R e l a t ó r i o A n u a l lojas americanas. u m n o v o m u n d o n o v a r e j o

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "R e l a t ó r i o A n u a l 1 9 9 8. lojas americanas. u m n o v o m u n d o n o v a r e j o"

Transcrição

1 R e l a t ó r i o A n u a l lojas americanas u m n o v o m u n d o n o v a r e j o

2 0 2 R e d u ç ã o d a s D e s p e s a s O p e r a c i o n a i s 0 4 R e d e f i n i ç ã o d a s V a r i á v e i s C o m e r c i a i s 0 6 P l a n e j a m e n t o E s t r a t é g i c o 0 8 M e n s a g e m d o P r e s i d e n t e 1 0 A E m p r e s a 1 4 D e s e m p e n h o e R e s u l t a d o s d o E x e r c í c i o 1 8 P r o j e t o F o c u s 2 0 L o g í s t i c a e D i s t r i b u i ç ã o 2 4 I nv e s t i m e n t o s 2 6 D e m o n s t r a ç õ e s F i n a n c e i r a s 2 9 P a r e c e r d o s A u d i t o r e s I n d e p e n d e n t e s 3 6 N o t a s E x p l i c a t i v a s d a A d m i n i s t r a ç ã o à s D e m o n s t r a ç õ e s F i n a n c e i r a s 4 6 P r i n c i p a i s E x e c u t i v o s

3 O v a r e j o s e m p r e f o i a n o s s a v o c a ç ã o. A g o r a t a m b é m é o f o c o. O P l a n o d e R e e s t r u t u r a ç ã o d a s L o j a s A m e r i c a n a s, i m p l e m e n t a d o e m , é o i n í c i o d e u m p r o c e s s o i r r e v e r s í v e l d e r e t o m a d a d o n o s s o n e g ó c i o. E s t a m o s a p l i c a n d o t e m p o, e n e r g i a e e m o ç ã o n o d e s a f i o d e r e i n v e n t a r a e m p re s a. E s t e r e l a t ó r i o é r e s u l t a d o d e s s e e s f o r ç o.

4 redução das despes

5 Redução de R$ 24,4 milhões no segundo semestre de 1998 e de 22,2 % n o qua dro d e f u nc i o n á rios pela re a v a l i a ç ã o dos processos opera c i o n a i s Atuação com foco nas lojas c o nvencionais e venda das 23 lojas com formato de s u p e r m e r c a d o as operacionais Implantação do s o f t w a re d e gestã o integrada SAP, c o m reavaliação de sistemas e da t e c n o l ogia da info r m a ç ã o Av aliação constante das p e r formances das lojas e do s c o n t ratos de a luguel

6 redefinição das var

7 Redesenho dos divers o s d e p a r tamentos com otimizaç ã o do sor timento de mercadori a s - P rojeto Fo c u s E xecução de novo plano de m e rc h a n d i s i n g, com melhori a d o l ay - o u t das lojas e exposição de mercadorias por uso final de consumo iáveis comerc i a i s I mp le m en ta ção de n ovo s i s tema de Log í s t i c a, com a mais avançada tecnolog i a em administração de estoques, pedidos a fo r n e c e d o res e d i s t r ibuição de mercador i a s R e p o s i ç ã o just in time d o s a rt i gos nas lojas, com níveis de atendimento adequados à o r g a n i z a ç ã o

8 planejamento estra

9 D e finição de novo formato de negócio para o futuro Adoção de posicionamento e s t ratégico único no merc ado t é g i c o P re p a ração da empresa para um cená rio mais competitivo R e forço da vocação vare j i s t a da Lojas A m e ri c a n a s

10 1998 foi um ano difícil para o setor varejista, que sofreu os reflexos das crises econômicas intern a c i o n a i s o c o rridas no período. Neste contexto, podemos afi rmar que Lojas A m e ricanas foi bem sucedida ao adotar uma estratégia de reavaliação opera c i o n a l, baseada em um amplo processo de reestru t u ração de todas as áreas da empresa. Este processo começou a ser executado pela nova A d m i n i s t ração a par tir de julho, c o m o objetivo de extrair todo o potencial de seus ativo s. Desta fo rm a, Lojas A m e ricanas decidiu focar a atuação em seu principal negócio, composto pelas 86 lojas c o nve n c i o n a i s, e vender as 23 lojas de superm e r c a d o s. Em 14 de agosto de 1998, o Conselho de A d m i n i s t ração aprovou a venda total da participação acionária das Lojas A m e ricanas na empresa 5239 Comércio e Pa r ticipação S.A. p a ra a francesa Comptoirs Modernes S.A. Além do ganho líquido nesta o p e ra ç ã o, que foi de R$ 219 m i l h õ e s, saímos do segmento superm e r c a d i s t a, que está em fase de consolidação e exigiria expressivos investimentos financeiros para manutenção da competitividade. O realinhamento das despesas operacionais por meio de uma abordagem fisiológica adequou a empresa remanescente a um mercado mais restri t i vo e competitivo. D e s e nvo l vemos um processo de orçamento em base ze r o, pelo qual fo ram reavaliados todos os processos operacionais da Companhia. As despesas c a í ram em cerca de R$ 24,4 m i l h õ e s no semestre e houve uma diminuição de 22,2% no quadro de f u nc i o n á ri o s. Em dezembro de 1998, o foco nas principais atividades operacionais levou a A d m i n i s t ra ç ã o da empresa à decisão de agregar todos os ativos imobiliári o s.

