AMNO ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DE NOVA OEIRAS RELATÓRIO E CONTAS DE 2009

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AMNO ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DE NOVA OEIRAS RELATÓRIO E CONTAS DE 2009"

Transcrição

1 AMNO ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DE NOVA OEIRAS RELATÓRIO E CONTAS DE 2009 (documento para a A.G. de 31/3/2010)

2 Ex. mos Senhores Associados, Nos termos legais e estatutários, a Direcção da Associação de Moradores de Nova Oeiras vem submeter à apreciação de V. Exas. o Relatório de Gestão referente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2009 e, bem assim, os demais documentos de prestação de contas. 1. Na vida da nossa associação, o ano que findou viu serem cumpridos praticamente todos os objectivos que constavam do Plano de Actividades aprovado em assembleia geral realizada em 5 de Março de 2009, seja no que diz respeito às suas próprias iniciativas, seja também no que diz respeito à colaboração com outras entidades públicas e privadas do município de Oeiras. Na verdade,

3 1.1. Reuniões de Direcção Durante o ano de 2009 a Direcção da AMNO manteve as suas reuniões semanais no Centro de Juventude de Oeiras Nova Oeiras Acontece Na sequência da iniciativa de 2008, este ano foram continuadas as iniciativas englobadas na insígnia genérica Nova Oeiras Acontece. No que diz respeito às Feiras de Rua, foram organizadas 3, em Maio, Outubro e Dezembro, sendo que as duas primeiras tiveram igualmente um espectáculo de musica ao vivo. Trata-se de iniciativa que tem vindo a conhecer uma enorme adesão, não só por parte dos moradores, mas também de pessoas e entidades exteriores ao Bairro, adesão que se concretiza tanto no elevado número de feirantes, como no de visitantes. Cada uma das Feiras de Rua contou com a participação activa de cerca de 30 bancas (a de Dezembro, compreensivelmente, teve um número ligeiramente mais reduzido) e, ao longo do dia de realização, foram centenas os visitantes que animaram o Átrio Comercial

4 1.3. Projecto Jardim Vivo Coincidindo com a comemoração do Dia da Freguesia, foi lançado o livro Aves de Nova Oeiras, que contou com a colaboração da Sociedade Para o Estudo das Aves e o patrocínio da Junta de Freguesia de Oeiras e São Julião da Barra. Trata-se de publicação que tem merecido elogios unânimes elogios, quer quanto ao seu conteúdo, quer quanto ao seu aspecto gráfico e que tem tido grande divulgação, restando poucos exemplares disponíveis. Mantêm-se as caixas ninho instaladas no Bairro, as quais continuam a ter uma taxa de ocupação interessante. significativa Exposição de Artistas Plásticos Desafortunadamente, a exposição de artistas plásticos, prevista para o fim-de-semana de 16 a 18 de Outubro, no Lagar de Azeite, não pode realizar-se, porquanto o local deixou de estar disponível e já não foi possível encontrar espaços alternativos

5 1.5. GALNOV A AMNO, através do Vice-Presidente da Direcção, tem acompanhado as reuniões quinzenais do GALNOV, apreciando todas as questões de interesse para o Bairro e fazendo o respectivo seguimento Segurança e Mobilidade A AMNO tem manifestado as suas preocupações quanto aos aspectos da segurança e da circulação no Bairro. Assim, tanto junto da CMO e da JFOSJB, como da PSP, tem tido diversas iniciativas no sentido de aumentar o policiamento, seja com a instalação de um posto, seja com o incremento do policiamento de proximidade. Quanto às condições de mobilidade no Bairro, a AMNO tem feito diversas propostas (e constituiu um grupo de trabalho com vista ao levantamento dos problemas e apresentação de propostas), designadamente sugeriu a inversão do sentido de trânsito no troço final da Estrada de Santo António, o qual teria a virtualidade de evitar a entrada no Bairro de todo o trânsito que, vindo de Carcavelos, se dirige ao centro da Vila ou à Estrada Marginal, com a consequente melhoria da circulação no interior do Bairro e a diminuição dos riscos para os transeuntes

6 1.7. Conferências Foram levadas a efeito duas conferências relativas às origens históricas de Nova Oeiras e à representação de Oeiras na Cartografia Portuguesa, as quais contaram com a presença de algumas dezenas de participantes RENOV Em 2009, por uma questão administrativa a que a Associação é alheia, não foi atribuído o Prémio RENOV. Todavia, e como forma de impedir que, no futuro, se repita a mesma situação, o Regulamento do prémio foi alterado Newsletters e Comunicação Em 2009 continuaram a publicar-se as newsletter que consubstanciam um meio privilegiado, quer de divulgação das actividades e iniciativas da AMNO, quer de diversos aspectos importantes para os moradores, como foi em 2009, o início da circulação do Combus. Em 2009 introduziram-se melhorias no sítio da Associação, o qual passou a ter novos campos de visita. (ver site )

7 Associações A AMNO faz agora parte integrante da rede de Organizações que integram a Comissão Social de Freguesia de Oeiras e São Jilião da Barra Material de divulgação A AMNO entendeu publicitar a sua imagem através de t-shirts, de corta-ventos e de polares, os quais ostentando o melro que identifica a Associação, constituem um meio de divulgação desta e uma forma de nos sentirmos mais identificados com a camisola. Tais meios tiveram enorme sucesso, sendo que a maioria dos items se encontra esgotada

8 2. O Balanço e Contas que se encontram anexos a este relatório, conjuntamente com o Parecer do Conselho Fiscal, evidenciam que o exercício findo em 31 de Dezembro de 2009 encerrou com um resultado positivo de 1.028,88, sendo que o ano anterior encerrou com um superavit de 718,57 Em 2009, a AMNO teve 6.275,00 de receitas, das quais se salientam os subsídios da CMO ( 3.750,00) e da JFOSJB ( 1.000,00), sendo que este último foi integralmente utilizado na publicação Aves de Nova Oeiras. No que diz respeito às receitas, a quotização dos Srs. Associados decresceu, sendo que atingiu apenas 745,00, face aos 1.375,00 que se registaram em Por contrapartida, os custos suportados ascenderam a 5.246,12, o que significa um ligeiríssimo aumento, se comparado com 2008, ano em que os custos ascenderam 5.174,85. O número total de associados conheceu um ligeiro aumento, já que em todas as iniciativas da AMNO se verificaram novas adesões

