M-14-PM. Polícia Militar do Estado de São Paulo MANUAL BÁSICO DE POLICIAMENTO OSTENSIVO POLÍCIA MILITAR. 3ª Edição. Setor Gráfico do CSM/MInt

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "M-14-PM. Polícia Militar do Estado de São Paulo MANUAL BÁSICO DE POLICIAMENTO OSTENSIVO POLÍCIA MILITAR. 3ª Edição. Setor Gráfico do CSM/MInt"

Transcrição

1 M-14-PM Polícia Militar do Estado de São Paulo MANUAL BÁSICO DE POLICIAMENTO OSTENSIVO DA POLÍCIA MILITAR 3ª Edição Tiragem: exemplares 1997 Setor Gráfico do CSM/MInt 1

2 POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO COMANDO GERAL São Paulo, 15 de janeiro de DESPACHO Nº DSist-000/322/97 O Comandante Geral da Polícia Militar do Estado de São Paulo, nos termos dos Artigos 16 e 43 das I-1-PM, aprova, manda pôr em execução e autoriza a impressão do Manual Policiail Militar (M-14-PM) MANUAL BASICO DE POLICIAMENTO OSTENSIVO DA POLÍCIA MILITAR, deve entrar em vigor a contar de sua publicação em Bol G. Fica revogado o M-14- PM Manual Basico de Policiamento Ostensivo, aprovado pelo Despacho nº Dsist-001/22/93 e publicado no Bol G. Nº 213/93, de 16Nov93. CLAUDIONOR LISBOA Cel PM - Cmt Geral 2

3 QUADRO DISTRIBUIÇÃO-CARGA 1.Órgãos de Direção a. Geral Cmt G S Cmt PM Gab Cmt G EM/PM (cada) Corregedoria PM b. Setorial Diretorias (cada) Órgãos de Apoio OPM de Apoio ao Ensino (cada) Órgãos Especiais de Apoio a. AG b. C Com Soc c. Centros Órgãos de Execução a. Grandes Comandos (cada(a) b. CPA/M e CPA/I (cada(a) c. Btl/M e I APM (cada) Consultoria Jurídica Reserva a. Na Dsist Para Venda a. No CSM/MInt... demais b. Tiragem: (*) observação: Os exemplares da distribuição carga deverão ser incluídos em carga nos termos do Artigo 57 da I-1-PM (Instruções para as Publicações da Polícia Militar). 3

4 ÍNDICE DOS ASSUNTOS Capítulo l - Introdução Artigo l - Finalidade Objetivos Artigo II - Conceitos Básicos Constituição Polícia Militar Poder de polícia Segurança pública Ordem pública Preservação da ordem pública Policiamento ostensivo Polícia ostensiva Defesa pública Tática policial-militar Técnica policial-militar Região Área Subárea Setor Subsetor posto Itinerário de patrulhamento Patrulhar Local de risco Ocorrência policial-militar Ação policial-militar Operação policial-militar Fração elementar Fração constituída Sistemas de policiamento Artigo III - Características e Princípios das Atividades Policiais Militares Características Princípios Artigo IV - Características do Policiamento Ostensivo Ação pública Totalidade Dinâmica Legalidade Ação de presença Artigo V - Princípios de Policiamento Ostensivo

5 1-36. Universalidade Responsabilidade territorial Continuidade Efetividade Aplicação Isenção Emprego lógico Antecipação Profundidade Unidade de comando Objetivo Artigo VI - Variáveis do Policiamento Ostensivo Conceituação Tipos Processos Modalidades Circunstâncias Lugar Número Forma Tempo Artigo VH - Procedimentos Básicos Conceituação Requisitos básicos Formas de empenho em ocorrências Prevalência do aspecto preventivo sobre o repressivo na atuação da Polícia Militar CAPÍTULO 2 - Conhecimentos Básicos Artigo I - Aspectos Legais Crime Contravenção Traço distintivo entre crime e contravenção Crimes de ação pública e de ação privada Exclusão da criminalidade Estado de necessidade Legítima defesa Estrito cumprimento do dever legal Exercício regular de direito Imunidades Imunidades diplomáticas Imunidades parlamentares Atitudes do PM em relação às imunidades Prisão

6 Prisão em flagrante delito Prisão emanada de ordem escrita de autoridade competente Prisão de funcionário público Fiança Violação de domicílio Busca e apreensão Busca domiciliar Busca pessoal Apreensão em território sujeito à jurisdição alheia Abuso de autoridade Atentado à liberdade de locomoção Atentado à inviolabilidade do domicílio Atentado ao sigilo da correspondência Atentado à liberdade de consciência e de crença e ao livre exercício de culto religioso Atentado à liberdade de associação e ao direito de reunião Atentado contra a incolumidade pública Conceito de autoridade Sanções Violência arbitrária Propina Corrupção Concussão Resistência Resistência à prisão Agressão Desobediência Desacato Tentativa de fuga Porte de arma Arma Armas proibidas Armas regulamentares Armas de defesa pessoal Armas de caça ou de tiro ao alvo Restrições Cassação da licença Isenção de licença Uso de algema Artigo 11 - Entorpecentes Conceito O uso de entorpecentes O comércio de entorpecentes Caracterização, no aspecto penal, do crime de tráfico e uso de 6

7 entorpecentes Ação do PM em ocorrência de tráfico e uso de entorpecentes Entorpecentes injetáveis Efeito das drogas Drogas usadas com maior freqüência Artigo III - Local de Crime Conceito Preservação do local Ação policial no local de crime Testemunhas Artigo IV - Socorros de Urgência Conceito Aspecto essencial Objetivo Vítima consciente Utilização de meios disponíveis Procedimentos em casos de emergência Feridas Feridas no tórax Feridas no abdômen Feridas nos olhos Hemorragias externas nos braços ou pernas Hemorragias difíceis de estancar - Torniquetes Hemorragias no tronco ou na cabeça Hemorragia nasal Hemorragias internas Estado de choque Ameaça de desmaio Desmaio Convulsões Parada respiratória - respiração artificial Parada cardíaca e respiratória Queimaduras Insolações Choques elétricos Fraturas Luxações ou fraturas em articulações Envenenamentos Picadas de animais peçonhentos: cobras, aranhas, escorpiões e mordidas de animais raivosos Partos de urgência Afogamento Vítima inconsciente Transporte de feridos