11 H o j e, a controlada integral Empreendimentos Imobiliários São Car los S.A. p e rmite uma gestão mais e ficiente e produtiva do negócio imobiliário da Lojas A m e ri c a n a s. D u rante o segundo semestre de 1998, iniciamos um projeto de reorientação do foco comercial da C o m p a n h i a, cujos resultados estão aparecendo ao longo de O Projeto Focus tem três objetivos básicos: r e d e finir o Plano de Sor timento de mercadori a s ; adequar o ambiente físico das lojas a esse plano, i n t r oduzindo o conceito de agrupar as mercadorias por uso final de consumo; e adequar o processo l o g í stico ao novo plano de sor t i m e n t o. E s t a m o s, a s s i m, c riando o conceito dos mundos da Nova Lojas A m e ri c a n a s. A experiência levou a Companhia de volta às origens varejistas e cada seção tornou-se um verdadeiro mundo de produtos de g randes marcas e preços baixos, a g rupados por categori a. Essa é a nossa vo c a ç ã o. F i n a l i z a n d o, g o s t a riamos de agradecer a colaboração especial dos nossos associados, fo rnecedores de m e rc a d o rias e ser v i ç o s, bem como dos demais colaboradores e acionistas, por todo o esforço realizado ao longo de E que continuem com o mesmo espírito de luta, entusiasmo e confiança para que p o ssamos alcançar de fo rma objetiva as metas tr açadas par a o ano de 1999, quando estaremos completando 70 anos de Lojas A m e ri c a n a s. A Diretori a

12 Fundada em maio de 1929, Lojas A m e ricanas S.A., empresa de capital aber t o, é uma cadeia de lojas de descontos de abrangência nacional. Sua estratégia é vender no varejo mercadorias de baixo valor unitári o. Sua política se baseia nos conceitos de g randes marcas, preços baixos, todos os dias. As 86 lojas convencionais da Companhia ficam localizadas em 17 estados do país e empregam diret a m e n t e cerca de 12 mil pessoas, que trabalham para o bem-estar de uma clientela anual de cerca de 550 mil indivíduos. Todos os espaços destinados à exposição de mercadori a s, num total de 220 mil m 2, são planejados para o ferecer ao consumidor um ambiente agra d á ve l, prático e muito confo rt á ve l, dividido em cinco gra n d e s s e ç õ e s : i n f a n t i l, l a r, b e l e z a, c o n fecção e laze r. São milhares de itens à disposição de todos. L o j a s A m e r i c a n a s Venda (US$ milhões): * Nº de Lojas: 8 6 Área de Ve n d a : m 2 Nº de A s s o c i a d o s : * taxa de câmbio de 31/12/98: US$ 1,00 = R$ 1,2087

13 I n f o r m a ç õ e s s o b r e a E m p r e s a A s s e m bléia Geral A A s s e m bléia Geral Ordinária e Extra o r d i n á ria foi realizada no dia 30 de abril de 1999, às 15 hora s, e m Segunda Convo c a ç ã o, no anexo à Sede da Companhia, localizado à Rua Coelho e Castro, 38 - Rio de Janeiro. S e d e Lojas A m e ricanas S.A. Rua Sacadura Cabra l, Rio de Janeiro RJ Te l.: (5521) F a x.: (5521) Ações Escriturais O Banco Bradesco S.A. é a instituição fi n a n c e i ra depositária das ações escri t u rais da Companhia, a t e n d e n d o em todas as suas agências do terri t ó rio nacional. A u d i t o res Externos P rice Waterhouse Auditores Independentes Rua da Candelári a, 65 11º ao 15º andar Rio de Janeiro RJ Bolsa de Va l o re s As ações da Lojas A m e ricanas S.A. são registradas nacionalmente, podendo ser negociadas em todas as Bolsas de Va l o r e s. A Companhia também tem suas ações negociadas no mercado nor t e - a m e ricano atrav é s de A D R s (American Depositar y Receipt) nível I, tendo como banco depositário americano o Bank of New Yo rk. D e p a rtamento de Relações com o Merc a d o Cópias adicionais deste Relatório A nual também podem ser obtidas através do Depar tamento de Relações com o Mercado ou diretamente em nosso web site na Intern e t. E n d e reço na Internet w w w. l o j a s a m e ricanas.com.br ou www. l a s a. c o m. b r Gisomar Marinho Gerente de Relações com o Mercado Te l.: (5521) F a x.: (5521) E - m a i l : g i s o m a r. m a ri n h l a s a. c o m. b r

14 D i s t r i b u i ç ã o G e o g r á f i c a d a s L o j a s consumidores e tíquetes/dia itens m 2 de área de ve n d a empre g a d o s Total de Lojas por Região V s. P I B R e g i ã o Nº de Lojas % do To t a l % do PIB S u d e s t e % 63, 0 % S u l % 15, 2 % N o rd e s t e % 12, 6 % C e n t ro - O e s t e 7 8 % 5, 9 % N o rt e 2 2 % 3, 3 % To t a l % 100, 0 %

15 Venda por Categoria Alimentos de C o nv e n i ê n c i a 1 8, 5 % Ve s t u á ri o 2 2, 7% Não A l i m e n t o s 5 8, 7 % E volução das Vendas /1998 US$ bilhões 2,5 12 2,0 1,5 1,6 1,7 1,7 1,5 1,2 13 1,0 0,5 0, Tíquete Médio /1998 US$ / Clientes ,0 14,8 11,4 10 7,5 10,0 O B S : de 1994 a 1997 são considerados lojas convencionais e superm e r c a d o s. Em 1998 são consideradas apenas as lojas conv e n c i o n a i s. Taxa de câmbio de 31/12/98: US$ 1,00 = R$ 1,