9 3. PROPOSTA DE APLICAÇÃO DE RESULTADOS Sendo que a AMNO não tem fins lucrativos, mas foi apurado um saldo positivo do exercício findo em 31 de Dezembro de 2009, a Direcção da Associação de Moradores de Nova Oeiras propõe que o referido saldo seja aplicado por transferência para a conta de resultados transitados. Oeiras, 31 de Março de 2010 A Direcção da AMNO 4. Uma palavra final de agradecimento à CMO, à JFO, ao GALNOV, ao Centro de Juventude de Oeiras, ao CETO, ao Centro Belmar da Costa e à Mapa Associação Cultural, por todo o apoio e colaboração prestados

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AVALIAÇÃO. Relatório de Contas Ano Associação Portuguesa de Avaliação 2

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AVALIAÇÃO. Relatório de Contas Ano Associação Portuguesa de Avaliação 2 ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AVALIAÇÃO Relatório de Contas Ano 2010 Associação Portuguesa de Avaliação 2 Índice I - Enquadramento 2 II - Apresentação...3 1. Análise às actividades propostas...4 1.1 Organização

Leia mais

ASSOCIAÇÃO UNIDOS DE AVIDOS PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO

ASSOCIAÇÃO UNIDOS DE AVIDOS PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO ASSOCIAÇÃO UNIDOS DE AVIDOS PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO 2014 Índice 1. Introdução...3 2. Direcção (Triénio 2014-2016)...3 3. Relações institucionais...4 4. Objectivos Gerais...4 5. Objectivos por

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO CARTÃO OEIRAS SÉNIOR 65+ Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DO CARTÃO OEIRAS SÉNIOR 65+ Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DO CARTÃO OEIRAS SÉNIOR 65+ Preâmbulo Considerando que nas últimas décadas temos vindo a assistir ao aumento dos índices de envelhecimento e de dependência das pessoas idosas entre

Leia mais

Centro de Estudos de Artes Decorativas da Escola Superior de Artes Decorativas da FRESS. Regulamento

Centro de Estudos de Artes Decorativas da Escola Superior de Artes Decorativas da FRESS. Regulamento Centro de Estudos de Artes Decorativas da Escola Superior de Artes Decorativas da FRESS Regulamento Os Estatutos da Escola Superior de Artes Decorativas (ESAD) da Fundação Ricardo Espírito Santo Silva

Leia mais

7. RELATÓRIOS, PARECERES E DECLARAÇÃO EM CONFORMIDADE DO CONSELHO FISCAL RELATÓRIO E PARECER DO CONSELHO FISCAL SOBRE O MG - AM E A CEMG

7. RELATÓRIOS, PARECERES E DECLARAÇÃO EM CONFORMIDADE DO CONSELHO FISCAL RELATÓRIO E PARECER DO CONSELHO FISCAL SOBRE O MG - AM E A CEMG 7. RELATÓRIOS, PARECERES E DECLARAÇÃO EM CONFORMIDADE DO CONSELHO FISCAL RELATÓRIO E PARECER DO CONSELHO FISCAL SOBRE O MG - AM E A CEMG Exmos. Senhores Associados: No cumprimento das competências definidas

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA EB1 O LEÃO DE ARROIOS

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA EB1 O LEÃO DE ARROIOS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA EB1 O LEÃO DE ARROIOS CAPÍTULO PRIMEIRO DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo lº A Associação de Pais e Encarregados de Educação da

Leia mais

A associação tem como fim...

A associação tem como fim... ASSOCIAÇÃO Artigo 1.º Denominação, sede e duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação, e tem a sede na, freguesia de, concelho de e constitui-se por. 2. A associação tem o número

Leia mais

REVISTAS DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS E A INICIAÇÃO PROFISSIONAL E CIENTÍFICA EM GEOGRAFIA: O CASO DA REVISTA ÁREA

REVISTAS DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS E A INICIAÇÃO PROFISSIONAL E CIENTÍFICA EM GEOGRAFIA: O CASO DA REVISTA ÁREA REVISTAS DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS E A INICIAÇÃO PROFISSIONAL E CIENTÍFICA EM GEOGRAFIA: O CASO DA REVISTA ÁREA Paulo Pereira 1, Domingos Silva 2 & Ricardo Almendra 3 Direcção da Área - Revista dos

Leia mais

Capítulo I Natureza e fins. Artigo 1.º Denominação e duração

Capítulo I Natureza e fins. Artigo 1.º Denominação e duração Capítulo I Natureza e fins Artigo 1.º Denominação e duração A Associação, sem fins lucrativos, denominada INTERVIVER ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE, DO BEM-ESTAR E DA PAZ é constituída por tempo indeterminado.

Leia mais

ORÇAMENTO DA DESPESA

ORÇAMENTO DA DESPESA 01 00 00 ADMINISTRAÇÃO AUTARQUICA 01 Despesas com o pessoal 512.162,38 01 01 Remunerações certas e permanentes 389.053,38 01 01 01 Titulares de órgãos de soberania e membros de órgãos autárquicos 23.000,00

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO DE 2011

RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO DE 2011 RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO DE 2011 1. INTRODUÇÃO A TEGEC Trancoso Eventos, Empresa Municipal de Gestão de Equipamentos Culturais e de Lazer, E.E.M. foi constituída em Abril de 2001, tendo sido criada

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA UNIDADE ORGÂNICA Decreto Regulamentar n.º 18/2009, de 4 de Setembro, artigo 10.º

RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA UNIDADE ORGÂNICA Decreto Regulamentar n.º 18/2009, de 4 de Setembro, artigo 10.º UNIDADE ORGÂNICA: DIRECÇÃO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO E ORDENAMENTO DIRIGENTE: LUCIANO COSTA CARVALHO DIAS DATA DE ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO ANUAL: 24 DE FEVEREIRO DE 2014 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS OE I - Promover

Leia mais

Relatório de Atividades e Contas

Relatório de Atividades e Contas Relatório de Atividades e Contas 2012 1 - Introdução A Direção do CGA Clube de Ginástica de Almada, no cumprimento do estatutariamente regulamentado, apresenta para apreciação, discussão e votação o Relatório

Leia mais

[RELATÓRIO DE ACTIVIDADES E CONTAS DE GERÊNCIA 2009] DRAFT

[RELATÓRIO DE ACTIVIDADES E CONTAS DE GERÊNCIA 2009] DRAFT FORMEM Federação Portuguesa de Centros de Formação Profissional e Emprego de Pessoas com Deficiência [RELATÓRIO DE ACTIVIDADES E CONTAS DE GERÊNCIA 2009] DRAFT Março de 2010 Índice Introdução XIII Jornadas

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2016 FEDERAÇÃO DE DOENÇAS RARAS DE PORTUGAL INTRODUÇÃO 2/8 Objectivos Estratégicos A FEDRA definiu para o ano de 2016, no Plano de Actividades que foi apresentado aos sócios, três

Leia mais

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS Artigo 1º Denominação, Sede e Duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de Alentejo de Excelência - Associação para a Competitividade,

Leia mais

ESTATUTOS DO GRUPO DESPORTIVO SANTANDER TOTTA. CAPÍTULO I SEÇÃO I CONSTITUIÇÃO ART.º 1.º (Denominação e Natureza)

ESTATUTOS DO GRUPO DESPORTIVO SANTANDER TOTTA. CAPÍTULO I SEÇÃO I CONSTITUIÇÃO ART.º 1.º (Denominação e Natureza) ESTATUTOS DO GRUPO DESPORTIVO SANTANDER TOTTA CAPÍTULO I SEÇÃO I CONSTITUIÇÃO ART.º 1.º (Denominação e Natureza) 1. O Grupo Desportivo Santander Totta, é uma Associação de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

ESTATUTOS DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE CAPOEIRA

ESTATUTOS DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE CAPOEIRA ESTATUTOS DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE CAPOEIRA Capitulo I Princípios Gerais Artigo Primeiro Natureza A Federação Portuguesa de Capoeira, FPC, adiante designada por Federação, é uma pessoa coletiva de direito

Leia mais

Relatório de Contas. G e r ê n c i a d e

Relatório de Contas. G e r ê n c i a d e Relatório de Contas G e r ê n c i a d e 2 0 1 2 CONTEÚDO INTRODUÇÃO... 3 RECEITAS... 4 I. ORÇAMENTO DE ESTADO... 4 II. RECEITAS CORRENTES E CAPITAL (OE)... 4 III. AÇÃO SOCIAL ESCOLAR... 5 IV. ORÇAMENTO

Leia mais

Estatutos do INSTITUTO NACIONAL DE PSICOLOGIA E NEUROCIÊNCIAS. ARTIGO PRIMEIRO Denominação, insígnias e generalidades

Estatutos do INSTITUTO NACIONAL DE PSICOLOGIA E NEUROCIÊNCIAS. ARTIGO PRIMEIRO Denominação, insígnias e generalidades Estatutos do INSTITUTO NACIONAL DE PSICOLOGIA E NEUROCIÊNCIAS ARTIGO PRIMEIRO Denominação, insígnias e generalidades O Instituto é uma associação de direito privado sem fins lucrativos que adopta a denominação

Leia mais

REGULAMENTO DA I EDIÇÃO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR

REGULAMENTO DA I EDIÇÃO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR REGULAMENTO DA I EDIÇÃO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR NOTA JUSTIFICATIVA Considerando que, nos termos do artigo 48º da Constituição da República Portuguesa, todos os cidadãos têm

Leia mais

F L U X O S D E C A I X A ANO 2010 ENTIDADE CM MORA MUNICIPIO DE MORA Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO /12/31 R E C E B I M E N T O S

F L U X O S D E C A I X A ANO 2010 ENTIDADE CM MORA MUNICIPIO DE MORA Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO /12/31 R E C E B I M E N T O S 10:37 2011/04/02 Fluxos de caixa Pag. 1 ENTIDADE CM MORA MUNICIPIO DE MORA Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2010/12/31 R E C E B I M E N T O S SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR... 165.362,24 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL...

Leia mais

Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I

Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º-Designação O Clube Bonsai do Algarve, é um clube sem fins lucrativos, de duração ilimitada, e que se rege pelos presentes estatutos.

Leia mais

Projecto Jovens anos

Projecto Jovens anos Projecto Jovens 18-24 anos Introdução Os jovens 18/24 anos - constituem o grupo etário com maior índice de sinistralidade rodoviária. Na realidade, constituíram entre 2003 e 2007, 16.0% dos mortos e 18.7%

Leia mais

Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa - Sindical de Educação - CPLP-SE

Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa - Sindical de Educação - CPLP-SE Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa - Sindical de Educação - CPLP-SE No mundo da globalização com todos os desafios que são colocados ao mundo do trabalho, as organizações sindicais do sector

Leia mais

3. BASES DE APRESENTAÇÃO E PRINCIPAIS CRITÉRIOS VALORIMÉTRICOS

3. BASES DE APRESENTAÇÃO E PRINCIPAIS CRITÉRIOS VALORIMÉTRICOS NOTA INTRODUTÓRIA A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Ermesinde (Instituição de Utilidade Pública), também denominada Bombeiros Voluntários de Ermesinde tem como objectivo principal manter

Leia mais

ASSOCIAÇÃO. (Documento complementar elaborado nos termos do nº 2 do artigo 64º do Código do Notariado)