8 Transporte de traumatizados da coluna Os vários meios de transporte Princípios gerais de transporte Transporte manual Retirada de pessoas e animais Capturas Extermínio de insetos Salvamento em altura Conceito Pessoas presas em elevador Pessoas presas em locais elevados Retirada de objetos oferecendo perigo Tentativa de suicídio e captura de débil mental Salvamento aquático Inundação Salvamento em incêndio Acidentes de trânsito Em caso de incêndio - procedimentos Em caso de salvamento - procedimentos Artigo VII - Armamento Revólver Conservação do armamento em uso Limpeza após o tiro Regras de segurança Medidas de segurança no estande Artigo VIII - Comunicações Definições Normas para uso do microfone Código "Q" Siglas mais usadas - código "Q" Alfabeto da ONU Algarismos Artigo IX - Manutenção de Viaturas Generalidades Reabastecimento Verificação e recompletamento do óleo do cárter Recompletamento de água do sistema de arrefecimento Cuidados com os pneumáticos Cuidados com as baterias Reparos de emergência Conclusão CAPÍTULO 3 - Policiamento Ostensivo Geral Artigo I - Introdução

9 3-1. Conceito Missão Apresentação Análise dos fatores determinantes, componentes e condicionantes Procedimentos gerais Policiamento a pé Policiamento montado Policiamento motorizado Policiamento com bicicletas Policiamento em embarcação Posto Ponto-base Cartão-programa Boletim de ocorrência Procedimento no posto Extensão do posto Condições individuais para o serviço Generalidades Presença do PM "Onde e como atuar' Relações com a comunidade Durante o patrulhamento Transporte de pessoas na viatura Procedimento em caso de tiroteio Artigo II - Técnicas Usuais Busca pessoal Busca preliminar Busca minuciosa Procedimento do PM na busca preliminar Procedimento em busca minuciosa Recomendações para quem faz busca pessoal Busca pessoal em mulheres Abordagem e vistoria Veículos Edificações Pessoas a pé Pessoas na multidão Pessoas alienadas mentais Pessoas alcoolizadas Pessoas drogadas Cerco Cerco programado Cerco ocasional Normas de procedimento durante o cerco

10 3-10. Bloqueio relâmpago Disposição das viaturas Emprego dos PM no bloqueio Da seleção Da vistoria Do anotador Da segurança Condução de preso Como algemar Condução de menores Condução de doentes Condução de doentes mentais ' Condução de ébrios Entrega de presos Perseguição A pé Atuação em tiroteio Motorizada Normas gerais para efetuar prisão Considerações Conduta do PM Identidade Descrição Ocorrências envolvendo integrantes das Forças Armadas, Polícia Militar e Polícia Civil Ocorrências policiais em veículos de transporte coletivo (ônibus, trem e metrô) Ocorrências de queda de aeronave Providências policiais em crimes contra a pessoa e o patrimônio Homicídio Tentativa de homicídio Suicídio e tentativa de suicídio Morte súbita Agressão Ameaça (crime de ação privada) Desinteligência Roubo e furto Artigo Atividades Sociais e Políticas Conceitos Guerrilha urbana Aglomeração Multidão Turba

11 Manifestação Tumulto Distúrbio interno ou civil Calamidade pública Perturbação da ordem pública Terrorismo Sabotagem Ação do PM : Coesão e espírito de equipe Local com explosivos Vigilância de pontos vitais Informação Artigo IV - Recintos Fechados de Freqüência Pública Prescrições gerais Estabelecimentos de ensino Posto de saúde, pronto-socorro, hospital e similares Estações de embarque e desembarque de passageiros Locais interditados Casas de apostas na Loteria Esportiva e Loto Postos de gasolina Firmas comerciais ou industriais na denominada "Operação pagamento" Estabelecimento de freqüência suspeita Bancos e estabelecimentos financeiros Artigo V - Diversões Públicas Prescrições gerais Policiamento em salões de baile Artigo VI - Policiamento de Praças Desportivas Conceito de segurança de praça desportiva Efetivo a ser empregado Planejamento Dos contatos externos Relacionamento Características próprias das praças desportivas Da conduta do público Dos fatores psicológicos Reações do público Dos fogos Armas de fogo e bebidas alcoólicas Conseqüência da euforia Conduta do policiamento Locais a serem policiados Prioridades a serem consideradas Controle do trânsito

12 Nas bilheterias Nos portões de acesso Diante da euforia da assistência Brigas e desordens Diante de crimes e contravenções Nos bares No interior da área de jogo Diante das invasões da área de jogo No controle de tumultos e distúrbios Em situações de pânico Em apoio aos organizadores do espetáculo Frente à ação delituosa dos guardadores de veículos Escolta de árbitros, auxiliares, representantes e delegações Limitações à ação do policiamento Tarefas administrativas próprias da organização do espetáculo 192 No uso de agentes químicos No uso de bombas de efeito moral Disposições gerais Armas Garrafas e objetos cortantes Objetos e documentos encontrados Menores de idade Ocorrências especiais Do armamento da tropa Das comunicações Artigo VII - Defesa Civil Considerações Ação do PM CAPÍTULO 4 - Policiamento de Guarda Artigo I - Introdução Conceito Apresentação Artigo II - Guarda de Estabelecimentos Penais Condições gerais Ocorrências típicas do serviço de guarda externa dos estabelecimentos penais Elementos fundamentais na segurança de estabelecimentos penais Deveres do PM Responsabilidade penal Artigo III - Escolta de Presos Normas gerais de escolta Recebimento do preso

13 4-8. Condução do preso Apresentação e entrega do preso Locomoção - meios e procedimentos Por via férrea Por viaturas Por ônibus Por avião Por automóvel Utilização de sanitários Escolta em velórios Escolta em hospitais Deveres dos componentes da escolta Artigo IV - Guarda de Repartições Públicas Condições gerais Métodos e dispositivos de segurança Relacionamento com o público CAPÍTULO 5 - Policiamento de Trânsito Artigo I - Introdução Conceito Apresentação Missão Abrangências Artigo 11 - Regras Gerais de Execução Policiamento preventivo Princípio de legalidade Legalidade das providências Aplicação das penalidades Dúvidas quanto à caracterização Infrações simultâneas Infração e ilícito penal Sinalização Artigo III - Procedimentos Gerais Deveres do policial-militar Cumprimento das ordens Conhecimento do posto de serviço Relacionamento com o público Policiamento a pé Posto de Controle de Trânsito (PCTran) Posto de Fiscalização de Trânsito (PFTran) Policiamento motorizado Em viaturas Em motocicletas Artigo IV - Procedimentos Particulares

