Avaliação da Estabilidade de Sistemas de Distribuição Considerando a Presença de Elevada Penetração de Geração Distribuída

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação da Estabilidade de Sistemas de Distribuição Considerando a Presença de Elevada Penetração de Geração Distribuída"

Transcrição

1 Avaliação da Estabilidade de Sistemas de Distribuição Considerando a Presença de Elevada Penetração de Geração Distribuída Alisson Guedes Chagas e Antônio Carlos Zambroni de Souza Cemig Distribuição S.A. Av. Barbacena, 1200, Sto Agostinho Belo Horizonte e Unifei. Av. BPS, 1303, Pinheiro Itajubá - MG Resumo Este trabalho aborda a estabilidade em sistemas elétricos de alta tensão, num cenário de elevada penetração de geração distribuída (GD). É desenvolvido um estudo de estabilidade de um sistema real disponibilizado pela CEMIG, considerando a conexão de uma Pequena Central Hidrelétrica (PCH), onde vários distúrbios são analisados. As simulações tiveram como objetivo avaliar o comportamento dinâmico do sistema elétrico sob o impacto da conexão da PCH, através da análise das oscilações angulares, potência elétrica e acelerante dos geradores, frequência e perfil de tensão nos barramentos. Como resultado verifica-se que dinamicamente não foram observadas restrições no sistema elétrico quando da conexão da GD, apesar de ocorrer separação elétrica entre algumas regiões, evidenciando a necessidade de um estudo futuro de ilhamento. Palavras-chaves Estabilidade eletromecânica, geração distribuída, sistema elétrico de potência. I. INTRODUÇÃO Incentivos governamentais e as recentes mudanças na legislação que asseguram o livre acesso aos sistemas de transmissão e distribuição, associados às crescentes restrições ambientais e financeiras para a implantação de grandes empreendimentos de geração, proporcionaram um aumento da participação das unidades geradoras conectadas diretamente nos sistemas de distribuição brasileiro. Entende-se como geração distribuída (GD) as unidades geradoras de energia elétrica conectadas nos sistemas de distribuição, próximas dos centros de cargas. Essa inserção de fontes de GD representa uma mudança significativa de paradigma para as distribuidoras de energia, especialmente no que tange ao planejamento, operação e manutenção de suas redes. Isso ocorre porque os sistemas de distribuição eram projetados e operados para uma topologia de rede radial, na qual existia somente uma fonte geradora de energia. Esses sistemas passam agora a apresentar características malhadas, possibilitando, em alguns casos, a redução das perdas elétricas e da necessidade da realização de investimentos para atendimentos aos novos consumidores. Se por um lado existe um crescente movimento, além de incentivos governamentais, para a ampliação da geração distribuída, por outro se verifica o aumento da preocupação do operador nacional e, principalmente, das distribuidoras, com a confiabilidade e a estabilidade dos sistemas elétricos. Análises de caráter dinâmico, antes exclusivas dos sistemas de transmissão em extra-alta tensão, passam a fazer parte do dia a dia dos profissionais que trabalham com o planejamento e a operação dos sistemas de distribuição. Barras e áreas críticas têm suas características modificadas em virtude de constantes alterações na configuração dos sistemas, com a conexão de novos acessantes. Estes aspectos estão impondo aos sistemas elétricos de potência (SEP) condições de operações ainda mais estressadas, próximas aos limiares operativos. Tais condições vêm contribuindo para o crescimento do problema de estabilidade do sistema e a caracterização de diferentes formas de instabilidade. O artigo discute a estabilidade em um sistema real da CEMIG D considerando a conexão de uma Pequena Central Hidrelétrica (PCH). Neste cenário, foram simulados vários distúrbios cujo objetivo foi avaliar o comportamento dinâmico através da análise das oscilações angulares dos geradores, potência elétrica, potência acelerante, frequência e perfil de tensão dos barramentos de carga. Este trabalho é dividido da seguinte maneira: na seção 2 são apresentadas as características do sistema elétrico em estudo; na seção 3 são mostrados o desenvolvimento do trabalho e os resultados obtidos; na seção 4 as conclusões obtidas são apresentadas, bem como as propostas de trabalhos futuros. II. SISTEMA ELÉTRICO EM ESTUDO A. Sistema Elétrico Norte de Minas Gerais Região de Três Marias O sistema elétrico em estudo refere-se à área suprida pela Usina Hidrelétrica (UHE) Três Marias que atende parte da região Norte do Estado, abrangendo os municípios de Três Marias, Corinto, Curvelo, Gouvêa, Datas, Couto Magalhães e Diamantina. Este sistema apresenta hoje diversos níveis de tensão, sendo que o mesmo se conecta ao Sistema Interligado Nacional (SIN) através da SE UHE Três Marias em 345 kv. Trata-se de um Sistema de Distribuição de Alta Tensão (SDAT) originalmente radial, com o suprimento através de duas linhas em 138 kv, com capacidade nominal de 125 MVA cada, conforme mostrado na Fig. 1,