ASSOCIAÇÃO. (Documento complementar elaborado nos termos do nº 2 do artigo 64º do Código do Notariado) ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS (Documento complementar elaborado nos termos do nº 2 do artigo 64º do Código do Notariado) SOCIEDADE PORTUGUESA DE VIDA SELVAGEM CAPÍTULO PRIMEIRO Denominação, Duração, Sede e Objecto

Leia mais

Regulamento Feira de Antiguidades e Artesanato

Regulamento Feira de Antiguidades e Artesanato Regulamento Feira de Antiguidades e Artesanato Preâmbulo As Antiguidades e o Artesanato são elementos representativos do passado, cuja preservação e salvaguarda têm vindo a agregar um cada vez maior número

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014 Actividades em 2014 Organização da apresentação: 1.Tertúlias 2.Grupos de trabalho 3.Organizou; Preparou; Foi convidada; Apoiou Tertúlias 8 de Fevereiro MIRA Forum - «Espaços

Leia mais

2 O licenciamento dos veículos depende da prova de que a actividade principal da entidade requerente ( CNE) implica a deslocação de crianças;

2 O licenciamento dos veículos depende da prova de que a actividade principal da entidade requerente ( CNE) implica a deslocação de crianças; CORPO NACIONAL DE ESCUTAS Escutismo Católico Português CONSELHO FISCAL E JURISDICIONAL NACIONAL Junta Central pergunta: - É necessária alguma autorização ou formação especial para o transporte ocasional

Leia mais

A todo o exposto, acresce alegar que,

A todo o exposto, acresce alegar que, Minuta 3 Exmo. Senhor Presidente da Secção Coordenadora de Avaliação do distrito de - Director de Finanças de (ou) Director-Geral da Autoridade Tributária e Aduaneira, com a categoria de, do mapa de pessoal

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 17.386.702,11 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 15.054.941,72 Operações de Tesouraria 2.331.760,39 49.493.536,78 Receitas Correntes 42.907.516,01

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO CULTURAL

REGULAMENTO CENTRO CULTURAL REGULAMENTO CENTRO CULTURAL Capítulo I Funcionamento e Gestão Artigo 1.º O Centro Cultural é um espaço da A.T.C. Artigo 2.º Compete à Direcção da A.T.C. decidir da forma e modelo de gestão do Centro Cultural.

Leia mais

Como factos mais relevantes e que tiveram maior influência na gestão do exercício, destacamos os seguintes:

Como factos mais relevantes e que tiveram maior influência na gestão do exercício, destacamos os seguintes: RELATÓRIO DE GESTÃO - EXERCÍCIO DE 2016 Nos termos da Lei e dos Estatutos, a Direção da Amnistia Internacional Portugal apresenta à Assembleia Geral o Relatório de Gestão referente ao exercício de 2016.

Leia mais

ENTIDADE JF AVINTES - JUNTA DE FREGUESIA DE AVINTES ANO 2006 PAG. 1

ENTIDADE JF AVINTES - JUNTA DE FREGUESIA DE AVINTES ANO 2006 PAG. 1 PAG. 1 01 ORGÃOS DA AUTARQUIA 0102 ASSEMBLEIA DE FREGUESIA 010204 Ajudas de custo 100,00 100,00 100,00 010213 Outros suplementos e prémios 2.100,00 1.076,40 1.076,40 1.076,40 1.023,60 1.023,60 51.26 010309

Leia mais

ORÇAMENTO DA RECEITA

ORÇAMENTO DA RECEITA Código ORÇAMENTO DA RECEITA Designação Ano : 24 Montante RECEITAS CORRENTES Impostos directos 28.500,00 02 Outros 28.500,00 02 02 Imposto Municipal sobre imoveis 28.500,00 02 Impostos indirectos 62.500,00

Leia mais

PASSATEMPO À VELOCIDADE DO SOL - REGULAMENTO - Regulamento disponível em e

PASSATEMPO À VELOCIDADE DO SOL - REGULAMENTO - Regulamento disponível em  e PASSATEMPO - REGULAMENTO - Regulamento disponível em www.adeporto.eu e www.cm-porto.pt ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. DESTINATÁRIOS... 2 3. OBJECTIVO... 2 4. ESPECIFICAÇÕES... 3 5. AVALIAÇÃO... 3 6. CORRIDA...

Leia mais

Financiamento de Candidaturas. Regulamento

Financiamento de Candidaturas. Regulamento Financiamento de Candidaturas A Junta de Freguesia de Benfica (JFB), no âmbito da sua responsabilidade social e no âmbito da Comissão Social de Freguesia (CSF), irá apoiar financeiramente candidaturas

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA ACTIVIDADES ANUAIS

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA ACTIVIDADES ANUAIS FORMULÁRIO DE CANDIDATURA ACTIVIDADES ANUAIS IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE ASSOCIAÇÃO/COLECTIVIDADE Nome da Entidade: Endereço (rua, n.º): Código Postal: Localidade: N.º Contribuinte: _ Telemóvel: E.mail Fax.:

Leia mais

EXECUTIVO DA JUNTA DE FREGUESIA DE S. VICENTE BRAGA

EXECUTIVO DA JUNTA DE FREGUESIA DE S. VICENTE BRAGA JUNTA FREGUESIA DE S. VICENTE WWW.JF-SVICENTE.COM INFORMAÇÃO PERIÓDICA DO PRESIDENTE DA JUNTA, À ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE S. VICENTE, REFERENTE À SESSÃO ORDINÁRIA DE 18 DE ABRIL 2012. EXECUTIVO DA JUNTA

Leia mais

Estatísticas da Cultura, Desporto e Recreio 2007 O INE divulga dados da Cultura de 2007

Estatísticas da Cultura, Desporto e Recreio 2007 O INE divulga dados da Cultura de 2007 Estatísticas da Cultura, Desporto e Recreio 27 O INE divulga dados da Cultura de 27 2299 DDEE JJAANNEEI J IIRROO DDEE 2299 O Instituto Nacional de Estatística (INE) edita a publicação das Estatísticas

