicações industriais e em sistemas elétricos de potência. A combinação de cargas eletrônicas de grande potência, com elevada não linearidade de corrente conectadas a sistemas elétricos com baixa potência de curto circuito (elevada impedância), pode provocar a violação de parâmetros de qualidade de energia da tensão de fornecimento, provocando assim a não conformidade da forma de onda senoidal de tensão tanto para o elemento gerador desta não conformidade, quanto para as demais cargas conectadas ao sistema elétrico. Este é o grande desafio da análise de consumidores com cargas elétricas não lineares de alta potência: tentar prever a possibilidade de problemas durante o estudo de viabilidade do atendimento destas novas cargas no sistema elétrico envolvido. Os fornos de indução são exemplos de acionamentos eletrônicos de média tensão e freqüência superior a industrial (60 HZ) que podem causar problemas de qualidade de energia no ponto de conexão. O número destes equipamentos conectados ao sistema de distribuição da Copel (Companhia Paranaense de Energia) tem crescido consideravelmente, principalmente pelo custo benefício de sua utilização e pelo crescimento da reciclagem de lixo metálico. Os problemas de qualidade de energia provocados no ponto de conexão poderão naturalmente trazer não somente o mau funcionamento e baixo desempenho de equipamentos na planta que contém os equipamentos geradores de distúrbios, mas também em consumidores que compartilham o mesmo circuito de alimentação. Estes problemas podem ser agravados caso existam equipamentos com grau de sensibilidade maior a diminuição da qualidade de energia ofertada pela concessionária. A seguir serão apresentadas as principais características e o princípio de funcionamento de um forno de indução, aliado ao estudo de conexão de um consumidor com este tipo de carga no sistema de distribuição da Copel, e os resultados obtidos com medições após a sua conexão, tendo como foco principal a análise de parâmetros de qualidade de energia. 2. FORNOS DE INDUÇÃO Os fornos de indução provocam o aquecimento de materiais eletricamente condutivos em um campo magnético variável. O aquecimento por indução pode ser usado para derretimento, solda, endurecimento de superfície, secagem uniforme das pinturas, cola e aquecimento para encolhimentos 3. O aquecimento ocorre através da aplicação de corrente alternada a uma bobina de cobre, sendo o fluxo desta corrente responsável pela criação de um intenso campo eletromagnético variável. Se um material condutivo é colocado no núcleo do indutor, correntes são induzidas causando o aquecimento pela circulação destas correntes pelo próprio material. Mesmo materiais como cobre e alumínio que possuem baixa resistência elétrica, também serão aquecidos. Com materiais magnéticos como o aço, o aquecimento é gerado por fluxo de corrente e por histerese magnética. A corrente flui em uma densidade maior perto da superfície e decresce em direção ao centro. A freqüência que a corrente oscila afeta a profundidade na qual a corrente flui. Quanto maior a freqüência mais superficial é o efeito. Por isso são escolhidas freqüências de 5 khz para derretimento e forja e 400 a 500 khz para endurecimento e solda. A figura 1 apresenta um exemplo de forno de indução, com os seu principais componentes. A qualidade do material fundido durante o processo de indução eletromagnética e aquecimento através da circulação da corrente elétrica em alta freqüência é extremamente elevada. Sendo que o produto final apresenta grande homogeneidade podendo ser utilizado em diversas e exigentes aplicações da indústria metal-mecânica. 2/11

3 Figura 1- Exemplo de Forno de Indução 3. CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO O consumidor cuja conexão ao sistema de distribuição foi estudada denomina-se de Fundição. A principal carga de sua planta é um forno de indução de 1000 KVA, e a demanda contratada solicitada de 1200 KW. O consumidor possui dois transformadores, o primeiro de 34,5/0,38-0,22 kv é utilizado para alimentação de cargas utilitárias (iluminação e tomadas) e demais equipamentos industriais de menor potência. O segundo transformador de 34,5/0,55 kv é utilizado exclusivamente para alimentação do forno de indução. Para este tipo de configuração e potência a Copel exige que os transformadores utilizados possuam delta no secundário ou terciário para evitar a circulação de corrente de terceiro harmônico no sistema de distribuição. O ponto escolhido foi o circuito CGS (Campina Grande do Sul) para conexão do consumidor. Este é um circuito de 34,5 kv proveniente da SE QBR (Quatro Barras) 69/34,5/13,8 kv, a figura 2 ilustra a configuração descrita. Figura 2- Configuração do Sistema Elétrico Existem outros consumidores industriais conectados a montante do consumidor Fundição e uma subestação de 34,5/13,8 kv a jusante (SE CGS). Esta subestação alimenta a cidade de Campina Grande do Sul com aproximadamente dez mil consumidores. A conexão do consumidor Fundição foi estudada com detalhes, pois possíveis perturbações geradas no sistema de distribuição poderiam afetar diretamente os consumidores industriais além dos vários consumidores comerciais e residenciais conectados na SE CGS. 3/11

4 4. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS DE QUALIDADE DE ENERGIA A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) regulamentará indicadores e padrões de Qualidade de Energia (harmônicos, desequilíbrio, flutuação de tensão, entre outros) para Sistemas de Distribuição no documento denominado Procedimentos de Distribuição Módulo 8 Qualidade de Energia Elétrica, atualmente em elaboração. Na falta deste documento, foram considerados os indicadores e padrões do documento Procedimentos de Rede do ONS (Operador Nacional do Sistema) válidos para a Rede Básica 4, ESTUDO REALIZADO Foram realizadas simulações com o consumidor ligado no sistema de distribuição, com o objetivo de verificar os impactos gerados pela sua conexão na qualidade de energia do sistema de distribuição. A potência de curto circuito trifásico no ponto de conexão é de 116,8 MVA. A relação potência de curto/potência do transformador do forno é igual a 97,33. Sendo que este índice (Scc/Sforno<100) indica a necessidade de estudos mais detalhados. O consumidor informou que o DIHT (Distorção de Corrente Harmônica Total) de alimentação nominal do forno não superava 2%, e não informou dados mais precisos para realização de simulações. A falta de dados de cargas elétricas especiais requeridos para realização de um estudo detalhado é um sério problema encontrado pela Copel. Diante destes processos a conexão do consumidor tem sido liberada, com o compromisso de que medições serão realizadas e caso problemas sejam detectados o consumidor deve saná-los. Por isso, de acordo com as medições realizadas pode-se observar que durante o funcionamento normal do forno, o DIHT atinge patamares entre 15% e 22%. Também foi possível levantar o espectro de freqüência da corrente do forno (fonte de injeção de correntes harmônicos) que apresenta grande repetibilidade durante o funcionamento do equipamento, com poucas variações de acordo com o regime de trabalho do forno. Estes dados de medições foram utilizados para simulação da DTHT (Distorção de Tensão Harmônica Total) provocada pelo consumidor, no ponto de conexão ao sistema de distribuição. A figura 3, apresenta a forma de onda típica da corrente de alimentação do forno, com as suas respectivas componentes harmônicas. Foram realizadas simulações com o software Harmzs do Cepel. Estas simulações indicaram que a contribuição individual do consumidor para distorção de tensão harmônica total no ponto de conexão seria de aproximadamente 1,47%. Figura 3- Forma de Onda da Corrente de Alimentação do Consumidor 4/11