2 TABELA II. PARÂMETROS DOS GERADORES DA UHE RETIRO BAIXO. UHE RETIRO BAIXO - G1 e G2 - BARRA UHERBAIXO_13.8 Modelo DIN. SÍNCRONO Xd (%) 110,00 P (MW) 41,00 Xq (%) 65,00 Fator de Potência 0,90 X'd (%) 35,00 QMAX (Mvar) 17,18 X'q (%) - QMIN (Mvar) -17,18 X"d (%) 22,00 SBASE (MVA) 46,11 Xl (%) 14,00 VBASE (kv) 13,80 T'do (s) 5,00 H (s) 3,1650 T'qo (s) - D (pu) - T"do (s) 0,06 Ra (%) - T"qo (s) 0,15 Curva Sat. - Ag 0,0932 Curva Sat. - Bg 3,5640 Fig. 1. Sistema Elétrico Regional. TABELA III. PARÂMETROS DOS GERADORES DA PCH QUARTEL. No ano de 2010 a UHE Retiro Baixo, com uma capacidade de geração de 82 MW, entrou em operação, se conectando a barra de 138 kv da SE Curvelo 2. A partir de então, o sistema deixou de ser totalmente radial e passou a contar com uma injeção de potência no sentido carga fonte principal, auxiliando no controle de potência reativa e tensão da região. A PCH Quartel, com capacidade instalada de 19,12 MW, se interligará ao sistema regional no barramento de 138 kv da SE Diamantina, através de uma linha de distribuição de aproximadamente 60 km de extensão. Na Tabela 1 são apresentados os parâmetros das linhas de transmissão e dos transformadores existentes (potência aparente de base 100 MVA e tensão de base 138 kv) no sistema em questão. TABELA I. PARÂMETROS DAS LINHAS DE DISTRIBUIÇÃO E TRANSFORMADORES. B. Parâmetros dos Geradores CAPAC. COMP. R1 X1 R0 X0 B TIPO DE N PARA N (MVA) (Km) (%) (%) (%) (%) (Mvar) LD1 UHE TRÊS MARIAS_138 1 CORINTO_ ,86 22,92 20,72 80,38 5,43 LD2 UHE TRÊS MARIAS_138 1 CORINTO_ ,81 22,14 21,18 80,23 6,09 TR1 CORINTO_138 2 CORINTO_ , LD3 CORINTO_138 2 CURVELO2_ ,26 11,22 10,24 39,39 2,66 TR2 CURVELO2_138 4 CURVELO2_ , TR3 CURVELO2_138 4 CURVELO2_ , LD4 CURVELO2_69 6 CURVELO1_ ,0 9,40 18,81 10,64 22,28 38,04 0,14 LD5 CURVELO2_138 4 UHERBAIXO_ ,39 10,99 8,86 32,28 3,03 TR4 UHERBAIXO_138 7 UHERBAIXO_ , , TR5 UHERBAIXO_138 7 UHERBAIXO_ , , LD6 CORINTO_138 2 DIAMANTINA_ ,8 10,17 26,35 25,34 100,57 6,45 TR6 DIAMANTINA_138 9 DIAMANTINA_ , TR7 DIAMANTINA_138 9 DIAMANTINA_ , TR8 DIAMANTINA_138 9 DIAMANTINA_ , LD7 DIAMANTINA_138 9 PCHQUARTEL_ ,98 15,53 14,52 56,08 3,81 TR9 PCHQUARTEL_ PCHQUARTEL_ , TR10 PCHQUARTEL_ PCHQUARTEL_ , LD8 DIAMANTINA_ GOUVEA , ,25 129,32 553,979 0,144 De acordo com o submódulo 23.3 do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) dos Procedimentos de Rede do ONS [1], usinas de pequeno porte podem ser representadas pelo modelo clássico, constituído por uma fonte de tensão constante atrás da reatância transitória de eixo direto. Este modelo foi utilizado para a modelagem da PCH Quartel. A UHE Retiro Baixo já se encontra em operação, com dois geradores de 41,0 MW cada. Nas Tabelas 2 e 3 são apresentados os parâmetros da UHE Retiro Baixo e da PCH Quartel (usina a ser conectada), respectivamente. O regulador de tensão utilizado para as duas usinas foi o do tipo primeira ordem, com ganho e parâmetros do limitador ainda típicos, e o regulador de velocidade o de estatismo permanente, com queda de velocidade típica também. III. DESENVOLVIMENTO E RESULTADOS A. Análises de Fluxo de Potência As análises de fluxo de potência foram desenvolvidas a partir da base de dados do sistema de distribuição da Cemig D, com o detalhamento e modelagem da região de Três Marias e Diamantina. Verificou-se que todas as linhas apresentaram carregamentos abaixo dos seus respectivos limites nominais, não havendo violações. Em regime permanente, a tensão nos barramentos de distribuição de alta tensão deve estar compreendida entre 0,95 e 1,05 p.u. da tensão nominal. Todos os barramentos estão com as tensões dentro do determinado pela legislação, sem violações. B. Análises Dinâmicas Foram simulados diversos testes de modelos e distúrbios em quase todo o sistema elétrico regional. Para este trabalho foram elencadas as mais relevantes:

3 1) Degrau na tensão de referência do regulador de tensão PCH Quartel Com objetivo de avaliar o desempenho da modelagem e os ajustes sugeridos para o regulador automático de tensão da PCH Quartel, foi aplicado um degrau de 5% na tensão de referência do mesmo, de forma a verificar o comportamento da resposta no domínio do tempo. As Figuras 2 a 4 apresentam o resultado das oscilações angulares dos geradores, frequência e perfil de tensão dos barramentos. onde a variação máxima não supera os 10% aceitáveis, conforme submódulo 23.3 dos Procedimentos de Rede do ONS [1], com bom fator de amortecimento para as oscilações, que se extinguem em aproximadamente dois segundos. 2) Degrau na referência da potência mecânica do regulador de velocidade da PCH Quartel Foi aplicado um degrau de 5% na referência da potência mecânica do regulador de velocidade da PCH Quartel, de forma a verificar o comportamento da resposta no domínio do tempo. As Figuras 5 a 7 apresentam os resultados. Fig. 2. Defasagem angular dos geradores (graus). Fig. 5. Defasagem angular dos geradores (graus). Conforme verificado na Fig. 5 o deslocamento angular é menor que 10 graus, assumindo um novo valor estável em aproximadamente 7 segundos. Fig. 3. Frequência dos geradores (Hz). Fig. 6. Frequência dos geradores (Hz). Os ajustes sugeridos conduzem para uma variação da frequência do sistema muito inferior aos 0,2 Hz aceitáveis em [1], bem como para um perfil de tensão praticamente inalterado, conforme Figuras 6 e 7, respectivamente. Fig. 4. Perfil de Tensão (p.u.). Analisando a Fig. 4 verifica-se que os ajustes sugeridos promovem um comportamento estável do perfil de tensão,

4 Fig. 9. Frequência dos geradores (Hz). Fig. 7. Perfil de Tensão (p.u.). Ressalta-se que nos dois itens anteriores não foram realizadas análises paramétricas exaustivas no sentido de se obter a máxima otimização dos controladores por falta de informações adicionais necessárias para a aferição da modelagem a ser implementada, como: resultados de testes de campo (degrau em vazio e em carga), esclarecimentos sobre algumas não-linearidades de funções dos modelos fornecidos que, normalmente, são detectadas nos testes de campo, entre outras. 3) Curto-Circuito trifásico na LD 138 kv Corinto Diamantina. - Sem religamento (Ilha UHE Retiro Baixo Estável) Foi aplicado um curto-circuito trifásico na linha de distribuição (LD) 138 kv Corinto Diamantina, sem religamento. Como as proteções desta linha são do tipo distância, a falta foi eliminada em 50 ms. Fig. 10. Potência Acelerante (p.u.). Fig. 8. Defasagem angular dos geradores (graus). Conforme verificado na Fig. 8, a defasagem angular foi superior aos 10 graus, previstos nos critérios para estudos eletromecânicos em [1]. Neste caso dever-se-ia consultar o fabricante das máquinas a fim de verificar se os esforços ligeiramente superiores aos permitidos nos critérios poderiam ser aceitos. Fig. 11. Perfil de Tensão (p.u.). Dinamicamente não foram observadas quaisquer restrições quanto à perda dessa LD para o restante do sistema elétrico, apesar de ocorrer a separação elétrica entre as regiões de Diamantina Quartel e Curvelo Retiro Baixo. As oscilações eletromecânicas são amortecidas satisfatoriamente e as tensões se estabilizam em valores aceitáveis no eixo Corinto Curvelo UHE Retiro Baixo. As figuras 9 a 11 apresentam estes resultados - Com religamento (Sistema Instável)