Leia mais

Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos

Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos Estatutos Capítulo I (Princípios Gerais) Art.º1 (Denominação, Natureza e Duração) É constituída por tempo indeterminado,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA O ESTUDO DA DOR-APED. ESTATUTOS (aprovados em Assembleia Geral de 25 de Janeiro de 2002)

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA O ESTUDO DA DOR-APED. ESTATUTOS (aprovados em Assembleia Geral de 25 de Janeiro de 2002) ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA O ESTUDO DA DOR-APED ESTATUTOS (aprovados em Assembleia Geral de 25 de Janeiro de 2002) OBJECTIVOS e SEDE Artigo 1º Parágrafo 1. A Associação Portuguesa para o Estudo da Dor,

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 342.505,09 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 291.458,83 Operações de Tesouraria 51.046,26 13.407.175,15 Receitas Correntes 7.217.689,82 01 Impostos

Leia mais

Freguesia de Aradas. Mapa do Orçamento (Inicial) Ano de 2014

Freguesia de Aradas. Mapa do Orçamento (Inicial) Ano de 2014 Mapa do (Inicial) Ano de 2014 Copyright Globalsoft 1992-2014 Pag.: 1 04 04.01 04.01.23 Correntes Taxas, multas e outras penalidades Taxas Taxas especificas das autarquias locais Canídeos Cemitério TMCA

Leia mais

Secretaria-Geral. Ministério da Economia e da Inovação. Secretaria-Geral

Secretaria-Geral. Ministério da Economia e da Inovação. Secretaria-Geral Ministério da Economia e da Inovação DIPLOMAS Decreto-Lei nº 186/2003 de 20 de Agosto Ministério da Economia Decreto-Lei nº 8/2005 de 6 de Janeiro Ministério das Actividades Económicas e do Trabalho Decreto-Lei

Leia mais

Portefólio da Associação 2011

Portefólio da Associação 2011 Portefólio da Associação 2011 ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO... 2 2 PERCURSO EVOLUTIVO... 2 2.1 Primeiro período (2001-2007)... 2 2.2 Segundo período (a partir de 2010)... 3 3 PRINCIPAIS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS...

Leia mais

Plano de Atividades. Orçamento. para o. Ano Financeiro de 2017

Plano de Atividades. Orçamento. para o. Ano Financeiro de 2017 Plano de Atividades e Orçamento para o Ano Financeiro de 2017 ======== APROVAÇÕES Pela Direcção Em reunião de 11 de Janeiro de 2017 Pela Assembleia Geral Em sessão de / / Plano e Orçamento_2017 - pág 1

Leia mais

A CONTA GERAL DO ESTADO

A CONTA GERAL DO ESTADO Seminario sobre Responsabilização Financeira e Prestação de Contas Ministerio de Finanças e Cooperação Internacional(MFCI) S.Tomé, 28 à 30 de Maio 2012 A CONTA GERAL DO ESTADO Prestação de Contas Aprovação

Leia mais

CAIXAGEST SELECÇÃO CAPITAL GARANTIDO

CAIXAGEST SELECÇÃO CAPITAL GARANTIDO CAIXAGEST SELECÇÃO 2008 - CAPITAL GARANTIDO Fundo de Investimento Mobiliário Fechado RELATÓRIO & CONTAS Liquidação ÍNDICE 1. RELATÓRIO DE GESTÃO 2 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 4 EM ANEXO: RELATÓRIO DO

Leia mais

RELATORIO DE ACTIVIDADES do CONSELHO REGIONAL DO PORTO

RELATORIO DE ACTIVIDADES do CONSELHO REGIONAL DO PORTO RELATORIO DE ACTIVIDADES do CONSELHO REGIONAL DO PORTO Introdução O relatório que aqui se apresenta contém dados estatísticos e informações que respeitam à actividade desenvolvida pelo Conselho Regional

Leia mais

Regulamento Municipal Concurso de Pintura Pintar Vieira do Minho

Regulamento Municipal Concurso de Pintura Pintar Vieira do Minho Regulamento Municipal Concurso de Pintura Pintar Vieira do Minho Artigo 1º Objectivos O Concurso de Pintura Pintar Vieira Minho, organizado pela Câmara Municipal de Vieira do Minho, tem como objectivo

Leia mais

SINDICATO INDEPENDENTE DOS CORREIOS DE PORTUGAL O ÚNICO SINDICATO EXCLUSIVAMENTE DOS CTT

SINDICATO INDEPENDENTE DOS CORREIOS DE PORTUGAL O ÚNICO SINDICATO EXCLUSIVAMENTE DOS CTT Caros associados, 2 Dando cumprimento às disposições Estatutárias do SINCOR Sindicato Independente dos Correios de Portugal, vimos submeter à vossa apreciação, discussão e votação, o Relatório e Contas

Leia mais

Parecer da Secção Autónoma do Conselho Científico do LNIV Relatório de Actividades do INRB, I.P. relativo a 2009

Parecer da Secção Autónoma do Conselho Científico do LNIV Relatório de Actividades do INRB, I.P. relativo a 2009 Parecer da Secção Autónoma do Conselho Científico do LNIV Relatório de Actividades do INRB, I.P. relativo a 2009 A Secção autónoma do Conselho Científico do LNIV, reunida em Plenário no dia 29 de Junho

Leia mais

Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores COMISSÃO DE POLITICA GERAL RELATÓRIO VISITA À CASA DOS AÇORES DO NORTE

Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores COMISSÃO DE POLITICA GERAL RELATÓRIO VISITA À CASA DOS AÇORES DO NORTE RELATÓRIO VISITA À CASA DOS AÇORES DO NORTE Porto, 15 de Março de 2007 INTRODUÇÃO No passado dia 15 de Março do corrente ano e, no âmbito da programação de trabalhos pré-estabelecida, a Comissão Permanente

Leia mais

Estatutos da Musikarisma Associaça o

Estatutos da Musikarisma Associaça o Estatutos da Musikarisma Associaça o SECÇÃO I DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1º A Musikarisma é uma Associação Cultural, Sem Fins Lucrativos, tendo a sua sede na Rua José Estêvão, com o número cento e treze, na