14 5-11. Em terminais de transporte Em eventos especiais "Blitz" Guinchamento Escoltas Escolta de dignitários Escoltas de competições desportivas Escoltas de cargas excepcionais Considerações gerais Artigo V - Dos Fatores Adversos à Segurança e à Circulação Conceito e generalidades S-14. Fatores adversos mais freqüentes Sinalização incorreta, insuficiente ou defeituosa Obras Cargas na pista Saliências na pista Veículos quebrados Veículos abandonados Queda de fios Queda de árvores Animais na pista Incêndios Desabamentos Inundações Lama Artigo VI - Técnicas Específicas Interceptação e abordagem de condutores Fiscalização de veículos Critérios Aspectos gerais da fiscalização Particularidades Verificação de documentos Critérios Documentos obrigatórios Verificação Fotocópias Fiscalização da velocidade Cronometragem Controle de velocidade à distância Controle através de comboio de viatura Radar Fiscalização de condutores embriagados Conceito Métodos de controle de alcoolemia

15 Amparo legal Providências Recomendações básicas Artigo VII - Da Aplicação de Penalidades Infração Penalidades Da apreensão de documentos Da remoção do veículo Da retenção do veículo Da apreensão do veículo Impedimento Recibo e precauções Artigo VIII - Atendimento dos Acidentes de Trânsito Procedimentos gerais Acidentes sem vítimas Acidentes com vítimas Acidentes com veículos oficiais Acidentes envolvendo composição ferroviária e metroviária Acidentes em recintos fechados de freqüência pública Artigo IX - Aprestos Utilização Radiotransceptor Farolete Sirene 241 Luz intermitente da viatura Bafômetro Artigo X - Orientação de Trânsito Introdução Recomendações básicas CAPÍTULO 6 - Policiamento Florestal e de Mananciais Artigo I - Introdução Conceito Apresentação Missões Artigo II - Peculiaridades do Emprego Procedimentos gerais Procedimentos particulares Patrulhamento a pé Patrulhamento montado Patrulhamento motorizado Patrulhamento aquático Patrulhamento aéreo Artigo III - Técnicas Particulares

16 6-6. Vistorias para queimadas Abordagem em locais de desmate Abordagem em locais de queimadas Acampamentos de caçadores e pescadores Indústria, comércio, consumo e transporte de produtos e/ou subprodutos florestais Campanhas educativas

17 CAPÍTULO - I INTRODUÇÃO FINALIDADE Este manual consolida, em documento básico, conceitos e normas essenciais à uniformidade de procedimentos na execução do policiamento ostensivo fardado Objetivos a) Constituir fonte de consulta fundamental para o desenvolvimento do ensino, da instrução e o desempenho da atividade-fim da Corporação. b) Estabelecer normas gerais, que não devem ser contrariadas, em desdobramentos, nos manuais específicos de cada tipo de policiamento ostensivo fardado. c) Estabelecer a integração de todas as estruturas dedicadas ao Policiamento Ostensivo, de forma a obter o funcionamento harmônico, pela fixação de uma doutrina de atuação na PMESP, facilitando, assim, a elaboração do planejamento, em seus escalões, visando atingir a eficiência, na execução da atividade-fim. d) Padronizar procedimentos operacionais comuns aos diversos tipos de policiamento ostensivo fardado. e) Harmonizar o entendimento de termos e expressões, normalmente usadas no trato dos assuntos relativos às missões policiais-militares. f) Ressaltar o aspecto preventivo na execução das atividades policiais militares CONCEITOS BÁSICOS Constituição: É o conjunto de normas, fixando a estrutura fundamental do Estado, determinando as funções e competência de seus órgãos principais, estabelecendo os processos de designação dos governantes e declarando os direitos essenciais das pessoas e suas respectivas garantias. É a lei reguladora ou suprema de um país Polícia Militar: É a Instituição Pública, organizada com base na hierarquia e disciplina, incumbida da preservação da ordem pública e da polícia ostensiva, nos respectivos Estados, Territórios e no Distrito Federal Poder de polícia: a) O poder de polícia, um dos poderes administrativos, é a faculdade de que dispõe a administração pública para o controle dos direitos e liberdades das pessoas, naturais ou jurídicas, inspirado nos ideais do bem COMUM; b) São atributos do poder de polícia: 1) Discricionariedade: compete ao policial aferir e valorar a atividade policiada, segundo critérios de conveniência, oportunidade e justiça, inclusive quanto à sanção de polícia a ser imposta, tudo nos limites da lei. 2) Auto-executoriedade: o ato de polícia independe de prévia aprovação ou autorização do Poder Judiciário para ser concretizado. 17