16 Ao té r mi n o d o ex er cí c i o so ci a l d e , L o j as A m e r i c a na s o b t e ve u m lu c r o l í qu i d o d e R $ 1 7 5, 3 m i l h õ e s, a t ri buído basicamente à venda da divisão de superm e r c a d o s. A comparação de resultados entre os exercícios de 1998 e 1997 fica prejudicada no que se r e fere às lojas de superm e r c a d o, razão pela qual esta análise está f ocada no resu ltado das lojas c o nve n c i o n a i s, até o nível do lucro o per a c i o n a l. A s ve n da s br ut as d as l ojas co nve nci on ais f o r am de R $ ,1 mil hõe s e m 19 98, c o n t r a R $ ,2 mi lh ões em 1997, representando uma queda nominal de 4, 3% no c ompar a t i vo entre os períodos. A margem br uta melhorou para 24,2% em 1998, s u p e r ando os 23,4% do ano a n t er i o r. A análise de di stri bu ição da venda por moda li dade de paga me nto no quar to tr i m e s t r e de 1998 reve la fo r te par ticipação de oper ações à vista (72%). A i na dimp lên cia méd ia d a Companhia no mesmo período foi de 1,3% (1,0% em dez/98), representada apen as pelas o p e r ações com cheques à vista. E volução da Margem Bruta A b e rtura das Receitas % 24,2% 24% 25,2% 24,3% 23,5% 24,2% 23,4% Cheque à V i s t a 1 2 % C a rtão LASA 5 % D i n h e i ro 5 5 % 22% C a rtão de Crédito 2 8 % 20% 1º Semestre 2º Semestre Total/Ano

17 14 15

18 Despesas Operacionais Lojas Convencionais (em R$ milhões) R e d u ç ã o 4º Tr i m e s t re 70, 2 85, 8 15, 6 2º Semestre 132, 0 156, 4 24, 4 Total A n o 271, 6 295, 3 23, 7 As despesas operacionais apresentaram uma perfo rmance positiva, m o s t rando os primeiros resultados concretos do processo de reestru t u ração implementado no segundo semestre do ano. As despesas com vendas das lojas convencionais no ano de 1998 apresentaram uma redução de R$ 14,0 milhões (R$ 222,9 milhões em 1998 contra R$ 236,9 milhões em 1997). No 4º tri m e s t r e, as despesas de ve n d a s das lojas diminu í ram em R$ 13,9 milhões, se comparadas com o mesmo período do ano anteri o r. E m 1998, as despesas gerais e administrativas das lojas convencionais fo ram reduzidas em R$ 9,7 milhões ( R$ 48,7 milhões em 1998 contr a R$ 58,4 milhões em 1997). D u rante o 4º tr im estre de 1998, a p r e s e nt a ram uma redução de R$ 1,7 milhões, na comparação com o mesmo período de A análise da redução total das despesas operacionais oriundas da reestru t u ração no decorrer do segundo semestre de 1998 leva a um valor total de R$ 24,4 milhões (R$ 15,6 milhões no 4º trimestre e R$ 8,8 milhões no 3º tri m e s t r e ). O resultado operacional das lojas convencionais em 1998 foi negativo em R$ 10,0 milhões, após o expurg o da provisão de reestru t u ração de R$ 37,2 milhões, realizada no primeiro trimestre de 1998, a p r e s e n t a n d o uma melhora de R$ 4,2 milhões em comparação com o obtido em No 4º trimestre de 1998, o resultado o p e racional das lojas convencionais foi positivo em R$ 7,3 milhões, c o n t ra um resultado positivo de R$ 7,1 milhões no mesmo período do ano anteri o r.

19 E volução do Quadro de A s s o c i a d o s O resultado financeiro líquido consolidado de Lojas A m e ricanas em 1998 foi positivo em R$ 18,7 m i l h õ e s, c o n t ra um resultado negativo de R$ 27,5 milhões no ano anteri o r, como conseqüência da posição favo r á ve l de liquidez do caixa da Companhia. Por decisão do Conselho de A d m i n i s t ra ç ã o, foi aprovado o pagamento de juros sobre o capital própri o no montante de R$ 48,2 m i l h õ e s, pagamento este realizado em 22 de dezembro de 1998, no valor de R$ 0,87267 por lote de mil ações, já líquido do Imposto de Renda na Fonte à alíquota de 15%, c a l c u l a d o com base na variação da Taxa de Juros de Longo Pr a zo (TJLP) nos termos da Lei nº 9.249/95. O montante pago a título de juros sobre o capital própri o, líquido do Imposto de Renda, será imputado ao valor do dividendo mínimo obri g a t ó rio proposto a cada ação, r e ferente ao resultado do exercício social de , na fo rma da Deliberação CVM nº 207. Foi aprovada também a subscrição particular de capital, no montante de R$ 41,0 m i l h õ e s, mediante a emissão de ações ON e ações PN. Em março de 1999, Lojas A m e ricanas distri bu í ram o valor de R$ 3,3 m i l h õ e s, c o rrespondente à dife r e n ç a entre o dividendo proposto, calculado de acordo com a legislação vigente, e o valor pago em 22 de d e zembro de 1998, a título de juros sobre o capital própri o, g a rantindo o direito do acionista prefe r e n c i a l i s t a em receber 10% acima do valor dos dividendos pagos aos detentores de ações ordinári a s.