Leia mais

Social E DESPORTO DOS TRABALHADORES DA. Segurança Social de Castelo Branco D C. B R A N. Segurança Social. Plano de Actividades e Orçamento 2009

Social E DESPORTO DOS TRABALHADORES DA. Segurança Social de Castelo Branco D C. B R A N. Segurança Social. Plano de Actividades e Orçamento 2009 ENTRO DE Acção Social ULTURA E DESPORTO DOS TRABALHADORES DA Segurança Social de astelo Branco A S D. B R A N O Segurança Social Plano de Actividades e Orçamento 2009 2009 será o princípio de uma nova

Leia mais

MINUTA DA ACTA n.º 19/2011

MINUTA DA ACTA n.º 19/2011 MINUTA DA ACTA n.º 19/2011 Minuta da Acta da reunião ordinária da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António, realizada no dia 16 DE AGOSTO DE 2011. Aos dezasseis dias do mês de Agosto de 2011, em

Leia mais

2 Newsletter RUA SOAR DE CIMA ( MUSEU ALMEIDA MOREIRA) VISEU. Projeto apoiado pelo Fundo para a Promoção do Direitos dos Consumidores

2 Newsletter RUA SOAR DE CIMA ( MUSEU ALMEIDA MOREIRA) VISEU. Projeto apoiado pelo Fundo para a Promoção do Direitos dos Consumidores 2 Newsletter 1. Beira Amiga como resposta ao consumidor 2. CLAS: Centro Local de Ação Social 3. RACE: Rede de Apoio ao Consumidor Endividado Encontro Lisboa 4. Tertúlia Noites na Pólis 5. Beira Amiga na

Leia mais

ORÇAMENTO DE 2007 Receitas/Despesas

ORÇAMENTO DE 2007 Receitas/Despesas CORRENTES 13.767.023,00 CORRENTES 13.767.023,00 01 Impostos directos 3.742.060,00 01 Despesas com o pessoal 6.715.760,00 01.02 Outros 3.742.060,00 01.01 Remunerações certas e permanentes 5.503.000,00 01.02.02

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Ac. Câmara (AO-01) COBRANÇA DO IVA NA TARIFA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PEDIDOS DE PARECER

MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Ac. Câmara (AO-01) COBRANÇA DO IVA NA TARIFA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PEDIDOS DE PARECER (AO-01) COBRANÇA DO IVA NA TARIFA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PEDIDOS DE PARECER Pelo Vereador senhor João Araújo foi questionado o facto de nos recibos de água se estar a cobrar IVA na tarifa de resíduos sólidos

Leia mais

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA REGULAMENTO CONCURSO DE FOTOGRAFIA A PSP DOS AÇORES 1. ORGANIZAÇÃO O presente Concurso de fotografia é organizado pelo Comando Regional da PSP dos Açores (CR Açores), com o objectivo de consolidar um banco

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 2.976.969,19 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 2.953.436,80 Operações de Tesouraria 23.532,39 8.777.665,78 Receitas Correntes 5.115.251,25 01 Impostos

Leia mais

REGULAMENTO DA FEIRA DO AUTOMÓVEL USADO DE FAFE

REGULAMENTO DA FEIRA DO AUTOMÓVEL USADO DE FAFE REGULAMENTO DA FEIRA DO AUTOMÓVEL USADO DE FAFE Preâmbulo O concelho de Fafe tem, desde há muito tempo, uma estreita relação com o sector automóvel. Os gloriosos momentos do Mundial de Rali do início da

Leia mais

1. A associação tem os seguintes associados fundadores:

1. A associação tem os seguintes associados fundadores: ASSOCIAÇÃO Artigo 1.º Denominação e sede 1. A associação adopta a denominação. 2. A associação tem a sua sede na, freguesia de, concelho de. 3. A associação tem o número de pessoa colectiva e o número

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 Novembro 2014 Data Alteração 13-10-14 Alteração em reunião de Direcção INDICE I. INTRUDUÇÃO II. LINHAS ORIENTADORAS DO PLANO DE ATIVIDADES III. ESTRUTURA DA ASSOCIAÇÃO 1 Descrição

Leia mais

O Instituto do Desporto de Portugal, I.P. (IDP, I.P.) é um Instituto Público dotado de

O Instituto do Desporto de Portugal, I.P. (IDP, I.P.) é um Instituto Público dotado de Conta de Gerência de 2010 RELATÓRIO DE GESTÃO 01-01-2010 A 31-12-2010 1. INTRODUÇÃO O Instituto do Desporto de Portugal, I.P. (IDP, I.P.) é um Instituto Público dotado de personalidade jurídica, autonomia

Leia mais

ORÇAMENTO DA DESPESA

ORÇAMENTO DA DESPESA 01 01 00 ORGÃOS DA AUTARQUIA 01 Despesas com o pessoal 177.774,00 01 01 Remunerações certas e permanentes 103.263,00 01 01 01 Titulares de órgãos de soberania e membros de órgãos autárquicos 19.425,00

Leia mais

ROTA HISTÓRICA DAS LINHAS DE TORRES

ROTA HISTÓRICA DAS LINHAS DE TORRES ROTA HISTÓRICA DAS LINHAS DE TORRES meta-análise de um percurso ASSOCIAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO E PATRIMONIAL DAS LINHAS DE TORRES VEDRAS MUNICÍPIOS PARTICIPANTES Arruda dos Vinhos

Leia mais

I Congresso Internacional de IVA: As isenções no terceiro sector. Marta Machado de Almeida ( )

I Congresso Internacional de IVA: As isenções no terceiro sector. Marta Machado de Almeida ( ) LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ I Congresso Internacional de IVA: As isenções no terceiro sector Marta Machado de Almeida (17-09-2013) Sumário Direitos de autor 1.