18 3) Coercibilidade: o ato de polícia é imperativo, admitindo-se o emprego de força para concretizá-lo. Entretanto, não pode descambar para o arbítrio, caracterizado pela violência, pelo excesso. c) São modos de atuar do poder de polícia: 1) Ordem de polícia: preceito pelo qual o Estado impõe limitação às pessoas, naturais ou jurídicas, para que não se faça aquilo que pode prejudicar o bem comum ou não se deixe de fazer aquilo que poderia evitar prejuízo público. 2) Consentimento de polícia: controle prévio feito pelo Estado, compatibilizando o interesse particular com o interesse público. Manifesta-se pela licença, vinculada a um direito, ou pela autorização, discricionária e revogável a qualquer tempo. 3) Fiscalização de polícia: é a verificação, de ofício ou provocada, do cumprimento das ordens e consentimentos de polícia. Tem dupla utilidade, a prevenção e a repressão das infrações. Quando a fiscalização de polícia é exercida em matéria de ordem pública, recebe a denominação de policiamento. 4) Sanção de Polícia: é a intervenção punitiva do Estado para reprimir a infração. Tratando-se de ofensa à ordem pública, é o constrangimento pessoal, direto e imediato, na justa medida para restabelecê-la Segurança pública a) Estado antidelitual, de valor comunitário, que resulta da observância dos preceitos contidos na legislação penal, podendo resultar das ações policiais preventivas ou repressivas ou ainda da simples ausência, mesmo que temporária, dos delitos. A segurança pública é aspecto da ordem pública e tem nesta seu objeto. b) A comunidade tem direito e responsabilidade pela segurança pública, dela participando, quando adota meios de defesa, que visem a sua segurança física e, também, de seu patrimônio Ordem pública a) Situação de tranqüilidade e normalidade que o Estado deve assegurar às instituições e a todos os membros da sociedade, consoante as normas jurídicas legalmente estabelecidas. A ordem pública existe quando estão garantidos os direitos individuais, a estabilidade das instituições, o regular funcionamento dos serviços públicos e a moralidade pública, afastando-se os prejuízos à vida em sociedade, isto é, atos de violência, de que espécie for, contra as pessoas, bens ou o próprio Estado. b) A ordem pública é, sempre, uma noção de valor nacional, composta pelos seguintes aspectos: 1) Tranqüilidade pública: clima de convivência pacífica e bem-estar social, onde reina a normalidade das coisas, isenta de sobressaltos ou aborrecimentos. É a paz pública na ruas. 2) Salubridade pública: situação em que se mostram favoráveis às condições de vida. 3) Segurança pública- vide conceito no item anterior Preservação da ordem pública: A preservação da ordem pública comporta duas fases: a primeira, em situação de normalidade, quando é assegurada mediante ações preventivas com atitudes dissuasivas e a segunda, em situação de anormalidade, estando ofendida a ordem pública, quando deverá ser restabelecida mediante ações repressivas imediatas, com atitudes de contenção. 18

19 2.7 - Policiamento ostensivo: São ações de fiscalização de policia, sobre matéria de ordem pública, em cujo emprego o homem ou a fração de tropa sejam identificados de relance, quer pela farda, quer pelo equipamento, armamento ou viatura Polícia ostensiva a) Denominação brasileira que evoluiu da expressão "policiamento ostensivo", ganhando dignidade constitucional com a Carta de 1988 e destinada a preservar a ordem pública, b) A polícia ostensiva apresenta o seguinte perfil: 1) atua preventivamente para assegurar a ordem pública; 2) atua repressivamente para restabelecer a ordem pública. No tocante às infrações penais comuns, limita-se à repressão imediata, caracterizada no atendimento da ocorrência, incluído o estado de flagrância; 3) compreende os quatro modos de atuar do poder de polícia; 4) possui investidura militar; 5) exerce as funções de força policial nos termos da lei; 6) exerce as funções de polícia judiciária militar estadual sobre seus componentes; 7) integra-se ao sistema de defesa territorial da Nação como força auxiliar e reserva do Exército Defesa pública: É o conjunto de atitudes, medidas e ações adotadas para garantir o cumprimento das leis de modo a evitar, impedir ou eliminar a prática de atos que perturbem a ordem pública Tática policial militar: É a arte de empregar a tropa em operações policiaismilitares que visam a assegurar ou restabelecer a ordem pública Técnica policial militar: É o conjunto de métodos e procedimentos usados para a execução eficiente das atividades policiais-militares nas ações e operações que visem à preservação da Ordem Pública Região: É o espaço físico atribuído à responsabilidade de um Comando Regional de Polícia Militar (CR/PM), atualmente denominado CPA Área: É o espaço físico atribuído à responsabilidade de uma OPM, de escalão Batalhão de Polícia Militar (BPM) ou Regimento de Polícia Montada (RPMont) Subárea: É o espaço físico, fração de área, atribuído à responsabilidade de uma OPM, de escalão Companhia PM (Cia PM), ou Esquadrão de Polícia Montada (Esqd P Mont) Setor: É o espaço físico, fração de subárea, atribuído à responsabilidade de um Pelotão PM (Pel PM) Subsetor: É o espaço físico, fração de setor, atribuído à responsabilidade de um Grupo PM (Gp PM). 19

20 Posto a) Módulo 1) É o espaço físico onde se presume que uma patrulha ou o PM isolado possa cumprir suas atribuições regulamentares e legais. 2) Para cada processo, modalidade e condição de carga de trabalho o posto é elaborado a um modulo, e havendo necessidade poderão vir tantos quantos forem necessários. b) Ponto de estacionamento 1) É o local onde a patrulha deve permanecer estacionada desde que não esteja atendendo ocorrência policial ou em patrulhamento; 2) São eles: - PEP: Ponto de Estacionamento Principal e, - PES: Ponto de Estacionamento Secundário. c) Ponto base É o espaço físico que, por ser local de risco, exige a presença da patrulha, contínua ou temporariamente Itinerário de patrulhamento: É a sucessão de pontos, de passagem obrigatória, sujeitos à vigilância por um homem, uma dupla ou mesmo, maior número de PM. a) Forças e Serviços de Apoio 1) São constituídas por órgãos e frações de alto grau de especialização, destinando-se ao apoio, quando necessário, às demais forças; 2) São elas: - Apoio aéreo; - Serviços de informações; - Serviços de subsistência; - Serviços de transportes; - Serviços de guarda interna; - Serviços de assuntos internos; - Serviços de escolta de presos; - Serviços de bombeiros. b) Forças Táticas 1) São destinadas, principalmente, a emprego, sem que haja vínculação à área a ser coberta por elas, em missões táticas e eventuais, existam ou não de forma permanente na Corporação; 2) Constituem reservas dos Comandos incumbindo-lhes a execução das seguintes missões: - Policiamento de choque; - Policiamento ostensivo geral; - Patrulhamento tático; - Policiamento de eventos. c) Forças Táticas Especiais 1) Fração de ações táticas especiais: destina-se ao apoio às Forças de Patrulha em casos graves, sendo de estrutura permanente na Capital, podendo ser empregada em todo o Estado; 2) Fração de operações especiais: destina-se à execução de missões especiais em zonas rurais, particularmente montanhas e áreas florestais, visando buscas 20