5 O limite individual adotado foi de 3,0%, de acordo com a tabela 1, retirada dos Procedimentos de Rede submódulo 3.8 dos Requisitos Mínimos para Conexão a Rede Básica do ONS 4. Tabela 1 Limites de Distorção Harmônica Total de Tensão Fonte ONS A figura 4 apresenta o espectro de distorção de tensão harmônica total resultante da simulação realizada. Foi simulada a injeção de correntes harmônicas na barra de alimentação do consumidor e o resultado refere-se a distorção de tensão harmônica total verificada no próprio ponto de conexão. Figura 4 Simulação de DTHT Provocada pelo Consumidor Com relação a análise referente a resposta em freqüência, foi estudado a possibilidade dos bancos de capacitores da SE CGS entrarem em ressonância numa freqüência harmônica ditada pela corrente de carga do consumidor em análise. A figura 5, apresenta a resposta em freqüência da configuração adotada. Considerando a injeção de corrente na barra do consumidor e medição de tensão (saída) na barra de 34,5 kv da SE CGS. A figura 6 apresenta a mesma situação tendo como saída a barra da SE fonte QBR. Pode-se observar que existe uma elevação súbita da impedância nas freqüências próximas de 100 HZ e de 2250 HZ (figuras 6 e 5). Denotando a possibilidade de sobrecarga e sobretensão nos bancos de capacitores para estas freqüências. 5/11

6 Figura 5 Resposta em Freqüência até 4500 HZ - CGS Figura 6 Resposta em Freqüência até 720 HZ SE QBR 6. MEDIÇÕES REALIZADAS O consumidor foi conectado, com a condição de que seriam realizadas medições de parâmetros de qualidade de energia que pudessem indicar danos ao sistema elétrico da Copel. Neste caso o consumidor deveria providenciar soluções. Sendo assim, foi instalada medição na entrada de energia do consumidor, em paralelo com a medição de faturamento num período de aproximadamente dois meses. 6/11

7 O resultado destas medições e de outras realizadas no sistema elétrico da Copel são apresentadas a seguir Medições de Potência e Fator de Potência A figura 7 apresenta a curva de carga típica do consumidor. Este dado é proveniente do equipamento de medição de faturamento do consumidor. Pode-se verificar que existem degrais de consumo, durante o período em que o forno de indução é ligado. Provocando assim variações súbitas de corrente no alimentador. Figura 7 Curva de Carga do Consumidor O consumidor apresenta baixo fator de potência durante vários períodos do dia. O baixo fator de potência é acentuado durante o período em que a potência do forno é diminuída, e durante o período de início de desligamento do equipamento. O forno faz com que a variação de potência reativa seja atenuada, provocando assim um baixo fator de potência médio na instalação. A figura 8 ilustra o fator de potência medido. Figura 8 Fator de Potência Medido 6.2. Medição de Tensão na Barra de 34,5 kv da SE Quatro Barras - QBR A figura 9 apresenta o perfil de tensão na barra de 34,5 kv da Subestação QBR que alimenta o circuito Campina Grande do Sul. 7/11

8 Pode ser observado variações bruscas de tensão sobre as variações de tensão normais do sistema e do controle de tensão da subestação. Esta sobreposição de variações rápidas de tensão resulta das variações de carga da configuração, que atualmente alimenta vários consumidores industriais. Figura 9 Perfil de Tensão na SE Quatro Barras 6.3. Distorção Harmônica Total Como parâmetro para verificação da qualidade de energia no ponto de entrega foi tomado como referência a tabela 2, que indica limites globais de distorção harmônica de tensão. Esta tabela também é um requisito do ONS descrito no submódulo 2.2 relativo ao desempenho da Rede Básica 5. Nesta tabela a distorção de tensão harmônica total refere-se a contribuição de todos os consumidores e do próprio sistema elétrico. Tabela 2 Limites Globais de Distorção Tensão Harmônica Total Fonte ONS O valor do indicador a ser comparado com o valor padrão foi obtido, determinando-se o valor que foi superado em apenas 5% dos registros obtidos no período de 1 dia (24 horas), ao longo de 7 (sete) dias consecutivos. O valor deste indicador corresponde ao maior dentre os sete valores obtidos, anteriormente, em base diária. O valor do indicador compilado durante o período de medições realizadas para cada fase está apresentado na tabela 4. 8/11

9 6.4. Desequilíbrio de Tensão Também foi utilizado as recomendações do ONS descrito no submódulo 2.2 relativo ao desempenho da Rede Básica 5, onde o desequilíbrio global de tensão refere-se a contribuição de todos os consumidores e do próprio sistema elétrico. O desequilíbrio de tensão deve ser menor ou igual a 2%. A metodologia para avaliação do indicador do valor de desequilíbrio de tensão é a mesma utilizada para a distorção de tensão harmônica total. Ou seja, o valor do indicador foi obtido, determinando-se o valor que foi superado em apenas 5% dos registros obtidos no período de 1 dia (24 horas), ao longo de 7 (sete) dias consecutivos. O valor deste indicador corresponde ao maior dentre os sete valores obtidos, anteriormente, em base diária. O maior valor compilado durante o período de medições realizadas está apresentado na tabela Flutuação de Tensão Foram utilizados os indicadores PST e PLT para parametrizar o impacto na flutuação de tensão do sistema. O indicador Pst, Probability short term, representa a severidade dos níveis de cintilação associados à flutuação de tensão verificada num período contínuo de 10 minutos e é calculado a partir dos níveis instantâneos de sensação de cintilação. O indicador Plt, Probability long term, representa a severidade dos níveis de cintilação associados à flutuação de tensão verificada num período contínuo de 2 horas e é calculado a partir dos registros de Pst. Os indicadores de severidade de cintilação, adotados também seguiram as recomendações do ONS descrito no submódulo relativo ao desempenho da Rede Básica 5 (tabela 3). Neste caso os parâmetros de flutuação de tensão globais referem-se a contribuição de todos os consumidores e do próprio sistema elétrico: (a) PstD95%: valor do indicador Pst que foi superado em apenas 5 % dos registros obtidos no período de 1 dia (24 horas); (b) PltS95%: valor do indicador Plt que foi superado em apenas 5 % dos registros obtidos no período de uma semana, 7 (sete) dias completos e consecutivos. Tabela 3 Limites Globais de Flutuação de Tensão Fonte ONS Para o nível de tensão do consumidor em análise (34,5kV) foi utilizado FT igual a um. Os maiores valores de PSTD95% e PLTS95% compilados durante o período de medição são apresentados na tabela Comparações Através da Mudança de Carga Através das medições simultâneas de potência e distorção de tensão harmônica total foi possível comprovar o acréscimo neste parâmetro de qualidade de energia com a entrada em funcionamento do forno de indução do consumidor. A figura 10, apresenta o resultado da medição simultânea realizada, sendo o primeiro gráfico referente a distorção de tensão harmônica total e o segundo a curva de carga da instalação. 9/11