20 D u rante o segundo semestre de 1998, a Companhia conduziu o Projeto Focus, que se resume em uma ação de curto a médio pra zo visando maximizar o potencial atual da Lojas A m e ricanas S.A. O projeto tem três objetivos básicos: Redesenhar o Plano de Mercadorias de cada um dos depar t a m e n t o s ; D e finir e implementar mudanças nas lojas que supor tem o novo Plano de M e r c h a n d i s i n g, que m e lhorem o l a y - o u t e a experiência de compra por par te do consumidor ; I d e n t i ficar e implementar as mudan ças logí sticas necessár ias par a in troduzir o novo Pl ano d e M e r c a d o ri a s. O Projeto Focus também possibilitou a criação de uma visão hierarquizada da gestão comercial da C o m p a n h i a, d e finindo o papel que cada depar tamento dentro do mix da Lojas A m e ricanas (Foco, S u p o r te e Comp lementar). Em ju nh o de 1998, d u r an te u m tre inamento par a toda a ár ea d e c o m p ra s, c om p a rt i c ipação dos gerentes regionais, foi apresentada a metodologia para a análise do sor timento ( depar t a m e n t o, l i n h a, i t e m ). Todos os depar tamentos tive ram seu sor timento analisado e repensado entre junho e novembro de 1998.

21 Em par a l e l o, a consultoria Factor s foi contratada para ajudar a Companhia a repensar suas lojas no que tange ao l a y - o u t e à fo rma de expor as mercadori a s, visando modernizá- las e adequá-las a um ambiente de negócios extremamente competitivo. A par tir de janeiro de 1999, em todas as lojas da Companhia f o r am impleme ntadas decisões r e fe rentes às mudanças do plano de sor t i m e n t o s, como a suspensão e o cancelamento de itens, a troca de itens entre linhas e depar t a m e n t o s, a junção de depar tamentos e os novos preços. A l g u m a s linhas de produtos fo ram reduzidas ou mesmo eliminadas do mix da Companhia. Três lojas fo ra m escolhidas para o teste da Nova Lojas A m e ri c a n a s, e nvo l vendo l a y - o u t, e x p o s i ç ã o, sinalização e atendimento ao cliente.

22 Ao longo do ano de 1998, h o u ve um avanço signifi c a t i vo na implantação do projeto de desenvo l v i m e n t o de uma rede de logística própri a. Todas as metas propostas para o exercício fo ram integralmente cumpri d a s por Lojas A m e ri c a n a s. D e s t a q u e s : C o n t i nuação da centralização de estoques, totalizando 41 lojas no novo modelo; D e s e nvolvimento e implantação em caráter experimental de um sistema de reposição baseado em ponto de pedido para lojas centra l i z a d a s, p e rmitindo uma melhor gestão dos estoques; C o n s t rução do Centro de Distri buição de Recife - cuja inauguração ocorreu em 05 de fe vereiro de , localizado na BR 101 Sul, Km 29,6, Ponte dos Carvalhos Cabo de Santo Agostinho - PE; Início da construção do Centro de Distri buição do Rio de Janeiro, com inauguração prevista para o segu ndo sem estre de 1999, o que per mitirá a cen tr alização dos estoques de todas as lojas da C o m p a n h i a ; Redução drástica dos custos operacionais dos Centros de Distri buição atuais, mantendo ou apri m o ra n d o os níveis de ser viço pra t i c a d o s.

23 Desta fo rm a, em 1999 deverá estar concluída finalmente a centralização dos estoques de todas as lojas da C o m p a n h i a, o que permitirá a adoção de um único modelo de gestão dos mesmos, com redução s i gn i ficativa dos níveis atualmente pra t i c a d o s. O modelo único de gestão de estoques possibilitará a Lojas A m e ricanas obter uma melhoria contínua da perfo rmance de sua cadeia de supri m e n t o s. O resultado virá na fo rma de benefícios expressivos para os clientes, seja pela redução do o u t - o f - s t o c k ou na fo rma de preços ainda mais baixos. C e n t ros de Distribuição A Lojas A m e ricanas está investindo cerca de R$ 70 milhões em um avançado projeto de logística, q u e c o mp r e e n d e o abastecimento de sua cadeia de lojas a par tir de três centros de distri bu i ç ã o. O Centro de Distri buição de Recife ( PE), i n a u g u rado no dia 05 de fe vereiro de 1999, abastece as 15 lojas da rede na região Nordeste. A obra envo l veu investimentos de R$ 18 milhões na constru ç ã o de um galpão de 23 mil m 2.

24 As lojas das regiões Sul, Centro-Oeste e do Estado de São Paulo são atendidas pelo Centro de D i s t ri buição de São Pa u l o, totalmente automatizado e em oper ação desde o último tr i m e s t r e de Nestes dois centros já se adota a mais moderna tecnologia de gestão e distri buição de mercadori a s. O sistema permite que a reposição de ar tigos nas lojas seja feita de fo rma contínu a, p a ra que os clientes tenham elevados ní veis de atendimen to e satisfação. Também são obtidas redu ções de c u stos no tra n s p o rt e, nas perdas e quebras de carregamento e na operação nos pontos de ve n d a. A unidade do Rio de Janeiro, com conclusão prevista para agosto de 1999, contará com os mesmos r e c u r sos tecnológicos e benefícios dos demais centros de distri bu i ç ã o, fo rnecendo mercadorias para todas as lojas da região Sudeste, exceto as do Estado de São Pa u l o.