5 O mesmo distúrbio foi agora aplicado com o consequente religamento temporizado em 2 segundos. Nesta situação verifica-se que as máquinas tanto da PCH Quartel, quanto da UHE Retiro Baixo perdem o sincronismo com o restante do sistema, conforme Fig. 12. Isso implica na eventual necessidade de definição e análise de um esquema de controle de emergência, rejeitando unidade geradora da PCH Retiro Baixo, para compatibilizar a geração x carga, acompanhada da revisão dos ajustes dos sistemas de controle desta usina. consulta ao fabricante das máquinas a fim de verificar se os esforços superiores aos permitidos nos critérios poderiam ser aceitos. Fig. 14. Frequência dos geradores (Hz). Fig. 12. Curto-Circuito trifásico na LD Corinto Diamantina, com religamento. 4) Curto-Circuito trifásico na LD 138 kv Corinto Curvelo 2. - Sem religamento (Ilha PCH Quartel Estável) Foi aplicado um curto-circuito trifásico na linha de distribuição (LD) 138 kv Corinto Curvelo 2, sem religamento. Dinamicamente não foram observadas restrições quanto à perda dessa LD, para o restante do sistema elétrico, apesar de ocorrer a separação elétrica entre as regiões de Diamantina Quartel e Curvelo Retiro Baixo. As oscilações eletromecânicas são amortecidas satisfatoriamente e as tensões se estabilizam em valores aceitáveis agora no eixo Corinto Diamantina PCH Quartel. As figuras 13 a 16 apresentam estes resultados. Fig. 15. Potência Acelerante (p.u.). Apesar da variação angular ligeiramente superior, o que pode ser minimizado com ajustes em campo no regulador de velocidade, ou analisando se as máquinas suportariam tais variações, verifica-se na Fig. 16 que o perfil de tensão se estabiliza após dois segundos e não excede 60% da tensão nominal após a primeira oscilação. Fig. 13. Defasagem angular dos geradores (graus). Através da análise da Fig. 13, a defasagem angular foi ainda mais superior aos 10 graus, previstos nos critérios previstos pelo ONS. Mais uma necessidade evidenciada da Fig. 16. Perfil de Tensão (p.u.).

6 - Com religamento (Sistema Instável) O mesmo distúrbio foi agora aplicado com o consequente religamento temporizado em 2 segundos. Nesta situação verifica-se que as máquinas tanto da PCH Quartel, quanto da UHE Retiro Baixo perdem o sincronismo com o restante do sistema, conforme Fig. 17. forma a equilibrar o balanço carga x geração, em situações de distúrbios nos componentes do sistema. IIV. REFERÊNCIAS [1] ONS, Procedimentos de Rede. Disponíveis em < [2] ANEEL, Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Disponíveis em < Acesso em: 12 de abril de Este trabalho é parte da dissertação desenvolvida para obtenção do grau de Mestre em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Itajubá. Fig. 17. Curto-Circuito trifásico na LD Corinto Curvelo 2, com religamento. IV. CONCLUSÕES Este trabalho apresentou, de uma forma simplificada, uma análise de estabilidade de sistemas elétricos quando da conexão de uma PCH no SDAT da região Norte de Minas Gerais. As análises de fluxo de potência foram desenvolvidas a partir da base de dados do sistema de distribuição da Cemig D, com o detalhamento e modelagem da região de Três Marias e Diamantina. Verificou-se que todas as linhas apresentaram carregamentos abaixo dos seus respectivos limites nominais, não havendo violações. Em regime permanente, a tensão nos barramentos de distribuição de alta tensão deve estar compreendida entre 0,95 e 1,05 p.u. da tensão nominal. Todos os barramentos estão com as tensões dentro do determinado pela legislação, sem violações. Foram realizadas simulações dinâmicas que tiveram como objetivo a avaliação do comportamento dinâmico do sistema elétrico sob o impacto da conexão da PCH, através da análise das oscilações angulares, potência elétrica e acelerante dos geradores, frequência e perfil de tensão nos barramentos. Os resultados das simulações indicaram um desempenho satisfatório do sistema elétrico regional em função da entrada em operação da PCH Quartel. A mesma apresentou resposta adequada às ocorrências de perturbações na rede analisada, sem impactos significativos para as instalações acessadas. Observou-se, em geral, um tempo inferior ao definido nos critérios do ONS para amortecimento das oscilações das grandezas envolvidas. Verificou-se, entretanto, a perda de estabilidade para a hipótese de isolamento das usinas Quartel e Retiro Baixo do restante do sistema, em função da abertura da interligação entre a SE Corinto Diamantina ou Corinto Curvelo 2. Como trabalhos futuros, faz-se necessária a complementação das análises com um estudo específico de ilhamento e de um esquema de controle de emergência, de

Agradecimentos. Este trabalho foi desenvolvido no âmbito do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica

Agradecimentos. Este trabalho foi desenvolvido no âmbito do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica Agradecimentos Este trabalho foi desenvolvido no âmbito do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica regulado pela ANEEL Entidade proponente: AES Eletropaulo Gerente

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER, OU DOCUMENTO EQUIVALENTE, SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013

Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013 DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DO CIRCUITO PRINCIPAL DE COMPENSADORES ESTÁTICOS INSTALADOS PARA INTEGRAÇÃO AO SISTEMA INTERLIGADO BRASILEIRO DE PARQUES EÓLICOS: O EXEMPLO DO CE EXTREMOZ Manfredo Correia Lima

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA.