10 Figura 10 Acréscimo de DTHT Provocada pelo Consumidor O acréscimo no nível de distorção de tensão harmônica total gerado pelo funcionamento do forno de indução foi de aproximadamente 1,35% Resumo dos Resultados A tabela 4 apresenta o resumo dos resultados dos parâmetros de qualidade de energia medidos: DTHT de tensão, desequilíbrio de tensão e flutuação de tensão, conforme descrição realizada. Tabela 4 Resumo dos Parâmetros de Qualidade de Energia Medidos DTHT TENSÃO % DESEQUILÍBRIO PLT95% PST95% A B C % A B C A B C 3,89 3,22 2,79 0,72 0,3 0,35 0,3 0,37 0,39 0,26 10/11

11 7. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES Através da análise realizada sobre os dados de simulações e medições apresentados foi possível concluir: - O valor de DIHT da corrente nominal de alimentação do forno informado pelo consumidor foi aproximadamente dez vezes inferior aos valores constatados. - Apesar do elevado DIHT da corrente nominal de alimentação do forno, os parâmetros de qualidade de energia: Distorção Harmônica Total, Desequilíbrio e Flutuação de Tensão, verificados no ponto de conexão do consumidor ao sistema de distribuição apresentaram desempenho considerado normal e aceitável. - Foi possível constatar o acréscimo da Distorção de Tensão Harmônica Total provocado pelo consumidor. Sendo que este valor está dentro do previsto, tanto pelas simulações, quanto pelos critérios adotados. Para fornos de indução com regime de funcionamento similar ao apresentado, é possível medir exatamente a evolução dos parâmetros de qualidade de energia monitorados, através da curva de carga do forno. - Com a obrigatoriedade da instalação na entrada de energia do consumidor, de um transformador contendo ligação delta no secundário (ou terciário), foi possível verificar a efetividade na atenuação da componente de terceira ordem harmônica de corrente e suas múltiplas. Evitando que um valor superior desta componente circulasse pelo sistema de distribuição. - Foi recomendada a correção do fator de potência da instalação do consumidor para evitar multas, e porque este valor acaba contribuindo para um baixo fator de potência do circuito Campina Grande do Sul. - Também foi recomendada ao consumidor a instalação de filtros de sintonia durante a correção do fator de potência de sua instalação. Foi possível verificar a elevação dos valores nominais dos parâmetros de qualidade de energia no ponto de conexão, após a instalação do forno de indução, comprovando a necessidade de execução do estudo detalhado. É importante ressaltar que a ferramenta de simulação utilizada correspondeu as expectativas e teve o resultado final comprovado. Os procedimentos para a avaliação das perturbações provocadas por uma carga não linear, na fase de estudo de conexão é fundamental para que sejam evitados futuros problemas e também para estabelecer diretrizes para a difícil resolução destes problemas. Sendo assim, é fundamental a caracterização de responsabilidades entre a concessionária e o consumidor. 8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1 R.C. Dugan, Electric Power Systems Quality, McGraw-Hill Professional; October, G.A.D. Dias, Harmônicas em Sistemas Industriais, EDIPUCRS, 2a Edição, G.A.D. Dias, Interação entre Forno de Indução e Banco de Capacitores, VI SBQEE, Belém/PA, agosto/ ONS, Procedimentos de Rede - Requisitos Mínimos para Conexão a Rede Básica, submódulo 3.8, março/ ONS, Procedimentos de Rede Desempenho da Rede Básica, submódulo 2.2, dezembro/ IEEE Std Standart , Requirements for Harmonic Control in Eletric Power Systems. 11/11

Análise da amplificação do fenômeno da flutuação de tensão em condições de ressonância paralela não destrutiva

Análise da amplificação do fenômeno da flutuação de tensão em condições de ressonância paralela não destrutiva 1 Análise da amplificação do fenômeno da flutuação de tensão em condições de ressonância paralela não destrutiva Filipe de Oliveira Dias, José Rubens Macedo Jr, Senior Member, IEEE Resumo--A sobreposição

Leia mais

Qualidade de Energia Elétrica

Qualidade de Energia Elétrica Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Centro de Ciências Tecnológicas - CCT Mestrado em Engenharia Elétrica - MEE Qualidade de Energia Elétrica Prof. Sérgio Vidal Garcia Oliveira, Dr. svgo_udesc@svgo.net

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTO DOS INTERHARMÔNICOS GERADOS PELA OPERAÇÃO DE FORNOS A ARCO EM FILTROS DE HARMÔNICOS: CASO REAL

ESTUDO DO IMPACTO DOS INTERHARMÔNICOS GERADOS PELA OPERAÇÃO DE FORNOS A ARCO EM FILTROS DE HARMÔNICOS: CASO REAL V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Tópico: ANÁLISE, DIAGNÓSTICO E SOLUÇÕES. ESTUDO DO IMPACTO DOS INTERHARMÔNICOS GERADOS

Leia mais

PROCESSO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO SUBPROCESSO DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR

PROCESSO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO SUBPROCESSO DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PROCESSO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO SUBPROCESSO DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR 1. OBJETIVO Estabelecer critérios para projeto de melhoria do fator de potência nas instalações elétricas das unidades

Leia mais

Qualidade da Energia Elétrica. Distorções Harmônicas

Qualidade da Energia Elétrica. Distorções Harmônicas Qualidade da Energia Elétrica Distorções Harmônicas Qualidade da Energia Elétrica Conceito Cargas Geradoras de Harmônicas Efeitos de Harmônicas em Redes Industriais Recomendações de Limites para Harmônicas