25 22 23

26 Os investimentos totais realizados em 1998 fo ram de R$ 36,8 milhões, dos quais R$ 18,7 milhões no P r o g rama de Logística e Distri bu i ç ã o, R$ 8,1 milhões em refo rma de lojas, R$ 6,1 milhões em tecnologia e R$ 3,9 milhões em outros projetos. D u rante o exercício social de 1998, Lojas A m e ricanas iniciou a implantação do Projeto Ano 2000, com o o b j e t i vo de adequar o ambiente tecnológico corp o ra t i vo nos níveis de Sede, Lojas e Centros de D i s t ri buição e garantir a resolução do problema do Bug do milênio até julho de Pa ra tanto, fo i i nvestido um montante de R$ 1,4 milhões, de um total previsto de R$ 5,0 milhões no biênio 1998/1999. Em maio de 1998, Lojas A m e ricanas associou-se a outros grandes grupos empresari a i s, de variados ra m o s e c o n ô m i c o s, p a ra criar um instrumento comum para premiar a fidelidade de seus clientes. O produto desta associação, lançado em agosto, é o programa de mu l t i fidelidade S m a r t Club, a b rangendo em sua etapa inicial a praça do Rio de Janeiro. O programa já conta com expressivo volume de sócios e uma c r e scente par ticipação nas ve n d a s. Lojas A m e ricanas encerrou 1998 com 86 lojas no fo rmato convencional e uma área de vendas de m 2. Em setembro do ano passado, por não estar atingindo o seu equilíbrio econômico, a operação da l oj a localizada na Rua Arquias Cordeiro nº 300/302, no Méier (RJ), foi encerra d a, após 69 anos de f u nc i o n a m e n t o.

27 P r i o r i d a d e s p a r a Ao longo de 1999, as atenções das Lojas A m e ricanas estarão centradas nos seguintes pontos: Redução contínua dos custos operacionais da Companhia; Conclusão do processo de centralização dos estoques; Testes e início da implantação do Projeto Focus, com piloto nas lojas Barra Shopping e Copacabana, n o Rio de Janeiro, e Shopping Iguatemi, em São Pa u l o ; I n a u g u ração de pelo menos três novas lojas; Concepção de um plano estratégico que assegure a competitividade da empresa e sua lucratividade no longo pra zo ; Início da migração dos atuais sistemas, d e s e nvolvidos intern a m e n t e, p a ra o pacote SAP.

28

29

30

31 L o j a s A m e r i c a n a s S. A. Pa re c e r d o s A u d i t o r e s I n d e p e n d e n t e s 8 d e f e v e re i r o d e Aos A d m i n i s t r a d o res e A c i o n i s t a s 1 Examinamos os balanços patrimoniais das Lojas Americanas S.A. e os balanços patrimoniais consolidados das Lojas Americanas S.A. e suas controladas em 31 de dezembro de 1998 e de 1997 e as correspondentes demonstrações do re s u l t a d o, das mutações do patrimônio líquido e das origens e aplicações de recursos das Lojas Americanas S.A. e as correspondentes demonstrações consolidadas do resultado e das origens e aplicações de recursos dos exe rcícios findos nestas datas, elaborados sob a re s p o n s a b i l i d a d e da administração da companhia. Nossa responsabilidade é a de emitir parecer sobre essas demonstrações financeiras. 2 Nossos exames foram conduzidos de acordo com as normas de auditoria, que re q u e rem que os exames sejam realizados com o o b j e t i vo de comprovar a adequada ap resentação das demonstrações financeiras em todos os seus aspectos re l ev a n t e s. Po rt a n t o, n o ssos exames compre e n d e r a m, e n t re outros pro c e d i m e n t o s : (a) o planejamento dos trabalhos, considerando a re l evância dos s a ld o s, o volume das transações e os sistemas contábil e de controles internos das companhias, (b) a constatação, com base em t e s t e s, das evidências e dos re g i s t ros que suportam os valores e as informações contábeis divulgados e (c) a avaliação das práticas e estimativas contábeis mais re p resentativas adotadas pela administração da companhia, bem como da ap resentação das d e m o nstrações financeiras tomadas em conj u n t o. 3 Somos de parecer que as demonstrações financeiras por nós examinadas ap resentam adequadamente, em todos os aspectos re l ev a n t e s, a posição patrimonial e financeira das Lojas Americanas S.A. e das Lojas Americanas S.A. e suas controladas em 31 de d e z e m b ro de 1998 e de 1997 e o resultado das operações, as mutações do patrimônio líquido e as origens e aplicações de re c u r s o s das Lojas Americanas S.A., bem como o resultado consolidado das operações e as origens e aplicações de recursos consolidadas dos exe rcícios findos nessas datas, de acordo com os princípios contábeis previstos na legislação societária A u d i t o res Independentes C R C - S P S - R J João César de O. Lima Jr. S ó c i o Contador CRC-RJ

32 L o j a s A m e r i c a n a s S. A. C o n s o l i d a d o C o n t ro l a d o r a A t i vo 19 B9 8a l a n ç o P1 9 a9 t7 r i m o n i a l e m 3 1 d1 e 99 d8 e z e m b 1 r9 o9 7 Em Milhares de Reais C i rc u l a n t e Caixa e bancos Aplicações financeiras Contas a receber de clientes Contas a receber - venda de participação acionária Estoques Impostos a re c u p e r a r I m ó veis destinados à ve n d a, líquidos de provisão a valor de merc a d o Outras contas a re c e b e r R e a l i z á vel a Longo Prazo Empréstimos e adiantamentos a sociedades controladas e coligada Contas a receber de acionistas - Plano de Venda de A ç õ e s Imposto de renda e contribuição social dife r i d o s Depósitos judiciais Outras contas a re c e b e r Pe r m a n e n t e I nve s t i m e n t o s I m o b i l i z a d o D i fe r i d o As notas explicativas da A d m i n i s t ração são parte integrante das demonstrações fi n a n c e i ra s.