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA. INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE DE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AO LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição)

Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição) Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia Elétrica Disciplina: Conversão da Energia Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição) 5.3) Cálculos

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA GAT

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA GAT SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GAT 20 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA GAT MODELOS

Leia mais

Modelagem de Aerogeradores em Estudos Elétricos

Modelagem de Aerogeradores em Estudos Elétricos Encontro Internacional de Energia Eólica 3o. Painel Tecnologia e Integração de Centrais Elétricas à Rede Modelagem de Aerogeradores em Estudos Elétricos Natal, RN 22 de Setembro de 2005 Nelson Martins

Leia mais

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE. Fluxos de Potência entre dois Barramentos

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE. Fluxos de Potência entre dois Barramentos LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE Fluxos de Potência entre dois Barramentos Tópicos da Aula (parte 1) Modelos de Linhas de Transmissão Linhas Curtas: Fluxos da LT sem perdas ativas Diagrama Fasorial

Leia mais

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013 REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013 1 Estrutura da apresentação O SIN - Sistema Interligado Nacional Robustez do SIN Ações em curso para aprimorar

Leia mais

RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2008/2009

RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2008/2009 RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2008/2009 2009/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. ONS NT- 016/2009 RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO

Leia mais

Padrão de Dados para Redes de Distribuição de Energia Elétrica

Padrão de Dados para Redes de Distribuição de Energia Elétrica Laboratório de Planejamento de Sistemas de Energia Elétrica Comissão de Padronização Padrão de Dados para Redes de Distribuição de Energia Elétrica Ilha Solteira, Janeiro de 2011 TR Dados da Linha (Código

Leia mais

Renewable Energy Projects

Renewable Energy Projects Grid Connectivity for Renewable Energy Projects 2nd REFF Latin America 2009 28 de abril de 2009 Roberto Gomes Diretor ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico Sumário Estrutura do Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

Art. 2 Para os fins e efeitos desta Resolução são considerados os seguintes termos e respectivas definições:

Art. 2 Para os fins e efeitos desta Resolução são considerados os seguintes termos e respectivas definições: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o 56, DE 6 DE ABRIL DE 2004. Estabelece procedimentos para acesso das centrais geradoras participantes do PROINFA, regulamentando o art.

Leia mais

São apresentadas a seguir as principais características do comportamento da carga:

São apresentadas a seguir as principais características do comportamento da carga: A diversidade de comportamento dos consumidores de energia elétrica é uma característica que ameniza variações bruscas na curva de carga do sistema. Mas o que pode acontecer se, em todo o país, todos os

Leia mais

Reguladores de Velocidade e Regulação Primária

Reguladores de Velocidade e Regulação Primária Reguladores de Velocidade e Regulação Primária Controle de Freqüência - Aspectos Gerais Razões Principais Contínua variação da carga; Eventos não previstos (contingências; Requisito de Freqüência Constante;»

Leia mais

Importância da Validação dos Modelos dos Sistemas de Excitação com Ensaios de Campo para Estudos de Transitórios Eletromecânicos

Importância da Validação dos Modelos dos Sistemas de Excitação com Ensaios de Campo para Estudos de Transitórios Eletromecânicos Grupo de Estudo de Análise e Técnicas de Sistemas de Potência (GAT) Importância da Validação dos Modelos dos Sistemas de Excitação com Ensaios de Campo para Estudos de Transitórios Eletromecânicos Cristiano

Leia mais

ONS RE 4/102/2016 ACOMPANHAMENTO DA OPERAÇÃO DO SIN DURANTE OS JOGOS OLÍMPICOS RIO 2016 DE 03 A 21 DE AGOSTO DE 2016

ONS RE 4/102/2016 ACOMPANHAMENTO DA OPERAÇÃO DO SIN DURANTE OS JOGOS OLÍMPICOS RIO 2016 DE 03 A 21 DE AGOSTO DE 2016 ONS RE 4/102/2016 ACOMPANHAMENTO DA OPERAÇÃO DO SIN DURANTE OS JOGOS OLÍMPICOS RIO 2016 DE 03 A 21 DE AGOSTO DE 2016 Revisões do relatório Minuta emitida em 22/09/2016 Seção páginas descrição Versão Final

Leia mais

Atendimento ao Estado do Pará

Atendimento ao Estado do Pará Ministério de Secretaria de Energia Elétrica Atendimento ao Estado do Pará Câmara dos Deputados - CINDRA Brasília, abril de 2015. 1 Ambiente Institucional 2 Universalização Modicidade Tarifária Segurança

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 4: Transformadores de potência. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 4: Transformadores de potência. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 4: Transformadores de potência Exercícios 4.1 Um transformador monofásico de dois enrolamentos apresenta os seguintes valores nominais: 20 kva, 480/120 V,

Leia mais

Configurações e modos de operação dos inversores híbridos e seus requisitos técnicos para operação on-grid e off-grid

Configurações e modos de operação dos inversores híbridos e seus requisitos técnicos para operação on-grid e off-grid Configurações e modos de operação dos inversores híbridos e seus requisitos técnicos para operação on-grid e off-grid Prof. Me. Lucas Vizzotto Bellinaso lucas@gepoc.ufsm.br Prof. Dr. Leandro Michels michels@gepoc.ufsm.br

Leia mais

A Experiência da Espanha na Operação de Parques Eólicos

A Experiência da Espanha na Operação de Parques Eólicos A Experiência da Espanha na Operação de Parques Eólicos Pablo Motta Ribeiro Neoenergia Plácido Nieto Ostos Iberdrola Hugo Nunes Neoenergia José Eduardo Tanure Neoenergia 1 2 Mudança de Paradigma no Brasil

Leia mais

Aula 2 por fase e Sistema pu

Aula 2 por fase e Sistema pu Proteção de istemas Elétricos (PE) Proteção de istemas Elétricos Aula Análise por fase e istema pu Proteção de istemas Elétricos (PE) Análise por fase e diagrama unifilar No estudo do RP do EE, utiliza-se

Leia mais

Planejamento da transmissão

Planejamento da transmissão MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Fórum: Os Desafios da Transmissão Planejamento da transmissão Thiago Guilherme Ferreira Prado CoordenadorGeral de Planejamento de Energia Elétrica Substituto 14 de abril de

Leia mais

Fernando Henrique Schüffner Neto

Fernando Henrique Schüffner Neto Fernando Henrique Schüffner Neto 24/Março/2011 Tópicos i. Produção de Energia Elétrica ii. Comercialização da Energia Elétrica iii. Panorama Atual das Fontes Geração Grandes Centrais Hidrelétricas (UHE)

Leia mais

ESTUDOS PARA LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO

ESTUDOS PARA LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO ESTUDOS PARA LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO AHE Belo Monte Sistema de Transmissão Associado ao AHE Belo Monte Descrição da Conexão Ministério de Minas e Energia 2 GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DE MINAS