Leia mais

ACOA Associação dos Amigos do Parque e Museu do Coa. Plano de Atividades E Orçamento

ACOA Associação dos Amigos do Parque e Museu do Coa. Plano de Atividades E Orçamento ACOA Associação dos Amigos do Parque e Museu do Coa Plano de Atividades E Orçamento Ano de 2015 ÍNDICE GERAL 1. PLANO DE ATIVIDADES... 2 1.1. OBJETIVOS...... 2 1.2. A ATIVIDADE... 3 1.3. INVESTIMENTOS......4

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2008 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 II. PLANO DE ACTIVIDADES 4 2.1. FORMAÇÃO 4 2.1.1. Mestrado em Reabilitação Psicossocial Especialidade em Perturbação Mental 4 2.1.2.Publicação

Leia mais

Estatutos para associações, clubes e colectividades

Estatutos para associações, clubes e colectividades Estatutos para associações, clubes e colectividades Artigo 1.º Designação e Objectivos O/A (nome da colectividade ou associação), adiante designada por (sigla) é uma associação de fins (concretização dos

Leia mais

F L U X O S D E C A I X A ANO 2006 ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 R E C E B I M E N T O S

F L U X O S D E C A I X A ANO 2006 ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 R E C E B I M E N T O S ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 R E C E B I M E N T O S SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR... 809.124,29 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL... 550.398,68 OPERAÇÕES DE TESOURARIA... 258.725,61 RECEITAS ORÇAMENTAIS...

Leia mais

FLUXOS DE CAIXA CONSOLIDADOS

FLUXOS DE CAIXA CONSOLIDADOS CÂMARA MUNICIPAL DO / SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE TRANSPORTES COLECTIVOS DO RECEBIMENTOS Saldo da gerência anterior 2.164.836,98 Execução Orçamental 1.506.708,02 Operações de Tesouraria 658.128,96 Total

Leia mais

PASSATEMPO À VELOCIDADE DO SOL - ADENDA AO REGULAMENTO -

PASSATEMPO À VELOCIDADE DO SOL - ADENDA AO REGULAMENTO - PASSATEMPO - ADENDA AO REGULAMENTO - 1. INTRODUÇÃO Dado que a organização da Semana da Energia e do Ambiente (SEA) recebeu solicitações por parte de alunos que estão a frequentar o 9º ano para participarem

Leia mais

CENTRO SOCIAL DE FIGUEIRÓ DO CAMPO

CENTRO SOCIAL DE FIGUEIRÓ DO CAMPO CENTRO SOCIAL DE FIGUEIRÓ DO CAMPO RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2015 Índice INTRODUÇÃO... 3 ÁREA DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS... 3 RESPOSTAS SOCIAIS... 3 SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO... 4 CENTRO DE DIA... 4 CENTRO

Leia mais

Regulamento do Orçamento Participativo Jovem. Preâmbulo

Regulamento do Orçamento Participativo Jovem. Preâmbulo Regulamento do Orçamento Participativo Jovem Preâmbulo O movimento em favor de um maior envolvimento das pessoas na vida colectiva, particularmente na sua dimensão local, tem vindo a ganhar uma cada vez

Leia mais

ÍNDICE GERAL PRIMEIRA PARTE

ÍNDICE GERAL PRIMEIRA PARTE ÍNDICE GERAL PRIMEIRA PARTE Relatório 1. Introdução 2. Actividades correntes 3. Actividades não correntes 4. Apoio Social 5. Diversos 6. Contabilidade Central e Apoio Administrativo 7. Aos que nos deixaram

Leia mais

Corpo Nacional de Escutas. Agrupamento 1233 Almalaguês

Corpo Nacional de Escutas. Agrupamento 1233 Almalaguês Corpo Nacional de Escutas Agrupamento 1233 Almalaguês Paulo Pinto Ilídio Dionísio Duarte Fachada João Rosado Idalina Rosa João Rosado Paulo Pinto Renato Rosa Alberto Dionísio Duarte Fachada Ilídio Dionísio

Leia mais

Exmo. Sr. Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento, Uma primeira palavra de boas-vindas à Universidade de Aveiro, e de

Exmo. Sr. Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento, Uma primeira palavra de boas-vindas à Universidade de Aveiro, e de Exmo. Sr. Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento, Exmo. Sr. Secretário de Estado da Energia e da Inovação, Exmo. Sr. Director Geral da Agência para a Energia, Caros membros da Comunidade

Leia mais

As notas explicativas são partes integrantes das demonstrações contábeis.

As notas explicativas são partes integrantes das demonstrações contábeis. INVESTIMENTOS DO ESTADO DO PARANÁ. CNPJ 79.797.189/0001-45 AVENIDA SETE DE SETEMBRO, 4751 SOBRELOJA 02 BAIRRO BATEL CURITIBA/PR EXERCÍCIOS DE 2013 E 2012: DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARECER DO CONSELHO FISCAL

Leia mais

SOCIEDADE PORTUGUESA PARA O ESTUDO DAS AVES

SOCIEDADE PORTUGUESA PARA O ESTUDO DAS AVES SOCIEDADE PORTUGUESA PARA O ESTUDO DAS AVES ESTATUTOS ARTIGO 1º (Constituição, designação e sede) 1. É constituída a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves, adiante designada abreviadamente apenas

Leia mais

ESTATUTOS SECÇÃO DE INTERNOS SOCIEDADE PORTUGUESA DE ANESTESIOLOGIA PORTUGUESE TRAINEE NETWORK (SI/SPA-PTN) Artigo 1º Definição e símbolo

ESTATUTOS SECÇÃO DE INTERNOS SOCIEDADE PORTUGUESA DE ANESTESIOLOGIA PORTUGUESE TRAINEE NETWORK (SI/SPA-PTN) Artigo 1º Definição e símbolo ESTATUTOS SECÇÃO DE INTERNOS SOCIEDADE PORTUGUESA DE ANESTESIOLOGIA PORTUGUESE TRAINEE NETWORK (SI/SPA-PTN) Artigo 1º Definição e símbolo 1 - A Seção de Internos da Sociedade Portuguesa de Anestesiologia

Leia mais

Façamos um trabalho que conduza à felicidade, seguindo os preceitos do Mestre Mikao Usui

Façamos um trabalho que conduza à felicidade, seguindo os preceitos do Mestre Mikao Usui 2016-2018 Façamos um trabalho que conduza à felicidade, seguindo os preceitos do Mestre Mikao Usui Princípios Fundamentais A Associação foi criada para o esclarecimento e apoio aos praticantes de Reiki.