33 C o n s o l i d a d o C o n t ro l a d o r a Pa s s i vo C i rc u l a n t e Fo r n e c e d o re s Empréstimos e financiamentos Salários e encargos trabalhistas I m p o s t o s, taxas e contribuições Dividendos e participações pro p o s t o s P rovisão para reestruturação e re o r g a n i z a ç ã o P rovisão para perdas em inve s t i m e n t o s Outras contas a pagar E x i g í vel a Longo Prazo Empréstimos e adiantamentos de sociedades controladas Empréstimos e financiamentos P rovisão para contingências Pa rticipação Minoritária 69 Patrimônio Líquido C apital social Aumento de capital a homologar R e s e rvas de cap i t a l R e s e rvas de lucro s Ações em tesouraria ( ) ( ) ( ) ( )

34 L o j a s A m e r i c a n a s S. A. D e m o n s t r a ç ã o d o R e s u l t a d o E xe rc í c i o s F i n d o s e m 3 1 d e d e z e m b r o Em Milhares de Reais C o n s o l i d a d o C o n t ro l a d o r a Receita Bruta de Vendas I m p o s t o s, d evoluções e descontos sobre ve n d a s ( ) ( ) ( ) ( ) Receita Líquida de Ve n d a s Custo das mercadorias vendidas ( ) ( ) ( ) ( ) L u c ro Bruto Receitas (Despesas) Operacionais Com ve n d a s ( ) ( ) ( ) ( ) Gerais e administrativas ( ) ( ) ( ) ( ) Honorários dos administradore s ( ) ( ) ( 925 ) ( 636 ) Receitas financeiras Despesas financeiras ( ) ( ) ( ) ( ) P a rticipações em controladas e coligadas ( ) ( ) ( ) ( ) Contribuição social ( 250 ) D e p reciação e amortização ( ) ( ) ( ) ( ) Custo de re e s t r u t u r a ç ã o ( ) 0 ( ) 0 ( ) ( ) ( ) ( ) P re j u í zo Operacional ( ) ( ) ( ) ( ) Resultado não operacional - Venda de participação acionária ( ) ( ) - Outro s ( ) ( ) ( ) ( ) L u c ro (Prejuízo) antes do Imposto de Renda ( ) ( ) Imposto de Renda - Do exe rc í c i o ( 966 ) ( ) Dife r i d o 0 ( ) 0 ( ) L u c ro (Prejuízo) antes da participação estatutária ( ) ( ) P a rticipação estatutária - empre g a d o s 0 ( ) 0 0 L u c ro (Prejuízo) antes da participação minoritária ( ) ( ) P a rticipação minoritária L u c ro Líquido (Pre j u í zo) do Exe rc í c i o ( ) ( ) L u c ro líquido (prejuízo) por lote de mil ações do cap i t a l social em circulação no fim do exe rc í c i o R$ 3,72 R$ (0,81) As notas explicativas da A d m i n i s t ração são parte integrante das demonstrações fi n a n c e i ra s.

35 L o j a s A m e r i c a n a s S. A. D e m o n s t r a ç ã o d a s O r i g e n s e A p l i c a ç õ e s d e R e c u r s o s E xe rc í c i o s F i n d o s e m 3 1 d e d e z e m b ro Em Milhares de Reais C o n s o l i d a d o C o n t ro l a d o r a O r i gens de Recursos Das operações sociais: L u c ro líquido (prejuízo) do exe rc í c i o ( ) ( ) Despesas que não afetam o capital circulante líquido: - Depreciação e amort i z a ç ã o Valor residual de ativo permanente baixado Valor de investimento alienado Participações em controladas e coligadas Dos acionistas: - Integralização de capital em dinheiro De terc e i ro s : - Aumento do exigível a longo prazo Tr a n s ferência para o ativo circulante de a t i vo com sociedade ligada Ju ros sobre capital próprio a receber Dividendos de sociedades contro l a d a s Total das origens Aplicações de Recursos No ativo permanente: - Inve s t i m e n t o s Imobilizado Dife r i d o Dividendos pro p o s t o s Ju ros sobre o capital próprio pago Aumento do re a l i z á vel a longo prazo Incorporação Lasa Trading S.A Aquisição de ações de própria emissão P a rticipação minoritária Total das ap l i c a ç õ e s Aumento (Redução) do Capital Circ u l a n t e ( ) Variações do Capital Circ u l a n t e A t i vo Circ u l a n t e - No fim do exe rc í c i o No início do exe rc í c i o ( ) ( ) ( ) P a s s i vo Circ u l a n t e - No fim do exe rc í c i o No início do exe rc í c i o ( ) ( ) ( ) ( ) Aumento (Redução) do Capital Circ u l a n t e ( ) As notas explicativas da A d m i n i s t ração são parte integrante das demonstrações fi n a n c e i ra s.