Leia mais

DEFINIÇÃO DOS REFORÇOS NA REGIÃO SUDESTE ASSOCIADOS À AMPLIAÇÃO DA INTERLIGAÇÃO NORTE-SUL (NORTE-SUL 3)

DEFINIÇÃO DOS REFORÇOS NA REGIÃO SUDESTE ASSOCIADOS À AMPLIAÇÃO DA INTERLIGAÇÃO NORTE-SUL (NORTE-SUL 3) SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPL 19 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMA ELÉTRICO - GPL DEFINIÇÃO DOS

Leia mais

Avaliação do comportamento dinâmico de sistemas de geração distribuída

Avaliação do comportamento dinâmico de sistemas de geração distribuída Avaliação do comportamento dinâmico de sistemas de geração distribuída Jorge Luiz Jacopetti e Silva 1, José Luiz Pereira da Silva 2, Robson Almir de Oliveira 1, Robson C. K. de Oliveira 2, Suzana Mensch

Leia mais

Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN

Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN Ministério de Secretaria de Energia Elétrica Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN 7º SENOP Brasília, junho de 2016. 1 Ambiente Institucional 2 Ambiente Institucional

Leia mais

Impacto da geração distribuída eólica nos sistemas de distribuição e transmissão

Impacto da geração distribuída eólica nos sistemas de distribuição e transmissão 50 Capítulo III Impacto da geração distribuída eólica nos sistemas de distribuição e transmissão Por Álvaro Ramos, Carmem Tavares e Dêibson de Sena* Em continuidade aos primeiros capítulos deste fascículo,

Leia mais

1.1 Medição de oscilação em FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A.

1.1 Medição de oscilação em FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. 1 Introdução Vibração é o resultado da ação das forças dinâmicas sobre as máquinas. A vibração geralmente aparece em todas as máquinas devido ao movimento das partes que oscilam, giram ou se alternam.

Leia mais

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT 1 OBJETIVO A presente Orientação Técnica altera e complementa as normas de fornecimento contemplando as mudanças ocorridas em conformidade com as alterações da REN 414/2010 da ANEEL, implementadas através

Leia mais

V SBQEE CARACTERÍSTICAS DE DESEMPENHO OPERACIONAL DO SISTEMA SUPRIDOR A CONSUMIDORES INDUSTRIAIS

V SBQEE CARACTERÍSTICAS DE DESEMPENHO OPERACIONAL DO SISTEMA SUPRIDOR A CONSUMIDORES INDUSTRIAIS V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 04 173 Tópico: Análise, Diagnósticos e Soluções CARACTERÍSTICAS DE DESEMPENHO

Leia mais

Charles Lenzi Cuiabá, 23 de junho de 2015.

Charles Lenzi Cuiabá, 23 de junho de 2015. Charles Lenzi Cuiabá, 23 de junho de 2015. A ABRAGEL Associação com foco na defesa de interesses dos empreendedores de Pequenas Centrais Hidrelétricas e Usinas Hidrelétricas até 50 MW 15 anos de atuação

Leia mais

Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF

Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF BRAZIL WINDPOWER O&M 2015 Rio de Janeiro, 02 de setembro de 2015 Dalmir Capetta Agenda Quadro Institucional Sistema de Medição para Faturamento

Leia mais

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas Nº de usinas www.cceorg.br Nº 008 Agosto/2014 0 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia

Leia mais

GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA GAT

GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA GAT GAT-006 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA GAT ANÁLISE DO DESEMPENHO DO TCSC DE SERRA DA MESA NO PROGRAMA DE

Leia mais

ESTUDO DE ESTABILIDADE DE FREQUÊNCIA EM SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA

ESTUDO DE ESTABILIDADE DE FREQUÊNCIA EM SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/ ELETROTÉCNICA EWERLYN ANE PERÚSSOLO GUELBERT INGRID CELINA EZELIDA SIEBERT PAULA

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro PORTARIA N o 172, DE 10 DE MAIO DE 2016 O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, incisos

Leia mais

A seguir são apresentadas as informações básicas referentes às características técnicas e de operação das UHEs integrantes do Lote C.

A seguir são apresentadas as informações básicas referentes às características técnicas e de operação das UHEs integrantes do Lote C. ANEXO II CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DAS USINAS HIDRELÉTRICAS INTEGRANTES DO LOTE C O Lote C é composto pelas Usinas Hidrelétricas Garcia, Bracinho, Cedros, Salto e

Leia mais

Uso da Avaliação Ambiental Integrada para viabilização de empreendimentos hidrelétricos Bacia do rio Chapecó LASE 2016

Uso da Avaliação Ambiental Integrada para viabilização de empreendimentos hidrelétricos Bacia do rio Chapecó LASE 2016 Uso da Avaliação Ambiental Integrada para viabilização de empreendimentos hidrelétricos Bacia do rio Chapecó LASE 2016 São Paulo, 06 de setembro de 2016 Empresas envolvidas Histórico Metodologia Resultados

Leia mais

Dispositivos de proteção

Dispositivos de proteção Dispositivos de proteção Conceitos básicos e aplicações Giovanni Manassero Junior Depto. de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Escola Politécnica da USP 14 de março de 2013 EPUSP Giovanni Manassero

Leia mais

6LVWHPDGH6LPXODomRSDUD2EWHQomRGH'DGRV

6LVWHPDGH6LPXODomRSDUD2EWHQomRGH'DGRV 38 6LVWHPDGH6LPXODomRSDUD2EWHQomRGH'DGRV O sistema de identificação e localização de faltas utilizando RNAs necessita de um conjunto de registros de curto-circuito em diversas situações diferentes, para

Leia mais

SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão

SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão 2 Moving together 1. PAINÉIS METÁLICOS, FILTROS DE HARMÔNICOS E BANCOS DE CAPACITORES 1. PAINÉIS METÁLICOS, FILTROS DE HARMÔNICOS E BANCOS

Leia mais

Retificadores com tiristores

Retificadores com tiristores Retificadores com tiristores 5 O retificador controlado trifásico de meia onda Os retificadores trifásicos são alimentados pela rede de energia trifásica cujas tensões podem ser descritas pelas expressões

Leia mais

REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010

REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010 REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010 2008/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. ONS NT 038/2009 REVISÃO DA CURVA BIANUAL

Leia mais

Boletim das Usinas Eólicas

Boletim das Usinas Eólicas www.ccee.org.br Nº Abril/ O Boletim das Usinas Eólicas é uma publicação mensal que apresenta os resultados consolidados de geração, garantia física e capacidade instalada das usinas eólicas cadastradas