Leia mais

Metodologia para Análise do Impacto de Cargas Potencialmente Perturbadoras na Qualidade da Energia Elétrica em Sistemas de Distribuição

Metodologia para Análise do Impacto de Cargas Potencialmente Perturbadoras na Qualidade da Energia Elétrica em Sistemas de Distribuição XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Metodologia para Análise do Impacto de Cargas Potencialmente Perturbadoras na Qualidade

Leia mais

Compensação de Reativos e Harmônicas

Compensação de Reativos e Harmônicas Compensação de Reativos e Harmônicas O que é Potência Reativa Como compensar e o que compensar Como especificar um Banco de Capacitores O que são harmônicas O que é ressonância. Apresentação das medições

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Impacto da transmissão da Copa do Mundo 2006 para a qualidade da energia elétrica

Leia mais

Lista de Exercícios 3 Conversão de Energia

Lista de Exercícios 3 Conversão de Energia Lista de Exercícios 3 Conversão de Energia Aluno: Turma: 6 Período Professor(a): Geraldo Leão Lana ENSAIOS DE TRANSFORMADORES 1) Por que o ensaio a vazio a realizado no lado de baixa tensão? Quais as medidas

Leia mais

Partida de Motores Elétricos de Indução. cap. 7

Partida de Motores Elétricos de Indução. cap. 7 Partida de Motores Elétricos de Indução cap. 7 1 Introdução Corrente de partida da ordem de 6 a 10x o valor da corrente nominal; 2 Influência da Partida de um Motor Consumo de Energia Demanda de Energia

Leia mais

Notas de Aplicação. Recomendações Técnicas para instalação de CLP s. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Recomendações Técnicas para instalação de CLP s. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Recomendações Técnicas para instalação de CLP s HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.0021 Versão 1.01 novembro-2013 HI Tecnologia Recomendações Técnicas para instalação de CLP

Leia mais

Capítulo 1 Introdução

Capítulo 1 Introdução Introdução 16 Capítulo 1 Introdução Esta tese trata de um novo algoritmo capaz de detectar e classificar os distúrbios múltiplos que afetam a qualidade de energia em sistemas elétricos industriais com

Leia mais

HARMÔNICAS. Sr. Jean Baptiste Joseph FOURIER. WEG - Transformando Energia em Soluções. Menu

HARMÔNICAS. Sr. Jean Baptiste Joseph FOURIER. WEG - Transformando Energia em Soluções. Menu HARMÔNICAS Formas de onda com freqüências múltiplas da fundamental; Ferramenta matemática desenvolvida para representar qualquer tipo de forma de onda (série de FOURIER); f(t) = a0 + (ah.cos(hω ot) + bh.sen(hω0t))

Leia mais

Correção do Fator de Potência

Correção do Fator de Potência Correção do Fator de Potência Prof. Marcello Mezaroba mezaroba@joinville.udesc.br Material elaborado e cedido pelo 1 Capítulo 1 Com o avanço dos dispositivos semicondutores, o número de cargas não-lineares

Leia mais

Qualidade da Energia Elétrica

Qualidade da Energia Elétrica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Condicionamento de Energia p/sistemas Microc. Qualidade da Energia Elétrica Prof. Clóvis Antônio

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GDS

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GDS XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GDS UTILIZAÇÃO DE

Leia mais

IMPACTO DE INTERHARMÔNICOS GERADOS PELA OPERAÇÃO DE FORNOS A ARCO EM FILTROS DE HARMÔNICOS: CASO REAL

IMPACTO DE INTERHARMÔNICOS GERADOS PELA OPERAÇÃO DE FORNOS A ARCO EM FILTROS DE HARMÔNICOS: CASO REAL IMPACTO DE INTERHARMÔNICOS GERADOS PELA OPERAÇÃO DE FORNOS A ARCO EM FILTROS DE HARMÔNICOS: CASO REAL Flávio R. Garcia* Gilson Paulillo Ricardo Araújo Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento - LACTEC

Leia mais

Qualidade da Energia e Fator de Potência

Qualidade da Energia e Fator de Potência UFPR Departamento de Engenharia Elétrica Qualidade da Energia e Fator de Potência Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica Centro Politécnico, Curitiba,

Leia mais

3 Análise do Efeito do Controle de Tensão em Geradores

3 Análise do Efeito do Controle de Tensão em Geradores 3 Análise do Efeito do Controle de Tensão em Geradores O interesse é avaliar o efeito de ações de controle em regime permanente e no domínio do tempo. Para tal é necessário conhecer as características

Leia mais

FLICKER (PISCAR DAS FONTES LUMINOSAS)

FLICKER (PISCAR DAS FONTES LUMINOSAS) UNIDADE III FLICKER (PISCAR DAS FONTES LUMINOSAS) 1. INTRODUÇÃO O flicker é relacionado a mudanças na iluminação; é o resultado de pequenas flutuações de tensão provocadas pelo funcionamento de cargas

Leia mais

Disciplina de Eletrônica de Potência ET66B

Disciplina de Eletrônica de Potência ET66B UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA Disciplina de Eletrônica de Potência ET66B amauriassef@utfpr.edu.br paginapessoal.utfpr.edu.br/amauriassef

Leia mais

Máquinas Elétricas. Máquinas CA Parte I

Máquinas Elétricas. Máquinas CA Parte I Máquinas Elétricas Máquinas CA Parte I Introdução A conversão eletromagnética de energia ocorre quando surgem alterações no fluxo concatenado (λ) decorrentes de movimento mecânico. Nas máquinas rotativas,

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13. CAPÍTULO 2 Padronizações e Convenções em Eletricidade 27. CAPÍTULO 3 Lei de Ohm e Potência 51

Sumário. CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13. CAPÍTULO 2 Padronizações e Convenções em Eletricidade 27. CAPÍTULO 3 Lei de Ohm e Potência 51 Sumário CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13 Estrutura do átomo 13 Carga elétrica 15 Unidade coulomb 16 Campo eletrostático 16 Diferença de potencial 17 Corrente 17 Fluxo de corrente 18 Fontes de eletricidade

Leia mais

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (a): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (a): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo Título da Pesquisa: Correção do Fator de Potência em uma Subestação Elevatória de Bombeamento de Água Palavras-chave: Conservação de Energia Elétrica, Eficiência Energética, Contrato de Energia, Demanda

Leia mais

1 - Eficiência Energética:

1 - Eficiência Energética: 1 1 - Eficiência Energética: Otimização da Compra de Energia; Utilização Eficiente dos Recursos Energéticos - Usos Finais; Estudos de Fontes Alternativas de Energia; Viabilidade Técnico-Econômica. Energia

Leia mais

Planejamento e projeto das instalações elétricas

Planejamento e projeto das instalações elétricas Planejamento e projeto das instalações elétricas 1) A energia elétrica fornecida aos consumidores residenciais é resultado da conexão do consumidor com: a) Sistema elétrico de geração; b) Sistema de compatibilidade

Leia mais

INVESTIGANDO A QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA. Eng. Edson Martinho

INVESTIGANDO A QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA. Eng. Edson Martinho INVESTIGANDO A QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA 1 Eng. Edson Martinho 2 2 1.Esta apresentação será gravada e disponibilizada, no portal Leonardo Energy; 2. As perguntas deverão ser feitas ao final da apresentação,

Leia mais

CONTROLADOR DE FATOR DE POTÊNCIA COISARADA CFPC-12

CONTROLADOR DE FATOR DE POTÊNCIA COISARADA CFPC-12 CONTROLADOR DE FATOR DE POTÊNCIA COISARADA CFPC-12 1. Funções e Características - Interface totalmente em português. - Possui um eficaz sistema de medição de fator de potência da onda fundamental, o que

Leia mais

HARMÔNICAS EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO: CAUSAS E EFEITOS DOS ALTOS ÍNDICES DE DISTORÇÕES DE TENSÃO E CORRENTE 1

HARMÔNICAS EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO: CAUSAS E EFEITOS DOS ALTOS ÍNDICES DE DISTORÇÕES DE TENSÃO E CORRENTE 1 HARMÔNICAS EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO: CAUSAS E EFEITOS DOS ALTOS ÍNDICES DE DISTORÇÕES DE TENSÃO E CORRENTE 1 Guilherme De Souza Atkinson 2, Eduardo Da Silva Pereira 3, Mauro Fonseca Rodrigues

Leia mais

PCE Projeto de Conversores Estáticos. Aula 2

PCE Projeto de Conversores Estáticos. Aula 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PCE Projeto de Conversores Estáticos Aula 2 Tópicos Introdução Necessidade de conversores isolados

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS 2016.1 1 PERÍODO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE FÍSICA DISCIPLINA: REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DISCIPLINA:

Leia mais

CONVERSORES DE FREQUÊNCIA

CONVERSORES DE FREQUÊNCIA CONVERSORES DE FREQUÊNCIA Introdução a inversores Convertem tensão c.c. para c.a. simétrica de amplitude e frequência desejadas A forma de onda dos inversores não é senoidal 1 Algumas aplicações dos inversores

Leia mais

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT 1 OBJETIVO A presente Orientação Técnica altera e complementa as normas de fornecimento contemplando as mudanças ocorridas em conformidade com as alterações da REN 414/2010 da ANEEL, implementadas através

Leia mais

SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão

SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão 2 Moving together 1. PAINÉIS METÁLICOS, FILTROS DE HARMÔNICOS E BANCOS DE CAPACITORES 1. PAINÉIS METÁLICOS, FILTROS DE HARMÔNICOS E BANCOS

Leia mais

Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti

Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Circuitos Elétricos Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Circuitos Magnéticos Os circuitos magnéticos são empregados com o intuito de concentrar o efeito magnético em uma dada região do espaço.

Leia mais

Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013

Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013 DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DO CIRCUITO PRINCIPAL DE COMPENSADORES ESTÁTICOS INSTALADOS PARA INTEGRAÇÃO AO SISTEMA INTERLIGADO BRASILEIRO DE PARQUES EÓLICOS: O EXEMPLO DO CE EXTREMOZ Manfredo Correia Lima

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANA CAARINA DEPARAMENO DE ENGENHARIA ELÉRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório AULA 07 POÊNCIA MONOFÁSICA E FAOR DE POÊNCIA 1 INRODUÇÃO A análise de circuitos em corrente

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 5

Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 5 Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 5 1 Título Prática 4 Circuitos retificadores 2 Objetivos Estudo e montagem de diferentes circuitos retificadores. 3 Fundamentos

Leia mais

CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS

CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS WWW.ENGEPOWER.COM TEL: 11 3579-8777 PROGRAMA DO CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS DIRIGIDO A : Engenheiros

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO EAOEAR 2002 05 No circuito mostrado na figura abaixo, determine a resistência

Leia mais

Organização de Computadores

Organização de Computadores Organização de Computadores Dispositivos de Proteção Elétrica Jonathan Pereira Dispositivos de Proteção Elétrica São dispositivos usados para proteger equipamentos eletrônicos (computadores, impressoras,

Leia mais

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II Módulo V CIRCUITOS ACOPLADOS MAGNETICAMENTE INTRODUÇÃO AOS TRANSFORMADORES UFBA Curso de Engenharia Elétrica Prof. Eugênio Correia Teixeira Campo Magnético Linhas de fluxo

Leia mais

CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2016

CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2016 CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2016 CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) - Objetivo: Manter o FP 0,92 Q

Leia mais

EEE934 Variações e Flutuações de Tensão (http://www.cpdee.ufmg.br/~selenios/variacao.htm)

EEE934 Variações e Flutuações de Tensão (http://www.cpdee.ufmg.br/~selenios/variacao.htm) Universidade Federal de Minas Gerais Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Área de Concentração: Engenharia de Potência EEE934 Variações e Flutuações de Tensão (http://www.cpdee.ufmg.br/~selenios/variacao.htm)

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora - Laboratório de Eletrônica 22

Universidade Federal de Juiz de Fora - Laboratório de Eletrônica 22 Universidade Federal de Juiz de Fora - Laboratório de Eletrônica 22 1 Título Prática 1 - Fonte de Alimentação Regulável 2 Objetivos Desenvolvimento de uma fonte de alimentação regulável. 3 Fundamentos

Leia mais

4 Modelo Proposto para Transformador com Tap Variável e Impacto em Estudos de Estabilidade de Tensão

4 Modelo Proposto para Transformador com Tap Variável e Impacto em Estudos de Estabilidade de Tensão 4 Modelo Proposto para Transformador com Tap Variável e Impacto em Estudos de Estabilidade de Tensão A representação de equipamentos elétricos através de simples combinações de resistências e reatâncias

Leia mais

Análise da Instalação de Filtros Harmônicos Passivos em Circuitos Secundários de Distribuição