Parecer dos Auditores Independentes

Parecer dos Auditores Independentes Parecer dos Auditores Independentes 23 de janeiro de 2002. Aos Administradores e Acionistas Lojas Americanas S. A. 1. Examinamos os balanços patrimoniais das Lojas Americanas S. A. e os balanços patrimoniais

Leia mais

127$6(;3/,&$7,9$6'$$'0,1,675$d 2 6,1)250$d (675,0(675$,6

127$6(;3/,&$7,9$6'$$'0,1,675$d 2 6,1)250$d (675,0(675$,6 127$6(;3/,&$7,9$6'$$'0,1,675$d 2 6,1)250$d (675,0(675$,6 ( Em milhares de Reais, exceto as quantidades de ações ) &217(;7223(5$&,21$/ A Companhia se dedica ao comércio de varejo de produtos de consumo,

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades.

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Apresentamos as Demonstrações Financeiras da Mehir Holdings S.A. referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2004 e as respectivas Notas

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO

ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO Relatório da Administração 3 Balanços Patrimoniais 3 Demonstração de Resultados 4 Demonstração das Mutações 5 Demonstração das Origens 5 Notas Explicativas 6 Diretoria

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Acionistas HTL

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações financeiras do exercício

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01176-2 VULCABRAS SA 50.926.955/0001-42 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01176-2 VULCABRAS SA 50.926.955/0001-42 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/1999 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/25 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2006 e de 2005 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2006 e de 2005 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2006 e de 2005 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores

Leia mais

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Demonstrações Financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

LOJAS AMERICANAS Comentário de Desempenho 2º Trimestre de 2005

LOJAS AMERICANAS Comentário de Desempenho 2º Trimestre de 2005 LOJAS AMERICANAS Comentário de Desempenho 2º Trimestre de 25 Rio de Janeiro, 15 de agosto de 25 Lojas Americanas S.A. (BOVESPA: LAME3-ON;LAME4-PN), apresenta os resultados consolidados do 2 º trimestre

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES. Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES. Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL Auditores Independentes S/S PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL 1. Examinamos os balanços patrimoniais

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

Mais que uma promessa, é a certeza de que estamos sempre à frente, apostando nas

Mais que uma promessa, é a certeza de que estamos sempre à frente, apostando nas Relatório Anual Novos tempos... Mais que uma promessa, é a certeza de que estamos sempre à frente, apostando nas transformações em direção ao futuro. Acompanhando as novas tendências do varejo, a Lojas

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

1º Trimestre de 2009 Teleconferência de Resultados. 14 de Maio de 2009

1º Trimestre de 2009 Teleconferência de Resultados. 14 de Maio de 2009 1º Trimestre de 2009 Teleconferência de Resultados 14 de Maio de 2009 Aviso Legal Informações e Projeções Algumas das afirmações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

Data-Base - 31/03/1999 01763-9 TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A. 02.558.115/0001-21

Data-Base - 31/03/1999 01763-9 TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A. 02.558.115/0001-21 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Data-Base - 31/3/1999 Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA,

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2002 e de 2001 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2002 e de 2001 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2002 e de 2001 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes 21 de março de 2003

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 80 Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Parecer dos Auditores Independentes 81 Aos Acionistas da Inepar Telecomunicações S.A Curitiba - PR 1. Examinamos

Leia mais

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia, com sede em Gravataí (RS) e unidade industrial em Glorinha (RS), tem por objeto a industrialização, comércio, importação, exportação e beneficiamento de aços e metais,

Leia mais

Brasil Brokers divulga seus resultados do 2º Trimestre de 2010

Brasil Brokers divulga seus resultados do 2º Trimestre de 2010 Brasil Brokers divulga seus resultados do 2º Trimestre de 2010 Rio de Janeiro, 16 de agosto de 2010. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no mercado de

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

GTD PARTICIPAÇÕES S.A.

GTD PARTICIPAÇÕES S.A. GTD PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES GTD PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

Leia mais

Demonstrações Contábeis referente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2005 e Parecer dos Auditores Independentes

Demonstrações Contábeis referente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2005 e Parecer dos Auditores Independentes CENTRO ESPÍRITA NOSSO LAR CASAS ANDRÉ LUIZ CNPJ 62.220.637/0001-40 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores membros do Conselho Deliberativo e do Conselho Fiscal: o Conselho Diretor submete à apreciação de

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Fluxo de Caixa 6 Demonstração das Mutações

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2009 e 2008 HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS

Leia mais

7a. Edição Editora Atlas

7a. Edição Editora Atlas FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU Pós-graduação em Auditoria, Controladoria e Finanças Disciplina: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO Slide 1 Professor: MASAKAZU HOJI ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Data-Base - 31/03/1999 01462-1 GLOBO CABO S.A. 00.108.786/0001-65

EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Data-Base - 31/03/1999 01462-1 GLOBO CABO S.A. 00.108.786/0001-65 08.01 - COMENTÁRIO DO DESEMPENHO CONSOLIDADO NO TRIMESTRE A Globo Cabo é a maior operadora de TV a Cabo no Brasil, com participação acionária em 18 sistemas de TV a Cabo e 1 de MMDS, incluindo as três

Leia mais

Prof. Carlos Barretto

Prof. Carlos Barretto Unidade IV CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto Objetivos gerais Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: consciência ética

Leia mais

ING. Demonstrações Financeiras

ING. Demonstrações Financeiras ING Demonstrações Financeiras 30/junho/2002 ÍNDICE ING BANK N.V. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE 2002 E 2001... 3 ING CORRETORA DE CÂMBIO E TÍTULOS S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2003 e de 2002 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2003 e de 2002 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2003 e de 2002 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89 NOTA 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia, com sede em Gravataí (RS) e unidade industrial em Glorinha (RS), tem por objeto a industrialização, comércio, importação, exportação e beneficiamento de aços

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

Graal Investimentos S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 (em fase pré-operacional)

Graal Investimentos S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 (em fase pré-operacional) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 (em fase pré-operacional) Demonstrações financeiras Período de 10 de agosto de 2011 (data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2011 (em

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas Olá, pessoal! Desta vez, trago para vocês uma coletânea de questões resolvidas da Fundação Carlos Chagas (FCC). Achei apropriado inserir esta aula neste momento em razão da proximidade da prova de Fiscal

Leia mais

ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE

ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE QUADRO I BALANÇOS PATRIMONIAIS ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 2.630.185 2.070.467 Fornecedores 115.915 76.688 Contas

Leia mais

Demonstrações Financeiras Enel Green Power Damascena Eólica S.A.