Leia mais

Fundamentos. Prof. Dr. Gustavo Della Colletta 1 / 27

Fundamentos. Prof. Dr. Gustavo Della Colletta 1 / 27 Fundamentos Prof. Dr. Gustavo Della Colletta Universidade federal de Itajubá-UNIFEI 1 / 27 Agenda 1 Introdução Definições 2 Legislação NBR 5410 Normas específicas 3 Componentes das instalações Componente

Leia mais

SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO DE ENERGIA DE MISSÃO CRÍTICA

SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO DE ENERGIA DE MISSÃO CRÍTICA SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO DE ENERGIA DE MISSÃO CRÍTICA 01/12/2016 Ildeu Marques Senior Engenharia Rodrigo Cenizio Unitec Semicondutores INTRODUÇÃO Esta palestra tem por objetivo apresentar um case da solução

Leia mais

ADEQUAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DE CLIENTES OPTANTES AO MERCADO LIVRE

ADEQUAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DE CLIENTES OPTANTES AO MERCADO LIVRE ADEQUAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DE CLIENTES OPTANTES AO MERCADO LIVRE Junho/2016 1 Objetivo Este documento tem por objetivo estabelecer os procedimentos técnicos relativos à adequação

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

CONTROLE TRADICIONAL

CONTROLE TRADICIONAL CONTROLE TRADICIONAL Variação da tensão do estator Os acionamentos de frequência e tensão variáveis são os mais eficientes Existem também acionamentos com tensão variável e frequência fixa Para um acionamento

Leia mais

Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE

Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE SUBESTAÇÃO ELÉTRICA Conjunto de máquinas, aparelhos e circuitos cuja finalidade é modificar os níveis

Leia mais

Transdutor Digital MKM-01

Transdutor Digital MKM-01 [1] Introdução O Transdutor é um instrumento digital microprocessado, para instalação em fundo de painel, que permite a medição de até 33 parâmetros elétricos em sistema de corrente alternada (CA). Para

Leia mais

CHAVES DE PARTIDA PARA MOTORES TRIFÁSICOS DE INDUÇÃO

CHAVES DE PARTIDA PARA MOTORES TRIFÁSICOS DE INDUÇÃO DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA CHAVES DE PARTIDA PARA MOTORES TRIFÁSICOS DE INDUÇÃO Disciplina: Máquinas e Acionamentos Elétricos Prof.: Hélio Henrique PARTIDA DIRETA O motor

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FEELT FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CLÁUDIO JOSÉ DE OLIVEIRA JÚNIOR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FEELT FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CLÁUDIO JOSÉ DE OLIVEIRA JÚNIOR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FEELT FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CLÁUDIO JOSÉ DE OLIVEIRA JÚNIOR MÁQUINAS SÍNCRONAS (2º RELATÓRIO PARALELISMO DE ALTERNADORES) UBERLÂNDIA MG 2013 INTRODUÇÃO O paralelismo

Leia mais

Avaliação de Demanda em Unidades Residenciais

Avaliação de Demanda em Unidades Residenciais Avaliação de Demanda em Unidades Residenciais 22/05/2014 Agenda Conceitos do Ambiente Regulado Metodologia de Avaliação: fundamentos Processo da RECON BT Nova realidade? Ponto de Atenção: Tarifa Branca

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E FONTES RENOVÁVEIS: UMA DISCUSSÃO SOBRE A MATRIZ ELÉTRICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E FONTES RENOVÁVEIS: UMA DISCUSSÃO SOBRE A MATRIZ ELÉTRICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E FONTES RENOVÁVEIS: UMA DISCUSSÃO SOBRE A MATRIZ ELÉTRICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS VI Congresso Brasileiro de energia Solar - UFMG BH Wilson Pereira Barbosa Filho Fundação

Leia mais

Tecnologias de Operação e Controle de Aerogeradores. Eng. Antonio Carlos de Barros Neiva MSc., MBA

Tecnologias de Operação e Controle de Aerogeradores. Eng. Antonio Carlos de Barros Neiva MSc., MBA Tecnologias de Operação e Controle de Aerogeradores Eng. Antonio Carlos de Barros Neiva MSc., MBA a.neiva@gmail.com Sumário Fundamentos de energia eólica Aerodinâmica aplicada Geradores e sistemas acessórios

Leia mais

6 Circuito Equivalente de Thévenin em Estabilidade de Tensão

6 Circuito Equivalente de Thévenin em Estabilidade de Tensão 80 6 Circuito Equivalente de Thévenin em Estabilidade de Tensão O teorema de Thévenin estabelece que qualquer sistema elétrico linear, de determinada complexidade, pode ser representado, a partir de dois

Leia mais

Controle em Cascata. TCA: Controle de Processos 2S / 2012 Prof. Eduardo Stockler Universidade de Brasília Depto. Engenharia Elétrica

Controle em Cascata. TCA: Controle de Processos 2S / 2012 Prof. Eduardo Stockler Universidade de Brasília Depto. Engenharia Elétrica Controle em Cascata TCA: Controle de Processos 2S / 2012 Prof. Eduardo Stockler Universidade de Brasília Depto. Engenharia Elétrica (Exemplo) CONTROLE DE UM REATOR Realimentação Simples O Processo Reação

Leia mais

Conversão de Energia II

Conversão de Energia II Departamento de Engenharia Elétrica Aula 6.1 Máquinas Síncronas Prof. João Américo Vilela Bibliografia FITZGERALD, A. E., KINGSLEY Jr. C. E UMANS, S. D. Máquinas Elétricas: com Introdução à Eletrônica

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 3: Gerador síncrono Exercícios 3.1 Dois geradores síncronos estão montados no mesmo eixo e devem fornecer tensões em 60 Hz e 50 Hz, respectivamente. Determinar

Leia mais

ESCLARECIMENTOS Nº 13

ESCLARECIMENTOS Nº 13 ASSUNTO: CO.APR.T.046.2004 Serviços de modernização das unidades geradoras 1 a 6 da UHE Luiz Carlos Barreto de Carvalho ESCLARECIMENTOS Nº 13 1) Transcrevemos abaixo, perguntas de empresas participantes

Leia mais

UFBA PLANO DE ENSINO ENGC54 - LABORATÓRIO INTEGRADO VI Prof. Aurino Almeida Filho Prof. Tito Luís Maia Santos

UFBA PLANO DE ENSINO ENGC54 - LABORATÓRIO INTEGRADO VI Prof. Aurino Almeida Filho Prof. Tito Luís Maia Santos UFBA PLANO DE ENSINO ENGC54 - LABORATÓRIO INTEGRADO VI Prof. Aurino Almeida Filho Prof. Tito Luís Maia Santos 2016.2 UNIDADE: ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO: ENGENHARIA ELÉTRICA CÓDIGO: ENGC54 MODALIDADE:

Leia mais

ANÁLISE DE CONTINGÊNCIAS EM SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA HENRIQUE SCHAEFFER BATISTA

ANÁLISE DE CONTINGÊNCIAS EM SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA HENRIQUE SCHAEFFER BATISTA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ANÁLISE DE CONTINGÊNCIAS EM SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA HENRIQUE SCHAEFFER BATISTA ORIENTADOR: IVAN MARQUES DE TOLEDO

Leia mais

GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES, COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO E INTERFERÊNCIAS (GSI)

GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES, COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO E INTERFERÊNCIAS (GSI) GSI/ 7 7 a de outubro de 999 Foz do Iguaçu Paraná Brasil GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES, COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO E INTERFERÊNCIAS (GSI) DEGRADAÇÃO DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA CAUSADA POR

Leia mais

GESTÃO DE RESERVATÓRIOS NA CRISE HÍDRICA O Caso da UHE Três Marias

GESTÃO DE RESERVATÓRIOS NA CRISE HÍDRICA O Caso da UHE Três Marias GESTÃO DE RESERVATÓRIOS NA CRISE HÍDRICA O Caso da UHE Três Marias SUMÁRIO 1- Caracterização 2- A abordagem adotada 3- Conclusões e Sugestões Análise das últimas estações chuvosas 2011/2012 2012/2013 2013/2014

Leia mais

PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO

PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO DE ESTUDOS DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CEPAC

Leia mais

Destaque: Horizonte Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação

Destaque: Horizonte Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação PROPOSTA PARA DEFLUÊNCIAS DAS USINAS HIDROELÉTRICAS DA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO NOS ESTUDOS DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO, DIANTE DO QUADRO DE ESCASSEZ HÍDRICA Destaque: Horizonte 2017-2018

Leia mais

Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013

Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013 NOVA ARQUITETURA PARA O LIMITADOR DE SUBEXCITAÇÃO UEL, UTILIZADO EM REGULADORES DE TENSÃO W. Seal* P.P.C.Mendes** *CHESF **UNIFEI RESUMO As unidades geradoras têm como elemento de controle para sua tensão

Leia mais

Fonte Bivolt 24 Vdc / 5 A

Fonte Bivolt 24 Vdc / 5 A Descrição do Produto A fonte de alimentação é uma solução para aplicações de uso geral no que se refere a alimentação de controladores programáveis, sensores e comando de quadro elétricos. Tem uma saída

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1

ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1 ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1 Felipe Alex Trennepohl 2, Leandro Becker Kehler 3. 1 Estudo realizado para a

Leia mais

VOTO. INTERESSADO: Cemig Geração e Transmissão S.A. CEMIG-GT. RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação dos Serviços de Transmissão SRT

VOTO. INTERESSADO: Cemig Geração e Transmissão S.A. CEMIG-GT. RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação dos Serviços de Transmissão SRT VOTO PROCESSO: 48500.003437/2013-13 INTERESSADO: Cemig Geração e Transmissão S.A. CEMIG-GT. RELATOR: Diretor Edvaldo Alves de Santana. RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação dos Serviços de Transmissão

Leia mais

Electricity price increase and effects on metering O aumento no preço da energia elétrica e os efeitos na medição Fabio Cavaliere de Souza

Electricity price increase and effects on metering O aumento no preço da energia elétrica e os efeitos na medição Fabio Cavaliere de Souza Electricity price increase and effects on metering O aumento no preço da energia elétrica e os efeitos na medição Fabio Cavaliere de Souza O aumento no preço o da energia elétrica e os efeitos na medição

Leia mais

Cabos nus de alumínio para eletrificação rural

Cabos nus de alumínio para eletrificação rural Cabos nus de alumínio para eletrificação rural Introdução Este catálogo apresenta os cabos nus de alumínio (CA) e alumínio com alma de aço (CAA), de fabricação Prysmian, nas bitolas padronizadas para distribuição

Leia mais

Marcos Bragatto Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade. São Paulo SP 26 de maio de 2011

Marcos Bragatto Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade. São Paulo SP 26 de maio de 2011 Marcos Bragatto Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade São Paulo SP 26 de maio de 2011 Missão da ANEEL Proporcionar condições favoráveis para que o mercado de energia elétrica

Leia mais

CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS

CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS WWW.ENGEPOWER.COM TEL: 11 3579-8777 PROGRAMA DO CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS DIRIGIDO A : Engenheiros

Leia mais

campo em 2 A e a velocidade em 1500 rpm. Nesta condição qual o valor do torque

campo em 2 A e a velocidade em 1500 rpm. Nesta condição qual o valor do torque Um alternador síncrono de pólos lisos possui quatro pólos, está ligado em estrela e apresenta potência nominal igual a 20kVA. Em vazio a tensão entre os terminais é igual a 440 V, quando o rotor da máquina

Leia mais

O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO. Walfrido Avila - 06/2002

O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO. Walfrido Avila - 06/2002 O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO Walfrido Avila - 06/2002 1 1 - CENÁRIOS DE EVOLUÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO CENÁRIO DE REFERÊNCIA (1) Critérios com base na Resolução

Leia mais

TUTORIAL DO ELPLEK Estudo de fluxo de carga, curto-circuito, partida de motores

TUTORIAL DO ELPLEK Estudo de fluxo de carga, curto-circuito, partida de motores TUTORIAL DO ELPLEK Estudo de fluxo de carga, curto-circuito, partida de motores Patrícia Lins de Paula UNIFACS Engenharia Eletrotécnica Jun 2012 Rotação síncrona do motor de indução (RPM) Nº de pares de

Leia mais

Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013

Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013 PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA DE PROTEÇÃO PARA PRESERVAR A COORDENAÇÃO E SELETIVIDADE ENTRE RELIGADORES E ELOS FUSÍVEIS DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO NA PRESENÇA DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA Luiz F. de F. Gutierres*

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N 152, DE 3 DE ABRIL DE 2003 Altera a metodologia de cálculo das tarifas de uso dos sistemas de distribuição de energia elétrica, atendendo o disposto

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL MINUTA DE RESOLUÇÃO

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL MINUTA DE RESOLUÇÃO AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 065/2012 Grupo AES Brasil AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL MINUTA DE RESOLUÇÃO Regulamenta a definição, os valores de referência e a abrangência na aplicação do Fator de

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO EAOEAR 2002 05 No circuito mostrado na figura abaixo, determine a resistência