Análise da Instalação de Filtros Harmônicos Passivos em Circuitos Secundários de Distribuição Análise da Instalação de Filtros Harmônicos Passivos em Circuitos Secundários de Distribuição C. Penna, ENERSUL e J. W. Resende, UFU RESUMO Este artigo apresenta as bases teóricas, os resultados práticos

Leia mais

Aplicação de Filtro de Harmônicos em Indústria: um Estudo de Caso

Aplicação de Filtro de Harmônicos em Indústria: um Estudo de Caso 1 Aplicação de Filtro de Harmônicos em Indústria: um Estudo de Caso T. L. Ribeiro, Engenheiro, Metso Paper, e J.E. Rocha, Professor, UTFPR Abstract This paper presents an example of power factor correction

Leia mais

2º Bimestre. Prof. Evandro Junior Rodrigues. Agosto Evandro Junior Rodrigues

2º Bimestre. Prof. Evandro Junior Rodrigues. Agosto Evandro Junior Rodrigues 2º Bimestre Prof. Evandro Junior Rodrigues Agosto 2016 Evandro Junior Rodrigues Robôs M óveis e sua Aplicação em Sumário Transformadores Geração + Transmissão + Distribuição Proteção contra sobrecorrente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CAPÍTULO 1- VISÃO GERAL DO SISTEMA ELÉTRICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CAPÍTULO 1- VISÃO GERAL DO SISTEMA ELÉTRICO UNERSDADE FEDERAL DO PARÁ NSTTUTO DE TECNOLOGA FACULDADE DE ENGENHARA ELÉTRCA DSCPLNA: NSTALAÇÕES ELÉTRCAS Prof.a : CARMNDA CÉLA M. M. CARALHO CAPÍTULO - SÃO GERAL DO SSTEMA ELÉTRCO.- NTRODUÇÃO A energia

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor Leonardo Gonsioroski Sistemas Elétricos Pode-se dizer que os sistemas elétricos são divididos em 4 grandes

Leia mais

SANTA MARIA Empresa Luz e Força Santa Maria S.A. PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE FATURAMENTO (SMF)

SANTA MARIA Empresa Luz e Força Santa Maria S.A. PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE FATURAMENTO (SMF) PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE FATURAMENTO (SMF) JUNHO/2016 SUMÁRIO 1- OBJETIVO 2- REFERÊNCIAS 3- PROCESSO DE MIGRAÇÃO 4- RESPONSABILIDADES DO CONSUMIDOR 5- RESPONSABILIDADES DA

Leia mais

Jairo Rodrigo Corrêa Copel Distribuição S.A.

Jairo Rodrigo Corrêa Copel Distribuição S.A. XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil Jairo Rodrigo Corrêa Copel Distribuição S.A. jairo.correa@copel.com Monitoramento em subestações

Leia mais

São apresentadas a seguir as principais características do comportamento da carga:

São apresentadas a seguir as principais características do comportamento da carga: A diversidade de comportamento dos consumidores de energia elétrica é uma característica que ameniza variações bruscas na curva de carga do sistema. Mas o que pode acontecer se, em todo o país, todos os

Leia mais

Um estudo dos Componentes e Equipamentos Elétricos e Eletrônicos aplicados em engenharia Civil.

Um estudo dos Componentes e Equipamentos Elétricos e Eletrônicos aplicados em engenharia Civil. Unidade Universitária Escola de Engenharia Curso Engenharia Mecânica Disciplina Eletricidade Professor(es) Teoria: Paulo Guerra Junior Laboratório: José Gomes e Francisco Sukys Carga horária 4 Código da

Leia mais

Bancada Didática para Controlador de Demanda e Fator de Potência - XE 501 -

Bancada Didática para Controlador de Demanda e Fator de Potência - XE 501 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para Controlador de Demanda e Fator de Potência - XE 501 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada Didática para

Leia mais

Indicador Analógico EW96 / EW144 EV96 / EV144

Indicador Analógico EW96 / EW144 EV96 / EV144 [1] Introdução Os indicadores analógicos de potência modelo EW (potência ativa - watts) ou EV (potência reativa vars) tem por finalidade a medição da potência de um determinado circuito com forma de onda

Leia mais

DIFICULDADES TÉCNICAS

DIFICULDADES TÉCNICAS A TÊMPERA SUPERFICIAL PRODUZ REGIÕES ENDURECIDAS NA SUPERFÍCIE DO COMPONENTE (DE MICROESTRUTURA MARTENSÍTICA) DE ELEVADA DUREZA E RESISTÊNCIA AO DESGASTE, SEM ALTERAR A MICROESTRUTURA DO NÚCLEO. VANTAGENS

Leia mais

POTÊNCIA EM CIRCUITOS SENOIDAIS.

POTÊNCIA EM CIRCUITOS SENOIDAIS. POTÊNCIA EM CIRCUITOS SENOIDAIS. EXERCÍCIO 1: Um transformador com capacidade para fornecer a potência aparente máxima de 25kVA está alimentando uma carga, constituída pelo motor M1 que consome 4.8kW com

Leia mais

Analisador de Energia RE6001 ANALISADOR DE ENERGIA. Prog

Analisador de Energia RE6001 ANALISADOR DE ENERGIA. Prog EMBRASUL Analisador de Energia RE6001 EMBRASUL ANALISADOR DE ENERGIA EMBRASUL RE6001 Prog Amplo display gráfico; Fácil instalação e operação; Configurado por módulos opcionais; Excelente faixa de medição;

Leia mais

Fundamentos. Prof. Dr. Gustavo Della Colletta 1 / 27

Fundamentos. Prof. Dr. Gustavo Della Colletta 1 / 27 Fundamentos Prof. Dr. Gustavo Della Colletta Universidade federal de Itajubá-UNIFEI 1 / 27 Agenda 1 Introdução Definições 2 Legislação NBR 5410 Normas específicas 3 Componentes das instalações Componente

Leia mais

Os No-break s desempenham um papel fundamental na prevenção de uma queda repentina de energia. Equipamentos essenciais em seu dia-a-dia.

Os No-break s desempenham um papel fundamental na prevenção de uma queda repentina de energia. Equipamentos essenciais em seu dia-a-dia. Os No-break s desempenham um papel fundamental na prevenção de uma queda repentina de energia. Equipamentos essenciais em seu dia-a-dia. Fabricamos com conhecimento e tecnologia para você e sua empresa.