21 e capturas, sendo de estrutura permanente na Capital, podendo ser empregada em todo o Estado. 3) Fração de operações com cães: destina-se à execução de policiamento com auxílio de cães. d) Forças de Patrulhas Territoriais 1) incumbe-lhes desenvolver o patrulhamento voltado para o policiamento ostensivo em seus processos e modalidades, sob comando único na área de responsabilidade; 2) são ligadas por organização e doutrina à responsabilidade territorial. e) Forças de Patrulhas Especiais 1) são as que possuem competência especial em razão da matéria sobre a qual, atuam, desenvolvendo missões especializadas, juntamente com as Forças de Patrulhas Territoriais, no mesmo espaço físico, porém sob o comando de policiamento especializado. 2) São elas: - Policiamento de trânsito urbano; - Policiamento florestal e de mananciais; - Policiamento de trânsito rodoviário; - Policiamento de guarda. f) Cartão Itinerário de Patrulhamento (CIP) É a representação gráfica dos itinerários a serem percorridos durante o patrulhamento Patrulhar: É exercer atividade móvel de observação, de fiscalização, de proteção, de reconhecimento, ou, mesmo, de emprego de força Local de risco: É todo local que por suas características apresenta elevada probabilidade de risco para a ordem pública, especialmente, à íncolumidade das pessoas e do patrimônio Ocorrência policial-militar: É todo fato que exige intervenção policial-militar, por intermédio de ações ou operações Ação policial-militar: É o desempenho isolado de fração elementar ou constituída, com autonomia para cumprir missões rotineiras de Policiamento Ostensivo Operação policial-militar: É a conjugação de ações, executada por fração de tropa constituída, que exige planejamento específico Fração elementar: É o efetivo de até três PM para emprego coordenado Fração constituída: É o efetivo de tropa com, no mínimo, 1 Gp PM Sistemas de policiamento: a) São constituídos pelas subestruturas de patrulhamento da PMESP, especificadas na forma adiante, que agem sobre área geográfica comum: 1) Forças de Patrulhas Territoriais (BPM e CPA da Capital e Interior); 2) Forças de Patrulhas Especiais; 3) Forças Táticas; 21

Anexo I - Plano de Classificação de Documentos 33.01.01.01

Anexo I - Plano de Classificação de Documentos 33.01.01.01 Anexo I - Plano de Classificação de Documentos Secretaria de Estado de Segurança - SESEG Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro - PMERJ 33 - Competência: Exercer a polícia ostensiva e a preservação

Leia mais

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos - Conceito São os meios ou instrumentos através dos quais a Administração Pública exerce a atividade administrativa na gestão dos

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art.5º Todos são iguais perante a lei.. XI a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento

Leia mais

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE Monster Concursos ABUSO DE AUTORIDADE AULÃO PM-MG 06/03/2015 ABUSO DE AUTORIDADE LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965. #AULÃO #AQUIÉMONSTER Olá Monster Guerreiro, seja bem-vindo ao nosso Aulão, como

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes

Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. PROMOÇÃO CONCEITO: O acesso na hierarquia

Leia mais

SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Segurança Pública, no entendimento do professor Orlando Soares (in Comentários à Constituição da República Federativa do Brasil), traduz o estado

Leia mais

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ),

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ), ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA ARGENTINA RELATIVO À COOPERAÇÃO ENTRE SUAS AUTORIDADES DE DEFESA DA CONCORRÊNCIA NA APLICAÇÃO DE SUAS LEIS DE CONCORRÊNCIA A República

Leia mais

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997.

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. CAPÍTULOXV DAS INFRAÇÕES Art. 161. Constitui infração de trânsito a inobservância de qualquer preceito deste Código, da legislação complementar ou das resoluções

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 7.102, DE 20 DE JUNHO DE 1983. Dispõe sobre segurança para estabelecimentos financeiros, estabelece normas para constituição

Leia mais

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01 REGIMENTO INTERNO O presente Regimento Interno, dirigido aos associados da ONG Brigada 1, inscrita no CNPJ 05.840.482/0001-01 e previsto no Art. 4º do Capítulo II do Estatuto da Instituição, visa estabelecer

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas

Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas 01. ( FUNIVESA/SEPLAG/AFC 2009) Assinale a alternativa correta acerca da organização administrativa brasileira. ( A ) Toda a sociedade em que

Leia mais

Condomínios mais Seguros

Condomínios mais Seguros Condomínios mais Seguros Palestra ministrada pelo Capitão Yasui Comandante da 2ª Companhia do 49º Batalhão de Polícia Militar. 13/04/2011 Formulado por um grupo de trabalho composto por policiais civis

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO - AME/RJ

ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO - AME/RJ ot nojo ~ /20U Rio de Janeiro, 27 de setembro de ~OU. Do: Presidente da AMEIRJ. ;\0: ~xmo Sr. Procurador Geral de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Assunto: Desvio de função. Esta Associação, considerando

Leia mais

A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, RECOMENDAÇÃO 190 SOBRE PROIBIÇÃO DAS PIORES FORMAS DE TRABALHO INFANTIL E AÇÃO IMEDIATA PARA SUA ELIMINAÇÃO Aprovadas em 17/06/1999. No Brasil, promulgada pelo Decreto 3597de 12/09/2000. A Conferência

Leia mais

São Paulo, 8 de setembro de 1999. BOLETIM GERAL PM 171 1 - DIRETRIZES A SEREM SEGUIDAS NO ATENDIMENTO DE LOCAIS DE CRIME

São Paulo, 8 de setembro de 1999. BOLETIM GERAL PM 171 1 - DIRETRIZES A SEREM SEGUIDAS NO ATENDIMENTO DE LOCAIS DE CRIME São Paulo, 8 de setembro de 1999. BOLETIM GERAL PM 171 1 - DIRETRIZES A SEREM SEGUIDAS NO ATENDIMENTO DE LOCAIS DE CRIME Resolução SSP- 382, de 1/9/99 O Secretario da Segurança Pública Considerando que

Leia mais

O OFICIAL DE DIA COMO POLICIAL, AUTORIDADE POLICIAL MILITAR, AUTORIDADE PENITENCIÁRIA E AUTORIDADE JUDICIÁRIA MILITAR Luiz Carlos Couto