Leia mais

XI-123 Sistema Aberto de Gerenciamento de Energia SAGE: Uma Ferramenta para Operação e Gestão Eficientes

XI-123 Sistema Aberto de Gerenciamento de Energia SAGE: Uma Ferramenta para Operação e Gestão Eficientes XI-123 Sistema Aberto de Gerenciamento de Energia SAGE: Uma Ferramenta para Operação e Gestão Eficientes Belo Horizonte/MG Setembro 2007 Paulo da Silva Capella G E R E N T E D E P R O J E T O Autores Paulo

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

Leia mais

CONTROLE COORDENADO DE TENSÃO APLICADO A USINAS NUCLEARES ELETRICAMENTE PRÓXIMAS

CONTROLE COORDENADO DE TENSÃO APLICADO A USINAS NUCLEARES ELETRICAMENTE PRÓXIMAS SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GAT 55 19 a 24 Outubro de 23 Uberlândia - Minas Gerais GRUPO IV ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA - GAT CONTROLE COORDENADO

Leia mais

SERVIçOS EM BUCHAS Trench França THE PROVEN POWER.

SERVIçOS EM BUCHAS Trench França THE PROVEN POWER. SERVIçOS EM BUCHAS Trench França Quem É Trench FranÇA? NOSSA PROPOSTA seu benefício A Trench França tem fabricado buchas e transformadores de corrente por mais de 60 anos. Anteriormente conhecida pelo

Leia mais

34.51 A2 A Vista lado cobre. 1 reversível 6/10 250/ /0.2/ (12/10) AgNi /0.

34.51 A2 A Vista lado cobre. 1 reversível 6/10 250/ /0.2/ (12/10) AgNi /0. Série 34 - Relé eletromacânico para circuito impresso 6 A Características 34. Pequenas dimensões com contato - 6 A Montagem em circuito impresso - direta em PCI ou em base para circuito impresso Montagem

Leia mais

Quantidades por-unidade (p.u.)

Quantidades por-unidade (p.u.) Quantidades por-unidade (p.u.) Prof. José R. Camacho (PhD) UFU- Faculdade de Engenharia Elétrica As quantidades por-unidade são quantidades que foram normalizadas para uma quantidade ase. Por exemplo,

Leia mais

SISTEMA BDConf Volume I. Indicadores de Desempenho Probabilístico de Componentes de Geração e Transmissão do SIN

SISTEMA BDConf Volume I. Indicadores de Desempenho Probabilístico de Componentes de Geração e Transmissão do SIN UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Laboratório de Planejamento de Sistemas de Energia Elétrica LabPlan DESENVOLVIMENTO DE UMA BASE DE DADOS APLICADA A ESTUDOS DE

Leia mais

VIII CIERTEC. Fortaleza - Brasil Agosto de 2013

VIII CIERTEC. Fortaleza - Brasil Agosto de 2013 ILHAMENTO VOLUNTÁRIO DE PCH PARA MELHORAR OS INDICADORES DE QUALIDADE DEC E FEC DO SISTEMA ELÉTRICO DE SUA REGIÃO DE INFLUÊNCIA Tema: Geração Distribuída Autores: PRISCILA MARIA BARRA FERREIRA CARLOS EDUARDO

Leia mais

REDES LOCAIS. Quando você precisar ir além do computador em cima de sua mesa, esta na hora de instalar uma rede local.

REDES LOCAIS. Quando você precisar ir além do computador em cima de sua mesa, esta na hora de instalar uma rede local. 1. Introdução 1.1. - Conceitos REDES LOCAIS Quando você precisar ir além do computador em cima de sua mesa, esta na hora de instalar uma rede local. 1 1.2. Tipos de Aplicações As Redes Locais têm em geral

Leia mais

ENERGIA HIDRÁULICA MÁQUINA DE FLUXO ENERGIA MECÂNICA

ENERGIA HIDRÁULICA MÁQUINA DE FLUXO ENERGIA MECÂNICA ª EXPERIÊNCIA - ESTUDO DAS BOMBAS APLICAÇÃO DA ANÁLISE DIMENSIONAL E DA TEORIA DA SEMELHANÇA 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS MÁQUINAS DE FLUXO ( BOMBAS, TURBINAS, COMPRESSORES, VENTILADORES) As máquinas que

Leia mais

XÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA AO SISTEMA DAS CONCESSIONÁRIAS DE

XÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA AO SISTEMA DAS CONCESSIONÁRIAS DE COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

INTERLIGAÇÃO NORTE/SUL MEDIDAS ESPECIAIS DE CONTROLE/PROTEÇÃO DEFINIDAS PARA O SISTEMA DE FURNAS, DE MODO A PERMITIR UMA OPERAÇÃO INTERLIGADA ADEQUADA

INTERLIGAÇÃO NORTE/SUL MEDIDAS ESPECIAIS DE CONTROLE/PROTEÇÃO DEFINIDAS PARA O SISTEMA DE FURNAS, DE MODO A PERMITIR UMA OPERAÇÃO INTERLIGADA ADEQUADA GOP / 13 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS (GPL) INTERLIGAÇÃO NORTE/SUL MEDIDAS ESPECIAIS DE CONTROLE/PROTEÇÃO DEFINIDAS

Leia mais

Bancada para medição de fenômeno hidráulico durante a operação de um grupo gerador como síncrono

Bancada para medição de fenômeno hidráulico durante a operação de um grupo gerador como síncrono Bancada para medição de fenômeno hidráulico durante a operação de um grupo gerador como síncrono Carlos Barreira MARTINEZ Leonardo A. B. TORRES Luís A. AGUIRRE Viviane P. F. MAGALHÃES Introdução Operação

Leia mais

SANTA MARIA Empresa Luz e Força Santa Maria S.A. PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE FATURAMENTO (SMF)

SANTA MARIA Empresa Luz e Força Santa Maria S.A. PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE FATURAMENTO (SMF) PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE FATURAMENTO (SMF) JUNHO/2016 SUMÁRIO 1- OBJETIVO 2- REFERÊNCIAS 3- PROCESSO DE MIGRAÇÃO 4- RESPONSABILIDADES DO CONSUMIDOR 5- RESPONSABILIDADES DA

Leia mais

IVANA CAMPOS HONÓRIO

IVANA CAMPOS HONÓRIO Instituto de Engenharia Elétrica (IEE) Departamento de Eletrotécnica (DET) Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Área de Sistemas Elétricos de Potência SISTEMA ESPECIAL DE PROTEÇÃO E PROTEÇÃO DE PERDA DE

Leia mais