Leia mais

Aplicações de conversores

Aplicações de conversores Unidade V Aplicações de conversores 1. Fontes de alimentação CC 2. Correção de FP 3. Condicionadores de energia e UPS 4. Acionamento de motores Eletrônica de Potência 2 Introdução No início do curso, algumas

Leia mais

Semicondutores de Potência em Corrente Alternada

Semicondutores de Potência em Corrente Alternada Semicondutores de Potência em Corrente Alternada Vamos no restringir a analisar o Retificador Controlado de Silicio, que é de longe o dispositivo mais utilizado em sistemas de controle de CA e em sistemas

Leia mais

AULA LAB 02 TRANSFORMADORES E INDUTORES

AULA LAB 02 TRANSFORMADORES E INDUTORES CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Retificadores (ENG - 20301) AULA LAB 02 TRANSFORMADORES E INDUTORES 1 INTRODUÇÃO Os transformadores e indutores são componentes

Leia mais

Campus Curitiba Dimensionamentos Prof. Vilmair E. Wirmond 2012

Campus Curitiba Dimensionamentos Prof. Vilmair E. Wirmond 2012 Dimensionamentos Prof. Vilmair E. Wirmond 2012 Condutores O dimensionamento de um condutor deve ser precedido de uma análise detalhada das condições de sua instalação e da carga a ser suprida. Dimensionar

Leia mais

Desenvolvimento de Software para Gerenciamento e Análise dos Distúrbios da Qualidade da Energia Elétrica em Redes de Distribuição

Desenvolvimento de Software para Gerenciamento e Análise dos Distúrbios da Qualidade da Energia Elétrica em Redes de Distribuição Desenvolvimento de Software para Gerenciamento e Análise dos Distúrbios da Qualidade da Energia Elétrica em Redes de Distribuição Job de Figueiredo S. Alves; Thais M. Abadio; Felipe T. Vicente; José Rubens

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 2 Conceitos Fundamentais Porto Alegre - 2012 Tópicos Energia elétrica Fontes de eletricidade Fontes de tensão e corrente Geração

Leia mais

Lista de Exercícios 2 (L2)

Lista de Exercícios 2 (L2) 1 ELETRÔNICA DE POTÊNICA II Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Lista de Exercícios 2 (L2) 1) Um inversor monofásico de meia-ponte alimenta uma carga resistiva R=10Ω e possui a tensão de entrada Vcc=220V.

Leia mais

Projeto e instalação de filtros harmônicos passivos em redes aéreas de distribuição em média tensão

Projeto e instalação de filtros harmônicos passivos em redes aéreas de distribuição em média tensão Projeto e instalação de filtros harmônicos passivos em redes aéreas de distribuição em média tensão José Rubens Macedo Jr. José Wilson Resende Milton Itsuo Samesima ENERGIAS DO BRASIL UNIV. FED. UBERLÂNDIA

Leia mais

Conversão de Energia II

Conversão de Energia II Departamento de Engenharia Elétrica Aula 5.1 Acionamento e Controle dos Motores de Indução Trifásico Prof. João Américo Vilela Porque em muitos casos é necessário utilizar um método para partir um motor

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS CÁLCULO DA DEMANDA E OUTRAS PROVIDÊNCIAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS CÁLCULO DA DEMANDA E OUTRAS PROVIDÊNCIAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS CÁLCULO DA DEMANDA E OUTRAS PROVIDÊNCIAS Prof. Marcos Fergütz Outubro/2016 INTRODUÇÃO Para a elaboração de um projeto para edifício de uso coletivo, em Santa Catarina, deve-se

Leia mais

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 04 Correção de Fator de Potência

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 04 Correção de Fator de Potência ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 04 Correção de Fator de Potência NOME TURMA DATA 1. OBJETIVOS Compreender na prática os conceitos de potência aparente (S), potência ativa (P) e potência reativa

Leia mais

SUMÁRIO. Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos

SUMÁRIO. Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos SUMÁRIO Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos 1.1 - Introdução 1.2 - Mecânica dos Fluidos e Hidráulica 1.3 - Viscosidade e Outras Propriedades 1.3.1 - Viscosidade

Leia mais

SISTEMA PARA ESTUDO E TREINAMENTO NO ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS COM INVERSOR DE FREQUÊNCIA E AQUISIÇÃO DE DADOS

SISTEMA PARA ESTUDO E TREINAMENTO NO ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS COM INVERSOR DE FREQUÊNCIA E AQUISIÇÃO DE DADOS DLB MAQCA 1893 SISTEMA PARA ESTUDO E TREINAMENTO NO ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS COM INVERSOR DE FREQUÊNCIA E AQUISIÇÃO DE DADOS Este conjunto didático de equipamentos foi idealizado para possibilitar

Leia mais

Lista de exercícios ENG04042 Tópicos 3.1 a 5.3. a corrente se atrasa em relação a v.

Lista de exercícios ENG04042 Tópicos 3.1 a 5.3. a corrente se atrasa em relação a v. 1) Um indutor de 10 mh tem uma corrente, i = 5cos(2000 t ), obtenha a tensão vl. V = 100 sen(2000 t ) V L 2) Um circuito série com R=10 Ω e L=20 mh, tem uma corrente de i = 2s en(500 t ). Calcule a tensão

Leia mais

ESCLARECIMENTOS Nº 13

ESCLARECIMENTOS Nº 13 ASSUNTO: CO.APR.T.046.2004 Serviços de modernização das unidades geradoras 1 a 6 da UHE Luiz Carlos Barreto de Carvalho ESCLARECIMENTOS Nº 13 1) Transcrevemos abaixo, perguntas de empresas participantes

Leia mais

INVERSOR MONOFÁSICO CC/CA GUARDIAN

INVERSOR MONOFÁSICO CC/CA GUARDIAN INVERSOR MONOFÁSICO CC/CA GUARDIAN MICROPROCESSADO SAÍDA SENOIDAL ISOLADA OPÇÃO EM RACK 19 Modelos de gabinetes auto-sustentados, tipo torre e rack 19. Disponíveis também em gabinete para fixação em parede.