Demonstrações Financeiras Enel Green Power Damascena Eólica S.A. Demonstrações Financeiras Enel Green Power Damascena Eólica S.A. 31 de dezembro de 2014 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras 31 de dezembro

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.)

Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.) Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2013 e Relatório dos Auditores

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

Instituto Lina Galvani

Instituto Lina Galvani Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Passivo e patrimônio social 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

CONSTRUTORA QUEIROZ GALVÃO S.A.

CONSTRUTORA QUEIROZ GALVÃO S.A. CONSTRUTORA QUEIROZ GALVÃO S.A. 2 B A L A N Ç O S PAT R I M O N I A I S C O N S O L I D A D O S RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições estatuárias, submetemos à apreciação

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 Fevereiro/2011 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2003 e Parecer dos Auditores Independentes Parecer dos Auditores Independentes 29 de janeiro

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

ALOG SOLUÇÕES DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA S.A., sucessora por incorporação de ALOG DATA CENTERS DO BRASIL S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures

ALOG SOLUÇÕES DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA S.A., sucessora por incorporação de ALOG DATA CENTERS DO BRASIL S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures ALOG SOLUÇÕES DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA S.A., sucessora por incorporação de ALOG DATA CENTERS DO BRASIL S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2012 ALOG

Leia mais

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF)) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 2: PASSIVO EXIGÍVEL E RECEITAS DIFERIDAS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO Demonstrações Contábeis Em 31

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo

Leia mais

*,)(*UXSRGH,QVWLWXWRV )XQGDo}HVH(PSUHVDV. 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGH HSDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV

*,)(*UXSRGH,QVWLWXWRV )XQGDo}HVH(PSUHVDV. 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGH HSDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV *,)(*UXSRGH,QVWLWXWRV )XQGDo}HVH(PSUHVDV 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGH HSDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV 3DUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV São Paulo, 19 de fevereiro de 2002 Aos Administradores

Leia mais

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS 81 Assinale a alternativa que apresente a circunstância em que o Sistema de Custeio por Ordem de Produção é indicado. (A) O montante dos custos fixos é superior ao valor

Leia mais

Relatório da Administração Dommo 2014

Relatório da Administração Dommo 2014 Relatório da Administração Dommo 2014 A Administração da Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. apresenta o Relatório da Administração e as correspondentes Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00414-6 KARSTEN S.A. 82.640.558/0001-04 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00414-6 KARSTEN S.A. 82.640.558/0001-04 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/29 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA

Leia mais

1. CONTEXTO OPERACIONAL

1. CONTEXTO OPERACIONAL BANCO TRIÂNGULO S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 30 DE JUNHO DE 2002 E 2001 (Em milhares de reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Banco Triângulo S.A. é uma sociedade privada que opera

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 Fevereiro/2012 1 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

Apresentação da Companhia. Setembro de 2010

Apresentação da Companhia. Setembro de 2010 Apresentação da Companhia Setembro de 2010 Comprovada capacidade de execução Visão geral da Inpar Empreendimentos por segmento (1) Modelo de negócios integrado (incorporação, construção e venda) Comercial

Leia mais

Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores independentes

Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores independentes Fundo de Investimento Imobiliário General Shopping Ativo e Renda FII (CNPJ nº 17.590.518/0001-25) (Administrado pela SOCOPA Sociedade Corretora Paulista S/A) (CNPJ nº 62.285.390/0001-40) Demonstrações

Leia mais

Resultados 2005 Resultados 2005

Resultados 2005 Resultados 2005 Resultados 2005 Resultados 2005 Resultados 1T06 Bovespa: RSID3 NYSE (ADR): RSR2Y Receita Líquida alcança R$ 85,2 milhões VGV totaliza R$ 94,3 milhões Vendas contratadas crescem 63% São Paulo, 11 de maio

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014

MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 Crowe Horwath Bendoraytes & Cia. Member of Crowe Horwath International Avenida das Américas, 4200

Leia mais

Demonstrações Financeiras. Confederação Brasileira de Remo. em 31 de dezembro de 2012. Com relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras. Confederação Brasileira de Remo. em 31 de dezembro de 2012. Com relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Confederação Brasileira de Remo em 31 de dezembro de 2012. Com relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras ÍNDICE I. Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Período de 01 de janeiro a 06 de outubro de 2011 (data de extinção do Fundo) com Relatório dos Auditores Independentes

Período de 01 de janeiro a 06 de outubro de 2011 (data de extinção do Fundo) com Relatório dos Auditores Independentes Demonstração da Evolução do Patrimônio Líquido CSHG Realty BC Fundo de Investimento em Participações (Administrado pela Credit Suisse Hedging-Griffo Corretora de Valores S/A) Período de 01 de janeiro a

Leia mais