O OFICIAL DE DIA COMO POLICIAL, AUTORIDADE POLICIAL MILITAR, AUTORIDADE PENITENCIÁRIA E AUTORIDADE JUDICIÁRIA MILITAR Luiz Carlos Couto O OFICIAL DE DIA COMO POLICIAL, AUTORIDADE POLICIAL MILITAR, AUTORIDADE PENITENCIÁRIA E AUTORIDADE JUDICIÁRIA MILITAR Luiz Carlos Couto I - INTRODUÇÃO: O presente artigo, está sendo escrito, imaginando

Leia mais

LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988

LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 TÍTULO VIII Da Ordem Social CAPÍTULO VII DA FAMÍLIA, DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO Art. 227. É dever da família, da sociedade

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005

ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005 ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005 Estabelece as competências da Secretaria de Segurança Legislativa do Senado Federal e das Subsecretarias e Serviços a ela subordinados. O DIRETOR-GERAL DO SENADO FEDERAL,

Leia mais

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS RELATIVAS ÀS FUNÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO Art. 129. São funções institucionais do Ministério Público: I- promover,

Leia mais

CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES

CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES Conselho Tutelar Órgão permanente e autônomo, não jurisdicional, encarregado pela sociedade de zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do adolescente,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL

CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL Associação Brasileira de Quiropraxia Aprovado em Assembléia Geral Extraordinária da Associação Brasileira de Quiropraxia, Novo Hamburgo, 01 de

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética MENSAGEM DA DIRETORIA A todos os dirigentes e empregados A Companhia de Seguros Aliança do Brasil acredita no Respeito aos princípios éticos e à transparência de conduta com as

Leia mais

FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA

FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA Conjunto de normas que definem os aspectos da

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010 ASSUNTO: Relação do Assistente Social com autoridades do Sistema Judiciário/ Determinações ou exigências emanadas, que não se coadunam com o Código de Ética do Assistente Social e com as normas previstas

Leia mais

CONSIDERANDO o que o Sr. João Lima Goes relatou ao Conselho Tutelar de Alto Piquiri Paraná, cuja cópia segue em anexo;

CONSIDERANDO o que o Sr. João Lima Goes relatou ao Conselho Tutelar de Alto Piquiri Paraná, cuja cópia segue em anexo; RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 05/2012 CONSIDERANDO que, nos termos do art. 201, inciso VIII, da Lei nº 8.069/90, compete ao Ministério Público zelar pelo efetivo respeito aos direitos e garantias legais

Leia mais

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição,

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição, DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados Unidos da América Relativo à Cooperação entre suas Autoridades de Defesa

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 821/97 Aprova a NBC P 1 Normas Profissionais de Auditor Independente com alterações e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade DIRECÇÃO NACIONAL DE ASSESSORIA JURÍDICA E LEGISLAÇÃO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Lei nº /2012, de de Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade A presente lei define as regras aplicáveis

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre:

Leia mais

RECOMENDAÇÃO MINISTERIAL Nº 002/2015

RECOMENDAÇÃO MINISTERIAL Nº 002/2015 Procedimento administrativo nº 201400036940 RECOMENDAÇÃO MINISTERIAL Nº 002/2015 Objeto: Dispõe sobre o dever de atuação de diversas autoridades públicas, durante a Romaria Nossa Senhora d'abadia do Muquém

Leia mais

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Rodolfo Torres Advogado Assessor Jurídico do INEA Especialista em Direito Ambiental pela PUC/RJ Fiscalização: noções gerais Manifestação do

Leia mais

XXI Seminário Nacional de Segurança das IPES UFPA - 2012 Legislação e suas Contradições na Segurança das IPES

XXI Seminário Nacional de Segurança das IPES UFPA - 2012 Legislação e suas Contradições na Segurança das IPES XXI Seminário Nacional de Segurança das IPES UFPA - 2012 Legislação e suas Contradições na Segurança das IPES Armando Luís do Nascimento Universidade Federal de Pernambuco Pesquisador do Núcleo de Estudos

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA O USO DA VIATURA DO CCD PM CASCAIS

REGULAMENTO INTERNO PARA O USO DA VIATURA DO CCD PM CASCAIS REGULAMENTO INTERNO PARA O USO DA VIATURA DO CCD PM CASCAIS 2014 Regulamento Interno para o uso da viatura do CCD PM Cascais Página 1 Artigo 1º Objeto O presente regulamento interno estabelece as normas

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL DANIELA MURARO DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS

DIREITO CONSTITUCIONAL DANIELA MURARO DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS 11.1 DEFINIÇÃO A Constituição de 1988, nos arts. 136 a 141, prescreve as regras relativas ao Estado de Defesa e ao Estado Sítio. São normas que visam à

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE AULA 04 INTRODUÇÃO AO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DOCENTE: ROSEMARI VIEIRA BRAGANÇA ARQUITETO E URBANISTA RESPONSABILIDADES E OBRIGAÇÕES ÉTICA RESPONSABILIDADE TÉCNICA RESPONSABILIDADE

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. R E S O L V E

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. R E S O L V E INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. Recomenda a observação da norma constante no Anexo I. O Sistema de Controle Interno do Município de Lucas do Rio Verde, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA SUMÁRIO APRESENTAÇÃO COLABORADORES Princípios éticos funcionais Emprego e Ambiente de trabalho Conflito de interesses Segredos e informações comerciais SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR PRISÃO REALIZADA PELA GUARDA MUNICIPAL Denis Schlang Rodrigues Alves - Delegado de Polícia do Estado de Santa Catarina. Pós- Graduado em Direito Penal pela Universidade Paulista. Professor de Direito Penal

Leia mais

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Código de Ética dos Arquivistas Objetivo: Fornecer à profissão arquivística

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 01. Tratando se das atribuições de um Vigia de um órgão público municipal, é correto afirmar que: A) A realização de rondas diurnas e noturnas tem como objetivo evitar roubos,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO CONJUNTA N 4, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2014

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO CONJUNTA N 4, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2014 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO CONJUNTA N 4, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2014 Regulamenta, no âmbito do Poder Judiciário e do Ministério Público, os arts. 6º, inciso XI, e 7 -A, ambos da

Leia mais

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador Coordenador: SEGURANÇA Visão: Que Santa Maria tenha os melhores indicadores de Segurança Pública, entre os municípios do Rio Grande do Sul com mais de 100 mil habitantes, garantindo a prevenção e o controle