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 01 - Introdução. à Eletrônica de Potência

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 01 - Introdução. à Eletrônica de Potência EPO I Aula 01 ELETRÔNICA DE POTÊNCIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula

Leia mais

ESTABILIZADOR DE TENSÃO GUARDIAN

ESTABILIZADOR DE TENSÃO GUARDIAN DESCRIÇÃO TÉCNICA BÁSICA ESTABILIZADOR DE TENSÃO GUARDIAN linha VGT Cor do gabinete Padrão : grafite Sob pedido : Gelo ou preto Totalmente Estático com 14 estágios de regulação, alarme visual e sonoro,

Leia mais

PEA2502 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA

PEA2502 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA EXPERIÊNCIA N o PEA50 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA RETIFICADORES NÃO CONTROLADOS DE DOIS CAMINHOS W. KAISER 0/009 1. OBJETIVOS Estudo do funcionamento e processo de comutação em retificadores

Leia mais

Unidade III. 2. Circuitos mistos: RL, RC, RLC. Ressonância. Circuitos série-paralelo. Circuitos CA

Unidade III. 2. Circuitos mistos: RL, RC, RLC. Ressonância. Circuitos série-paralelo. Circuitos CA Unidade III 2. Circuitos mistos: RL, RC, RLC. Ressonância. Circuitos série-paralelo. Circuito RL Circuitos RL são formados por resistências e indutâncias, em série ou paralelo. São usados para representar

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 23 Gradadores

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 23 Gradadores UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 3 Gradadores, Dr. Eng. leandromichels@gmail.com

Leia mais

CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Maio/2016

CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Maio/2016 CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Maio/2016 A Correção do fator de potência Objetiva otimizar o uso da energia elétrica gerada no país, o extinto DNAEE (Departamento Nacional de Águas

Leia mais

Avaliação de Lâmpadas LED (lighting emitting diode) em termos de Qualidade de Energia Elétrica. Entidade:

Avaliação de Lâmpadas LED (lighting emitting diode) em termos de Qualidade de Energia Elétrica. Entidade: Título Avaliação de Lâmpadas LED (lighting emitting diode) em termos de Qualidade de Energia Elétrica. Registro Nº: 283 Entidade: GETEQ - Grupo de Estudos em Tecnologias e Qualidade. Autores do Trabalho

Leia mais

Partida de Motores Elétricos de Indução

Partida de Motores Elétricos de Indução Partida de Motores Elétricos de Indução 1 Alta corrente de partida, podendo atingir de 6 a 10 vezes o valor da corrente nominal. NBR 5410/04: a queda de tensão durante a partida de um motor não deve ultrapassar

Leia mais

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 2. Adrielle C. Santana

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 2. Adrielle C. Santana PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 2 Adrielle C. Santana Medição de Corrente Alternada Medidor Alicate Vídeo (26 min) Impedância Indutiva Quando num mesmo circuito de corrente alternada tem-se uma

Leia mais

MANUTENÇÃO BÁSICA Aula teórica de revisão 02 Parte I

MANUTENÇÃO BÁSICA Aula teórica de revisão 02 Parte I MANUTENÇÃO BÁSICA Aula teórica de revisão 02 Parte I Revisão de Corrente e tensão Contínua e Alternada e Aterramento Tensão Contínua Na tensão continua ou constante o seu valor não se altera com o tempo.

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº

COMUNICADO TÉCNICO Nº Página 1 / 14 COMUNICADO TÉCNICO Nº 08-2013 CRITÉRIOS DE ACESSO EM MÉDIA TENSÃO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO SA PARA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDAS ADERENTES AO REGIME DE COMPENSAÇÃO 1. OBJETIVO Esse

Leia mais

Índice. Introdução. Capítulo 1 - Estudo dos componentes empregados em eletrônica de potência (Diodos, Tiristores e Transistores)

Índice. Introdução. Capítulo 1 - Estudo dos componentes empregados em eletrônica de potência (Diodos, Tiristores e Transistores) i Índice Introdução Capítulo 1 - Estudo dos componentes empregados em eletrônica de potência (Diodos, Tiristores e Transistores) Capítulo 2 Retificadores a diodo Capítulo 3 Retificadores a Tiristor Capítulo

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 MATPOWER COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DO FLUXO DE POTÊNCIA EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Pablo Henrique Camilo Capuchinho 1 ; Edilberto Pereira Teixeira 2 1, 2 Universidade de Uberaba pablo.henriquecamilo@gmail.com¹;

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL MINUTA DE RESOLUÇÃO

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL MINUTA DE RESOLUÇÃO AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 065/2012 Grupo AES Brasil AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL MINUTA DE RESOLUÇÃO Regulamenta a definição, os valores de referência e a abrangência na aplicação do Fator de

Leia mais

Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento. Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento

Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento. Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento - Tipos e características de motores trifásicos; -. Introdução com rotor gaiola de

Leia mais

NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015

NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015 CT-63 NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015 Norma Técnica da AES Eletropaulo Diretoria de Planejamento, Engenharia

Leia mais

Conversão de Energia II

Conversão de Energia II Departamento de Engenharia Elétrica Aula 3.4 Motor de Indução Trifásico Prof. João Américo Vilela Torque x velocidade Rotores de Barras Profundas e Dupla Gaiola de Esquilo Com o rotor parado a frequência

Leia mais

Transdutor Digital MKM-01

Transdutor Digital MKM-01 [1] Introdução O Transdutor é um instrumento digital microprocessado, para instalação em fundo de painel, que permite a medição de até 33 parâmetros elétricos em sistema de corrente alternada (CA). Para

Leia mais

CONVERSOR CC-CA NÃO ISOLADO COM ALTO GANHO DE TENSÃO PARA APLICAÇÃO EM SISTEMAS AUTÔNOMOS DE ENERGIA ELÉTRICA

CONVERSOR CC-CA NÃO ISOLADO COM ALTO GANHO DE TENSÃO PARA APLICAÇÃO EM SISTEMAS AUTÔNOMOS DE ENERGIA ELÉTRICA CONVERSOR CC-CA NÃO ISOLADO COM ALTO GANHO DE TENSÃO PARA APLICAÇÃO EM SISTEMAS AUTÔNOMOS DE ENERGIA ELÉTRICA GEORGE CAJAZEIRAS SILVEIRA¹ RENÉ P. TORRICO-BASCOPɲ MANUEL RANGEL BORGES NETO 3 ¹ Professor

Leia mais

Introdução 5. Amplificador em coletor comum 6. Princípio de funcionamento 7

Introdução 5. Amplificador em coletor comum 6. Princípio de funcionamento 7 Sumário Introdução 5 Amplificador em coletor comum 6 Princípio de funcionamento 7 Parâmetros do estágio amplificador em coletor comum 10 Ganho de tensão 10 Ganho de corrente 10 Impedância de entrada 10

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO EAOT 2002

COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO EAOT 2002 COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO EAOT 2002 PROVA DE ENGENHARIA ELÉTRICA PROVA A ATENÇÃO: ABRA ESTA PROVA SOMENTE APÓS

Leia mais

Fundamentos de Eletrônica

Fundamentos de Eletrônica 6872 - Fundamentos de Eletrônica Lei de Ohm Última Aula Elvio J. Leonardo Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Associação de Resistores Análise

Leia mais