Leia mais

Associação de Moradores do Bairro das Calvanas PLANO DE ACTIVIDADES

Associação de Moradores do Bairro das Calvanas PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2012 INTRODUÇÃO O ano de 2011 foi extremamente proveitoso para a Associação de Moradores de Calvanas (AMC) e, nesse sentido, foi possível terminar a primeira fase das obras referentes

Leia mais

Divulgação dos resultados 1º trimestre de (não auditado) 80 ANOS A investir na indústria

Divulgação dos resultados 1º trimestre de (não auditado) 80 ANOS A investir na indústria Divulgação dos resultados 1º trimestre de 2017 (não auditado) 80 ANOS A investir na indústria GRUPO RAMADA PERFIL EMPRESARIAL A F. Ramada Investimentos é a sociedade-mãe de um conjunto de empresas (Grupo

Leia mais

ORÇAMENTO RECEITA E DESPESA

ORÇAMENTO RECEITA E DESPESA JUNTA DE FREGUESIA DE GUADALUPE MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DA GRACIOSA ORÇAMENTO RECEITA E DESPESA PARA O ANO FINANCEIRO DE 2013 POCAL Datas das Deliberações Junta de Freguesia Assembleia de Freguesia 20-12-2012

Leia mais

Conselho Geral Transitório. Ag4 de Odivelas LINHAS ORIENTADORAS DO ORÇAMENTO PARA 2014

Conselho Geral Transitório. Ag4 de Odivelas LINHAS ORIENTADORAS DO ORÇAMENTO PARA 2014 Conselho Geral Transitório Ag4 de Odivelas LINHAS ORIENTADORAS DO ORÇAMENTO PARA 2014 Comissão Eventual do Conselho Geral Transitório, nomeada na sua sessão de 13 de Janeiro de 2014, para elaborar um Projecto

Leia mais

Projecto de Regulamento de Apoio a Associações. Juvenis, Associações de Estudantes e Grupo de. Jovens do Concelho de Vila Nova de Famalicão

Projecto de Regulamento de Apoio a Associações. Juvenis, Associações de Estudantes e Grupo de. Jovens do Concelho de Vila Nova de Famalicão Projecto de Regulamento de Apoio a Associações Juvenis, Associações de Estudantes e Grupo de Jovens do Concelho de Vila Nova de Famalicão Preâmbulo Capítulo I -Definições e Objectivos Artigo 1.º - Definição

Leia mais

APPASSI. Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17

APPASSI. Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17 Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17 ÍNDICE Introdução Enquadramento 1 Estrutura e Organização Interna 2

Leia mais

18 7 de Outubro de 2008 Número 127

18 7 de Outubro de 2008 Número 127 18 7 de Outubro de 2008 Resolução n.º 1012/2008 Considerando que a Marítimo da Madeira - Futebol - - SAD necessita de reunir a Assembleia-Geral, sem observância das formalidades prévias nos termos do artigo

Leia mais

FREGUESIA DE CABO DA PRAIA

FREGUESIA DE CABO DA PRAIA FREGUESIA DE CABO DA PRAIA MUNICÍPIO DE PRAIA DA VITÓRIA FLUXOS DE CAIXA APROVAÇÃO PARA O ANO FINANCEIRO DE 2009 Datas das Deliberações Junta de Freguesia / / Assembleia de Freguesia / / Órgão Executivo

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE NORDESTE

REGULAMENTO DA COMISSÃO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE NORDESTE REGULAMENTO DA COMISSÃO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE NORDESTE A Câmara Municipal ao abrigo do artigo 241º da Constituição da República Portuguesa e no âmbito das competências previstas na Lei n.º

Leia mais

Instituto Politécnico de Castelo Branco. Gerência de a Recebimentos. De dotações orçamentais (OE) ,

Instituto Politécnico de Castelo Branco. Gerência de a Recebimentos. De dotações orçamentais (OE) , Instituto Politécnico de Castelo Branco Gerência de 01-01-2011 a 31-12-2011 Class. Económica Recebimentos Saldo da gerência anterior Execução orçamental - Fundos Próprios 1.408.401,59 De dotações orçamentais

Leia mais

Escola Superior de Educação de Viseu FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO 1.º CICLO NA ÁREA DE MATEMÁTICA. Proposta

Escola Superior de Educação de Viseu FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO 1.º CICLO NA ÁREA DE MATEMÁTICA. Proposta Escola Superior de Educação de Viseu FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO 1.º CICLO NA ÁREA DE MATEMÁTICA Proposta Preâmbulo A formação contínua de professores, não tem em Portugal, na última década, uma

Leia mais

Fluxos de Caixa SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR ,12 RECEITAS ORÇAMENTAIS ,52 DESPESAS ORÇAMENTAIS ,29. Receitas Correntes

Fluxos de Caixa SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR ,12 RECEITAS ORÇAMENTAIS ,52 DESPESAS ORÇAMENTAIS ,29. Receitas Correntes SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR 34.139,12 Execução Orçamental 32.254,99 Operações de tesouraria 1.884,13 Pág.: 1 RECEITAS ORÇAMENTAIS 426.983,52 DESPESAS ORÇAMENTAIS 400.243,29 04 Taxas, multas e outras penalidades

Leia mais

MINUTA DA ATA N.º 10/2012

MINUTA DA ATA N.º 10/2012 MINUTA DA ATA N.º 10/2012 Minuta da Ata da reunião ordinária da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António, realizada no dia 2 DE MAIO DE 2012. Aos dois dias do mês de maio de 2012, em Vila Real de

Leia mais

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1º Constituição e denominação É constituída uma associação civil sem fins lucrativos denominada Academia

Leia mais