Leia mais

REGULAMENTO DISCIPLINAR CAPÍTULO I. Artigo 1º Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DISCIPLINAR CAPÍTULO I. Artigo 1º Âmbito de aplicação REGULAMENTO DISCIPLINAR CAPÍTULO I PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação 1. O presente Regulamento Disciplinar é aplicável aos estudantes do ISAL - Instituto Superior de Administração e

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA NORMAS DE USO I - DA NATUREZA (da finalidade) art 1 - O Laboratório caracteriza-se por sua natureza didático-pedagógica, servindo de complemento aos

Leia mais

Questões Fundamentadas Da Lei Maria da Penha Lei 11.340/2006

Questões Fundamentadas Da Lei Maria da Penha Lei 11.340/2006 1 Para adquirir a apostila digital de 150 Questões Comentadas Da Lei Maria da Penha - Lei 11.340/2006 acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ATENÇÃO: ENTREGA SOMENTE VIA E-MAIL ESSA APOSTILA SERÁ

Leia mais

Abaixo, você encontra perguntas e respostas frequentes sobre o exercício profissional dos médicos.

Abaixo, você encontra perguntas e respostas frequentes sobre o exercício profissional dos médicos. Consultas à Defesa Anualmente, o Departamento de Defesa Profissional da Associação Paulista de Medicina (APM) realiza cerca de mil atendimentos, esclarecendo dúvidas sobre uma série de assuntos e garantindo

Leia mais

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO de acordo com o projeto de norma nº 24:203.002-004 da ABNT ( setembro 2000 ) 1 Objetivo 1.1 Estabelecer

Leia mais

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES - Evasão de divisas e lavagem de capitais as alterações da Lei 12.683/12 - Investigação de crimes financeiros - Cooperação jurídica internacional

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM Dispõe sobre a normatização do funcionamento dos prontos-socorros hospitalares, assim como do dimensionamento da equipe médica e do sistema de trabalho. O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

SP 09/95 NT 193/95. Subsídios para Legislação de Trânsito sobre Veículos de Emergência. Arqº Luis Fernando C. Figueiredo. 1.

SP 09/95 NT 193/95. Subsídios para Legislação de Trânsito sobre Veículos de Emergência. Arqº Luis Fernando C. Figueiredo. 1. SP 09/95 NT 193/95 Subsídios para Legislação de Trânsito sobre Veículos de Emergência Arqº Luis Fernando C. Figueiredo 1. Introdução Apresentam-se neste artigo as disposições referentes aos veículos policiais,

Leia mais

Guarda Municipal de Fortaleza Direito Constitucional Segurança Pública Emilly Albuquerque

Guarda Municipal de Fortaleza Direito Constitucional Segurança Pública Emilly Albuquerque Guarda Municipal de Fortaleza Direito Constitucional Segurança Pública Emilly Albuquerque 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. SEGURANÇA PÚBLICA Art. 144 CF Art.

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR

POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR Maslow e as necessidades humanas: A preocupação com a segurança. Qualificando a palavra segurança : Conceito

Leia mais

Código de Ética do Administrador

Código de Ética do Administrador Código de Ética do Administrador Júlio Cesar Andrade de Abreu Fonte: CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO ADMINISTRADOR (Aprovado pela Resolução Normativa CFA nº 353, de 9 de abril de 2008) Dos Deveres (Art

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 Dispõe sobre os cargos em comissão do Ministério Público do Estado da Bahia, e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições

Leia mais

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT]

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] 1. Os Tribunais de Contas somente podem realizar suas tarefas quando são independentes da entidade auditada e são protegidos

Leia mais

A SEGURADORA GLOBAL DE CONFIANÇA

A SEGURADORA GLOBAL DE CONFIANÇA A SEGURADORA GLOBAL DE CONFIANÇA RESPONSABILIDADE CIVIL Principais Características ÍNDICE O que é RC Riscos Excluídos Forma de Contratação e Prescrição O que é a Responsabilidade Civil Responsabilidade

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE INFRAÇÃO

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE INFRAÇÃO O veículo estacionado, afastado da guia da calçada (meio fio) a mais de um metro, faz do seu condutor um infrator cuja punição será: 1 retenção do veículo e multa, infração média. 2 apreensão do veículo

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO MAGNA INTERNATIONAL INC. DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO Oferecer ou receber presentes e entretenimento é muitas vezes uma

Leia mais

PROJETO DE LEI N, DE 2007. (Da Sra. Elcione Barbalho)

PROJETO DE LEI N, DE 2007. (Da Sra. Elcione Barbalho) PROJETO DE LEI N, DE 2007. (Da Sra. Elcione Barbalho) Dispõe sobre normas gerais de segurança em casas de espetáculos e similares. O Congresso Nacional decreta: Art. 1.º Esta lei estabelece normas gerais

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 Código de Processo Penal. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: LIVRO II DOS

Leia mais

Código de Ética da Psicopedagogia

Código de Ética da Psicopedagogia Código de Ética da Psicopedagogia O Código de Ética tem o propósito de estabelecer parâmetros e orientar os profissionais da Psicopedagogia brasileira quanto aos princípios, normas e valores ponderados

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta O Código de Ética e Conduta do ESA - Externato Santo Antônio estabelece o comportamento esperado de todos aqueles que trabalham na, para e com a instituição, e tem por objetivo

Leia mais

PMERJ/CETIC. Novas Tecnologias na Polícia Militar

PMERJ/CETIC. Novas Tecnologias na Polícia Militar PMERJ/CETIC Novas Tecnologias na Polícia Militar Apresentação pessoal CEL PM DJALMA JOSÉ BELTRAMI TEIXEIRA PMERJ Coordenador do CETIC Coordenadoria Especializada em Tecnologia e Comunicações Atribuições

Leia mais

Associação Nacional de Engenharia de Segurança do Trabalho. SINDUSCON - São Paulo 25 de julho de 2011

Associação Nacional de Engenharia de Segurança do Trabalho. SINDUSCON - São Paulo 25 de julho de 2011 SINDUSCON - São Paulo 25 de julho de 2011 Ciclo de Debates ATUALIZAÇÃO DO CAPITULO V DA CLT Eng. Seg. Trab. Celso Atienza Eng. Seg. Trab. Elizabeth Spengler Cox de Moura Leite CLT CAPÍTULO V Das Condições

Leia mais

LEI N.º 10/91 ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO. Artigo l.º

LEI N.º 10/91 ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO. Artigo l.º LEI N.º 10/91 A Assembleia Nacional no uso das atribuições que lhe são conferidas ao abrigo da alínea d) do artigo 87º. Da Constituição, aprova a seguinte Lei: ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO

Leia mais

MANUAL DE DIRETRIZES NACIONAIS PARA EXECUÇÃO DE MANDADOS JUDICIAIS DE MANUTENÇÃO E REINTEGRAÇÃO DE POSSE COLETIVA.

MANUAL DE DIRETRIZES NACIONAIS PARA EXECUÇÃO DE MANDADOS JUDICIAIS DE MANUTENÇÃO E REINTEGRAÇÃO DE POSSE COLETIVA. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DEPARTAMENTO DE OUVIDORIA AGRÁRIA E MEDIAÇÃO DE CONFLITOS - DOAMC MANUAL DE DIRETRIZES NACIONAIS PARA EXECUÇÃO DE MANDADOS JUDICIAIS DE MANUTENÇÃO E REINTEGRAÇÃO DE

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE 1. OBJETIVO: Este Termo de Referência têm como objetivo estabelecer diretrizes para elaboração do Plano de Emergência para Transporte de Produtos Perigosos. O plano deverá garantir de imediato, no ato

Leia mais

AS POLÍCIAS MILITARES E A PRESERVAÇÃO DA ORDEM PÚBLICA

AS POLÍCIAS MILITARES E A PRESERVAÇÃO DA ORDEM PÚBLICA AS POLÍCIAS MILITARES E A PRESERVAÇÃO DA ORDEM PÚBLICA INTRODUÇÃO O constituinte de 1988 inaugurou no Direito Constitucional brasileiro um capítulo sobre a segurança pública, e o fez repartindo competência

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 039/2015 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE GERAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA Marcelo Vituzzo Perciani 1º Tenente da Polícia

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

LC 114/05. 1. Só fazer qualquer procedimento mediante Ordem de Serviço (OS) investigar, intimar, cumprir mandado de prisão etc.

LC 114/05. 1. Só fazer qualquer procedimento mediante Ordem de Serviço (OS) investigar, intimar, cumprir mandado de prisão etc. 1. Só fazer qualquer procedimento mediante Ordem de Serviço (OS) investigar, intimar, cumprir mandado de prisão etc. INCUMBE: II - no exercício da atividade policial judiciária: a) planejar, coordenar,

Leia mais

Informações práticas para denunciar crimes raciais

Informações práticas para denunciar crimes raciais Informações práticas para denunciar crimes raciais O que é racismo? Racismo é tratar alguém de forma diferente (e inferior) por causa de sua cor, raça, etnia, religião ou procedência nacional. Para se

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 Suponha se que Maria estivesse conduzindo o seu veículo quando sofreu um acidente de trânsito causado por um ônibus da concessionária do serviço público

Leia mais

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA - NOR 204

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA - NOR 204 ASSUNTO: MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO, FINANÇAS E PESSOAS CONTROLE DE ACESSO E CIRCULAÇÃO INTERNA NAS DEPENDENCIAS DA EMPRESA APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 77, de 08/06/2015 COD. 200 VIGÊNCIA: 08/06/2015

Leia mais

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004.

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. APROVA A NORMA PARA A HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE EMPRESAS BRASILEIRAS E ESTRANGEIRAS DE NAVEGAÇÃO PARA TROCA DE ESPAÇOS NO TRANSPORTE MARÍTIMO

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO RONALDO FONSECA

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO RONALDO FONSECA COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N 0 5.618, DE 2005 (Apensados os Projetos de Lei nº 7.456, de 2006 e nº 7.741, de 2010) Dispõe sobre a regulamentação da profissão

Leia mais

Áreas de atuação do Perito Criminal

Áreas de atuação do Perito Criminal Áreas de atuação do Perito Criminal Art. 19. São deveres do funcionário policial civil: I - assiduidade; II - pontualidade; III - discreção; IV - urbanidade; V - lealdade às instituições constitucionais

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

do Idoso Portaria 104/2011

do Idoso Portaria 104/2011 DEVER DE NOTIFICAR- do Idoso Portaria 104/2011 Lei 6.259/75l Lei 10.778/03, ECA, Estatuto n Médicos n Enfermeiros n Odontólogos n Biólogos n Biomédicos n Farmacêuticos n Responsáveis por organizações e

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

o PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTiÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais, e

o PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTiÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais, e RESOLUÇÃO N.o 83, de 10 de junho de 2009. Dispõe sobre a aquisição, locação e uso de veículos no âmbito do Poder Judiciário brasileiro e dá outras providências. o PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTiÇA,

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE FACULDADE nº 002/04

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE FACULDADE nº 002/04 RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE FACULDADE nº 002/04 O Prof. Sérgio Clementi, Diretor da Faculdade de Engenharia, do Centro Universitário Fundação Santo André, no uso de suas atribuições estatutárias e resolve:

Leia mais

CARTA DE AUDITORIA INTERNA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI)

CARTA DE AUDITORIA INTERNA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI) CARTA DE AUDITORIA INTERNA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI) «Para um serviço de excelência» 2015 1. OBJETIVO Pelo Despacho n.º 9/2014, de 21 de novembro, do Diretor-Geral da Administração da Justiça

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA

LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA C O N T E Ú D O : N O Ç Õ E S D E D I R E I T O : I N T R O D U Ç Ã O A O E S T U D O D O D I R E I T O A M B I E N T A L C A R A C T E R Í S T I C A S D A L E G I S L

Leia mais

Instrução Normativa n.º 001/2008-1/SCI

Instrução Normativa n.º 001/2008-1/SCI [ Página n.º 1 ] DISPÕE SOBRE OS PADRÕES, RESPONSABILIDADES E PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO, EMISSÃO, ALTERAÇÃO, ATUALIZAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DE INSTRUÇÕES NORMATIVAS A RESPEITO DAS ROTINAS

Leia mais